Variedades de Capitalismo. Aula 12 Variedade de Capitalismo no Brasil. Prof.: Rodrigo Cantu

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Variedades de Capitalismo. Aula 12 Variedade de Capitalismo no Brasil. Prof.: Rodrigo Cantu"

Transcrição

1 Variedades de Capitalismo Aula 12 Variedade de Capitalismo no Brasil Prof.: Rodrigo Cantu

2 Brasil

3 PIB per capita PIB per capita (PPP)

4

5

6

7 Conflitos com e no Brasil

8 Marcos históricos 1822 Independência 1889 Proclamação da República 1930 Revolução Getúlio Vargas no Poder Líder revolucionário Presidente constitucional Ditador Democracia + desenvolvimentismo Golpe e governo autoritário 1985 Nova República

9 Governança corporativa, Financiamento & relações entre empresas

10 Financiamento no Brasil Fonte: Valor, 29/10/2010

11 Crédito bancário de longo prazo (2009, + de 5 anos) Torres Filho; Costa Financiamento de Longo Prazo no Brasil: Um Mercado em Transformação.

12 Fonte: BRUNO et al. Finance-Led Growth Regime no Brasil: estatuto teórico, evidências empíricas e consequências macroeconômicas. Revista de Economia Política, v.31, n.5, pp , 2011.

13 Fonte: BRUNO et al. Finance-Led Growth Regime no Brasil: estatuto teórico, evidências empíricas e consequências macroeconômicas. Revista de Economia Política, v.31, n.5, pp , 2011.

14 Fonte: BRUNO et al. Finance-Led Growth Regime no Brasil: estatuto teórico, evidências empíricas e consequências macroeconômicas. Revista de Economia Política, v.31, n.5, pp , 2011.

15 Empresa País de origem Propriedade Setor Receita (US$ mi) 1 Petrobras Brasil Pública Energia 137, Pemex Mexico Pública Energia 127, PDVSA Venezuela Pública Energia 124, America Movil Mexico Privada Comunicação 59, Vale Brasil Privada Mineração 45, Telefonica Espanha Privada Comunicação 40, BR Distribuidora Brasil Pública Energia 39, Ecopetrol Colombia Pública Energia 37, Odebrecht Brasil Privada Holding 37, JBS Brasil Privada Alimentos 37, Walmart de Mexico EUA Privada Varejo 32, Grupo Ultra Brasil Privada Energia 26, Techint Argentina Privada Holding 25, Casino França Privada Varejo 25, CBD (G. P. de Açucar) Brasil Privada Varejo 24, Volkswagen Alemanha Privada Automobilístico 24, CFE Mexico Pública Energia 23, Pet. Ipiranga Brasil Privada Energia 22, Copec Chile Privada Energia 22, Eletrobras Brasil Pública Energia 19, Cencosud Chile Privada Varejo 19, Carrefour França Privada Varejo 18, Gerdau Brasil Privada Aço 18, Femsa Mexico Privada Bebidas 18, Braskem Brasil Privada Químicos 17,378.70

16 Estrutura de propriedade corporativa no Brasil

17

18

19 Estrutura de propriedade corporativa no Brasil

20 Estrutura de propriedade corporativa no Brasil

21

22 Centralidade nas redes acionárias

23 Relações trabalhistas

24 Regulação trabalhista - demissões Aviso prévio EUA Suécia Brasil Nenhum 1m<2a; 2m<4a; 3m<6a; 4m<8a; 5m<10a; 6m>10a. 30 dias Condições Nenhuma (60 dias de aviso prévio em caso de demissão de mais de 50 empregados) Aviso por escrito Notificação do sindicato Consulta da razão pelo empr. e sind. Causa da demissão reconhecida na jurisprudência trabalhista Rescisão Nenhuma Estabelecida no acordo coletivo US$ % do FGTS Férias Duração e remuneração negociadas com empresa (norm dias) 25 dias úteis 30 dias corridos Adicional de 1/3

25 Índice de regulação do mercado de trabalho ( ) 2,5 2 1,5 1 0,5 0 Fonte: Nauro Campos, Índice LAMRIG

26 Densidade sindical (último dado disponível na OIT) Fonte: OIT

27 População empregada com carteira assinada % população empregada total 63% 62% 1992; 62% 61% 60% 2007; 60% 59% 58% 57% 1999; 57% 56% 55% Fonte: Ministério do Trabalho

28 Legislação trabalhista e previdência social 1907 Descriminalização dos sindicatos 1923 Criação das primeiras caixas de aposentadorias por empresa (CAPs) 1926 Congresso passa a legislar sobre matéria trabalhista 1930 Início da transformação dos CAPS em de uma série de Institutos e Aposentadoria setoriais (IAPs) 1943 Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) IAPs são fundidos no INPS. INAMPS para a saúde 1971 Criação da aposentadoria rural (não contributiva) 1988 INPS INSS. INAMPS SUS Criação de expansão de programas focalizados (Bolsa família)

29 Habilidades e setor educacional

30 Brasil Alemanha EUA

31 Proporção de matrículas no ensino secundário no ramo vocacional e técnico (2012) 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Fonte: Unesco

