MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção"

Transcrição

1 Gestão de risco na cadeia de suprimentos MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção Enquanto no passado os gestores das redes de suprimento estavam predominantemente preocupados com custos e qualidade, atualmente acrescentou-se a garantia de continuidade de fornecimento. 2 1

2 O que é e como avaliar risco, nos seus vários aspectos, no âmbito da gestão global de redes de suprimentos? Por que é importante o gerenciamento de risco em gestão global de redes de suprimento? Como criar redes globais de suprimento que sejam mais resilientes? Quais são as principais estratégias para gerenciamento de risco em gestão de redes de suprimentos? Como implantar mecanismos de gestão de risco em redes globais de suprimentos? 3 Risco: Decisào sob risco implica algum nível de conhecimento das probabilidades envolvidas, o que é diferente de decisão sob ïncerteza, em que as probabilidades são desconhecidas. Genericamente considerado, pode ser definido como o valor estatístico da expectativa que se tem sobre um evento indesejado que pode ocorrer ou não. O valor da expectativa sobre um possível evento negativo é dado pela consideração conjunta da probabilidade estimada da sua ocorrência por alguma medida de sua severidade, impacto ou consequência. 4 2

3 Risco em redes de suprimento: Risco em redes de suprimento está associada à possibilidade de um evento indesejado ocorrer e seu consequente impacto na consecução do objetivo amplo da gestão de redes de suprimento, que é o de conciliar suprimento e demanda. 5 Impacto financeiro de interrupções nas redes globais de suprimentos: Quando os executivos disparam ações visando reduzir custos nas suas redes de suprimento, como reduções drásticas de estoques, terceirização i de atividades, id d entre outros, devem analisar essas decisões, do ponto de vista dos custos de curto prazo, mas também dos riscos envolvidos. 6 3

4 Tipos Segundo Sheffi (2005), há diferentes tipos de risco podem requerer diferentes formas der gestão. Genericamente falando, há três tipos de riscos que podem afetar as redes de suprimentos: aleatórios, acidentais e intencionais 7 Riscos aleatórios: Causados por fatores normalmente for a do controle das organizações envolvidas, como furacões, enchentes, terremotos e tornados. 8 4

5 Riscos acidentais: Causados por fatores não aletórios, mas não intencionais, como a imprudência, a negligência, a incompetência e falhas e imprefeições nas tecnologias envolvidas. 9 Riscos intencionais: Causados por deliberada intenção de causar a interrupção, como os ataques terroristas, os roubos, a sabotagem, as greves e as espionagens. 10 5

6 Conceito chave: Os riscos aleatórios são causados por fatores normalmente fora do controle das organizações envolvidas, como os desastres naturais; os riscos acidentais são causados por fatores não aleatórios, mas não intencionais, como imprudência, a negligência ou a incompetência; e os riscos intencionais sào causados por deliberada intenção de causar a interrupção, como os ataques terroristas e de hackers, etc. 11 Categorias de riscos e seus fatores em redes de suprimento: Rede de unidades d operacionais; i Recursos humanos; Tecnologia; Transporte; Fornecimento; Demanda; Sistemas de informaçào; Ambiente econômico; e Ambiente político. 12 6

7 O processo de gestão de risco em redes globais de suprimentos: Identificação de processos e recursos sujeitos a risco; Identificação dos principais riscos; Avaliação da probabilidade de ocorrência associada aos principais riscos; Identificação das consequências da ocorrência associada aos riscos; Avaliação dos níveis de vulnerabilidade; Definiçào de ações priorizadas para redução e transferência de riscos. 13 Identificação de processos e recursos sujeitos a risco: Primeiro passo será a escolha de um processo ou um recurso cujos riscos se pretendam gerenciar. 14 7

8 Identificação dos riscos principais: A identificação dos principais riscos, então necessita olhar tanto localmente para cada uma das unidades, como para a rede de unidades e sua inter-relação. 15 Avaliação da probabilidade de ocorrência associada aos principais riscos: A avaliação de probabilidade de ocorrência é diferente e usa diferentes ferramentas e técnicas conforme o tipo de risco. 16 8

9 Probabilidade de ocorrência de riscos aleatórios: Como os fatores de risco aleatórios são frequentes, pode-se estudar estatisticamente o seu histórico de ocorrências para então tentar estimar as probabilidades de sua ocorrência. 17 Probabilidade de ocorrência de riscos acidentais: Evidentemente, a ação mais recomendável para lidar com riscos acidentais é a prevenção. Entretanto, para a gestão de risco, é necessário estimar a probabilidade de ocorrência de eventos acidentais, ou seja, que ocorrem não intencionalmente, mas por algum tipo de falha involuntária, causada por descuido, incompetência ou negligência. 18 9

10 Probabilidade de ocorrência de riscos intencionais: Nos eventos mais frequentes, como as greves, assaltos e roubos de carga, a estatística e a história poderão auxiliar a avaliar as probabilidades de ocorrência. As distribuições temporais auxiliam no estágio de preparação, para alguns eventos intencionais podem-se usar informações públicas disponível. 19 Identificação das consequências da ocorrência associada aos riscos: Na avaliação das consequências, ou impactos, da ocorrência ou evento associada aos riscos, a estatística também pode auxiliar. Já para interrupções menos frequentes, como o fechamento prolongado de um fornecedor relevante, ou um incêndio de proporções importantes, ou uma greve prolongada, a história de eventos passados pode contribuir pouco

11 O uso de cenários e de perguntas do tipo o que aconteceria se pode ser a única alternativa, por exemplo: O que aconteceria se nosso fornecedor principal sofresse uma interrupção e sua fábrica tivesse que ser fechada por duas semanas? O que aconteceria se houvesse uma greve na alfândega que durasse um mês? O que aconteceria se um furacão categoria IV atingisse a fábrica da Califórnia? O que aconteceria se a fábrica de São Paulo sofresse uma enchente séria? O que aconteceria se um produto nosso sofresse sabotagem e fosse envenenado? 21 Avaliação de vulnerabilidade: A vulnerabilidade de uma empresa ou rede de suprimento aos riscos está associada à consideração conjunta da probabilidade da ocorrência associada ao risco com a seriedade (ou às vezes chamada severidade) do seu impacto

12 Avaliação de vulnerabilidade: Alta Probab bilidade da Ocorrência Baixa Vulnerabilidade Moderada Vulnerabilidade Baixa Leves Vulnerabilidade Alta Vulnerabilidade Média Consequências (Impacto) Severas 23 Avaliação de vulnerabilidade: Quadrante probabilidade alta x Consequência severa (vulnerabilidade alta): risco que se enquadram nesse quadrante são aqueles que tornam a operação mais vulnerável. (Sequestro de aeronave)

13 Avaliação de vulnerabilidade: Quadrante Probabilidade baixa x Consequência severa (vulnerabilidade média): aqui, encaixamse os eventos com baixa probabilidade de ocorrerem mas com alto impacto. (Tornado que atinja a Fábrica da Adams). 25 Avaliação de vulnerabilidade: Quadrante probabilidade alta x Consequência leve (Vulnerabilidade Moderada): aqui, encontram-se os eventos com os quais as empresas lidam no dia a dia, fazendo uso de seus sistemas de planejamento e controle. (Quebra de equipamento)

14 Avaliação de vulnerabilidade: Quadrante probabilidade baixa x Consequência leve (Vulnerabilidade baixa): definitivamente, os eventos que se encaixam nessa categoria não ocupam as posições mais altas na agenda de preocupações dos gestores de risco das redes de suprimentos. (Vírus no computador). 27 Avaliação de vulnerabilidade: Alta a bilidade da Ocorrência Probab Baixa Fechamento de um porto Greve na alfândega Vírus no computador Epidemia de gripe Leves Recessão econômica Perda de um fornecedor-chave Falha grave de TI Greve Geral Consequências (Impacto) Severas 28 14

15 Há duas formas de se reduzir a vulnerabilidade a riscos nas redes de suprimento: ou se reduzem as probabilidades ou se reduzem as consequências das ocorrências causadoras das interrupções. 29 Redução da probabilidade das ocorrências associadas ao risco: essa opção de ação tem um aspecto preventivo e pode ser aplicada aos três tipos de risco: aleatório, acidental e intencional

16 Nos riscos aleatórios: os desastres naturais, as forças da natureza ainda não conseguem, numa maioria de situações, ser domadas por ações do homem. 31 Nos riscos acidentais: é importante ter claro nas políticas de gestão de risco que a orientação predominante tem que ser a de prevenção, ou seja, as ações preventivas na redução de riscos acidentais i devem ter totalt prioridade id d emrelação às ações corretivas

17 Nos riscos intencionais: a prevenção também é essencial, e prevenir riscos de ocorrências intencionais inclui aumentar a segurança. 33 Use métodos em camadas: um exemplo são as camadas com diferentes níveis de segurança e acesso. Consiga identificar atividades que representam ameaça daquelas normais: uma pequena proporção apenas representa ameaça, os padrões destas têm que ser rapidamente identificados

18 Treine muito e teste contantemente seus mecanismos: um dos perigos das medidas de segurança é elas se tornarem rotineiras e as pessoas deixarem de dar a elas a importância e atenção devidas. 35 Redução das consequências das ocorrências associadas ao risco: uma segunda forma de redução dos riscos de interrupção nas redes de suprimento é desenvolver e implantar ações e mecanismos para reduzir a consequência das interrupções

19 Redundância de recursos refere-se a manter mais recursos disponíveis à empresa que aqueles estritamente necessários à operação sob condições normais. 37 Agilidade refere-se a características planejadas para o sistema que o façam mais robusto

20 Flexibilidade é outra característica que pode alavancar muito a resposta às interrupções, auxiliando a reduzir sua consequências. 39 Avaliação de vulnerabilidade: Alta a bilidade da Ocorrência Probab Baixa Leves Pre evenção Agilidade, flexibilidade, redundância Agilidade, flexibilidade, redundância Prevenção Consequências (Impacto) Severas 40 20

21 Transferência de risco Em várias situações, as empresas optam por transferir a terceiros parte dos riscos associados a interrupções. A forma mais evidente de transferência de risco é o uso de empresas seguradoras

Gestão de risco na cadeia de suprimentos. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção

Gestão de risco na cadeia de suprimentos. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção Gestão de risco na cadeia de suprimentos MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@ifsp.edu.br Mestre em Engenharia de Produção Enquanto no passado os gestores das redes de suprimento estavam predominantemente

Leia mais

Segurança e Controle em Sistemas de Informação. Profa. Ellen Francine ICMC-USP

Segurança e Controle em Sistemas de Informação. Profa. Ellen Francine ICMC-USP Segurança e Controle em Sistemas de Informação Profa. Ellen Francine ICMC-USP 11/09: nem tudo está sob controle Com o ataque contra o World Trade Center e Pentágono, todo transporte aéreo e terrestre foi

Leia mais

1. Descrever, conforme apresentado na lição, o conceito de Desastre.

1. Descrever, conforme apresentado na lição, o conceito de Desastre. GESTÃO DE DESASTRES Ações Inter e Multidisciplinares Objetivos: Ao final da lição, o aluno estará apto para: 1. Descrever, conforme apresentado na lição, o conceito de Desastre. 2. Enumerar, conforme descrito

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação Eng. SERGIO VILLARREAL Conteúdo Introdução Conceitos Normas e SGSI Profissionais da SI Atividades Duração: 2 h 1 Introdução Informação Ativo mais importante das organizações Empresas

Leia mais

Segurança de Sistemas

Segurança de Sistemas Segurança de Sistemas Prof. Luiz A. Nascimento Auditoria e Segurança de Sistemas de Informação Anhanguera Taboão da Serra Segurança dos dados. Como se proteger? Controle de acesso Senhas Criptografia Backup

Leia mais

Segurança em Redes de Computadores. Conceitos Básicos Aula II

Segurança em Redes de Computadores. Conceitos Básicos Aula II Segurança em Redes de Computadores Conceitos Básicos Aula II Falsa Sensação de Segurança Quando o profissional não conhece os riscos, ele tende a achar que tudo está seguro com o ambiente. Negligência

Leia mais

Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Esta é uma área essencial para aumentar as taxas de sucesso dos projetos, pois todos eles possuem riscos e precisam ser gerenciados, ou seja, saber o

Leia mais

16/02/2010. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção

16/02/2010. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção A logística integrada envolve o gerenciamento de informações, transporte, estoque, armazenamento, manuseio de materiais

Leia mais

SSC120 - Sistemas de Informação Segurança em Sistemas de Informação

SSC120 - Sistemas de Informação Segurança em Sistemas de Informação SSC120 - Sistemas de Informação Segurança em Sistemas de Informação Simone S. Souza ICMC/USP Segurança em Sistemas de Informação Por que os SIs estão tão vulneráveis a destruição, erros e uso indevido?

Leia mais

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex.

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex. 1 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Disposições Gerais Os sistemas de informação, a infraestrutura tecnológica, os arquivos de dados e as informações internas ou externas, são considerados importantes

Leia mais

Gestão de Segurança da Informação. Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006. Curso e Learning. Sistema de

Gestão de Segurança da Informação. Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006. Curso e Learning. Sistema de Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

Segurança da Informação. Alberto Felipe Friderichs Barros

Segurança da Informação. Alberto Felipe Friderichs Barros Segurança da Informação Alberto Felipe Friderichs Barros Em um mundo onde existe uma riqueza de informação, existe frequentemente uma pobreza de atenção. Ken Mehlman Desde o surgimento da internet, a busca

Leia mais

Plano de Continuidade de Negócios Lavoro Asset

Plano de Continuidade de Negócios Lavoro Asset Plano de Continuidade de Negócios Lavoro Asset SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ABRANGÊNCIA... 4 4. ESCOPO E PREMISSAS OPERACIONAIS... 4 5. PROCESSOS DE NEGÓCIOS E ÁREAS EXISTÊNTES... 6 6.

Leia mais

Por serem tão importantes, sistemas críticos são geral são desenvolvidos usando técnicas já consagradas em vez de técnicas mais recentes.

Por serem tão importantes, sistemas críticos são geral são desenvolvidos usando técnicas já consagradas em vez de técnicas mais recentes. SISTEMAS CRÍTICOS DEFINIÇÃO São sistemas técnicos ou sociotécnicos dos quais as pessoas ou os negócios dependem. Caso esses sistemas falhem, os problemas serão gravíssimos. Existem 3 tipos de Sistemas

Leia mais

POLÍTICA GESTÃO DE RISCOS

POLÍTICA GESTÃO DE RISCOS POLÍTICA GESTÃO DE RISCOS 07/03/2017 1 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes, estratégias e responsabilidades na Gestão de Riscos das Empresas Randon, assim como a conceituação, identificação e análise

Leia mais

Logística de Suprimentos

Logística de Suprimentos Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@ifsp.edu.br Mestre em Engenharia de Produção Introdução No passado, muitas empresas consideraram os suprimentos como uma área da empresa que se limitava a enviar

Leia mais

Ativos Críticos: Habilidades Recursos

Ativos Críticos: Habilidades Recursos Ativos Críticos: Ativo Crítico é tudo aquilo que é considerado essencial para organização, de modo que se não estiver intacto, disponível/acessível somente às pessoas autorizadas, poderá acarretar danos

Leia mais

CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS

CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS O Santander possui ferramentas para gerenciar diversos riscos, mas, mesmo com essa estrutura, não é possível prever tudo que pode afetar os negócios

Leia mais

FMEA ANÁLISE DOS MODOS DE FALHA E SEUS EFEITOS MARIO D ALESSANDRO NETO GRUPO 3 RAPHAEL HÉLIO COSTA ALMEIDA VINICIUS HENRIQUES DE FREITAS

FMEA ANÁLISE DOS MODOS DE FALHA E SEUS EFEITOS MARIO D ALESSANDRO NETO GRUPO 3 RAPHAEL HÉLIO COSTA ALMEIDA VINICIUS HENRIQUES DE FREITAS FMEA ANÁLISE DOS MODOS DE FALHA E SEUS EFEITOS MARIO D ALESSANDRO NETO GRUPO 3 RAPHAEL HÉLIO COSTA ALMEIDA VINICIUS HENRIQUES DE FREITAS OBJETIVO Definir, identificar e eliminar falhas, problemas ou erros

Leia mais

Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção a Instalações Industriais Químicas

Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção a Instalações Industriais Químicas Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção a Instalações Industriais Químicas III Seminário de Proteção Empresarial São Paulo, 27 de junho de 2007 Agenda Safety x Security Guias de Proteção

Leia mais

FAILURE MODE AND EFFECT ANALYSIS

FAILURE MODE AND EFFECT ANALYSIS Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Economia, Administração e Sociologia LES0778 Gestão da Qualidade I FAILURE MODE AND EFFECT ANALYSIS (Análise do

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Em atendimento a exigência estipulada pelo Banco Central, através da Resolução nº 3.380/2006, do Conselho Monetário Nacional (CMN), a corretora desenvolveu

Leia mais

Ameaça é tudo aquilo que pode comprometer a segurança de um sistema, podendo ser acidental (falha de hardware, erros de programação/usuários,

Ameaça é tudo aquilo que pode comprometer a segurança de um sistema, podendo ser acidental (falha de hardware, erros de programação/usuários, $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR 6(*85$1d$($8',725,$'(6,67(0$6 ³6HJXUDQoDGH,QIRUPDo}HV $QDOLVDQGR$PHDoDV

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini   / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Aula N : 11 Tema:

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini   / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Aula N : 11 Tema:

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini   / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SEGURANÇA DE REDES Aula N : 10 Tema: Procedimentos

Leia mais

4 Metodologia. Planejamento do gerenciamento de riscos. Análise de riscos. Identificação de riscos. Monitoramento e controle de riscos

4 Metodologia. Planejamento do gerenciamento de riscos. Análise de riscos. Identificação de riscos. Monitoramento e controle de riscos 4 Metodologia O objetivo do gerenciamento de riscos é aumentar a probabilidade e o impacto de eventos positivos e diminuir a probabilidade e o impacto de eventos negativos. Com isso é possível obter um

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO I

SISTEMAS DE PRODUÇÃO I SISTEMAS DE PRODUÇÃO I Natureza do Planejamento e Controle Cap. 10 Nigel Slack ADMINISTRAÇÃO UEMG CAMPUS FRUTAL SISTEMAS DE PRODUÇÃO I - 5º Período Prof.º Adriano Reis OPERAÇÕES PRODUTIVAS Planejamento

Leia mais

Planejamento - 8. Análise Qualitativa de Riscos Análise Quantitativa de Riscos Planejamento de Resposta a Risco. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 8. Análise Qualitativa de Riscos Análise Quantitativa de Riscos Planejamento de Resposta a Risco. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 8 Análise Qualitativa de Riscos Análise Quantitativa de Riscos Planejamento de Resposta a Risco 1 Análise Qualitativa do risco O objetivo da análise qualitativa do risco é classificar os

Leia mais

GERENCIAMENTO DO TEMPO DO PROJETO

GERENCIAMENTO DO TEMPO DO PROJETO DO PROJETO Gestão de Projetos de Infraestrutura Luciano Rodrigues de Souza GESTÃO DO TEMPO Começar um trabalho sem planejá-lo primeiro, ou seja, partir para o AGIR antes do PENSAR em como agir. Fazer atividades

Leia mais

care Roubo ou Furto Qualificado

care Roubo ou Furto Qualificado Roubo ou Furto Qualificado Furto simples do bem segurado. Entende-se por Furto simples o furto comedo sem emprego de violência e sem que seja deixado qualquer ves gio; Estelionato, perda, extravio ou simples

Leia mais

Manutenção Centrada em Confiabilidade (MCC)

Manutenção Centrada em Confiabilidade (MCC) Origem MCC Manutenção Centrada em Confiabilidade (MCC) Anos 50: disciplinas de engenharia da confiabilidade Objetivo: estimar a confiabilidade de componentes, sistemas mecânicos e sistemas elétricos (principalmente).

Leia mais

FMEA (Failure Mode and Effect Analysis)

FMEA (Failure Mode and Effect Analysis) FMEA (Failure Mode and Effect Analysis) Fonte: http://www.ogerente.com.br/qual/dt/qualidade-dt-fmea.htm Colaborador: Wilson Maretti Responsáveis: Daniel Capaldo, Vander Guerrero, Prof. Henrique Rozenfeld

Leia mais

FALTA DE SEGURANÇA. Alberto Felipe Friderichs Barros

FALTA DE SEGURANÇA. Alberto Felipe Friderichs Barros FALTA DE SEGURANÇA Alberto Felipe Friderichs Barros Porque Proteger? A proteção de uma organização em TI não é apenas contra hackers, vírus e funcionários maliciosos, mas como uma garantia de que os negócios

Leia mais

Gerência de Riscos. Quantificação da Arvore de Eventos

Gerência de Riscos. Quantificação da Arvore de Eventos Quantificação da Arvore de Eventos Como existem sempre duas possibilidades, sucesso ou falha, as probabilidades são sempre complementares, isto é somarão, 1,0 (ou 100%) Para realizar a determinação da

Leia mais

DP ON_LINE. Segurança Lógica de Redes. Introdução e Conceitos Básicos. Introdução e conceitos básicos. Considerações Iniciais

DP ON_LINE. Segurança Lógica de Redes. Introdução e Conceitos Básicos. Introdução e conceitos básicos. Considerações Iniciais DP ON_LINE Segurança Lógica de Redes Introdução e Conceitos Básicos Introdução e conceitos básicos Sumário de assuntos Considerações Iniciais Algumas Definições Objetivos da Segurança de Informações Formas

Leia mais

Gerenciamento de Projetos PMBOK. Fernando Pires Barbosa Analista de TI

Gerenciamento de Projetos PMBOK. Fernando Pires Barbosa Analista de TI Gerenciamento de Projetos PMBOK Fernando Pires Barbosa Analista de TI fernando.pires.barbosa@ufsm.br PDI e Plano de Gestão UFSM 189 AÇÕES estratégicas divididas em 6 LINHAS estratégicas K Projetos e o

Leia mais

PROJETO INTEGRADO AULA 4 GERENCIAMENTO DO TEMPO PROF.: KAIO DUTRA

PROJETO INTEGRADO AULA 4 GERENCIAMENTO DO TEMPO PROF.: KAIO DUTRA PROJETO INTEGRADO AULA 4 GERENCIAMENTO DO TEMPO PROF.: KAIO DUTRA Gerenciamento do Tempo O gerenciamento do tempo do projeto inclui os processos necessário para gerenciar o término pontual do projeto.

Leia mais

PRODUTIVIDADE E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL MFMEA Analise dos Efeitos e Modos da Falha

PRODUTIVIDADE E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL MFMEA Analise dos Efeitos e Modos da Falha PRODUTIVIDADE E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL MFMEA Analise dos Efeitos e Modos da Falha Profº Drº Carlos Roberto Regattieri carlos.regattieri@fatectq.edu.br 1 MFMEA MACHINE FAILURE MODE AND EFFECT ANALYSIS MF.M.E.A.

Leia mais

24/5/2009. Risco é um evento incerto que pode ou não acontecer e, caso ocorra, pode trazer prejuízos ou benefícios ao projeto. Prejuízo.

24/5/2009. Risco é um evento incerto que pode ou não acontecer e, caso ocorra, pode trazer prejuízos ou benefícios ao projeto. Prejuízo. O que é risco? FAE S. J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Risco é um evento incerto que pode ou não acontecer e, caso ocorra, pode trazer prejuízos ou benefícios ao projeto. Gerenciamento

Leia mais

PROINTER Projeto Integrador aula 7 Prof. Me. Érico Pagotto

PROINTER Projeto Integrador aula 7 Prof. Me. Érico Pagotto PROINTER Projeto Integrador aula 7 Prof. Me. Érico Pagotto Gerenciamento de Riscos em Projetos Conceitos, ferramentas e técnicas para gerenciamento de ricos em projetos Utilização dos métodos propostos

Leia mais

PLANO DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS (PCN)

PLANO DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS (PCN) PLANO DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS (PCN) Sumário O Plano de Continuidade de Negócios (PCN) da Inva Capital é o desenvolvimento preventivo de um conjunto de estratégias e planos de ação de maneira a garantir

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Estudos de análise de risco em instalações com produtos perigosos José Carlos de Moura Xavier CETESB Análise

Leia mais

GESTÃO DA MANUTENÇÃO

GESTÃO DA MANUTENÇÃO Na manutenção moderna, é extremamente necessário pensar e agir estrategicamente, para que a atividade de manutenção se integre de maneira eficaz ao processo produtivo contribuindo, efetivamente, para que

Leia mais

Qual a visão geral em relação segurança das informações as empresas da região metropolitana de Porto Alegre/RS estão inseridas?

Qual a visão geral em relação segurança das informações as empresas da região metropolitana de Porto Alegre/RS estão inseridas? Qual a visão geral em relação segurança das informações as empresas da região metropolitana de Porto Alegre/RS estão inseridas? UM BEM CHAMADO INFORMAÇÃO Arlei Vladmir de Souza Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

A Gerência de Riscos. Atividades da Gerência de Riscos

A Gerência de Riscos. Atividades da Gerência de Riscos Universidade Estadual da Paraíba Centro de Ciências Exatas e Sociais Aplicadas Gerenciamento dos Riscos do Projeto A Gerência de Riscos Gerenciar riscos é uma abordagem explícita e sistemática usada para

Leia mais

Planejamento dos Riscos

Planejamento dos Riscos UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Planejamento dos Riscos Régis Kovacs Scalice DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Limites do Projeto

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIA, PROGRAMA DE ALERTA E PREPARAÇÃO DE COMUNIDADES PARA EMERGÊNCIAS LOCAIS

PLANOS DE CONTINGÊNCIA, PROGRAMA DE ALERTA E PREPARAÇÃO DE COMUNIDADES PARA EMERGÊNCIAS LOCAIS PLANOS DE CONTINGÊNCIA, PROGRAMA DE ALERTA E PREPARAÇÃO DE COMUNIDADES PARA EMERGÊNCIAS LOCAIS Eduardo Lucena C. de Amorim 1 - INTRODUÇÃO IMPACTOS AMBIENTAIS O impacto ambiental é um desequilíbrio provocado

Leia mais

OBJETIVO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DOS RISCOS

OBJETIVO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DOS RISCOS Controle de Versões Versão Data Autor 1.0 22/10/15 AVC Sumário: OBJETIVO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DOS RISCOS --------------------------------------------------- 2 GERENCIAMENTO DOS RISCOS ------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Modelo de Gestão, Política Ambiental, Missão, Visão e Valores

Modelo de Gestão, Política Ambiental, Missão, Visão e Valores Escola Politécnica da USP Curso de Engenharia Ambiental Modelo de Gestão, Política Ambiental, Missão, Visão e Valores Princípios da Gestão Ambiental 1 Prioridade corporativa 9 - Pesquisa 2 Gestão Integrada

Leia mais

Organização e Políticas de Segurança da Informação

Organização e Políticas de Segurança da Informação Organização e Políticas de Segurança da Informação Prof. Mauricio Pitangueira INF 025 AUDITORIA E SEGURANÇA DE SISTEMAS antoniomauricio@ifba.edu.br A Organização da Segurança Modelo de Gestão Coporativa

Leia mais

Portaria da Presidência

Portaria da Presidência 01 RESOLVE: O Presidente da Fundação Oswaldo Cruz, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo creto de 29 de dezembro de 2008 1.0 PROPÓSITO Instituir a Política de Segurança da Informação e Comunicações

Leia mais

Engenharia de Software I. Curso de Desenvolvimento de Software Prof. Alessandro J de Souza

Engenharia de Software I. Curso de Desenvolvimento de Software Prof. Alessandro J de Souza 1 Engenharia de Software I Curso de Desenvolvimento de Software Prof. Alessandro J de Souza ajdsouza@cefetrn.br 2 Rational Unified Process RUP Fase Inicição VISÃO GERAL 3 Visão Geral FASES do RUP 4 A partir

Leia mais

Gestão de Segurança da Informação. Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006. Curso e Learning Sistema de

Gestão de Segurança da Informação. Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006. Curso e Learning Sistema de Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

Análise de Acidentes no Trabalho. A experiência do MTE

Análise de Acidentes no Trabalho. A experiência do MTE Análise de Acidentes no Trabalho. A experiência do MTE Ministério do Trabalho e Emprego Viviane J. Forte Auditora Fiscal do Trabalho Contexto Registro de 3 milhões de acidentes no Brasil em cinco anos

Leia mais

Controle e monitoramento automático e em tempo real de refinarias, oleodutos e gasodutos.

Controle e monitoramento automático e em tempo real de refinarias, oleodutos e gasodutos. Controle e monitoramento automático e em tempo real de refinarias, oleodutos e gasodutos. Um vazamento não detectado em uma tubulação de petróleo de vinte polegadas, de apenas 1% de seu valor nominal de

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação. Aula 5- Desafios Gerenciais da Tecnologia da Informação.

Administração de Sistemas de Informação. Aula 5- Desafios Gerenciais da Tecnologia da Informação. Aula 5- Desafios Gerenciais da Tecnologia da Informação. Conteúdo Programático desta aula Perceber o ambiente em transformação contínua e a necessidade de que a TI seja encarada na organização como um

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Técnico em Segurança do Trabalho Gerenciamento de Riscos Professor: Maia AULA 04 3.5) Tratamento de Riscos 3.6) Teoria Geral do Seguro 3.7) Mercado de Seguros 3.8) Seguros x Gerência de Riscos 3.9) Resumindo:

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 01 - Conceitos Iniciais Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda História. Definindo a qualidade, Qualidade Total. Os pilares da qualidade de software. Custos da

Leia mais

Corrente Crítica em Grandes Obras.

Corrente Crítica em Grandes Obras. Special Day 2010 Projetos de Infraestrutura e Construção Corrente Crítica em Grandes Obras. Por Richard Massari Valor do TEMPO em grandes projetos / projetos de capital» Qual o impacto de 1 semana de atraso?»

Leia mais

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia 1 PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06 Prof.: Franklin M. Correia NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Atividades de Gerenciamento Planejamento de Projetos Programação de Projeto O QUE TEMOS PARA HOJE!!

Leia mais

Introdução a Segurança da Informação

Introdução a Segurança da Informação FUNDAÇÃO CENTRO DE ANÁLISE, PESQUISA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ENCOSIS 2015 MINICURSO Introdução a Segurança da Informação ALEX FELEOL, Esp. Information Security Specialist MCT MCITP MCSA MCTS MCP CLA FCP

Leia mais

ANEXO ÚNICO ROTEIRO BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTINGÊNCIA E EM ERGÊNCIA.

ANEXO ÚNICO ROTEIRO BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTINGÊNCIA E EM ERGÊNCIA. ANEXO ÚNICO ROTEIRO BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTINGÊNCIA E EM ERGÊNCIA. 1. ASPECTOS GERAIS 1.1. Considerações iniciais Este Roteiro Básico tem por finalidade estabelecer as condições gerais

Leia mais

Gerenciamento de Riscos no Setor Eólico

Gerenciamento de Riscos no Setor Eólico Gerenciamento de Riscos no Setor Eólico V German-Brazilian Renewable Energy Business Conference Tiago Moraes Power & Utilities Leader Marsh Corretora de Seguros Local: Rio de Janeiro 29 AGOSTO 2016 Agenda

Leia mais

Manutenção e Segurança. Conceitos básicos e tipologia

Manutenção e Segurança. Conceitos básicos e tipologia Manutenção e Segurança Conceitos básicos e tipologia Não existem equipamentos, máquinas, instalações prediais e obras civis que sejam eternas e não necessitem de cuidados Riscos e ameaças são inerentes

Leia mais

Ética e Conduta Empresarial no âmbito da saúde 26º Congresso Nacional das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos

Ética e Conduta Empresarial no âmbito da saúde 26º Congresso Nacional das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos Ética e Conduta Empresarial no âmbito da saúde 26º Congresso Nacional das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos Anahp O tema da ética Anahp Representatividade Ética Organizações de saúde e ética Ao trabalhar

Leia mais

JOGOS MASSIVOS PELA INTERNET

JOGOS MASSIVOS PELA INTERNET Jogos Massivos pela Internet Aula 5 Segurança Ao conectar um computador a uma rede, é necessário que tome as providencias para se certificar que esta nova máquina conectada possa não vir a ser um portão

Leia mais

METODOLOGIAS DE ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL

METODOLOGIAS DE ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL METODOLOGIAS DE ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL Eduardo Lucena C. de Amorim 1 - INTRODUÇÃO IMPACTOS AMBIENTAIS O impacto ambiental é um desequilíbrio provocado pelo choque da relação do homem com o meio ambiente.

Leia mais

LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A GESTÃO DO RISCO

LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A GESTÃO DO RISCO LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A GESTÃO DO RISCO 2014 FICHA TÉCNICA Título: Linhas de Orientação para a Gestão do Edição: Gabinete de Avaliação e Auditoria Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, I.P.

Leia mais

Gerenciamento de Crises e Continuidade do Negócio

Gerenciamento de Crises e Continuidade do Negócio Gerenciamento de Crises e Continuidade do Negócio Palestrante Washington Grimas Arquiteto de Soluções de TI ITIL COBIT PMI TOGAF DOCENTE Objetivos Conceitos e Definições Fatores Críticos de Sucesso Normatizações

Leia mais

HACCP UM EXEMPLO PRÁTICO

HACCP UM EXEMPLO PRÁTICO O HACCP Hazard Analysis and Critical Control Points Análise dos Perigos e Pontos Críticos de Controle - é um sistema de segurança alimentar concebido para prevenir a ocorrência de potenciais problemas

Leia mais

Racionalizando Investimentos com Melhoria dos Índices de Confiabilidade da Rede

Racionalizando Investimentos com Melhoria dos Índices de Confiabilidade da Rede Racionalizando Investimentos com Melhoria dos Índices de Confiabilidade da Rede Um enfoque estatístico através de uma metodologia inovadora e da alocação ótima de investimentos Eng. Alexandre Vasconcellos

Leia mais

Aspectos importantes como a autenticação e autorização. Tipos de ameaças: Atividade não autorizada; Downloads não autorizados; Redes: local de transmi

Aspectos importantes como a autenticação e autorização. Tipos de ameaças: Atividade não autorizada; Downloads não autorizados; Redes: local de transmi MODELO DE REFERÊNCIA DE SEGURANÇA Criado para definir uma arquitetura de rede confiável e que implemente uma política de segurança, que consiste em uma série de regras, procedimentos, autorizações e negações

Leia mais

Quando a organização é percebida positivamente. por esses públicos, estes, naturalmente, tendem a. ter uma atitude favorável à empresa.

Quando a organização é percebida positivamente. por esses públicos, estes, naturalmente, tendem a. ter uma atitude favorável à empresa. 16 Dario Menezes Gestão de Riscos Reputacionais: práticas e desafios Se você perder o dinheiro da empresa, eu irei compreender. Se você prejudicar a nossa reputação, eu serei impiedoso. Warren Buffet ano

Leia mais

10/08/2010. As Mudanças... As Mudanças...

10/08/2010. As Mudanças... As Mudanças... Dn. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Doutorando em Engenharia Mecânica As Mudanças... E nós, estamos exatamente aqui Há um mundo que está acabando...... e um mundo que está começando Evolução

Leia mais

Ameaça de inundação: as medidas a serem tomadas horas antes de uma inundação

Ameaça de inundação: as medidas a serem tomadas horas antes de uma inundação Ameaça de inundação: as medidas a serem tomadas horas antes de uma inundação Ameaça de inundação: as medidas a serem tomadas horas antes de uma inundação INTRODUÇÃO Com a inundação iminente, quais são

Leia mais

Gerenciamento do Tempo. Igor Muzetti Pereira

Gerenciamento do Tempo. Igor Muzetti Pereira Gerenciamento do Tempo Igor Muzetti Pereira igormuzetti@decsi.ufop.br Introdução Inclui os processos necessários para gerenciar o término pontual do projeto. O modelo do cronograma é uma representação

Leia mais

Gerenciamento de crises

Gerenciamento de crises Gerenciamento de crises www.kpmg.com.br 2 Gerenciamento de crises Sua empresa foi alvo de vazamento de dados confidenciais? Você está enfrentando uma greve não prevista e precisa tomar ações para reduzir

Leia mais

4º Seminário FEBRABAN sobre CONTROLES INTERNOS. Paulo Sérgio Neves de Souza Banco Central do Brasil Departamento de Supervisão Bancária

4º Seminário FEBRABAN sobre CONTROLES INTERNOS. Paulo Sérgio Neves de Souza Banco Central do Brasil Departamento de Supervisão Bancária 4º Seminário FEBRABAN sobre CONTROLES INTERNOS Paulo Sérgio Neves de Souza Banco Central do Brasil Departamento de Supervisão Bancária Novos Desafios para Controles Internos Modelo de Supervisão do BCB

Leia mais

Sistemas de Informação (SI) Segurança em sistemas de informação (II)

Sistemas de Informação (SI) Segurança em sistemas de informação (II) Sistemas de Informação (SI) Segurança em sistemas de informação (II) Prof.ª Dr.ª Symone Gomes Soares Alcalá Universidade Federal de Goiás (UFG) Regional Goiânia (RG) Faculdade de Ciências e Tecnologia

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação Claudio Dodt, ISMAS, CISA, CRISC, CISSP Business Continuity & Security Senior Consultant claudio.dodt@daryus.com.br www.daryus.com.br claudiododt.com www.twitter.com/daryusbr www.facebook.com/daryusbr

Leia mais

AÇÃO PREVENTIVA Secretaria de Educação

AÇÃO PREVENTIVA Secretaria de Educação 1. Objetivo Esta norma estabelece o procedimento para elaboração e implementação de ações preventivas no Sistema de Gestão da Qualidade da (Seduc). 2. Documentos complementares 2.1 Norma EDSGQN003 Registros

Leia mais

SILVICULTURA PREVENTIVA Uma alternativa para o controle de incêndios florestais em reflorestamentos

SILVICULTURA PREVENTIVA Uma alternativa para o controle de incêndios florestais em reflorestamentos SILVICULTURA PREVENTIVA Uma alternativa para o controle de incêndios florestais em reflorestamentos Antonio Carlos Batista e Ronaldo Viana Soares Curso de Engenharia Florestal UFPR INTRODUÇÃO As plantações

Leia mais

A IMPORTANCIA DA PRÊVENÇÃO NA GESTÃO DE RISCOS E DESASTRES

A IMPORTANCIA DA PRÊVENÇÃO NA GESTÃO DE RISCOS E DESASTRES A IMPORTANCIA DA PRÊVENÇÃO NA GESTÃO DE RISCOS E DESASTRES A IMPORTANCIA DA PRÊVENÇÃO NA GESTÃO DE RISCOS E DESASTRES Os estudos sobre percepção de risco têm crescido para apoiar várias análises elaboradas

Leia mais

Bruno R. N. Matheus. Engenharia de Software Prof. Paulo Masiero

Bruno R. N. Matheus. Engenharia de Software Prof. Paulo Masiero Bruno R. N. Matheus Engenharia de Software Prof. Paulo Masiero Objetivos Entender porque C&P podem ser mais importantes do que características funcionais. Entender as 4 principais dimensões da Confiança:

Leia mais

Você está protegido? Fique à frente de seu tempo

Você está protegido? Fique à frente de seu tempo Você está protegido? Fique à frente de seu tempo DADOS DEMOGRÁFICOS ENTREVISTADOS 2.200 TOMADORES DE DECISÕES DE TI EM TRÊS REGIÕES: 500 Américas 1.100 Europa, Oriente Médio e África 600 Ásia-Pacífico

Leia mais

ESTRATÉGIAS VENCEDORAS PARA O CICLO DE NEGÓCIO. Laércio de Oliveira Pinto Diretor de Produtos Pessoa Jurídica Serasa

ESTRATÉGIAS VENCEDORAS PARA O CICLO DE NEGÓCIO. Laércio de Oliveira Pinto Diretor de Produtos Pessoa Jurídica Serasa ESTRATÉGIAS VENCEDORAS PARA O CICLO DE NEGÓCIO Laércio de Oliveira Pinto Diretor de Produtos Pessoa Jurídica Serasa AGENDA Introdução Desafios do Ciclo de Crédito Soluções Serasa Para Apoiar a Expansão

Leia mais

Plano de Continuidade. Plano de Continuidade. Plano de Contingência. Prof. Luiz A. Nascimento Auditoria e Segurança de Sistemas.

Plano de Continuidade. Plano de Continuidade. Plano de Contingência. Prof. Luiz A. Nascimento Auditoria e Segurança de Sistemas. Plano de Contingência Prof. Luiz A. Nascimento Auditoria e Segurança de Sistemas Faculdade Taboão da Serra 2 Procedimentos definidos formalmente para permitir que os serviços de processamento de dados

Leia mais

CARBOCLORO AMPLIA CONTINGÊNCIA E INCLUI NOVOS SISTEMAS CRÍTICOS COM ATUALIZAÇÃO DOS PCNS

CARBOCLORO AMPLIA CONTINGÊNCIA E INCLUI NOVOS SISTEMAS CRÍTICOS COM ATUALIZAÇÃO DOS PCNS CARBOCLORO AMPLIA CONTINGÊNCIA E INCLUI NOVOS SISTEMAS CRÍTICOS COM ATUALIZAÇÃO DOS PCNS Perfil Instalada no Brasil em 1964, a Carbocloro é uma joint-venture da Unipar União de Indústrias Petroquímicas

Leia mais

UNITY CAPITAL GESTORA DE INVESTIMENTOS LTDA. PLANO DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS

UNITY CAPITAL GESTORA DE INVESTIMENTOS LTDA. PLANO DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS UNITY CAPITAL GESTORA DE INVESTIMENTOS LTDA. PLANO DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS JUNHO / 2016 SUMÁRIO 1 Objetivo... 3 2 Princípios Norteadores... 3 3 Diretrizes na Prevenção e Tratamento das Contingências...

Leia mais

Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues Doutorando em Engenharia Mecânica

Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues Doutorando em Engenharia Mecânica Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Doutorando em Engenharia Mecânica A Administração da Produção trata da maneira pela qual as organizações produzem bens e serviços. Verificar as tarefas,

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 001308 - TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior Area Profissional: GESTAO DA ADMINISTRACAO Area de Atuacao: LOGISTICA/GESTAO Planejar,

Leia mais

A importância da Gestão de Riscos. Marcelo de Sousa Monteiro

A importância da Gestão de Riscos. Marcelo de Sousa Monteiro A importância da Gestão de Riscos Marcelo de Sousa Monteiro Agenda Alguns comentários sobre Administração O que é risco? A importância da Gestão de Riscos Alguns comentários sobre Administração Administração

Leia mais

GUIA PARA O PLANO DE EMERGÊNCIA DA ESTACA E DA ALA

GUIA PARA O PLANO DE EMERGÊNCIA DA ESTACA E DA ALA GUIA PARA O PLANO DE EMERGÊNCIA DA ESTACA E DA ALA Ala: Estaca: Local do Encontro: Local Alternativo: Data da Última Atualização: Contato Principal: Prepara-te, e dispõe-te, tu e todas as multidões que

Leia mais

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL 1 MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL A manutenção produtiva total, conhecida pela sigla TPM, que tem origem nas palavras em inglês total productive maintenance. 5 1 MANUTENÇÃO PRODUTIVA

Leia mais

Definição. Sistema de Gestão Ambiental (SGA):

Definição. Sistema de Gestão Ambiental (SGA): Definição Sistema de Gestão Ambiental (SGA): A parte de um sistema da gestão de uma organização utilizada para desenvolver e implementar sua política ambiental e gerenciar seus aspectos ambientais. Item

Leia mais

IBEN ENGENHARIA LTDA. GERENCIAMENTO DE RISCOS PASSO A PASSO EM PROJETOS NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO.

IBEN ENGENHARIA LTDA. GERENCIAMENTO DE RISCOS PASSO A PASSO EM PROJETOS NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. GERENCIAMENTO DE RISCOS PASSO A PASSO EM PROJETOS NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. O GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS ATUA SOBRE AS INCERTEZAS COM OBJETIVO DE AUMENTAR A PROVABILIDADE E O IMPACTO DE EVENTOS

Leia mais

Gerência de Projetos e Qualidade de Software. Prof. Walter Gima

Gerência de Projetos e Qualidade de Software. Prof. Walter Gima Gerência de Projetos e Qualidade de Software Prof. Walter Gima 1 OBJETIVOS O que é Qualidade Entender o ciclo PDCA Apresentar técnicas para garantir a qualidade de software Apresentar ferramentas para

Leia mais

Análise de falhas Subestação de Tração Metroferroviário

Análise de falhas Subestação de Tração Metroferroviário Análise de falhas Subestação de Tração Metroferroviário VII Prêmio Alstom de Tecnologia Metroferroviária Análise de falhas subestação de tração metroferroviário Página 2 Resumo Este trabalho tem como objetivo

Leia mais

Segurança da informação

Segurança da informação Segurança da informação FATEC Americana Tecnologia em Análise de Sistemas e Tecnologias da Informação Diagnóstico e solução de problemas de TI Prof. Humberto Celeste Innarelli Conteúdo Introdução Segurança

Leia mais