Boletim Mensal de Geração Eólica Dezembro/2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boletim Mensal de Geração Eólica Dezembro/2014"

Transcrição

1 Dezembro/214 Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Diretoria de Operação DOP Centro Nacional de Operação do Sistema CNOS Gerência Executiva de Pós-Operação, Análise e Estatística da Operação GOA Gerência de Pós-Operação GOA2

2 214/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. Dezembro/214

3 MW Este boletim apresenta dados referentes à geração eólica de usinas em operação comercial. No item 1, são apresentadas informações sobre a capacidade total instalada de usinas eólicas (Tipo I, Tipo II-B, Tipo III e Conjuntos de Usinas) e sobre a geração de usinas eólicas Tipo I e Tipo II-B. No item 2, são apresentadas informações sobre geração verificada por estado e, no item 3, informações sobre geração eólica e capacidade instalada por usina. 1. Evolução da Geração Eólica no SIN Evolução da Geração Eólica no SIN Cap. Instalada Tipo I Cap. Instalada Conjuntos Cap. Instalada Tipo II-B Geração Tipos I e II-B (Média Mensal) Figura 1 - Evolução da capacidade instalada de usinas eólicas e geração eólica verificada no SIN. No caso de usinas tipo II-B, a geração programada é contabilizada na geração total Potência instalada de usinas eólicas sem relacionamento com o ONS 132, 118,2 88, 69, 48, 51,2 26,8 34,5 16,5 <1 <1 2,5 <1 BA CE MA MG PB PE PI PR RN RS SC SE SP Figura 2 - Potência instalada de usinas eólicas Tipo III (sem relacionamento com o ONS) por estado, conforme dados do Banco de Informações de Geração da ANEEL. Usinas Tipo III que compõem algum conjunto não são contempladas. Tabela 1 - Capacidade instalada de geração eólica no SIN. Capacidade Instalada (MW) Geração (MWmed) Tipo I Tipo II-B Tipo III Conjuntos Total 213,9 16,5 586,8 1991,2 4842,4 923,2 Dezembro/214 Pág. 3 / 28

4 Geração Média (MW) Fator de Capacidade Médio (%) Geração Eólica no SIN (MWmed) Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Fator de Capacidade Médio (%) 6% 5% 4% 3% 2% 1% % Figura 3 - Geração eólica do SIN nos últimos 3 anos em periodicidade mensal e fator de capacidade médio a cada mês. São considerados apenas os valores de geração e capacidade instalada de usinas do Tipo I. O fator de capacidade é calculado como a relação entre geração média e a potência instalada. 6% 5% 4% 3% 2% 1% Fator de Capacidade Médio no SIN (%) % Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Figura 4 - Histórico do fator de capacidade médio em periodicidade mensal nos últimos 3 anos. São consideradas apenas usinas do Tipo I. O fator de capacidade é calculado como a relação entre geração média mensal e a potência instalada a cada mês. Dezembro/214 Pág. 4 / 28

5 : 1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 16: 17: 18: 19: 2: 21: 22: 23: : 1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 16: 17: 18: 19: 2: 21: 22: 23: Dia 1 Dia 2 Dia 3 Dia 4 Dia 5 Dia 6 Dia 7 Dia 8 Dia 9 Dia 1 Dia 11 Dia 12 Dia 13 Dia 14 Dia 15 Dia 16 Dia 17 Dia 18 Dia 19 Dia 2 Dia 21 Dia 22 Dia 23 Dia 24 Dia 25 Dia 26 Dia 27 Dia 28 Dia 29 Dia 3 Dia Geração média diária no mês (MWmed) - SIN 1/214 11/214 12/214 Figura 5 - Geração eólica média no SIN em periodicidade diária (MWmed) nos últimos 3 meses. São consideradas apenas usinas do Tipo I Geração média horária (MWmed) - SIN 7/214 8/214 9/214 1/214 11/214 12/214 Figura 6 - Geração eólica média horária no SIN nos últimos 6 meses. São consideradas apenas usinas do Tipo I Geração média horária (MWmed) - SIN Figura 7 Geração eólica no SIN em base horária para todos os dias do mês. Em destaque, é mostrada a geração mínima, máxima e média para cada hora. São consideradas apenas as usinas do Tipo I. Dezembro/214 Pág. 5 / 28

6 Tempo no Mês (%) Tempo no Mês (%) 1% Inserção Eólica no Submercado Nordeste 8% 6% 4% 2% % >1% >2% >3% >4% >5% >6% Figura 8 Inserção de geração eólica no Submercado Nordeste (composto por todos os estados da região Nordeste menos o Maranhão). Índices que quantificam o tempo em que a geração eólica do Submercado (em MW) foi maior que 1%, 2%, 3%, 4%, 5% e 6% da carga do Submercado (em MW) no mês. São considerados os valores médios horários de carga e de geração das usinas Tipo I. 1% Inserção Eólica no Submercado Sul 8% 6% 4% 2% % >1% >2% >3% >4% Figura 9 - Inserção de geração eólica no Submercado Sul (composto por todos os estados da região Sul). Índices que quantificam o tempo em que a geração eólica do Submercado (em MW) foi maior que 1%, 2%, 3% e 4% da carga do Submercado (em MW) no mês. São considerados os valores médios horários de carga e de geração das usinas Tipo I. Dezembro/214 Pág. 6 / 28

7 Geração Média (MW) 2. Geração eólica por Estado Geração Eólica por Estado BA CE RN RS Potência Instalada (MW) Geração Verificada (MWmed) Figura 1 - Geração eólica média no mês por estado para usinas do Tipo I. Tabela 2 - Geração eólica média no mês por estado para usinas Tipo I. Estado Potência Instalada (MW) Geração Verificada (MWmed) Fator de Capacidade Médio (%) BA 185,2 75,5 4,77% CE 99,5 53,8 55,39% RN 542,4 22,6 4,67% RS 466,8 14,7 3,13% SIN 213,9 94,5 44,7% Geração Eólica (MWmed) - Bahia Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Figura 11 - Geração eólica média nos últimos 3 anos em periodicidade mensal para o estado da Bahia. São consideradas apenas usinas do Tipo I. Dezembro/214 Pág. 7 / 28

8 Geração Média (MW) Geração Média (MW) Geração Média (MW) Geração Eólica (MWmed) - Ceará Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Figura 12 - Geração eólica média nos últimos 3 anos em periodicidade mensal para o estado do Ceará. São consideradas apenas usinas do Tipo I Geração Eólica (MWmed) - Rio Grande Do Norte Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Figura 13 - Geração eólica média nos últimos 3 anos em periodicidade mensal para o estado do Rio Grande do Norte. São consideradas apenas usinas do Tipo I. 25 Geração Eólica (MWmed) - Rio Grande Do Sul Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Figura 14 - Geração eólica média nos últimos 3 anos em periodicidade mensal para o estado do Rio Grande do Sul. São consideradas apenas usinas do Tipo I. Dezembro/214 Pág. 8 / 28

9 Dia 1 Dia 2 Dia 3 Dia 4 Dia 5 Dia 6 Dia 7 Dia 8 Dia 9 Dia 1 Dia 11 Dia 12 Dia 13 Dia 14 Dia 15 Dia 16 Dia 17 Dia 18 Dia 19 Dia 2 Dia 21 Dia 22 Dia 23 Dia 24 Dia 25 Dia 26 Dia 27 Dia 28 Dia 29 Dia 3 Dia 31 Dia 1 Dia 2 Dia 3 Dia 4 Dia 5 Dia 6 Dia 7 Dia 8 Dia 9 Dia 1 Dia 11 Dia 12 Dia 13 Dia 14 Dia 15 Dia 16 Dia 17 Dia 18 Dia 19 Dia 2 Dia 21 Dia 22 Dia 23 Dia 24 Dia 25 Dia 26 Dia 27 Dia 28 Dia 29 Dia 3 Dia 31 Dia 1 Dia 2 Dia 3 Dia 4 Dia 5 Dia 6 Dia 7 Dia 8 Dia 9 Dia 1 Dia 11 Dia 12 Dia 13 Dia 14 Dia 15 Dia 16 Dia 17 Dia 18 Dia 19 Dia 2 Dia 21 Dia 22 Dia 23 Dia 24 Dia 25 Dia 26 Dia 27 Dia 28 Dia 29 Dia 3 Dia Geração média diária (MWmed) - Bahia 1/214 11/214 12/214 Figura 15 - Geração eólica média nos últimos 3 meses em periodicidade diária para o estado da Bahia. São consideradas apenas usinas do Tipo I Geração média diária (MWmed) - Ceará 1/214 11/214 12/214 Figura 16 - Geração eólica média nos últimos 3 meses em periodicidade diária para o estado do Ceará. São consideradas apenas usinas do Tipo I Geração média diária (MWmed) - Rio Grande Do Norte 1/214 11/214 12/214 Figura 17 - Geração eólica média nos últimos 3 meses em periodicidade diária para o estado do Rio Grande do Norte. São consideradas apenas usinas do Tipo I. Dezembro/214 Pág. 9 / 28

10 : 1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 16: 17: 18: 19: 2: 21: 22: 23: : 1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 16: 17: 18: 19: 2: 21: 22: 23: Dia 1 Dia 2 Dia 3 Dia 4 Dia 5 Dia 6 Dia 7 Dia 8 Dia 9 Dia 1 Dia 11 Dia 12 Dia 13 Dia 14 Dia 15 Dia 16 Dia 17 Dia 18 Dia 19 Dia 2 Dia 21 Dia 22 Dia 23 Dia 24 Dia 25 Dia 26 Dia 27 Dia 28 Dia 29 Dia 3 Dia Geração média diária (MWmed) - Rio Grande Do Sul 1/214 11/214 12/214 Figura 18 - Geração eólica média nos últimos 3 meses em periodicidade diária para o estado do Rio Grande do Sul. São consideradas apenas usinas do Tipo I Geração média horária (MWmed) - Bahia 7/214 8/214 9/214 1/214 11/214 12/214 Figura 19 - Geração eólica média horária nos últimos 6 meses no estado da Bahia. São consideradas apenas usinas do Tipo I Geração média horária (MWmed) - Ceará 7/214 8/214 9/214 1/214 11/214 12/214 Figura 2 - Geração eólica média horária nos últimos 6 meses no estado do Ceará. São consideradas apenas usinas do Tipo I. Dezembro/214 Pág. 1 / 28

11 : 1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 16: 17: 18: 19: 2: 21: 22: 23: : 1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 16: 17: 18: 19: 2: 21: 22: 23: : 1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 16: 17: 18: 19: 2: 21: 22: 23: 5 Geração média horária (MWmed) - Rio Grande Do Norte /214 8/214 9/214 1/214 11/214 12/214 Figura 21 - Geração eólica média horária nos últimos 6 meses no estado do Rio Grande do Norte. São consideradas apenas usinas do Tipo I. 25 Geração média horária (MWmed) - Rio Grande Do Sul /214 8/214 9/214 1/214 11/214 12/214 Figura 22 - Geração eólica média horária nos últimos 6 meses no estado do Rio Grande do Sul. São consideradas apenas usinas do Tipo I Geração média horária (MWmed) - Bahia Figura 23 - Geração eólica no estado da Bahia em base horária para todos os dias do mês. Em destaque, é mostrada a geração mínima, máxima e média para cada hora. São consideradas apenas as usinas do Tipo I. Dezembro/214 Pág. 11 / 28

12 : 1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 16: 17: 18: 19: 2: 21: 22: 23: : 1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 16: 17: 18: 19: 2: 21: 22: 23: : 1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 16: 17: 18: 19: 2: 21: 22: 23: Geração média horária (MWmed) - Ceará Figura 24 Geração eólica no estado do Ceará em base horária para todos os dias do mês. Em destaque, é mostrada a geração mínima, máxima e média para cada hora. São consideradas apenas as usinas do Tipo I Geração média horária (MWmed) - Rio Grande Do Norte Figura 25 Geração eólica no estado do Rio Grande do Norte em base horária para todos os dias do mês. Em destaque, é mostrada a geração mínima, máxima e média para cada hora. São consideradas apenas as usinas do Tipo I Geração média horária (MWmed) - Rio Grande Do Sul Dezembro/214 Pág. 12 / 28

13 : 1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 16: 17: 18: 19: 2: 21: 22: 23: Geração Média (MW) Figura 26 Geração eólica no estado do Rio Grande do Sul em base horária para todos os dias do mês. Em destaque, é mostrada a geração mínima, máxima e média para cada hora. São consideradas apenas as usinas do Tipo I Geração Eólica por Estado (MWmed) Bahia Ceará Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul Figura 27 Geração eólica média mensal (MWmed) nos últimos 12 meses, por estado, para usinas do Tipo I. 3. Geração eólica por Usina 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % Fator de Capacidade Médio (%) - Bahia MACAÚBAS NOVO HORIZONTE PEDRA BRANCA SÃO PEDRO DO LAGO SEABRA SETE GAMELEIRAS Figura 28 Fator de capacidade médio no mês em base horária para usinas do Tipo I no estado da Bahia. Dezembro/214 Pág. 13 / 28

14 : 1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 16: 17: 18: 19: 2: 21: 22: 23: : 1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 16: 17: 18: 19: 2: 21: 22: 23: 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % Fator de Capacidade Médio (%) - Ceará (parte 1) BOCA DO CÓRREGO BONS VENTOS CANOA QUEBRADA COLÔNIA EMBUACA ENACEL Figura 29 Fator de capacidade médio no mês em base horária para usinas do Tipo I no estado do Ceará. 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % Fator de Capacidade Médio (%) - Ceará (parte 2) FLEIXEIRAS 1 GUAJIRÚ ILHA GRANDE ICARAIZINHO MUNDAÚ PRAIA DO MORGADO Figura 3 - Fator de capacidade médio no mês em base horária para usinas do Tipo I no estado do Ceará. Dezembro/214 Pág. 14 / 28

15 : 1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 16: 17: 18: 19: 2: 21: 22: 23: : 1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 16: 17: 18: 19: 2: 21: 22: 23: Fator de Capacidade Médio (%) - Ceará (parte 3) 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % FAÍSA I FAÍSA II FAÍSA III FAÍSA IV FAÍSA V ICARAÍ I ICARAÍ II Figura 31 - Fator de capacidade médio no mês em base horária para usinas do Tipo I no estado do Ceará. 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % Fator de Capacidade Médio (%) - Ceará (parte 4) PRAIA FORMOSA RIBEIRÃO SÃO JORGE SÃO CRISTÓVÃO SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA Figura 32 - Fator de capacidade médio no mês em base horária para usinas do Tipo I no estado do Ceará. Dezembro/214 Pág. 15 / 28

16 : 1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 16: 17: 18: 19: 2: 21: 22: 23: : 1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 16: 17: 18: 19: 2: 21: 22: 23: Fator de Capacidade Médio (%) - Ceará (parte 5) 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % TAÍBA ÁGUIA TAÍBA ANDORINHA TRAIRÍ VOLTA DO RIO Figura 33 - Fator de capacidade médio no mês em base horária para usinas do Tipo I no estado do Ceará. 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % Fator de Capacidade Médio (%) - Rio Grande do Norte (parte 1) ALEGRIA I ALEGRIA II AREIA BRANCA MAR E TERRA MIASSABA 3 RIO DO FOGO Figura 34 Fator de capacidade médio no mês em base horária para usinas do Tipo I no estado do Rio Grande do Norte. Dezembro/214 Pág. 16 / 28

17 : 1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 16: 17: 18: 19: 2: 21: 22: 23: : 1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 16: 17: 18: 19: 2: 21: 22: 23: 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % Fator de Capacidade Médio (%) - Rio Grande do Norte (parte 2) MANGUE SECO 1 MANGUE SECO 2 MANGUE SECO 3 MANGUE SECO 5 REI DOS VENTOS 1 REI DOS VENTOS 3 Figura 35 - Fator de capacidade médio no mês em base horária para usinas do Tipo I no estado do Rio Grande do Norte. 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % Fator de Capacidade Médio (%) - Rio Grande do Sul (parte 1) CERRO CHATO I CERRO CHATO II CERRO CHATO III CIDREIRA I ÍNDIOS ÍNDIOS 2 ÍNDIOS 3 Figura 36 Fator de capacidade médio no mês em base horária para usinas do Tipo I no estado do Rio Grande do Sul. Dezembro/214 Pág. 17 / 28

18 : 1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 16: 17: 18: 19: 2: 21: 22: 23: 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % Fator de Capacidade Médio (%) - Rio Grande do Sul (parte 2) OSÓRIO OSÓRIO 2 OSÓRIO 3 SANGRADOURO SANGRADOURO 2 SANGRADOURO 3 Figura 37 Fator de capacidade médio no mês em base horária para usinas do Tipo I no estado do Rio Grande do Sul. Dezembro/214 Pág. 18 / 28

19 Estado Usina Tabela 3 - Acompanhamento do fator de capacidade de usinas Tipo I. Geração Média (MW) (1) Fator Cap. Verificado (%) (1)(2) Potência Últ. 12 Mês Últ. 12 Mês Nominal Meses Atual Meses Atual (MW) Garantia Física (MW) (3) Fator Cap. Previsto (%) (4) Configuração Dezembro/214 Pág. 19 / 28 Início da Operação Comercial BA MACAÚBAS 12,9 16,4 16,4 14,4 36,8% 46,7% 46,7% 41,2% 35,7 13,4 38,2% 21 UGs 1,67 MW 6/7/212 BA NOVO HORIZONTE 13,8 16,8 16,8 14,9 45,8% 55,7% 55,7% 49,5% 3,6 1,97 36,5% 18 UGs 1,67 MW 6/7/212 BA PEDRA BRANCA 12,6 14,5 14,5 11,2 42,1% 48,3% 48,3% 37,3% 3 12,2 4,7% 12 UGs (6 de 2 MW e 6 de 3 MW) 2/3/213 BA SÃO PEDRO DO LAGO 1,9 13,3 13,3 1,6 36,3% 44,2% 44,2% 35,2% 3 13,5 45,% 13 UGs (9 de 2 MW e 4 de 3 MW) 2/3/213 BA SEABRA 13,9 16,3 16,3 14,7 46,4% 54,3% 54,3% 49,% 3,6 11,33 37,7% 18 UGs 1,67 MW 6/7/212 BA SETE GAMELEIRAS 12,3 13,6 13,6 9,7 4,9% 45,3% 45,3% 32,4% 3 12,6 42,% 15 UGs de 2 MW 26/3/213 CE BOCA DO CÓRREGO - 6,9 6,9 12, - 28,5% 28,5% 49,3% 24,3-39,6% 9 UGs de 2,7 MW 3/8/214 CE BONS VENTOS 2,6 21,4 21,4 25,5 41,3% 42,8% 42,8% 51,1% 5 21,92 43,84% 24 UGs (22 de 2,1 MW e 2 de 1,8 MW) 11/2/21 CE CANOA QUEBRADA 25,1 25,6 25,6 3,6 44,1% 44,9% 44,9% 53,7% 57 24,8 43,5% 28 UGs (22 de 2,1 MW e 6 de 1,8 MW) 26/1/21 CE COLÔNIA - 12,7 12,7 12,4-67,3% 67,3% 65,6% 18,9 8,26 43,5% 9 UGs 2,1 MW 19/6/214 CE EMBUACA - 12,6 12,6 14,6-46,2% 46,2% 53,6% 27,3 11,14 4,81% 13 UGs de 2,1 MW 29/3/214 CE ENACEL 12,8 13,2 13,2 17,6 4,7% 41,8% 41,8% 55,8% 31,5 13,72 43,54% 15 UGs de 2,1 MW 18/3/21 CE FAÍSA I - 9,7 9,7 13,2-32,9% 32,9% 44,9% 29,4 9,37 31,9% 14 UGs de 2,1 MW 29/3/214 CE FAÍSA II - 15,1 15,1 13,6-55,4% 55,4% 49,7% 27,3 9,54 34,9% 13 UGs de 2,1 MW 31/7/214 CE FAÍSA III - 9,7 9,7 12,5-38,5% 38,5% 49,8% 25,2 8,31 33,% 12 UGs de 2,1 MW 29/3/214 CE FAÍSA IV - 9,1 9,1 12,3-36,3% 36,3% 48,7% 25,2 8,55 33,9% 12 UGs de 2,1 MW 29/3/214 CE FAÍSA V - 14,5 14,5 15,4-49,4% 49,4% 52,5% 29,4 9,9 3,9% 14 UGs de 2,1 MW 3/1/214 CE FLEIXEIRAS 1-15,3 15,3 19,3-5,9% 5,9% 64,2% 3,4 16,6 55,3% 13 UGs de 2,38 MW 28/1/214 CE GUAJIRÚ 19,1 14,6 14,6 18,3 63,6% 48,7% 48,7% 61,1% 3,4 17,7 59,% 13 UGs de 2,38 MW 22/11/213 CE ICARAÍ I - 16,2 16,2 18,6-59,5% 59,5% 68,% 27,3 13,1 47,7% 13 UGs de 2,1 MW 29/3/214 CE ICARAÍ II - 2,3 2,3 23,6-53,7% 53,7% 62,5% 37,8 18,3 47,7% 18 UGs de 2,1 MW 29/3/214 CE ICARAIZINHO 27,2 26,3 26,3 32,2 49,8% 48,2% 48,2% 59,% 54,6 23,48 43,% 26 UGs de 2,1 MW 14/1/29 CE ILHA GRANDE - 8,4 8,4 13,6-28,2% 28,2% 45,9% 29,7-4,6% 11 UGs de 2,7 MW 2/8/214

20 Estado Usina Geração Média (MW) (1) Fator Cap. Verificado (%) (1)(2) Potência Últ. 12 Mês Últ. 12 Mês Nominal Meses Atual Meses Atual (MW) Garantia Física (MW) (3) Fator Cap. Previsto (%) (4) Configuração Dezembro/214 Pág. 2 / 28 Início da Operação Comercial CE MUNDAÚ - 13,4 13,4 12, - 44,8% 44,8% 4,% 3,4 15,2 5,7% 13 UGs de 2,38 MW 1/4/214 CE PRAIA DO MORGADO 11,7 13,4 13,4 18,8 4,5% 46,5% 46,5% 65,1% 28,8 14,4 5,% 19 UGs de 1,516 MW 26/5/21 CE PRAIA FORMOSA 35,3 34,2 34,2 49,3 33,6% 32,6% 32,6% 46,9% 15 33,6 32,% 5 UGs de 2,1 MW 26/8/29 CE RIBEIRÃO - 8,9 8,9 11, - 41,2% 41,2% 51,% 21,6-39,1% 8 UGs de 2,7 MW 25/9/214 CE SÃO JORGE - 15,2 15,2 16,1-63,3% 63,3% 67,1% 24 13,2 55,% 12 UGs de 2 MW 11/11/214 CE SÃO CRISTÓVÃO - 14,9 14,9 16,6-57,5% 57,5% 64,% 26 14,2 54,6% 13 UGs de 2 MW 11/11/214 SANTO ANTÔNIO DE CE - 7,2 7,2 7,4-51,4% 51,4% 52,5% 14 8,2 58,6% 11/11/214 PÁDUA 7 UGs de 2 MW CE TAÍBA ÁGUIA - 14,8 14,8 14,5-64,1% 64,1% 62,8% 23,1 1,69 32,% 11 UGs 2,1 MW 19/6/214 CE TAÍBA ANDORINHA - 9,9 9,9 1, - 67,1% 67,1% 67,9% 14,7 6,58 32,% 7 UGs 2,1 MW 19/6/214 CE TRAIRÍ 15,8 14, 14, 17,4 62,4% 55,2% 55,2% 68,6% 25,388 14,4 56,7% 11 UGs de 2,38 MW 22/11/213 CE VOLTA DO RIO 19,2 21,2 21,2 25,3 45,7% 5,4% 5,4% 6,3% 42 19,74 47,% 28 UGs de 1,5 MW 3/9/21 RN ALEGRIA I 17,1 17,7 17,7 21,9 33,5% 34,8% 34,8% 42,9% 51 17,34 34,% 31 UGs de 1,65 MW 3/12/21 RN ALEGRIA II 32,3 32,5 32,5 41,2 32,1% 32,3% 32,3% 41,% 1,65 31,2 31,% 61 UGs 1,65 MW 3/12/211 RN AREIA BRANCA - 12,2 12,2 15,2-44,7% 44,7% 55,8% 27,3 11,75 43,% 13 UGs de 2,1 MW 18/2/214 RN MANGUE SECO 1 9,6 9,2 9,2 1, 36,8% 35,3% 35,3% 38,3% 26 12,37 47,6% 13 UGs de 2 MW 3/9/211 RN MANGUE SECO 2 9,9 9,5 9,5 1,2 38,% 36,5% 36,5% 39,2% 26 12,8 46,5% 13 UGs de 2 MW 24/9/211 RN MANGUE SECO 3 9,8 9,1 9,1 8,3 37,7% 35,1% 35,1% 32,1% 26 12,73 49,% 13 UGs de 2 MW 26/8/211 RN MANGUE SECO 5 1,2 1,3 1,3 11,5 39,1% 39,7% 39,7% 44,2% 26 13,11 5,% 13 UGs de 2 MW 1/11/211 RN MAR E TERRA - 8,8 8,8 11,1-38,% 38,% 48,2% 23,1 8,38 36,3% 11 UGs de 2,1 MW 18/2/214 RN MIASSABA 3-21,2 21,2 25,5-31,% 31,% 37,3% 68,47 22,84 33,4% 41 UGs de 1,67 MW 1/2/214 RN REI DOS VENTOS 1-18, 18, 24,2-3,8% 3,8% 41,4% 58,45 21,86 37,4% 35 UGs de 1,67 MW 1/2/214 RN REI DOS VENTOS 3-2,5 2,5 22,7-34,% 34,% 37,8% 6,12 21,7 35,% 36 UGs de 1,67 MW 1/2/214 RN RIO DO FOGO 12,9 16,6 16,6 18,6 26,2% 33,7% 33,7% 37,8% 49,3 16,76 34,% 62 UGs (61 de,8 MW e 1 de,5 MW) 15/7/26 RS CERRO CHATO I 1,9 11,3 11,3 8,7 36,4% 37,6% 37,6% 28,8% 3 11,33 37,8% 15 UGs de 2 MW 6/1/212 RS CERRO CHATO II 11,3 12, 12, 9,5 37,6% 4,1% 4,1% 31,7% 3 11,33 37,8% 15 UGs de 2 MW 2/8/211

21 Estado Usina Geração Média (MW) (1) Fator Cap. Verificado (%) (1)(2) Potência Últ. 12 Mês Últ. 12 Mês Nominal Meses Atual Meses Atual (MW) Garantia Física (MW) (3) Fator Cap. Previsto (%) (4) Configuração Início da Operação Comercial RS CERRO CHATO III 11,1 11,7 11,7 9,5 37,1% 39,1% 39,1% 31,7% 3 11,33 37,8% 15 UGs de 2 MW 7/6/211 RS CIDREIRA I 24,2 25,4 25,4 25,8 34,6% 36,2% 36,2% 36,8% 7 22,75 32,5% 31 UGs (27 de 2,3 MW, 3 de 2 MW e 1 de 1,9 MW) 21/5/211 RS ÍNDIOS 12,6 13,2 13,2 12,3 25,2% 26,3% 26,3% 24,6% 5 15, 3,% 25 UGs de 2 MW 13/12/26 RS ÍNDIOS 2-9,7 9,7 9,7-32,5% 32,5% 32,5% 29,9 11,5 38,5% 13 UGs de 2,3 MW 16/12/214 RS ÍNDIOS 3-7,9 7,9 7,9-34,4% 34,4% 34,4% 23 8,8 38,3% 1 UGs de 2,3 MW 16/12/214 RS OSÓRIO 12,7 13,4 13,4 12,2 25,3% 26,7% 26,7% 24,4% 5 16, 32,% 25 UGs de 2 MW 29/6/26 RS OSÓRIO 2 8,2 8,2 8,2 7,6 34,3% 34,4% 34,4% 31,8% 24 9,2 38,3% 12 UGs de 2 MW 19/12/212 RS OSÓRIO 3 8,9 8,8 8,8 8, 29,7% 29,4% 29,4% 26,9% 29,9 1,5 35,1% 13 UGs de 2,3 MW 15/2/213 RS SANGRADOURO 13,7 14,4 14,4 13,1 27,3% 28,8% 28,8% 26,2% 5 16,5 33,% 25 UGs de 2 MW 3/9/26 RS SANGRADOURO 2 7,4 9,2 9,2 8,7 28,4% 35,4% 35,4% 33,3% 26 9,98 38,4% 13 UGs de 2 MW 2/1/212 RS SANGRADOURO 3 1,3 8,1 8,1 7,7 43,% 33,7% 33,7% 32,1% 24 9,22 38,4% 12 UGs de 2 MW 22/5/212 COSR-NE TOTAL - 695,2 695,2 799,8-42,5% 42,5% 48,9% 1637,1 639,2 39,% - - COSR-S TOTAL - 153,3 153,3 14,7-32,8% 32,8% 3,1% 466,8 163,44 35,% - - SIN TOTAL - 848,6 848,6 94,5-4,3% 4,3% 44,7% 213,9 82,7 38,2% - - (1) Valores considerados a partir das datas de entrada em operação comercial das usinas. (2) Em verde: Fator de capacidade verificado ao menos 5% maior que o previsto. Em vermelho: Fator de capacidade verificado ao menos 5% menor que o previsto. (3) Para usinas autorizadas através de Resolução ANEEL, é igual à potência nominal multiplicada pelo fator de capacidade estimado que consta na Resolução. Para usinas autorizadas através de Portaria do MME, é a garantia física que consta na Portaria. (4) Para usinas autorizadas através de Resolução ANEEL, é igual ao fator de capacidade estimado que consta na Resolução. Para usinas autorizadas através de Portaria do MME, é a relação entre a garantia física que consta na Portaria e a potência instalada. Para usinas sem informação de fator de capacidade previsto em Resolução e sem garantia física, é o valor informado pelo agente para o fator de capacidade previsto no ponto de conexão com a Rede Básica. Dezembro/214 Pág. 21 / 28

22 Estado Usina Potência Nominal (MW) Tabela 4 - Geração máxima por usina Tipo I. Geração Max. no Mês Geração Max. Histórica Data/Hora Valor (MW) Valor (%) Data/Hora Valor (MW) Valor (%) BA MACAÚBAS 35,7 8/12/214 1: 3,86 88,1% 23/7/214 13: 32,3 92,11% BA NOVO HORIZONTE 3,6 25/12/214 6: 29,83 99,22% 17/9/214 22: 29,99 99,77% BA PEDRA BRANCA 3 9/12/214 5: 29,48 98,28% 26/6/214 17: 31,2 13,4% BA SÃO PEDRO DO LAGO 3 3/12/214 1: 29,59 98,62% 1/8/214 23: 29,88 99,6% BA SEABRA 3,6 3/12/214 5: 29,42 97,88% 3/12/214 5: 29,42 97,88% BA SETE GAMELEIRAS 3 3/12/214 1: 28,7 95,67% 31/1/214 8: 29,9 99,67% CE BOCA DO CÓRREGO 24,3 21/12/214 12: 23, 94,66% 21/12/214 12: 23, 94,66% CE BONS VENTOS 5 21/12/214 23: 5,2 1,3% 2/2/212 23: 5,97 11,94% CE CANOA QUEBRADA 57 3/12/214 23: 57,28 1,49% 18/1/214 23: 59,29 14,2% CE COLÔNIA 18,9 9/12/214 12: 18,43 97,53% 26/9/214 13: 18,98 1,43% CE EMBUACA 27,3 11/12/214 15: 24,65 9,29% 3/8/214 15: 27, 98,89% CE ENACEL 31,5 9/12/214 22: 31,78 1,87% 23/1/214 22: 32,4 11,71% CE FAÍSA I 29,4 2/12/214 12: 27,62 93,93% 11/9/214 13: 29,2 98,72% CE FAÍSA II 27,3 9/12/214 14: 26,34 96,47% 26/9/214 13: 27,1 98,95% CE FAÍSA III 25,2 2/12/214 14: 24,17 95,93% 17/1/214 14: 24,92 98,89% CE FAÍSA IV 25,2 9/12/214 12: 25,11 99,63% 9/12/214 12: 25,11 99,63% CE FAÍSA V 29,4 2/12/214 15: 38,73 131,74% 2/12/214 15: 38,73 131,74% CE FLEIXEIRAS 1 3,4 3/12/214 15: 29,92 99,71% 9/8/214 12: 29,96 99,86% CE GUAJIRÚ 3,4 8/12/214 21: 19,96 66,53% 25/12/213 15: 29,88 99,59% CE ICARAÍ I 27,3 3/12/214 17: 26,6 97,45% 6/8/214 1: 28,15 13,11% CE ICARAÍ II 37,8 2/12/214 13: 37,1 98,15% 11/9/214 12: 38,1 1,57% CE ICARAIZINHO 54,6 9/12/214 13: 48,53 88,88% 16/9/21 15: 53,58 98,13% Dezembro/214 Pág. 22 / 28

23 Estado Usina Potência Nominal (MW) Geração Max. no Mês Geração Max. Histórica Data/Hora Valor (MW) Valor (%) Data/Hora Valor (MW) Valor (%) CE ILHA GRANDE 29,7 11/12/214 12: 27,55 92,74% 11/12/214 12: 27,55 92,74% CE MUNDAÚ 3,4 2/12/214 14: 29,83 99,41% 8/1/214 14: 29,96 99,85% CE PRAIA DO MORGADO 28,8 23/12/214 2: 27,74 96,33% 13/9/212 13: 29,4 12,8% CE PRAIA FORMOSA 15 8/12/214 18: 98,52 93,83% 11/11/21 15: 12,69 97,8% CE RIBEIRÃO 21,6 9/12/214 13: 2,62 95,46% 9/12/214 13: 2,62 95,46% CE SÃO JORGE 24 11/12/214 15: 23,8 96,17% 11/12/214 15: 23,8 96,17% CE SÃO CRISTÓVÃO 26 2/12/214 15: 25,3 96,27% 2/12/214 15: 25,3 96,27% CE SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA 14 22/12/214 16: 13,42 95,87% 22/12/214 16: 13,42 95,87% CE TAÍBA ÁGUIA 23,1 27/12/214 3: 22,46 97,25% 13/9/214 16: 23,23 1,56% CE TAÍBA ANDORINHA 14,7 11/12/214 13: 14,39 97,88% 3/8/214 1: 14,85 1,99% CE TRAIRÍ 25,388 9/12/214 14: 25,32 99,73% 8/1/214 11: 25,34 99,8% CE VOLTA DO RIO 42 24/12/214 18: 38,29 91,17% 14/7/214 14: 41,78 99,49% RN ALEGRIA I 51 1/12/214 15: 5,48 98,98% 3/1/213 15: 5,99 99,98% RN ALEGRIA II 1,65 13/12/214 17: 98,14 97,51% 2/1/214 14: 99,2 98,56% RN AREIA BRANCA 27,3 9/12/214 1: 26,78 98,9% 2/1/214 2: 26,88 98,46% RN MANGUE SECO /12/214 15: 24,72 95,7% 19/8/212 23: 25,94 99,77% RN MANGUE SECO /12/214 17: 25,83 99,35% 1/5/212 2: 26,12 1,46% RN MANGUE SECO /12/214 17: 13,36 51,37% 1/4/212 22: 26,12 1,46% RN MANGUE SECO /12/214 17: 25,52 98,15% 14/1/212 16: 25,89 99,58% RN MAR E TERRA 23,1 24/12/214 17: 21,6 93,52% 3/7/214 5: 22,55 97,63% RN MIASSABA 3 68,47 7/12/214 14: 59,4 86,75% 23/11/214 15: 61,21 89,4% RN REI DOS VENTOS 1 58,45 28/12/214 15: 57,5 98,37% 28/12/214 15: 57,5 98,37% Dezembro/214 Pág. 23 / 28

24 Estado Usina Potência Nominal (MW) Geração Max. no Mês Geração Max. Histórica Data/Hora Valor (MW) Valor (%) Data/Hora Valor (MW) Valor (%) RN REI DOS VENTOS 3 6,12 28/12/214 15: 54,36 9,42% 14/8/214 21: 56,22 93,51% RN RIO DO FOGO 49 8/12/214 2: 39,5 8,12% 16/11/27 14: 49,5 99,49% RS CERRO CHATO I 3 23/12/214 6: 28,45 94,83% 24/8/213 21: 3,68 12,27% RS CERRO CHATO II 3 16/12/214 18: 3,34 11,15% 24/8/213 2: 3,7 12,33% RS CERRO CHATO III 3 16/12/214 18: 3,28 1,93% 24/8/213 21: 3,57 11,9% RS CIDREIRA I 7 24/12/214 21: 69,5 99,29% 14/9/212 2: 7,7 11,% RS ÍNDIOS 5 7/12/214 : 49,78 99,57% 24/9/213 5: 5,16 1,32% RS ÍNDIOS 2 29,9 16/12/214 9: 28,19 94,29% 16/12/214 9: 28,19 94,29% RS ÍNDIOS /12/214 19: 22,64 98,42% 24/12/214 19: 22,64 98,42% RS OSÓRIO 5 7/12/214 : 5,49 1,98% 26/7/213 23: 5,69 11,38% RS OSÓRIO /12/214 : 24,37 11,54% 4/9/214 21: 25,88 17,81% RS OSÓRIO 3 29,9 24/12/214 23: 25,1 83,95% 28/11/214 22: 26,4 88,3% RS SANGRADOURO 5 6/12/214 23: 49,78 99,57% 24/9/213 5: 5,62 11,24% RS SANGRADOURO /12/214 13: 25,5 98,9% 28/11/214 22: 26,93 13,59% RS SANGRADOURO /12/214 2: 24,11 1,46% 23/7/213 16: 24,8 13,33% COSR-NE TOTAL 1637,1 12/8/214 16: 1317,83 8,5% 12/8/214 16: 1317,83 8,5% COSR-S TOTAL 466,8 25/12/214 : 447,21 95,8% 25/12/214 : 447,21 95,8% SIN TOTAL 213,9 24/12/214 16: 1594,72 75,8% 11/6/214 18: 163,35 76,21% Dezembro/214 Pág. 24 / 28

25 Estado Tabela 5 - Desvio entre geração programada e verificada para usinas Tipo I. Usina Prog. (MW) Geração Média Verif. (MW) Desvio (%) Erro Médio Percentual Absoluto (1) BA MACAÚBAS 16,5 14,4-12,5% 72,9% BA NOVO HORIZONTE 16,2 14,9-8,% 79,6% BA PEDRA BRANCA 12,7 11,2-11,5% 76,2% BA SÃO PEDRO DO LAGO 13,3 1,6-2,7% 73,5% BA SEABRA 15,8 14,7-7,1% 74,2% BA SETE GAMELEIRAS 13, 9,7-25,2% 75,9% CE BOCA DO CÓRREGO 1,7 12, 12,% 54,5% CE BONS VENTOS 28,1 25,5-9,% 39,6% CE CANOA QUEBRADA 32,8 3,6-6,7% 41,% CE COLÔNIA 9, 12,4 38,1% 78,5% CE EMBUACA 16,1 14,6-9,5% 27,9% CE ENACEL 18, 17,6-2,6% 42,5% CE FAÍSA I 12,4 13,2 6,8% 36,2% CE FAÍSA II 11,3 13,6 19,6% 44,% CE FAÍSA III 1,5 12,5 19,2% 42,7% CE FAÍSA IV 1,5 12,3 16,6% 43,5% CE FAÍSA V 11,9 15,4 29,6% 51,3% CE FLEIXEIRAS 1 19,3 19,3 -,3% 32,5% CE GUAJIRÚ 19,3 18,3-5,1% 19,1% CE ICARAÍ I 2, 18,6-7,% 25,7% CE ICARAÍ II 27,9 23,6-15,2% 27,8% CE ICARAIZINHO 35,8 32,2-1,% 26,4% CE ILHA GRANDE 13,6 13,6,% 44,% CE MUNDAÚ 2,1 12, -4,3% 35,7% CE PRAIA DO MORGADO 2, 18,8-6,5% 3,6% CE PRAIA FORMOSA 51,8 49,3-4,9% 33,6% CE RIBEIRÃO 9,5 11, 15,9% 54,1% CE SÃO JORGE - 16,1 - - CE SÃO CRISTÓVÃO - 16,6 - - CE SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA - 7,4 - - CE TAÍBA ÁGUIA 5,8 14,5 15,1% 38,1% CE TAÍBA ANDORINHA 1,2 1, -2,4% 91,2% CE TRAIRÍ 16,5 17,4 5,4% 31,9% CE VOLTA DO RIO 28,1 25,3-9,9% 25,5% RN ALEGRIA I 22,3 21,9-1,7% 35,3% RN ALEGRIA II 44,1 41,2-6,5% 36,% RN AREIA BRANCA 16,2 15,2-5,8% 32,9% RN MANGUE SECO 1 11,5 1, -13,4% 38,1% RN MANGUE SECO 2 11,3 1,2-9,7% 39,7% RN MANGUE SECO 3 11,3 8,3-26,% 27,1% RN MANGUE SECO 5 1,5 11,5 9,1% 44,6% RN MAR E TERRA 13,7 11,1-18,8% 33,8% RN MIASSABA 3 28,5 25,5-1,5% 35,5% Dezembro/214 Pág. 25 / 28

26 Geração Média Erro Médio Estado Usina Prog. (MW) Verif. (MW) Desvio (%) Percentual Absoluto (1) RN REI DOS VENTOS 1 23,7 24,2 2,3% 5,9% RN REI DOS VENTOS 3 24,2 22,7-5,8% 46,9% RN RIO DO FOGO 21,3 18,6-12,3% 35,7% RS CERRO CHATO I 9,9 8,7-12,3% 122,3% RS CERRO CHATO II 9,6 9,5-1,4% 134,3% RS CERRO CHATO III 9,9 9,5-3,6% 133,6% RS CIDREIRA I 14,9 25,8 73,2% 153,% RS ÍNDIOS 16,8 12,3-26,9% 89,9% RS ÍNDIOS 2-9,7 - - RS ÍNDIOS 3-7,9 - - RS OSÓRIO 42, 12,2-71,% 82,1% RS OSÓRIO 2-7,6 - - RS OSÓRIO 3-8, - - RS SANGRADOURO 17,4 13,1-25,% 93,3% RS SANGRADOURO 2-8,7 - - RS SANGRADOURO 3-7,7 - - COSR-NE TOTAL (2) 795,4 759,8-4,5% 18,4% COSR-S TOTAL (2) 12,4 91, -24,5% 45,5% SIN TOTAL (2) 915,9 85,7-7,1% 17,8% (1) Calculada através da expressão abaixo para todas as horas no mês de referência, desconsiderando os horários com geração programada igual a zero: Núm.Horas Média ( Ger Verif(i) Ger Prog (i) ) Ger Prog (i) (2) São consideradas apenas as usinas com geração programada. (3) Em vermelho ou roxo: desvio absoluto maior ou igual a 1%. i Dezembro/214 Pág. 26 / 28

27 Tabela 6 - Usinas eólicas Tipo I em comissionamento. Não há nenhuma usina eólica Tipo I em comissionamento. Tabela 7 - Conjuntos de usinas em operação. Estado Conjunto Potência Nominal (MW) BA Caetité 9, BA Curva dos Ventos 56,4 BA Igaporã Alvorada 38,4 BA Igaporã Guirapá 52,8 BA Igaporã Licínio de Almeida 73,6 BA Igaporã Nossa Senhora da Conceição 76,8 BA Igaporã Planaltina 52,8 CE Ceará II 87, RN Carcará 3, RN João Câmara III-ASA BRANCA 16, RN João Câmara III-CPFL 18,2 RN João Câmara III-DOBREVE 6, RN Modelo 56,4 RN Morro dos Ventos 145,2 RN Renascença 15, RN Santa Clara 188, RN União dos Ventos 169,6 RS Atlântica 12, RS Livramento 2 54, SC Água Doce 129, SC Bom Jardim 93, COSR-NE TOTAL 1595,2 COSR-S TOTAL 396, SIN TOTAL 1991,2 Dezembro/214 Pág. 27 / 28

28 Anexo 1 Definição da Modalidade de Operação de Usinas O Módulo 26, homologado pela ANEEL através da Resolução Normativa 461/11 de 11/Nov/211, estabelece os critérios para classificar as usinas segundo a modalidade de operação, que caracteriza o relacionamento operacional do agente com o ONS. As usinas são classificadas segundo uma das três modalidades de operação: TIPO I Usinas conectadas na rede básica independente da potência líquida injetada no SIN e da natureza da fonte primária; ou Usinas cuja operação hidráulica possa afetar a operação de usinas Tipo I já existentes; ou Usinas conectadas fora da rede básica cuja máxima potência líquida injetada no SIN contribua para minimizar problemas operativos e proporcionar maior segurança para a rede de operação. TIPO II Usinas não classificadas como Tipo I, mas que afetam os processos de planejamento, programação da operação, operação em tempo real, normatização, pré-operação e pósoperação. As usinas deste grupo são classificadas em dois subgrupos: Tipo II-A e Tipo II-B. Tipo II-A: Usinas Térmicas UTEs não classificadas como Tipo I e que têm Custo Variável Unitário CVU declarado. Tipo II-B: Usinas não classificadas como Tipo I, para as quais se identifica a necessidade de informações ao ONS, para possibilitar a sua representação individualizada nos processos de planejamento, programação da operação, operação em tempo real, normatização, pré-operação e pós-operação. TIPO III Usinas, individualmente, não classificadas nas modalidades anteriores. CONJUNTO DE USINAS Constituído quando um grupo de usinas totalizarem uma injeção de potência significativa em uma determinada subestação do SIN ou em um ponto de conexão compartilhado, em que pelo impacto na rede de operação se identifica a necessidade de relacionamento com o ONS, para possibilitar a sua operação em forma de conjunto, envolvendo os processos de programação da operação e da operação em tempo real. Um Conjunto de Usinas será sempre composto por usinas Tipo III. A modalidade de operação da usina é definida a partir da avaliação dos impactos verificados tanto na operação eletroenergética do SIN, como também na segurança da rede de operação. Dezembro/214 Pág. 28 / 28

Boletim Mensal de Geração Eólica Julho/2015

Boletim Mensal de Geração Eólica Julho/2015 Julho/215 Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Diretoria de Operação DOP Centro Nacional de Operação do Sistema CNOS Gerência Executiva de Pós-Operação, Análise e Estatística da Operação GOA Gerência

Leia mais

Boletim Mensal de Geração Eólica Julho/2016

Boletim Mensal de Geração Eólica Julho/2016 Julho/216 Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Diretoria de Operação DOP Centro Nacional de Operação do Sistema CNOS Gerência Executiva de Pós-Operação, Análise e Estatística da Operação GOA Gerência

Leia mais

ACOMPANHAMENTO MENSAL DA GERAÇÃO DE ENERGIA DAS USINAS EOLIELÉTRICAS COM PROGRAMAÇÃO E DESPACHO CENTRALIZADOS PELO ONS SETEMBRO / 2013

ACOMPANHAMENTO MENSAL DA GERAÇÃO DE ENERGIA DAS USINAS EOLIELÉTRICAS COM PROGRAMAÇÃO E DESPACHO CENTRALIZADOS PELO ONS SETEMBRO / 2013 ACOMPANHAMENTO MENSAL DA GERAÇÃO DE ENERGIA DAS USINAS EOLIELÉTRICAS COM PROGRAMAÇÃO E DESPACHO CENTRALIZADOS PELO ONS SETEMBRO / 213 Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Diretoria de Operação DOP

Leia mais

MARÇO Tabela 01 - Geração média mensal por estado variação % relativo ao mês anterior.

MARÇO Tabela 01 - Geração média mensal por estado variação % relativo ao mês anterior. MARÇO 2016 Este boletim contém a geração mensal verificada, por estado, em MWmédio. Foram consideradas as usinas nas modalidades de operação tipo I, tipo II-A e os conjuntos de usinas individualizadas

Leia mais

AGOSTO ANEEL, através da Resolução Normativa 461/11 de 11/Nov/2011.

AGOSTO ANEEL, através da Resolução Normativa 461/11 de 11/Nov/2011. AGOSTO 2017 Este boletim contém a geração mensal verificada, por estado, em MWmédio. Foram consideradas as usinas nas modalidades de operação tipo I, tipo II-A e os conjuntos de usinas individualizadas

Leia mais

Principais desafios e melhores práticas voltadas á operação na visão do ONS

Principais desafios e melhores práticas voltadas á operação na visão do ONS Principais desafios e melhores práticas voltadas á operação na visão do ONS Flávio Guimarães Lins Gerente de Pré-operação e Tempo Real do ONS/COSR-NE Natal-RN, 27 de junho de 2017 Sumário Os Centros de

Leia mais

Potência Nominal UF Tipo da Usina Nome da Usina (MW) CE CGE Bons ventos 50 CE CGE Formosa 104,4 CE CGE Volta do Rio 42 CE CGE Praia do Morgado 28,8

Potência Nominal UF Tipo da Usina Nome da Usina (MW) CE CGE Bons ventos 50 CE CGE Formosa 104,4 CE CGE Volta do Rio 42 CE CGE Praia do Morgado 28,8 Geração existente e com previsão de entrada em operação até dezembro de 2015, com ato de autorização anterior à publicação do Edital do LER 2013, considerada nos estudos da Margem de Transmissão. Potência

Leia mais

Desafios para a Operação em Tempo Real das Usinas Eólicas Existentes. Flávio Lins Ricardo Vieira ONS

Desafios para a Operação em Tempo Real das Usinas Eólicas Existentes. Flávio Lins Ricardo Vieira ONS Desafios para a Operação em Tempo Real das Usinas Eólicas Existentes Flávio Lins Ricardo Vieira ONS Sumário Panorama Mundial da Geração Eólica Dados Gerais da Geração Eólica no Brasil Características da

Leia mais

Submódulo 5.1. Consolidação da previsão de carga: visão geral

Submódulo 5.1. Consolidação da previsão de carga: visão geral Submódulo 5.1 Consolidação da previsão de carga: visão geral Rev. Nº. 1.1 2016.12 Motivo da revisão Atendimento à Resolução Normativa ANEEL nº 376/09, de 25 de agosto de 2009. Versão decorrente da Audiência

Leia mais

NT 066/2006. C:\WINDOWS\TEMP\d.Lotus.Notes.Data\NT-066_revisão CAR do SUL.doc

NT 066/2006. C:\WINDOWS\TEMP\d.Lotus.Notes.Data\NT-066_revisão CAR do SUL.doc 2006/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 066/2006 C:\WINDOWS\TEMP\d.Lotus.Notes.Data\NT-066_revisão CAR do SUL.doc !" #$ "%&'" ( "#)*+,-+. -!++/+-0-$"%"*"1!/

Leia mais

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas Nº de usinas www.cceorg.br Nº 008 Agosto/2014 0 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia

Leia mais

Perspectivas da Energia Eólica no Brasil

Perspectivas da Energia Eólica no Brasil Perspectivas da Energia Eólica no Brasil Belo Horizonte, MG 20 de agosto de 2008 Fábio Medeiros Sumário Situação atual da energia eólica no mundo. Situação e perspectivas da energia eólica no Brasil. Primeiras

Leia mais

Oferta e Demanda de Energia Elétrica: Cenários. Juliana Chade

Oferta e Demanda de Energia Elétrica: Cenários. Juliana Chade Oferta e Demanda de Energia Elétrica: Cenários Juliana Chade Agenda Cenário atual Preços Afluências Reservatórios Consumo de energia elétrica Meteorologia/Clima Expansão da Oferta Projeções de PLD 2 Agenda

Leia mais

CONTRATOS - 1ª CHAMADA PÚBLICA BIOMASSA Nº CCVE Usina Qualif. Estado Pot. Contratada Data de Publicação

CONTRATOS - 1ª CHAMADA PÚBLICA BIOMASSA Nº CCVE Usina Qualif. Estado Pot. Contratada Data de Publicação BIOMASSA 1 001/2004 Iolando Leite PIA SE 5,00 28/3/2005 2 002/2004 Mandu PIA SP 20,20 28/3/2005 3 003/2004 Goiasa PIA GO 42,52 28/3/2005 4 004/2004 Santa Terezinha PIA PR 27,54 28/3/2005 5 005/2004 Nova

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Operação de Parques Eólicos A experiência da CPFL Renováveis. Bruno Monte Gerente de Planejamento da Operação CPFL Renováveis

Operação de Parques Eólicos A experiência da CPFL Renováveis. Bruno Monte Gerente de Planejamento da Operação CPFL Renováveis Operação de Parques Eólicos A experiência da CPFL Renováveis Bruno Monte Gerente de Planejamento da Operação CPFL Renováveis Junho 2016 Agenda 1. CPFL Renováveis 2 Energia renovável Potencial a ser explorado

Leia mais

Boletim das Usinas Eólicas

Boletim das Usinas Eólicas www.ccee.org.br Nº Abril/ O Boletim das Usinas Eólicas é uma publicação mensal que apresenta os resultados consolidados de geração, garantia física e capacidade instalada das usinas eólicas cadastradas

Leia mais

REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010

REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010 REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010 2008/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. ONS NT 038/2009 REVISÃO DA CURVA BIANUAL

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

A Energia na Cidade do Futuro

A Energia na Cidade do Futuro Ministério de Minas e Energia A Energia na Cidade do Futuro 2º Workshop Perspectivas da Matriz Elétrica Brasileira I Participação das Fontes Renováveis e Alternativas Campinas, 07 de junho de 2013 José

Leia mais

Submódulo 6.1. Planejamento e programação da operação elétrica: visão geral

Submódulo 6.1. Planejamento e programação da operação elétrica: visão geral Submódulo 6.1 Planejamento e programação da operação elétrica: visão geral Rev. Nº. 0.0 0.1 0.2 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Adequação

Leia mais

Nº 003 Março/ Nº de usinas

Nº 003 Março/ Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

Boletim das Usinas Eólicas

Boletim das Usinas Eólicas www.ccee.org.br Nº 2 Março/2 O Boletim das Usinas Eólicas é uma publicação mensal que apresenta os resultados consolidados de geração, garantia física e capacidade instalada das usinas eólicas cadastradas

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Energia

Perspectivas do Mercado de Energia Perspectivas do Mercado de Energia Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados Março de 2014 1 Conjuntura do Sistema 2 Recordes de demanda mensal de energia elétrica... Fev/14 68.500 61.106

Leia mais

A Importância das Fontes Alternativas e Renováveis na Evolução da Matriz Elétrica Brasileira

A Importância das Fontes Alternativas e Renováveis na Evolução da Matriz Elétrica Brasileira A Importância das Fontes Alternativas e Renováveis na Evolução da Matriz Elétrica Brasileira V Seminário de Geração e Desenvolvimento Sustentável Fundación MAPFRE Prof. Nivalde José de Castro Prof. Sidnei

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 ( t ) ( US$ / t )

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 ( t ) ( US$ / t ) BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 (POR PAÍS) PAÍSES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 399.473,26 422.403,60 501.033,08 371.050,32 437.918,87 2.131.879,13 Valor

Leia mais

I Congreso Latinoamericano de Energia Eólica y VI Jornadas Internacionales de Energia Eólica

I Congreso Latinoamericano de Energia Eólica y VI Jornadas Internacionales de Energia Eólica I Congreso Latinoamericano de Energia Eólica y VI Jornadas Internacionales de Energia Eólica Francisco José Arteiro de Oliveira Diretoria de Planejamento e Programação da Operação 1 Aumento da Expansão

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Utilização de um Sistema Gestor de Previsões de Geração Eólica na Operação em Tempo Real. Flávio Lins

Utilização de um Sistema Gestor de Previsões de Geração Eólica na Operação em Tempo Real. Flávio Lins Utilização de um Sistema Gestor de Previsões de Geração Eólica na Operação em Tempo Real Flávio Lins Sumário Panorama da Geração Eólica no Mundo Geração Eólica no Brasil Características da Geração Eólica

Leia mais

JUNHO através da Resolução Normativa 461/11 de 11/Nov/2011. Tabela 01 - Geração média mensal por estado variação % relativo ao mês anterior.

JUNHO através da Resolução Normativa 461/11 de 11/Nov/2011. Tabela 01 - Geração média mensal por estado variação % relativo ao mês anterior. JUNHO 2016 Este boletim contém a geração mensal verificada, por estado, em MWmédio. Foram consideradas as usinas nas modalidades de operação tipo, tipo -A e os conjuntos de usinas individualizadas tipo

Leia mais

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Palestra Apimec RJ 19/set/2011 Leonardo Lima Gomes Agenda 1. Visão Geral do Setor 2. Mercado de Energia Elétrica 3. Perspectivas Desenvolvimento Mercado 4. Perspectivas

Leia mais

PEA 3100 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade. Aula 9 Fontes Renováveis de Energia. Energia Eólica

PEA 3100 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade. Aula 9 Fontes Renováveis de Energia. Energia Eólica PEA 3100 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 9 Fontes Renováveis de Energia Energia Eólica slide 1 / 27 Produção de Energia Elétrica Geração Eólica Parque Eólico Osório Osório/RS Foto: Carlos

Leia mais

Submódulo 21.7 Estudos de reserva de potência operativa

Submódulo 21.7 Estudos de reserva de potência operativa Submódulo 21.7 Estudos de reserva de potência operativa Rev. Nº. 1.0 2016.12 Motivo da revisão Versão decorrente da Audiência Pública nº 049/2008, submetida para aprovação em caráter definitivo pela ANEEL.

Leia mais

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração Operações do Mercado de Energia Evolução e Perspectiva Seminário FIEPE 11 de abril de 2013 Paulo Born Conselho de Administração Agenda Visão Geral do Mercado de Energia Governança e Ambientes de Comercialização

Leia mais

A Experiência da Espanha na Operação de Parques Eólicos

A Experiência da Espanha na Operação de Parques Eólicos A Experiência da Espanha na Operação de Parques Eólicos Pablo Motta Ribeiro Neoenergia Plácido Nieto Ostos Iberdrola Hugo Nunes Neoenergia José Eduardo Tanure Neoenergia 1 2 Mudança de Paradigma no Brasil

Leia mais

Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste

Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste Sessão IV: A Bacia do rio São Francisco. Origem das Águas. Regime Fluvial. Disponibilidades. Risco de Mudanças CGEE / ANA Brasília Agosto de 2008 Giovanni

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER, OU DOCUMENTO EQUIVALENTE, SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 907, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2009.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 907, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2009. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 907, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2009. Aprova o Edital do Leilão nº 03/2009-ANEEL e seus Anexos, referente à contratação de Energia de Reserva,

Leia mais

Superando as Barreiras Regulatórias para Comercialização de Eletricidade pelas Usinas do Setor Sucroenergético. Maio de 2017

Superando as Barreiras Regulatórias para Comercialização de Eletricidade pelas Usinas do Setor Sucroenergético. Maio de 2017 Superando as Barreiras Regulatórias para Comercialização de Eletricidade pelas Usinas do Setor Sucroenergético Maio de 2017 Instabilidade do preço-teto nos leilões O preço teto para a fonte biomassa tem

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA

PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA PROINFA PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA Coordenação-Geral de Fontes Alternativas Departamento de Desenvolvimento Energético Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento

Leia mais

Atualização Tecnológica como base para inovação nos Processos de Operação em Tempo Real

Atualização Tecnológica como base para inovação nos Processos de Operação em Tempo Real Atualização Tecnológica como base para inovação nos Processos de Operação em Tempo Real 8º SENOP - Seminário Nacional de Operadores de Sistemas e de Instalações Elétricas Foz do Iguaçu 06 de Outubro de

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

REVISÃO 1 NT 156/2003. P:\Meus documentos\nota Técnica\NT REVISÃO 1.doc

REVISÃO 1 NT 156/2003. P:\Meus documentos\nota Técnica\NT REVISÃO 1.doc REVISÃO 1 2003/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 156/2003 REVISÃO 1 P:\Meus documentos\nota Técnica\NT 156-2004 REVISÃO 1.doc !"# $%!#&'(# #$)*+,-+-)#-$&.',-+

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

A ENERGIA EÓLICA NO BRASIL 1º. Congresso Brasileiro de Geração Distribuída e Energias Renováveis Agosto de 2009

A ENERGIA EÓLICA NO BRASIL 1º. Congresso Brasileiro de Geração Distribuída e Energias Renováveis Agosto de 2009 A ENERGIA EÓLICA NO BRASIL 1º. Congresso Brasileiro de Geração Distribuída e Energias Renováveis Agosto de 2009 Regina Araújo Desenvolvimento de Negócios Energia Eólica no Mundo 2 PRINCIPAIS MERCADOS DA

Leia mais

RESULTADOS DOS LEILÕES REGULARES DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA (A-3, A-5 E ENERGIA DE RESERVA)

RESULTADOS DOS LEILÕES REGULARES DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA (A-3, A-5 E ENERGIA DE RESERVA) RESULTADOS DOS LEILÕES REGULARES DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA Introdução (A-3, A-5 E ENERGIA DE RESERVA) O presente relatório tem por objetivo representar os resultados dos leilões de compra de energia

Leia mais

3 Seminário Socioambiental Eólico Solenidade de Abertura Salvador, 05 de Dezembro de 2016

3 Seminário Socioambiental Eólico Solenidade de Abertura Salvador, 05 de Dezembro de 2016 3 Seminário Socioambiental Eólico Solenidade de Abertura Salvador, 05 de Dezembro de 2016 Panorama político-econômico para a geração de energia eólica e perspectivas ambientais para o setor Saulo Cisneiros

Leia mais

Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para Hermes Chipp Diretor Geral

Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para Hermes Chipp Diretor Geral Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para 2015 Hermes Chipp Diretor Geral FGV Rio de Janeiro, 02/06/2014 1 Visão de Curto Prazo Avaliação das Condições Meteorológicas

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

Indicadores 5 e 6 do contrato de gestão Relatório de Abril de 2010

Indicadores 5 e 6 do contrato de gestão Relatório de Abril de 2010 Indicadores 5 e 6 do contrato de gestão Relatório de Abril de 2010 Leonardo Ferreira Carneiro Junho de 2010 Indicadores 5 e 6 do contrato de gestão Abril de 2010 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Metodologia

Leia mais

Obrigado! Consultoria em Energia

Obrigado! Consultoria em Energia Obrigado! Marcos Guimarães Consultoria em Energia Pedro Kurbhi Agenda 1 - Eficiência Energética x Gestão Contratual 2 - Pontos Críticos na Gestão de Energia 3- A Demanda 4 - O Consumo 5- Reativos 6 - A

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

Jogos Olímpicos Rio 2016

Jogos Olímpicos Rio 2016 05 a 21 de agosto de 2016 e 07 a 18 de setembro de 2016 Jogos Olímpicos Rio 2016 Rio de Janeiro, 27 de Junho de 2016 1 Cidades-Sede MA SA DF BH SP RJ 2 Estrutura de Trabalho do GT Olimpíadas 2016 Estrutura

Leia mais

Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática

Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática Submódulo 9.6 Acompanhamento e previsão meteorológica e climática Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à

Leia mais

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Fevereiro de 2017

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Fevereiro de 2017 Destaques: A capacidade instalada atualmente pela biomassa (14.619 MW) supera a capacidade instalada pela usina Itaipu. Com 9% da matriz elétrica brasileira, a fonte biomassa em geral ocupa a 2ª posição

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO REFERENTE À OPERAÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS. Autores:

A EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO REFERENTE À OPERAÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS. Autores: USINAS TERMELÉTRICAS Autores: Hermínio Fonseca Almeida ONS Joel Mendes Pereira ONS José Renato Dantas ONS Marcelo Prais ONS Ney Fukui da Silveira ONS Paulo César P. da Cunha ONS Túlio Mascarenhas Horta

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 www.cceorg.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de maio

Análise PLD 4ª semana operativa de maio 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 38,73 125,16 97,36 7,28 29,42 35,66 3,42 37,73 49,42 135,43 86,45 8,39 74,51 73,31 166,69 263,6 287,2 395,73 689,25 www.ccee.org.br Nº 243 4ª semana de o/216 8 1 8 O InfoPLD

Leia mais

Indicadores 3 e 4 do contrato de gestão Relatório de setembro de 2014

Indicadores 3 e 4 do contrato de gestão Relatório de setembro de 2014 Indicadores 3 e 4 do contrato de gestão Relatório de setembro de 2014 André de Oliveira Vieira Outubro de 2014 Indicadores 3 e 4 do contrato de gestão Setembro de 2014 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Metodologia

Leia mais

Apresentação para ENASE Modernização e Evolução do Modelo Setorial

Apresentação para ENASE Modernização e Evolução do Modelo Setorial Apresentação para ENASE Modernização e Evolução do Modelo Setorial Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 A ótica do Operador Luiz Eduardo Barata Ferreira Diretor Geral Rio de Janeiro, 17 de maio de

Leia mais

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO 01 de Abril de 2011 Mesa Redonda sobre Energia no Brasil: Energia e o Novo Governo Rio de Janeiro Empresa de Pesquisa Energética Uma Empresa do Ministério de

Leia mais

PARQUES EÓLICOS Renova BAHIA O SUDOESTE BAIANO NA ROTA DA ENERGIA RENOVÁVEL. Guanambi-BA, 04 de Maio de 2011.

PARQUES EÓLICOS Renova BAHIA O SUDOESTE BAIANO NA ROTA DA ENERGIA RENOVÁVEL. Guanambi-BA, 04 de Maio de 2011. PARQUES EÓLICOS Renova BAHIA O SUDOESTE BAIANO NA ROTA DA ENERGIA RENOVÁVEL Guanambi-BA, 04 de Maio de 2011. 2 1) O QUE É ENERGIA EÓLICA? A energia eólica é a energia que provém do vento. O termo eólico

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas do Pa CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indicador Nº 2/215 Técnicos Responsáv

Leia mais

EEE934 Impactode GD àsredes Elétricas (http://www.cpdee.ufmg.br/~selenios)

EEE934 Impactode GD àsredes Elétricas (http://www.cpdee.ufmg.br/~selenios) Universidade Federal de Minas Gerais Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Área de Concentração: Engenharia de Potência EEE934 Impactode GD àsredes Elétricas (http://www.cpdee.ufmg.br/~selenios)

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

O Mercado Livre de Energia Elétrica

O Mercado Livre de Energia Elétrica O Mercado Livre de Energia Elétrica Conjuntura atual do setor elétrico, seus impactos na indústria e perspectivas futuras. Campetro Energy Novembro de 2015 Sumário 1. Institucional Grupo Votorantim e Votorantim

Leia mais

Energia Eólica Potencial e Oportunidades no Brasil. Lauro Fiuza Junior

Energia Eólica Potencial e Oportunidades no Brasil. Lauro Fiuza Junior Energia Eólica Potencial e Oportunidades no. Lauro Fiuza Junior Presidente da ABEEólica - Associação eira de Energia Eólica 3 de Junho de 2008. ABEEólica Desenvolver a geração eólica no Ela é parte essencial

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA DEC/DECM. Metodologia de cálculo de faturas dos empreendimentos do PROINFA. Janeiro / 2007 DEC/DECM

INFORMAÇÃO TÉCNICA DEC/DECM. Metodologia de cálculo de faturas dos empreendimentos do PROINFA. Janeiro / 2007 DEC/DECM INFORMAÇÃO TÉCNICA Metodologia de cálculo de faturas dos empreendimentos do PROINFA Janeiro / 2007 1 Índice Índice...2 1. OBJETIVO...3 2. INTRODUÇÃO...3 3. METODOLOGIA...3 3.1. REAJUSTE E REVISÃO DOS PREÇOS

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Sigla CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Ind Nº 9/215 Técnicos Resp Equipe CGPM

Leia mais

Potencial Energético das Bacias do Sul

Potencial Energético das Bacias do Sul Potencial Energético das Bacias do Sul Explorado e a explorar 15 de setembro de 2017 Diretoria de Geração DG Departamento de Operação da Produção DOP Coordenação de Pré-Operação e Hidrologia Operacional

Leia mais

Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios

Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal Energia: Recursos Energéticos e Desafios Estratégicos Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios 24 de agosto de 2009 Nelson Hubner

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de fevereiro

Análise PLD 2ª semana operativa de fevereiro 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,6 94,28 35,66 3,42 37,73 49,42 75,93 61,32 83,43 115,58 149,2 2,21 166,5 122,19 121,44 1,64 111,91 287,2 395,73 689,25 www.ccee.org.br

Leia mais

Boletim de conjuntura do setor elétrico brasileiro

Boletim de conjuntura do setor elétrico brasileiro Fevereiro de 2017 3ª Edição Boletim de conjuntura do setor elétrico brasileiro A energia elétrica é insumo essencial à indústria, podendo representar até 40% dos custos de produção em setores eletrointensivos.

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de abril

Análise PLD 4ª semana operativa de abril 1,16 37,61 13, 19,3 8,9 67,31 97,36 13,43 38,73 7,8 9,4 166,69 63,6 94,1 3,66 3,4 37,73 49,4 7,93 61,3 83,43 11,8 149,,1 166, 1,19 11,44 18,43 16,4 87, 39,73 46,1 36,68 3,66 331,1 689, www.ccee.org.br

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

CEMIG E O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA

CEMIG E O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA CEMIG E O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA ACMMINAS CONSELHO EMPRESARIAL DE MINERAÇÃO E SIDERURGIA JULHO DE 2016 SUMÁRIO A CEMIG E O SETOR INDUSTRIAL HISTÓRICO ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E DE ATENDIMENTO REPRESENTATIVIDADES

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 24 06 5 6 06 5 Fonte: PLD: CCEE / PLD médio: PONDERAÇÃO COMERC. PLD médio é a média ponderada dos valores já divulgados do PLD, pelas horas das semanas publicadas.

Leia mais

Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade

Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade Zilmar José de Souza XIV CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA Rio de Janeiro 23 de outubro de 2012 A UNICA A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA)

Leia mais

Panorama Geral do Setor Elétrico

Panorama Geral do Setor Elétrico 11º CONSTRUBUSINESS Congresso Brasileiro da Construção 2015 Panorama Geral do Setor Elétrico Ministro Eduardo Braga São Paulo, 09 de março de 2015 2 Condições Hidrológicas Desfavoráveis 29.909 21.438 22.413

Leia mais

Estudos para a Licitação da Expansão da Transmissão ANÁLISE DE INTEGRAÇÃO DAS CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS - LER 2009

Estudos para a Licitação da Expansão da Transmissão ANÁLISE DE INTEGRAÇÃO DAS CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS - LER 2009 Estudos para a Licitação da Expansão da Transmissão ANÁLISE DE INTEGRAÇÃO DAS CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS - LER 2009 GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME/SPE Estudos para a Licitação da Expansão

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Dezembro de 2013 Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas

Leia mais

PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO

PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO DE ESTUDOS DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CEPAC

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa pouco mais de 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL MAR.2014

INFORMATIVO MENSAL MAR.2014 INFORMATIVO MENSAL.214 Preço de Liquidação das Diferenças 9, 8, 7, 6, 5, 4, 3, 2, PLD Médio /214 PLD TETO 822,83 7 6 5 4 3 2 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 1,, MÉDIA SEMANA 1 1/ a 7/ NORTE SEMANA 2 8/

Leia mais

42,6 42,0 43,0 40,0 40,3 29,0 30,1 23,4 28,7 27,7 19,5 29,4 23,1 20,5

42,6 42,0 43,0 40,0 40,3 29,0 30,1 23,4 28,7 27,7 19,5 29,4 23,1 20,5 % Armazenamento JUNHO RV0 1.1 ARMAZENAMENTO HISTÓRICO DO SISTEMA INTEGRADO NACIONAL 20 56,8 55,7 54,8,2 42,3 42,9 38,5,4 42,6 42,0 43,0,0 34,9 37,0 38,1,3 34,4 35,7 29,0 30,1 32,3 23,4 28,7 27,7 19,5 29,4

Leia mais

Análise PLD 1ª semana operativa de fevereiro

Análise PLD 1ª semana operativa de fevereiro A 125,16 395,73 37,61 13,25 19,03 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 70,28 29,42,69 263,06 689,25 287,20 94,28 35,66 30,42 37,73 49,42 75,93 61,32 83,43 115,58 149,02,21,05,19 121,44,64 www.ccee.org.br Nº

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 25 03 5 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) Fonte: PLD: CCEE / PLD médio: PONDERAÇÃO COMERC. PLD médio é a média ponderada dos valores já divulgados do PLD, pelas horas das semanas publicadas. 2.

Leia mais

OS DESAFIOS TÉCNICOS E COMERCIAIS PARA INTEGRAÇÃO DE NOVAS UNIDADES GERADORAS AO SIN. Mario Marcio Torres CPFL Geração de Energia S.A.

OS DESAFIOS TÉCNICOS E COMERCIAIS PARA INTEGRAÇÃO DE NOVAS UNIDADES GERADORAS AO SIN. Mario Marcio Torres CPFL Geração de Energia S.A. Mario Marcio Torres CPFL Geração de Energia S.A. 2 Para que um agente de geração tenha permissão de integrar suas unidades geradoras ao Sistema Interligado Nacional SIN, primeiramente deverá atender a

Leia mais

Boletim de conjuntura do setor elétrico brasileiro

Boletim de conjuntura do setor elétrico brasileiro 15 de Agosto de 2016 Boletim de conjuntura do setor elétrico brasileiro A energia elétrica é insumo essencial à indústria, podendo representar até 40% dos custos de produção em setores eletrointensivos.

Leia mais

RESOLUÇÃO ANEEL N O 267, DE 13 DE AGOSTO DE 1998

RESOLUÇÃO ANEEL N O 267, DE 13 DE AGOSTO DE 1998 RESOLUÇÃO ANEEL N O 267, DE 13 DE AGOSTO DE 1998 Homologa os Montantes de Energia e Demanda de Potência para os Contratos Iniciais de compra e venda de energia para as empresas da região Sul e dá outras

Leia mais

Análise PLD 1ª semana operativa de agosto

Análise PLD 1ª semana operativa de agosto a 125,16 395,73 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,6 689,25 287,2 35,66 3,42 37,73,42 75,93 61,32 83,43 117,58 www.ccee.org.br Nº 253 1ª semana de agosto/216 8 1 8 O

Leia mais

IMÓVEIS DO FUNDO DO REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL

IMÓVEIS DO FUNDO DO REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL IMÓVEIS DO FUNDO DO REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL 2016 DIRETORIA DE ORÇAMENTO, FINANÇAS E LOGÍSTICA/INSS Junho de 2016 SITUAÇÃO ATUAL INVENTÁRIO 2015 UNIDADE INSS FRGPS SUBTOTAL SUDESTE I - SP 212

Leia mais

Renewable Energy Projects

Renewable Energy Projects Grid Connectivity for Renewable Energy Projects 2nd REFF Latin America 2009 28 de abril de 2009 Roberto Gomes Diretor ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico Sumário Estrutura do Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

CPFL RENOVÁVEIS Relatório de Sustentabilidade. Dezembro, 2013

CPFL RENOVÁVEIS Relatório de Sustentabilidade. Dezembro, 2013 CPFL RENOVÁVEIS Relatório de Sustentabilidade Dezembro, 2013 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação

Leia mais

PROINFA - TRATAMENTO DA ENERGIA DO PROINFA NA CCEE

PROINFA - TRATAMENTO DA ENERGIA DO PROINFA NA CCEE - TRATAMENTO DA ENERGIA DO PROINFA NA CCEE www.ccee.org.br Nº 95 Janeiro/2014 0800 10 00 08 O objetivo desse relatório é apresentar a evolução em base mensal s montantes geras pelas usinas PROINFA e contratas

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas d CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indica Nº 1/215 Técnicos Respon Equipe

Leia mais

BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS. Zilmar José de Souza

BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS. Zilmar José de Souza BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Zilmar José de Souza Câmara Consultiva do Açúcar e Etanol na BM&F-Bovespa São Paulo - 9 de setembro de 2014 Bioeletricidade: capacidade instalada (em MW)

Leia mais