FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE ALEGRE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE ALEGRE"

Transcrição

1 FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE ALEGRE COLEGIADO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS D I S C I P L I N A : H I G I E N E E S A Ú D E H U M A N A P R O F E S S O R A : P A U L A A L V A R E Z C A B A N Ê Z A L E G R E - ES

2 DOENÇA É um processo nocivo de causas variáveis, que, ao se instalar no organismo, produz manifestações chamadas de sinais e sintomas, as quais em conjunto o caracterizam. As doenças se caracterizam também por particularidades na população. Umas são mais comuns em certas regiões ou em certas épocas ou mesmo de hábitos da população.

3

4 Sinais e Sintomas Sinal - Manifestação objetiva da doença pode ser percebido por outra pessoa, geralmente um médico. Ex.: Tosse, vômitos, diarreia. Sintoma - Manifestação subjetiva da doença, é sentido pelo doente e será conhecido se o paciente se queixar. Ex.: a náusea que antecede o vômito.

5 DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS São aquelas que passam de um indivíduo para o outro, não importando o modo pelo qual isso acontece. Tem como agente causal um ser vivo, o macroparasito (visto a olho nu) ou microparasito (visto com auxílio de microscópio).

6 O PROCESSO DE TRANSMISSÃO (PROCESSO EPIDÊMICO) Transmissão é a passagem de um agente de doença de um indivíduo para o outro. Envolve quatro elementos básicos: AGENTE CAUSAL FONTE AMBIENTE SUSCETÍVEL Pode ser um vírus, uma bactéria, um protozoário, um ácaro, um verme. O elemento a partir Cada do espécie qual se do adquire agente o causal apresenta agente particularidades Conjunto doença. de tudo que o podem que cerca influir um na É todo elemento onde o agente transmissão. indivíduo. causal se multiplica Onde Indivíduo ou acontece se aloja. que o processo corre o risco de transmissão de contrair o e É possível admitir dependendo agente vários causal tipos da de doença uma fontes, determinada pode maior fonte. ou animadas (pessoas, As menor animais crianças influência vegetais) numa sala nesse ou de processo. aula onde há inanimadas Por alguém ex.: (solo, o com bacilo água). caxumba tetânico (fonte), pode ficar por exemplo, vários são os suscetível meses em no solo. relação a essa fonte.

7 MODOS DE TRANSMISSÃO Transmissão direta O agente causal passa da fonte para o suscetível sem o auxílio de um veículo intermediário. Ex: transmissão durante um beijo, durante uma relação sexual ou na mordida de um animal.

8 MODOS DE TRANSMISSÃO Transmissão indireta É aquela em que o agente passa da fonte para o suscetível através de um veículo intermediário; Ex: água, alimentos, insetos.

9 CONTÁGIO contagiu = con: com / tangere: tocar Contágio = com toque, através do ato de tocar Forma de transmissão que exige proximidade (espacial ou temporal) entre a fonte e o suscetível.

10 CONTÁGIO Nem toda doença transmissível é contagiosa. Doença contagiosa é o tipo de doença transmissível que passa por contágio. Ex.: a gripe e o sarampo são doenças transmissíveis contagiosa, pois transmitem por contágio; Já o tétano é uma doença transmissível, mas não é contagioso, mesmo que alguém se aproxime do doente, não pegará a doença.

11 Tipos de Contágio Contágio imediato ou direto: Ocorre através do contato íntimo, entre a fonte e o suscetível. Ex.: relação sexual

12 Tipos de Contágio Contágio mediato ou indireto: não é necessário o contato íntimo entre a fonte e o suscetível. Tempo de transmissão limitado, agentes de doença sobrevivem no ambiente por pouco tempo. Ex.: Feito através de copos, talheres, chupetas, etc.

13 O DOENTE A identificação do doente é o primeiro passo para evitar que essa fonte dissemine a doença. Fazer diagnósticos não cabe ao professor ou ao biólogo, e sim o reconhecimento de sinais que permitam a suspeita de doença transmissível. A transmissão a partir do doente não ocorre apenas quando o indivíduo apresenta sinais de uma doença.

14 O DOENTE O doente, do ponto de vista das características e da fase da doença, pode ser: Doente típico; Doente atípico, ou, Doente prodrômico.

15 O DOENTE Doente típico Apresenta o quadro característico da doença; Não oferece ao médico dificuldades de diagnóstico; A fonte que mais libera o agente da doença, é também o que mais pode ser controlada. Ex.: doente típico do sarampo, é uma pessoa com febre, lacrimejamento, garganta inflamada, tosse, pontos avermelhados na pele e sinal de Koplik.

16 O DOENTE Doente atípico Apresenta sinais e sintomas; Não compõe o quadro característico da doença; Dificulta o diagnóstico e muitas vezes retardando a tomada de medidas profiláticas.

17 O DOENTE Doente Prodrômico Aparecem os primeiros sinais (pródromos) da doença; Porém ainda insuficientes para caracterizá-la; Nessa fase, dependendo da doença, pode haver elevada liberação do agente causal; A identificação de um doente prodrômico pode evitar a instalação de um surto da doença.

18 Portadores Sãos Todos os indivíduo que não apresentam sinais de uma doença, não estão doente; Embora possuam o agente causal, podendo, transmiti-lo, recebem o nome de portadores sãos ou sadios; Ex.: Uma cozinheira norte americana durante 37 anos disseminou a febre tifóide (Bastos, 1976). Em 8 anos foi a fonte de sete epidemias, com mais de duzentas pessoas atingidas Typhoid Mary.

19 Tipos de Portadores Sãos Portador passivo - Aquele que não desenvolveu a doença e nem irá desenvolvê-la; Portador ativo - Não desenvolveu a doença mas está liberando o agente. Indivíduo que está se recuperando, ou já se recuperou, mas continua liberando o agente da doença.

