Indicadores da Economia Brasileira: Setembro 2016 Observatório de Políticas Econômicas 2016

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Indicadores da Economia Brasileira: Setembro 2016 Observatório de Políticas Econômicas 2016"

Transcrição

1 Indicadores da Economia Brasileira: Setembro 2016 Observatório de Políticas Econômicas 2016

2 Indicadores da Economia Brasileira: Sumário Confiança e Expectativas Emprego e Rendimento Preços, Juros, Crédito e Câmbio Produção e DemandaAgregada Setor Externo Setor Público

3 Indicadores da Economia Brasileira Confiança e Expectativas Setembro 2016 SUMÁRIO

4 Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas Quadro-Resumo Índice de Confiança do Consumidor e Expectativas de Inflação do Consumidor Índice de Confiança do Comércio e Índice de Confiança dos Serviços Índice de Confiança da Indústria de Transformação e Índice de Confiança da Construção Civil Relatório Focus: Expectativasde Crescimento do PIB Relatório Focus: Expectativasde Inflação SUMÁRIO

5 Quadro-Resumo (com relação ao período imediatamente anterior) Agosto Setembro Variação ÍNDICE DE CONFIANÇA DO CONSUMIDOR 79,30 80,60 1,268% EXPECTATIVAS DE INFLAÇÃO DO CONSUMIDOR 9,80% 9,80% 0,00% ÍNDICE DE CONFIANÇA DO COMÉRCIO 82,10 80,40 2,07% ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS SERVIÇOS 78,80 80,60 2,28% ÍNDICE DE CONFIANÇA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO 86,10 88,20 2,44% ÍNDICE DE CONFIANÇA DA CONSTRUÇÃO CIVIL 72,50 74,60 2,90% EXPECTATIVA DE CRESCIMENTO PIB 2016 (FINAL DO MÊS) EXPECTATIVA DE CRESCIMENTO PIB 2017 (FINAL DO MÊS) EXPECTATIVA DE VARIAÇÃO IPCA EM 2016 (FINAL DO MÊS) EXPECTATIVA DE VARIAÇÃO IPCA EM 2017 (FINAL DO MÊS) 3,16% 3,14% 0,02 p.p. 1,23% 1,30% 0,07 p.p. 7,34% 7,23% 0,12 p.p. 5,14% 5,07% 0,43 p.p.

6 Índice de Confiança do Consumidor e Expectativa para Inflação 12 Meses (IBRE/FGV 2014) ,0 ÍNDICE DE CONFIANÇA DO CONSUMIDOR (ICC) ,0 9,0 8,0 7,0 Em setembro de 2016, o ICC cresceu 1,26% e, portanto, fechou mês a 80,60 pontos. Desse modo, o terceiro trimestre de 2016, apresentou crescimento de 13,04% com relação ao segundo trimestre do mesmo ano e 25,74% em doze meses. Esse resultado é principalmente causado pela melhora nas expectativas dos consumidores, mesmo ante a cautela das famílias tanto em relação a sua situação financeira, quanto a possibilidade de melhora no mercado de trabalho. EXPECTATIVAS DE INFLAÇÃO DO CONSUMIDOR 60 jan/14 abr/14 ICC jul/14 out/14 jan/15 abr/15 jul/15 out/15 jan/16 abr/16 jul/16 EXPECTATIVAS DE INFLAÇÃO (eixo secundário) 6,0 Em setembro de 2016 expectativas de inflação dos consumidores ficaram estáveis com relação ao mês imediatamente anterior, o que repercute em um decréscimo de 6,67% no trimestre e de 2,00% em doze meses.

7 Índice de Confiança do Comércio e Índice de Confiança dos Prestadores de Serviços (IBRE/FGV) jan/14 abr/14 jul/14 out/14 ICOM jan/15 abr/15 jul/15 out/15 jan/16 ICS abr/16 jul/16 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS COMERCIANTES (ICOM) O decréscimo do ICOM em setembro de 2016 é resultado da acomodação das expectativas dos comerciantes sobre a situação da economia. Assim, o ICOM encerrou o período a 80,40 pontos, queda de 2,07% no mês. Portanto, o terceiro trimestre de 2016 encerrou com crescimento de 9,09%, consolidando um crescimento de 21,63% em doze meses, o que mostra que houve queda no pessimismo dos comerciantes. ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PRESTADORES DE SERVIÇOS (ICS) O ICS encerrou o mês de setembro registrando 80,60 pontos crescimento de 2,28 no mês, que levou a expansão de 11,33% no terceiro trimestre de 2016, com relação ao trimestre anterior e consolidou um crescimento de 22,31% em doze meses. Esse resultado de melhora na confiança está atrelada principalmente à melhora nas avaliações sobra a situação atual da economia.

8 Índice de Confiança da Indústria de Transformação e Índice de Confiança da Construção Civil (IBRE/FGV) ÍNDICE DE CONFIANÇA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO (ICI) O ICI voltou a elevar sua confiança, mesmo a despeito da lenta recuperação da economiae do processo de normalização de estoques (uma vez que houve queda nas vendas). Assim, o pessimismo da Indústria se reduziu, de modo que o ICI encerrou setembro de 2016 com 88,2 pontos, crescimento de 2,44% no mês e 5,76% no trimestre, o que repercute num crescimento de 19,35% em 12 meses jan/14 abr/14 jul/14 out/14 ICI jan/15 abr/15 jul/15 out/15 ICST jan/16 abr/16 jul/16 ÍNDICE DE CONFIANÇA DA CONSTRUÇÃO CIVIL (ICST) O ICST terminou o mês de setembro de 2016 com alta de 2,90% com relação ao mês de agosto, marcando 74,6 pontos. Assim, o crescimento trimestral do indicador foi de 9,71%, o que consolidou avanço de 6,88% em doze meses. Esse resultado adveio principalmente do anúncio do Programa de Parcerias para Investimento e da melhora nas expectativas e médio prazo dos produtores da área.

9 Variação das estimativas semanais do PIB 2016 Relatório Focus: estimativas semanais -2,50-2,70-2,90-3,10-3,30 31/dez 21/jan 11/fev 03/mar 24/mar 14/abr 05/mai 26/mai 16/jun 07/jul 28/jul 18/ago 08/set 29/set EXPECTATIVADE CRESCIMENTO 2016 As expectativas de crescimento da economia em 2016 continuam a trajetória de acomodação atrelada principalmente a expansão na confiança dos produtores. Nesse sentido, passaram-se a esperar que a em 2016, o PIB consolide contração de 3,14% com relação a Nesse sentido, em setembro de 2016 a previsão dos mercados ficou praticamente estável (+0,02 p.p.)com relação àquelas feitas em agosto do mesmo ano. Nesse sentido, o terceiro trimestre de 2016 encerroucom melhorade 0,30 p.p. com relação ao trimestre imediatamente anterior. -3,50-3,70-3,90-4, PRÓXIMO

10 Variação das estimativas semanais do PIB 2017 Relatório Focus: estimativas semanais 1,60 1,40 1,20 1,00 0,80 EXPECTATIVAS DE CRESCIMENTO 2017 Como se pode observar no Gráfico, os mercados estimam que a evolução na situação da economia se torne consistente no médio prazo. Nesse sentido, para o ano de 2017, esperam-se que o PIB cresça 1,3% com relação a Cabe ressaltar que essa melhora nas expectativas implica em uma revisão de 0,3 p.p. em relação ao resultado do segundo trimestre de ,60 0,40 0,20 0,

11 Variação das estimativas semanais do IPCA 2016 Relatório Focus: estimativas semanais 7,75 7,50 7,25 7,00 6,75 EXPECTATIVADE INFLAÇÃO 2016 Os mercados encerraram o mês de setembro de 2016 com estimativas de, até o fim do ano, a inflação acumulada chegar a 7,23%. Essa revisão de -0,12 p.p. nas expectativas de inflação, consolidaram uma queda de 0,09 p.p. no indicador, o que representa que, além de os mercados estarem recupera no sua confiança quanto a situação da economia, esperam-se também que o período de reajustes de preços monitorados observado em não se repita. Além disso, esse resultado representa que a política de contração monetária então vigente tem alcançado um de seus principais objetivos a saber, conter a alta volatilidade nos índices de inflação da economia. 6,50 31/dez 14/jan 28/jan 11/fev 25/fev 10/mar 24/mar 07/abr 21/abr 05/mai 19/mai 02/jun 16/jun 30/jun 14/jul 28/jul 11/ago 25/ago 08/set 22/set 2016 Lim. Sup PRÓXIMO

12 Variação das estimativas semanais do IPCA 2017 Relatório Focus: estimativas semanais 6,25 6,00 5,75 5,50 5,25 5,00 31/dez 14/jan 28/jan 11/fev 25/fev 10/mar 24/mar 07/abr 21/abr 05/mai 19/mai 02/jun 16/jun 30/jun 14/jul 28/jul 11/ago 25/ago 08/set 22/set EXPECTATIVADE INFLAÇÃO 2017 Em setembro de 2016, o Relatório Focus mostrou que a inflação esperada para o final de 2017 reduziu 0,07 p.p. e, portanto, no segundo trimestre de 2016 os mercados consideraram revisar as expectativas de inflação para 2017 em -0,43 p.p. Os principais fatores que provocaram essa alteração nas expectativas de inflação foram a política monetária vigente desde meados de 2014, somada as expectativas de melhora da situação da economia e ao fim do período de reajustes nos preços administrados pelo governo central. Embora essas prospecções positivas para a economia brasileira apresentem queda no pessimismo dos mercados, o principal objetivo da política monetária em levar a inflação para a meta em 4,50% a.a. em 2017 aindanão seconsolidou Lim. Sup. 2017

13 Indicadores da Economia Brasileira: Emprego e Rendimento Setembro 2016 SUMÁRIO

14 Indicadores da Economia Brasileira: Emprego e Rendimento Quadro-Resumo Taxa trimestralde desemprego PNAD C Rendimento real médio habitual da população ocupada Saldo de vagas de emprego formal SUMÁRIO

15 Quadro-Resumo (com relação ao período imediatamente anterior) Anterior Atual Variação TAXA DE DESEMPREGO TRIMESTRAL 11,2% (mar-abr-mai) 11,8% (jun-jul-ago 2016) 5,1% RENDIMENTO MÉDIO REAL HABITUAL DA POPULAÇÃO OCUPADA R$ 2.015,00 (mar-abr-mai) R$ 2.011,00 (abr-mai-jun) 0,2% VAGAS DE EMPREGO FORMAL ADMISSÕES (julho 2016) (maio 2016) 7,25% VAGAS DE EMPREGO FORMAL DEMISSÕES (julho 2016) (maio 2016) 1,97% VAGAS DE EMPREGO FORMAL SALDO (julho 2016) (agosto 2016)

16 Taxa Trimestral de Desemprego (PNAD-C PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICÍLIOS CONTÍNUA) 12,0 11,5 TAXA TRIMESTRAL DE DESOCUPAÇÃO (PNAD C) 11,0 10,5 10,0 9,5 9,0 8,5 8,0 7,5 7,0 6,5 6,0 jan-fev-mar 2014 mar-abr-mai 2014 mai-jun-jul 2014 jul-ago-set 2014 set-out-nov 2014 nov-dez-jan 2014 jan-fev-mar 2015 mar-abr-mai 2015 mai-jun-jul 2015 jul-ago-set 2015 set-out-nov 2015 nov-dez-jan 2015 jan-fev-mar 2016 mar-abr-mai 2016 mai-jun-jul 2016 O trimestre móvel encerrado em agosto de 2016 encerrou com taxa de desocupação de 11,8%, o que representa um contingente aproximado de 12,0 milhões de desempregados (crescimento de 5,1% com relação ao trimestre móvel encerrado em maio de 2016). Nesse sentido, se estima que houve cerca de 586 mil pessoas acrescidas ao contingente de desocupados no Brasil. No horizonte de doze meses, observa-se que de setembro de 2015 a agosto de 2016, o número de pessoas que ficaram fora da força de trabalho no Brasil é próximo a 3,2 milhões, assim, a taxa de desemprego cresceu 36,6% em doze meses. Taxa de desemprego

17 Rendimento Real Médio Habitual da População Ocupada (PNAD-C PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICÍLIOS CONTÍNUA) 2.100,0 RENDIMENTO REAL MÉDIO HABITUAL DA POPULAÇÃO OCUPADA 2.080, , , ,0 O rendimento real habitualmente recebido pela ocupação ocupada no trimestre encerrado em agosto de 2016 foi de R$ 2011,00, ficando estável, portanto, ao resultado observado no trimestre encerrado em maio de Entretanto, a massa de rendimentos recebida pela população ocupada foi de R$ 177,00 bilhões, o que não representa variação significativa àquela observada no trimestre móvel encerrado em maio de , ,0 jan-fev-mar 2014 mar-abr-mai 2014 mai-jun-jul 2014 jul-ago-set 2014 set-out-nov 2014 nov-dez-jan 2014 jan-fev-mar 2015 mar-abr-mai 2015 mai-jun-jul 2015 jul-ago-set 2015 set-out-nov 2015 nov-dez-jan 2015 jan-fev-mar 2016 mar-abr-mai 2016 mai-jun-jul 2016 Com relação ao mesmo período do ano anterior, observa-se, também que houve estabilidade tanto dos rendimentos médios habitualmente recebidos pela população ocupada, quanto da massa de rendimentos da população ocupada no trimestre móvel encerrado em agosto de Rendimento Real Médio Habitual

18 Vagas de Emprego Formal (CAGED Ministério do Trabalho e Emprego) Milhares EMPREGO FORMAL O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) mostra que em agosto de 2016 o saldo de empregos formais foi de eliminação de mil postos de trabalho. Nesse sentido, em 2016 já se reduziram postos de trabalho assalariado com carteira assinada e no horizonte de doze meses destruíram-se postos de trabalho no Brasil jan/14 abr/14 jul/14 out/14 jan/15 abr/15 jul/15 out/15 jan/16 abr/16 jul/16 Saldo Admissões Demissões

19 Indicadores da Economia Brasileira: Preços, Juros, Crédito e Câmbio Setembro 2016 SUMÁRIO

20 Indicadores da Economia Brasileira: Preços, Juros, Crédito e Câmbio Quadro-Resumo Meta de Inflação Observada Inflação Anual e Variação dos Preços Administrados Taxa de Juros Real, SELIC e Faixa de Juros Neutros Evolução do Crédito Taxa de Câmbio SUMÁRIO

21 Quadro-Resumo (com relação ao período imediatamente anterior) Anterior Atual Variação IPCA (MENSAL) 0,44% (agosto 2016) 0,08% (setembro 2016) ê IPCA ADMINISTRADOS (MENSAL) 0,26% (agosto 2016) 0,37% (setembro 2016) é INPC (MENSAL) 0,31% (agosto 2016) 0,08% (setembro 2016) ê IPCA (DOZE MESES) 8,97% (agosto 2016) 8,47% (setembro 2016) ê IPCA ADMINISTRADOS (DOZE MESES) 8,49% (agosto 2016) 7,90% (setembro 2016) ê INPC (DOZE MESES) 9,62% (agosto 2016) 9,15% (setembro 2016) ê TAXA SELIC (AO ANO) 14,25% (agosto 2016) 14,25% (setembro 2016) TAXA DE JUROS REAL (AO ANO) 8,37% (agosto 2016) 8,76% (setembro 2016) é SALDO DAS OPERAÇÕES DE CRÉDITO (% PIB) 51,39% (julho 2016) 51,15% (agosto 2016) ê TAXA DE CÂMBIO (R$/US$, FECHAMENTO DO MÊS) R$ 3,24 (agosto 2016) R$ 3,25 (agosto 2016)

22 Meta e Inflação Observada ( IPCA ACUMULADO NO ANO) jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 jun/16 jul/16 ago/16 set/16 out/16 nov/16 dez/16 jan/17 ÍNDICE DE PREÇOS AO CONSUMIDOR AMPLO (IPCA) ACUMULADO NOANO 10,0 8,0 6,0 4,0 O IPCA encerrou o mês de setembro de 2016 com variação de 0,08%, o que repercutiu num acumulo de 5,50% de inflação no ano de Nesse sentido, a inflação média mensal de janeiro a setembro de 2016 é de 0,60% a.m, ou seja, houve redução média 0,06 p.p. a.m. Portanto, a trajetória de crescimento da taxa de inflação em 2016 continua arrefecendo. Assim, no horizonte de doze meses, a inflação acumulada registrada de outubro de 2015 a setembro de 2016 também está arrefecendo, de modo que se acumulou 8,41% de inflação a.a., em média 0,71% a.m. 2,0 0, IPCA mensal meta IPCA

23 Inflação Anual e Variação dos Preços Administrados ( IPCA, ÍNDICES ACUMULADOS EM 12 MESES) 20,0 18,0 16,0 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 nov/15 jan/16 mar/16 mai/16 jul/16 set/16 ÍNDICE DE PREÇOS AO CONSUMIDOR AMPLO E PREÇOS ADMINISTRADOS Em setembro de 2016, a inflação acumulada em doze meses foi de 8,47%, o que representa uma queda de 5,49% em relação ao período imediatamente anterior. Cabe ressaltar que, conforme analisado nos Indicadores da Economia Brasileira referentes a agosto de 2016, esse resultado de queda na inflação acumulada é esperada, uma ve que o IPCA tem crescido sempre a taxas menores, exclusive em perídodos de acomodação dos preços. Alem disso, vale observar que, ao passo que os preços administrados cresceram 0,37% em setembro de 2016, os preços livres cresceramficaram estáveis. Esses resultados consolidaram, no horizonte de doze meses, que os preços livres variaram de 8,65% contra 7,90% nos administrados. Meta Administrados IPCA

24 Taxa de Juros Real, SELIC e Faixa de Juros Neutros (SELIC EM RAZÃO DA EXPECTATIVA DO IPCA 12 MESES) 8,5 7,5 6,5 5,5 4,5 3,5 jan/14 abr/14 jul/14 out/14 jan/15 abr/15 jul/15 out/15 jan/16 abr/16 jul/16 15,4 14,4 13,4 12,4 11,4 10,4 9,4 TAXAS DE JUROS Com melhora nas expectativas de mercado quanto a inflação acumulada para o próximo ano, pode-se observar que há espaço para o Banco Central revisar a taxa SELIC. Cabe ressaltar que as expectativas dos mercados são de o reajuste na taxa de juros SELIC persistirem até que alcancem 11,00% a.a. de modo que se encerre o período de contração monetária. No entanto, as bases atuais do ajuste fiscal ainda são frágeis, de modo que encerrar o período de contração monetária pode também dar espaço para o não cumprimento das metas para os gastos públicos, além de os mercados investidores passarem a trocar títulos públicos por investimentos no mercado real, o que a médio prazo geraria inflação. Nesse sentido, a taxa de juros real segue em trajetória ascendente e encerrou setembro a 8,76% a.a. (acréscimo de 4,66% com relação a agosto de Juros Neutros Juros Reais Taxa SELIC (eixo sec.)

25 Evolução do Crédito no Brasil (RELAÇÃO CRÉDITO/PIB) 55,0 54,5 54,0 53,5 53,0 52,5 52,0 51,5 51,0 50,5 RELAÇÃO CRÉDTO/PIB As operações de crédito nos sistema financeiro em agosto de 2016 atingiram R$ bilhões, ficando estáveis em relação a julho de Em doze meses, o saldo das operações de crédito sofreu contração de 0,6%, resultado do contrabalanceamento nos saldos de operações de crédito com pessoas físicas (0,6%) e com pessoas jurídicas (-0,6%) no mês de julho de 2016; atingindo, portanto R$ bilhões e R$ 1.575bilhões respectivamente. A relação Crédito/PIB recuou 0,64% em agosto de 2016 com relação aos resultados do mês imediatamente anterior. Em doze meses, se observou contração 4,64% a.a. Portanto a relação Crédito/PIB em agosto foi de 51,15% 50,0 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 nov/15 jan/16 mar/16 mai/16 jul/16

26 Taxa Mensal de Câmbio ( R$/US$) 4,00 3,50 TAXA DE CÂMBIO: Na comparação entre os meses de setembro e agosto de 2016, observa-se que a taxa de câmbio ficou praticamente estável, encerrando o período a R$ 3,25/US$. Apesar dessa ocorrência de estabilidade de curto prazo do câmbio, com baixa volatilidade no mês, pode-se notar que ainda existe probabilidade de valorização do real ante o dólar, uma vez que o indicador de médias móveis ainda apresenta inclinação negativa. 3,00 2,50 2,00 jan/14 abr/14 jul/14 out/14 jan/15 abr/15 jul/15 out/15 jan/16 abr/16 jul/16

27 Indicadores da Economia Brasileira: Produção e Demanda Agregada Setembro (dados do segundo trimestre de 2016) 2016 SUMÁRIO

28 Indicadores da Economia Brasileira: Produção e Demanda Agregada Quadro-Resumo Produto Interno Bruto PIB Agropecuário PIB Industrial PIB Serviços Demanda Agregada Demanda Interna Poupança Externa SUMÁRIO

29 Quadro-Resumo (com relação ao período imediatamente anterior) 1º Trim º Trim PIB A PREÇOS DE MERCADO -0,4-0,6 AGRICULTURA 0,3-2,0 INDÚSTRIA -0,3 0,3 SERVIÇOS -0,4-0,8 CONSUMO DAS FAMÍLIAS -1,3-0,7 CONSUMO DO GOVERNO 1,0-0,5 FORMAÇÃO BRUTA DE CAPITAL FIXO -1,6 0,4 EXPORTAÇÕES 4,3 0,4 IMPORTAÇÕES -3,5 4,5

30 Produto Interno Bruto SÉRIE TRIMESTRAL (ÍNDICE: 2010 = 100) 180,00 175,00 170,00 165,00 160,00 PIB TRIMESTRAL A PREÇOS DE MERCADO No segundo trimestre de 2016, o PIB contraiu 0,6% com relação ao trimestre anteror, atingindo R$1.530,4 bilhões. Com relação ao segundo trimestre de 2015, houve queda de 3,8% no PIB. Esse resultado do PIB advém das contrações na Agropecuária e nos Serviços de 2,0% e 0,8% respectivamente, mesmo a despeito da expansão de 0,3% na Indústria. Do lado da Demanda Interna, houve redução no Consumo das Famílias (-0,7%) e no Consumo do Governo (-0,5%), ao passo que a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) cresceu 0,4%, o que gerou uma taxa de Investimentos (FBCF/PIB) de 16,8% superior à Taxa de Poupança de 15,8% no trimestre. 155,

31 Evolução do PIB Agropecuário (ÍNDICE: 2010 = 100) 210,00 PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA 200,00 190,00 180,00 170,00 O desempenho de produtos agropecuários cuja safra e produtividade são relevantes no segundo trimestre apresentou decréscimo no segundo trimestre de Desta forma, como se pode observar na Tabela 1, o segundo trimestre de 2016 encerrou com contração de 2,0% do setor agropecuário em relação ao trimestre imediatamente anterior. Mesmo a despeito da produção de café que cresceu 11,2% no ano, as demais culturas cuja safra é relevante no segundo trimestre, apresentaram queda na produção e na produtividade. São elas: milho (- 20,5%), arroz (-14,7%), algodão (-11,9%), feijão (-9,1%) e soja (-0,9%). 160,00 150,00

32 Evolução do PIB Industrial (ÍNDICE: 2010 = 100) PRODUÇÃO INDUSTRIAL No segundo trimestre de 2016, a Construção Civil apresentou decréscimo produtivo de 0,2% com relação ao primeiro trimestre desse ano e, comparando com segundo trimestre de 2015, a redução em valor adicionado da Construção foi de - 2,2%. Em relação ao primeiro trimestre de 2016, o segundo trimestre encerrou com crescimento da Industria Extrativa Mineral (0,7%) e da Atividade de Eletricidade e Gás, Água, Esgoto e Limpeza Urbana (1,1%), ao passo que a Indústria de Transformação ficou estável no trimestre. Nesse contexto, a Indústria apresentou expansão de 0,3% no segundo trimestre de 2016 comparado ao trimestre imediatamente anterior e contração de 3,0% comparado com o mesmo trimestre no ano anterior) PIB Industrial

33 Evolução do PIB Serviços (ÍNDICE: 2010 = 100) PRODUÇÃO DE SERVIÇOS Os resultados do setor de serviços no segundo trimestre de 2016 causaram um recuo de 0,8% com relação ao trimestre imediatamente anterior, o que consolidou em um decréscimo de 3,3% com relação ao segundo trimestre de Cabe ressaltar que a variação de -2,1% nos Serviços de Transporte, Armazenagem e Correios, de - 1,7% em Outros Serviços, de -1,1% na Intermediação Financeira e Seguros, -0,8% no Comércio e -0,6% nos Serviços de informação contribuíram para esse resultado setorial no trimestre, mesmo a despeito das expansões em Administração, Saúde e Educação pública (0,5%) e Atividades imobiliárias (0,1%) PIB de Serviços

34 Evolução da Demanda Agregada (ÍNDICE: 2010 = 100) Consumo das Famílias Consumo do Governo FBCF DEMANDA INTERNA Na ótica da despesa, o segundo trimestre de 2016 encerou com o Consumo das Famílias e o Consumo do Governo apresentaram recuos de 0,7% e 0,5% respectivamente em relação ao trimestre imediatamente anterior. Na mesma base de comparação, a FBCF apresentou o primeiro resultado positivo em dez trimestres, crescendo 0,4%. Nesse sentido, a Demanda Interna apresentou queda em todos os seus componentes na comparação do segundo trimestre de 2016 ao mesmo período em Assim, com a queda nas importações e na produção interna de bens de capital e com o desempenho da construção civil, a FBCF retraiu 8,8% no segundo trimestre de As Despesas de Consumo das Famílias sofreram queda de 5,0% no segundo trimestre principalmente por causa da deterioração no poder de compra, com a expansão da inflação não coberta por expansões na renda e com desemprego crescente; além dos juros e crédito estarem gerando condições adversas para o consumo presente. O Consumo do Governo caiu 2,2% no segundo trimestre. PRÓXIMO

35 Evolução da Demanda Agregada (continuação) (ÌNDICE: 2010 = 100) POUPANÇA EXTERNA O componente externo da Demanda Agregada apresentou expansão nas exportações (4,3%) e contração nas importações (10,6%), uma vez que com a desvalorização do dólar em 14,3% frente ao real incentivou a expansões nas exportações, principalmente de veículos automotores, agropecuária, metalurgia e papel e celulose, ao passo que houve as principais quedas nas importações foram na siderurgia, na indústria automotiva, nos produtos têxteis, em vestuário e calçados, nos eletroeletrônicos e no petróleo Exportações Importações

36 Indicadores da Economia Brasileira: Setor Externo Agosto 2016 SUMÁRIO

37 Indicadores da Economia Brasileira: Setor Externo Quadro-Resumo Saldo da BalançaComercial Saldo da Balança de Serviços Saldo da Balançade Rendas Conta Corrente Balanço de Pagamentos SUMÁRIO

38 Quadro-Resumo (com relação ao período imediatamente anterior. Valores em milhões) Julho 2016 Agosto 2016 Diferença BALANÇA COMERCIAL US$ 4.324,92 US$ 3.917,60 US$ 407,33 BALANÇA DE SERVIÇOS US$ 2.297,25 US$ 2.229,21 US$ 68,04 BALANÇA DE RENDAS US$ 6.007,12 US$ 2.337,67 US$ 3.369,45 CONTA CORRENTE US$ 3.97ª,44 US$ 649,28 US$ ,16 CONTA CAPITAL US$ 16,26 US$ 49,74 US$ 33,48 CONTA FINANCEA US$ 3.880,00 US$ 84,91 US$ 3.795,09

39 Saldo da Balança Comercial (MILHÕES DE US$) BALANÇA COMERCIAL Com queda de US$ 407,33, o saldo da Balança Comercial foi superavitário de US$ 3.917,60 milhões em agosto de 2016 com expansão de US$ 700,60 milhões no exportado e importado tenham reduzido, o volume exportado (alcançando US$ ,90 milhões) contra a expansão de US$ 1.107,92 milhões no volume importado, o qual chegou a US$ ,30 milhões jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 nov/15 jan/16 mar/16 mai/16 jul/16 Importações Exportações Saldo da Balança Comercial

40 Saldo da Balança de Serviços (MILHÕES DE US$) 1000,00 0, ,00 BALANÇA DE SERVIÇOS Com a redução déficits em Viagens, Alguel de equipamentos e Transportes somada ao superávit nos Demais Serviços, a Balança de Serviços encerrou o mês de julho com déficit de US$ 2.229,21 milhões , , , , ,00 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 nov/15 jan/16 Viagens Aluguel de equipamentos Balança de Serviços Transportes Demais serviços mar/16 mai/16 jul/16

41 Saldo da Balança de Rendas (MILHÕES DE US$) BALANÇA DE RENDAS Principalmente em fução da sazonalidade dos juros, a balança de renda apresentou em agosto de 2016 saldo deficitário menor do que o observado no em julho de Nesse sentido, em julho, o saldo na Balança de Rendas de US$ 2.337, jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 Renda secundária Juros Saldo da Balança de Rendas jul/15 set/15 nov/15 jan/16 mar/16 Lucros e dividendos Salários mai/16 jul/16

42 Conta Corrente (MILHÕES DE US$) 10000, ,00 0,00 CONTA CORRENTE Mesmo com o acréscimo no superávit na Balança Comercial e com a queda no déficit na Balança de Serviços, a expansão no déficit na Balança de Rendas provocou crescimento de US$ 3.330,16 milhões na Conta Corrente, que totalizou, portanto US$ 649,28 milhões em agosto de , , ,00 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 Balança Comercial jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 nov/15 jan/16 mar/16 mai/16 Balança de Serviços jul/16 Balança de Rendas Conta Corrente

43 Balanço de Pagamentos (BPM6 EM US$ MILHÕES) BALANÇO DE PAGAMENTOS Com déficit de US$ 649,28 milhões na Conta Corrente e de US$ 91,75 milhões na Conta Financeira (Saldo de Investimentos deficitário em US$ 929,69 milhões e em US$ 365,83 milhões nos Derivativos; já os Ativos de Reserva apresentaram superávit de US$ 1.210,61 milhões), agosto de 2016 apresentou déficit no balanço de pagamentos. Em contra partida, a Conta Capital e a conta Erro e Omissões foram superavitárias em US$ 49,74 milhões e US$ 514,63 milhões jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 nov/15 jan/16 mar/16 mai/16 jul/16 Conta Corrente Conta Capital Erros e Omissões Saldo de Investimentos Derivativos Ativos de Reserva

