num Contexto de Reforma

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "num Contexto de Reforma"

Transcrição

1 Education Division Documents. No 49. Assisténcia å Educaoåo num Contexto de Reforma Avaliacåo Conjunta do Apoio Sueco ao Sector da Educacåo na Guiné - Bissau entre 1988 e 199. por Lillemor Andersson - Brolin, Maria Emilia Catela, Ralil Mendes Fernandes, Lars Liljeson gisiwmjljwé Maio 199

2 PREFACE Sweden has given support to education in Guiné- Bissau since the time before indepence; in those days through PAIGC. The initial support after independence was characterized by un- conditioned assistance, mainly provision of educational material. In 1982, a study of the education sector was carried out, which was published in the Education Division Document Series (no. 5). This study presents a very gloomy picture of the state of education in Guiné- Bissau; drop - out rates were extremely high, and the content of the curricula was seen to have little relevance for Guinean reality. It was evident that a reform of the education system was necessary. The implication of the findings for the Swedish support was that a more ambitious and targeted support was called for, which would include technical assistance. The support of the period was based on these findings and conclusions, and the purpose of the present study was to evaluate the impact of this support, as seen against the wider socioeconomic context of the country. The study was carried out by a joint Swedish- Guinean independent consultancy team in the spring of 199, a timing to serve the preparation for a new agreement. The nature of the terms of reference for the study, and the fairly short time spent on location, has not enabled the team to include a deep historical analysis of the problems. On this note the Minister of Education, Mr Manuel Rambout Barcelos, has generously provided us with a set of comments, which is attached to the study. The study reflects the concern of SIDA to contribute to the development of the education sector of Guiné- Bissau through a more efficient support. It is hoped that this study will also be useful for those with a general interest in education in Guiné- Bissau. Ingemar Gustafsson Hea of the Education Division

3 Pggmicio A Suecia lem apoiado a educaoao na Guiné- Bissau desde o tempo antes da independéncia através do PAIGC. O apoio inicial apos a independéncia for caracterizado por uma assisténcia nio - condicionada, principalmente a provisao de material didäctico. Em 1982, foi feito um estudo sobre o sector da educagsb,o qual for publicado na serie de Documentos da Divisäo da Educagåo (no. 5). Este estudo apresentava um quadro muito triste da situaoåo do ensino na Guiné - Bissau; o numero de alunos que abandonavam os estudos era extremamente alto, e o conteudo do curriculo tinha muito pouca relevåncia para a realidade guineense. Era evidente que uma reforma do sistema de ensino era necessärio. A implicaoao das recomendagäes para uma continuagao da assisténcia sueca era que se exigia um apoio majs empenhado e mais dirigido, o que viria a incluir também assisténcia técnica. O apoio para o periodo de tinha bases nestas recomendagbes e conc1usbes, e o objectivo do presente estudo era de avaliar o impacto desto apoio, visto em relagåo ao contexto socioeconbmico majs vasto do pais. O estudo for feito por um grupo independente sueco- guineense na Primavera de 199, um momento escolhido para contribuir e ajudar na preparagäo de um novo acordo. A natureza dos termos de referéncia para o estudo hem come o periodo bastante breve passade no pais, näo possibilitou ac grupo de incluir uma anälise historica profunda dos problemas. A respeito disso, o Ministro da Educagao, Barcelos, fez - nos generosamente alguns comentårios, que våo come anexos a este estudo. o Sr Manuel Rambout O estudo reflecte a preocupagåo da ASDI de contribuir para o desenvolvimento do sector da educagåo na Guiné- Bisssau, através de um apoio majs eficiente. Espera - se que este estudo também venha a ser util para quem tenha um interesse geral sobre o sistema de ensino na Guiné- Bissau. Ingemar Gustafsson 4/1. / Chef da Divisåo da ducaoåo

4 ASSISTåNCIA 1 EDUCACÅO NUM CONTEXTO DE REFORMA Avaliaqåo Conjunta do Apoio Sueco ac Sector da EduCacåO na Guiné - Bissau entre 1988 e 199 Lillemor Andersson - Brolin Maria Emilia Catela RaOl Mendes Fernandes Lars Liljeson Estocolmo, 199

5 PREFÄCIO DOS AUTORES Quisémos com este re1atorio apresentar um quadro realista da situacåo do apoio sueco ao Sector da Educacåo e relacioné - lo com as estruturas e politicas em que esse apoio se insere. A anålise tove por preocupacåo focar os pontos que necessitam de mais urgente correccåo, pelo que teråo ficado em segundo lugar aqueles que levantam menos ou nenhum problema. Enquanto chamamos a atencåo para as questbes que necessitam de maior reflexåo e apoio, nacional ou sueco, e evidenciamos os seus pontus fracos, esforcamo - nos por também apresentar sugestbes de melhoramento, mesmo em åreas que nåd obtiveram directamente o apoio sueco. Na analise, foram tidos em conta os estudos do INDE (DPOL) e outros estudos que se mostraram relevantes, bem como as experiéncias de pessoas conhecedoras da realidade nacional e da educacåo guineense em particular. Agradecemos, p1s, a todos os que muito interessadamente se disponibilizaram para contribuir e apoiar o nosso trabalho. Com eles, esperamos ter contribuido para uma reflexåo e procura de solucoes no interesse do desenvolvimento da Educacåo na Guine - Bissau. Estocolmo, 18 de Maio de 199 1

6 INDICE Executive Summary I. INTRODUCÅO 1. Os Objectivos da Avaliacåo 2. Aspectos Netodologicos 3. Limitacbes da Avaliacåo II. O CONTEXTO DO APOIO SUECO 1. O Contexto Nacional O Programa de Ajustamento Estrutural A Educacåo Formal e a Educacåo Tradicional 2. O Sistema Educativo e as Reformas da Educacåo Os Alunos Os Professores A Reforma do Ensino Basico A Reestruturacåo do Ministério da EduCaCåO O Projecto de Descentralizacåo A Estratégia da Educacåo e as Realidades Regionais III. O APOIO SUECO DO TRIENIO 1. Antecedentes 2. O Acordo de Livros e Material Didåctico Objectivo e Justificacåo do Apoio Os Livros nas Escolas A Producåo dos Livros Consideracbes Economicas da Producåo A Distribuicåo de Livros e Material Didåctico Conclusåo 4. Formacåo de Professores Objectivos e Politica Educativa Concepcåo, Programacåo e Execucåo As Estruturas As Actividades da DAC A Assisténcia Técnica Sueca Conclusåo 5. A Pesquisa Pedagogica Introducåo A Formacåo da Edquipa de Investigacåo O Caråcter Inovador da Pesquisa A Mobilidade dos Quadros e a Organizacåo Interna da Divisåo Os Bloqueamentos Administrativos Orientacbes e Tendéncias Conclusåo 6. Construcåo e Reparacåo de Escolas Programa e Problemas Comentårios 7. A Coordenacåo A Criacåo do Cargo O Cargo Actual Conclusåo 8. Conclusbes e Recomendacöes Conclusbes da Anålise Recomendacöes para o Futuro Reflexåo Comentario ANEXOS : BIBLIOGRAF Final EI8 do Ministério da Educacåo '71 '79 Termos de Referencia para a Avaliacåo 8 ]. Pessoas Contactadas 9() Estatisticas do Sistema Educativo Alunos 953 Temas das Pesquisas da DPOL entre 1988 e 199 ge' Organigrama do Ministério da Educacåo 1()3 Estatisticas sobre a Producåo de Livros Escolares 15 Siglas 1 ].7 IIÄ 1 ] ]. ].5 ].6 ].7 ].9 2]. 2:2 ; Å ; ; ' (J 5() 5] '7 5' (55 11

7 EXECUTIVE SUMMARY The Swedish Support The Swedish support to the Education Sector started already during the Liberation War. The first agreement between Guinea - Bissau and Sweden was extended over the period and concentrated on primary school education. The support mainly covered import goods. When the cooperation was evaluated in 1982, it adpeared that the general situation within the sector was very Poor. The evaluationöconcluded that the Swedish assistance had to be changed considerably. Thé &greement of , under evaluation in this report, stated that the main objective of the support should be to improve the quality of primary school education, by intervening in "crucial points" 18 MSEK were allocated to five subsectors of education, identified as follows: 1. school books and materials; 2. teacher training; 3. research; 4. construction and upgrading of schools; and 5. coordination. The main part of the support, 12 MSEK, was set aside for the first mentioned subsector. In addition, the importance of technical assistance was stressed. SIDA support was mainly channeled to the Institute for Educational Development, INDE, and the national printing house, INACEP. Three departments within INDE were reinforced with technical assistance, in order to produce better and more adequate material for pupils and teachers, improve teacher training and train educational researchers. The printing house WGS PrOVided with equipment and technical assistance so that its Publishing capacity and the quality of its products would be improved. In this way, the whole chain of book production and material was supposed to be strengthened. The main goal was that all the primary school pupils should obtain the necessary books. PUrPOSe and Focus of the Evaluation Thé Purpose of this evaluation is to analyse and evaluate the results of the Swedish support to the Guinean Education Sector since 1988, in relation to the goals set. The general context of this support is also considered, particularly the educational policy, the educational system, the ongoing educational reform, the teachers' living and working situation, and the consequences of the structural adjustment programme. Methodology The study is a joint evaluation carried out by a team of consultants from Guinea - Bissau and Sweden. It comprised four phases. A preparatory phase of two weeks in February - March 199, When relevant documents were studied and discussed, and the field work was planned. During this phase, a resource - person from the Ministry of Education of Guinea - Bissau participated in the work. The field work was carried out during three weeks in March - April, when the team visited schools in urban and rural areas, interviewed the persons involved in the subprogrammes and met other key persons. A preliminary summary report was presented before the departure from Guinea- Bissau. The third phase involved group and individual work for analysis of results and writing. One team member was responsible for lntegrating the various parts of the report, the others for ill

8 complementing the information. The last phase consisted.of one week's work in May, when the whole team finalized the report. Findings and Conclusions The evaluation shows that the "crucial points" selected by SIDA for support had a limited impact, since other crucial areas were left less covered, for example teacher training, or uncovered, for instance book manuscript production. This might be related to a lack of a deeper conceptual analysis during the planning of the support: neither were the crucial points" in education critically analysed, nor were general objectives broken down in more operational terms. In the book production and distribution chain, SIDA did not support all the important phases, leaving out the production of manuscripts, which proved to be crucial. The coordination of the Whole process has been deficient and the implementation of the investments in INACEP was not sufficiently planned, as it came too early in the development of the school book production. Book distribution has also been problematic. As a result, there is still a considerable lack of books in the schools and the support is far from fulfilling its objective. Teacher training is a vast area with many needs, and the educational reform is demanding a great investment in that area. Consequently, the Swedish support could only help in a modest way. Research in education within INDE is quite a new field. The recently formed research team has been producing a few studies, mostly with a training purpose. So far, these studies have had a limited impact on educational policy. The programme of construction and upgrading of school buildings Was not completed. Only four out of the thirteen planned schools were constructed within the Zona 1 Integrated Project, PDRI. The main reason for this was that the participation of the local community did not take the form that the planners had expected. The technical assistant within the Ministry's planning unit, DGPP, has the double function of coordinator and advisor. Of these functions, the coordination of the SIDA activities has been the most important. This is very much related to the coordinator's position within the Ministry, making it possible to solve the bureaucratic questions associated with such activities. A general conclusion as to the technical assistance is that it has had a limited structural impact, both in the book production and distribution, and in the reform work in general, for the reasons stated above. Another important reason is the lack of permanent counterparts, due to the frequent travel and high turn over of the staff. It was expected that the support to INDE would promote the development of the planned educational reform. It is too early to draw sound conclusions on such impact, but the objective seems too ambitious for a support which greatly priviledged the book publication only. It is therefore suggested that the Swedish assistance becomes more active in the future, by intervening in additional areas which are crucial. One possibility is that SIDA concentrates on one area in full, such as the book production. Another is that SIDA considers the demands of the ongoing iv

9 educational reform, for example the present plans for regional decentralization. On the whole, the concentration of the support to INDE can be seen as less successful for various contextual reasons: INDE was given too great a task within the reform work; its statutes are not clear about the division of tasks between departments, often resulting inunbalancesas to resources and responsabilities; the staff is highly mobile and often absent due to courses and training periods abroad; INDE'S status within the Ministry of Education has grown in disproportion to the central services, caused by too great a concentration of tasks, which is reinforced by foreign assistance. In summary, the Swedish support to the Education Sector in Guinea - Bissau has not succeeded in becoming a strategic support which exceeds the sum of its individual parts. There is no visible improvement in the quality of primary education, and the low number of boys and girls in primary school has not increased Slgnificantly. Inequalities between the sexes, as well as between geogr&phical regions remain. Under these circumstances, the question must be raised whether a sector support is the most adequate form of assistance. A deeper analysis from the viewpoint of the target group is strongly recommended. Such an analysis should comprise the importance of school books in relation to other needs, as well as the potential role of the school in the Guinean society. V

10 I. INTKODUCÄO A experiéncia do Ocidente pode - nos servir, a de Africa também como de outras partes. Mas nåd temos que "reproduzir", alias, nåd podemos "reproduzir" nenhuma delas, pois a nossa situacåo é diferente. Temos, sim, de - roduzir um modelo que nåd exista e que seré prbprio de uma situacåo particular. (Rambout Barcelos, 1987:165) apoio Sueco ao sector da Educacåo na Guiné - Bissau Vem de longa data (gåg. SIDA, 1982). Inicialmente apenas com a preocupacåo de apoiar actividades em curso, os objectivos da ajuda sueca tém - se tornado cada vez mais especificos e concretizam hole algumas das preocupacbes universais da Educacåo. O ultimo acordo assinado entre a ASDI e o governo da Guiné - Bissau cobriu o triénio , com intervencåo em cinco åreas bom definidas, a sabel: livros/material didåctico formacåo de professores Pesquisa pedagogica construcåo/reparacåo de escolas coordenacåo. Esta intervencåo foi avaliada neste &ltimo ano do acordo e os seus resultados constituem o conte&do deste re1atério. 1. OS OBJECTIVOS DA AVALIACAO &poio da ASDI ao sector da Educacåo da Guiné - Bissau para o Periodo foi concretizado pelo Plano de Accåo (MECD. 1987). que propbe os objectivos do apoio e as actividades que lhes deveriam dar corpo. Neste documento é também indicado que, no inicio de 199, "um grupo de especialistas independentes irå analisar e avaliar os resultados do Programa na base dos Objectivos e das actividades fixadas no Plano de Accåo (MECD, 1987:24). Com as conc1usbes desta avaliacåo, pretende - se "dirigir o desenvolvimento do futuro Programa" (idem ibid.). Esta intencåo foi agera reforcada pela conjuntura da ajuda externa ao P&IS, uma Vez que uma Mesa Redonda de doadores Virå a ter lugar em fins de maio para discutir as linhas orientadoras dessa ajuda. O objectivo geral proposto para a avaliacåo do apoio da ASDI no ultimo triénio é o de "analisar o impacto do apoio sueco ao Sector da Educacåo (ASDI, 199:4). Quanto aos objectivos especificos, estes foram discutidos intensamente durante a PrED&r&CåO dos termos de referéncia que deveriam orientar a avaliacåo. Foi sugerido, por um lado, que a avaliacåo deveria cobrir todo o sector educativo, com base no argumento de que o apoio sueco é um apoio ao sector, pelo que este tipo de assiténcia nåd pode desligar - se de outras actividades no sector hem de outras medidas tomadas a seu respeito. Por outro lado, foi sugerido que o apoio sueco tinha sido focado sobre determinados pontus, o que necessariamente teria os seus efeitos. Estes deveriam entåo ser analisados e avaliados em re1acåo aos Objectivos definidos para cada area da assisténcia sueca, hem como em relacåo ao objectivo geral desta assisténcia no sector. Destas discussbes resultou a seguinte formu1acåo: 1

11 Os consultores iråo analisar/avaliar os resultados atingidos relacionados com os objectivos a longo prazo e em particular a curto prazo. Fazer recomendacoes sobre o apoio no futuro incluindo novos sub - sectores e estudos mais profundos. (ASDI, 199:4) A anålise do apoio sueco ao sector deveria, além disso, ter em conta (mas nåd avaliar) uma lista de factores sociais, economicos e educativos que afectam o pais, que adiante se especificam e que constituem o que neste re1atorio se designa polo Contexto do Apoio Sueco. O Anexo 1 apresenta os termos de referéncia para esta avaliacåo, que foi realizada entre fevereiro e maio do corrente ano. Assim, o presente re1atorio, onde se registam as observacöes feitas e as conc1usbes da anélise, estå organizado em trés partes: uma Introducåo, que apresenta as questöes especificas da avaliacåo, o Contexto do Apoio Sueco, que descreve a situacåo socio - economica, cultural e educativa do pais, O Apoio Sueco do Triénio, onde se analisa em detalhe o desen - volvimento das actividades em cada uma das cinco areas de intervencåo. Esta parte termina com uma listagem das Con - c1usoes da anålise e das Recomendacdes de ai decorrentes, de modo a orientar o futuro apoio sueco ao sector da Educacåo. 2. ASPECTOS METODOLOGICOS A abordagem metodo1ogica seguida neste trabalho incluiu trés fontes diferentes de informacåo: (1) documentos sobre a realidade gulneense (e.g. re1atorios e estatisticas), (2) entrevistas a todos os niveis do Sector da Educacåo e (3) observacdes directas das actividades em curso. Os documentos consultados constam da Bibliografia e a lista de pessoas contactadas constitui o Anexo 2. Os trabalhos de avaliacåo distribuiram - se por trés momentos distintos, cada um com objectivos diferentes: (1) a preparacåo do trabalho de campo, (2) o trabalho de campo propriamente dito e (3) a anålise dos dados juntamente com a elaboracåo dos re1atorios preliminar e final. Preparacåo do Trabalho de Campo. Para este fim foram reservadas duas semanas em Estocolmo, nas quais participaram, para além dos consultores suecos e guineense (autores deste re1atorio), um técnico do Ministério da Educacåo da Guiné - Bissau, Geraldo Martins, como "pessoa - recurso", isto é, come fonte de informacåo sobre o sistema educativo guineense e o seu ministério. Os dois Objectivos principais desta faso do trabalho foram, primeiro, o dé procurar informacbes sobre o sector e o seu contexto socio - - econömico, com elas procedendo a uma primeira anålise, e, SegUndO, o de desenvolver uma plataforma de referéncia comum a todos os membros do grupo, como ponto de partida para o trabalho de campo. Esta fase mostrou ser uma introducåo muito util ao sector educativo do pais e ås actividades em curso, sob o ponto de Vista do Ministério da Educacåo. Porém, a intensidade do trabalho neste periodo e o facto de ele ser imediatamente seguido pelo trabalho 2

12 de campo mostrou ser desvantajoso, uma vez que impossibilitou a equipa de reflectir e analisar em profundidade os documentos oficiais e os estudos å disposicåo antes de iniciar o trabalho de CampO. Isto foi feito no decurso do trabalho. Trabalho de Campo. Esta fase abrangeu trés semanas na Guiné - - Bissau, onde foram feitas visitas a escolas e Delegacias Regionais em trés regibes do pais (Cacheu, Tombali e Bissau, com énfase nas duas primeiras), bom como a diversos departamentos do Ministério da Educacåo. Como conc1usåo deste periodo, foi apresentado ao Gabinete local da ASDI um Relatbrio Sumårio Preliminar (ASDI, 199a) e discutidos com o Senhor Ministro da Educacåo as respectivas conc1usbes e recomendacbes. De Particular relevåncia para os resultados desta avaliacåo foi a metodologia utilizada na recolha dos dados, em que no geral se OPtOU pol uma sequéncia inversa å habitual. Assim, comecou - se Per conhecer o terreno e o grupo - alvo da educacåo, ou seja, os alunos, e consequentemente os profesores e as escolas. Nesta Sequéncia contactaram - se os delegados e os inspectores regionais, e s6 depois se abordaram os departamentos e os técnicos do Ministério, bom como os assistentes técnicos da ASDI neles colocados. Esta metodologia mostrou - se compensadora, visto que permitiu uma melhor discussåo da realidade escolar com os responsåveis a nivel central. Ao todo, visitaram - se vårias classes em dez Escolas Primårias, bom como uma escola de formacåo de professores do ensino båsico (Escola Normal 17 de Fevereiro, Bissau) e a sua escola de estagio (Escola Anexa 5 de Julho, Bissau). Adicionalmente, e respeitando particularmente a producåo de manuais escolares, foram entrevistados técnicos e visitadas as insta1acbes da INACEP. No total, foram contactadas cerca de 5 pessoas, para além dos alunos com quem se conversou no decorrer das visitas (v. Anexo 2). Contudo, a tarefa da equipa de avaliacåo nåd era considerar a ODiniåo deste grupo como ponto de partida, pelo que os contactos com os alunos serviram apenas para tentar compreender melhor a situacåo escolar. A equipa considera que noutras condicbes e dentro de uma perspectiva diferente, seria desejével um aprofundamento de certas areas, particularmente um melhor conhecimento das atitudes e comportamentos das criancas e dos pais no que respeita å queståo dos livros escolares. AS questbes a ser levantadas nas entrevistas foram organizadas com antecedéncia na forma de linhas de orientacåo e, no geral, as entrevistas tomaram a forma de conversas informais sobre a situacåo encontrada, os problemas existentes e as possiveis SOlUCbeS. A estratégia usual foi a de abordar cada queståo de diversas perspectivas, de modo a descobrir a raiz dos problemas. Considerando as normais 1imitacbes da técnica de entrevistas, estas foram complementadas, sempre que possivel, com observacbes directas e consulta das estatisticas e dos estudos disponiveis. Elaboracåo do Relatério Final. Este foi inicialmente um periodo de trabalho individual dos consultores em que se elaboraram as diversas seccbes do presente re1atorio, que depois foram reunidas e ajustadas por um dos membros da equipa, Maria Emilia Catela. Os quatro consultores reuniram - se finalmente em Estocolmo, durante uma semana, para discutir e acordar sobre a forma final do documento. Foi nessa altura unanimemente reconhecido que a forma de trabalho adoptada, no que diz particularmente respeito ås discussbes frequentes do grupo sobre as questbes da avaliacåo, foi um factor importante para a boa consecucåo do trabalho. 3

13 3. LIMITACbES DA AVALIACÄO A avaliacåo tove objectivos especificos e um prazo delimitado. De acordo com a escolha de abordagem referida atrås, a amplitude da avaliacåo for também limitada, pois focou especificamente a ajuda sueca ao sector. Isto significa que aquela ajuda é julgada em relacåo a determinados condicionantes e que pode apenas dar resposta a algumas perguntas, enquanto que outras mais amplas ficaråo por responder. Neste caso, a equipa de avaliacåo limitou - se, na maior parte das Vezes, a langar alguma luz sobre essas questbes e a expressar as suas duvidas. Um exemplo de uma das questbes deste tipo é: E este o tipo de escola que as pessoas em geral querem e precisam? Para se peder dar uma resposta com fundamento seria necessario uma abordagem completamente diferente daquela que foi escolhida para esta avaliacåo, exigindo nesse case um estudo muito majs aprofundado e bem mais longo que este que nos foi proposto. De qualquer modo, porque o pais, e nomeadamente o sector da Educaqåo, eståo neste momento sujeitos a vårias forcas que exercem a sua influéncia em diferentes direccöes, ås vezes contraditorias, para se fazer a anålise do apoio sueco ao sector, é necessårio primeiro conhecer e compreender o contexto em que a Educaqåo se insere, o que foi feito. Apesar das 1imitaobes, a equipa de avaliaoåo teve a possibilidade de observar as estruturas e as suas actividades e de identificar forcas e fraquezas no processo, tanto no que diz respeito ås medidas de politica educativa do pais e å sua execucåo pelos vérios departamentos, como no que diz respeito å implementacåo da assisténcia sueca. Porém, sendo o campo tåo vasto e tendo em conta as caracteristicas desta avaliaoåo, foram consideradas na analise e escolhidas para figurar neste re1atorio apenas aquelas estruturas e actividades que pareceram majs pertinentes para o fim em vista. 4

14 1. O CONTEXTO NACIONAL II. O CONTEXTO DO APOIO SUBCO A especialidade da situacåo afri - cana aconselha - nos, per um lado, a nos orientarmos prioritariamente para o nosso povo... e, por outro, a considerar a nossa educacåo como um elemento de uma sociedade glo - bal e complexa, apreendida em to - das as suas dimensbes... Estas idéias conduzem - nos, de momento, a um "projecto" de "regionalizacåo" que falta ainda definir melhor. (Rambout Barcelos, 1987: ) Os Termos de Referéncia desta avaliacåo indicam alguns factores que deveriam ser particularmente tomados em conta ao analisar o apoio sueco ao sector da Educacåo. Såo eles os seguintes: A politica educativa do Pais; Os efeitos do Programa de Ajustamento Estrutural no sector da Educacåo: A Estratégia do Desenvolvimento da Educacåo (adoptada em Outubro de 1988) e a sua adaptacåo å realidade socio - - econbmica. A estrutura do Ministério da Educacåo e o seu funcionamento; A situacåo do corpo docente: salårios, condicbes de trabalho, motivacåo, valorizacåo profissional, etc.; A eficiéncia na utilizacåo dos recursos no seio da Educacåo; A "performance" do sistema educativo; A coordenacåo entre os doadores do sector. (ASDI, 199:5) No seu conjunto, estes factores criam de facto o contexto em que o sistema de educacåo e o seu ministério se enquadram neste momento, tendo uns uma influéncia mais directa e mais proxima das actividades educativas que outros. Os primeiros sao abordados dentro das questbes da educacåo que a avaliacåo foca, os segundos constituem o presente capitulo. Nesta abordagem, preferenciou - se as observacbes e ref1exbes da equipa, em lugar de uma descricåo exaustiva da realidade. Esta é sobejamente documentada has pub1icacbes disponiveis O Programa de Ajustamento Estrutural Em 1983, o Governo da Guiné - Bissau assinou com o Fundo Monetårio Internacional (FMI) um Plano de Estabilizacåo Econbmica que procurava restabelecer os mecanismos do mercado e corrigir os grandes desequilibrios macro - econbmicos, no que se refere sobretudo å balanca comercial, å balanca de pagamentos e ao Orcamento do Estado. As medidas implementadas orientaram - se no sentido da reducåo da importacåo e do aumento da exportacåo, da desvalorizacåo da moeda, da abertura ao sector privado e do "desengajamento" do Estado. Majs tarde, com o acordo do FMI e do Banco Mundial, foi lancado o primeiro Programa de Ajustamento Estrutural para o periodo de e um segundo programa para O periodo Estes dois programas tinham per Objectivo aprofundar as medidas adoptadas no Plano de Estabilizacåo de Em dezembro de 1987, uma missåo de avaliacåo do Banco Mundial vlsitou a Guiné - Bissau com o fim de examinar a implementacåo do 6

15 Programa de Ajustamento Estrutural, tendo concluidc que o progresso na implementacåo do programa era muito positiva (Banco Mundial, 1987:1). No entanto, em setembro de 1988, quase Hm anc depois da primeira visita, uma outra missåo do Banco Mundial trouxe come objectivo avaliar a componente "Dimensöes Sociais do Ajustamento o que mostrou uma preocupacåo nova com o impacto social de medidas economicas. A mlssåo preocupou - se principalmente com dois aspectos: 1. Os custos de transicåo do ajustamento, que såo suportados P 1OS QrUPOS Sociais mais expostos da populacåo. Estes custos provém, em geral, da diminuicåo dos seus rendimentos reais devido ås restricdes monetårias e fiscais, ao aumento do sub - - emprego resultante da rigidez da oferta e dos prazos de ajustamento dos precos nos mercados, e da baixa de disponibilidade dos services sociais devido ås restricbes orcamentais. 2. As imp1icacöes sociais do processo de ajustamento estrutural a longo prazo. Trata - se, neste caso, de permitir aos mais pobres participar no processo de crescimento, facilitando o sou acesso aos empregos e aos activos geradores de rendimentos e aumentando a produtividade dos seus meios materiais e humanos. (Banco Mundial, 1988:2, traducåo dos autores) Esta mesma avaliacåo, ao apreciar os sectores sociais, considerou que o sistema educativo perdeu a sua credibilidade e segue uma queda continua da frequéncia escolar e uma taxa de escolarizacåo fraca (idem:4). Para mais, o futuro do pais encontra - se fortemente ameacado no momento em que a penuria de quadros e a måo - de - obra qualificada såo hole um dos problemas majs graves que conhece a Guiné - Bissau" (idem ibid.). Depois de analisar as péssimas condicoes sanitérias" e a "fraca eficåcia" dos services de saude, a missåo concluiu: A liberalizacåo economica, que oferece oportunidades economicas novas e numerosas, numa estrutura social que até agora fora relativamente equitåvel, arrisca de fazer aparecer rapidamente as desigualdades (idem:4-5). Finalmente, foram identificados os sectores sociais que majs oportunidades tém em relacåo a outros, contrapondo as zonas rurais ås zonas urbanas. No mundo rural, a missåo considerou que os pequenos proprietårios detentores de um capital tém melhores Oportunidades do que as colectividades que vivem segundo o sistema tradicional" e que, em certas regibes, o dominic dos grandes comerciantes dificulta a melhoria das condicbes de vida e de trabalho dos camponeses (idem:5). No mundo urbano, o despedimento dos funcionårios e dos assalariados das empresas publicas contribuiu para o "abaixamento dos rendimentos nestas zonas urbanas e o agravamento do sub - emprego" (idem ibid.). Perante esta situacåo, as desigualdades sociais agravam - se e o sector da educacåo é afectado directamente pelas diferencas regionais e sexuais, pela intervencåo dos interesses comerciais na distribuicåo do material didåctico e pelo agravamento das condicöes sociais quer dos professores, quer dos alunos de familias pobres. Estas desigualdades afectam directamente o grau de participacåo da comunidade em relacåo å escola. As dificuldades do Ministério da Educacåo aumentam e majs custos seråo transferidos para os pais. 7

16 1.2. A Educacåo Formal e a Educacåo Tradicional Na Guiné - Bissau ha hoje dois processos de educacåo distintos em pleno funcionamento: um relativo ås sociedades autbctones e outro lmplantado pelo sistema colonial. Estes dois processos tém assim uma historicidade diferente, na medida em que o primeiro é anterior ao segundo e é forjado pela dinåmica prbpria das sociedades africanas e o segundo é forjado pela historia do capitalismo na Europa. A implantacåo do segundo nåd excluiu o primeiro e os dois tém persistido até hoje. Embora os dois processos nåd se excluam, eles também nåd eståo em convivio; ao contrårio, eles encontram - se em conflito. A escola formal procura subalternizar os processos educativos autbctones, que ås vezes såo destruidos mas outras vezes resistem e procuram mesmo penetrar o sistema formal. Conhecem - se bom os mecanismos do Primeiro movimento que foram ja abundantemente descritos como "aculturacåo", alienacåo" "assimilacåo" etc.. Esta abordagem estå marcada por uma visåo dicotbmica e ac mesmo tempo ideo16gica, na medida em que divide a sociedade em "pura" e impura Trata - se de uma Visåo reducionista da dinåmica social, com as suas consequéncias politicas. O segundo movimento refere - - se ao modo como os processos educativos autbctones penetram a educacåo formal e såo muito menos conhecidos, talvez por ter dominado até agera uma visåo uniformizante das sociedades autoctones. De facto, estas eståo em conflito entre si e também com a sociedade "moderna" Muitas sociedades autéctones véem na escola formal uma maneira de investir numa determinada forma de poder "dominante" e, através desse investimento, participar na "dominacåo" Foi assim que, BPÖS a independéncia, muitos camponeses mandaram os seus filhos å escola com o intuito de os fazerem ascender ac peder, em contraposicåo com os filhos das elites urbanas. Outras sociedades usam a escola para melhor poderem ter o controlo da contabilidade das suas actividades comerciais, como é o caso da etnia mancanha, uma das primeiras a enviar os filhos å escola. Esta anålise releva o facto de que a escola formal é um palco de conflito social que nåd pode ser apreendido com uma Visåo uniformizante. Os Processos de Educacåo Tradicional. A educacåo tradicional na Guiné - Bissau segue processos diferentes, consoante os grupos étnicos. Na maioria dos casos, esta educacåo efectua - se sem a CriaCåO de uma infrestrutura especifica que corresponda å escola. O termo "tradicional" sugere um processo fechado que na verdade nåd se verifica. Ac contrårio, ele é um movimento de relacionamento entre os anciåos (homens e mulheres) e os jovens: Cada geracåo de anciåos, sendo diferente da anterior, transmite conhecimentos diferentes, do mesmo modo que cada geracåo de jovens se coloca diferentemente face aos ensinamentos dos respectivos anciåos. Um dos elementos fundamentais deste movimento é o desenvolvimento de métodos para enfrentar a modernidade colonial ou p6s - colonial. Portanto, este processo de educacåo tradicional estå Virado para a formacåo de uma categoria de homens detentores do saber, sobre os comportamentos sociais e sobre a melhor forma de utilizar a natureza em funcåo das necessidades da reproducåo social. Os conhecimentos såo, neste Drocesso educativo, progressivos e marcados, em geral, por um momento de ruptura de comportamento, em que o comportamento infantil deve ser abandonado e adquirido um estado de adulto. A organizacåo destas sociedades é, pois, feita em funcåo de classes de idade, mas hem todas as sociedades do pais repousam 8

17 neste principio. Ha aquelas que seguem o principio de organizacåo aristocråtica, ou seja, tém uma estratificacåo baseada na existéncia de um grupo dominante que vive de tributos ou rendas fundiårias dos restantes grupos. O processo educativo nestas sociedades é diferente do anterior, na medida em que o motor do mecanismo nåd é o saber mas a formacåo que conduz å aquisicåo de bens. Nestas sociedades, as re1igibes monoteistas, sobretudo o islamismo, jogam um papel importante no processo educativo que é Organizado em forma de escolas corånicas. A Escola Colonial e a Escola Moderna. A escola colonial comecou POl ser a escola missionåria'que ensinava a religiåo cristå, as linguas europeias e o comportamento civilizado O estado colonial implantou a escola publica a partir do século XIX, virada para a formacåo dos civilizados destinados ac funcionalismo publico. Os "indigenas" entraram na escola a partir da eclosåo da luta de libertacåo nacional e como uma das suas consequéncias: eles foram admitidos na escola publica para fazer face ås escolas do Partido que se instalavam nas éreas libertadas. A escola publica colonial seguia a estrutura e as regras da escola formal portuguesa que lhe deu origem e foi o embriåo de um movimento de deslocacåo de diplomados do ensino secundårio para Portugal, para ali frequentarem as universidades. A heranca escolar colonial da Guiné - Bissau esté ainda hoje presente na estrutura do seu sistema educativo. 2. O SISTEMA EDUCATIVO E AS REFORMAS DA EDUCACÅO O sistema educativo da Guiné - Bissau dividia - se, até ao ano passade, em quatro anos de ensino primario, dois de ensino pos - - Primårio dito preparatorio e cinco de ensino secundårio, dividido em dois blocos ou "ciclos Ao nivel do ensino primårio, a PaSSagem de ano era feita sempre através de um exame final. Cobrindo as åreas do sistema educativo, de politica educativa e da reestruturacåo do Ministério da Educacåo, organizou - se esta SeCCåO em cinco rubricas com especial relevåncia para a assisténcia sueca, que såo: os alunos, os professores, a reforma do ensino bésico, o Ministério da Educacåo e o projecto de descentralizacåo Os Alunos Entre os factores que caracterizam o ensino na Guiné - Bissau eståo uma taxa de escolarizacåo relativamente eståvel", uma média de reprov&cbes bastante elevada" e "uma média anual de abandono muito forte" (EEC, 1988:58). O baixo grau de escolarizacåo e o elevado nivel de reprovacbes såo indicadores dos problemas do sistema. Estes våo da pobre participacåo das criancas na educacåo e da fraca preparacåo dos professores å tradicional configuracåo dos programas e å deficiente geståo do sistema. Porém, estes problemas nåd acontecem no pais de um modo uniforme, mas as desigualdades regionais såo profundas. As diferencas nas taxas de escolarizacåo por regiåo mostram claramente as desigualdades entre as zonas rurais, por um lado, e as zonas urbanizadas de Bissau e Bolama, por outro CV. Quadro 1, Anexo 3). No ano lectivo de 1986/1987, a taxa de escolarizacåo no pais foi estimada em 36,5% (EEC, 1988:58), desigualmente distribuida entre as regibes. As duas regibes com major taxa de 9

18 escolarizacåo "estimadas" foram a Regiåo de Bolama - Bijagbs e o Sector Autbnomo de Bissau, com 58,1% para a primeira e 53,5% para a Segunda CV. Quadro 1, Anexo 3). As outras regibes apresentaram Percentagens de escolarizacåo que foram de 41,5 em Cacheu a 26,68 em Gabu (idem). Note - se que, a partir do recenseamento de 1979, nåd é possivel saber a verdadeira taxa de escolarizacåo por falta de dados sobre a populacåo em idade escolar. Da mesma forma, pode - se notar que a taxa de reprovacåo para o mesmo periodo e para a 1i classe foi muito maior nas regibes rurais, com cerca de 58,3% em Quinara e 4,2% em Cacheu, tendo a Regiåo de Bolama - Bijagbs e o Sector Autonbmo de Bissau apresentado respectivamente as taxas de 39,7% e 26,2% CV. Quadro 2, Anexo 3). E nas regibes das zonas rurais que também se encontram as piores infraestruturas escolares, que såo as escolas em forma de barraca de troncos e folhas, como pudemos constatar nas nossas des1ocacbes ås regibes de Cacheu e Tombali. Quanto å desigualdade entre os sexos, pode ver - se que a proporcåo entre raparigas e rapazes varia com os diferentes niveis de escolarizacåo. Porém, em nenhum desses niveis o grupo feminino atingiu 5%. Este grupo distribuiu - se do seguinte modo. Dor nivel de ensino: Ensino de base elementar Ensino secundério normal Ensino secundario profissional: Escolas de Formacåo de Professores CENFI (Centro de Formacåo Industrial) CENFA (Centro de Formacåo Administrativa) Escola Nacional de Educacåo Fisica e Desportos Ensino superior destacamento pedagbgico na Escola Normal Superior Tchico Té 35,4'6 28,296 15,796 6,496 48,896 6,896 7,696 (Excerto do Quadro 3, Anexo 3) Ao nivel das regibes, as diferencas såo mais uma Vez marcantes entre as zonas urbanas e rurais, com estas &ltimas em desvantagem. Assim, a percentagem de raparigas foi de 51% no Sector Autbnomo de Bissau e de 42% na Regiåo de Bolama - Bijagbs, ao passo que nas zonas rurais, as percentagens variam entre 37% na Regiåo de Biombo, e 24,5% na Regiåo de Cacheu (idem) Os Professores Qualificacbes. Segundo as estatisticas publicadas pelo Ministério da Educacåo (GEP, 1989), o sistema de ensino båsico possui 2 4 professores (dos quais apenas 573 såo mulheres). Destes, 394 eståo colocados em Bissau (sector autbnomo) e os restantes 2 6 nas outras oito regibes (o numero de professores na regiåo de Quinara nåd consta na fonte). Ainda segundo as mesmas estatisticas, a qualificacåo profissional destes professores é a que se mostra no Quadro 1. A distribuicåo da sua qualificacåo académica nåd é relatada nem conhecida com exatidåo, hem a distribuicåo da sua experiéncia profissional. Segundo os cålculos do INDE (DAC), obtidos em entrevista, deveråo existir cerca de 18 professores nåd qualificados, dos quais cerca de 8 nåd teråo mais do que a 4:a ou 5:a classe. 1

19 QUADRO 1. Qualificacåo Profissional dos Professores no EB DIPLOMADOS NAO DIPLOMADOS H M HM H M HM S.A.Bissau Regibes* TOTAL * Os professores das Forcas Armadas (FARP) nåd eståo incluidos. Legenda: H homens: M - mulheres; HM - total. Diplomados: Professores primårios e de posto; Nåd Diplomados: Professores primarios, de posto e monitores. Fonte: GEP, 1989:37. Um estudo do INDE sobre os professores da Zona 1 e Birassu (ASDI/INDE/PDRI, 1989) faz uma descriqåo de um numero de variaveis em relacåo a situacåo dos professores, de onde se destaca que estes såo predominantemente do sexo masculino, nao completaram o Ensino Bésico Complementar, mas tém formacåo profissional de algum tipo e majs de quatro anos de experiéncia. Isto mostra que, enquanto a formaoåo cientifica de base destes professores pode criar problemas de falta de conhecimentos sölidos para alicercar a conduqåo das suas au1as, eles tém algumas nocöes de pedagogja e ja um bom numero de anos de experiéncia de ensino. De facto, os 9 professores do EBE cujas clnsses visitamos (4 escolas em Cacheu e 5 em Tombali, com classes entre a l:a a 4:a) tinham todos majs de 9 anos de experiéncia de ensino. E, no entanto, de considerar que as accöes de formacåo pedagégica a que estes professores foram expostos podem ter side pouco eficazes. A Remuneracåo. A nosso ver, a situacåo dos professores é muito séria. Sem eles, porém, nåd existe ensino formal e o sistema de educacåo car pela base. Se per um lade é muito necessério aumentar os seus conhecimentos cientificos e pedagégicos, per outro é impossivel pretender que quaisquer profissionais funcionem eficientemente se lhes nåd forem dadas condicbes minimas de sobrevivéncia e de trabalho. Por isso, a resolucåo destas condicbes é absolutamente prioritaria. O regulamento da Carreira Docente foi aplicado em 1989, fazendo todos os professores subirem automaticamente de escalåo (uma letra). O vencimento continua mesmo assim a ser baixo. Devido å sua aplicacåo tardia em relaqåo å saida da lei, foram pagos retroactivos, o que proporcionou aos professores uma soma razoåvel. Porém, os vencimentos continuam a ser pagos com atraso, ås vezes de varios meses. Ja nåd se trata, portanto, tåo so da subida do nivel dos salarios, mas de estes serem pagos atempadamente. Tomamos conhecimento de que é necessårio requisitar todos os moses do Ministério das Financas o montante para o pagamento dos salärios. Isto obriga a um processo complicado que percorre vårios niveis e departamentos até que o montante global seja requisitado ac Ministério das Financas, que finalmente o transfere para a Educacåo. Neste momento, o montante para cada regiåo percorre um caminho semelhante em sentido inverso, até que os delegados de sector e os directores de escola possam entäo distribuir os vencimentos pelos seus professores. Parece - nos que o processo é desnecessariamente complicado e que o orcamento e a transferéncia do montante para pagamento de salérios poderia ser feita anual e nåd mensalmente. Isto asseguraria a reserva deste montante para todo o and lectivo e simplificaria as burocracias mensais de pagamento de salårios, 11

20 POIS é imperativo que os professores recebam os seu salårios regularmente e a horas. Colocacbes e Transferéncias. Complementarmente å simplificacåo desto processo, o sistema de colocacåo dos professores precisa de especial atencåo. Uma escola onde os alunos nåd tém pontos de identlficacåo com o seu professor, sejam eles a lingua, a re11g1åo ou os costumes, serå sempre uma escola em que a aprendizagem serå limitada e pobre. Come poderå o professor interessar alunos e faz - jos aprender se eles nåd forem capazes de o compreender? A variedade de etnias do pais é certamente um obståculo, mas que pode ser melhorado. E fundamental para isso que se conjugue um conhecimento completo de cada professor com uma colocacåo racional que procure liga - lo a uma comunidade com que ele tenha afinidades. Os services centrais que tém a seu cargo a colocacåo de professores nåd conhecem e nåd entram em conta com os antecedentes culturais do professor quando este é colocado numa escola. E assim que a maioria dos professores que entreviståmos nåd fala a lingua materna dos seus alunos. Aqueles exprimem - se com estes em crioulo, lingua que de facto é a primeira que os alunos aprendem ao entrarem na escola, visto que em muitos casos alnda nåd a falam nessa altura (548 da populacåo fala apenas uma lingua local; SIDA, 1982:63). Tivémos ocasiåo de observar que é também o crioulo a lingua suporte do ensino nas primeiras classes, ja que os alunos tém de uma maneira geral dificuldade em - falar e entender o portugués. A impossibilidade de os professores nåd dominarem a lingua da comunidade em que trabalham também traz problemas de comunicacåo com os pais dos alunos. O conhecimento a nivel central de cada professor requer um flchelro hem organizado. Som isso, as co1ocacbes continuaråo sem sentido e o nivel de aprendizagem necessariamente baixo. Para m&is, O aumento de prestigio da escola, que o Ministério de Educacåo pretende, Val precisar que o professor seja capaz de participar na comunidade e trazé - la até å escola, o que s6 seré possivel se a comunicacåo e a identificacåo cultural forem de alguma qualidade. A organizacåo de ficheiros de docentes nåd necessita de ser sofisticada, apenas sistematizada, actualizada e de facil consulta. Um bom sistema de formacåo de docentes depende também deste ficheiro. Este serå indispensével, portanto, para o lancamento do SINAPSE, o programa de formacåo de professores que ira tornar possivel a implementacåo da reforma do Ensino Bésico. Igualmente, dever - se - ia dar atencåo å transferéncia dos professores de escola para escola. Se, por um lado, ha transferéncias que såo requeridas pelo prbprio devido, per XemPlO, å transferéncia do seu cbnjuge, por outro deve evitar - se transferir professores por causas menos prementes. Ac contrério, tratando - se dos primeiros anos de escola das criancas, é de toda a conveniéncia pedagbgica que o mesmo professor acompanhe o aluno has prlmelras quatro classes da sua Vida escolar. E assim possivel um melhor seguimento de cada aluno, som os desajustes e lnsegurancas que a mudanca de professor sempre provoca nessas idades, com consequencias nefastas para a aprendizagem. E sobretudo importante agora, que se institui o sistema de fases, onde os objectivos de aprendizagem såo para ser atingidos de dois em dels anos. S6 o mesmo professor poderé completar no segundo ano o trabalho que foi iniciado com cada aluno no ano anterior. 1 2

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS SANDRA MARIA MORAIS VALENTE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Área de

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII

PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII OBRIGA À DIVULGAÇÃO, POR ESCOLA E POR DISCIPLINA, DOS RESULTADOS DOS EXAMES DO 12.º ANO DE ESCOLARIDADE, BEM COMO DE OUTRA INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR QUE POSSIBILITE O CONHECIMENTO

Leia mais

Alumni Survey Results

Alumni Survey Results Alumni Survey Results Comparing graduates labour market experience Summary Report Engineers Qualified in Higher Non-University VET Institutions Providing Arguments and Evidence for NQF/EQF Classification

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

RESUMO DAS PRINCIPAIS QUESTÕES PARA

RESUMO DAS PRINCIPAIS QUESTÕES PARA A implementação de políticas de apoio a crianças e jovens pertencentes a minorias étnicas que têm o inglês como língua adicional (incluindo a avaliação do impacto de igualdade) Ministério da Educação Janeiro

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste:

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste: Protocolo de Cooperação Relativo ao Desenvolvimento do Centro de Formação do Ministério da Justiça de Timor-Leste entre os Ministérios da Justiça da República Democrática de Timor-Leste e da República

Leia mais

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP WORKSHOP INTERNACIONAL Vencendo os desafios da Educação nos PALOP Seminário para o diálogo e a troca de conhecimento e experiências na área do ensino básico destinado aos Países Africanos de expressão

Leia mais

As Novas Tecnologias como componente da. Formação, de 1º ciclo, em Serviço Social

As Novas Tecnologias como componente da. Formação, de 1º ciclo, em Serviço Social Instituto Superior Miguel Torga Escola Superior de Altos Estudos Cláudia Sofia da Costa Duarte As Novas Tecnologias como componente da Formação, de 1º ciclo, em Serviço Social Dissertação de Mestrado em

Leia mais

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA PLANO CURRICULAR A análise referente ao Programa de Ensino e, em particular ao conteúdo do actual Plano de Estudos (ponto 3.3. do Relatório), merece-nos os seguintes comentários:

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

A Escola obrigatória no Cantão de Zurique

A Escola obrigatória no Cantão de Zurique Portugiesisch A Escola obrigatória no Cantão de Zurique Informação para os pais Objectivos e linhas gerais A escola obrigatória oficial, no Cantão de Zurique, é obrigada a respeitar os valores fundamentais

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 13.2.2007 SEC(2007) 190 final Recomendação de PARECER DO CONSELHO em conformidade com o n.º 3 do artigo 9º do Regulamento (CE) n.º 1466/97 do Conselho, de 7

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

O PROJETO ESCOLA + A REFORMA DO SISTEMA DE ENSINO SECUNDÁRIO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

O PROJETO ESCOLA + A REFORMA DO SISTEMA DE ENSINO SECUNDÁRIO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE O PROJETO ESCOLA + A REFORMA DO SISTEMA DE ENSINO SECUNDÁRIO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Mesa Redonda Experiências de Apoio aos Sistemas Educativos com representantes de ONGD Paulo Telles de Freitas :: Instituto

Leia mais

U. E. M. e ACBF Faculdade de Economia- Programa de Mestrado em Gestão de Políticas Económicas para o PALOPs CURRICULUM

U. E. M. e ACBF Faculdade de Economia- Programa de Mestrado em Gestão de Políticas Económicas para o PALOPs CURRICULUM CURRICULUM 1. Os Objectivos do Curso O objectivo geral do programa EPM, na Universidade Eduardo Mondlane (UEM) em parceria com o African Capacity Building Foundation (ACBF), é combinar as habilidades analíticas,

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

IMPLICAÇÕES DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE PARA A INCLUSÃO DIGITAL NA ESCOLA PÚBLICA

IMPLICAÇÕES DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE PARA A INCLUSÃO DIGITAL NA ESCOLA PÚBLICA IMPLICAÇÕES DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE PARA A INCLUSÃO DIGITAL NA ESCOLA PÚBLICA Adriana Richit, Bárbara Pasa, Valéria Lessa, Mauri Luís Tomkelski, André Schaeffer, Andriceli Richit, Angélica Rossi

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas Observatório da Criação de Empresas O Observatório da Criação de Empresas é um projecto desenvolvido pelo IAPMEI, com a colaboração da Rede Portuguesa de Centros de Formalidades das Empresas (CFE), que

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Indicadores de qualidade I Introdução Baseado em investigação anterior e na recolha de informação

Leia mais

Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto Politécnico de Beja

Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto Politécnico de Beja Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto PolitécnicodeBeja ServiçosdePlaneamentoeDesenvolvimentoEstratégico Maio2010 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa

Leia mais

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014 1. CONTEXTO AVALIAÇÃO DO CENTRO CRIANÇA FELIZ Termos de Referência O projecto Centro Criança Feliz é uma iniciativa da IBIS Moçambique, concebida e por si implementada desde 2008. O projecto surgiu no

Leia mais

ANÁLISE DO MERCADO DE REMESSAS PORTUGAL/BRASIL

ANÁLISE DO MERCADO DE REMESSAS PORTUGAL/BRASIL Banco Interamericano de Desenvolvimento Fundo Multilateral de Investimentos Financiado pelo Fundo Português de Cooperação Técnica ANÁLISE DO MERCADO DE REMESSAS PORTUGAL/BRASIL SUMÁRIO EXECUTIVO Equipa

Leia mais

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Comissão Europeia O que é a Estratégia Europeia para o Emprego? Toda a gente precisa de um emprego. Todos temos necessidade de

Leia mais

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 458/XI/2.ª Reestruturar o Sector Empresarial do Estado A descrição de carácter económico-financeiro apresentada na próxima secção não deixa dúvidas sobre a absoluta necessidade

Leia mais

Manual de Procedimentos POSI-E3

Manual de Procedimentos POSI-E3 Manual de Procedimentos POSI-E3 13 de Abril de 2012 1 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. COORDENAÇÃO GERAL 5 3. DOCENTES E DISCIPLINAS 7 3.1 INFORMAÇÃO AOS ALUNOS 7 3.2 RELAÇÕES ALUNOS / DOCENTES 8 4.1 ÁREA PEDAGÓGICA

Leia mais

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais

REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU

REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU Adminisiração. n. 1. vol. I. 1988-1., 13-19 REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU Alexandre Rosa * 1. INTRODUÇÃO A realidade da educação em Macau no final dos anos oitenta é o resultado de um processo

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA, IOLANDA CINTURA SEUANE, MINISTRA DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL DE MOÇAMBIQUE SOBRE O TEMA DESAFIOS DA PROTECÇÃO SOCIAL PARA ALCANÇAR A SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1 Introdução 1.1. Enquadramento geral O termo job shop é utilizado para designar o tipo de processo onde é produzido um elevado número de artigos diferentes, normalmente em pequenas quantidades

Leia mais

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os A IMPORTÂNCIA DO MOVIMENTO ASSOCIATIVO NA DINAMIZAÇÃO DA ACTIVIDADE EMPRESARIAL 1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os interesses das empresas junto do poder

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo II Dos Órgãos Regulamento Interno de Gestão Edição - setembro de 2012 Índice do Capítulo II Secção I Disposições Gerais 1 Secção II Órgãos e Responsáveis das

Leia mais

POLÍTICA DE REVISÕES DAS ESTATÍSTICAS DO BANCO DE PORTUGAL

POLÍTICA DE REVISÕES DAS ESTATÍSTICAS DO BANCO DE PORTUGAL POLÍTICA DE REVISÕES DAS ESTATÍSTICAS DO BANCO DE PORTUGAL Departamento de Estatística do Banco de Portugal 2013 I INTRODUÇÃO Os principais referenciais sobre a qualidade estatística 1 identificam a importância

Leia mais

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Introdução 02 O que é o CRER 03 CRER Centro de Recursos e Experimentação 03 CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor

Leia mais

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Relatório Resumo Junho de 2012 Índice 1. Objectivo... 3 2. Enquadramento... 3 3. Trabalho realizado... 3 4. Dados síntese da Licenciatura

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO APRENDER CIDADANIA COM A DISCIPINA DE HISTÓRIA: 3 PERCURSOS NO CONCELHO DE ODEMIRA Rita Santos Agudo do Amaral Rêgo MESTRADO EM EDUCAÇÃO

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

1 Escola Superior de Desporto de Rio Maior

1 Escola Superior de Desporto de Rio Maior Instituto Politécnico de Santarém ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO DE DISSERTAÇÃO Este regulamento enquadra-se no âmbito do artigo 21.º do regulamento específico

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES)

Leia mais

Educação: a resposta certa contra o trabalho infantil

Educação: a resposta certa contra o trabalho infantil Educação: a resposta certa contra o trabalho infantil Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil 12 Junho 2008 Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil 12 de Junho de 2008 O Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil

Leia mais

Curso Temático Intensivo 1 - Gestão da qualidade nos sistemas de formação profissional e de desenvolvimento de competências

Curso Temático Intensivo 1 - Gestão da qualidade nos sistemas de formação profissional e de desenvolvimento de competências Curso Temático Intensivo 1 - Gestão da qualidade nos sistemas de formação profissional e de desenvolvimento de competências O programa do curso sobre a qualidade no desenvolvimento de competências irá

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Relatório da Implementação de Medidas para a melhoria da Qualidade Abril 2011 1 Relatório da

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19)

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Portaria n.º 701-E/2008 de 29 de Julho O Código dos Contratos Públicos consagra a obrigação das entidades adjudicantes de contratos

Leia mais

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 30-06-2014 INTRODUÇÃO Este sistema de propinas e emolumentos constitui um mecanismo inovador que permite ao estudante fasear e planear o seu plano de estudos curricular,

Leia mais

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 RELATÓRIO FINAL ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

PARECER N.º 40/CITE/2006

PARECER N.º 40/CITE/2006 PARECER N.º 40/CITE/2006 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código do Trabalho e da alínea c) do n.º 1 do artigo 98.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Processo n.º 44 DG-E/2006

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diário da República, 1.ª série N.º 144 28 de Julho de 2009 4829

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diário da República, 1.ª série N.º 144 28 de Julho de 2009 4829 Diário da República, 1.ª série N.º 144 28 de Julho de 2009 4829 Limites às elegibilidades 13 O investimento constante do n.º 4 é elegível quando o seu uso for indispensável à execução da operação, sendo

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES COMISSÃO DE POLÍTICA GERAL INTRODUÇÃO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES COMISSÃO DE POLÍTICA GERAL INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A Comissão de Política Geral reuniu no dia 11 de junho de 2014, na delegação de Ponta Delgada da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, a fim de apreciar, relatar e dar parecer

Leia mais

Licenciatura em Biologia

Licenciatura em Biologia Licenciatura em Biologia Regulamento de Estágio Profissionalizante Para dar cumprimento ao estipulado no Despacho n.º 22 420/2001 da Reitoria da Universidade de Aveiro, publicado no Diário da República

Leia mais

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade.

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade. Conclusões e Sugestões (1/5) As principais conclusões a que pudemos chegar de acordo com os objectivos a que nos propusemos, nomeadamente o de conhecer o índice da massa corporal dos alunos da escola onde

Leia mais

Innovations Against Poverty

Innovations Against Poverty Distribution www.sida.se Sustainability Training Partnership segments Cost Model Innovations Against Poverty Guia para Candidatos 2011/2012 Introdução Terminologia Negócio Inclusivo O programa Innovations

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

REGULAMENTO Mobilidade Macau

REGULAMENTO Mobilidade Macau Face à parceria estabelecida entre a Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril (ESHTE) e o Instituto de Formação Turística em Macau (IFT Macau) no âmbito da qual são facultadas possibilidades de

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

SÍNTESE a SÍNTESE. Janet Murdock NOVEMBRO 2009. Understanding conflict. Building peace.

SÍNTESE a SÍNTESE. Janet Murdock NOVEMBRO 2009. Understanding conflict. Building peace. SÍNTESE a Governação de Recursos Naturais em São Tomé e Príncipe: Um Estudo de Caso sobre a Supervisão e Transparência das Receitas Petrolíferas SÍNTESE Janet Murdock NOVEMBRO 2009 Understanding conflict.

Leia mais

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se:

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se: ÍNDICE 1. Introdução 3 2. Organograma 7 3. Caracterização Global do Efectivo 9 4. Emprego 10 5. Estrutura Etária do Efectivo 13 6. Antiguidade 14 7. Trabalhadores Estrangeiros 15 8. Trabalhadores Deficientes

Leia mais

Manual do facilitador

Manual do facilitador Manual do facilitador Introdução Este manual faz parte do esforço para institucionalizar o sistema de informação de uma maneira coordenada a fim de que as informações possam ser de acesso de todos que

Leia mais

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu Os Tribunais de Contas e os desafios do futuro Vítor Caldeira Presidente do Tribunal de Contas Europeu Sessão solene comemorativa dos 160 anos do Tribunal de Contas Lisboa, 13 de Julho de 2009 ECA/09/46

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Outubro de 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Caraterização do Estudo... 4 3. Resultado Global dos Cursos de Lisboa

Leia mais

COMENTÁRIOS DA UGT AO DOCUMENTO PACTO PARA O EMPREGO GRUPO DE TRABALHO PARA A QUALIFICAÇÃO E O EMPREGO

COMENTÁRIOS DA UGT AO DOCUMENTO PACTO PARA O EMPREGO GRUPO DE TRABALHO PARA A QUALIFICAÇÃO E O EMPREGO COMENTÁRIOS DA UGT AO DOCUMENTO PACTO PARA O EMPREGO GRUPO DE TRABALHO PARA A QUALIFICAÇÃO E O EMPREGO O documento em apreciação realiza uma síntese adequada da quase totalidade dos temas discutidos na

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS Envolvimento parental e nível sociocultural das famílias: Estudo comparativo num agrupamento escolar Marco Sérgio Gorgulho Rodrigues Dissertação

Leia mais

Pobreza e Exclusão Social

Pobreza e Exclusão Social Pobreza e Exclusão Social Fontes de Informação Sociológica Carlos Ramos Coimbra, 2010 Ficha Técnica Titulo: Pobreza, Exclusão Social e Integração Este trabalho foi elaborado por Carlos Miguel Pereira Ramos,

Leia mais

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro 1. INTRODUÇÃO A indústria da Construção engloba um vasto e diversificado conjunto de características, tais como: Cada projecto

Leia mais

Planeamento de Actividades e Orçamentos - 2012 -

Planeamento de Actividades e Orçamentos - 2012 - Planeamento de Actividades e Orçamentos - 2012 - WACT We Are Changing Together A WACT é uma Organização Não Governamental para o Desenvolvimento (ONGD), apolítica, laica, e sem fins lucrativos, com a missão

Leia mais

SEMINÁRIO SÔBRE SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM (1)

SEMINÁRIO SÔBRE SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM (1) SEMINÁRIO SÔBRE SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM (1) Odete Barros de ANDRADE (2) Nilce PIVA (2) ANDRADE, O. B. de & PIVA, N. Seminário sôbre supervisão em enfermagem. Rev. Saúde públ., S. Paulo, 3(2): 233-241,

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO Prefácio A performance dos serviços públicos constitui um tema que interessa a todos os cidadãos em qualquer país. A eficiência, a quantidade e a qualidade dos bens e serviços produzidos pelos organismos

Leia mais

AVALIAÇÃO. 3. O tempo de duração de cada teste é cuidadosamente calculado, tendo em conta a idade do aluno e aquilo que já é capaz de fazer.

AVALIAÇÃO. 3. O tempo de duração de cada teste é cuidadosamente calculado, tendo em conta a idade do aluno e aquilo que já é capaz de fazer. AVALIAÇÃO Regras de correcção e atribuição de notas em Lower School Os professores de Lower School seguirão as regras, a seguir apresentadas, na avaliação, exceptuandose os testes de ortografia e cálculo

Leia mais

Exmo. Sr. Presidente da Comissão de Educação, Ciência e Cultura, Deputado Ribeiro e Castro,

Exmo. Sr. Presidente da Comissão de Educação, Ciência e Cultura, Deputado Ribeiro e Castro, Exmo. Sr. Presidente da Comissão de Educação, Ciência e Cultura, Deputado Ribeiro e Castro, Exmo. Sr. Relator da Petição Pública Não há Educação sem Educação Física, Deputado Paulo Cavaleiro, Exmos. Srs.

Leia mais

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL ANEXO III RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL -- ÍNDICE ÍNDICE. OBJECTIVOS E ÂMBITO DO ESTUDO. METODOLOGIA. RESUMO. INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL. INOVAÇÃO NOS ÚLTIMOS 6 ANOS 6. APRENDIZAGEM

Leia mais

ANTECEDENTES DA RIO + 10

ANTECEDENTES DA RIO + 10 ANTECEDENTES DA RIO + 10 RIO + 5 - evento organizado pela ONG Conselho da Terra, foi realizado no Rio de Janeiro de 13 e 19/3/1997 e teve forte participação empresarial e a presença de apenas 50 ONGs.Como

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SOCIAIS SERVIÇO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL DO ENTREVISTADOR Março 2008 2

Leia mais

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE O questionário do IDS de 1997 conteve várias questões para investigar as preferências reprodutivas da população entrevistada. Foi recolhida

Leia mais

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL Perspectiva das Entidades Empregadoras Julho 2011 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento e Qualidade

Leia mais

O consumo de conteúdos noticiosos dos estudantes de Ciências da Comunicação da Faculdade de Letras da Universidade do Porto

O consumo de conteúdos noticiosos dos estudantes de Ciências da Comunicação da Faculdade de Letras da Universidade do Porto Ciências da Comunicação: Jornalismo, Assessoria e Multimédia O consumo de conteúdos noticiosos dos estudantes de Ciências da Comunicação da Faculdade de Letras da Universidade do Porto Metodologia da Investigaça

Leia mais