O MUNDO DENTRO DA ESCOLA: REFLETINDO SOBRE OS RECURSOS HIDRICOS COM O USO DO GOOGLE EARTH

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O MUNDO DENTRO DA ESCOLA: REFLETINDO SOBRE OS RECURSOS HIDRICOS COM O USO DO GOOGLE EARTH"

Transcrição

1 O MUNDO DENTRO DA ESCOLA: REFLETINDO SOBRE OS RECURSOS HIDRICOS COM O USO DO GOOGLE EARTH André Luiz Sarante /Universidade Federal de Viçosa Ana Cristina Venancio da Silva /Universidade de São Paulo INTRODUÇÃO O presente artigo intitulado O mundo dentro da escola: refletindo sobre os recursos hídricos com o uso do Google Earth tem por objetivo apresentar uma proposta de utilização do software Google Earth como recurso didático para o ensino de Geografia. Para isso, dentre muitos assuntos possíveis, escolhemos fazer uma proposta de ensino que aborda a importância da água e das bacias hidrográficas junto aos estudantes das séries finais do Ensino Fundamental II e também do Ensino Médio, na disciplina de Geografia. Essa proposta nasceu da junção de duas áreas de interesse: por um lado a questão da água na atualidade e a necessidade premente de apresentá-la como um recurso e um patrimônio natural da humanidade e, por outro, o interesse em utilizar o computador, a internet e imagens de satélite no processo de ensino-aprendizagem, uma vez que são recursos tecnológicos que despertam o interesse da quase totalidade dos jovens de hoje. Para sua efetivação, esta proposta requer a disponibilização de algumas TICs (Tecnologias da Informação e da Comunicação 1 ) na escola, tais como: laboratório de Geógrafo e pesquisador das relações e dos usos da tecnologia aplicada ao ensino de Geografia. Historiadora, mestre em Educação, e pesquisadora de políticas públicas de utilização de recursos tecnológicos na Educação. 1 De acordo com Almeida (2005), as Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) são resultante da junção entre a informática e a telecomunicação. Por meio de suportes (mídias) e de meios de comunicação (tais como o jornal, o rádio, a televisão e a internet), as TICs possibilitam o acesso e a veiculação de informações e de todas as demais formas de articulação comunicativa em todo o mundo.

2 informática conectado à internet, o programa Google Earth instalado em pelo menos uma das máquinas e um projetor multimídia. Além disso, a proposta requer saídas a campo para analisar os recursos hídricos da localidade e a estação de tratamento de água e esgoto da cidade na qual a proposta estiver sendo efetivada. Dessa forma, este projeto só poderá ser feito numa escola que contar com a infra-estrutura tecnológica e que permita que professores e alunos façam trabalhos externos. É imperativo que fique claro, portanto, que este artigo visa apresentar um modelo de uso de um recurso tecnológico como estratégia de ensino. Ao apresentarmos uma forma concreta e estruturada de utilização do Google Earth para o ensino de um grupo de conteúdos específicos que fazem parte do ensino escolar de Geografia estaremos contribuindo para que mais educadores e estudiosos do tema possam vislumbrar o emprego efetivo deste rico recurso tecnológico que é o Google Earth, uma vez que ele pode propiciar a construção de aprendizagens significativas, bem como o desenvolvimento de competências importantes não só para a ampliação do conhecimento geográfico que se tem do mundo, mas também para a formação de cidadãos críticos e participativos. A proposta pretende trabalhar o tema da água nas diferentes escalas, percorrendo junto com os estudantes um caminho que começa com este recurso no contexto global, passando pelos contextos nacional, regional até chegar ao abastecimento local no município. De acordo com Callai (2004, p. 94), a escala de análise é um critério importante no estudo da Geografia. É fundamental que se considere sempre os vários níveis da escala social de análise: o local, o regional, o nacional e o mundial. Ainda segundo a autora, a compreensão das particularidades dos vários lugares pode ser o caminho para se compreender o global, o mundo em que vivemos e para investigar as relações que se estabelecem entre os homens e entre esses e a natureza. Acreditamos que, no caso da água, a contextualização possibilitada pelas imagens disponibilizadas pelo Google Earth permitirá o surgimento de uma consciência crítica e ampliada em relação a este recurso natural. Ao longo das atividades, em muitos momentos o professor tem o dever de estimular discussões sobre a abundância e a escassez desse recurso e os desdobramentos econômicos, sociais e culturais que essas duas situações trazem, nos âmbitos local, regional e global. As noções de uso, mau uso, desperdício e reuso da água devem ser apresentadas e discutidas com o intuito de despertar uma consciência social acerca do tema.

3 Ao mostrar as bacias hidrográficas nas diferentes escalas, acreditamos que seja possível tratar da realidade local com praticamente a mesma riqueza de detalhes que costumeiramente encontramos nos livros didáticos quando eles tratam das principais bacias do Brasil. Nesse aspecto, ao invés de trabalhar com o aluno uma realidade quase sempre distante e abstrata, porque é diferente da sua, o professor abordará a realidade local a partir do cruzamento das imagens oferecidas pela internet por meio do Google Earth, e das saídas a campo feitas com os estudantes. A vivência virtual em três dimensões que o Google Earth propõe ao usuário será apresentada como um complemento ao livro didático e ao atlas escolar, no qual as imagens são estáticas, apresentam apenas alguns entre os vários espaços geográficos brasileiros e mundiais, e oferece figuras em duas dimensões. Com isso, além de trazer para dentro da escola algo que a princípio está fora dela (a internet e o uso de um programa que, com efeito, não foi desenvolvido com vistas ao uso didático) será possível mostrar aos estudantes que o computador e a internet podem ser usados não só para o entretenimento, mas também para obter e construir novos saberes. A idéia aqui apresentada surge da dificuldade que alguns professores de Geografia têm em utilizar recursos didáticos diferentes para explicar vários temas do currículo escolar deste componente. Mesmo na atualidade, encontramos algumas escolas em que o conhecimento ainda é transmitido de forma, bancária e autoritária como já afirmou Freire (1981). Nelas, as aulas continuam se baseando apenas na reprodução de conteúdos presentes em livros didáticos. Além disso, os exemplos, mapas e fotos que são colocados em sala de aula, contidos nos livros didáticos, revelam, discutem e problematizam assuntos ligados, principalmente, aos contextos global e regional, desprezando, quase sempre, o contexto local e imediato de boa parte dos estudantes. Isso significa que, no limite, a Geografia que é ensinada na escola é trabalhada, na grande maioria das vezes, com exemplos abstratos e bastante distantes de muitos alunos. É justamente neste aspecto que o software Google Earth pode contribuir para a construção de saberes geográficos, trazendo o mundo em diferentes escalas para dentro da escola, por meio das aulas de Geografia. 2 - A utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação (TICs) no ensino de Geografia

4 O momento atual destaca-se pela existência de uma profusão de projetos, pesquisas e pesquisadores dedicados ao estudo do emprego das TICs na educação. Dentre os pesquisadores ligados a essa área do conhecimento, destacamos João Manoel Moran, José Armando Valente e Eduardo O. C. Chaves. Para esses pesquisadores, pensar novas formas de difundir o conhecimento é uma necessidade urgente, já que é insustentável mantermos o paradoxo atual, no qual se replica uma estrutura escolar criada pelos iluministas no século XVIII e popularizada no século XIX, com professores que ainda estão no século XX e alunos cujos corações e mentes fazem parte do século XXI. É preciso coragem e ousadia na busca de soluções para esse impasse, já que se deseja uma escola com professores e alunos que estejam numa mesma realidade espaço-temporal. Quando tratamos de modernizações no ensino e na escola, parte significativa das inovações metodológicas surgem da utilização didático-pedagógica de recursos que costumeiramente estão fora do espaço escolar, tais como o audiovisual, a música, o computador, a internet, a imagem, os recursos multimídias, etc. Para Moran (1994), Valente (2005) e Chaves (1998), o emprego das TICs pode ser significativo no processo de ensino e aprendizagem, uma vez que elas contribuem significativamente para que os alunos se sintam motivados a querer aprender cada vez mais, na medida em que ajudam na contextualização dos conteúdos. A utilização de TICs no processo de ensino-aprendizagem pressupõe a tão discutida inclusão digital de professores e alunos. No entanto, não podemos nos esquecer que sem um certo domínio no manuseio das tecnologias, é impossível torná-las meios (estratégias) para se atingir fins específicos. Dada a realidade socioeconômica de parte significativa da população brasileira, cabe ao Estado promover ações com vistas a incluir digitalmente sua população, sob o risco ter que lidar com uma nova categoria de analfabeto: o analfabeto digital. Na trajetória educacional do Brasil das últimas décadas, percebemos com nitidez que, dentre os vários aparelhos eletrônicos que possibilitam o uso de TICs na escola, o computador tem sido alvo da maioria das iniciativas. Políticas públicas e privadas estão sendo realizadas com o objetivo de promover o uso pedagógico da informática em praticamente todas as redes de ensino de Educação Básica. Todavia, os principais pesquisadores deste tema são praticamente unânimes em dizer que não basta equipar as escolas. É preciso encarar de frente a imensa resistência

5 vigente entre grande parte dos professores em relação à tecnologia, aos meios eletrônicos e às inovações pedagógicas como um todo. Segundo Vieira (1999), a introdução das TICs na educação deve ser acompanhada de uma sólida formação dos professores para que eles possam utilizá-las de uma forma responsável e com potencialidades pedagógicas verdadeiras. Sob essa perspectiva, deve fazer parte do cotidiano escolar, e constar no projeto pedagógico da unidade, o treinamento contínuo e progressivo dos professores. Isso equivale dizer que a formação inicial e continuada dos docentes é fundamental, pois, para se usar um novo recurso, é imprescindível conhecê-lo bem. A inserção do computador e da internet nas escolas brasileiras poderá contribuir, segundo Libâneo (2000), para a democratização de saberes socialmente significativos e para o desenvolvimento das capacidades intelectuais e afetivas, tendo em vista a formação de cidadãos contemporâneos. Vesentini (2007) defende que, se os educandos são fascinados pelos computadores, pela imagem no lugar da escrita e também por jogos, é interessante incorporar esses elementos como estratégias de ensino. Além disso, o autor afirma também que o professor, cidadão que vive no mesmo mundo pleno de mudanças, deve estar a par e participar das inovações tecnológicas, das alterações culturais, trabalhando com esses recursos de maneira crítica, levando o aluno a usá-los de forma ativa. No que diz respeito às políticas educacionais brasileiras, é pertinente destacar ainda que a nova lei de diretrizes e bases da educação (9394/96) expõe a necessidade da educação escolar trabalhar com conteúdos e recursos que qualifiquem o cidadão para viver na sociedade moderna tecnológica. Este contexto favorece a introdução da tecnologia de sensoriamento remoto na escola como conteúdo e recurso didático inovador no processo de ensino e aprendizagem, frente às atuais exigências de reformulação da educação escolar impostas pela conjuntura de nossa sociedade na aurora de um novo milênio. Fonseca e Oliveira (2007) falam que as imagens de satélite podem oferecer muito, já que o produto que elas apresentam ultrapassa de longe o que o olho humano pode ver. Tanto horizontalmente que seria o planeta todo em sua simultaneidade quanto verticalmente aprofundando-se numa área, num lugar. Da mesma forma, Saussen e Machado (2004): Salientam que o uso de imagens de satélite no estudo da geografia em sala de aula contribui para uma didática mais significativa na educação escolar,

6 porque esse recurso promove a realização de aulas mais diversificadas e atrativas, nas quais o aluno poderá se sentir mais motivado, pois é possível estudar o espaço geográfico da própria região com imagens de satélite que permitem identificar o uso e cobertura do solo, o desenho urbano, os impactos ambientais, entre outros aspectos e, a partir disso, propor possíveis soluções, dando ao aluno maior compreensão dos processos atuantes na sociedade em que vive. (SAUSSEN; MACHADO, 2004, p.1486). É com base na fala desses dois autores, que vemos a utilização do Google Earth como uma ferramenta para tratar a questão da água em diversos tipos de escala. Além do mais, Saussen e Machado (2004), afirmam ainda que à medida que a escala de percepção espacial for gradativamente se expandindo, desencadeará um processo que, no final, levará o aluno a obter um posicionamento crítico diante dos acontecimentos sociais, contribuindo para a formação de um cidadão mais consciente e comprometido. Daí, a importância de trabalhar as tecnologias (o sensoriamento remoto, a internet o e computador) no aproveitamento didático, para o nível de ensino médio nas aulas de Geografia. Segundo Carvalho et. al. (2004): A utilização de recursos de sensoriamento remoto possibilita aos alunos uma apreensão sistêmica da área de estudo, favorecendo à análise do meio ambiente e ecossistemas associados, considerando não apenas um único aspecto/variável, mas sim a multiplicidade de aspectos/variáveis que possam estar contribuindo para a degradação da qualidade das águas, estabelecendo relações entre o impacto local e suas repercussões espaciais e revelando, conseqüentemente, suas implicações para o declínio da qualidade de vida da população atendida direta ou indiretamente por este manancial. (CARVALHO et. al., 2004, p. 11). É fato que a qualidade das águas tem sido afetada pelas atividades produtivas ou por seus reflexos (poluição por esgotos, derramamentos acidentais de produtos tóxicos, disposição inadequada de rejeitos sólidos, etc.). Nesse aspecto, destaca-se, nesse projeto, a utilização da bacia hidrográfica como recorte de um estudo geográfico, enfatizando seu caráter físico como unidade sistêmica, onde a ação humana é mais uma variável frente à questão ambiental. (2001); Entende-se, portanto, bacia hidrográfica como, segundo Barrella, W. et. al. Conjunto de terras drenadas por um rio e seus afluentes, formada nas regiões mais altas do relevo por divisores de água, onde as águas das chuvas, ou escoam superficialmente formando os riachos e rios, ou infiltram no solo para formação de nascentes e do lençol freático. As águas superficiais escoam para as partes mais baixas do terreno, formando riachos e rios, sendo que as cabeceiras são formadas por riachos que brotam em terrenos íngremes das serras e montanhas e á medida que as águas dos riachos descem, juntam-se a outros riachos, aumentando o volume e formando os primeiros rios, esses

7 pequenos rios continuam seus trajetos recebendo água de outros tributários, formando rios maiores até desembocar no oceano. (BARRELLA, W. et. al., 2001, p. 138). Já para Fernandes (1999) apud Attanasio, (2004) o termo bacia hidrográfica refere-se a uma compartimentação geográfica natural delimitada por divisores de água. Este compartimento é drenado superficialmente por um curso d`água, principal e seus afluentes. Cabe ressaltar, pela última vez, que acreditamos que os novos recursos tecnológicos, dentre os quais destacamos o sensoriamento remoto, a internet e o computador, devem ser utilizados como ferramentas que complementam e contextualizam os conteúdos desenvolvidos em sala de aula, não substituindo de maneira alguma o professor e o livro didático, como preconiza um determinado senso comum dominado pela lógica do mercado capitalista. Utilizaremos, em suma, o olhar acurado possibilitado pelo sensoriamento remoto no estudo das bacias hidrográficas, para propiciarmos uma aprendizagem significativa e crítica em relação à água, seu consumo e sua importância. 3 - O Google Earth como recurso didático Em linhas gerais o Google Earth é um programa desenvolvido e distribuído pela empresa Google 2, cuja função é apresentar um modelo tridimensional do globo terrestre, construído a partir de fotografias de satélites. Além de ser gratuito, o programa oferece uma riqueza de detalhes e possibilita o desenvolvimento de uma nova maneira de olhar e conceber geograficamente o mundo, uma vez que permite visualizar, de forma dinâmica, diferentes aspectos globais, regionais e locais de vários fenômenos. O que chama a atenção em relação ao Google Earth é justamente o fato de ele apresentar a realidade local dificilmente abordada nos livros didáticos - e se renovar 2 A Google Inc é a empresa que desenvolve e disponibiliza serviços online, cuja sede se situa nos EUA. Seu primeiro serviço foi um sistema de buscas denominado Google, que, na atualidade, é considerado o serviço de busca mais usado no mundo. O serviço de buscas Google foi criado a partir de um projeto de doutorado de Larry Page e Sergey Brin, desenvolvido na Universidade de Stanford em Atualmente, a Google, é uma empresa que fornece dezenas de outros serviços online, que são, na maioria das vezes, gratuitos aos usuários da internet. O software Google Earth pode ser adquirido gratuitamente pelo endereço eletrônico:

8 de tempos em tempos e, por isso, disponibilizar imagens atualizadas do espaço geográfico. Isso coloca o programa em vantagem em relação aos livros impressos que normalmente abordam e mostram as realidades globais e regionais em detrimento da local, impossível de ser retratada em sua totalidade, e que se tornam obsoletos pouco tempo depois de impressos, dado o dinamismo com que as paisagens sofrem mudanças. Nunca é demais lembrar que não se trata de desqualificar o livro didático, mas de procurar formas de complementá-lo e atualizá-lo, papel que pode ser desempenhado pelo Google Earth e também por outros programas e serviços disponibilizados pela internet. 4 - A PROPOSTA DE ENSINO OS ENCONTROS O modelo de uso que propomos pode ser utilizado com estudantes das séries finais do Ensino Fundamental II e também do Ensino Médio. A proposta desenvolvida foi estruturada a partir de onze encontros, sendo que cada encontro equivale a duas aulas. Desses encontros, nove podem ser desenvolvidos em sala de aula e dois devem ocorrem nos espaços em que ocorrerão as visitas monitoradas. Nestes onze momentos, deve ser exposto e discutido o conceito de bacia hidrográfica, enfatizando suas características e dimensões sociais, naturais e econômicas. Pensando-se em turma de aproximadamente 40 alunos, a cada encontro os alunos deverão ser organizados em grupos. Este tipo de divisão tem o intuito de promover debates, propor a realização de tarefas específicas e proporcionar o desenvolvimento de habilidades de trabalho em grupo, tão valorizadas no mundo atual. Em relação às duas visitas monitoradas (quinto e décimo primeiro encontro), elas foram pensadas com a finalidade de possibilitar o estreitamento entre a teoria e a prática e fazer um estudo da realidade a partir das áreas mais próximas dos alunos. Para Tomita (1999), o trabalho de campo é uma prática indispensável para o ensino de Geografia, mas não o suficiente. Não se deve encarar essa atividade como um fim, mas como um meio que tenha o seu prosseguimento ao retornar à sala de aula. Segundo Pontuschka et. al. 2007; A observação dirigida, quando realizada nas visitas e nos trabalhos de campo, aprimora a habilidade de expressão gráfica e estética, de leitura e interpretação dos sinais da natureza, de levantamento de hipóteses e de confronto de explicações e teorias sobre, por exemplo, as tendências de expansão ou degradação do espaço local. (PONTUSCHKA et. al., p.299).

9 As visitas monitoradas com os alunos podem propiciar a elaboração de um novo recurso didático que contribui com a Geografia no ensino médio. Estamos nos referindo aos chamados mapas mentais. Nogueira (2006, p. 129) fala que os mapas mentais são representações construídas inicialmente tomando por base a percepção dos lugares vividos, experienciados. Isso equivale dizer, portanto, que eles partem de uma dada realidade. Ainda segundo a autora, os mapas mentais podem ser utilizados, para levantar com os alunos os problemas sociais e ambientais dos lugares onde eles vivem. Em relação à música Sobradinho, de autoria da dupla Sá e Guarabira, devemos pontuar que ela foi proposta com estratégia de ensino do décimo encontro, por entendermos que cabe também a escola estimular reflexões filosóficas e artísticas sobre o tema e não apenas as questões racionais que envolvem os usos da água no mundo atual. A ampliação do universo cultural dos alunos, para além da cultura de massa que é veiculada nos meios de comunicação é também, a nosso ver, um dever da escola. Devemos levar os estudantes a ir além do senso comum e também a perceber a beleza e força da poesia, bem como a importância e função delas nas sociedades humanas. O ser humano é um ser de idéias, de contato social e, portanto, um ser de cultura. Nesse sentido, é importante fazer uso também das manifestações culturais para sensibilizar e propor reflexões. Foi pensando nesses aspectos que resolvemos lançar mão da citada música, que será trabalhada com os estudantes de forma integral (letra e melodia). Com o intuito de oferecer uma visão geral do modelo de uso que estamos propondo, organizamos abaixo uma tabela em que disponibilizamos os encontros e uma síntese dos principais tópicos que devem ser trabalhados em cada um deles: Tabela 1: Principais tópicos que devem ser discutidos em cada um dos encontros propostos. ENCONTROS TEMAS 1 encontro Distribuição das águas no Planeta Terra; 2 encontro Conceito de bacia hidrográfica 3 encontro As bacias hidrográficas brasileiras; 4 encontro Elementos que fazem parte e/ou que estão no entorno de uma bacia hidrográfica; 5 encontro Visita a uma bacia hidrográfica perto da Escola; 6 encontro Os principais rios do Brasil;

10 7 encontro O Rio mais próximo da escola e seu entorno; 8 encontro O consumo de água pela: agricultura, indústria e sociedade; 9 encontro Poluição das águas; 10 encontro As hidrelétricas e os movimentos dos atingidos por barragens; 11 encontro Visita à estação de tratamento de água e de esgoto; Fonte: SARANTE e SILVA (2009) A seguir, apresentamos o detalhamento de cada encontro previsto no presente modelo de uso. A guisa de exemplo, optamos por utilizar a cidade de Viçosa-MG e a Bacia do Rio São Bartolomeu para dar visualidade ao desenvolvimento didático da proposta. Cremos que a leitura deles propiciará uma percepção concreta e pormenorizada do trabalho que estamos propondo Primeiro encontro: Distribuição das águas no Planeta Terra Objetivos: Este primeiro encontro tem como objetivo fazer com que o aluno reflita através das imagens de satélites, se o Planeta no qual vivemos pode ser classificado como Planeta Terra ou Planeta Água. Além disso, o professor pode discutir com os alunos a porcentagem de água doce e a porcentagem de água salgada existente no planeta, verificar onde a água doce está concentrada (calotas polares e geleiras, rios e lagos, lençóis subterrâneos e outros tipos de reservatórios) e analisar a importância do ciclo hidrológico. A seguir selecionamos imagens obtidas por meio do programa que podem ser utilizadas em sala de aula: Figura 1 - Vista parcial do Planeta Terra, destacando a imensidão das terras emersas. Figura 2 Vista parcial do Planeta Terra, com destaque ao Círculo polar antártico Segundo encontro: Conceito de Bacia Hidrográfica

11 Objetivos: Neste segundo encontro, o professor e os alunos devem dialogar sobre vários conceitos de bacia hidrográfica e construir um novo conceito, respeitando sempre os saberes que os alunos trazem para dentro da escola. Após esta etapa, o professor deve analisar junto com os alunos, através das fotos de satélites do programa Google Earth, uma área próxima à escola. Em seguida, o professor e os alunos delimitarão uma bacia hidrográfica através da ferramenta caminho 3 que se encontra na barra de ferramentas do software. Para uma melhor delimitação, o professor poderá utilizar o recurso 3D para poder identificar e mostrar os divisores de água. A seguir selecionamos imagens obtidas por meio do programa que podem ser utilizadas em sala de aula: Figura 3 Bacia Hidrográfica próxima de uma Escola Estadual da cidade de Viçosa MG. Figura 4 utilização do recurso caminho e do recurso 3D para podermos delimitar os divisores de água Terceiro encontro: As bacias hidrográficas brasileiras Objetivos: Neste encontro, o professor deverá delimitar, em linhas gerais, as bacias hidrográficas brasileiras classificadas de acordo com a Agência Nacional das Águas ANA, por meio do emprego da ferramenta caminho. Em uma mesma imagem o docente deverá destacar as bacias: Amazônica, do Tocantins-Araguaia, do Atlântico Nordeste Ocidental, do Atlântico Nordeste Oriental, do Parnaíba, do São Francisco, do Atlântico Leste, do Paraná, do Uruguai, do Atlântico Sudeste, do Atlântico Sul e do Paraguai. Vale ressaltar que o programa permite que se mostre a 3 A ferramenta caminho está localizada na barra de ferramentas do programa e pode ser utilizada para marcar um determinado trajeto. Como exemplo, o professor ou o aluno pode utilizar essa ferramenta para seguir um curso de um rio, uma via férrea, uma determinada avenida, etc. Além disso, o usuário poderá salvar determinado percurso e colocar um título.

12 localidade de uma bacia por vez e também de todas juntas ao mesmo tempo. Acreditamos que uso desse recurso de animação facilite a aprendizagem dos alunos. Figura 5 - Construção de um banco de dados utilizando a ferramenta caminho para separar as bacias hidrográficas de acordo com a Agência Nacional das Águas ANA Quarto encontro: Elementos que fazem parte e/ou que estão no entorno de uma bacia hidrográfica Objetivos: Neste encontro, o docente e os alunos devem analisar uma imagem local de uma área próxima a escola. Com base na imagem, vai ser delimitada uma bacia hidrográfica. Após esta delimitação, o professor poderá discutir com os alunos quais são os elementos que fazem parte e que estão no entorno da bacia. Devem ou não aparecer elementos como: porções reduzidas de áreas cobertas pela vegetação; pastagens geralmente degradadas; áreas ocupadas pela população; etc. Após a análise dos elementos contidos na imagem, o professor poderá propor para o próximo encontro uma visita a mesma bacia hidrográfica delimitada na imagem. A seguir selecionamos uma imagem obtida por meio do programa, na qual foi delimitada a Bacia do Rio São Bartolomeu no município de Viçosa-MG:

13 Figura 6 - delimitação de uma bacia hidrográfica e os elementos contidos nela e em seu entorno Quinto encontro: Visita a bacia hidrográfica delimitada no encontro anterior Objetivos: Neste encontro extra-classe, os alunos deverão percorrer a pé ou de ônibus, o percurso entre a escola e a bacia delimitada no encontro anterior. Após realizar o trajeto, os alunos terão que fazer um mapa mental, desenhando os elementos mais importantes observados tanto na imagem de satélite do encontro anterior, como no percurso realizado neste encontro. Esta observação dirigida, realizada no trabalho de campo, tem como função aprimorar a habilidade de expressão gráfica e estética, de leitura e de interpretação dos sinais da natureza, de levantamento de hipóteses e de confronto de explicações e teorias. Com o mapa mental, os alunos terão que, em uma folha separada, descrever também quais são os elementos que causam os impactos negativos presenciados através da análise da imagem de satélite e do trajeto à bacia hidrográfica e, propor medidas mitigadoras para preservar as bacias hidrográficas da região. Estes exercícios visam aproximar a teoria discutida nos encontros anteriores com a realidade próxima do aluno Sexto encontro: Os principais rios do Brasil Objetivos: Neste encontro, serão abordados os principais rios brasileiros e sua importância para o desenvolvimento das regiões que eles percorrem. Destacam-se os Rios: Amazonas, São Francisco, Paraná e Tietê. Em relação ao Rio Amazonas, o professor pode discutir com os alunos a importância desse rio para a região norte do país e a questão da quantidade de sedimentos que é depositado em sua foz, como aparece na Figura 7. Ao falar do Rio São Francisco, o professor pode propor uma discussão sobre a questão da transposição desse importante rio que nasce em Minas

14 Gerais e percorre boa parte do Estado da Bahia. O Rio Paraná, rio que separa os Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, pode ser destacado pela atividade agrícola intensa que está ao seu redor. E por fim, o Rio Tietê, rio que corre para o interior do país e deságua no Rio Paraná, pode ser destacado pela grande concentração populacional que está em sua volta e a questão de sua poluição. A seguir selecionamos imagens obtidas por meio do programa que podem ser utilizadas em sala de aula: Figura 7 - Trecho do Rio Amazonas Figura 8 - Trecho do Rio São Francisco Figura 9 - Trecho do Rio Paraná Figura 10 - Trecho do Rio Tietê Sétimo encontro: O Rio mais próximo da escola e seu entorno Objetivos: Neste encontro, a partir da imagem do Google Earth, os alunos vão analisar a situação que se encontra o rio mais importante da cidade e verificar como está à ação do ser humano em seu entorno.

15 Figura 11 - Percurso do Ribeirão São Bartolomeu e a ação do ser humano em seu entorno (exemplo de análise de um rio localizado na cidade de Viçosa-MG) Oitavo encontro: O consumo de água pela: agricultura, indústria e sociedade Objetivos: Neste oitavo encontro, o professor poderá analisar junto com os alunos a utilização da água pela agricultura, pela indústria e pela sociedade. Em relação à agricultura, a Figura 12 mostra claramente extensas áreas de cultivo. Nota-se um importante rio que atravessa essas áreas de plantio. Para representar as indústrias, o professor pode destacar uma indústria de papel e celulose (Figura 13), visto que, essa atividade industrial utiliza grandes quantidades de água no processo de produção. E por fim, na Figura 14, observa-se um grande reservatório de água que abastece a região Metropolitana de São Paulo e que atualmente sofre sérios problemas com a ocupação populacional e a poluição. A seguir selecionamos imagens obtidas por meio do programa que podem ser utilizadas em sala de aula: Figura 12 - Áreas agrícolas próximas ao Rio São Francisco. Figura 13 - Indústria de papel e celulose, localizada no Estado do Espírito Santo. Figura 14 - Parte da Represa Billings Nono encontro: Poluição das águas Objetivos: Neste encontro serão discutidas as diversas formas de contaminação das águas. Contaminação pelos esgotos domésticos; contaminação pelos resíduos

16 gerados pelas indústrias e contaminação gerada pela utilização de agrotóxicos na agricultura. As duas primeiras formas de contaminação podem ser observadas na Figura 15, na qual, há grande concentração populacional e diversos tipos de indústrias. Já o terceiro tipo de contaminação pode ser verificado na Figura 16, onde grandes propriedades agrícolas que além de consumir grandes quantidades de água, lançam enormes concentrações de substâncias tóxicas nos rios. A seguir selecionamos imagens obtidas por meio do programa que podem ser utilizadas em sala de aula: Figura 15 - Encontro do Rio Tietê com o Rio Pinheiros, ambos poluídos, devido, principalmente, pela deposição de esgotos industriais e domésticos. Figura 16 - Grandes áreas agrícolas próximas ao Rio São Francisco Décimo encontro: As hidrelétricas e os Movimentos dos Atingidos por Barragens Objetivos: Neste encontro, o professor poderá analisar a história dos conflitos, as lutas e as propostas dos Movimentos dos Atingidos por Barragens no Brasil. A partir disso, através das imagens de satélites, o professor poderá mostrar aos alunos as famosas obras faraônicas que desalojaram milhares de pessoas de suas terras, com destaque para a obra de Sobradinho no Rio São Francisco e a construção da Usina de Itaipu na bacia do Rio Paraná. A nível local, o professor juntamente com os alunos, devem analisar e procurar noticias sobre pequenas construções de hidrelétricas no município. No final desse encontro, o docente deverá analisar, juntamente com os alunos a letra da música Sobradinho de Sá e Guarabira, associando esta, com as idéias debatidas até este momento. A seguir selecionamos imagens obtidas por meio do programa que podem ser utilizadas em sala de aula:

17 Figura 17 - Usina de Itaipu, geração de energia e desalojamento de milhares de pessoas. Figura 18 - Sobradinho no Rio São Francisco Décimo primeiro encontro: Visita à estação de tratamento de água e de esgoto da cidade Objetivos: Neste último encontro, os alunos vão visitar a estação de tratamento de água localizada na cidade. Além disso, o professor de Geografia deverá identificar, junto com os estudantes, qual é a missão da estação, quantas estações de tratamento de água e de esgoto a cidade possui e quantos habitantes são beneficiados por tal serviço. CONSIDERAÇÕES FINAIS A confecção e divulgação de propostas de ensino, que também podem ser chamadas de modelos de uso, é um trabalho de suma importância quando o que se deseja é o uso efetivo de certo tipo de recurso didático no ensino. No caso da tecnologia, não basta equipar a escola com laboratórios de informática ou mesmo dar breves treinamentos acerca dos recursos de um software para os professores: faz-se necessário pensar e produzir propostas detalhadas que cruzem a tecnologia com outras práticas com as quais os professores já estejam habituados, como é o caso de saídas a campo. Quando começamos a usar algo novo, o ideal é começar trilhando caminhos delineados por outras pessoas, para, só depois, começarmos a alçar vôos mais altos. Essa é, essencialmente, a função dos modelos de uso em educação. Sendo assim, neste artigo acadêmico, nos propusemos a mostrar, com riqueza de detalhes, uma forma de utilização do software Google Earth como recurso didático nas

18 aulas de Geografia, trazendo aos alunos, um primeiro contato com as imagens de satélite. Por meio desta proposta de ensino acreditamos que os estudantes serão levados a observar os cursos de água existentes nas proximidades da escola, bem como os divisores de água e analisar as formas de uso destes recursos hídricos pelas atividades humanas nas diferentes escalas espaciais. Tal exercício foi pensando e forma a incentivar o desenvolvimento de competências e também a criatividade dos estudantes, apresentando alternativas mais prazerosas de aprendizagem e levando-as a enfrentar situações-problema e a elaborar propostas de intervenção solidária na realidade. Acreditamos na validade da proposta, sobretudo porque ela procura levar as TICs para dentro da sala de aula, explorando suas potencialidades ao máximo, com vistas na formação de cidadãos preparados para participações sociais consistentes e construtivas, colocando a escola como espaço de uma inclusão digital que vá além de se ensinar o manuseio de microcomputadores, indo, portanto, na direção de uma efetiva inclusão social. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALMEIDA, M. E. B. Prática e formação de professores na integração de mídias. Prática pedagógica e formação de professores com projetos: articulação entre conhecimentos, tecnologias e mídias. In: MORAN, J. M. (Org.); ALMEIDA, M. E. B (Org.). Integração das Tecnologias na Educação. Brasília: Seed, 2005, p. 39. ATANASIO, C. M. Planos de manejo integrado de microbacias hidrográficas com uso agrícola: uma abordagem hidrológica na busca da sustentabilidade p. Tese (Doutorado em Recursos Florestais) Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba, BARRELLA, W. et. al. As relações entre as matas ciliares os rios e os peixes. In: RODRIGUES, R.R.; LEITÃO FILHO; H.F. (Ed.) Matas ciliares: conservação e recuperação. 2.ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, BRASIL. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio. Brasília, Brasil: MEC/SEMTEC, p

19 CALLAI, Helena Copetti. Estudar o lugar para compreender o mundo. In: CASTROGIOVANNI, Antonio Carlos et. al. (org.). Ensino de Geografia, prática e textualizações no cotidiano. Porto Alegre: Editora Mediação, 2004, p CARVALHO, V. M. S.G. et. al. Sensoriamento Remoto no Ensino Fundamental e Médio. In: JORNADA DE EDUCAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO NO ÂMBITO DO MERCOSUL. n 4, 2004, São Leopoldo, RS. p CHAVES, E. O. C. Tecnologia e Educação: o futuro da escola na sociedade da informação. Campinas: Mindware, 1998, 194 p. FREIRE, Paulo Freire. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, p. FONSECA, F. P.; OLIVA, J. T. A geografia e suas linguagens: o caso da cartografia. CARLOS, A. F. A. (org.). A Geografia na Sala de Aula. São Paulo, Contexto; In. CARLOS, Ana Fani A. (org.). A geografia na sala de aula. 2ª. ed. São Paulo: contexto, 1999, v.1, p LIBÂNEO, José Carlos. Adeus professor, adeus professora?: Novas exigências educacionais e profissão docente. 4ª ed. São Paulo: Cortez Editora, p. NOGUEIRA, A. R. B. (2002). Mapa Mental: recurso didático para o estudo do lugar. In. Oliveira, Ariovaldo U. de & Pontuschka, Nídia Nacib (org). Geografia em Perspectiva. São Paulo: Contexto. MORAN, J. M. Os meios de comunicação na escola. In: FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO. Série Ideias: n. 9. São Paulo: FDE, 1994, p PONTUSCHKA, N. N.; PAGANELLI, T. Y.; CACETE, N. H. (2007). Para ensinar e aprender Geografia. São Paulo: Editora Cortez. Capítulo III da terceira parte. SARANTE, A. L. Novos tempos, novos recursos: a presença das tecnologias da informação e da comunicação nas escolas estaduais de Osasco SP e o seu uso pelos professores de Geografia f. Monografia (Graduação em Geografia) Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, SAUSSEN, T.M. e MACHADO, C. B. A Geografia na sala de aula: informática, sensoriamento remoto e sistemas de informações geográficas recursos didáticos para o estudo do espaço geográfico. In: Jornada de Educação em Sensoriamento Remoto no Âmbito do Mercosul, 4. INPE: São Leopoldo, reg. 33. SILVA, Ana Cristina V. Uma videoteca para a educação: O projeto Ceduc-vídeo, a Videoteca Pedagógica e as publicações sobre cinema e educação produzidas na Fundação para o Desenvolvimento da Educação FDE entre 1988 e f. Dissertação (Mestrado em Educação) Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, TOMITA, L.M.S.; Trabalho de campo como instrumento de ensino em Geografia. Londrina, PR, v. 8. nº 1, p , mai de 1992.

20 VALENTE, J. A. Pesquisa, comunicação, e aprendizagem com o computador. O papel do computador no processo de ensino-aprendizagem. In: MORAN, J. M. (Org.); ALMEIDA, M. E. B (Org.). Integração das Tecnologias na Educação. Brasília: Seed, 2005, p VESENTINI, J. W. Educação e ensino de Geografia: instrumentos de dominação e/ou libertação. In. CARLOS, Ana Fani A. (org.). A geografia na sala de aula. 2ª. ed. São Paulo: contexto, 1999, v.1, p VIEIRA, Fábia Magali Santos. A Utilização das Novas Tecnologias na Educação numa Perspectiva Construtivista, Disponível em: Acesso em: 27 set

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 PORTAL DO FÓRUM GOIANO DE EJA: INTERAÇÃO SOCIAL E EDUCAÇÃO EM AMBIENTE VIRTUAL Danielly Cardoso da Silva Karla Murielly Lôpo Leite Maria Emília de Castro Rodrigues O presente texto tem por objetivo apresentar

Leia mais

Hidrografia: área que estuda as águas. Bacia hidrográfica: Conjunto de terras drenadas por um rio principal e seus afluentes.

Hidrografia: área que estuda as águas. Bacia hidrográfica: Conjunto de terras drenadas por um rio principal e seus afluentes. HIDROGRAFIA CONCEITOS Hidrografia: área que estuda as águas. Bacia hidrográfica: Conjunto de terras drenadas por um rio principal e seus afluentes. Rede hidrográfica: Conjunto de rios. A HIDROSFERA É a

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Elaine Aparecida Ramos elaineramos89@gmail.com Taison Luiz de Paula Braghiroli taisonbrag@gmail.com Resumo:

Leia mais

A Matemática e o consumo de água: Interdisciplinando conteúdos Luciana de Freitas Baptista Oliveira 1 Thamiriz Martins Teixeira 2

A Matemática e o consumo de água: Interdisciplinando conteúdos Luciana de Freitas Baptista Oliveira 1 Thamiriz Martins Teixeira 2 A Matemática e o consumo de água: Interdisciplinando conteúdos Luciana de Freitas Baptista Oliveira 1 Thamiriz Martins Teixeira 2 Resumo: O artigo é oriundo de Projeto investigativo feito com alunos do

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Renata de Souza Ribeiro (UERJ/FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/FFP) Eixo: Fazendo escola com múltiplas linguagens Resumo Este texto relata

Leia mais

MULTIMÍDIAS PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1. Resumo

MULTIMÍDIAS PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1. Resumo MULTIMÍDIAS PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 VIERO, Lia Margot Dornelles 2 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Geografia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil E-mail:

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Palavras chaves: Formação de professores; Educação ambiental; Trabalhos de campo; Sensoriamento remoto, cidadania.

Palavras chaves: Formação de professores; Educação ambiental; Trabalhos de campo; Sensoriamento remoto, cidadania. FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS ESCOLARES DE EDUCAÇÃO SÓCIO AMBIENTAL COM O USO INTEGRADO DE MAPAS, FOTOS AÉREAS, IMAGENS DE SATÉLITE E TRABALHOS DE CAMPO DOS SANTOS,VÂNIA MARIA NUNES

Leia mais

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE Vânia Maria Nunes dos Santos INPE São José dos Campos 2002 C A P Í T U L O 12

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

Paisagem: Um texto a ser decifrado

Paisagem: Um texto a ser decifrado Paisagem: Um texto a ser decifrado Caroline Pinho de Araújo (UERJ/FFP) Taís de Santana Ferreira (UERJ/FFP) Resumo A paisagem se constitui por uma diversidade de conhecimentos que geralmente são abordados

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 7º Turma: Data: 02/06/2012 Nota: Professor(a): EDVALDO DE OLIVEIRA Valor da Prova: 40 pontos Orientações

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

EXPLORANDO O SOFTWARE GOOGLE EARTH NAS AULAS DE GEOGRAFIA NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL II

EXPLORANDO O SOFTWARE GOOGLE EARTH NAS AULAS DE GEOGRAFIA NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL II EXPLORANDO O SOFTWARE GOOGLE EARTH NAS AULAS DE GEOGRAFIA NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL II Karine de Freitas Amaral Mestranda em Geografia UNESP Rio Claro karine.geografia@outlook.com Resumo Este estudo

Leia mais

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2 professor Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas:. Mapa conceitual sobre Água: Água no cotidiano - Módulo que são em três estados físicos A oferta de água - Módulo 2 é encontrada

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

Hidrografia - Brasil. Professora: Jordana Costa

Hidrografia - Brasil. Professora: Jordana Costa Hidrografia - Brasil Professora: Jordana Costa As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado em relação a disponibilidade de água; Possui cerca de 12% de água doce do planeta em

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Curso :Uso Escolar do Sensoriamento Remoto no Estudo do Meio Ambiente

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Curso :Uso Escolar do Sensoriamento Remoto no Estudo do Meio Ambiente Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Curso :Uso Escolar do Sensoriamento Remoto no Estudo do Meio Ambiente Visualização das alterações ocorridas nos últimos 20 anos nas áreas limítrofes entre

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Palavras-chave: Informática Educativa. Ferramenta pedagógica. Formação.

Palavras-chave: Informática Educativa. Ferramenta pedagógica. Formação. 1 ARTE DIGITAL: O MUNDO DAS TELAS NA TELA DO COMPUTADOR Gláucio Odair Xavier de ALMEIDA Licenciado em Letras e Licenciando em computação Universidade Estadual da Paraíba/CCEA- Patos odairalmeida88@gmail.com

Leia mais

A GEOGRAFIA NA PRÁTICA: CORRIDA DE ORIENTAÇÃO, JOGOS E EXPERIMENTOS COMO RECURSOS DIDÁTICOS NO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS, CAMPUS/VALPARAÍSO

A GEOGRAFIA NA PRÁTICA: CORRIDA DE ORIENTAÇÃO, JOGOS E EXPERIMENTOS COMO RECURSOS DIDÁTICOS NO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS, CAMPUS/VALPARAÍSO A GEOGRAFIA NA PRÁTICA: CORRIDA DE ORIENTAÇÃO, JOGOS E EXPERIMENTOS COMO RECURSOS DIDÁTICOS NO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS, CAMPUS/VALPARAÍSO Resumo Danielle Pereira da Costa Doutora em Geografia - Professora

Leia mais

Projeto Água Nossa de Cada Dia

Projeto Água Nossa de Cada Dia Projeto Água Nossa de Cada Dia http://pixabay.com/pt/gota-%c3%a1gua-macro-628142/ Público alvo: O projeto é destinado a todos os alunos da escola, devendo ser estendido também aos pais e comunidade escolar.

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE Resumo O estudo objetiva discutir os desafios dos cursos de formação de professores frente à inserção

Leia mais

Novos textos no ensino da Geografia

Novos textos no ensino da Geografia Novos textos no ensino da Geografia Renata de Souza Ribeiro (UERJ/ FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/ FFP) Resumo Este texto relata a experiência desenvolvida no curso Pré-vestibular Comunitário Cidadania

Leia mais

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA A hidrosfera fonte para a vida A superfície do planeta Terra é constituída predominantemente de água. Os continentes e ilhas constituem cerca de 30% da superfície

Leia mais

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular]

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] Bacias hidrográficas do Brasil Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] A água doce corresponde a apenas 2,5% do volume da hidrosfera. O Brasil é bastante privilegiado

Leia mais

Luciene Inácio Rodrigues 1 ; Felipe Lima e Silva 1 ; Maria José Jorge Machado 1 ; Romário Rosa de Sousa 2

Luciene Inácio Rodrigues 1 ; Felipe Lima e Silva 1 ; Maria José Jorge Machado 1 ; Romário Rosa de Sousa 2 UMA VISÃO DO ENSINO E APRENDIZAGEM DE GEOGRAFIA E AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC NAS CIDADES DE ARAGARÇAS-GO, BARRA DO GARÇAS E PONTAL DO ARAGUAIA-MT Luciene Inácio Rodrigues 1 ;

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE

A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE 399 A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE Maryana Barrêtto Pereira¹; Solange Mary Moreira Santos² e Kamilla de Fátima Magalhães

Leia mais

A água nossa de cada dia

A água nossa de cada dia A água nossa de cada dia Marco Antonio Ferreira Gomes* Foto: Eliana Lima Considerações gerais A água é o constituinte mais característico e peculiar do Planeta Terra. Ingrediente essencial à vida, a água

Leia mais

ARTE E GEOGRAFIA: TRABALHANDO A ORIENTAÇÃO CARTOGRAFICA UMA EXPERIENCIA DOS PIBIDIANOS DE GEOGRAFIA DO COLÉGIO PROFESSOR IVAN FERREIRA O (CEPIF).

ARTE E GEOGRAFIA: TRABALHANDO A ORIENTAÇÃO CARTOGRAFICA UMA EXPERIENCIA DOS PIBIDIANOS DE GEOGRAFIA DO COLÉGIO PROFESSOR IVAN FERREIRA O (CEPIF). ARTE E GEOGRAFIA: TRABALHANDO A ORIENTAÇÃO CARTOGRAFICA UMA EXPERIENCIA DOS PIBIDIANOS DE GEOGRAFIA DO COLÉGIO PROFESSOR IVAN FERREIRA O (CEPIF). Wilson Lázaro Pereira da Silva 1 wilsonlazarosilva2010@hotmail.com

Leia mais

Guia do Professor Distribuição de água no planeta

Guia do Professor Distribuição de água no planeta Guia do Professor Distribuição de água no planeta Introdução Sempre se ouviu falar que o nosso planeta deveria se chamar Planeta Água e não Planeta Terra. Esta idéia deriva da visualização da Terra do

Leia mais

USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Olga Cristina Teixeira Lira Carlos Eduardo Monteiro Universidade Federal de Pernambuco olgactlira@hotmail.com;

Leia mais

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores Temas geradores Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores têm à sua disposição algumas estratégias

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE MIDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE MIDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE MIDIAS NA EDUCAÇÃO ANGELA CRISTINA NUNES GUEDES HUERTAS ORIENTADOR: PROFESSOR: PAULO GUILHERMETI O ENSINO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL:

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS)

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS) A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS) Isléia Rössler Streit Universidade de Passo Fundo istreit@upf.br Resumo: A evolução tecnológica das últimas duas

Leia mais

Bacias hidrográficas brasileiras

Bacias hidrográficas brasileiras Bacias hidrográficas brasileiras Características da hidrografia brasileira Riqueza em rios e pobreza em formações lacustres. Todos rios direta ou indiretamente são tributários do Oceano Atlântico. Predomínio

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DE IMPACTOS CAUSADOS PELA POLUIÇÃO DAS ÁGUAS DA REPRESA DE FURNAS NO ENTORNO DO MUNICÍPIO DE ALFENAS-MG FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando

Leia mais

Bacias hidrográficas brasileiras

Bacias hidrográficas brasileiras Bacias hidrográficas brasileiras Características da hidrografia brasileira Riqueza em rios e pobreza em formações lacustres. Todos rios direta ou indiretamente são tributários do Oceano Atlântico. Predomínio

Leia mais

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Edward Luis de Araújo edward@pontal.ufu.br Evaneide Alves Carneiro eva@pontal.ufu.br Germano Abud de Rezende germano@pontal.ufu.br

Leia mais

Formas de uso da água

Formas de uso da água Formas de uso da água INTRODUÇÃO A água é utilizada para várias atividades humanas: uso doméstico, geração de energia, irrigação, navegação, lazer, entre outras atividades. Distribuição relativa do consumo

Leia mais

CINEMA: NOVAS PERSPECTIVAS PARA O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM ATRAVÉS DA LINGUAGEM MIDIÁTICA

CINEMA: NOVAS PERSPECTIVAS PARA O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM ATRAVÉS DA LINGUAGEM MIDIÁTICA CINEMA: NOVAS PERSPECTIVAS PARA O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM ATRAVÉS DA LINGUAGEM MIDIÁTICA Adriana Aires Pereira 1 adriairespmr@gmail.com Maria Cristina Rigão Iop 2 mcriop@gmail.com Rodrissa Machado

Leia mais

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ 1. INTRODUÇÃO Otacílio Lopes de Souza da Paz Acadêmico de Geografia UFPR otacílio.paz@gmail.com

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA E A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL

ENSINO DE GEOGRAFIA E A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL 1 ENSINO DE GEOGRAFIA E A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL Profa. Dra. Carla C. R. G. de Sena * carla@ourinhos.unesp.br MsC. Waldirene R. do Carmo ** walcarmo@usp.br Resumo: Este trabalho apresenta

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB

PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB Introdução Jacqueline Liedja Araújo Silva Carvalho Universidade Federal

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ Mônica A. Muller, Aline Uhlein, Deise D. Castagnara, Diego A. V. Gambaro, Pedro C. S. da Silva (Orientador/UNIOESTE),

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

PROJETO: PRESERVANDO A ÁGUA DA TERRA Colégio Intentus/Yara Country Clube/Itaipu Binacional

PROJETO: PRESERVANDO A ÁGUA DA TERRA Colégio Intentus/Yara Country Clube/Itaipu Binacional PROJETO: PRESERVANDO A ÁGUA DA TERRA Colégio Intentus/Yara Country Clube/Itaipu Binacional 1. Justificativa A inovação e a transformação começam pelo processo educacional, que vai além do aprendizado formal

Leia mais

O TURISMO E O LAZER E SUA INTERFACE COM O SETOR DE RECURSOS HÍDRICOS

O TURISMO E O LAZER E SUA INTERFACE COM O SETOR DE RECURSOS HÍDRICOS O TURISMO E O LAZER E SUA INTERFACE COM O SETOR DE RECURSOS HÍDRICOS Martha Sugai Superintendente de Usos Múltiplos Substituta Brasília, 13 de julho de 2005 A indústria do turismo é, na atualidade, a atividade

Leia mais

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol Vice Presidente de Gestão e Assuntos Institucionais Resumo Planejamento das atividades de Infraestrutura de Saneamento

Leia mais

O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1

O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1 1 O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1 Deisihany Armelin Santana 2 Carina Sala de Moreis 3 INTRODUÇÃO Este artigo analisa, criticamente,

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA Fundamentos teóricos da disciplina PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA O ensino da Geografia leva o educando a perceber que as relações sociais e as relações do homem com a natureza estão projetadas

Leia mais

Hidrografia. Bacias hidrográficas no mundo. Relevo oceânico

Hidrografia. Bacias hidrográficas no mundo. Relevo oceânico Hidrografia Relevo oceânico Bacias hidrográficas no mundo BACIA HIDROGRÁFICA: Corresponde à área de captação de água superficial e subsuperficial para um canal principal e seus afluentes; portanto, é uma

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC ALVES,S.S.S 1 A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Os registros, obtidos através das observações, foram divididos em grupos e analisados separadamente e em conjunto.

Os registros, obtidos através das observações, foram divididos em grupos e analisados separadamente e em conjunto. PRIMEIRAS OBSERVAÇÕES A RESPEITO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE GEOGRAFIA EM LICENCIATURA PLENA PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI ANNA CRISTINA CORRÊA SILVEIRA 1 e VICENTE DE PAULA LEÃO

Leia mais

Hidrografia Brasileira

Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA BRASILEIRA 1 O QUE É HIDROGRAFIA? A hidrografia é o ramo da geografia física que estuda as águas do planeta, abrangendo, rios, mares, oceanos, lagos, geleiras, água do subsolo e da atmosfera.

Leia mais

Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de

Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de Hidrografia Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de água. É uma área e, como tal, mede-se em

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com ISSN 2177-9139 PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com 000 Alegrete, RS, Brasil. Ana Carla Ferreira Nicola Gomes

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

1. o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. Jefferson Oliveira Prof. ª Ludmila Dutra

1. o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. Jefferson Oliveira Prof. ª Ludmila Dutra 1. o ANO ENSINO MÉDIO Prof. Jefferson Oliveira Prof. ª Ludmila Dutra Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. 2 Aula 5.1 Conteúdo Bacias Hidrográficas Brasileiras. 3 Habilidade Localizar as diferentes

Leia mais

POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA

POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA Maria Maroni Lopes Secretaria Estadual de Educação Resumo: O presente mini-curso tem como objetivo apresentar as potencialidades

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA: PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS SÉRIES INICIAIS

ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA: PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS SÉRIES INICIAIS ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA: PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS SÉRIES INICIAIS Ricardo Bahia Rios/Universidade do Estado da Bahia rbrios@uneb.br Julyend Silva Mendes/Universidade do Estado da Bahia july.mendess@hotmail.com

Leia mais

A PRÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO DA GEOGRAFIA NA REDE PÚBLICA DE ENSINO NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS/MS: O PROFESSOR EM FOCO, DA TEORIA À PRÁTICA.

A PRÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO DA GEOGRAFIA NA REDE PÚBLICA DE ENSINO NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS/MS: O PROFESSOR EM FOCO, DA TEORIA À PRÁTICA. A PRÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO DA GEOGRAFIA NA REDE PÚBLICA DE ENSINO NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS/MS: O PROFESSOR EM FOCO, DA TEORIA À PRÁTICA. Elaine Cristina Grou/Professora da Rede Pública do Estado

Leia mais

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Murilo R. D. Cardoso Universidade Federal de Goiás, Instituto de Estudos Sócio-Ambientais/GO

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais

O Q UE U É HIDRO R GRA R FIA? A

O Q UE U É HIDRO R GRA R FIA? A HIDROGRAFIA BRASILEIRA O QUE É HIDROGRAFIA? A hidrografia é o ramo da geografia física que estuda as águas do planeta, abrangendo, rios, mares, oceanos, lagos, geleiras, água do subsolo e da atmosfera.

Leia mais

Água. Como tema gerador para. Apresentação cedida por Valéria G. Iared

Água. Como tema gerador para. Apresentação cedida por Valéria G. Iared Água Como tema gerador para trabalhos de EA Apresentação cedida por Valéria G. Iared O elemento água e o imaginário construído em torno da água nas diversas civilizações, Água como traço de união entre

Leia mais

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba 1 Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba Sílvia Helena Santos Vasconcellos 1 Resumo O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com A Qualidade da Água nas Cidades de e Gicélia Moreira (ID) 1,AntonioJoão S. Filho(ID) 1 Nataline C. S. Barbosa (ID) 1 Antonio N. de Souza (PG) Departamento de Química CCT-UEPB *gicelia.moreira2009@gmail.com

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1

Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1 Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1 Rosiane de Jesus Santos Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Brasil rosijs7@yahoo.com.br Wederson Marcos Alves Universidade

Leia mais

APROPRIAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E

APROPRIAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E APROPRIAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO ENSINO DE GEOGRAFIA Ana Carolina Brasil de OLIVEIRA carolbrasilgeo@gmail.com LABORATÓRIO ESPAÇO IPPUR/ UFRJ Tamara Tania Cohen EGLER tamaraegler@gmail.com

Leia mais

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC)

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) José Wellithon Batista Zacarias (1); Programa de Pós Graduação, Faculdade Leão Sampaio - wellithonb@gmail.com RESUMO No mundo informatizado

Leia mais

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA Guilherme Garcez Cunha, UNIPAMPA Campus Dom Pedrito, guilhermecunha@unipampa.edu.br; Franciele B. de O. Coelho,

Leia mais

RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS. Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes.

RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS. Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes. RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes. BACIAS HIDROGRÁFICAS BRASILEIRAS BACIAS INDEPENDENTES BACIAS SECUNDÁRIAS

Leia mais

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática Por Prof. Manoel Ricardo Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática A sociedade do século XXI é cada vez mais caracterizada pelo uso intensivo do conhecimento, seja para trabalhar, conviver ou exercer

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA IVINHEMA MS MAIO DE 2010 ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB Luzivone Lopes GOMES - PPGFP UEPB luzivone@gmail.com Kennedy Machado OLIVIERA prof.kennedy@hotmail.com RESUMO: Este artigo trata de um relato de experiência

Leia mais

MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA

MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA SANTOS, Jéssica Paula. UFG/REGIONAL/CATALÃO jessica-g-ts@hotmail.com SANTOS, Marina da Silva. UFG/REGIONAL/CATALÃO marinaavlis@hotmail.com Orientador: Dr.ª

Leia mais