Qualidade do trigo brasileiro: realidade versus necessidade. Eliana Maria Guarienti Pesquisadora da Embrapa Trigo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qualidade do trigo brasileiro: realidade versus necessidade. Eliana Maria Guarienti Pesquisadora da Embrapa Trigo"

Transcrição

1 Qualidade do trigo brasileiro: realidade versus necessidade Eliana Maria Guarienti Pesquisadora da Embrapa Trigo

2 84 anos 15 anos Linha do tempo anos cruzamento artificial de trigo Desregula1962 mentação da Lançamento comercializadecreto nº do trigo Hulha ção do trigo Negra 210 no Brasil Estatização Cruzamento visando do Lei nº 8096 qualidade comércio 1990 de trigo no Brasil Trigo classificado como Tipo Único Portaria nº 304 Lançamento de Embrapa16 e CEP 24 Industrial, marcos de qualidade 1º Norma que classificou trigo por qualidade. Portaria nº167 Melhorador, Superior, Intermediário e Comum Plano Safra PlurianualDiferencial de preço por qualidade. 2 Norma que classifica trigo por qualidade IN nº01 Melhorador, Pão, Brando, Outros usos Norma que classifica trigo por qualidade IN nº 07 Melhorador, Pão, Brando, Outros usos Nova legislação?

3

4 Etapas do melhoramento Estudos básicos Manutenção de genótipos Estudo de genótipos Bloco de cruzamentos Cruzamento (1-2 anos) Criação (2-8 anos) Nova linhagem Experimentação (5 anos) Indicação para cultivo da cultivar Difusão Cultivo comercial Retirada de indicação para cultivo

5 Ampla adaptação Rendimento de grãos Alta estabilidade Estatura de planta Brusone Ferrugens da folha e do colmo Giberela Tolerância ao excesso de umidade Tolerância ao calor Debulha Germinação na espiga VNAC Oídio Crestamento Tipo agronômico Vírus do mosaico Tolerância à seca Manchas da gluma, marron e bronzeada Características agronômicas e fitossanitárias

6 Mixografia:Tempo de amassamento, altura da curva Número de queda Farinografia: estabilidade, tempo de desenvolvimento da massa, absorção de água, índice de tolerância à mistura Produtos finais Amilografia:viscosidade, (amido danificado), ponto de quebra, set back Teor de glúten: seco, úmido e index Cor do grão Alveografia: Força de glúten; extensibilidade, tenacidade, relação P/L, Ie Cinzas: grão e farinha Composição de proteínas de reserva: gliadina e gluteninas (baixo e alto peso molecular) e presença de secalina Extensografia: resistência, extensibilidade, R/E Dureza de grãos Peso do hectolitro Sedimentação Teor de proteínas Rendimento de farinha Cor de farinha: L*, A*, Peso de mil grãos B*, Cor KJ Testes SRC Características de qualidade tecnológica

7 Mixografia:Tempo de amassamento, altura Alveografia: Força de glúten; Cor do grão da curva extensibilidade, tenacidade, Ampla adaptação relação P/L, Ie Número de queda Cinzas: grão e farinha Rendimento de grãos Brusone Farinografia: estabilidade, tempo de Composição de proteínas de reserva: da folha desenvolvimento da massa, absorção de gliadinaferrugens e gluteninas (baixoe edoalto colmo e presença de água, índiceestatura de tolerância à mistura peso molecular) de planta Alta estabilidade secalina Produtos finais Giberela Amilografia:viscosidade, (amido danificado), ponto de quebra, set Extensografia: resistência, back extensibilidade, R/E Germinação na espiga Oídio de grãos Dureza Teor de glúten: seco, Peso do hectolitro úmido e index Crestamento VNAC Sedimentação Teor de proteínas Rendimento de farinha Manchas da gluma, marron e Vírus do mosaico Peso de mil grãos bronzeada Cor de farinha: L*, A*, B*, Cor KJ Características agronômicas, fitossanitárias e Testes SRC de qualidade tecnológica

8 Granizo Geada Precipitação pluvial Local de plantio Temperaturas mínima e máxima Radiação solar global Excesso ou déficit hídrico do solo Umidade relativa do ar Adubação de base ou de cobertura Pragas e doenças Tratamentos fitossanitários Sistemas de rotação de culturas Manejo do solo Época de plantio O ambiente

9 Colheita Estádio de maturação do grão Regulagem da colhedora Precipitação pluvial Umidade do grão

10 Operações de armazenamento Separação do trigo por classes, por características e por defeitos Pragas de grãos armazenados Micotoxinas Secagem

11 Classificação comercial: preocupação em todas as etapas do processo

12 Classificação comercial º

13 Distribuição percentual do uso de farinha de trigo Biscoitos 11% Macarrão 16% Panificação 52% Doméstico 21%

14 Sugestão de padrões para farinha de trigo tipificadas Produto Brando Pão Melhorador Bolo Biscoitos Uso doméstico Pão francês Pão de forma Cracker Massas alimentícias W (10-4 J) P/L ,40-1,00 0,40-1,00 0,50-1,00 Número de Queda (segundos) >150 > >200 0,50-1,20 0,50-1,20 0,70-1,50 1,00-3, >250 Fonte: Informações Técnicas para a safra 2009: Trigo e Triticale Comissão Brasileira de Pesquisa de Trigo e Triticale

15 Usos do Trigo no Brasil - Demanda em toneladas Consumo, em 2009, estimado em toneladas Panificação (52%) Uso doméstico (21%) Massas alimentícias (16%) Biscoitos (11%)

16 Usos do Trigo no Brasil - Demanda em toneladas Produção estimada, em 2009, toneladas Consumo estimado, em 2009, toneladas Uso doméstico (21%) Biscoitos (11%) Total de Trigo Brando 32% ou toneladas Fonte: Adaptado de SINDITRIGO/ABITRIGO e CONAB

17 Usos do Trigo no Brasil - Demanda em toneladas Produção estimada, em 2009, toneladas Consumo estimado, em 2009, toneladas Panificação (52%) Massas alimentícias (16%) Total de trigo Pão e Melhorador 68 % ou toneladas Fonte: Adaptado de SINDITRIGO/ABITRIGO e CONAB - Levantamento:Abr/2004

18 PRODUÇÃO ESTIMADA DE TRIGO POR ESTADO E CLASSE COMERCIAL, SAFRA 2009 Estado/Região PR RS Cerrado Total Produção %, Pão estimada Melhorador , %, Brando 10 59,4 1 Produção Pão Melhorador Produção Brando

19

20 Sugestão para o estabelecimento de classes comerciais de trigo no Brasil

21 O que necessita de maior evolução para melhorar a qualidade do trigo nacional? Definição de regionalização do plantio do trigo por qualidade; Segregação de trigo por qualidade, característica especial e defeitos; Investir em armazenamento.

22 Muito obrigada

BRS PARRUDO: NOVA PROPOSTA DE ARQUITETURA DE PLANTA DE TRIGO ADAPTADA AO SUL DO BRASIL

BRS PARRUDO: NOVA PROPOSTA DE ARQUITETURA DE PLANTA DE TRIGO ADAPTADA AO SUL DO BRASIL BRS PARRUDO: NOVA PROPOSTA DE ARQUITETURA DE PLANTA DE TRIGO ADAPTADA AO SUL DO BRASIL Pedro Luiz Scheeren 1, Vanderlei da Rosa Caetano 2, Eduardo Caierão 1, Márcio Só e Silva 1, Luiz Eichelberger 1, Martha

Leia mais

Avaliação da qualidade tecnológica do trigo no BRASIL - safras 2015 e 2016

Avaliação da qualidade tecnológica do trigo no BRASIL - safras 2015 e 2016 Avaliação da qualidade tecnológica do trigo no BRASIL - safras 2015 e 2016 Gilberto R. Cunha Painel 02 Cascavel/PR, 25 de julho de 2017 Roteiro do apresentação 30 minutos» Agradecimentos;» Contextualização

Leia mais

1.2. Situação da Cultura do Trigo no Brasil e no Mundo

1.2. Situação da Cultura do Trigo no Brasil e no Mundo 1.2. Situação da Cultura do Trigo no Brasil e no Mundo TRIGO BALANÇO MUNDIAL Ano Área Produção Consumo Consumo Estoque final (mil ha) (mil t) (mil t) per capta (mil t) (kg/hab/ano) 2007/08 217.102 612.708

Leia mais

BRS Sabiá - Nova Cultivar de Trigo da Embrapa

BRS Sabiá - Nova Cultivar de Trigo da Embrapa BRS Sabiá - Nova Cultivar de Trigo da Embrapa Manoel Carlos Bassoi 1, José Salvador Simoneti Foloni 1, Pedro Luiz Scheeren 2, Eliana Maria Guarienti 2, Luís César Vieira Tavares 1 e Luiz Carlos Miranda

Leia mais

Desempenho Agronômico da Cultivar de Trigo BRS 220, no Mato Grosso do Sul, e Aptidão Tecnológica

Desempenho Agronômico da Cultivar de Trigo BRS 220, no Mato Grosso do Sul, e Aptidão Tecnológica Desempenho Agronômico da Cultivar de Trigo BRS 220, no Mato Grosso do Sul, e Aptidão Tecnológica Bassoi, M.C. 1 ; Brunetta, D. 1 ; Dotto, S.R. 2 ; Scheeren, P.L. 3 ; Tavares, L.C. 1 ; Miranda, M.Z. de

Leia mais

TBIO SELETO - Rusticidade, precocidade e bom potencial de rendimento

TBIO SELETO - Rusticidade, precocidade e bom potencial de rendimento TBIO SELETO - Rusticidade, precocidade e bom potencial de rendimento Igor Tonin 1, André Cunha Rosa 2, Ottoni Rosa Filho 3 Ana Silvia de Camargo 4 1 Eng. Agrônomo, Biotrigo Genética Ltda (BIOTRIGO), Rua

Leia mais

BRS Gralha-Azul, nova cultivar de trigo da Embrapa

BRS Gralha-Azul, nova cultivar de trigo da Embrapa BRS Gralha-Azul, nova cultivar de trigo da Embrapa Manoel Carlos Bassoi 1, Pedro Luiz Scheeren 2, Martha Zavariz de Miranda 3, Luis César Vieira Tavares 4, Luiz Carlos Miranda 5 e Luiz Alberto Cogrossi

Leia mais

CULTIVARES DE TRIGO EMBRAPA

CULTIVARES DE TRIGO EMBRAPA CULTIVARES DE TRIGO EMBRAPA Irrigado NR VCU 1 - Fria/Úmida VCU 2 - Quente/Úmida VCU 3 - Mod. Seca/Quente VCU 4 - Seca/Quente - Cerrado LEGENDA: Od Oídio FF Ferrugem da Folha MF Manchas Foliares Gib Giberela

Leia mais

ANEXO VIII MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇAO DE CULTIVARES

ANEXO VIII MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇAO DE CULTIVARES ANEXO VIII MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇAO DE CULTIVARES Requisitos Mínimos para Determinação do Valor de Cultivo e Uso do

Leia mais

Melhoramento genético de cereais de inverno

Melhoramento genético de cereais de inverno Faculdade de Agronomia Departamento de Plantas de Lavoura Melhoramento genético de cereais de inverno para ambientes subtropicais Prof. Itamar C. Nava 17 de outubro de 2012 Ambientes subtropicais Grande

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO DO TRITICALE. Palestrante: Allan Henrique da Silva. Introdução

MELHORAMENTO GENÉTICO DO TRITICALE. Palestrante: Allan Henrique da Silva. Introdução MELHORAMENTO GENÉTICO DO TRITICALE Palestrante: Allan Henrique da Silva Introdução Primeiro cereal criado pelo homem; Reduzir a deficiência de alimento; Uso: Forragem verde e feno Silagem Grãos secos para

Leia mais

MOMENTO DE APLICAÇÃO DE NITROGÊNIO EM COBERTURA EM TRIGO: QUALIDADE TECNOLÓGICA E RENDIMENTO DE GRÃOS

MOMENTO DE APLICAÇÃO DE NITROGÊNIO EM COBERTURA EM TRIGO: QUALIDADE TECNOLÓGICA E RENDIMENTO DE GRÃOS MOMENTO DE APLICAÇÃO DE NITROGÊNIO EM COBERTURA EM TRIGO: QUALIDADE TECNOLÓGICA E RENDIMENTO DE GRÃOS João Leonardo Fernandes Pires 1, Ricardo Lima de Castro 1, Eliana Maria Guarienti 1, Luiz Eichelberger

