FOME E SEGURANÇA ALIMENTAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FOME E SEGURANÇA ALIMENTAR"

Transcrição

1 Ano Lectivo 2007/2008 Docente: Maria Helena Almeida INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA FOME E SEGURANÇA ALIMENTAR Trabalho Realizado por: Ana Sofia Cristas Ana Sofia Henriques Paulo Bernardes Tatiana Costa (Grupo A, Turma 8) Introdução à Engenharia Alimentar

2 Índice Introdução... 2 Food Safety e Food Security... 3 Panorama Mundial... 5 Causas da Fome... 9 Soluções...11 Conclusão...13 Anexos Causas da Fome...14 Anexos Soluções...16 Referências bibliográficas...17 Instituto Superior de Agronomia 1

3 Introdução A fome constitui um fenómeno mundial. (Rio, 2007) Vivemos num mundo de contrastes. Um mundo em que 54,7% da população vive em estado de miséria ou pobreza extrema, enquanto que a restante sofre de doenças como colesterol, diabetes e obesidade. Persiste a dúvida se será possível encontrar alimentos em quantidade e qualidade suficientes para satisfazer as necessidades de uma população em crescimento. A interrogação também se coloca no sentido oposto: como resolver o problema da existência de excedentes alimentares e se assim é, como fazer passar os alimentos em excesso para os locais em falta. De facto, são produzidos alimentos suficientes para alimentar toda a população mundial e essa produção tem aumentado durante os últimos anos. O Homem tem direito a se alimentar e a não sofrer de subnutrição, mas o facto é que a fome continua ser uma calamidade à escala mundial. Actualmente o desafio é garantir uma situação de food security para toda a população, isto é, assegurar que todos têm, em qualquer momento, acesso físico e económico a alimentos de qualidade para suprir as suas necessidades. Instituto Superior de Agronomia 2

4 Food Safety e Food Security Antes de abordar o problema da fome torna-se imperativo explicar a ligação entre fome e segurança alimentar mas primeiro definir o que se entende por segurança alimentar. Numa primeira abordagem somos levados a pensar que a segurança alimentar se resume apenas a padrões de qualidade e boas práticas sanitárias e de higiene, no entanto, a segurança alimentar engloba outras vertentes. Esta confusão surge pois os conceitos Food Safety e Food Security são sinónimos em muitas línguas. O conceito Food Safety tem um grande impacto na actualidade devido à necessidade de cumprir certos padrões de qualidade, como é o caso do sistema HACCP. Food Safety é, assim, garantia que um alimento não causará dano ao consumidor através de perigos biológicos, químicos ou físicos quando é preparado e ou consumido de acordo com o uso esperado. (Codex Alimentarius Commission, 2003 in Araújo,2007). O conceito Food Security mais amplo e flexível, surgiu na década de 70, aquando da crise alimentar global. Na World Food Conference de Roma, em 1974, pressupunha disponibilidade permanente de adequado abastecimento mundial de géneros alimentícios básicos para manter uma expansão regular do consumo alimentar e compensar as flutuações da produção e preços., tendo evoluído desde então. Em 2001 a FAO estabeleceu a definição actual: Food security é uma situação que existe quando todas as pessoas, a qualquer momento, têm acesso físico, social e económico a alimentos suficientes, seguros e nutritivos, que permitam satisfazer as suas necessidades em nutrientes e preferências alimentares para uma vida activa e saudável. O conceito Food Security engloba assim quatro dimensões: disponibilidade, acesso físico e económico, estabilidade dos abastecimentos e do acesso e utilização de alimentos seguros e saudáveis (vertente safety). Assim sendo, segundo Araújo (2007), é apropriado designar, em português, Food Safety para segurança alimentar sanitária e utilizar somente segurança alimentar ao referir o conceito mais abrangente Food Security. Actualmente, nos países desenvolvidos, a segurança alimentar sanitária é a componente da segurança alimentar com maior relevo, contudo as projecções do crescimento mundial, em especial nos países em desenvolvimento, numa altura em que a maior parte da terra fértil está já ocupada e são já graves os problemas decorrentes da intensificação agrícola, levam a pensar que esta vertente irá perder importância. De facto, a energia e a necessidade de manter a terra habitável parecem ser os principais problemas que o Homem terá de enfrentar. Instituto Superior de Agronomia 3

5 A importância da segurança alimentar e a possível redução da sua vertente sanitária poderá significar um agravamento dos problemas alimentares mundiais, torna-se assim obrigatório um estudo concreto sobre as reais causas da fome e problemas associados de modo a encontrar soluções eficazes e viáveis capazes de reduzir o desfasamento cada vez maior entre aqueles que têm a tecnologia, aplicam e progridem e aqueles que não a têm e, por isso, estacionam. (Ferrão, 1990). Instituto Superior de Agronomia 4

6 Panorama Mundial Em cada 3,5 segundos, morre um ser humano à fome. Há 800 milhões de pessoas desnutridas no mundo. 11 mil crianças morrem de fome a cada dia. Um terço das crianças dos países em desenvolvimento apresentam atraso no crescimento físico e intelectual. 1,3 biliões de pessoas no mundo não dispõem de água potável. 40% das mulheres dos países em desenvolvimento são anémicas e encontram-se abaixo do peso sustentável. É impossível ficar indiferente a estes dados. São números assustadores e reais que assombram o Mundo, mas parecem esquecidos no nosso dia-a-dia. É assustador pensar que há pessoas que vivem com menos de um dólar por dia, mas é REAL. Estamos no século XXI e a miséria continua a viver entre nós O direito à alimentação é um dos princípios proclamados em 1948 pela Declaração Universal dos Direitos do Homem. A declaração universal para a eliminação definitiva da fome e da subnutrição adoptada em 1974, declara que cada pessoa tem o direito inalienável de ser libertado da fome e da subnutrição, a fim de se desenvolver plenamente e de conservar as suas faculdades físicas e mentais. A alimentação é um direito consagrado e por esta razão a fome no mundo deveria ser considerado um crime contra a humanidade, mas quem se sentaria no banco dos réus? Segundo o representante especial das Nações Unidas para o Direito à alimentação, Jean Zigler, no planeta é produzido o suficiente para alimentar duas vezes a população existente no mundo, no entanto, a fome continua a ser uma realidade, isto porque o problema está na distribuição, nas condições de acesso a tais alimentos, as quais não são equitativas. No mapa seguinte pode ver-se a proporção de pessoas subnutridas no mundo ( ) Instituto Superior de Agronomia 5

7 Fig. 1 Proporção de subnutridos no mundo A fome está intimamente ligada à pobreza. Ser pobre significa, quase sempre, ser mais vulnerável aos inúmeros perigos que ameaçam a sobrevivência e ter menor resistência às enfermidades físicas. Como facilmente se constata pelo mapa, a região onde se denota uma maior porção de pessoas subnutridas é precisamente em África, o continente mais pobre. Países como a Somália ou República Democrática do Congo chegam a valores da ordem dos 70% de subnutridos. Etiópia, Eritreia, Somália, Quénia, Uganda, Djibouti. A fome que há muito mata nestes países milhões de africanos, já deixou de ser notícia na imprensa internacional. Também na Ásia se verificam valores da ordem dos 70%, principalmente no Afeganistão. Fig 2 -Proporção de subnutridos no continente Africano Já em relação à Europa (fig. 3), os dados são muito diferentes, o que não significa que não existam pessoas subnutridas, ou que não seja motivo para preocupação. O conceito de food security pressupõe que todos os habitantes, em todos os momentos, tenham acesso aos alimentos necessários para levar uma vida sadia e activa, ou seja, não basta que os dados sejam satisfatórios, é necessário que todos possam ter segurança de acesso aos alimentos. E é igualmente importante que o alimento seja suficiente tanto do Instituto Superior de Agronomia 6

8 ponto de vista quantitativo como qualitativo, isto porque a fome pode ser classificada em dois tipos: fome quantitativa e fome qualitativa ou oculta. Enquanto que a fome quantitativa se verifica sempre que o organismo não tem à sua disposição um número mínimo de calorias que lhe permita suportar a vida, a fome qualitativa, ou fome oculta, manifesta-se quando as pessoas comem quantitativamente o suficiente, porém os alimentos ingeridos são deficitários em determinados nutrientes essenciais a boas condições de saúde. Esta fome oculta já se verifica nos países mais ricos como os Estados Unidos da América ou Holanda, visto que cada vez mais se verifica refeições deficitárias, com pouca variedade de alimentos e exagerada em açúcares e gordura. Isto conduz a uma situação paradoxal: pessoas obesas, porém vítimas de fome oculta caracterizada pela carência de nutrientes. Fig. 3 Proporção de subnutridos na Europa No ano 2000, todos os 189 Estados Membros da Assembleia Geral das Nações Unidas propuseram-se a identificar os desafios centrais enfrentados pela Humanidade no limiar do novo milénio e aprovar os denominados Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (MDGs) pela comunidade internacional, a serem atingidos num prazo de 25 anos, que foram estabelecidos na Declaração do Milénio. Foram definidos 8 objectivos: Erradicar a pobreza extrema e a fome; Alcançar a educação primária universal; Promover a igualdade do género e capacitar as mulheres; Reduzir a mortalidade infantil; Melhorar a saúde materna; Combater o HIV/SIDA, a malária e outras doenças; Assegurar a sustentabilidade ambiental e finalmente; Desenvolver uma parceria global para o desenvolvimento. Em relação ao tema que estamos a Instituto Superior de Agronomia 7

9 debater, erradicar a pobreza extrema e a fome, foram estabelecidas 2 metas: Reduzir para metade, entre 1990 e 2015, a proporção de população cujo rendimento é inferior a um dólar por dia; Reduzir para metade, entre 1990 e 2015, a proporção de população afectada pela fome. É importante agir. Em seguida pode ver-se o mapa resumo. Consoante as zonas do planeta onde existem conflitos, mais ou menos graves, as áreas de fome são classificadas em vermelhas (as mais dramáticas), laranjas, amarelas, etc. até chegar às zonas verdes, aquelas em que se considera o problema menos latente. Fig. 4 Fome no Mundo Em conclusão, o mapa mostra o total de subnutridos no planeta. Em pessoas, são subnutridas, ou seja, um total de 16%. Instituto Superior de Agronomia 8

10 Causas da Fome No panorama mundial encontramos cerca de 800 milhões de pessoas desnutridas. Um terço das crianças desnutridas apresenta atraso no crescimento físico e intelectual, sendo que 11 mil morrem, por dia, com fome. Mais de mil milhões de pessoas não tem acesso a água potável, cerca de 2,6 mil milhões não dispõe de saneamento básico, provocando só estas duas últimas causas a morte de uma criança a cada 15 segundos. Existem causas para a realidade que temos apresentado ao longo do trabalho. Primeiro podemos analisar o crescimento populacional, de 1960 a Num intervalo de apenas 40 anos, a população mundial duplicou e a perspectiva de alto crescimento mantém-se nas projecções que são realizadas (Fig.5), havendo uma maior concentração populacional nos países em vias de desenvolvimento (Fig.6), como a China, Índia, ex-federação Russa, países da América Latina, África subsariana (Fig.7) e o Médio Oriente (casos como o Afeganistão, Iraque e Palestina, que pioraram a sua situação devido à guerra). Nestas zonas a necessidade de milhões de pessoas é gritante, em especial nos últimos países referidos. Contudo, e à revelia do que muitas pessoas pensam, o acentuado crescimento da população não é a grande causa da pobreza no mundo, as causas sociais são o grande problema. Dentro das causas sociais podemos destacar: o Os conflitos armados onde é gasto muito dinheiro em armas, há destruição de casas e terrenos de cultivo, provocando disputas pelos poucos recursos disponíveis. o Desigualdades sociais os países onde existe extrema pobreza são geralmente ricos em matérias-primas nos seus territórios, mas esta riqueza é só explorada pelas elites que têm a conivência dos governos. A riqueza está concentrada numa ínfima minoria. o Dívida externa com o agravamento da situação, os países mais pobres têm a tendência de recorrer ao crédito tanto a outros países, como também a instituições bancárias. Essas dívidas vão sendo pagas em tranches e com altos juros. A única forma de liquidar estes empréstimos é utilizar o dinheiro arrecadado com as exportações, chegando a haver casos em que os 40% desmobilizados servem apenas para cobrir os juros do crédito contraído. Há ainda uma fraca dinamização destas economias por parte dos países mais ricos. Actualmente existem muitas multinacionais que apenas se servem dos países mais pobres pela barata mão-de-obra, matérias-primas e energia de valor reduzido. Instituto Superior de Agronomia 9

11 Por fim, temos as causas naturais, que também não podem ser descuradas, muitos países sofrem com frequência catástrofes como as inundações, terramotos, pragas de insectos e secas. Instituto Superior de Agronomia 10

12 Soluções Face a todas estas causas da fome há uma disponibilidade de soluções que podem aliviar esta situação. Como já constatado, o crescimento da população causa diversos problemas a nível dos recursos alimentares, deste modo, a redução desta superpopulação implica a regularização do crescimento demográfico através de um controle da natalidade, fortalecendo programas de planeamento familiar, o acesso aos serviços de saúde e o acesso ao uso de métodos contraceptivos. Ao analisar o mapa (Fig.8) que traduz a percentagem do uso de contraceptivos a nível mundial, é notório o baixo nível da adesão aos contraceptivos na África, por outro lado, é nos países mais desenvolvidos, que prevalecem os valores mais elevados no que diz respeito ao uso dos mesmos, como é o caso do Japão, dos países da América do Norte, da Austrália e da Europa. A quantidade de trigo produzida no mundo de hoje poderia fornecer uma dose diária de dois pães a cada pessoa do planeta. A produção de comida a nível mundial é o suficiente para alimentar 7 biliões de pessoas (e actualmente existem 6 biliões de pessoas no planeta). No entanto, é evidente pelo número de mortes e sofrimento à volta do mundo que a fome ainda existe. O problema reside na distribuição do alimento a nível mundial. A maioria da comida é produzida para os países mais desenvolvidos economicamente e os que realmente necessitam de uma parte dessa produção para resolver os problemas de fome não têm um poder económico suficientemente forte para suportar os preços altos que os produtores estabelecem. Por vezes, nas áreas mais afectadas pela fome, é oferecida comida em forma de ajuda, mas esta é uma solução a curto prazo que não resolve o problema nem o previne a longo prazo. A verdadeira solução para os defeitos da distribuição está em encorajar os governos nacionais e departamentos de estado a subsidiar a compra de comida pelos países mais pobres. Desta maneira, esses países conseguem aumentar as suas reservas de alimento, ao mesmo tempo que os agricultores e produtores conseguem manter preços competitivos nos seus produtos. A guerra é particularmente uma das maiores causas para a fome persistente num país. Verifica-se um elevado investimento em armamento, deste modo, vedar o acesso ás armas seria uma maneira de contornar a situação. Instituto Superior de Agronomia 11

13 As negociações de paz em países afectados pela fome permitem a entrada de apoio em áreas necessitadas e também permitem ao país focar o seu tempo e fundos na resolução dos problemas da fome. A guerra é uma desnecessária actividade que consome recursos que poderiam estar a ser usados no combate contra a fome. No que diz respeito á divida externa, 52 dos países mais pobres do mundo (dos quais 37 são em Africa) devem um total de 376 biliões de dólares. O pagamento destas dívidas diminui o já curto lucro de cada país, deixando-os com uma economia bastante debilitada e impossível tornando contornar os problemas relacionados com fome. O cancelamento destas dívidas daria aos países mais pobres a possibilidade de fortalecerem as suas economias, permitindo o desenvolvimento e importação de tecnologias que dariam um impulso na produtividade da agricultura, resolvendo também o problema do défice de produção de recursos alimentares. Como muitos desses países têm petróleo, gás natural, pedras preciosas e metais, em vez de grandes empresas estrangeiras explorarem esses negócios, eles próprios deviam organizar-se e explorar estas matérias-primas para produzir riqueza e gerar mais impostos. A educação das pessoas provou, também, ser uma grande ajuda para resolver o problema da persistência da fome. Quando a população entende as causas deste problema no seu país, e as soluções que ajudam à sua erradicação, este poderia ser abolido rapidamente. A educação permite-os dispor o seu tempo e energias em projectos mais eficientes que levaram à solução do problema. Um país exemplo é a China, onde as pessoas foram alertadas para as consequências do crescimento da população e para as maneiras de o abrandar, através da educação. Por outro lado, um excelente exemplo do desenvolvimento das tecnologias e do seu uso no campo da produção de alimento é a Biotecnologia com vista a modificar geneticamente alimentos, numa tentativa de aumentar as colheitas e a qualidade dos alimentos. Contudo a solução mais eficiente a curto prazo seria redistribuir os alimentos de que se dispõe, até porque o efeito dos transgénicos na saúde ainda é desconhecido. Instituto Superior de Agronomia 12

14 Conclusão: Conforme se pode constatar a principal causa da fome não é a sobrepopulação mas sim os problemas de causas sociais como os conflitos, a dívida externa e as graves desigualdades sociais, sem esquecer o efeito negativo que por vezes os países desenvolvidos têm nos países mais carenciados. Como já foi referido existem alimentos suficientes para alimentar toda a população mundial no entanto existe um grave problema de distribuição de bens, longe de ser resolvido. Existem várias soluções possíveis mas nem sempre parecem viáveis no panorama actual, tendo em conta as possíveis contrapartidas (e existe o risco dos países em desenvolvimento ficarem dependentes a vários níveis dos países desenvolvidos). O uso dos transgénicos é uma das soluções que tem sido muito debatido, contudo a falta de certeza sobre o impacto ambiental na biodiversidade e na vida humana são ainda desconhecidos, o que mais uma vez nos leva a concordar que a melhor forma de minimizar os efeitos da fome seria a redistribuição dos recursos. De facto enquanto persistir falta de vontade por parte dos países desenvolvidos e o conflito de interesses pelo qual se rege o sistema político jamais será possível resolver o problema da fome, pois existirão sempre dois mundos: o mundo dos que possuem toda a tecnologia ao seu dispor e se desenvolvem e o mundo dos que quase nada têm e ficam dependentes dos primeiros. Instituto Superior de Agronomia 13

15 Anexos Causas da Fome Fig.5 Evolução da População mundial Fig.7 África subsariana Fig.6 População por país Instituto Superior de Agronomia 14

16 Instituto Superior de Agronomia 15

17 Anexos Soluções Fig.8 Taxa de uso de métodos contraceptivos a nível mundial. Instituto Superior de Agronomia 16

18 Referências bibliográficas o Araújo, M Safety e Security. Conceitos diferentes. Segurança Alimentar e Qualidade Alimentar. Nº3: 62-63pp. Disponível em: <http://www.infoqualidade.net/sequali/pdf-sequali-03/page% pdf>. Acesso em: 18 de Março; o FAO Nutrition. Le Défi Mondial. Rome, FAO, 32 pp; o FAO. Mapa da fome do mundo Disponível em: <http://www.feedingminds.org/info/worldmap_pt.htm>. Acesso em: 17 de Março 2008; o Ferrão, J.E.M A Fome no Mundo Causas e Soluções, Lisboa, Oficinas Gráficas da Editorial do Ministério da Educação, 48 pp; o Fontes, Carlos. Pobreza e Fome no Mundo. Disponível em: <http://confrontos.no.sapo.pt/page4.html>. Acesso em: 14 de Março de 2008; o Garuti, Alberto. Fome no Mundo um problema sem solução? Disponível em: <http://www.pime.org.br/mundoemissao/fomesolucao.htm>. Acesso em: 14 de Março de 2008; o LUSA. Uma criança morre em cada 15 segundos devido a falta de água e saneamento. Disponível em: <http://noticias.sapo.pt/lusa/artigo/2542e27c5e7608d37fb537.html>. Acesso em: 22 de Março de 2008; o Rio, Pedro Jorge da Encarnação Alimentação: Aproveitamento de recursos alternativos na África Subsariana. Relatório do trabalho de fim de curso de Engenharia Agronómica, Lisboa, Instituto Superior de Agronomia/Universidade Técnica de Lisboa, 4, 5, 11, 16 pp; o S., Juliana O.; T., Samuel. Por que os alimentos transgênicos não vão acabar com a fome no mundo. Disponível em: <http://www.amaranthus.esalq.usp.br/transgenico.htm>. Acesso em: 14 de Março de 2008; o U.N. Development Group. Reduzir a fome pela metade está ao nosso alcance. Disponível em: <http://www.pnud.org.br/milenio/ft1.php>. Acesso em: 20 de Março de 2008 o U.S. Census Bureau. World Population Information. Disponível em: <http://www.census.gov/ipc/www/idb/worldpopinfo.html>. Acesso em: 18 de Março de 2008; o Wikipedia. Demografia.Disponível em: <http://en.wikipedia.org/wiki/demography>. Acesso em: 18 de Março de 2008; o Wikipedia. Population density. Disponível em: <http://en.wikipedia.org/wiki/population_density>. Acesso em: 18 de Março de 2008; o World Food Programme. Hunger in the Developing World. Disponível em: <http://www.wfp.org/country_brief/hunger_map/map/hungermap_popup/ma p_popup.html>. Acesso em: 16 de Março de Instituto Superior de Agronomia 17

Mateus Bortolini e Giovane Chaves 7ºC

Mateus Bortolini e Giovane Chaves 7ºC Mateus Bortolini e Giovane Chaves 7ºC O QUE ÉFOME? Quando a pessoa não ingere alimentos em quantidade suficiente para suas necessidades aponto de afetar seu crescimento ou atividades.quem tem menos que

Leia mais

Tema: OBJECTIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILENIO

Tema: OBJECTIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILENIO DIRECÇÃO PROVINCIAL DE RECURSOS MINERAIS E ENERGIA DE MANICA Tema: OBJECTIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILENIO Manica, 30 Junho à 04 Julho 2008 Elaborado por: José F. Quelhas Av. 25 de Setembro, 1218-2 o

Leia mais

«Rumo a um novo paradigma de segurança alimentar mundial, garante do desenvolvimento individual e colectivo»

«Rumo a um novo paradigma de segurança alimentar mundial, garante do desenvolvimento individual e colectivo» «Rumo a um novo paradigma de segurança alimentar mundial, garante do desenvolvimento individual e colectivo» Benoît Miribel, Presidente da ACF 1 -França PROBLEMÁTICA Nenhum ser humano tem hipóteses de

Leia mais

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO Conjuntura Para além de enfrentarem a discriminação social e familiar, muitas mulheres ainda lutam para ultrapassar os obstáculos ao

Leia mais

Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. Christian Jean-Marie Boudou

Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. Christian Jean-Marie Boudou Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO OBJETIVOS Compreender a abordagem geográfica da fome; Discorrer sobre fome e desnutrição; Conhecer a problemática de má distribuição de renda e alimentos no Brasil

Leia mais

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão MEMO/05/124 Bruxelas, 12 de Abril de 2005 Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão 1. Em que consiste este pacote? A Comissão aprovou hoje 3 comunicações

Leia mais

nossa vida mundo mais vasto

nossa vida mundo mais vasto Mudar o Mundo Mudar o Mundo O mundo começa aqui, na nossa vida, na nossa experiência de vida. Propomos descobrir um mundo mais vasto, Propomos mudar o mundo com um projecto que criou outros projectos,

Leia mais

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis O futuro que queremos não se concretizará enquanto a fome e a subnutrição persistirem,

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade.

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil Ruth Rangel * Fernanda Azevedo * Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Resumo A redução das desigualdades sociais tem sido

Leia mais

População, Recursos e Ambiente Desenvolvimento Sustentável 5ª aula teórica PRINCÍPIO DA PROCURA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Conferência de Estocolmo: 1º Conferência ONU sobre Ambiente e Estabelecimentos

Leia mais

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer Crianças e jovens numa visita de estudo, Moçambique 2008 Produzir materiais informativos sobre cada um dos temas e distribuir em toda a escola

Leia mais

A saúde da população é uma questão crucial para o desenvolvimento em qualquer país

A saúde da população é uma questão crucial para o desenvolvimento em qualquer país Saúde Global e Desenvolvimento Sustentável A saúde da população é uma questão crucial para o desenvolvimento em qualquer país do mundo. É uma evidência para cada um de nós que a saúde é uma condição base

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE Unidade III Cidadania e movimento. 2 Aula 14.2 Conteúdos Outros elementos medidos pelo IDH. Comentários sobre o IDH de 2011. 3 Habilidade

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

AGENDA 21: Imagine... FUTURO... AGENDA 21: 1. É o principal documento da Rio-92 (Conferência ONU: Meio Ambiente e desenvolvimento Humano); 2. É a proposta mais consistente que existe de como alcançar

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

O Ano Internacional do Saneamento 2008. Panorâmica

O Ano Internacional do Saneamento 2008. Panorâmica O Ano Internacional do Saneamento 2008 Panorâmica Um instantâneo da actual situação: 2,6 mil milhões de pessoas em todo o mundo não têm acesso a saneamento melhorado. 2 mil milhões vivem em zonas rurais.

Leia mais

Quinquagésima-quarta sessão Brazzaville, Congo, 30 de Agosto - 3 de Setembro de 2004

Quinquagésima-quarta sessão Brazzaville, Congo, 30 de Agosto - 3 de Setembro de 2004 WORLD HEALTH ORGANIZATION REGIONAL OFFICE FOR AFRICA ORGANISATION MONDIALE DE LA SANTE BUREAU REGIONAL DE L AFRIQUE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE ESCRITÓRIO REGIONAL AFRICANO COMITÉ REGIONAL AFRICANO Quinquagésima-quarta

Leia mais

Tackling the challenge of feeding the World: A Family farming perspective

Tackling the challenge of feeding the World: A Family farming perspective Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura YEAR OF FAMILY FARMING Economic and Social Development Department Science for Poverty Erradication and Sustainable Development Tackling

Leia mais

COMUNICADO À IMPRENSA EMBARGADO ATÉ AS 17 HORAS DE 14 DE FEVEREIRO DE 2001

COMUNICADO À IMPRENSA EMBARGADO ATÉ AS 17 HORAS DE 14 DE FEVEREIRO DE 2001 Para obter mais informações, entre em contato com: COMUNICADO À IMPRENSA EMBARGADO ATÉ AS 17 HORAS DE 14 DE FEVEREIRO DE 2001 Michael Rubinstein (202) 862-5670 / m.rubinstein@cgiar.org Adlai J. Amor Mobile:

Leia mais

TEMA: CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO. 1ª parte -Países desenvolvidos vs Países em desenvolvimento

TEMA: CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO. 1ª parte -Países desenvolvidos vs Países em desenvolvimento TEMA: CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO 1ª parte -Países desenvolvidos vs Países em desenvolvimento Questões de partida 1. Podemos medir os níveis de Desenvolvimento? Como? 2. Como se distribuem os valores

Leia mais

Indicadores Anefac dos países do G-20

Indicadores Anefac dos países do G-20 Indicadores Anefac dos países do G-20 O Indicador Anefac dos países do G-20 é um conjunto de resultantes de indicadores da ONU publicados pelos países: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL PROMOÇÃO DA SAÚDE E AMBIENTES FAVORÁVEIS À SAÚDE 3ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde Sundsvall, Suécia, 9 15 de Junho de 1991 Esta conferência sobre Promoção da

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes. Resenha Desenvolvimento

Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes. Resenha Desenvolvimento Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes Resenha Desenvolvimento Luiz Fernando Neiva Liboreiro 14 de dezembro de 2006 Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes Resenha Desenvolvimento Luiz Fernando

Leia mais

Sumário executivo. ActionAid Brasil Rua Morais e Vale, 111 5º andar 20021-260 Rio de Janeiro - RJ Brasil

Sumário executivo. ActionAid Brasil Rua Morais e Vale, 111 5º andar 20021-260 Rio de Janeiro - RJ Brasil Sumário executivo Mais de um bilhão de pessoas sofre com as consequências da inanição é mais que a população dos Estados Unidos, Canadá e União Européia juntas. Em julho desse ano, a reunião de cúpula

Leia mais

Proteção social e agricultura. rompendo o ciclo da pobreza rural

Proteção social e agricultura. rompendo o ciclo da pobreza rural Proteção social e agricultura Sasint/Dollar Photo Club rompendo o ciclo da pobreza rural 16 de outubro de 2015 Dia Mundial da Alimentação Cerca de 1000 milhões de pessoas vivem na extrema pobreza nos países

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

11 Outubro Dia Internacional da Rapariga

11 Outubro Dia Internacional da Rapariga 11 Outubro Dia Internacional da Rapariga As meninas enfrentam discriminação, violência e abuso todos os dias, em todo o mundo. Esta realidade alarmante justifica o Dia Internacional das Meninas, uma nova

Leia mais

O Nosso futuro comum pela comissão Mundial do Ambiente e do Desenvolvimento (w.c.e.d),1987 RUMO AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

O Nosso futuro comum pela comissão Mundial do Ambiente e do Desenvolvimento (w.c.e.d),1987 RUMO AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O Nosso futuro comum pela comissão Mundial do Ambiente e do Desenvolvimento (w.c.e.d),1987 RUMO AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Definição de Desenvolvimento Sustentável Segundo W.C.E.D, o desenvolvimento

Leia mais

CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA SOBRE MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL WORKSHOP: OS OITO OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA SOBRE MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL WORKSHOP: OS OITO OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA SOBRE MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL WORKSHOP: OS OITO OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Belo Horizonte, outubro de 2007 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Leia mais

RIO+10 E ERRADICAÇÃO DA POBREZA

RIO+10 E ERRADICAÇÃO DA POBREZA RIO+10 E ERRADICAÇÃO DA POBREZA SUELY MARA VAZ GUIMARÃES DE ARAÚJO Consultora Legislativo da Área XI Geografia, Desenvolvimento Regional, Ecologia e Direito Ambiental, Urbanismo, Habitação, Saneamento

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

6º Fórum Mundial da Água

6º Fórum Mundial da Água 6º Fórum Mundial da Água A gestão integrada de recursos hídricos e de águas residuais em São Tomé e Príncipe como suporte da segurança alimentar, energética e ambiental Eng.ª Lígia Barros Directora Geral

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA, IOLANDA CINTURA SEUANE, MINISTRA DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL DE MOÇAMBIQUE SOBRE O TEMA DESAFIOS DA PROTECÇÃO SOCIAL PARA ALCANÇAR A SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE Comissão dos Assuntos Sociais e do Ambiente 26.2.2010 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre "Cumprir os ODM: respostas inovadoras aos desafios sociais e económicos" Co-relatores:

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento 1 IMVF Documento de Posicionamento A SAÚDE DA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura Ano Internacional dos solos

Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura Ano Internacional dos solos Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura Ano Internacional dos solos Hélder Muteia Representante da FAO em Portugal/CPLP FAO-PT@fao.org www.fao.org/portugal 4 de dezembro de 2015

Leia mais

CRESCIMENTO ECONÓMICO = DESENVOLVIMENTO

CRESCIMENTO ECONÓMICO = DESENVOLVIMENTO 9ºano Crescimento económico -> Aumento regular da produção de bens e serviços numa sociedade num determinado espaço e período de tempo. -> O crescimento económico é um meio para alcançar o desenvolvimento.

Leia mais

Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20

Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20 Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20 INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas realizará em junho de 2012, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

GE Power & Water Water & Process Technologies. Recursos preciosos, desafios prementes, melhores soluções.

GE Power & Water Water & Process Technologies. Recursos preciosos, desafios prementes, melhores soluções. GE Power & Water Water & Process Technologies Recursos preciosos, desafios prementes, melhores soluções. Recursos preciosos Se o consumo de água continuar a aumentar à mesma taxa, as estatísticas deixam

Leia mais

O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas

O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas Desafios de uma cultura de compromisso social O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas Interage Consultoria em Gerontologia 1978... 1988... Psicanálise e velhice: resistência

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1 Como a África pode adaptar-se às mudanças climáticas? Os Clubes de Agricultores de HPP alcançam dezenas de milhares ensinando sobre práticas agrícolas sustentáveis e rentáveis e de como se adaptar a uma

Leia mais

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015.

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015. CTA-CONFEDERAÇÃO DASASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, Eduardo Sengo Julho 2015 Uma depreciação do Metical, torna os bens e serviços

Leia mais

O que é a adaptação às mudanças climáticas?

O que é a adaptação às mudanças climáticas? Síntese da CARE Internacional sobre Mudanças Climáticas O que é a adaptação às mudanças climáticas? As mudanças climáticas colocam uma ameaça sem precedentes a pessoas vivendo nos países em desenvolvimento

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 05/2015

ESTUDO TÉCNICO N.º 05/2015 ESTUDO TÉCNICO N.º 05/2015 Resenha do Relatório Estado da Insegurança Alimentar no Mundo 2015 (SOFI) MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO E GESTÃO DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Realizado de 25 a 31 de julho de 2010. Porto Alegre - RS, 2010. ISBN 978-85-99907-02-3

Realizado de 25 a 31 de julho de 2010. Porto Alegre - RS, 2010. ISBN 978-85-99907-02-3 DIMENSÕES DE SUSTENTABILIDADE NOS PROGRAMAS DE COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Márcio José Celeri Doutorando em Geografia da UNESP/Rio Claro marcioceleri@yahoo.com.br Ana Tereza Cáceres Cortez Docente

Leia mais

ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG

ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG PROPOSTA ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG Desde sempre, desde as sociedades primitivas, o Homem usou os recursos naturais para viver. Porém durante muito tempo, a exploração de recursos era diminuta e a

Leia mais

RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015

RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015 RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015 Rio+20 (2012): O Futuro que Queremos Cúpula das Nações Unidas (setembro de 2015): Agenda de Desenvolvimento Pós-2015

Leia mais

SOS PLAN E T A T E R R A Márcio Mendes SOS PLANETA TERRA

SOS PLAN E T A T E R R A Márcio Mendes SOS PLANETA TERRA SOS PLANETA TERRA Sou um habitante comum deste planeta chamado Terra, dentro do limite de meu singelo conhecimento, todos os meus instintos pessoais gritam em favor da proteção deste habitat, um pensador

Leia mais

O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de Pequeno Porte, realizado no dia 13 de Julho de 2008 em Nova Iorque, E.U.A.

O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de Pequeno Porte, realizado no dia 13 de Julho de 2008 em Nova Iorque, E.U.A. FÓRUM PARLAMENTAR SOBRE ARMAS LIGEIRAS E DE PEQUENO PORTE Declaração da política sobre a gestão de estoque de munições convencionais O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de

Leia mais

Políticas de Investimento Público para Crescimento

Políticas de Investimento Público para Crescimento Seminário do Governo de Moçambique, em colaboração com o DFID, FMI e Banco Mundial, sobre "Desafios do Crescimento Económico e Emprego" Políticas de Investimento Público para Crescimento Carlos Nuno Castel-Branco

Leia mais

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014 V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável Montijo 14 de Novembro de 2014 1. Saudação Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal do Montijo Exmo. Sr.

Leia mais

Iniciativa de Água Potável e Saneamento

Iniciativa de Água Potável e Saneamento Banco Interamericano de Desenvolvimento Iniciativa de Água Potável e Saneamento Recife - PE, 11 de junho de 2007 Desde 1990 América Latina realizou avanços na provisão de água e saneamento... Coberturas

Leia mais

Direito a não Viver na Pobreza

Direito a não Viver na Pobreza Direito a não Viver na Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria Toda a pessoa tem direito a um nível de vida suficiente para lhe assegurar e à sua família a saúde e o bem-estar, principalmente,

Leia mais

D SCUR CU S R O O DE D SUA U A EXCE

D SCUR CU S R O O DE D SUA U A EXCE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, DR. RUI MARIA DE ARAÚJO, POR OCASIÃO DA ATRIBUIÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL DA CPLP A

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP WORKSHOP INTERNACIONAL Vencendo os desafios da Educação nos PALOP Seminário para o diálogo e a troca de conhecimento e experiências na área do ensino básico destinado aos Países Africanos de expressão

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013 Política de Responsabilidade Corporativa Março 2013 Ao serviço do cliente Dedicamos os nossos esforços a conhecer e satisfazer as necessidades dos nossos clientes. Queremos ter a capacidade de dar uma

Leia mais

O Brasil e as Metas de Desenvolvimento do Milênio

O Brasil e as Metas de Desenvolvimento do Milênio www.pnud.org.br Embargado até 8 de julho de 2003 www.undp.org/hdr2003 Contatos do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento: Nova Iorque: William Orme Tel:(212) 906-5382 william.orme@undp.org Londres:

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Social

Programa de Desenvolvimento Social Programa de Desenvolvimento Social Introdução A Portucel Moçambique assumiu um compromisso com o governo moçambicano de investir 40 milhões de dólares norte-americanos para a melhoria das condições de

Leia mais

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5 O que é a campanha Continuamos à Espera é uma campanha de Educação para o Desenvolvimento e para a Cidadania Global, centrada nas temáticas da Saúde Sexual e Reprodutiva, Justiça Social, Igualdade de Género

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar?

China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar? China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar? Wenjie Chen e Roger Nord 21 de dezembro de 2015 A promessa recente de apoio financeiro no valor de USD 60 mil milhões ao longo dos próximos três anos

Leia mais

A Igualdade dos Géneros como Boa Economia

A Igualdade dos Géneros como Boa Economia A Igualdade dos Géneros como Boa Economia Um Plano de Acção do Grupo Banco Mundial Banco Mundial o acesso à terra, ao trabalho, aos mercados financeiros e de produtos é crucial para se aumentar o rendimento

Leia mais

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros CRESCIMENTO POPULACIONAL Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros O que é Crescimento Populacional? O crescimento populacional é a mudança positiva do número de indivíduos de uma população dividida por

Leia mais

AS ORIGENS DO SUBDESENVOLVIMENTO

AS ORIGENS DO SUBDESENVOLVIMENTO AS ORIGENS DO SUBDESENVOLVIMENTO 1. A TEORIA LIBERAL Os Países pobres são pobres porque não atingiram ainda a eficiência produtiva e o equilíbrio econômico necessário à manutenção de um ciclo de prosperidade

Leia mais

A WaterAid e as mudanças climáticas

A WaterAid e as mudanças climáticas A WaterAid e as mudanças climáticas Kajal Gautam, 16 anos, e a prima, Khushboo Gautam, 16 anos, regressando a casa depois de irem buscar água em Nihura Basti, Kanpur, na Índia. WaterAid/ Poulomi Basu Louise

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio 1- Erradicar a extrema pobreza e a fome Meta 1: Reduzir pela metade, entre 1990 e 2015, a proporção da população com renda

Leia mais

Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S. Escola de Governo 22/09/2015

Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S. Escola de Governo 22/09/2015 Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S Escola de Governo 22/09/2015 Gerações dos Direitos Humanos 1ª Dimensão Direitos Civis e Políticos

Leia mais

Um Acesso Desigual ao Desenvolvimento

Um Acesso Desigual ao Desenvolvimento Escola Secundária Abel Salazar 2009/2010 Disciplina de Geografia C Um Acesso Desigual ao Desenvolvimento Trabalho realizado por: Ana Rita nº2 Bruno Pina nº5 Diana Santos nº7 Joana Enes nº9 Joana Alvesnº10

Leia mais

População é o conjunto de habitantes de um determinado lugar em um determinado tempo;

População é o conjunto de habitantes de um determinado lugar em um determinado tempo; INTRODUÇÃO À GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO 1 Aspectos teóricos e metodológicos da geografia da população População é o conjunto de habitantes de um determinado lugar em um determinado tempo; A importância de

Leia mais

Aula 9 PROCESSOS MIGRATÓRIOS

Aula 9 PROCESSOS MIGRATÓRIOS PROCESSOS MIGRATÓRIOS Aula 9 METAS Inserir o aluno em um dos temas centrais da análise da Geografia da População: a questão migratória; analisar as causas, motivações e conseqüências do deslocamento populacional

Leia mais

A protecção social e as crianças

A protecção social e as crianças A protecção social e as crianças Anthony Hodges Consultor ao UNICEF Seminário do MMAS e da OIT no Bilene, Moçambique, do 7 ao 9 de Maio de 2010 Plano da apresentação Importância da protecção social para

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA. Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil

DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA. Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil SEGURANÇA ALIMENTAR - O DUPLO DESAFIO ERRADICAR A FOME DO PRESENTE; ALIMENTAR A POPULAÇÃO DO FUTURO E NÃO TER

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais