GRAVIDADE: O QUE É? PARA QUE SERVE?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GRAVIDADE: O QUE É? PARA QUE SERVE?"

Transcrição

1 GRAVIDADE: O QUE É? PARA QUE SERVE? Ana Carolina Simão Zabott¹- CAG Andressa Kloster Couto²- CAG Debora de Oliveira Licheski³-CAG Professor Orientador Allison Klosowski4-CAG Grupo de Trabalho - Astronomia Agência Financiadora-não contou com financiamento RESUMO A astronomia é um campo da ciência muito amplo, escolhemos enfatizar no campo da física, especificamente sobre gravidade. A Física (do grego physiké), por definição, é a ciência que estuda as propriedades gerais da matéria. Existem vários campos da astronomia, os quais são focados com a mesma proporção, como por exemplo cosmologia, as constelações, e muitas outras áreas afins. O objetivo do trabalho é demonstrar que a gravidade, é aquilo que nos mantém no Planeta Terra, sem ela, não estaríamos aqui, e nem ao mesmo sabemos onde poríamos estar. Sem ela não seria possível manter aprisionadas as moléculas de gases na atmosfera, ou seja, os gases seriam expelidos para o espaço. A gravidade existe em todo o Universo e permeia todo o espaço e também os corpos e as radiações. A gravidade se mantém no centro da Terra, e sendo assim tudo que está em seu redor, é puxado para o centro o tal conhecido como empuxo. Observamos que a gravidade é a força que atrai dois corpos um para o outro. Por causa dela, maçãs caem em direção ao solo, e os planetas do nosso sistema orbitam o sol. Quanto maior a massa de um objeto, mais forte sua atração gravitacional. Em nosso trabalho enfatizamos que tanto Galileu Galilei, bem como Isaac Newton foram grandes representantes na revolução da física, e tiveram grande importância para o estudo da Gravidade. Palavras-chave: Astronomia; Galileu Galilei; Gravidade; Atração; Terra; Sol 1- Estudante do Colégio Adventista Guarapuava-2º ano do Ensino Médio 2- Estudante do Colégio Adventista Guarapuava-2º ano do Ensino Médio 3- Estudante do Colégio Adventista Guarapuava-2º ano do Ensino Médio 4- Graduado em Física pela Universidade Estadual do Centro-Oeste-UNICENTRO, especialista em Metodologia do Ensino de Física

2 1 INTRODUÇÃO A gravidade tem suas diversas teorias e aplicações, nosso trabalho demonstrará como em diversos temas ela é usada, por exemplo nas fórmulas e que a partir delas, descobre-se muitas maneiras de achar as forças de atrações. Esse assunto é muito curioso e ao mesmo tempo amplo e de extrema importância. Através das leituras realizadas podemos observar que a gravidade mostra como as coisas permanecem intactas na Terra mesmo quando a Terra gira. Entendemos que em qualquer lugar do universo duas partículas ou corpos sempre se atraem com forças cuja intensidade é diretamente proporcional ao produto de suas massas inversamente proporcional ao quadrado das distâncias que as separam e que ela atua sobre a massa de um objeto e quanto maior for a massa desse objeto maior será sua força gravitacional. Apresentamos um breve histórico sobre Galileu Galilei e Isaac Newton, bem como seus estudos e contribuição para entendimento do tema abordado. Destacamos ainda a diferença entre teoria geocêntrica e a heliocêntrica e seus principais conceitos. 2 DESENVOLVIMENTO GALILEU GALILEI Através das leituras realizadas, observamos que ele foi físico, matemático, astrônomo e também filosofo, nasceu em Pisa no ano de Os estudos sistemáticos de movimento uniformemente acelerado e do movimento pêndulo, foram inicializados por ele. O princípio da inércia, e o conceito de referencial inercial foram enunciados por tal, e a lei dos corpos foi uma de suas descobertas. Galileu ( ) afirmou que o movimento de queda dos corpos -"num meio cuja resistência fosse nula", ou seja, em "um espaço totalmente vazio de ar e de qualquer outro corpo"(galilei, 1988; p.69) Galileu descobriu as manchas solares, as montanhas da lua, as fases de vênus, quatro dos satélites de Júpiter, os anéis de Saturno e as estrelas da Via Láctea, a partir do melhoramento que ele mesmo fez no telescópio refrator. Galileu, a partir do uso do telescópio, descobriu que a Via Láctea é composta de miríades de estrelas e as crateras e montanhas da Lua. Também observando Júpiter, Galileu se interessou por algo que pareciam ser três estrelas, e que na verdade eram quatro, e assim determinou que eram quatro satélites de Júpiter. Outras de suas descobertas, é que Vênus mostrava fases como a Lua. Por consequência, não tinha luz própria, apenas refletia a lua do Sol.

3 Galileu escreveu o livro cujo nome é Siderus Nuncius ( O mensageiro das estrelas ), e foram colocadas em dúvida por seus colegas professores que se recusaram olhar pelo telescópio. Galileu acabou falecendo em 8 de janeiro de LEI DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL A fim de entender o movimento planetário, Isaac Newton se fundamentou no modelo heliocêntrico de Nicolau Copérnico para basear seus estudos. Analisando o movimento dos planetas, Newton apresentou uma explicação, na qual mostrava que esse movimento era baseado em uma atração entre os corpos. Segundo Newton: O Sol atrai os planetas; a Terra atrai a Lua; a Terra atrai todos os corpos que estão perto dela. Depois de analisar esses fatos, Newton, os chamou de força gravitacional. Ou seja, existe uma força que atrai todos os corpos, estejam eles no espaço ou na Terra. Tais forças são grandezas vetoriais, porque possuem módulo, direção e sentido. Newton, em 1666, já deduzira a fórmula que permitia calcular a força no movimento circular e procurou comparar a aceleração centrípeta de um corpo em rotação junto com a aceleração gravitacional. (Westfall, 1995). A representação matemática da lei da gravitação universal é: Onde: F = intensidade da força gravitacional G = constante de gravitação universal, (6, Nm²/kg²) M e m = massa dos corpos analisados d = distância Através da equação apresentada por Isaac Newton, a fim de analisar as forças que atuam na Terra e em suas proximidades, deve-se lembrar que a Terceira Lei de Newton fala sobre a ação e a reação. Assim, observa-se que a atração entre os corpos deve ser mútua para que haja equilíbrio entre eles, ou seja, a Terra atrai a Lua, mas, em contrapartida, a Lua também atrai a Terra, com mesma intensidade, mesma direção, porém com sentido contrário. O mesmo acontece com os demais corpos citados. A força gravitacional é o resultado diretamente proporcional entre o produto de massas e inversamente proporcional ao quadrado da distância entre os centros de massa. Tal análise, é claro, deve ser feita para corpos que se atraiam gravitacionalmente. POR QUE AS COISAS CAEM? Quando Isaac Newton tinha 23 anos de idade, viu uma maçã cair de uma macieira. Porém, o fato lhe despertou uma curiosidade por que os corpos os corpos caem? Tinha muitas explicações para as quedas dos corpos. Uma chamada teoria geocêntrica, era baseada na ideia

4 de a Terra ser o centro do universo. Assim, todas as coisas pesadas ou graves, tinham seu lugar natural no centro do universo. Isso explica por que as coisas caiam: elas simplesmente estavam ocupando seu lugar natural. Newton conhecia bem essa explicação, mas na época em que ele viveu, ele estava sendo muito questionado e assim praticamente perdia sua validade, então se fez uma nova explicação para a queda dos corpos, que se fazia necessária. Newton chegou à conclusão de que os corpos caem porque são atraídos por uma força exercida pela Terra em direção ao centro. Essa força nomeou de força gravitacional. APLICANDO O CONCEITO DE GRAVITAÇÃO: TUDO SE ATRAI Se a origem da força gravitacional é massa da Terra, tudo que tem massa exerce força gravitacional? Sim. A força que a Terra exerce, atraindo os corpos em direção ao centro, é exercida pelos corpos sore ela. A força gravitacional da Terra sobre a Lua mantém esse satélite em órbita ao seu redor isso faz com que não deixe vagar pelo espaço, atraindo-o constantemente para a Terra. A Lua, que também tem massa exerce força gravitacional sobre a Terra. O Sol mantém a Terra com os outros planetas à sua volta, graças a atração gravitacional que o Sol exerce sobre eles. CAMPO GRAVITACIONAL Os astros criam ao redor de si, uma região de perturbação gravitacional, denominada, Campo Gravitacional, ou seja, qualquer massa colocada nessa região, fica sujeita a uma força gravitacional ou força peso. O campo gravitacional não depende da massa m, depende apenas da massa do astro M e da distância r. Despreza a resistência do ar, dois corpos quaisquer, soltos simultaneamente em um mesmo ponto, chegam juntos o solo. CAMPO GRAVITACIONAL TERRESTRE Todo corpo material causa campo gravitacional ao seu redor, qualquer massa será atraída por ele. A Terra (massa M) possui um campo gravitacional muito perceptível, qualquer corpo (massa m) abandonado próximo fica sujeito à força gravitacional F. Pela Lei da Gravitação Universal, tem se: F = G. m1.m2, sendo F= m.g, pode-se escrever: m.g = G. M.m d 2 d 2

5 Simplificando m, obtêm-se: g = G. M d 2 Nas proximidades da superfície terrestre é aproximadamente:9,8 m/s 2. Maré alta, maré baixa: A ação da força gravitacional explica a existência das marés, dentre outros fenômenos. A lua exerce uma força uma força gravitacional sobre o planeta terra. As águas do globo terrestre são " puxadas'', atraídas assim pela lua. Então nessa região, o nível da água se eleva, em algumas partes se eleva vários metros, assim chamada a maré alta. O Planeta Terra, faz a chamada rotação, e a medida que isso acontece, acontece a maré alta, quando passa disso a água abaixa e ocorre a correspondente maré baixa. Tem várias outras porções que são atraídas pela força gravitacional da Lua, mas o que fica mais evidente é as águas, pelo sobe e desce. Quando o Sol e a Lua se alinham, as forças gravitacionais somam sobre a Terra, e assim a maré alta e a maré baixa se intensificam. A gravidade e o peso: A massa é a medida da quantidade de matéria de um corpo, e a massa não varia de modo algum, mesmo que esteja na Lua não varia, a massa continua a mesma. O peso depende da localização do corpo, ele varia de onde se encontra se estiver na Terra vai ser a força gravitacional da Terra, e sendo assim na Lua, então varia. Então, como a Terra ela sempre vai puxar para o seu centro, a medida que um astronauta se afasta do Planeta, ela vai alterar o peso, e não a massa. Por ser uma força, o peso é medido em unidades de força, que podem ser newton (N) ou quilograma-força (kgf). A relação entre duas unidades, válidas para a Terra, é: 1kgf = 9,8 N Exemplo: Um astronauta cuja massa seja 70 Kg. Na superfície da Terra, seu peso é 686 N ( 70 kgf); na superfície da Lua, será aproximadamente 117 N. Entretanto, sua massa continuaria sendo 70 Kg.

6 Foi em 1969, em que pode andar sobre a superfície da Lua, e foi capaz de sentir a diferença entre a força gravitacional que na Lua, e a força gravitacional que existe sobre a Terra. E quem pode fazer isso foi, o astronauta Edwin Aldrin, que foi em 20 de julho de Vale quanto pesa! : Quanto maior a massa, maior o peso, isso equivale ao mesmo lugar no espaço. O astronauta não vai mudar sua massa quando for para a Lua, e sim diminuirá seu peso. Para entender melhor, calcularemos o peso de um corpo. A força peso (P) depende da massa (m) do corpo e da aceleração gravitacional (g).o peso é definido fisicamente assim: P = m. g De acordo com a segunda lei de Newton, para o movimento, F = ma. Se o peso é uma força, F = P e mg = ma. Portanto g = a, ou seja, g corresponde à aceleração da gravidade. O Valor adquirido à aceleração da gravidade na Terra é correspondente a 9,8 m/s. Esse valor varia de lugar para lugar, de altitude e latitude, então para facilitar arrendondamos para 10 m/s. Quando calculamos o peso de um corpo, estamos calculando sua força de atração gravitacional que age sobre ele. Exemplo: Supondo que a massa do astronauta seja 85 Kg, calcule o seu peso na Terra. Considere a aceleração da gravidade (g) na Terra igual a 10 m/s. Resolução: Podemos calcular o peso utilizando a segunda lei do movimento: P = m.g P = P = 850 kg. m/s P = 850 N Resposta: O peso desse astronauta na Terra é de 850 N. O peso de um corpo na água:

7 Flutuamos na água porque existe uma força que empurra para cima, chamada de empuxo. Essa mesma força faz com que o navio flutue. A lei da física que descreve a força de empuxo e relatada por Arquimedes, o qual se refere: Todo corpo mergulhado em um líquido desloca certo volume desse líquido e, ao mesmo tempo, recebe dele uma força vertical de baixo para cima (a força do empuxo), cuja intensidade é igual ao peso do líquido deslocado. A gravidade e a cinemática: A força gravitacional que a Terra exerce sobre um corpo faz com que ele adquira uma aceleração, a tal chamada de aceleração da gravidade. Exemplo: Um pacote é arremessado de um helicóptero parado no ar, ele adquire uma aceleração correspondente a g, e sua trajetória é retilínea ( vertical). Ocorre, então o chamado MRUV. Na física esse fenômeno é conhecido geralmente por queda livre. Durante sua queda, a velocidade do pacote não é constante. Quando se inicia sua queda, ele está em repouso ( v = 0). E a medida que cai, sua velocidade aumenta. Após 1s, a velocidade é correspondente a 9,8 m/s. Depois de 2s, ela corresponde a 19,6 m/s. Depois de 3s, corresponde a 29,4 m/s. Depois de 4s, corresponde a 39,2 m/s. Pode-se notar que a variação da velocidade a cada segundo corresponde, a 9,8 m/s, e isso se deve a aceleração da gravidade que é, 9,8 m/s. Queda livre x resistência do ar: Ao saltar de um avião, com o paraquedas ainda fechado, um paraquedista sofre a aceleração da gravidade, que inicialmente é constante. Com o tempo, depois que o paraquedas é aberto, a aceleração do paraquedas diminui. E a partir de certo momento, ela se anula e o paraquedas desce com velocidade constante. Como isso é possível? Exemplo: Se deixarmos cair simultaneamente, da mesma altura, uma folha de papel e uma pedra, veremos que a pedra chegará primeiro ao chão. E se em outro caso, amassarmos a bolinha de papel, e deixarmos cair elas chegaram quase juntas ao chão. Qual a razão dessa diferença entre os dois eventos?

8 A bola de papel chega antes ao chão do que, a folha não amassada, porque a superfície de contato com o ar é maior do que a bola de papel. Então a força exercida pelo ar, sobre a bola de papel é menor, então chegará antes ao chão. Podemos concluir que a resistência do ar é uma força que retarda o movimento dos corpos. Se não houvesse ar, a folha de papel, cairia ao mesmo tempo que a pedra, independentemente de suas massas. Assim, o paraquedas aberto aumenta a superfície de contato com a ar, o que provoca uma força de resistência contrária à força gravitacional, diminuindo a aceleração do paraquedista. Quando a velocidade da queda se torna constante, a força de resistência do ar equilibrou-se coma força gravitacional e aceleração é nula. Quando falamos em queda livre, como nos casos anteriores, estamos, portanto, desconsiderando a resistência do ar. A gravidade nos comprime ainda bem! A gravidade '' briga'' com a gente. Podemos perceber isso quando levantamos uma sacola cheia ou quando empurramos uma bicicleta em uma subida. Mas a falta de gravidade também é ruim, tanto que quando os astronautas retornaram de uma viagem do espaço, muitos astronautas precisavam ser carregados em macas. A gravidade não é só uma força, é também um sinal, que diz como nosso corpo deve proceder, em tal funcionamento. Por exemplo: ela diz quão são fortes nossos músculos e ossos devem ser. Quando está em gravidade zero, os músculos tendem a se atrofiar e a massa óssea diminui. Os músculos usados para '' lutar'' contra a gravidade, como os da barriga da perna e das costas, que mantêm nossa postura, podem perder 20 % de sua massa se não forem usados. No caso dos ossos a perda pode ser ainda maior. Algumas previsões sugerem que, no espaço, as perdas de massa óssea chegam a 60%. O sangue também sente os efeitos da gravidade. Na Terra, ele é puxado para os pés. Quando estamos de pé a pressão sanguínea é maior nos pés do que no cérebro. No espaço, onde o familiar puxão da gravidade não existe, não há diferença de pressão entre os pés e a cabeça. E a pressão sanguínea fica igual em todo corpo. Isso pode ser visto nos astronautas: seus rostos cheios de fluidos, ficam inchados e suas pernas, que perderam fluido, ficam mais finas A alteração da pressão do sangue no corpo envia um sinal equivocado ao sistema de controle corporal. Nosso corpo está preparado para uma diferença de pressão entre suas

9 extremidades. Assim a, pressão muito alta de sangue na cabeça dispara um alarme: o corpo tem muito sangue. Após dois ou três dias no espaço, os astronautas podem perder quase 22 % de seu volume sanguíneo, como resultado de uma mensagem errada. Essa mudança até mesmo nosso coração. Se tem menos sangue, o nosso coração não bate tão forte e começa a atrofiar. Essas perdas são graves? Talvez não fossem se uma pessoa planejasse ficar no espaço para sempre. Mas os astronautas retornam a Terra e seu corpo deve se ajustar à força da gravidade. A maioria das adaptações espaciais parece ser reversível, mas o processo de reconstrução não é muito fácil. Cada parte do nosso corpo tem um certo tempo para voltar ao seu normal. O volume do sangue é restaurado em poucos dias; os músculos voltam ao normal em um mês ou mais. Mas no caso dos ossos, para um período de três a seis meses no espaço, são necessários dois ou três anos para repor a perda óssea. Para minimizar essas perdas, os astronautas devem praticar muitos exercícios. Os exercícios são a fonte. Mas se exercitar no espaço e se exercitar no espaço são diferentes. Aqui na Terra, a força gravitacional automaticamente faz o papel de uma força de resistência que mantém os músculos e os ossos. No espaço esse componente gravitacional se perde. Vários equipamentos têm sido desenvolvidos para imitar a ajuda que a gravidade nos dá, desde equipamentos elásticos até câmaras de baixa pressão. Teoria Geocêntrica: Estudos revelam que a teoria de Claudius Ptolemaeus, mais conhecido como Ptolomeu, baseava-se num modelo universal completo em que a terra era o centro e estava circuncidada por oito esferas celestes, que seriam a Lua, o Sol, as estrelas, e outros planetas. De acordo com o sistema ptolomaico, cada planeta se move num epiciclo, cujo centro se move ao redor da Terra, a qual é estacionária e está no centro do Universo. Ptolomeu explica que os corpos não se movem em órbitas circulares: em determinados pontos de suas órbitas eles parecem deter-se, inverter seu movimento, deter-se novamente, finalmente mover-se na direção primitiva. Esses fenômenos, denominados movimentos retrógrados, devem-se, na realidade, ao fato de a Terra e os planetas moverem-se com velocidades diferentes em órbitas aproximadamente concêntricas e circulares. Ptolomeu, porém, para procurar explicar esse fenômeno aparentemente tão estranho, elaborou um sistema bastante complicado. Os planetas

10 estariam fixados sobre esferas concêntricas de cristal, presididas pela esfera das estrelas. Todas essas esferas girariam com velocidades diferentes. Ptolomeu foi então obrigado a fazer os planetas executarem movimentos em epiciclo: cada um deles girava descrevendo círculos (os epiciclos) sobre uma esfera menor, cujo centro estava situado sobre a esfera maior. Assim o céu encheu-se de várias rodas-gigantes. Os planetas inferiores (Mercúrio e Vênus) caracterizam-se por oscilarem em torno do sol. Ptolomeu colocou o centro de seus epiciclos sobre uma linha entre a Terra e o Sol, com o centro dos epiciclos movendo-se ao redor da Terra, num círculo condutor. No modelo geocêntrico, foi admitido que quanto mais longe do centro (a Terra) estivesse o astro, mais tempo levaria para completar uma volta em torno dele. A ordem de colocação estabelecida foi a seguinte: Terra, Lua, Mercúrio, Vênus, Sol, Marte, Júpiter, Saturno e a Esfera das Estrelas Fixas. De acordo com Ptolomeu, que imaginou um sistema de movimento planetário, as estrelas que mantinham a mesma posição, ficavam na esfera que estava mais afastada, a Esfera das Estrelas Fixas. Desta forma, com relativa precisão poderiam ser previstas as posições dos astros, exceto a da lua, que acabou tendo a dedução de uma trajetória que em determinados períodos sua distância para a Terra ficava a metade da distância em relação a outros períodos. Sendo assim, seu tamanho aparente deveria ser o dobro. O sistema ptolomaico se afastava da perfeição geométrica simples dos antigos gregos.

11 Apesar da falha com relação ao posicionamento orbital da lua, reconhecida por Ptolomeu, este modelo foi aceito pela igreja católica durante toda a idade média, e por 14 séculos, a tese geocêntrica onde o planeta terra é o centro do universo, foi aceita. Teoria Heliocêntrica A teoria de Nicolau Copérnico baseava-se num modelo em que o sol estava no centro do sistema solar, e a Terra e os demais planetas girariam em torno dele em órbitas circulares: o Heliocentrismo; contrariando, o geocentrismo. Esta teoria proporcionava uma explicação mais simples para o movimento dos planetas do que a de Ptolomeu afirmava, que a terra se movia em torno do sol, e que esta era apenas mais um planeta que concluía uma órbita girando sobre seu próprio eixo, em torno de um sol fixo. Copérnico, em seu modelo, chegou perto, mas não colocou o sol como centro do universo. Colocou-o como centro das esferas celestes. O modelo de Copérnico não era melhor que o de Ptolomeu, ele reconhecia. O seu sistema convenceu poucos astrônomos. Porém, muitos aceitaram em partes e o melhoraram, como Galileu e Kepler. Suas teorias foram essenciais para que Galileu e Newton, posteriormente, pudessem construir a estrutura da astronomia moderna e do nosso conhecimento sobre o Universo. Elas se complicaram quando ele tentou explicar desnecessariamente as irregularidades dos epiciclos ptolomaicos; e foi por isso que só se tornaram coerentes quando Kepler demonstrou a forma elíptica das órbitas, e Galileu comprovou com observações telescópicas. O modelo de Copérnico é mais simples e próximo da realidade; ele é baseado no fato de que a Terra gira sobre si diariamente; que o centro da Terra não é o centro do Universo, mas

12 simplesmente o centro dela e da órbita da Lua; que todos os corpos celestes giram ao redor do Sol, o qual é ou está próximo do centro do Universo; e que um corpo mais próximo do Sol viaja com velocidade orbital maior do que quando está distante. A teoria heliocêntrica conseguiu dar explicações mais naturais e simples para os fenômenos observados, porém, Copérnico não conseguiu prever as posições dos planetas com suficiente precisão e, infelizmente, ele não alcançou uma prova categórica de que a Terra estava em movimento. Através do modelo de Copérnico foi possível a primeira determinação de distância de um planeta ao Sol, em termos de distância Terra-Sol. 3 CONSIDERAÇÕES FINAIS O presente assunto abordado anteriormente, relata a importância que a gravidade exerce sobre o universo em si. A gravidade é o movimento dos corpos, essa conclusão desencadeou muitos estudos aprofundados no tema, como por exemplo Isaac Newton, que deu origem as Leis de Newton, que são de suma importância em diversos assuntos e obras, e também para que a sociedade possa evoluir cada vez mais, trazendo melhores condições para a humanidade, mostrando mais conhecimento. O Campo Gravitacional exerce uma força sobre os corpos colocados ao seu redor, que diminui com a distância. Se caso, a gravidade sumisse, ia ser um caos, pois tudo ia se desestabilizar, compreendemos que a gravidade segura a

13 atmosfera terrestre e os planetas estão estáveis por conta da mesma. Verificamos que a gravidade é um conjunto de comportamentos e ações, e também são massas que seguem a curvatura do espaço e do tempo. Entendemos que a teoria é primordial para comprovar nossas hipóteses, pois muitos teóricos já afirmaram que todo o nosso conhecimento é impregnado de teoria, inclusive nossas observações (Pooper, 1975; p. 75). Newton disse: A gravidade explica o movimento dos planetas, mas não pode explicar quem colocou os planetas em movimento. Deus governa todas as coisas e sabe tudo que é ou que pode ser feito, ou seja, caso o universo fosse desprovido de gravidade, nada iria ter sentido, nada iria funcionar. Galileu Galilei formulou o movimento de queda livre, onde mostrou que os corpos em queda estão sujeitos a mesma aceleração independentemente de sua massa, e que esta aceleração é constante. Um corpo em queda livre, a partir do repouso apresenta deslocamentos escalares sucessivos diretamente proporcionais aos números ímpares. 4 REFERÊNCIAS Livros Consultados GALILEI, G. Duas novas ciências. São Paulo: Nova Stella, MAROJA, A. M.; VITURINO, M. F. C.; PEREIRA, J. de S. Medida da Aceleração da Gravidade. Disponível em: <www.sbf1.sbfísica.org.br/eventos/snef/xvi/cd/resumos/t0297.pdf>.acesso em: 01/09. PIACENTINI, J. J.; Grandi, B. C. S.; Hofmann, M. P.; Lima, F. R. R.; Zimmermann, E. Introdução ao Laboratório de Física, 2a. edição, Editora da UFSC, Florianópolis,2001. POPPER, K.R. Conhecimento objetivo. São Paulo: EDUSP, TEIXEIRA, W.; TOLEDO, M. C. M. de; FAIRCHILD, T. R.; TAIOLI, F. (Orgs.) Decifrando a Terra. São Paulo: Oficina de Textos, WESTFALL, R.S. Avida de Isaac Newton. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1995.

Capítulo 6. Gravitação Universal

Capítulo 6. Gravitação Universal Capítulo 6 Gravitação Universal Os céus manifestam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das suas mãos. Um dia discursa a outro dia, e uma noite revela conhecimento a outra noite. Não há linguagem,

Leia mais

Profº Carlos Alberto

Profº Carlos Alberto Gravitação Disciplina: Mecânica Básica Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: As leis que descrevem os movimentos dos planetas, e como trabalhar com

Leia mais

Gravitação Universal. Física_9 EF. Profa. Kelly Pascoalino

Gravitação Universal. Física_9 EF. Profa. Kelly Pascoalino Gravitação Universal Física_9 EF Profa. Kelly Pascoalino Nesta aula: Introdução; Modelos planetários; As leis de Kepler; Lei da gravitação universal. INTRODUÇÃO Denomina-se gravitação, a área da Física

Leia mais

Primeira Lei de Kepler: Lei das Órbitas Elípticas. Segunda Lei de Kepler: Lei das áreas

Primeira Lei de Kepler: Lei das Órbitas Elípticas. Segunda Lei de Kepler: Lei das áreas CONTEÚDOS DA PROVA DE RECUPERAÇÃO FINAL: Hidrostática, Velocidade Escalar Média, Gravitação Universal, 1ª e 2ª Leis de Kepler, Aceleração Escalar, Equações do Movimento Retilíneo Uniformemente Variado

Leia mais

GALILEU GALILEI ( )

GALILEU GALILEI ( ) GALILEU GALILEI (1564-1642) Um dos principais defensores do modelo heliocêntrico de Copérnico. Acreditava na perfeição geométrica. Por isso, não aceitava que as órbitas dos planetas eram elípticas, mesmo

Leia mais

O Universo e o Sistema Solar

O Universo e o Sistema Solar O Universo e o Sistema Solar 1 O cientista não estuda a natureza porque ela é útil; ele a estuda porque tem prazer nisso, e ele tem prazer nisso porque ela é linda. Se a natureza não fosse linda, não valeria

Leia mais

AS LEIS DE KEPLER A LEI DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

AS LEIS DE KEPLER A LEI DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL AS LEIS DE KEPLER A LEI DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL Um pouco de História Grécia antiga: Determinação da diferença entre as estrelas fixas e errantes (planetas) Primeiros modelos planetários explicando o movimento

Leia mais

Esse planeta possui maior velocidade quando passa pela posição: a) ( ) I b) ( ) II c) ( ) III d) ( ) IV e) ( ) V

Esse planeta possui maior velocidade quando passa pela posição: a) ( ) I b) ( ) II c) ( ) III d) ( ) IV e) ( ) V 1. Desde a antiguidade, existiram teorias sobre a concepção do universo. Por exemplo, a teoria Aristotélica propunha que a Terra seria o centro do universo e todos os astros descreveriam órbitas circulares

Leia mais

A força gravítica. Como se explica o movimento dos planetas em volta do Sol? Os planetas do Sistema Solar movem-se em torno

A força gravítica. Como se explica o movimento dos planetas em volta do Sol? Os planetas do Sistema Solar movem-se em torno 41 e 42 08/03/2012 Sumário Conclusão da lição anterior. Resolução de exercícios. - e as suas características. - Relação entre a força gravítica e o movimento dos astros. - As fases da Lua e o fenómeno

Leia mais

CIÊNCIAS 9 ANO PROF.ª GISELLE PALMEIRA PROF.ª MÁRCIA MACIEL ENSINO FUNDAMENTAL

CIÊNCIAS 9 ANO PROF.ª GISELLE PALMEIRA PROF.ª MÁRCIA MACIEL ENSINO FUNDAMENTAL CIÊNCIAS 9 ANO PROF.ª MÁRCIA MACIEL ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª GISELLE PALMEIRA CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade IV Ser humano e saúde 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 21 Conteúdos Aula 21.1 - Forças Aula

Leia mais

MODELANDO O COSMO CSA 9ºANO

MODELANDO O COSMO CSA 9ºANO MODELANDO O COSMO CSA 9ºANO - Característica e importância dos modelos e teorias científicas; - Disputas entre teorias científicas; - Modelos geocêntrico e heliocêntrico para o cosmo; - Introdução do conceito

Leia mais

Tipos de forças fundamentais na Natureza

Tipos de forças fundamentais na Natureza Tipos de Forças Tipos de forças fundamentais na Natureza Existem quatro tipos de interações/forças fundamentais na Natureza que atuam entre partículas a uma certa distância umas das outras: Gravitacional

Leia mais

o módulo da quantidade de movimento do satélite, em kg m s, é, aproximadamente, igual a: a) b) c) d) e)

o módulo da quantidade de movimento do satélite, em kg m s, é, aproximadamente, igual a: a) b) c) d) e) 1. Considere que um satélite de massa m 5,0 kg seja colocado em órbita circular ao redor da Terra, a uma altitude h 650 km. Sendo o raio da Terra igual a 6.350 km, sua massa igual a 4 5,98 10 kg e a constante

Leia mais

Queda Livre e lançamento vertical para cima

Queda Livre e lançamento vertical para cima Queda Livre e lançamento vertical para cima Queda livre vertical Movimento na superfície do planeta em que se despreza a resistência do ar e a única força que atua no corpo é seu peso. Características

Leia mais

Lista de exercícios- Leis de Newton

Lista de exercícios- Leis de Newton Componente Curricular: Física Professora: Cínthia Helena. Série: 1 o ano - Ensino Médio. Lista de exercícios- Leis de Newton 1 - (Vunesp-SP) Assinale a alternativa que apresenta o enunciado da Lei de Inércia,

Leia mais

UNIDADE GRAVITAÇÃO

UNIDADE GRAVITAÇÃO UNIDADE 1.5 - GRAVITAÇÃO 1 MARÍLIA PERES 010 DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL DE NEWTON Cada partícula no Universo atraí qualquer outra partícula com uma força que é directamente proporcional ao produto das suas

Leia mais

Gravitação Universal, Trabalho e Energia. COLÉGIO SÃO JOSÉ FÍSICA - 3º ano Livro Revisional Capítulos 5 e 6

Gravitação Universal, Trabalho e Energia. COLÉGIO SÃO JOSÉ FÍSICA - 3º ano Livro Revisional Capítulos 5 e 6 Gravitação Universal, Trabalho e Energia COLÉGIO SÃO JOSÉ FÍSICA - 3º ano Livro Revisional Capítulos 5 e 6 UNIVERSO Andrômeda - M31. Galáxia espiral distante cerca de 2,2 milhões de anos-luz, vizinha da

Leia mais

Sumário. O Universo. Modelo geocêntrico

Sumário. O Universo. Modelo geocêntrico Sumário 2- Estudo do Universo - Modelos de organização do Universo: Teoria Geocêntrica e Teoria Heliocêntrica. - Da Astronomia a olho nu às lunetas e telescópios. Explorando o espaço. - Teoria do Big Bang

Leia mais

QUESTÕES OBJETIVAS. Nesta bela e curiosa estrofe, os astros aparecem em versos sucessivos. Essa passagem revela que:

QUESTÕES OBJETIVAS. Nesta bela e curiosa estrofe, os astros aparecem em versos sucessivos. Essa passagem revela que: QUESTÕES OBJETIVAS Questão 9: Em uma passagem do poema Os lusíadas (canto X, 89) de Luís de Camões (1525-1580), brilharam os astros. Um belo exemplo da influência do pensamento científico nas artes. O

Leia mais

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Ciências E Programa de Saúde 17 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Comece fazendo o que é necessário, depois o que é possível, e de

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAZÃO ESCOLA E.B. 2,3 DE FRAZÃO CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 9º ANO DE ESCOLARIDADE ANO LETIVO 2011/2012

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAZÃO ESCOLA E.B. 2,3 DE FRAZÃO CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 9º ANO DE ESCOLARIDADE ANO LETIVO 2011/2012 AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAZÃO ESCOLA E.B. 2,3 DE FRAZÃO CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 9º ANO DE ESCOLARIDADE ANO LETIVO 2011/2012 Ficha Informativa n.º 3 Movimentos e Forças Nome: Data: / /2012

Leia mais

Lista de exercícios Queda dos corpos

Lista de exercícios Queda dos corpos 1. (UFMT) Galileu, na Torre de Pisa, fez cair vários objetos pequenos, com o objetivo de estudar as leis do movimento dos corpos em queda. A respeito dessa experiência, julgue os itens, desprezando o efeito

Leia mais

EXERCÍCIOS PARA PROVA ESPECÍFICA E TESTÃO 1 ANO 4 BIMESTRE

EXERCÍCIOS PARA PROVA ESPECÍFICA E TESTÃO 1 ANO 4 BIMESTRE 1. (Unesp 89) Um cubo de aço e outro de cobre, ambos de massas iguais a 20 g estão sobre um disco de aço horizontal, que pode girar em torno de seu centro. Os coeficientes de atrito estático para aço-aço

Leia mais

Cinemática Vetorial e Leis de Newton. COLÉGIO SÃO JOSÉ CAPÍTULOS 3 e 4 LIVRO REVISIONAL

Cinemática Vetorial e Leis de Newton. COLÉGIO SÃO JOSÉ CAPÍTULOS 3 e 4 LIVRO REVISIONAL Cinemática Vetorial e Leis de Newton COLÉGIO SÃO JOSÉ CAPÍTULOS 3 e 4 LIVRO REVISIONAL São aquelas que, diferente das grandezas escalares, ficam bem definidas não só com um valor e uma unidade, mas precisam

Leia mais

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Lista de Exercícios 1_2 BIMESTRE Nome: Nº Turma: 1 EM Profa Kelly Data: Conteúdo: Leis de Kepler e lei da gravitação universal; Força gravitacional (peso), força

Leia mais

Física I Prova 3 7/06/2014

Física I Prova 3 7/06/2014 Nota Física I Prova 3 7/06/2014 NOME MATRÍCULA TURMA PROF. Lembrete: A prova consta de 2 questões discursivas (que deverão ter respostas justificadas, desenvolvidas e demonstradas matematicamente) e 12

Leia mais

Espaço A Terra, a Lua e forças gravíticas

Espaço A Terra, a Lua e forças gravíticas Espaço A Terra, a Lua e forças gravíticas Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Secundária de Maria Lamas Agrupamento de Escolas Gil Paes Rotação da Terra 4.1 Indicar o período de

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 7 Flutuação e Empuxo. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 7 Flutuação e Empuxo. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 7 Flutuação e Empuxo Tópicos Abordados Nesta Aula Flutuação e Empuxo. Solução de Exercícios. Definição de Empuxo Quando se mergulha um corpo em um líquido, seu peso aparente diminui, chegando às vezes

Leia mais

Segunda lei de Newton

Segunda lei de Newton Segunda lei de Newton Pela 1ª lei de Newton, não precisamos de força para manter a velocidade de um corpo, mas sim para produzir mudanças (variações) dessa velocidade. Newton apresenta a relação existente

Leia mais

1 01 Mate t máti t c i a e Fí F s í ic i a Prof. Diego Pablo

1 01 Mate t máti t c i a e Fí F s í ic i a Prof. Diego Pablo 1 01 Matemática e Prof. Diego Pablo 2 Matemática - Produto: 2 x 4 = 8 - Quociente ou Razão: 18 / 2 = 9 - Quadrado: 7² = 7 x 7 = 49 - Cubo: 4³ = 4 x 4 x 4 = 64 - Raiz Quadrada: 81 = 9 3 Matemática Grandezas

Leia mais

FÍSICA - B ª SÉRIE P1

FÍSICA - B ª SÉRIE P1 LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES FÍSICA - B - 2012 1ª SÉRIE P1 ALUNO: TURMA: CARTEIRA: MATRÍCULA: DATA: / / Assunto(s): 3ª. Lei de Newton e Principais Forças da Mecânica 1) A respeito da 3ª Lei de Newton,

Leia mais

Halliday Fundamentos de Física Volume 2

Halliday Fundamentos de Física Volume 2 Halliday Fundamentos de Física Volume 2 www.grupogen.com.br http://gen-io.grupogen.com.br O GEN Grupo Editorial Nacional reúne as editoras Guanabara Koogan, Santos, Roca, AC Farmacêutica, LTC, Forense,

Leia mais

Galileu Galilei ( )

Galileu Galilei ( ) Galileu Galilei (1564 1642) Teve primeiro de derrubar toda a anterior astronomia E depois toda a astrologia Embaixador inglês em Veneza ao tornar conhecimento das teorias que Galileu publicou em Sidereus

Leia mais

FÍSICA LISTA 4 QUANTIDADE DE MOVIMENTO, GRAVITAÇÃO UNIVERSAL E EQUILÍBRIO

FÍSICA LISTA 4 QUANTIDADE DE MOVIMENTO, GRAVITAÇÃO UNIVERSAL E EQUILÍBRIO FÍSICA Prof. Bruno Roberto LISTA 4 QUANTIDADE DE MOVIMENTO, GRAVITAÇÃO UNIVERSAL E EQUILÍBRIO QUANTIDADE DE MOVIMENTO 1. (Pucrj 2013) Uma massinha de 0,3 kg é lançada horizontalmente com velocidade de

Leia mais

Processo Avaliativo AVP - 4º Bimestre/2016 Disciplina: Física 1ª série EM A Data: Nome do aluno Nº Turma

Processo Avaliativo AVP - 4º Bimestre/2016 Disciplina: Física 1ª série EM A Data: Nome do aluno Nº Turma Processo Avaliativo AVP - 4º Bimestre/016 Disciplina: Física 1ª série EM A Data: Nome do aluno Nº Turma Atividade Avaliativa: entregar a resolução de todas as questões. 1. (Ita 016) A partir do repouso,

Leia mais

+ qd + Prof.: Rhafael Roger

+ qd + Prof.: Rhafael Roger TEORIAS PLANETÁRIAS Desde a época do homem das cavernas o ser humano foi, é e sempre será fascinado pelo universo, seus mistérios, suas peculiaridades, seus fenômenos e seu misticismo. Em todas as civilizações

Leia mais

LECTURE NOTES PROF. CRISTIANO. Leis de Newton. Isaac Newton. Prof. Cristiano Oliveira Ed. Basilio Jafet sala 202

LECTURE NOTES PROF. CRISTIANO. Leis de Newton. Isaac Newton. Prof. Cristiano Oliveira Ed. Basilio Jafet sala 202 Fisica I - IO Leis de Newton Prof. Cristiano Oliveira Ed. Basilio Jafet sala 202 crislpo@if.usp.br http://pt.wikipedia.org/wiki/isaac_newton Isaac Newton Teorema Binomial Cálculo Lei da gravitação universal

Leia mais

Juntos na construção de um ensino eficaz Programação de Conteúdo dos 101, 102 e a 21/08/2015

Juntos na construção de um ensino eficaz Programação de Conteúdo dos 101, 102 e a 21/08/2015 Programação de Conteúdo dos 101, 102 e 103 17 a 21/08/2015 Dinâmica: É a parte da Física que estuda a relação entre força e movimento. A essência desta parte da Física é estudar os movimentos dos corpos

Leia mais

Física Geral I F semestre, Aula 5 Força e movimento I: Leis de Newton

Física Geral I F semestre, Aula 5 Força e movimento I: Leis de Newton Física Geral I F -18 0 semestre, 010 Aula 5 Força e movimento I: Leis de Newton Leis de Newton (Isaac Newton, 164-177) Até agora apenas descrevemos os movimentos cinemática. É impossível, no entanto, prever

Leia mais

estudos 3º trimestre. Matemática-Física-Química Orientação de estudos

estudos 3º trimestre. Matemática-Física-Química Orientação de estudos estudos 3º trimestre. Roteiro de Matemática-Física-Química O roteiro foi montado especialmente para reforçar os conceitos dados em aula. Com os exercícios você deve fixar os seus conhecimentos e encontrar

Leia mais

Força. Aceleração (sai ou volta para o repouso) Força. Vetor. Aumenta ou diminui a velocidade; Muda de direção. Acelerar 1kg de massa a 1m/s 2 (N)

Força. Aceleração (sai ou volta para o repouso) Força. Vetor. Aumenta ou diminui a velocidade; Muda de direção. Acelerar 1kg de massa a 1m/s 2 (N) Força Empurrão ou puxão; Força é algo que acelera ou deforma alguma coisa; A força exercida por um objeto sobre o outro é correspondida por outra igual em magnitude, mas no sentido oposto, que é exercida

Leia mais

Física I 2010/2011. Aula 01. Forças e Movimentos I

Física I 2010/2011. Aula 01. Forças e Movimentos I Física I 2010/2011 Aula 01 Forças e Movimentos I Sumário Força e movimento Mecânica Newtoniana A 1.ª Lei de Newton Força Referenciais inerciais Massa A 2.ª Lei de Newton Alguns tipos de forças A força

Leia mais

Dinâmica - Lista 2. Sumário. 1 Leis de Newton - Exercícios. Professor Walescko 22 de setembro de 2005

Dinâmica - Lista 2. Sumário. 1 Leis de Newton - Exercícios. Professor Walescko 22 de setembro de 2005 Dinâmica - Lista 2 Professor Walescko 22 de setembro de 2005 Sumário 1 Leis de Newton - Exercícios 1 2 Aplicações das Leis de Newton 5 3 Gabarito 9 1 Leis de Newton - Exercícios 1. (Venusp-SP) Assinale

Leia mais

INSTITUTO GEREMÁRIO DANTAS COMPONENTE CURRICULAR: FÍSICA CIOS DE RECUPERAÇÃO FINAL

INSTITUTO GEREMÁRIO DANTAS COMPONENTE CURRICULAR: FÍSICA CIOS DE RECUPERAÇÃO FINAL INSTITUTO GEREMÁRIO DANTAS Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Fone: (21) 21087900 Rio de Janeiro RJ www.igd.com.br Aluno(a): 1º Ano: C11 Nº Professora: Saionara Chagas Data: / /2016 COMPONENTE

Leia mais

GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

GRAVITAÇÃO UNIVERSAL GAVIAÇÃO UNIVESAL Histórico: Astronomia Uma das ciências mais antigas de que se tem registro. Geocentrismo A erra é o centro do Universo Hiparco ( sec II a.c ) Defensores Cláudio Ptolomeu ( sec II d.c

Leia mais

GRAVIDADE. Representação da curvatura do espaço-tempo em torno de uma massa formando um campo gravitacional

GRAVIDADE. Representação da curvatura do espaço-tempo em torno de uma massa formando um campo gravitacional GRAVIDADE Representação da curvatura do espaço-tempo em torno de uma massa formando um campo gravitacional Porque caiem os objetos? Por causa da causa da gravidade O que é a gravidade? É o que faz com

Leia mais

Parte I ( Questões de Trabalho Mecânico e Energia )

Parte I ( Questões de Trabalho Mecânico e Energia ) Parte I ( Questões de Trabalho Mecânico e Energia ) 1) Uma força horizontal de 20 N arrasta por 5,0 m um peso de 30 N, sobre uma superfície horizontal. Os trabalhos realizados pela força de 20 N e pela

Leia mais

Mecânica da Partícula 2ª lista de exercícios

Mecânica da Partícula 2ª lista de exercícios Mecânica da Partícula 2ª lista de exercícios 1. Um satélite em órbita ao redor da Terra é atraído pelo nosso planeta e, como reação, atrai a Terra. A figura que representa corretamente esse par ação-reação

Leia mais

Princípio de Arquimedes: Empuxo. P r o f. T h i a g o M. d e o l i v e i r a

Princípio de Arquimedes: Empuxo. P r o f. T h i a g o M. d e o l i v e i r a Princípio de Arquimedes: Empuxo P r o f. T h i a g o M. d e o l i v e i r a A história... Contam os livros, que o sábio grego Arquimedes (282-212 AC) descobriu, enquanto tomava banho, que um corpo imerso

Leia mais

Professor: Renam Oliveira

Professor: Renam Oliveira Professor: Renam Oliveira TEXTO: 1 - Comum à questão: 1 Quando precisar use os seguintes valores para as constantes: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. 1,0 cal = 4,2 J = 4,2 10 7 erg. Calor específico

Leia mais

SISTEMA SOLAR: O MOVIMENTO DOS PLANETAS E SATÉLITES

SISTEMA SOLAR: O MOVIMENTO DOS PLANETAS E SATÉLITES SISTEMA SOLAR: O MOVIMENTO DOS PLANETAS E SATÉLITES Mundo antes dos telescópios Terra não era contada como um planeta... Estrelas (6000) S l Lua Mercúrio Vênus Marte Júpiter Saturno Planetas estrelas :

Leia mais

INTRODUÇÃO. Um pouco de História...

INTRODUÇÃO. Um pouco de História... INTRODUÇÃO Um pouco de História... Mundo na Antigüidade Estrelas (6000) Lua Marte Mercúrio Júpiter Vênus Saturno S l Esfera das estrelas fixas Sistema Geocêntrico ( Ptolomeu, séc. II ) Neste sistema, tudo

Leia mais

Modelos do Sistema Solar. Roberto Ortiz EACH/USP

Modelos do Sistema Solar. Roberto Ortiz EACH/USP Modelos do Sistema Solar Roberto Ortiz EACH/USP Grécia antiga (750 a.c. 146 a.c.) Desenvolvimento da Matemática, Geometria, Astronomia, Filosofia, Política, etc. Em sua obra Metafísica, Aristóteles (384

Leia mais

PROFESSOR ALEXANDRE SCHMITZ FÍSICA

PROFESSOR ALEXANDRE SCHMITZ FÍSICA MARATONA PISM I PROFESSOR ALEXANDRE SCHMITZ FÍSICA TÓPICO 1 - MECÂNICA 1.1 CINEMÁTICA CINEMÁTICA ESCALAR VETORIAL MU MUV ANGULAR MCU MU v = CONSTANTE V = Δs Δt s = s 0 + v. t ESCALAR s = s 0 + v 0 t +

Leia mais

LEIS DE NEWTON. - Força é um agente físico capaz de deformar um corpo ou alterar a sua velocidade vetorial ou as duas coisas simultaneamente.

LEIS DE NEWTON. - Força é um agente físico capaz de deformar um corpo ou alterar a sua velocidade vetorial ou as duas coisas simultaneamente. AULA 05 LEIS DE EWTO 1- ITRODUÇÃO o estudo da Dinâmica nos preocuparemos com as causas e com as leis da natureza que explicam os movimentos dos corpos. Este estudo está apoiado em três leis elaboradas

Leia mais

I Curso Introdução à Astronomia Jan A Terra e a Lua. Daniel R. C. Mello. Observatório do Valongo - UFRJ

I Curso Introdução à Astronomia Jan A Terra e a Lua. Daniel R. C. Mello. Observatório do Valongo - UFRJ I Curso Introdução à Astronomia Jan 2017 A Terra e a Lua Daniel R. C. Mello Observatório do Valongo - UFRJ Nesta aula veremos: O sistema Terra-Lua (dimensões e distâncias) Os Movimentos da Terra, da Lua

Leia mais

Questões Conceituais

Questões Conceituais Questões em Sala de Aula Módulo 3 Parte B Questões Conceituais QC.1) Num oscilador harmônico simples, massa-mola, a velocidade do bloco oscilante depende (a) da constante elástica k da mola e da amplitude;

Leia mais

Colégio Santa Cruz - Profª Beth

Colégio Santa Cruz - Profª Beth 1 Andreas Cellarius (1660) 2 3 Aristóteles (sec. IV ac): Tratado Do Céu: Mundo terrestre (sublunar): 4 elementos fundamentais (terra, água, fogo e ar) Não é descrito com a matemática Mundo celeste (supra-lunar):

Leia mais

OS PRIMEIROS MODELOS COSMOLÓGICOS MODERNOS. Anderson Moraes

OS PRIMEIROS MODELOS COSMOLÓGICOS MODERNOS. Anderson Moraes OS PRIMEIROS MODELOS COSMOLÓGICOS MODERNOS Anderson Moraes Modelos Cosmológicos modernos. Einstein De Sitter Lemaitre Friedmam Eddington COSMOLOGIA Cosmologia é o estudo em larga escala do Universo, sua

Leia mais

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 23 FORÇA CENTRÍPETA

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 23 FORÇA CENTRÍPETA FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 23 FORÇA CENTRÍPETA N T P R O A B C T B P Como pode cair no enem? O Brasil pode se transformar no primeiro país das Américas a entrar no seleto grupo das nações que dispõem

Leia mais

Escola Secundária de Casquilhos FQA11 - APSA1 - Unidade 1- Correção

Escola Secundária de Casquilhos FQA11 - APSA1 - Unidade 1- Correção Escola Secundária de Casquilhos FQA11 - APSA1 - Unidade 1- Correção / GRUPO I (Exame 2013-2ª Fase) 1. (B) 2. 3. 3.1. Para que a intensidade média da radiação solar seja 1,3 x 10 3 Wm -2 é necessário que

Leia mais

Exercícios complementares - Física

Exercícios complementares - Física - Física Exercícios Conteúdo Habilidade 1, 2 e 3 Grandezas físicas e unidades de medidas 4 Aceleração média 5 Força resultante 6 Gráficos do M.R.U. e M.R.U.V. 7 Leis de Newton 8, 9 10 e 11 Trabalho e energia

Leia mais

Parte 2 - PF de Física I NOME: DRE Teste 1

Parte 2 - PF de Física I NOME: DRE Teste 1 Parte 2 - PF de Física I - 2017-1 NOME: DRE Teste 1 Nota Q1 Questão 1 - [2,5 ponto] Um astronauta está ligado a uma nave no espaço através de uma corda de 120 m de comprimento, que está completamente estendida

Leia mais

FORÇA E MOVIMENTO Leis de Newton

FORÇA E MOVIMENTO Leis de Newton PROF. OSCAR FORÇA E MOVIMENTO Leis de Newton Qual é o fator responsável pela sensação de perigo para alguém que está no último carro de uma montanha russa? Uma força aceleração. atuando sobre o quilograma

Leia mais

Movimento dos Planetas

Movimento dos Planetas Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Movimento dos Planetas eclipse.txt Rogemar A. Riffel e-mail: rogemar@ufrgs.br http://www.if.ufrgs.br/~rogemar Sala: N101 Livro texto: Astronomia e Astrofísica Kepler

Leia mais

GOIÂNIA, / / ALUNO(a): LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA 3 BI - L1

GOIÂNIA, / / ALUNO(a): LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA 3 BI - L1 GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Fabrízio Gentil Bueno DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 1 o ALUNO(a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA 3 BI - L1 1. Um trabalhador empurra um conjunto

Leia mais

Física. Disciplina: Ciências Naturais Professor: Mário César Castro

Física. Disciplina: Ciências Naturais Professor: Mário César Castro GDF - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO DF SUBSECRETARIA DE SUPORTE EDUCACIONAL DO DF GERÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE PLANALTINA CENTRO DE ENSINO FUNDAMENTAL 02 Física Disciplina: Ciências Naturais Professor:

Leia mais

t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO = 0,1 cm/min . Para as frequências temos: v v 2 f r 2 f r f 1,5 r f r f 1,5 f.

t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO = 0,1 cm/min . Para as frequências temos: v v 2 f r 2 f r f 1,5 r f r f 1,5 f. t ESOLUÇÃO COMECE DO ÁSICO [] Dados: n = 4; t = s. Substituindo esses valores na fórmula dada: 4 (360 ) = 70 /s. [D] Dados: = 3,14 e raio da Terra: T = 6.000 km. O período de rotação da Terra é T = 4 h.

Leia mais

Professora Florence. 1,0 C e q3

Professora Florence. 1,0 C e q3 TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: Dados: Aceleração da gravidade: 10 m/s 3 Densidade do mercúrio: 13,6 g/cm Pressão atmosférica: 5 1,0 10 N/m Constante eletrostática: k 1 4,0 10 N m C 0 0 1. (Ufpe 01) Três

Leia mais

CONTEÚDO: GRAVITAÇÃO UNIVERSAL FÍSICA NO ENEM COM IVÃ

CONTEÚDO: GRAVITAÇÃO UNIVERSAL FÍSICA NO ENEM COM IVÃ O ENEM AO LONGO DOS ANOS CONTEÚDO: GRAVITAÇÃO UNIVERSAL 1) (1998) Se compararmos a idade do planeta Terra, avaliada em quatro e meio bilhões de anos (4,5.10 9 anos), com a de uma pessoa de 45 anos, então,

Leia mais

PROVA DE FÍSICA II. Dado: calor latente de fusão da água = 3,5 x 10 5 J/kg. A) 100 B) 180 D) Zero C) 240 E) 210

PROVA DE FÍSICA II. Dado: calor latente de fusão da água = 3,5 x 10 5 J/kg. A) 100 B) 180 D) Zero C) 240 E) 210 PROVA DE FÍSCA Esta prova tem por finalidade verificar seus conhecimentos das leis que regem a natureza. nterprete as questões do modo mais simples e usual. Não considere complicações adicionais como fatores

Leia mais

PLANTÕES DE JULHO FÍSICA

PLANTÕES DE JULHO FÍSICA Página 1 PLANTÕES DE JULHO FÍSICA Nome: Nº: Série: 1º ANO Prof FÁBIO MAGNO Data: JULHO 2016 1ª Lei de Newton 1) A respeito do conceito da inércia, assinale a frase correta: a) Um ponto material tende a

Leia mais

2 o. TD de Física. (A) A > B e T A = T B. (B) A < B e T A < T B. (C) A = B e T A = T B. (D) A > B e T A > T B. (E) A = B e T A > T B.

2 o. TD de Física. (A) A > B e T A = T B. (B) A < B e T A < T B. (C) A = B e T A = T B. (D) A > B e T A > T B. (E) A = B e T A > T B. 2 o Ensino Médio Turnos: Manhã/Tarde Profs.: Luis Fernando e Rodrigo Romero Data: / /2015 Etapa: 1 a VG Aluno(a): N o.: Turma: 01. O período de uma partícula, em uma trajetória circular, é de 20 s. Nestas

Leia mais

FQA Ficha 9 Exercícios variados

FQA Ficha 9 Exercícios variados ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS FQA Ficha 9 Exercícios variados 11.º Ano Turma A e B 10 novembro 2014 NOME Nº Turma 1. Um grupo de alunos realizou a atividade de laboratório AL-1.4 - Satélite geostacionário

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 3ª Etapa 2012 Disciplina:FÍSICA Ano: 2012 Professor (a):marcos VINICIUS Turma: 1º ano Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 07 DINÂNICA REVISÃO

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 07 DINÂNICA REVISÃO FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 07 DINÂNICA REVISÃO Como pode cair no enem? (UFF) Professores do Instituto de Física da UFF estudam a dinâmica do movimento de placas geológicas que compõem a crosta terrestre,

Leia mais

APRENDER A APRENDER FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Conteúdo: - Forças

APRENDER A APRENDER FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Conteúdo: - Forças A Conteúdo: - Forças A Habilidades: - Caracterizar os diferentes tipos de força na física A Forças A palavra Força possui uma definição intuitiva. Em Física, Força designa um agente capaz de modificar

Leia mais

2.2 Os planetas e as características que os distinguem

2.2 Os planetas e as características que os distinguem Período de rotação O tempo que um planeta demora para realizar uma rotação completa em torno do seu eixo chama-se período de rotação e corresponde a um dia nesse planeta. Mercúrio Vénus Saturno 59 dias

Leia mais

Movimentos da Terra e da Lua e eclipses. Gastão B. Lima Neto IAG/USP

Movimentos da Terra e da Lua e eclipses. Gastão B. Lima Neto IAG/USP Movimentos da Terra e da Lua e eclipses Gastão B. Lima Neto IAG/USP AGA 210 2 semestre/2006 Nascer do Sol Movimento aparente do Sol Movimento aparente dos astros frequência quotidiana. Interpretação? (1)

Leia mais

LISTA UERJ 3 LEIS DE NEWTON

LISTA UERJ 3 LEIS DE NEWTON 1. (Uerj 2008) A figura a seguir representa um sistema composto por uma roldana com eixo fixo e três roldanas móveis, no qual um corpo R é mantido em equilíbrio pela aplicação de uma força F, de uma determinada

Leia mais

Capítulos 4 e 5 Leis de Newton e suas Aplicações

Capítulos 4 e 5 Leis de Newton e suas Aplicações Capítulos 4 e 5 Leis de Newton e suas Aplicações Até agora, cinemática: estudo do movimento sem se preocupar com suas causas O estudo das causas do movimento é a Dinâmica Princípios da Dinâmica foram sintetizados

Leia mais

Lista 8 : Cinemática das Rotações NOME:

Lista 8 : Cinemática das Rotações NOME: Lista 8 : Cinemática das Rotações NOME: Turma: Prof. : Matrícula: Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar. ii. Ler os enunciados com atenção. iii. Responder

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 9 (pág. 92) AD TM TC. Aula 10 (pág. 92) AD TM TC. Aula 11 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 9 (pág. 92) AD TM TC. Aula 10 (pág. 92) AD TM TC. Aula 11 (pág. Física Setor Prof.: Índice-controle de Estudo ula 9 (pág. 9) D TM TC ula 0 (pág. 9) D TM TC ula (pág. 94) D TM TC ula (pág. 95) D TM TC ula 3 (pág. 95) D TM TC ula 4 (pág. 97) D TM TC ula 5 (pág. 98) D

Leia mais

Espaço. 1. Universo. Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes

Espaço. 1. Universo. Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes Espaço 1. Universo Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes Corpos celestes 1.1 Distinguir vários corpos celestes. Estrela Astro

Leia mais

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 17 REVISÃO DE LANÇAMENTO VERTICAL E QUEDA LIVRE

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 17 REVISÃO DE LANÇAMENTO VERTICAL E QUEDA LIVRE FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 17 REVISÃO DE LANÇAMENTO VERTICAL E QUEDA LIVRE Fixação 1) Duas pequenas esferas, uma de ferro, outra de chum-bo, são abandonadas, a partir do mesmo ponto, num mesmo local, onde

Leia mais

2. O gráfico abaixo representa a variação da velocidade de um móvel em função do tempo decorrido de movimento.

2. O gráfico abaixo representa a variação da velocidade de um móvel em função do tempo decorrido de movimento. Revisão ENEM 1. Duas bolas de dimensões desprezíveis se aproximam uma da outra, executando movimentos retilíneos e uniformes (veja a figura). Sabendo-se que as bolas possuem velocidades de 2m/s e 3m/s

Leia mais

Forças I Forças Notáveis

Forças I Forças Notáveis Forças I Forças Notáveis Peso de um corpo 1. a força peso ( P ) é uma força de campo, pois ocorre pela ação a distância entre os corpos. 2. Peso de um corpo é a força de atração gravitacional que a Terra

Leia mais

Dinâmica REVISÃO ENEM INTERAÇÕES E FORÇAS

Dinâmica REVISÃO ENEM INTERAÇÕES E FORÇAS REVISÃO ENEM Dinâmica A Dinâmica é a parte da Mecânica que estuda os movimentos e as causas que os produzem ou os modificam. Duas grandezas são agora apresentadas: a massa e a força. Após os Princípios

Leia mais

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu O que será abordado neste curso: O Caminho até a Teoria da Gravitação de Newton: Parte 1 (4 aulas) Conceitos básicos de Astronomia: Movimento do Sol e dos

Leia mais

Desprezando todo tipo de atrito, se as esferas forem soltas em um mesmo instante, é CORRETO afirmar que:

Desprezando todo tipo de atrito, se as esferas forem soltas em um mesmo instante, é CORRETO afirmar que: 6 GAB. 1 1 o DIA PASES 1 a ETAPA TRIÊNIO 005-007 FÍSICA QUESTÕES DE 11 A 0 11. Três esferas pequenas de massas e raios iguais encontram-se em repouso a uma altura (h) nas extremidades de três trilhos (I,

Leia mais

Problemas com o modelo de Ptolomeu.

Problemas com o modelo de Ptolomeu. Problemas com o modelo de Ptolomeu. - Apesar do seu imenso sucesso, o sistema de Ptolomeu teve que ser adaptado à medida que observações mais precisas eram feitas. - Uma saída comum era adicionar epiciclos

Leia mais

Movimento dos Planetas

Movimento dos Planetas Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Movimento dos Planetas eclipse.txt Rogério Riffel e-mail: riffel@ufrgs.br http://www.if.ufrgs.br/~riffel Sala: N106 Livro texto: Astronomia e Astrofísica Kepler

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 3º Teste sumativo de FQA 14. Dez Versão 1

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 3º Teste sumativo de FQA 14. Dez Versão 1 ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 3º Teste sumativo de FQA 14. Dez. 2015 Versão 1 11º Ano Turma A e B Duração da prova: 90 minutos. Este teste é constituído por 10 páginas e termina na palavra FIM Nome:

Leia mais

Força direção magnitude magnitude

Força direção magnitude magnitude Leis de Newton Sir Isaac Newton 1642 1727 Formulou as leis básicas da mecânica. Descobriu a Lei da Gravitação Universal. Inventou o cálculo Diferencial e Integral. Fez muitas observações sobre luz e óptica.

Leia mais

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu O que será abordado neste curso: O Caminho até a Teoria da Gravitação de Newton: Parte 1 (4 aulas) Conceitos básicos de Astronomia: Movimento do Sol e dos

Leia mais

Módulo 05 - Balança Hidrostática

Módulo 05 - Balança Hidrostática Módulo 05 - Balança Hidrostática No século III a.c., o grande filósofo, matemático e físico Arquimedes, realizando experiências cuidadosas, descobriu uma maneira de calcular o empuxo que atua em corpos

Leia mais

MECÂNICA - CINEMÁTICA

MECÂNICA - CINEMÁTICA MECÂNICA - CINEMÁTICA Cinemática CONCEITOS FUNDAMENTAIS 1. REFERENCIAL É um corpo ou um conjunto de corpos que usamos para estabelecer a posição de outros corpos. MOVIMENTO A posição de um corpo varia,

Leia mais

Escola Secundária de Lagoa Física e Química A 11º Ano Turma A Paula Melo Silva

Escola Secundária de Lagoa Física e Química A 11º Ano Turma A Paula Melo Silva Objeto de ensino 1.2. Da Terra à Lua Escola Secundária de Lagoa Física e Química A 11º Ano Turma A Paula Melo Silva Interações à distância e de contacto; As quatro interações fundamentais na Natureza;

Leia mais

CAPÍTULO 03 O Universo..

CAPÍTULO 03 O Universo.. CAPÍTULO 03 O Universo.. 03/03/2016 6º Ano B Profº Delsomar de Sousa Barbosa Páginas: 34 a 40 Itens 01 a 03. Estrutura Temática Astros do universo. Planetas Satélites Estrelas Distâncias no Espaço. Sistemas,

Leia mais

LISTAGEM DE CONTEÚDOS DE FÍSICA PARA O EXAME 1 ANO / 2012

LISTAGEM DE CONTEÚDOS DE FÍSICA PARA O EXAME 1 ANO / 2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS DE FÍSICA PARA O EXAME 1 ANO / 2012 # Velocidade escalar média # Movimento retilíneo uniforme # Movimento retilíneo uniformemente variado # Movimento de queda livre dos corpos # Movimento

Leia mais