32 Sistema político

33

34 Multipartidarismo extremo Senado 18 partidos Câmara dos deputados 27 partidos

35

36

37

38

39 Política social

40 Gasto social - % do PIB (2012) Chile Alemanha Itália Japão Suécia EUA

41 % do gasto público em saúde Brasil Média Autrália Canadá França Alemanha Itália Espanha Suécia Reuno Unido Fonte: OMS

42 Desempenho do modelo econômico

43 Crescimento econômico 12% 10% 8% 6% 4% 2% 0% -2% -4% Brazil Uruguay Argentina

44 Desigualdade Índice de Gini

Variedades de Capitalismo. Aula 7 Itália. Prof.: Rodrigo Cantu

Variedades de Capitalismo. Aula 7 Itália. Prof.: Rodrigo Cantu Variedades de Capitalismo Aula 7 Itália Prof.: Rodrigo Cantu Características principais Economia de mercado mediterrânea (EMM) Relações conflituosas - fragmentação Coordenação estatal Política social limitada

Leia mais

Variedades de Capitalismo. Aula 6 Alemanha. Prof.: Rodrigo Cantu

Variedades de Capitalismo. Aula 6 Alemanha. Prof.: Rodrigo Cantu Variedades de Capitalismo Aula 6 Alemanha Prof.: Rodrigo Cantu Características principais Economia de mercado coordenada (EMC) Interações estratégicas Consenso Horizonte longo Exemplo: Alemanha PIB per

Leia mais

Estado e políticas sociais na América Latina. Aula 6 O caso escandinavo. Prof.: Rodrigo Cantu

Estado e políticas sociais na América Latina. Aula 6 O caso escandinavo. Prof.: Rodrigo Cantu Estado e políticas sociais na América Latina Aula 6 O caso escandinavo Prof.: Rodrigo Cantu Características do sistema de proteção social da Suécia Universal Caro Financiado com impostos Serviços sociais

Leia mais

SUMÁRIO. Sistema Tributário Nacional como Instrumento de Desenvolvimento. SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL: PRINCÍPIOS e ESTRUTURA.

SUMÁRIO. Sistema Tributário Nacional como Instrumento de Desenvolvimento. SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL: PRINCÍPIOS e ESTRUTURA. Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Ceará (CRC-CE) SUMÁRIO Introdução Sistema Tributário Nacional como Instrumento de Desenvolvimento Marcelo Lettieri e-mail: marlettieri@gmail.com STN: princípios

Leia mais

Produtividade e Eficiência. Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas

Produtividade e Eficiência. Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas Produtividade e Eficiência Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas Introdução Países são pobres não só porque possuem relativamente menos (e piores) fatores de produção, mas porque organizam

Leia mais

Estado e políticas sociais na América Latina. Aula 10 Regimes de Bem-Estar na América Latina. Prof.: Rodrigo Cantu

Estado e políticas sociais na América Latina. Aula 10 Regimes de Bem-Estar na América Latina. Prof.: Rodrigo Cantu Estado e políticas sociais na América Latina Aula 10 Regimes de Bem-Estar na América Latina Prof.: Rodrigo Cantu Europa e Países Anglo-Saxões: Maior parte da política social iniciada entre 1890 e o fim

Leia mais

Previdência Social no Brasil. Fundação Getulio Vargas

Previdência Social no Brasil. Fundação Getulio Vargas Previdência Social no Brasil Fundação Getulio Vargas Novembro 2013 1 1. Fatos estilizados 2. Um breve histórico 3. As recentes reformas da Previdência Social 4. Comparações Internacionais 5. Por que a

Leia mais

I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil:

I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil: I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil: Projeções e Reflexões Fonte: FMI G7: EUA. Alemanha, Japão,

Leia mais

GEOGRAFIA SÉRIE: 2º ano Previdência Social Profº Luiz Gustavo Silveira

GEOGRAFIA SÉRIE: 2º ano Previdência Social Profº Luiz Gustavo Silveira GEOGRAFIA SÉRIE: 2º ano Previdência Social Profº Luiz Gustavo Silveira Prof. Luiz Gustavo - Profão RELAÇÃO PEA POPULAÇAO ECONOMICAMENTE ATIVA X PEI POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE INATIVA BÔNUS DEMOGRÁFICO IDEAL:

Leia mais

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF Uma visão geral do processo de reforma da previdência Manoel Pires SPE/MF 1 Estrutura Temas em debate no Fórum da Previdência Impactos Econômicos do realinhamento da política previdenciária 2 Temas do

Leia mais

70 anos da CLT: Uma história de lutas e conquistas

70 anos da CLT: Uma história de lutas e conquistas Boletim Econômico Edição nº 03 Setembro de 2013 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico 70 anos da CLT: Uma história de lutas e conquistas 1 A Carteira de Trabalho Em 21 de março de

Leia mais

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF Uma visão geral do processo de reforma da previdência Manoel Pires SPE/MF 1 Estrutura Temas em debate no Fórum da Previdência Impactos Econômicos do realinhamento da política previdenciária 2 Temas do

Leia mais

Perspectivas para 2012

Perspectivas para 2012 Abiplast Perspectivas para 2012 Antonio Delfim Netto 2 de Dezembro de 2011 São Paulo, SP 1 I.Mundo: Década de 80 e 2010 (% do PIB) 30% 23% 31% 24% 37% 22% 3,7% 3,3% 8% 7% 4,2% 4,0% 1,5% 1,2% Fonte: FMI,

Leia mais

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS 29 de março 217 198 9+ 8 8 7 7 6 6 4 4 3 3 2 2 2.. 1.. 1.... 1.. 1.. 2.. + 6 anos Fonte: IBGE (Projeção da População,

Leia mais

Santander Asset Management

Santander Asset Management Santander Asset Management Fundos São Paulo, 08 de novembro de 2006 2 1 2 3 A internacionalização das empresas brasileiras Fundos de Investimento Fundos Multimercados 3 1 2 3 A internacionalização das

Leia mais

Envelhecimento Populacional e seus impactos sobre Previdência: A necessidade de reforma

Envelhecimento Populacional e seus impactos sobre Previdência: A necessidade de reforma Envelhecimento Populacional e seus impactos sobre Previdência: A necessidade de reforma Paulo Tafner CÂMARA FEDERAL Brasília Novembro de 2016. Previdência Social Os fatos COMECEMOS POR UMA EXCELENTE NOTÍCIA

Leia mais

Perspectivas econômicas: o Brasil e o mundo

Perspectivas econômicas: o Brasil e o mundo Perspectivas econômicas: o Brasil e o mundo ABDE Fabio Giambiagi Dezembro 2016 1 SUMÁRIO 1. Um mundo comme ci, comme ça 2. A economia em 2013 3. A economia em 2016 4. Reformas: por que? 2 1 - Um mundo

Leia mais

Variedades de Capitalismo. Aula 8 Suécia. Prof.: Rodrigo Cantu

Variedades de Capitalismo. Aula 8 Suécia. Prof.: Rodrigo Cantu Variedades de Capitalismo Aula 8 Suécia Prof.: Rodrigo Cantu Características principais Economia de mercado social-democrata (EMSD) Negociação salarial centralizada Coordenação neo-corporativa Política

Leia mais

CAPACITAÇÃO DA INDÚSTRIA DA SAÚDE NO BRASIL

CAPACITAÇÃO DA INDÚSTRIA DA SAÚDE NO BRASIL AVALIAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA DO SUS E DO FINANCIAMENTO PÚBLICO DA SAÚDE CAPACITAÇÃO DA INDÚSTRIA DA SAÚDE NO BRASIL 1º março de 2010. A EDUCAÇÃO NO BRASIL Pequena análise da situação da escolaridade do

Leia mais

LAYOUT DO TÍTULO SUBTÍTULO

LAYOUT DO TÍTULO SUBTÍTULO LAYOUT DO TÍTULO SUBTÍTULO FORÇAS DO TURISMO BRASILEIRO 1 colocado na classificação de Recursos Naturais (Relatório de Competitividade em Viagem e Turismo 2017 Fórum Econômico Mundial) 8 colocado na classificação

Leia mais

Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais -

Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais - Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais - Apresentação Histórico Desafios Dados Distribuição renda Exemplo mundo Situação Brasil Histórico Declaração americana (1776): Declaração dos Direitos,

Leia mais

Previdência Brasileira, sua. perspectiva internacional

Previdência Brasileira, sua. perspectiva internacional Previdência Brasileira, sua evolução em anos recentes e a perspectiva internacional Milko Matijascic milko@ipea.gov.br Seminário: A Reforma da Previdência Social 8 de julho de 2016 (COFECON, CORECON-DF

Leia mais

Relatório Comparações internacionais. Julho 2014

Relatório Comparações internacionais. Julho 2014 Relatório Comparações internacionais Julho 2014 COMPARAÇÕES INTERNACIONAIS O objetivo deste relatório é apresentar alguns indicadores que permitam a comparação do desempenho econômico-financeiro do mercado

Leia mais

ECO Economia Brasileira

ECO Economia Brasileira Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January, 2012 ECO 112 - Economia Brasileira Eloi Martins Senhoras Available at: http://works.bepress.com/eloi/124/

Leia mais

Presença da China na América do Sul

Presença da China na América do Sul Presença da China na América do Sul 1 1 Em 2008, 3% das exportações chinesas foram destinadas à América do Sul... Principais Destinos das Exportações Chinesas (2008) Estados Unidos 17,7% Japão 8,1% Coréia

Leia mais

Relatório Comparações. Fevereiro 2016

Relatório Comparações. Fevereiro 2016 Relatório Comparações internacionais Fevereiro 2016 COMPARAÇÕES INTERNACIONAIS O objetivo deste relatório é apresentar alguns indicadores que permitam a comparação do desempenho econômico-financeiro do

Leia mais

Relatório Comparações. Janeiro 2016

Relatório Comparações. Janeiro 2016 Relatório Comparações internacionais Janeiro 2016 COMPARAÇÕES INTERNACIONAIS O objetivo deste relatório é apresentar alguns indicadores que permitam a comparação do desempenho econômico-financeiro do mercado

Leia mais

Tendências Econômicas de Mercado & Consolidação no Mercado Varejista Brasileiro. Prof. Dr. Alberto Borges MaAas

Tendências Econômicas de Mercado & Consolidação no Mercado Varejista Brasileiro. Prof. Dr. Alberto Borges MaAas Tendências Econômicas de Mercado & Consolidação no Mercado Varejista Brasileiro Prof. Dr. Alberto Borges MaAas Alberto Borges Ma.as Professor Titular do Departamento de Administração da FEA- RP/USP Graduado,

Leia mais

Visão de Futuro para o Sistema Financeiro Nacional

Visão de Futuro para o Sistema Financeiro Nacional Visão de Futuro para o Sistema Financeiro Nacional Sumário Financeirização da Economia Financiamento de Longo Prazo Desafios e Reflexões USD Milhões Capitalização de Mercado 2005-2009 70000000 60000000

Leia mais

Estatística e Probabilidades

Estatística e Probabilidades Estatística e Probabilidades Nesse resumo vamos mostrar como a análise crítica de séries estatísticas podem contribuir para uma compreensão mais precisa da realidade. Todos os dias ouvimos falar sobre

Leia mais

A Política Fiscal Brasileira em Tempos de Crise

A Política Fiscal Brasileira em Tempos de Crise Ministério da A Política Fiscal Brasileira em Tempos de Crise Encontro de Política Fiscal - FGV Ministro Guido Mantega Brasília, 7 de novembro de 2014 Antes de 2008, Brasil tinha Situação Fiscal Confortável

Leia mais

12º Fórum de Economia

12º Fórum de Economia 12º Fórum de Economia da Fundação Getúlio Vargas 4º Painel Salários e Produtividade 15/09/2015 1 A produtividade assume um papel central* em função de sua importância no crescimento do PIB. Crescimento

Leia mais

Plano de ensino: CONTABILIDADE DE CUSTOS

Plano de ensino: CONTABILIDADE DE CUSTOS Plano de ensino: CONTABILIDADE DE CUSTOS Contextualização Um Operador de Recursos Humanos deve possuir conhecimentos da matéria, pois os Fatos Sociais e Econômicos são dinâmicos na sociedade moderna, e

Leia mais

Alguns Fatos Básicos sobre a Longevidade no Mundo

Alguns Fatos Básicos sobre a Longevidade no Mundo Alguns Fatos Básicos sobre a Longevidade no Mundo Níveis históricos de mortalidade Demógrafos: ganhos sucessivos na expectativa de vida seguem padrão praticamente linear. Podemos extrapolar pro futuro?

Leia mais

Desigualdade e a Armadilha da Renda Média. Fernando de Holanda Barbosa Filho IBRE FGV

Desigualdade e a Armadilha da Renda Média. Fernando de Holanda Barbosa Filho IBRE FGV Desigualdade e a Armadilha da Renda Média Fernando de Holanda Barbosa Filho IBRE FGV Introdução A desigualdade de renda sempre foi um problema no Brasil, sendo extremamente elevada. A partir de 1996, se

Leia mais

Reforma Tributária. Antoninho Marmo Trevisan. Gramado,26 de agosto de 2008

Reforma Tributária. Antoninho Marmo Trevisan. Gramado,26 de agosto de 2008 Reforma Tributária Antoninho Marmo Trevisan Gramado,26 de agosto de 2008 Sistema Tributário e Desenvolvimento Pressão Tributária A complexidade e a falta de neutralidade do sistema tributário brasileiro

Leia mais

Objetivo do estudo. Análise comparativa dos principais tributos e contribuições incidentes sobre as atividades das empresas de mineração no mundo:

Objetivo do estudo. Análise comparativa dos principais tributos e contribuições incidentes sobre as atividades das empresas de mineração no mundo: Agosto 2008 Objetivo do estudo Análise comparativa dos principais tributos e contribuições incidentes sobre as atividades das empresas de mineração no mundo: Riscos da indústria e o ambiente de negócios

Leia mais

AVANÇOS EM TECNOLOGIA: - Investimentos crescentes em P&D - Aumento da capacidade não-letal e maior precisão das armas - Custos crescentes dos equipamentos - Automação e robotização - Atuação em rede x

Leia mais

RESOLUÇÃO CA Nº 001/2014

RESOLUÇÃO CA Nº 001/2014 RESOLUÇÃO CA Nº 001/2014 Aprova a alteração na Organização Curricular do Curso Bacharelado em, da Faculdade Independente do Nordeste. O Conselho Acadêmico - CA da Faculdade Independente do Nordeste - FAINOR,

Leia mais

Desenvolvimento Econômico Brasileiro: Desafios da Transição para a Renda Alta

Desenvolvimento Econômico Brasileiro: Desafios da Transição para a Renda Alta Desenvolvimento Econômico Brasileiro: Desafios da Transição para a Renda Alta Fernando A. Veloso IBRE/FGV O Brasil de Amanhã: Uma Homenagem da FGV/EPGE ao Professor João Paulo dos Reis Velloso 10 de Abril

Leia mais

Estratégia nacional Inserção internacional Mudanças sócio-demográficas Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP

Estratégia nacional Inserção internacional Mudanças sócio-demográficas Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP Estratégia nacional Inserção internacional Mudanças sócio-demográficas Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP Inserção Internacional Islândia Inglaterra Oceano Atlântico França Espanha Itália

Leia mais

A sociedade e a história têm como base O TRABALHO HUMANO TRABALHO é o intercâmbio (relação) HOMEM E NATUREZA OBJETIVO: produzir e reproduzir as

A sociedade e a história têm como base O TRABALHO HUMANO TRABALHO é o intercâmbio (relação) HOMEM E NATUREZA OBJETIVO: produzir e reproduzir as A sociedade e a história têm como base O TRABALHO HUMANO TRABALHO é o intercâmbio (relação) HOMEM E NATUREZA OBJETIVO: produzir e reproduzir as condições materiais (econômicas) da vida social TODAS AS

Leia mais

Estado e políticas sociais na América Latina. Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal. Prof.

Estado e políticas sociais na América Latina. Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal. Prof. Estado e políticas sociais na América Latina Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal Prof.: Rodrigo Cantu Crise do Estado de Bem-Estar nos países ricos? Manutenção (ou aumento)

Leia mais

PEC 241 ou PEC 55 e o Gasto em Educação e Saúde

PEC 241 ou PEC 55 e o Gasto em Educação e Saúde PEC 241 ou PEC 55 e o Gasto em Educação e Saúde Carlos Frederico Rocha Professor da Instituto de Economia da UFRJ e Diretor da ADUFRJ (fred@ie.ufrj.br) Art. 6º da Constituição da República Federativa do

Leia mais

Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação em São Paulo

Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação em São Paulo Junho 211 Boletim nº 2 Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação em São Paulo Dispêndio em P&D no Estado de São Paulo atingiu, em 21, o maior valor real dos últimos anos O valor chegou a quase R$ 2

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Fevereiro/2013 Faturamento Bruto mensal R$ milhões constantes (defl. Col. 32/FGV) Média Jan-Fev 2008 6.188 2009 4.446 2010 5.178

Leia mais

Quanto custa financiar um PNE pra valer?

Quanto custa financiar um PNE pra valer? Quanto custa financiar um PNE pra valer? José Marcelino de Rezende Pinto USP ANPED Campanha Nacional pelo Direito à Educação CEDES Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação - Fineduca

Leia mais

A Importância do Mercado de Renda Variável

A Importância do Mercado de Renda Variável A Importância do Mercado de Renda Variável Junho - 2016 Conceito Renda Fixa => empréstimos Renda Variável => propriedade 2 A Bolsa hoje 355 empresas listadas Capitalização de mercado US$ 639 bilhões Capitalização

Leia mais

Banda Larga O que o Brasil precisa?

Banda Larga O que o Brasil precisa? Banda Larga O que o Brasil precisa? Audiência na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática CCTCI Eduardo Levy Brasília, 06 de dezembro de 2011 511 anos depois, ainda somos um Brasil de

Leia mais

Diminuição do financiamento das políticas públicas; Estado Mínimo; Congelamento, por 20 anos, do orçamento; Prejudica a sociedade, serviços públicos

Diminuição do financiamento das políticas públicas; Estado Mínimo; Congelamento, por 20 anos, do orçamento; Prejudica a sociedade, serviços públicos PEC 241/2016 Diminuição do financiamento das políticas públicas; Estado Mínimo; Congelamento, por 20 anos, do orçamento; Prejudica a sociedade, serviços públicos e os servidores; Modifica critérios para

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.200 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; Sede nacional

Leia mais

Cenário macroeconômico e a construção civil 29/5/2012

Cenário macroeconômico e a construção civil 29/5/2012 Cenário macroeconômico e a construção civil 29/5/2012 O papel da construção no desenvolvimento sustentado Há cinco anos, o setor da construção iniciou um ciclo virtuoso de crescimento: Esse ciclo foi pavimentado

Leia mais

TABELA DE FRETES MÉDIO PRATICADOS PARA ANGOLA REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO Moeda: USD

TABELA DE FRETES MÉDIO PRATICADOS PARA ANGOLA REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO Moeda: USD REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES BOLSA NACIONAL DE FRETE Sede: Palácio de Vidro, 5º andar; CX Postal 2223; Telefone +(244) 222-311339/40/41; Fax 222-310555- Luanda, Angola. TABELA DE FRETES

Leia mais

NOVO CENÁRIO NAS RELAÇÕES TRABALHISTAS

NOVO CENÁRIO NAS RELAÇÕES TRABALHISTAS Publicado por ADVOCACIA Rondineli Varela NOVO CENÁRIO NAS RELAÇÕES TRABALHISTAS Reforma trabalhista: entenda o que pode mudar na sua vida com as propostas apresentadas: Após passar pela comissão especial

Leia mais

O Imposto de Renda das Pessoas Físicas

O Imposto de Renda das Pessoas Físicas 2º Seminário de Política Tributária O Imposto de Renda das Pessoas Físicas Palestrante Jefferson José Rodrigues Secretaria da Brasília Junho 2005 Quem paga? Como paga? Progressividade Número de faixas

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com KLS DIFERENÇAS Existe diferença no ensino a distância realizado nas instituições de ensino para

Leia mais

Era Vargas. Do Governo Provisório ao Estado Novo

Era Vargas. Do Governo Provisório ao Estado Novo Era Vargas Do Governo Provisório ao Estado Novo Períodos Governo provisório (1930-1934) Tomada de poder contra as oligarquias tradicionais Governo Constitucional (1934-1937) Período legalista entre dois

Leia mais

Crise, Lucratividade e Distribuição:

Crise, Lucratividade e Distribuição: Crise, Lucratividade e Distribuição: Uma Análise da Economia Política Brasileira Adalmir Marquetti PUCRS Setembro, 2017 1. Introdução Maior crise política e econômica desde a redemocratização Divisão de

Leia mais

FINANCIAMENTO DO SISTEMA DE SAÚDE BRASILEIRO. IV Jornadas de Economia da Saúde Salvador, 2008 Maria Alicia D. Ugá

FINANCIAMENTO DO SISTEMA DE SAÚDE BRASILEIRO. IV Jornadas de Economia da Saúde Salvador, 2008 Maria Alicia D. Ugá FINANCIAMENTO DO SISTEMA DE SAÚDE BRASILEIRO IV Jornadas de Economia da Saúde Salvador, 2008 Maria Alicia D. Ugá É MUITO BAIXO O GASTO PÚBLICO EM SAÚDE! Nosso sistema de saúde, constitucionalmente definido

Leia mais

Saúde e Crescimento Econômico na América Latina

Saúde e Crescimento Econômico na América Latina Saúde e Crescimento Econômico na América Latina Associações com o Informe sobre Investimento em Saúde e Crescimento Econômico André Medici - LCSHH Banco Mundial 1 2 Sumário Saúde e crescimento da economia

Leia mais

Agenda. Mercado Têxtil Mundial (nos segmentos de cama e banho) Visão Geral da Empresa

Agenda. Mercado Têxtil Mundial (nos segmentos de cama e banho) Visão Geral da Empresa SPRINGS GLOBAL Agenda Mercado Têxtil Mundial (nos segmentos de cama e banho) Visão Geral da Empresa MERCADO TÊXTIL MUNDIAL (nos segmentos de cama e banho) A demanda de produtos de consumo é diretamente

Leia mais

44º Painel Telebrasil

44º Painel Telebrasil 44º Painel Telebrasil Natal, 31 de maio de 2002 Adriana Sanches Bolsa de Valores de São Paulo Novo Mercado Segmento especial de listagem da BOVESPA Requisitos mais rígidos que os do mercado tradicional,

Leia mais

BOLÍVIA. Comércio Exterior

BOLÍVIA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BOLÍVIA Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

O potencial da economia da saúde como ferramenta de apoio à tomada de decisão

O potencial da economia da saúde como ferramenta de apoio à tomada de decisão O potencial da economia da saúde como ferramenta de apoio à tomada de decisão Prof. Dr. Everton Nunes da Silva Universidade de Brasília Faculdade de Ceilândia Curso de Saúde Coletiva As crises do financiamento

Leia mais

Golpe, Projeto Liberal e Reforma da Previdência

Golpe, Projeto Liberal e Reforma da Previdência Eduardo Fagnani 15/07/2016 Golpe, Projeto Liberal e Reforma da Previdência Eduardo Fagnani Instituto de Economia da UNICAMP 1 O GOLPE CONTRA A DEMOCRACIA: Oportunidade para radicalizar o projeto liberal

Leia mais

,UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO P L A N O D E E N S I N O

,UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO P L A N O D E E N S I N O ,UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO P L A N O D E E N S I N O I IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Administração Disciplina: Legislação Social e Trabalhista Ano Letivo:

Leia mais

Cinema, Soft Power e os BRICS

Cinema, Soft Power e os BRICS Seminário Cinema, Soft Power e os BRICS Mostra Internacional de Cinema de São Paulo Debora Ivanov 27/10/2016 Diretrizes Diretrizes das ações internacionais realizadas pela ANCINE 1. Estímulo à realização

Leia mais

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional 1 Um diagnóstico da educação pública no Brasil 2 Um diagnóstico da educação pública no Brasil Avanços inquestionáveis: 1. Ampliação da oferta de

Leia mais

ARGENTINA. Comércio Exterior

ARGENTINA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

Paulo Rabello de Castro. Setembro 2014

Paulo Rabello de Castro. Setembro 2014 Tributos e Gastos Públicos: Proposta para Simplificar o País Paulo Rabello de Castro Setembro 2014 Produção Industrial Estagnou stagnou... 106 103 100 Índice Índice Geral - Variação anual + 0,4% - 2,3%

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 88 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 88 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 88 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Lucros dos bancos: pequena síntese comparativa com três governos 1 Governo Dilma foi o que mais

Leia mais

REDE EDUCACIONAL ADVENTISTA Ementa de Curso

REDE EDUCACIONAL ADVENTISTA Ementa de Curso REDE EDUCACIONAL ADVENTISTA Ementa de Curso DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE/ TURMA: 1º ANO MÉDIO ABC BIMESTRE: 4º NÚMERO 1. Módulo 16 - Política e economia no Antigo Introdução do módulo, com aula em slides

Leia mais

Taxa de juros e semiestagnação desde 1981

Taxa de juros e semiestagnação desde 1981 Taxa de juros e semiestagnação desde 1981 Apresentação preparada para o 13º Forum de Economia da Fundação Getulio Vargas Nelson Marconi 12 de setembro de 2016 Como evoluiu a renda per capita no Brasil?

Leia mais

Esquemas de financiamento utilizados na expansão de cobertura

Esquemas de financiamento utilizados na expansão de cobertura Esquemas de financiamento utilizados na expansão de cobertura Financiamento da Previdência e da Seguridade Social no Brasil Paulo Tafner e Fabio Giambiagi Buenos Aires, maio/2010 Estrutura da Seguridade

Leia mais

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB)

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB) Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2008 Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB) Eloi Martins Senhoras Available at:

Leia mais

Antonio Delfim Netto

Antonio Delfim Netto ABRAPP 35 o Congresso Brasileiro dos Fundos de Pensão Investimento, Financiamento e Crescimento Antonio Delfim Netto 12 de novembro de 2014 São Paulo, SP 1 I. Revolução Demográfica 1) Efeitos do envelhecimento

Leia mais

REVISÃO DO MODELO DE TELECOM

REVISÃO DO MODELO DE TELECOM REVISÃO DO MODELO DE TELECOM 45º ENCONTRO TELE.SÍNTESE BRASÍLIA 06 DE SETEMBRO DE 2016 0 A perda da atratividade da concessão vêm sido evidenciada pelos principais indicadores do setor dos últimos anos

Leia mais

Perfil e desafios dos microempreendedores no Brasil

Perfil e desafios dos microempreendedores no Brasil Perfil e desafios dos microempreendedores no Brasil Adriana Fontes IETS e UFRJ Brasília, 13 de maio de 2009. Introdução O que é informalidade? Fenômeno multidimensinoal Presente na sociedade nas: empresas,

Leia mais

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias Bijuterias Principais Países 2010 2011 2012 2013 2014 US$ mil 2014/ 2013 Estados Unidos 5.667 3.828 2.668 3.491 5.006 43 Colômbia 407 800 748 1.112 993-11 França 1.085 931 910 998 969-3 Argentina 2.112

Leia mais

MAPFRE. Antonio Huertas Presidente da MAPFRE. em Apresentação de resultados anuais. 8 de fevereiro de 2017

MAPFRE. Antonio Huertas Presidente da MAPFRE. em Apresentação de resultados anuais. 8 de fevereiro de 2017 Antonio Huertas Presidente da MAPFRE Apresentação de resultados anuais 8 de fevereiro de 2017 MAPFRE em 2016 As contas em um relance: 27.092 RECEITAS CONSOLIDADAS + 1,5% 775 LUCRO LÍQUIDO + 9,4% 2 97,4%

Leia mais

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: O QUE SE PODE NEGOCIAR?

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: O QUE SE PODE NEGOCIAR? 1 REFORMA DA PREVIDÊNCIA: O QUE SE PODE NEGOCIAR? Fabio Giambiagi Fundação Getúlio Vargas/RJ 20 fevereiro 2017 Sumário 2 1. O sentido geral da reforma 2. A vedação da acumulação 3. A regra da pensão 4.

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA. Por Luís Paulo Rosenberg. Junho/ 2013

CONJUNTURA ECONÔMICA. Por Luís Paulo Rosenberg. Junho/ 2013 CONJUNTURA ECONÔMICA Por Luís Paulo Rosenberg Junho/ 2013 Economia Internacional jan/01 ago/01 mar/02 out/02 mai/03 dez/03 jul/04 fev/05 set/05 abr/06 nov/06 jun/07 jan/08 ago/08 mar/09 out/09 mai/10 dez/10

Leia mais

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Comunicação e tecnologia. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 7.2 Conteúdos A presença da economia

Leia mais

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL Eugenio Stefanelo ECONOMIA MUNDIAL PIB em % ao ano: Média de 50 anos: 3,5% 2004 a 2007: 5% 2008 e 2009: 3,1%

Leia mais

REFORMA TRABALHISTA SUMÁRIO

REFORMA TRABALHISTA SUMÁRIO REFORMA TRABALHISTA REFORMA TRABALHISTA SUMÁRIO 1. CONTEXTO POLÍTICO LEGISLATIVO 2. ARGUMENTOS 3. EIXOS DE BASE DA REFORMA 3. DETALHES DA LEI 13467/2017 (REFORMA TRABALHISTA) 4. REFLEXÃO IMPEACHMENT CONTEXTO

Leia mais

O desafio da produtividade

O desafio da produtividade O desafio da produtividade 21º Seminário Dia da Qualidade Caxias CIC Renato da Fonseca Caxias do Sul, RS, 20/07/2015 Roteiro 1. O estado da indústria e da economia brasileira 2. Baixa competitividade:

Leia mais

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE ÍNDICE INTRODUÇÃO... 008 DISPOSIÇÕES GERAIS... 009 Conceito de empregador... 009 Conceito de empregado... 009 Direitos do empregado... 010 ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO TRABALHO... 014 Assédio moral no trabalho...

Leia mais

PERSPECTIVAS DOS ESTADOS COM PROGRAMAS DE PPP EMERGENTES

PERSPECTIVAS DOS ESTADOS COM PROGRAMAS DE PPP EMERGENTES PERSPECTIVAS DOS ESTADOS COM PROGRAMAS DE PPP EMERGENTES Cristiano Tatsch Secretário do Planejamento e Desenvolvimento Regional do Rio Grande do Sul Maio/2015 Investimento em infraestrutura no Brasil O

Leia mais

Projeto de Pesquisa: Importância Sócio-Econômica da Cadeia de Serviços de Saneamento Básico no Estado de São Paulo

Projeto de Pesquisa: Importância Sócio-Econômica da Cadeia de Serviços de Saneamento Básico no Estado de São Paulo Projeto de Pesquisa: Importância Sócio-Econômica da Cadeia de Serviços de Saneamento Básico no Estado de São Paulo Sabesp NEIT (IE/UNICAMP) SABESP, São Paulo, 15 de Fevereiro de 2008 Estrutura da Pesquisa

Leia mais

Desenvolvimento Produtivo Além da Indústria - O Papel dos Serviços

Desenvolvimento Produtivo Além da Indústria - O Papel dos Serviços Desenvolvimento Produtivo Além da Indústria - O Papel dos Serviços Jorge Arbache UnB e BNDES FGV-SP 27/5/2014 As opiniões são do autor e não necessariamente refletem as visões do BNDES 1 Vivemos uma nova

Leia mais

A CRISE MUNDIAL E O PAPEL DO BNDES

A CRISE MUNDIAL E O PAPEL DO BNDES A CRISE MUNDIAL E O PAPEL DO BNDES Luciano Coutinho Presidente do BNDES XXI Fórum Nacional Rio de Janeiro,19 de maio de 2009 1 O posicionamento dos países em desenvolvimento A crise econômica será severa

Leia mais

O investimento direto estrangeiro e o Brasil. Elton Jony Jesus Ribeiro IPEA

O investimento direto estrangeiro e o Brasil. Elton Jony Jesus Ribeiro IPEA O investimento direto estrangeiro e o Brasil Elton Jony Jesus Ribeiro IPEA 1. O que é o IDE? Investimento de Portfólio X Investimento Direto Investimento de Portfólio: É baseado na percepção do ganho financeiro

Leia mais

NO ANO DE 2016 O BRASILEIRO TRABALHARÁ ATÉ O DIA 01 DE JUNHO SÓ PARA PAGAR TRIBUTOS

NO ANO DE 2016 O BRASILEIRO TRABALHARÁ ATÉ O DIA 01 DE JUNHO SÓ PARA PAGAR TRIBUTOS NO ANO DE 2016 O BRASILEIRO TRABALHARÁ ATÉ O DIA 01 DE JUNHO SÓ PARA PAGAR TRIBUTOS 24 de maio de 2016. O contribuinte brasileiro trabalha até o dia 01 de junho, somente para pagar os tributos (impostos,

Leia mais

2010 BND N E D S: S : E

2010 BND N E D S: S : E Julho de 2010 BNDES: Evolução Recente e Impactos Fiscais Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 SUMÁRIO BNDES teve fundamental importância durante a crise Sem aporte do Tesouro, ampliação não

Leia mais

DIÁLOGO DA INDÚSTRIA COM CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

DIÁLOGO DA INDÚSTRIA COM CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DIÁLOGO DA INDÚSTRIA COM CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Carlos Fadigas Presidente, Braskem 30/07/2014 O Brasil tem oportunidades, mas para aproveitá-las precisa vencer alguns desafios DETERMINANTES

Leia mais

Terapia Renal Substitutiva em Minas Gerais

Terapia Renal Substitutiva em Minas Gerais Terapia Renal Substitutiva em Minas Gerais Audiência Pública sobre as condições de tratamento oferecidas no Estado de Minas Gerais aos pacientes renais e a possível necessidade expansão e/ou criação de

Leia mais

Congresso de Fundação da Força Sindical do Distrito Federal Mercado de trabalho e negociação coletiva no DF

Congresso de Fundação da Força Sindical do Distrito Federal Mercado de trabalho e negociação coletiva no DF Congresso de Fundação da Força Sindical do Distrito Federal Mercado de trabalho e negociação coletiva no DF 25 Março de 2009 Conjuntura marcada pela crise Produto Interno Bruto do país teve queda de 3,6%

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

Brasil Março Mercado em números

Brasil Março Mercado em números Março 2017 Mercado em números Guiana Venezuela Suriname Columbia Guiana Francesa Designação oficial: República Federativa do Capital: Brasília Localização: Leste da América do Sul Peru Fronteiras terrestres:

Leia mais

III Fórum Nacional de Produtos para a Saúde no Brasil 1º

III Fórum Nacional de Produtos para a Saúde no Brasil 1º III Fórum Nacional de Produtos para a Saúde no Brasil 1º.9.2016 Um pouco da nossa história Foi fundada e esse ano completou 83 anos de existência Laboratórios farmacêuticos nacionais e internacionais e

Leia mais