WORKING PAPERS IN APPLIED ECONOMICS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "WORKING PAPERS IN APPLIED ECONOMICS"

Transcrição

1 Unversdade Federal de Vçosa Departamento de Economa Rural WORKING PAPERS IN APPLIED ECONOMICS Efetos redstrbutvos e determnantes de recebmento do ICMS Ecológco pelos muncípos mneros Lucany L. Fernandes, Alexandre B. Coelho, Elane A. Fernandes e João Eustáquo de Lma WP - 07/2009 Vçosa, Mnas Geras Brazl 1

2 Efetos redstrbutvos e determnantes de recebmento do ICMS Ecológco pelos muncípos mneros Resumo Lucany Lma Fernandes 1 Alexandre Bragança Coelho 2 Elane Aparecda Fernandes 3 João Eustáquo de Lma 4 O ICMS Ecológco fo um nstrumento novador crado no Estado do Paraná em Em Mnas Geras, ele fo crado em 1995 por meo da Le Robn Hood, com o objetvo de compensar e ncentvar os muncípos que possuíam Undades de Conservação ou aqueles que possuem sstemas de dsposção e tratamento de lxos e esgotos santáros, destnando a eles 1% dos recursos do ICMS. No sentdo de verfcar o mpacto deste nstrumento, esse artgo teve como objetvo analsar a mudança na dstrbução do ICMS aos muncípos mneros pela ntrodução do crtéro ecológco. Procurou-se também avalar os determnantes da probabldade de os muncípos receberem o ICMS Ecológco. Os resultados obtdos mostram que este recurso como mecansmo de dstrbução benefca apenas poucos muncípos, prncpalmente os menores e com baxo nível de renda, e prejudca a maora. Já a sua probabldade de recebmento vara postvamente com a área dos muncípos e o ICMS recebdo através do crtéro valor adconado. A mesorregão a qual o muncípo pertence também é mportante na probabldade de recebmento deste recurso. Palavras-Chaves: ICMS Ecológco, Mnas Geras, Modelo Logt, Dstrbução. Abstract The ecologcal ICMS was frst used to dstrbute a share of the ICMS revenue n the state of Parana n In the Mnas Geras State, the Ecologcal ICMS was mplemented n 1995 wth the Robn Hood Law. The objectve of ths study was to evaluate the change n the ICMS dstrbuton n Mnas Geras caused by the ntroducton of the ecologcal crteron. Results showed that the dstrbutonal effects were small manly due to the small percentage allocated to countes, beneftng manly poor and small countes and harmng most countes. A logt model was estmated to check the determnants of countes on recevng the Ecologcal ICMS. Results showed that countes area and the ICMS amount receved by the value-added crteron had postve effect on the recevng probablty. Regonal varables were also mportant. Keywords: Ecologcal ICMS, Mnas Geras, Logt Model, Dstrbuton 1. Introdução O Imposto sobre Crculação de Mercadoras e Servços (ICMS) é um mposto estadual sobre o valor adconado de bens e servços. A Consttução de 1988 determnou que 25% das recetas do ICMS deveram ser transferdas dos estados para os muncípos que os compõem. 1 Mestre em Economa Aplcada pela Unversdade Federal de Vçosa. E-mal: 2 Professor da Unversdade Federal de Vçosa. E-mal: 3 Professora da Unversdade Federal de Vçosa. E-mal: 4 Professor ttular do departamento de economa rural da Unversdade Federal de Vçosa. E-mal: 2

3 A Consttução também estpulou que, no mínmo, 75% desta receta transferda devera ser dstrbuída de acordo com o valor adconado gerado em cada muncípo 5 e o restante sera dstrbuído de acordo com crtéros de alocação que cada estado achasse mas convenente ao seu caso específco. Os ndcadores usados normalmente eram baseados no tamanho da população, área do muncípo e produção prmára local. Em 1991, o crtéro ecológco passou a ser utlzado para dstrbur parte destes recursos no Estado do Paraná. Esta experênca ponera orgnou-se da revndcação dos muncípos que sentam que suas economas eram prejudcadas pelas restrções de uso do solo, orgnadas por serem manancas de abastecmento para muncípos vznhos ou por ntegrarem Undades de Conservação. Dessa forma, o poder públco estadual sentu a necessdade de reformular os crtéros de dstrbução do ICMS, favorecendo estes muncípos com recursos adconas. Apesar de o ICMS Ecológco nascer sob a égde da compensação, sua característca mas mportante é consttur-se num mecansmo de ncentvo à conservação ambental, representando uma promssora alternatva na composção dos nstrumentos de polítca públca para a conservação ambental no Brasl (LOUREIRO, 2002). Em Mnas Geras 6, o ICMS Ecológco fo crado através da Le Complementar Estadual número /95, chamada de Le Robn Hood. O modelo mnero, além do crtéro ambental, nclu outros como: patrmôno cultural, educação, produção de almentos, número de habtantes por muncípo, 50 muncípos mas populosos, receta própra muncpal, saúde e área geográfca (MINAS GERAIS, 1995). Para o crtéro ambental, a le destna 0,5 % do ICMS aos muncípos que possuem undades de conservação e 0,5% aos muncípos que possuem sstema de tratamento ou 5 Para cada muncípo, o valor adconado mede a produção econômca do muncípo, traduzda pela dferença entre o somatóro das notas fscas de venda e o somatóro das notas fscas de compra. 6 Além do Estado Paraná e de Mnas Geras, outros Estados como: São Paulo (1993), Rondôna (1996), Amapá (1996), Ro Grande do Sul (1997), Mato Grosso (2000), Mato Grosso do Sul (2000), Pernambuco (2000) e Tocantns (2002) mplantaram o ICMS Ecológco com pequena modfcação entre eles. 3

4 dsposção fnal de lxo urbano que atenda pelo menos 70% da população, ou sstema de tratamento de esgoto santáro, que atenda pelo menos 50% da população 7 (NUNES, 2003). O ICMS Ecológco fo ntroduzdo através da dmnução do peso do crtéro de valor adconado 8. Ao mudar os crtéros de dstrbução, mutos muncípos com Undades de Conservação aumentaram sua receta. Entretanto, é mportante observar que mutos muncípos perderam receta pelo fato de o crtéro de valor adconado ter perddo mportânca 9. Além dsso, para muncípos consderados pequenos ou de pouca expressão econômca, o repasse ecológco representou mas de 20% do repasse total feto pelo estado, sendo uma fonte mportante de recursos (GRIEG-GRAN, 2000). Dante desse contexto, tornase relevante analsar, de forma detalhada, como o crtéro ecológco repercute na receta dos muncípos mneros, procurando compreender como se dstrbu as perdas e os ganhos dos muncípos. Este trabalho tem como objetvo geral analsar a mudança na dstrbução do ICMS aos muncípos mneros pela ntrodução do crtéro ecológco. Especfcamente pretende-se avalar os determnantes da probabldade de os muncípos receberem o ICMS Ecológco. Este artgo contém, além dessa ntrodução, mas três seções. A próxma descreve a metodologa utlzada na análse dos dados. Na tercera, são dscutdos os prncpas resultados encontrados, e a últma descreve as conclusões obtdas. 2. Metodologa 2.1. Dstrbução do ICMS Ecológco A ntrodução do ICMS Ecológco fo feta pela redução de outros crtéros, especalmente o crtéro de valor adconado. Dessa forma, é necessáro, em prmero lugar, 7 Ver anexo A para entender como este montante é dstrbuído para cada muncípo. 8 Ver anexo B. 9 Greg-Gran (2000), ao analsar os dados de Mnas Geras em 1998, concluu que 86 muncípos com Undades de Conservação foram benefcados com aumento de receta pela ntrodução do ICMS Ecológco, enquanto 38 muncípos perderam receta pela dmnução do crtéro de valor adconado. 4

5 analsar o efeto da ntrodução do ICMS ecológco na porcentagem total de ICMS que cada muncípo recebe, o chamado índce consoldado. Entretanto, mudanças no índce consoldado são resultados de város fatores, e não só do ICMS ecológco. Segundo Greg-Gran (2000), é necessáro examnar como a ntrodução de um novo crtéro e, em partcular, o crtéro ecológco afeta a arrecadação dos muncípos, de forma a ndcar os ganhadores e os perdedores neste processo. Uma comparação fo realzada entre índces atuas dos muncípos mneros e aqueles que resultaram nos seguntes cenáros: 1. Aplcação de um peso de 100% para o valor adconado, sto é, o ICMS sera redstrbuído completamente na base do valor adconado. 2. Stuação pré-robn Hood com a elmnação do crtéro ecológco e de outros crtéros ntroduzdos pela Le Robn Hood (população, área geográfca, educação, produção de almentos, patrmôno cultural, receta própra muncpal e saúde) e um aumento de 14,71% 10 no peso aplcado ao valor adconado. 3. Stuação pré-robn Hood e um peso de 1% aplcado ao crtéro ecológco. A construção destes 3 cenáros objetvou separar o efeto do crtéro ecológco de outros fatores. Dessa forma, uma desagregação das mudanças no índce consoldado por cada fator (valor adconado, índce ecológco, outros crtéros) fo feto, procurando solar o efeto de cada um, mostrando qual o mpacto do ICMS ecológco na receta dos muncípos de Mnas Geras Determnantes do recebmento do ICMS Ecológco Para saber os determnantes da probabldade de receber o ICMS Ecológco, será utlzado o modelo logt que se basea na utlzação da Função de Dstrbução Acumulada 10 Este valor refere-se à porcentagem destnada à Le Robn Hood nos anos de 1998 a No ano de 1997, o valor é de 10,04%. 5

6 Logístca (FDAL), a qual possu assíntotas em zero e em 1, garantndo probabldades estmadas dentro desse ntervalo (GUJARATI, 2006). A expressão para este modelo é dada pela equação (1): P 1 = E ( Y = 1) = F ( X β ) = (1) ( X β ) 1 + e em que P representa a probabldade do muncípo receber o ICMS Ecológco; X β é um índce 11 que representa as característcas deste muncípo; são os muncípos que compõem o total de observações da amostra utlzada; e e é a base de logartmos naturas, que é aproxmadamente gual a 2,718. Reescrevendo-se (1) tem-se: P = Z Z 1 e = (2) Z 1+ e 1+ e em que Z =X β. Se P é a probabldade do muncípo receber o ICMS Ecológco, então (1-P ) é a probabldade de ele não receber esse mposto, o qual pode ser expresso por: 1 1 P = (3) Z 1+ e A relação entre P e (1-P ) pode ser escrta da segunte forma: P 1 P 1+ e = 1+ e Z Z = e Z (4) em que P 1 P é a razão de chances a favor de receber o ICMS Ecológco, ou seja, a razão da probabldade de que um muncípo receba o ICMS Ecológco contra a probabldade de ele não receber. 11 Este índce é o valor da regressão estmada para cada muncípo, consderando-se as varáves explcatvas que foram ncluídas no modelo, ou seja, X β = β 0 + β 1 X β K X K, em que os β s são os parâmetros estmados e os X s, as varáves ndependentes consderadas. 6

7 Para lnearzar os parâmetros na expressão (4), aplca-se o logartmo natural em ambos os lados da equação, obtendo-se: P L = ln = Z P 1 ou = ln P L = 1 P X β (5) A equação (5) representa o logartmo da razão de chances, conhecdo como modelo logt (L ). O modelo (1) é estmado pelo método da máxma verossmlhança. Substtundo X β pelas varáves explcatvas utlzadas neste trabalho, tem-se o segunte modelo: L = β + β VA + β AREA+ β ANALF+ β PO + α D + α D α D α D α D α D α D α D 9 + α D α D α D ε (6) A defnção das varáves presentes no modelo (6) é a segunte: VA é o ICMS recebdo pelo muncípo através do crtéro valor adconado (em reas). O snal esperado é negatvo, pos quanto maor ICMS recebdo através do crtéro valor adconado, maor a atvdade econômca do muncípo, maor degradação ambental e, portanto, menor probabldade de recebmento do ICMS Ecológco. AREA é a área total do muncípo (em hectares). Espera-se que esta varável apresente snal postvo, pos quanto maor a área de um muncípo, maores as chances de possur em seu terrtóro áreas protegdas. ANALF é a taxa de analfabetsmo de 15 anos ou mas. Não há nenhuma expectatva a pror sobre o efeto da escolardade da população do muncípo sobre a probabldade de recebmento. 7

8 PO é o tamanho da população. Espera-se que o snal desta varável seja negatvo, pos quanto maor a população de um muncípo, maor a pressão sobre os recursos naturas e menor a probabldade de recebmento do ICMS Ecológco. D j (j = 1, 2,...,11) são varáves Dummes, sendo que elas se referem a localzação do muncípo, com o grupo-base representando Zona da Mata (D 1, mesorregão Campos das Vertentes; D 2, Central Mnera; D 3, Jequtnhonha; D 4, metropoltana de Belo Horzonte; D 5, Noroeste de Mnas; D 6, Norte de Mnas; D 7, Oeste de Mnas; D 8, Sul e Sudoeste de Mnas; D 9, Trângulo Mnero e Alto do Paranaíba; D 10, Vale do Mucur; D 11, Vale do Ro Doce 12 ). Espera-se que as varáves D 1, D 2, D 3, D 5, D 6, D 7, D 8, D 9, D 10 apresentem um snal negatvo e D 4 e D 11 tenham um snal postvo 13. ε é o erro aleatóro. Para calcular o efeto margnal sobre P de uma varável explcatva contínua em cada ponto, é precso dervar a equação (1) em relação à varável explcatva de nteresse. Utlzando a regra do quocente do cálculo dferencal, tem-se: ( X β ) P 1 ( e ) = β.. (7) K ( X β ) ( X β ) X (1+ e ) (1+ e ) K Observando que o 2 termo à dreta da expressão (7) é P e o tercero é (1-P ), tem-se que: P X K = β P.(1 P ) K. (8) A expressão (8) sgnfca, em pontos percentuas, a varação na probabldade de um muncípo receber o valor do ICMS Ecológco, dada uma mudança na varável ndependente X, mantendo-se as demas constantes. 12 Estas 12 regões são aquelas utlzadas pelo IBGE. 13 Em 2005, as mesorregões Metropoltana de Belo Horzonte, Vale do Ro Doce e Zona da Mata possuíam, respectvamente, 65,71%, 52,94% e 50,35% de seus muncípos recebendo o ICMS Ecológco. Todas as demas regões apresentaram percentuas bem nferores a estes, o que determnara a expectatva em relação ao snal das varáves dummes. 8

9 Com relação ao efeto margnal sobre as varáves bnáras, ele é calculado da segunte forma: EM P[( y = 1/ x = 1)] P[( y = 1/ x = 0)] (9) xk = k k em que: EM é o efeto margnal da varável bnára xk x ; P [( y 1/ x = 1)] é a k = k probabldade de o muncípo receber o ICMS Ecológco quando x = 1; P [( y 1/ x = 0)] é a probabldade de o muncípo receber o ICMS Ecológco quando x = 0. k k = k 2.3. Fonte dos dados Esse trabalho utlzou dados anuas, no período de 1997 a 2007, para as seguntes varáves: o valor do ICMS dstrbuído a todos os muncípos; o valor do ICMS Ecológco repassado aos muncípos e o ICMS dstrbuído aos muncípos através do crtéro valor adconado fscal. Esses dados foram obtdos junto a Fundação João Pnhero. Para as varáves: população, Produto Interno Bruto e área dos muncípos, utlzou-se dados obtdos no ste do Insttuto Braslero de Geografa e Estatístca (IBGE). A varável Produto Interno Bruto fo obtda no período de 1999 a 2005 devdo a dsponbldade de dados. Já a taxa de analfabetsmo de 15 anos ou mas fo obtda no ste do Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas (INEP) no ano de Todos os valores monetáros foram deflaconados pelo Índce Geral de Preços Dsponbldade Interna IGP-DI, da Fundação Getúlo Vargas. 3. Resultados e Dscussão 3.1. Efetos redstrbutvos do ICMS Ecológco Para determnar quas foram os muncípos ganhadores e perdedores depos da cração da Le Robn Hood, construu-se três cenáros hpotétcos e comparou-os com a stuação atual, utlzando a metodologa vsta na seção 2.1. A construção destes três cenáros fo feta 9

10 para separar o efeto do crtéro ecológco dos outros crtéros, verfcando assm qual fo o mpacto do ICMS Ecológco nas recetas dos muncípos mneros. Classfcou-se os muncípos por tamanho e o resultados encontram-se na Tabela 1. Com relação à população, classfcaram-se os muncípos em pequenos, médos, médos a grandes e grandes, com populações, respectvamente, na faxa de até habtantes, de a habtantes, de a habtantes e de habtantes em dante 14. Os resultados encontrados estão na Tabela 1. Os resultados médos obtdos na comparação entre o prmero cenáro (em que o valor adconado é o únco crtéro) e a Le Robn Hood mostraram que 3,22% dos muncípos com população até habtantes estaram em melhor stuação que o cenáro atual. Já com a Le Robn Hood (cenáro atual), a porcentagem aumenta para 96,78%. Para os muncípos médos, 18,76% estaram melhor com o prmero cenáro e 81,24% estaram melhores com a Le Robn Hood. Para os muncípos de médo a grandes, 64,23% optaram pelo prmero cenáro e 35,77% optaram pelo cenáro atual. E para os muncípos grandes, 79,23% estaram em melhores condções com o prmero cenáro e apenas 20,77% estaram melhores no cenáro atual. Estes resultados podem ser vstos também na Fgura 1. Assm, a Le Robn Hood com todos os seus crtéros favorece realmente os muncípos menores. 14 Observa-se, no ano de 2007, que exstam 493 muncípos consderados pequenos, 296 consderados médos, 38 consderados médos a grandes e 26 muncípos consderados grandes (IBGE, 2007). 10

11 Tabela 1. Porcentagem de muncípos mneros, segundo a população, em stuação favorável a cada um dos cenáros, méda 1997 a 2007 população ano cenáros até a a em dante 1 cenáro 3,22 18,76 64,23 79,23 atual 96,78 81,24 35,77 20,77 méda 2 cenáro 4,91 19,91 53,47 66,81 atual 95,09 80,09 46,53 33,19 3 cenáro 7,18 20,31 47,92 57,12 atual 92,82 79,69 52,08 42,88 Fonte: Resultados da Pesqusa. O 2 cenáro é aquele em que ocorre a stuação pré-robn Hood, exstndo somente os crtéros: valor adconado, muncípos mneradores, cota mínma, Mateus Leme e Mesquta 15. Os valores médos encontrados na Tabela 1 mostraram que 4,91% dos muncípos pequenos ganharam com o 2 cenáro e 95,09% ganharam com a Le Robn Hood. Já para os muncípos médos, 19,91% estaram em melhores condções com o 2 cenáro e 80,09% com o cenáro atual. Para os muncípos médos a grandes, 53,47% ganharam com o 2 cenáro e 46,53% ganharam com a Le Robn Hood. Para os muncípos grandes, 66,81% ganharam com o 2 cenáro e 33,19% ganharam com o cenáro atual. Os resultados confrmam assm que a Le Robn Hood benefca os muncípos menores, pos dmnu o peso do crtéro de valor adconado na dstrbução de ICMS. 15 Ver anexo B para as porcentagens de cada crtéro. 11

12 % de muncípos em melhor stuação (méda de 1997 a 2007) até a a em dante 1 cenáro 2 cenáro 3 cenáro Fonte: Resultados da pesqusa. Fgura 1. Comparação entre os três cenáros e a Le Robn Hood, utlzando a população, méda de 1997 a O 3 cenáro ndca a stuação pré-robn Hood com um peso de 1% aplcado ao crtéro ecológco, mostrando o mpacto do ICMS Ecológco sem os outros crtéros presentes nessa le. Os valores médos encontrados na Tabela 1 mostraram que 7,18% dos muncípos pequenos ganharam com o 3 cenáro e 92,82% ganharam com a Le Robn Hood. Já para os muncípos médos, 20,31% estaram em melhores condções com o 3 cenáro e 79,69% com o cenáro atual. Os muncípos médos a grandes, 47,92% ganharam com o 3 cenáro e 52,08% ganharam com a Le Robn Hood. Para os muncípos grandes, 57,12% ganharam com o 3 cenáro e 42,88% ganharam com o cenáro atual. Assm, a Le Robn Hood benefca realmente os muncípos menores e o ICMS Ecológco soznho, sem os outros crtéros da Le Robn Hood, tem um mpacto pequeno no ganho obtdo pelos muncípos. A Tabela 2 mostra o número de muncípos em stuação favorável em cada um dos cenáros. Em relação aos valores médos obtdos nesta tabela, tem-se que 111 muncípos ganharam com o 1 cenáro e 742 ganharam com a Le Robn Hood. Greg-Gran (2000), consderando o cenáro atual em janero de 1998, obteve que 740 muncípos ganharam com a stuação atual comparado ao cenáro em que somente o valor adconado fo dstrbuído, 12

13 resultado parecdo com que fo obtdo neste trabalho. Portanto, observa-se, em todo o período analsado, que a Le Robn Hood, ao retrar peso do crtéro de valor adconado, benefcou a maor parte dos muncípos mneros, especalmente os muncípos menores. Tabela 2. Número de muncípos mneros em stuação favorável a cada um dos cenáros no período 1997 a 2007 ano 1 cenáro atual 2 cenáro atual 3 cenáro atual méda Fonte: Resultados da Pesqusa. Na comparação realzada entre o 2 cenáro e o atual, os valores médos obtdos mostraram que 116 muncípos estaram em melhor stuação com o 2 cenáro e 737 muncípos com o cenáro atual (Tabela 2). Isto mostra a mportânca de todos os crtéros contdos na Le Robn Hood. Segundo Greg-Gran (2000), o número de muncípos que ganharam com essa le fo de 725 comparados com a stuação pré-robn Hood. Assm, em todo o período analsado, observa-se que a Le Robn Hood fo realmente efetva em seus objetvos, benefcando os muncípos menores. Os valores médos obtdos na comparação entre o 3 cenáro e o atual, mostraram que 125 muncípos ganharam com o 3 cenáro e 728 ganharam com o cenáro atual, mostrando que os outros crtéros são mas mportantes que o ICMS Ecológco na dstrbução do montante entre os muncípos. Observa-se também que, como o percentual do ICMS Ecológco permaneceu fxo e o número de muncípos cresceu, a fata destnada a cada muncípo fo fcando cada vez menor. 16 Estes valores são arredondados. 13

14 Para verfcar o mpacto do ICMS Ecológco sem os outros crtéros presentes na Le Robn Hood, optou-se pela comparação entre o 2 cenáro (stuação pré-robn Hood) e o 3 cenáro (stuação pré-robn Hood com um peso de 1% aplcado ao crtéro ecológco). Os resultados encontrados estão presentes na Tabelas 3. Para estes resultados, optou-se também em separar os muncípos por tamanho. Tabela 3. Porcentagem dos muncípos, segundo a população, em stuação favorável a cada um dos cenáros, período de 1997 a 2007 população a ano cenáros até a em dante cenáro 47,02 46,01 41,67 55,00 3 cenáro 52,98 53,99 58,33 45, cenáro 47,89 40,00 42,86 61,90 3 cenáro 52,11 60,00 57,14 38, cenáro 47,61 44,85 44,44 59,09 3 cenáro 52,39 55,15 55,56 40, cenáro 83,14 81,62 88,89 91,30 3 cenáro 16,86 18,38 11,11 8, cenáro 82,05 78,55 86,49 91,30 3 cenáro 17,95 21,45 13,51 8, cenáro 77,82 77,62 84,21 87,50 3 cenáro 22,18 22,38 15,79 12, cenáro 73,15 72,92 83,33 96,15 3 cenáro 26,85 27,08 16,67 3, cenáro 69,01 68,84 86,84 96,15 3 cenáro 30,99 31,16 13,16 3, cenáro 67,51 67,27 86,84 92,31 3 cenáro 32,49 32,73 13,16 7, cenáro 67,39 65,70 82,50 88,89 3 cenáro 32,61 34,30 17,50 11, cenáro 68,97 70,61 78,95 88,46 3 cenáro 31,03 29,39 21,05 11,54 méda 2 cenáro 66,51 64,91 73,37 82,55 3 cenáro 33,49 35,09 26,63 17,45 Fonte: Resultados da Pesqusa. Os valores médos obtdos na Tabela 3 mostram que 66,51% dos muncípos pequenos estaram melhores com o 2 cenáro e 33,49% com o 3 cenáro. Para os muncípos médos, tem-se que 64,91% estaram em melhor stuação com o 2 cenáro e 35,09% com o 3 cenáro. Para os muncípos médos a grandes, 73,37% ganharam com o 2 cenáro e 26,63 ganharam com o 3 cenáro. E para os muncípos grandes, 82,55% ganharam com o 2 14

15 cenáro e 17,45% ganharam com o 3 cenáro (Fgura 2). Assm, a stuação pré-robn Hood, sem o ICMS Ecológco, sera melhor para a maor parte dos muncípos mneros, embora para os muncípos pequenos e médos este percentual seja um pouco menor. % de muncípos em melhor stuação (méda de 1997 a 2007) até a a em dante população 2 cenáro 3 cenáro Fonte: Resultados da pesqusa. Fgura 2. Comparação entre o 2 cenáro e o 3 cenáro, utlzando a população, méda de 1997 a A Fgura 3 apresenta os resultados do 2 e 3 cenáros para os muncípos que efetvamente recebem o ICMS Ecológco. Pode-se observar que em todo o período analsado, a maor parte dos muncípos que recebem o ICMS Ecológco sera benefcada com o 3 cenáro, embora exstam muncípos que perderam com este cenáro, mesmo recebendo o ICMS Ecológco, pos perderam receta pela dmnução do peso do crtéro de valor adconado. Portanto, do grupo de muncípos que recebem o ICMS Ecológco, exstem mas ganhadores do que perdedores. 15

16 % de muncípos que recebem o ICMS Ecológco méda período 2 cenáro 3 cenáro Fonte: Resultados da Pesqusa Fgura 3. Porcentagem dos muncípos que recebem o ICMS Ecológco em cada um dos cenáros, período 1997 a Com relação aos efetos redstrbutvos do ICMS Ecológco, pode-se conclur que ele realmente benefca mas ntensamente os muncípos menores e com baxos níves de renda, mas seu mpacto é pequeno pelo reduzdo valor de seu percentual (1%). Entretanto, há mas perdedores do que ganhadores com o ICMS Ecológco, mesmo entre os muncípos com baxo nível de renda e menores. Isso é explcado pela dmnução do peso do crtéro de valor adconado e pelo fato de o ICMS Ecológco ser recebdo por menos de 50% dos muncípos Os determnantes da probabldade de recebmento do ICMS Ecológco Conforme proposto na metodologa, utlzou-se o modelo logt para verfcar quas os determnantes da probabldade de recebmento do ICMS Ecológco. Estmou-se o modelo cujos resultados encontram-se na Tabela 4. Pode-se notar que oto das dezesses varáves são sgnfcatvas: ÁREA, VA, D1, D2, D5, D6, D8 e D9. O snal das varáves, em sua maora, está de acordo com a teora econômca, apenas para a varável valor adconado (VA), o snal fo dferente do esperado. O valor calculado para o teste da razão de verossmlhança fo altamente sgnfcatvo, logo exste uma relação entre a varável dependente recebe e as demas varáves explcatvas (Tabela 4). 16

17 Tabela 4. Resultados do modelo logt para todos os muncípos mneros, ano 2005 Varável Coefcente Erro padrão Teste Z Valor-p CONSTANTE -0,1493 NS 0,3345-0,4463 0,6554 AREA 0,000005*** 0, ,9982 0,0001 VA 0, *** 0, ,9982 0,0001 ANALF -0,0081 NS 0,0163-0,4965 0,6195 PO -0, NS 0, ,5507 0,5818 D1-0,9077** 0,4118-2,2044 0,0275 D2-0,9744** 0,4438-2,1954 0,0281 D3-0,6457 NS 0,4125-1,5656 0,1175 D4 0,2652 NS 0,2760 0,9608 0,3367 D5-1,5626** 0,6436-2,4279 0,0152 D6-1,0584*** 0,3805-2,7814 0,0054 D7-0,52 NS 0,3629-1,4328 0,1519 D8-0,5196** 0,2486-2,0895 0,0367 D9-1,7561*** 0,3992-4,3995 0,0000 D10-0,92 NS 0,5761-1,5969 0,1103 D11-0,382 NS 0,2906-1,3146 0,1887 Razão de 108,398 0,0000 Versossmlhança Obs. com (Y=1)= 366 Obs com (Y=0)=487 R 2 Mc Fadden 0,093 Fonte: Resultados da Pesqusa. *** sgnfcatvo a 1%; ** sgnfcatvo a 5%; *sgnfcatvo a 10%; NS não sgnfcatvo. Sobre as qualdades estatístcas do modelo, observou-se que esse apresentou um poder de prevsão de 65,30%. Consderando somente as prevsões de os muncípos receberem o ICMS Ecológco, esse índce é de 37,43%. Quanto ao não recebmento do ICMS Ecológco, este valor é de 86,24%. A nterpretação dos coefcentes é dfícl no modelo logt e fo feta através dos efetos margnas 17 das varáves (Tabela 5). Em relação à varável área, o efeto margnal sobre a probabldade de o muncípo receber o ICMS Ecológco fo postvo, conforme esperado. Um aumento em hectare na área, mantdas as demas varáves constantes 18, faz com que a probabldade do recebmento do ICMS Ecológco fque aumentada em apenas 0,127 pontos 17 Conforme dscutdo na metodologa, o efeto margnal das varáves explcatvas no modelo logt não é constante. Os efetos margnas foram calculados no ponto médo da amostra. Com relação às varáves qualtatvas, o cálculo fo obtdo através da equação (9), enquanto para as varáves contínuas utlzou-se a equação (8). 18 Para o cálculo do efeto margnal, esta pressuposção é feta para todas as varáves. 17

18 percentuas. Assm, muncípos maores têm maor probabldade de recebmento, pos eles possuem maor área sujeta a transformação em áreas de proteção. Com relação à varável valor adconado, esperava-se que o seu efeto margnal fosse negatvo, porque muncípos mas rcos possuem geralmente mas áreas degradadas, dfcultando o recebmento do ICMS Ecológco, o que não fo confrmado pelos resultados. Uma explcação possível para este comportamento é que grandes muncípos mneros como Belo Horzonte, Betm, Contagem, Uberlânda, Ipatnga, Uberaba, Juz de Fora, Itabra, Nova Lma e Ouro Preto, que são muncípos que geram um alto valor adconado, possuem em seu terrtóro Undades de Conservação ou possuem sstema de tratamento ou dsposção fnal de lxo urbano e tratamento de esgoto santáro, recebendo assm um montante de ICMS Ecológco. O snal postvo encontrado sgnfca que um aumento em R$ 1000,00 no valor adconado faz com que a probabldade do recebmento do ICMS Ecológco fque aumentado em apenas 0,0032 pontos percentuas. Tabela 5. Efeto margnal para as varáves seleconadas Varável Efeto Margnal Erro Teste Z Valor-p padrão AREA 0, *** 0,0000 4,00 0,000 VA 0, *** 0,0000 3,54 0,000 ANALF -0,002 NS 0, ,50 0,619 PO -0, NS 0,0000-0,55 0,582 D1-0,2231** 0,0975-2,29 0,022 D2-0,2387** 0,1037-2,30 0,021 D3-0,1596 NS 0,1011-1,58 0,115 D4 0,0612 NS 0,0631 0,97 0,332 D5-0,3624*** 0,1229-2,95 0,003 D6-0,2580*** 0,0878-2,94 0,003 D7-0,1283 NS 0,0897-1,43 0,152 D8-0,1282** 0,0608-2,11 0,035 D9-0,3963*** 0,075-5,28 0,000 D10-0,2260* 0,1361-1,66 0,097 D11-0,0938 NS 0, ,188 Fonte: Resultados da Pesqusa. *** sgnfcatvo a 1%; ** sgnfcatvo a 5%; *sgnfcatvo a 10%; NS não sgnfcatvo. 18

19 As seguntes varáves dummes, D1, D2, D5, D6, D8 e D9 apresentaram efetos margnas sgnfcatvos e negatvos, o que sgnfca que se o muncípo pertencer a uma destas mesorregões (Campos das Vertentes, Central Mnera, Noroeste de Mnas, Norte de Mnas, Sul e Sudoeste e Trângulo Mnero e Alto do Paranaíba, respectvamente), a probabldade de ele receber o ICMS Ecológco em relação à Zona da Mata (mesorregão padrão) dmnu, respectvamente, em 22,31; 23,87; 36,24; 25,80; 12,82 e 39,63 pontos percentuas. Este resultado era esperado, pos, em 2005, 50,35% dos muncípos da Zona da Mata receberam o ICMS Ecológco, enquanto que nas mesorregões: Campos das Vertentes, Central Mnera, Noroeste de Mnas, Norte de mnas, Sul e Sudoeste e Trângulo Mnero e Alto do Paranaíba este valor fo, respectvamente, de: 30,56%, 33,33%, 47,37%, 29,21%, 41,78% e 36,92%. Assm, a maor parte dos muncípos da Zona da Mata recebe o ICMS Ecológco e os muncípos com as mesmas característcas localzados em outras mesorregões têm probabldade menor de receber esse recurso. As varáves dummes D3, D4 D7, D10 e D11 foram não sgnfcatvas, ndcando que se o muncípo pertencer, respectvamente, a uma destas mesorregões (Jequtnhonha, Metropoltana de Belo Horzonte, Oeste de Mnas, Vale do Mucur e Vale do Ro Doce) não há nfluênca na probabldade de receber o ICMS Ecológco, comparado com a mesorregão da Zona da Mata. Em relação à varável que mede o índce de analfabetsmo do muncípo, ela se mostrou não sgnfcatva. Isto sgnfca que muncípos com alta e baxa taxa de analfabetsmo têm a mesma probabldade de receber o ICMS Ecológco. A varável tamanho da população também fo não sgnfcatva, ndcando que ela não é mportante como determnante do recebmento do ICMS Ecológco, pos tanto muncípos pequenos quanto grandes podem possur em seu terrtóro Undades de Conservação ou trabalharem com a questão do saneamento ambental para recebmento dos recursos do ICMS Ecológco. 19

20 Assm, as varáves quanttatvas AREA e VA e as varáves qualtatvas D1, D2, D5, D6, D8 e D9 (relaconadas ao muncípo pertencer, respectvamente, às mesorregões: Campos das Vertentes, Central Mnera, Noroeste de Mnas, Norte de Mnas, Sul e Sudoeste de Mnas e Trângulo Mnero e Alto do Paranaíba, sendo a Zona da Mata a varável de controle) foram as prncpas determnantes da probabldade de o muncípo receber o ICMS Ecológco. 4. Conclusões Com relação aos efetos redstrbutvos do ICMS Ecológco, pode-se conclur que ele benefca mas ntensamente os muncípos menores, mas seu mpacto é pequeno pelo reduzdo valor de seu percentual (1%). Entretanto, há mas perdedores do que ganhadores com o ICMS Ecológco, mesmo entre os muncípos menores e com baxo nível de renda. Isso é explcado pela dmnução do peso do crtéro de valor adconado e pelo fato de o ICMS Ecológco ser recebdo por menos de 50% dos muncípos. Já a probabldade de recebmento do ICMS Ecológco vara postvamente com a área dos muncípos e o ICMS recebdo através do crtéro valor adconado. A mesorregão a qual o muncípo pertence também é mportante na probabldade de recebmento deste recurso. Recomenda-se que haja uma reformulação nos crtéros da Le Robn Hood para que se aumente o percentual de ICMS Ecológco destnado aos muncípos mneros, de forma que não seja comprometda a efcáca de seu estímulo para os muncípos se engajarem em ações de preservação. 5. Referêncas Bblográfcas FJP - FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO. Dsponível em: Acesso em 11/08/

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe Avalação da Tendênca de Precptação Pluvométrca Anual no Estado de Sergpe Dandara de Olvera Félx, Inaá Francsco de Sousa 2, Pablo Jónata Santana da Slva Nascmento, Davd Noguera dos Santos 3 Graduandos em

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Determinantes da adoção da tecnologia de despolpamento na cafeicultura: estudo de uma região produtora da Zona da Mata de Minas Gerais 1

Determinantes da adoção da tecnologia de despolpamento na cafeicultura: estudo de uma região produtora da Zona da Mata de Minas Gerais 1 DETERMINANTES DA ADOÇÃO DA TECNOLOGIA DE DESPOLPAMENTO NA CAFEICULTURA: ESTUDO DE UMA REGIÃO PRODUTORA DA ZONA DA MATA DE MINAS GERAIS govanblas@yahoo.com.br Apresentação Oral-Cênca, Pesqusa e Transferênca

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE)

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) IPECE ota Técnca GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) ISTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECOÔMICA DO CEARÁ (IPECE) OTA TÉCICA º 33 METODOLOGIA DE CÁLCULO DA OVA LEI DO ICMS

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL. PALAVRAS CHAVES: Crescimento, Transferências, Dinâmica, Convergência e Governo.

TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL. PALAVRAS CHAVES: Crescimento, Transferências, Dinâmica, Convergência e Governo. TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL PALAVRAS CHAVES: Crescmento, Transferêncas, Dnâmca, Convergênca e Governo. PEDRO JUCÁ MACIEL Analsta de Fnanças da STN/Mnstéro da Fazenda Mestre

Leia mais

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MARIANA CAVALCANTI PINCOVSKY DE LIMA; ANDRÉ DE SOUZA MELO; RICARDO CHAVES LIMA; UFPE/PIMES RECIFE - PE

Leia mais

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil.

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil. 1 A INSERÇÃO E O RENDIMENTO DOS JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE PARA A REGIÃO SUL DO BRASIL Prscla Gomes de Castro 1 Felpe de Fgueredo Slva 2 João Eustáquo de Lma 3 Área temátca: 3 -Demografa

Leia mais

Como aposentadorias e pensões afetam a educação e o trabalho de jovens do domicílio 1

Como aposentadorias e pensões afetam a educação e o trabalho de jovens do domicílio 1 Como aposentadoras e pensões afetam a educação e o trabalo de jovens do domcílo 1 Rodolfo Hoffmann 2 Resumo A questão central é saber como o valor da parcela do rendmento domclar formada por aposentadoras

Leia mais

UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL

UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL Área 11 - Economa Socal e Demografa Econômca Classfcação JEL: I28, H52, C35. André Olvera Ferrera Lourero Insttuto de Pesqusa

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

AVALIAÇÃO CONTINGENTE DO RIO MEIA PONTE, GOIÂNIA-GO: UMA APLI- CAÇÃO DO REFERENDUM COM FOLLOW-UP

AVALIAÇÃO CONTINGENTE DO RIO MEIA PONTE, GOIÂNIA-GO: UMA APLI- CAÇÃO DO REFERENDUM COM FOLLOW-UP AVALIAÇÃO CONTINGENTE DO RIO MEIA PONTE, GOIÂNIA-GO: UMA APLI- CAÇÃO DO REFERENDUM COM FOLLOW-UP º. Autor Patríca Lopes Rosado: Economsta, Mestre em Economa Rural e Doutoranda em Economa Aplcada pelo Departamento

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO Roberta Montello Amaral (UNIFESO) amaralroberta@yahoo.com.br Crado em 1990, o Saeb é um sstema de avalação do MEC que, junto à

Leia mais

DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO RESUMO

DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO RESUMO Revsta Economa e Desenvolvmento, n. 21, 2009 DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO Elane Pnhero de Sousa 1 João Eustáquo de Lma 2 RESUMO As mudanças

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o estabelecdo na Resolução CNPE n 7, de 21 de agosto de 2002, aprovada pela Presdênca da Repúblca em 22

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como:

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como: REGRESSÃO LOGÍSTCA. ntrodução Defnmos varáves categórcas como aquelas varáves que podem ser mensurados usando apenas um número lmtado de valores ou categoras. Esta defnção dstngue varáves categórcas de

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica.

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica. Análse do Retorno da Edcação na Regão Norte em 2007: Um Estdo à Lz da Regressão Qantílca. 1 Introdcão Almr Rogéro A. de Soza 1 Jâno Macel da Slva 2 Marnalva Cardoso Macel 3 O debate sobre o relaconamento

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

Determinantes da Adoção da Tecnologia de Despolpamento na Cafeicultura 1

Determinantes da Adoção da Tecnologia de Despolpamento na Cafeicultura 1 Determnantes da Adoção da Tecnologa de Despolpamento na Cafecultura 1 Edson Zambon Monte* Erly Cardoso Texera** Resumo: Os cafecultores de Venda Nova do Imgrante, ES, que em sua maora são agrcultores famlares,

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DE PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) Insttuto de Pesqusa e Estratéga Econômca do Ceará (IPECE) TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDAÇA O RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ETRE

Leia mais

Variáveis dummy: especificações de modelos com parâmetros variáveis

Variáveis dummy: especificações de modelos com parâmetros variáveis Varáves dummy: especfcações de modelos com parâmetros varáves Fabríco Msso, Lucane Flores Jacob Curso de Cêncas Econômcas/Unversdade Estadual de Mato Grosso do Sul E-mal: fabrcomsso@gmal.com Departamento

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

Modelo de distribuição de recursos para o transporte escolar rural a partir dos princípios da igualdade e da equidade

Modelo de distribuição de recursos para o transporte escolar rural a partir dos princípios da igualdade e da equidade Modelo de dstrbução de recursos para o transporte escolar rural a partr dos prncípos da gualdade e da equdade Alan Rcardo da Slva 1 ; Yaeko Yamashta 2 Resumo: O transporte escolar rural consttu um mportante

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring Métodos de Montoramento de Modelo Logt de Credt Scorng Autora: Armando Chnelatto Neto, Roberto Santos Felíco, Douglas Campos Resumo Este artgo dscute algumas técncas de montoramento de modelos de Credt

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS A PARTIR DO ÍNDICE DE CRIMINALIDADE PARA AS MESORREGIÕES CATARINENSES,

UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS A PARTIR DO ÍNDICE DE CRIMINALIDADE PARA AS MESORREGIÕES CATARINENSES, UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS A PARTIR DO ÍNDICE DE CRIMINALIDADE PARA AS MESORREGIÕES CATARINENSES, RESUMO: 2003 1 Thago Costa Soares 2 Unversdade Federal de Vçosa thago_sofa@hotmal.com

Leia mais

Demanda por Saneamento no Brasil: uma aplicação do modelo logit multinomial

Demanda por Saneamento no Brasil: uma aplicação do modelo logit multinomial Demanda por Saneamento no Brasl: uma aplcação do modelo logt multnomal Abstract: Basc santary servces, ncludng waste dsposal, treated water supply and sewage servces, do have a strong effect on human health

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities A Importânca da Educação para a Recente Queda da Desgualdade de Renda Salaral no Brasl: Uma análse de decomposção para as regões Nordeste e Sudeste Valdemar Rodrgues de Pnho Neto Técnco de pesqusa do Insttuto

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS*

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* Sóna Costa** Luísa Farnha** 173 Artgos Resumo As nsttuções fnanceras

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

DECOMPOSIÇÃO HIERÁRQUICA DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1

DECOMPOSIÇÃO HIERÁRQUICA DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1 DECOMPOSIÇÃO HIERÁRQUICA DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1 ópco: Dspardades regonas - estudos comparados de desenvolvmento e gestão terrtoral Márco Antôno Salvato 2 Paola Fara Lucas de Souza 3 Resumo:

Leia mais

SALÁRIO DE RESERVA E DURAÇÃO DO DESEMPREGO NO BRASIL: UMA ANÁLISE COM DADOS DA PESQUISA DE PADRÃO DE VIDA DO IBGE

SALÁRIO DE RESERVA E DURAÇÃO DO DESEMPREGO NO BRASIL: UMA ANÁLISE COM DADOS DA PESQUISA DE PADRÃO DE VIDA DO IBGE SALÁRIO DE RESERVA E DURAÇÃO DO DESEMPREGO NO BRASIL: UMA ANÁLISE COM DADOS DA PESQUISA DE PADRÃO DE VIDA DO IBGE Vctor Hugo de Olvera José Ramundo Carvalho Resumo O objetvo do presente estudo é o de analsar

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL Clarssa Côrtes Pres Ernesto Cordero Marujo José Cechn Superntendente Executvo 1 Apresentação Este artgo examna se o rankng das Undades

Leia mais

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COÉRCIO ETERNO Nota préva: O texto que se segue tem por únco obectvo servr de apoo às aulas das dscplnas de Economa Internaconal na Faculdade de Economa da Unversdade do Porto.

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 00 ODELOS ATEÁTICOS E CONSUO DE ENERGIA ELÉTRICA Clece de Cássa Franco Cdade Centro Unverstáro Francscano klleyce@hotmal.com Leandra Anversa Foreze Centro Unverstáro Francscano

Leia mais

Empreendimentos de economia solidária e discriminação de gênero: uma abordagem econométrica

Empreendimentos de economia solidária e discriminação de gênero: uma abordagem econométrica Empreendmentos de economa soldára e dscrmnação de gênero: uma abordagem econométrca Grazelle Isabele Crstna Slva Sucupra Marcelo José Braga RESUMO A realdade vvencada por mutas mulheres no mundo atual

Leia mais

AMENIDADES LOCAIS VERSUS OPORTUNIDADES ECONÔMICAS: UM RANKING DA QUALIDADE DAS AMENIDADES PARA AS REGIÕES METROPOLITANAS DO BRASIL

AMENIDADES LOCAIS VERSUS OPORTUNIDADES ECONÔMICAS: UM RANKING DA QUALIDADE DAS AMENIDADES PARA AS REGIÕES METROPOLITANAS DO BRASIL AMENIDADES LOCAIS VERSUS OPORTUNIDADES ECONÔMICAS: UM RANKING DA QUALIDADE DAS AMENIDADES PARA AS REGIÕES METROPOLITANAS DO BRASIL Roberta de Moraes Rocha Doutoranda em Economa da Unversdade Federal de

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais

Estimativa da fração da vegetação a partir de dados AVHRR/NOAA

Estimativa da fração da vegetação a partir de dados AVHRR/NOAA Estmatva da fração da vegetação a partr de dados AVHRR/NOAA Fabane Regna Cunha Dantas 1, Céla Campos Braga, Soetâna Santos de Olvera 1, Tacana Lma Araújo 1 1 Doutoranda em Meteorologa pela Unversdade Federal

Leia mais

Situação Ocupacional dos Jovens das Comunidades de Baixa Renda da Cidade do Rio de Janeiro *

Situação Ocupacional dos Jovens das Comunidades de Baixa Renda da Cidade do Rio de Janeiro * Stuação Ocupaconal dos Jovens das Comundades de Baxa Renda da Cdade do Ro de Janero * Alessandra da Rocha Santos Cínta C. M. Damasceno Dense Brtz do Nascmento Slva ' Mara Beatrz A. M. da Cunha Palavras-chave:

Leia mais

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 Rcardo Kuresk 2 Glson Martns 3 Rossana Lott Rodrgues 4 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 4 O nteresse analítco pelo agronegóco exportador

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

ANÁLISE DE CONFIABILIDADE DO MODELO SCS-CN EM DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS NO SEMIÁRIDO

ANÁLISE DE CONFIABILIDADE DO MODELO SCS-CN EM DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS NO SEMIÁRIDO ANÁLISE DE CONFIABILIDADE DO MODELO SCS-CN EM DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS NO SEMIÁRIDO J. W. B. Lopes 1 ; E. A. R. Pnhero 2 ; J. R. de Araújo Neto 3 ; J. C. N. dos Santos 4 RESUMO: Esse estudo fo conduzdo

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS-GRADUAÇÃO - I CICPG SUL BRASIL Florianópolis 2010

CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS-GRADUAÇÃO - I CICPG SUL BRASIL Florianópolis 2010 Floranópols 200 ANÁLISE COMPARATIVA DA INFLUÊNCIA DA NEBULOSIDADE E UMIDADE RELATIVA SOBRE A IRRADIAÇÃO SOLAR EM SUPERFÍCIE Eduardo Wede Luz * ; Nelson Jorge Schuch ; Fernando Ramos Martns 2 ; Marco Cecon

Leia mais

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL IT 90 Prncípos em Agrcultura de Precsão IT Departamento de Engenhara ÁREA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL Carlos Alberto Alves Varella Para o mapeamento da varabldade espacal

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A DESIGUALDADE NO ACESSO À SAÚDE NA REGIÃO SUL

UM ESTUDO SOBRE A DESIGUALDADE NO ACESSO À SAÚDE NA REGIÃO SUL 1 UM ESTUDO SOBRE A DESIGUALDADE NO ACESSO À SAÚDE NA REGIÃO SUL Área 4 - Desenvolvmento, Pobreza e Eqüdade Patríca Ullmann Palermo (Doutoranda PPGE/UFRGS) Marcelo Savno Portugal (Professor do PPGE/UFRGS)

Leia mais

POLARIMETRIA ÓPTICA E MODELAGEM DE POLARES OBSERVADAS NO OPD/LNA NO PERÍODO DE 2010-2012

POLARIMETRIA ÓPTICA E MODELAGEM DE POLARES OBSERVADAS NO OPD/LNA NO PERÍODO DE 2010-2012 5 POLARIMETRIA ÓPTICA E MODELAGEM DE POLARES OBSERVADAS NO OPD/LNA NO PERÍODO DE 00-0 OPTICAL POLARIMETRY AND MODELING OF POLARS OBSERVED IN OPD/LNA IN THE PERIOD 00-0 Karleyne M. G. Slva Cláuda V. Rodrgues

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização Gestão de Obras Públcas Aula 2 Profa. Elsamara Godoy Montalvão Organzação da Aula Tópcos que serão abordados na aula Admnstração e Gestão Muncpal Problemas Admnstração e Gestão Muncpal Gestão do Conhecmento

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis.

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis. EXERCICIOS AVALIATIVOS Dscplna: ECONOMETRIA Data lmte para entrega: da da 3ª prova Valor: 7 pontos INSTRUÇÕES: O trabalho é ndvdual. A dscussão das questões pode ser feta em grupo, mas cada aluno deve

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

ESTRUTURA DA Sacoglottis guianensis BENTH. NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ

ESTRUTURA DA Sacoglottis guianensis BENTH. NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ ESTRUTURA DA Sacoglotts guanenss BENTH. NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ Estgarrba, F. (1) ; Aparíco, W. C. S. (1) ; Perere, L. C. B. (1) ; Galvão, F. G. (1) ; Gama, R. C. (1) ; Lobato, C. M. (1) fabyestgarrba@gmal.com

Leia mais

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA 658 Gaudo & Zandonade Qum. Nova Qum. Nova, Vol. 4, No. 5, 658-671, 001. Dvulgação PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA Anderson Coser Gaudo

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística ESTATÍSTICA MULTIVARIADA º SEMESTRE 010 / 11 EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revsões de Estatístca -0-11 1.1 1.1. (Varáves aleatóras: função de densdade e de dstrbução; Méda e Varânca enquanto expectatvas

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS RETORNOS AOS INVESTIMENTOS EM EDUCAÇÃO PARA TRABALHADORES DO SEXO MASCULINO NO BRASIL vanessadafonsecapereira@gmail.

AVALIAÇÃO DOS RETORNOS AOS INVESTIMENTOS EM EDUCAÇÃO PARA TRABALHADORES DO SEXO MASCULINO NO BRASIL vanessadafonsecapereira@gmail. AVALIAÇÃO DOS RETORNOS AOS INVESTIMENTOS EM EDUCAÇÃO PARA TRABALHADORES DO SEXO MASCULINO NO BRASIL vanessadafonsecaperera@gmal.com Apresentação Oral-Desenvolvmento Rural, Terrtoral e regonal VANESSA DA

Leia mais

Visando dar continuidade ao trabalho de simulação, encaminho o MODELO DE ALOCAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO PESSOAL DOCENTE DE TERCEIRO GRAU

Visando dar continuidade ao trabalho de simulação, encaminho o MODELO DE ALOCAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO PESSOAL DOCENTE DE TERCEIRO GRAU Ofíco Brasíla, 24 de anero de 2005. Senhora Presdente ANDIFES, Vsando dar contnudade ao trabalho de smulação, encamnho o MODELO DE ALOCAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO PESSOAL DOCENTE DE TERCEIRO GRAU revsado

Leia mais

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL.

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. 1 APRESENTAÇÃO Nos anos 90, o país assstu a vultosas entradas de capal estrangero tanto de curto

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA *

ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA * ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA * 39 Danel A. Das ** Carlos Robalo Marques *** Fernando Martns **** Artgos Resumo Este artgo nvestga a forma

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU: Resolução nº 3259, de 28 de janero de 2005. RESOLUÇÃO Nº 3259 Altera o dreconamento de recursos captados em depóstos de poupança pelas entdades ntegrantes do Sstema Braslero de Poupança e Empréstmo (SBPE).

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Incerteza de Medção Prof. Aleandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Freqüênca de ocorrênca Incerteza da Medção Dstrbução de freqüênca das meddas Erro Sstemátco (Tendênca) Erro de Repettvdade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE Aprova as Normas Geras do Processo Seletvo para

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

Estabilidade de Lyapunov e Propriedades Globais para Modelo de Dinâmica Viral

Estabilidade de Lyapunov e Propriedades Globais para Modelo de Dinâmica Viral Establdade de Lyapunov e Propredades Globas para Modelo de Dnâmca Vral Nara Bobko Insttuto de Matemátca Pura e Aplcada 22460-320, Estrada Dona Castorna, Ro de Janero - RJ E-mal: narabobko@gmal.com. Resumo:

Leia mais

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo CEPAL - SERIE Polítcas socales N 60 III. Consequêncas de um novo padrão de nserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na regão metropoltana de São Paulo A. Introdução Rcardo Paes de

Leia mais

DETERMINANTES DA CRIMINALIDADE NO ESTADO DO PARANÁ fcccassuce@yahoo.com.br

DETERMINANTES DA CRIMINALIDADE NO ESTADO DO PARANÁ fcccassuce@yahoo.com.br DETERMINANTES DA CRIMINALIDADE NO ESTADO DO PARANÁ fcccassuce@yahoo.com.br Apresentação Oral-Desenvolvmento Rural, Terrtoral e regonal JONAS MAURÍCIO GONÇALVES; FRANCISCO CARLOS DA CUNHA CASSUCE; VALDIR

Leia mais