U.P.P.S.S. União dos Pensionistas da Previdência e Segurança Social RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCICIO DE 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "U.P.P.S.S. União dos Pensionistas da Previdência e Segurança Social RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCICIO DE 2014"

Transcrição

1 INTRODUÇÃO RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCICIO DE 2014 Dando cumprimento à alínea b) do nº 1 do Artigo 13º do Decreto-Lei 119/83 de 25 de Fevereiro e á alínea b) do Artigo 31º dos Estatutos, vem a Direcção trazer à apreciação desta Assembleia Geral, o presente Relatório e Contas do exercício findo em 31 de Dezembro de Caracterização da Actividade A, é uma Instituição Particular de Solidariedade social, de apoio aos reformados, pensionistas e idosos das Instituições de Previdência e Segurança, através de centros de dia e apoio domiciliário, prestado aos seus sócios e utentes, sendo uma Associação sem fins lucrativos e com utilidade pública reconhecida por declaração publicada no Diário da República nº 241 III Série de 20 de Outubro de Apreciação Global da Gestão U.P.P.S.S. No exercício de 2014, verificou-se uma mudança nos resultados, essencialmente por via do subsídio concedido pela Câmara Municipal de Lisboa no valor de cem mil euros. Este subsídio foi essencial para que fosse possível apresentar um resultado líquido positivo, neste exercício, mas que em nada vem alterar no rumo desta instituição, pois este subsídio não se poderá repetir nos próximos dois anos, e se não existirem outras formas de financiamento, dificilmente será possível voltar a apresentar resultados positivos. Não se trata de baixar os braços, mas sim a verificação de uma avaliação objetiva e realista, apesar de todos esforços de reduzir ainda mais os custos fixos e variáveis da instituição como voltou a acontecer neste exercício, com a rescisão do contrato com a Uniself, passando a UPPSS a confecionar as refeições, que fez reduzir os custos em cerca de vinte e sete mil euros anuais. Também o acordo com a Segurança, para a Cantina, veio dar mais alguns proveitos à instituição, mas em comparação com os cortes que a mesma Segurança efetuou nas comparticipações dos acordos já existentes, o valor da Cantina não chega a um quinto do valor dos cortes. O sistemático e brutal corte dos subsídios por parte da segurança social, está a condicionar o objetivo e missão desta Instituição, pairando no ar sistematicamente o medo quanto ao futuro da mesma. Em Setembro de 2013, a segurança social, decidiu unilateralmente, reduzir drasticamente o acordo em vigor, passando a contemplar apenas 29 utentes, quando o anterior acordo previa 66, diminuindo as comparticipações de ,42, para 6.263,46 mensais (sujeitos ainda a reposições), sendo que, no exercício de 2013 o valor das comparticipações da segurança social foi de ,72 e no de 2014 foi de ,52 (menos de metade) Lembramos que esta Instituição, não abandonou os seus utentes que ficaram fora do novo acordo a que a segurança social nos obrigou, e continua a apoiar com alimentação e cuidados básicos de higiene, todos os utentes que já apoiava anteriormente, o que agrava ainda mais a situação económica desta Associação. 1

2 O subsídio concedido pela Câmara Municipal, serviu essencialmente para honrar os compromissos assumidos pela UPPSS, para com os funcionários (foi pago o subsidio de natal de 2013, que se encontrava em atraso) e fornecedores (Uniself). Assim, os resultados agora apresentados, (14.803,83 positivo) estão longe de serem animadores, apesar de se mostrarem positivos, não devem ser vistos como uma viragem, até porque foram obtidos através de uma receita extraordinária, não sendo resultado do normal funcionamento da instituição. 3 Disponibilidades de Caixa e Bancos A posição das disponibilidades da U.P.P.S.S em 31 de Dezembro de 2014 era a seguinte: DISPONIBILIDADES CAIXA 518,15 BANCOS Á ORDEM 8.692,23 BANCOS A PRAZO 0,00 TOTAL 9.210,38 4 Evolução do volume de negócios O volume de negócios foi neste ano de 2014, superior ao de 2013, pelas razões já anteriormente divulgadas, mas se retiramos o valor do subsídio da CML, no montante de , verificamos que na realidade, o volume de negócios diminuiu drasticamente. ANO ANO DIFERENÇA , , ,73 PROVEITOS PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS RECEITAS ALAMEDA (AD) , ,65 RECEITAS ALAMEDA (CS) 4.116, RECEITA DE BAR 0,00 20,00 ALMOÇOS NA SALA 928,00 575,29 TOTAL , ,94 2

3 União dos Pensionistas da Previdência e Segurança PROVEITOS SUPLEMENTARES PASSEIO A ALVADOS ,00 ALMOÇO CONVIVIO 0,00 185,00 CEDÊNCIA DE QUIOSQUE 5.014, ,61 CEMUSA 1.081, ,40 DONATIVOS 3.741, ,40 TOTAL 9.837, ,41 SUBSIDIOS À EXPLORAÇÃO SEGURANÇA SOCIAL (AD) , ,72 SEGURANÇA SOCIAL (CS) , CÂMARA LISBOA (FES) , TOTAL , ,72 4 Evolução dos Custos O Volume de custos no ano de 2014, foi inferior em ,73, em relação ao ano de 2013, sendo que a rubrica Fornecimento e Serviços de Terceiros a que mais contribuí-o para a diminuição dos custos. CUSTOS RUBRICAS DIFERENÇA Fornecimento e Serviços Terceiros , ,22 ( ,93 ) Outros Gastos e Perdas 1.792, ,42 493,67 Custos com Pessoal , , ,36 Amortizações do Exercício ,46 (- 502,46 ) Provisões do Exercício Custos e Perdas Financeiras 1.297,63 0, ,63 Custos e Perdas Extraordinárias ,00 (-30,00 ) TOTAIS , ,70 ( ,73 ) 3

4 5 Investimentos no Exercício No ano de 2014, tal como em 2013 e face ás dificuldades apresentadas, não foram efectuados quaisquer investimentos. RUBRICAS 2013 Edifícios 0.00 Equipamento Básico 0.00 Equipamento de Transporte 0,00 Ferramentas 0.00 Equipamento Administrativo 0,00 Total 0,00 6 Factos Relevantes Após o Termo do Exercício Não existem factos relevantes após o termo do exercício. 7 Evolução Previsível da Actividade U.P.P.S.S. No exercício de 2015, só com a obtenção de financiamentos extraordinários, ou com a renegociação dos acordos existentes, será possível apresentar de novo um resultado positivo. 8 Proposta de Aplicação de Resultados O exercício de 2014 foi encerrado com o resultado liquido positivo de ,83. Face ao exposto, a Direcção da U.P.P.S.S União dos Pensionistas da Previdência e Segurança, reunida em 27 de Março de 2014, aprovou as contas do exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 e submete-as á apreciação da Assembleia Geral, nos termos dos Estatutos e propondo para as mesmas a seguinte aplicação: Que o resultado líquido positivo de ,83, seja transferido para a conta de resultados transitados, para fazer face aos prejuízos apresentados em exercícios anteriores. A Direcção Lisboa, 27 de Março de

5 9 Parecer do Conselho Fiscal Em cumprimento do disposto na alínea e) do artigo 34º dos Estatutos, emitimos o nosso parecer sobre o relatório, balanços e demonstrações de resultados, apresentados pela Direcção e pelo gabinete de contabilidade, relativos ao período compreendido entre 1 de Janeiro e 31 de Dezembro de No desempenho das nossas funções, acompanhámos a actividade desenvolvida pela U.P.P.S.S, durante o referido período, sobretudo através da leitura das actas das reuniões de Direcção e dos contactos regulares com os membros deste órgão. Efectuámos também os procedimentos julgados necessários com vista à verificação da boa execução da contabilidade, do cumprimento das disposições aplicáveis em matéria orçamental, contabilística e de tesouraria, não tendo chegado ao nosso conhecimento situações de incumprimento de tais preceitos. Analisámos os documentos de prestação de contas preparados em conformidade com o SNC-ESNL (Balanço, Demonstração dos Resultados, Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados) bem como o Relatório de Gestão apresentados pelo gabinete de contabilidade e aprovados pela Direcção, tendo concluído que os mesmos possibilitam uma adequada compreensão, quer da posição financeira da U.P.P.S.S em 31 de Dezembro de 2014, quer do modo como se desenrolaram as actividades e se formou o resultado do período terminado nesta data. Finalmente, cumpre-nos assinalar o apoio e a colaboração recebidos por parte da Direcção e do gabinete de contabilidade na disponibilização da informação e na prestação dos esclarecimentos considerados necessários ao desempenho das nossas funções de fiscalização. Como consequência do trabalho efectuado, o Conselho Fiscal é de PARECER que; 1. O Relatório de Gestão elaborado pelo gabinete de contabilidade apresentado pela Direcção, referido ao período compreendido entre 1 de Janeiro e 31 de Dezembro de 2014, deve ser aprovado; 2. As Contas elaboradas pelo gabinete de contabilidade e apresentadas pela Direcção, relativas ao mesmo período, com o resultado liquido positivo de ,83 (Catorze mil, oitocentos e três euros e oitenta e três cêntimos) devem ser aprovadas. 3. Que o resultado líquido positivo de ,83, seja transferido para a conta de resultados transitados, para fazer face aos prejuízos apresentados em exercícios anteriores. O Conselho Fiscal Lisboa, 27 de Março de

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A.

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BALANÇO INDIVIDUAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E 2000 2001 ACTIVO Notas Activo Amortizações Activo 2000 Bruto e Provisões líquido 1. Caixa e disponibilidades

Leia mais

3. BASES DE APRESENTAÇÃO E PRINCIPAIS CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS

3. BASES DE APRESENTAÇÃO E PRINCIPAIS CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS NOTA INTRODUTÓRIA A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Ermesinde (Instituição de Utilidade Pública), também denominada Bombeiros Voluntários de Ermesinde tem como objectivo principal manter

Leia mais

CONTAS INDIVIDUAIS 2015

CONTAS INDIVIDUAIS 2015 CONTAS INDIVIDUAIS 2015 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 3 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: Identificação da Declaração: Data da recepção: 30/07/2013 1. Identificação da Nome: FUNDAÇÃO MANUEL FRANCISCO CLERIGO Morada: R MANUEL FRANCISCO CLERIGO

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2014 Identificação da Declaração: Data da recepção: 29/06/2015 1. Identificação da Instituição Nome: CENTRO DE APOIO SOCIAL DO NADADOURO Morada: R DA AVÉ

Leia mais

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros)

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros) ASSOCIAÇÃO PARA O ESTUDO E INTEGRAÇÃO PSICOSSOCIAL CONTAS INDIVIDUAIS 2015 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: Identificação da Declaração: Data da recepção: 13/04/2016 1. Identificação da Nome: SANTA CASA DA MISERICORDIA DE PORTO DE MOS Morada: R FRANCISCO SERRA

Leia mais

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Relatório de Contas de 2015 Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A 2765-266 Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril 2765-266 Estoril

Leia mais

CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA

CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2015 Balanço CURPI SÃO JOÃO DA TALHA BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 RUBRICAS

Leia mais

PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS

PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS ENTREGUE PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS NÚCLEO DE ORÇAMENTO DAS ANO DE 2015 E CONTAS DE IPSS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DENOMINAÇÃO: CENTRO DE BEM ESTAR SOCIAL DE SEIXAS

Leia mais

BALANÇO (em 31 de Dezembro de 2015)

BALANÇO (em 31 de Dezembro de 2015) RUBRICAS BALANÇO (em 31 de Dezembro de 2015) NOTAS Demonstrações Financeiras Montantes expressos em EURO PERÍODOS 2015 2014 ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 4 236.628,46 246.515,69

Leia mais

4. Para efeitos de consolidação de contas, é política do Grupo utilizar, entre outras, as seguintes taxas para cômputo das amortizações anuais:

4. Para efeitos de consolidação de contas, é política do Grupo utilizar, entre outras, as seguintes taxas para cômputo das amortizações anuais: LEC110 CONTABILIDADE II CAPÍTULO IV CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS EXERCÍCIO 1 DADOS 1. A EMPRESA A é uma unidade industrial transformadora que, sem qualquer outra participação de capital, constituiu há vários

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: Identificação da Declaração: Data da recepção: 25/06/2015 1. Identificação da Nome: FUNDAÇÃO MARIA LUISA RUAS Morada: GESTEIRA C. Postal: 3130-062 Localidade:

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 ENTIDADE: ART - Associação Regional de Turismo dos Açores SEDE: Angra do Heroísmo N.º DE

Leia mais

7. RELATÓRIOS, PARECERES E DECLARAÇÃO EM CONFORMIDADE DO CONSELHO FISCAL RELATÓRIO E PARECER DO CONSELHO FISCAL SOBRE O MG - AM E A CEMG

7. RELATÓRIOS, PARECERES E DECLARAÇÃO EM CONFORMIDADE DO CONSELHO FISCAL RELATÓRIO E PARECER DO CONSELHO FISCAL SOBRE O MG - AM E A CEMG 7. RELATÓRIOS, PARECERES E DECLARAÇÃO EM CONFORMIDADE DO CONSELHO FISCAL RELATÓRIO E PARECER DO CONSELHO FISCAL SOBRE O MG - AM E A CEMG Exmos. Senhores Associados: No cumprimento das competências definidas

Leia mais

(R ) 1 FREGUESIA DE FAZENDAS DE ALMEIRIM ACTA NÚMERO NOVENTA E NOVE DE DOIS MIL E NOVE

(R ) 1 FREGUESIA DE FAZENDAS DE ALMEIRIM ACTA NÚMERO NOVENTA E NOVE DE DOIS MIL E NOVE (R.2009.12.11) 1 FREGUESIA DE FAZENDAS DE ALMEIRIM --------ACTA NÚMERO NOVENTA E NOVE DE DOIS MIL E NOVE--------- --------Aos onze dias do mês de Novembro do ano de dois mil e nove, pelas dezanove horas,

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO FINANCEIRA COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2012 Identificação da Declaração: Data da recepção: 27/06/2014 1. Identificação da Instituição Nome: CRECHE HELENA ALBUQUERQUE

Leia mais

ii. Fundo de Acidentes de Trabalho

ii. Fundo de Acidentes de Trabalho ii. Fundo de Acidentes de Trabalho Actividade Desenvolvida A actividade do FAT durante o ano 2007 centrou-se na análise e manutenção dos processos de indemnizações devidas por acidente de trabalho, de

Leia mais

O Instituto do Desporto de Portugal, I.P. (IDP, I.P.) é um Instituto Público dotado de

O Instituto do Desporto de Portugal, I.P. (IDP, I.P.) é um Instituto Público dotado de Conta de Gerência de 2010 RELATÓRIO DE GESTÃO 01-01-2010 A 31-12-2010 1. INTRODUÇÃO O Instituto do Desporto de Portugal, I.P. (IDP, I.P.) é um Instituto Público dotado de personalidade jurídica, autonomia

Leia mais

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE (Montantes expressos em euros) ÍNDICE Páginas 1. Nota introdutória 2 2. Referencial contabilístico de preparação nas demonstrações financeiras 2 3. Principais políticas contabilísticas 2 4. Políticas contabilísticas,

Leia mais

PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G1)

PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G1) PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G1) A duração desta prova é de 30 minutos MATERIAL O material desta prova é constituído por este caderno de questões e pela folha de respostas para

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço BALANÇO DOS EXERCÍCIOS 2014 E 2013 ACTIVO Notas Activo Bruto Amortizações / Provisões Activo Líquido Activo Líquido IMOBILIZADO: Imobilizações incorpóreas: Despesas de instalação

Leia mais

Análise Económica e Financeira

Análise Económica e Financeira A n á l i s e e c o n ó m i Análise Económica e Financeira c a e f i n a n c e i r a Relatório e Contas 2012 Página 90 Síntese de resultados Página 91 Evolução da conta de exploração As demonstrações financeiras

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO INTRODUÇÃO

RELATÓRIO DE GESTÃO INTRODUÇÃO RELATÓRIO DE GESTÃO INTRODUÇÃO Os factos contabilísticos gerados ao longo do Ano de 2007, na base das directrizes da gestão da Fundação Serrão Martins, foram registados na sua contabilidade de acordo com

Leia mais

Execução Orçamental. Receita

Execução Orçamental. Receita Relatório de Gestão No presente relatório, elaborado em conformidade com o estabelecido no ponto 13 do POCAL Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais, visa-se de forma precisa, clara e sintética

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2013

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2013 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 213 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Fundação Comendador Joaquim de Sá Couto 1.2 Sede: Rua do Hospital, 7 4535 São

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e oito do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e nove do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público

Leia mais

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Nazaré RELATÓRIO E CONTAS

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Nazaré RELATÓRIO E CONTAS Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Nazaré RELATÓRIO E CONTAS 2013 Mensagem da Direcção A Direcção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Nazaré tem, com espírito de missão,

Leia mais

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ESTGV-IPV O Fluxo de Caixa para a Análise Financeira A análise baseada nos fluxos visa ultrapassar limitações da análise tradicional. A necessidade deste

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= ASSOCIAÇÃO DE JUDO DO DISTRITO DO PORTO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= ASSOCIAÇÃO DE JUDO DO DISTRITO DO PORTO BALANÇO EM 31/12/2015 Rubricas NOTAS DATAS 31-12-2015 31-12-2014 Activo

Leia mais

RECEITAS QUOTIZAÇÕES , ,80

RECEITAS QUOTIZAÇÕES , ,80 APM - Custos e Proveitos - Exercício de 2007 QUOTAS RECEITAS QUOTIZAÇÕES 123.798,80 123.798,80 SUBSÍDIOS CENTRO DE FORMAÇÃO 19.413,99 ENCONTRO NACIONAL PROFMAT/2007 50.450,00 GRUPO DE TRABALHO T3 38.132,00

Leia mais

Relatório e Contas. Referente. Ao exercício económico De

Relatório e Contas. Referente. Ao exercício económico De Relatório e Contas Referente Ao exercício económico De 2015 1 1 Demonstração Resultados 2 - Demonstração Resultados por Valências 3 Balanço 4 Demonstração Fluxos Caixa 5 Anexo ao Balanço 2 DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

ODONTOPREV S.A. Senhores Acionistas,

ODONTOPREV S.A. Senhores Acionistas, ODONTOPREV S.A. Proposta de Destinação do Lucro Líquido do Exercício - Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária a ser realizada em 25/03/2010 (art. 9º da Instrução CVM 481/2009) Senhores Acionistas,

Leia mais

SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES

SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES Anexo à Instrução nº 20/96 SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL

Leia mais

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA. Mestrado em Finanças Empresariais ESTGV-IPV

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA. Mestrado em Finanças Empresariais ESTGV-IPV ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ESTGV-IPV Mestrado em Finanças Empresariais 1. O Fluxo de Caixa para a Análise Financeira A análise baseada nos fluxos visa ultrapassar algumas das limitações

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS DE 2009

RELATÓRIO E CONTAS DE 2009 RELATÓRIO E CONTAS DE 2009 1 1 RELATÓRIO A Indústria da Fileira Floresta Portuguesa tomou a decisão de no final de 2008 criar a AIFF, entidade que corporiza a criação do Pólo de representatividade da Indústria

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS

RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS Introdução 1. A contabilidade do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados encontra-se organizada de acordo com o POC, adaptado à especificidade da Ordem dos Advogados, e respeitando as orientações

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE NATAÇÃO DA MADEIRA

ASSOCIAÇÃO DE NATAÇÃO DA MADEIRA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1 Designação da entidade: Associação de Natação da Madeira; 1.2 Sede: Complexo de Natação Desportiva do Funchal, 9050-021 Funchal; 1.3 NIPC: 511205350; 1.4 Natureza da atividade:

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES 5368 Diário da República, 1.ª série N.º 204 22 de outubro de 2014 Polo de captação de Faias REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Assembleia Legislativa Resolução da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade CASFIG Coordenação de Âmbito Social

Leia mais

TRIBUNAL ADMINISTRATIVO

TRIBUNAL ADMINISTRATIVO REPUBLICA DE MOÇAMBIQUE Public Disclosure Authorized TRIBUNAL ADMINISTRATIVO CONTADORIA DE CONTAS E AUDITORIAS Public Disclosure Authorized RELATÓRIO DE AUDITORIA FINANCEIRA Realizada ao Projecto Agricultural

Leia mais

Demonstrações Financeiras Individuais Exercício 2015

Demonstrações Financeiras Individuais Exercício 2015 Exercício 2015 Monteiro & Guimarães, Lda Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 4 Demonstração dos Resultados Individuais em 5 Anexo 1. Nota introdutória...

Leia mais

A CONTA GERAL DO ESTADO

A CONTA GERAL DO ESTADO Seminario sobre Responsabilização Financeira e Prestação de Contas Ministerio de Finanças e Cooperação Internacional(MFCI) S.Tomé, 28 à 30 de Maio 2012 A CONTA GERAL DO ESTADO Prestação de Contas Aprovação

Leia mais

II Demonstrações Financeiras

II Demonstrações Financeiras R ELATÓRIO E CONTA DE GERÊNCIA II Demonstrações Financeiras R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 1 1 índice Índice (numeração conforme a indicação no POCAL) índice... 1 5 - Balanço...

Leia mais

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2012/2013 1º Semestre Contabilidade Financeira - Turmas A e B

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2012/2013 1º Semestre Contabilidade Financeira - Turmas A e B Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2012/2013 1º Semestre Contabilidade Financeira - Turmas A e B 20 Outubro de 2012 Duração da prova: 90 minutos 1º TESTE INTERMÉDIO Atenção

Leia mais

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras 1 NOTA JUSTIFICATIVA O Município de Chaves entende como sendo de interesse

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS. Decreto-lei n.º 147/95 de 21 de Junho

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS. Decreto-lei n.º 147/95 de 21 de Junho MINISTÉRIO DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS Decreto-lei n.º 147/95 de 21 de Junho A empresarialização dos sistemas multimunicipais e municipais de captação, tratamento e distribuição de água para consumo

Leia mais

Relatório de Gestão Ano de 2011

Relatório de Gestão Ano de 2011 Relatório de Gestão Ano de 2011 Página 1 / 10 Nota Introdutória O relatório de gestão enquadra-se no âmbito da prestação de contas relativa ao exercício de 2011 e foi elaborado de acordo com os procedimentos

Leia mais

Índice 1 Identificação da Entidade 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demostrações Financeiras 3 Principais Politicas Contabilísticas 4 Políticas contabilísticas, alterações nas estimativas

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ESCLEROSE MÚLTIPLA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= BALANÇO EM 31/12/2015 BALANÇO EM 31/12/2015 Rubricas NOTAS DATAS Activo 31-12-2015 31-12-2014 Activo não

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados. (Ponto 8.2. do POCAL)

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados. (Ponto 8.2. do POCAL) Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados (Ponto 8.2. do POCAL) 1. O Balanço e a Demonstração de Resultados foram elaborados de acordo com os Princípios Contabilísticos definidos no Plano Oficial

Leia mais

N.º SM 14416/2016 Sintra,28-03-2016 10:18:21 Assunto: PRESTAÇÃO DE CONTAS DA EDUCA (SOCIEDADE EM LIQUIDAÇÃO) REFERENTE AO EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2015. Informação Proposta n.º SM 14416 Sintra, 28-03-2016

Leia mais

PROJECTO DE NORMA EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA

PROJECTO DE NORMA EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA PROJECTO DE NORMA EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA Com a entrada em vigor do novo Plano de Contas para as Empresas de Seguros são alteradas algumas políticas e critérios contabilísticos

Leia mais

IDN - Incubadora de Empresas de Idanha-a-Nova

IDN - Incubadora de Empresas de Idanha-a-Nova IDN - Incubadora de Empresas de Idanha-a-Nova Formulário de Candidatura N.º de Processo Data de Entrada Denominação Social Pessoa a contactar Nome: Função: Telefone Fax Ass: IDENTIFICAÇÃO DO PROMOTOR/EMPRESA

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS APAE MORADA NOVA DE MINAS/MG

ASSOCIAÇÃO DOS PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS APAE MORADA NOVA DE MINAS/MG DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCICIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 31 DE DEZEMBRO DE 2007. Balanço Patrimonial Demonstração do Resultado do Exercício Demonstração das mutações do patrimônio líquido

Leia mais

Fundamentos de Gestão

Fundamentos de Gestão Fundamentos de Gestão Gestão Financeira e Contabilidade LCI FEUP/FLUP 2009/10 Rui Padrão Gestão Financeira Tipos de Organizações: Sem fins lucrativos: associações, serviços públicos, fundações, Com fins

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= FUNDAÇÃO PADRE LUIS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= BALANÇO EM 31/12/2015 BALANÇO EM 31/12/2015 Rubricas Ativo NOTAS DATAS 31-12-2015 31-12-2014 Ativo não corrente Ativos fixos tangíveis

Leia mais

Relatório de Gestão e Contas 31 de Dezembro de 2015

Relatório de Gestão e Contas 31 de Dezembro de 2015 Relatório de Gestão e Contas -2- SCM Sernancelhe Relatório & Contas Relatório & Contas Índice Relatório de Gestão...4 Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual

Leia mais

ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE SANTA MARINHA DO ZÊZERE (FUNDADA EM 20 DE OUTUBRO DE 1988) APARTADO 11 4640 SANTA MARINHA DO

ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE SANTA MARINHA DO ZÊZERE (FUNDADA EM 20 DE OUTUBRO DE 1988) APARTADO 11 4640 SANTA MARINHA DO ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE SANTA MARINHA DO ZÊZERE (FUNDADA EM 20 DE OUTUBRO DE 1988) APARTADO 11 4640 SANTA MARINHA DO ZÊZERE RELATÓRIO E CONTAS No cumprimento das disposições

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2011 CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2011 2 ÍNDICE (a numeração está conforme a indicada no POCAL) MAPAS LEGAIS Pág. 5 Balanço... 5 6 Demonstração de Resultados...

Leia mais

271 Acréscimos de proveitos , , , Custos diferidos... 0,00 0,00 0,00

271 Acréscimos de proveitos , , , Custos diferidos... 0,00 0,00 0,00 Balanço (Redacção dada pelo Dec.-Lei n.º 238/91, de 2 de Julho) Códigos das Contas E x e r c í c i o s CEE PO C Activo 2008 2007 C Imobilizado: I Imobilizações incorpóreas: AB AP AL AL 1 432 Desp. de investig.

Leia mais

I - Total do saldo da gerência na posse do serviço ,13

I - Total do saldo da gerência na posse do serviço ,13 Saldo da gerência anterior (*): Dotações orçamentais 4.983.387,27 Estado Receitas Gerais 4.446.911,41 Funcionamento 313 P13 - Estado-Saldos de RG não afectas a projectos cofin-medida 16 77.461,25 313 P13

Leia mais

ITG 1000 PME s Giovana Garcia

ITG 1000 PME s Giovana Garcia ITG 1000 PME s Giovana Garcia Você bem preparado para o futuro da profissão. 1 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. X RESOLUÇÃO CFC

Leia mais

O R Ç A M E N T O E P L A N O D E A C Ç Ã O P A R A O A N O D E INTRODUÇÃO Competindo, nos termos da alínea a) do n.º 2, do artigo 17º da L

O R Ç A M E N T O E P L A N O D E A C Ç Ã O P A R A O A N O D E INTRODUÇÃO Competindo, nos termos da alínea a) do n.º 2, do artigo 17º da L 20 09 Orçamento da Receita e Despesa O R Ç A M E N T O E P L A N O D E A C Ç Ã O P A R A O A N O D E 2 0 0 9 1. INTRODUÇÃO Competindo, nos termos da alínea a) do n.º 2, do artigo 17º da Lei n.º 5-A/2002

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO 1º SEMESTRE DE 2014

RELATÓRIO DE DESEMPENHO 1º SEMESTRE DE 2014 Relatório de Desempenho Controlo de Gestão Junho de 2014. Conteúdo 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 Principais Indicadores... 3 2. DESEMPENHO ECONÓMICO... 4 Comparação com o planeado... 4 Evolução face ao ano

Leia mais

Centro Social Paroquial de São Nicolau

Centro Social Paroquial de São Nicolau Centro Social Paroquial de São Nicolau Anexo às Demonstrações Financeiras de 2015 1. Caracterização da entidade O Centro Social Paroquial de São Nicolau foi constituído em 1993 e tem a sua sede social

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO. Introdução

RELATÓRIO DE GESTÃO. Introdução RELATÓRIO DE GESTÃO Introdução O relatório de gestão enquadra-se no âmbito da prestação de contas relativa ao exercício de 2010 e foi elaborado de acordo com os procedimentos estabelecidos no Plano Oficial

Leia mais

PARTE PRÁTICA (13 valores)

PARTE PRÁTICA (13 valores) PARTE PRÁTICA (13 valores) 1 - A empresa Mãe, SA, detém 80% do Capital da empresa Filha, SA, participação esta que foi adquirida, em N, por 340.000 Euros. Em 31 de Dezembro de N, as empresas do Grupo apresentavam

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE MANTEIGAS E O CENTRO CULTURAL E DESPORTIVO DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE MANTEIGAS

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE MANTEIGAS E O CENTRO CULTURAL E DESPORTIVO DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE MANTEIGAS PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE MANTEIGAS E O CENTRO CULTURAL E DESPORTIVO DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE MANTEIGAS Considerando que: a) nos termos do disposto no artigo 23º da

Leia mais

Relatório de Gestão Ano de 2015

Relatório de Gestão Ano de 2015 Relatório de Gestão Ano de 2015 Página 1 de 13 Índice Índice... 2 Capítulo I... 3 1. Introdução... 3 1.1. Sistema Contabilístico... 3 1.2. O Relatório de Gestão... 3 2. Dados Estatísticos da Freguesia...

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2296 Diário da República, 1.ª série N.º 88 7 de maio de 2015 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Resolução da Assembleia da República n.º 47/2015 Primeiro orçamento suplementar da Assembleia da República para 2015

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS ANEXOS DOCUMENTAIS

PRESTAÇÃO DE CONTAS ANEXOS DOCUMENTAIS PRESTAÇÃO DE CONTAS ANEXOS DOCUMENTAIS ANEXOS DA EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 3 Mapa Controlo Orçamental da Despesa por Classificação Económica 4 Mapa Controlo Orçamental da Despesa por Classificação Orgânica 6

Leia mais

BALANÇO DO ANO DE 2014

BALANÇO DO ANO DE 2014 BALANÇO DO ANO DE 214 ACTIVO--------------------------------------------1.739.223 Activo não corrente ------------------------------ 1.447.599 Activos fixos tangíveis Activos fixos tangíveis é o termo

Leia mais

Relatório Econômico 2015

Relatório Econômico 2015 Índice 2 Relatório de Auditoria... 4 Balanço... 8 Demonstração de Resultados... 12 Receitas e Despesas Reconhecidas e Demonstrações... 16 Demonstração de Fluxos de Caixa... 20 Índice 3 1 Relatório de Auditoria

Leia mais

REUNIÃO ORDINÁRIA DA DIRECÇÃO DO CENTRO SOCIAL DE TOLOSA

REUNIÃO ORDINÁRIA DA DIRECÇÃO DO CENTRO SOCIAL DE TOLOSA REUNIÃO ORDINÁRIA DA DIRECÇÃO DO 10/Julho/2015 ACTA N.º07/2015 Aos dez dias do mês de Maio de dois mil e quinze, pelas quinze horas, na Sede do Centro Social de Tolosa, teve lugar a Reunião Ordinária da

Leia mais

Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais Minas Gerais - APIMEC - MG

Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais Minas Gerais - APIMEC - MG Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais Minas Gerais - APIMEC - MG Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2004 e de 2003

Leia mais

ENQUADRAMENTO FISCAL DOS PAGAMENTOS EFECTUADOS AOS JUÍZES

ENQUADRAMENTO FISCAL DOS PAGAMENTOS EFECTUADOS AOS JUÍZES COMUNICADO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM COMUNICADO Nº 12 ÉPOCA: 2012/2013 DATA: 25/09/2012 Para conhecimento geral, a seguir se informa: ENQUADRAMENTO FISCAL DOS PAGAMENTOS EFECTUADOS AOS JUÍZES BOLSAS DE

Leia mais

CÂMARA MU ICIPAL COVILHÃ

CÂMARA MU ICIPAL COVILHÃ CÂMARA MU ICIPAL DA COVILHÃ TEXTO DEFINITIVO DA ACTA Nº 18/07 Da reunião extraordinária realizada no dia 27 de Novembro de 2007, iniciada às 09:10 horas e concluída às 09:30 horas. Sumário: Abertura Aprovação

Leia mais

Fisco clarifica alterações a várias declarações fiscais

Fisco clarifica alterações a várias declarações fiscais 03-02-12 - Fisco clarifica alterações a várias declarações fiscais Na sequência das alterações introduzidas ao Código do IRS pela Lei do Orçamento do Estado para 2011, e pela Lei que aprovou a sobretaxa

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO. Introdução

RELATÓRIO DE GESTÃO. Introdução RELATÓRIO DE GESTÃO Introdução O relatório de gestão enquadra-se no âmbito da prestação de contas relativa ao exercício de 2010 e foi elaborado de acordo com os procedimentos estabelecidos no Plano Oficial

Leia mais

Prestando Contas. Filiado à FASUBRA PRESTANDO CONTAS SINTUFES - BALANÇO PATRIMONIAL

Prestando Contas. Filiado à FASUBRA PRESTANDO CONTAS SINTUFES - BALANÇO PATRIMONIAL Prestando Contas JORNAL DO SINTUFES www.sintufes.org.br 1 INFORMATIVO ESPECIAL DO SINDICATO DOS TRABALHADORES NA UFES BALANÇO PATRIMONIAL 2014 - EDIÇÃO Nº 161 - MARÇO/ABRIL 2015 SINTUFES Filiado à FASUBRA

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PONTE DE SOR CADERNO DE ENCARGOS AJUSTE DIRETO

CÂMARA MUNICIPAL DE PONTE DE SOR CADERNO DE ENCARGOS AJUSTE DIRETO CÂMARA MUNICIPAL DE PONTE DE SOR CADERNO DE ENCARGOS AJUSTE DIRETO Fornecimento do Serviço de Catering e Aluguer de Tenda para o Almoço dos Idosos do Concelho de Ponte de Sor ÍNDICE PARTE I CLÁUSULAS JURÍDICAS...

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Nos termos do disposto no Artigo 242.º do Decreto-Lei n.º 94-B/98, de 17 de Abril, compete ao Instituto de Seguros de Portugal

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Aldeia Galega da Merceana

Santa Casa da Misericórdia de Aldeia Galega da Merceana Santa Casa da Misericórdia de Aldeia Galega da Merceana Relatório de Gestão 05 Introdução Nos dias de hoje, qualquer Instituição ou Entidade tem como dever a apresentação de contas, sendo esta apresentação

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS

PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS CAPÍTULO I GENERALIDADES ARTIGO 1º (DEFINIÇÕES ) O presente Regulamento, disciplina a concessão de apoios a prestar, pelas

Leia mais

NORMA REGULAMENTAR N.º 6/2007-R, DE 27 DE ABRIL EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA

NORMA REGULAMENTAR N.º 6/2007-R, DE 27 DE ABRIL EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA NORMA REGULAMENTAR N.º 6/2007-R, DE 27 DE ABRIL EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA Com a entrada em vigor do novo Plano de Contas para as Empresas de Seguros são alteradas algumas

Leia mais

Circular das finanças com esclarecimentos relativos à Sobretaxa extraordinária IRS 2011

Circular das finanças com esclarecimentos relativos à Sobretaxa extraordinária IRS 2011 Circular das finanças com esclarecimentos relativos à Sobretaxa extraordinária IRS 2011 As Finanças estão a dar destaque à sua recente circular nº23/2011 de 3 de Outubro relativa à Sobretaxa extraordinária

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2015

RELATÓRIO DE GESTÃO 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO 2015 ÍNDICE 1. Nota Introdutória... 3 2. Relatório... 4 3. Receitas... 4 4. Receitas Próprias... 6 5. Transferências... 6 6. Despesas... 8 7. Encargos de Funcionamento... 9 8. Rácios

Leia mais

Trata-se de uma situação excecional para vigorar apenas no ano em curso.

Trata-se de uma situação excecional para vigorar apenas no ano em curso. PL 157/2013 Exposição de Motivos Na sequência da decisão do Tribunal Constitucional sobre o Orçamento do Estado do ano de 2012, a Lei do Orçamento do Estado para 2013 estabeleceu que um dos subsídios anteriormente

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Águeda. Índice CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS PARA 2017

Santa Casa da Misericórdia de Águeda. Índice CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS PARA 2017 CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS PARA 2017 Índice Assuntos Pág. 1 Demonstração de Resultados Previsionais para 2017 2 2 Investimentos 2 3 Memória justificativa 4 3.1 Custos

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO PARA AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE (IAS/IFRS)

TRANSPOSIÇÃO PARA AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE (IAS/IFRS) Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua dos Remolares, nº 14, 1200-371 Lisboa Portugal Capital Social 5.000.000 NIPC 500 255 342 Matrícula de Registo Comercial de Lisboa nº 5489 FACTO

Leia mais

Ex. m.ºs Senhores Subdirectores- Gerais Directores de Serviços Directores de Finanças Representantes da Fazenda Pública. Assunto:

Ex. m.ºs Senhores Subdirectores- Gerais Directores de Serviços Directores de Finanças Representantes da Fazenda Pública. Assunto: Classificação: 000.01.09 DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS Ofício n.º: Processo: Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): Sua Ref.ª: Técnico: João Sousa Cód.

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTAS DE 2010

RELATÓRIO DE CONTAS DE 2010 Resumo Antes de discriminar em pormenor as várias rubricas deste mapa, saliente-se a diferença positiva entre os valores activos e passivos, como se pode constatar dos valores abaixo discriminados: ACTIVO

Leia mais

Contabilidade Financeira aos Sabados

Contabilidade Financeira aos Sabados Contabilidade Financeira aos Sabados 1 Com: 2 Técnico de Conta nº 3211 3 Modulo I Contabilidade Geral História e Noção O Património A Conta Demostrações Financeiras 4 Aula nº 3 A CONTA 5 Sumário: A Conta

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS Sistemas de Informação Contabilística e Financeira Documentação avulsa de apoio 2007/2008 Contabilidade O que é? Ciência? Técnica? Instrumento? uma boa solução, como sistema

Leia mais

ASSOCIAÇÃO HELPO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31-12-2015

ASSOCIAÇÃO HELPO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31-12-2015 ASSOCIAÇÃO HELPO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31-12-2015 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA DEMONSTRAÇÃO DAS ALTERAÇÕES NOS FUNDOS PATRIMONIAIS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 04 /2001-2ªSecção

RESOLUÇÃO Nº 04 /2001-2ªSecção RESOLUÇÃO Nº 04 /2001-2ªSecção INSTRUÇÕES Nº 01/2001 2ª S INSTRUÇÕES PARA A ORGANIZAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO DAS CONTAS DAS AUTARQUIAS LOCAIS E ENTIDADES EQUIPARADAS, ABRANGIDAS PELO PLANO OFICIAL DE CONTABILIDADE

Leia mais

RESUMO DA ATA Nº 27/2016 REUNIÃO ORDINÁRIA DE 07 DE NOVEMBRO DE 2016

RESUMO DA ATA Nº 27/2016 REUNIÃO ORDINÁRIA DE 07 DE NOVEMBRO DE 2016 RESUMO DA ATA Nº 27/2016 REUNIÃO ORDINÁRIA DE 07 DE NOVEMBRO DE 2016 ------ Em cumprimento do disposto nos n.ºs. 1 e 2, do art.º 56.º, do anexo I, da Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, que estabelece

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE A L B U F E I R A

CÂMARA MUNICIPAL DE A L B U F E I R A CÂMARA MUNICIPAL DE A L B U F E I R A REGULAMENTO DO PROCESSO DE FISCALIZAÇÃO DE OBRAS PARTICULARES 0 Preâmbulo O Decreto Lei nº 445/91, de 20 de Novembro, prevê, no seu artigo 24º, a criação em cada Município,

Leia mais