FreeBSD 7 GEOM + ZFS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FreeBSD 7 GEOM + ZFS"

Transcrição

1 FreeBSD 7 GEOM + ZFS Truques com Discos usando o GEOM & O poderoso sistema de arquivos da SUN, o ZFS Serviço Técnico de Informática Faculdade de Ciências e Letras do Campus de Araraquara Universidade Estadual Paulista Júlio de Mequita Filho

2 Hardware VS. Software RAID Um dos maiores requisitos quanto se deve armazenar dados importantes é a utilização de RAID, ou Redundant Array of Independed Disks Conjunto Redundante de Discos Independentes. O FreeBSD suporta tanto RAID por Hardware como por Software. RAID por Hardware é gerenciado por uma controladora SCSI, e por adaptadores que provêem RAID chamados Controladores RAID. A maioria dos sistemas de RAID via Hardware são muito estáveis, e normalmente a maneira mais eficiente de gerenciar um RAID. O problema com o RAID por Hardware é que diferentes controladoras gravam dados nos discos em formatos diferentes. Se sua controladora apresentar problemas, você não poderá trocá la por uma controladora diferente, ela poderá não reconhecer os dados nos discos. Então você sempre terá que ter a sua disposição uma controladora idêntica no caso de uma falha. O RAID por Software é gerenciado pelo Sistema Operacional, o qual decide como deve ser armazenado os dados nos discos. Comparado com o RAID por Hardware, este método apresenta um pequeno aumento na carga do sistema, mas requer equipamentos mais baratos. E você não corre o risco de perder seus dados por não encontrar uma controladora identifica quando houver algum problema.

3 GEOM Modular Disk Transformation Framework GEOM STRIPE RAID 0 O gstripe(8) é utilizado para fazer RAID 0 entre dois ou mais disco. O RAID 0 conhecido como, Striping, é um método utilizado para combinar alguns discos em um único grande volume. Na grande maioria das vezes isto é feito através de uma controladora, porém o gstripe(8) permite o que o mesmo seja feito via software. A gravação é feita como se todos os discos que formam o array fossem somente um, por exemplo, em uma gravação, os dados serão distribuídos por todos os discos do RAID, se um arquivo de 265k for gravado em um RAID 0 de 4 discos, o dado será dividido em quatro partes de 64k que serão gravadas uma em cada disco. Assim aumentando a velocidade de I/O e o tamanho de uma unidade. Utlizando Para utilizar o gstripe(8) precisamos adicionar a linha abaixo no arquivo de configuração do kernel. E depois construir o novo kernel. options GEOM_STRIPE

4 Outra opção é carregar o módulo dinâmico do kernel, para isto adicione a linha abaixo no seu /boot/loader.conf geom_stripe_load="yes" Ou então, podemos ativar o gstripe(8) temporáriamente carregando o modulo do kernel: # kldload geom_stripe Utilizando o gstripe O primeiro argumento do gstripe(8) diz a ação que ele deve tomar. Vamos ver eles abaixo: create Esta opção tem a sintaxe mínima "gstripe create nome dispositivo1 dispositivo2" onde nome é o nome do novo dispositivo que será armazenado em /dev/stripe e dispositivosx são os dispositivos de armazenamento que serão utilizados. Este é o modo manual de criar uma configuração, isto é, cada vez que você deseja criar o dispositivo, você terá que executar o gstripe(8). Se o módulo geom_stripe.ko não estiver sido carregado, ele será carregado. Esta opção aceita algumas flags que veremos abaixo: s stripesize Especifica o tamanho do bloco em que as informações serão divididas, o número deve ser um múltiplo do maior setor de todos os discos. Vamos ver um exemplo abaixo, para criarmos o diretório /home. Vamos criar o dispositivo, criar o sistema de arquivos e montar. # gstripe create st0 /dev/da0 /dev/da1 NOTA: Os discos ou partições devem ter o mesmo amanho!

5 label Esta é a maneira automática de criar um dispositivo. A sintaxe é a mesma do create, somente alterando o create para o label. Neste caso, a flag s também é aceita. Deste modo, depois que o dispositivo é criado, as informações serão reconhecidas automaticamente pelo sistema, assim é possível adicionar uma entrada no fstab com o dispositivo criado, neste caso o /dev/stripe/st0. # gstripe label st0 /dev/da0 /dev/da1 # bsdlabel wb /dev/stripe/st0 # newfs /dev/stripe/st0a # mount /dev/stripe/st0a /home Para adicionar uma entrada para este dispositivo no fstab, para montar em /home, adicione a seguinte linha no /etc/fstab: # echo /dev/stripe/st0a /home ufs rw 2 2 >> /etc/fstab stop Desliga um array, esta opção deve ser seguida pelo nome do array a ser desligado, este comando não mexe nos meta dados do array. # gstripe stop st0 clear Limpa os meta dados de um dos dispositivos que formam o array. # gstripe clear /dev/da0 dump Cria um backup dos meta dados do array. # gstripe dump /dev/da0

6 GEOM MIRROR RAID 1 RAID 1 ou Mirroring (Espelhamento) é uma técnica utilizada para fazer redundância de discos, isto é, manter dois discos iguais, assim se um vier a falhar o outro estará pronto para assumir o seu lugar. Na prática, por exemplo, seria ter dois HDs A e B, iguais, sendo que só utilizaremos o espaço de um, no caso o de A, quando utilizamos o RAID1 tudo o que é gravado no disco A será também gravado no disco B, assim se o A parar o B assume seu lugar, como se nada tivesse acontecido. O gmirror(8) permite fazer espelhamento tanto de um disco inteiro quando de uma partição ou slice. Depois que as unidades forem espelhadas, todos os componentes são detectados e configurados automaticamente, a sincronização de dados também. Para isto os metadados (informações sobre o espelhamento) sempre serão armazenados em disco. Utilizando Para utilizar o gmirror(8) precisamos adicionar a linha abaixo no arquivo de configuração do kernel. E depois construir o novo kernel. options GEOM_MIRROR Outra opção é carregar o módulo dinâmico do kernel, para isto adicione a linha abaixo no seu /boot/loader.conf: geom_mirror_load="yes Ou então, podemos ativar o gmirror(8) temporáriamente carregando o modulo do kernel: # kldload geom_mirror Utilizando o gmirror O primeiro argumento do gmirror(8) diz a ação que ele deve tomar. Vamos ver eles abaixo:

7 label Cria um espelhamento, e tem a sintaxe "gmirror label [ hnv] [ b Algoritimo] [ s slice] nome dispositivo...", pode se colocar um ou mais dispositivos. A ordem em que os nomes dos dispositivos são especificados é importante, pois, a prioridade dos componentes é baseada nesta ordem. Quando um dispositivo é criado, ele ficará acessível no diretório /dev/mirror/nome. Vamos ver abaixo as flags disponíveis para este comando. b algoritmo Especifica o algoritmo de balanceamento, sendo um dos algoritmos abaixo: load Executa operações de leitura do componente com menor carga prefer Executa operações de leitura do componente com maior prioridade. round robin Utiliza um algoritmo circular para escolher de onde ler. split Divide as requisições entre os discos, este é o padrão. n Desativa a auto sincronização de componentes "envelhecidos" s tamanho Quando utilizando o algoritmo de balanceamento split, e uma requisição de leitura for maior ou igual ao "Tamanho" especificado aqui, a leitura no disco será dividida em parte do tamanho de "Tamanho" e cada parte será lida de um disco diferente. Vejamos abaixo um exemplo, iremos fazer o espelhamento em dois discos, na instalação do FreeBSD. Iremos utilizar dois discos iguais, localizados em /dev/da0 e /dev/da1, como podemos ver, os dois são SCSI. Iremos instalar o FreeBSD no disco da0. A configuração será feita durante a

8 instalação do sistema. Após instalar e configurar o sistema, não reinicie, vá para um terminal que foi aberto com Alt+F4. Quando entramos neste terminal, normalmente executamos o tcsh, mas vamos ao que interessa, vamos criar o mirror com o algoritmo round robin e nomeá lo como gm0. OBS: O primeiro comando é só um ajuste para possibilitar a criação do mirror, o comando que realmente cria o mirror é o segundo. # sysctl kern.geom.debugflags=16 # gmirror label v b round robin gm0 /dev/da0 Para tudo funcionar, devemos habilitar o suporte ao gmirror no kernel, aqui optaremos por carregar o módulo durante a inicialização, mais tarde, se você preferir, pode compilá lo estaticamente no kernel. Para isto execute o seguinte comando: # echo geom_mirror_load="yes" > /boot/loader.conf Agora o dispositivo será reconhecido durante a inicialização do sistema automaticamente. Agora vamos ajustar nosso fstab para utilizar o dispositivo. Os nossos discos e partições agora devem se acessados dentro do diretório /dev/mirror/, em nosso caso, /dev/mirrot/gm0[...]. Edite o seu /etc/fstab substituindo o /dev/da0... por /dev/mirror/gm0..., por exemplo: O arquivo antigo: /dev/da0s2b none swap sw 0 0 /dev/da0s3a / ufs rw 1 1 Ficará: /dev/mirror/gs0s2b none swap sw 0 0 /dev/mirror/gs0s3a / ufs rw 1 1 Pronto, agora volte para o sysinstall apertando em Alt+F1, e reinicie o computador. (Calma não terminamos ainda, mas antes de terminarmos devemos ver mais algumas opções.)

9 insert Esta opção tem a sintax gmirror insert [ hiv] [ p priority] name prov... e serve para adicionar mais um disco ao espelhamento. Depois de inserido o novo disco no RAID 1 ele é sincronizado com os outros disco. As possíveis flags são: h Grava o de forma fixa o nome do provider nos meta dados i Marca o componente inativo após a sincronização p priority Especifica a prioridade do novo componente Agora iremos continuar o nosso exemplo, Após reiniciar o computador, durante a inicialização, antes da checagem de disco, as seguintes linhas provavelmente apareceram na sua tela. GEOM_MIRROR: Device gm0 created (id= ). GEOM_MIRROR: Device gm0: provider da0 detected. GEOM_MIRROR: Device gm0: provider da0 activated. GEOM_MIRROR: Device gm0: provider mirror/gm0 launched. GEOM_MIRROR: Device gm0 already configured. Mounting root from ufs:/dev/mirror/gm0s1a Isto nos mostra que o dispositivo foi reconhecido. Se estas mensagens apareceram e o sistema iniciou, vamos continuar nosso exemplo e criarmos efetivamente o nosso RAID 1. Para isto abra um terminal como root e execute o seguinte comando: # gmirror insert gm0 /dev/da1 GEOM_MIRROR: Device gm0: provider da1 detected. GEOM_MIRROR: Device gm0: rebuilding provider da1.

10 Agora temos o RAID 1, o comando acima inseriu o dispositivo /dev/da1 no RAID e a partir de agora os dados entre os dois discos serão sincronizados e eles começarão trabalhar em conjunto. Para ver como está a sincronização execute: # gmirror list Este comando trará a saída de status dos discos. clear Esta opção tem a sintax gmirror clear dispositivo dispositivo, limpa os meta dados do dispositivo, assim todas as informações "sobre" o mirror são apagadas de um disco, por exemplo. # gmirror clear /dev/da0 Irá limpar as informações do mirror do dispositivo /dev/da0. configure Esta opção tem a sintax gmirror configure [ adhnv] [ b balance] [ s slice] name e tem como configurar ou reconfigurar um dispositivo. Por exemplo, troca o algoritmo de balanceamento. Veremos abaixo algumas das possíveis flags: a b d h Liga a auto sincronização dos discos com dados "envelhecidos", por exemplo, se um disco "cair" e voltar ele será sincronizado automaticamente. Altera o algoritmo de balanceamento. Não grava o de forma fixa o nome do provider nos meta dados Grava o de forma fixa o nome do provider nos meta dados

11 n Desliga a auto sincronização dos discos com dados "envelhecidos", por exemplo, se um disco "cair" e voltar ele será sincronizado automaticamente. s slice Especifica o tamanho do bloco que as informações serão divididas no algoritmo de balanceamento split. Esta função pode ser utilizada com o nosso exemplo acima. No exemplo o algoritmo utilizado foi o round robin, com o configure poderemos alteralo para o split, como no exemplo abaixo: # gmirror configure b split gm0 rebuild Esta opção tem a sintax gmirror rebuild [ v] name prov... E serve para recarregar o espelhamento, ele só tem motivo para ser utilizado, se a sincronização de algum dispositivo foi desligada. Vamos ver o exemplo, se o disco /dev/da1 foi desconectado do RAID por algum motivo, e ele voltar depois, o comando rebuild irá fazer a sincronização dos dados, como no exemplo abaixo. # gmirror rebuild gm0 /dev/da1 remove Esta opção tem a sintax gmirror remove [ v] nome disco... e serve para remover um componente do mirror e limpar seus meta dados. Como exemplo, iremos retirar o disco /dev/da1 do nosso RAID: # gmirror remove gm0 da1

12 deactivate Esta opção tem a sintaxe gmirror deactivate [ v] name prov... e serve para desativar um componente, assim, ele não será automaticamente reconhecido quando ligado ao sistema. Como exemplo, vamos desativar o dispositivo /dev/da1 do nosso exemplo: # gmirror deactivate gm0 da1 activate Esta opção tem a sintaxe gmirror activate [ v] nome disco... e serve para ativar um componente que foi desativado anteriormente. Como exemplo, vamos reativar o dispositivo /dev/da1 do nosso exemplo: # gmirror activate gm0 da1 A partir deste momento os dados dos dois discos serão sincronizados. forget Esta opção tem a sintaxe gmirror forget nome e serve para esquecer os componentes que não estão conectados. Por exemplo, se desconectarmos o da1, poderemos utilizar o forget. Como no exemplo abaixo: # gmirror deactivate gm0 da1 # gmirror forget gm0 # gmirror activar gm0 da1 GEOM_MIRROR: Cannot add disk da1 to gm0 Como podemos ver o dispositivo da1 não pode mais ser ligado ao gm0, para ele ser inserido novamente no RAID, a opção insert deve ser utilizada.

13 stop Esta opção tem a sintaxe gmirror stop nome e serve para parar um dispositivo, por exemplo, antes do dispositivo ser retirado. Esta opção ainda possui a flag f que serve para forçar a parada do dispositivo. Como exemplo vamos parar o nosso dispositivo de exemplo, claro que para pará lo devemos forçar a saída, para isto utilize a flag f: # gmirror stop f gm0 Se você está executando os mesmos exemplos, o seu sistema acabou de reiniciar! dump Esta opção tem a sintaxe gmirror dump disco e serve para fazer um "dump" dos meta dados do disco. # gmirror dump /dev/dad1

14 GEOM CONCAT JBOD O concatenador de discos O gconcat(8) serve para concatenar discos (JBOD Just a Bunch of Disks), isto é, juntar dois discos relativamente pequenos e formar um grande disco. Isto é muito útil quando se precisa de um grande volume, e isto também entra no nível de RAID 0, só que sem as questões de striping, isto é, os dados não ficarão divididos paralelamente nos dois discos. Esta forma é uma das mais simples de se utilizar o geom(4). Outro beneficio deste método, é que pode se utilizar discos de tamanhos diferentes. Utilizando Para utilizar o gconcat(8), precisamos adicionar a linha abaixo no arquivo de configuração do kernel. E depois construir o novo kernel. options GEOM_CONCAT Uma outra opção é carregar o módulo dinâmico do kernel, para isto adicione a linha abaixo no seu /boot/loader.conf: geom_concat_load="yes" Ou então, podemos ativar o gconcat(8) temporáriamente carregando o modulo do kernel: # kldload geom_concat Utilizando o gconcat A concatenação de discos pode ser feita de duas maneiras, de forma manual, onde todas as vezes que um disco concatenado for utilizado ele deve ser criado, ou de forma automática, onde todas as configurações do concatenamento ficarão gravadas em meta dados nos discos, assim, toda vês que o disco for conectado ao sistema ele será reconhecido automaticamente. Abaixo veremos como fazer estas duas formas. Após concatenado o dispositivo ficará acessível dentro do diretório /dev/concat/$nome onde Nome é o $Nome do dispositivo. O primeiro argumento do gconcat(8) diz a ação que ele deve tomar. Vamos ver eles abaixo.

15 create Esta opção tem a sintaxe gconcat create [ v] nome disco disco..., e esta é a forma manual de se criar um disco concatenado. Como exemplo iremos concatenar dois disco, /dev/da0 com 4 Gb e /dev/da1 com 10 Gb, logo após iremos criar o novo sistema de arquivos e montar sobre o diretório /mnt: # gconcat create gc0 /dev/da0 /dev/da1 # newfs /dev/concat/gc0 # mount /dev/concat/gc0 /mnt label Esta opção tem a sintaxe gconcat label [ v] nome disco disco..., e esta é a forma automática de se criar um disco concatenado. Iremos fazer o mesmo exemplo acima, porém iremos criar de forma automática e adicionarmos a entrada no /etc/fstab: # gconcat label gc0 /dev/da0 /dev/da1 # newfs /dev/concat/gc0 # echo /dev/concat/gc0 /mnt ufs rw 2 2 >> /etc/fstab stop Esta opção tem a sintaxe gconcat stop [ fv] nome e serve para parar um disco concatenado. A flag f serve para forçar a parada, como exemplo, vamos parar o nosso exemplo: # gconcat stop gc0 clear Esta opção tem a sintaxe gconcat clear [ v] disco e serve para remover os meta dados de um dos discos, como por exemplo, iremos utilizar lo com o disco /dev/da1: # gconcat clear /dev/da1

16 dump Esta opção tem a sintaxe gconcat dump disco e serve para fazer um "dump" dos metas dados do disco. # gconcat dump /dev/da1

17 GEOM GATE Exportando e importando dispositivos via rede O GEOM GATE é composto de duas ferramentas: o ggatec(8) e o ggated(8), que fazem possíveis a exportação e importação de dispositivos de armazenamento via rede. O ggated(8) é o servidor, ele ficará no computador que contém o dispositivo real, já o ggatec(8) ficará do lado do cliente e será responsável por criar o dispositivo no cliente. Bom mas qual a vantagem do GEOM GATE sobre o NFS? O NFS não cria um dispositivo na maquina cliente, assim é impossível aplicar as outras regras do GEOM sobre NFS, como exemplo, com o GEOM GATE é possível criar RAID 1 em rede, ou até mesmo utilizar um disco remoto em um pool do ZFS. Para este exemplo ficar "rico" iremos exportar via rede o dispositivo de JBOD que criamos no exemplo anterior, porém ele pode ser feito com qualquer dispositivo. ggated(8) O servidor de dispositivos O ggated(8) é responsável pelo lado do servidor do GEOM GATE, basicamente ele lê um arquivo de configuração, que por padrão é /etc/gg.exports. Este arquivo tem uma sintaxe simples, são basicamente três colunas, descritas abaixo: EndereçoDoCliente Acesso Dispositivo Local Em endereço do cliente podemos colocar o nome do computador, um endereço de IP ou endereço de rede/mascara da rede, em Acesso temos três opções, RW para Leitura e Escrita, RO para Somente Leitura e WO para Somente Escrita, e para o dispositivo é o caminho do dispositivo como /dev/da0s1d. O arquivo pode ter quantas entradas for necessário. Para nosso exemplo, onde exportaremos o dispositivo /dev/concat/gc0 utilizaremos o seguinte arquivo /8 RW /dev/concat/gc0 Agora é só executarmos o ggated(8) e está pronto, o ggate por padrão utiliza a porta 3080 tcp de todas as suas interfaces. Esta porta deve ser liberada em seu firewall, ou protegida, como desejar. # ggated # echo $? 0 #

18 No exemplo acima vimos que o ggated(8) retornou 0, então ele está funcionando corretamente, caso ele retorne 1, um erro ocorreu, e provavelmente seja o arquivo de configuração ou a porta já esteja em uso, provavelmente por outro processo do ggated(8). O ggate(8) possui algumas flags, veremos elas abaixo: a endereço Especifica o endereço para escutar as conexões n Não utiliza TCP_NODELAY p porta A porta que ele irá escutar conexões. R rcvbuf Tamanho do buffer de recebimeto. O padrão é (128kB). S sndbuf Tamanho do buffer de envio. O padrão é (128kB). v Executa em primeiro plano, assim exibindo informações de debug na saída padrão Considerações: Os dispositivos exportados não podem ser montados localmente, e a velocidade dos dispositivos importados nos clientes ficará reduzida pela conexão de rede e pelo geom gate utilizar TCP, as conexões não são criptografadas! Nota: é possível manter apenas uma única conexão simultânea com o GEOM GATE. ggatec(8) O cliente de dispositivos O ggatec(8), como dito anteriormente é o cliente do ggated(8). Ele tem uma sintaxe mais parecida com as outras opções do GEOM. Ele precisa de um servidor ggated(8) para se conectar. Os dispositivos criados pelo ggatec(8) ficarão sobre o diretório /dev/ggate# onde # é o número do dispositivo, iniciando de 0.

19 Utilizando Para utilizar o ggatec(8) precisamos adicionar a linha abaixo no arquivo de configuração do kernel. E depois construir o novo kernel. options GEOM_GATE Outra opção é carregar o módulo dinâmico do kernel, para isto adicione a linha abaixo no seu /boot/loader.conf: geom_gate_load="yes" Ou então, podemos ativar o ggatec(8) temporariamente carregando o modulo do kernel: # kldload geom_gate Utilizando o ggatec O primeiro argumento do ggatec(8) diz a ação que ele deve tomar. Vamos ver eles abaixo: create Esta opção tem a sintaxe ggatec create Servidor Dispositivo, basicamente ela cria o dispositivo /dev/ggate0 se este for o primeiro dispositivo montado, caso não seja, o valor 0 vai ser incrementado em um. Esta opção possui várias flags, as veremos abaixo: n Não utiliza TCP_NODELAY v Em modo verbose o ro wo rw O modo de Montagem, respectivamente, Somente Leitura, Somente Escrita e Leitura e Escrita. p porta A porta que o servidor está escutando

20 q queue_size Tamanho da fila de requisições de I/O que podem ser enfileiradas R rcvbuf Tamanho do buffer de recebimento. O padrão é o do servidor. S sndbuf Tamanho do buffer de envio. O padrão é o do servidor. s sectorsize Tamanho do setor, caso não seja especificado o valor padrão de 512k vai ser utiliziado t timeout Tempo de Timeout, por padrão 0, que significa timeout infinito u unit Especifica o número da Unidade, aquele número do dispositivo /dev/ggatenumero Como exemplo vamos criar o dispositivo do exemplo do ggated(8), e monta lo em /mnt: # ggatec create /dev/concat/gc0 # mount /dev/ggate0 /mnt rescue Esta opção tem a sintaxe mínima ggatec rescue u NumeroDoDispositivo Servidor Dispositivo e serve para recuperar um dispositivo que foi perdido, por exemplo em uma falha na rede. Esta opção aceita as flags n, v, o, p, R e S descritas anteriormente. Como exemplo, suponhamos a rede caiu e o dispositivo anterior foi perdido, para recuperarmos, executaremos o exemplo abaixo. # ggatec rescue u /dev/raid3/gr0

21 destroy Esta opção tem a sintaxe ggatec destroy u NumeroDaUnidade e serve para destruir uma unidade. Esta opção conta com a flag f que serve para forças a destruição do dispositivo. Por exemplo, vamos destruir o exemplo que construímos, como ele está montado sobre /mnt vamos forçar sua destruição. # ggatec destroy u 0 f list Esta opção tem a sintaxe ggatec list e serve para mostrar os dispositivos montados, porem se utilizado a opção u mostra somente o dispositivo e a opção v traz em modo verbose. Como exemplo vamos exibir as informações sobre o dispositivo numero 0. # ggatec list v u 0 NAME: ggate0 info: :3080 /dev/concat/gc0 access: read-write timeout: 0 queue_count: 0 queue_size: 1024 references: 1 mediasize: (3.7G) sectorsize: 1024 mode: r0w0e0

22 ZFS O poderoso sistema de arquivos da SUN Notas sobre o ZFS Devido a maneira como o ZFS foi implementado (também no Solaris) ele requer uma grande quantidade de memória para funcionar adequadamente, e no FreeBSD ele utiliza o espaço de memória do Kernel, o qual normalmente é bem reduzido comparado a memória total do sistema. Então devemos realizar algumas otimizações para que o ZFS funcione adequadamente, e também é altamente recomendável que seja utilizada uma plataforma de 64 bits, apesar do ZFS também funcionar em 32 bits. Por padrão, o espaço de endereçamento de memória reservado para o kernel é de no máximo 300Mb, o que é muito baixo para o ZFS. Se você manter este padrão, eventualmente você receberá um kernel panic com a seguinda mensagem no /var/log/messages: Apr 7 21:09:07 nas savecore: reboot after panic: kmem_malloc(114688): kmem _map too small: total allocated Para aumentar este valor, acrescente as duas linhas baixo em seu /boot/loader.conf (em um sistema com no mínimo 4Gb de RAM): vm.kmem_size="1536m" vm.kmem_size_max="1536m" E para melhorar a performance você pode aumentar o valor do kern.maxvnodes (/etc/sysctl.conf) se você tiver bastante RAM para isto (ex para 2GB). E monitore o valor de vfs.numvnodes durante produção para ver se ele se estabiliza.

23 Você pode utilizar o script abaixo em seu periodic para monitor o uso da memória do Kernel: #!/bin/sh - TEXT=`kldstat tr a-f A-F awk 'BEGIN {print "ibase=16"}; NR > 1 {print $4}' bc awk '{a+=$1}; END {print a}'` DATA=`vmstat -m sed 's/k//' awk '{a+=$3}; END {print a*1024}'` TOTAL=`echo $DATA $TEXT awk '{print $1+$2}'` echo Summarize of kernel memory utilization: echo " TEXT = $TEXT, "`echo $TEXT awk '{print $1/ " MB"}'` echo " DATA = $DATA, "`echo $DATA awk '{print $1/ " MB"}'` echo " TOTAL = $TOTAL, "`echo $TOTAL awk '{print $1/ " MB"}'`

24 Usando o ZFS Antes de tudo, devemos habilitar o ZFS na inicialização do sistema, para isso, acrescente a linha abaixo em seu /etc/rc.conf: zfs_enable= YES Agora quando o FreeBSD for inicializado, esta mensagem será apresentada: This module (opensolaris) contains code covered by the Common Development and Distribution License (CDDL) see WARNING: ZFS is considered to be an experimental feature in FreeBSD. ZFS filesystem version 6 ZFS storage pool version 6 Apesar do ZFS ser experimental no FreeBSD, ele já foi amplamente testado, e e já é muito utilizado. Agora podemos começar a testar os recursos oferecidos pelo ZFS. Criado um POOL de discos Para criar um pool de discos, um simples comando basta: zpool create datastore [tipo] /dev/da0 /dev/da1 /dev/da2 /dev/da3 datastore será o nome do nosso pool. tipo é o tipo de pool que será criado. Ele é opcional, e os tipos existentes são: nenhum JBOD igualmente o que já foi citado anteriormente no GEOM mirror O mesmo que o GEOM MIRROR ou RAID 1 raidz Uma implementação melhorada do RAID 5 raidz2 O mesmo que o raidz, porém este utiliza 2 discos como paridade. spare Discos de reserva, deixados disponíveis para quando for preciso um novo disco (no caso da falha de algum em uso)

25 ZPOOL MIRROR Para criarmos uma redundância do tipo RAID 1 utilizando o ZFS e 4 discos SCSI usamos os comandos: zpool create datastore mirror /dev/da0 /dev/da1 /dev/da2 /dev/da3 ZPOOL RAIDZ Utilizando o RAIDZ ganhamos bastante em performance e em redundância de disco. Com os mesmos 4 discos SCSI, utilizamos os comandos: zpool create datastore raidz /dev/da0 /dev/da1 /dev/da2 /dev/da3 Como o RAIDZ é baseado em RAID 5, a utilização de discos é muito semelhante, devemos ter no mínimo 3 discos, e é recomendável no máximo 9 discos por POOL. Mas o que podemos fazer quando temos mais do que 9 discos, por exemplo 15 discos? Criamos 3 pools de raidz dentro de 1 pool normal (JBOD) Para isso: zpool create datastore raidz /dev/da0 /dev/da1 /dev/da2 /dev/da3 /dev/da4 raidz /dev/da5 /dev/da6 /dev/da7 /dev/da8 /dev/da9 raidz /dev/da10 /dev/da11 /dev/da12 /dev/da13 /dev/da14

26 Podemos visualizar o array da seguinte forma: # zpool status pool: datastore state: ONLINE scrub: none requested config: NAME STATE READ WRITE CKSUM datastore ONLINE raidz ONLINE da0 ONLINE da1 ONLINE da2 ONLINE da3 ONLINE da4 ONLINE raidz ONLINE da5 ONLINE da6 ONLINE da7 ONLINE da8 ONLINE da9 ONLINE raidz ONLINE da10 ONLINE da11 ONLINE da12 ONLINE da13 ONLINE da14 ONLINE errors: No known data errors O mesmo pode ser feito quando utilizamos discos de tamanhos diferentes, por exemplo, 4 discos SATA 2 de 750Gb e 4 discos SATA 2 de 1TB. Isso porque como no RAID 5, o RAIDZ exige que todos os discos do array sejam do mesmo tamanho. Podemos criar 2 arrays, cada um com os discos iguais, dentro de uma pool.

27 Parâmetros do ZPOOL Além do zpool create... outros parâmetros são aceitos, exemplo: add Adiciona um novo dispositivo ao pool especificado. Sintaxe zpool add pool tipo dispositivo. # zpool add datastore raidz /dev/da15 destroy Destrói o pool especificado. Este comando tenta desmontar todos os pontos de montagem dentro deste pool, e também libera os discos. Sintaxe zpool destroy pool # zpool destroy datastore list Lista os pools e a situação deles, assim como o espaço utilizado. Sintaxe: zpool list # zpool list NAME SIZE USED AVAIL CAP HEALTH ALTROOT datastore 2.72T 320G 2.41T 11% ONLINE remove Remove o dispositivo especificado. Este comando, somente remove discos com hot spare ou que pertencem ao RAIDZ1 ou RAIDZ2. Para remover discos de um MIRROR, utilize: zpool detach. Sintaxe: zpool remove pool dispositivo # zpool remove datastore /dev/da15

28 iostat O parâmetro mais importante para se monitorar a performance do ZFS, este parametro exibe as estatísticas de entrada e saída do pool especificado. Se for especificado um intervalo de tempo, será exibido a estatística até que CTRL+C seja pressionado. Sintaxe: zpool iostat [ v] [pool] [interval] # zpool iostat capacity operations bandwidth pool used avail read write read write datastore 320G 2.41T K 532K status Exibe informações detalhadas sobre a situação do pool. Se nenhum pool for especificado, é exibido de todos os pools do sistema. Sintaxe: zpool status [pool] Um exemplo já foi mostrado anteriormente. offline Torna o dispositivo especificado offline. Enquanto um dispositivo estiver offline, nenhuma tentativa de leitura ou gravação será realizada para o mesmo. Sintaxe: zpool offline [ t] pool dispositivo A flag t especifica que o modo offline é temporário, ou seja, até o próximo reboot. # zpool offline datastore /dev/da4 online Ative um dispositivo que foi desativado pelo comando offline. Sintaxe: zpool online pool dispositivo # zpool online datastore /dev/da4

29 clear Limpa as mensagens de erro em um pool. Se nenhum pool for especificado, todas as mensagens de erro serão limpas. Sintaxe: zpool clear [pool] [dispositivo] # zpool clear datastore /dev/da8 attach Anexa um novo dispositivo a um pool já existente. Sintaxe: zpool attach pool dispositivo novo_dispositivo # zpool attach datastore /dev/da4 /dev/da15 detach Remove o dispositivo especificado do pool. A operação não será realizada se não houver replica dos dados deste dispositivo. Sintaxe: zpool detach pool dispositivo # zpool detach datastore /dev/da15 replace Troca um dispositivo por um novo. Este parametro é equivalente a adicionar um novo dispositivo com attach, esperar a sincronização, e em seguinda remover o dispositivo antigo com detach. Sintaxe: zpool replace [ f] pool dispositivo_antigo dispositivo_novo # zpool replace datastore /dev/da4 /dev/da15

30 scrub Inicia uma normalização dos dados no pool. A normalização examina todos os dados no pool especificado para verificar se os checksums estão corretos. Para dados replicados (mirror ou raidz), o ZFS repara automaticamente qualquer inconsistência encontrada durante a normalização. O comando zpool status reporta o progresso da normalização e exibe um resultado da normalização quando esta terminar. Sintaxe: zpool scrub [ s] pool A flag s para a normalização. # zpool scrub datastore history Exibe um historico de comandos do pool especificado. Sintaxe: zpool history [pool] # zpool history

31 O comando ZFS Dentro do ZFS podemos criar novos pontos de montagem, snapshots, clones de snapshots, compartilhar via NFS, e comprimir pontos de montagem. Para isso utilizando o comando zfs parametro ponto_de_montagem. Vejamos abaixo alguns parâmetros aceitos pelo ZFS: create Cria um novo ponto de montagem dentro do pool. Sintaxe: zfs create pool/ponto_de_montagem # zfs create datastore/backups # df Filesystem Size Used Avail Capacity Mounted on datastore 1.8T 0B 1.8T 0% /datastore datastore/backups 1.8T 0B 1.8T 0% /datastore/backups set Através deste parâmetro, informamos várias opções para o ZFS. o compression Com o set compression, podemos definir níveis de compressão em um ponto de montagem, utilizando o GZip com 10 niveis de compressão (0 nenhum, 9 máximo). Sintaxe: zfs set compression=gzip pool/ponto_de_montagem # zfs set compression=gzip 9 datastore/backups o copies Se tivermos dados muito importantes, que desejamos ter várias copias espalhadas pelo pool, podemos definir atravez deste parametro. Sintaxe: zfs set copies=quantidade pool/ponto_de_montagem # zfs set copies=3 datastore/backups

32 o checksum Com este parâmetro podemos desabilitar a verificação de integridade de dados (que é habilitada por padrão). Sintaxe: zfs set checksum=off pool/ponto_de_montagem # zfs set checksum=off datastore/backups o atime Com o atime, podemos desativar a marcação do horário de acesso a arquivos. Em certos cenários isso pode ser desejado. Sintaxe: zfs set atime=off pool/ponto_de_montagem # zfs set atime=off datastore/backups o sharenfs Quando queremos compartilhar um ponto de montagem através da rede, podemos usar este parâmetro. Sintaxe: zfs set sharenfs=on pool/ponto_de_montagem Ou: zfs set sharenfs= opções do nfs pool/ponto_de_montagem # zfs set sharenfs= maproot=root alldirs network datastore/backups Para que o NFS funcione corretamente, o servidor deve estar ativado no /etc/rc.conf. Para isso adicione as linhas baixo: rpcbind_enable="yes" rpc_lockd_enable="yes" rpc_statd_enable="yes" nfs_server_enable="yes" Nota: com o compartilhamento via NFS do ZFS, não é necessário reiniciar o daemon do mountd quando um novo ponto de montagem for compartilhado ou deixar de ser compartilhado.

33 Com o comando mount é possível ver o estado da exportação NFS do ZFS: # mount datastore/backups on /datastore/backups (zfs, NFS exported, local) Assim como o showmount e : # showmount e Exports list on localhost: /datastore/backups snapshot Criar snapshots é um dos mais importantes recursos do ZFS. Você pode criar um ponto para restauração do ponto de montagem antes de realizar alterações no mesmo. Sintaxe: zfs snapshot # zfs snapshot rollback Você pode voltar ao estado que estava o ponto de montagem no momento em que o snapshot foi criado utilizando este parâmetro. Sintaxe: zfs rollback # zfs rollback destroy Apaga um snapshot criado com o comando zfs snapshot. Sintaxe: zfs destroy # zfs destroy

34 clone Por definição, um snapshot é somente leitura. Não pode ser feito alterações em um snapshot. Mas quando isso é necessário, você pode criar um clone do snapshot, e utilizar este clone como se fosse o verdadeiro ponto de montagem. Sintaxe: zfs clone pool/novo_ponto_de_montagem_do_clone # zfs clone datastore/backups_clone Nota: Ao criar um clone de um snapshot, o espaço em disco não é utilizado. Apenas as modificações realizadas dentro do clone serão gravadas no disco. Assim você pode ter 8GB de dados dentro do datastore/backups, e se você modificar 10MB de arquivos dentro do clone (datastore/backups_clone), o espaço em disco utilizado pelo clone será de apenas 10MB. promote Um clone de um snapshot criado com o comando zfs clone... sempre terá uma união direta com o snapshot, você não poderá apagar o snapshot enquanto o clone estiver ativo. Porém, você pode promover o clone a um ponto de montagem verdadeiro com o parâmetro promote. Será realizada uma cópia dos dados existentes dentro do snapshot com as modificações já feitas no clone, e o clone promovido passará a ocupar o espaço em disco real. Sintaxe: zfs promote pool/ponto_de_montagem_do_clone # zfs promote datastore/backups_clone

Conheça o poderoso ZFS e veja como administrar todos os seus recursos avançados. por Alexandre Borges

Conheça o poderoso ZFS e veja como administrar todos os seus recursos avançados. por Alexandre Borges TUTORIAL ZFS e OpenSolaris OpenSolaris, parte 11 Conheça o poderoso ZFS e veja como administrar todos os seus recursos avançados. por Alexandre Borges Enfim, a partir deste artigo, vamos iniciar assuntos

Leia mais

Admistração de Redes de Computadores (ARC)

Admistração de Redes de Computadores (ARC) Admistração de Redes de Computadores (ARC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Campus São José Prof. Glauco Cardozo glauco.cardozo@ifsc.edu.br RAID é a sigla para Redundant

Leia mais

Curso de Virtualização

Curso de Virtualização Curso de Virtualização Curso de Virtualização ( FCL ) Bruno Otto Theodoro Rosa ( IQ ) Diego Pagliarini Vivencio ( FCL ) Rafael da Silva Faria Motivação Conceitos Storages Prática I - Orientada Prática

Leia mais

Configurando NFS + NIS Ubuntu Linux

Configurando NFS + NIS Ubuntu Linux Configurando NFS + NIS Ubuntu Linux Introdução Este tutorial tem por objetivo ensinar a configurar o NFS + NIS no Ubuntu de forma rápida e simples, mas sem deixar de transmitir os conceitos necessários

Leia mais

Continuando a apresentação do

Continuando a apresentação do ZFS O novo sistema de arquivos da Sun (parte 2) SYSADMIN Ainda sem limites Se você se interessou pela primeira parte da apresentação do ZFS, vai gostar de saber que há outros recursos ainda mais impressionantes

Leia mais

VOL DAY III Apresenta: FreeBSD e Alta Disponibilidade com HAST + CARP + ZFS

VOL DAY III Apresenta: FreeBSD e Alta Disponibilidade com HAST + CARP + ZFS VOL DAY III Apresenta: FreeBSD e Alta Disponibilidade com HAST + CARP + ZFS Palestrante: Marcelo Gondim gondim@bsdinfo.com.br Versão 1.3 Objetivo: demonstrar como montar uma Alta Disponibilidade usando

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

O que é RAID? Tipos de RAID:

O que é RAID? Tipos de RAID: O que é RAID? RAID é a sigla para Redundant Array of Independent Disks. É um conjunto de HD's que funcionam como se fosse um só, isso quer dizer que permite uma tolerância alta contra falhas, pois se um

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers RAID Objetivo: Entender os principais níveis de RAID, configurar RAID-1, verificar o estado do RAID, simular falhas no RAID. Um servidor deve sofrer muitas manutenções durante seu período de uso? Não!

Leia mais

Variedades Em todos os sistemas Unix e suas variantes, a preocupação com performance

Variedades Em todos os sistemas Unix e suas variantes, a preocupação com performance ZFS O novo filesystem da Sun SYSADMIN Sem limites Um sistema de arquivos virtualmente impossível de ser esgotado, com múltiplas ferramentas que permitem, inclusive, a montagem automática de RAI D níveis

Leia mais

PACOTE - INSTITUIÇÕES DE ENSINO - EMPRESAS

PACOTE - INSTITUIÇÕES DE ENSINO - EMPRESAS PACOTE - INSTITUIÇÕES DE ENSINO - EMPRESAS Volume 1 ACRONUS TECNOLOGIA EM SOFTWARE GUIA DE UTILIZAÇÃO DO ACRONUS RESTAURADOR PLUS Manual do usuário 1.60 P A C O T E I N S T I T U I Ç Õ E S D E E N S I

Leia mais

Tudo que você queria saber sobre o uso de discos em servidores PostgreSQL e tinha vergonha de perguntar. por Fábio Telles Rodriguez

Tudo que você queria saber sobre o uso de discos em servidores PostgreSQL e tinha vergonha de perguntar. por Fábio Telles Rodriguez Tudo que você queria saber sobre o uso de discos em servidores PostgreSQL e tinha vergonha de perguntar por Fábio Telles Rodriguez Agenda Discos Controladoras Storage RAID Sistemas de Arquivo Particionamento

Leia mais

CURSO EFA 2012 / 2013

CURSO EFA 2012 / 2013 Avaliação CURSO EFA 2012 / 2013 Formando: Data: / / ÁREA/Assunto: Formando Formador / Mediador: Formador FICHA INFORMATIVA E DE TRABALHO MÓDULO: 0774 INSTALAÇÃO DE SOFTWARE BASE CONTEÚDOS Segurança no

Leia mais

Manual Software CMS. Introdução:

Manual Software CMS. Introdução: Introdução: O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa eletrônico

Leia mais

RAID. Redundant Array of Independent Drives. Conjunto Redundante de Discos Independentes

RAID. Redundant Array of Independent Drives. Conjunto Redundante de Discos Independentes RAID Redundant Array of Independent Drives Conjunto Redundante de Discos Independentes Redundância?! Redundância é ter componentes de reserva para substituir o componente principal mantendo disponibilidade

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

AVALIAÇÃO À DISTÂNCIA 1 GABARITO

AVALIAÇÃO À DISTÂNCIA 1 GABARITO Fundação CECIERJ - Vice Presidência de Educação Superior a Distância Curso de Tecnologia em Sistemas de Computação UFF Disciplina INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA... AD1 2 semestre de 2008. Data... AVALIAÇÃO À

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 03 Segurança off- line. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 03 Segurança off- line. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 03 Segurança off- line Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Cenário off- line (bolha) 2 Roubo de Informação Roubo de Informação - Acesso físico

Leia mais

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM...

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM... 1 de 30 INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 3.1. ONDE SE DEVE INSTALAR O SERVIDOR BAM?... 4 3.2. ONDE SE DEVE INSTALAR O PROGRAMADOR REMOTO BAM?... 4 3.3. COMO FAZER

Leia mais

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário MODEM USB 3G+ WM31 Manual do Usuário 2 Conteúdo 1 Introdução... 3 2 Descrição da Interface do Cliente... 5 3 Conexão... 7 4 SMS... 10 5 Contatos... 14 6 Estatística... 18 7 Configurações... 19 8 SIM Tool

Leia mais

GUIA DE BOAS PRÁTICAS

GUIA DE BOAS PRÁTICAS GUIA DE BOAS PRÁTICAS Sumário Requisitos para um bom funcionamento...3 Menu Configurações...7 Como otimizar o uso da sua cota...10 Monitorando o backup...8 Manutenção de arquivos...12 www.upbackup.com.br

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

Guia Rápido de Instalação Ilustrado

Guia Rápido de Instalação Ilustrado Livre S.O. Guia Rápido de Instalação Ilustrado Introdução Este guia tem como objetivo auxiliar o futuro usuário do Livre S.O. durante o processo de instalação. Todo procedimento é automatizado sendo necessárias

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões.

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões. CAMERA IP SERIE AV O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa

Leia mais

Níveis de RAID - RAID 0

Níveis de RAID - RAID 0 RAID RAID é acrônimo para Redundant Array of Inexpensive Disks. Este arranjo é usado como um meio para criar um subsistema de unidade de disco, rápido e confiável, através de discos individuais. RAID é

Leia mais

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário MODEM USB 3G+ WM31 Manual do Usuário 2 Tabela de Conteúdo 1 Introdução... 3 2. Instalação... 5 3. Descrição da interface do cliente... 6 4. Conexão... 10 5.SMS... 11 6.Contatos... 14 7.Estatística... 18

Leia mais

MODEM USB LTE. Manual do Usuário

MODEM USB LTE. Manual do Usuário MODEM USB LTE Manual do Usuário 2 Conteúdo Manual do Usuário... 1 1 Introdução... 3 2 Descrição da Interface do Cliente... 4 3 Conexão... 7 4 SMS... 10 5 Contatos... 14 6 Estatística... 18 7 Configurações...

Leia mais

Lista de Erros Discador Dial-Up

Lista de Erros Discador Dial-Up Lista de Erros Discador Dial-Up Erro Código Descrição Ok 1 Usuário autenticado com sucesso e conexão encerrada pelo usuário OK 11 Usuário autenticado com sucesso e discador terminado pelo usuário OK 21

Leia mais

MANUAL CFTV DIGITAL - LINHA LIGHT 16 CANAIS 120 FPS / VID 120-LI CONFIGURAÇÃO DO COMPUTADOR 16 Canais - 120 FPS Processador Dual Core 2.0GHZ ou superior; Placa Mãe Intel ou Gigabyte com chipset Intel;

Leia mais

1. Adição de um disco rígido a uma máquina existente. Iremos utilizar uma máquina virtual

1. Adição de um disco rígido a uma máquina existente. Iremos utilizar uma máquina virtual Curso: Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Disciplina: Administração de Sistemas Operacionais Professor: João Medeiros de Araújo Atividade Prática: Formatação e montagem de partições no Linux

Leia mais

Recuperando o GRUB após instalação do Windows

Recuperando o GRUB após instalação do Windows Recuperando o GRUB após instalação do Windows PET Engenharia de Computação - http://www.inf.ufes.br/~pet 1 Instruções iniciais Para efetuar as configurações a seguir talvez precisaremos executar comandos

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Como é o Funcionamento do LTSP

Como é o Funcionamento do LTSP Instalação e configuração do LTSP 5 no Ubuntu 11.04 Funcionamento do LTSP e Instalação do Servidor Como é o Funcionamento do LTSP O primeiro requisito para que o LSTP funcione bem é ter uma rede de boa

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

LICENCIAMENTO V14 USANDO REPRISE LICENSE MANAGER

LICENCIAMENTO V14 USANDO REPRISE LICENSE MANAGER LICENCIAMENTO V14 USANDO REPRISE LICENSE MANAGER V14 de BricsCAD vem com um novo sistema de licenciamento, com base na tecnologia de licenciamento de Reprise Software. Este novo sistema oferece um ambiente

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Memória da impressora

Memória da impressora Memória da impressora Gerenciando a memória 1 Sua impressora vem com, pelo menos, 32 MB de memória. Para determinar a quantidade de memória instalada atualmente em sua impressora, selecione Imprimir Menus

Leia mais

Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens

Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens em utilizar este serviço para facilitar a administração de pastas compartilhadas em uma rede de computadores.

Leia mais

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux Apresentação Administração de Sistemas Curso Tecnologia em Telemática Disciplina Administração de Sistemas Linux Professor: Anderson Costa anderson@ifpb.edu.br Assunto da aula Aspectos do Sistema de Arquivos

Leia mais

Instalando o Debian em modo texto

Instalando o Debian em modo texto Instalando o Debian em modo texto Por ser composto por um número absurdamente grande de pacotes, baixar os CDs de instalação do Debian é uma tarefa ingrata. Você pode ver uma lista dos mirrors disponíveis

Leia mais

Sistema de Arquivos EXT3

Sistema de Arquivos EXT3 Sistema de Arquivos EXT3 Introdução Ext3 é uma nova versão do Ext2. Possui as mesmas estruturas do ext2, além de adicionar as propriedades do Journal. O uso do Ext3 melhora na recuperação do sistema(dados),

Leia mais

RAID. Propõe o aumento da confiabilidade e desempenho do armazenamento em disco. RAID (Redundant Array of Independent Disks )

RAID. Propõe o aumento da confiabilidade e desempenho do armazenamento em disco. RAID (Redundant Array of Independent Disks ) RAID O que é um RAID? RAID RAID (Redundant Array of Independent Disks ) Matriz Redundante de Discos Independentes Propõe o aumento da confiabilidade e desempenho do armazenamento em disco. RAID Surgiu

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

UDPcast Clonagem de HDs via rede utilizando

UDPcast Clonagem de HDs via rede utilizando Manual Clonando Discos com o UDPcast Clonagem de HDs via rede utilizando o UDPCast. Produzido por: Sergio Graças Giany Abreu Desenvolvedores do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Clonando Discos com o UDPcast

Leia mais

Gerenciamento de Boot

Gerenciamento de Boot - Gerenciamento de Boot é um meio de você configurar e trabalhar com diversos sistemas operacionais instalados. - Gerenciador de Boot é um pequeno software instalado no Master Boot Record (MBR) nas trilhas

Leia mais

Instalação FreeBSD 9. 2 - Inicialização do CD/DVD! Ao colocar o CD/DVD como boot principal na BIOS, aparecerá a seguinte tela:

Instalação FreeBSD 9. 2 - Inicialização do CD/DVD! Ao colocar o CD/DVD como boot principal na BIOS, aparecerá a seguinte tela: Instalação FreeBSD 9 1 - Introdução! O Sistema de Instalação do FreeBSD basicamente utilizará as setas do teclado, barra de espaço ou enter para executar determinada ação. Toda vez que encontrar alguma

Leia mais

Manual. ID REP Config Versão 1.0

Manual. ID REP Config Versão 1.0 Manual ID REP Config Versão 1.0 Sumário 1. Introdução... 3 2. Pré-Requisitos... 3 3. Instalação do ID REP Config... 4 4. Visão Geral do Programa... 8 4.1. Tela Principal... 8 4.2. Tela de Pesquisa... 12

Leia mais

Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais.

Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais. Olá nobre concurseiro e futuro servidor público! Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais. Essa

Leia mais

Instalando software MÉDICO Online no servidor

Instalando software MÉDICO Online no servidor Instalando software MÉDICO Online no servidor A máquina denominada Servidora é a que armazenará o banco de dados do software (arquivo responsável pelas informações inseridas), compartilhando com as demais

Leia mais

Implementando e gerenciando dispositivos de hardware

Implementando e gerenciando dispositivos de hardware 3 Implementando e gerenciando dispositivos de hardware Uma boa parte das questões do exame está concentrada nessa área. Saber implementar e, principalmente, solucionar problemas relacionados a dispositivos

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Serviços de Rede Aula 04 Network File System (NFS) Prof: Jéferson Mendonça de Limas Network File System é um sistema que permite a montagem de sistemas de arquivos remotos

Leia mais

MEMÓRIA. MEMÓRIA RAM (Randon acess memory) Memória de acesso aleatório

MEMÓRIA. MEMÓRIA RAM (Randon acess memory) Memória de acesso aleatório O papel do processador é apenas um, pegar os dados e processa-los não importando de onde vem ou para onde vão estes dados. Como os processadores não possuem uma área de armazenamento grande, ele buscas

Leia mais

GUIA RÁPIDO SISTEMA ANTIFURTO THEFT DETERRENT

GUIA RÁPIDO SISTEMA ANTIFURTO THEFT DETERRENT GUIA RÁPIDO SISTEMA ANTIFURTO THEFT DETERRENT SUMÁRIO Prefácio... 1 A quem se destina... 1 Nomenclatura utilizada neste documento... 1 Tela de login... 2 Tela Inicial... 4 Gestão de Dispositivo Acompanhar

Leia mais

Sistemas de Armazenamento

Sistemas de Armazenamento M. Sc. isacfernando@gmail.com Especialização em Administração de Banco de Dados ESTÁCIO FIR Tipo de Não importa quanta memória seu smartphone tenha, ele nunca terá o bastante para guardar todas as suas

Leia mais

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Tecgraf/PUC Rio infogrid@tecgraf.puc rio.br 1.Introdução O objetivo deste documento é podermos registrar em um único local todas as informações necessárias

Leia mais

BACKUP ONLINE LINHA OFFICE

BACKUP ONLINE LINHA OFFICE BACKUP ONLINE LINHA OFFICE Índice 1. INFORMAÇÕES INICIAIS... 03 2. REQUISITOS PARA FUNCIONAMENTO... 03 2.1. CONFIGURAÇÕES DE REDE... 03 2.2 INSTALAÇÃO DOTNET... 03 3. ROTINA DE CONFIGURAÇÃO DO BACKUP ONLINE...

Leia mais

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE)

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) Possuir capacidade instalada, livre para uso, de pelo menos 5.2 (cinco ponto dois) TB líquidos em discos SAS/FC de no máximo 600GB 15.000RPM utilizando RAID 5 (com no

Leia mais

HOW TO. Instalação do Firewall 6.1 Software

HOW TO. Instalação do Firewall 6.1 Software Introdução HOW TO Página: 1 de 14 Para fazer a migração/instalação do 6.1 Software, é necessária a instalação do Sistema Operacional Linux Fedora Core 8. Explicaremos passo a passo como formatar a máquina,

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014.

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores : Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Professor: Marissol Martins Alunos: Edy Laus,

Leia mais

Manual. ID REP Config Versão 1.0

Manual. ID REP Config Versão 1.0 Manual ID REP Config Versão 1.0 Sumário 1. Introdução... 3 2. Pré-Requisitos... 3 2.1. Atualização... 3 3. Instalação do ID REP Config... 4 4. Visão Geral do Programa... 6 4.1. Tela Principal... 6 4.2.

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

RECUPERANDO DADOS COM REDO BACKUP E RECOVERY

RECUPERANDO DADOS COM REDO BACKUP E RECOVERY RECUPERANDO DADOS COM REDO BACKUP E RECOVERY Redo Backup é um programa para a recuperação de arquivos e discos rígidos danificados. Com ele você dispõe de um sistema completo para resolver diversos problemas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais RAID Marcelo Diniz http://marcelovcd.wordpress.com/ O que é RAID? RAID RAID (Redundant Array of Independent Disks ) Matriz Redundante de Discos Independentes Recuperar informação

Leia mais

O RAID foi proposto em 1988 por David A. Patterson, Garth A. Gibson e Randy H. Katz na publicação "Um

O RAID foi proposto em 1988 por David A. Patterson, Garth A. Gibson e Randy H. Katz na publicação Um AID - Wikipédia, a enciclopédia livre de 10 5/10/2009 16:30 Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Redundant Array of Independent Drives, também denominado Redundant Array of Inexpensive Drives ou mais

Leia mais

Copyright 2015 Mandic Cloud Solutions - Somos Especialistas em Cloud. www.mandic.com.br

Copyright 2015 Mandic Cloud Solutions - Somos Especialistas em Cloud. www.mandic.com.br Sumário 1. Boas vindas... 4 2. Dashboard... 4 3. Cloud... 5 3.1 Servidores... 5 o Contratar Novo Servidor... 5 o Detalhes do Servidor... 9 3.2 Cloud Backup... 13 o Alteração de quota... 13 o Senha do agente...

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Criação de Formulários no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Criação de Formulários no Google Drive Introdução...

Leia mais

Obrigado por escolher o CalDigit VR, por favor, siga as seguintes instruções para uma instalação rápida do seu CalDigit VR.

Obrigado por escolher o CalDigit VR, por favor, siga as seguintes instruções para uma instalação rápida do seu CalDigit VR. 1 Obrigado por escolher o CalDigit VR, por favor, siga as seguintes instruções para uma instalação rápida do seu CalDigit VR. Conteúdo do produto: - CalDigit VR - Modulos de Drive CalDigit (2 unid) - Cabo

Leia mais

Criar e confgurar as opções do sistema de arquivos

Criar e confgurar as opções do sistema de arquivos Criar e confgurar as opções do sistema de arquivos - 2 Sumário Capítulo 1 Criar e confgurar as opções do sistema de arquivos... 3 1.1. Objetivos... 3 1.2. Mãos a obra...4 Capítulo 2 Gerenciando... 7 2.1.

Leia mais

NETALARM GATEWAY Manual Usuário

NETALARM GATEWAY Manual Usuário NETALARM GATEWAY Manual Usuário 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Requisitos de Instalação... 3 3. Instalação... 3 4. Iniciando o programa... 5 4.1. Aba Serial... 5 4.2. Aba TCP... 6 4.3. Aba Protocolo...

Leia mais

Perguntas frequentes do Samsung Drive Manager

Perguntas frequentes do Samsung Drive Manager Perguntas frequentes do Samsung Drive Manager Instalação P: Meu Disco Rígido Externo Samsung está conectado, mas nada está acontecendo. R: Verifique a conexão a cabo USB. Se seu Disco Rígido Externo Samsung

Leia mais

Senado Federal Questões 2012

Senado Federal Questões 2012 Senado Federal Questões 2012 Sistemas Operacionais Prova de Analista de Sistemas Prof. Gustavo Van Erven Senado Federal Questões 2012 Rede Social ITnerante http://www.itnerante.com.br/ Vídeo Aulas http://www.provasdeti.com.br/

Leia mais

Google Drive. Passos. Configurando o Google Drive

Google Drive. Passos. Configurando o Google Drive Google Drive um sistema de armazenagem de arquivos ligado à sua conta Google e acessível via Internet, desta forma você pode acessar seus arquivos a partir de qualquer dispositivo que tenha acesso à Internet.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4

Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4 Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4 Relatório elaborado sob contrato com a EMC Corporation Introdução A EMC Corporation contratou a Demartek para realizar uma avaliação prática do novo

Leia mais

Até que Ponto Seus Dados estão Seguros? Por Kris Land, CTO, diretor de tecnologia da InoStor Corp.

Até que Ponto Seus Dados estão Seguros? Por Kris Land, CTO, diretor de tecnologia da InoStor Corp. Até que Ponto Seus Dados estão Seguros? Por Kris Land, CTO, diretor de tecnologia da InoStor Corp. No mundo de negócios da atualidade, nenhuma questão é mais importante para as grandes centrais de armazenamento

Leia mais

Tecnologia de armazenamento Intel (Intel RST) RAID 0, 1, 5, 10, Matrix RAID, RAID -Pronto

Tecnologia de armazenamento Intel (Intel RST) RAID 0, 1, 5, 10, Matrix RAID, RAID -Pronto Tecnologia de armazenamento Intel (Intel RST) RAID 0, 1, 5, 10, Matrix RAID, RAID -Pronto RAID 0 (striping) RAID 0 utiliza os recursos de leitura/gravação duas ou mais unidades de disco trabalhando em

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS FUNDAMENTOS DE Visão geral sobre o Active Directory Um diretório é uma estrutura hierárquica que armazena informações sobre objetos na rede. Um serviço de diretório,

Leia mais

Boot Camp Guia de Instalação e Configuração

Boot Camp Guia de Instalação e Configuração Boot Camp Guia de Instalação e Configuração Conteúdo 3 Introdução 4 Visão geral da instalação 4 Passo 1: Buscar atualizações 4 Passo 2: Preparar o Mac para Windows 4 Passo 3: Instalar o Windows no seu

Leia mais

RAID Redundat Arrays of Inexpensive Disks

RAID Redundat Arrays of Inexpensive Disks RAID Redundat Arrays of Inexpensive Disks Criado em alternativa para os discos grandes e caros. Justificativa: Substituindo discos grandes por muitos discos pequenos, o desempenho melhoraria mais cabeças

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

Manual de Instalação Linux Comunicações - Servidor. Centro de Computação Científica e Software Livre - C3SL

Manual de Instalação Linux Comunicações - Servidor. Centro de Computação Científica e Software Livre - C3SL Manual de Instalação Linux Comunicações - Servidor Centro de Computação Científica e Software Livre - C3SL Sumário 1 Instalando o Linux Comunicações para Telecentros (servidor) 2 1.1 Experimentar o Linux

Leia mais

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 Pela grande necessidade de controlar a internet de diversos clientes, a NSC Soluções em Informática desenvolveu um novo produto capaz de gerenciar todos os recursos

Leia mais

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento 1 Gerência de espaço em disco Cópia de segurança do sistema de arquivo Roteiro Confiabilidade Desempenho

Leia mais

481040 - Programador/a de Informática

481040 - Programador/a de Informática 481040 - Programador/a de Informática UFCD - 0801 ADMINISTRAÇÃO DE REDES LOCAIS Sessão 9 SUMÁRIO Sistemas redundantes; Modos de Operação RAID Sistemas redundantes 1. Redundância significa ter componentes

Leia mais

ETEC Campo Limpo AULA 07. 1. Interpretando informações do UTILITÁRIO DE CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA

ETEC Campo Limpo AULA 07. 1. Interpretando informações do UTILITÁRIO DE CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA AULA 07 1. Interpretando informações do UTILITÁRIO DE CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA O Utilitário de configuração do sistema, o famoso "msconfig" está disponível nas versões recentes do Windows. Para abrir o

Leia mais

Espelhamento local e remoto de HDs (RAID1) com mdadm e DRBD. João Eriberto Mota Filho Foz do Iguaçu, PR, 17 out. 2013

Espelhamento local e remoto de HDs (RAID1) com mdadm e DRBD. João Eriberto Mota Filho Foz do Iguaçu, PR, 17 out. 2013 Espelhamento local e remoto de HDs (RAID1) com mdadm e DRBD João Eriberto Mota Filho Foz do Iguaçu, PR, 17 out. 2013 Sumário Quanto valem os seus dados? Entendendo o RAID1 local Demonstração do RAID1 local

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO Aplicativo Controle de Estoque Desktop

MANUAL DE UTILIZAÇÃO Aplicativo Controle de Estoque Desktop MANUAL DE UTILIZAÇÃO Aplicativo Controle de Estoque Desktop 1 1 INICIANDO O APLICATIVO PELA PRIMEIRA VEZ... 3 2 PÁGINA PRINCIPAL DO APLICATIVO... 4 2.1 INTERFACE INICIAL... 4 3 INICIANDO PROCESSO DE LEITURA...

Leia mais

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga OSPF O objetivo desse roteiro é mostrar como o pacote Quagga pode ser utilizado para construir roteadores com suporte a protocolos de roteamento utilizando

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS 1 Objetivos do Capítulo Descrever a seqüência e a importância da inicialização do IOS nos roteadores

Leia mais

O sistema que completa sua empresa Roteiro de Instalação (rev. 15.10.09) Página 1

O sistema que completa sua empresa Roteiro de Instalação (rev. 15.10.09) Página 1 Roteiro de Instalação (rev. 15.10.09) Página 1 O objetivo deste roteiro é descrever os passos para a instalação do UNICO. O roteiro poderá ser usado não apenas pelas revendas que apenas estão realizando

Leia mais

Manual de Instalação PIMSConnector em Linux

Manual de Instalação PIMSConnector em Linux Manual de Instalação PIMSConnector em Linux Julho/2015 Sumário 1. Contexto de negócio (Introdução)... 3 2. Pré-requisitos instalação/implantação/utilização... 4 3. JBOSS... 6 3.1. Instalação... 6 3.2.

Leia mais

Manual de backup do banco de dados PostgreSQL - Versão 2. Setembro-2011

Manual de backup do banco de dados PostgreSQL - Versão 2. Setembro-2011 Manual de backup do banco de dados PostgreSQL - Versão 2 Setembro-2011 E-Sales Oobj Tecnologia da Informação Av. D, n. 246, Qd. A-04, Lt.02, Ap. 02, Jardim Goiás Goiânia/GO, CEP: 74805-090 Fone: (62) 3086-5750

Leia mais

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias:

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias: Aula 11 Arquitetura de Computadores - 20/10/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber MEMÓRIA Memória é um termo genérico usado para designar as partes do computador

Leia mais