Gestão e controlo dos custos num hospital público Como o conseguir?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão e controlo dos custos num hospital público Como o conseguir?"

Transcrição

1 Gestão e controlo dos custos num hospital público Como o conseguir? Hospital Infante D. Pedro Aveiro Presidente: Prof Doutor Francisco Pimentel SIAS (Serviço de Informática e Análise de Sistemas) César Telmo Costa

2 CUSTO DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL

3 PARADIGMA DO CENTRO DE CUSTO ORIENTADO TRADICIONALMENTE PARA UM RESPONSÁVEL PELA DESPESA RELATIVAMENTE POUCO SOFISTICADO NA OBTENÇÃO DOS SOMATÓRIOS APENAS INTEGRADO COM A CONTABILIDADE GERAL O CC RECEBE DADOS DOS SUB-SISTEMAS DE: RECURSOS HUMANOS APROVISIONAMENTO FARMÁCIA, ETC INTERNAMENT O Medicina, Cardiologia, etc CONSULTA Cirurgia, Reumatologia, etc BLOCO Urologia, ORL, etc

4 PARADIGMA DO CENTRO DE CUSTO APÓS REDISTRIBUIÇÃO POR CRITÉRIOS DISCUTÍVEIS DE CUSTOS INDIRECTOS OBTÉM-SE CUSTOS MÉDIOS POR UNIDADE DE PRODUÇÃO: CUSTO POR DOENTE INTERNADO CUSTO POR CONSULTA (PRIMEIRA, SUBSEQUENTE) CUSTO POR INTERVENÇÃO CIRÚRGICA ESTES SÃO INDICADORES MUITO GROSSEIROSE DISTANTES DA REALIDADEQUE SE PODERIA OBTER A PARTIR DOS OBJECTOS DA PRODUÇÃO NÃO PARECE A METODOLOGIA ADEQUADA ÀÉPOCA E REALIDADE ACTUAL!

5 ABORDAGEM ACTIVITY BASED COSTING METODOLOGIA MAIS CONSISTENTE PODE SUBSTITUIR OS Centros de Custo ORIENTADA PARA A PROCURA DE ACTIVIDADES AO LONGO DOS PROCESSOS EXPERIÊNCIA CONHECIDA BASEIA-SE INEVITAVELMENTE NAS MESMAS GRANDES ÁREAS DOS CENTROS DE CUSTO: PROCESSOS DO INTERNAMENTO E CUSTO DAS ACTIVIDADES PROCESSOS DA CONSULTA, IDEM A DESCOBERTA E ANÁLISE DAS ACTIVIDADES ESTÁCENTRADA NAS LINHAS DE PRODUÇÃO HOSPITALOCÊNTRICAS PODERIA ESTAR FOCADA NOS AGLOMERADOS REAIS DA PRODUÇÃO QUE É CENTRADA NO DOENTE

6 ABORDAGEM DOS OBJECTOS DO NEGÓCIO A grande Questão é: O QUE ÉQUE REALMENTE CUSTA DINHEIRO? A CONSULTA E O INTERNAMENTO OU O PROCESSO DE CHEGADA AO DIAGNÓSTICO? DESDE QUE UM DE NÓS CONTACTA O MÉDICO DE FAMÍLIA, É CONDUZIDO PARA UM ESPECIALISTA NO HOSPITAL, CONSOME ANÁLISES, RX, ETC DEPOIS DAMOS INICIO A UMA TERAPÊUTICA ESSA DECISÃO VEM A SER CONTROLADA PERIODICAMENTE EM CICLOS DE DIAGNÓSTICO/ACERTO DA TERAPÊUTICA? CONSULTA OU INTERNAMENTO OU URGÊNCIA SÃO LOCAIS E/OU MODALIDADES DE CHEGADA A DIAGNÓSTICO PARA INSTITUIÇÃO DE TERAPÊUTICAS

7 Exemplo de Alguns Objectos Custeáveis ENTIDADES CLINICAS evidenciam * sao caracterizam evidenciam tem CAUSAS tem 1..* -designacao : char -evidencia de causalidade : boolean[forte,boa] -modificavel : char[s,n,poss] apresentam ACHADOS CLINICOS +registar soap() 0..* 1 DIAGNOSTICOS (PACOTES::CENARIOS CLI... -sistema codificacao -codigo -designacao * MANIFESTACOES CLINICAS 1..* ANAMNESE SINAIS -nomenclatura : string SINTOMAS -nomenclatura : string MEIOS COMPLEMENTARES DIAGNOSTICO Abordagem SOAP Sintomas; Observação; Análise; Plano IMAGIOLOGICOS LABORATORIAIS IMAGENS (PACOTES::CENA * 0..* RELATORIOS (PACOTES::CENA... -texto : string HUMANOS AUTOMATICOS

8 Exemplo prático da despistagem dos possíveis diagnósticos clínicos. ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL (PACOTES::CENARIOS CLINICOS::PATOLOGI... HEMORRAGIA INTRA-CRANIANA -fisiopatologia especifica : char -causas : char -observacao e historia : char -avaliacao imagiologica : char -avaliacao laboratorial : char +contagem(codigo : char) : int ISQUEMIA-ENFARTE CEREBRAL -fisiopatologia especifica : char -causas : char -observacao e historia : char -avaliacao imagiologica : char -avaliacao laboratorial : char +contagem(codigo : char) : int SUBARACNOIDEIA INTRACEREBRAL OCLUSÃO EMBÓLICA OCLUSÃO TROMBÓTICA CARDIOGÉNICA ARTÉRIA PARA ARTÉRIA

