Alimentação Escolar e Educação Física num Colégio Interno Masculino na Década de 40: um remédio universal capaz de eliminar muitos males

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Alimentação Escolar e Educação Física num Colégio Interno Masculino na Década de 40: um remédio universal capaz de eliminar muitos males"

Transcrição

1 Alimentação Escolar e Educação Física num Colégio Interno Masculino na Década de 40: um remédio universal capaz de eliminar muitos males Prof a. Dda. Roseli B. Klein Faculdade Estadual de Filosofia, Ciências e Letras de União da Vitória PR (FAFIUV), Campus da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR). RESUMO O Colégio São José pertencente à Congregação dos Irmãos Pobres de São Francisco Seráfico, na cidade de Porto União, Santa Catarina, iniciou suas atividades como Escola Paroquial no ano de A princípio ofereceu a Escola Primária e a Escola Complementar, depois denominada de Escola Normal Regional Primária. No ano de 1940 foi elevado a categoria de Ginásio. No dia 17 de maio deste mesmo ano foi concedida a inspeção preliminar através da Portaria Ministerial n o 91, do Ministério da Educação e Saúde Pública, assinada pelo Ministro Gustavo Capanema. Através de trabalho de catalogação de fontes primárias do acervo histórico desta instituição observou-se a existência de um movimento higienista muito intenso, na década de 40, verificado sob análise dos Relatórios de Regime Higiênico Dietético dos alunos internos do educandário e dos Relatórios de Educação Física. Documentos estes redigidos pelo Inspetor Federal responsável, e, enviados ao Departamento Nacional de Educação no Rio de Janeiro. A preocupação com a higiene estava relacionada com a intenção de cuidar da criança, livrando-a de moléstias: febre amarela, cólera, varíola, tifo, tuberculose e outras doenças do início do século XX, que dizimavam muitas crianças, diminuindo a expectativa de vida e a possibilidade de vêlas como sujeitos produtivos numa sociedade que se transformava. As medidas estavam voltadas para a repetição de hábitos de higiene que eliminassem a vulnerabilidade das doenças como: o asseio corporal e do ambiente, bem estar físico, ausência de doenças e alimentação saudável entre outros. Também a educação física higienista teve como meta resolver o problema da saúde pública pela educação, tornando a sociedade livre da letargia, da indolência e dos vícios deteriorados da saúde e do caráter do homem. O objetivo deste estudo é realizar uma análise sobre como estas práticas educativas, se tornaram uma alternativa mais acessível para não somente se atingir a higiene física, mas também a higiene moral, nesta instituição católica, cujos frades/ professores eram de origem alemã. Justifica-se esta investigação pelo fato do Colégio São José ser, na época, um colégio interno para meninos pertencentes à elite local e regional, responsável pela formação de importantes lideranças em vários setores sociais. A metodologia empregada utiliza-se de estudos bibliográficos tomando por base autores pesquisadores sobre o movimento higienista no Brasil, e, também se utiliza de uma pesquisa de campo junto às fontes primárias da instituição. Palavras- chave: Alimentação. Educação Física. Práticas Educativas INTRODUÇÃO A ênfase na construção de uma identidade nacional se intensificou no período republicano, onde educação e saúde interligaram-se como centro de atenção e preocupação dos intelectuais tornando-se objetos de intervenção do Estado. A elite aspirava a construção de uma nação através da modernização, e as reformas sanitárias e educacionais constituíam-se em estratégias de salvação. Esta preocupação se prolongou ainda durante o período do Estado Novo, momento em que se apresenta este estudo.

2 Sob análise das fontes primárias do acervo histórico do curso ginasial do Colégio São José, no município de Porto União (SC), especificamente dos Relatórios do Regime Higiênico Dietético e dos Relatórios de Educação Física, durante a década de 1940, observa-se o rigor exigido quanto aos aspectos alimentares dos educandos internos, e, ao mesmo tempo, a disciplina rígida no trato com as questões relativas às aulas de Educação Física dos meninos. Ao ser criado o Ginásio, em 1940, havia pré-requisitos extremamente rígidos não sujeitos a quaisquer alterações, detalhadamente exigidos pelo Departamento Nacional de Educação no Rio de Janeiro, como condição para o bom funcionamento do estabelecimento de ensino e rigorosamente fiscalizado pelo Inspetor Federal de Ensino. Este remetia ao referido Departamento, pontualmente, o relatório bimestral das atividades desenvolvidas no educandário e redigia-o de forma minuciosa, sob a supervisão de um médico local. O COLÉGIO O colégio iniciou suas atividades no ano de 1932, no município de Porto União, estado de Santa Catarina, sob a denominação de Escola Paroquial São José, sob a supervisão dos frades pertencentes à Congregação dos Irmãos Pobres de São Francisco Seráfico, vindos da Alemanha. No Brasil a Congregação tem sua sede na cidade de Pindamonhangaba, no Estado de São Paulo. A escola primária iniciada em 1932 esteve organizada em 4 séries iniciais e em 1936 o Curso Complementar, já existente, através do Decreto Estadual n o 173, de outubro deste mesmo ano, foi equiparado às Escolas Normais Primárias do Estado de Santa Catarina. No dia 17 de maio de 1940 foi concedida a inspeção preliminar pela Portaria Ministerial n o 91, do Ministério da Educação e Saúde Pública, assinada pelo Ministro Gustavo Capanema, assim, o colégio passou a denominar-se Ginásio São José (MELO JÚNIOR, 1993). A criação de mais um grau de ensino, o Curso Ginasial, foi muito festejado por toda a comunidade, pois ainda não existia um colégio na região que oferecesse aos meninos esta modalidade de escolarização. Este acontecimento trouxe estudantes de localidades próximas e longínquas para receberem, o que se tinha na época, do mais refinado modelo educacional, moldando seu caráter e fazendo com que dentre estes educandos emergissem lideranças políticas, religiosas e sociais. De Escola Paroquial ainda precária, passou a Curso Ginasial formando a elite republicana.

3 Os professores eram, na maioria, frades de ascendência alemã, que ao mesmo tempo pregavam a doutrina católica com o intuito de conquistar seu rebanho espiritual, e também tinham por objetivo oferecer um currículo oficial sugerido pelo Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro, o qual foi considerado um ensino de excelência e deveria servir de modelo a todos os cursos secundários do Brasil. Este ensino necessitaria privilegiar um currículo científico, com línguas modernas européias, como o francês e o inglês utilizadas no universo cultural das elites. Deveria propor uma ênfase na gramática, tendo em vista que se queria contribuir com o processo de nacionalização da população brasileira evitando-se dialetos de culturas imigrantes, uniformizando a língua nacional. Segundo Dallabrida (2001, p. 92): O ensino da gramática normativa partia de exercícios da ortografia e desembocava em análises sintáticas detalhadas, passando pelos estudos morfológicos. Em todos os anos contemplava-se regularmente o exercício de redação, que iniciava com narrações e descrições simples e terminava com dissertações de maior fôlego, indicando a importância do aprendizado da arte de redigir. Além das disciplinas exigiam-se atividades físicas e esportivas que estimulassem os educandos a uma vida saudável e a manterem corpos sadios formando a nova nação brasileira de indivíduos de raça pura que a República queria instaurar. Eram comuns os torneios esportivos, as sessões práticas de educação física, a corrida, os saltos, a marcha, os desfiles, etc. Tal era a importância, que o Departamento Nacional do Rio de Janeiro propunha que as escolas ginasiais tivessem um espaço especial para a prática de esportes, materiais adequados, bem como equipamentos esportivos e piscina. Para tal foi construído um pórtico e um espaço coberto para a prática de educação física. Esta atividade física era aliada a formação recebida no Grupo Escoteiro, que existia em conjunto com a escola. Ações voltadas para área da saúde foram muito valorizadas na escola. O exame médico e biométrico era exigido no início e no final do ano letivo, sendo supervisionado pelo professor de educação física e por um médico voluntário que realizava este serviço. O resultado destes exames deveria ser enviado a um departamento especializado no Rio de Janeiro para fins de controle. Todo aluno ingressante ao ginásio necessitava apresentar um atestado médico e um comprovante de vacinação contra varíola. O educandário precisava estar equipado com aparelhos sanitários, água corrente, fossas sépticas, chuveiros, etc.. A alimentação dos alunos internos era verificada pelo Inspetor com periodicidade e descrita em forma de relatórios mensais, enviados ao Departamento de Regime Higiênico Dietético no Rio de Janeiro, a fim de fiscalizar se os mesmos estavam recebendo adequada alimentação. Todo este cuidado com a área da saúde se tornou uma prática da política

4 republicana que tinha por objetivo fazer da escola um meio de formar uma nação brasileira ao mesmo tempo culta e saudável. Com esta apresentação resumida destaca-se a importância que teve o Curso Ginasial na década de 1940 para a formação dos jovens ginasianos de Porto União. Todo este rigor do trabalho docente foi efetivado com muita disciplina, amparado sempre por um Inspetor Federal que atuava como membro fiscalizador e motivador das ações da Instituição. Da pequena escola paroquial criada em 1932, em instalações improvisadas, passou a um moderno espaço físico. IDEAIS NACIONALISTAS Os ideais nacionalistas no Brasil, em 1920, já vinham sendo discutidos desde 1916 quando se formou a Liga de Defesa Nacional, que entre outras ações difundiu a instrução militar nas instituições, fundou as associações de escoteiros, avivou o estudo da história do Brasil e das tradições brasileiras. Estes ideais levaram ao desencadeamento do processo de nacionalização da escola primária, tendo em vista que se tratava de um grau de ensino freqüentado por descendentes de imigrantes, muitas vezes, no seu próprio núcleo de imigração (NAGLE, 1976). Esta atitude deveria prevenir o desaparecimento da língua Pátria em virtude do surgimento da língua e dos costumes dos imigrantes europeus. Após a consolidação deste propósito a idéia de nacionalizar se amplia para outros graus de ensino. De acordo com Dallabrida (2012, p. 169): Durante o Estado Novo, sob o comando do ministro da educação Gustavo Capanema, foram realizadas várias reformas parciais na educação escolar brasileira as chamadas Leis Orgânicas do Ensino. Trata-se de um conjunto de decretos-leis imposto à sociedade brasileira, pela ditadura getulista, com o intuito de centralizar e nacionalizar os diferentes níveis de ensino. O decreto-lei n o 4244 de 9 de abril de 1942 estabelecido pela Lei Orgânica do Ensino Secundário, em seu artigo 22 reestruturou o ensino secundário em dois ciclos: um primeiro ciclo que se chamava ginasial e um segundo ciclo, subdividido em clássico e científico. Segundo Romanelli (1999) ambos os ciclos tinham um caráter de cultura geral e humanística em seus currículos acrescentando prestígio aos educandos que os cursassem. Neste prestígio

5 estava incluída a formação dos alunos com base num espírito patriótico e num corpo saudável. Manter um corpo saudável fez parte dos princípios higienistas adotados pelo sistema educacional brasileiro, uma prática instaurada no início do século XX que se prolongou pela década de A criança passou a ser objeto de intervenção educacional sistematizada pela escola quando a família passou a ser alvo de intervenção das ações médico-higienistas com o advento da modernidade (JUNIOR; BOARINI, 2007); esta preocupação parte dos médicos higienistas que salientavam as condições insalubres das aglomerações urbanas que se intensificavam no Rio de Janeiro e outros locais, apresentando-se como solo fértil para a proliferação de doenças. Era necessário estabelecer normas e hábitos para conservar a saúde coletiva e individual. A sociedade brasileira, no início do século, aspirava a modernização. O atraso econômico e social pelo qual passava o país foi creditado ao pensamento de que o Brasil estava constituído por raças inferiores com baixa capacidade produtiva. Estas raças inferiores poderiam ser recuperadas oferecendo-lhes melhores condições sociais e de saúde. O papel da educação era, portanto, corrigir os defeitos e/ou promover o ajustamento dos desadaptados como forma de alcançar o progresso desejado (JUNIOR; BOARINI, 2007). A partir da década de 1930 a cultura brasileira superou as teorias sobre raça, e a preocupação do recém formado Estado Nacional de Getúlio Vargas estava centrada no desenvolvimento social, impondo estas explicações para o atraso do Brasil, como já pregavam os escritores modernistas (MARQUES apud GOIS JUNIOR, p. 132, 2000). Fernando de Azevedo, como diretor geral da Instrução Pública do Distrito Federal entre 1926 e 1930 e defensor das idéias escolanovistas, tentou organizar uma escola com a prática de hábitos higiênicos e saudáveis. No seu programa a educação higiênica e a educação física tiveram lugar central. A escola nova defendida por Fernando de Azevedo deveria ser dotada de edifícios amplos e arejados que inculcassem nos educandos hábitos higiênicos que se difundissem em todos os lares através da educação; o investimento do Estado neste setor e na saúde precisaria receber destaque; o povo necessitaria adquirir qualidades físicas e intelectuais necessárias para alavancar o progresso econômico; as condições sociais deveriam ser melhoradas para se garantir a saúde da população, estas eram as reivindicações deste educador e também do meio político, das produções literárias e didáticas e de outras produções culturais (BORGES; BOARINI, 2006).

6 ALIMENTAÇÃO ESCOLAR Por se tratar de um colégio de regime interno havia a preocupação em verificar se a alimentação oferecida aos alunos correspondia aos critérios estabelecidos pela Comissão de Alimentação do Departamento Nacional de Educação no Rio de Janeiro. O Inspetor Federal realizava uma verificação do preparo do cardápio mês a mês e enviava à referida Comissão para que fosse avaliado e sugestões fossem apontadas. O Relatório do mês de abril de 1940 foi endereçado ao Exmo. Sr. Dr. Abgar Renault, D.D Diretor Geral do Departamento Nacional de Educação, no Rio de Janeiro, conforme transcrição que segue (COLÉGIO SÃO JOSÉ, 1940): Dando cumprimento aos termos da portaria Nº132 de 2 de maio do ano p.p., passo às mãos de V. Excia. O relatório referente ao regime higiênico-dietético deste Ginásio. Em ação conjunta com o Dr. Lauro Soares, inspecionamos os dias 16 e 17 de abril p.p., os gêneros alimentícios, o modo de preparo dos alimentos e as refeições dos alunos deste Ginásio. Durante nossas visitas tivemos oportunidade de constatar serem de primeira qualidade os gêneros alimentícios; assistimos o preparo dos alimentos, o qual é escrupulosamente asseado. Quanto às refeições dos alunos, são as mesmas rigorosamente sadias. As refeições dos alunos, quando de nossas visitas eram as seguintes: Dia 16 - Pequena refeição da manhã - Leite, café, pão e manteiga. Almoço - sopa de sagu, cozido de carne com várias verduras, salada de alface e cenouras. Bananas. Jantar - sopa de lentilhas, picadinho com abóbora, carne em fatias, arroz, feijão, farinha, salada de repolho e agrião. Goiabada. Dia 17 Almoço - Rosbife com salada de alface, bolinho de arroz, farinha, feijão, salada de alface. Bananas. Jantar - Sopa Juliana, bife com ovos, fígado assado, arroz, feijão, farinha, salada de repolho e cenouras. Abacate. Observação: O estado sanitário do Ginásio é excelente. Sem mais aproveito o ensejo que se me depara para reiterar a V. Excia. com elevado apreço, os renovados protestos da minha mais alta consideração. Saúde e Fraternidade. Dr. Lauro Soares (médico) e Elpídio Caetano da Silva (Inspetor Federal). 8 de maio de Em maio do mesmo ano foi enviado outro relatório (COLÉGIO SÃO JOSÉ, 1940):

7 [...] As refeições dos alunos são sadias e racionais. O cardápio nos dias das nossas visitas era o seguinte: Dia 7- Pequena refeição da manhã - Leite, pão, café e manteiga. Almoço - Sopa de macarrão, carne assada em fatias, pirão de batatas, salada de alface. Laranja. Jantar - Sopa Juliana, rosbife, feijão, arroz, bolinhos de cenouras, farinha, salada de agrião, Laranjas. Dia 8 Almoço - Sopa de feijão, cozido de carne com várias verduras, salada de repolho e cenouras, farinha. Bananas. Dia 29 Jantar - Sopa de sagu, carne em fatias, picadinho com abóbora, arroz, farinha, salada de alface. Goiabada. Dia 30 Almoço - Sopa de aletria, ensopado de peixe, feijão, arroz, farinha, salada de agrião. Laranja. Dia 31- Jantar - Sopa Juliana, macarronada, carne assada, bolinho de miolos, arroz, salada de alface. Laranjas. Observação: O estado sanitário do Ginásio é excelente. Sem o mais aproveito o ensejo que se me depara para reiterar a V. Excia. Com elevado apreço, os renovados protestos da minha mais alta consideração. Saúde e Fraternidade. Dr. Lauro Soares (médico) e Elpídio Caetano da Silva (Inspetor Federal). 4 de junho de A Comissão de Alimentação do Rio de Janeiro, sob a responsabilidade do Dr. Ruy Coutinho, tendo recebido o referido relatório, avaliou o cardápio a fim de verificar se a alimentação oferecida estava de acordo com os princípios da boa nutrição. Entretanto, não são raras às vezes, que a Comissão elabora sugestões nutricionais a fim de prevenir várias doenças ocasionadas pela má alimentação. Com o intuito de melhorá-la envia correspondência ao Inspetor do Colégio São José para que este tome as providências cabíveis (COLÉGIO SÃO JOSÉ, 1940): Departamento Nacional de Educação. Comissão de Alimentação. Rio de Janeiro. D.F, em 20 de junho de Sr. Elpídio Caetano da Silva, Inspetor do Ginásio São José. Porto União, Santa Catarina. Senhor Inspetor: o diretor Geral do Departamento Nacional de Educação recebeu o seu relatório sobre o regime higiênico-dietético do São José em maio p.p. Não convém fornecer bolinhos. Estes exigem muita gordura para o seu preparo, o que os torna de digestão difícil. No jantar do dia 29, houve dois pratos de carne, o que é excessivo, cada refeição deve ter apenas um prato de carne, fígado ou peixe. Peço o favor de nos enviar às seguintes informações: número de alunos internos e semi-internos; consumo diário de leite e manteiga; consumo semanal de ovos; horário das refeições e o cardápio de toda a semana.

8 Atenciosas Saudações. Dr. Ruy Coutinho, da Comissão de Alimentação do Departamento Nacional de Educação. O Chefe da Comissão de Alimentação do Rio de Janeiro envia material próprio para instrução higiênico - dietética. Um recurso que pode ser utilizado nas aulas com os alunos e, também, aproveitado para explicação aos pais sobre a importância da boa alimentação (COLÉGIO SÃO JOSÉ, 1940): [...] Remetendo-lhe o exemplar anexo das palestras de instrução higiênicodietética, elaboradas pelos Drs. Ruy Coutinho (alimentação) e Paulo Araújo (exercício e repouso), recomendo-lhe, de ordem do Sr. Diretor. Geral, lê-las e comentá-las em reuniões especiais, de 10 a 15 minutos, que se realizarão quinzenalmente e para as quais deverão ser convidados os professores e os pais dos alunos. É aconselhável que nas aulas de ciências os ensinamentos sobre alimentação sejam aproveitados para explicação e ilustração dos assuntos conexos e, quando possível, em trabalhos práticos, e outros exercícios didáticos. No refeitório dos Colégios deverão ser afixados, em cópia legível, os dispositivos do item 1 da portaria Nº 153, reimpressa no folheto das palestras. Saudações. Dr. Carlos Sá. Chefe de Comissão de Alimentação do Departamento Nacional da Educação. 20 de setembro de Ainda em outubro do mesmo ano, há um convite da Comissão de Alimentação, reforçando novamente a importância de uma alimentação saudável, desta vez, por parte do Senhor Abgar Renault, Diretor Geral do Departamento Nacional de Educação (COLÉGIO SÃO JOSÉ, 1940): [...] Tenho o prazer de remeter-vos, em volume, as palestras, sobre a alimentação nos Colégios como complemento à portaria nº 153, de 2 de maio de Nesse trabalho encontrareis esclarecimentos do mais alto valor para a interpretação do pensamento oficial no que diz respeito à defesa do organismo do estudante e espero tomeis as providências ao vosso alcance para que aqueles folhetos sejam entregues, em meu nome, aos professores do estabelecimento que dirigis. Para que finalidade mais alta seja alcançada, lembro-vos a conveniência de serem as referidas palestras lidas e comentadas em reuniões especiais, de 10 a 15 minutos, que deverão realizar-se quinzenalmente e para as quais deverão ser convidados os professores e os

9 pais dos alunos, por forma que o regime higiênico-dietético seja considerado, não como uma imposição feita ao acaso, mas como medida, cujo resultado visa à defesa do indivíduo e ao engrandecimento da coletividade. Inútil será repetir que este Departamento encara o problema da alimentação nos Colégios como questão da mais alta relevância. É necessário, que conjugueis os vossos esforços e toda a vossa boa vontade à ação da administração federal, colaborando na realização da tarefa educativa a que se dá início no campo, até agora obedecendo, da alimentação dos escolares brasileiros. Atenciosas Saudações. Abgar Rennaut. Diretor Geral. Porto União em 2 de outubro de AS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Quanto às aulas de Educação Física e ao material utilizado, há no relatório de 1942 uma ficha descritiva elencando algumas informações, conforme quadro 1 a seguir (COLÉGIO SÃO JOSÉ, 1942): Endereço: Rua José Boiteux, 676. Porto União. Estado de Santa Catarina. Internato, semi-internato ou externato? Todos. Quantos turnos? Dois: manhã tarde Número de alunos: 11 a 13 anos 13 a 16 anos 16 a 18 anos mais de 18. TOTAL Masculinos A educação física é ministrada no estabelecimento? Sim Desde que ano? Qual o Método de Ed. Fís. Adotado? Francês Quantas sessões por semana para cada turma? Três. Qual o horário? Anexo. Quem dirige as do sexo masc.? Prof. Antônio Homéro Ramos. Desde quando? É especializado? Sim. Por onde? Pela Escola de Ed. Física de Florianópolis. Qual a natureza do diploma? Oficial. Qual a remuneração? 200$000. É registrado como professor de Ed. Física? Não. Mantém assistência médica à Ed. Fís.? Sim. Nome do médico? Dr. Lauro Soares Coutinho. É especializado em Ed. Fís.? Não. Em que época há a assistência médica? Março e Novembro. O educandário possui área livre e apropriada aos exercícios? Sim. Quais as suas dimensões? 90 x 50. Possui Ginásio? Não. Tem piscina? Sim. Quais as dimensões? 10 x 15. Qual o processo de tratamento da água? Água corrente. Está situada próximo do rio. A que distância? Mais ou menos 400ms. Possui vestiário? Sim. Qual a sua capacidade? 15. E Chuveiros? Sim. Quantos? 10. Dispõe de material fixo para os exercícios? Sim. E móvel? Sim. Dispõe de instalações e material biométrico? Sim. Qual o uniforme de educação física? Calção preto e camiseta branca. Há no estabelecimento alguma agremiação desportiva? Sim. Qual a denominação? Botafogo Futebol Clube Distintivos? Sim. Uniforme? Sim. Mantêm alguma publicação? Não. Quadro 1 Ficha de Informações sobre Educação Física. Fonte - COLÉGIO SÃO JOSÉ. Caixa Arquivo 003. Documentos Diversos. Porto União; Santa Catarina, 1942.

10 Através do quadro anterior é possível verificar que o curso ginasial estava dotado de uma boa infra-estrutura com equipamentos esportivos para a prática de educação física e também com piscina, chuveiros e vestiários... Quanto ao método ministrado, adotava-se o método Francês, segundo Goellner (apud GOIS JUNIOR, 2000, p. 150): [...] o método francês estava preocupado em exigir práticas físicas que possibilitassem a economia do esforço e a execução dos exercícios. Era um estudo anatomo-fisiológico que procurava determinar o aperfeiçoamento do gesto técnico. Ou seja, o movimento deveria ser executado com o menor dispêndio de energia possível. Na França este método foi amplamente utilizado, colaborando com a formação de um homem apto ao trabalho industrial e de um bom soldado. Os higienistas consideravam que o método poderia auxiliar no desenvolvimento físico e moral da população, o que significava desenvolvimento econômico para a nação (GOIS JUNIOR, 2000, p. 150). Os higienistas brasileiros perceberam que este método era mais científico e sendo as atividades físicas prioridades do sistema educacional, foi amplamente divulgado entre os cursos ginasiais no período do Estado Novo. O quadro 2 apresenta o programa de Educação Física para o ano letivo de NÚMERO DE SESSÕES DE TRABALHO POR MÊS OBSERVAÇÕES ASSUNTO MARÇO ABRIL MAIO JUNHO JULHO AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO TOTAL Sessões de estudo de educação física Lições de educação física Sessões de grandes jogos Sessões de desportos individuais Sessões de desportos coletivos As sessões de jogos, desportos individuais, coletivos e natação serão oferecidas independentemente das aulas de Ed Física. NATAÇÃO: Durante os meses de Junho, Julho e Agosto, as aulas de natação não serão possíveis devido ao Natação Excursões 1 1 2

11 Desfiles rigoroso inverno. Exames Médico Biométricos Exames práticos SOMA Quadro 2 - Programa de Educação Física para o ano de Turma A. 4º grau ciclo elementar masculino. Fonte - COLÉGIO SÃO JOSÉ. Caixa Arquivo 003. Documentos Diversos. Porto União; Santa Catarina, Além do programa contido no quadro anterior, os relatórios apontam as seguintes práticas: evoluções ou rodas, flexionamentos, sessão preparatória envolvendo atividades com braços, pernas, tronco, combinados, assimétricos, caixa toráxica. As categorias envolviam: Marchar, Saltar, Levantar, Correr, Lançar, Atacar, Defender, Jogos (futebol). No programa são incluídos, ainda, os jogos de Voleibol, Bola ao Cesto, Lançamentos de Dardo, Disco e Peso e Natação. A figura 1 apresenta os materiais esportivos utilizados na época: Figura 1 Materiais de Educação Física, Fonte - COLÉGIO SÃO JOSÉ. Caixa Arquivo 003. Documentos Diversos. Porto União; Santa Catarina, As atividades esportivas estavam presentes nas datas comemorativas. Na programação alusiva ao Dia da Juventude Brasileira, 1942, o programa consta, em sua primeira parte, de atividades cívicas e desfile, e, no segundo momento, de atividades esportivas competitivas: futebol (equipe do internato X externato); corrida do saco; corrida de três pernas; salto em altura; lançamento de dardo e disco; demonstrações nos aparelhos; corrida de obstáculos; cabo de guerra. Ainda no mesmo ano, as comemorações referentes ao Dia da Proclamação da República, contemplam: corrida de 100 m, corrida de 200 m, corrida de 800 m, corrida de estafeta 4 X 100 m, salto em altura, salto em distância, salto mortal, equilíbrio, lançamento de discos, lançamento de pesos, jogo de vôlei, partida de futebol.

12 No ano de 1945, os Relatórios das Atividades de Educação Física enviados à Inspetoria Geral de Educação Física, no Rio de Janeiro, e, remetidos todos ao Major João Barbosa Leite, responsável pela mesma, foram redigidos mês a mês. Estes relatórios eram datilografados, e, os existentes em arquivo, são cópias dos originais, ainda datilografados sob papel carbono. O roteiro do relatório segue sempre a mesma estrutura, inicia com uma apresentação dos documentos que o compõe, na sequência as atividades realizadas como: lista de alunos, freqüência, atividades desenvolvidas, avaliações médicas e biométricas, competições esportivas realizadas no Colégio, campeonatos de futebol, e outras. Todas as atividades foram registradas com muito rigor e detalhes, incluindo até mesmo, os telegramas recebidos e enviados a referida Inspetoria, demonstrando a comunicação existente entre Colégio e a Inspetoria de Educação Física, respondendo a todas as exigências da época. CONSIDERAÇÕES FINAIS A princípio, a elite da sociedade brasileira tinha por meta garantir a eugenia da população, como forma de melhorar a espécie humana a partir da regeneração social usando como meio a escola com ações voltadas para a saúde (alimentação e atividades físicas). Num segundo momento se queria valorizar esta população existente e impor-lhe comportamentos alimentares, físicos e morais a fim de higienizar os costumes, conduzindo a um modelo ideal de ser humano. Desta forma, a educação escolar passou a ocupar papel de destaque no novo projeto higiênico da sociedade. A Comissão de Alimentação no Rio de Janeiro, não queria apenas verificar o cardápio adotado no colégio interno, mas o mais importante era a divulgação do material relativo à alimentação, que deveria ser usado para palestras com os alunos e os pais. Assim, esta educação alimentar se estenderia às famílias como forma de ampliar o alcance da proposta higienista, inculcando atitudes que desencadeariam, também, numa formação moral. Quanto às atividades de educação física, estas se espelhavam no modelo francês, cujos resultados estavam voltados para a formação de um homem apto ao trabalho, tendo em vista que a meta brasileira era tornar-se uma nação moderna. As sessões de educação física valorizavam as atividades individuais como forma de autocontrole, e, as coletivas como propostas de trabalho socializador. As atividades competitivas, em datas comemorativas, eram atração para a comunidade local, entretanto vinham sempre precedidas de uma sessão solene cívica (desfiles, hasteamento da bandeira, declamações, homenagens, celebração religiosa...). Este trabalho conjunto seria capaz de formar o caráter desta nova geração e prepará-la intelectualmente para assumir liderança em vários setores sociais.

13 REFERÊNCIAS BORGES, Roselania Francisconi; BOARINI, Maria Lúcia. A Pedagogia de Manoel Bonfim: uma proposta higienista na educação. ANAIS. COLUHE DALLABRIDA, Norberto. A Fabricação Escolar das Elites. O Ginásio Catarinense na Primeira República. Florianópolis; Santa Catarina: Cidade Futura, DALLABRIDA, Norberto. Usos Sociais da Cultura Escolar Prescrita no Ensino Secundário. Revista Brasileira de História da Educação. v. 12, n. 1 (28). Jan/abril p GOIS JUNIOR, Edivaldo. Os Higienistas e a Educação Física: a história de seus ideais. Dissertação. Rio de Janeiro: PPGEF Universidade Gama Filho, JUNIOR, Durval Wanderbrook; BOARINI, Maria Lúcia. Educação Higienista, Contenção Social: a estratégia da Liga Brasileira de Hygiene Mental na criação de uma educação sob medida. ANAIS. VII Jornada do HISTEDBR MELO JÚNIOR. Cordovan Frederico de. História do Colégio São José. Porto União; Santa Catarina: Uniporto, NAGLE, Jorge. Educação e Sociedade na Primeira República. São Paulo: Editora universitária e Pedagógica, ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da Educação no Brasil. 23 ed. Petrópolis; Rio de Janeiro: Vozes, VAGO, Tarcísio Mauro. Início e Fim do Século XX: Maneiras de fazer educação física na escola. Campinas; São Paulo: Caderno Cedes. v. 19, n 48. ago FONTES PRIMÁRIAS COLÉGIO SÃO JOSÉ. Caixa Arquivo 001. Documentos Diversos. Porto União; Santa Catarina, COLÉGIO SÃO JOSÉ. Caixa Arquivo 003. Documentos Diversos. Porto União; Santa Catarina, 1942.

14 COLÉGIO SÃO JOSÉ. Caixa Arquivo 006. Documentos Diversos. Porto União; Santa Catarina, 1945.

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

Guia Alimentar para a População Brasileira

Guia Alimentar para a População Brasileira Guia Alimentar para a População Brasileira Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição Departamento de Atenção Básica Secretaria de Atenção à Saúde Ministério da Saúde Revisão do Guia Alimentar para a

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios

Leia mais

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO João Carlos da Silva 1 A produção da IPB reúne uma farta publicação de

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais

MARCAS DA AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA MODERNA: O SIGNIFICADO DAS PROVAS FRANÇA, Iara da Silva. PUCPR isfranca@gmail.com

MARCAS DA AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA MODERNA: O SIGNIFICADO DAS PROVAS FRANÇA, Iara da Silva. PUCPR isfranca@gmail.com MARCAS DA AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA MODERNA: O SIGNIFICADO DAS PROVAS FRANÇA, Iara da Silva. PUCPR isfranca@gmail.com Resumo Historicamente o ensino da Matemática passou por diversas transformações e entre

Leia mais

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA APRESENTAÇÃO 1. CARGA HORÁRIA DE ESTÁGIO 2. A COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS 2.1. SUPERVISÃO GERAL DE ESTÁGIOS 2.2. COORDENADORES DE CURSO 2.3. PROFESSORES

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL?

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? O Ministério da Saúde está lançando a versão de bolso do Guia Alimentar para a População Brasileira, em formato de Dez Passos para uma Alimentação Saudável, com o objetivo

Leia mais

IME/ITA/AFA/ EFOMM/EN

IME/ITA/AFA/ EFOMM/EN IME/ITA/AFA/ EFOMM/EN IME/ITA/AFA/EFOMM/EN Por que algumas pessoas realizam seus sonhos e outras não? Essa pergunta, aparentemente simples, sempre nos despertou interesse. Passamos boa parte de nossas

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Sandra Aparecida Machado Polon Professora Pedagogia UNICENTRO 2

UM OLHAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Sandra Aparecida Machado Polon Professora Pedagogia UNICENTRO 2 UM OLHAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Silvia de Souza acadêmica 3º ano Pedagogia UNICENTRO 1 Sandra Aparecida Machado Polon Professora Pedagogia UNICENTRO 2 RESUMO: Este artigo dialogou com

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

No Estágio Curricular Supervisionado em História II a carga horária será de: Teoria- 40h/aula e Prática - 60h: Estágio de regência na escola.

No Estágio Curricular Supervisionado em História II a carga horária será de: Teoria- 40h/aula e Prática - 60h: Estágio de regência na escola. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA CURSO DE HISTÓRIA/LICENCIATURA MANUAL DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO EM HISTÓRIA Apresentação O Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

MOVIMENTO GINÁSTICO EUROPEU

MOVIMENTO GINÁSTICO EUROPEU MÉTODOS GINÁSTICOS MOVIMENTO GINÁSTICO EUROPEU A partir de 1800: surgem diferentes formas de exercícios; EssasformasrecebemonomedeMétodos; São as primeiras manifestações sistemáticas de exercício físico

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS : ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS

Leia mais

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores;

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores; CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FABRA MANTENEDOR DA ESCOLA DE ENSINO SUPERIOR FABRA Cred. Pela Portaria Ministerial nº 2787 de 12/12/2001 D.O.U. 17/12/2001 Rua Pouso Alegre, nº 49 Barcelona Serra/ES CEP 29166-160

Leia mais

PROJETO: REPENSANDO A (IN)DISCIPLINA

PROJETO: REPENSANDO A (IN)DISCIPLINA COLÉGIO TIRADENTES DA PMMG- BARBACENA PROJETO: REPENSANDO A (IN)DISCIPLINA JUSTIFICATIVA Percebendo que a indisciplina escolar é o problema que mais afeta o bom andamento dos alunos iremos trabalhar com

Leia mais

FACULDADE RADIAL SÃO PAULO - FARSP CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO

FACULDADE RADIAL SÃO PAULO - FARSP CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO FACULDADE RADIAL SÃO PAULO - FARSP CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO 1 SUMÁRIO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS...3 DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES...3 DA COORDENAÇÃO DAS

Leia mais

Ações e Projetos Sociais

Ações e Projetos Sociais Ações e Projetos Sociais 1º - TROTE SOLIDÁRIO O Trote Solidário tem como objetivo principal atender às necessidades das Instituições beneficentes carentes da região de Barretos através da arrecadação e

Leia mais

JOGOS ESCOLARES E ESPORTE: DITANDO AS REGRAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR?

JOGOS ESCOLARES E ESPORTE: DITANDO AS REGRAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR? RESUMO JOGOS ESCOLARES E ESPORTE: DITANDO AS REGRAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR? Luís César Souza 1 Letícia de Queiroz Rezende 2 Ricardo Tavares de Oliveira 3 A presente pesquisa é realizada dentro

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E GERENCIAIS 2012 GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS

Leia mais

LEI PAULISTA DE INCENTIVO AO ESPORTE PIE PROGRAMA DE INCENTIVO AO ESPORTE DECRETO 55.636/2010

LEI PAULISTA DE INCENTIVO AO ESPORTE PIE PROGRAMA DE INCENTIVO AO ESPORTE DECRETO 55.636/2010 LEI PAULISTA DE INCENTIVO AO ESPORTE PIE PROGRAMA DE INCENTIVO AO ESPORTE DECRETO 55.636/2010 ESCOLA DE Pedal Batatais Histórico da Entidade e Descritivo de Atividades Fundada em 1999 por JOSÈ REGINALDO

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

salto em distância. Os resultados tiveram diferenças bem significativas.

salto em distância. Os resultados tiveram diferenças bem significativas. 1 Análise de comparação dos resultados dos alunos/atletas do Atletismo, categoria infanto, nos Jogos Escolares Brasiliense & Olimpíadas Escolares Brasileira. Autora: Betânia Pereira Feitosa Orientador:

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2015. Rev.: 10 10/02/2015

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2015. Rev.: 10 10/02/2015 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2015 Rev.: 10 10/02/2015 CURITIBA 2015 1 SUMÁRIO CAPITULO I DAS ATIVIDADES... 2 CAPITULO II - DO APROVEITAMENTO DAS ATIVIDADES...

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

MANUAL DO ALUNO SISTEMA DE AVALIAÇÃO

MANUAL DO ALUNO SISTEMA DE AVALIAÇÃO MANUAL DO ALUNO No presente Manual você encontrará uma síntese de procedimentos pedagógicos adotados pela Instituição e conhecerá as instalações e departamentos de apoio ao aluno. SISTEMA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD.

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. 2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer a opinião

Leia mais

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999.

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. Regulamenta a Lei 9.786, de 8 de fevereiro de 1999, que dispõe sobre o ensino no Exército Brasileiro e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

Orientações para informação das turmas do Programa Mais Educação/Ensino Médio Inovador

Orientações para informação das turmas do Programa Mais Educação/Ensino Médio Inovador Orientações para informação das turmas do Programa Mais Educação/Ensino Médio Inovador 1. Introdução O Programa Mais Educação e o Programa Ensino Médio Inovador são estratégias do Ministério da Educação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO-GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA ORIENTAÇÕES PARA

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ensino Fundamental I

Orientações gerais para as famílias. Ensino Fundamental I 2015 Orientações gerais para as famílias Ensino Fundamental I Prezados Pais, Este livreto contém informações importantes a respeito do funcionamento do Ensino Fundamental do Colégio Albert Sabin. Esperamos

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares

Regulamento das Atividades Complementares Regulamento das Atividades Complementares Curso de Design de Moda FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE - FAPEPE I. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES O presente regulamento tem por finalidade normatizar as Atividades

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES INICIAIS DAS COMPETÊNCIAS Art. 1º O Setor de Registros Acadêmicos - SRA é o órgão que operacionaliza todas as atividades ligadas à vida

Leia mais

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação 2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA ADJUNTA DE ENSINO SECRETARIA ADJUNTA DE PROJETOS ESPECIAIS QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO URE: ESCOLA:

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Curso de Comunicação Social

ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Curso de Comunicação Social ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Curso de Comunicação Social As Atividades Complementares são práticas acadêmicas, obrigatórias para os alunos do UniFIAMFAAM. Essas atividades são apresentadas sob múltiplos

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO forma: A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte 1. Primeiro contato com a administração e o serviço de supervisão

Leia mais

ILUSTRES PARTICIPANTES DO FÓRUM EM CIÊNCIAS

ILUSTRES PARTICIPANTES DO FÓRUM EM CIÊNCIAS DISCURSO PRONUNCIADO POR SUA EXCELÊNCIA JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS, PRESIDENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA, NA SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO FÓRUM EM CIÊNCIAS DO DESPORTO APLICADAS AO FUTEBOL Luanda, 29 de Agosto

Leia mais

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria 3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria RESOLUÇÃO N.º 06/2006 - CONSUN APROVA O SISTEMA DE AVALIAÇÃO E PROMOÇÃO PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO E CURSOS SEQÜENCIAIS DA PUCPR INGRESSANTES A PARTIR DE 2000. O Presidente

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA 07/2015 PARA INSCRIÇÕES E SELEÇÃO CURSO DE ELABORAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO INSTITUCIONAL

EDITAL DE ABERTURA 07/2015 PARA INSCRIÇÕES E SELEÇÃO CURSO DE ELABORAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO INSTITUCIONAL EDITAL DE ABERTURA 07/2015 PARA INSCRIÇÕES E SELEÇÃO CURSO DE ELABORAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO INSTITUCIONAL 1. DA REALIZAÇÃO A Escola de Governo (EG), através da Fundação para o Desenvolvimento

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015.

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO Ji-Paraná RO, 15. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES

Leia mais

Ofício CRN-8 nº 165 /2014 Diretoria Curitiba, 22 de outubro de 2014. Vossa Excelência a Senhora Secretária Municipal da Educação de Curitiba

Ofício CRN-8 nº 165 /2014 Diretoria Curitiba, 22 de outubro de 2014. Vossa Excelência a Senhora Secretária Municipal da Educação de Curitiba Ofício CRN-8 nº 165 /2014 Diretoria Curitiba, 22 de outubro de 2014. Vossa Excelência a Senhora Secretária Municipal da Educação de Curitiba Roberlayne de Oliveira Borges Roballo Assunto: Quadro Técnico

Leia mais

PROJETO DE LEI, Nº 2007 (Do Sr. EDUARDO GOMES)

PROJETO DE LEI, Nº 2007 (Do Sr. EDUARDO GOMES) PROJETO DE LEI, Nº 2007 (Do Sr. EDUARDO GOMES) Regulamenta o exercício da atividade, define a atribuições do Perito Judicial e do Assistente Técnico e dá outras providências. O congresso nacional decreta:

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL Este Regulamento e a Resolução do Conselho Superior da Uneal (CONSU/UNEAL) que o aprovou foram

Leia mais

O PERMEAR HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESAFIOS ATUAIS. MORAIS, Suzianne 1 VILLELA, Pollyana 2

O PERMEAR HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESAFIOS ATUAIS. MORAIS, Suzianne 1 VILLELA, Pollyana 2 O PERMEAR HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESAFIOS ATUAIS MORAIS, Suzianne 1 VILLELA, Pollyana 2 RESUMO: Este trabalho tem como propósito apresentar e analisar o percurso histórico e cultural que a

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE ASSISTENTE DE CONTROLE DE QUALIDADE

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE ASSISTENTE DE CONTROLE DE QUALIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS JARAGUÁ DO SUL FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE ASSISTENTE DE CONTROLE DE QUALIDADE

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE.

XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE. Resumo XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE. OLIVEIRA, Vanessa Duarte de PUCPR vane_do@hotmail.com CARVALHO, João Eloir PUCPR j.eloir@uol.com.br Eixo Temático: Educação, arte e movimento Agência

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2014

ATIVIDADES COMPLEMENTARES INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2014 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLA DE NEGÓCIOS ATIVIDADES COMPLEMENTARES INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2014 Rev.: 9 18/09/2014 CURITIBA - PR, 2014 SUMÁRIO CAPITULO I DAS ATIVIDADES... 2 CAPITULO II - DO APROVEITAMENTO

Leia mais

Unidades em ótimas localizações; Apostilas desenvolvidas pelos nossos professores com questões correspondentes aos concursos militares de todo o país.

Unidades em ótimas localizações; Apostilas desenvolvidas pelos nossos professores com questões correspondentes aos concursos militares de todo o país. Especialista na área militar; Excelente preparação para o ingresso na carreira militar; 41 anos de dedicação ao Ensino; Aperfeiçoamento da comunicação intrapessoal e interpessoal; Estimulação a mudanças

Leia mais

FACULDADE PRUDENTE DE MORAES MANUAL DE ATIVIDADE COMPLEMENTAR

FACULDADE PRUDENTE DE MORAES MANUAL DE ATIVIDADE COMPLEMENTAR FACULDADE PRUDENTE DE MORAES MANUAL DE ATIVIDADE COMPLEMENTAR DESCRIÇÃO DAS MODALIDADES OFERECIDAS a) ESTÁGIOS NÃO CURRICULARES Exercício de estágios não curriculares deverá ser realizado de acordo com

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO 9 ESTUDOS SOCIOCULTURAIS DO ESPORTE

GRUPO DE TRABALHO 9 ESTUDOS SOCIOCULTURAIS DO ESPORTE 1 GRUPO DE TRABALHO 9 ESTUDOS SOCIOCULTURAIS DO ESPORTE PROGRAMA SESI ATLETA DO FUTURO: UMA ANÁLISE DO ROMPIMENTO DA PARCERIA ENTRE O SESI E A PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAPONGAS. Ricardo Gonçalves, Mdo.

Leia mais

Estágio Curricular Supervisionado

Estágio Curricular Supervisionado Estágio Curricular Supervisionado CURSO DE ENFERMAGEM O curso de bacharelado em Enfermagem do IPTAN apresenta duas disciplinas em seu plano curricular pleno relativas ao estágio: Estágio Supervisionado

Leia mais

PROJETO BOQUINHA ALEGRE

PROJETO BOQUINHA ALEGRE PROJETO BOQUINHA ALEGRE IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A instituição Casas Lares Humberto de Campos é uma entidade, na modalidade de associação, sem fins lucrativos, mantida pelo Grupo Educacional e Assistencial

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.094, DE 24 DE ABRIL DE 2007. Dispõe sobre a implementação do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação, pela União

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE SEÇÃO I DO OBJETIVO Art. 1º O presente Regulamento tem por

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Metodologia do Ensino Superior Imperatriz

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2013-2014

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2013-2014 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2013-2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. CORREIA MATEUS RESPOSTA AO CONTRADITÓRIO ANÁLISE DO CONTRADITÓRIO Realizada a Avaliação Externa nos dias 17 a 20 de fevereiro de 2014,

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB Edital Pibid n 061 /2013 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO

O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO (1958-1971) Inês Velter Marques Mestranda em Educação /Linha História, Memória e Sociedade/Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)/Programa

Leia mais

EDITAL Nº 038, DE 15 DE MARÇO DE 2013.

EDITAL Nº 038, DE 15 DE MARÇO DE 2013. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS EDITAL Nº 038, DE 15 DE MARÇO DE 2013. Dispõe sobre o processo

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2)

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Ministério do Meio Ambiente MMA Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA Termo de Referência PNMA nº 02/2013 O presente

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA Matriz 23 Junho de 2013 1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

Manual de Orientações 2012 Educação Infantil e 1º Ano

Manual de Orientações 2012 Educação Infantil e 1º Ano Colégio Via Sapiens Manual de Orientações 2012 Educação Infantil e 1º Ano Srs. Pais ou Responsáveis, Iniciamos mais um ano letivo e para o Via esse é um momento importante para estabelecer as relações

Leia mais

FACULDADE FRUTAL - FAF REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC CURSO DE BACHAREL EM SERVIÇO SOCIAL

FACULDADE FRUTAL - FAF REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC CURSO DE BACHAREL EM SERVIÇO SOCIAL FACULDADE FRUTAL - FAF PERTENCENTE AO GRUPO EDUCACIONAL UNIESP REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC CURSO DE BACHAREL EM SERVIÇO SOCIAL Frutal/MG 2014 1 UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES EDUCACIONAIS

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA I - INTRODUÇÃO Art. 1º Art. 2º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as Atividades Complementares do Curso de

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA CEPE 04/12/2013 I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 o O Curso de Mestrado do Programa

Leia mais

O FORDISMO ACADÊMICO NA EDUCAÇÃO FÍSICA

O FORDISMO ACADÊMICO NA EDUCAÇÃO FÍSICA O FORDISMO ACADÊMICO NA EDUCAÇÃO FÍSICA GRAD. EDUARDO RUMENIG SOUZA Mestrando em Educação Física pela Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo e Professor da Rede Pública Municipal

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Janeiro de 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESTINATÁRIOS... 4 3. FINALIDADE... 4 4. OBJECTIVOS GERAIS... 4 5. PLANO CURRICULAR... 5 6.

Leia mais

NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS

NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS EDUCAÇÃO INFANTIL Maternal I ao jardim II Faixa etária:

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR PORTARIA Nº 117/2012 ESTABELECE ORIENTAÇÕES À REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO, INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID E SERVIÇO VOLUNTÁRIO NO ÂMBITO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E UNIDADES EDUCATIVAS

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas São Paulo, 20 de maio de 2009. ASSUNTO: NORMA ADMINISTRATIVA PARA A REALIZAÇÃO DE MONITORIA NO CCSA Prezado(a) Aluno(a), Considerando: I. a importância da monitoria como um dos meios para a operacionalização

Leia mais

Centro Universitário de Belo Horizonte - UniBH. Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde - ICBS

Centro Universitário de Belo Horizonte - UniBH. Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde - ICBS Centro Universitário de Belo Horizonte - UniBH Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde - ICBS Manual Atividades Complementares de Graduação - ACG Curso de Educação Física / Licenciatura e Bacharelado

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 A Direção de Ensino do câmpus Curitiba, compreendendo todas as suas seções, com a finalidade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA DIVULGAÇÃO DE CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO

INFORMAÇÕES PARA DIVULGAÇÃO DE CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO INFORMAÇÕES PARA DIVULGAÇÃO DE CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU em Educação Infantil e Ensino Fundamental (Séries Iniciais) EM MONTES CLAROS, NOVO CRUZEIRO, PIRAPORA,

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM 2015/2 ORIENTAÇÕES AOS EMPRESÁRIOS

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM 2015/2 ORIENTAÇÕES AOS EMPRESÁRIOS PROGRAMA DE APRENDIZAGEM 2015/2 ORIENTAÇÕES AOS EMPRESÁRIOS Wagner Alves Maciel wagner.maciel@sc.senac.br (48) 3229-3222 VERSÃO 01 29/04/2015 07 páginas Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Faculdade

Leia mais

1/5. Parecer CME/THE Nº017/2007

1/5. Parecer CME/THE Nº017/2007 PARECER CME/THE Nº. 017/2007 CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA Rua Lizandro Nogueira, 1536 - Centro. Telefone: (0xx86)3215-7639 CEP.: 64.000-200 - Teresina - Piauí E-Mail: semec.cme@teresina.pi.gov.br

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ponte Alta Processo Seletivo Edital 001/2014 Monitor Desportivo

Prefeitura Municipal de Ponte Alta Processo Seletivo Edital 001/2014 Monitor Desportivo 1 CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Em seu Artigo 1º, a Lei Orgânica da Assistência Social LOAS, explica que a assistência social é: a. Uma política de seguridade social que provê os mínimos sociais

Leia mais

Regulamento do Trabalho de Conclusão do Curso de Ciências Contábeis

Regulamento do Trabalho de Conclusão do Curso de Ciências Contábeis Regulamento do Trabalho de Conclusão do Curso de Ciências Contábeis O regulamento do Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) de Ciências Contábeis do (UNIFEB) utiliza como embasamento a resolução nº 10 de

Leia mais

NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO PARA O CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO: GESTÃO, SUPERVISÃO E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL

NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO PARA O CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO: GESTÃO, SUPERVISÃO E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO PARA O CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO: GESTÃO, SUPERVISÃO E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL APRESENTAÇÃO Este manual destina-se a orientação dos procedimentos a serem adotados durante o estágio

Leia mais

Elaboração de Cardápios

Elaboração de Cardápios Elaboração de Cardápios Junho 2013 1 Programa Mesa Brasil Sesc O Mesa Brasil Sesc é um programa de segurança alimentar e nutricional sustentável, que redistribui alimentos excedentes próprios para o consumo.

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA. Trabalho de Conclusão de Curso

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA. Trabalho de Conclusão de Curso UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Trabalho de Conclusão de Curso Brasília 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA REITOR Prof. Dr. Gilberto Gonçalves Garcia PRÓ-REITOR

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS TELÊMACO BORBA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA Telêmaco Borba,

Leia mais