Leia mais

OR Sementes: 26 anos de excelência em trigo

OR Sementes: 26 anos de excelência em trigo OR Sementes: 26 anos de excelência em trigo Em 8 de julho, 2015 ocorreu a Reunião Anual da Comissão Brasileira de Pesquisa de Trigo. A destacada participação da OR Melhoramento de Sementes levanos a compartilhar

Leia mais

Aptidão Tecnológica de Cultivares do Ensaio de Qualidade de Trigo do Paraná (EQT-PR) Safra 2011

Aptidão Tecnológica de Cultivares do Ensaio de Qualidade de Trigo do Paraná (EQT-PR) Safra 2011 Aptidão Tecnológica de Cultivares do Ensaio de Qualidade de Trigo do Paraná (EQT-PR) Safra 2011 Martha Zavariz de Miranda 1, Luiz Alberto Cogrossi Campos 2, Manoel Carlos Bassoi 3, Juliano Luiz de Almeida

Leia mais

Relação Entre Índice De Elasticidade (Ie) E Força Da Farinha (W)

Relação Entre Índice De Elasticidade (Ie) E Força Da Farinha (W) Relação Entre Índice De Elasticidade (Ie) E Força Da Farinha (W) Amauri Anzolin. Viecili 1, Fernanda Jaqueline. Menegusso 1, Tatiane Pauly 2, Dermânio Tadeu Lima Ferreira 3 Resumo: O trigo é de grande

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ENTRE GERMINAÇÃO NA ESPIGA EM PRÉ-COLHEITA E TESTE DE NÚMERO DE QUEDA EM GENÓTIPOS DE TRIGO

ASSOCIAÇÃO ENTRE GERMINAÇÃO NA ESPIGA EM PRÉ-COLHEITA E TESTE DE NÚMERO DE QUEDA EM GENÓTIPOS DE TRIGO ASSOCIAÇÃO ENTRE GERMINAÇÃO NA ESPIGA EM PRÉ-COLHEITA E TESTE DE NÚMERO DE QUEDA EM GENÓTIPOS DE TRIGO Barbara Giacomin¹, Pedro Luiz Scheeren², Eliana Maria Guarienti², Gabrieli Scariot ³ e Juliana Hanel

Leia mais

1040 P G Sousa recomendação foi estendida para o Estado de São Paulo, a partir de 1994, para as zonas tritícolas A e A1 (Camargo et al, 1996) e para o

1040 P G Sousa recomendação foi estendida para o Estado de São Paulo, a partir de 1994, para as zonas tritícolas A e A1 (Camargo et al, 1996) e para o BR 18-Terena: cultivar de trigo para o Brasil 1039 NOVAS CULTIVARES BR 18-Terena: cultivar de trigo para o Brasil (1) Paulo Gervini Sousa (2) Resumo A cultivar de trigo BR 18-Terena, criada pelo Cimmyt

Leia mais

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS 6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Prejuízos: -Competição por água; -Competição por luz; -Competição por nutrientes; -Hospedeiros de pragas e doenças; -Interferência na operação de colheita. Período de competição:

Leia mais

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra!

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra! GUIA DE CULTIVARES A semente é a base do sucesso de uma lavoura. Sua qualidade é essencial para os bons resultados de cada safra, garantindo maior produtividade, competitividade e o lucro do produtor.

Leia mais

Genética Embrapa: INOVAÇÃO E SUPERIORIDADE NO CAMPO

Genética Embrapa: INOVAÇÃO E SUPERIORIDADE NO CAMPO Genética Embrapa: INOVAÇÃO E SUPERIORIDADE NO CAMPO Foz do Iguaçu PR 20/06/2017 Engº Agrº Ralf Udo Dengler Engº Agrº Milton Dalbosco Fundação Meridional Novos patamares de produtividade! Destaques do Melhoramento

Leia mais

AVEIA BRANCA FORRAGEIRA IPR ESMERALDA

AVEIA BRANCA FORRAGEIRA IPR ESMERALDA AVEIA BRANCA FORRAGEIRA RELAÇÃO FOLHA/COLMO Proporção 1,5:1 2,3:1 SEMENTES SUGESTÃO DE SEMEADURA A cultivar está registrada no Registro Nacional de Cultivares (RNC/MAPA) sob o nº. 29.873. Sementes podem

Leia mais

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE FEIJÃO COM SEMENTES DISPONÍVEIS NO MERCADO

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE FEIJÃO COM SEMENTES DISPONÍVEIS NO MERCADO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE FEIJÃO COM SEMENTES DISPONÍVEIS NO MERCADO IAPAR 81 Cultivar do grupo carioca, de porte ereto, recomendada para cultivo a partir de junho de 1997. Apresenta

Leia mais

IAC 385 Cultivar de trigo melhorador

IAC 385 Cultivar de trigo melhorador IAC 385 Cultivar de trigo melhorador Felicio, J.C. 1- ;Camargo,C.E.O. 1- ; Ferreira Filho, A.W.P. 1- ; Reco, P.C. 2- ; Ramos Junior, E.U. 2- (1) Instituto Agronômico (IAC), Caixa Postal 28, 13012-970 Campinas

Leia mais

1O que é. São culturas de inverno que podem ser utilizadas em

1O que é. São culturas de inverno que podem ser utilizadas em Cesar José da Silva Alceu Richetti Márcio Akira Ito Carmen Regina Pezarico Opções para Diversificação na Segunda Safra 1O que é. São culturas de inverno que podem ser utilizadas em alternativa ao tradicional

Leia mais

Desejos do consumidor final. Comercialização e Industrialização do trigo

Desejos do consumidor final. Comercialização e Industrialização do trigo Desejos do consumidor final Comercialização e Industrialização do trigo Disponibilidade de informação em rotulagem e legislação Quais são as atuais preocupações deste consumidor 2º Mercado de cirurgias

Leia mais

Profa. Juliana Schmidt Galera

Profa. Juliana Schmidt Galera Profa. Juliana Schmidt Galera CEVADA TRIGO MILHO ARROZ AVEIA CENTEIO SORGO OUTROS Composição centesimal Composição centesimal - soja em grãos 9% OLEAGINOSA 30% 5% 36% Umidade Proteínas Lipídios Cinzas

Leia mais

Guia de CULTIVARES 2017

Guia de CULTIVARES 2017 Guia de CULTIVARES 2017 VIGOR Emergência rápida e uniforme. População ajustada mesmo sob condições de estresse. Plantas de alto desempenho, com melhor estrutura de produção. Área foliar mais equilibrada,

Leia mais

Os grandes desafios sobre CT&I em trigo

Os grandes desafios sobre CT&I em trigo Os grandes desafios sobre CT&I em trigo Brasil X Mundo Gilberto R. Cunha Brasília/DF, 04 de agosto de 2009 no Mundo 682 milhões de toneladas 636 milhões de toneladas consumidas 224 milhões de hectares

Leia mais

Comportamento da Cultivar de Trigo IPR 85 na Região Sul de Mato Grosso do Sul, Safras 1999 a 2002

Comportamento da Cultivar de Trigo IPR 85 na Região Sul de Mato Grosso do Sul, Safras 1999 a 2002 ISSN 1679-464 Comportamento da Cultivar de Trigo IPR 85 na Região Sul de Mato Grosso do Sul, Safras 1999 a 22 9 Introdução No Brasil, a cultura do trigo teve início no Rio Grande do Sul, expandindo-se

Leia mais

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Agenda 1. Histórico Soja marca Pioneer 2. Pesquisa Soja Brasil 3. Qualidade das Sementes DuPont Pioneer 4. Cultivares

Leia mais

TBIO IGUAÇU - Produtividade, qualidade e fácil gerenciamento

TBIO IGUAÇU - Produtividade, qualidade e fácil gerenciamento TBIO IGUAÇU - Produtividade, qualidade e fácil erenciamento Ior Tonin 1, André Cunha Rosa 2, Ottoni Rosa Filho 3 Ana Silvia de Camaro 4 1 En. Arônomo, Biotrio Genética Ltda (BIOTRIGO), Rua João Battisti,71,

Leia mais

NOVAS CULTIVARES TRIGO EMBRAPA 41:

NOVAS CULTIVARES TRIGO EMBRAPA 41: TRIGO EMBRAPA 41: NOVA CULTIVAR 1511 NOVAS CULTIVARES TRIGO EMBRAPA 41: NOVA CULTIVAR PARA MINAS GERAIS, GOIÁS E DISTRITO FEDERAL 1 JULIO CESAR ALBRECHT 2, JOSÉ MARIA VILELA DE ANDRADE 3 e CANTIDIO NICOLAU

Leia mais

TRIGO ABASTECIMENTO NACIONAL

TRIGO ABASTECIMENTO NACIONAL TRIGO ABASTECIMENTO NACIONAL Paulo Magno Rabelo Diretoria de Política Agrícola e Informações Analista de Mercado SITUAÇÃO NO MUNDO PRODUÇÃO MUNDIAL E BRASILEIRA DOS PRINCIPAIS GRÃOS EM 2014/15 ÁREA, PRODUÇÃO,

Leia mais

Avaliação das propriedades reológicas do trigo armazenado

Avaliação das propriedades reológicas do trigo armazenado ISSN 11-261 Ciência e Tecnologia de Alimentos Avaliação das propriedades reológicas do trigo armazenado Rheological properties evaluation of stored wheat Aparecido Nivaldo MÓDENES 1 *, Acir Martins da

Leia mais

TBIO ITAIPU Elevado potencial de rendimento

TBIO ITAIPU Elevado potencial de rendimento TBIO ITAIPU Elevado potencial de rendimento Ior Tonin 1, André Cunha Rosa 2, Ottoni de Rosa Filho 3 e Ana Silvia de Camaro 4. 1 En. Arônomo, Biotrio Genética Ltda (BIOTRIGO), Rua João Battisti,71, CEP

Leia mais

GERMINAÇÃO PRÉ-COLHEITA NAS CULTIVARES DE TRIGO DO RIO GRANDE DO SUL, ANO 2014

GERMINAÇÃO PRÉ-COLHEITA NAS CULTIVARES DE TRIGO DO RIO GRANDE DO SUL, ANO 2014 GERMINAÇÃO PRÉ-COLHEITA NAS CULTIVARES DE TRIGO DO RIO GRANDE DO SUL, ANO 2014 Ricardo Lima de Castro 1, Artur Chais 2, Eliana Maria Guarienti 1, João Leonardo Fernandes Pires 1, Márcio Só e Silva 1, Eduardo

Leia mais

DESAFIOS DA CULTURA DO SORGO

DESAFIOS DA CULTURA DO SORGO DESAFIOS DA CULTURA DO SORGO RIO GRANDE DO SUL Antônio Carlos Girotto Júnior Eng. Agrônomo Crea RS136668 RTV Santa Helena Sementes/Grupo Agroceres INTRODUÇÃO O Sorgo - Sorghum bicolor (L.) Moench Origem:

Leia mais

DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ

DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ José Salvador Simoneti Foloni 1*, Manoel Carlos Bassoi 1, Luis César Vieira Tavares 1, Larissa

Leia mais

Introdução ao Manejo para Qualidade Industrial em Trigo

Introdução ao Manejo para Qualidade Industrial em Trigo Informativo Técnico 1/2010 Introdução ao Manejo para Qualidade Industrial em Trigo Ottoni Rosa Filho, Ph.D. 1 - Aspectos Básicos sobre Qualidade para Panificação O grão de trigo possui dois componentes

Leia mais

TRIGO PARANÁ - BRASIL 2009. Brasília, 21 de outubro 2009 Ivo Carlos Arnt Filho

TRIGO PARANÁ - BRASIL 2009. Brasília, 21 de outubro 2009 Ivo Carlos Arnt Filho TRIGO PARANÁ - BRASIL 2009 Brasília, 21 de outubro 2009 Ivo Carlos Arnt Filho Área Produção Rendimento Médio 08-09 07-08 08-09 07-08 08-09 07-08 UF % % % a/b a b a/b (a) (b) a/b (a) (b) PR 34 1.100 820

Leia mais

Características e Desempenho Produtivo de Cultivares de Arroz de Terras Altas Recomendadas para Roraima

Características e Desempenho Produtivo de Cultivares de Arroz de Terras Altas Recomendadas para Roraima Características e Desempenho Produtivo de Cultivares de Arroz de Terras Altas Recomendadas para Roraima Antonio Carlos Centeno Cordeiro. Eng. Agr. Dr. Pesquisador da Embrapa Roraima Em Roraima, o cultivo

Leia mais

Desafios e atualidades no melhoramento genético para o cultivo de trigo no Brasil

Desafios e atualidades no melhoramento genético para o cultivo de trigo no Brasil Everton Garcia Analista comercial RS_SC Lorenzo M. Viecili Gerente Comercial Desafios e atualidades no melhoramento genético para o cultivo de trigo no Brasil Sumário: Biotrigo Genética no mercado; Resumo

Leia mais

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Trigo 2012

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Trigo 2012 09 Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Trigo 01 Introdução A falta de uma política de incentivo à triticultura nacional, a altura da importância que o produto tem para o Brasil e que

Leia mais

Relatos do desempenho da cultura do trigo no Brasil, Safra RS e SC. João Leonardo Pires Sistemas de Produção Embrapa Trigo

Relatos do desempenho da cultura do trigo no Brasil, Safra RS e SC. João Leonardo Pires Sistemas de Produção Embrapa Trigo Relatos do desempenho da cultura do trigo no Brasil, Safra 2015 RS e SC João Leonardo Pires Sistemas de Produção Embrapa Trigo 10ª RCBPTT, Londrina, 27 de julho de 2016 Ambiente Planta Manejo Comercialização

Leia mais

NOVAS CULTIVARES EMBRAPA 22: NOVA CULTIVAR DE TRIGO PARA MINAS GERAIS, GOIÁS E DISTRITO FEDERAL 1

NOVAS CULTIVARES EMBRAPA 22: NOVA CULTIVAR DE TRIGO PARA MINAS GERAIS, GOIÁS E DISTRITO FEDERAL 1 EMBRAPA 22: NOVA CULTIVAR DE TRIGO 717 NOVAS CULTIVARES EMBRAPA 22: NOVA CULTIVAR DE TRIGO PARA MINAS GERAIS, GOIÁS E DISTRITO FEDERAL 1 JOSÉ MARIA VILELA DE ANDRADE 2, JULIO CESAR ALBRECHT 3 CANTÍDIO

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CAMPO MOURÃO COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CAMPO MOURÃO COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CAMPO MOURÃO COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR MARESA CUSTODIO MOLINARI PROF. DR. MIGUEL APARICIO RODRIGUEZ Autorizo

Leia mais

VIABILIDADE DO TRIGO CULTIVADO NO VERÃO DO BRASIL CENTRAL

VIABILIDADE DO TRIGO CULTIVADO NO VERÃO DO BRASIL CENTRAL VIABILIDADE DO TRIGO CULTIVADO NO VERÃO DO BRASIL CENTRAL Auri Fernando de Moraes 1, Alexandre Pereira Bonfá 1, Walter Quadros Ribeiro Júnior 2, Maria Lucrécia Gerosa Ramos 3, Júlio César Albrecht 2, Renato

Leia mais

III WORKSHOP AGROENERGIA MATÉRIAS PRIMAS ASSOCIAÇÃO DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA RIBEIRÃO PRETO

III WORKSHOP AGROENERGIA MATÉRIAS PRIMAS ASSOCIAÇÃO DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA RIBEIRÃO PRETO III WORKSHOP AGROENERGIA MATÉRIAS PRIMAS ASSOCIAÇÃO DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA RIBEIRÃO PRETO - 21/10/2009 POTENCIAL DE VARIEDADES DE AMENDOIM PARA BIODIESEL Ignácio J. de Godoy Instituto Agronômico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA RENDIMENTO DE GRÃOS E QUALIDADE TECNOLÓGICA DE TRIGO COM APLICAÇÃO DE NITROGÊNIO NO EMBORRACHAMENTO

Leia mais

O TRIGO NO BRASIL E NO MUNDO CADEIA DE PRODUÇÃO, TRANSFORMAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO

O TRIGO NO BRASIL E NO MUNDO CADEIA DE PRODUÇÃO, TRANSFORMAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO O TRIGO NO BRASIL E NO MUNDO CADEIA DE PRODUÇÃO, TRANSFORMAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO Prof José Roberto Canziani DERE/UFPR Profª Vania Di Addario Guimarães DERE/UFPR Agosto - 2009 SEQUÊNCIA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Desempenho e Características Agronômicas, Fitossanitárias e Industriais da cultivar de Trigo BRS Umbu

Desempenho e Características Agronômicas, Fitossanitárias e Industriais da cultivar de Trigo BRS Umbu Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 23 ISSN 1677-8901 Dezembro, 2004 Desempenho e Características Agronômicas, Fitossanitárias e Industriais da cultivar de Trigo BRS Umbu Leo de J. A. Del

Leia mais

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul Machado, J.R. de A. 1 ; Guimarães, L.J.M. 2 ; Guimarães, P.E.O. 2 ; Emygdio, B.M. 3 Introdução As variedades sintéticas

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO INDICADAS PARA SEMEIO NA SAFRA 2009/10 EM RORAIMA

CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO INDICADAS PARA SEMEIO NA SAFRA 2009/10 EM RORAIMA CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO INDICADAS PARA SEMEIO NA SAFRA 2009/10 EM RORAIMA Antonio Carlos Centeno Cordeiro Eng. Agr. Dr. Pesquisador da Embrapa Roraima Em Roraima, o agronegócio

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Documentos 167

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Documentos 167 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Cerrados Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ISSN 1517-5111 Setembro, 2006 Documentos 167 Embrapa 22: cultivar de trigo irrigado para

Leia mais

Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09

Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09 Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09 Alberto Francisco Boldt; Engenheiro agrônomo, pesquisador do Instituto Mato-Grossense do Algodão IMAmt; Caixa Postal: 149, CEP 78.850-000;

Leia mais

Avaliação de Cultivares de Sorgo Sacarino em Ecossistema de Cerrado no Estado de Roraima

Avaliação de Cultivares de Sorgo Sacarino em Ecossistema de Cerrado no Estado de Roraima XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Avaliação de Cultivares de Sorgo Sacarino em Ecossistema de Cerrado no Estado de Roraima 1 Everton Diel Souza, 2

Leia mais

Padrões para a classificação do MILHO. Caroline Matheus Larissa Gabriela

Padrões para a classificação do MILHO. Caroline Matheus Larissa Gabriela Padrões para a classificação do MILHO Caroline Matheus Larissa Gabriela Introdução O milho (Zea mays) é, sem dúvida, um dos alimentos mais importantes da cadeia alimentar animal. Muito trabalho tem sido

Leia mais

MANEJO DE RESTOS CULTURAIS DE MILHO PARA PLANTIO DIRETO DE TRIGO. Resumo

MANEJO DE RESTOS CULTURAIS DE MILHO PARA PLANTIO DIRETO DE TRIGO. Resumo MANEJO DE RESTOS CULTURAIS DE MILHO PARA PLANTIO DIRETO DE TRIGO Denardin, J.E. 1 ; Kochhann, R.A. 1 Resumo Presume-se que semeadoras para plantio direto apresentam problemas operacionais para semear trigo

Leia mais

Estimativas e Desempenho de Variedades. Eng. Agr. Jose Carlos Salata

Estimativas e Desempenho de Variedades. Eng. Agr. Jose Carlos Salata Estimativas e Desempenho de Variedades Eng. Agr. Jose Carlos Salata Estimativa de Cana Identificando o Canavial Banco de Dados das Áreas (Própria/Fornecedor) Fazenda Lote Talhão Área Estágio Variedade

Leia mais

VI Reunião da Comissão Brasileira de Pesquisa de Trigo e Triticale Área de concentração do trabalho: Transferência de Tecnologia e Sócioeconomia

VI Reunião da Comissão Brasileira de Pesquisa de Trigo e Triticale Área de concentração do trabalho: Transferência de Tecnologia e Sócioeconomia VI Reunião da Comissão Brasileira de Pesquisa de Trigo e Triticale Área de concentração do trabalho: Transferência de Tecnologia e Sócioeconomia VALIDAÇÃO DE SISTEMA DE RASTREABILIDADE DIGITAL PARA TRIGO

Leia mais

A influência do uso do fungicida sobre a qualidade da farinha de trigo

A influência do uso do fungicida sobre a qualidade da farinha de trigo A influência do uso do fungicida sobre a qualidade da farinha de trigo Cilani Fátima Barichello 1, Dermânio Tadeu Lima Ferreira 2 22 1 Faculdade Assis Gurgacz - FAG, Eng. Agrônoma, bolsista da Fundação

Leia mais

No Brasil, a exigência do mercado por qualidade

No Brasil, a exigência do mercado por qualidade 181 Qualidade de trigo: conceitos não bem assimilados Eliana Maria Guarienti No Brasil, a exigência do mercado por qualidade de produtos ainda tem de percorrer um longo caminho que começa na definição

Leia mais

AVALIAÇÃO FISICO-QUIMICA E REOLÓGICA DAS PRINCIPAIS FARINHAS DE TRIGO COMERCIALIZADAS EM PADARIAS DO MUNICIPIO DE CASCAVEL

AVALIAÇÃO FISICO-QUIMICA E REOLÓGICA DAS PRINCIPAIS FARINHAS DE TRIGO COMERCIALIZADAS EM PADARIAS DO MUNICIPIO DE CASCAVEL AVALIAÇÃO FISICO-QUIMICA E REOLÓGICA DAS PRINCIPAIS FARINHAS DE TRIGO COMERCIALIZADAS EM PADARIAS DO MUNICIPIO DE CASCAVEL Lucinéia de Oliveira Grobs Zimmermann, Jaqueline Sedor, Lorena Maia Noreto, Wesley

Leia mais

AGRICULTURA I Téc. Agronegócios

AGRICULTURA I Téc. Agronegócios AGRICULTURA I Téc. Agronegócios CULTURA DO MILHO IFSC CÂMPUS LAGES FENOLOGIA DO MILHO INTRODUÇÃO: Ciclo vegetativo variado Evidencia cultivares desde extremamente precoces, cuja polinização pode ocorrer

Leia mais

Reação de genótipos de trigo (Triticum aestivum L.) ao mosaico comum análise de dados 2011

Reação de genótipos de trigo (Triticum aestivum L.) ao mosaico comum análise de dados 2011 ISSN 58-65 Julho, 0 37 Reação de genótipos de trigo (Triticum aestivum L.) ao mosaico comum análise de dados 0 Foto: Douglas Lau Douglas Lau Paulo Roberto Valle da Silva Pereira Alan Johnny Carminatti

Leia mais

RESULTADOS DE 2009 CULTIVARES DE TRIGO INDICADAS PARA O PARANÁ E SÃO PAULO. Fevereiro, 2010

RESULTADOS DE 2009 CULTIVARES DE TRIGO INDICADAS PARA O PARANÁ E SÃO PAULO. Fevereiro, 2010 DESEMPENHO DE CULTIVARES DE TRIGO INDICADAS PARA O PARANÁ E SÃO PAULO Fevereiro, 2010 RESULTADOS DE 2009 Rendimento e características agronômicas das cultivares, indicadas pelo zoneamento agrícola, em

Leia mais

COLHEITA MECANICA DO MILHO

COLHEITA MECANICA DO MILHO COLHEITA MECANICA DO MILHO Evandro Chartuni Mantovani 1. INTRODUÇÃO A colheita mecânica de milho é uma prática que começa a apresentar importância para os agricultores brasileiros. Geralmente, o agricultor

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Campo Mourão Curso Superior em Tecnologia em Alimentos REGIANE RAMALHO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Campo Mourão Curso Superior em Tecnologia em Alimentos REGIANE RAMALHO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Campo Mourão Curso Superior em Tecnologia em Alimentos REGIANE RAMALHO RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR CONTROLE DE QUALIDADE NA EMPRESA COOPERATIVA COAMO

Leia mais

5.9 Controle de Pragas e Doenças

5.9 Controle de Pragas e Doenças 5.9 Controle de Pragas e Doenças 1 5.9.1 Medidas gerais de controle de pragas 2 a) Métodos Legislativos -Realizado pelo serviço de vigilância sanitária; - Consiste na fiscalização de portos, aeroportos,

Leia mais

Avaliação Preliminar de Híbridos Triplos de Milho Visando Consumo Verde.

Avaliação Preliminar de Híbridos Triplos de Milho Visando Consumo Verde. Avaliação Preliminar de Híbridos Triplos de Milho Visando Consumo Verde. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de 2002 - Florianópolis - SC Monteiro, M. A. R1., Pereira Filho,

Leia mais

INFORMATIVO ESPECIAL :: SAFRA DE INVERNO LOCAIS DE RECEBIMENTO, PRODUTOS E HORÁRIOS

INFORMATIVO ESPECIAL :: SAFRA DE INVERNO LOCAIS DE RECEBIMENTO, PRODUTOS E HORÁRIOS ESPECIAL DE SAFRA * PUBLICAÇÃO SEMANAL DA COOPERATIVA CASTROLANDA * 03.09.2015 INFORMATIVO ESPECIAL :: SAFRA DE INVERNO 2015 1 LOCAIS DE RECEBIMENTO, PRODUTOS E HORÁRIOS UNIDADES DE RECEBIMENTO PRODUTOS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA CORNELIO PRIMIERI Eng. Agrônomo/Professor/Pesquisador FAG Faculdade Assis Gurgacz

Leia mais

CULTIVARES DE TRIGO E TRITICALE

CULTIVARES DE TRIGO E TRITICALE Embrapa Soja Rodovia Carlos João Strass, Acesso Orlando Amaral Caixa Postal 31, CEP 86001-970, Londrina/PR Telefone: (43) 3371 6000 Fax: (43) 3371 6100 www.embrapa.br/soja www.embrapa.br/fale-conosco Embrapa

Leia mais

Funções dos Ingredientes na Panificação

Funções dos Ingredientes na Panificação UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE AGROINDUSTRIAL DISCIPLINA DE TECNOLOGIA DE PANIFICAÇÃO E PRODUÇÃO DE AMIDO Funções dos Ingredientes na Panificação Prof. ª Elessandra

Leia mais

AVALIAÇÃO DE POPULAÇÕES DE SOJA DESTINADAS À ALIMENTAÇÃO HUMANA PARA O ESTADO DE MINAS GERAIS

AVALIAÇÃO DE POPULAÇÕES DE SOJA DESTINADAS À ALIMENTAÇÃO HUMANA PARA O ESTADO DE MINAS GERAIS AVALIAÇÃO DE POPULAÇÕES DE SOJA DESTINADAS À ALIMENTAÇÃO HUMANA PARA O ESTADO DE MINAS GERAIS Paulo Rogério Nascimento Resende (1), Maria Eugênia Lisei de Sá (2), Roberto Kazuhiko Zito (3) (1) Bolsista

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011 INFORME AGROECONÔMICO Nº: 421/11 Data: 15/07/11 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011 O Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná

Leia mais

NOTA TÉCNICA 1. Impactos da variabilidade climática extrema na safra de trigo de 2015 no Sul do Brasil

NOTA TÉCNICA 1. Impactos da variabilidade climática extrema na safra de trigo de 2015 no Sul do Brasil NOTA TÉCNICA 1 Impactos da variabilidade climática extrema na safra de trigo de 2015 no Sul do Brasil Os avanços alcançados em melhoramento genético vegetal (novas cultivares) e em tecnologia de produção

Leia mais

11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz

11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz 11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz COLHEITA Ponto de colheita: Critério visual 2/3 do ápice os grãos vítreos 1/3 da base de grãos farináceos Critério técnico determinação da umidade

Leia mais

COMPORTAMENTO DE LINHAGENS DE MAMONA (Ricinus communis L.), EM BAIXA ALTITUDE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1

COMPORTAMENTO DE LINHAGENS DE MAMONA (Ricinus communis L.), EM BAIXA ALTITUDE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1 Página 1650 COMPORTAMENTO DE LINHAGENS DE MAMONA (Ricinus communis L.), EM BAIXA ALTITUDE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1 Marcelo Abdon Lira 1 ; Máira Milani 2 ; Hélio Wilson Lemos de Carvalho 3 ; João

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CAMPO MOURÃO CURSO SUPERIOR EM TECNOLOGIA EM ALIMENTOS PRISCILLA BRAGA DE CARVALHO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CAMPO MOURÃO CURSO SUPERIOR EM TECNOLOGIA EM ALIMENTOS PRISCILLA BRAGA DE CARVALHO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CAMPO MOURÃO CURSO SUPERIOR EM TECNOLOGIA EM ALIMENTOS PRISCILLA BRAGA DE CARVALHO CONTROLE DE QUALIDADE DA FARINHA DE TRIGO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAMPO

Leia mais

Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil

Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO SALVADOR 5 DE AGOSTO DE 2014 Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) Influência

Leia mais

Colheita e pós-colheita

Colheita e pós-colheita Cultivo do Milho Economia da Produção Zoneamento Agrícola Clima e Solo Ecofisiologia Manejo de Solos Fertilidade de Solos Cultivares Plantio Irrigação Plantas daninhas Doenças Pragas Colheita e pós-colheita

Leia mais

AGRICULTURA I Téc. Agroecologia

AGRICULTURA I Téc. Agroecologia AGRICULTURA I Téc. Agroecologia CULTURA DO MILHO IFSC CÂMPUS LAGES FENOLOGIA DO MILHO Etapas de desenvolvimento: 1.Germinação e emergência: Semeadura até o efetivo aparecimento da plântula, Duração pode

Leia mais

Melhoramento Genético Cana-de-açúcar. Melhoramento da Cana-de-Açúcar

Melhoramento Genético Cana-de-açúcar. Melhoramento da Cana-de-Açúcar Melhoramento Genético Cana-de-açúcar Melhoramento da Cana-de-Açúcar Produção de Cana no Brasil BRASIL: Maior produtor mundial de cana-de-açúcar 7,7 mi hectares 2% das terras aráveis 629 mi t cana 36,7

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CASE DA REGIÃO

APRESENTAÇÃO DO CASE DA REGIÃO APRESENTAÇÃO DO CASE DA REGIÃO SUL Leandro Sartoreli Ricci Mamborê - PR 2010/2011 Produtividade: 6.027 kg/ha (100,5 sc/ha) - Variedade SYN 3358 (Variedade com folhas lanceoladas e alta resistência ao acamamento)

Leia mais

CULTIVARES DE SOJA NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

CULTIVARES DE SOJA NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO ENCONTRO REGIONAL SOBRE TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO DE MILHO E SOJA 61 CULTIVARES DE SOJA NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO LOPES, L.G. 1 CLEMENTE FILHO, A. 1 UNÊDA-TREVISOLI, S.H. 2 RECO, P.C. 3 BARBARO,

Leia mais

6 PRÁTICAS CULTURAIS

6 PRÁTICAS CULTURAIS 6 PRÁTICAS CULTURAIS 6.1 PREPARO DO SOLO - Histórico e Objetivos -Tipos de Preparo -- Aração + Gradagem - Discos -Aiveca -Escarificador -- Grade pesada + Grade Leve No caso de revolvimento do solo CUIDADOS

Leia mais

Análise da relação entre W e % de Proteína em Quartzo

Análise da relação entre W e % de Proteína em Quartzo Análise da relação entre W e % de Proteína em Quartzo Baseado em dados de Ulfried Arns, Bom Jesus,RS - 2009 Lorenzo Mattioni Viecili Gerente Comercial Biotrigo Genética Ltda. lorenzo@biotrigo.com.br Introdução

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina FIT442 Cultura de Soja, Sorgo e Trigo

Programa Analítico de Disciplina FIT442 Cultura de Soja, Sorgo e Trigo Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina FIT Cultura de Soja, Sorgo e Trigo Departamento de Fitotecnia - Centro de Ciências Agrárias Número de créditos: Teóricas Práticas Total

Leia mais

ANÁLISES REOLÓGICAS DE FARINHA MISTA DE FARINHA DE TRIGO (Triticum aestivum) COM FÉCULA DE MANDIOCA (Manihot esculenta) EM DIFERENTES PORCENTAGENS.

ANÁLISES REOLÓGICAS DE FARINHA MISTA DE FARINHA DE TRIGO (Triticum aestivum) COM FÉCULA DE MANDIOCA (Manihot esculenta) EM DIFERENTES PORCENTAGENS. ANÁLISES REOLÓGICAS DE FARINHA MISTA DE FARINHA DE TRIGO (Triticum aestivum) COM FÉCULA DE MANDIOCA (Manihot esculenta) EM DIFERENTES PORCENTAGENS. Fernanda Jaqueline Menegusso 1, Amauri Anzolin Viecili

Leia mais

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE A IRGA 424 apresenta como diferencial o alto potencial produtivo, responde muito bem ao manejo e às altas adubações. Origem: cruzamento IRGA 370-42-1-1F-B5/BR IRGA 410//IRGA

Leia mais

MAIOR PRODUTIVIDADE PARA SUA LAVOURA, SEMENTES DE MILHO E SORGO PARA GRÃOS E SILAGEM.

MAIOR PRODUTIVIDADE PARA SUA LAVOURA, SEMENTES DE MILHO E SORGO PARA GRÃOS E SILAGEM. MAIOR PRODUTIVIDADE PARA SUA LAVOURA, SEMENTES DE MILHO E SORGO PARA GRÃOS E SILAGEM. SEMENTES BIOMATRI É SINAL VERDE PARA A PRODUTIVIDADE. Apresentamos nossa linha de produtos para a safra 2017/2018,

Leia mais

BRS ALBATROZ, NOVA CULTIVAR DE TRIGO PARA O ESTADO DO PARANÁ

BRS ALBATROZ, NOVA CULTIVAR DE TRIGO PARA O ESTADO DO PARANÁ BRS ALBATROZ, NOVA CULTIVAR DE TRIGO PARA O ESTADO DO PARANÁ Manoel Carlos Bassoi 1, Pedro Luiz Scheeren 2, Martha Zavariz de Miranda 2, Luis César Vieira Tavares 1, Luiz Carlos Miranda 3 e Luiz Alberto

Leia mais

Sementes de. A Linha de Sementes de Soja Dow AgroSciences avança sem parar. Com um portifólio adaptado para as principais regiões do país e variedades

Sementes de. A Linha de Sementes de Soja Dow AgroSciences avança sem parar. Com um portifólio adaptado para as principais regiões do país e variedades Sementes de SOJA A Linha de Sementes de Soja Dow AgroSciences avança sem parar. Com um portifólio adaptado para as principais regiões do país e variedades de alto potencial produtivo, os produtores têm

Leia mais

ISSN Dezembro, Trigo BRS 264: Cultivar precoce com alto rendimento de grãos indicada para o Cerrado do Brasil Central

ISSN Dezembro, Trigo BRS 264: Cultivar precoce com alto rendimento de grãos indicada para o Cerrado do Brasil Central ISSN 1517-5111 Dezembro, 2006 174 Trigo BRS 264: Cultivar precoce com alto rendimento de grãos indicada para o Cerrado do Brasil Central ISSN 1517-5111 Dezembro, 2006 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA 08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA COM TECNOLOGIA INTACTA RR2 PRO EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja disponíveis comercialmente

Leia mais

MANEJO DE NUTRIENTES NO ALGODOEIRO Solos de Goiás

MANEJO DE NUTRIENTES NO ALGODOEIRO Solos de Goiás MANEJO DE NUTRIENTES NO ALGODOEIRO Solos de Goiás Ana Luiza Dias Coelho Borin Engenheira agrônoma, D.Sc. em Ciência do Solo Pesquisadora da Embrapa Algodão Adubação de sistemas intensivos de produção Conceitos

Leia mais

AVEIA BRANCA FORRAGEIRA IPR SUPREMA

AVEIA BRANCA FORRAGEIRA IPR SUPREMA RELAÇÃO FOLHA/COLMO Proporção 1,5:1 2,7:1 4,4:1 15,0:1 SUGESTÃO DE SEMEADURA Para produção de forragem Épocas de semeadura: abril e maio para as regiões Norte e Oeste do Paraná; de março a maio para a

Leia mais

Aldemir Pasinato 1 Gilberto Rocca da Cunhe? Genei Antonio Dalmago 2 Anderson SantP

Aldemir Pasinato 1 Gilberto Rocca da Cunhe? Genei Antonio Dalmago 2 Anderson SantP Análise Agrometeorológica Safra de Soja 2009/2010, Passo Fundo, RS da em Aldemir Pasinato 1 Gilberto Rocca da Cunhe? Genei Antonio Dalmago 2 Anderson SantP Objetivo o objetivo desta análise foi descrever

Leia mais

MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA. Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003

MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA. Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003 I SIMPÓSIO SIO DE CITRICULTURA IRRIGADA MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003 MANEJO DAS IRRIGAÇÕES - Maximizar a produção e a qualidade,

Leia mais