9 As Conclusões CÁLCULO DE CUSTOS DOS PROCESSOS DE DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICA DESAFIOS REGRAS DRIVERS CONCENTRA OS CUSTOS DOS RECURSOS HUMANOS CONCENTRA NUM SÓPONTO TODOS OS CUSTOS POR DOENTE: FARMÁCIA, CONSUMO CLÍNICO CONCENTRA NUM SÓPONTO TODOS OS OBJECTOS DE PRODUÇÃO HOSPITALAR POR DOENTE

10 Obrigado

VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES

VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES APRESENTAÇÃO FUNCIONALIDADES VANTAGENS E CARACTERÍSTICAS MÓDULOS COMPLEMENTARES UNIDADES HOSPITALARES O VITA HIS CARE Unidades Hospitalares é um sistema de informação

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI APDSI Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de Hoje SESSÃO

Leia mais

2009/2010 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DE ANESTESIA

2009/2010 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DE ANESTESIA 2009/2010 COMISSÃO CIENTÍFICA Celínia Antunes Cristina Baião Fernanda Príncipe Henrique Dias Jorge Coelho José Alberto Martins José David Ferreira Marcos Pacheco Nuno Tavares Lopes Paulo Amorim Paulo Figueiredo

Leia mais

Tecnologias de Computadores. Trabalho elaborado por: João Christophe Batista nº 23043 Ricardo Monteiro nº 26455 Telmo Lopes nº 27656

Tecnologias de Computadores. Trabalho elaborado por: João Christophe Batista nº 23043 Ricardo Monteiro nº 26455 Telmo Lopes nº 27656 Tecnologias de Computadores Trabalho elaborado por: João Christophe Batista nº 23043 Ricardo Monteiro nº 26455 Telmo Lopes nº 27656 Este tema suscita interesse na medida em que a medicina é um dos principais

Leia mais

hospital de dia oncológico

hospital de dia oncológico guia do chtmad nota introdutória Sempre a pensar em si e para que possa beneficiar na totalidade de todos os nossos serviços, apresentam-se algumas informações que se consideram ser do seu interesse. Lembramos

Leia mais

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal FO L H E TO F EC H A D O : FO R M ATO D L ( 2 2 0 x 1 1 0 m m ) FO L H E TO : C A PA Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Leia mais

Processo Clínico. O próximo passo

Processo Clínico. O próximo passo Processo Clínico Electrónico: O próximo passo Sumário 1. Saúde: Uma Realidade Complexa 2. Implementação de SI na Saúde 2.1. Uma estratégia conjunta 2.2. Benefícios, constrangimentos e, desafios 3. Processo

Leia mais

O Papel dos Protocolos Clínicos e das Recomendações Terapêuticas na Gestão Hospitalar

O Papel dos Protocolos Clínicos e das Recomendações Terapêuticas na Gestão Hospitalar O Papel dos Protocolos Clínicos e das Recomendações Terapêuticas na Gestão Hospitalar Piedade Ferreira/Rute Reis Infarmed 26 Outubro 2006 Objectivos 2006 Controlo do consumo de medicamentos Milhares Euros

Leia mais

Para a Categoria Funcional de Nível Superior, nas seguintes áreas/especialidades:

Para a Categoria Funcional de Nível Superior, nas seguintes áreas/especialidades: Vagas e requisitos Para a Categoria Funcional de Nível Superior, nas seguintes áreas/especialidades: Áreas/Especialidades Vagas Pré-Requisitos Análises Clínicas (Biologia) 01 a) Formação Superior Completa

Leia mais

Escola Superior de Saúde Os sistemas de informação e os meios complementares de diagnóstico

Escola Superior de Saúde Os sistemas de informação e os meios complementares de diagnóstico Escola Superior de Saúde Os sistemas de informação e os meios complementares de diagnóstico Divisão de Informática - António Cardoso Martins (informatica@hal.min-saude.pt) 1 O Hospital Amato Lusitano Castelo

Leia mais

Acidente Vascular Cerebral Isquêmico - AVCI. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

Acidente Vascular Cerebral Isquêmico - AVCI. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Acidente Vascular Cerebral Isquêmico - AVCI Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Acidente Vascular Cerebral Terceira causa de morte nos EUA. Todos os anos 600 mil americanos tem um AVC sendo que 85% são

Leia mais

Normas de cuidados para as pessoas com osteoartrite

Normas de cuidados para as pessoas com osteoartrite Tradução para: Feita por: E mail: 1 1 2 3 4 Normas de cuidados para as pessoas com osteoartrite As pessoas com sintomas de OA devem ter acesso a um profissional de saúde competente para fazer um diagnóstico

Leia mais

RETIFICAÇÃO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO HOSPITAL METROPOLITANO DOUTOR CÉLIO DE CASTRO EDITAL Nº 08/2014

RETIFICAÇÃO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO HOSPITAL METROPOLITANO DOUTOR CÉLIO DE CASTRO EDITAL Nº 08/2014 RETIFICAÇÃO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO HOSPITAL METROPOLITANO DOUTOR CÉLIO DE CASTRO EDITAL Nº 08/2014 O Secretário Municipal Adjunto de Recursos Humanos, no uso de suas atribuições legais, comunica as alterações

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO FINAL DA SELEÇÃO PÚBLICA PARA ADMISSÃO DE MÉDICOS COMO COOPERADOS NA UNIMED JUIZ DE FORA 01/2012

CLASSIFICAÇÃO FINAL DA SELEÇÃO PÚBLICA PARA ADMISSÃO DE MÉDICOS COMO COOPERADOS NA UNIMED JUIZ DE FORA 01/2012 34288 Acupuntura 59 aprovado 3 45210 Alergia e Imunologia 56,5 aprovado 5 42926 Anestesiologia 62,5 aprovado 48867 Anestesiologia 60,5 aprovado 48235 Anestesiologia 59 aprovado 9 48302 Anestesiologia 56

Leia mais

SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Da Prescrição à Administração do Medicamento Sofia Valongo Serviços Farmacêuticos 26-09-2015 OBJETIVO 2 Descrever o papel do Farmacêutico na implementação

Leia mais

Guia de Cliente Cartão de Saúde

Guia de Cliente Cartão de Saúde 1 Índice O Cartão de Saúde para todas as necessidades da sua família Modalidades disponíveis Cartão de Saúde Base Cartão de Saúde Oral Cartão de Saúde Maternal Cartão de Saúde Pleno Como utilizar o meu

Leia mais

Estágio Opcional em Anestesia Fora do Bloco Operatório

Estágio Opcional em Anestesia Fora do Bloco Operatório Estágio Opcional em Anestesia Fora do Bloco Operatório Serviço de Anestesiologia Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra José Pedro Alves Ribeiro Coordenação Assistente Graduado do Centro Hospitalar

Leia mais

Dia Europeu do ENFERMEIRO PERIOPERATÓRIO BLOCO OPERATÓRIO CENTRAL

Dia Europeu do ENFERMEIRO PERIOPERATÓRIO BLOCO OPERATÓRIO CENTRAL ACOLHIMENTO DO UTENTE NO BLOCO OPERATÓRIO É REALIZADO POR UM ENFERMEIRO CUJO PRINCIPAL OBJECTIVO É TRANSMITIR SEGURANÇA AO UTENTE, ESCLARECER AS SUAS DÚVIDAS E RECEIOS DE MODO A QUE ESTE SE SINTA SEGURO

Leia mais

Carta dos Direitos de Acesso aos Cuidados de Saúde pelos utentes do Serviço Nacional de Saúde

Carta dos Direitos de Acesso aos Cuidados de Saúde pelos utentes do Serviço Nacional de Saúde DECRETO N.º145/X Carta dos Direitos de Acesso aos Cuidados de Saúde pelos utentes do Serviço Nacional de Saúde A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição,

Leia mais

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI Nº./ X CARTA DOS DIREITOS DE ACESSO AOS CUIDADOS DE SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE Exposição de motivos A espera por cuidados de saúde é um fenómeno

Leia mais

SEGURO DE SAÚDE ASSP/MULTICARE

SEGURO DE SAÚDE ASSP/MULTICARE SEGURO DE SAÚDE ASSP/MULTICARE Para além da informação geral já indicada (Características e Vantagens, Condições de Adesão, Limites de Idade e Serviço de Apoio ao Cliente), apresenta-se agora informação

Leia mais

Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde de Aveiro

Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde de Aveiro Início do contrato: Maio 2004 Duração: Coordenador: Parceiros: 32 meses Hospital Infante D. Pedro Universidade de Aveiro Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde de Aveiro SUMÁRIO EXECUTIVO Relatório

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÓSTICA GRUPO 13 SUBGRUPO DEZEMBRO 2007 1 A ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÄSTICA CARACTERIZA-SE POR SER EXAME DE ALTA COMPLEXIDADE E ALTO CUSTO, PORTANTO DEVE

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO FUNCIONALIDADES TÉCNICAS INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA OBJECTIVO Dispor de um sistema de informação, que articule

Leia mais

ASSEFAZ FUNDAÇÃO ASSISTENCIAL DOS SERVIDORES DO MINISTÉRIO DA FAZENDA

ASSEFAZ FUNDAÇÃO ASSISTENCIAL DOS SERVIDORES DO MINISTÉRIO DA FAZENDA BARRA DO GARCAS Clínica de Diag. Por Imagens CLINICA RADIOLOGICA DE BARRA DO GARCAS MEDBARRA HOSPITAL E MATERNIDADE Cirurgia da Mão Cirurgia de Cabeça e Pescoço Cirurgia Pediátrica Hemoterapia Mastologia

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA-GERAL

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA-GERAL Circular Normativa Nº 01 Data 12/01/2006 Para conhecimento de todos os serviços e estabelecimentos dependentes do Ministério da Saúde ASSUNO: Regime de trabalho de horário acrescido Critérios. A Circular

Leia mais

XIV. Recursos Humanos ÍNDICE

XIV. Recursos Humanos ÍNDICE XIV Recursos Humanos ÍNDICE SECÇÃO I CONSIDERAÇÕES GERAIS...2 SECÇÃO II ENTIDADE GESTORA DO ESTABELECIMENTO...2 1. Planeamento de Recursos Humanos...2 2. Recrutamento...5 3. Integração e Formação Inicial...6

Leia mais

Relatório Anual sobre o Acesso a Cuidados de Saúde

Relatório Anual sobre o Acesso a Cuidados de Saúde Relatório Anual sobre o Acesso a Cuidados de Saúde Hospital Garcia de Orta, E.P.E 1 31 de Março 2011 SUMÁRIO PREÂMBULO IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE CARECTERIZAÇÃO GERAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO OUTROS ASPECTOS

Leia mais

Dentro da Rede Multicare. 1. Pagamento de Despesas. 2. Marcação de Consulta. 3. Marcação de Tratamento / Exame. 4. Autorização Prévia

Dentro da Rede Multicare. 1. Pagamento de Despesas. 2. Marcação de Consulta. 3. Marcação de Tratamento / Exame. 4. Autorização Prévia Dentro da Multicare O seu seguro Viva Melhor dá-lhe acesso a uma vasta lista de prestigiados médicos, clínicas, laboratórios, de todo o país a custos reduzidos. Pode consultar a lista em www.multicare.pt

Leia mais

28-06-2011. Principais motivações:

28-06-2011. Principais motivações: 1 2 Desde o início de 2009 que o HDES tem equacionado a possibilidade de entrar no mercado do Turismo da Saúde, discutindo internamente a ideia e a possível adesão de profissionais médicos, bem como contactando,

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 1/2014-EBSERH/HUSM-UFSM ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2014. RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS

CONCURSO PÚBLICO 1/2014-EBSERH/HUSM-UFSM ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2014. RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS CONCURSO PÚBLICO 1/2014-EBSERH/HUSM-UFSM ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2014. RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS Código Especialidade Requisitos 801 Médico Alergia

Leia mais

ANEXO I GRUPAMENTO DE GESTÃO TOTAL 07 07 00. 01 01 00 02 40h 7.010,96 7.010,96. 01 01 00 02 40h. 01 01 00 02 40h 7.010,96

ANEXO I GRUPAMENTO DE GESTÃO TOTAL 07 07 00. 01 01 00 02 40h 7.010,96 7.010,96. 01 01 00 02 40h. 01 01 00 02 40h 7.010,96 ANEXO I EDITAL N o 01/2014 ISGH/HMSC Seleção Pública de Provas e Títulos para provimento de cargos do Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar/Hospital e Maternidade do Sertão Central QUADRO DE CARGOS, HABILITAÇÃO

Leia mais

GUIA DE CLIENTE. Activcare PARA SABER TUDO SOBRE O SEU CARTÃO ACTIVCARE

GUIA DE CLIENTE. Activcare PARA SABER TUDO SOBRE O SEU CARTÃO ACTIVCARE Activcare PARA SABER TUDO SOBRE O SEU CARTÃO ACTIVCARE fevereiro/2014 ÍNDICE BEM-VINDO(A) 03 CARTÕES ACTIVCARE 04 MODALIDADES DISPONÍVEIS 04 COMO UTILIZO O MEU CARTÃO ACTIVCARE 05 COMO PAGO OS SERVIÇOS

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INFORMAÇÕES GERAIS 1 - A Residência em Medicina constitui modalidade de ensino de pós-graduação, destinada

Leia mais

A Cardiopneumologia é a Ciência que estuda a função (fisiologia) e estrutura sistemas cardíaco, vascular e respiratório.

A Cardiopneumologia é a Ciência que estuda a função (fisiologia) e estrutura sistemas cardíaco, vascular e respiratório. Licenciatura Cardiopneumologia Descrição A Cardiopneumologia é a Ciência que estuda a função (fisiologia) e estrutura sistemas cardíaco, vascular e respiratório. O Cardiopneumologista é o profissional

Leia mais

Relatório de Análise de Processos e Fluxos de Informação

Relatório de Análise de Processos e Fluxos de Informação Início do contrato: Maio 2004 Duração: Coordenador: Parceiros: 32 meses Hospital Infante D. Pedro Universidade de Aveiro (Responsável por este Documento) Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde

Leia mais

Programa de Formação do Internato Complementar de Medicina Interna aprovado pelo Colégio

Programa de Formação do Internato Complementar de Medicina Interna aprovado pelo Colégio Programa de Formação do Internato Complementar de Medicina Interna aprovado pelo Colégio 1 Duração do internato 60 meses. 2 Definição e âmbito: 2.1 A Medicina Interna ocupa-se da prevenção, diagnóstico

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 4600074 1 100 100 - CIRURGIA GERAL 4600086 2 100 100 - CIRURGIA GERAL 4600489 3 100 100 - CIRURGIA GERAL 4600487 4 100 100 - CIRURGIA GERAL 4600670 5 100 100 - CIRURGIA GERAL 4600415 6 100 100 - CIRURGIA

Leia mais

MAPA ANEXO. Grupos de pessoal Nível Área funcional Carreira Categoria

MAPA ANEXO. Grupos de pessoal Nível Área funcional Carreira Categoria 3464 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 163 17-7-1998 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SAÚDE Portaria n. o 413/98 17 Julho O quadro pessoal do Hospital Sousa Martins

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia Acidente Vascular Cerebral Isquêmico em Crianças, as, Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico na Criança

Leia mais

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Hospitais Públicos P e Privados Elaine Pina O NOME DAS COISAS What s s there in a name? A rose by any other name would smell as sweet William Shakespeare

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 197 11 de outubro de 2013 6085

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 197 11 de outubro de 2013 6085 Diário da República, 1.ª série N.º 197 11 de outubro de 2013 6085 de 25 de maio de 2006, assinado em Moscovo, em 1 de fevereiro de 2007, o qual foi aprovado pelo Decreto do Governo n.º 24/2007, publicado

Leia mais

Caderno de Introdução Bases Dados

Caderno de Introdução Bases Dados José Adriano Adriano@ipb.pt Página 1 Sumário 1. Introdução ao Ambiente de Base de Dados 1.1 Contextualização das Base de Dados 1.2 Noção de Base de Dados 1.3 Características das Bases de Dados 1.4 Objectivos

Leia mais

CLIALL. Sistema Integrado de Gestão de Clínicas

CLIALL. Sistema Integrado de Gestão de Clínicas CLIALL Sistema Integrado de Gestão de Clínicas O cliall é uma aplicação que permite cobrir as necessidades de Gestão e de Manutenção Clínica de uma unidade de saúde. Com o CLIALL é possivel satisfazer

Leia mais

A Entidade Reguladora da Saúde no contexto do Sistema de Saúde

A Entidade Reguladora da Saúde no contexto do Sistema de Saúde A Entidade Reguladora da Saúde no contexto do Sistema de Saúde Jorge Simões 2.ª Conferência Regulação e Inovação, SPQS Porto, 4 de Março de 2011 Outline 1. Regulação Independente da Saúde 2. A Entidade

Leia mais

Oferta Formativa Ano Lectivo 2008/2009. Cursos Profissionais

Oferta Formativa Ano Lectivo 2008/2009. Cursos Profissionais Oferta Formativa Ano Lectivo 2008/2009 Cursos Profissionais O que são cursos profissionais? Os cursos profissionais têm uma duração de 3 anos, proporcionam o desenvolvimento de competências específicas

Leia mais

III CONGRESSO DE TRAUMA DO VALE DO PARAÍBA

III CONGRESSO DE TRAUMA DO VALE DO PARAÍBA TRAUMA 2010 III CONGRESSO DE TRAUMA DO VALE DO PARAÍBA SÃO JOSÉ DOS CAMPOS TRAUMA FAST TRACK ORGANIZAÇÃO DOS CUIDADOS HOSPITALARES URGENTES AO DOENTE TRAUMATIZADO - UMA VIA VERDE PARA O TRAUMA Carlos Mesquita

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 4600074 1 100 100 - CIRURGIA GERAL Convocado 4600086 2 100 100 - CIRURGIA GERAL Convocado 4600489 3 100 100 - CIRURGIA GERAL Convocado 4600487 4 100 100 - CIRURGIA GERAL Convocado 4600670 5 100 100 - CIRURGIA

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1. 60 h. 104 h. 146 h. 72 h 2º SEMESTRE. Carga horária

ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1. 60 h. 104 h. 146 h. 72 h 2º SEMESTRE. Carga horária MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE MEDICINA DE DIAMANTINA - FAMED CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1 MED001 MED002 MED003

Leia mais

Relatório Anual sobre o Acesso a Cuidados de Saúde. Ano de 2014

Relatório Anual sobre o Acesso a Cuidados de Saúde. Ano de 2014 Relatório Anual sobre o Acesso a Cuidados de Saúde 1. Índice 1. ÍNDICE... 2 2. ENQUADRAMENTO... 3 3. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE... 4 4. CARACTERIZAÇÃO GERAL... 5 5. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO... 7 6. OUTROS

Leia mais

Dr. Fernando Ganem Doutor pela Faculdade de Medicina da USP Diretor do Serviço de Pronto-Atendimento do Hospital Sírio-Libanês

Dr. Fernando Ganem Doutor pela Faculdade de Medicina da USP Diretor do Serviço de Pronto-Atendimento do Hospital Sírio-Libanês Coordenação Dr. Fernando Ganem Doutor pela Faculdade de Medicina da USP Diretor do Serviço de Pronto-Atendimento do Hospital Sírio-Libanês Prof. Dr. Augusto Scalabrini Neto Professor Associado pela Faculdade

Leia mais

Programa do Medicamento Hospitalar. Projectos Estratégicos:

Programa do Medicamento Hospitalar. Projectos Estratégicos: Programa do Medicamento Hospitalar Projectos Estratégicos: Boas Práticas na Área do Medicamento Hospitalar; Circuito Integrado do Plano Terapêutico; Comissões de Farmácia e Terapêutica. a. Áreas de intervenção;

Leia mais

Receituário eletrônico: uma mudança de paradigma

Receituário eletrônico: uma mudança de paradigma Inovação, Tecnologia e Operações Receituário eletrônico: uma mudança de paradigma Experiência publica e empresarial em Espanha Eduardo Figueiredo Pensar Global e Agir Local para a Excelência do Varejo

Leia mais

CONVOCATÓRIA PRÉMIO CGC CENTRO GENÉTICA CLÍNICA

CONVOCATÓRIA PRÉMIO CGC CENTRO GENÉTICA CLÍNICA CONVOCATÓRIA PRÉMIO CGC CENTRO GENÉTICA CLÍNICA Prémio CGC Genetics Professor Doutor Amândio Tavares, FWA PRÉMIO CGC Genetics Professor Doutor Amândio Tavares, FWA 1º. Prémio: 5.000 2º. Prémio: 2.000 3º.

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

FLUXO DE AGENDAMENTO CIRÚRGICO. Versão eletrônica atualizada em Março 2009

FLUXO DE AGENDAMENTO CIRÚRGICO. Versão eletrônica atualizada em Março 2009 FLUXO DE AGENDAMENTO CIRÚRGICO Versão eletrônica atualizada em Março 2009 Centro Cirúrgico FLUXO DE AGENDAMENTO CIRÚRGICO INÍCIO Equipe Médica Ligar para ramal 50227 diponibilizando informações para o

Leia mais

Estágios de Verão BESup. GUN Gabinete Universidades

Estágios de Verão BESup. GUN Gabinete Universidades Estágios de Verão BESup Janeiro 2013 Objetivos dos Estágios BESup Participar de forma construtiva na valorização dos Universitários através da criação de valor científico, intelectual e vivencial Detetar

Leia mais

4438 FINEP/CEB/Ultra-Som Diagnóstico 221/2012 Engenheiro

4438 FINEP/CEB/Ultra-Som Diagnóstico 221/2012 Engenheiro Convênios Vigentes 2012 com Órgãos Públicos N.º Convênio 4321 CNPq-SICONV/HEMOCENTRO/INCT do Sangue 169/2012 Biologista 4438 FINEP/CEB/Ultra-Som Diagnóstico 221/2012 Engenheiro 186/2012 Auxiliar de Manutenção

Leia mais

EMERGÊNCIAS MÉDICAS PARA MÉDICOS DENTISTAS CURSO DE 29 30 NOVEMBRO 2013 CENTRO DE SIMULAÇÃO BIOMÉDICA DE COIMBRA

EMERGÊNCIAS MÉDICAS PARA MÉDICOS DENTISTAS CURSO DE 29 30 NOVEMBRO 2013 CENTRO DE SIMULAÇÃO BIOMÉDICA DE COIMBRA CURSO DE EMERGÊNCIAS MÉDICAS PARA MÉDICOS DENTISTAS 29 30 NOVEMBRO 2013 CENTRO DE SIMULAÇÃO BIOMÉDICA DE COIMBRA Atribuição de 1 ECTS pela Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra O CENTRO DE SIMULAÇÃO

Leia mais

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ (ESP-CE) PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO PARA PREENCHIMENTO DOS EMPREGOS PÚBLICOS DE POLICLÍNICAS

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ (ESP-CE) PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO PARA PREENCHIMENTO DOS EMPREGOS PÚBLICOS DE POLICLÍNICAS 2024 003.507.983-54 80.00 (PACAJUS) ENFERMEIRO 2019 004.798.133-45 75.00 (PACAJUS) ENFERMEIRO 2143 600.324.453-42 75.00 (PACAJUS) ENFERMEIRO 2322 884.313.043-91 75.00 (PACAJUS) ENFERMEIRO 2027 631.747.313-72

Leia mais

Regulamento Interno da Clínica Dr. Ruy Puga. Capítulo I Disposições Gerais. Artigo1º Objecto

Regulamento Interno da Clínica Dr. Ruy Puga. Capítulo I Disposições Gerais. Artigo1º Objecto Regulamento Interno da Clínica Dr. Ruy Puga Capítulo I Disposições Gerais Artigo1º Objecto A Clínica Dr. Ruy Puga tem como Objecto prestar cuidados de saúde oftalmológicos aos doentes que a procuram, no

Leia mais

Especialidades Médicas. Questões para todas as especialidades/áreas de atuação

Especialidades Médicas. Questões para todas as especialidades/áreas de atuação DAS PROVAS OBJETIVAS Especialidades Médicas Questões para todas as especialidades/áreas de atuação INGLÊS 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 1 2 3 Prova A A B E D C B D E A C C D E Prova B C E B B A E B C D A A B C

Leia mais

Plano de Saúde - Santa Casa de Santos Relação de Prestadores por Especialidade

Plano de Saúde - Santa Casa de Santos Relação de Prestadores por Especialidade Plano de Saúde - Santa Casa de Santos Relação de Prestadores por Especialidade PAI ASSOCIACAO SANTAMARENSE DE BENEFICENCIA DO GUARUJA / ASSOCIACAO SANTAMARENSE DE QUINTO BERTOLDI 40 VILA MAIA GUARUJA SP

Leia mais

Anos Clínicos na FMUL

Anos Clínicos na FMUL Anos Clínicos na FMUL - Proposta de Reestruturação - Direcção da AEFML, Abril de 2011 pedagogico@aefml.pt 1 de 32 Índice ÍNDICE...2 CONTEXTUALIZAÇÃO...4 A NOSSA PROPOSTA...6 MODELO DE BLOCOS...6 ORGANIZAÇÃO...6

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 06/2015-EBSERH/HC-UFG ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 16 DE JULHO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS

CONCURSO PÚBLICO 06/2015-EBSERH/HC-UFG ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 16 DE JULHO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS CONCURSO PÚBLICO 06/2015-EBSERH/HC-UFG ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 16 DE JULHO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS Código Especialidade Requisitos 004 Médico - Alergia e Imunologia

Leia mais

Agradecimentos: Pia), Miguel Vasconcelos (Hospital Maria Pia), Natália Guerra (Hospital D. Estefânea), Olga

Agradecimentos: Pia), Miguel Vasconcelos (Hospital Maria Pia), Natália Guerra (Hospital D. Estefânea), Olga Plano de Contabilidade Analítica dos Hospitais Título: Plano de Contabilidade Analítica dos Hospitais - 3ª Edição Revisão feita por: Darcilia Maria Rocha Fátima Sofia Barroso Maria Isabel Guerreiro Matilde

Leia mais

Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências Médicas Campo Mártires da Pátria, 130 1169-056 Lisboa Tel.: (..351) 21 880 30 95

Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências Médicas Campo Mártires da Pátria, 130 1169-056 Lisboa Tel.: (..351) 21 880 30 95 Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências Médicas Campo Mártires da Pátria, 130 1169-056 Lisboa Tel.: (..351) 21 880 30 95 bonecada Praça Central. Colombo 27 de abril a 3 de maio Somos estudantes

Leia mais

Sistemas de Informação na Saúde

Sistemas de Informação na Saúde Os Sistemas de Informação na Vanguarda da Reabilitação João Pimenta Centro de Medicina de Reabilitação do Sul Centro de Medicina de Reabilitação do Sul - Caracterização Capacidade Instalada Gabinetes de

Leia mais

Desenvolvimento de indicadores em saúde estado da arte

Desenvolvimento de indicadores em saúde estado da arte Universidade Nova de Lisboa Escola Nacional de Saúde Pública Desenvolvimento de indicadores em saúde estado da arte Carlos Costa Estatística e Qualidade na Saúde 2008 VI Conferência Lisboa, 20 de Novembro

Leia mais

HOSPITAL DAS FORÇAS ARMADAS

HOSPITAL DAS FORÇAS ARMADAS Lista Telefónica HOSPITAL DAS FORÇAS ARMADAS Polo de Lisboa Fev-14 LISTA TELEFÓNICA DO HFAR/PL Central de Atendimento (24 Horas) SERVIÇOS Extensão DDI 508 777 508 729 217519777 Call Center de Marcação

Leia mais

Derrame cerebral Resumo de diretriz NHG M103 (dezembro 2013)

Derrame cerebral Resumo de diretriz NHG M103 (dezembro 2013) Derrame cerebral Resumo de diretriz NHG M103 (dezembro 2013) Beusmans GHMI, Van Noortwijk-Bonga HGC, Risseeuw NJ, Tjon-A-Tsien MRS, Verstappen WHJM, Burgers JS, Wiersma Tj, Verburg AFE traduzido do original

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 09/2014-EBSERH/HU-UFMS ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 17 DE ABRIL DE 2014 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS

CONCURSO PÚBLICO 09/2014-EBSERH/HU-UFMS ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 17 DE ABRIL DE 2014 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS CONCURSO PÚBLICO 09/2014-EBSERH/HU-UFMS ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 17 DE ABRIL DE 2014 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS Código Especialidade Requisitos 801 802 Médico Alergia e

Leia mais

Regulamento das Consultas Externas. Índice

Regulamento das Consultas Externas. Índice Índice CAPÍTULO I...4 DISPOSIÇÕES GERAIS...4 ARTIGO 1º...4 (Noção de Consulta Externa)...4 ARTIGO 2º...4 (Tipos de Consultas Externas)...4 ARTIGO 3º...4 (Objectivos do Serviço de Consulta Externa)...4

Leia mais

Check-list Adequação e Conforto das Instalações

Check-list Adequação e Conforto das Instalações 1. Acessos 1.1. Acessos e mobilidade 1.1.1. SINAS@Hospitais A - ADEQUAÇÃO DAS INSTALAÇÕES Garante rampas de acesso, ou meios equivalentes, para pessoas com mobilidade reduzida 1.1.2. Mantém actualizada

Leia mais

GRUPO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE BELO HORIZONTE PROCESSO SELETIVO - RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 RESULTADO FINAL 1ª Etapa Prova Objetiva.

GRUPO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE BELO HORIZONTE PROCESSO SELETIVO - RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 RESULTADO FINAL 1ª Etapa Prova Objetiva. 101 Anestesiologia 1167427 84,00 5,60-89,60 1 CLASSIFICADO 101 Anestesiologia 1168953 78,00 8,00-86,00 2 CLASSIFICADO 101 Anestesiologia 1169652 75,60 8,50-84,10 3 CLASSIFICADO 101 Anestesiologia 1170741

Leia mais

Simulação Empresarial ISCA-UA Ano lectivo 2010/2011

Simulação Empresarial ISCA-UA Ano lectivo 2010/2011 ISCA-UA Ano lectivo 2010/2011 é uma unidade curricular da licenciatura em Contabilidade ministrada no Instituto Superior de Contabilidade e Administração da Universidade de Aveiro. A arrancou em 1998 e

Leia mais

CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO

CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO PROJECTO CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO do Hospital de Santa Maria CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO MARIA RAPOSA Todos os anos, um número crescente de crianças, dos 0 aos 18 anos de idade, são assistidas

Leia mais

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade?

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Texto divulgado na forma de um caderno, editorado, para a comunidade, profissionais de saúde e mídia SBMFC - 2006 Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Não? Então, convidamos você a conhecer

Leia mais

CONVERSAS DE FIM DE TARDE

CONVERSAS DE FIM DE TARDE CONVERSAS DE FIM DE TARDE Rogério Correia A estrutura organizacional do Serviço Missão do SRS Promoção da Saúde Prestação de, Hospitalares e Continuados Prestação de actividades no âmbito da Saúde Pública

Leia mais

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA SERVIÇO DE MEDICINA PALIATIVA (HOSPITAL DO FUNDÃO) DE REGULAMENTO 1. DEFINIÇÃO O (SMP) do Centro Hospitalar da Cova da Beira SA, sediado no Hospital do Fundão, desenvolve

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9 ÁREA DE ACTIVIDADE - SAÚDE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS)

Leia mais

MedicineOne. Melhorias de versão v7.1.54.x 23.09.2014. Copyright 1989-2013 MedicineOne, life sciences computing SA

MedicineOne. Melhorias de versão v7.1.54.x 23.09.2014. Copyright 1989-2013 MedicineOne, life sciences computing SA MedicineOne Melhorias de versão v7.1.54.x 23.09.2014 Copyright 1989-2013 MedicineOne, life sciences computing SA Tabela de Conteúdos 1. INTRODUÇÃO... 2 2. PESQUISA DO UTENTE... 2 3. TERAPÊUTICA REAÇÕES

Leia mais

Pneumologia do HG. Centro Medicina Sono

Pneumologia do HG. Centro Medicina Sono 1990 Pneumologia do HG 1995 Centro Medicina Sono 2008 2014 2012 Competência e Creditação Integração no CHUC Conjunto de conhecimentos e de tecnologias que assumem que o sono é um estado biológico específico

Leia mais

S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 58/2015 de 6 de Maio de 2015

S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 58/2015 de 6 de Maio de 2015 S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 58/2015 de 6 de Maio de 2015 A redução de listas de espera cirúrgicas, de consultas e de meios complementares de diagnóstico e terapêutica para tempos de espera clinicamente

Leia mais

CATATERIZAÇÃO DA ARTÉRIA UMBILICAL

CATATERIZAÇÃO DA ARTÉRIA UMBILICAL CATÉTERES Trataremos das indicações e das técnicas de introdução do catéter de artéria e veia umbilical e do catéter percutâneo. Nos casos de cataterização umbilical, tanto arterial quanto venosa está

Leia mais

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S).

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho Público-Alvo Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). OBJECTIVOS Formação direccionada para cumprimento da legislação em matéria de higiene,

Leia mais

santa casa da misericórdia

santa casa da misericórdia santa casa da misericórdia 5 de Outubro de 1945 Inaugurada uma enfermaria, com 6 camas, a juntar às 3 outras já existentes. 14 de Dezembro de 1947 Inauguração do Serviço de Radioscopia. 27 de Agosto de

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa Missão e Objectivos O Centro Hospitalar Lisboa Norte, E.P.E., estabelecimento de referência do Serviço Nacional de Saúde (SNS), desempenha funções diferenciadas na prestação de

Leia mais

Manual Específico Unimed-Rio - TISS

Manual Específico Unimed-Rio - TISS UNIME D-RIO Manual Específico Unimed-Rio - TISS Área de Relacionamento com Hospitais Rio 2 PADRONIZAÇÃO DOS NOVOS FORMULÁRIOS QUE SERÃO UTILIZADOS PELOS PRESTADORES PARA ENVIO PARA A UNIMED-RIO. Estes documentos

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONVENÇÃO ADSE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONVENÇÃO ADSE MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONVENÇÃO ADSE Versão 1-09-2014 1 Conteúdo CONVENÇÃO SAMSPICS - ADSE... 3 O que é a Convenção ADSE?... 3 UNIDADES COM CONVENÇÃO COM A ADSE... 4 Acesso aos beneficiários ADSE...

Leia mais

REQUISITOS PARA A PRESTAÇÃO DE CUIDADOS EM ONCOLOGIA

REQUISITOS PARA A PRESTAÇÃO DE CUIDADOS EM ONCOLOGIA 1 REQUISITOS PARA A PRESTAÇÃO DE CUIDADOS EM ONCOLOGIA COORDENAÇÃO NACIONAL PARA AS DOENÇAS ONCOLÓGICAS DEZEMBRO DE 2009 2 INTRODUÇÃO O Plano Nacional de Prevenção e Controle das Doenças Oncológicas 2007-2010

Leia mais

PROGRAMA DATA LOCAL E INFORMAÇÕES HORÁRIO

PROGRAMA DATA LOCAL E INFORMAÇÕES HORÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE - SANTA CASA DE PORTO ALEGRE COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA PROCESSO SELETIVO DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 CALENDÁRIO DA 2ª

Leia mais

+Vida com hospitalização

+Vida com hospitalização Informação Produto Os imprevistos da vida de uma família, cobertos por um seguro flexível, modular e de fácil subscrição, combinado com uma cobertura complementar de saúde. Caro Mediador, O Grupo Portinsurance

Leia mais

GESTÃO INTEGRADA DO MEDICAMENTO HOSPITALAR

GESTÃO INTEGRADA DO MEDICAMENTO HOSPITALAR GESTÃO INTEGRADA DO MEDICAMENTO HOSPITALAR 28/JUNHO/2006 Evolução do consumo de medicamentos Racionalização do uso do medicamento Missão do Serviço Farmacêutico Proporcionar suporte ao tratamento farmacoterapêutico

Leia mais

O que esperar quando é colocado em quarentena CS255151B

O que esperar quando é colocado em quarentena CS255151B O que esperar quando é colocado em quarentena O que esperar quando é colocado em quarentena 1 A quarentena ajuda-nos a travar a transmissão do Ébola. Sabemos que pode ser difícil, mas é necessário para

Leia mais

Daniel M. Salgado. As três dimensões dos processos: Estratégica, operacional e tecnológica

Daniel M. Salgado. As três dimensões dos processos: Estratégica, operacional e tecnológica 12ª edição As três dimensões dos processos: Estratégica, operacional e tecnológica MooD: melhorar a eficácia da abordagem dos processos com ferramentas colaborativas Daniel M. Salgado daniel.m.salgado@sisconsult.com

Leia mais

A Farmácia Hospitalar no desenvolvimento e implementação de um Sistema Integrado de Informação e Gestão

A Farmácia Hospitalar no desenvolvimento e implementação de um Sistema Integrado de Informação e Gestão A Farmácia Hospitalar no desenvolvimento e implementação de um Sistema Integrado de Trabalho realizado por Maria Margarida da Silva Abreu 1 Francisco Ávila Machado 2 José Feio 2 1 Centro Hospitalar de

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 03/2015-EBSERH/HU-UFJF ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 06 DE MARÇO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS

CONCURSO PÚBLICO 03/2015-EBSERH/HU-UFJF ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 06 DE MARÇO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS CONCURSO PÚBLICO 03/2015-EBSERH/HU-UFJF ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 06 DE MARÇO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS Código Especialidade Requisitos 006 Médico - Anestesiologia

Leia mais

Psicopatologia. Geral e Especial. 02-01-2007 Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso

Psicopatologia. Geral e Especial. 02-01-2007 Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso Psicopatologia Geral e Especial 1 Ano Lectivo 2006 / 2007 2 Sumário Introdução à Psicopatologia Geral Limites da Psicopatologia Geral Etimologia O Homem Total Multidisciplinaridade Conceito de Normalidade

Leia mais

18º Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada de Crânio

18º Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada de Crânio 18º Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada de Crânio Enunciado Paciente masculino, 78 anos, hipertenso, com fibrilação atrial, admitido no PA com queixa de dificuldade para deambular e confusão mental

Leia mais