O DESAFIO DA DIDÁTICA NUM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O DESAFIO DA DIDÁTICA NUM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO"

Transcrição

1 O DESAFIO DA DIDÁTICA NUM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO Guerra, Miriam Darlete Seade Docente da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - Brasil Doutoranda pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Brasil Este texto é um relato do objeto de pesquisa de doutorado que está sendo realizado na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo e tem como objetivo refletir sobre a experiência vivida na disciplina Didática no Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia dentro de um Programa Interinstitucional de Formação de Professores em Serviço, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Campus de Aquidauana (CEUA), Brasil, que, apesar de ter suas especificidades, é vinculado a um contexto mais amplo, tanto político, quanto econômico e social. O Curso de Pedagogia do Programa Interinstitucional foi criado em 1999, em resposta às exigências da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) nº 9394/96, sendo um curso de nível superior, com a duração de quatro anos, que atendia em torno de 240 professores habilitados em nível médio que atuam na educação infantil, no ensino fundamental e médio do Estado de Mato Grosso do Sul. O referido curso acontece em etapas nos meses de janeiro, fevereiro, julho e nos feriados da semana santa e nos de outubro. Nesses períodos os alunos têm atividades presenciais com uma carga de 10 horas/aula por dia, no Campus de Aquidauana, cumprindo se, assim, 70% da carga horária de cada disciplina. Os outros 30% são complementados com leituras adicionais e elaboração de trabalhos, o que poderia ser caracterizada como uma fase continuada de formação ou talvez como atividade de ensino orientada à distância. Essa experiência torna-se relevante para a discussão sobre a formação de professores no Brasil, sobretudo com os desdobramentos da promulgação da LDB nº 9394/96, e principalmente como se deu essa formação na disciplina Didática, assumindo - a como disciplina que discute e se preocupa com a formação docente, num movimento de formação de professores reflexivos - movimento que valoriza os profissionais como construtores de saberes a partir de suas práticas docentes, confrontados com os conhecimentos teóricos sobre essas. (PIMENTA, 2000, p. 15)

2 2 Portanto, o objeto de reflexão deste artigo compreende duas turmas de 70 alunos cada uma, formada pelos professores da cidade de Nioaque, estado de Mato Grosso do Sul, que cursam o referido programa de formação de professores em serviço. Segundo informações da Secretaria Municipal de Educação essa clientela é composta de servidores atuantes em sala de aula (informação obtida no Projeto de implantação do curso). Em 2000 e 2001 lecionei a disciplina Didática I, e no ano de 2002, Didática II. Portanto, proponho aqui uma reflexão de minha prática sobre o processo de trabalho. Entendendo que naquele momento professora e alunos foram autores e atores de um mesmo trabalho ainda que tenhamos vivenciado situações e tarefas diferentes. Porém vou procurar sempre buscar um afastamento que se faz necessário para uma avaliação crítica da experiência vivida. Para a reconstituição e análise dessa experiência me servirei de: a)planos de ensino e propostas (plano) de curso apresentado às turmas; b)anotações feitas durante as aulas no CEUA; c)recorrerei sempre que possível à memória; d) Trabalhos produzidos pelos alunos nas aulas e nas atividades extra classe; trabalhos que reuni e que chamarei aqui de documentos (doc.): - Doc. 01 Refere se ao trabalho sobre a Concepção de Didática. Nele pedi aos alunos que, em grupo, me respondessem às seguintes questões: O que você entende por didática? O que você espera dessa disciplina? - Doc. 02 Refere se ao trabalho Reflexão da Prática. Nele os alunos - professores responderam: Para quem eu ensino? Por que eu ensino? Por que eu ensino como eu ensino? - Doc. 03 Refere se ao esboço do Projeto Político Pedagógico elaborado na Didática II; e) Em cada etapa que trabalhei com eles, foi coletada uma auto-avaliação: - das aulas, se os temas abordados foram importantes, se ele enquanto aluno e enquanto profissional, cresceu, o que gostaria de acrescentar e/ou salientar; - da professora; dele no processo de ensino, qual o seu aproveitamento, como era antes e como é hoje; uma avaliação do curso, relatando o que está bom e o que está ruim, o que poderia ser modificado e foi e o que ainda não foi, em que ele contribui para que possa melhorar a prática docente. Para tanto este texto apresentará dois momentos distintos e interrelacionados, que são: no primeiro momento o relato de como se deu essa experiência específica vivida por mim e por um grupo de alunos - professores, e, em seguida, procurarei fazer uma síntese provisória, com uma reflexão dessa experiência vivida procurando apontar as possibilidades da disciplina Didática num curso de formação de professores em serviço.

3 3 Ao assumir em outubro de 2000 a disciplina Didática I, pude perceber como o curso se torna imprescindível para a clientela à qual ele se destinava, uma vez que trabalha com professores em serviço, com uma história de vida marcada por muita luta, principalmente da luta pela igualdade de condições. Muitos deles são índios e moradores dos diferentes assentamentos da região, que lecionam para índios e assentados pelo movimento de reforma agrária, e, que tiveram impossibilidades de realizar sua formação profissional em nível superior. Nessa realidade, talvez mais do que em qualquer outra, é preciso pensar no trabalho do professor como um espaço de mediação no processo de constituição da cidadania dos alunos; é preciso buscar uma formação que leve o professor a discutir as condições concretas da instituição escolar buscando superar o fracasso e as desigualdades sociais. Para isso ele contribuirá com seus saberes, seus valores e suas competências; é preciso que a proposta de formação se fundamente na concepção sócio histórica de educador, naquele educador comprometido com a construção da consciência crítica sobre os determinantes sociais, econômicos e culturais que afetam a educação e o seu trabalho, na direção de sua superação para uma sociedade mais justa e igualitária. (ANFOPE, 1999, p. 05) Por isso no momento da formação não se pode deixar de levar em conta as necessidades específicas daquelas comunidades os assentamentos e as aldeias indígenas da região -, para tanto é preciso dotar os professores de perspectivas de análise que os ajudem a compreender os contextos históricos, sociais, culturais e organizacionais nos quais se dá o seu trabalho docente, e mais, é necessário prepara-los para fazer uma intervenção na prática pedagógica que promova uma transformação, no sentido de se garantir uma escola democrática, igualitária e justa para todos. Com isto pretendo (re)afirmar a importância do contexto sócio, político e econômico na formação de professores, o que não significa que estou jogando para um segundo plano as questões técnicas, como se elas não existissem. É evidente que as questões técnicas existem e que precisam ser levadas em conta, paralelamente às questões sociais, políticas e econômicas do ensino, sem detrimento nem de uma, nem de outra. Dessa forma procurei realizar um trabalho na disciplina Didática mais crítico e acurado ao analisar a relação que se estabelece entre escola - sociedade vista a partir da organização do trabalho, do processo de produção numa sociedade capitalista, sendo a

4 4 partir desse ponto que pretendo entender e analisar com maior clareza como se deu um curso de Didática para alunos que na prática já são professores, uma vez que entendo estarmos vivendo um intenso processo de globalização, em que a sociedade é uma totalidade complexa e contraditória, envolvendo nações, economias, povos e culturas, sob a égide do neoliberalismo que predomina hoje como corrente político teórica e ideológica, articulando todo o mundo contemporâneo. Ao elaborar o meu plano de trabalho para a disciplina, muitos questionamentos surgiram, como por exemplo: Afinal qual é ou qual deveria ser a contribuição da didática num curso de formação de professores com uma enorme diversidade cultural e, de certa forma, beirando a exclusão em sua própria sociedade, esta também sempre empurrada em direção à exclusão ou marginalização no mundo globalizado em constante transformação, apresentando sempre novos desafios? Qual o significado devemos dar à Didática num curso em que a sua clientela se viu e se vê na condição de expropriação e exploração de uma sociedade de classes e portanto, discriminatória, injusta e anti democrática? Será que nessa situação temos condição de fazer com que a Didática cumpra o papel e o compromisso de colaborar para a construção de um ensino emancipatório, através da formação de professores que busquem um processo de democratização social e cultural de nossas escolas.? (PIMENTA, 2000, p. 12) Quando fui convidada para ministrar aulas de Didática no curso já tinha como pressuposto de que a Didática deveria servir de reflexão à prática pedagógica, no sentido de procurar transforma-la em busca de uma educação emancipatória. Uma concepção que procurei deixar claro para os alunos desde o primeiro contato. Sabendo que eram professores entendi que esse pressuposto poderia e deveria ser concretizado na disciplina, tomando como paradigma a formação do professor reflexivo. Esta concepção também fazia parte da expectativa dos alunos, ou a apreenderam da minha fala inicial - que a Didática deve servir para a reflexão da prática uma vez que eram todos professores -, pois no trabalho sobre Concepção de Didática (Doc.01) eles escrevem: Esperamos que esta disciplina possa nos capacitar, para adquirirmos novos conhecimentos, partindo das experiências de cada um, visto que estamos em uma sala onde todos estão envolvidos com a educação... Naquele momento estava percebendo que a Didática enquanto disciplina que tem como objeto de estudo o processo de ensino escolar, deveria entender esse ensino como prática social, inclusive educacional, portanto, é uma área de conhecimento que

5 5 deve estar atrelada às necessidades e problemas que essa prática educacional coloca, e que um trabalho dentro dessa perspectiva deveria tomar a prática pedagógica dos professores em formação como ponto de partida para a construção de novos conhecimentos sobre o ensino e como ponto de chegada para o desenvolvimento desses saberes construídos: As novas concepções de didática estão emergindo da investigação sobre o ensino enquanto prática social viva; nos contextos sociais e institucionais nos quais ocorrem. Ou seja, a partir das sistematizações e explicações da prática pedagógica. Esse movimento tem sido possibilitado, também, pelo desenvolvimento das investigações qualitativas em educação (...) O desafio posto a essas abordagens é o de construir categorias explicativas (teorizar) das realidades de ensino, que permitam estabelecer seus nexos teóricos mais amplos... (PIMENTA, 2000a, p.21) A Didática I foi uma disciplina ministrada na 2ª série do curso, com uma carga horária de 136 horas/aulas, divididas em 2 etapas, cuja ementa era: Abordagem histórica da Didática; Pressupostos teóricos; O processo de Ensino e a Aprendizagem; A formação e o papel do educador; Relação entre educação e sociedade. Apesar de não estar na ementa trabalhei com eles Avaliação e Interdisciplinariedade. A disciplina tinha como objetivos: 1) Proporcionar aos acadêmicos a percepção e compreensão reflexiva e crítica das situações didáticas no seu contexto histórico e social; 2) Adquirir conhecimentos teóricos metodológicos que possibilitem a compreensão do papel da Didática, sua natureza e seus elementos constitutivos. No primeiro dia de aula, logo após as apresentações pedi a eles que respondessem espontaneamente e em grupo, pois eu queria saber o que eles pensavam; não iria avalia-los no sentido de atribuir uma nota, e me entregassem as seguintes questões: O que você entende por Didática? O que você espera dessa disciplina? Eu queria partir da concepção deles de Didática, queria explorar essa concepção. Depois da aula li todas as respostas e em outro momento foi retomado esse questionário. Nesse momento pude perceber que muitos entendiam a Didática como técnica. Esperavam aprender receitas de como ensinar bem : Na parte educacional, esta disciplina dará suporte para que os profissionais em educação consigam estudar diversas técnicas e pó-lás em prática de forma a obter sucesso em seus resultados de forma segura e consciente. (Doc. 01). Concepção esta que foi se modificando com o transcorrer do curso conforme pudemos perceber na segunda etapa deste trabalho.

6 6 Depois disso apresentei o meu plano de curso explicando que ousei fazer um planejamento mesmo sem conhecer a turma, apenas com as informações recebidas pela coordenação do programa, mas que estava aberta a sugestões e faria modificações se fosse necessário e se julgasse pertinente. Lemos o poema Muletas, de Bertold Brecht e pedi para que falassem que mensagens poderíamos tirar dele. Muitos fizeram colocações e na maioria interpretaram como uma lição, para nós professores, que ficamos acomodados no nosso dia a dia, fazendo as coisas sempre iguais, com medo de quebrarmos a muleta e sairmos andando com as próprias pernas, não buscando a nossa autonomia dentro da sala de aula, não transgredindo regras. Alguns entendiam que o curso de Pedagogia que estavam cursando fazia o papel do médico que quebrou as muletas. Algumas vezes de forma dócil, outras com crueldade, pois levava a que muitas convicções fossem jogadas por terra, surgindo outras novas ou nem tão novas, mas enfim suscitava a reflexão (conforme observações registradas durante as aulas). Discutimos o programa, como faríamos para dar conta dele e como seria a avaliação. Dei alguns esclarecimentos tirando as dúvidas, principalmente com relação à avaliação que incluía a apresentação de um seminário, pois era a primeira vez que fariam esse tipo de trabalho. Como não propuseram nenhuma modificação segui em frente com o que já havia planejado. Em seguida discuti com eles porque a educação é um fenômeno e um processo social; qual é a função ou tarefa da escola pública democrática. No período da tarde o trabalho se deu em grupo buscando refletir sobre os fundamentos humanos da Didática, os seus pressupostos e a sua relação com a Pedagogia. O segundo dia começou com a retomada das questões que eles haviam respondido no dia anterior: : O que você entende por Didática? O que você espera dessa disciplina? Eu devolvi as suas folhas de respostas com os meus comentários escritos. Fizemos uma discussão a respeito do significado da Didática e pedi que agora eles reescrevessem as respostas. E aí pude perceber como as concepções já começavam a mudar: Esperamos melhorar nossa prática pedagógica, refletindo sobre a mesma na troca de experiência com os demais colegas (Doc. 01). Continuei com a minha proposta de trabalho. No momento em que o conteúdo a ser trabalhado era o processo de ensino tínhamos como objetivos a serem alcançados naquela aula a percepção/compreensão do processo de ensino

7 7 aprendizagem como objeto de estudo da Didática; a identificação das características do processo de ensino e aprendizagem; a discussão dos processos que permeiam a atividade cotidiana de ensino dos alunos-professores. Creio que este foi o momento em que começamos a nos aproximar da prática pedagógica dos professores em formação. A dinâmica utilizada nesse dia era toda voltada para a reflexão da prática. A sala se dividiu em duplas e se posicionaram de costas um para o outro. Um dos sujeitos da dupla estava com um desenho basicamente formado por figuras geométricas (eram dois tipos de figura), o outro estava com uma folha de sulfite em branco e um lápis. O dono do desenho deveria descrever o mais fielmente possível a figura que tinha em mãos e o outro deveria desenhá-la (sem olhar). Para isso tiveram 15 minutos. Depois criaram um mural com os desenhos feitos e tendo como centro (referencial) o desenho original. Todos se espantaram com as figuras e o desvio, ou não, do original. Em seguida fez se a discussão: Eu ensinei? Como eu ensinei? Por que ele não entendeu? Procuramos transferir esse questionamento para as nossas salas de aula. Surgiu uma discussão rica e o passo seguinte foi ler o texto : O Pedagogo E A Didática (REZENDE, 1979). Fizemos a discussão do texto e das sensações deixadas, para então fazermos uma reflexão coletiva da prática pedagógica: em grupo os alunos professores elaboraram um texto, levando em conta as situações concretas vivenciadas no cotidiano deles, respondendo às questões à eles postas. Foram os seguintes os textos elaborados: 1)Para quem eu ensino? 2) Por que eu ensino? Para os alunos da escola pública que residem na aldeia e têm uma cultura própria./ Esses alunos são de baixa renda, pois os pais não tem poder aquisitivo suficiente para suprir as necessidades essenciais de seus filhos./ A comunidade Indígena como um todo, enfrentam dificuldades pois não há estrutura adequada em relação ao transporte, moradia, alimentação, saneamento básico, saúde e educação. Seja na escola ou fora dela, precisamos ensinar os alunos a serem criativos, críticos e conscientes da realidade onde vive. (Doc. 02) 3) Por que eu ensino como eu ensino? Ensino porque minha comunidade precisa de subsídios que os faça refletir sobre sua atual situação. E, porque me realizo como profissional./ E como todo trabalho, tem a finalidade também de suprir minhas necessidades. (Doc. 02)

8 8 1º Por não obter conhecimentos profundos sobre o conteúdo/ 2º Aprendemos e reproduzimos uma relação vertical/ 3º Passivos e alienados. Não formula critérios, não pesquisa a dimensão de vida de cada aluno, com isso só reproduzo aquilo que me é imposto desde planejamento até a aula prática. (Doc. 02) Dando continuidade ao programa procurei caracterizar melhor o processo de ensino; identificando os fatores que podem interferir nesse processo; busquei também estabelecer as diferenças entre a concepção de ensino como simples transmissão de conhecimentos e a concepção de ensino voltada para a cidadania; procurei resgatar a relação entre a didática e as outras ciências da educação e com as metodologias de ensino. Um outro momento importante foi dedicado ao estudo da sala de aula. Para isso utilizamos o livro Sala de Aula que espaço é esse? (MORAIS, 1991) Este foi um momento para a reflexão e produção coletiva desse espaço denominado: a sala de aula. Dividimos a sala em grupos e cada um leu um artigo do livro. Todos os grupos leram, discutiram o texto, relacionaram com as suas salas de aula, elaboraram outro texto e fizeram uma apresentação utilizando a criatividade. A segunda etapa da Didática I começou com a reflexão do poema de Thiago de Mello Não, não tenho caminho novo/ O que tenho de novo é o jeito de caminhar,/ aprendi (o caminho me ensinou) a caminhar,/ cantando como convém a mim e aos que vão comigo/ pois já não sou mais sozinho - e se constituiu pela apresentação dos seminários que foram organizados durante o período dedicado às atividades extra classe. Como o conteúdo a ser trabalhado era Didática e as Tendências Pedagógicas, os temas foram: - Tendência pedagógica tradicional; - Escolanovista; - Tecnicista; - Libertadora; Crítico social. Tivemos alguns momentos de reflexão e síntese: reflexão sobre os assuntos discutidos e sobre a nossa própria prática; síntese das discussões teóricas e práticas. Todos os grupos tiveram que fazer a correlação das tendências apresentadas com as suas salas de aula. A Didática II tinha uma carga horária de 90 horas/aulas e o seguinte programa: 1 O que é Planejamento Escolar/ 2 Os tipos de Planejamento/ 3 Planejamento Participativo/ 4 A Pedagogia de Projetos. Começo com o poema de Clarice Lispector: Mude, mas comece devagar,/ porque a direção é mais importante que a velocidade.[...] Veja o mundo de outras perspectivas.[...] Não faça do hábito um estilo de vida./ [...] Tente o novo todo dia./ [...] Se você não encontrar razões para ser livre,/ invente-as./ Seja criativo.[...]

9 9 Você certamente conhecerá coisas melhores e coisas piores do que as já conhecidas,/ mas não é isso o que importa./ O mais importante é a mudança,/ o movimento, o dinamismo, a energia./ Só o que está morto não muda!/ Repito por pura alegria de viver:/ a salvação é pelo risco,/ sem o qual a vida não vale a pena!!! Então na proposta de trabalho digo a eles que vou ousar. Ousar exatamente porque conheço essa turma. Então resolvi mudar... Mudar o que? Mudar como? Bem, fazendo uma proposta de trabalho em quê teoria e prática estariam intimamente ligados, onde a prática iria informar a teoria e esta seria alimentada pela prática. Pensei numa estrutura de trabalho onde refletiríamos sobre o processo de planejamento de ensino ao mesmo tempo em que estaríamos elaborando um esboço do projeto político pedagógico de nossas escolas, uma vez que todos teríamos que elabora-lo mesmo e que as escolas estavam ali representadas em sua maioria. Entendo que este foi um momento em que puderam pensar de fato em suas realidades, em suas histórias, em suas lutas. Ao elaborar o projeto político pedagógico de suas escolas, passo a passo,depois de uma explanação teórica sobre os diferentes momentos do processo, refletiam sobre suas próprias vidas escolares num contexto mais amplo, não apenas pedagógico, mas também político, social e cultural. A Educação escolar indígena necessita de reestruturação no processo pedagógico pois a escola que queremos para os indígenas é aquela que lhe de o pleno desenvolvimento de suas capacidades intelectuais transformando-se por meio do ensino em um cidadão autônomo, participativo, crítico, que no futuro possam defender os interesses dos povos terenas, tais como resgate da cultura, preservar as tradições indígenas e reintegração de posse de terra./ Nossa escola deve ser um lugar onde os valores morais são pensados, refletido e não meramente imposto pela sociedade branca... (Doc. 03) Bem, posso encerrar este relato dizendo que a Didática enquanto disciplina num curso de formação de professores tem como possibilidade a reflexão da prática pedagógica dos professores em exercício, buscando transformar essa prática, muitas vezes tradicional, em uma prática emancipatória, onde haja uma educação de qualidade para todos, conseqüentemente, cria a possibilidade para a formação de profissionais críticos, compromissados, competentes e autônomos. Entendendo que o professor é o gestor das situações educativas que se dão em suas salas de aula, portanto, cabe a ele pensar a melhor forma de lidar com a enorme heterogeneidade, diversificação de clientela e, como tal, de conhecimentos com que o docente tem que lidar no seu trabalho.

10 10 Acredito, após a leitura das auto-avaliações realizadas ao final de cada etapa, que os meus alunos incorporam o valor da autonomia do professor em sala de aula depois das reflexões feitas. O trabalho com eles realizado sempre foi permeado pela necessidade de refletir sobre a prática para romper com essa prática. Ao desenvolver a minha pesquisa para o doutorado irei verificar por observação direta de suas práticas pedagógicas atuais se essa ruptura de fato se deu e como ela se deu. Finalmente quero afirmar que em momento algum pensei em negar o valor ou o acesso dos alunos à uma teoria científica já sistematizada e elaborada sobre a prática pedagógica, mas que procurei sim fugir... do ensino normativo da teoria, que dita fórmulas fixas de atuação docente, para situações de ensino que são únicas, peculiares, imprevisíveis, mutantes de ano para ano, de escola para escola, de sala de aula para sala de aula. (PENTEADO, 2003, p. 5). Procurei sim trabalhar com a teoria emancipatória aquela...que é ensinada como lentes de leitura das diferentes e múltiplas situações de ensino reais com que se deparam os professores no seu cotidiano (ibid., p. 5) REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS - ANFOPE, Boletim [da], Encarte Especial, nº 11, agosto de MORAIS, Régis de. (org.) Sala de aula: que espaço é esse? 5ª ed. Campinas, SP: Papirus, PENTEADO, Heloisa Dupas. Formação Docente: um processo simultâneo de ensino/aprendizagem e de trabalho. Palestra proferida em aula inaugural da FE. UFPel. Digitado, PIMENTA, Selma Garrido. (org) Didática e formação de professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. 3. ed. São Paulo: Cortez, , Selma Garrido. Para uma re-significação da diática ciências da educação, pedagogia e didática (uma revisão conceitual e uma síntese provisória) in PIMENTA, Selma Garrido. (org) Didática e formação de professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2000a. - REZENDE, Antônio M. de (org.) Iniciação teórica e prática às ciências da educação. Petrópolis: Vozes, 1979.

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE Lilian Kemmer Chimentão Resumo O presente estudo tem como objetivo a compreensão do significado e da importância da formação continuada docente para o exercício

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Maristela Aparecida Fagherazzi UDESC Ana Maria Ribeiro Universidade de Santiago de Compostela/Espanha

Maristela Aparecida Fagherazzi UDESC Ana Maria Ribeiro Universidade de Santiago de Compostela/Espanha TRAJETÓRIA DA PRODUÇÃO E APLICAÇÃO DO MATERIAL IMPRESSO E AUDIOVISUAL DE DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA À DISTÂNCIA DA UDESC Maristela Aparecida Fagherazzi UDESC Ana Maria Ribeiro

Leia mais

ÁREA INFORMÁ TICA CURSO LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO

ÁREA INFORMÁ TICA CURSO LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS CAMPUS PORTO NACIONAL Av. Tocantins, Loteamento Mãe Dedé, Porto

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Vera Lúcia Lúcio Petronzelli Colegiado do Curso de Matemática UNIOESTE- Campus de Cascavel vlpetronzelli@certto.com.br ALFABETIZAÇÃO e EDUCAÇÃO MATEMÁTICA:

Leia mais

A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL

A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL Rita Melissa Lepre RESUMO: Neste breve artigo relataremos um extrato de uma pesquisa realizada com educadoras infantis que teve como tema as contribuições

Leia mais

Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB

Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB 1 Breve histórico Carlos Charalambe Panagiotidis 1 Em 4 de março de 2002, o Diário Oficial da União

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO.

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. 1 FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Autora: MERLI, Angélica de Almeida - UNINOVE - angel.almeida@uninove.edu.br

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 1 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM CURSOS

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS 1 FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima Universidade Estadual de Goiás e Universidade Federal de Goiás Juliana Guimarães

Leia mais

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA Rose Madalena Pereira da Silva Prof. da Educação Básica e Pós graduanda em Educação e Novas Tecnologias Sara Ingrid Borba Mestra em

Leia mais

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Ana Paula Loureiro Cunha, PUCPR Eliani de Souza Arruda, PUCPR Marilda Aparecida Behrens,

Leia mais

Apresentação das pesquisas

Apresentação das pesquisas 1 A EDUCAÇÃO DE ADOLESCENTES, JOVENS E ADULTOS NA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA - A PROPOSTA: A ESCOLA, O PROFESSOR E O ALUNO GOMES, Dinorá de Castro UCG gomes.diza@gmail.com COSTA, Cláudia Borges

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 62-CEPE/UNICENTRO, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. Aprova o Curso de Especialização em Gestão Escolar, modalidade regular, da UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO:

Leia mais

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO PEDAGOGO 01. Um pedagogo que tem como pressuposto, em sua prática pedagógica, a concepção de que o aluno é o centro do processo e que cabe ao professor se esforçar para despertar-lhe a atenção e a curiosidade,

Leia mais

A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196

A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196 A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196 Introdução O presente estudo tem por objetivo refletir sobre o ensino da didática, inspirado no pensamento de Paulo Freire, no contexto

Leia mais

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura. RESOLUÇÃO Nº 04/2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

O ESTADO DA ARTE DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO A PARTIR DA DECADA DE 1990

O ESTADO DA ARTE DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO A PARTIR DA DECADA DE 1990 O ESTADO DA ARTE DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO A PARTIR DA DECADA DE 1990 BATISTA, Keila Cristina (UNIOESTE) ZANARDINI, Isaura Monica Souza (Orientadora/UNIOESTE) Pelas leituras realizadas para a elaboração

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA Disciplina: ESTÁGIO I Carga Horária: 90h Teórica: Prática: 80h Semestre: 2013.2 Professora: Claudia Mara Soares

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÃO DO PIBID

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÃO DO PIBID A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÃO DO PIBID Daniela Glícea Oliveira da Silva Pedagogia/PIBID/FAFIDAM/UECE Aline da Silva Freitas Pedagogia/PIBID/FAFIDAM/UECE Maria Auricelia

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: PAPEIS E ATORES

FORMAÇÃO CONTINUADA: PAPEIS E ATORES FORMAÇÃO CONTINUADA: PAPEIS E ATORES Shuellen Cristina Pereira da Silva (Pedagogia/UFPI/Parnaíba/shuellencristina@gmail.com) Marcos Junio Lira Silva (Pedagogia/UFPI/Parnaíba/marcos-junio100@hotmail.com)

Leia mais

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA Autor - Juliana ALVES - IFTM 1 Coautor - Andriza ASSUNÇÃO IFTM 2 Coautor - Aparecida Maria VALLE IFTM 3 Coautor - Carla Alessandra NASCIMENTO

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA SOCIOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO CRÍTICO

A CONTRIBUIÇÃO DA SOCIOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO CRÍTICO 1 A CONTRIBUIÇÃO DA SOCIOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO CRÍTICO Sandra Maria Mattar RESUMO Esta pesquisa tem por objetivo analisar a contribuição da Sociologia na formação do pedagogo, considerando-se as

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA: REPRESENTAÇÕES DOS PROFESSORES APLICADOS AOS SABERES NO COTIDIANO ESCOLAR PARA O ENSINO MÉDIO. Resumo

EDUCAÇÃO FÍSICA: REPRESENTAÇÕES DOS PROFESSORES APLICADOS AOS SABERES NO COTIDIANO ESCOLAR PARA O ENSINO MÉDIO. Resumo EDUCAÇÃO FÍSICA: REPRESENTAÇÕES DOS PROFESSORES APLICADOS AOS SABERES NO COTIDIANO ESCOLAR PARA O ENSINO MÉDIO Marcelo José Taques * Ilma Célia Ribeiro Honorato** Resumo O presente estudo tem como principal

Leia mais

Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya 2

Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya 2 A CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A DANÇA, JOGOS E BRINCADEIRAS NO CONTEXTO ESCOLAR Experiência teórica e prática por meio de um projeto extensionista Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PINTO 1,SIMONE P; VIANNA 2,DEISE M. 1 Programa de Pós Graduação em Ensino de Biociências e Saúde. Instituto Oswaldo Cruz. 2 Instituto de Física. Universidade

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

FILOSOFIA NO ENSINO MÉDIO NOTURNO: UMA REALIDADE A SER VALORIZADA Daniel Silveira 1

FILOSOFIA NO ENSINO MÉDIO NOTURNO: UMA REALIDADE A SER VALORIZADA Daniel Silveira 1 FILOSOFIA NO ENSINO MÉDIO NOTURNO: UMA REALIDADE A SER VALORIZADA Daniel Silveira 1 Resumo: Este trabalho foi desenvolvido com o objetivo de descrevermos as experiências vivenciadas durante o estágio supervisionado

Leia mais

PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado I OBJETIVOS

PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado I OBJETIVOS UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE CAMPUS PETROLINA PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado I Código da Disciplina: Obrigatória: Sim Eletiva: Não Carga Horária Semestral: 90 Número de Créditos: 03 Pré-requisito:

Leia mais

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar Ulisses F. Araújo * * Professor Doutor da Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. 1 Um dos objetivos

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A PRÁTICA DE ENSINO ENQUANTO ELEMENTO DE CONSTRUÇÃO DE SABERES E COMPETÊNCIAS

A PRÁTICA DE ENSINO ENQUANTO ELEMENTO DE CONSTRUÇÃO DE SABERES E COMPETÊNCIAS A PRÁTICA DE ENSINO ENQUANTO ELEMENTO DE CONSTRUÇÃO DE SABERES E COMPETÊNCIAS Racilda Maria Nóbrega Ferreira É plenamente reconhecida a crise instalada no país, em todos os seguimentos educacionais em

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

A PESQUISA COMO PRINCÍPIO FORMATIVO NO CURRÍCULO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPA

A PESQUISA COMO PRINCÍPIO FORMATIVO NO CURRÍCULO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPA 1 A PESQUISA COMO PRINCÍPIO FORMATIVO NO CURRÍCULO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPA Angélica Cristina Bitar Miranda (UFPA) GT 02 Formação de Professores O curso de Pedagogia foi instituído no Brasil em 1939

Leia mais

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento FORMAÇÃO CONTINUADA NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA EXPERIÊNCIA EM CURITIBA Maio/2007 Eloina de Fátima Gomes dos Santos Prefeitura Municipal de Curitiba eloinas@curitiba.org.br Cíntia Caldonazo

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS: ANÁLISE PRELIMINAR DE EXPECTATIVAS REVELADAS

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS: ANÁLISE PRELIMINAR DE EXPECTATIVAS REVELADAS FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS: ANÁLISE PRELIMINAR DE EXPECTATIVAS REVELADAS Resumo Diante do conhecimento de condições propiciadas no período de formação inicial de professores, faz-se

Leia mais

Desafios e vantagens da Educação a distância para uma aprendizagem significativa na Universidade

Desafios e vantagens da Educação a distância para uma aprendizagem significativa na Universidade Desafios e vantagens da Educação a distância para uma aprendizagem significativa na Universidade José Walter Fagundes de Souza Filho RESUMO Conhecer e analisar fatores que interferem de forma positiva

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

Projeto de Inclusão Social : alunos-monitor uma parceria no exercício da cidadania

Projeto de Inclusão Social : alunos-monitor uma parceria no exercício da cidadania Projeto de Inclusão Social : alunos-monitor uma parceria no exercício da cidadania Grace Cristine Batista da Silva seduc professor Solange Maria da Silva seduc pedagoga gc73mat@yahoo.com.br Introdução

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: REFLEXÕES DE UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: REFLEXÕES DE UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: REFLEXÕES DE UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Grasiela Zimmer Vogt 1 Cineri Fachin Moraes 2 Resumo Este artigo apresenta um olhar reflexivo sobre a construção coletiva do Projeto Político-Pedagógico

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática

X Encontro Nacional de Educação Matemática PESQUISA-AÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Autor: Maristela Alves Silva Projeto Observatório da Educação- UFSCar-SP maristelamarcos@hotmail.com Resumo: Este texto se reporta

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA Telma Aparecida de Souza Gracias Faculdade de Tecnologia Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP telmag@ft.unicamp.br

Leia mais

XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL COMUNICAÇÃO SUBTEMA: QUESTÕES DIDÁTICO-PEDAGÓGICAS A MATEMÁTICA

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado II

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado II UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado II Obrigatória: Sim Código da Disciplina: Carga Horária Semestral: 90 Número de Créditos: 03 Eletiva: Não Pré-requisito: Profa:

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Flávia Sueli Fabiani Marcatto Universidade Estadual Paulista - Unesp - Rio Claro

Leia mais

Curso de Especialização Gestão Educacional 5ª Edição

Curso de Especialização Gestão Educacional 5ª Edição Curso de Especialização Gestão Educacional 5ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Gestão Educacional e organização do trabalho pedagógico pressupostos teórico - metodológicos Alberto Albuquerque Gomes Total

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA I DA JUSTIFICATIVA PROJETOS DE ENSINO O cenário educacional atual tem colocado aos professores, de modo geral, uma série de desafios que, a cada ano, se expandem em termos de quantidade e de complexidade.

Leia mais

O Programa de Desenvolvimento Educacional e suas Interfaces

O Programa de Desenvolvimento Educacional e suas Interfaces 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS

FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS Thyanna Silva dos Passos (Graduada/UFRB) Resumo Este trabalho tem como objetivo analisar a formação de professores e sua atuação na sala

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria

Leia mais

O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA

O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA Maio de 2008 Marina Caprio Faculdade Interativa COC marinacaprio@coc.com.br Karen Bortoloti Faculdade Interativa COC bortoloti@coc.com.br Categoria

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

O processo de planejamento participativo da unidade escolar

O processo de planejamento participativo da unidade escolar O processo de planejamento participativo da unidade escolar Pedro GANZELI 1 Resumo: Nos últimos anos, com o avanço das políticas educacionais que postulam a descentralização, a gestão da unidade escolar

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais