CATEQUESE NUM MUNDO PÓS-CRISTÃO:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CATEQUESE NUM MUNDO PÓS-CRISTÃO:"

Transcrição

1 SOLANGE MARIA DO CARMO CATEQUESE NUM MUNDO PÓS-CRISTÃO: ESTUDO DO TERCEIRO PARADIGMA CATEQUÉTICO FORMULADO POR DENIS VILLEPELET Tese apresentada ao Departamento de Teologia da Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia, como requisito parcial à obtenção do título de Doutora em Teologia. Área de concentração: Teologia Prática Orientador: Prof. Dr. Johan Konings SJ BELO HORIZONTE FAJE - Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia 2012

2 C287c Carmo, Solange Maria do Catequese num mundo pós-moderno: estudo do terceiro paradigma catequético formulado por Denis Villepelet / Solange Maria do Carmo. - Belo Horizonte, p. Orientador: Prof. Dr. Johan Konings Tese (doutorado) Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia, Departamento de Teologia. 1. Catequese. 2. Paradigma catequético. 3. Pós-modernidade. 4. Villepelet, Denis. I. Konings, Johan. II. Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia. Departamento de Teologia. III. Título CDU 268

3

4 Agradecimentos Aos meus familiares, pelo apoio constante e amor incondicional. A todos os amigos que me ajudaram na caminhada, pois uma tese se faz a muitas mãos. Ao ISTA-Instituto Santo Tomás de Aquino e ao IFTDJRC- Instituto de Filosofia e Teologia Dom João Resende Costa da PUC-Minas, por me confiarem a disciplina Catequética. Ao Padre Orione Silva, por partilhar comigo sua paixão pela catequese e motivar meus estudos. À Ir. Rachel, missionária da Assunção, e aos jesuítas Creômenes e Cleiton, pelo apoio recebido em Paris, especialmente nos encontros com o Professor Denis Villepelet. Ao Professor Denis Villepelet, pela prontidão em me servir enviando-me seus escritos e por me receber para entrevista exclusiva. Ao meu orientador, Dr. Professor Padre Johan Konings SJ, pela disponibilidade na condução do trabalho. Ao Dr. Professor Padre Paulo Carrara CSSR, por me ensinar o francês, língua sem a qual não poderia me aventurar nos caminhos deste trabalho. Ao Dr. Professor Padre Ulpiano Vázquez Moro SJ, por viabilizar minha pesquisa por meio da bolsa de estudos da PROLIC. Homenagem A minha mãe, Maria Angélica do Carmo, e minha irmã, Ana Maria do Carmo, ambas de saudosa memória, pela catequese amorosa que delas recebi.

5 RESUMO Esta tese apresenta os três paradigmas catequéticos formulados pelo teólogo francês Denis Villepelet, dando ênfase especial ao terceiro paradigma. A atual reflexão teológica aponta para a necessidade urgente de um novo paradigma catequético, uma vez que a catequese hoje se vê enfraquecida, sem conseguir dar respostas aos apelos do homem atual. Os diversos paradigmas são construídos a partir da interação dos campos sociológico, antropológico, eclesial, teológico e pedagógico, cada qual com seu parâmetro dominante. Esses paradigmas têm caminhos catequéticos distintos, que se formam a partir da relação entre a fides quae e a fides qua e da compreensão que estes termos adquirem ao longo da história. O caminho catequético do terceiro paradigma, proposto por Villepelet, não vai nem da fides quae para a fides qua (primeiro paradigma), nem vice-versa (segundo paradigma), mas da fides qua à fides qua pela mediação da fides quae, interpretada como a fé que a Igreja vive. PALAVRAS-CHAVES Villepelet, catequese, fides quae, fides qua, pós-modernidade, paradigma catequético, sociedade complexa, pedagogia da iniciação, interioridade, mudança epocal. ABSTRACT This doctoral thesis displays the three catechetical paradigms formulated by the French theologian Denis Villepelet, giving especial emphasis to the third one. Present-day theological reflection points out the pressing need of a new catechetical paradigm, since catechesis, nowadays, shows weakened, unable to find answers to the appeals of today s men and women. Starting point for the construction of the variant paradigms is the interaction between their respective field, be it sociological, anthropological, ecclesial, theological or pedagogic, each having its prevailing parameter. These paradigms follow distinct catechetical paths, according to the relation established between fides quae and fides qua, as well as to the shifting understanding of these terms along history. The catechetical path of the third paradigm, as put forth by Villepelet, leads neither from fides quae to fides qua (first paradigm) nor vice-versa (second paradigm), but from fides qua to fides qua through the mediation of fides quae, interpreted as the faith the Church lives. KEYS-WORDS Villepelet, catechesis, fides quae, fides qua, posmodernity, catechetical paradigm, complex society, pedagogy of initiation, interiority, epochal change.

6 SIGLAS E ABREVIAÇÕES ACF AD BAC CD CELAM Aller au coeur da la foi. In: MARTINEZ, Proponer la fe Decreto Ad Gentes do Vaticano II Biblioteca de Auctores Cristianos Decreto do Vaticano II Christus Dominus Conferência Episcopal Latino-Americana e do Caribe CR Catequese Renovada Doc. CNBB n. 26 CT DAF DAp DCE DF DGAE DGC DH DNC Doc. CNBB DV EN Est. CNBB ET GRECAT GS ICP ISPC Encíclica de Paulo VI Catequese Tradendae Devenir adulte dans la foi. In: Documento de Aparecida Encíclica de Bento XVI Deus Caritas est Constituição Dogmática Dei Filius do Vaticano I Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil Diretório Geral para a Catequese Denzinger-Hunermann Diretório Nacional da Catequese Documento da CNBB Constituição Dogmática Dei Verbum Exortação Apostólica de Paulo VI Evangelii Nuntiandi Estudos da CNBB Encíclica de Paulo VI Evangélica Testificatio Grupo de Reflexão Catequética Constituição Pastoral Gaudium et Spes do Vaticano II Instituto Católico de Paris Instituto Superior de Pastoral Catequética 6

7 JCCH KVZ LCF LG MC PFJ RICA SC TNOCF Jésus Christ, chemin d humanisation. In: MARTINEZ, Proponer la fe Katechese in veränderter Zeit. In: MARTINEZ, Proponer la fe Carta dos Bispos aos Católicos Franceses. In: MARTINEZ, Proponer la fe. Constituição Dogmática Lumen Gentium do Vaticano II Encíclica de Pio XII Mystici Corporis Proposer aujourd hui la foi aux jeunes. In: MARTINEZ, Proponer la fe. Ritual da Iniciação Cristã de Adultos Constituição Dogmática Sacrosanctum Concilium do Vaticano II Texte National pour l orientation de la catéchèse en France et principes d organisation. In: CONFERÉNCE des Évêques de France UIE Una Iglesia esperanzada. In: documentos/conferencia/plan_pastoral_2002.htm ULBRA VD Universidade Luterana do Brasil Exortação Apostólica de Bento XVI Verbum Domini Obras patrísticas e medievais De Dom. Orat. De Trin. De Oratione Dominica (São Cipriano) = Del Padrenuestro De Trinitate (Santo Agostinho) S. Th. Suma Teológica (Santo Tomás de Aquino) As abreviações bíblicas seguem a tradução da CNBB. 7

8 8

9 SUMÁRIO SIGLAS E ABREVIAÇÕES 6 PREFÁCIO 13 INTRODUÇÃO 15 1 O PROBLEMA Gênese: a crise do sistema catequético Crise da transmissão Fracasso do processo tradicional de iniciação cristã Precariedade da catequese com adultos Reflexões na Igreja em geral Documentos magisteriais e encontros Contribuição de catequetas e teólogos Discussão na Igreja no Brasil Documentos da Igreja Contribuição de catequetas e teólogos Conclusão 65 2 GRANDES PARADIGMAS CATEQUÉTICOS PRESENTES NA IGREJA Conceitos importantes Paradigma catequético Fides quae e fides qua Construção sistêmica de um paradigma Primeiro paradigma O Concílio de Trento e os catecismos Conceito de revelação na Dei Filius Um caminho catequético possível: da fides quae à fides qua Segundo paradigma 97 9

10 2.4.1 O Concílio Vaticano II e a renovação catequética Conceito de revelação na Dei Verbum O caminho catequético proposto: da fides qua à fides quae Conclusão DESAFIOS CATEQUÉTICOS NA PÓS-MODERNIDADE Um rápido olhar sobre a pós-modernidade A multirreferencialidade O espaço e o tempo A primazia da tela A psicologização do social A pós-modernidade e a fé cristã Uma sociedade em crise A fé cristã como crise A fé cristã numa sociedade em crise Desafios catequéticos da pós-modernidade Desafio da interioridade Desafio querigmático Desafio educativo Desafio comunitário Conclusão O TERCEIRO PARADIGMA CATEQUÉTICO Deslocamentos necessários A fé cristã: de instituída a instituinte O cristão: da reclusão ou da militância à presença no mundo A catequese: da manutenção da fé ao anúncio do evangelho Obstáculos a serem vencidos

11 4.2.1 Obstáculos epistemológicos Obstáculos conceituais Um novo caminho catequético: da fides qua à fides qua Sociedade complexa Indivíduo sujeito Catequese pneumatoderivada Igreja templo do Espírito Pedagogia da iniciação Conclusão REFLEXÃO CRÍTICA ACERCA DO TERCEIRO PARADIGMA Repensando os parâmetros do terceiro paradigma Sociedade complexa Indivíduo sujeito Catequese pneumatoderivada Igreja Templo do Espírito Pedagogia da iniciação Revendo o caminho catequético do terceiro paradigma Compreendendo melhor o caminho Vendo por outro lado Avaliando perdas e ganhos Implicações para a catequese do Brasil hoje Catequese não sacramental Catequese permanente Catequese com adultos Catequese querigmática Catequese iniciática

12 5.3.6 Catequese aberta Conclusão CONCLUSÃO GERAL 289 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

13 PREFÁCIO Este trabalho nasceu de uma paixão antiga que foi fomentada pela prática pastoral em dioceses e paróquias onde atuei ao lado de meu amigo e irmão, Padre Orione Silva, por longos anos. O contato contínuo e ininterrupto, durante vinte anos, com catequistas, catequizandos e suas famílias me fez pensar em investir minhas energias nesta pesquisa. Por todo lado onde trabalhei ecoavam insatisfações dos que se dedicam a esse serviço pastoral. Era questão de percepção, de empatia com o grupo, de escuta. Não demorou muito para percebermos um estranho descompasso entre a beleza e a alegria da boa-nova anunciada e o tédio e o rigorismo da catequese que trazia essa notícia; entre a prática e a teologia catequética; entre os pressupostos da catequese em voga e os pressupostos do mundo pósmoderno; entre a gramática existencial com a qual a catequese trabalhava e a gramática existencial de homens e mulheres pós-modernos, tão distinta da primeira. Passou a nos preocupar o pouco interesse dos catequizandos (tanto crianças quanto adultos), a inadequação da linguagem dos catequistas (em nome da fidelidade à fé da Igreja), o empenho excessivo na transmissão de doutrinas e preceitos morais principalmente por parte dos ministros ordenados, a transformação da catequese em aula de religião, sua vinculação necessária ao processo sacramental, sua infantilização etc. Tudo indicava que tanto o processo tradicional da catequese advinda de Trento quanto o processo da catequese renovada, que começou a se firmar no Brasil já antes do Concílio Vaticano II e se estruturou mais ainda depois dele, estavam em vias de falência, exigindo novos caminhos catequéticos. A catequese não cumpria sua função iniciadora; a transmissão da fé se via interrompida e as novas gerações não eram mais mergulhadas no mistério cristão como é próprio da catequese. Sentimos que era preciso procurar novos caminhos. Foi esse desejo que fez com que Padre Orione e eu nos embrenhássemos na tarefa aventureira de escrever uma coleção de catequese, mesmo antes de eu fazer meu curso de teologia e de me especializar nessa área. A obra foi gestada devagarinho e seu parto foi manso; fomos dando ouvidos aos apelos de catequistas e catequizandos, respondendo aos desejos e aos sinais de satisfação ou insatisfação que eles nos enviavam ao longo do processo. Os encontros de catequese que os livros sugeriam foram acontecendo nas paróquias; o povo dava o retorno; nós aprimorávamos as propostas dos encontros. Só depois de doze anos a 13

14 impressão de fundo de quintal dos primeiros livretos acompanhados de uma fita cassete com as músicas dos encontros deu lugar a um livro com boa aparência, acompanhado de um CD de músicas, publicado pela editora Paulus. Foram diversos acertos na metodologia e na teologia que os livros veiculam. Depois de ter cursado teologia e feito o mestrado em teologia bíblica (tudo na FAJE), havia muita coisa a repensar. Desde então a editora tem disponibilizado nossos livros para o uso de catequistas do Brasil inteiro com a coleção Catequese Permanente 1, já com sete livros, mais um publicado anteriormente que orienta sobre a didática dos encontros 2 e outros que estão sendo revisados para futura publicação. Mas não bastava ouvir os catequistas e intuir mudanças necessárias. Nem mesmo bastava escrever livros com encontros um pouco diferentes. Era preciso buscar fundamentação sólida para balizar nossa caminhada. Onde encontrar pressupostos teológicos que justificassem nossas intuições? Quem mais anda se dedicando a buscar novos caminhos para a catequese? Os problemas catequéticos com os quais deparamos são apenas brasileiros ou se estendem a outros países? Eles têm algo a ver com a mudança epocal que vivemos hoje? Que pedagogia seria mais apropriada para a catequese nesses novos tempos? Seria a catequese uma questão apenas de transmissão de conteúdos repassados aos catequizandos? E a experiência cristã de Deus: estaria ela fora do âmbito de ação catequética? Estas e outras perguntas não paravam de nos atormentar, mesmo depois de eu já ter percorrido a trajetória da graduação em teologia e de ter feito o mestrado. Foi quando caiu em minhas mãos o livro O futuro da catequese de Villepelet, único livro do autor traduzido para o português 3. Foi amor à primeira vista. Para ler suas outras obras, aprendi rapidamente o francês. Era preciso conhecer o autor, que tinha tematizado, com tanta precisão e clareza, intuições que há muito tempo nos perseguiam e já eram vislumbradas por tantos outros teólogos e catequetas no mundo inteiro, sobretuto na América Latina. E aí um leque maravilhoso se abriu: conhecer novos autores e documentos da Igreja em vários países, congressos, encontros, simpósios, todos preocupados com a temática da catequese em tempos de pós-cristandade. E, dentro desse quadro, a proposta lúcida do terceiro paradigma catequético formulado por Denis Villepelet, que se tornou o centro de nossa pesquisa. Foi assim que nasceu este trabalho. 1 SILVA, Orione; CARMO, Solange Maria do. Coleção Catequese Permanente. São Paulo: Paulus, v. Publicação ainda em andamento com novos módulos. 2 SILVA, Orione; CARMO, Solange Maria de. Elementos de Didática na Catequese. São Paulo: Paulus, VILLEPELET, Denis. O futuro da catequese. São Paulo: Paulus, Com o título original L avenir de La catéchèse. 14

15 INTRODUÇÃO Apesar de este trabalho se dedicar ao estudo do terceiro paradigma catequético proposto por Denis Villepelet, teólogo francês pouquíssimo conhecido no Brasil, não achamos necessária uma apresentação do autor, ainda que breve. Deixaremos espaço para sua teologia catequética, que fala por si mesma. A clareza de sua teologia, a ousadia de seu pensar catequético marcado por seu amor apaixonado por Jesus e pela Igreja e a responsabilidade ética que emanam de seus escritos fazem sua apresentação. Funcionam como um curriculum lattes que mostra sua trajetória de leigo engajado e comprometido com a pastoral da Igreja, de professor de catequética e pesquisador do Instituto Católico de Paris. Sua teologia é uma carta de auto-apresentação que dispensa outras formalidades. Por isso, o capítulo primeiro começará com o levantamento do problema de fundo que justifica esta pesquisa e não com uma biografia do autor. Ao longo das páginas, o leitor conhecerá Villepelet ou, ao menos, sua teologia, que é o que importa. Todo o trabalho seguirá o seguinte esquema. Usemos a metáfora de uma película cinematográfica ou de uma apresentação teatral. Em primeiro plano, a teologia catequética de Villepelet. O catequeta francês protagonizará as cenas. O espaço da tese é todo dele, como o palco pertence a um grande artista. No corpo do texto, estará Villepelet que poderá falar abertamente por nossa reflexão. Procuraremos deixar o autor falar, sem interrompê-lo. Ele falará sempre pela leitura que faremos de sua teologia; mas é sempre ele e não a pesquisadora quem estará dizendo. Por isso insistiremos muito nas cansativas expressões de tipo segundo Villepelet, para o catequeta francês, conforme nosso autor, escreve nosso teólogo etc. Num segundo plano, para o texto não virar um monólogo, alguns autores dialogarão com ele, mas discretamente. A maioria pertence a seu núcleo de atuação. Estes aparecerão com maior frequência. São autores que contribuíram com a reflexão de Villepelet, ajudando-o a sustentar sua teologia, dando-lhe fundamentos para enveredar na formulação do terceiro paradigma catequético. Não são apenas catequetas, mas também filósofos, sociólogos, teólogos, antropólogos, físicos, biólogos, pesquisadores em geral. É o caso de Paul Ricoeur, Edgar Morin, Annie-Charlotte Giust, Tomas Kuhn, Ferdinand Tönnies, Gianni Vattimo, George Balandier, Cornelius Castoriadis, Karl Rahner, Rudolf Bultmann, Karl

16 Barth, Jean-Louis Souletie, Henri-Jerôme Gagey, Emilio Alberich, André Fossion etc. Alguns nomes menos conhecidos de Villepelet, mas conhecidos nossos, também terão espaço. Estes aparecerão com menor frequência, mas com papel importante. Ganharão voz teólogos da América Latina e até mesmo europeus que não aparecem ou raramente aparecem na obra de Villepelet. Recorremos muito à prata da casa brasileira como João Batista Libanio, Joel Portella Amado, Johan Konings, Juan Ruiz de Gopegui, Luiz Alves de Lima, Wolfgang Gruen etc. Mas importamos socorro também de outros países, como é o caso de José Maria Mardones, Donaciano Martínez Álvarez, Henri Derroite, Bernard Sesboüé, Henri Bouillard, Jacques Audinet, Eloy Bueno de la Fuente etc. Em raros casos, esses autores aparecerão no corpo do texto. Eles quase sempre terão a gentileza de não roubar o espaço do autor. Seu papel é amparar a teologia catequética de Villepelet ou, outras vezes, contrapor seu pensamento, mas nunca falar sozinhos. Em terceiro plano, nós mesmos entraremos em cena. Essa atuação se dará de dois modos: antes de tudo, nós nos faremos presente como um narrador, que tece com sua fala o ambiente e o clima para ajudar a cena a se desenvolver. Vai ganhar corpo nosso gosto apaixonado pela poesia, pela música, pela literatura, pelo cinema, pela arte em geral. Citações de poemas, de versos de canções, de falas de personagens da literatura vão ajudar a construir esse arcabouço para o filme se desenrolar. Que pessoa apaixonada pela literatura brasileira consegue escrever sem se lembrar das boas tiradas de Guimarães Rosa ou de Machado de Assis, dos versos de Gonzaguinha ou de Chico Buarque, da poesia de Cecília Meireles ou de Fernando Pessoa? Estes e outros profetas da alma humana entrarão no texto sem pedir licença. Quando menos esperar, o leitor irá encontrá-los pelo caminho. Vou me permitir falar pelos versos deles, esperando sempre que o socorro buscado na literatura alivie a leitura, embeleze o escrito, plenifique a teologia. E, por fim, com o intuito de ajudar o leitor a se situar melhor no drama da catequese, estaremos presente como comentador, através de notas de rodapé ou de introduções e conclusões que abrem e fecham o texto. Esta pesquisa se compõe de cinco capítulos e ao final deverá ter respondido à seguinte pergunta: Partindo do pressuposto de que os paradigmas catequéticos hoje vigentes (Trento e renovação catequética) não respondem mais ao momento presente da sociedade e da Igreja, seria o terceiro paradigma catequético formulado por Denis Villepelet uma opção viável pastoralmente e pertinente teologicamente? Ou, formulada de outra maneira: Há plausibilidade pastoral e teológica na proposta catequética de Villepelet ou ela fere princípios fundamentais dos quais a catequese não pode abdicar?. Esta pergunta pode ser desdobrada, 16

17 gerando outras perguntas mais específicas, tais como: Os dois paradigmas catequéticos que hoje prevalecem na prática pastoral de nossa Igreja dão conta dos desafios da pósmodernidade ou será necessário recorrer a um terceiro paradigma como faz Villepelet? Esse terceiro paradigma por ele formulado tem pertinência teológica, é viável pastoralmente? Como esse paradigma formulado em terras francesas pode contribuir com a catequese brasileira, tão distinta da realidade europeia?. Para responder a essas perguntas gerais ou específicas daremos passos, propondo perguntas ainda menores em cada capítulo. O capítulo primeiro trará o questionamento acerca da falência dos paradigmas catequéticos atuais e tratará da necessidade de um paradigma catequético condizente com a pós-modernidade. Percebe-se hoje a procura por um paradigma catequético distinto dos paradigmas de Trento e da renovação catequética. Então, é preciso perguntar: Como surgiu a discussão em torno de um novo paradigma catequético? Por que precisamos dele? Estarão nossos paradigmas em crise? Faliu nosso sistema catequético, com sua pedagogia, seus programas, conteúdos e métodos? Nossa catequese não cumpre mais sua função? O que estão dizendo sobre isso o Magistério da Igreja, catequetas e teólogos? Esses sintomas de falência são sentidos só na Europa ou a catequese no Brasil também padece dos mesmos males? Para responder a essas perguntas, faremos uma espécie de status quaestionis da catequese, sem nenhuma pretensão de esgotar o assunto. Trata-se de um levantamento bem direcionado, propositalmente tendencioso, como o de um fotógrafo que registra as cenas mais chocantes depois da tempestade. Batemos uma foto da catequese atual, registrada a partir da perspectiva da gênese do problema: a crise do sistema catequético, intensificada pela crise da transmissão, pelo fracasso do sistema tradicional de iniciação e pela precariedade da catequese com adultos. Não vamos então nos ater aos sucessos da catequese, suas conquistas, seus valores, às valiosas contribuições dos catecismos de Trento ou da renovação catequética, à situação específica do Brasil etc. O objetivo é ver o desgaste da pastoral catequética atual 1, ou seja, o tamanho do rombo causado pelas intempéries da história na vida eclesial, pouco ajustada a mudanças climáticas que insistem em acontecer, apesar de nossas recusas. Depois virá um estudo de caso, obtido a partir de contribuições de peritos em ação evangelizadora, considerando o Magistério eclesial e alguns teólogos do mundo todo, 1 Levantamento válido tanto para o Brasil quanto para o mundo, mas com foco na França, pois nosso autor é francês. 17

18 inclusive do Brasil. A escolha dos teólogos seguiu alguns critérios: nossa preferência pelo autor, sua projeção no cenário mundial e sua proposta teológica alternativa diante da falência do sistema atual da catequese. Para a escolha dos documentos também levamos em consideração a importância dos mesmos na reflexão catequética mundial, a língua na qual eles foram escritos ou a possibilidade de tradução em língua acessível à pesquisadora 2, a coerência da reflexão com o pensamento de Villepelet. Para escolher os documentos brasileiros, levamos em consideração a novidade que eles trazem ou a sua importância no cenário brasileiro. No meio dessa reflexão toda, encontra-se Denis Villepelet, que desponta no cenário mundial da catequese como uma voz afinada com seu tempo. Não vamos gastar grande fôlego com nosso autor no primeiro capítulo. Ele aparecerá apenas de relance, como num filme em que o ator principal aparece em meio à multidão, quase anônimo no meio do povo. Na hora certa, ele vai roubar a cena, personalizar o roteiro e protagonizar a película. Neste levantamento sobre a situação da catequese atual, mais importante que apresentar Villepelet é fazer a ambientação de sua atuação, narrando o texto e construindo o cenário. Depois de apresentado o cenário catequético atual, será importante nos arriscarmos em uma breve retrospectiva pela história que ajudará a entender como se chegou a esse ponto. De novo a metáfora do filme ajuda. O diretor não hesita em recuar no tempo, fazendo um remake com episódios do passado que possibilitam a compreensão do drama presente. Então, o momento atual cede espaço para recordações, com uma viagem mágica no túnel do tempo. Recuaremos até o século XVI, por ocasião da Reforma Protestante e da Contrarreforma. Depois daremos um salto para o século XX, por ocasião do Concílio Vaticano II, passando pelos movimentos que o precederam. Assim registraremos as marcas do passado, justificaremos o caminho catequético percorrido até aqui e esclareceremos as prioridades ainda vigentes. O objetivo deste capítulo não é um relato histórico exaustivo, pois nossa tese não é de história, mas de catequese, assim como nosso catequeta não é teólogo da história, mas da catequese. Apesar disso, será preciso lembrar dados históricos, mas só o suficiente para que os paradigmas catequéticos venham à tona no mar da história. Quem vê um filme, muitas vezes, só entende as cenas da atualidade quando tem acesso aos acontecimentos anteriores. Ao retomar as cenas no tempo, o expectador entende bem qual é a 2 A maioria das obras foi pesquisada na língua original: francês, espanhol ou italiano. Alguns documentos foram lidos em espanhol, por causa da dificuldade da língua de origem, como é o caso do texto da Conferência Episcopal Alemã, ou porque esses textos não foram encontrados na língua original. Toda a obra de Villeplet foi lida em francês. 18

19 trama do filme, por que o protagonista age daquele modo, por que fez aquelas escolhas etc. É o segundo capítulo! Este capítulo apresentará brevemente dois paradigmas catequéticos de relevância máxima que se instalaram na prática pastoral e ainda perduram até hoje, apesar dos novos tempos. As perguntas que o orientam são: Como surgiram esses paradigmas? Que visão teológica sustenta esses modos de fazer catequese? Que pedagogia orienta essa práxis de comunicação da fé? Que reflexões legitimam essas práticas catequéticas?. Desenvolveremos esses paradigmas a partir da teologia catequética do autor que escolhemos estudar. Usaremos os óculos de Villepelet para ver a prática catequética. Daremos os seguintes passos: Primeiramente, esclareceremos alguns conceitos para não haver desencontros no desenrolar do trabalho. O conceito de paradigma, que não faz parte do dicionário da catequese, virá da filosofia e da sociologia. Villepelet vai trabalhá-lo a partir de Thomas Kuhn e de Edgar Morin. Depois, dois termos muito caros à teologia ganharão centralidade: fides quae e fides qua. Retomaremos esses conceitos caros a Santo Agostinho, pois Villepelet entende a catequese como resultado de arranjos combinatórios entre si e, é claro, do sentido que cada um deles adquire ao longo do tempo. Seguiremos, então, com a construção sistêmica de um paradigma. Para Villepelet, os paradigmas catequéticos podem ser descritos a partir da interação sistêmica de cinco campos do saber: o campo sociológico, o campo antropológico, o campo eclesiológico, o campo teológico (ou catequético) e o campo pedagógico. Veremos que, para o nosso autor, o ato catequético não se caracteriza por acaso, mas por escolhas bem definidas: pelo tipo de sociedade que prevalece, pelo modo de entender o ser humano nessa sociedade, pela maneira de entender a Igreja e de vivê-la, pela teologia dominante que vigora entre as lideranças religiosas e, por fim, pela pedagogia catequética escolhida para transmitir a fé. Só depois deste percurso poderemos nos deter na descrição dos paradigmas. O primeiro é sustentado pelo Concílio de Trento e viabilizado por seus catecismos: seu caminho catequético vai da fides quae à fides qua. O segundo é gestado pela renovação catequética e veio à luz no Concílio Vaticano II: faz um percurso da fides qua à fides quae. Neste capítulo, alguns estudiosos terão importante papel: uns com os quais Villepelet dialoga; outros com os quais nós o fazemos dialogar. O narrador continuará a falar, mas o comentador terá pouca necessidade de se manifestar, fora raras ocasiões. As cenas falarão por si mesmas. No terceiro capítulo, depois de breve volta ao passado, retomaremos o momento atual com seus desafios. Como num filme, o diretor volta ao tempo atual, com o qual iniciou a película. Villepelet, o protagonista do filme que até então vinha atuando com muitos 19

20 pensadores, vai roubar a cena, apesar de não dispensar outros atores. Pouco a pouco sua teologia ganhará espaço 3. Vamos procurar perceber a interpelação que o novo tempo, chamado nesta pesquisa de pós-modernidade, traz à catequese cristã. As perguntas principais serão: Houve mudanças significativas na gramática existencial do homem pós-moderno? Que mudanças são essas e quais seus influxos sobre a catequese? Como comunicar a fé ao homem pós-moderno? Que desafios específicos essa nova gramática traz para a catequese hoje, ainda pensada em moldes de cristandade ou, no máximo, de modernidade? A catequese possui ferramentas para enfrentar esses desafios? Terá ela condições de responder aos apelos do homem pós-moderno ou fé cristã e pós-modernidade são incompatíveis?. Para responder a essas perguntas, o primeiro passo será lançar um rápido olhar empático e benevolente sobre a mudança epocal e a sociedade complexa que se impôs, pontuando, segundo Villepelet, suas principais características 4. Nem de longe pretendemos esgotar o assunto pós-modernidade ou mudança epocal. Há tanta obra sobre esses temas que isso seria impossível, além de fugir do nosso objetivo. Nossa visão da pós-modernidade será através dos olhos de Villepelet. Outros autores, especialmente com os quais ele dialoga, serão lembrados apenas de relance. Interessa-nos conhecer como nosso autor se posiciona diante deste tempo que tem sido chamado de pós-modernidade. Depois, trataremos, ainda sob a óptica de Villepelet 5, da relação da pós-modernidade com a fé cristã, perguntando-nos se elas são incompatíveis ou se é possível ser cristão ainda hoje neste mundo complexo, em crise. Por fim, seguiremos refletindo sobre os desafios que, segundo o nosso autor, a pós-modernidade impõe à catequese: o desafio da interioridade, o desafio querigmático, o desafio pedagógico e o desafio comunitário. O narrador continua presente, emoldurando as cenas; o comentador vai se calando para deixar a voz do protagonista ressoar. Que de novo fique bem claro: outros desafios são levantados por outros autores. Interessa-nos, porém, a postura do catequeta francês que escolhemos pesquisar. No quarto capítulo, a teologia catequética de Villepelet mostrará de vez a sua cara. O filme terá seu desenlace, com a apresentação do terceiro paradigma. Pouco a pouco as cenas se desenrolarão com nosso autor falando quase num monólogo. Cessarão quase por completo as outras vozes; até mesmo a voz do narrador-comentador vai se tornar discreta e esparsa. Vamos deixar Villepelet apresentar sua teologia catequética. Mas, para isso 3 Até se impor no capítulo 4. 4 Vai ser absolutamente necessária essa parada para entender o terceiro paradigma catequético pensado por nosso autor, cuja apresentação se encontra no capítulo 4. 5 Ou de autores que o influenciaram, como Souletie. 20

catequese no mundo atual Crises, desafios e um novo paradigma para a catequese

catequese no mundo atual Crises, desafios e um novo paradigma para a catequese catequese no mundo atual Crises, desafios e um novo paradigma para a catequese Coleção Catequese Permanente PRÉ-EVANGELIZAÇÃO com crianças de 5 a 7 anos Volume 1: Conhecendo Jesus, Orione Silva; Solange

Leia mais

A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária

A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária A evangelização nos dá a alegria do encontro com a Boa Nova da Ressurreição de Cristo. A maioria das pessoas procura angustiada a razão de sua vida

Leia mais

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética 2 0 1 2-2 0 1 5 DIOCESE DE FREDERICO WESTPHALEN - RS Queridos irmãos e irmãs, Com imensa alegria, apresento-lhes o PLANO DIOCESANO DE ANIMAÇÃO BÍBLICO -

Leia mais

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 1. Finalidade do Ano da Fé; 2. O que é a Fé; 3. A transmissão da Fé enquanto professada, celebrada, vivida e rezada; 4. O conteúdo

Leia mais

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC 1. ESPAC O QUE É? A ESPAC é uma Instituição da Arquidiocese de Fortaleza, criada em 1970, que oferece uma formação sistemática aos Agentes de Pastoral Catequética e

Leia mais

Diocese de Amparo - SP

Diocese de Amparo - SP Formação sobre o documento da V Conferência do Episcopado da América Latina e do Caribe Diocese de Amparo - SP INTRODUÇÃO De 13 a 31 de maio de 2007, celebrou-se em Aparecida, Brasil, a V Conferência Geral

Leia mais

EVANGELIZAR COM PAPA FRANCISCO

EVANGELIZAR COM PAPA FRANCISCO EVANGELIZAR COM PAPA FRANCISCO DOm Benedito Beni dos Santos EVANGELIZAR COM PAPA FRANCISCO Comentário à EVANGELII GAUDIUM Direção editorial: Claudiano Avelino dos Santos Assistente editorial: Jacqueline

Leia mais

CONCÍLIO VATICANO II. Relevância e Atualidade

CONCÍLIO VATICANO II. Relevância e Atualidade CONCÍLIO VATICANO II Relevância e Atualidade Dogma concepção Imaculada de Maria Syllabus Convocação Concilio PIO IX (1846 1878) Vaticano I Renovação Interna da Igreja Decretos Papais Divulgados em Boletins

Leia mais

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Nota Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa Celebrar os 50 anos da abertura do Concílio no Ano da Fé 1. Na Carta apostólica A Porta da Fé, assim se exprime

Leia mais

Encuentro sobre Mision Continental y Conversão Pastoral Buenos Aires Argentina 26 a 30 de outubro de 2009

Encuentro sobre Mision Continental y Conversão Pastoral Buenos Aires Argentina 26 a 30 de outubro de 2009 Encuentro sobre Mision Continental y Conversão Pastoral Buenos Aires Argentina 26 a 30 de outubro de 2009 Conversão Pastoral e Missão continental O Departamento Mission e espiritualidade do Celam na busca

Leia mais

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS Infância/Adolescencia MISSÃO MISSÃO. Palavra muito usada entre nós É encargo, incumbência Missão é todo apostolado da Igreja. Tudo o que a Igreja faz e qualquer campo.

Leia mais

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO?

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? A palavra Concílio significa assembleia reunida por convocação e, na Igreja, um concílio sempre teve como objetivo discutir, definir e deliberar sobre questões de

Leia mais

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção?

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção? MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Espiritualidade e profecia são duas palavras inseparáveis. Só os que se deixam possuir pelo espírito de Deus são capazes de plantar sementes do amanhã e renovar a face da terra. Todo

Leia mais

Ministério da. Catequese. Programas. livreto_catequese.indd 1 19/12/13 17:18

Ministério da. Catequese. Programas. livreto_catequese.indd 1 19/12/13 17:18 Ministério da Catequese Programas Pastorais 1 livreto_catequese.indd 1 19/12/13 17:18 2 livreto_catequese.indd 2 19/12/13 17:18 Apresentação Um dos valores institucionais da Rede Marista é a audácia, que

Leia mais

Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015

Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015 Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015 Introdução: Educar na fé, para a paz, a justiça e a caridade Este ano a Igreja no Brasil está envolvida em dois projetos interligados: a lembrança

Leia mais

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas José Eduardo Borges de Pinho Ecumenismo: Situação e perspectivas U n i v e r s i d a d e C a t ó l i c a E d i t o r a L I S B O A 2 0 1 1 Índice Introdução 11 Capítulo Um O que é o ecumenismo? 15 Sentido

Leia mais

CATEQUESE COMO INICIAÇÃO À EUCARISTIA

CATEQUESE COMO INICIAÇÃO À EUCARISTIA CATEQUESE COMO INICIAÇÃO À EUCARISTIA PE. GREGÓRIO LUTZ Certamente o título deste artigo não causa estranheza à grande maioria dos leitores da Revista de Liturgia. Mas mesmo assim me parece conveniente

Leia mais

CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS

CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS Apresentação A JUVENTUDE MERECE ATENÇÃO ESPECIAL A Igreja Católica no Brasil diz que é preciso: Evangelizar, a partir de Jesus Cristo,

Leia mais

Prof. Ms. Pe. Antônio Almir Magalhães de Oliveira*

Prof. Ms. Pe. Antônio Almir Magalhães de Oliveira* FACULDADE CATÓLICA DE FORATLEZA (SEMINÁRIO DA PRAINHA) X SEMANA TEOLÓGICA 15 a 18 setembro 2009 LEITURA TEOLÓGICO-PASTORAL DO PAINEL APRESENTADO A situação atual da catequese no Brasil e no Ceará Prof.

Leia mais

Congregação dos Sagrados Estigmas de Nosso Senhor Jesus Cristo A INTEGRAÇÃO DA PASTORAL VOCACIONAL COM A CATEQUESE

Congregação dos Sagrados Estigmas de Nosso Senhor Jesus Cristo A INTEGRAÇÃO DA PASTORAL VOCACIONAL COM A CATEQUESE Congregação dos Sagrados Estigmas de Nosso Senhor Jesus Cristo 1 o Curso por Correspondência às Equipes Vocacionais Paroquiais SEXTO TEMA: A INTEGRAÇÃO DA PASTORAL VOCACIONAL COM A CATEQUESE E A PASTORAL

Leia mais

O que é Catequese? Paróquia Santo Cristo dos Milagres Fonseca Niterói RJ Pastoral da Comunicação

O que é Catequese? Paróquia Santo Cristo dos Milagres Fonseca Niterói RJ Pastoral da Comunicação Paróquia Santo Cristo dos Milagres Fonseca Niterói RJ Pastoral da Comunicação contato@paroquiasantocristodosmilagres.org O que é Catequese? Segundo a exortação apostólica Catechesi Tradendae do Papa João

Leia mais

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA Estudo 104 CNBB ASPECTOS GERAIS DO DOCUMENTO PERSPECTIVAS PASTORAIS TEXTOS BASES DESAFIOS FUNÇÕES DA PARÓQUIA PERSPECTIVA TEOLÓGICA MÍSTICA DO DOCUMENTO PERSPECTIVA

Leia mais

Carta Pastoral 2013-2014

Carta Pastoral 2013-2014 Carta Pastoral 2013-2014 O Sínodo Diocesano. Em Comunhão para a Missão: participar e testemunhar Estamos no momento decisivo do Sínodo da nossa diocese de Viseu. Pela sua importância, para o presente e

Leia mais

Marista e Vaticano II: Eles não têm mais vinho? Márcio L. de Oliveira

Marista e Vaticano II: Eles não têm mais vinho? Márcio L. de Oliveira Marista e Vaticano II: Eles não têm mais vinho? Márcio L. de Oliveira 1. Celebrar e (Re) Pensar Ensina-nos a contar os nossos dias, para que venhamos a ter um coração sábio (Sl 90,12). As palavras do salmista

Leia mais

Pastoral da Comunicação Diálogo entre fé e cultura

Pastoral da Comunicação Diálogo entre fé e cultura BOAS VINDAS! Pastoral da Comunicação Diálogo entre fé e cultura Bodas de Ouro da comunicação Miranda Prorsus, Pio XII, 1957 Fonte: Pastoral da Comunicação, diálogo entre fé e cultura, Puntel/Corazza, Paulinas-Sepac,

Leia mais

As Conferências Episcopais Latino-Americanas têm o mesmo DNA do Concílio Vaticano II 1 O Concílio Vaticano II

As Conferências Episcopais Latino-Americanas têm o mesmo DNA do Concílio Vaticano II 1 O Concílio Vaticano II 1 As Conferências Episcopais Latino-Americanas têm o mesmo DNA do Concílio Vaticano II 1 O Concílio Vaticano II O Concílio Vaticano II (11.10.1962-08.12.1965) é considerado por Teólogos, Religiosos e especialistas

Leia mais

FACULDADE MISSIONEIRA DO PARANÁ

FACULDADE MISSIONEIRA DO PARANÁ CURSO DE EXTENSÃO EM TEOLOGIA PARA LEIGOS A FAMIPAR tem como objetivo promover e criar cursos de Teologia, apropriado para atender leigos e religiosos, em vista dos ministérios diversos. O presente Curso

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 065-PROEC/UNICENTRO, DE 25 DE ABRIL DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº 065-PROEC/UNICENTRO, DE 25 DE ABRIL DE 2011. RESOLUÇÃO Nº 065-PROEC/UNICENTRO, DE 25 DE ABRIL DE 2011. Aprova a continuidade do Projeto de Extensão Escola de Teologia para leigos Nossa Senhora das Graças, na modalidade de Curso de Extensão, na categoria

Leia mais

3º Congresso Vocacional do Brasil Contagem regressiva

3º Congresso Vocacional do Brasil Contagem regressiva III CONGRESSO VOCACIONAL DO BRASIL Tema: Discípulos missionários a serviço das vocações Lema: Indaiatuba, Itaici, 03 a 07 de setembro de 2010 3º Congresso Vocacional do Brasil Contagem regressiva Ângelo

Leia mais

Apresentamos as partilhas que enriqueceram o nosso Seminário Nacional de Iniciação Cristã.

Apresentamos as partilhas que enriqueceram o nosso Seminário Nacional de Iniciação Cristã. Apresentamos as partilhas que enriqueceram o nosso Seminário Nacional de Iniciação Cristã. Na sexta-feira, pela manhã, foi a vez do Nordeste 3 - Aracaju - com sua experiência de iniciação à vida cristã

Leia mais

20ª Hora Santa Missionária

20ª Hora Santa Missionária 20ª Hora Santa Missionária Tema: Missão é Servir Lema: Quem quiser ser o primeiro seja servo de todos Preparação do ambiente: cartaz do Mês missionário, Bíblia e fitas nas cores dos continentes, cruz e

Leia mais

A Apostolicidade da Fé

A Apostolicidade da Fé EMBARGO ATÉ ÀS 18H30M DO DIA 10 DE MARÇO DE 2013 A Apostolicidade da Fé Catequese do 4º Domingo da Quaresma Sé Patriarcal, 10 de Março de 2013 1. A fé da Igreja recebemo-la dos Apóstolos de Jesus. A eles

Leia mais

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...!

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! Quem procura acha. Módulo 2 Etapa 3 Nem sempre acha o

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

DISCÍPULOS E SERVIDORES DA PALAVRA DE DEUS NA MISSÃO DA IGREJA

DISCÍPULOS E SERVIDORES DA PALAVRA DE DEUS NA MISSÃO DA IGREJA DISCÍPULOS E SERVIDORES DA PALAVRA DE DEUS NA MISSÃO DA IGREJA DEUS SE REVELA Revelação é o diálogo entre Deus e seus filhos, cuja iniciativa vem de Deus (8). A Palavra de Deus não se revela somente para

Leia mais

São Paulo, Ano I, n. 01, jan./abr. de 2014 ISSN 2358-0224. Podemos falar de ética nas práticas de consumo?

São Paulo, Ano I, n. 01, jan./abr. de 2014 ISSN 2358-0224. Podemos falar de ética nas práticas de consumo? São Paulo, Ano I, n. 01, jan./abr. de 2014 ISSN 2358-0224 9 772358 022003 Podemos falar de ética nas práticas de consumo? São Paulo, Ano I, n. 01, jan./abr. de 2014 164 A teologia católica e a ética no

Leia mais

SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL

SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL 1 Ivocação ao Espirito Santo (oração ou canto) 2- Súplica inicial. (Em 2 coros: H- homens; M- mulheres) H - Procuramos para a Igreja/ cristãos

Leia mais

TESTEMUNHAS. atores e destinatários do projeto catequese/família

TESTEMUNHAS. atores e destinatários do projeto catequese/família TESTEMUNHAS atores e destinatários do projeto catequese/família Os testemunhos partilhados foram recolhidos a partir de um pequeno questionário realizado, no mês de maio de 2012, junto das famílias dos

Leia mais

SER LIVRE E SER FELIZ Encontros com adolescentes e jovens

SER LIVRE E SER FELIZ Encontros com adolescentes e jovens SER LIVRE E SER FELIZ Encontros com adolescentes e jovens Coleção Catequese Permanente Roteiros para encontros PRÉ-EVANGELIZAÇÃO com crianças de 5 a 7 anos Volume 1: Conhecendo Jesus Volume 2: Seguindo

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

ESCOPO GERAL. - Resultado da 52ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) -Aparecida/SP30deabrila9de maio de 2014.

ESCOPO GERAL. - Resultado da 52ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) -Aparecida/SP30deabrila9de maio de 2014. ESCOPO GERAL - Resultado da 52ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) -Aparecida/SP30deabrila9de maio de 2014. - Composição: 1) Apresentação de Dom Leonardo Steiner. 2) Introdução.

Leia mais

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA Nestes últimos anos tem-se falado em Catequese Renovada e muitos pontos positivos contribuíram para que ela assim fosse chamada. Percebemos que algumas propostas

Leia mais

Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação. Projeto Paroquial da Pastoral da Comunicação

Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação. Projeto Paroquial da Pastoral da Comunicação Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação Projeto Paroquial da Pastoral da Comunicação 2 Barra do Choça, 11 de abril de 2015. 1. Contextualização O Projeto Nacional da Pastoral da Comunicação Pascom,

Leia mais

Paróquia, torna-te o que tu és!

Paróquia, torna-te o que tu és! Paróquia, torna-te o que tu és! Dom Milton Kenan Júnior Bispo Aux. de S. Paulo. Vigário Episcopal para Reg. Brasilândia Numa leitura rápida da Carta Pastoral de Dom Odilo, nosso Cardeal Arcebispo, à Arquidiocese

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

O RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS: UM INSTRUMENTO PARA A TRANSMISSÃO DA FÉ

O RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS: UM INSTRUMENTO PARA A TRANSMISSÃO DA FÉ O RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS: UM INSTRUMENTO PARA A TRANSMISSÃO DA FÉ Pe. Thiago Henrique Monteiro Muito adultos convertem-se a Cristo e à Igreja Católica. Por exemplo, neste ano, nas dioceses

Leia mais

DIA DE ORAÇÃO PELA JMJ RIO2013

DIA DE ORAÇÃO PELA JMJ RIO2013 ROTEIRO PARA O DIA DE ORAÇÃO PELA JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE RIO2013 Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude - CNBB CANTO DE ENTRADA (Canto a escolha) (Este momento de oração pode ser associado

Leia mais

O mais importante na prática da devolução do dízimo não é com o quanto se participa. Mas como se participa.

O mais importante na prática da devolução do dízimo não é com o quanto se participa. Mas como se participa. Dízimo e a catequese Abril 2011 Silma Pontes silmapontes8@hotmail.com Paróquia da Glória - Acolhida O contingente de catequistas voluntários de nossa paróquia é expressivo. Vinte e quatro (24) fieis formadores,

Leia mais

V CONFERÊNCIA GERAL DO EPISCOPADO LATINO-AMERICANO. 1. As Conferências Gerais

V CONFERÊNCIA GERAL DO EPISCOPADO LATINO-AMERICANO. 1. As Conferências Gerais V CONFERÊNCIA GERAL DO EPISCOPADO LATINO-AMERICANO 1. As Conferências Gerais Há 50 anos, em 1955, foi realizada a primeira Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano (CfG), no Rio de Janeiro. Naquela

Leia mais

Processo de Iniciação na RCC. Renovação Carismática Católica do Brasil RCC BRASIL

Processo de Iniciação na RCC. Renovação Carismática Católica do Brasil RCC BRASIL MINISTÉRIO DE FORMAÇÃO Processo de Iniciação na RCC Renovação Carismática Católica do Brasil RCC BRASIL Conceito Por Iniciação Cristã se entende o processo pelo qual alguém é incorporado ao mistério de

Leia mais

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida.

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida. LITURGIA DA PALAVRA A Palavra de Deus proclamada e celebrada - na Missa - nas Celebrações dos Sacramentos (Batismo, Crisma, Matrimônio...) A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa

Leia mais

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga SUMÁRIO Introdução... 11 A história da Igreja e sua problemática... 17 A. Alguns pressupostos e indicações básicos antes de começar o caminho... 17 Trata-se de um ramo da ciência histórica ou da ciência

Leia mais

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana 93 ISSN - 1517-7807 9!BLF@FB:VWOOUWoYdZh outubro 2013 Que a saúde se difunda sobre a terra Escatologia e Exercícios Espirituais Pedro Arrupe, homem de Deus 1

Leia mais

(Contemporânea) 23 Teologia Moral I (Fundamentos) 04 60 - - 04 60 24 Teologia da Espiritualidade 04 60 - - 04 60

(Contemporânea) 23 Teologia Moral I (Fundamentos) 04 60 - - 04 60 24 Teologia da Espiritualidade 04 60 - - 04 60 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE TEOLOGIA Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 Fase Cód. Disciplina I II III IV Pré Req. Carga Horária

Leia mais

PROGRAMA PAROQUIAL DE PASTORAL 2009/2010

PROGRAMA PAROQUIAL DE PASTORAL 2009/2010 PROGRAMA PAROQUIAL DE PASTORAL 2009/2010 Ao iniciar o novo ano de pastoral paroquial, aceitamos o desafio que nos é feito de continuarmos a nossa caminhada de cristãos atentos aos desafios de Deus e do

Leia mais

Módulo I O que é a Catequese?

Módulo I O que é a Catequese? Módulo I O que é a Catequese? Diocese de Aveiro Objectivos Tomar consciência da nossa prática concreta de catequese. Confrontar essa experiência com a forma de agir de Jesus Cristo. Situar a catequese

Leia mais

A distinção de Ensino Religioso e Catequese Lurdes Fátima Polidoro Robson Stigar

A distinção de Ensino Religioso e Catequese Lurdes Fátima Polidoro Robson Stigar A distinção de Ensino Religioso e Catequese Lurdes Fátima Polidoro Robson Stigar Introdução Pretendemos apresentar neste artigo algumas ideias sobre a diferença da disciplina Ensino Religioso (ER) da tradicional

Leia mais

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS 1 TEXTO BÍBLICO - Lucas 6,12-19 (Fazer uma Oração ao Espírito Santo, ler o texto bíblico, fazer um momento de meditação, refletindo sobre os três verbos do texto

Leia mais

Escola de Evangelização Palavra Viva

Escola de Evangelização Palavra Viva Escola de Evangelização Palavra Viva Cursos Ordinários FORMAÇÃO ESPIRITUAL 1. Células História do método de evangelização por células Meios de fazer Frutos do método no mundo 2. Concílio Vaticano II Introdução

Leia mais

RIIAL. Rede Informática da Igreja na América Latina Santiago do Chile Abril 2013

RIIAL. Rede Informática da Igreja na América Latina Santiago do Chile Abril 2013 RIIAL Rede Informática da Igreja na América Latina Santiago do Chile Abril 2013 Organismos Promotores: Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais Conselho Episcopal Latinoamericano Introdução Capítulo

Leia mais

Assembléia dos Bispos Regional Sul 1 junho/julho 2010 Aparecida, SP

Assembléia dos Bispos Regional Sul 1 junho/julho 2010 Aparecida, SP Assembléia dos Bispos Regional Sul 1 junho/julho 2010 Aparecida, SP A MISSÃO CONTINENTAL A V Conferência recordando o mandato de ir e fazer discípulos (Mt 28,20) deseja despertar a Igreja na América Latina

Leia mais

Catecumenato Uma Experiência de Fé

Catecumenato Uma Experiência de Fé Catecumenato Uma Experiência de Fé APRESENTAÇÃO PARA A 45ª ASSEMBLÉIA DA CNBB (Regional Nordeste 2) www.catecumenato.com O que é Catecumenato? Catecumenato foi um método catequético da igreja dos primeiros

Leia mais

SEMANA DE FORMAÇÃO TEOLÓGICA PARÓQUIA SANTO ANTONIO Itapira SP

SEMANA DE FORMAÇÃO TEOLÓGICA PARÓQUIA SANTO ANTONIO Itapira SP SEMANA DE FORMAÇÃO TEOLÓGICA PARÓQUIA SANTO ANTONIO Itapira SP CREIO (N)A SANTA IGREJA CATÓLICA I CRER DE MODO ECLESIAL NO CONTEÚDO DA FÉ CRISTÃ. A PROFISSÃO DE FÉ DA IGREJA A FÉ BATISMAL A PROFISSÃO DE

Leia mais

Plano Diocesano da Ação Evangelizadora. Igreja: Casa da Iniciação à Vida Cristã

Plano Diocesano da Ação Evangelizadora. Igreja: Casa da Iniciação à Vida Cristã Plano Diocesano da Ação Evangelizadora 2014 Igreja: Casa da Iniciação à Vida Cristã Diocese de Jundiaí ÍNDICE Igreja: Casa da Iniciação à Vida Cristã Apresentação... 05 Siglas e Abreviaturas... 08 Objetivo

Leia mais

OS DESAFIOS DACOMUNICAÇÃO

OS DESAFIOS DACOMUNICAÇÃO OS DESAFIOS DACOMUNICAÇÃO A contribuição das mídias. Como parte constitutiva da atual ambiência comunicacional, elas tornam-se recursos e ambientes para o crescimento pessoal e social. Constituem-se no

Leia mais

DIRECTÓRIO GERAL DA CATEQUESE - SDCIA/ISCRA -2 Oração inicial Cântico - O Espírito do Senhor está sobre mim; Ele me enviou para anunciar aos pobres o Evangelho do Reino! Textos - Mc.16,15; Mt.28,19-20;

Leia mais

3º EIXO Dízimo TOTAL DIOCESE 943 579 61,3%

3º EIXO Dízimo TOTAL DIOCESE 943 579 61,3% 3º EIXO Dízimo Paróquia/Questionários Distribuídos Devolvidos % Devolv. Miguel Calmon 67 27 40 Piritiba 45 06 13 Tapiramutá 30 19 63 Mundo Novo 20 12 60 Jequitibá 14 10 71 Totais zonal 2 176 74 42% Andaraí

Leia mais

Sugestões Pastorais para a implementação da Iniciação à Vida Cristã

Sugestões Pastorais para a implementação da Iniciação à Vida Cristã Apresentação Ide, pois, fazer discípulos entre todas as nações, e batizai-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ensinai-lhes a observar tudo o que vos tenho ordenado (Mt 28,19-20) Jesus enviou

Leia mais

3.1.1. Primeira Proposta: Fortalecimento da Pastoral Familiar (cf. CNBB - Doc. 79/2004 capo 8)

3.1.1. Primeira Proposta: Fortalecimento da Pastoral Familiar (cf. CNBB - Doc. 79/2004 capo 8) 3.1.1. Primeira Proposta: Fortalecimento da Pastoral Familiar (cf. CNBB - Doc. 79/2004 capo 8) 44. Neste sentido, a nossa 3 a Assembleia Diocesana, realizada no dia 28 de outubro de 2012 na Paróquia de

Leia mais

LEITURA ORANTE DA BÍBLIA. Um encontro com Deus vivo

LEITURA ORANTE DA BÍBLIA. Um encontro com Deus vivo LEITURA ORANTE DA BÍBLIA Um encontro com Deus vivo A quem nós iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. (Jo 6,68) Recordando a história... A leitura orante da Palavra é uma tentativa de responder

Leia mais

Leonardo Ulrich Steiner Bispo Auxiliar de Brasília

Leonardo Ulrich Steiner Bispo Auxiliar de Brasília ANUNCIAR TRANSBORDANDO DE GRATIDÃO E ALEGRIA Ide,... ensinai-lhes a observar tudo o que vos tenho ordenado. (Mt 28,19-20). MÉXICO, 19 11/2013 1. A Igreja existe para evangelizar proclamava o Papa Bento

Leia mais

OS SACRAMENTOS. O que é um Sacramento?

OS SACRAMENTOS. O que é um Sacramento? OS SACRAMENTOS Os sacramentos da nova lei foram instituídos por Cristo e são sete, a saber: o Batismo, a Crisma ou Confirmação, a Eucaristia, a Penitência, a Unção dos Enfermos, a Ordem e o Matrimônio.

Leia mais

Caderno de Estudo: Avaliação 2013) Equipe Dinamizadora do 7º PPO Arquidiocese de Campinas - SP

Caderno de Estudo: Avaliação 2013) Equipe Dinamizadora do 7º PPO Arquidiocese de Campinas - SP Caderno de Estudo: Avaliação 7º Plano de Pastoral Orgânica (20102010-2013) 2013) Equipe Dinamizadora do 7º PPO Arquidiocese de Campinas - SP A p r e s e n t a ç ã o Eu vim, ó Deus, para fazer a Vossa

Leia mais

Acampamentos Católicos

Acampamentos Católicos Acampamentos Católicos O Acampamento Católico é uma nova forma de evangelizar. Utiliza uma metodologia de evangelização nascida na EVANGELIZAÇÃO 2000 (movimento católico da década de 80), como parte de

Leia mais

A PALAVRA DE DEUS É VIVA E EFICAZ

A PALAVRA DE DEUS É VIVA E EFICAZ A PALAVRA DE DEUS É VIVA E EFICAZ Dom Juventino Kestering Pois a Palavra de Deus é viva, eficaz e mais penetrante que qualquer espada de dois gumes. Penetra até dividir alma e espírito, articulações e

Leia mais

NORMATIVAS PASTORAIS PARA A CELEBRAÇÃO DO BATISMO

NORMATIVAS PASTORAIS PARA A CELEBRAÇÃO DO BATISMO DIOCESE DE BRAGANÇA MIRANDA NORMATIVAS PASTORAIS PARA A CELEBRAÇÃO DO BATISMO Para os Párocos e respetivas comunidades Cristãs, especialmente para os Pais e para os Padrinhos 2012 1 A ESCLARECIMENTO PRÉVIO

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

ESCOLA CATEQUÉTICA EIXOS TEMÁTICOS

ESCOLA CATEQUÉTICA EIXOS TEMÁTICOS ESCOLA CATEQUÉTICA EIXOS TEMÁTICOS Quando falamos de eixos temáticos temos que levar em consideração mais do que a divisão dos conteúdos teóricos a serem oferecidos aos catequistas, mas a vocação catequética

Leia mais

Papa Bento XVI visita o Brasil

Papa Bento XVI visita o Brasil Papa Bento XVI visita o Brasil Análise Segurança Fernando Maia 23 de maio de 2007 Papa Bento XVI visita o Brasil Análise Segurança Fernando Maia 23 de maio de 2007 No período de 09 a 13 de maio, o Papa

Leia mais

Relatório da Pastoral da Juventude do Brasil 13 o Encontro Latino Americano de Responsáveis Nacionais

Relatório da Pastoral da Juventude do Brasil 13 o Encontro Latino Americano de Responsáveis Nacionais Instrumento de Consulta Conferência Nacional dos Bispos do Brasil Setor Juventude Pastoral da Juventude do Brasil Relatório da Pastoral da Juventude do Brasil 13 o Encontro Latino Americano de Responsáveis

Leia mais

A CATEQUESE AO SERVIÇO DA INICIAÇÃO CRISTÃ

A CATEQUESE AO SERVIÇO DA INICIAÇÃO CRISTÃ A CATEQUESE AO SERVIÇO DA INICIAÇÃO CRISTÃ 1. O primeiro elemento a destacar é o facto de a catequese de iniciação, como toda a catequese, ser um acto de tradição viva, iniciação ordenada à revelação que

Leia mais

Apresentação. (Solicitação do saudoso Santo Padre o Beato João Paulo II)

Apresentação. (Solicitação do saudoso Santo Padre o Beato João Paulo II) Apresentação A Renovação Carismática Católica do Estado do Piauí, movimento eclesial da Igreja Católica, tem por objetivo proporcionar às pessoas uma experiência concreta com Jesus Cristo, através do Batismo

Leia mais

MISSA DE ABERTURA DA CATEQUESE

MISSA DE ABERTURA DA CATEQUESE MISSA DE ABERTURA DA CATEQUESE XXV domingo do tempo comum 23/09/2012 Igreja de Cedofeita ENTRADA Eu vi meu Deus e Senhor, aleluia, aleluia. Cantai ao amor, cantai, aleluia, aleluia. ADMONIÇÃO DE ENTRADA

Leia mais

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Copyright 2009 por Marcos Paulo Ferreira Eliézer dos Santos Magalhães Aridna Bahr Todos os direitos em língua portuguesa reservados por: A. D. Santos Editora Al. Júlia da Costa, 215 80410-070 - Curitiba

Leia mais

5.1. A QUESTÃO ECUMÊNICA HOJE

5.1. A QUESTÃO ECUMÊNICA HOJE 5.1. A QUESTÃO ECUMÊNICA HOJE José Bizon dcj@casadareconciliacao.com.br 1. RESUMO E OBJETIVO Resumo O ecumenismo é parte integrante da ação evangelizadora. De acordo com o Decreto Unitatis redintegratio,

Leia mais

A Exortação Apostólica Verbum Domini

A Exortação Apostólica Verbum Domini A Exortação Apostólica Verbum Domini Texto escrito por Cássio Murilo Dias da Silva 1, em janeiro de 2011. Informação de copyright: Este texto pode ser utilizado para fins educacionais e não comerciais.

Leia mais

CRIANÇAS E ADOLESCENTES MISSIONÁRIOS NA CARIDADE

CRIANÇAS E ADOLESCENTES MISSIONÁRIOS NA CARIDADE Vicente de Paulo dizia: "Que coisa boa, sem igual, praticar a Caridade. Praticá-la é o mesmo que praticar todas as virtudes juntas. É como trabalhar junto com Jesus e cooperar com ele na salvação e no

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE REVITALIZAÇÃO DA PASTORAL JUVENIL LEVANTAMENTO DE DADOS - 8 LINHAS DE AÇÃO

ENCONTRO NACIONAL DE REVITALIZAÇÃO DA PASTORAL JUVENIL LEVANTAMENTO DE DADOS - 8 LINHAS DE AÇÃO ENCONTRO NACIONAL DE REVITALIZAÇÃO DA PASTORAL JUVENIL LEVANTAMENTO DE DADOS - 8 LINHAS DE AÇÃO QUANDO COMEÇA? Em maio de 2012 Reunião de Brasília Grupo dos referenciais regionais À luz das Diretrizes

Leia mais

Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento

Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento A palavra Bíblia deriva do grego: ta biblía; plural de: ton biblíon. E significa "livros" Logo descobrimos que a Bíblia é uma coleção de livros! Nós, cristãos,

Leia mais

PASTORAL É O HOJE DA IGREJA

PASTORAL É O HOJE DA IGREJA PASTORAL É O HOJE DA IGREJA As mudanças sociais são desafios à Evangelização. A atualização da mensagem cristã nas diversas realidades e em diferentes tempos fez surgir a Pastoral. Hoje em nossas paróquias

Leia mais

COLÉGIO AGOSTINIANO SÃO JOSÉ PASTORAL EDUCATIVA REUNIÃO DE PAIS E CATEQUISTAS 09 DE FEVEREIRO DE 2010

COLÉGIO AGOSTINIANO SÃO JOSÉ PASTORAL EDUCATIVA REUNIÃO DE PAIS E CATEQUISTAS 09 DE FEVEREIRO DE 2010 COLÉGIO AGOSTINIANO SÃO JOSÉ PASTORAL EDUCATIVA REUNIÃO DE PAIS E CATEQUISTAS 09 DE FEVEREIRO DE 2010 ORAÇÃO DE ABERTURA CANTO (REPOUSAR EM TI) Música de Tânia Pelegrino baseada na obra Confissões, de

Leia mais

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Carta Pastoral dirigida às igrejas da diocese de Rotemburgo-Estugarda na Quaresma Pascal de 2015 Bispo Sr. Dr.

Leia mais

FORMAÇÃO DE LIDERANÇAS E ASSESSORESCAMINHOS DE ESPERANÇA

FORMAÇÃO DE LIDERANÇAS E ASSESSORESCAMINHOS DE ESPERANÇA FORMAÇÃO DE LIDERANÇAS E ASSESSORESCAMINHOS DE ESPERANÇA A beleza de ser um eterno aprendiz. (Gonzaguinha) Por que pensar em formação de lideranças e assessores? A Pastoral da Juventude busca potencializar

Leia mais

RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA DO BRASIL MINISTÉRIO JOVEM NÚCLEO PREGADORES COMO PREGAR PARA JOVENS

RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA DO BRASIL MINISTÉRIO JOVEM NÚCLEO PREGADORES COMO PREGAR PARA JOVENS RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA DO BRASIL MINISTÉRIO JOVEM NÚCLEO PREGADORES COMO PREGAR PARA JOVENS - Esta formação não substitui em hipótese nenhuma a formação de pregadores do ministério de pregação,

Leia mais

REUNIÃO DE LIDERANÇAS

REUNIÃO DE LIDERANÇAS REUNIÃO DE LIDERANÇAS 08/02/2015 PAUTA: 1) Oração Inicial 2) Abertura 3) Apresentação de 03 dimensões de Ação Pastoral para o ano de 2015 4) Plenária / Definições 5) Oração Final 6) Retirada de Materiais

Leia mais

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia.

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia. EUCARISTIA GESTO DO AMOR DE DEUS Fazer memória é recordar fatos passados que animam o tempo presente em rumo a um futuro melhor. O povo de Deus sempre procurou recordar os grandes fatos do passado para

Leia mais

Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida. Permanece conosco

Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida. Permanece conosco Notícias de Família Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida 06 JUNHO 2014 Permanece conosco Vivemos dias de graça, verdadeiro Kairós com a Celebração

Leia mais

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA Antes da Solene celebração, entregar a lembrança do centenário No Final terá um momento de envio onde cada pessoa reassumirá a missão. O sinal deste momento será a colocação

Leia mais

ANIMAÇÃO BÍBLICA DA VIDA E DA PASTORAL 1

ANIMAÇÃO BÍBLICA DA VIDA E DA PASTORAL 1 ANIMAÇÃO BÍBLICA DA VIDA E DA PASTORAL 1 APRESENTAÇÃO GERAL Com o presente texto, em forma de síntese (resumo), desejamos introduzir o tema pastoral que envolverá nossa diocese durante o ano de 2015. As

Leia mais

Dom Vilson Dias de Oliveira, DC Bispo Diocesano de Limeira

Dom Vilson Dias de Oliveira, DC Bispo Diocesano de Limeira Dom Vilson Dias de Oliveira, DC Bispo Diocesano de Limeira (Vídeo) Quando negativas se fazem sentir, principalmente, na família e na educação. A Igreja já tem enfatizado a importância deste complexo fenômeno

Leia mais