20 Portador Passivo Portador permanente- Alberga um agente de doença por longo tempo. Ex.: Há pessoas que liberam a Salmonella typhi durante vários anos. Portador temporário -Alberga um agente de doença por um curto período de tempo. Ex.: Há que contraem o vírus da poliomielite e não adoecem, mas chegam a libera-lo, embora por um curto tempo.

21 Portador Ativo Portador precoce - Não tem nenhum sinal ou sintoma, pois está no período de incubação, mas já libera o agente da doença. Ex.: coqueluche, na rubéola e na AIDS Portador convalescente - No período de recuperação, ou durante algum tempo, continua liberando o agente da doença. Ex.: escarlatina.

22 Portador Ativo Portador Crônico - Decorrido um tempo prolongado após a doença, continua liberando o agente causal. Ex.: da febre tifóide.

23 O agente causal Apresenta algumas características que influem na transmissão ou instalação da doença; Essas características se manifestam em graus diferentes, de acordo com a espécie do agente causal; As principais são: infectividade, patogenicidade, virulência, imunogenicidade e viabilidade.

24 Infectividade Capacidade de penetrar em um organismo reproduzindo-se ou desenvolvendo-se; A infectividade de um agente pode ser avaliada pela freqüência com que a infecção incide na população. Ex:O vírus da gripe tem infectividade alta.

25 Patogenicidade Capacidade do agente para produzir alterações em um organismo; Pode ser avaliada pelo número de indivíduos que, entre, os infectados apresentam sintomas, isto é ficam doentes; Ex:O toxoplasma tem alta infectividade (1/3 da população mundial o possui)mas baixa patogenicidade (são poucos os casos da doença em proporção ao número de infectados).

26 Virulência Não deve ser confundido com patogenicidade; Capacidade do agente para causar alterações graves em um organismo; Pode ser avaliada pelo número de óbitos ou de seqüelas entre os que apresentam a doença. Ex: A raiva, é altamente virulento, há óbito em 100%dos casos. O vírus da poliomielite, que pode deixar paralítica a criança

27 Imunogenicidade Capacidade do agente de induzir um organismo a dar uma resposta protetora contra o próprio agente (resposta imune); O vírus do sarampo tem elevada imunogenicidade, raramente se contrai sarampo uma segunda vez. A gripe, tem imunogenicidade menor

28 Viabilidade Capacidade do agente para sobreviver fora do hospedeiro. A forma esporulada do bacilo tetânico tem alta viabilidade sobrevive vários meses no ambiente. O gonococo tem baixa viabilidade, perdendo seu poder de infecção em pouquíssimo tempo quando está fora do organismo.

29 Considerações sobre o ambiente Ambiente é tudo o que cerca um ser vivo; O homem, cria componentes sócio-econômicos que podem atuar na transmissão das doenças; Os fatores ambientais que atuam no processo de transmissão podem ser agrupados em: Fatores físicos, Biológicos e sócio-econômicos.

30 Fatores Físicos Os fatores físicos atuam de forma variada; Temperatura, umidade, enchentes, água parada; Temperaturas altas - Reprodução de bactérias, Umidade alta - Sobrevivência de bactérias, fungos e insetos. Enchentes -Febre tifóide e a leptospirose Águas paradas -malária, febre amarela,dengue

31 Fatores Biológicos Muitos artrópodes são vetores de doença; Ex: o inseto barbeiro, os carrapatos vermes que infestam o homem, como o porco, o boi

32 Fatores sócio-econômicos Os fatores sócio-econômicos criam as condições favoráveis para a transmissão e instalação de doenças; A desnutrição, Falta de saneamento básico Falta de hábito de higiene; Vida em habitações precárias,

33 Indicadores do nível de saúde A avaliação do nível de saúde de um país é feita através de dados que refletem: as condições de saneamento básico, de assistência a saúde e de bem estar das pessoas.

34 A OMS sugere 3 categorias de indicadores Indicadores que refletem o estado de saúde das populações (coeficiente de mortalidade geral, coeficiente de mortalidade infantil, esperança de vida ao nascer e outros); Indicadores que refletem as condições ambientais (rede de esgoto, água tratada) ; Indicadores que refletem os serviços de saúde prestados à população (números de leitos e números de médicos em relação ao número de habitantes, etc)

35 A OMS considera que um país conquistou marcos rumo a saúde quando A política de saúde para todos foi objeto da mais alta aprovação oficial; Foram criados ou reforçados mecanismos que permitam a participação da população na aplicação das estratégias de saúde (participação de associações de diferentes profissionais, de agricultores e de sindicatos); Pelo menos 5% do produto nacional bruto são destinados a saúde

36 A OMS considera que um país conquistou marcos rumo a saúde quando Uma porcentagem razoável das despesas nacionais de saúde destina-se ao atendimento a saúde a nível local ( atendimento geral a comunidade em centros de saúde e postos de saúde, e não em grandes hospitais); Os recursos são distribuídos eqüitativamente Para os diferentes grupos populacionais e para áreas urbana e rural; Há estratégias bem definidas de saúde para todos e destinação clara de recursos com o apoio constante dos países ricos;

37 A OMS considera que um país conquistou marcos rumo a saúde quando Os cuidados primários de saúde estão a disposição do conjunto da população (água tratada, vacinação, assistência materno-infantil); O estado nutricional das crianças é satisfatório;( 90% dos recém-nascidos com peso igual ou superior a 2,5 quilos e 90% das crianças com peso corporal correspondente aos valores de referência da OMS.)

38 A OMS considera que um país conquistou marcos rumo a saúde quando A taxa de mortalidade infantil para todos os subgrupos da sociedade é inferior a 50 por 1000 nascidos vivos; A esperança de vida ao nascer é superior a 60 anos; A taxa de alfabetização dos adultos (homens e mulheres) é superior a 70%. O produto Nacional Bruto por habitante é superior a 500 dólares.

Doenças Infecciosas e Transmissão de Doenças: Conceitos Básicos

Doenças Infecciosas e Transmissão de Doenças: Conceitos Básicos Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Estudos em Saúde Coletiva Graduação de Saúde Coletiva Disciplina: Fundamentos de Epidemiologia Doenças Infecciosas e Transmissão de Doenças: Conceitos

Leia mais

Cadeia epidemiológica

Cadeia epidemiológica Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Veterinária Cadeia epidemiológica Epidemiologia e ecologia Fábio Raphael Pascoti Bruhn MÁGICO-RELIGIOSAS Pré-história (até 3500 a.c) e idade média (500 a 1500

Leia mais

Fundamentos de Epidemiologia

Fundamentos de Epidemiologia Fundamentos de Epidemiologia 1 Definição do grego epi = sobre, demos = população. Do ponto de vista etimológico seria o estudo das epidemias. É estudo da freqüência, distribuição espacial e cronológica

Leia mais

Jean Berg Alves da Silva HIGIENE ANIMAL. Jean Berg Alves da Silva. Cronograma Referências Bibliográficas 09/03/2012

Jean Berg Alves da Silva HIGIENE ANIMAL. Jean Berg Alves da Silva. Cronograma Referências Bibliográficas 09/03/2012 Jean Berg Alves da Silva Médico Veterinário UFERSA (2001) Dr. Ciências Veterinárias UECE (2006) Professor do Departamentos de Ciências Animais da UFERSA HIGIENE ANIMAL Jean Berg Jean Berg Alves da Silva

Leia mais

Doenças Infecciosas / Transmissíveis

Doenças Infecciosas / Transmissíveis Doenças Infecciosas / Transmissíveis Uma doença causada por um agente infeccioso, ou pelos seus produtos tóxicos, que surge num hospedeiro susceptível, devido à transmissão desse agente ou dos seus produtos,

Leia mais

Estrutura epidemiológica dos problemas de saúde: o agente, o hospedeiro e o ambiente

Estrutura epidemiológica dos problemas de saúde: o agente, o hospedeiro e o ambiente Estrutura epidemiológica dos problemas de saúde: o agente, o hospedeiro e o ambiente IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade Residência Professores: Antonio José

Leia mais

INFECÇÕES. Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto

INFECÇÕES. Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto INFECÇÕES Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto Definição É a colonização de um organismo hospedeiro por uma espécie estranha. Numa infecção, o organismo infectante procura utilizar os recursos do hospedeiro para

Leia mais

Epidemiologia das Doenças Infecciosas e Surto. HEP Cassia M Buchalla

Epidemiologia das Doenças Infecciosas e Surto. HEP Cassia M Buchalla Epidemiologia das Doenças Infecciosas e Surto HEP 0176 2017 Cassia M Buchalla Infecção é o processo pelo qual um agente biológico penetra, desenvolve-se ou multiplica-se no organismo de outro ser vivo

Leia mais

Cadeia epidemiológica

Cadeia epidemiológica Cadeia epidemiológica As doenças infeciosas transmitem-se através de uma cadeia Agente causal ou invasor Reservatório Saída do reservatório (ou porta de saída) Modo de contágio Entrada no hospedeiro (ou

Leia mais

A Epidemiologia Descritiva

A Epidemiologia Descritiva A Epidemiologia Descritiva A Epidemiologia no seu processo descritivo estuda a distribuição de frequências das doenças e dos agravos à saúde coletiva em função das variáveis ligadas ao tempo, ao espaço

Leia mais

OS VÍRUS Um Caso à Parte

OS VÍRUS Um Caso à Parte OS VÍRUS Um Caso à Parte CARACTERÍSTICAS São extremamente pequenos (medem menos que 0,2 um) e acelulares São considerados como a nova descoberta de seres vivos, porém possuem muitas características de

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA E SAÚDE PÚBLICA HISTÓRIA NATURAL E PREVENÇÃO DE DOENÇAS

EPIDEMIOLOGIA E SAÚDE PÚBLICA HISTÓRIA NATURAL E PREVENÇÃO DE DOENÇAS Caro Leitor, A equipe técnica do Concurseiro da Saúde empenha-se em desenvolver apostilas e materiais atualizados de acordo com as leis recentemente publicadas a fim de estar sempre em consonância com

Leia mais

Pneumonia (Pneumonia Humana) (compilado por Luul Y. Beraki)

Pneumonia (Pneumonia Humana) (compilado por Luul Y. Beraki) Pneumonia (Pneumonia Humana) (compilado por Luul Y. Beraki) Pneumonia A pneumonia é uma inflamação do pulmão. Comumente ocorre em todas as faixas etárias. É a principal causa de morte entre idosos e pessoas

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 11 PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE VACINAS O que faz uma vacina? Estimula

Leia mais

Epidemiologia. Disciplina: Higiene e profilaxia animal. Fábio Raphael Pascoti Bruhn

Epidemiologia. Disciplina: Higiene e profilaxia animal. Fábio Raphael Pascoti Bruhn Epidemiologia Disciplina: Higiene e profilaxia animal Fábio Raphael Pascoti Bruhn Epidemiologia Conceito: epi (sobre) + demo (povo) Estudo da distribuição dos estados de saúde e eventos em populações,

Leia mais

Meningite: O que você PRECISA SABER

Meningite: O que você PRECISA SABER SUBS ECRE TARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVISÃO DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS E IMONUPREVENÍVEIS GERÊNCIA DE

Leia mais

Doenças veiculadas por água contaminada

Doenças veiculadas por água contaminada Doenças veiculadas por água contaminada FORMAS DE CONTAMINAÇÃO Contato da pele com água contaminada; Ingestão de água contaminada; Ausência de rede de esgoto, falta de água ou práticas precárias de higiene;

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE MEDIDA DAS DOENÇAS

INDICADORES DE SAÚDE MEDIDA DAS DOENÇAS INDICADORES DE SAÚDE MEDIDA DAS DOENÇAS MEDIDA DAS DOENÇAS DEFINIÇÃO Consiste na enumeração da frequência com que uma doença e/ou agravo à saúde acomete uma população específica em um determinado tempo.

Leia mais

PARASITOLOGIA MÉDICA. Diogo Parente

PARASITOLOGIA MÉDICA. Diogo Parente PARASITOLOGIA MÉDICA Diogo Parente INTRODUÇÃO À PARASITOLOGIA OBJETIVO: Conhecer o parasitismo num contexto ecológico e como forma de relação entre os seres vivos. URBANIZAÇÃO DA SOCIEDADE O êxodo rural,

Leia mais

Data: Nome: Ano/Série: 7 ano. Ficha 4 Vírus

Data: Nome: Ano/Série: 7 ano. Ficha 4 Vírus Matéria: Ciências Data: Nome: Professor: André Freddi Ano/Série: 7 ano Ficha 4 Vírus O vírus é o único organismo acelular que existe, ou seja, sua estrutura não é formada por uma célula. Devido a isso

Leia mais

Informação é a melhor proteção. AIDS

Informação é a melhor proteção. AIDS Informação é a melhor proteção. AIDS AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

Gripe H1N1, o que os Pais precisam saber!

Gripe H1N1, o que os Pais precisam saber! 1 Gripe H1N1, o que os Pais precisam saber! O que é a gripe H1N1? A gripe H1N1, também conhecida como gripe A, é uma doença respiratória infecciosa de origem viral, que pode levar ao agravamento e ao óbito,

Leia mais

Distribuição das doenças e agravos segundo características relacionadas às pessoas, ao tempo e ao espaço (I): Séries temporais

Distribuição das doenças e agravos segundo características relacionadas às pessoas, ao tempo e ao espaço (I): Séries temporais Distribuição das doenças e agravos segundo características relacionadas às pessoas, ao tempo e ao espaço (I): Séries temporais IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade

Leia mais

Relação saúde doença

Relação saúde doença Relação saúde doença Aula 5 Profª Betânia Lara Engenharia Ambiental out 2015 A melhora das condições de vida do homem durante o século XX contribuiu para transformações da estrutura demográfica e para

Leia mais

Caracterizando as infecções

Caracterizando as infecções Semiologia e Semiotécnia em Enfermagem I Controle de Infecção Prof. Ricardo Mattos UNIG, 2009.1 Caracterizando as infecções Portaria MS 2.616 / 98, que regulamenta as ações de controle de infecção hospitalar

Leia mais

Conceito saúde-doença. História natural das doenças

Conceito saúde-doença. História natural das doenças Conceito saúde-doença História natural das doenças HEP0142_Aula2_2017 Conceitos de Saúde Saúde é o estado de completo bem-estar físico, mental e social e não meramente a ausência de doença ou de fragilidade

Leia mais

INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS

INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS EXERCÍCIO: As informações a seguir referem-se ao Distrito Federal em 1991: POPULAÇÃO em 01/07/1991: 1.596.274, sendo 766.043 homens e 830.231 mulheres; NASCIDOS VIVOS: 39.103; ÓBITOS Total de óbitos no

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Pesquisas Hidráulicas Departamento de Obras Hidráulicas IPH 02058: Tratamento de Água e Esgoto

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Pesquisas Hidráulicas Departamento de Obras Hidráulicas IPH 02058: Tratamento de Água e Esgoto Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Pesquisas Hidráulicas Departamento de Obras Hidráulicas IPH 02058: Tratamento de Água e Esgoto Engenharia Hídrica Maio de 2017 1 8. DESINFECÇÃO DA

Leia mais

FEBRE AMARELA VACINE-SE PREVENIR SAIBA COMO CONHEÇA OS SINTOMAS E

FEBRE AMARELA VACINE-SE PREVENIR SAIBA COMO CONHEÇA OS SINTOMAS E FEBRE AMARELA VACINE-SE CONHEÇA OS SINTOMAS E SAIBA COMO PREVENIR O que é A febre amarela é uma doença viral, febril, transmitida por mosquitos, que pode acometer um grande número de pessoas ao mesmo tempo.

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): Ano: 6º Nº Professor: Sonali Componente Curricular: Ciências

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): Ano: 6º Nº Professor: Sonali Componente Curricular: Ciências COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): Ano: 6º Nº Professor: Sonali Componente Curricular: Ciências Quantos reinos de seres vivos há na natureza? Essa pergunta já

Leia mais

Zika vírus. Confira todos os sintomas para saber se está com Zika vírus

Zika vírus. Confira todos os sintomas para saber se está com Zika vírus Zika vírus Os sintomas da Zika incluem febre baixa, dor nos músculos e articulações, além de vermelhidão nos olhos e manchas vermelhas na pele. A doença é transmitida pelo mesmo mosquito da dengue, e os

Leia mais

O site do Ministério da Saúde disponibilizou em seu Blog, algumas perguntas e respostas acerca da Febre Amarela, que podem ser conferidas nos links:

O site do Ministério da Saúde disponibilizou em seu Blog, algumas perguntas e respostas acerca da Febre Amarela, que podem ser conferidas nos links: DE OLHO NO MOSQUITO Hoje vamos nos estender um pouco mais, mas é por um bom motivo: falar da Febre Amarela. Quando abrimos qualquer site na Internet, muito raramente não vemos notícias relacionadas a esta

Leia mais

Unidade: Medidas de Frequência de Doenças e Indicadores de Saúde em Epidemiologia. Unidade I:

Unidade: Medidas de Frequência de Doenças e Indicadores de Saúde em Epidemiologia. Unidade I: Unidade: Medidas de Frequência de Doenças e Indicadores de Saúde em Epidemiologia Unidade I: 0 Unidade: Medidas de Frequência de Doenças e Indicadores de Saúde em Epidemiologia Introdução Existem evidências

Leia mais

Doenças Transmissíveis, Modos de Transmissão e Conceitos Epidemiológicos. Arnaldo F B Andrade FCM/UERJ 2012

Doenças Transmissíveis, Modos de Transmissão e Conceitos Epidemiológicos. Arnaldo F B Andrade FCM/UERJ 2012 Doenças Transmissíveis, Modos de Transmissão e Conceitos Epidemiológicos Arnaldo F B Andrade FCM/UERJ 2012 Doença Definição: desajustamento ou uma falha nos mecanismos de adaptação do organismo ou uma

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DAS INFECÇÕES VIRAIS. 1 Epidemiologia

EPIDEMIOLOGIA DAS INFECÇÕES VIRAIS. 1 Epidemiologia EPIDEMIOLOGIA DAS INFECÇÕES VIRAIS 1 Epidemiologia Epidemiologia Bibliografia: Virologia Veterinária, E. Flores (ed), UFSM, 2007 2 Epidemiologia Vírus e o meio (ambiente) externo a maioria dos vírus torna-se

Leia mais

GRIPE INFLUENZA TIPO A H1N1. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria de Vigilância em Saúde

GRIPE INFLUENZA TIPO A H1N1. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria de Vigilância em Saúde GRIPE INFLUENZA TIPO A H1N1 Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria de Vigilância em Saúde 2009 1 O que é a gripe A (H1N1)? É uma doença respiratória causada pelo vírus

Leia mais

Histórico. Imunização. Tipos de Imunização. Imunização ativa 14/09/2009

Histórico. Imunização. Tipos de Imunização. Imunização ativa 14/09/2009 Histórico Variolação: 1796 Vacina anti-rábica: 1885 Vacina anti-pólio (Salk): 1954 Vacina anti-pólio (Sabin): 1956 Primeira vacina recombinante: 1986 Vacina contra rotavírus: 1998 1 2 Imunização Objetivos:

Leia mais

Hepatite A: saiba como se pega o vírus, quais são os sintomas e tratamentos

Hepatite A: saiba como se pega o vírus, quais são os sintomas e tratamentos Neste verão, além da habitual preocupação com doenças como a dengue, a população do Rio de Janeiro foi surpreendida com um grande número de pessoas infectadas com o vírus da Hepatite A. Um surto, com concentração

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO

ATUALIZAÇÃO DO CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO ATUALIZAÇÃO DO CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO 2017 Seis vacinas terão seu público-alvo ampliado em 2017 Hepatite A: crianças Tetra Viral (sarampo, rubéola, caxumba e varicela): crianças Meningocócica C: crianças

Leia mais

Colégio São Paulo-Teresópolis/RJ

Colégio São Paulo-Teresópolis/RJ Colégio São Paulo-Teresópolis/RJ Disciplina: Ciências Data: /09/2015 Prof: Carolina série/ano: 6 o Ensino: Fundamental II 3 a Etapa Exercícios ( ) Prova:( ) ESTUDO DIRIGIDO P1 3 a ETAPA - GABARITO 1 Analise

Leia mais

Especialidade: Infectologia

Especialidade: Infectologia Profa. Dra. Walkyria Pereira Pinto Especialidade: Infectologia A Infectologia é uma Área de conhecimento que abrange as doenças causadas por microrganismos os mais diversos, como bactérias, vírus, protozoários

Leia mais

Conceito de Ecoepidemiologia Prof. Claudia Witzel

Conceito de Ecoepidemiologia Prof. Claudia Witzel Conceito de Ecoepidemiologia Prof. Claudia Witzel Definição Os fenômenos estudados pela epidemiologia pertencem ao âmbito coletivo e, portanto, devem remeter ao social. Faz sentido pensar em algum processo

Leia mais

DOENÇAS VIRAIS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA. Maria Cristina Fink

DOENÇAS VIRAIS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA. Maria Cristina Fink DOENÇAS VIRAIS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA Maria Cristina Fink O QUE É UM VÍRUS? A palavra vírus é originária do latim e significa toxina ou veneno É um microorganismo que pode infectar vários organismos

Leia mais

1. SOBRE A HISTÓRIA NATURAL DA DOENÇA, DIFERENCIE PERÍODO EPIDEMIOLÓGICO DE PERÍODO PATOLÓGICO. 2. CONCEITUE: A. AGENTE ETIOLÓGICO: B.

1. SOBRE A HISTÓRIA NATURAL DA DOENÇA, DIFERENCIE PERÍODO EPIDEMIOLÓGICO DE PERÍODO PATOLÓGICO. 2. CONCEITUE: A. AGENTE ETIOLÓGICO: B. QUESTIONÁRIO ROTEIRO DE ESTUDOS PROVA N2 A AVALIAÇÃO TERÁ 16 QUESTÕES OBJETIVAS, VALENDO 0,5 PONTOS CADA, MAIS UMA QUESTÃO EXTRA QUE, SE RESPONDIDA CORRETAMENTE, SUBSTITUIRÁ EM NOTA, UMA DAS QUESTÕES ERRADAS,

Leia mais

DESCRIÇÃO DA FREQÜÊNCIA E DISTRIBUIÇÃO DE DADOS GERADOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE

DESCRIÇÃO DA FREQÜÊNCIA E DISTRIBUIÇÃO DE DADOS GERADOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE VIGILÂNCIA EM SAÚDE PÚBLICA 37 DESCRIÇÃO DA FREQÜÊNCIA E DISTRIBUIÇÃO DE DADOS GERADOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE Aorganização preliminar de dados gerados por sistemas de informação de morbi-mortalidade, como,

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DESCRITIVA

EPIDEMIOLOGIA DESCRITIVA EPIDEMIOLOGIA DESCRITIVA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE CIÊNCIAS SOCIAIS E DA SAÚDE CURSO DE ENFERMAGEM MEDIDAS DE SAÚDE COLETIVA 5º CICLO PROFA. ME. KARLA PRADO DE SOUZA CRUVINEL

Leia mais

Carteira de VETPRADO. Hospital Veterinário 24h.

Carteira de VETPRADO. Hospital Veterinário 24h. Carteira de Carteira de VETPRADO Hospital Veterinário 24h www.vetprado.com.br Esquema de VacinaçãoGatos V5 Panleucopenia - Rinotraqueíte - Calicivirose Clamidiose - Leucemia Felina 90Dias 111Dias Raiva

Leia mais

24/02/2012. Conhecer o parasitismo num contexto ecológico e como forma de relação entre os seres vivos.

24/02/2012. Conhecer o parasitismo num contexto ecológico e como forma de relação entre os seres vivos. Yara Bandeira, Msc A parasitologia é uma ciência, da área de saúde, auxiliar da medicina humana e veterinária que se baseia no estudo dos parasitas e suas relaçoes com o hospedeiro Conhecer o parasitismo

Leia mais

Shigella. Topicos. Prof. Assoc. Mariza Landgraf. Introdução. Características da doença Tratamento Prevenção e Controle 03/04/2017

Shigella. Topicos. Prof. Assoc. Mariza Landgraf. Introdução. Características da doença Tratamento Prevenção e Controle 03/04/2017 Shigella Prof. Assoc. Mariza Landgraf Depto Alimentos e Nutrição Experimental Topicos Introdução Histórico Características do microorganismo Fatores Características da doença Tratamento Prevenção e Controle

Leia mais

9º ano em AÇÃO. Assunção contra o mosquito!

9º ano em AÇÃO. Assunção contra o mosquito! Paz e Bem 9º ano em AÇÃO Assunção contra o mosquito! Informações sobre o mosquito Mosquito doméstico Hábitos Reprodução Transmissão vertical DENGUE Transmissão: principalmente pela picada do mosquito

Leia mais

Influenza (gripe) 05/07/2013

Influenza (gripe) 05/07/2013 Influenza (gripe) 05/07/2013 O que é? Doença infecciosa aguda Vírus Influenza A e B Sazonal (outono e inverno) Incubação: 1 a 4 dias Transmissibilidade: Adultos: 24h antes dos sintomas e 24h após febre

Leia mais

GRIPE PERGUNTAS E RESPOSTAS

GRIPE PERGUNTAS E RESPOSTAS GRIPE PERGUNTAS E RESPOSTAS Este é um tema que ainda hoje merece muita atenção. Assim, com o objetivo de divulgar informações repassadas pelo Ministério da Saúde, organizamos este texto em forma de perguntas

Leia mais

Informe sobre INFLUENZA A / H1N1

Informe sobre INFLUENZA A / H1N1 Informe sobre INFLUENZA A / H1N1 Por que estamos fazendo este informativo? A gripe é uma doença contagiosa causada pelo vírus influenza, que costuma aumentar nos meses mais frios do ano. Este material

Leia mais

A saúde do tamanho do Brasil

A saúde do tamanho do Brasil A saúde do tamanho do Brasil BREVE HISTÓRIA DE UMA LONGA CAMINHADA A saúde é um direito de todos e um dever do estado. Essa conquista social, incorporada à Constituição Federal de 1988 e construída a partir

Leia mais

CADEIA EPIDEMIOLÓGICA DAS ENFERMIDADES TRANSMISSÍVEIS

CADEIA EPIDEMIOLÓGICA DAS ENFERMIDADES TRANSMISSÍVEIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO NÚCLEO BIOTECNOLOGIA CADEIA EPIDEMIOLÓGICA DAS ENFERMIDADES TRANSMISSÍVEIS CLÁUDIA PINHO HARTLEBEN MÉDICA VETERINÁRIA ÁREA SAÚDE PÚBLICA

Leia mais

SECRETARIA SECRET MUNICIP ARIA

SECRETARIA SECRET MUNICIP ARIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL Influenza A (H1N1) Estratégias para Atenuação de Epidemia Márcio Garcia Centro de Informações Estratégicas em Vig. em Saúde marciogarcia@rio.rj.gov.br cievs.rio@gmail.com

Leia mais

Unidade 2 Vírus, moneras, protoctistas e fungos

Unidade 2 Vírus, moneras, protoctistas e fungos Sugestões de atividades Unidade 2 Vírus, moneras, protoctistas e fungos 7 CIÊNCIAS 1 Vírus e bactérias 1. A imagem a seguir mostra células infectadas por um dos subtipos do vírus HPV (a sigla em inglês

Leia mais

Metodologia Científica. Justificativa

Metodologia Científica. Justificativa Metodologia Científica Justificativa 26/09/2017 Justificativa O que já sabemos sobre a Justificativa? Justificativa É o convencimento de que a realização da pesquisa é fundamental. Deve exaltar a importância

Leia mais

[ERLICHIOSE CANINA]

[ERLICHIOSE CANINA] [ERLICHIOSE CANINA] 2 Erlichiose Canina A Erlichiose Canina é uma hemoparasitose causada pela bactéria Erlichia sp. Essa bactéria parasita, geralmente, os glóbulos brancos (neste caso, Erlichia canis)

Leia mais

Vírus. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA

Vírus. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Vírus Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Virologia Virologia. Ramo da Biologia que estuda os vírus e suas propriedades. Vírus é totalmente inerte fora da sua célula hospedeira; Dependem totalmente da

Leia mais

Vigilância Sanitária de Alimentos. Bactérias causadoras de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTAs)

Vigilância Sanitária de Alimentos. Bactérias causadoras de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTAs) Vigilância Sanitária de Alimentos Bactérias causadoras de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTAs) Doenças Transmitidas por Alimentos Surto: Dois ou mais envolvidos que ingeriram um alimento em comum

Leia mais

QUANTOS ADOECEM E MORREM?

QUANTOS ADOECEM E MORREM? QUANTOS ADOECEM E MORREM? Medidas de frequência de doenças Razão, proporções, índice. Indicadores epidemiológicos de morbidade: Conceitos e exemplos de incidência e prevalência. O Enfoque epidemiológico

Leia mais

HC UFPR COMITÊ DE INFLUENZA SUÍNA

HC UFPR COMITÊ DE INFLUENZA SUÍNA HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR HC UFPR COMITÊ DE INFLUENZA SUÍNA 27 de abril DIREÇÃO DE ASSISTÊNCIA SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA INFECTOLOGIA CLÍNICA - ADULTO E PEDIÁTRICA SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

Leia mais

Adendo A1-AF /6/2009 FHEMIG. Enfermagem (graduado) e Núcleo Comum dos Especialistas. Conhecimentos Específicos. Brasília

Adendo A1-AF /6/2009 FHEMIG. Enfermagem (graduado) e Núcleo Comum dos Especialistas. Conhecimentos Específicos. Brasília Adendo A1-AF12-2 25/6/2009 FHEMIG Enfermagem (graduado) e Núcleo Comum dos Especialistas Conhecimentos Específicos Brasília 2009 2009 Vestcon Editora Ltda. Todos os direitos autorais desta obra são reservados

Leia mais

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Ser Humano e Saúde 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 11.2 Conteúdo Doenças Sexualmente Transmissíveis

Leia mais

Febre Amarela: O que você precisa saber sobre a doença

Febre Amarela: O que você precisa saber sobre a doença Febre Amarela: O que você precisa saber sobre a doença A febre amarela vem preocupando a sociedade brasileira. O número de casos no Brasil é o maior desde 1980. A OMS (Organização Mundial de Saúde) incluiu

Leia mais

Enfermidades Infecciosas em Bubalinos. Prof. Raul Franzolin Neto FZEA/USP Bubalinocultura 1

Enfermidades Infecciosas em Bubalinos. Prof. Raul Franzolin Neto FZEA/USP Bubalinocultura 1 Enfermidades Infecciosas em Bubalinos Prof. Raul Franzolin Neto FZEA/USP Bubalinocultura 1 Doenças Infecciosas Grupo I Problemas Reprodutivos Brucelose, Leptospirose, Rinotraqueíte Infecciosa (IBR) e Metrites

Leia mais

HANSENÍASE NO MUNICÍPIO DE TANGARÁ DA SERRA EM

HANSENÍASE NO MUNICÍPIO DE TANGARÁ DA SERRA EM HANSENÍASE NO MUNICÍPIO DE TANGARÁ DA SERRA EM 2008. SILVA, Gedinéia Luciana da 1 SANTOS, Marcelly Santos do LEMES, Maysa Teodoro. Resumo Hanseníase é uma doença crônica, causada por uma bactéria Mycobacterium

Leia mais

ABORDAGEM DOS CONTEÚDOS SOBRE INFECÇÃO HOSPITALAR NO CURSO DE ENFERMAGEM: SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS ENTRE AS IES DO PARANÁ E DA UNIOESTE 1

ABORDAGEM DOS CONTEÚDOS SOBRE INFECÇÃO HOSPITALAR NO CURSO DE ENFERMAGEM: SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS ENTRE AS IES DO PARANÁ E DA UNIOESTE 1 1 ABORDAGEM DOS CONTEÚDOS SOBRE INFECÇÃO HOSPITALAR NO CURSO DE ENFERMAGEM: SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS ENTRE AS IES DO PARANÁ E DA UNIOESTE 1 Débora Cristina Ignácio Alves 2 INTRODUÇÃO: O Curso de Enfermagem

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 35. Entende-se por comportamento endêmico de uma doença quando:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 35. Entende-se por comportamento endêmico de uma doença quando: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 35 QUESTÃO 17 Entende-se por comportamento endêmico de uma doença quando: a) apresenta uma variação sazonal bem definida. b) ocorre em grande número de países

Leia mais

Vigilância das Doenças Preveníveis por Imunização Vacinação do Profissional de Saúde

Vigilância das Doenças Preveníveis por Imunização Vacinação do Profissional de Saúde Vigilância das Doenças Preveníveis por Imunização Vacinação do Profissional de Saúde Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde da Comunidade Departamento de Epidemiologia e Bioestatística Epidemiologia

Leia mais

CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS

CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS Prefeitura Municipal de Corumbá Paulo Roberto Duarte Secretária Municipal de Saúde Dinaci Vieira Ranzi Gerência de Vigilância em Saúde Viviane Campos Ametlla Coordenação

Leia mais

Determinantes do processo saúde-doença. Identificação de riscos à saúde. Claudia Witzel

Determinantes do processo saúde-doença. Identificação de riscos à saúde. Claudia Witzel Determinantes do processo saúde-doença. Identificação de riscos à saúde Claudia Witzel CONCEITOS DE SAÚDE E DOENÇA Saúde pode ser definida como ausência de doença Doença ausência de saúde... Saúde é um

Leia mais

Imunização ativa e passiva

Imunização ativa e passiva IMUNIZAÇÕES Imunização ativa e passiva IMUNIZAÇÕES IMUNIZAÇÃO É DEFINIDA COMO A AQUISIÇÃO DE PROTEÇÃO IMUNOLÓGICA CONTRA UMA DOENÇA INFECCIOSA. Jenner e a varíola (1798) Pasteur e o cólera (1798) IMUNIZAÇÕES

Leia mais

Processo Endêmico e Epidêmico

Processo Endêmico e Epidêmico Pontifícia Universidade Católica de Goiás Escola de Ciências Agrárias e Biológicas Processo Endêmico e Epidêmico Prof. Macks Wendhell Gonçalves Msc. Base Histórica Século VI a.c. - Hipócrates Conceitos

Leia mais

Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico. 4. Avaliação de endemias, surtos e epidemias.

Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico. 4. Avaliação de endemias, surtos e epidemias. Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico 4. Avaliação de endemias, surtos e epidemias. 4.1 Exercícios gerais. 4. Epidemiologia em fase descritiva 4. Epidemiologia

Leia mais

São doenças relacionadas à água contaminada. Sua transmissão pode acontecer de algumas formas:

São doenças relacionadas à água contaminada. Sua transmissão pode acontecer de algumas formas: São doenças relacionadas à água contaminada. Sua transmissão pode acontecer de algumas formas: Ingestão dessa água; Contato com água contendo fezes ou urina; Falta de higiene pessoal; Comer frutas e verduras

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Ciências 7 o ano Unidade 4 5 Unidade 4 Nome: Data: 1. Em 1928, Alexander Fleming isolou a penicilina com base em culturas de fungos do gênero Penicilium. Primeiro antibiótico

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DESCRITIVA

EPIDEMIOLOGIA DESCRITIVA Pontifícia Universidade Católica de Goiás Escola de Ciências Agrárias e Biológicas EPIDEMIOLOGIA DESCRITIVA Prof. Macks Wendhell Gonçalves Msc Epidemiologia Descritiva Devem tentar responder 5 questões

Leia mais

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população.

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população. Mortalidade Mortalidade é uma propriedade natural das comunidades dos seres vivos. Refere-se ao conjunto dos indivíduos que morrem em um dado intervalo de tempo e em certo espaço. A taxa ou coeficiente

Leia mais

ASPECTOS CONCEITUAIS

ASPECTOS CONCEITUAIS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Bases da epidemiologia das doenças infecciosas Prof. Fredi Alexander Diaz Quijano Departamento Epidemiologia FSP E-mail: frediazq@msn.com ASPECTOS CONCEITUAIS A epidemiologia

Leia mais

Tuberculose Juliana Aquino

Tuberculose Juliana Aquino Tuberculose Juliana Aquino O que é? Sintomas Transmissão Contágio Fatores de Risco Diagnóstico Tratamento Tipos de Tuberculose Tuberculose O que é a Tuberculose? A tuberculose é uma doença infeciosa causada

Leia mais

A Saúde do Viajante... para além do obrigatório

A Saúde do Viajante... para além do obrigatório A preocupação com a saúde deverá ser a última coisa que um viajante pode ter nas suas férias. Para isso existem profissionais na àrea da Medicina do Viajante que o ajudam a evitar problemas quando se está

Leia mais

ANEXO 1 ALGUNS INDICADORES MAIS UTILIZADOS EM SAÚDE PÚBLICA

ANEXO 1 ALGUNS INDICADORES MAIS UTILIZADOS EM SAÚDE PÚBLICA ANEXO 1 ALGUNS INDICADORES MAIS UTILIZADOS EM SAÚDE PÚBLICA QUALIFICAÇÃO E MÉTODO DE CÁLCULO DE INDICADORES BÁSICOS BRASIL 1 1. Propostos pela Secretaria Técnica do Grupo de Trabalho MS/OPAS IBGE, USP,

Leia mais

Importância e Descoberta

Importância e Descoberta Importância e Descoberta OMS - VACINAÇÃO E ÁGUA LIMPA INTERVENÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA COM MAIOR IMPACTO NA SAÚDE MUNDIAL, APLICADAS MESMO ANTES DO CONHECIMENTO DA EXISTENCIA DE GERMES EM 1786 JENNER, APÓS

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Departamento de Epidemiologia. Epidemiologia das Doenças Infecciosas

Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Departamento de Epidemiologia. Epidemiologia das Doenças Infecciosas Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Departamento de Epidemiologia Epidemiologia das Doenças Infecciosas 2016 Introdução Conteúdo Breve histórico e estimativas de doenças infecciosas no

Leia mais

Estrutura epidemiológica dos problemas de saúde: o agente, o hospedeiro e o ambiente

Estrutura epidemiológica dos problemas de saúde: o agente, o hospedeiro e o ambiente Estrutura epidemiológica dos problemas de saúde: o agente, o hospedeiro e o ambiente IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade Residência Professores: Pauline Lorena

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório Orientações gerais para as famílias Ambulatório 2016 Orientações gerais para as famílias O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de duas enfermeiras e duas auxiliares de enfermagem, para oferecer

Leia mais

Estabilidade do produto

Estabilidade do produto Estabilidade do produto A estabilidade e a segurança de embutidos cárneos são relacionadas com atividade de água, ph e temperatura de armazenagem Grupos de produtos Aw ph Temperatura de armazenagem Facilmente

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO TRIANGULO. Fitopatologia Básica. Professora : Fernanda G. Martins Maia

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO TRIANGULO. Fitopatologia Básica. Professora : Fernanda G. Martins Maia CENTRO UNIVERSITÁRIO DO TRIANGULO Fitopatologia Básica Professora : Fernanda G. Martins Maia DIAGNOSE doenças de plantas FITOPATOLOGIA Sintomatologia Etiologia DIAGNOSE Controle Pré-requisito essencial

Leia mais

VA P CINAS ARA CRIANÇAS Dourados

VA P CINAS ARA CRIANÇAS Dourados Dourados VACINAS PARA CRIANÇAS O ato de vacinar é a forma mais fácil de proteger o organismo contra doenças infecciosas potencialmente graves e de prevenir que essas doenças sejam transmitidas a outras

Leia mais

História Natural da Doença Professor Neto Paixão

História Natural da Doença Professor Neto Paixão ARTIGO História Natural da Doença Olá guerreiro concurseiro. Neste artigo iremos abordar um importante aspecto da epidemiologia: a história natural das doenças e formas de prevenção. De forma sucinta você

Leia mais

A relação entre morbi-mortalidade infantil e acesso à água de qualidade. Profª. Dra. Susana Segura Muñoz

A relação entre morbi-mortalidade infantil e acesso à água de qualidade. Profª. Dra. Susana Segura Muñoz A relação entre morbi-mortalidade infantil e acesso à água de qualidade Profª. Dra. Susana Segura Muñoz Bairro da Esperança ¼ dos municípios brasileiros com rede de distribuição de água convive com racionamento

Leia mais

REVISÃO VACINAS 15/02/2013

REVISÃO VACINAS 15/02/2013 1. De acordo com o calendário básico de vacinação, assinale a alternativa que apresenta a(s) vacina(s) que deve(m) ser administrada(s) em um recém nascido. REVISÃO VACINAS a) Somente a BCG. b) BCG e vacina

Leia mais