oi vampiro. Júlio falava sempre tão sério que Daniel achou difícil entender o sentido da piada. Deu um risinho sem graça, para não perder o amigo,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "oi vampiro. Júlio falava sempre tão sério que Daniel achou difícil entender o sentido da piada. Deu um risinho sem graça, para não perder o amigo,"

Transcrição

1 MUNDO DE SOMBRAS.p65 7

2 MUNDO DE SOMBRAS.p65 8

3 oi vampiro. Júlio falava sempre tão sério que Daniel achou difícil entender o sentido da piada. Deu um risinho sem graça, para não perder o amigo, mas sentiu-se obrigado a não deixar que a conversa enveredasse por aquele caminho. Hoje não. Acho que não é legal brincar com isso. Júlio ficou de pé, veemente: Não tô brincando. É só uma questão de observar. Você não viu a cara dela? Vi. Mas não devia ter visto, pensou Daniel. Até agora sentia a mistura esquisita de medo, enjôo e vergonha ao recordar a imagem de Lucinha no caixão. Ainda não tinha completado quinze anos e aquela já era a segunda vez que via um cadáver. Estava chocado com o contraste brutal MUNDO DE SOMBRAS.p65 9

4 entre a imobilidade indiferente e o fogo, a energia doida que Lucinha exalava apenas uma semana atrás. Pois então. Ninguém fica tão branco. Olha que eu já vi defunto antes. Em geral são mais amarelados, ou mais azulados. Ela tava completamente branca, parecia papel. Claro, morreu de anemia. Todo mundo sabe disso. Eu perguntei ao meu pai. Agora Júlio andava de um lado para o outro no quarto pequeno e abafado. Ele também achou estranho. E disse o quê? Júlio deu aquele sorriso de quando se achava dono do conhecimento universal: Que deve ter sido uma baita hemorragia. Bom, não foi meu pai que cuidou dela, ele deduziu isso pelo que andaram falando, os sintomas... E daí? Essa hemorragia pode ter tido milhões de causas. Um vampiro, por exemplo... Júlio mostrou os caninos e deu um salto em cima de Daniel, grunhindo selvagem:... aquele pescocinho macio, a carótida latejando... Daniel rolou para o lado e quase caiu da cama, mas conseguiu se livrar do ataque. E você não acha que, se ela tivesse dois buracos no pescoço, alguém teria notado? Ela ainda apareceu na escola depois de ficar doente, e a blusa do uniforme deixa aparecer o pescoço inteiro. 10 i MUNDO de sombras MUNDO DE SOMBRAS.p65 10

5 Júlio continuou como se não tivesse ouvido. Daniel conhecia muito bem o processo: depois de desencadeado, ele só daria atenção ao que corroborasse sua hipótese.... e agora Lucinha deve estar se transformando dentro do caixão... Ah, não enche! Daniel já estava ficando irritado. Às vezes Júlio passava da conta. No fundo era bom estarem falando bobagem. O enterro havia abalado a turma toda. Mesmo o pessoal mais barrapesada compareceu munido de caras circunspectas e olhos arregalados, escondendo pensamentos sem nome, pensamentos de gente velha. Se desse ouvidos a Júlio, Daniel acabaria concordando: tinha sido estranho. Lucinha era encapetada. Vivia pegando no pé dos professores e se recusava a ficar de castigo. Aprontava correrias pela sala, saltando sobre as carteiras, debaixo das gargalhadas da turma. E, enquanto o inspetor não aparecia, virava tudo de cabeça para baixo. Na verdade, nem o inspetor era capaz de meter medo: o dono da escola devia favores consideráveis, e principalmente dinheiro, à família dela. O pai fez o maior escândalo no enterro, abraçando o caixão, xingando médicos, perguntando que humanidade é essa que decifra códigos genéticos e não consegue curar uma simples anemia, chorando no ombro dos amigos e mos- o nascimento do vampiro h 11 MUNDO DE SOMBRAS.p65 11

6 trando um lado desconhecido a todos os que se curvavam diante do seu poder. Lucinha era filha única, herdeira de muito dinheiro, sim, mas principalmente de muitos sonhos e expectativas passados de geração em geração de figuras ilustres. A mãe, mesmo no momento extremo, mantinha pose de uma das dez mais elegantes da sociedade. Por dentro sentia-se fracassar mais do que pela morte da filha, por não ter concebido um herdeiro homem que levasse adiante o nome comprido e cheio de hífens. Júlio contou mais tarde que a viu no carro, sacudindo-se convulsivamente, um lenço negro cobrindo o rosto sob o chapéu de aba enorme. Na segunda-feira anterior ninguém havia se dado conta de uma tranqüilidade anormal nas aulas. Só no fim do período um dos professores comentou o comportamento exemplar de Lucinha não conseguindo resistir a um elogio aliviado. Em meio a risadas, a turma começou a notar outros detalhes: olheiras fundas de noite maldormida, palidez, um ar geral de cansaço. E começaram as gozações, os risinhos e as alusões maldosas. Naquele dia ela não se mostrava disposta a brincadeiras. Ao se perceber na berlinda, soltou um palavrão e saiu da sala com a cara emburrada. O mausoléu da família era imponente, de granito cinzaescuro e com um enorme portão de ferro batido. Dentro, quatro túmulos, mais parecendo sarcófagos cobertos por 12 i MUNDO de sombras MUNDO DE SOMBRAS.p65 12

7 lápides de mármore, guardavam restos de cidadãos com nomes em ruas e praças. Ali só entraram o bispo e o núcleo da família (num farfalhar de sedas, tafetás e musselinas negras). Dom Bernardo discursou um monte de fantasias sobre a filha exemplar, a aluna querida, a colega admirada ouvidas atentamente por rostos compungidos que fingiam crer. Coroas e mais coroas de flores falavam, nas entrelinhas das frases bombásticas, das complexas relações entre os remetentes e a família enlutada. Os colegas de turma tiveram a oportunidade de passar pela porta, esticando os pescoços inutilmente. Depois, reunidos em grupos, ficaram falando besteira e soltando risos abafados sob os olhares de ira dos professores. Na terça-feira havia adormecido por duas vezes na sala. Estava bastante pálida, mas ainda tentou aprontar uma confusão. O professor de geografia, um gordo presunçoso, perdeu as estribeiras quando ela disse que dormiu porque a matéria era chata demais, e que se ele parasse de tomar cerveja e perdesse uns quilos talvez as aulas também ficassem mais leves. O professor mandou Lucinha sair da sala e ir ao gabinete do inspetor. Como de costume, ela recusou. Ao ver que ele vinha em sua direção, levantou-se correndo para o fundo. Mas não conseguiu chegar. Depois de três passos parou um instante com as mãos nas têmporas e desabou no tampo da carteira de Júlio. Júlio ainda ficou com uma sensação estranha, depois de ela ter sido levada semi-inconsciente. Não sabia se pela se- o nascimento do vampiro h 13 MUNDO DE SOMBRAS.p65 13

8 cura da pele roçando em seu braço ou se tinham sido os olhos de Lucinha grudados nos dele, parecendo pedir ajuda do fundo de um lago turvo demais. Quando a família saiu do mausoléu as pessoas começaram a se dispersar. Daniel e Júlio se afastaram dos companheiros de turma e foram olhar túmulos. Júlio conhecia todos os mais importantes: os mais ricos, os que guardavam tragédias, os que contavam a história da cidade e dos imigrantes suíços e alemães. Daniel escondia a sensação desagradável de medo e morbidez com um riso que se pretendia de pouco-caso. Na quarta-feira Lucinha não foi à aula. Os pais telefonaram para dizer que ela iria ao médico. Na quinta e na sexta os murmúrios corriam pela sala: era leucemia, era Aids, era tumor no cérebro. No fundo ninguém acreditava que a vida pudesse escapar por algum ponto do corpo ágil de Lucinha, do corpo de Lucinha que assombrava os sonhos da maioria dos garotos da escola. Por fim Daniel sugeriu que fossem embora. O cemitério já estava praticamente vazio, e o sol havia desaparecido por trás dos morros. O domingo parecia mesmo acabado. No sábado à tardinha o rádio havia dado a notícia, convocando colegas de turma, parentes e amigos da família para o enterro. As causas da morte, debaixo do diagnóstico 14 i MUNDO de sombras MUNDO DE SOMBRAS.p65 14

9 de anemia, provocaram uma das maiores ondas de boatos. Lucinha, a tempestade de energia que devastava sonhos e aulas, fora imobilizada. O seu problema é essa mania mórbida de viver trancado. Daniel se sentou de novo e procurou voltar à conversa, tentando afastar pensamentos que, com certeza, perturbariam seu sono mais tarde. Abre a janela, cara, deixa entrar pelo menos um pouco de ar. De tanto ficar nesse quarto fechado você acaba pensando que mora num túmulo. Júlio deu um salto e abriu os braços em frente à janela, impedindo que o outro tentasse chegar perto: Deixa assim, eu gosto! Dá mais clima. Você tem é medo. E mudou de tom, falando com um romantismo forçado que o fazia parecer ainda mais distante da realidade: Lembra o rosto dela? Branco, parecia moldado em cera. Lembra o museu de cera que passou aqui no início do ano? Se tivesse um meio de preservar Lucinha do jeito que ela tá agora, bem que ela podia ser colocada no museu. Botava uma roupa vermelha, com metade dos peitos de fora... Tá, tá bom. Você não tem jeito mesmo.... e pintava um filete de sangue descendo pelo pescoço, escorrendo até sumir entre os dois seios... o nascimento do vampiro h 15 MUNDO DE SOMBRAS.p65 15

10 Daniel começou a rir. Era tão absurdo o contraste entre a realidade espantosa que haviam presenciado há pouco e esse desvario gótico, que entendeu: Júlio estava perplexo como ele, como os outros colegas, como toda a cidade. E buscava em desespero um jeito de afastar o espanto, um jeito qualquer de lidar com a ordem natural das coisas que desmoronava diante dos olhos. E era assim que conseguia, com histórias de vampiros, transformando a imagem de Lucinha num boneco de cera fantasiado para um filme com Christopher Lee. O domingo estava mesmo encerrado. O melhor era ir para casa provavelmente o rádio já teria parado de transmitir jogo de futebol, ele não precisaria se trancar longe dos berros dos irmãos mais velhos e do pai. Levantou-se: É, fica aí, imóvel na sua cripta. Eu já vou indo. Júlio acendeu uma vela em cima de Madame Butterfly um crânio de verdade que Daniel se obrigava a manusear de vez em quando escondendo a repulsa e se deitou na cama, o olhar circulando pelo quarto até pousar no teto. Aquele era o seu refúgio, sua tumba no Vale dos Reis como dizia o amigo. Um espaço pequeno, atulhado de móveis antigos e escuros: guarda-roupa, mesa, cadeira, cama, as pilhas de gibis em todos os cantos, o cheiro de coisas guardadas e longamente manuseadas. Ficou parado, pensando que, assim que o amigo saísse, estaria irremediavelmente só, sem ter com quem falar bobagem. Arrepiando-se de prazer com o medo e as lem- 16 i MUNDO de sombras MUNDO DE SOMBRAS.p65 16

11 branças; construindo medos distantes, já que a vida, logo na manhã seguinte, apresentaria outros bem mais prosaicos e mais difíceis de enfrentar. Corre, Júlio! Parece mulherzinha! Olha a bola aí! Fora de órbita, Júlio procurou de onde vinha a voz do professor de educação física. Num segundo a bola já estava longe, o jogo prosseguia independente de seu susto, independente de Daniel e do que estavam falando; e o professor já não se preocupava com eles. Apenas, de vez em quando, gritava alguma coisa, para fazer constar a presença. Enorme campo de futebol. A aula de educação física, às sete da manhã, fazia das segundas-feiras o dia de maior sacrifício. Os dois odiavam futebol com a mesma gana o que só colaborava para que fossem vistos como monstros extraterrestres. Na hora da divisão dos times, ficavam sempre para o final, restolhos que não contavam e nem faziam questão de contar. Já durava seis anos aquela amizade que era acima de tudo uma tábua de salvação. Daniel lembrava muito bem os primeiros meses depois de se transferir para o colégio particular, na segunda série. Havia abandonado os poucos amigos da escola pública como se estivesse partindo para um exílio no outro extremo da galáxia. E foi assim que se o nascimento do vampiro h 17 MUNDO DE SOMBRAS.p65 17

12 sentiu por algum tempo. O colégio novo era enorme, cheio de marmanjos que tropeçavam nele durante o recreio, derrubando sua merenda em meio a uma correria insensata. Daniel sentia medo. Medo do diretor que falava com aquele terrível sotaque alemão; medo da mulher do diretor entrando sem pedir licença na sala de aula, com o olhar de bruxa seca procurando coisas inomináveis nos rostos dos alunos (Daniel sabia que nunca disfarçava suficientemente bem embora não soubesse o que estava disfarçando); tinha medo de pedir para ir ao banheiro desde o dia em que ficou perdido nos corredores e, ao voltar para a sala sem conseguir o alívio, acabou se aliviando nas calças; tinha medo da turma de desconhecidos que trocavam risos tácitos e pareciam estar sempre lançando olhares de desprezo para o seu lado. Depois de três meses de pânico e sobressaltos percebeu outro garoto na mesma situação: Júlio se sentava bem atrás, e talvez por isso tenham demorado a fazer contato. Quando trocaram as primeiras palavras foi como o mar vermelho se abrindo ao comando de Cecil B. de Mille: o caminho estava ali o tempo todo, apenas oculto. E era um caminho a ser compartilhado. A bola veio de novo. Daniel esticou o pé, mas não o suficiente: ela passou intocada, seguida de perto por um bando de corpos suarentos cheios de gritos roucos. Júlio deu um passo atrás, procurando não ser atropelado. Demorei pra cacete até dormir de noite, pensando. 18 i MUNDO de sombras MUNDO DE SOMBRAS.p65 18

13 Eu também. Cada vez fico mais convencido: anemia está fora de cogitação. Não foi à toa que a família não deixou fazer autópsia. Daniel sabia que o único caminho possível era embarcar no delírio. Sabia, principalmente, porque aqueles acabavam sendo os melhores momentos de suas vidas: quando penetravam no mundo particular, cheio de brumas e formas cambiantes. Onde os berros dos outros caras e o apito do professor chegavam amortecidos por grossas paredes de pedra e uma atmosfera densa. Aos poucos as lembranças do dia anterior foram-se amoldando aos códigos estabelecidos em anos de diálogos quase cifrados. Tá legal, vamos que tenha sido. Agora era a vez de Júlio demonstrar cautela: Não quero dizer que tenha, necessariamente. Mas vamos que tenha sido. Como é que a gente pode ter certeza? E mais, como é que uma coisa dessas viria parar exatamente aqui? A partir do momento em que haviam se descoberto, a vida ficou mais fácil. Na primeira conversa a grande surpresa foi descobrir que moravam no mesmo bairro, e Daniel poderia optar por um caminho de ida à escola passando pela casa de Júlio. Logo depois o quarto de Júlio se mostrou o lugar ideal para as viagens: ele morava numa casa grande, escura e cheia de cômodos que os irmãos mais velhos, estu- o nascimento do vampiro h 19 MUNDO DE SOMBRAS.p65 19

14 dando no Rio, não ocupavam mais. E havia o consultório do pai, com armários antigos e a coleção de vidros de formatos estranhos. Quando ele não estava, os dois costumavam se esgueirar para dentro e olhar as figuras dos livros de anatomia: corpos nus, com partes dissecadas, que infelizmente nunca mostravam os órgãos sexuais. Ô, imbecil! Olha aí, ele vai fazer gol! Defende a bola. Manda de qualquer jeito, desgraçado! Boa parte do time veio rodear os dois, as caras suadas cuspindo raiva: São dois otários, mesmo. Ô idiota, não viu que ele tava cara a cara com o gol? Daniel tentou articular algum som, mas o pensamento custava a entrar nos eixos. Vamos encher eles de cacete! Era Cesinha; um pirralho, o menor da sala, mas incrivelmente folgado. Júlio achou que a briga seria inevitável e tentou pensar se conseguiria se defender. A voz do professor pareceu chegar de Saturno: Dispersando, gente! O jogo vai continuar. Olha, professor, assim não dá. Com esses dois idiotas a gente não consegue nada. No meu time eles não jogam mais. Vamos encher de cacete! Cesinha esfregava as mãos, sádico. Vocês dois. O professor abriu caminho entre os times, encarando Júlio e Daniel com ar irritado. Pelo 20 i MUNDO de sombras MUNDO DE SOMBRAS.p65 20

15 menos um mínimo de esforço! Não precisam nem jogar direito, basta prestar atenção. Pelos próximos dez minutos não puderam conversar. Correram de um lado para o outro, perseguindo uma bola que estava sempre quilômetros à frente, indesejada. À medida que o tempo passava descobriam mais pontos de contato, mais assuntos, mais objetivos comuns. Gostavam de andar pelos morros, descobrindo cachoeiras geladas, gostavam de esperar a noite nos matos, assobiando para provocar sacis, até que a crença em sacis foi se transformando no prazer das histórias de fantasmas. À medida que o tempo passava, descobriam diferenças surpreendentes, diferenças que eram tão compartilhadas quanto as semelhanças. Diferenças que acabavam sendo absorvidas e virando outras semelhanças: Júlio gostava de música clássica, Daniel, de rock (tinha ganhado um violão aos doze anos, depois de implorar durante meses, e tocava razoavelmente bem, trancado no quarto para ninguém ouvir). Queria ser artista músico, escultor, ator. Júlio queria afundar na ciência. Daniel sonhava morar na cidade grande, Júlio sonhava com fazenda e gado. Daniel gostava de livros de espionagem e filmes de artes marciais, Júlio só via filmes de terror e tinha a maior coleção de gibis do mundo. Daniel vivia pensando em Lucinha, Júlio, em Célia. o nascimento do vampiro h 21 MUNDO DE SOMBRAS.p65 21

16 Segunda-feira era dia de corpos suados e fedorentos empesteando a sala depois da aula de educação física. A professora de português fez um breve discurso em memória de Lucinha. Por alguns minutos o clima de espanto e irrealidade do cemitério pairou sobre as carteiras, mas acabou por se dispersar, soprado pela necessidade besta de corrigir os trabalhos. No recreio, como sempre, alguns garotos tinham arranjado uma bola e corriam novamente, levantando a poeira vermelha do pátio de terra. E, como sempre, Júlio e Daniel procuraram um banco vazio para comer o lanche e conversar. Sabe o casarão perto da ponte do trem? Júlio falou enquanto se sentavam. Sei. Já viu alguém lá dentro alguma vez? Claro que não. Aquilo tá vazio desde que eu me entendo por gente. Tem uma coisa que só hoje lembrei. Júlio procurou fazer suspense enquanto mastigava um pedaço de pão com goiabada. Daniel esperava, conhecendo a inutilidade de tentar apressá-lo. Há uns quinze dias vi umas luzes acesas na janela de cima. Você tá zoando com a minha cara. Aquela casa não tem ligação elétrica faz muito tempo. Parecia luz de vela. Ainda não estava escuro, devia ser umas cinco e meia. Não é mentira, eu vi, só que não lembrava mais. 22 i MUNDO de sombras MUNDO DE SOMBRAS.p65 22

17 Bom, eu não passo pela trilha há séculos. Desde aquele dia eu também não passei mais, e nem dei importância. Pensei que pudesse ser algum mendigo lá dentro. Daniel terminou de comer o lanche, antes de fazer a pergunta que iria colocá-los novamente num outro plano de realidade: Você acha que... ele tá morando lá? E tem lugar melhor? Daniel sentiu um tremor invisível. A casa perto do pontilhão da estrada de ferro era um dos cenários perfeitos para esbarrar no fantástico. De vez em quando os dois desviavam o caminho na volta da escola e passavam por lá. O terreno era completamente tomado por árvores que, mesmo de dia, enchiam de sombras os três andares de arquitetura suíça. No teto cortado por águas-furtadas crescia capim e pequenos arbustos. Uma trilha se desviava do pontilhão, passava junto à casa, subia uma pequena ladeira e desembocava na rua de cima junto à fábrica de linhas, já perto de onde Júlio morava. Nunca haviam entrado. Apenas imaginavam as possibilidades infinitas de tragédias passadas nos quartos antigos. Tudo bem. O sino do final do recreio estava tocando e Daniel se levantou preguiçosamente atrás de Júlio. Mas como é que a gente vai descobrir se ele está mesmo lá dentro? o nascimento do vampiro h 23 MUNDO DE SOMBRAS.p65 23

18 Júlio colocou as mãos nos bolsos e ergueu os ombros, exercitando um cinismo dissimulado e antecipando o encaminhamento da conversa. Disse a frase exata para provocar a reação de Daniel: Se a gente tomar cuidado, é moleza. Moleza? É só uma questão de preparo. A gente vai de dia, leva uns crucifixos, réstias de alho, um bocado de água benta... Parece que você nunca viu filme de terror. Mesmo de dia ele é capaz de abrir os olhos e hipnotizar a vítima. Júlio prendeu o riso. Às vezes Daniel embarcava tão rápido nas suas gozações que ele próprio se via forçado botar o pé atrás. Mas continuou, sabendo o efeito que causaria: Tem de ser rápido. Eu jogo a água benta em cima dele e você crava a estaca no coração. Ah, isso não! Daniel falou alto demais e atraiu alguns olhares curiosos. Continuou mais baixo: Você crava a estaca! Tá legal. Júlio se virou para trás, encarando-o com um riso torto. Eu cravo a estaca. 24 i MUNDO de sombras MUNDO DE SOMBRAS.p65 24

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura.

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Palavras do autor Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Durante três anos, tornei-me um leitor voraz de histórias juvenis da literatura nacional, mergulhei

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO Roteiro para curta-metragem Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO SINOPSE Sérgio e Gusthavo se tornam inimigos depois de um mal entendido entre eles. Sérgio

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

Super.indd 5 6/1/2010 17:05:16

Super.indd 5 6/1/2010 17:05:16 Super é o meu primeiro livro escrito inteiramente em São Paulo, minha nova cidade. A ela e às fantásticas pessoas que nela vivem, o meu enorme obrigado. E esse livro, como toda ficção, tem muito de realidade.

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

SEGREDO NO CAIR DA TARDE

SEGREDO NO CAIR DA TARDE SEGREDO NO CAIR DA TARDE Ele chegou a galope, num alazão que eu não conhecia. Depois o alazão ergueu-se em duas patas e desapareceu e meu irmão também desapareceu. Fazia tempo que eu o chamava e ele não

Leia mais

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho alternativo, onde encontra com um sujeito estranho.

Leia mais

Laranja-fogo. Cor-de-céu

Laranja-fogo. Cor-de-céu Laranja-fogo. Cor-de-céu Talita Baldin Eu. Você. Não. Quero. Ter. Nome. Voz. Quero ter voz. Não. Não quero ter voz. Correram pela escada. Correram pelo corredor. Espiando na porta. Olho de vidro para quem

Leia mais

ALICE DIZ ADEUS 4º TRATAMENTO* Escrito e dirigido por. Simone Teider

ALICE DIZ ADEUS 4º TRATAMENTO* Escrito e dirigido por. Simone Teider DIZ ADEUS 4º TRATAMENTO* Escrito e dirigido por Simone Teider SEQUENCIA 1 Uma mulher, (46), está sentada num sofá vendo TV e lixando as unhas. Ela veste um vestido florido e um brinco grande. (16), de

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Karen Mudarak Braga. 6º ano. Escola Municipal Francisco Paes de Carvalho Filho

Roteiro para curta-metragem. Karen Mudarak Braga. 6º ano. Escola Municipal Francisco Paes de Carvalho Filho Roteiro para curta-metragem Karen Mudarak Braga 6º ano Escola Municipal Francisco Paes de Carvalho Filho O GAROTO PERFEITO SINOPSE Bianca se apaixona pelo aluno novo, em seu primeiro dia de aula, sem saber

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM?

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? Na cozinha, ele serviu se de mais uma bebida e olhou para a mobília de quarto de cama que estava no pátio da frente. O colchão estava a descoberto e os lençóis às riscas estavam

Leia mais

Sei... Entra, Fredo, vem tomar um copo de suco, comer um biscoito. E você também, Dinho, que está parado aí atrás do muro!

Sei... Entra, Fredo, vem tomar um copo de suco, comer um biscoito. E você também, Dinho, que está parado aí atrás do muro! Capítulo 3 N o meio do caminho tinha uma casa. A casa da Laila, uma menina danada de esperta. Se bem que, de vez em quando, Fredo e Dinho achavam que ela era bastante metida. Essas coisas que acontecem

Leia mais

Um havia um menino diferente dos outros meninos: tinha o olho direito preto, o esquerdo azul e a cabeça pelada. Os vizinhos mangavam dele e gritavam: Ó pelado! Tanto gritaram que ele se acostumou, achou

Leia mais

CABOCLO D AGUA. Por. Andre Rohling.

CABOCLO D AGUA. Por. Andre Rohling. CABOCLO D AGUA. Por Andre Rohling. (47)8818-2914. andrerohling@hotmail.com www.facebook/andre.rohling 1 CENA-EXT-CAMPO-NOITE-19H10MIN. Noite de lua cheia, era bastante claro devido à luz da lua, faróis

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA Carolina e, acompanhados de, estão na biblioteca, no mesmo lugar em que o segundo episódio se encerrou.os jovens estão atrás do balcão da biblioteca,

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa FIM DE SEMANA Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa CENA 1 EXTERIOR / REUNIÃO FAMILIAR (VÍDEOS) LOCUTOR Depois de uma longa semana de serviço, cansaço, demoradas viagens de ônibus lotados...

Leia mais

MARK CARVALHO. Capítulo 1

MARK CARVALHO. Capítulo 1 MARK CARVALHO Capítulo 1 Mark era um menino com altura média, pele clara, pequenos olhos verdes, cabelos com a cor de avelãs. Um dia estava em casa vendo televisão, até que ouviu: Filho, venha aqui na

Leia mais

Pág. 1. Painel Descrição Diálogo

Pág. 1. Painel Descrição Diálogo Mico Leão Dourado Pág. 1 1.1 (PG) Visão geral da árvore onde Chico mora, com os barracos nos galhos, a pequena comunidade na base, com o campinho onde as crianças jogam futebol. Todos estão assistindo

Leia mais

O galo e a coruja cupinzeira Celeste Krauss 2

O galo e a coruja cupinzeira Celeste Krauss 2 E-livro FICHA CATALOGRÁFICA Celeste, Krauss O galo e a coruja cupinzeira/celeste Emília Krauss Guimarães Antônio Carlos Guimarães [organização e revisão] Lambari: Edição do Autor; Belo Horizonte: Antônio

Leia mais

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais)

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Tempo para tudo (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br Alô, alô Quero falar com o Marcelo. Momento. Alô. Quem é? Marcelo. Escuta aqui. Eu só vou falar uma vez. A Adriana é minha. Vê se tira o bico de cima dela. Adriana? Que Adriana? Não se faça de cretino.

Leia mais

"A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste"

A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste "A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste" John Ruskin "O Instituto WCF-Brasil trabalha para promover e defender os direitos das crianças e

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA DIANA + 3 INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA Pablo, rapaz gordinho, 20 anos, está sentado na areia da praia ao lado de Dino, magrinho, de óculos, 18 anos. Pablo tem um violão no colo.

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação.

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação. O Led Zeppelin sempre foi complicado. Esse era o problema inicial deles. Os shows deles sempre tinham violência masculina. Isso foi um desvio nos anos 1970, que foi uma época muito estranha. Era uma anarquia

Leia mais

O LAVA JATO MACABRO. Por JULIANO FIGUEIREDO DA SILVA

O LAVA JATO MACABRO. Por JULIANO FIGUEIREDO DA SILVA O LAVA JATO MACABRO Por JULIANO FIGUEIREDO DA SILVA Rua alameda dom Pedro II n 718 Venda da cruz São Gonçalo. e-mail:jfigueiredo759@gmail.com TEL: (21)92303033 EXT.LAGE DA CASA.DIA Renam está sentado na

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com Antônio, Sara, Vânia e César. Sala da casa de Antônio e Sara. 1 Um longo silêncio. ANTÔNIO. Vai me deixar falando sozinho? Sara o fita e fica

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

Luís Norberto Pascoal

Luís Norberto Pascoal Viver com felicidade é sucesso com harmonia e humildade. Luís Norberto Pascoal Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. ISBN 978-85-7694-131-6 9 788576 941316 Era uma vez um pássaro que

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Atividade: Leitura e interpretação de texto Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Orientações: 1- Leia o texto atentamente. Busque o significado das palavras desconhecidas no dicionário. Escreva

Leia mais

A Sociedade dos Espiões Invisíveis

A Sociedade dos Espiões Invisíveis A Sociedade dos Espiões Invisíveis Tem dias em que tudo o que mais quero é embarcar na minha rede mágica e viajar para bem longe! Talvez, em algum outro lugar, não me sinta tão, tão... diferente! Eu sei

Leia mais

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães 2 No dia em que Iracema e Lipe voltaram para visitar a Gê, estava o maior rebuliço no hospital. As duas crianças ficaram logo

Leia mais

Questionário sobre os exames de saúde da criança (exceto os ítens comuns com o questionário da província)

Questionário sobre os exames de saúde da criança (exceto os ítens comuns com o questionário da província) Questionário sobre os exames de saúde da criança (exceto os ítens comuns com o questionário da província) Criança de 1 mês 1 A criança está se alimentando (mamando) bem? Sim 2 A criança bate as mãos e

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava O menino e o pássaro Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava comida, água e limpava a gaiola do pássaro. O menino esperava o pássaro cantar enquanto contava histórias para

Leia mais

APÊNDICE A - Músicas

APÊNDICE A - Músicas APÊNDICE A - Músicas Músicas 1 GUT GUT SEM PARAR Adaptação ao meio líquido Bebeu a água da piscina toda Fui ver quem era, era o João Ele bebia a água da piscina Ele fazia gut gut gut gut gut sem parar

Leia mais

Trecho do livro Nora Webster (Companhia das Letras), de Colm Tóibín Tradução de Rubens Figueiredo. Capítulo Um

Trecho do livro Nora Webster (Companhia das Letras), de Colm Tóibín Tradução de Rubens Figueiredo. Capítulo Um Trecho do livro Nora Webster (Companhia das Letras), de Colm Tóibín Tradução de Rubens Figueiredo Capítulo Um Você deve estar de saco cheio deles. Será que nunca vão parar de vir aqui? Tom O Connor, seu

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

Iracema estava na brinquedoteca

Iracema estava na brinquedoteca Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães Iracema estava na brinquedoteca com toda a turma quando recebeu a notícia de que seu sonho se realizaria. Era felicidade que

Leia mais

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli DIANA + 3 Roteiro de Henry Grazinoli EXT. CALÇADA DO PORTINHO DIA Sombra de Pablo e Dino caminhando pela calçada do portinho de Cabo Frio. A calçada típica da cidade, com suas ondinhas e peixes desenhados.

Leia mais

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU MULHER SOLTEIRA REFRÃO: Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir (Essa música foi feita só prás mulheres

Leia mais

A BOLINHA. por RODRIGO FERRARI. Versão finalíssima

A BOLINHA. por RODRIGO FERRARI. Versão finalíssima A BOLINHA por RODRIGO FERRARI Versão finalíssima rodrigoferrari@gmail.com (21) 9697.0419 Do lado direito do palco, CLÁUDIA está sentada numa cadeira. Ela segura um teste de gravidez. Ela abre a caixa e

Leia mais

UNIFORMES E ASPIRINAS

UNIFORMES E ASPIRINAS SER OU NÃO SER Sujeito desconfiava que estava sendo traído, mas não queria acreditar que pudesse ser verdade. Contratou um detetive para seguir a esposa suspeita. Dias depois, se encontrou com o profissional

Leia mais

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano O Menino do Futuro Dhiogo José Caetano 1 Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno inventor que

Leia mais

EXPLORANDO A OBRA (ALUNOS SENTADOS EM CÍRCULO)

EXPLORANDO A OBRA (ALUNOS SENTADOS EM CÍRCULO) Explorando a obra EXPLORANDO A OBRA (ALUNOS SENTADOS EM CÍRCULO) INTRODUÇÃO Antes da leitura Peça para que seus alunos observem a capa por alguns instantes e faça perguntas: Qual é o título desse livro?

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

O PATINHO QUE NÃO QUERIA APRENDER A VOAR

O PATINHO QUE NÃO QUERIA APRENDER A VOAR Numa bela manhã, nasceram seis lindos patinhos que encheram de encanto seus pais. Eram amarelinhos e fofinhos. Um dos patinhos recebeu o nome de Taco. Mamãe e papai estavam muito felizes com seus filhotes.

Leia mais

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER Edna estava caminhando pela rua com sua sacola de compras quando passou pelo carro. Havia um cartaz na janela lateral: Ela parou. Havia um grande pedaço de papelão grudado na janela com alguma substância.

Leia mais

De volta para casa. Game Design Document. Versão: 2.0. Alessandra RA 1385789. Aline RA 1382286. Allan RA 1385006. Fabio RA 1385806.

De volta para casa. Game Design Document. Versão: 2.0. Alessandra RA 1385789. Aline RA 1382286. Allan RA 1385006. Fabio RA 1385806. De volta para casa Game Design Document Versão: 2.0 Professor Orientador: Esp. Marcelo Henrique dos Santos Autores: Alessandra RA 1385789 Aline RA 1382286 Allan RA 1385006 Fabio RA 1385806 Iris RA 1383599

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A.

Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A. Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A. Portugal ISBN 9789892311340 Reservados todos os direitos Edições

Leia mais

Domingo. Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam fogo com a luz do sol?

Domingo. Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam fogo com a luz do sol? Domingo Cocoricóóó! Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! Urrggghhoquefoi? Eu disse que já é de manhã e está na hora de você sair da cama. De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

Efêmera (título provisório) Por. Ana Julia Travia e Mari Brecht

Efêmera (título provisório) Por. Ana Julia Travia e Mari Brecht Efêmera (título provisório) Por Ana Julia Travia e Mari Brecht anaju.travia@gmail.com mari.brecht@gmail.com INT. SALA DE - DIA. VÍDEO DE Números no canto da tela: 00 horas Vídeo na TV., 22, com seus cabelos

Leia mais

Ahhhhhhhh! A escola inteira se assustou. A professora Graça saiu procurando quem tinha gritado e encontrou a Carolina aos prantos no canto da sala.

Ahhhhhhhh! A escola inteira se assustou. A professora Graça saiu procurando quem tinha gritado e encontrou a Carolina aos prantos no canto da sala. Capítulo 3 O Dia do Benquerer foi um sucesso. Tudo correu às mil maravilhas com as crianças, as atividades, os brinquedos, os bichos de estimação. E, no final do dia, a escola estava preparada para a premiação

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM Roteiro para curta-metragem Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM SINOPSE José é viciado em drogas tornando sua mãe infeliz. O vício torna José violento, até que

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

Projeto Gráfico e Editoração Coordenadoria de Comunicação Social. Revisão gramatical Lucia Anilda Miguel

Projeto Gráfico e Editoração Coordenadoria de Comunicação Social. Revisão gramatical Lucia Anilda Miguel Elaboração Centro de Apoio Operacional da Infância e Juventude e Coordenadoria de Comunicação Social do Ministério Público do Estado de Santa Catarina. Contato Rua Bocaiúva, 1.750, 4º andar - Centro -

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena OSUTERBOS DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. JANEIRO escrito por: Antפnio Carlos Calixto Filho Personagens: Dana de Oliveira uma moça simples ingênua morena olhos pretos como jabuticaba,1.70a,sarad a cabelos

Leia mais

Vivendo e aprendendo em família

Vivendo e aprendendo em família Vivendo e aprendendo em família VERSÍCULO BÍBLICO Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração. Ensine-as com persistência a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

Um pro logo que ha de fazer algum sentido mais a frente

Um pro logo que ha de fazer algum sentido mais a frente Um pro logo que ha de fazer algum sentido mais a frente De entre todas as coisas que podem entupir os canos lá em casa, um mamífero do Ártico com excesso de peso é provavelmente a pior. Isto porque, embora

Leia mais

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira?

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira? HISTÓRIA DE LINS EE PROF.PE. EDUARDO R. de CARVALHO Alunos: Maria Luana Lino da Silva Rafaela Alves de Almeida Estefanny Mayra S. Pereira Agnes K. Bernardes História 1 Unidas Venceremos É a história de

Leia mais

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta Copyright Betina Toledo e Thuany Motta Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 MERGULHO FADE IN: CENA 1 PRAIA DIA Fotografia de

Leia mais

O LOBO E OS SETE CABRITINHOS. Irmãos Grimm

O LOBO E OS SETE CABRITINHOS. Irmãos Grimm O LOBO E OS SETE CABRITINHOS Irmãos Grimm Era uma vez uma velha cabra que tinha sete cabritinhos, e os amava como as mães amam os filhos. Certo dia, ela teve de ir à floresta em busca de alimento e recomendou

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

Bartolomeu Campos Queirós. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. I SBN 85-7694 - 111-2

Bartolomeu Campos Queirós. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. I SBN 85-7694 - 111-2 Ficava intrigado como num livro tão pequeno cabia tanta história. O mundo ficava maior e minha vontade era não morrer nunca para conhecer o mundo inteiro e saber muito da vida como a professora sabia.

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães 2 Era domingo e o céu estava mais azul que o azul mais azul que se pode imaginar. O sol de maio deixava o dia ainda mais bonito

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais