Duas inovações consonânticas num corpus medieval: simplificação do sistema de quatro sibilantes 1 e neutralização da oposição fonológica b/v

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Duas inovações consonânticas num corpus medieval: simplificação do sistema de quatro sibilantes 1 e neutralização da oposição fonológica b/v"

Transcrição

1 Duas inovações consonânticas num corpus medieval: simplificação do sistema de quatro sibilantes 1 e neutralização da oposição fonológica b/v Maria José Carvalho Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra Centro de Estudos de Linguística Geral e Aplicada Abstract This paper deals with two phenomena of consonantism in Portuguese: the process of simplification of the four-sibilant system two dorsal and two apical and the neutralization of the phonological opposition b/v. The former has been cited by linguistic historians as a marker of the terminal phase of archaic Portuguese; the latter which has now become strongly dialectal (the so-called changing v for b, particularly characteristic of the North), was also widespread in the central-southern area of the country in the mediaeval period, although this has not yet been mentioned in the literature, nor taken into account in the periodization of the language. Keywords: Dialectology, Historical Dialectology, Portuguese isophones, phonetic variation, Palavras-chave: Dialectologia, Dialectologia histórica, isófonas portuguesas, variação fonética. 1. Introdução 1.1. Apresentação dos fenómenos Iremos debruçar-nos, nesta comunicação, sobre dois aspectos do consonantismo do português medieval: o processo de simplificação do sistema de quatro sibilantes e a neutralização da oposição fonológica b/v. O primeiro tem sido referido pelos periodizadores da língua como balizador da fase arcaica da língua portuguesa; o segundo (que é tido, na fase actual, como fortemente dialectal) difundiu-se igualmente na zona Centro-meridional do país em época medieval, embora esta realidade não tenha sido ainda referida na literatura nem igualmente tida em conta para efeitos de peridodização da língua. Actualmente, no que diz respeito ao território português, «a realização do fonema /s/ e do seu correlativo sonoro /z/, como fricativas ápico-alveolares, mais ou menos palatalizadas (é a variante mais palatalizada que é vulgarmente conhecida pelo nome de s beirão)» (Cintra, 1971: 102) é, aliás, considerada um traço que «um português do Sul (ou um falante da língua-padrão que nestes casos acompanha os dialectos centromeridionais) reconhecerá como característicos de um português do Norte» (Cintra, 1971: 102). Quanto ao segundo fenómeno, «o desaparecimento da oposição fonológica entre os fonemas /v/ e /b/ e a sua fusão num fonema único /b/» (Cintra, 1971: ), Textos Seleccionados, XXVI Encontro da Associação Portuguesa de Linguística, Lisboa, APL, 2011, pp Sobre este fenómeno veja-se o que foi já referido por Maia, 1997: e por Cardeira, 2003:

2 DUAS INOVAÇÕES CONSONÂNTICAS NUM CORPUS MEDIEVAL particularmente característico do Norte do país (o chamado fenómeno da «troca do v pelo b»), é um dos traços fortemente diferenciador dos dialectos portugueses setentrionais relativamente aos (centro)-meridionais Caracterização do corpus O corpus em que baseámos a nossa pesquisa é constituído por cerca de 153 documentos notariais originais (por nós transcritos), oriundos dos fundos do mosteiro de Santa Maria de Alcobaça (Instituto dos Arquivos Nacionais/Torre do Tombo), tendo sido seleccionados, fundamentalmente, de acordo com critérios de carácter histórico- -cronológico (sécs XIII-XVI) e geográfico. 2 É, de facto, nossa convicção que é na documentação notarial oriunda dos mosteiros que se poderá encontrar a génese da diversidade actual, na medida em que reflectem mais intensamente traços da língua oral da época. Estamos, no entanto, conscientes de que um estudo desta natureza não dispensaria uma comparação com o estado linguístico revelado por outras fontes documentais fidedignas, pesquisa que, por limitações de tempo e de espaço, não poderemos, neste momento empreender. 2. Análise da documentação medieval 2.1 O processo de simplificação do sistema de sibilantes De acordo com Clarinda de Azevedo Maia «dispunha o sistema consonântico galego-português, na sua fase mais antiga, de duas africadas pré-dorso-alveolares, surda e sonora, /ŝ/ e / ẑ /, e de duas fricativas ápico-alveolares, / / e / /). ( ) desde cedo as africadas pré-dorso-alveolares se transformaram, por perda do momento oclusivo inicial, em fricativas pré-dorso-alveolares, surda e sonora. Daí resultou uma etapa intermédia, comum a todo o domínio linguístico ibero-românico, com dois pares de sibilantes fricativas: um de pré-dorsais (/s/ e /z/) e outro de apicais (/ / e / /). A grafia dos textos estudados, em princípio, distingue claramente entre a transcrição das sibilantes e das apicais» (Maia, 1997: ) 3. O processo gráfico generalizado para representar o fonema africado (fricativo, a partir de certa altura) dorso-alveolar surdo é, na nossa colecção documental, c ou ç, aquele utilizado igualmente quando seguido de vogal central e posterior, este último também frequentemente empregue quando o referido fonema consonântico é seguido de vogal anterior. Quanto à representação gráfica do fonema africado (fricativo, a partir de 2 Distinguimos os documentos redigidos no mosteiro dos que são originários dos coutos. A identificação do documento é feita através da indicação do ano, seguida da sigla do local onde foi redigido e do número que o acompanha na nossa edição (Carvalho 2006). São usadas as seguintes siglas: Alc (Alcobaça), Alf (Alfeizerão), Alj (Aljubarrota), Alp (Alpedriz), Alv (Alvorninha), AM (Aldeia do Mosteiro), Cel (Cela), Evo (Évora de Alcobaça), MA (Mosteiro de Alcobaça), Mai (Maiorga), Ped (Pederneira), PP (Póvoa das Paredes), Sal (Salir do Mato), SC (Santa Catarina), SM (S. Martinho) e Tur (Turquel). 3 O sublinhado é da nossa responsabilidade. 141

3 XXVI ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE LINGUÍSTICA certo momento) predorso-alveolar sonoro, os textos evidenciam, de modo geral, z 4. Os processos gráficos de representação das sibilantes ápico-alveolares são ſ-, ſſ-, s- e σ (em posição inicial), -ſ, -s, -ſſ e -σ (em posição final), -ſ-, -s-, -ſſ- e -ss- (em posição intervocálica) Indícios gráficos da perda da oposição fonológica Apresentaremos a seguir os casos de confusões gráficas registados, na medida em que indiciam a falta de controlo perante um processo de simplificação (neutralização fonológica) em curso, ou seja, a perda do carácter africado das dorso-alveolares e consequente confusão destas com as fricativas apicais. Ao nível dos fonemas surdos, aqueles que, de acordo com a sua proveniência etimológica, deveriam grafar-se com ç ou c (< -TI-, -CI-, C- e, i, -C- e, i ) surgem registados com s, ſ ou ſſ, fenómeno que se encontra igualmente presente nos documentos publicados por Clarinda de Azevedo Maia 5. Também a nível das sibilantes ápico-- alveolares se registam inúmeros exemplos de confusões gráficas. Por conseguinte, formas que segundo a sua proveniência etimológica deveriam registar s-, -ss-, ſ- e ſſ- (< S-; -S-) apresentam c-, ç- e -ç-, do mesmo modo que aquelas que deveriam evidenciar em posição intervocálica e implosiva o grafema s (< -S-; -S) aparecem representadas com z. Os exemplos que ilustram, no nosso corpus, esta última situação são suficientemente numerosos para confirmar que o seseo, referido por Luís F. Lindley Cintra, remonta a meados do século XIII: «Mais, quant au Portugal méridional, y compris les alentours de Lisbonne, je ne vois pas de motifs pour douter, vu le nombre et la variété des exemples (...), de ce fait que la simplification du système des sibilantes (...) était en train de s y produire dès la seconde moitié du XIII e siècle» (Cintra, 1963: 75). 4 Como se sabe, as formas historicamente resultantes do étimo RATIŌNEM tiveram dois tratamentos em português, um em que o grupo -TI- resultou num fonema dorso-alveolar surdo, outro num fonema dorso- -alveolar sonoro, com as conhecidas restrições semânticas. Embora não exista uma correspondência perfeita entre as unidades do plano gráfico e as do plano fónico, muito especialmente no período que nos ocupa, é de supor que se encontrem reflectidos no nosso corpus os dois tratamentos, que coexistem, por vezes, no mesmo documento: rraçã ~ rrazã (1372 MA 47) e rraçom (3 v.) ~ rrazom (1472 TC 120), por exemplo. Veja-se, neste último documento, o seguinte contexto: «nõ podia ſeruir a dicta rraçom como era rrazom». A mesma dualidade de tratamentos conheceu, no período medieval, a forma resultante de SATIŌNEM, que também apresenta como resultado de -TI- o fonema dorsoalveolar surdo, apesar de este tratamento representar apenas 29% das ocorrências: ſações (1388 MA 58), ſaçoões (1413 MA 75), ſaçooes (1429 MA 88), ſſacões (1489 MA 130), ſſacõees (1489 MA 130), ſaçõees (1500 MA 136) e ſacões (1502 MA 137). Apresentam-se a seguir as ocorrências que revelam a transformação de -TI- em fonema dorsoalveolar sonoro: çazoes (1377 Alv 50), sazões (1397 MA 63), sazoes (1405 MA 70), sazoes (1450 Alv 104), ſazã (1372 MA 47), ſazóóes (1403 MA 69), ſazoees (1452 MA 106, 2 v. e 1453 MA 107, 2 v.), ſazões (1426 MA 85), ſazoões (1408 MA 71), ſazoões (1410 MA 73), ſazoões (1460 MA 112), ſſazoõeσ (1459 MA 110) e ſſazoõeσ (1478 MA 122 e 1479 MA 124). 5 No nosso corpus regista-se ainda a forma toponímica Alpedrit (1334 Alf 25), que, segundo José Pedro Machado, era em 1183 Alpetriz (D. M. P., I, p. 471). O Autor supõe tratar-se de um outro derivado do singular feminino românico pedra com o artigo definido arábico al- (Machado, 1984 s. u. Alpedriz ). Na forma Alpedrit, o t final deverá representar a africada sonora. Clarinda de Azevedo Maia refere formas patronímicas terminadas em -t registadas em textos galegos do século XIII (Maia, 1997: 454, nota 3). 142

4 DUAS INOVAÇÕES CONSONÂNTICAS NUM CORPUS MEDIEVAL A fim de permitir uma melhor visualização das várias situações e contextos descritos, apresentaremos, nas tabelas seguintes, os dados obtidos, após uma análise exaustiva do nosso corpus: Tabela 1 Confusões gráficas ao nível das sibilantes dorso-alveolares CONFUSÕES GRÁFICAS AO NÍVEL DAS AFRICADAS (OU FRICATIVAS) DORSO-ALVEOLARES SURDAS SONORAS Documentos 1291 Alc Alj Cel SC Alj MA MA MA MA MA MA 138 Formas ſuſeyçoreſ; ſuſeçores comeſar; eyſeyçõ ſoſeſorres cõpoſyſom ~ cõpoſyçõm compoſyſom deſeender p[re]zenſſa conpoſiſom ~ [con]poſiçam (2 v.) deſpoſiſã; deſẽde[r] naſeer provẽſya ~ provẽçya (6 v.); provẽcya neſeçario serto serto ~ çerto Documentos 1362 MA MA MA MA Tur 149 Formas Beatrix 6 rrais Marques tras ( traz ) Marqes 1522 MA SC Alc Do étimo *BEATRICE-, segundo José Pedro Machado, que refere Beatrix como documentada no Cancioneiro da Biblioteca Nacional. (Machado, 1984, s.u. Beatriz). Infelizmente, não encontrámos referência a este antropónimo em outras obras consultadas. 143

5 XXVI ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE LINGUÍSTICA Tabela 2 Confusões gráficas ao nível das sibilantes ápico-alveolares CONFUSÕES GRÁFICAS AO NÍVEL DAS FRICATIVAS ÁPICO- ALVEOLARES SURDAS 7 SONORAS Documentos Formas Documentos Formas 1291 Alc Alc Alv MA Alj 133 ſuſeyçoresſ; ſuſeçores céélo, 3 v. çazoes neceçidades neçeçaryo 1291 Alc Alc Alc MA Alj Ped 29 ẽcleziaſticos dezenbarge; 1522 MA *pemſaçõ; 144 ſobçeçores 1527 MA ſoçeçores MA MA Alv Alj Ped Ped SC TC PP MA Alj MA Tur 149 quizerdeſ; quizermos mazcabamos (< *MINUSCAPĀRE) mazcabe p[re]zẽça ~ p[re]ſẽt[e] dezenbargaria; dezenbargar mazcabos; prezẽça ~ preſente mazcabos p[re]zença p[re]zença p[re]zença ~ p[re]ſent[e]s p[re]zenca ~ p[re]ſent[e]s p[re]zẽça ſinprezmente prezẽça ~ preſẽtes prezenſſa ~ p[re]ſſête; p[re]ſſente prezẽça ~ ap[re]ſentado; preſentes Françez prezẽça (~ preſẽtj; preſẽtes; presentes); cejtjz Dos dados colhidos na nossa amostra relativamente às sibilantes ressaltam conclusões inequívocas: por um lado, as antigas africadas predorso-alveolares tinham já começado a se transformar, desde o século XIII, em fricativas predorso-alveolares, por perda do elemento oclusivo inicial. Como consequência do desaparecimento desse traço fonológico, a oposição entre /s/ (< /ŝ/) e / / e entre /z/ (< / ẑ /) e / / começaria a neutralizar-se, iniciando-se assim um processo de eliminação das sibilantes ápicoalveolares. O número de abonações registadas revelando confusão de grafias apresentase na tabela seguinte, em períodos de 50 anos 8 : 7 Formas interessantes mas que oferecem alguma complexidade são acẽya (1298 Alc 6), acẽha (1321 Alc 17) e acenha (1397 MA 64, 16 v.) (em galego existe igualmente acea, com síncope de n), de origem árabe (asseniia > azenha). R. F. Mansur Guérios diz tratar-se de uma forma do Sul (espanhol aceña/ceña e catalão cenia). Acrescenta em nota que Gonçalves Viana diz que «o povo emprega comumente ( ) acenha, e depreende de um escrito de J. J. Nunes que essa é a pronúncia local do Algarve». Quanto à forma azenha, atribui-a este Autor à «errônea ortografia com s, asenha», a qual concorreu «para a falsa pronúncia e escrita azenha, que literàriamente se difundiu, considerando-se hoje, em geral, como defeituosa a pronunciação e escrita com c, única popular e fiel ao étimo (Apostilas, I, p )». (Guérios, 1956: 140). Álvaro Galmés de Fuentes salienta: «Es evidente, que por el hecho de que el ( ) (sīn) del árabe sea realizado en los arabismos del español como [θ] (sīnia > aceña, salqa > acelga, sukkar > azúcar, (...), etc.), no podemos afirmar acríticamente que en el hispano-árabe el ( ) (sīn) valía como una interdental, pues el paso del fonema seseante al ceceante es una evolución del español y no del árabe» (Galmés de Fuentes, 1983: 218). 8 Excepto o primeiro e o último períodos. Incluímos na contagem a forma pemſaçõ, que surge no documento 1522 MA

6 DUAS INOVAÇÕES CONSONÂNTICAS NUM CORPUS MEDIEVAL Tabela 3 Número de casos de confusão de grafias, ao nível das sibilantes Épocas Total Século XIII Não há dúvida que há uma certa estabilidade nos valores registados para os casos de confusões gráficas desde finais do século XIII até meados do século XVI, excepto na primeira metade do século XV, onde se nota um decréscimo significativo. Contudo, esse decréscimo não se generaliza, no nosso corpus, a todo o século, ao contrário do que mostram os dados apresentados por Esperança Cardeira 9, uma vez que a partir da segunda metade esses valores apresentam de novo uma tendência ascendente. Observado numa perspectiva intra-linguística, o fenómeno parece ter-se divulgado em contextos assimilatórios, ou seja, em situações em que a vizinhança de um outro fonema alveolar do mesmo tipo favoreceu a igualação fonética. Exemplos como ſuſeyçoresſ, ſuſeçores ſoſeſorres, cõpoſyſom, prezenſſa, deſpoſiſã, neſeçario, neceçidades, neçeçaryo, ſoçeçores, prezẽça, assim como a convivência, no interior do mesmo documento, desta última forma com a variante flexional preſente, que não ostenta o contexto mencionado, são suficientemente abundantes para suportar tal hipótese. A verdade é que as primeiras atestações de seseo-ceceo surgem num documento de 1291 em formas como céélo, quizerdeſ e quizermos, ou seja, em contextos em que não existe essa vizinhança. Tratou-se, portanto, de uma mudança que desde cedo se tornou sistemática, grassando facilmente no interior do sistema, sempre que condições fonéticas propícias o permitiam. Por outro lado, houve certos contextos da língua em que z por s foi a única variante ao longo do período abrangido pelo presente estudo. Referimo-nos, por exemplo, a situações em que a fricativa ápicoalveolar se encontra em contexto implosivo, seguido de oclusiva surda: mazcabamos, mazcabe e mazcabos. Esta constatação, aliada aos inúmeros exemplos apresentados, vai ao encontro da hipótese levantada por Clarinda Maia, segundo a qual as manifestações do fenómeno do seseo devem ter tido o seu início «na posição implosiva, onde z era um som articulatoriamente relaxado» (Maia, 1997: 456). 9 Exprime-se deste modo a autora: «No século XV a ocorrência de casos de instabilidade gráfica diminui. Tal facto pode, naturalmente, dever-se à correspondente diminuição do número total de documentos observados referentes a esse século (...). Não será, no entanto, de afastar a hipótese de que neste século o início da fixação de uma norma linguística (e gráfica), a par de uma crescente influência do texto literário, possa ter contribuído para a diminuição da instabilidade gráfica: sem que o processo de mudança tenha estagnado, a sua expressão gráfica pode ter diminuído devido a uma maior pressão do texto literário sobre o texto notarial» (Cardeira, 2003: ). 145

7 XXVI ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE LINGUÍSTICA Evolução da fricativa na forma proveniente do étimo SERĀRE: uma pista para a localização temporal da mudança Um aspecto muito interessante a mencionar diz respeito à evolução da privativa ápico-alveolar na forma proveniente do étimo SERĀRE 10 ( cerrar, fechar ) para a dorsoalveolar, que se manifesta graficamente, a partir de certa altura, na forma çarrado e outras variantes. Vale a pena analisarmos as abonações encontradas 11 : Tabela 4 Evolução da sibilante na forma historicamente resultante de SERARE Cronologias 1321 Alc AM Vid Alv MA MA MA Alj Alj MA 146 Formas enſarrã sarrada ſarou çarrado çarrado çarrado çarrada çarar çarar çarado, 2 v. É inequívoco que a partir de 1380 se verificou nesta unidade lexical uma mudança ao nível da sibilante, ou favorecida por um contexto assimilatório ou pela existência de uma forma muito semelhante (cercar), ou eventualmente pelos dois tipos de factores. 2.2 Neutralização da oposição fonológica /b/ ~ /v/ Como é sabido, o fonema fricativo labiodental /v/ não existe na maior parte do território da Península Ibérica, actualmente. Em finais da Idade Média, a ausência de /v/ labiodental estendia-se desde a Galiza e Norte de Portugal, passando por Leão, Castela e Aragão, até a maior parte da Catalunha. Assim, o fonema que se representava por u e v era fricativo, de articulação bilabial, /β/, (em algumas regiões lábio-dental), confundindo-se facilmente com o oclusivo bilabial sonoro /b/ (Lapesa, 1991: 39-40). Na zona meridional de Espanha, Levante e, eventualmente, na zona Centro-meridional portuguesa, a articulação predominante parece ter sido, na sua origem, lábio-dental pelo que a distinção entre /b/ e /v/ se manteve (nas duas primeiras regiões, pelo menos parcialmente, até ao século XVI) (Lapesa, 1991: ). As confusões entre os dois 10 A forma de infinitivo serrar procede do mesmo étimo. Segundo Ramón Lorenzo, a forma cerrar deve-se à conexão com cercar.(lorenzo, 1977, vol II, s. u. cerrar). De qualquer forma, não sabemos até que ponto essa explicação de tipo analógico é suficientemente forte para impedir uma outra que vê a passagem de uma articulação apical a outra de tipo dorsal como o resultado de um processo assimilatório resultante de uma afinidade articulatória com a vibrante alveolar que se lhe segue. 11 Esta mudança parece bastante interessante. Esperança Cardeira apresenta essa alternância (entre serado e cerado/çerado) num documento do mosteiro de Vilarinho de 1545, afirmando que não se trata de uma oscilação significativa, uma vez que se verifica desde o século XIII. E acrescenta: «Nesta forma, a indistinção entre serrado e cerrado parece ter-se tornado tradição» (Cardeira, 2003: 138, nota 10). Os dados agora apresentados parecem apontar para uma mudança intra-sistémica notável nesta forma (eventualmente alargada a outras não documentadas) a partir de finais do século XIV. 146

8 DUAS INOVAÇÕES CONSONÂNTICAS NUM CORPUS MEDIEVAL fonemas começaram, assim, muito cedo, no Norte da Península rumo ao Sul até eliminar o /v/ na segunda metade do século XVI, salvo na zona Centro-meridional portuguesa, Levante e ilhas Baleares. No que diz respeito à actual situação do português setentrional, e como já foi salientado por Clarinda Maia (1997: 473), é tomando como termo de comparação a situação da chamada língua-padrão (que coincide, neste aspecto, com as variedades centro-meridionais) que se tem tentado explicar a inexistência do fonema lábio-dental. Contudo, importa salientar que, de acordo com a mesma autora, deve ter existido inicialmente no Noroeste peninsular «uma oposição fonológica entre dois fonemas, mas sendo um deles bilabial sonoro oclusivo, /b/, que se transcrevia com b, e o outro um fonema fricativo de articulação bilabial / /, que se representava habitualmente com u ou v, surgindo de modo totalmente esporádico e isolado uu: cf. uuia vinha» (Maia, 1997: 473). Relativamente à igualação v = b, Luís F. Lindley Cintra crê que a igualação dos fonemas é um facto posterior à época da Reconquista: «elle [inovação /v/ > /b/] ne réussit pas à pénétrer, ou ne pénètre que lentement, dans la région repeuplée plus récemment et qui s est maintenue, comme il arrive souvent, plus fidèle au stade atteint par le langage primitif au moment du déplacement des populations, que la région d où ces populations ont été déplacées» (Cintra, 1962: 36-37). Recorde-se que Clarinda de Azevedo Maia nos apresenta numerosas abonações nos documentos da primitiva região galego-portuguesa, não só com b- em substituição de v- ou u-, mas também de -b- em vez de -u- ou -v- (resultantes de -B-, -U- ou -F- latinos), sendo esta última situação um pouco menos representada nos documentos portugueses (Maia, 1997: ) 12. Segundo a autora, a «perda da distinção entre os dois fonemas [/b/ e / /] é, na Galiza e possivelmente também na região de Entre-Douro-e-Minho, um facto anterior à Reconquista. A sul do Douro, é provável que o fenómeno resulte da Reconquista e das deslocações de populações nortenhas para sul» (Maia, 1997: 482). O nosso corpus apresenta, a partir de finais do século XIV, algumas confusões dos grafemas u e v com o grafema b 13, inicialmente em posição inicial (< U-), mais tardiamente em posição intervocálica (< -U-), ou em grupo consonântico cujo segundo 12 Essa constatação leva a Autora a salientar a «antiguidade da vacilação gráfica entre b e u (ou v), o que traduz certamente uma igualação dos fonemas que esses grafemas originariamente representavam» (Maia, 1997: ) 13 De acordo com Sílvio Elia, «a chamada troca do v pelo b é um galeguismo que não atingiu a pronúncia padrão portuguesa» (Elia, 1981: 216). Os testemunhos de b por v no espaço peninsular durante a Idade Média são numerosos, de acordo com Dámaso Alonso: «documentos latinos de los siglos X y XI, documentos romances (de tipo distinto, jurídicos, literários, etc.) de todo el norte peninsular de los siglos XII al XV; testimonios de los gramáticos (de Castilla a Galicia y norte de Portugal) del siglo XVI. Siempre lo mismo: norma etimológica latinizante; y, contra ella, siempre innumerables transgresiones. No cabe más que una interpretación posible: ( ). En general, los hablantes confundían de algún modo la b- y la v-; de esa confusión son pruebas los testimonios gráficos desde el fondo de la Edad Media hasta los letreros que hacen en las paredes con la tiza de los colegios los niños de 1959, lo mismo que los testimonios de los primeros gramáticos (los del siglo XVI) y de los que les habrían de suceder» (Alonso, 1962: 167). 147

9 XXVI ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE LINGUÍSTICA elemento é vibrante (< -FR-, -PR-) 14. Os dados relativos ao nosso corpus encontram-se sistematizados na tabela seguinte: Tabela 5 Formas que apresentam <b> por <v> ou <u> Documentos Ocorrências com b por v, u Nº de oc. do grafema u 1291 Alc 2 bagĩaſ MA 57 inrreuocabil MA 67 beria (?) Evo 80 binho; biſto MA 85 birẽ; bynte (3 v.); bidas; balha; Nobaaes, MA 87 bem Cós 89 birem; bijnte (3 v.); bjnho; Bieira SC 91 birem; Bjçẽte; bijnte; biſto MA 96 bjnte (2 v.); B[j]c[ẽt]e (2 v.); Baſq[u]o; Alf 99 Baſqo Alj 103 bíjnhos; conbento; balham; beeſe; mobijs MA 119 Baaſco; bíjnhos; bíjnte; mobíjs MA 128 combem (2 v.) MA 136 abrego (2 v.) Ped 140 abeſſia; abrego MA 144 abrigo MA 148 abrego (2 v.) Tur 149 abriguo (2 v.) Sal 152 abrego 18 abreguo berbo (2 v.) Nº de oc. do grafema v A tabela apresentada mostra que o contexto linguístico em que a propagação se manifestou de forma mais acentuada, na primeira metade do século XV, foi a posição inicial e, a partir da segunda metade desse século, em grupo consonântico constituído por vibrante (< -FR-). Entre a década de 80 do século XIV e a primeira metade do século XV, há, todavia, alguns exemplos esporádicos de b por v em contexto intervocálico ou em início de sílaba entravada por nasal, e em pleno século XVI um documento de Salir do Mato regista duas vezes a forma berbo. De acordo com Adelina Angélica Pinto, «a marca de rusticismo que, pelo menos desde o séc. XVI, acompanhava a pronúncia de b por v, é (...) a primeira responsável pela ausência da neutralização em quase todo o português insular e do Brasil» (Pinto, 1980: 650). Paralelamente a esta troca, ou um pouco mais tardiamente, regista-se o inverso (a troca de b por v ), ou seja, a fricatização de /b/, eventualmente por reacção ou ultra- -correcção, que foi favorecida pelo contexto intervocálico (< -P-; -B-) e que, em certos lexemas, se viria a consumar em mudança no interior do próprio sistema. Estão nesse caso as formas derivadas de PŎPŬLA- 15, que desde cedo (mas sobretudo a partir de meados do século XV) surgem com -v- e -u- em vez de -b-: 14 Este último, resultante do grupo consonântico secundário -P L-. 15 A forma historicamente representante de TABŬLA (e seus derivados) apresenta, ao longo de todo o período medieval, esse resultado: tauoas (1362 MA 44, 2 v.), tauoado (1478 MA 123) e tavoado (1495 MA 134 e 1507 MA 139). 148

10 DUAS INOVAÇÕES CONSONÂNTICAS NUM CORPUS MEDIEVAL Tabela 6 Formas derivadas de PŎPŬLA-/PŎPŬLU- apresentando u e v em vez de b (< -P-) Documentos 1342 Alf SC PP MA MA Tur 149 Formas povoadores; povoa (3 v.) pouoa pouoa poua pouoradores, 2 v. pouo, provador; povorad[o]res Outras formas com u e v em vez de b desenvolveram-se mais tardiamente, tendo sido rejeitadas pela norma. Neste caso, /b/ não se encontra em posição intervocálica mas integrando um grupo consonântico cujo segundo elemento é uma vibrante (ou se transforma em vibrante) 16, atraída entretanto para junto da sílaba inicial: Graujel (1460 MA 113), Grauyel (1460 MA 113), p[ro]ve (1505 MA 138), p[ro]ves (1505 MA 138), proujcar (1526 Ped 145), proujcara (1435 Alj 92, 3 v.), proujcase (1526 Ped 145), etc. 3. Conclusões Relativamente ao processo de simplificação do sistema de sibilantes, podemos concluir que o fenómeno se manifestou precocemente, tendo sido sistemático em toda a área ocidental da Península 17. Do ponto de vista sócio-geográfico, os dados apresentados levam a supor que a inovação no sentido da simplificação teve origem nos meios mais rurais e periféricos relativamente aos centros de pressão niveladora, pois avultam os exemplos de confusões gráficas em documentos redigidos nos coutos. Que esse fenómeno era já um traço idiolectal de tabeliães dos séculos XIII e XIV, mostram- -no o documento de 1291, onde ocorre 3 vezes a forma céélo (ao lado de quizerdeſ e quizermos), assim como os documentos redigidos em 1340 na Pederneira, ou em 1377 em Alvorninha, provando, assim, que arcaísmo e inovação não se encontram em pólos opostos mas poderão constituir duas faces da mesma moeda 18. Por último, os dados que possuímos, particularmente no que diz respeito às fricativas sonoras, são relativamente abundantes ao longo dos séculos XIV, XV e XVI (com uma pequena redução na 16 Ao percorrer os testemunhos dos gramáticos portugueses, Adelina Angélica Pinto exprime-se deste modo: «Duarte Nunes de Leão dá-nos ainda conta doutros casos de b por v e de v por b, não como fenómeno regional, mas genérico, não sistemático, que atribui a gente vulgar. Na lista de palavras que intitula Reformação de algûas palauras que a gente vulgar usa e escreue mal menciona ( ) emprouecer ( ), proue ( ), pruuico ( ), pruuicar ( ). Estamos perante casos de vários tipos: representação de b- inicial por v- na língua literária e por b- entre a linguagem do vulgo ( ); nos restantes exemplos, rejeição das formas arcaicas com -v- (< -b- e < -p-) e aceitação das mesmas formas com -b-, as únicas correctas». (Pinto, 1980: ). Um pouco mais adiante, referindo-se ao fenómeno b por v na linguagem dos negros, a Autora refere que «o emprego da bilabial pela labiodental é um dos traços estilísticos utilizados por Gil Vicente para imitar, ou pelo menos evocar, o «sabir» comum que se havia formado a partir das diferentes línguas africanas faladas pelos escravos negros residentes em Portugal no séc. XVI» (Cf. página 634 da obra citada). 17 A forma ceruyço, encontrada por Clarinda Maia num documento português datado de 1289, e que surge de modo esporádico, não deverá, na nossa opinião, deixar margem para dúvida relativamente à difusão do fenómeno igualmente na zona de Entre-Douro-e-Minho (Maia, 1997: 451 e ). 18 A documentação redigida por tabeliães do couto de Alvorninha revelou que se trata do couto mais arcaizante, em termos de linguagem, mas é ao mesmo tempo aquele onde afloram mais inovações. 149

11 XXVI ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE LINGUÍSTICA primeira metade do século XV e uma ascensão notória a partir de cerca de 1450), não apontando para uma verdadeira mudança no sistema ou para uma fase de transição entre etapas. Esta constatação faz supor que estamos em presença de um processo gradual e plurissecular de convivência entre variantes, pelo que deverá ser precisada, à luz destes dados, a cronologia apontada por Paul Teyssier, para quem a redução a favor das predorso-dentais se operou apenas em finais do século XVI (Teyssier, 1980: 63), e por Evanildo Bechara, segundo o qual «a redução no primitivo quadro de quatro sibilantes a dois fonemas predorsodentais deve ter ocorrido e ficou concretizado no decurso da primeira metade do século XVI, conforme nos dão testemunho as lições dos gramáticos e as grafias desse período» (Bechara, 1991: 72). Os nossos dados ajudam, assim, a ilustrar e conciliar as afirmações de Clarinda de Azevedo Maia, para quem «parece dever admitir-se que surgiram em toda a Península diferentes focos de confusão de sibilantes, mais ou menos contemporâneos» (Maia, 1997: 449), bem como a de Ramón Lorenzo, que crê ser «difícil poder admitir que os cambios se xeraron independentemente nas varias zonas en que se produciron e que houbo un corte na zona de Entre-Douro-e-Minho entre o mesmo resultado do galego e do Centro-Sur de Portugal ou que en Andalucía é diferente, nun principio, á evolución do castelán» (Lorenzo, 1995: 232). Diferente é a situação se nos cingirmos a algumas unidades lexicais ou a certos contextos fónicos, nomeadamente a início de palavra ou início de sílaba entravada por nasal. A mudança gráfica verificada na representação do fonema sibilante da unidade lexical proveniente de SERARE, a ser confirmada em análises de corpora mais vastos, poderá revelar uma mudança intra-linguística irreversível integrada pela norma linguística. Quanto ao segundo fenómeno analisado, da análise dos dados do nosso corpus, pode concluir-se que a igualação ou neutralização dos fonemas /v/ e /b/ se verificou, igualmente, em época muito antiga na zona Centro-litoral de Portugal. Assim, a primeira forma com b por v atestada nesta colecção data de 1291, voltando a aflorar apenas em 1388 (cerca de um século depois), sendo que a maior parte dos exemplos se concentra no período compreendido entre 1380 e : binho, biſto, bynte, bidas, balha, Nobaaes, bem, birem, Bieira, abrego, são alguns exemplos. Seja qual for a justificação para esta divulgação do fenómeno, particularmente acentuada num período cronológico específico, e não obstante a variedade setentrional de Entre-Douro-e-Minho não ter tido o prestígio para se impor, e de a vida política e cultural se ter deslocado cada vez mais para Sul, ainda em pleno século XVI um 19 Também Adelina Angélica Pinto, baseando-se em documentos publicados por Alberto Iria, afirma que «em documentos do Algarve, compreendidos entre 1382 e 1412, aparece em algumas palavras, embora esporadicamente, b por v (< -v- ou < v-): Gonçalo basques; abendo a par de avendo; embiauom; baasco lourenço, baasco estevez; baasco dominguez, mas Vaasco dominguez; baasco afonso, mas Vaasco affonso; bjnte» (Pinto, 1980: 629). 150

12 DUAS INOVAÇÕES CONSONÂNTICAS NUM CORPUS MEDIEVAL tabelião da vila de Aljubarrota (redigindo uma demarcação em Salir do Mato) escrevia, pela sua própria mão: «de berbo a berbo» (Carvalho, 2006: 419). Para efeitos de periodização, e tendo em conta outros fenómenos por nós já analisados em outros estudos (Carvalho, 1996 e 2006), os fenómenos que acabámos de analisar têm em comum o facto de prefigurarem mudanças associadas a condições extra-linguísticas específicas. Referimo-nos à influência da mobilidade populacional que precedeu a revolução de 1383/1385 (e que culminou na célebre batalha de Aljubarrota), data a partir da qual se estrutura, como dissemos em outro lugar, uma outra conjuntura linguística 20. Referências Alonso, Dámaso (1962) B = V en la Península Ibérica. In La fragmentación fonética peninsular. Suplemento ao tomo I da Enciclopedia Lingüística Hispánica. Madrid: Consejo Superior de Investigaciones Científicas, pp Cardeira, Esperança (2003) Alguns dados sobre o sistema de sibilantes do português. In Ivo Castro & Inês Duarte (orgs.) Razões e Emoção. Miscelânea de estudos oferecida a Maria Helena Mira Mateus. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, vol. I, pp Carvalho, Maria José (2008) Breve contribuição para o estudo da génese e formação dos dialectos centro-meridionais portugueses. In Sónia Frota & Ana Lúcia Santos (orgs.) Textos seleccionados do XXIII Encontro Nacional da APL (Évora, 1-3 de Outubro de 2007). Lisboa: Colibri, pp , Maria José (2006) Documentação medieval do mosteiro de Santa Maria de Alcobaça (sécs. XIII-XVI). Edição e estudo linguístico. Dissertação de Doutoramento apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra., Maria José (1996) Do Português arcaico ao Português moderno. Contributos para uma nova proposta de periodização. Dissertação de Mestrado em Linguística Portuguesa apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra [inédita]. Cintra, Luís F. Lindley (1962) Une frontière lexicale et phonétique dans le domaine linguistique portugais. In Actas do IX Congresso Internacional de Linguística Românica, vol. III (= Boletim de Filologia, tomo XX, fasc. 1 e 2, 1961). Lisboa, pp , Luís F. Lindley (1971) Nova proposta de classificação dos dialectos galego-portugueses. Boletim de Filologia, vol. XXII ( ), fascículos 1 e 2. Lisboa, pp , Luís F. Lindley (1963) Observations sur l orthographe et la langue de quelques textes non littéraires galiciens-portugais de la seconde moitié du XIII e siècle. In: Apport des anciens textes romans non littéraires à la connaissance de la langue du Moyen Âge. Colloque organisé par le Centre de Philologie Romane de Strasbourg, du 30 Janvier au 4 Février Extrait de la Revue de Linguistique Romane, tome XXVII. Elia, Sílvio (1981) A pronúncia quinhentista do português. In Macchiaroli, Gaetano (org.) Atti del XIV Congresso Internazionale di Linguistica e Filologia Romanza (Napoli, Aprile 1974). Amsterdam: John Benjamins B. V., vol. V, pp Galmés de Fuentes, Álvaro (1983) Dialectología mozárabe. Madrid: Editorial Gredos. Guérios, R. F. Mansur (1956) O romanço moçarábico lusitano. Revista dos Cursos de Letras, nºs 5 e 6, Universidade do Paraná, Curitiba. Lapesa, R. (2000) Historia de la lengua española. Novena edición corregida y aumentada. Madrid: Editorial Gredos. Lorenzo, Ramón (1977) La traducción gallega de la Crónica General y de la Crónica de Castilla. 20 Se tivermos em conta particularmente os fenómenos de natureza morfológica, concluímos que o panorama linguístico que se desenha a partir de finais do século XIV tem já muito mais de moderno do que de arcaico. Veja-se Carvalho,

13 XXVI ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE LINGUÍSTICA Edición crítica anotada, con introducción, índice onomástico y glosario. 2 vols. Orense: Instituto de Estudios Orensanos Padre Feijoo [veja-se vol. II ( Glosario )]. Machado, José Pedro (1984) Dicionário onomástico etimológico da língua portuguesa. 3 vols. Lisboa: Confluência. Maia, Clarinda de Azevedo (1997) História do galego-português. Estado linguístico da Galiza e do Noroeste de Portugal desde o século XIII ao século XVI (Com referência à situação do galego moderno). Reimpressão da edição de Lisboa: FCG e JNICT. Pinto, Adelina Angélica (1980) A neutralização da oposição fonológica v/b em português: estudo sincrónico e diacrónico. Biblos, vol. LVI (= Homenagem a Joaquim de Carvalho), 52 p. e 4 mapas. 152

Breve contribuição para o estudo da génese e formação dos dialectos centro-meridionais portugueses 1

Breve contribuição para o estudo da génese e formação dos dialectos centro-meridionais portugueses 1 Breve contribuição para o estudo da génese e formação dos dialectos centro-meridionais portugueses 1 Maria José Carvalho Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (Centro de Estudos de Linguística

Leia mais

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA 3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA Uma língua viva, apesar da unidade que a torna comum a uma nação, apresenta variedades quanto à pronúncia, à gramática e ao vocabulário. Chama-se variação linguística

Leia mais

Introdução à História do Português

Introdução à História do Português Ivo Castro Introdução à História do Português Segunda edição revista e muito ampliada Edições Colibri Índice Síntese Introdutória... 7 Capítulo I TERRITÓRIOS E COMUNIDADES LINGUÍSTICAS 1. Introdução. Conceitos

Leia mais

GRAMÁTICA PORTUGUESA 2 -FONOLOGIA E MORFOLOGIA

GRAMÁTICA PORTUGUESA 2 -FONOLOGIA E MORFOLOGIA FACULDADE DE FILOLOGIA Grau em Línguas Modernas: Português GRAMÁTICA PORTUGUESA 2 -FONOLOGIA E MORFOLOGIA José Luís RODRIGUEZ GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁTICO 2015/2016 I. DADOS DA MATÉRIA NOME: Gramática

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA HISTÓRIA E VARIEDADE DO PORTUGUÊS 2 José António Souto Cabo Márlio Barcellos Pereira da Silva GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Breve caracterização fonética de sons que

Leia mais

A redução de proparoxítonas no português popular do Brasil: estudo com base em dados do Atlas lingüístico do Paraná (ALPR).

A redução de proparoxítonas no português popular do Brasil: estudo com base em dados do Atlas lingüístico do Paraná (ALPR). A redução de proparoxítonas no português popular do Brasil: estudo com base em dados do Atlas lingüístico do Paraná (ALPR). Vandersí Sant Ana Castro Instituto de Estudos da Linguagem Universidade Estadual

Leia mais

Conteúdo: Aula: 1.1. - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano.

Conteúdo: Aula: 1.1. - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano. Aula: 1.1 Conteúdo: - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano. Habilidades: - Conhecer a origem e história da língua

Leia mais

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 UNIDADE DIDÁTICA: TEMA A: DOS PRIMEIROS POVOS À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL.

Leia mais

Contribuçoes para o projeto de revitalizaçao da lingua indigena kyikatêjê na amazônia paraense

Contribuçoes para o projeto de revitalizaçao da lingua indigena kyikatêjê na amazônia paraense Pereira Machado Soares, Eliane; Rodrigues Brito, Áustria Contribuçoes para o projeto de revitalizaçao da lingua indigena kyikatêjê na amazônia paraense V Jornadas Internacionales de Investigación en Filología

Leia mais

Durante o reinado de Fernando I (1035-1063), os territórios cristãos já se estendiam até Coimbra e avançavam em direção ao sul

Durante o reinado de Fernando I (1035-1063), os territórios cristãos já se estendiam até Coimbra e avançavam em direção ao sul A DIVISÃO DO GALEGO-PORTUGUÊS EM PORTUGUÊS E GALEGO, DUAS LÍNGUAS COM A MESMA ORIGEM Nilsa Areán-García (USP) nilsa.arean@gmail.com / nilsa.garcia@usp.br RESUMO Na Alta Idade Média, de acordo com Silva

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA código 171608 Escola Básica D. Domingos Jardo MANUAL ADOPTADO: HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - HGP AUTORES: ANA OLIVEIRA/ FRANCISCO CANTANHEDE/ MARÍLIA GAGO

Leia mais

CENTENÁRIO DA ORTOGRAFIA OFICIAL DA LÍNGUA PORTUGUESA: CAMINHOS PERCORRIDOS Celina Márcia de Souza Abbade (UNEB) celinabbade@gmail.

CENTENÁRIO DA ORTOGRAFIA OFICIAL DA LÍNGUA PORTUGUESA: CAMINHOS PERCORRIDOS Celina Márcia de Souza Abbade (UNEB) celinabbade@gmail. CENTENÁRIO DA ORTOGRAFIA OFICIAL DA LÍNGUA PORTUGUESA: CAMINHOS PERCORRIDOS Celina Márcia de Souza Abbade (UNEB) celinabbade@gmail.com Orthographia he scencia de bem screuer qualquer lingoagem: porque

Leia mais

Logotipo X Marca X Logomarca IDENTIDADE VISUAL. Parte I LOGOTIPO MARCA LOGOMARCA. galleti.net

Logotipo X Marca X Logomarca IDENTIDADE VISUAL. Parte I LOGOTIPO MARCA LOGOMARCA. galleti.net IDENTIDADE VISUAL Parte I LOGOTIPO MARCA LOGOMARCA galleti.net 1. LOGOTIPO É composto por partes distintas: o símbolo e a tipografia, que juntos formam o logotipo em si. Mas, também pode ser uma representação

Leia mais

Algumas observações sobre a noção de «língua portuguesa» in Boletim de Filologia, Lisboa, 29,1984, pp.585-592. Eduardo PAIVA RAPOSO

Algumas observações sobre a noção de «língua portuguesa» in Boletim de Filologia, Lisboa, 29,1984, pp.585-592. Eduardo PAIVA RAPOSO Algumas observações sobre a noção de «língua portuguesa» in Boletim de Filologia, Lisboa, 29,1984, pp.585-592. Eduardo PAIVA RAPOSO Neste pequeno artigo, pretendemos questionar a noção de «língua portuguesa»

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LÍNGUA PORTUGUESA EM MOÇAMBIQUE Fátima Helena Azevedo de Oliveira 35 fatimavernaculas@yahoo.com.br CONTEXTO HISTÓRICO-SOCIAL A República de Moçambique

Leia mais

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO.

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. Gisele Martins SIQUEIRA (Mestranda FL/UFG) Gisele.msiqueira@gmail.com Maria Suelí de AGUIAR (FL/UFG) aguiarmarias@gamil.com

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2º CICLO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

Descrição e análise do sistema consonantal do português arcaico no Pergaminho Vindel

Descrição e análise do sistema consonantal do português arcaico no Pergaminho Vindel Descrição e análise do sistema consonantal do português arcaico no Pergaminho Vindel Daniel Soares da sta Av. Ferroviária nº 1420 Centro Ibitinga SP Brasil esumo. Este artigo descreve e analisa o sistema

Leia mais

VARIAÇÕES NO DOMÍNIO DA LÍNGUA PORTUGUESA Ânderson Rodrigues Marins (UFF) andermarins@gmail.com e andermarins@hotmail.com

VARIAÇÕES NO DOMÍNIO DA LÍNGUA PORTUGUESA Ânderson Rodrigues Marins (UFF) andermarins@gmail.com e andermarins@hotmail.com VARIAÇÕES NO DOMÍNIO DA LÍNGUA PORTUGUESA Ânderson Rodrigues Marins (UFF) andermarins@gmail.com e andermarins@hotmail.com INTRODUÇÃO Os que se detêm na análise mais acurada dos fenômenos lingüísticos percebem

Leia mais

HISTÓRIA DO CASAMENTO EM PORTUGAL

HISTÓRIA DO CASAMENTO EM PORTUGAL NUNO ESPINOSA GOMES DA SILVA HISTÓRIA DO CASAMENTO EM PORTUGAL Um esboço UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA Lisboa 2013 PALAVRAS PRÉVIAS Vinha, há tempos, ponderando a publicação de umas lições sobre a História

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A LÍNGUA KAXARARI DA FAMÍLIA PANO: ANÁLISE DE ALGUNS ASPECTOS FONOLÓGICOS

UM ESTUDO SOBRE A LÍNGUA KAXARARI DA FAMÍLIA PANO: ANÁLISE DE ALGUNS ASPECTOS FONOLÓGICOS UM ESTUDO SOBRE A LÍNGUA KAXARARI DA FAMÍLIA PANO: ANÁLISE DE ALGUNS ASPECTOS FONOLÓGICOS Priscila Hanako Ishy 1 ; Gláucia Vieira Cândido 2 ; Lincoln Almir Amarante Ribeiro3 1 Bolsista PBIC /CNPq, graduanda

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

APPENDIX&PROBI!E!VARIAÇÃO!LINGUÍSTICA!NO!PORTUGUÊS!BRASILEIRO! APPENDIX!PROBI!AND&LINGUISTIC&VARIATION&IN&BRAZILIAN&PORTUGUESE&

APPENDIX&PROBI!E!VARIAÇÃO!LINGUÍSTICA!NO!PORTUGUÊS!BRASILEIRO! APPENDIX!PROBI!AND&LINGUISTIC&VARIATION&IN&BRAZILIAN&PORTUGUESE& Curitiba,Vol.2,nº2,jan.2jun.2014ISSN:231821028REVISTA(VERSALETE & & APPENDIX&PROBIEVARIAÇÃOLINGUÍSTICANOPORTUGUÊSBRASILEIRO APPENDIXPROBIAND&LINGUISTIC&VARIATION&IN&BRAZILIAN&PORTUGUESE& KayronCamposBeviláqua

Leia mais

A FONÉTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA

A FONÉTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA A FONÉTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA Ivete Carneiro Braz (Letras _ UEL) Geane Maria Marques Branco Sanches (Letras _ UEL) Dulce Meger Silveira Camargo (Letras _ UEL) Orientador:

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5 José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE DE FILOLOXÍA. DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA

Leia mais

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte.

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte. MARCAS DA ITÁLIA NA TOPONÍMIA DE BELO HORIZONTE Resumo Zuleide Ferreira Filgueiras 1 Esta comunicação tem como objetivo apresentar os principais resultados da dissertação de mestrado A presença italiana

Leia mais

IMPRENSA REGIONAL PORTUGUESA: Caracterização dos públicos, Audiências e Hábitos de Leitura

IMPRENSA REGIONAL PORTUGUESA: Caracterização dos públicos, Audiências e Hábitos de Leitura IMPRENSA REGIONAL PORTUGUESA: Caracterização dos públicos, Audiências e Hábitos de Leitura A Imprensa Regional desempenha um papel relevante, não só no âmbito territorial, a que naturalmente mais diz respeito,

Leia mais

MENÇO OU MINTO? REGULARIZAÇÃO DE PARADIGMAS VERBAIS MENÇO OU MINTO? REGULARIZATION OF VERBAL PARADIGMS

MENÇO OU MINTO? REGULARIZAÇÃO DE PARADIGMAS VERBAIS MENÇO OU MINTO? REGULARIZATION OF VERBAL PARADIGMS MENÇO OU MINTO? REGULARIZAÇÃO DE PARADIGMAS VERBAIS MENÇO OU MINTO? REGULARIZATION OF VERBAL PARADIGMS Maria João Colaço* m.j.colaco@hotmail.com Esperança Cardeira** ecardeira@hotmail.com As mudanças sofridas

Leia mais

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo De acordo com os indicadores demográficos disponíveis relativos a 2007, a população residente em Portugal

Leia mais

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano Literatura Idade Média e Classicismo Renascentista 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano história e da cultura de Portugal no período estudado, domínio da língua portuguesa A unidade curricular Literatura

Leia mais

Objetivo. Letras. Análise Linguística? Em que consiste? Estruturas fonológicas da língua portuguesa. Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo

Objetivo. Letras. Análise Linguística? Em que consiste? Estruturas fonológicas da língua portuguesa. Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo Letras Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo Estruturas fonológicas da língua portuguesa Objetivo Entrar em contato com as características da análise fonológica. Conhecer os fonemas consonantais e vocálicos

Leia mais

O%ENSINO%DA%PROSÓDIA%DO%ESPANHOL%COMO%LÍNGUA% ESTRANGEIRA%NAS%ESCOLAS%ESTADUAIS%DE%CURITIBA'

O%ENSINO%DA%PROSÓDIA%DO%ESPANHOL%COMO%LÍNGUA% ESTRANGEIRA%NAS%ESCOLAS%ESTADUAIS%DE%CURITIBA' ISSN: 2318-1028REVISTA VERSALETE ' OENSINODAPROSÓDIADOESPANHOLCOMOLÍNGUA ESTRANGEIRANASESCOLASESTADUAISDECURITIBA' SPANISHASAFOREIGNLANGUAGE:TEACHINGPROSODYIN PUBLICSCHOOLSINCURITIBA PolliannaMilan 1 '

Leia mais

CURSO LIVRE HISTÓRIA DO ENSINO ARTÍSTICO EM PORTUGAL PROGRAMA. 2.1. Francisco da Holanda e a sua perspectiva sobre o ensino artístico.

CURSO LIVRE HISTÓRIA DO ENSINO ARTÍSTICO EM PORTUGAL PROGRAMA. 2.1. Francisco da Holanda e a sua perspectiva sobre o ensino artístico. CURSO LIVRE HISTÓRIA DO ENSINO ARTÍSTICO EM PORTUGAL 8 de Abril a 1 de Julho (interrupção no dia 10 de Junho que é feriado) 4ª feira, das 18h 30m às 20h 30m 24h, 12 sessões PROGRAMA 1. A Idade Média 1.1.

Leia mais

FACTORES DA EVOLUÇÃO DEMOGRÁFICA

FACTORES DA EVOLUÇÃO DEMOGRÁFICA FACTORES DA EVOLUÇÃO DEMOGRÁFICA Admite se o caráter mais ou menos estacionário da população portuguesa até meados do século XVII, ultrapassando um tanto, embora com altos e baixos, o milhão de habitantes.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO. Ano letivo 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO. Ano letivo 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO Ano letivo 2013/2014 Manual de História e Geografia de Portugal do 5º Ano : «Saber

Leia mais

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com RESUMO Neste trabalho, discutiremos sobre o estudo morfossintático da

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE OS USOS DO PORTUGUÊS

REFLEXÕES SOBRE OS USOS DO PORTUGUÊS 30 REFLEXÕES SOBRE OS USOS DO PORTUGUÊS ADELINA CASTELO * A forma como se usa actualmente a língua portuguesa leva-me, enquanto professora de Português e linguista, a reflectir... São essas reflexões e

Leia mais

CURRICULUM VITAE. 1.1. Nome: Maria Filomena Pimentel de Carvalho Andrade. 1.2. Filiação: José de Carvalho Andrade e Maria Isabel Lobo Pimentel

CURRICULUM VITAE. 1.1. Nome: Maria Filomena Pimentel de Carvalho Andrade. 1.2. Filiação: José de Carvalho Andrade e Maria Isabel Lobo Pimentel CURRICULUM VITAE 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1. Nome: Maria Filomena Pimentel de Carvalho Andrade 1.2. Filiação: José de Carvalho Andrade e Maria Isabel Lobo Pimentel 1.3. Data de Nascimento: 8 de Maio de 1956

Leia mais

Estatuto Jurídico dos Judeus e Mouros na Idade Média Portuguesa

Estatuto Jurídico dos Judeus e Mouros na Idade Média Portuguesa A/490020 JOAQUIM DE ASSUNÇÃO FERREIRA Estatuto Jurídico dos Judeus e Mouros na Idade Média Portuguesa (Luzes e Sombras, na convivência entre as três religiões) UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA LISBOA 2006

Leia mais

VOCALISMO: UMA BREVE ABORDAGEM NO PORTUGUÊS DO BRASIL

VOCALISMO: UMA BREVE ABORDAGEM NO PORTUGUÊS DO BRASIL VOCALISMO: UMA BREVE ABORDAGEM NO PORTUGUÊS DO BRASIL Flágila Marinho da Silva Lima Illa Pires Azevedo 1 94 RESUMO O presente trabalho busca refletir sobre o processo de vocalização no português brasileiro.

Leia mais

GUIA PRÁTICO REGISTRO DE MARCA

GUIA PRÁTICO REGISTRO DE MARCA GUIA PRÁTICO REGISTRO DE MARCA 1. DEFINIÇÃO DE MARCA Marca é um sinal que individualiza os produtos ou serviços de uma determinada empresa e os distingue dos produtos ou serviços de seus concorrentes.

Leia mais

Planificação Anual ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS TEMA(S) / CONTEÚDOS AVALIAÇÃO CALENDARIZAÇÃO

Planificação Anual ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS TEMA(S) / CONTEÚDOS AVALIAÇÃO CALENDARIZAÇÃO ANO LECTIVO - 010/ 011 ÁREA DISCIPLINAR DE HISTÓRIA HISTÓRIA 7º ANO COMPETÊNCIAS GERAIS 1. Tratamento de informação; utilização de fontes;. Compreensão histórica:.1. Temporalidade.. Espacialidade.3. Contextualização

Leia mais

Un ramo de rosas rojas: as dificuldades do lusofalante na emissão dos fonemas /rr/ e /x/ do espanhol 1

Un ramo de rosas rojas: as dificuldades do lusofalante na emissão dos fonemas /rr/ e /x/ do espanhol 1 Un ramo de rosas rojas: as dificuldades do lusofalante na emissão dos fonemas /rr/ e /x/ do espanhol 1 Carlos Alberto Della Paschoa (Instituto Cervantes Río de Janeiro) INTRODUÇÃO Os lusofalantes, ao iniciarem

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 5 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início:15-21 de setembro 2015 *Fim:17 dezembro 2015 *Início:4

Leia mais

TRATAMIENTO DE LOS ASPECTOS CONFLICTIVOS DEL ESPAÑOL PARA LUSOHABLANTES. Centro de Formação Continua de Professores FLUC

TRATAMIENTO DE LOS ASPECTOS CONFLICTIVOS DEL ESPAÑOL PARA LUSOHABLANTES. Centro de Formação Continua de Professores FLUC TRATAMIENTO DE LOS ASPECTOS CONFLICTIVOS DEL ESPAÑOL PARA LUSOHABLANTES Acão de Formação nº18 de 2012/2013 (CCPFC/ACC-73656/13) Centro de Formação Continua de Professores FLUC Formadoras: Mestre Elena

Leia mais

Maria Inês Cordeiro e António Tavares Lopes Panorama da edição e utilização das publicações periódicas Coimbra, 6 de Maio de 2009

Maria Inês Cordeiro e António Tavares Lopes Panorama da edição e utilização das publicações periódicas Coimbra, 6 de Maio de 2009 Exploração de domínios analíticos para a redescoberta da Colóquio Letras Maria Inês Cordeiro e António Tavares Lopes Panorama da edição e utilização das publicações periódicas Coimbra, 6 de Maio de 2009

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 4. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 4. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 4 José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE DE FILOLOXÍA. DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA

Leia mais

Estudo fonético-acústico dos róticos no português e no espanhol para uma aplicação pedagógica

Estudo fonético-acústico dos róticos no português e no espanhol para uma aplicação pedagógica Estudo fonético-acústico dos róticos no português e no espanhol para uma aplicação pedagógica Kelly Cristiane Henschel Pobbe de Carvalho 1 Faculdade de Ciências e Letras de Assis Universidade Estadual

Leia mais

4º SEMESTRE 3º SEMESTRE CH 480 CRED 26 CH 435 CRED 24 SINTAXE I SINTAXE II. DELL 755 60h (4.0.0) DELL 744 DELL 749. 60h (4.0.0) 60h (4.0.

4º SEMESTRE 3º SEMESTRE CH 480 CRED 26 CH 435 CRED 24 SINTAXE I SINTAXE II. DELL 755 60h (4.0.0) DELL 744 DELL 749. 60h (4.0.0) 60h (4.0. UESB 1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 3º SEMESTRE 4º SEMESTRE 5º SEMESTRE 6º SEMESTRE 7º SEMESTRE 8º SEMESTRE CURSO DE LETRAS MODERNAS CH 360 CRED 21 CH 420 CRED 24 CH 435 CRED 24 CH 480 CRED 26 CH 510 CRED 23

Leia mais

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria - IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL 2006 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ÍNDICE Introdução Pág. 2 1 Sumário executivo Pág. 5 2 Análise dos resultados 2.1 Situação

Leia mais

Prioridades do Registro

Prioridades do Registro Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Propriedade industrial / Aula 03 Professor: Marcelo Tavares Conteúdo: Marcas (cont.), Desenho Industrial (início). continuação de Marcas Quanto a forma de apresentação:

Leia mais

ENCICLOPÉDIA VERBO LUSO-BRASILEIRA DE CULTURA EDIÇÃO SÉCULO XXI

ENCICLOPÉDIA VERBO LUSO-BRASILEIRA DE CULTURA EDIÇÃO SÉCULO XXI ENCICLOPÉDIA VERBO LUSO-BRASILEIRA DE CULTURA EDIÇÃO SÉCULO XXI A Enciclopédia VERBO, Edição Século XXI constitui o mais formidável conjunto organizado de conhecimentos, culturais, científicos e outros,

Leia mais

Prova Escrita de Geografia A

Prova Escrita de Geografia A Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de Março Prova Escrita de Geografia A 0.º e.º Anos de Escolaridade Prova 79/.ª Fase 0 Páginas Duração da Prova: 0 minutos. Tolerância: 30

Leia mais

Prova Escrita de Francês

Prova Escrita de Francês Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Francês 11.º Ano de Escolaridade Continuação bienal Decreto-Lei n.º 139/2012, de de julho Prova 17/1.ª Fase Critérios de Classificação 7 Páginas

Leia mais

PADRÕES DE CONCORDÂNCIA VERBAL E DE ALTERNÂNCIA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO E NO PORTUGUÊS EUROPEU ESTUDO SOCIOLINGUÍSTICO COMPARATIVO

PADRÕES DE CONCORDÂNCIA VERBAL E DE ALTERNÂNCIA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO E NO PORTUGUÊS EUROPEU ESTUDO SOCIOLINGUÍSTICO COMPARATIVO PADRÕES DE CONCORDÂNCIA VERBAL E DE ALTERNÂNCIA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO E NO PORTUGUÊS EUROPEU ESTUDO SOCIOLINGUÍSTICO COMPARATIVO CÁSSIO FLORÊNCIO RUBIO PADRÕES DE CONCORDÂNCIA VERBAL E DE

Leia mais

Em busca de um método de investigação para os fenômenos diacrônicos

Em busca de um método de investigação para os fenômenos diacrônicos 11 1 Em busca de um método de investigação para os fenômenos diacrônicos Grupo de Morfologia Histórica do Português (GMHP) Sobre a língua portuguesa não se desenvolveu, para além das listagens existentes

Leia mais

O Signo: Significado e Significante Ana Catarina Gentil FBAUL, 2006

O Signo: Significado e Significante Ana Catarina Gentil FBAUL, 2006 O Signo: Significado e Significante Ana Catarina Gentil FBAUL, 2006 Índice Resumo. 1 Introdução 1 Desenvolvimento... 1 1. Análise a Saussure... 2 1.1 Arbitrariedade do Signo. 3 1.2 Linearidade do Signo.

Leia mais

Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais

Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais Renise Cristina Santos (UFMG) 1 Introdução Este trabalho apresenta dados parciais da pesquisa de mestrado que está sendo desenvolvida

Leia mais

Fonética e Fonologia. Profa. Me. Luana Lemos. llemos@salesiano.org.br

Fonética e Fonologia. Profa. Me. Luana Lemos. llemos@salesiano.org.br Fonética e Fonologia Profa. Me. Luana Lemos 1 Fonética e Fonologia Fonética é a parte da gramática que estuda os sons da fala (física) Fonologia estuda os fonemas da língua nas diversas combinações (linguística)

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

Aspectos fonéticos nas produções orais de alunos brasileiros aprendizes. de espanhol

Aspectos fonéticos nas produções orais de alunos brasileiros aprendizes. de espanhol Aspectos fonéticos nas produções orais de alunos brasileiros aprendizes de espanhol Maria Sílvia Barbosa (UNESP/ UNIFRAN/ Uni-FACEF) Ucy Soto (UNESP) Em nossa prática docente percebemos, muitas vezes,

Leia mais

APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS

APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS Gerusa PEREIRA (UNISUL) ABSTRACT: The present

Leia mais

TIC 1 Processamento de Texto. UMA APROXIMAÇÃO À HISTÓRIA DA PALAVRA ESCRITA [Edimar Sartoro]

TIC 1 Processamento de Texto. UMA APROXIMAÇÃO À HISTÓRIA DA PALAVRA ESCRITA [Edimar Sartoro] TIC 1 Processamento de Texto UMA APROXIMAÇÃO À HISTÓRIA DA PALAVRA ESCRITA [Edimar Sartoro] MESOPOTÂMIA A História começa com a escrita 2 PINTURA RUPESTRE Conhecida como a primeira tentativa do homem fixar

Leia mais

16 Pronúncia do Inglês

16 Pronúncia do Inglês Este livro tem por objetivo central apresentar os sons do inglês aos falantes do português brasileiro. Pretende-se, ainda, indicar algumas diferenças de pronúncia entre variedades do inglês falado em diferentes

Leia mais

3.5. Lista das disciplinas que se podem realizar em língua estrangeira

3.5. Lista das disciplinas que se podem realizar em língua estrangeira 3.3. Estrutura do curso, ritmo de estudo e obrigações dos estudantes. Condições de matrícula no semestre seguinte e condições prévias de matrícula em disciplinas individuais. O curso de Língua e Literatura

Leia mais

Português Brasileiro Cantado Questões técnicas e estéticas relacionadas às normas de pronúncia propostas para o canto erudito no Brasil

Português Brasileiro Cantado Questões técnicas e estéticas relacionadas às normas de pronúncia propostas para o canto erudito no Brasil Português Brasileiro Cantado Questões técnicas e estéticas relacionadas às normas de pronúncia propostas para o canto erudito no Brasil Wladimir Mattos EVPM, FUNDUNESP, Universidade Estadual Paulista Resumo

Leia mais

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Conteúdos Ano Lectivo Período Lectivo Tema A-A península Ibérica: dos primeiros povos à formação

Leia mais

/z/ depois [+vozeado] Além disso As crianças generalizam automaticamente com base em traços elas não aprendem primeiro de uma base fonema por fonema

/z/ depois [+vozeado] Além disso As crianças generalizam automaticamente com base em traços elas não aprendem primeiro de uma base fonema por fonema Fonética e Fonologia 24.900: Introdução à Linguagem anotações das aulas: semana de 04 de Março de 2002 Conjunto de Problemas # 4: Para Segunda-feira, 11/03/02 Apostila sobre o principal para a identificação

Leia mais

APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS

APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS UNIVERSIDADE: Universidade Federal de Minas Gerais NÚCLEO DISCIPLINAR/COMITÊ ACADÊMICO: Lingüística, Letras e Artes TÍTULO DO TRABALHO: APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS

Leia mais

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO 1. CONTEÚDOS BÁSICOS PROFISSIONAIS LÍNGUA INGLESA I Ementa: Consolidação do estudo das estruturas simples da Língua Inglesa I em seus aspectos

Leia mais

A atividade é promovida pelo Agrupamento de Escolas Sidónio Pais e pela Câmara Municipal de Caminha

A atividade é promovida pelo Agrupamento de Escolas Sidónio Pais e pela Câmara Municipal de Caminha A atividade é promovida pelo Agrupamento de Escolas Sidónio Pais e pela Câmara Municipal de Caminha CAMINHA VAI ACOLHER COLÓQUIO INTERDISCIPLINAR DOS 150 ANOS DO NASCIMENTO DE LUCIANO PEREIRA DA SILVA

Leia mais

ARABISMOS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: NOVOS USOS DA HERANÇA LINGUÍSTICA EUROPEIA

ARABISMOS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: NOVOS USOS DA HERANÇA LINGUÍSTICA EUROPEIA ARABISMOS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: NOVOS USOS DA HERANÇA LINGUÍSTICA EUROPEIA Francisco Barroso de Sousa (PIBIC/UFPI 2013-2014) Samantha de Moura Maranhão (ORIENTADORA) INTRODUÇÃO Esta investigação, sobre

Leia mais

INTRODUÇÃO. Henriques, Coimbra, 1938. 4 Rui de Azevedo, P. Avelino de Jesus da Costa, Marcelino Rodrigues Pereira, Documentos de D.

INTRODUÇÃO. Henriques, Coimbra, 1938. 4 Rui de Azevedo, P. Avelino de Jesus da Costa, Marcelino Rodrigues Pereira, Documentos de D. 7 INTRODUÇÃO Pelos inícios de 1961 Lindley Cintra, no âmbito de um colóquio sobre o contributo dos textos não literários para o conhecimento da língua da Idade Média, e com o intuito de situar os principais

Leia mais

A LÍNGUA PORTUGUESA E SEU ALTO GRAU DE DIVERSIDADE E DE RESUMO. A comunicação é indispensável ao homem que vive em sociedade, com esta necessidade

A LÍNGUA PORTUGUESA E SEU ALTO GRAU DE DIVERSIDADE E DE RESUMO. A comunicação é indispensável ao homem que vive em sociedade, com esta necessidade A LÍNGUA PORTUGUESA E SEU ALTO GRAU DE DIVERSIDADE E DE VARIABILIDADE. *Gisele Rogelin Prass RESUMO A comunicação é indispensável ao homem que vive em sociedade, com esta necessidade surge à língua. A

Leia mais

22 Workshop: A organização dos Arquivos Familiares à luz da Ciência da Informação: teoria e prática Organização: GI Historiografia

22 Workshop: A organização dos Arquivos Familiares à luz da Ciência da Informação: teoria e prática Organização: GI Historiografia PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2011 [As actividades programadas poderão vir a ser alteradas em função dos cortes operados pela FCT, quanto ao financiamento de 2010. Todas as alterações serão assinaladas atempadamente]

Leia mais

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores Coleção educação em análise A literatura é um campo privilegiado para ocultar/desocultar sentidos, e os livros contemporâneos (muitas vezes plenos de mensagens que vão além do texto literário, estabelecendo

Leia mais

EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA

EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA Msc. Nádia Estima de Castro nadia.castro@acad.pucrs.br +55 51 92388146 Doutoranda em Educação da Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Reconstituição virtual do Mosteiro de Stª Mª de Seiça nos meados do século XIX

Reconstituição virtual do Mosteiro de Stª Mª de Seiça nos meados do século XIX Reconstituição virtual do Mosteiro de Stª Mª de Seiça nos meados do século XIX Occidente Revista Illustrada de Portugal e do Estrangeiro, nº 317, 11 Outubro 1887 Encontros de Cultura e Património Mosteiro

Leia mais

A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO

A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO GHISLANDI, Indianara; OENNING, Micheli email: michelioenning@yahoo.com.br Universidade Estadual

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 524/VIII ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DE ANCEDE, NO CONCELHO DE BAIÃO, À CATEGORIA DE VILA. I Contributo histórico

PROJECTO DE LEI N.º 524/VIII ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DE ANCEDE, NO CONCELHO DE BAIÃO, À CATEGORIA DE VILA. I Contributo histórico PROJECTO DE LEI N.º 524/VIII ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DE ANCEDE, NO CONCELHO DE BAIÃO, À CATEGORIA DE VILA I Contributo histórico Ancede, população que sé estende ao longo do rio Douro, tem raízes históricas

Leia mais

Academia Diplomática y Consular Carlos Antonio López

Academia Diplomática y Consular Carlos Antonio López FUNDAMENTACIÓN: IDIOMA: PORTUGUÊS CONTENIDO TEMÁTICO Llevando en consideración las directrices del Marco Europeo Común de Referencia, el examen será encuadrado en un nivel Intermedio Superior. En este

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LÍNGUA PORTUGUESA 3. José António Souto Cabo João Ribeirete

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LÍNGUA PORTUGUESA 3. José António Souto Cabo João Ribeirete FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LÍNGUA PORTUGUESA 3 José António Souto Cabo João Ribeirete GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE DE FILOLOXÍA. DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA

Leia mais

CONTRIBUTOS PARA ELABORAÇÃO E CONCRETIZAÇÃO DE UM PROJECTO DE PESQUISA CIENTÍFICA 1. Marcos Olímpio Gomes dos Santos 2

CONTRIBUTOS PARA ELABORAÇÃO E CONCRETIZAÇÃO DE UM PROJECTO DE PESQUISA CIENTÍFICA 1. Marcos Olímpio Gomes dos Santos 2 CONTRIBUTOS PARA ELABORAÇÃO E CONCRETIZAÇÃO DE UM PROJECTO DE PESQUISA CIENTÍFICA 1 Marcos Olímpio Gomes dos Santos 2 RESUMO O autor sistematiza neste texto alguns contributos para a elaboração de um projecto

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVI, Nº 04, t. 2, pág. 1897.

Cadernos do CNLF, Vol. XVI, Nº 04, t. 2, pág. 1897. ESTRUTURA FONOLÓGICA DA LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E DA LÍNGUA PORTUGUESA: QUESTÕES SOBRE A (IN)DEPENDÊNCIA NA ESTRUTURA LINGUÍSTICA Robevaldo Correia dos Santos (UFRB) bem_fsa@hotmail.com Geisa Borges

Leia mais

Amparo Carvas. Publicações. Musicólogos portugueses

Amparo Carvas. Publicações. Musicólogos portugueses Musicólogos portugueses Amparo Carvas Publicações Teses, capítulos de livros, artigos em revistas de circulação internacional com arbitragem científica, revistas nacionais, publicações de encontros científicos,

Leia mais

Assunto: Consumo. Publicidade. Distribuição de desdobráveis sobre o Provedor de Justiça.

Assunto: Consumo. Publicidade. Distribuição de desdobráveis sobre o Provedor de Justiça. Assunto: Consumo. Publicidade. Distribuição de desdobráveis sobre o Provedor de Justiça. O PROBLEMA Foi solicitada por Sua Excelência o Provedor de Justiça a realização de estudo sobre a potencial aplicação

Leia mais

NORMA DE REGISTRO DE MARCAS - NOR 506

NORMA DE REGISTRO DE MARCAS - NOR 506 MANUAL DE MARKETING E SERVIÇOS COD. 500 ASSUNTO: PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS REFERENTES AO REGISTRO DE MARCAS DA EMPRESA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 131 de 10/11/2014 VIGÊNCIA: 11/11/2014 NORMA DE

Leia mais

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A 10º Ano Ano Lectivo - 2012/2013 (sujeita a reajustamentos) Prof. ª Irene Lopes 1º PERÍODO MÓDULO 0 ESTUDAR E APRENDER HISTÓRIA MÓDULO 1 RAÍZES MEDITERRÂNICADA CIVILIZAÇÃO

Leia mais

Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 AQUISIÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA

Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 AQUISIÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/proletr/fasciculo_port.pdf Antônio Augusto Gomes Batista Ceris S. Ribas Silva Maria das Graças de Castro Bregunci Maria

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

Língua Portuguesa 1ºEM

Língua Portuguesa 1ºEM ASSESSORIA DE EDUCAÇÃO PROVÍNCIA DO PARANÁ Colégio Social Madre Clélia Língua Portuguesa 1ºEM Prof. Eliana Martens A prova de redação é extremamente importante em vestibulares e em concursos Avalia diferentes

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Actos de Fala Quadro Geral Significado e contexto

Leia mais

REVISTA DA FACULDADE DE LETRAS. GEOGRAFIA, PORTO, FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO

REVISTA DA FACULDADE DE LETRAS. GEOGRAFIA, PORTO, FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO REVISTA DA FACULDADE DE LETRAS. GEOGRAFIA, PORTO, FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO ACESSO AOS TEXTOS INTEGRAIS (http://ler.letras.up.pt/site/default.aspx?qry=id04id17&sum=sim) I Série 1985

Leia mais

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de História e Geografia de Portugal 6º Ano de Escolaridade Prova 05 / 2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 90 minutos.

Leia mais

A ocupação senhorial do território torriense As Instituições Religiosas

A ocupação senhorial do território torriense As Instituições Religiosas A ocupação senhorial do território torriense As Instituições Religiosas Marco de Reguengo Várzea (Torres Vedras) Após a queda das praças de Santarém, Lisboa e Sintra, em 1147, o território torriense passa

Leia mais

CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS

CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS Fátima Christina Calicchio (PG-UEM) calicchiofc@hotmail.com Rosângela Nunes Pereira (PG UEM) rosenpereira@yahoo.com.br Introdução Este estudo está organizado em três

Leia mais