Testemunhos da cooperação: os projetos do Espaço o Sudoeste Europeu (SUDOE)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Testemunhos da cooperação: os projetos do Espaço o Sudoeste Europeu (SUDOE)"

Transcrição

1 Testemunhos da cooperação: os projetos do Espaço o Sudoeste Europeu (SUDOE)

2 Do SUDOE à Estratégia 2020 Promoção da inovação e constituição de redes estáveis de cooperação em matéria tecnológica Melhoria da sustentabilidade para a proteção e conservação do ambiente e meio natural do SUDOE Integração harmoniosa do espaço SUDOE e melhoria da acessibilidade às redes de informação Impulso do desenvolvimento urbano sustentável aproveitando os efeitos positivos da cooperação transnacional Crescimento inteligente Crescimento sustentável Crescimento integrado

3 Áreas de trabalho do Espaço SUDOE Investigação Desenvolvimento tecnológico Promoção da inovação Transferência tecnológica Melhoria da competitividade Alteração climática Energia Prevenção de riscos Gestão florestal Gestão de recursos hídricos Proteção da biodiversidade Acessibilidade e-government e-inclusion Gestão de resíduos Ordenação territorial Mobilidade urbana Património cultural

4 Alteração climática Energia Prevenção de riscos Gestão florestal Gestão de recursos hídricos Proteção da biodiversidade As temáticas identificadas na Prioridade 2

5 Projetos aprovados na 1ª Convocatória na Prioridade 2

6 Projetos aprovados na 1ª Convocatória na Prioridade 2

7 As temáticas identificadas na Prioridade 2 Número de projetos aprovados por temática identificada Gestão de recursos hídricos; 4 Proteção da biodiversidade; 3 Alteração climática; 3 Gestão florestal; 2 Prevenção de riscos ; 5 Energia; 8

8 Como se abordam as temáticas? Desacelerar os efeitos da alteração climática Melhoria da eficiência energética e promoção das energias renováveis Prevenção de riscos naturais e desenvolvimento de procedimentos e instrumentos perante situações de risco Preservação dos recursos naturais Gestão e uso racional da água

9 Projetos Prioridade 2 Que pretendemos para o futuro?

10 Principais conclusões da avaliação do programa O diagnóstico sócio-económico e territorial do SUDOE colocou em evidência uma mudança brusca da situação do espaço em comparação ao existente durante a fase de planificação Ter em conta o novo quadro de fraquezas, ameaças, forças e oportunidades para a seleção dos novos projetos

11 Principais conclusões da avaliação do programa FRAQUEZAS Produtividade inferior à media Perfil económico influenciado por atividades tradicionais Baixo esforço inovador e insuficiente desenvolvimento da Sociedade da Informação Baixo índice de atividade e elevado desemprego Escassez de recursos hidrológicos e insuficiente desenvolvimento da Diretiva Marco da Água Elevada vulnerabilidade aos efeitos da alteração climática e probabilidade de riscos naturais como incêndios Reduzida eficiência energética e escasso aproveitamento de fontes renováveis Aumento da contaminação pela concentração urbana Insuficiente desenvolvimento de gestão do espaço Red Natura 2000 e para a proteção da biodiversidade FORÇAS Elevado crescimento económico Crescimento em I+D+i (pessoal ocupado) Crescimento sector serviços Tendência positiva do desemprego Avanços na formação Capital ambiental elevado Vantagens ambientais derivadas da atividade agrária

12 Principais conclusões da avaliação do programa IMPULSIONAR Projetos que permitam apoiar o crescimento económico, a desenvolver a atividade económica Projetos que antecipem os efeitos da alteração climática e a prevenção de riscos

13 Os desafios das candidaturas da 3ª convocatória Realizar projetos estruturantes que produzam resultados tangíveis que possam ser transferidos a outras entidades/territórios Capitalizar os resultados obtidos em operações já finalizadas aumentando o seu impacto no SUDOE Constituir um cluster de projeto a partir do reagrupamento de projetos que abordaram a mesma problemática e capazes de fazer surgir um pólo de competência e de excelência no seio do SUDOE

14 Projetos Prioridade 2 Gestão de Riscos Implementação de planos conjuntos de prevenção de sistemas de alerta, vigilância e acompanhamento de riscos naturais em âmbitos de interesse comum. Atuações e intervenções em matéria de incêndios, seca, processos de erosão/desertificação, terremotos e deslizamentos de terras, inundações ou outros. Projetos para mitigar os efeitos das alterações climáticas e desenvolver estratégias de adaptação aos seus efeitos, através da integração de medidas adequadas em todos os âmbitos.

15 Projetos Prioridade 2 Energia Ações de cooperação para incentivar a utilização racional e a eficiência dos recursos energéticos: diversificação energética. Projetos de melhoria do rendimento das energias renováveis.

16 Projetos Prioridade 2 Água Proteger a qualidade dos recursos hídricos das bacias hidrográficas partilhadas pelos distintos países do SUDOE. Gestão sustentável dos recursos hídricos.

17 Projetos Prioridade 2 Gestão florestal Projetos que relacionem a componente florestal com a prevenção de incêndios e outros riscos como a desertificação e a seca. Projetos que relacionem a componente florestal com outros sectores de atividades, com vista a uma melhor gestão energética, preservação da biodiversidade, valorização e exploração dos recursos endógenos.

18 Projetos Prioridade 2 Biodiversidade Criação de redes de dispositivos comuns que permitam um conhecimento partilhado da biodiversidade (observatórios e inventário de espaços naturais e das espécies) e as causas da sua diminuição. Estratégia integrada para a proteção e restauração da biodiversidade. Soluções para a preservação da biodiversidade como uma componente essencial do desenvolvimento sustentável.

19 Projetos Prioridade 2 Consolidar o SUDOE como um espaço de cooperação territorial impulsionando projetos que contribuam a enfrentar os desafios mais importantes no desenvolvimento de estruturas económicas mais sustentáveis, a luta contra a alteração climática ou a prevenção de riscos.

CONDIÇÕES DE ADMISSIBILIDADE CONDIÇÕES EXCLUDENTES. 1 Apresentação telemática no prazo estabelecido na convocatória.

CONDIÇÕES DE ADMISSIBILIDADE CONDIÇÕES EXCLUDENTES. 1 Apresentação telemática no prazo estabelecido na convocatória. CONDIÇÕES DE ADMISSIBILIDADE CONDIÇÕES EXCLUDENTES 1 Apresentação telemática no prazo estabelecido na convocatória. 2 Apresentação do formulário completo. 3 Orçamento FEDER em conformidade com o que está

Leia mais

Compromissso Documento de Orientação Estratégica. António Oliveira das Neves Funchal, 09 de Julho 2013

Compromissso Documento de Orientação Estratégica. António Oliveira das Neves Funchal, 09 de Julho 2013 Compromissso Madeira@2020 Documento de Orientação Estratégica António Oliveira das Neves Funchal, 09 de Julho 2013 Roteiro da Apresentação 1. Contexto da Programação 2. Estratégia de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo Planeamento Estratégico Regional

Leia mais

O Mar no próximo QFP

O Mar no próximo QFP O Mar no próximo QFP 2014-2020 Fórum do Mar José Manuel Fernandes Deputado ao Parlamento Europeu Estratégia Europa 2020 A guia das próximas perspectivas financeiras Estratégia Europa 2020 2020 Crescimento

Leia mais

Desenvolvimento Local. Aula 15. Política de desenvolvimento Rural em Portugal: Principais instrumentos de financiamento para o período

Desenvolvimento Local. Aula 15. Política de desenvolvimento Rural em Portugal: Principais instrumentos de financiamento para o período Desenvolvimento Local Aula 15 Política de desenvolvimento Rural em Portugal: Principais instrumentos de financiamento para o período 2014-2020. PAC 2014-2020 Desafios e objetivos Desafios Objetivos políticos

Leia mais

O Mar nos Programas Temáticos Regionais João Fonseca Ribeiro Diretor Geral de Politica do Mar

O Mar nos Programas Temáticos Regionais João Fonseca Ribeiro Diretor Geral de Politica do Mar O Mar nos Programas Temáticos Regionais 2014-2020 João Fonseca Ribeiro Diretor Geral de Politica do Mar O Panorama Nacional e Internacional Oceano Atlântico Norte Oceano Atlântico Sul Reafirmar Portugal

Leia mais

Galicia Norte Portugal

Galicia Norte Portugal Juan Lirón Lago, Director GNP-AECT Secretario GNP-AECT CONFERÊNCIA O POTENCIAL TURÍSTICO DA ÁGUA A água e os produtos turísticos Estudos de caso Viana do Castelo 30 de Outubro de 2013 GNP-AECT GNP-AECT

Leia mais

- Parcerias que geram futuro - Competitividade das indústrias da fileira florestal

- Parcerias que geram futuro - Competitividade das indústrias da fileira florestal Valorização do Potencial Industrial do Alto Minho: Plano de Ação & Instrumentos de Financiamento 2015-2020 - Parcerias que geram futuro - Competitividade das indústrias da fileira florestal 29 de junho

Leia mais

Implementação da ENM Abordagens Integradas para a Náutica

Implementação da ENM Abordagens Integradas para a Náutica Implementação da ENM 2013-2020 Abordagens Integradas para a Náutica Náutica 2020 Vila Praia de Âncora, 21 de novembro de 2014 João Fonseca Ribeiro Diretor-Geral de Politica do Mar O Mar-Portugal é um desígnio

Leia mais

SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA, MEIO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS.

SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA, MEIO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS. SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA, MEIO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS. Nos últimos vinte anos fala-se com mais intensidade da crise energética, em sua dupla vertente: 1. O esgotamento dos combustíveis fósseis.

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 FORUM REGIONAL ALENTEJO 2020 DESAFIOS E OPORTUNIDADES PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALENTEJO Joaquim Fialho joaquim.fialho@ccdr-a.gov.pt Vendas

Leia mais

Quadro Comum de Acompanhamento e Avaliação - questões comuns de avaliação relação com os domínios Folha 5

Quadro Comum de Acompanhamento e Avaliação - questões comuns de avaliação relação com os domínios Folha 5 Quadro Comum de Acompanhamento e Avaliação - questões comuns de avaliação relação com os domínios Folha 5 P1 Fomentar a transferência de conhecimentos e a inovação nos setores agrícola e florestal e nas

Leia mais

Síntese de Legislação Nacional e Comunitária. 04 de Janeiro de 2012

Síntese de Legislação Nacional e Comunitária. 04 de Janeiro de 2012 LEGISLAÇÃO Síntese de Legislação Nacional e Comunitária de 2012 Legislação Nacional Energias Renováveis Portaria n.º 8/2012 I Série n.º 3, de 4/01 Aprova, no âmbito da política de promoção da utilização

Leia mais

A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA

A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA Os Projetos de Lisboa para 2020 Teresa Almeida A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA Os Projetos de Lisboa para 2020 1. O Quadro Europeu 2. O Quadro Municipal 3. As

Leia mais

Apresentação do Programa

Apresentação do Programa Apresentação do Programa A Região Lisboa e Vale do Tejo AML A Estratégia do Programa Operacional Afirmar Lisboa como uma região cosmopolita e competitiva no sistema das regiões europeias, contribuindo

Leia mais

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE Telma Manjta MICOA Conteúdo da Apresentação Enquadramento da mitigação dos GEE em Moçambique Prioridades de Mitigação identificadas na ENAMMC Emissões GEE em Moçambique Oportunidades

Leia mais

Portugal 2020: Objetivos e Desafios António Dieb

Portugal 2020: Objetivos e Desafios António Dieb Portugal 2020: Objetivos e Desafios 2014-2020 António Dieb Porto, 11 de julho de 2016 Tópicos: 1. Enquadramento Estratégico (EU 2020) 2. Portugal 2020: Objetivos e prioridades 3. Estrutura Operacional

Leia mais

PLANO DE AVISOS 2016 (*)

PLANO DE AVISOS 2016 (*) PO PO PO PO Calendário de de Dados do Identificação do Referência do Empreendedorismo Qualificado 3 3.1, 8.5 janeiro 16 abril 16 SI - 02/SI/2016 Inovação Empresarial Inovação Produtiva Científico e Tecnológico

Leia mais

PLATAFORMAS DE INOVAÇÃO E LINHAS DE AÇÃO DA RIS3 DO CENTRO (VERSÃO DE 12 DE MAIO DE 2015)

PLATAFORMAS DE INOVAÇÃO E LINHAS DE AÇÃO DA RIS3 DO CENTRO (VERSÃO DE 12 DE MAIO DE 2015) PLATAFORMAS DE INOVAÇÃO E LINHAS DE AÇÃO DA RIS3 DO CENTRO (VERSÃO DE 12 DE MAIO DE 2015) PLATAFORMAS DE INOVAÇÃO SOLUÇÕES INDUSTRIAIS SUSTENTÁVEIS LINHAS DE AÇÃO Desenvolvimento de processos, materiais

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.2.2015 C(2015) 853 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 13.2.2015 que aprova o programa de desenvolvimento rural de Portugal-Madeira, para apoio pelo Fundo Europeu Agrícola

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2007/2013

Programa Operacional Regional Alentejo 2007/2013 Cooperação Territorial Europeia 2007/2013 Que oportunidades para Lisboa e Vale do Tejo? Centro Cultural de Belém 31 de Março 2008 Programa Operacional Regional Alentejo 2007/2013 Cooperação territorial

Leia mais

Região do Médio Tejo. Características e Desafios

Região do Médio Tejo. Características e Desafios Região do Médio Tejo Características e Desafios 09 março 2015 A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo Território e Municípios A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo Atribuições e Competências das

Leia mais

Sistemas de Incentivos do QREN

Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN 1. Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME 2. Sistema de Incentivos à Inovação 3. Sistema de Incentivos à Investigação

Leia mais

SI2E SISTEMA DE INCENTIVOS AO EMPREENDEDORISMO E AO EMPREGO - ALENTEJO CENTRAL - Sessão de Divulgação SI2E CIMAC, 23 de Maio de 2017

SI2E SISTEMA DE INCENTIVOS AO EMPREENDEDORISMO E AO EMPREGO - ALENTEJO CENTRAL - Sessão de Divulgação SI2E CIMAC, 23 de Maio de 2017 SI2E SISTEMA DE INCENTIVOS AO EMPREENDEDORISMO E AO EMPREGO - ALENTEJO CENTRAL - Sessão de Divulgação SI2E CIMAC, 23 de Maio de 2017 CONTEXTO Estratégia de Desenvolvimento Territorial do Alentejo Central

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.2.2015 C(2015) 850 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 13.2.2015 que aprova o programa de desenvolvimento rural de Portugal-Açores, para apoio pelo Fundo Europeu Agrícola

Leia mais

Atelier SUDOE INTELIGENTE

Atelier SUDOE INTELIGENTE Atelier SUDOE INTELIGENTE Do SUDOE 2007-2013 à Estratégia 2020 Promoção da inovação e constituição de redes estáveis de cooperação em matéria tecnológica Melhoria da sustentabilidade para a proteção e

Leia mais

mar 2020: Fazer acontecer o MAR

mar 2020: Fazer acontecer o MAR Onde a terra se acaba e o mar começa (in Os Lusíadas, Canto III) Portugal sempre foi mar. Mas agora, mais do que nunca, o mar pode ser uma infinidade de oportunidades para todos os portugueses. A extensão

Leia mais

As prioridades nacionais para a Eficiência Energética. Cristina Cardoso, DGEG

As prioridades nacionais para a Eficiência Energética. Cristina Cardoso, DGEG As prioridades nacionais para a Eficiência Energética Cristina Cardoso, DGEG Lisboa, Ordem dos Engenheiros - Infoday da Eficiência Energética 4 de abril de 2017 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: O QUE É? Energy efficiency

Leia mais

O projecto Biorrefina-Ter: território, floresta e desenvolvimento regional sustentável

O projecto Biorrefina-Ter: território, floresta e desenvolvimento regional sustentável O projecto Biorrefina-Ter: território, floresta e desenvolvimento regional sustentável João Nunes1,2; Paulo Serra e Silva2; Helena Freitas1,2 1 2 Universidade de Coimbra Associação Blc.Ceres.2G Plataforma

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º ALT 46 2015 05 REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS TRANSFERÊNCIA DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO

Leia mais

Plataforma para a Construção Sustentável rede para o cluster Habitat. Victor M. Ferreira Faro 10/07/2009

Plataforma para a Construção Sustentável rede para o cluster Habitat. Victor M. Ferreira Faro 10/07/2009 Plataforma para a Construção Sustentável rede para o cluster Habitat Victor M. Ferreira Faro 10/07/2009 Sumário A Plataforma e o Cluster Habitat Missão e Objectivos Parceiros/Associados? Contributo? Programa

Leia mais

Valorização da pedra portuguesa Adding Value to portuguese dimension stone. Vitor Vasques, Associação Valor Pedra

Valorização da pedra portuguesa Adding Value to portuguese dimension stone. Vitor Vasques, Associação Valor Pedra INICIATIVA MATÉRIAS PRIMAS: RUMO AO FORNECIMENTO SEGURO E À GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS MINERAIS EUROPEUS 23 de Fevereiro de 2010 Raw Materials Initiative: towards to mineral resources secure supply

Leia mais

Programa Iberoamericano de Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Proposta de Ação Estratégica para a Convocatória 2017

Programa Iberoamericano de Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Proposta de Ação Estratégica para a Convocatória 2017 Programa Iberoamericano de Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Proposta de Ação Estratégica para a Convocatória 2017 Área de Energia: Utilização de na Produção de Combustíveis de Transporte 1 ÁREA

Leia mais

Política de Coesão da UE

Política de Coesão da UE da UE 2014 2020 Propostas da Comissão Europeia da União Europeia Estrutura da apresentação 1. Qual é o impacto da política de coesão da UE? 2. A que se devem as alterações propostas pela Comissão para

Leia mais

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo

Leia mais

Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais

Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Paulo Lobo Viana do Castelo - 11 de fevereiro 1 Segmentos de Atividade da Construção e Imobiliário VAB Volume de Negócios

Leia mais

"A COOPERAÇÃO TERRITORIAL - GALICIA/NORTE DE PORTUGAL".

A COOPERAÇÃO TERRITORIAL - GALICIA/NORTE DE PORTUGAL. Open Days - Europe in my Region/City Viana do Castelo 30.10.2013 "A COOPERAÇÃO TERRITORIAL - GALICIA/NORTE DE PORTUGAL". NUNO ALMEIDA COORDENADOR DA UNIDADE PARA A COOPERAÇÃO ESTRATÉGICA (CCDR-N) Carlos

Leia mais

SEMINÁRIO DE LANÇAMENTO PROGRAMA INTERREG V - A

SEMINÁRIO DE LANÇAMENTO PROGRAMA INTERREG V - A SEMINÁRIO DE LANÇAMENTO PROGRAMA INTERREG V - A MADEIRA-AÇORES-CANÁRIAS 2014-2020 Angra do Heroísmo, 29 janeiro 2016 QUAL O TERRITÓRIO DO ESPAÇO DE COOPERAÇÃO? - As regiões insulares ultraperiféricas de

Leia mais

PORTUGAL Faça clique para editar o estilo apresentação. Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo!

PORTUGAL Faça clique para editar o estilo apresentação. Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo! apresentação PORTUGAL 2020 www.in-formacao.com.pt Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo! 03-02-2015 FAMALICÃO PORTO IN.03.03.00 1 INTRODUÇÃO O PORTUGAL 2020 é o Acordo de Parceria adotado

Leia mais

QUE MEIOS FINANCEIROS?

QUE MEIOS FINANCEIROS? QUE MEIOS FINANCEIROS? PARA A CONSERVAÇÃO DA NATUREZA ATRAVÉS DO PO SEUR? HELENA PINHEIRO DE AZEVEDO MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS PARA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E BIODIVERSIDADE 22 JUN 2015 TAPADA DE MAFRA Organização:

Leia mais

Económico Ambiental Social

Económico Ambiental Social EUROPA 2020 Desenvolvimento Sustentável Crescimento Inteligente, Sustentável e Inclusivo (CISI) Estratégia Marítima da União Europeia para a Área do Atlântico Estratégias Regionais de Suporte (asseguram

Leia mais

A. PROJETOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS

A. PROJETOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO (SI I&DT) PARTE II - CRITÉRIOS DE

Leia mais

OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO PARA AS EMPRESAS NO PORTUGAL 2020

OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO PARA AS EMPRESAS NO PORTUGAL 2020 OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO PARA AS EMPRESAS NO PORTUGAL 2020 Sessão de apresentação/divulgação Barreiro Vítor Escária 28.01.2015 1. Enquadramento 2. Condições de Elegibilidade e Apoios Máximos 3. Apoio

Leia mais

Portugal 2020 Apresentação

Portugal 2020 Apresentação Portugal 2020 Apresentação Porto Largo Luís de Camões, Edifício Rainha, 9º Andar, Sala 1 3720-232 Oliveira de Azeméis - Portugal Lisboa Rua Fradesso da Silveira, n. 4, Piso 3B, 1300-609 Lisboa T. +351

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PRIORIDADE DE INVESTIMENTO: INVESTIMENTO NA CONSERVAÇÃO, PROTECÇÃO, PROMOÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO PATRIMÓNIO CULTURAL

Leia mais

Lisboa 2020 Sessão de esclarecimento Programa. Apresentação do Programa Operacional Regional de Lisboa 2020

Lisboa 2020 Sessão de esclarecimento Programa. Apresentação do Programa Operacional Regional de Lisboa 2020 Abertura Lisboa 2020 Sessão de esclarecimento Programa Carlos Pina, Presidente do LNEC Nelson de Souza, Secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão Apresentação do Programa Operacional Regional de

Leia mais

PROGRAMA. 14h30_ Apresentação Rexel Energy Solutions. 14h45_ Balanço de potências nas Instalações com Autoconsumo Fotovoltaico

PROGRAMA. 14h30_ Apresentação Rexel Energy Solutions. 14h45_ Balanço de potências nas Instalações com Autoconsumo Fotovoltaico PROGRAMA 14h30_ Apresentação Rexel Energy Solutions 14h45_ Balanço de potências nas Instalações com Autoconsumo Fotovoltaico 15h20_ Acesso aos Programas Operacionais Financiados _Apresentação da Status

Leia mais

CLUSTER VIRTUAL DE CRIATIVIDADE EMPRESARIAL CLUSTER VIRTUAL DE CRIATIVIDADE EMPRESARIAL

CLUSTER VIRTUAL DE CRIATIVIDADE EMPRESARIAL CLUSTER VIRTUAL DE CRIATIVIDADE EMPRESARIAL CLUSTER VIRTUAL DE CRIATIVIDADE EMPRESARIAL João Amaro (jamaro@ualg.pt) Faro, 20 de Abril de 2010 O PROJECTO Programa: INTERREG IVB SUDOE PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TERRITORIAL (1st CALL) Título: Cluster Virtual

Leia mais

PO SEUR OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO

PO SEUR OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO III FÓRUM DE PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E DIVULGAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS INOVAÇÃO NA GESTÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO LNEC, 22 MAIO 2015 PO SEUR OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO MANUELA

Leia mais

Avisos para a apresentação de candidaturas

Avisos para a apresentação de candidaturas 1 Pactos para o Desenvolvimento e Coesão Territorial março 015 maio 015 Inclui PDR SEUR 6 6. 3 SEUR 6 6. 4 CI 1 1. 5 CI 1 1. março 015 6 CI 1 1. 7 CI 1 e 3 8 CI 1 e 3 9 CI 3 3.1 Ciclo Urbano da Água -

Leia mais

Portugal 2020 Apresentação

Portugal 2020 Apresentação Portugal 2020 Apresentação Porto Rua Dr. Ernesto Soares dos Reis, N.º 208, 1º Andar, Sala Q 3720-256 Oliveira de Azeméis Lisboa Edifício Oeiras Office - 1ºD R. Marechal Teixeira Rebelo, 2 2780-271 Oeiras

Leia mais

ecomar GRUPO DE AÇÃO LOCAL

ecomar GRUPO DE AÇÃO LOCAL O DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA (DLBC) é um instrumento do Portugal 2020 que visa promover a concertação estratégica e operacional entre parceiros que atuam num território específico (rural,

Leia mais

Plataforma Tecnológica da Floresta - Parcerias que geram futuro - Competitividade das indústrias da fileira florestal. 6 de maio de 2015 UA, Aveiro

Plataforma Tecnológica da Floresta - Parcerias que geram futuro - Competitividade das indústrias da fileira florestal. 6 de maio de 2015 UA, Aveiro Plataforma Tecnológica da Floresta - Parcerias que geram futuro - Competitividade das indústrias da fileira florestal 6 de maio de 2015 UA, Aveiro Futuro em 10 min A Visão AIFF (1) 35% - Enquadramento

Leia mais

PORTARIA N o 29 DE 21 DE SETEMBRO DE 2006 (publicada no DOU de 22/09/2006, seção I, página 105) ARIOSTO ANTUNES CULAU

PORTARIA N o 29 DE 21 DE SETEMBRO DE 2006 (publicada no DOU de 22/09/2006, seção I, página 105) ARIOSTO ANTUNES CULAU PORTARIA N o 29 DE 21 DE SETEMBRO DE 2006 (publicada no DOU de 22/09/2006, seção I, página 105) O SECRETÁRIO DE ORÇAMENTO FEDERAL, tendo em vista a autorização constante do art. 62, inciso III, da Lei

Leia mais

DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS 8º Ano

DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS 8º Ano DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS 8º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS Promover o pensamento de uma forma criativa e crítica, relacionando evidências e explicações, confrontando diferentes

Leia mais

Case study. Stakeholders internos MOBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL EMPRESA

Case study. Stakeholders internos MOBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL EMPRESA Case study 2010 Stakeholders internos MOBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL EMPRESA O grupo Águas de Portugal (AdP) actua nas áreas de abastecimento de água, saneamento de águas residuais e tratamento

Leia mais

e Tecnologia da Energia O ENERGYIN e a aposta portuguesa na Energia Offshore Lisboa 14 de Maio de 2010

e Tecnologia da Energia O ENERGYIN e a aposta portuguesa na Energia Offshore Lisboa 14 de Maio de 2010 Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia O ENERGYIN e a aposta portuguesa na Energia Offshore Lisboa 14 de Maio de 2010 LIS-143096080926 Evolução (quase) disruptiva do paradigma energético Formas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate.

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate. ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: Ciências Naturais Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS AULAS

Leia mais

ECOEFICIÊNCIA E COMPETITIVIDADE

ECOEFICIÊNCIA E COMPETITIVIDADE apresentação do projeto ECOEFICIÊNCIA E COMPETITIVIDADE Em relação a barreiras à inovação, as respostas (das empresas ao inquérito) apontam os recursos financeiros como os mais relevantes, o que denota,,

Leia mais

Estratégia para o Crescimento e Inovação Região de Aveiro

Estratégia para o Crescimento e Inovação Região de Aveiro Congresso da 15 de março de 2013 PRIORIDADES Eficiência energética e fontes de energia renovável Eficiente utilização de recursos Inovação e competitividade das PME 2014-2020 Combate à pobreza e à exclusão

Leia mais

Gestão para criação de um Destino Sustentável

Gestão para criação de um Destino Sustentável Gestão para criação de um Destino Sustentável Sistema LiderA - Turismo Construção Sistemas - Uso Manuel Duarte Pinheiro Engenheiro do Ambiente (1985), Ph.D., Profº do Departamento de Engenharia Civil,

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 5 ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO Ação 5.1 CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÕES DE PRODUTORES Enquadramento Regulamentar Artigo 27.º Criação

Leia mais

Seminário Apoios Comunitários para o Ambiente e Energia

Seminário Apoios Comunitários para o Ambiente e Energia Seminário Apoios Comunitários para o Ambiente e Energia 4 de fevereiro de 2015 Enquadramento: Os Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI) para o período de 2014-2020 serão determinantes no

Leia mais

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL Desenvolver as condições facilitadoras da criação de emprego, combate ao desemprego e incentivo à iniciativa local referente ao empreendedorismo

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance

Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance Revisão do PDM de Vila Real de Santo António Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance Pedro Bettencourt 1 1 Geólogo, Director-Geral NEMUS, Gestão e Requalificação Ambiental Vila Real de Santo

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas (ENAAC 2020) Avaliação do âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de junho 1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 A Estratégia

Leia mais

OPORTUNIDADES. Apresentamos nova(s) oportunidade(s) na sua Área de atuação. BNDES Fundo Clima - Energias Renováveis 2017.

OPORTUNIDADES. Apresentamos nova(s) oportunidade(s) na sua Área de atuação. BNDES Fundo Clima - Energias Renováveis 2017. Apresentamos nova(s) oportunidade(s) na sua Área de atuação. BNDES Fundo Clima - Energias Renováveis 2017 O BNDES Fundo Clima - Energias Renováveis tem como objetivo apoiar investimentos em geração e distribuição

Leia mais

A estratégia para o setor agro-alimentar em territórios de baixa densidade

A estratégia para o setor agro-alimentar em territórios de baixa densidade A estratégia para o setor agro-alimentar em territórios de baixa densidade Seminário Contributo do Setor Agroalimentar para o Desenvolvimento Territorial 2 0 1 4-2 0 2 0 Guarda, 9 de Dezembro de 2014 A

Leia mais

RIS3 do Centro de Portugal Estratégia de Investigação e Inovação para uma Especialização Inteligente

RIS3 do Centro de Portugal Estratégia de Investigação e Inovação para uma Especialização Inteligente do Centro de Portugal 2020 Estratégia de Investigação e Inovação para uma Especialização Inteligente Outubro 2016 A RIS3 NO CENTRO DE PORTUGAL O desenvolvimento da Estratégia de Investigação e Inovação

Leia mais

Mestrado em Engenharia do Ambiente 1º Ano / 1º Semestre ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário

Mestrado em Engenharia do Ambiente 1º Ano / 1º Semestre ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário Mestrado em Engenharia do Ambiente 1º Ano / 1º Semestre - 2008-09 23ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário 1. Lei de Bases do Ambiente (1987) POLÍTICA NACIONAL DE AMBIENTE Instrumentos de política

Leia mais

Focus Group. Clusters Transfronteiriços: Competitividade, Inovação e Internacionalização

Focus Group. Clusters Transfronteiriços: Competitividade, Inovação e Internacionalização Focus Group Clusters Transfronteiriços: Competitividade, Inovação e Internacionalização VISÃO SISTÉMICA DO CLUSTER: CLUSTERS / FILEIRAS TRADICIONAIS Madeira / papel (presença da Europac Kraft Viana); Automóvel

Leia mais

Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 4/2015, de 7 de janeiro (CPA)

Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 4/2015, de 7 de janeiro (CPA) 1. OBJECTO A presente norma tem por objeto a definição dos procedimentos a adotar para a atribuição das prioridades de acordo com as regras da União Europeia no desenvolvimento rural e respetivos códigos

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL. Documento(s) Orientador(es): Programa de Geografia A

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL. Documento(s) Orientador(es): Programa de Geografia A AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Geografia A ENSINO SECUNDÁRIO GEOGRAFIA 10ºANO TEMAS/DOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural

Programa de Desenvolvimento Rural Programa de Desenvolvimento Rural PDR 2014-2020 do Continente Eduardo Diniz Diretor do Gabinete de Planeamento e Políticas Seminário O setor do tomate de indústria no novo rumo de Portugal Museu das Comunicações

Leia mais

Anexo A Estratégia Desenvolvimento Local Base Comunitária Costeiro do Sotavento do Algarve

Anexo A Estratégia Desenvolvimento Local Base Comunitária Costeiro do Sotavento do Algarve Anexo A Estratégia Desenvolvimento Local Base Comunitária Costeiro do Sotavento do Algarve DOCUMENTO SÍNTESE EDLBC Costeiro do Sotavento do Algarve A EDLBC do Sotavento do Algarve identifica um conjunto

Leia mais

Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura. Prof a : Ana Cecília Estevão

Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura. Prof a : Ana Cecília Estevão Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura Prof a : Ana Cecília Estevão Desenvolvimento sustentável Aquele que busca um equilíbrio entre

Leia mais

Não! como reiterado, hoje nesta conferencia, o turismo é uma ferramenta para o desenvolvimento. Porém, o turismo só poderá

Não! como reiterado, hoje nesta conferencia, o turismo é uma ferramenta para o desenvolvimento. Porém, o turismo só poderá Discurso da Coordenadora Residente do Sistema das Nações Unidas em Cabo Verde e Representante do PNUD No acto de abertura da Conferencia Internacional sobre O Desenvolvimento do Turismo sustentável e das

Leia mais

RIS 3 O que é? concentração de recursos condicionalidade ex-ante do conhecimento maximizar o potencial número da região baseado

RIS 3 O que é? concentração de recursos condicionalidade ex-ante do conhecimento maximizar o potencial número da região baseado RIS 3 O que é? O conceito subjacente à abordagem estratégica da especialização inteligente assenta no princípio de que a concentração de recursos conhecimento e a sua ligação a um número limita de atividades

Leia mais

PROGRAMA ESTRATÉGICO PAMPILHOSA DA SERRA Câmara Municipal de Pampilhosa da Serra

PROGRAMA ESTRATÉGICO PAMPILHOSA DA SERRA Câmara Municipal de Pampilhosa da Serra PROGRAMA ESTRATÉGICO PAMPILHOSA DA SERRA 2020 Câmara Municipal de Pampilhosa da Serra 1 1. ENQUADRAMENTO E METODOLOGIA 2 1. ENQUADRAMENTO E METODOLOGIA CONTEXTO EUROPA 2020 Para o futuro da UE, são estabelecidas

Leia mais

Alto Minho: desafio Portugal e a preparação da próxima geração de políticas do mar José Apolinário Gestor do PROMAR

Alto Minho: desafio Portugal e a preparação da próxima geração de políticas do mar José Apolinário Gestor do PROMAR Alto Minho: desafio 2020 Portugal e a preparação da próxima geração de políticas do mar 2014-2020 José Apolinário Gestor do PROMAR 12.Janeiro.2012 1 Visão Global do Sector Vasta Zona Económica Exclusiva

Leia mais

DECLARAÇÃO DE CASCAIS

DECLARAÇÃO DE CASCAIS DECLARAÇÃO DE CASCAIS 30.10.2004 INTRODUÇÃO Considerando a vontade de continuar a estreitar laços e a desenvolver formas de cooperação em matéria de desenvolvimento sustentável e protecção do ambiente

Leia mais

BASE JURÍDICA MISSÃO E PRIORIDADES

BASE JURÍDICA MISSÃO E PRIORIDADES SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL A última reforma da política agrícola comum (PAC) manteve a estrutura em dois pilares desta política, continuando o desenvolvimento rural a representar

Leia mais

Agenda Factores de Competitividade

Agenda Factores de Competitividade QREN Agenda Factores de Competitividade 12 Novembro 07 1 Objectivos desenvolvimento de uma economia baseada no conhecimento e na inovação; incremento da produção transaccionável e de uma maior orientação

Leia mais

Lisboa, 25 de novembro de 2011

Lisboa, 25 de novembro de 2011 Lisboa, 25 de novembro de 2011 A reabilitação urbana constitui um fator essencial no desenvolvimento do setor do turismo, enquanto elemento integrante da nossa oferta turística A regeneração urbana estabelece

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA ESTRUTURA ECOLÓGICA DE SETÚBAL PARA UMA COMUNIDADE MAIS RESILIENTE AOS RISCOS AMBIENTAIS

CONTRIBUIÇÃO DA ESTRUTURA ECOLÓGICA DE SETÚBAL PARA UMA COMUNIDADE MAIS RESILIENTE AOS RISCOS AMBIENTAIS CONTRIBUIÇÃO DA ESTRUTURA ECOLÓGICA DE SETÚBAL PARA UMA COMUNIDADE MAIS RESILIENTE AOS RISCOS AMBIENTAIS CONTRIBUTION OF THE ECOLOGICAL STRUCTURE OF SETÚBAL TO A MORE RESILIENT COMMUNITY TOWARDS ENVIRONMENTAL

Leia mais

Domínios temáticos, Conceitos, Metas de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades. Disciplina de Oferta de Escola

Domínios temáticos, Conceitos, Metas de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades. Disciplina de Oferta de Escola Disciplina de Oferta de Escola 7º e 8º anos do 3º ciclo do Ensino Básico Domínios temáticos, Conceitos, de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades José Carlos Morais Educação Ambiental para

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS

A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS 2012 MAR 06 A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS JOSÉ CARLOS CALDEIRA Administrador executivo PÓLO PRODUTECH Director INESC Porto (jcc@inescporto.pt) INDÚSTRIA TRANFORMADORA

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE HIDRÁULICA E SANEAMENTO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE HIDRÁULICA E SANEAMENTO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL - 2014 Disciplina: SHS 0382 Sustentabilidade e Gestão Ambiental TEXTO DE APOIO DIDÁTICO [material restrito da disciplina] Prof. Tadeu Fabrício Malheiros Monitora: Alejandra

Leia mais

AMBIENTE E TERRITÓRIO 2 ª aula

AMBIENTE E TERRITÓRIO 2 ª aula Licenciatura em Engenharia do Território 3º ano / 6º semestre AMBIENTE E TERRITÓRIO 2 ª aula Evolução problemas ambientais EVOLUÇÃ ÇÃO O DA PROBLEMÁTICA AMBIENTAL Quatro grandes períodos 1- Pré-revolução

Leia mais

A REINDUSTRIALIZAÇÃO NA EUROPA Desafios e oportunidades. Vila Nova de Cerveira- 19/4/2012

A REINDUSTRIALIZAÇÃO NA EUROPA Desafios e oportunidades. Vila Nova de Cerveira- 19/4/2012 A REINDUSTRIALIZAÇÃO NA EUROPA Desafios e oportunidades Vila Nova de Cerveira- 19/4/2012 Política de coesão para 2014-2020 Ancoragem /Enquadramento geral Estratégia Europa 2020 PNR = Programas Nacionais

Leia mais

ONDE ESTAMOS A INOVAR? Paisagem de investimento 2020

ONDE ESTAMOS A INOVAR? Paisagem de investimento 2020 ONDE ESTAMOS A INOVAR? Paisagem de investimento 2020 INOVAÇÃO EM AGRONEGÓCIOS 13 D OUTUBRO DE 2015 CROWNE PLAZA - PORTO Bruno Caldeira ONDE ESTAMOS A INOVAR? Pessoas nos snacks, nas embalagens, na experiência

Leia mais

A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações.

A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações. A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações. Levando em considerações os aspectos sociais, econômicos e ambientais, o Sistema Federação

Leia mais

Programa Operacional Regional do Alentejo/Estratégia Regional de Especialização Inteligente. Financiamento de projetos para Cidades Analíticas

Programa Operacional Regional do Alentejo/Estratégia Regional de Especialização Inteligente. Financiamento de projetos para Cidades Analíticas Programa Operacional Regional do Alentejo/Estratégia Regional de Especialização Inteligente Financiamento de projetos para Cidades Analíticas Rio Maior 13 de Março 2015 Estratégia Regional de Especialização

Leia mais

Estratégia Regional de Especialização Inteligente

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Estratégia Regional de Especialização Inteligente Ateliê de RECURSOS MINERAIS & NOVAS TECNOLOGIAS Évora, 17 de Março de 2014 Principais Conceitos A competitividade das regiões deve fundar-se nas respetivas

Leia mais

O PAPEL ESTRATÉGICO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA Jaime Ferreira Lisboa, 19 Abril 2013

O PAPEL ESTRATÉGICO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA Jaime Ferreira Lisboa, 19 Abril 2013 O PAPEL ESTRATÉGICO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA Jaime Ferreira Lisboa, 19 Abril 2013 1. Situação de referência A agricultura é produção de alimentos Contribuir para a preservação da biodiversidade e recursos

Leia mais

CRER NO CENTRO DE PORTUGAL: a visão estratégica da Região Centro para

CRER NO CENTRO DE PORTUGAL: a visão estratégica da Região Centro para CRER NO CENTRO DE PORTUGAL: a visão estratégica da Região Centro para 2014-2020 Aveiro 28 de outubro de 2013 Resiliência Territorial 6 3,9 4,0 4 2 2,8 3,1 3,6 Uma região que nunca se Desindustrializou

Leia mais

Rede Urbana para a Competitividade e Inovação (RUCI) na Região de Aveiro

Rede Urbana para a Competitividade e Inovação (RUCI) na Região de Aveiro Rede Urbana para a Competitividade e Inovação (RUCI) na Região de Aveiro Artur Rosa Pires Cristina Roque da Cunha Eunice Dilena Fernandes Luísa Pinho Patrícia Romeiro Congresso Região de Aveiro Aveiro,

Leia mais

Cofinanciado pela Comissão Europeia

Cofinanciado pela Comissão Europeia Cofinanciado pela Comissão Europeia A NOVA PAC Em vigor a partir de janeiro 2015 Mais direcionado e flexível que nunca Maior escolha de regimes e medidas opcionais Transferências entre pilares Alguns dos

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE GEOGRAFIA 10º. ANO LECIONAÇÃO DOS

PLANIFICAÇÃO DE GEOGRAFIA 10º. ANO LECIONAÇÃO DOS Direção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas Figueira Mar Código 161366 Contribuinte nº 600 074 978 Escola Secundária Dr. Bernardino Machado PLANIFICAÇÃO DE GEOGRAFIA 10º. ANO 2012 2013

Leia mais

Mais informações: I Tel: / /

Mais informações: I Tel: / / LIFE14 CAP/PT/000004 Sessão e Workshop Regionais de Capacitação Coimbra 28 a 30 março 2017 Este documento contém: Apresentações: o Agência para a Sustentabilidade e Competitividade da Região de Aveiro

Leia mais