ARQUITETURA DE COMPUTADORES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARQUITETURA DE COMPUTADORES"

Transcrição

1 ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 05: Memória Principal

2 MEMÓRIA PRINCIPAL Elementos de uma memória principal (célula, bloco, tamanho total); Cálculo dos elementos de memória (tamanho dos barramentos de endereços e dados, do RDM, do REM, tamanho da célula e da palavra, capacidade total de armazenamento da memória). Conceitos de variáveis e ponteiros. Ciclos de leitura e escrita em memória. Relação entre os elementos da memória e processador.

3 Elemento básico de armazenamento: Bit (Binary Digit) Célula de memória (de semicondutor): Dispositivo semicondutor capaz de armazenar um bit.

4 Que condições um dispositivo deve cumprir para ser usado como célula de memória?

5 Que condições um dispositivo deve cumprir para ser usado como célula de memória? 1. Poder assumir dois estados mutuamente exclusivos (ou assumir valores acima e abaixo de determinado patamar);

6 Que condições um dispositivo deve cumprir para ser usado como célula de memória? 1. Poder assumir dois estados mutuamente exclusivos (ou assumir valores acima e abaixo de determinado patamar); 2. Permitir que o estado seja alterado (pelo menos uma vez);

7 Que condições um dispositivo deve cumprir para ser usado como célula de memória? 1. Poder assumir dois estados mutuamente exclusivos (ou assumir valores acima e abaixo de determinado patamar); 2. Permitir que o estado seja alterado (pelo menos uma vez); 3. Permitir que o estado seja lido.

8 Memórias de semicondutores Usadas predominantemente na MP devido às suas características: Permitem acesso apenas através do endereço. Ocupam pouco espaço. Grande quantidade de bits podem ser armazenados em pequenos CIs. Tempo de acesso pequeno

9 Memórias de semicondutores Tipos de encapsulamento: DIP - Dual Inline Package SIPP - Single Inline Pin Package SIMM Single Inline Memory Module DIMM - Dual Inline Memory Module

10 Célula de memória Capacidade de armazenamento: 1 bit

11 Porém... Com um só bit a capacidade de representar valores é limitada (exceto no caso de flags )

12 Porém... Com um só bit a capacidade de representar valores é limitada (exceto no caso de flags ) Solução: Posição de memória Agrupar bits em conjuntos e identificar cada conjunto por um endereço. Cada conjunto identificado por um endereço constitui uma posição de memória. Não há padrão oficial, mas o padrão de fato é usar posições de memórias de 8 bits (um byte)

13 Endereço de memória: Identifica (inconfundivelmente) uma posição de memória. É um número (em geral expresso em hexadecimal ou binário) É uma entidade lógica (não existe fisicamente em nenhum local da memória); em diagramas de memória, são inseridos ao lado da posição que identificam para fins puramente didáticos.

14 Organização (lógica) da memória: A MP é uma grande estrutura de conjuntos de células empilhados. A maioria dos computadores de mesa adota posições de memória de oito bits (por vezes fisicamente combinadas em linhas de até dezesseis posições, ou 128 bits) que do ponto de vista lógico são enxergadas pela UCP como uma enorme pilha de posições; cada posição tem um endereço que cresce sequencialmente de zero até o final do espaço de endereçamento.

15 Organização (lógica) da memória: Como a UCP vê a MP:

16 Organização (física) da memória: A memória é organizada em uma matriz de linhas e colunas; Cada linha pode conter uma ou mais posições de memória;

17 Organização (física) da memória :

18 Organização (física) da memória: A memória é organizada em uma matriz de linhas e colunas; Cada linha pode conter uma ou mais posições de memória; O acesso à memória (leitura ou escrita) é feito linha a linha; Não obstante isto, cada posição de memória é identificada por seu endereço.

19 Leitura/Escrita de uma posição de memória: A linha inteira é transferida para/de um registrador

20 Organização (física) da memória: Registrador de dados da memória (RDM) A capacidade (largura) da linha depende da largura (em bits) do RDM e é igual ao número de linhas do barramento de dados;

21 Cálculos dos elementos da memória Capacidade da posição de memória Capacidade da posição de memória : quantidade de números diferentes que podem ser nela armazenados. C = 2 L Onde: C=Capacidade da unidade endereçável L= Largura da unidade endereçável em bits Em posições de memória de 8 bits, C=2 8 =256 Portanto cada posição de memória de 8 bits pode armazenar números de 0 a 255.

22 Cálculos dos elementos da memória Capacidade de unidade de armazenamento O mesmo princípio vale para a capacidade de qualquer unidade de armazenamento (por exemplo: registradores): sua capacidade é igual à quantidade de números diferentes que podem ser nela armazenados. Para qualquer unidade de L bits: C = 2 L ; Onde: C=Capacidade da unidade de armazenamento L= Largura da unidade de armazenamento em bits Unidades de armazenamento de 16 bits, C=2 16 = (64K) Unidades de armazenamento de 32 bits, C=2 32 = (4GB)

23 Cálculos dos elementos da memória Maior valor que pode ser armazenado ATENÇÃO! Não confundir a capacidade da unidade de armazenamento (número de valores diferentes que ela pode armazenar) com o valor do maior número que nela pode ser armazenado. EXEMPLO: Capacidade de armazenamento de uma unidade de 8 bits: C = 2 8 = 256 (pode armazenar 256 diferentes valores) PORÉM: O menor valor armazenado é 0 (zero) LOGO: maior número N que pode armazenar: N = 255 PORTANTO: N = C-1 (Generalizando: N = 2 L -1)

24 Cálculos dos elementos da memória Capacidade do espaço de endereçamento O espaço de endereçamento é a capacidade máxima de memória suportada pelo sistema (nem sempre igual ao total instalado) Sua capacidade depende do número de linhas do barramento de endereços (que é igual à largura do REM em bits). E = 2 B Onde: E = Espaço de endereçamento (capacidade da MP); B = Número de linhas do barramento de memória. Para barramentos de 32 linhas (do 386 ao Pentium): E = 2 32 = = 4 GB (endereços de 0 a ).

25 Organização (física) da memória: Registrador de endereços da memória (REM) A capacidade do espaço de endereçamento depende da largura (em bits) do REM que é igual ao nr. de linhas do barramento de endereços;

26 Operações com a Memória Principal: Leitura: Um número (dado, endereço ou instrução) é copiado da memória em um dos registradores. É uma operação não destrutiva (o mesmo número pode ser lido novamente). Escrita: Um número (dado, endereço ou instrução) é copiado de um dos registradores para a memória; É uma operação destrutiva (o conteúdo da posição de memória é substituído pelo novo valor).

27 Operações com a Memória Principal: Participantes: FSB (dados, endereços e controle) /REM / RDM / UCP / controlador da MP)

28 Operações com a Memória Principal: Escrita I: A UCP copia o endereço da posição de memória onde o dado será escrito no REM, transcreve o dado a ser escrito no RDM e aguarda o próximo sinal de controle.

29 Operações com a Memória Principal: Escrita II: A UCP envia pulsos nas linhas correspondentes do barramento de controle indicando que a operação é de escrita e será feita na MP. O controlador de memória aponta para o endereço contido no REM e aguarda novo sinal.

30 Operações com a Memória Principal: Escrita III: O controlador de memória lê o conteúdo do RDM e o transcreve no endereço apontado.

31 Operações com a Memória Principal: Leitura: Processo semelhante à escrita, porém no sentido inverso. Não altera o conteúdo da posição de memória.

32 Memórias Síncronas (SDRAM): A descrição simplificada dos procedimentos de leitura e escrita não considerou o fenômeno ao longo do tempo. Memórias ligadas a um barramento frontal mantêm algum tipo de sincronia com este barramento. O barramento frontal opera com uma frequência que em geral é um submúltiplo da frequência da UCP. Memórias mais antigas (EDO, FPM) executavam cada passo anteriormente descrito em um ciclo do barramento (DRAM). Memórias modernas (SDRAM, DRAM Síncronas) executam uma transferência por ciclo de barramento.

33 Memórias Síncronas de taxa múltipla de dados: DDR: Double Data Rate (Taxa Dupla de Dados) Efetua duas operações de transferência por ciclo do barramento; memórias DDR-200, por exemplo, efetuam 200 milhões de transferências por segundo em um barramento operando a 100 MHz. Modelos: DDR-200 / DDR-266 / DDR-300 / DDR-333 / DDR-400 DDR2: Segunda geração da tecnologia DDR Na prática: quatro transferências por ciclo de barramento; Modelos: DDR2-400 / DDR2-553 / DDR2-667 / DDR2-800 / DDR / DDR DDR3: Terceira geração da tecnologia DDR Na prática: oito transferências por ciclo de barramento; Modelos: DDR3-800 / DDR / DDR / DDR / DDR Além da diferença no desempenho, os módulos usam diferentes tensões de alimentação e consomem diferentes potências (que tende a diminuir).

34 Memórias Síncronas (SDRAM):

35 Memórias Dinâmicas (DRAM): A célula de memória DRAM é do tipo capacitor (carregado /descarregado); Mas na verdade o capacitor é a capacitância de entrada de um transistor (que é recarregado logo após a leitura).

36 Memórias Flash: O contato Float Gate se situa entre o Control Gate e o transistor e é isolado eletricamente de ambos. Devido a este isolamento, quando carregado de elétrons, mantém esta carga em seu interior por um período de anos.

37 Variáveis e Ponteiros: VARIÁVEL: um objeto (geralmente uma posição de memória) capaz de reter e representar um valor ou expressão. As variáveis só "existem" em tempo de execução e estão associadas a nomes, chamados identificadores [Em outras palavras: variável é uma posição de memória identificada (no programa) por um nome e cujo conteúdo exprime o valor de uma expressão que pode variar com o tempo]. PONTEIRO: é um tipo de dado de uma linguagem de programação cujo valor se refere diretamente a um outro valor alocado em outra área da memória, através de seu endereço. [Em outras palavras: Ponteiro é uma posição de memória que contém o endereço de outra posição de memória, ou seja, que aponta para esta outra posição de memória].

38 Arquitetura de von Neumann: Modelo de arquitetura de computadores que adota o mesmo espaço de endereçamento para armazenar tanto dados quanto instruções - stored-program computer ou computador com programa armazenado (na MP); (Concebida em 1945 por John von Neumann, cientista húngaro radicado nos EUA, para uso no EDVAC; Até então os computadores armazenavam instruções em um espaço de endereçamento específico para tal fim) Máquina de von Neumann ou stored-program computer todo computador moderno é...

39 ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 05: Memória Principal

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo Prof. Benito Piropo Da-Rin Usadas predominantemente na MP devido às suas características: Permitem acesso apenas através do endereço. Ocupam pouco espaço. Grande quantidade de bits podem ser armazenados

Leia mais

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo Prof. Benito Piropo Da-Rin memória é o local onde se armazenam dados Será???? Memória é um local ou dispositivo onde podem se armazenar dados e que permite que sejam recuperados quando deles se precisar

Leia mais

Memória. Arquitetura de Computadores I. DCC-IM/UFRJ Prof. Gabriel P. Silva

Memória. Arquitetura de Computadores I. DCC-IM/UFRJ Prof. Gabriel P. Silva Memória Arquitetura de Computadores I DCC-IM/UFRJ Prof. Gabriel P. Silva Representação das Informações A abreviação utilizada para o byte é o B maiúsculo e para o bit é o b minúsculo. Abaixo estão os multiplicadores

Leia mais

SSC0112 Organização de Computadores Digitais I

SSC0112 Organização de Computadores Digitais I SSC0112 Organização de Computadores Digitais I 23ª Aula Hierarquia de memória Profa. Sarita Mazzini Bruschi sarita@icmc.usp.br 1 Memória Memória Todo componente capaz de armazenar bits de informação Características

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO4: MEMÓRIAPRINCIPAL

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO4: MEMÓRIAPRINCIPAL ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO4: MEMÓRIAPRINCIPAL MEMÓRIA Componente de um sistema de computação cuja função é armazenar informações que são manipuladas pelo sistema para que possam ser recuperadas

Leia mais

Memória. Prof. Alexandre Beletti Cap. 4 Monteiro, Cap. 2 Tanenbaum, Cap. 5 Stallings, Cap. 3 - Weber. Introdução (Weber)

Memória. Prof. Alexandre Beletti Cap. 4 Monteiro, Cap. 2 Tanenbaum, Cap. 5 Stallings, Cap. 3 - Weber. Introdução (Weber) Memória Prof. Alexandre Beletti Cap. 4 Monteiro, Cap. 2 Tanenbaum, Cap. 5 Stallings, Cap. 3 - Weber Introdução (Weber) A memória está divida em palavras Cada palavra é identificada por um endereço O conteúdo

Leia mais

Hardware e Manutenção de Micros

Hardware e Manutenção de Micros Hardware e Manutenção de Micros Cooler de CPU Memórias Tipos Tecnologias de construção Características Produzido por Márcio Jusilho Cooler de CPU É um conjunto do dissipação térmica do processador. O cooler

Leia mais

http://www.ic.uff.br/~debora/fac! 1 Capítulo 4 Livro do Mário Monteiro Introdução Hierarquia de memória Memória Principal Organização Operações de leitura e escrita Capacidade 2 Componente de um sistema

Leia mais

SRAM Static RAM. E/L Escrita Leitura. FPM DRAM Fast Page Mode EDO DRAM Extended Data Output SDRAM Synchronous DDR SDRAM Double Data Rate RDRAM Rambus

SRAM Static RAM. E/L Escrita Leitura. FPM DRAM Fast Page Mode EDO DRAM Extended Data Output SDRAM Synchronous DDR SDRAM Double Data Rate RDRAM Rambus TIPOS DE MEMÓRIA RAM Random Access Memory E/L Escrita Leitura SRAM Static RAM DRAM Dynamic RAM FPM DRAM Fast Page Mode EDO DRAM Extended Data Output SDRAM Synchronous DDR SDRAM Double Data Rate RDRAM Rambus

Leia mais

Disciplina: Arquitetura de Computadores

Disciplina: Arquitetura de Computadores Disciplina: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof a. Carla Katarina de Monteiro Marques UERN Introdução Responsável por: Processamento e execução de programas armazenados na

Leia mais

Memórias Row Address Strobe Column Address Strobe

Memórias Row Address Strobe Column Address Strobe um chip de memória é um exército de clones, formado por um brutal número de células idênticas, organizadas na forma de linhas e colunas, de forma similar a uma planilha eletrônica. O chip de memória em

Leia mais

SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I

SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL 433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Apresentação do curso Critério de avaliação Média final = 0.8 * MP + 0.2 * ME onde MP = (P1 + P2) / 2 e ME = Notas

Leia mais

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues SEL 433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Prof. Evandro L. L. Rodrigues Tópicos do curso Conceitos básicos - Aplicações e utilizações dos microcontroladores

Leia mais

Aula 03. Componentes Básicos de um Computador, Dispositivos de Entrada e Saída, Dispositivos de Armazenamento de Dados, Periféricos.

Aula 03. Componentes Básicos de um Computador, Dispositivos de Entrada e Saída, Dispositivos de Armazenamento de Dados, Periféricos. Aula 03 Componentes Básicos de um Computador, Dispositivos de Entrada e Saída, Dispositivos de Armazenamento de Dados, Periféricos. Máquina de Von Neuman Memória Entrada Unidade Central de Processamento

Leia mais

Memórias RAM e ROM. Adriano J. Holanda 9/5/2017. [Introdução à Organização de Computadores]

Memórias RAM e ROM. Adriano J. Holanda 9/5/2017. [Introdução à Organização de Computadores] Memórias RAM e ROM [Introdução à Organização de Computadores] Adriano J Holanda 9/5/2017 Memória de acesso aleatório RAM Random Access Memory Armazenamento temporário de programas em execução e dados;

Leia mais

Visão geral do sistema de memória de computadores

Visão geral do sistema de memória de computadores Visão geral do sistema de memória de computadores 1 Capacidade da memória Humana Pesquisas concluem que o armazenamento de informações na memória humana se dá a uma taxa de aproximadamente 2 bits por segundo

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES MEMÓRIA PRINCIPAL CAPÍTULO 4. Cristina Boeres

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES MEMÓRIA PRINCIPAL CAPÍTULO 4. Cristina Boeres FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES MEMÓRIA PRINCIPAL CAPÍTULO 4 Cristina Boeres Memória! É um dos componentes de um sistema de computação! Sua função é armazenar informações que são ou serão manipuladas

Leia mais

Unidade Central de Processamento UCP (CPU)

Unidade Central de Processamento UCP (CPU) Unidade Central de Processamento UCP (CPU)! Arquitetura Convencional (Von Neumann) UCP BARRAMENTO MEMÓRIA PRINCIPAL ENTRADA E SAÍDA ! Visão geral da CPU UC - UNIDADE DE CONTROLE REGISTRADORES A B C D ALU

Leia mais

Memória Principal. Tiago Alves de Oliveira

Memória Principal. Tiago Alves de Oliveira Memória Principal Tiago Alves de Oliveira tiago@div.cefetmg.br Memória Principal Capítulo 4 Livro do Mário Monteiro Introdução Hierarquia de memória Memória Principal Organização Operações de leitura e

Leia mais

Aula 11: Memória Principal: Conceitos Básicos e Organização

Aula 11: Memória Principal: Conceitos Básicos e Organização Aula 11: Memória Principal: Conceitos Básicos e Organização Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Memória Principal: Conceitos Básicos

Leia mais

1ª Lista de Arquitetura de Computadores

1ª Lista de Arquitetura de Computadores Universidade Federal Rural do Semiarido Departamento de Ciências Exatas e Naturais Ciência da Computação Prof. Sílvio Fernandes 1ª Lista de Arquitetura de Computadores 1. Conceitue a Lei de Moore e descreva

Leia mais

Elementos Físicos do SC e a Classificação de Arquiteturas

Elementos Físicos do SC e a Classificação de Arquiteturas Elementos Físicos do SC e a Classificação de Arquiteturas IFBA Instituto Federal de Educ. Ciencia e Tec Bahia Curso de Analise e Desenvolvimento de Sistemas Arquitetura de Computadores 9 e 10/40 Prof.

Leia mais

Adriano J. Holanda FAFRAM. 4 e 11 de maio de 2012

Adriano J. Holanda FAFRAM. 4 e 11 de maio de 2012 Memória Adriano J. Holanda FAFRAM 4 e 11 de maio de 2012 Trilha Introdução Hierarquia da memória Memórias RAM Memória ROM Introdução Arquitetura de Von Neumann Memória Aritmética Controle E/S Unidade central

Leia mais

Professor: Vlademir de Oliveira Disciplina: Microcontroladores e DSP. Memórias de Dados e de Programa

Professor: Vlademir de Oliveira Disciplina: Microcontroladores e DSP. Memórias de Dados e de Programa 4. Memórias de Dados e de Programa Professor: Vlademir de Oliveira Disciplina: Microcontroladores e DSP 4.1 Memórias Semicondutoras Algumas definições Célula: Dispositivo de armazenamento de 1 bit. Palavra:

Leia mais

Célula, Palavra, Ciclo de Instruções e Lógica Temporizada

Célula, Palavra, Ciclo de Instruções e Lógica Temporizada Célula, Palavra, Ciclo de Instruções e Lógica Temporizada IFBA Instituto Federal de Educ. Ciencia e Tec Bahia Curso de Analise e Desenvolvimento de Sistemas Arquitetura de Computadores 20 e 21/30 Prof.

Leia mais

Laboratório de Hardware

Laboratório de Hardware Laboratório de Hardware Prof. Marcel Santos Silva RAM e ROM CARACTERÍSTICAS MEMÓRIA ROM MEMÓRIA RAM Nomenclatura Read Only Memory Random Access Memory Nome / Significado Memória somente Leitura Memória

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO A Arquitetura de Computadores trata do comportamento funcional de um sistema computacional, do ponto de vista do programador (ex. tamanho de um tipo

Leia mais

Programador/a de Informática

Programador/a de Informática 481040 - Programador/a de Informática UFCD - 0770 Dispositivos e periféricos Sessão 4 SUMÁRIO Memórias Primárias RAM ROM Cache Comunicam diretamente com o processador; Armazenam pequenas quantidades de

Leia mais

RAM e ROM. Laboratório de Hardware. Memórias. Memórias. Memórias. Memórias. Memórias. Memória ROM. Memória ROM. Memória ROM. Memória RAM.

RAM e ROM. Laboratório de Hardware. Memórias. Memórias. Memórias. Memórias. Memórias. Memória ROM. Memória ROM. Memória ROM. Memória RAM. RAM e ROM Laboratório de Hardware Prof. Marcel Santos Silva CARACTERÍSTICAS MEMÓRIA ROM MEMÓRIA RAM Nomenclatura Read Only Memory RandomAccess Memory Nome / Significado omente Leitura Memória de acesso

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Arquitetura de Von Newmann Prof Daves Martins Msc Computação de Alto Desempenho Email: daves.martins@ifsudestemg.edu.br Vídeos Vídeo aula RNP http://edad.rnp.br/rioflashclient.php?xmlfile=/ufjf/licenciatura_com

Leia mais

Kbyte: Mbyte: Gbytes:

Kbyte: Mbyte: Gbytes: MEMÓRIA PRINCIPAL MEMÓRIA PRINCIPAL O computador possui dispositivos que permitem armazenar dados, instruções e resultados. A esses dispositivos dá-se o nome de memórias, existem dois tipos de memórias:

Leia mais

SSC0112 Organização de Computadores Digitais I

SSC0112 Organização de Computadores Digitais I SSC0112 Organização de Computadores Digitais I 17ª Aula Hierarquia de memória Profa. Sarita Mazzini Bruschi sarita@icmc.usp.br 1 Memória Memória Todo componente capaz de armazenar bits de informação Características

Leia mais

DIFERENÇA DE VELOCIDADE entre UCP e MP

DIFERENÇA DE VELOCIDADE entre UCP e MP MEMÓRIA CACHE 1 2 DIFERENÇA DE VELOCIDADE entre UCP e MP A MP (mais lenta) transfere bits para UCP (mais rápida) em uma velocidade inferior a que a mesma pode suportar. Isto acarreta a necessidade de se

Leia mais

Circuitos Lógicos Aula 26

Circuitos Lógicos Aula 26 Circuitos Lógicos Aula 26 Aula passada Mais adição Circuito com maior largura Subtração Mais ULA Aula de hoje Memória Funcionamento e arquitetura ROM, RAM e variações Processador Intel Memória Memória:

Leia mais

COMPUTADOR. Adão de Melo Neto

COMPUTADOR. Adão de Melo Neto COMPUTADOR Adão de Melo Neto 1 PROGRAMA É um conjunto de instruções LINGUAGEM BINÁRIA INTRODUÇÃO Os caracteres inteligíveis não são A, B, +, 0, etc., mas apenas zero(0) e um (1). É uma linguagem de comunicação

Leia mais

Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas:

Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas: Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas: Somar e subtrair Mover um dado de um local de armazenamento para outro Transferir um dado para um dispositivo

Leia mais

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA REVISÃO DE ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Arquitetura X Organização Arquitetura - Atributos de um Sistema Computacional como visto pelo programador, isto é a estrutura

Leia mais

Aula 12: Memória: Barramentos e Registradores

Aula 12: Memória: Barramentos e Registradores Aula 12: Memória: Barramentos e Registradores Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Memória: Barramentos e Registradores FAC 1 / 34

Leia mais

Os computadores necessitam de uma memória principal, cujo papel primordial é armazenar dados e programas que estejam a ser utilizados no momento.

Os computadores necessitam de uma memória principal, cujo papel primordial é armazenar dados e programas que estejam a ser utilizados no momento. Memórias Os computadores necessitam de uma memória principal, cujo papel primordial é armazenar dados e programas que estejam a ser utilizados no momento. O computador, além da memória principal, necessita

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Memória Interna Slide 1 Memória Em informática, memória são todos os dispositivos que permitem a um computador guardar dados, temporariamente ou permanentemente.

Leia mais

Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações. Medidas de desempenho

Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações. Medidas de desempenho Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações Bit, Caractere, Byte e Palavra Conceito de Arquivos e Registros Medidas de desempenho http://www.ic.uff.br/~debora/fac! 1 2

Leia mais

COMPUTADOR 2. Professor Adão de Melo Neto

COMPUTADOR 2. Professor Adão de Melo Neto COMPUTADOR 2 Professor Adão de Melo Neto Modelo Barramento de Sistema É uma evolução do Modelo de Von Newman. Os dispositivos (processador, memória e dispositivos de E/S) são interligados por barramentos.

Leia mais

1ª Lista de Arquitetura de Computadores

1ª Lista de Arquitetura de Computadores 1ª Lista de Arquitetura de Computadores 1. Conceitue a Lei de Moore e descreva cinco conseqüências práticas dela advindas. 2. Considere as informações abaixo, sobre a Arquitetura de Von Neumann: I. Dados

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I AULA 10: MEMÓRIA E HIERARQUIA DE MEMÓRIAS

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I AULA 10: MEMÓRIA E HIERARQUIA DE MEMÓRIAS ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I AULA 10: MEMÓRIA E HIERARQUIA DE MEMÓRIAS Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação MEMÓRIA SÃO TODOS

Leia mais

for Information Interchange. 6 Memória:

for Information Interchange. 6 Memória: 6 Memória: 6.1 Representação de Memória: Toda a informação com a qual um sistema computacional trabalha está, em algum nível, armazenada em um sistema de memória, guardando os dados em caráter temporário

Leia mais

Níveis de memória. Diferentes velocidades de acesso. Memória Cache. Memórias Auxiliar e Auxiliar-Backup

Níveis de memória. Diferentes velocidades de acesso. Memória Cache. Memórias Auxiliar e Auxiliar-Backup Memória Níveis de memória Diferentes velocidades de acesso Pequeno Alto(a) Cache RAM Auxiliar Auxiliar-Backup Memória Cache altíssima velocidade de acesso acelerar o processo de busca de informações na

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAMPUS SANTO ANDRÉ CELSO CANDIDO SEMESTRE 2014-1 1 CONCEITOS ASSUNTOS DESTA AULA: Funcionalidades de um computador; Hardware e Software; Componentes de um computador: o CPU

Leia mais

ULA (ALU) - UNIDADE DE ARITMÉTICA E LÓGICA

ULA (ALU) - UNIDADE DE ARITMÉTICA E LÓGICA FATEC SP - Análise e Desenvolv. De Sistemas - Ambiente Operacional PÁG. 1 II) ELEMENTOS DE HARDWARE: DIAGRAMA DE BLOCOS DE UM COMPUTADOR 1) CPU - UNIDADE CENTRAL DE PROCESSAMENTO RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO

Leia mais

COMPUTADOR. Adão de Melo Neto

COMPUTADOR. Adão de Melo Neto COMPUTADOR Adão de Melo Neto 1 PROGRAMA É um conjunto de instruções LINGUAGEM BINÁRIA INTRODUÇÃO Os caracteres inteligíveis são apenas zero(0) e um (1). É uma linguagem de comunicação dos computadores.

Leia mais

Entender a diferença de velocidade UCP/MP e o conceito de localidade.

Entender a diferença de velocidade UCP/MP e o conceito de localidade. 1 2 O objetivo é detalhar os conceitos e técnicas que norteiam a fabricação e o uso de memórias cache. Entender a diferença de velocidade UCP/MP. Entender o conceito de localidade. 3 Entender a diferença

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição. Capítulo 5 Memória interna

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição. Capítulo 5 Memória interna William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 5 Memória interna Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Tipos de memória de semicondutor slide

Leia mais

Sistema de Memórias COMPUTADOR CONTROLE ENTRADA VIA DE DADOS SAÍDA PROCESSADOR MEMÓRIA S E TO R R EC RE CEI TA S T EM S E TO R C A RNE S

Sistema de Memórias COMPUTADOR CONTROLE ENTRADA VIA DE DADOS SAÍDA PROCESSADOR MEMÓRIA S E TO R R EC RE CEI TA S T EM S E TO R C A RNE S Sistema de Memórias COMPUTADOR S E TO R R EC EIT AS 0 16 32 RE CEI TA S 4 8 12 20 24 28 36 40 44 CONTROLE S E TO R T EM PER OS VIA DE DADOS ENTRADA 0 48 52 64 68 80 84 1 56 72 88 2 3 60 76 92 4 S E TO

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Unidade Central de Processamento (CPU) Givanaldo Rocha de Souza http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br Baseado nos slides do capítulo

Leia mais

Prof. Leonardo Augusto Casillo

Prof. Leonardo Augusto Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Aula 2 Estrutura de um processador Prof. Leonardo Augusto Casillo Arquitetura de Von Neumann: Conceito de programa armazenado; Dados

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 04: Subsistemas de Memória SUBSISTEMAS DE MEMÓRIA Tipos de memória: de semicondutores (ROM, PROM, EPROM, EEPROM, Flash, RAM); magnéticas (discos e fitas) e... óticas( CD

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Memórias

Arquitetura de Computadores. Memórias Arquitetura de Computadores Memórias Relembrando Arquitetura de Von Neuman Memória Acesso por palavra Programas são armazenados aqui Controlador de memoria Dispositivos de entrada Dispositivos de saída

Leia mais

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo Prof. Benito Piropo Da-Rin UCP ou microprocessador: Circuito Integrado inteligente (capaz de cumprir diferentes funções determinadas por instruções ) CI capaz de efetuar todas as operações necessárias

Leia mais

Manutenção de Microcomputadores I

Manutenção de Microcomputadores I Manutenção de Microcomputadores I Aula03 Memórias Introdução Hardware que auxilia no processamento dos dadospelaucp. Hierarquia dos diferentes tipos de Memórias Tipos Registradores: pequenos dispositivos

Leia mais

Aula 04 Organização de computadores MEMÓRIAS INTRODUÇÃO. 18/04/2016 Prof. Dsc. Jean Galdino 1

Aula 04 Organização de computadores MEMÓRIAS INTRODUÇÃO. 18/04/2016 Prof. Dsc. Jean Galdino 1 Arquitetura de Computadores Aula 04 Organização de computadores MEMÓRIAS INTRODUÇÃO 18/04/2016 Prof. Dsc. Jean Galdino 1 Memória Semicondutora Décadas de 50 e 60 Memória magnética Cara, volumosa e destrutiva

Leia mais

Memória é um dispositivo capaz de armazenar informação. Logo, podemos dividir dos dispositivos que podem armazenar dados em Quatro tipos:

Memória é um dispositivo capaz de armazenar informação. Logo, podemos dividir dos dispositivos que podem armazenar dados em Quatro tipos: Memória Memória é um dispositivo capaz de armazenar informação Logo, podemos dividir dos dispositivos que podem armazenar dados em Quatro tipos: Memória Principal ROM RAM Memória Secundária Disco rígidos,

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores Aula 03 Prof. Dr. Saulo Amui 1/16 2/16 Memórias Memória A memória é a capacidade de adquirir (aquisição), armazenar (consolidação) e recuperar (evocar) informações disponíveis,

Leia mais

Eletrônica Digital. Memórias Semicondutoras PROF. EDUARDO G. BERTOGNA UTFPR / DAELN

Eletrônica Digital. Memórias Semicondutoras PROF. EDUARDO G. BERTOGNA UTFPR / DAELN Eletrônica Digital Memórias Semicondutoras PROF. EDUARDO G. BERTOGNA UTFPR / DAELN Memórias Semicondutoras Os circuitos de memória estão presentes em sistemas computacionais como element de armazenamento

Leia mais

Processador. Processador

Processador. Processador Departamento de Ciência da Computação - UFF Processador Processador Prof. Prof.Marcos MarcosGuerine Guerine mguerine@ic.uff.br mguerine@ic.uff.br 1 Processador Organização básica de um computador: 2 Processador

Leia mais

MAC2166 Introdução à Computação Aula 1 Como Funciona um Computador

MAC2166 Introdução à Computação Aula 1 Como Funciona um Computador MAC2166 Introdução à Computação Aula 1 Como Funciona um Computador Kelly Rosa Braghetto DCC IME USP 25 de março de 2014 MAC2166 Introdução à Computação Aula 1 Como Funciona um Computador DCC IME USP 1

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Senac GTI Modulo I Organização de Computadores

Faculdade de Tecnologia Senac GTI Modulo I Organização de Computadores Faculdade de Tecnologia Senac GTI Modulo I Organização de Computadores Alunos Alex Ari Jânio Ramon Victor Professor Elias Ferreira Memória Principal *Também chamadas de memória real, são memórias que o

Leia mais

SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Aula 2 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Aula 2 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Conceitos Básicos Aula 2 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira INTRODUÇÃO n Organização Æ implementação do hardware, componentes, construção dos dispositivos

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Organização de Sistemas Computacionais. Prof.: Agostinho S. Riofrio

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Organização de Sistemas Computacionais. Prof.: Agostinho S. Riofrio ARQUITETURA DE COMPUTADORES Organização de Sistemas Computacionais Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Unidade Central de Processamento 2. Organização da CPU 3. Interpretador 4. RISC x CISC 5. Principios

Leia mais

III.2 - Princípios de Arquitetura

III.2 - Princípios de Arquitetura Conjunto de Instruções e Modo de Endereçamento Ciclo de busca decodificação execução de instruções Programação de um processador Arquitetura de Von Neumann e Componentes Arquiteturas 4, 3, 2, 1 e 0 Tabela

Leia mais

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

ELETRÔNICA DIGITAL II

ELETRÔNICA DIGITAL II ELETRÔNICA DIGITAL II Parte 7 Armazenamento e Memória Digital Professor Dr. Michael Klug 1 Definição Dispositivo capaz de armazenar informação Capacitor (transistor+capacitor), flip-flop, registradores

Leia mais

2. A influência do tamanho da palavra

2. A influência do tamanho da palavra PROCESSAMENTO 1. Introdução O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável pela realização das operações de processamento (os cálculos matemáticos etc.) e de controle, durante

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Bacharelado em Ciência da Computação. Arquitetura de Computadores I. Organização Básica do Computador

Universidade Federal do Rio de Janeiro Bacharelado em Ciência da Computação. Arquitetura de Computadores I. Organização Básica do Computador Universidade Federal do Rio de Janeiro Bacharelado em Ciência da Computação Arquitetura de Computadores I Organização Básica do Computador Gabriel P. Silva Ementa Unidade 2: Organização Lógica e Funcional

Leia mais

Memória (conceitos) MEMÓRIA VOLÁTIL

Memória (conceitos) MEMÓRIA VOLÁTIL MEMÓRIA 1 MEMÓRIA VOLÁTIL Memória (conceitos) É aquela que perde a informação armazenada quando a energia elétrica desaparece MEMÓRIA DE SEMICONDUTORES Construídas com FLIP-FLOPS (que são construídas com

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores. Leslier S. Corrêa

Organização e Arquitetura de Computadores. Leslier S. Corrêa Organização e Arquitetura de Computadores Leslier S. Corrêa O nome refere-se ao matemático John Von Neumann, que foi considerado o criador dos computadores da forma como são projetados até hoje. Entretanto,

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição. Capítulo 12 Estrutura e função do processador

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição. Capítulo 12 Estrutura e função do processador William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 12 Estrutura e função do processador slide 1 Estrutura da CPU CPU precisa: Buscar instruções. Interpretar instruções. Obter

Leia mais

Noções básicas de Informática: Hardware

Noções básicas de Informática: Hardware Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Noções básicas de Informática: Hardware DCA0800 - Algoritmos e Lógica de Programação Heitor Medeiros 1 Sobre

Leia mais

BARRAMENTO DO SISTEMA. Adão de Melo Neto

BARRAMENTO DO SISTEMA. Adão de Melo Neto BARRAMENTO DO SISTEMA Adão de Melo Neto 1 BARRAMENTOS DO SISTEMA O mecanismo mais comum de interconexão dos componentes de um computador (processador, memória principal e módulos de E/S) usa um barramento

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Estrutura e Função do Processador Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Organização

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO. Cristina Boeres

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO. Cristina Boeres FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Cristina Boeres Sistema de Computação! Conjunto de componentes integrados com o objetivo de manipular dados e gerar informações úteis.

Leia mais

SUBSISTEMA DE MEMÓRIA FELIPE G. TORRES

SUBSISTEMA DE MEMÓRIA FELIPE G. TORRES Tecnologia da informação e comunicação SUBSISTEMA DE MEMÓRIA FELIPE G. TORRES MEMÓRIA INTERNA OU PRINCIPAL Nos primeiros computadores, a forma mais comum de armazenamento de acesso aleatório para a memória

Leia mais

SSC0112 Organização de Computadores Digitais I

SSC0112 Organização de Computadores Digitais I SSC0112 Organização de Computadores Digitais I 3ª Aula Visão Geral e Conceitos Básicos Profa. Sarita Mazzini Bruschi sarita@icmc.usp.br Copyright William Stallings & Adrian J Pullin Tradução, revisão e

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Memória Cache Slide 1 Introdução Tamanho Função de Mapeamento Política de Escrita Tamanho da Linha Número de Memórias Cache Cache em Níveis Slide 2 Introdução

Leia mais

Memória Interna. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Memória Interna. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Memória Interna Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Sistema de Memória de Computadores; Hierarquia de Memória; Memória Principal de Semicondutores; Memória Cache; Organizações das Memórias

Leia mais

4. As condições de igualdade menor que e maior que são verificadas por a. Operações lógicas b. Subtração c. Localizações d. Operações aritméticas

4. As condições de igualdade menor que e maior que são verificadas por a. Operações lógicas b. Subtração c. Localizações d. Operações aritméticas Fundamentos da Informática Aula 05 - A unidade central de processamento: O que acontece dentro do computador Exercícios - RESPOSTAS Professor: Danilo Giacobo Múltipla escolha 1. Os circuitos elétricos

Leia mais

Unidade Central de Processamento 2. Registradores

Unidade Central de Processamento 2. Registradores Unidade Central de Processamento 2 Registradores Conceitos Fundamentais Arquitetura da CPU Unidade de Controle Registradores Barramento interno Unidade lógica e Aritmética Registradores Conjunto de unidades

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CIÊNCIAS EXATAS E E NATURAIS NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Arquitetura e Organização

Leia mais

SSC0611 Arquitetura de Computadores

SSC0611 Arquitetura de Computadores SSC0611 Arquitetura de Computadores 6ª Aula Entrada e Saída Profa. Sarita Mazzini Bruschi sarita@icmc.usp.br Estrutura da máquina de von Neumann Dispositivos Periféricos Interface com o mundo exterior

Leia mais

Hardware. Computador. Computador. Computador. Evolução dos Computadores. Laboratório de Utilização de Microcomputadores (DCA0302) Aula 01

Hardware. Computador. Computador. Computador. Evolução dos Computadores. Laboratório de Utilização de Microcomputadores (DCA0302) Aula 01 Laboratório de Utilização de Microcomputadores (DCA0302) Diogo Pedrosa Hardware Aula 01 Computador Combinação de diversos dispositivos e circuitos digitais que podem executar uma seqüência de operações

Leia mais

ARQUITETURA DE HARDWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar

ARQUITETURA DE HARDWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar - Aula 4 - MEMÓRIA PRINCIPAL 1. INTRODUÇÃO O papel do processador é pegar os dados, processá-los conforme uma pré-programação e devolvê-los, não importando de onde vêm ou para vão. Por não existir uma

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES TECNOLOGIAS EM REDES DE COMPUTADORES Semestre 2015.2 Prof. Dsc. Jean Galdino AULA 04 PROCESSADORES E MEMÓRIAS INTRODUÇÃO - PROCESSADORES MEMÓRIAS 28/10/2015 Prof. Dsc. Jean

Leia mais

Capítulo 9 M E M Ó R I A

Capítulo 9 M E M Ó R I A Capítulo 9 M E M Ó R I A ROM Read Only Memory (Memória Apenas de Leitura) É uma memória que não permite a alteração ou remoção dos dados nela gravados, os quais são impressos em uma única ocasião. Um DVD

Leia mais

MEMÓRIA. Prof. Elton Profa. Joice

MEMÓRIA. Prof. Elton Profa. Joice MEMÓRIA Prof. Elton Profa. Joice Mémória A memória contém tanto as variáveis (dados) como as instruções (programas) utilizadas para o acesso rápido dos dados, que são armazenados em um circuito integrado.

Leia mais

Circuitos Lógicos. Profa. Grace S. Deaecto. Faculdade de Engenharia Mecânica / UNICAMP , Campinas, SP, Brasil.

Circuitos Lógicos. Profa. Grace S. Deaecto. Faculdade de Engenharia Mecânica / UNICAMP , Campinas, SP, Brasil. Circuitos Lógicos Profa. Grace S. Deaecto Faculdade de Engenharia Mecânica / UNICAMP 13083-860, Campinas, SP, Brasil. grace@fem.unicamp.br Segundo Semestre de 2013 Profa. Grace S. Deaecto ES572 DMC / FEM

Leia mais

Linguagem de Maquina II. Visão Geral

Linguagem de Maquina II. Visão Geral Linguagem de Maquina II Visão Geral Revisão A linguagem de máquina é composta de seqüências binárias (1's e 0's) São interpretadas como instruções pelo hardware A linguagem de montagem e a linguagem de

Leia mais

Memória. Christian César de Azevedo

Memória. Christian César de Azevedo Memória Christian César de Azevedo Memórias do computador Memória 2 Memória ROM Na memória ROM estão escritos três programas: BIOS: responsável por ensinar o processador a manipular os dispositivos básicos

Leia mais

Aula 06. Memórias RAM

Aula 06. Memórias RAM Aula 06 Memórias RAM Memória RAM As memórias RAM são responsáveis por armazenar as informações que estão em uso no computador, fazendo com que o acesso aos dados seja mais rápido. 17/01/2013 2 Encapsulamento

Leia mais

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

16ª AULA OBJETIVOS: MEMÓRIAS EVOLUÇÃO FREQÜÊNCIA TECNOLOGIA BARRAMENTO TEMPO/ACESSO ARMAZENAMENTO BANCO DE MEMÓRIA APOSTILA PÁGINA: 176 A 186.

16ª AULA OBJETIVOS: MEMÓRIAS EVOLUÇÃO FREQÜÊNCIA TECNOLOGIA BARRAMENTO TEMPO/ACESSO ARMAZENAMENTO BANCO DE MEMÓRIA APOSTILA PÁGINA: 176 A 186. HARDWARE Montagem e Manutenção de Computadores Instrutor: Luiz Henrique Goulart 16ª AULA OBJETIVOS: MEMÓRIAS EVOLUÇÃO FREQÜÊNCIA TECNOLOGIA BARRAMENTO TEMPO/ACESSO ARMAZENAMENTO BANCO DE MEMÓRIA APOSTILA

Leia mais

2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores

2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores 2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores Questões 1. Um microprocessador realiza uma sondagem periódica (polling) junto a um módulo de E/S a cada 0,5 ms. Cada sondagem em si gasta 500 ciclos.

Leia mais

- Arquitetura de sistemas digitais- Cap 2 Arquitetura de computadores

- Arquitetura de sistemas digitais- Cap 2 Arquitetura de computadores - Arquitetura de sistemas digitais- Cap 2 Arquitetura de computadores Prof. Alan Petrônio - www.ufsj.edu.br/alan Evolução e desempenho do computador Primeira geração: ENIAC 20 acumuladores de 10 dígitos

Leia mais