Como são fabricados os processadores

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como são fabricados os processadores"

Transcrição

1 Como são fabricados os processadores Por Oliver Hautsch Tudo o que o seu computador faz, sem exceção, passa em algum momento pelo seu processador (ou CPU). Mas você sabe o que é e para que serve esse componente? Pois bem, é muito fácil fazer uma comparação para que possamos entender melhor a grande responsabilidade dele. Imagine que você está escrevendo uma carta para a sua avó. Suas mãos, seus braços e seus dedos não têm vida própria, eles precisam de alguém para comandá-los, e esse alguém é o seu cérebro. Por mais que você faça tarefas simples, que teoricamente não requerem grandes raciocínios, e aparentemente você nem pense enquanto as executa, seu cérebro está constantemente enviando ordens para os membros do seu corpo, para que seja feito o movimento correto da mão, do braço e dos dedos, resultando assim em uma cartinha sua para um parente, avisando que você fará uma visita. Os processadores têm exatamente a mesma função, e podem até ser referidos como o cérebro do computador. Sem processadores, e sem cérebros, não existiriam computadores, e não existiriam seres humanos. Neste artigo, mostraremos a imensa tecnologia que é necessária para a criação de um dispositivo tão pequeno, mas com uma capacidade gigantesca de raciocínio, que muitas vezes é comparada ao cérebro humano. Gigantes em miniatura - Se você já teve a oportunidade de ver um processador de perto, deve saber que apesar de vir em uma caixa grande, o processador é um quadradinho minúsculo, que aparentemente é inofensivo e incapaz de executar sequer operações básicas de matemática. Inofensivo ele realmente é, mas está longe de ser incapaz. O que muitos não sabem é que, na verdade, o processador não é aquela peça inteira com centenas de perninhas, que é ligada ao conector da placa mãe. Aquilo é só uma segunda embalagem de metal, com o propósito de proteger o real cérebro, que é ainda menor e tem o tamanho várias vezes menor do que o aparente.

2 A imagem acima mostra um processador aberto. Repare que a parte externa é bem maior do que a parte pensante do processador, que é somente a área central. E é a fabricação dela que vamos mostrar, já que as demais partes do dispositivo são peças eletrônicas comuns (porém de tamanho reduzidíssimo). Do pó ao pó (ou ao processador) O subtítulo acima pode parecer estranho. Mais estranhamento você vai ter quando falarmos onde é encontrada a matéria-prima para a fabricação dos processadores. Nosso planeta é fonte de milhares de matérias-primas, que servem para a construção de milhares de tipos diferentes de novos materiais. A areia possui vários tipos de minerais em sua composição, e um deles é o Silício, que é o principal mineral usado na fabricação de eletrônicos. Matéria-prima bruta raramente pode ser utilizada da maneira como é encontrada na natureza. Assim sendo, o Silício deve ser derretido e filtrado diversas vezes, até chegar ao grau de pureza requerido pela indústria. Quando o material atinge a qualidade ideal, ele é chamado de Electronic Grade Silicon ou Silício ao Grau Eletrônico, que quer dizer justamente que o composto está pronto para ser utilizado na fabricação do processador. O grau de pureza atingido é tão grande que para cada bilhão de átomos, somente um não é de silício, ou seja, o grau de pureza é de 99,9999%. A imagem abaixo ilustra, à esquerda, o Silício derretido, que é adicionado a uma fôrma e cresce, tornando-se um bloco de cristal. Depois que o material resfria e endurece, ele é chamado de Ingot. Um bloco Ingot de cristal de Silício pesa aproximadamente 100kg e possui pureza praticamente absoluta. Depois, com uma lâmina circular, é feito o fatiamento do Ingot em diversos discos. Todos eles são polidos até que não haja qualquer imperfeição e a superfície fique completamente lisa.

3 Um só disco de Silício pode ser usado para fabricar centenas de processadores. Conforme você ler este artigo, as medidas dos materiais vão diminuindo até chegar à casa dos nanômetros. Lembre-se que 1 nanômetro é igual a 0, metro. Na sequência, é derramado um líquido sobre o disco enquanto ele gira, para que seja criada uma fina lâmina sensível à luz, para dar acabamento. A lâmina é extremamente fina devido à velocidade com que o disco gira. O processo é usado para garantir que a camada fotossensível fique perfeita (fina e totalmente lisa). Em seguida, o resultado é exposto à luz ultravioleta, fazendo com que haja uma reação química parecida com o processo de impressão em um filme, quando você tira uma foto. Porém, ao invés de pessoas em frente à máquina fotográfica, é colocada uma máscara, que só permite que os raios de luz passem em certos pontos, assim como o filme da máquina fotográfica é queimado nas partes atingidas pela luz, criando as diferentes cores, dependendo da intensidade com que a luz incide. A máscara é originalmente quatro vezes maior do que aquilo que é impresso no disco. Uma lente se encarrega de reduzir esse tamanho para o do processador. Você já deve ter visto máscaras usadas para pintar as letras de um texto em determinada superfície, como vidros ou paredes. Entenda as máscaras usadas na fabricação dos processadores justamente como as que você já viu no dia a dia. Porém, ao invés de letras ou desenhos serem impressos, quando usadas em conjunto com a luz ultravioleta, as máscaras criam os vários desenhos dos circuitos em cada camada do processador. Trocando em miúdos: o circuito impresso do processador é criado da mesma forma que uma foto é impressa em um filme, para depois ser revelada. A diferença é que, ao invés de as linhas formarem rostos e paisagens, elas formam os finíssimos caminhos pelos quais os impulsos elétricos passarão

4 .Transistores - Assim como o seu cérebro é formado por células, também é o processador. Inclusive, as células de um processador trabalham exatamente como as do seu cérebro, que é enviando e recebendo impulsos elétricos. O transistor é uma espécie de controlador, que regula o fluxo de corrente elétrica dentro do chip. A seguir, você verá como é produzido um só transistor, lembrando que o processador é formado por milhões deles. Os transistores modernos são tão pequenos que aproximadamente 30 milhões deles podem ocupar o espaço de uma cabeça de alfinete. Depois de aplicada a luz ultravioleta, o material fotossensível toma a consistência de gelatina e é removido com solventes. Ou seja, só permanece o que não foi queimado pela luz UV, pelo fato de estar protegido pela máscara. Retirado o material sensível à luz, já é possível ver o processador tomando forma. Como existem vários compostos diferentes presentes na peça, cada banho químico é realizado para remover camadas específicas do disco. O processo é repetido várias vezes, com máscaras diferentes, até que o desenho dos transistores esteja pronto. Durante a construção do transistor, são bombardeadas impurezas químicas chamadas íons em uma das camadas. Isso é feito à extrema velocidade de 300 mil km/h e altera a maneira como o Silício conduz eletricidade. Se você tiver a oportunidade de ver um processador aberto que de preferência não seja o do seu computador perceba que, ao movê-lo sob a luz, diferentes cores poderão ser vistas, predominando o rosa, verde e azul. O que você vê é justamente o brilho das diferentes camadas dos transistores. Ligando as pontas - Quando um transistor está quase pronto, algumas aberturas feitas em sua superfície são preenchidas com cobre. O cobre será o responsável por fazer a ligação de um transistor aos demais. Desta vez, íons de cobre são depositados na superfície, formando uma fina camada. Por fim, o cobre é polido para que o excesso seja retirado e a superfície fique perfeita.

5 Fazendo conexões - No momento, os transistores estão prontos, mas não conseguem se comunicar, pois não há nada que ligue uns aos outros. Por isso, são criadas diversas camadas de metal parecidas com fios (por serem muito pequenas) e ligadas aos transistores. A maneira como os fios são ligados aos transistores é definida dependendo da arquitetura que os desenvolvedores desejam para o processador e que tipo de funcionalidade ele deverá ter. Mesmo que pareçam finos e chapados, os processadores podem conter mais de 20 camadas, que formam circuitos extremamente complexos que, através do processo que descrevemos aqui, funcionam como uma espécie de quebra-cabeças. Se você olhar para o processador utilizando um microscópio, será possível ver todo um sistema de ligações que lembra uma cidade inteira, suas ruas, tubulação de água, rede elétrica, etc. O arremate - Por fim, depois dos últimos testes de funcionamento, o processador é colocado em cima de uma placa similar à placa-mãe, que fará a interface entre ele e o restante dos dispositivos ligados ao PC. Sobre o processador é fixada uma placa de prata, que servirá como dispositivo dissipador de calor, para manter o cérebro do PC sempre em uma temperatura ideal. Curiosidades finais - No planeta inteiro, não há nada mais limpo do que uma fábrica de processadores. Qualquer impureza poderia causar defeitos em uma série inteira de produtos, causando prejuízos gigantescos. Não existe nada mais complexo e com maior tecnologia aplicada do que um processador e a sua fabricação. FONTE: Making of a Chip, (da sala de imprensa da Intel Corp.)

CIRCUITOS INTEGRADOS (Unidade 3)

CIRCUITOS INTEGRADOS (Unidade 3) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA TÉCNICO EM MECATRÔNICA DISCIPLINA: ELETRÔNICA INDUSTRIAL CIRCUITOS

Leia mais

Ciclo de Palestras em Computação 09/11/2011

Ciclo de Palestras em Computação 09/11/2011 Ciclo de Palestras em Computação 9//2 Do Átomo ao Bit: desvendando o processo de fabricação de circuitos integrados e o impacto em arquitetura de processadores Ricardo R. Santos Introdução Transistor

Leia mais

OLED _ Como funciona esta tecnologia

OLED _ Como funciona esta tecnologia OLED _ Como funciona esta tecnologia Imagine uma TV de alta definição com 2 metros de largura e menos de 0,60 cm de espessura, que consuma menos energia do que a maioria das TVs comuns e possa ser enrolada

Leia mais

Conceitos Básicos de Semicondutores

Conceitos Básicos de Semicondutores Conceitos Básicos de Semicondutores Daniel Montechiesi RA. 3679-2 Eduardo Oliveira RA. 2065-5 Leandro Gomes Silva RA. 2073-9 Sumário Introdução Objetivo Diferenças entre um Material Semicondutor e um Condutor

Leia mais

Montagem e Configuração

Montagem e Configuração Montagem e Configuração ÍNDICE CAPÍTULO 1 CONCEITOS BÁSICOS... 09 HISTÓRICO... 11 TIPOS DE COMPUTADORES... 13 CAPÍTULO 2 COMPONENTES EXTERNOS... 17 COMPONENTES INTERNOS... 21 CAPÍTULO 3 ROM BIOS... 31

Leia mais

Conhecendo um Computador

Conhecendo um Computador Conhecendo um Computador Utilizar computadores tornou-se uma tarefa cotidiana. Enquanto o PC está estável e apresentando bons resultados, ficamos tranquilos. Porém, quando um problema aparece, a preocupação

Leia mais

Arquitetura de computadores

Arquitetura de computadores Arquitetura de computadores Arquitetura de Microprocessadores Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas O Computador Hardware Unidades Funcionais de um Sistema Informático Dispositivos

Leia mais

O que é um computador?

O que é um computador? O que é um computador? É uma máquina capaz de variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento de dados. Exemplos de computadores incluem os relógios de forma geral, o ábaco, a régua

Leia mais

Impressoras a laser 05/11/ IFRN - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte

Impressoras a laser 05/11/ IFRN - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Impressoras a laser 05/11/2015 1 Impressoras a laser As impressoras a laser também fazem parte da categoria de não impacto e são muito utilizadas no ambiente corporativo, já que oferecem impressões de

Leia mais

SEMICONDUTORES. Conceitos Básicos. Prof. Marcelo Wendling Jul/2011

SEMICONDUTORES. Conceitos Básicos. Prof. Marcelo Wendling Jul/2011 SEMICONDUTORES Prof. Marcelo Wendling Jul/2011 Conceitos Básicos Alguns materiais apresentam propriedades de condução elétrica intermediárias entre aquelas inerentes aos isolantes e aos condutores. Tais

Leia mais

Placas de circuito impresso

Placas de circuito impresso Placas de circuito impresso Métodos de produção Vitor Yano Terminologia Layer (camada) Via/blind via/buried via Pad (ilha) Drill/hole (furo) Wire (trilha/pista) Mask (máscara de soldagem) Silk screen (serigrafia)

Leia mais

Disciplina: Projeto de Ferramentais I

Disciplina: Projeto de Ferramentais I Aula 04: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas empregadas 02:

Leia mais

ELEMENTOS QUÍMICOS E SUA CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA

ELEMENTOS QUÍMICOS E SUA CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 9º TURMA(S):

Leia mais

Capítulo 9 M E M Ó R I A

Capítulo 9 M E M Ó R I A Capítulo 9 M E M Ó R I A ROM Read Only Memory (Memória Apenas de Leitura) É uma memória que não permite a alteração ou remoção dos dados nela gravados, os quais são impressos em uma única ocasião. Um DVD

Leia mais

TUDO SOBRE JOIAS: DAS BIJUTERIAS ÀS JOIAS FINAS. Por PRATAS925 TUDO SOBRE JOIAS 1

TUDO SOBRE JOIAS: DAS BIJUTERIAS ÀS JOIAS FINAS. Por PRATAS925 TUDO SOBRE JOIAS 1 TUDO SOBRE JOIAS: DAS BIJUTERIAS ÀS JOIAS FINAS Por PRATAS925 TUDO SOBRE JOIAS 1 ÍNDICE Introdução 3 Bijuterias 4 Semi-Joias 5 Joias banhadas a ouro 6 Joias de prata 7 Joias de ouro amarelo 8 Joias de

Leia mais

1.1 Apresentação 1.2 Assistência técnica 1.3 Inspeção no ato do recebimento 1.4 Especificações técnicas. 2.1 Introdução 2.

1.1 Apresentação 1.2 Assistência técnica 1.3 Inspeção no ato do recebimento 1.4 Especificações técnicas. 2.1 Introdução 2. ÍNDICE SEÇÃO 1 Dados Gerais 1.1 Apresentação 1.2 Assistência técnica 1.3 Inspeção no ato do recebimento 1.4 Especificações técnicas SEÇÃO 2 Funcionamento 2.1 Introdução 03 2.2 Funcionamento 03 SEÇÃO 3

Leia mais

40 anos dos processadores (em 16/11/2011)

40 anos dos processadores (em 16/11/2011) 40 anos dos processadores (em 16/11/2011) Fonte: http://adrenaline.uol.com.br/tecnologia/colunistas/181/40-anos-dosprocessadores.html?pg=01 Sabe esse seu Core i7, Pentium Dual Core, ou seu AMD Phenom...

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções ELECTRONIC 150 (60 Hz / 220 V)

bambozzi Manual de Instruções ELECTRONIC 150 (60 Hz / 220 V) A SSISTÊNCIAS T ÊCNICASAUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 33833806 / 33833807 bambozzi Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP

Leia mais

Superfícies Transparentes Planas e Esféricas

Superfícies Transparentes Planas e Esféricas Superfícies Transparentes Planas e Esféricas Superfícies Refratoras Planas: dioptro plano Vamos aplicar o que você aprendeu na Aula 2 sobre o fenômeno da refração e as leis que o descrevem. Você já deve

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Arquitetura e Organização de Computadores Memória Externa I Prof. Sílvio Fernandes Discos

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES TR1B/2003

MANUAL DE INSTRUÇÕES TR1B/2003 MANUAL DE INSTRUÇÕES BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 - Centro - CEP 15990-668 - Matão (SP) - Brasil Fone (16) 3383-3800 - Fax (16) 3382-4228 bambozzi@bambozzi.com.br - www.bambozzi.com.br CNPJ

Leia mais

Conceitos sobre Computadores

Conceitos sobre Computadores Conceitos sobre Computadores Prof. UNESP - São José do Rio Preto Linguagem Computacional Neste tópico veremos: Os Componentes físicos dos computadores O hardware: principais partes dos computadores atuais.

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções TR 250 Turbo II (60 Hz - 110/220 V) +55 (16) 3383

bambozzi Manual de Instruções TR 250 Turbo II (60 Hz - 110/220 V) +55 (16) 3383 A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 3383 3818 bambozzi Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

Arquitetura de Computadores (Placa Mãe)

Arquitetura de Computadores (Placa Mãe) Arquitetura de Computadores (Placa Mãe) Agenda Apresentar e explicar as funcionalidades da placa mãe Apresentar e explicar os principais componentes da placa mãe Fonte Interfaces e/ou portas Barramentos

Leia mais

1 PY2MG REVISÃO 2 14/06/06. Manual Montagem Pinel 1. Parte 1 Recepção

1 PY2MG REVISÃO 2 14/06/06. Manual Montagem Pinel 1. Parte 1 Recepção 1 PY2MG Manual Montagem Pinel 1 Parte 1 Recepção 2 PY2MG Siga as instruções passo a passo para ter sucesso na montagem. Não tenha pressa e ao colocar os componentes, seja cuidadoso. Faça uma montagem limpa

Leia mais

FABRICAÇÃO MECÂNICA. Introdução aos Processos de Fabricação / Fundição. Material 1 Coletânea de materiais sobre fundição (livros, apostilas e resumos)

FABRICAÇÃO MECÂNICA. Introdução aos Processos de Fabricação / Fundição. Material 1 Coletânea de materiais sobre fundição (livros, apostilas e resumos) 2010 FABRICAÇÃO MECÂNICA Introdução aos Processos de Fabricação / Fundição Material 1 Coletânea de materiais sobre fundição (livros, apostilas e resumos) Prof. Alexander 1/1/2010 1 - INTRODUÇÃO 2 3 2 -

Leia mais

Manual Placa DMX 4 pixels RGB para pista/piso de LED

Manual Placa DMX 4 pixels RGB para pista/piso de LED Manual Placa DMX 4 pixels RGB para pista/piso de LED 2016 Lumikit Sistemas para Iluminação rev.3 06/07/2017 Lumikit Sistemas para Iluminação www.lumikit.com.br 1 SUMÁRIO 1. Introdução 3 2. Conexões da

Leia mais

ELETRICIDADE CAPÍTULO 2 ELEMENTOS DOS CIRCUITOS ELÉTRICOS

ELETRICIDADE CAPÍTULO 2 ELEMENTOS DOS CIRCUITOS ELÉTRICOS ELETRICIDADE CAPÍTULO 2 ELEMENTOS DOS CIRCUITOS ELÉTRICOS 2.1 - INTRODUÇÃO - EXISTEM CINCO ELEMENTOS BÁSICOS IDEAIS QUE SÃO UTILIZADOS EM CIRCUITOS ELÉTRICOS. - ELEMENTOS ATIVOS (GERAM ENERGIA ELÉTRICA)

Leia mais

Manual de Serviço GBA

Manual de Serviço GBA Apêndices Apêndice A: Glossário Cartucho de jogo: O software de aplicação utilizado pelo AGB. Conector de 32 pinos: Local onde os terminais do cartucho de jogo entram em contato com o GBA. CISC: Abreviação

Leia mais

Memórias Row Address Strobe Column Address Strobe

Memórias Row Address Strobe Column Address Strobe um chip de memória é um exército de clones, formado por um brutal número de células idênticas, organizadas na forma de linhas e colunas, de forma similar a uma planilha eletrônica. O chip de memória em

Leia mais

Transistor. O transistor é um componente de circuito elétrico. Seu nome vem do termo transfer resistor, ou seja, resistor de transferência.

Transistor. O transistor é um componente de circuito elétrico. Seu nome vem do termo transfer resistor, ou seja, resistor de transferência. Transistor Transistor O transistor é um componente de circuito elétrico. Seu nome vem do termo transfer resistor, ou seja, resistor de transferência. Tornou-se popular nos anos de 1950. Foi o grande responsável

Leia mais

O ÁTOMO pág. 66. Átomo: do grego, indivisível.

O ÁTOMO pág. 66. Átomo: do grego, indivisível. O ÁTOMO pág. 66 Átomo: do grego, indivisível. Núcleo: Prótons + Nêutrons Eletrosfera: Elétrons Número atômico (Z): nº de prótons no núcleo Número de massa (A): nº de prótons + nêutrons Prótons: carga positiva

Leia mais

Organização de Sistemas Computacionais Processadores: Organização da CPU

Organização de Sistemas Computacionais Processadores: Organização da CPU Universidade Paulista UNIP Curso: Ciências da Computação Turma: CCP30 Turno: Noturno Disciplina: Arquitetura de Computadores Professor: Ricardo Loiola Alunos: Thiago Gomes dos Santos Matrícula: C63873-0

Leia mais

Organização de Computadores Processadores. Professor: Francisco Ary

Organização de Computadores Processadores. Professor: Francisco Ary Organização de Computadores Processadores Professor: Francisco Ary Introdução O que vimos no último encontro: O que é um computador; Arquitetura Três partes principais: Processador; Memória; e Sistema

Leia mais

Sâmia Rodrigues Gorayeb. Arquitetura de Computadores Organização e Funcionamento

Sâmia Rodrigues Gorayeb. Arquitetura de Computadores Organização e Funcionamento Sâmia Rodrigues Gorayeb Arquitetura de Computadores Organização e Funcionamento Arquitetura de Computadores Organização e Funcionamento Agenda: 1. O que é o computador 2. Como funciona um computador 3.

Leia mais

Tecnologias. de Informação e Comunicação. 7ºAno. 1.º Período. Aula 7 e Magda Lopes

Tecnologias. de Informação e Comunicação. 7ºAno. 1.º Período. Aula 7 e Magda Lopes Tecnologias de Informação e Comunicação 7ºAno 1.º Período Aula 7 e 8 16 Componentes de um sistema informático Dispositivos de armazenamento mais utilizados: Por meios magnéticos Exemplos:, disquete. Por

Leia mais

O COMPUTADOR POR DENTRO

O COMPUTADOR POR DENTRO 1 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO O COMPUTADOR POR DENTRO Ensino Recorrente 3 4 O CPU constitui o orgão central do computador. As suas características determinam, em grande medida, a performance global do sistema.

Leia mais

Aula 03.! Resistência Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Aula 03.! Resistência Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Aula 03 Resistência slide 1 Objetivos Aprender quais os parâmetros que determinam a resistência de um elemento e calcular a resistência dos materiais a partir de suas características e dimensões. Adquirir

Leia mais

História dos Computadores

História dos Computadores História dos Computadores Tudo começou com o Sr. Charles Babbage no início do século XIX. Charles Babbage dedicou sua vida a construção de duas máquinas calculadoras. Ambas as tentativas foram fracassadas.

Leia mais

IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE ENGENHARIA INERCIAL MONTAGEM QUALIFICADA DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS PARA APLICAÇÃO ESPACIAL

IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE ENGENHARIA INERCIAL MONTAGEM QUALIFICADA DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS PARA APLICAÇÃO ESPACIAL IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE ENGENHARIA INERCIAL, 9'6$%(, 1 PALESTRA MONTAGEM QUALIFICADA DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS PARA APLICAÇÃO ESPACIAL Alirio Cavalcanti de Brito 17 de novembro de 2004 MONTAGEM COM QUALIFICAÇÃO

Leia mais

Introdução 1.1. Motivação

Introdução 1.1. Motivação 1 Introdução 1.1. Motivação À medida que a demanda de energia aumenta, a necessidade de gerar eletricidade por um processo que não afete o meio ambiente se torna imprescindível. A conversão de luz solar

Leia mais

Montagem e Manutenção Processadores

Montagem e Manutenção Processadores Montagem e Manutenção Processadores Processador Cérebro Computacional Evolução dos Computadores 1ª Geração => Válvulas (1945-1955) ENIAC: Tinha 19.000 válvulas Pesava 30 toneladas Área de150 m 2 Evolução

Leia mais

A placa controladora - Hardware, o

A placa controladora - Hardware, o hardware.com.br A placa controladora - Hardware, o Guia Definitivo 7-10 minutes Carlos E. Morimoto criou 1/out/2007 às 02h00 261 A placa lógica, ou placa controladora, é a parte "pensante" do HD. Com exceção

Leia mais

COMPONENTES DE UM COMPUTADOR (tecnologia) Adão de Melo Neto

COMPONENTES DE UM COMPUTADOR (tecnologia) Adão de Melo Neto COMPONENTES DE UM COMPUTADOR (tecnologia) Adão de Melo Neto 1 SUMÁRIO GABINETE FONTE COOLER BATERIA IDE, ATA e SATA SLOTS DE MEMÓRIA PLACA MAE ATX PROCESSADORES INTEL PLACAS DE VIDEO VIDEO GABINETE GABINETE

Leia mais

A Dualidade Onda-Partícula

A Dualidade Onda-Partícula A Dualidade Onda-Partícula O fato de que as ondas têm propriedades de partículas e viceversa se chama Dualidade Onda-Partícula. Todos os objetos (macroscópicos também!) são onda e partícula ao mesmo tempo.

Leia mais

1.3. CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA

1.3. CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA 1.3. CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA Informática pode ser considerada como significando informação automática, ou seja, a utilização de métodos e técnicas no tratamento automático da informação. Para

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA 1 CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA Montagem e Manutenção de Computadores Prof.: Denis Willian de Moura Diniz HARD DISK PARTE II 2 CONHECENDO O HD POR DENTRO 3 O DISCO A parte responsável pelo armazenamento

Leia mais

Processo de Fabricação: CORTE A LASER E CORTE A ÁGUA

Processo de Fabricação: CORTE A LASER E CORTE A ÁGUA Processo de Fabricação: CORTE A LASER E CORTE A ÁGUA CORTE A LASER O que é o Laser? Amplificação da luz por emissão estimulada de radiação. É um sistema que produz um feixe de luz coerente e concentrado

Leia mais

Barramentos. Tópicos

Barramentos. Tópicos Barramentos Prof. Alexandre Beletti Cap. 2 Tanenbaum Cap. 2 -Stallings Tópicos Estrutura de Barramento Tipos de Barramento Controladora de Barramento Largura de Barramento Transmissão Síncrona e Assíncrona

Leia mais

Oficina: Propriedades dos materiais

Oficina: Propriedades dos materiais Oficina: Propriedades dos materiais Oficina de CN/EF Presencial e EAD Desde que acordamos até a hora que vamos dormir mexemos e utilizamos vários objetos para diferentes fins. Observe ao seu redor. Perceba

Leia mais

Como funciona a lâmpada fluorescente

Como funciona a lâmpada fluorescente A TELA DE PLASMA A grande inovação desse tipo de aparelho está na forma como são ativados os pixels, os pequenos pontos luminosos que formam a imagem na tela. Na televisão tradicional, isso é feito por

Leia mais

MONTAGEM DE CIRCUITOS

MONTAGEM DE CIRCUITOS EXPERIÊNCIA MONTAGEM DE CIRCUITOS OBJETIVOS: - Conhecer as definições de circuito elétrico; - Manusear os componentes fisicamente; - Aprender os processos de montagem de circuitos; - Aprender montar circuitos

Leia mais

Conceitos Básicos de Informática

Conceitos Básicos de Informática Conceitos Básicos de Informática Estamos vivendo a era da Informática e, há algumas décadas, todas as tecnologias giram em torno do uso de microcomputadores. Essa realidade modificou tanto a forma de aquisição,

Leia mais

Robô segue luz. Vanderlei Alves S. da Silva. Introdução

Robô segue luz. Vanderlei Alves S. da Silva. Introdução Robô segue luz Vanderlei Alves S. da Silva Introdução O mundo da robótica é algo realmente fascinante e podemos encontrar uma série de robôs capazes de fazer coisas incríveis. Alguns bem complexos de serem

Leia mais

Componentes de Hardware. Alberto Felipe FriderichsBarros

Componentes de Hardware. Alberto Felipe FriderichsBarros Componentes de Hardware Alberto Felipe FriderichsBarros Configuração A configuração de um computador é, nada mais, que a receita do computador, ou seja, a listagem dos equipamentos que o formam. Qual das

Leia mais

Kit de acabamento da rampa Ultra Sonic Boom Pulverizador de relva Multi Pro 1750 de 2013 e posteriores

Kit de acabamento da rampa Ultra Sonic Boom Pulverizador de relva Multi Pro 1750 de 2013 e posteriores Form No. 3396-905 Rev A Kit de acabamento da rampa Ultra Sonic Boom Pulverizador de relva Multi Pro 1750 de 2013 e posteriores Modelo nº 130-8227 Instruções de instalação Nota: É necessário o kit de nivelamento

Leia mais

Conceitos e Gerenciamento de Memória

Conceitos e Gerenciamento de Memória Conceitos e Gerenciamento de Memória Introdução Num sistema computacional, temos diferentes tipos de memórias, para diferentes finalidades, que se interligam de forma estruturada e que formam o subsistema

Leia mais

Organização de Computadores Processadores. Professor: Francisco Ary

Organização de Computadores Processadores. Professor: Francisco Ary Organização de Computadores Processadores Professor: Francisco Ary Introdução O que vimos no último encontro: O que é um computador; Arquitetura Três partes principais: Processador; Memória; e Sistema

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS AULA 06 UFPR. Prof.ª Nicolle Sotsek Ramos

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS AULA 06 UFPR. Prof.ª Nicolle Sotsek Ramos SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS AULA 06 UFPR Prof.ª Nicolle Sotsek Ramos SISTEMAS DE COMPUTADORES «Todos os computadores são sistemas de componentes para entrada, processamento, saída, armazenamento

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO:

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 1 Essa prova destina-se exclusivamente a alunos da 1ª e 2ª Séries e contém dezesseis (16) questões. 2 Os alunos da 1ª Série devem escolher livremente oito (8) questões

Leia mais

LIC. Organização e Estrutura Básica Computacional. Prof. Marcelo Costa Oliveira 2006, Marcelo Costa oliveira

LIC. Organização e Estrutura Básica Computacional. Prof. Marcelo Costa Oliveira 2006, Marcelo Costa oliveira LIC Organização e Estrutura Básica Computacional Prof. Marcelo Costa Oliveira licufal@gmail.com História 1946 Inventado o 1º computador eletrônico de grande porte ENIAC Universidade da Pensilvania: 18.000

Leia mais

O Computador: é qualquer dispositivo eletrônico que pode armazenar, manipular e enviar dados processados de volta ao usuário através dos dispositivos

O Computador: é qualquer dispositivo eletrônico que pode armazenar, manipular e enviar dados processados de volta ao usuário através dos dispositivos Introdução a Microinformática/ Novembro/2008 - Aula 3 Telecelula Comércio de Equipamentos Eletrônicos ltda. www.teleclula.com.br daniel.santana@telecelula.com.br O Computador: é qualquer dispositivo eletrônico

Leia mais

MICROPROCESSADORES. Aula 10

MICROPROCESSADORES. Aula 10 MICROPROCESSADORES Aula 10 Conteúdo 1. O QUE É UM PROCESSADOR? 2. HISTÓRICO 3. COMPONENTES 4. INFORMAÇÕES IMPORTANTES 5. LINHA DE PROCESSADORES DA INTEL 6. LINHA DE PROCESSADORES DA AMD 7. REFERÊNCIAS

Leia mais

Conector ATX principal

Conector ATX principal Placa Mãe Também denominada mainboard ou motherboard, é uma placa de circuito impresso eletrônico. É considerado o elemento mais importante de um computador, pois tem como função permitir que o processador

Leia mais

MOLDAGEM ROTACIONAL ROTOMOLDAGEM

MOLDAGEM ROTACIONAL ROTOMOLDAGEM MOLDAGEM ROTACIONAL OU ROTOMOLDAGEM Rotomoldagem Vantagens Custo do molde relativamente baixo; Possibilidade de produzir peças de grande volume; Não gera tensões internas na peça; Facilidade nas substituições

Leia mais

Introdução a Tecnologia da Informação

Introdução a Tecnologia da Informação Introdução a Tecnologia da Informação Arquitetura de Computadores Hardware e Software Prof. Jeime Nunes p Tipos de memória n RAM (random access memory) - memória de acesso aleatório, é volátil e permite

Leia mais

Corrente elétrica pode ser entendida como sendo a quantidade de elétrons que atravessa a secção de um condutor em um segundo.

Corrente elétrica pode ser entendida como sendo a quantidade de elétrons que atravessa a secção de um condutor em um segundo. Corrente, Tensão, Resistência, Potência e Freqüência. Conceitos Básicos Mesmo pensando somente em Informática, temos que conhecer algumas grandezas elétricas básicas. Essas grandezas são: Corrente, tensão,

Leia mais

Informática Básica. Conceitos Básicos

Informática Básica. Conceitos Básicos Informática Básica Conceitos Básicos SUMÁRIO Introdução e conceitos básicos Hardware Software 2 Transformação Social Comunicação E-mail, conversa on-line, vídeo conferência, redes sociais,... 3 Transformação

Leia mais

CIRCUITOS INTEGRADOS E VLSI

CIRCUITOS INTEGRADOS E VLSI CIRCUITOS INTEGRADOS E VLSI ALUNOS ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS André, Andreia Aquino, Gabriele Aquino e Renato Junior O QUE SÃO OS CIRCUITOS INTEGRADOS? Os circuitos integrados (microchip, chip

Leia mais

Placa Mãe Motherboard`s

Placa Mãe Motherboard`s Placa Mãe Motherboard`s Módulo 01 Ambientação Tecnológica Prof. Felipe A. Pires O que é placa-mãe ou motherboard? É o circuito responsável por conectar e interligar todos os componentes do computador,

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar - Aula 1-1. ENTRADAS E SAIDAS Uma das principais funções dos sistemas operacionais é controlar os dispositivos de entrada e saída (E/S ou I/O). O Sistema Operacional (SO) deve ser capaz de enviar comando

Leia mais

Aluno turma ELETRÔNICA ANALÓGICA AULA 01

Aluno turma ELETRÔNICA ANALÓGICA AULA 01 Aluno turma ELETRÔNICA ANALÓGICA AULA 01 Capítulo 1 Semicondutores A área de estudo que chamamos de eletrônica abrange uma grande área, sistemas analógicos, sistemas digitais, sistemas de comunicação,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAMPUS SANTO ANDRÉ CELSO CANDIDO SEMESTRE 2014-1 1 CONCEITOS ASSUNTOS DESTA AULA: Funcionalidades de um computador; Hardware e Software; Componentes de um computador: o CPU

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 7

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 7 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 7 Índice 1. A Organização do Computador...3 1.1 Processadores... 3 2 1. A ORGANIZAÇÃO DO COMPUTADOR Um computador digital consiste em um sistema interconectado de processadores,

Leia mais

Embaladora Ipcal modelo 39 Manual de instruções e garantia

Embaladora Ipcal modelo 39 Manual de instruções e garantia Embaladora Ipcal modelo 39 Manual de instruções e garantia INDÚSTRIA DE PLÁSTICO CRISTAL AMERICANO Comércio e Transportes Ltda. RUA MENDES CALDEIRA, 300 BRÁS - SÂO PAULO/SP FONE (011) 3229-4277 SITE: www.ipcal.com.br

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MEMÓRIA E BARRAMENTOS DE SISTEMA. Prof. Dr. Daniel Caetano

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MEMÓRIA E BARRAMENTOS DE SISTEMA. Prof. Dr. Daniel Caetano ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MEMÓRIA E BARRAMENTOS DE SISTEMA Prof. Dr. Daniel Caetano 2-2 Visão Geral 2 3 4 5 5 5 O que é a Memória Hierarquia de Memória Tipos de Memória Acesso à Memória

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES TECNOLOGIAS EM REDES DE COMPUTADORES Semestre 2015.2 Prof. Dsc. Jean Galdino Arquitetura de Computadores Aula 03 Organização de computadores DEFINIÇÕES BÁSICAS e PARTES DE UM

Leia mais

Descrição Funcional:

Descrição Funcional: 1 Descrição Funcional: 1. CHAVE LIGA E DESLIGA 2. ALÇA 3. CABO DE FORÇA 4. TUBO DE SAIDA DE DESCARGA DE PÓ 5. PORTA ESCOVA 6. BASE DE APOIO 7. PROTETOR DO DISCO DENTADO 8. DISCO DENTADO 9. ARRUELA DE FIXAÇÃO

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções (Máquinas de gelo em cubo) Obrigado por escolher as máquinas de gelo Thermomatic. Para garantir o uso correto das operações, por favor, leia atentamente o manual de instruções e depois

Leia mais

Hardware e Manutenção de Micros

Hardware e Manutenção de Micros Hardware e Manutenção de Micros Cooler de CPU Memórias Tipos Tecnologias de construção Características Produzido por Márcio Jusilho Cooler de CPU É um conjunto do dissipação térmica do processador. O cooler

Leia mais

I. Refração da luz. a) a refração. b) a reflexão. c) a difração. d) o arco-íris. e) a sombra.

I. Refração da luz. a) a refração. b) a reflexão. c) a difração. d) o arco-íris. e) a sombra. Colégio Master Anglo Araraquara SP 3ª série EM Exercícios de revisão para Recuperação 2º bimestre Refração da luz Componentes da aceleração Aplicações das leis de Newton Física Adriano I. Refração da luz

Leia mais

Componentes constituintes de uma motherboard

Componentes constituintes de uma motherboard Uma placa-mãe típica e seus componentes (neste exemplo uma placa-mãe modelo A7N8X- Deluxe da Asus) 32 1 - Socket do processador (CPU) é neste socket que o processador é encaixado. O desenho das actuais

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos Ao final desta apostila,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Campus Ibirama

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Campus Ibirama INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Campus Ibirama Arquitetura de Hardware Professor Eduardo Stahnke Arquiteturas Grande diversidade das arquiteturas de computadores Componentes básicos do computador Os Principais

Leia mais

O Laboratório Técnico

O Laboratório Técnico O Laboratório Técnico 1 O termo mais indicado hoje para o local onde os aparelhos são concertados é Laboratório técnico, e esse termo se aplica muito bem porque afinal todas as analises de defeitos serão

Leia mais

FUNDIÇÃO DE ALUMÍNIO POR GRAVIDADE (COQUILHA)

FUNDIÇÃO DE ALUMÍNIO POR GRAVIDADE (COQUILHA) FUNDIÇÃO DE ALUMÍNIO POR GRAVIDADE (COQUILHA) Serviço indicado para fabricantes de máquinas e equipamentos, que utilizam peças; de pequenas dimensões (até 10kg) em alumínio fundidas em areia; shell moulding;

Leia mais

PLACA MÃE. Hardware de Computadores

PLACA MÃE. Hardware de Computadores PLACA MÃE Hardware de Computadores Introdução Placa-mãe, também denominada mainboard ou motherboard, é uma placa de circuito impresso eletrônico. É considerado o elemento mais importante de um computador,

Leia mais

SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Aula 2 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Aula 2 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Conceitos Básicos Aula 2 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira INTRODUÇÃO n Organização Æ implementação do hardware, componentes, construção dos dispositivos

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica - EESC-USP. Organização de Computadores. Memórias Parte 2. Aula 5. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

Departamento de Engenharia Elétrica - EESC-USP. Organização de Computadores. Memórias Parte 2. Aula 5. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Departamento de Engenharia Elétrica - EESC-USP SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Memórias Parte 2 Aula 5 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Memórias Secundárias Hierarquia de Memórias

Leia mais

Cerâmicos encontrados na natureza como a argila. Utilizado basicamente para peças de cerâmica tradicional.

Cerâmicos encontrados na natureza como a argila. Utilizado basicamente para peças de cerâmica tradicional. PROCESSAMENTO DE CERÂMICOS 1. Características de materiais cerâmicos - alta dureza (resistência à abrasão) e resistência a elevadas temperaturas - alta fragilidade - grande diferença entre resistência

Leia mais

Lista de Problemas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Física FIS01044 UNIDADE III Interferência

Lista de Problemas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Física FIS01044 UNIDADE III Interferência Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Física FIS01044 UNIDADE III Interferência Lista de Problemas Problemas extraídos de HALLIDAY, D., RESNICK, R., WALKER, J. Fundamentos

Leia mais

Considere o calor específico da água 1,00cal/g C. Calcule o calor específico da areia.

Considere o calor específico da água 1,00cal/g C. Calcule o calor específico da areia. Revisão para o ENEM 1. O nitrogênio, à pressão de 1,0 atm, se condensa a uma temperatura de -392 graus numa escala termométrica X. O gráfico representa a correspondência entre essa escala e a escala K

Leia mais

KIT PLACA AMPLIFICADOR 100 W RMS - A1002

KIT PLACA AMPLIFICADOR 100 W RMS - A1002 KIT PLACA AMPLIFICADOR 100 W RMS - Primeiramente queremos agradecer a aquisição do KIT Mod. - PLACA AMPLIFICADOR 100W RMS. Este manual procura detalhar todo o processo de montagem deste KIT amplificador,

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções NM / 220 V 60 Hz

bambozzi Manual de Instruções NM / 220 V 60 Hz bambozzi Consulte as Assistências Técnicas Autorizadas acesse: www.bambozzi.com.br/assistec.xls ou ligue: +55 (16) 33833806 / 33833807 Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. ua Bambozzi, 522 Centro

Leia mais

DR2-Contexto profissional O Computador

DR2-Contexto profissional O Computador DR2-Contexto profissional O Computador Área- Sociedade, Tecnologia e Ciência (STC) Coordenadora: Helena Oliveira Trabalho realizado por: Ana Fonseca nº3 Marta Dinis nº13 Introdução Índice Computador Definição

Leia mais

1. Como você diferencia na prática os diversos tipos de memória RAM?

1. Como você diferencia na prática os diversos tipos de memória RAM? ALUNO(A): MANUTENÇÃO BÁSICA 1º BIMESTRE DATA: / / PROFESSOR JEAN GALDINO INSTRUÇÕES: RESPONDA INDIVIDUALMENTE E ENTERGUE RESPONDIDA OBJETIVAMENTE. 1. Como você diferencia na prática os diversos tipos de

Leia mais

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 3 Visão de alto nível da função e interconexão do computador Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert

Leia mais

Wafer de silício 99,9999% puro Tudo começa com o wafer de silício em seu estado original: Cilindo Silício. Wafer

Wafer de silício 99,9999% puro Tudo começa com o wafer de silício em seu estado original: Cilindo Silício. Wafer Processadores Processo Fabricação Wafer de silício 99,9999% puro Tudo começa com o wafer de silício em seu estado original: Cilindo Silício Wafer Processadores Processo Fabricação Várias etapas de processo

Leia mais

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo Prof. Benito Piropo Da-Rin UCP ou microprocessador: Circuito Integrado inteligente (capaz de cumprir diferentes funções determinadas por instruções ) CI capaz de efetuar todas as operações necessárias

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Computação (ISC) Curso de Administração de Negócios Eletrônicos Professor :

Introdução aos Sistemas de Computação (ISC) Curso de Administração de Negócios Eletrônicos Professor : Introdução aos Sistemas de Computação (ISC) Curso de Administração de Negócios Eletrônicos Professor : Marco Antônio Chaves Câmara Lista de Exercícios II Nome do Aluno : 1) Considerando-se a representação

Leia mais