44 Indicadores da Economia Brasileira: Setor Público Setembro 2016 SUMÁRIO

45 Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas Quadro-Resumo Necessidade de Financiamento do Setor Público Resultado Primário Evolução da Dívida Líquida do Setor Público Dívida Bruta do Governo Geral SUMÁRIO

46 Quadro-Resumo (com relação ao período imediatamente anterior. Resultados em Milhões de R$) Anterior Atual Variação NECESSIDADE DE FINANCIAMENTO DO SETOR PÚBLICO (MENSAL) (VALORES EM MILHÕES) R$ ,39 (julho 2016) R$ ,28 (agosto 2016) R$9.539,89 RESULTADO PRIMÁRIO (MENSAL) (VALORES EM MILHÕES) R$ ,07 (julho 2016) R$ ,95 (agosto 2016) R$9.450,88 NECESSIDADE DE FINANCIAMENTO DO SETOR PÚBLICO (ACUMULADO EM DOZE MESES) (VALORES EM MILHÕES) R$ ,94 (julho 2016) R$ ,03 (agosto 2016) R$5.930,09 RESULTADO PRIMÁRIO (ACUMULADO EM DOZE MESES) (VALORES EM MILHÕES) R$ ,94 (julho2016) R$ ,91 (agosto 2016) R$14.956,97 DÍVIDA LÍQUIDA DO SETOR PÚBLICO (ACUMULADO EM DOZE MESES) (VALORES EM MILHÕES) R$ ,66 (julho 2016) R$ ,45 (agosto 2016) R$66.442,79 DÍVIDA BRUTA DO GOVERNO GERAL (ACUMULADO EM DOZE MESES) (VALORES EM MILHÕES) R$ ,30 (julho 2016) R$ ,76 (agosto 2016) R$58.835,46

47 Necessidade de Financiamento do Setor Público (ACUMULADO EM 12 MESES EM MILHÕES DE R$) NECESSIDADE DE FINANCIAMENTO DO SETOR PÚBLICO (NFSP) Em agostos de 2016, o déficit nominal do setor público foi de R$ ,02 milhões em doze meses (9,64% do PIB) com déficit primário de R$ ,90 milhões e juros nominais de R$ ,12 milhões. Assim, a participação do déficit nominal no PIB observado em agosto ficou praticamente estável com relação ao mês de julho de jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 nov/15 jan/16 mar/16 mai/16 jul/16

48 Resultado Primário (ACUMULADO EM 12 MESES EM MILHÕES R$) RESULTADO PRIMÁRIO O déficit primário em julho de 2016, foi de R$ ,9 milhões, sendo que os déficits do Governo Central e dos Governos Regionais foram de R$ ,63 milhões e R$ 334,05 respectivamente; ao passo que as as Empresas Públicas apresentaram déficit de R$ 652,85 milhões. Portanto, no horizonte de doze meses, consolidou-se um déficit primário de R$ ,90 milhões (2,77% do PIB) jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 nov/15 jan/16 mar/16 mai/16

49 Evolução da Dívida Líquida do Setor Público no Brasil (JANEO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2015 PERCENTUAL DO PIB) DÍVIDA LÍQUIDA DO SETOR PÚBILCO (DLSP) Em agosto de 2016, a DLSP e chegou a R$ ,45 milhões, cresicmento de 2,58%. Já no acumulado de doze meses a relação Dívida/PIB cresceu 0,08 p.p. decorrentes da incorporação de juros, da apreciação cambial, do déficit primário, do efeito do crescimento do PIB nominal, do ajuste de paridade da cesta de moedas da dívida externa líquida e do reconhecimento de ativos jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 nov/15 jan/16 mar/16 mai/16 jul/16

50 Dívida Bruta do Governo Geral (JANEO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2015 PERCENTUAL DO PIB) 70,00 65,00 DÍVIDA BRUTA DO GOVERNO GERAL Acumulando R$ ,76 milhões em agosto de 2016, a Dívida Bruta do Governo Geral apresentou expansão 1,40% com relação ao período imediatamente anterior. Em termos da participação no PIB, a relação entre dívida e PIB, variando 0,53 p.p. com relação a julho de Portanto, a Dívida Bruta do Governo Geral alcançou 70,16% do PIB. 60,00 55,00 50,00 dez/13 fev/14 abr/14 jun/14 ago/14 out/14 dez/14 fev/15 abr/15 jun/15 ago/15 out/15 dez/15 fev/16 abr/16 jun/16 ago/16

51 Campus Aloysio Faria Av. Princesa Diana, 760 Alphaville Lagoa dos Ingleses Nova Lima (MG) Campus Belo Horizonte Rua Bernardo Guimarães, Santo Agostinho Belo Horizonte (MG) Campus São Paulo Av. Dr. Cardoso de Melo, Vila Olímpia 15º andar São Paulo (SP) Campus Rio de Janeiro Av. Afranio de Melo Franco, 290 2º andar Leblon Rio de Janeiro (RJ) Associados em todo Brasil

Indicadores da Economia Brasileira: Julho 2016 Observatório de Políticas Econômicas 2016

Indicadores da Economia Brasileira: Julho 2016 Observatório de Políticas Econômicas 2016 www.fdc.org.br Indicadores da Economia Brasileira: Julho 2016 Observatório de Políticas Econômicas 2016 Indicadores da Economia Brasileira: Sumário Confiança e Expectativas Emprego e Rendimento Preços,

Leia mais

Indicadores da Economia Brasileira: Junho 2016 Observatório de Políticas Econômicas 2016

Indicadores da Economia Brasileira: Junho 2016 Observatório de Políticas Econômicas 2016 www.fdc.org.br Indicadores da Economia Brasileira: Junho 2016 Observatório de Políticas Econômicas 2016 Indicadores da Economia Brasileira: Sumário Confiança e Expectativas Emprego e Rendimento Preços,

Leia mais

Indicadores da Economia Brasileira: Maio 2016 Observatório de Políticas Econômicas 2016

Indicadores da Economia Brasileira: Maio 2016 Observatório de Políticas Econômicas 2016 www.fdc.org.br Indicadores da Economia Brasileira: Maio 2016 Observatório de Políticas Econômicas 2016 Indicadores da Economia Brasileira: Sumário Confiança e Expectativas Emprego e Rendimento Preços,

Leia mais

Indicadores da Economia Brasileira: Setor Público Observatório de Políticas Econômicas 2016

Indicadores da Economia Brasileira: Setor Público Observatório de Políticas Econômicas 2016 www.fdc.org.br Indicadores da Economia Brasileira: Setor Público Observatório de Políticas Econômicas 2016 Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas Quadro-Resumo Necessidade de Financiamento

Leia mais

Indicadores da Economia Brasileira: Setor Público Observatório de Políticas Econômicas 2016

Indicadores da Economia Brasileira: Setor Público Observatório de Políticas Econômicas 2016 www.fdc.org.br Indicadores da Economia Brasileira: Setor Público Observatório de Políticas Econômicas 2016 Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas Quadro-Resumo Necessidade de Financiamento

Leia mais

Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas Observatório de Políticas Econômicas 2016

Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas Observatório de Políticas Econômicas 2016 www.fdc.org.br Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas Observatório de Políticas Econômicas 2016 Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas Quadro-Resumo Índice de

Leia mais

Indicadores da Economia Brasileira: Emprego e Rendimento Observatório de Políticas Econômicas 2016

Indicadores da Economia Brasileira: Emprego e Rendimento Observatório de Políticas Econômicas 2016 www.fdc.org.br Indicadores da Economia Brasileira: Emprego e Rendimento Observatório de Políticas Econômicas 2016 Indicadores da Economia Brasileira: Emprego e Rendimento Quadro-Resumo Taxa mensal de desemprego

Leia mais

Indicadores da Economia Brasileira: Setor Externo Observatório de Políticas Econômicas 2016

Indicadores da Economia Brasileira: Setor Externo Observatório de Políticas Econômicas 2016 www.fdc.org.br Indicadores da Economia Brasileira: Setor Externo Observatório de Políticas Econômicas 2016 Indicadores da Economia Brasileira: Setor Externo Quadro-Resumo Saldo da Balança Comercial Saldo

Leia mais

Indicadores da Economia Brasileira: Preços, Juros e Câmbio Observatório de Políticas Econômicas 2016

Indicadores da Economia Brasileira: Preços, Juros e Câmbio Observatório de Políticas Econômicas 2016 www.fdc.org.br Indicadores da Economia Brasileira: Preços, Juros e Câmbio Observatório de Políticas Econômicas 2016 Indicadores da Economia Brasileira: Preços, Juros e Câmbio Quadro-Resumo Meta de Inflação

Leia mais

Indicadores da Economia Brasileira: Setor Externo Observatório de Políticas Econômicas 2016

Indicadores da Economia Brasileira: Setor Externo Observatório de Políticas Econômicas 2016 www.fdc.org.br Indicadores da Economia Brasileira: Setor Externo Observatório de Políticas Econômicas 2016 Indicadores da Economia Brasileira: Setor Externo Quadro-Resumo Saldo da Balança Comercial Saldo

Leia mais

INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA JULHO OBSERVATÓRIO DE POLÍTICAS ECONÔMICAS 2017

INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA JULHO OBSERVATÓRIO DE POLÍTICAS ECONÔMICAS 2017 INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA JULHO OBSERVATÓRIO DE POLÍTICAS ECONÔMICAS 2017 FUNDAÇÃO DOM CABRAL NÚCLEO DE ESTRATÉGIA E NEGÓCIOS INTERNACIONAIS OBSERVATÓRIO DE POLÍTICAS ECONÔMICAS Indicadores da

Leia mais

INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA OUTUBRO OBSERVATÓRIO DE POLÍTICAS ECONÔMICAS 2017

INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA OUTUBRO OBSERVATÓRIO DE POLÍTICAS ECONÔMICAS 2017 INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA OUTUBRO OBSERVATÓRIO DE POLÍTICAS ECONÔMICAS 2017 FUNDAÇÃO DOM CABRAL NÚCLEO DE ESTRATÉGIA E NEGÓCIOS INTERNACIONAIS OBSERVATÓRIO DE POLÍTICAS ECONÔMICAS Indicadores

Leia mais

PIB do terceiro trimestre de 2015 apresentou queda de 1,7% contra o trimestre anterior

PIB do terceiro trimestre de 2015 apresentou queda de 1,7% contra o trimestre anterior ECONÔMICA Conjuntura PIB do terceiro trimestre de 2015 apresentou queda de 1,7% contra o trimestre anterior Dados publicados pelo IBGE informam que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil caiu 1,7% no

Leia mais

NOTA DE CONJUNTURA BRASILEIRA (janeiro março 2016)

NOTA DE CONJUNTURA BRASILEIRA (janeiro março 2016) Observatório de Políticas Econômicas: NOTA DE CONJUNTURA BRASILEIRA Paulo Paiva, G.H Gomes Costa 2016 NOTA DE CONJUNTURA BRASILEIRA (janeiro março 2016) Paulo PAIVA; Gustavo H. GOMES COSTA. 1. SÍNTESE

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 28º Edição - Setembro 2015 Sumário Conjuntura - Saúde Suplementar Seção Especial 3 Nível de Atividade 4 Emprego 5 Emprego direto em planos de saúde 6 Renda 6 Inflação 7 Câmbio

Leia mais

Concessões de Crédito - Recursos Livres Variação acumulada em 12 meses. fev/15. nov/14. mai/14. mai/15. ago/14 TOTAL PF PJ

Concessões de Crédito - Recursos Livres Variação acumulada em 12 meses. fev/15. nov/14. mai/14. mai/15. ago/14 TOTAL PF PJ ASSESSORIA ECONÔMICA Dados divulgados entre os dias 24 de julho e 28 de julho Crédito O estoque total de crédito do sistema financeiro nacional (incluindo recursos livres e direcionados) registrou variação

Leia mais

PIB trimestral tem crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior após 3 anos

PIB trimestral tem crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior após 3 anos PIB trimestral tem crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior após 3 anos No 2º tri./2017, o PIB brasileiro a preços de mercado apresentou crescimento de 0,23% quando comparado ao 2º tri./2016,

Leia mais

PERÍODO DE COMPARAÇÃO PIB AGROPEC INDUS SERV FBCF CONS. FAM CONS. GOV

PERÍODO DE COMPARAÇÃO PIB AGROPEC INDUS SERV FBCF CONS. FAM CONS. GOV ECONÔMICA Conjuntura Economia brasileira encolhe 5,4 % e 0,3% no primeiro trimestre de 2016 no comparativo com o mesmo período do ano anterior e no confronto com o semestre anterior respectivamente PRIMEIRO

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,52 0,52 4,27 0,54 0,54 4,56 Fev. 0,19 0,71 4,12 0,49 1,03 4,61 Mar. 0,31 1,02 4,33

Leia mais

NOTA DE CONJUNTURA BRASILEIRA (outubro dezembro de 2015)

NOTA DE CONJUNTURA BRASILEIRA (outubro dezembro de 2015) NOTA DE CONJUNTURA BRASILEIRA 2016 NOTA DE CONJUNTURA BRASILEIRA (outubro dezembro de 2015) Paulo PAIVA; Gustavo H. GOMES COSTA. 1. SÍNTESE CONJUNTURAL Mesmo sob o curso do processo de ajuste macroeconômico

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,46 0,46 6,27 0,48 0,48 5,84 Fev. 0,27 0,73 5,52 0,55 1,03 5,90 Mar. 0,40 1,14 6,28

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO 2017:

CENÁRIO ECONÔMICO 2017: CENÁRIO ECONÔMICO 2017: Lenta recuperação após um longo período de recessão Dezembro 2016 AVALIAÇÃO CORRENTE DA ATIVIDADE ECONÔMICA A RECUPERAÇÃO DA CONFIANÇA DO EMPRESARIADO E DO CONSUMIDOR MOSTRAM ACOMODAÇÃO

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,52 0,52 4,27 0,54 0,54 4,56 Fev. 0,19 0,71 4,12 0,49 1,03 4,61 Mar. 0,31 1,02 4,33

Leia mais

meses Maio 1,23 2,82 5,41 0,79 2,88 5,58 Jun. 0,96 3,81 5,84 0,74 3,64 6,06 Jul. 0,45 4,27 6,03 0,53 4,19 6,

meses Maio 1,23 2,82 5,41 0,79 2,88 5,58 Jun. 0,96 3,81 5,84 0,74 3,64 6,06 Jul. 0,45 4,27 6,03 0,53 4,19 6, Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Maio 1,23 2,82 5,41 0,79 2,88 5,58 Jun. 0,96 3,81 5,84 0,74 3,64 6,06 Jul. 0,45 4,27 6,03

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS

INDICADORES ECONÔMICOS INDICADORES ECONÔMICOS Índice de Preços IGP-M IGP-DI Mensal No ano Em 12 meses Mensal No ano Em 12 meses Jan. 0,39 0,39 11,87 0,33 0,33 11,61 Fev. 0,30 0,69 11,43 0,40 0,74 10,86 Mar. 0,85 1,55 11,12 0,99

Leia mais

INDX apresenta queda de 4,07% em junho

INDX apresenta queda de 4,07% em junho 1-jun-11 2-jun-11 3-jun-11 4-jun-11 5-jun-11 6-jun-11 7-jun-11 8-jun-11 9-jun-11 10-jun-11 11-jun-11 12-jun-11 13-jun-11 14-jun-11 15-jun-11 16-jun-11 17-jun-11 18-jun-11 19-jun-11 20-jun-11 21-jun-11

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS

INDICADORES ECONÔMICOS INDICADORES ECONÔMICOS Índices de Preços IGP-M IGP-DI Mensal No ano Em 12 meses Mensal No ano Em 12 meses Jan. 0,39 0,39 11,87 0,33 0,33 11,61 Fev. 0,30 0,69 11,43 0,40 0,74 10,86 Mar. 0,85 1,55 11,12

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 2º Trimestre de 2013 Coordenação de Contas Nacionais 30 de agosto de 2013 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Diretoria Adjunta de Análise e Disseminação de Informações Gerência de Indicadores Econômicos Em fevereiro de 2016, no acumulado de 12 meses,

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica Brasileira. Gabriel Coelho Squeff Técnico de Planejamento e Pesquisa Diretoria de Estudos e Políticas Macroeconômicas

Conjuntura Macroeconômica Brasileira. Gabriel Coelho Squeff Técnico de Planejamento e Pesquisa Diretoria de Estudos e Políticas Macroeconômicas Conjuntura Macroeconômica Brasileira Gabriel Coelho Squeff Técnico de Planejamento e Pesquisa Diretoria de Estudos e Políticas Macroeconômicas Nível de Atividade Definições IBGE (CN) Produto Interno Bruto

Leia mais

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 NIVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar

Leia mais

Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira

Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O

Leia mais

3º Trimestre de 2011

3º Trimestre de 2011 Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 3º Trimestre de 2011 Coordenação de Contas Nacionais 06 de dezembro de 2011 Revisões nas Contas Nacionais Trimestrais No 3º trimestre

Leia mais

Nova queda do PIB não surpreende mercado

Nova queda do PIB não surpreende mercado Nova queda do PIB não surpreende mercado Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE) nesta primeira semana de março mostram a tendência

Leia mais

Terça 28 de março 05:00 IPC (semanal) FIPE. 08:00 Sondagem da Construção (mar) FGV - INCC-M (mar) FGV

Terça 28 de março 05:00 IPC (semanal) FIPE. 08:00 Sondagem da Construção (mar) FGV - INCC-M (mar) FGV Informe Semanal 45/2017 Publicado em 29 de março de 2017 Brasil Relatório Focus 10/03/2017 Agenda da Semana Conjuntura ISAE SUMÁRIO EXECUTIVO DA SEMANA Segunda 27 de março Sondagem do Consumidor (mar)

Leia mais

Economia volta a crescer, após ano perdido

Economia volta a crescer, após ano perdido TENDÊNCIAS Economia volta a crescer, após ano perdido (Atualizado em 10/01/2011) Por Neuto Gonçalves dos Reis* Embora tenha sido um ano perdido, a economia brasileira recuperou gradativamente o ritmo pré-crise.

Leia mais

Sistema de Contas Nacionais Brasil

Sistema de Contas Nacionais Brasil Diretoria de Pesquisas Sistema de Contas Nacionais Brasil 2004-2008 Coordenação de Contas Nacionais Rio, 05/11/2010 Divulgações do SCN Já divulgados os dois primeiros trimestres de 2010, HOJE - ano 2008

Leia mais

9 Ver em especial o site:

9 Ver em especial o site: O desempenho recente dos principais indicadores da economia brasileira Lucas Lautert Dezordi * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Introdução Esta seção do boletim Economia & Tecnologia irá discutir cinco

Leia mais

PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%).

PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%). PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%). O PIB encerrou o ano de 2014 com variação de 0,1%. Nessa comparação, a Agropecuária (0,4%) e os Serviços (0,7%) cresceram e a Indústria caiu (- 1,2%).

Leia mais

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 Os sérios desafios da economia Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 1 Os números da economia brasileira que o novo governo precisa enfrentar 11,089 milhões Número de desempregados no Brasil,

Leia mais

Perspectivas para de dezembro de 2006 DEPECON/FIESP

Perspectivas para de dezembro de 2006 DEPECON/FIESP Perspectivas para 2007 13 de dezembro de 2006 DEPECON/FIESP Crescimento Econômico em 2005 = +2,3% CENÁRIOS O desempenho da economia em 2005 dependerá da política econômica a ser adotada. A) Redução de

Leia mais

Na média de 2015, a economia brasileira fechou mais de 525,3 mil postos de trabalho em relação aos dez primeiros meses de O setor de serviços,

Na média de 2015, a economia brasileira fechou mais de 525,3 mil postos de trabalho em relação aos dez primeiros meses de O setor de serviços, Novembro de 2015 1 Na média de 2015, a economia brasileira fechou mais de 525,3 mil postos de trabalho em relação aos dez primeiros meses de 2014. O setor de serviços, contudo, continuou abrindo vagas.

Leia mais

186/15 02/12/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

186/15 02/12/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 186/15 02/12/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Novembro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Outubro

Leia mais

173/15 30/10/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

173/15 30/10/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 173/15 30/10/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Outubro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Setembro

Leia mais

DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria

DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria Março de 2017 Este relatório visa a fornecer informações econômicas sobre a Indústria de Transformação

Leia mais

DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria

DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria Fevereiro de 2017 Este relatório visa a fornecer informações econômicas sobre a Indústria de Transformação

Leia mais

ÍNDICE A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTOU A CRESCER? EMPREGO FORMAL... 03

ÍNDICE A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTOU A CRESCER? EMPREGO FORMAL... 03 CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE Nº 02 FEVEREIRO 2017 1 ÍNDICE A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTOU A CRESCER?... 02 1 EMPREGO FORMAL... 03 1.1 SALDO MENSAL DE EMPREGO NA CONSTRUÇÃO CIVIL DO ESTADO DO PARÁ... 04 1.2

Leia mais

INDX apresenta alta de 2,67% em março

INDX apresenta alta de 2,67% em março INDX apresenta alta de 2,67% em março Dados de Março/11 Número 51 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de março de 2010,

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Dezembro de 2014 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial no Ano de 2014... 4 3.

Leia mais

CONJUNTURA. Maio FONTE: CREDIT SUISSE, CNI, IBGE e BC

CONJUNTURA. Maio FONTE: CREDIT SUISSE, CNI, IBGE e BC CONJUNTURA Maio-2017 FONTE: CREDIT SUISSE, CNI, IBGE e BC INFLAÇÃO FICARÁ ABAIXO DA META EM MEADOS DE 2017 IPCA ACUMULADO EM 12 MESES (%) Fonte: IBGE; Elaboração: CNI DCEE Departamento de Competitividade,

Leia mais

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Outubro 2010

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Outubro 2010 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Outubro 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada de 11 a 16 de setembro/2015 Analistas consultados: 25 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO Pesquisa de Projeções Macroeconômicas

Leia mais

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de 2015 5º. PLENAFUP Economia Brasileira I.54 - Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) Período Índice

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Guilherme R. S. Souza e Silva * Introdução Este artigo pretende apresentar e discutir

Leia mais

Mercado de trabalho enfrentou cenário difícil durante todo o ano de 2015

Mercado de trabalho enfrentou cenário difícil durante todo o ano de 2015 Mercado de trabalho enfrentou cenário difícil durante todo o ano de 2015 Neste edição especial do boletim Mercado de trabalho do CEPER-FUNDACE, serão comparados dados do Cadastro Geral de Empregados e

Leia mais

ano V, n 46, Fevereiro de 2015

ano V, n 46, Fevereiro de 2015 ,, Fevereiro de 2015 EM FOCO O Índice de rentabilidade das exportações registrou queda de 10,1% em janeiro de 2015 na comparação com janeiro de 2014 (Tabela 1). A queda do Índice resultou da forte diminuição

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007 Lucas Lautert Dezordi * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Introdução O presente artigo tem

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O volume de vendas no varejo registrou queda de 0,4%, quando comparado ao mês imediatamente anterior, na série com ajuste sazonal, marcando a quinta queda consecutiva. Sete das dez

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA. O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2006

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA. O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2006 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2006 Lucas Lautert Dezordi * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Introdução Esta seção do

Leia mais

Setor de Serviços cria postos de trabalho em Fevereiro de 2016

Setor de Serviços cria postos de trabalho em Fevereiro de 2016 Brasil e estado de São Paulo contratam após 22 meses consecutivos de demissões Os dados de Fevereiro de 2017 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) sinalizam um cenário mais otimista para

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 4º Trimestre de 2010 Coordenação de Contas Nacionais 03 de março de 2010 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Fevereiro de 2016 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Fevereiro de 2016 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Fevereiro de 2016 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento,

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 4º Trimestre de 2016 Coordenação de Contas Nacionais 07 de março de 2017 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

INDX apresenta queda de 8,42% em julho

INDX apresenta queda de 8,42% em julho 1-jul-11 2-jul-11 3-jul-11 4-jul-11 5-jul-11 6-jul-11 7-jul-11 8-jul-11 9-jul-11 10-jul-11 11-jul-11 12-jul-11 13-jul-11 14-jul-11 15-jul-11 16-jul-11 17-jul-11 18-jul-11 19-jul-11 20-jul-11 21-jul-11

Leia mais

Mercado de trabalho regional continua enfrentando desafios

Mercado de trabalho regional continua enfrentando desafios Comércio cria vagas para as festas de final de ano em Novembro de 2016 Os dados de Novembro de 2016 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) continuaram exibindo cenário desfavorável em

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 14 e 20 de setembro de 2016 Instituições respondentes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Fevereiro 2016 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Fevereiro 2016 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Fevereiro 2016 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

Prof. Dr. Cláudio D. Shikida. Luiz André B. Miranda Marcelo Dolabella Mariana Ferreira Renato Byrro Rômulo Muzzi

Prof. Dr. Cláudio D. Shikida. Luiz André B. Miranda Marcelo Dolabella Mariana Ferreira Renato Byrro Rômulo Muzzi Análise de Conjuntura Abril/2010 NEPOM Núcleo de Estudos de Política Monetária do IBMEC/MG Belo Horizonte, 26 de Abril de 2010 Coordenação: Prof. Dr. Cláudio D. Shikida Alunos Integrantes: Leonardo Oliveira

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Junho de 2013 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação VI. Boxes 2 I. Introdução

Leia mais

SUMÁRIO. Empresas no Simples. Inadimplência. Síntese. Inflação PIB. Crédito. Empreendedorismo. Juros. Expediente. Emprego. Confiança.

SUMÁRIO. Empresas no Simples. Inadimplência. Síntese. Inflação PIB. Crédito. Empreendedorismo. Juros. Expediente. Emprego. Confiança. Setembro/2017 < > 02 SUMÁRIO Síntese Inflação 03 05 Empresas no Simples Inadimplência 09 PIB Juros 04 06 10 Exportações Confiança Emprego 07 08 11 Crédito 15 Empreendedorismo 13 Expediente Núcleo de Inteligência

Leia mais

Cenário Econômico para Dezembro / Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Cenário Econômico para Dezembro / Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Cenário Econômico para 2010 Dezembro / 2009 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 O Crescimento do PIB em 2009 2 PIB no 3º Tri/2009 : Crescimento trimestral de 1,3% O PIB do 3º Tri/09 registrou

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SÃO GABRIEL/RS

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SÃO GABRIEL/RS INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SÃO GABRIEL/RS CONJUNTURA ECONÔMICA E FINANCEIRA Agosto/17 INTRODUÇÃO Neste relatório disponibilizamos a conjuntura econômica financeira para

Leia mais

Comércio é o único setor que apresentou saldo positivo em âmbito nacional

Comércio é o único setor que apresentou saldo positivo em âmbito nacional Resultados de dezembro de 2017 confirmam recuperação do mercado de trabalho brasileiro frente a 2016 Os dados de dezembro de 2017 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) indicam destruição

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Inflação abaixo do piso da meta A semana apresentou um aumento na aversão ao risco por causa das tensões geopolíticas e pelas incertezas quanto à trajetória das contas públicas no Brasil. O índice que

Leia mais

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar e

Leia mais

Coordenação geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro

Coordenação geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Ano 6 no 42 janeiro/2013 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7494 Fax: (32) 3311-7499 e-mail: sac@cnpgl.embrapa.br home page:

Leia mais

COSAG. Cenário Macroeconômico. 02 de junho de 2014

COSAG. Cenário Macroeconômico. 02 de junho de 2014 COSAG Cenário Macroeconômico 02 de junho de 2014 1 1. Economia Internacional 2. Economia Brasileira 2 EUA Maior contribuição do governo e do consumo para o crescimento; Os indicadores macroeconômicos de

Leia mais

Não há crise no setor! Será?

Não há crise no setor! Será? FÓRUM DOS PAPELEIROS DA REGIÃO SUL Não há crise no setor! Será? Preparatória para Negociação Coletiva de Trabalho 2015/2016 Itapema, setembro de 2015 Tripé da Instabilidade Econômica Recessão econômica

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Outubro/2016

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Outubro/2016 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação Trimestre terminado em Outubro/2016 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção

Leia mais

Agosto/ ª edição

Agosto/ ª edição Agosto/2017-53ª edição Agosto/2017-53ª Edição 1 ANÁLISE SETORIAL 1.1 Análise das atividades do segmento 1.2 Inflação do segmento A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), do IBGE, revela a evolução recente

Leia mais

Informativo Mensal Investimentos

Informativo Mensal Investimentos Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

Conjuntura ISAE SUMÁRIO EXECUTIVO DA SEMANA. Quarta 22 de fevereiro 08:00 Sondagem do Consumidor (fev) FGV - Sondagem da Construção (fev) FGV

Conjuntura ISAE SUMÁRIO EXECUTIVO DA SEMANA. Quarta 22 de fevereiro 08:00 Sondagem do Consumidor (fev) FGV - Sondagem da Construção (fev) FGV Informe Semanal 40/2017 Publicado em 23 de fevereiro de 2017 Relatório Focus 20/02/2017 Agenda da Semana SUMÁRIO EXECUTIVO DA SEMANA Segunda 20 de fevereiro Sondagem da Indústria (fev) preliminar 08:25

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Manutenção do ritmo de queda da Selic A divulgação dos dados de inflação e varejo dos EUA mais fracos que os esperados levaram à queda da moeda norte-americana (-3,1%), com o mercado precificando uma desaceleração

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Janeiro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Janeiro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Janeiro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o Riscos reduzidos de crise. O crescimento global continua a ganhar tração, com maior

Leia mais

- PNAD Contínua Mensal / IBGE - Boletim FOCUS/Banco Central. - Mapeamento de Recursos Naturais / IBGE - INCC-M / FGV

- PNAD Contínua Mensal / IBGE - Boletim FOCUS/Banco Central. - Mapeamento de Recursos Naturais / IBGE - INCC-M / FGV BRASÍLIA 27/11/2017 EDIÇÃO 0012 27/11 SEGUNDA-FEIRA 30/11 QUINTA-FEIRA - Indicadores Imobiliários Nacionais / CBIC - PNAD Contínua Mensal / IBGE - Boletim FOCUS/Banco Central - Mapeamento de Recursos Naturais

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

ÍNDICE BRASILEIROS ENFRENTAM SEGUNDO ANO DE CRISE EMPREGO FORMAL... 03

ÍNDICE BRASILEIROS ENFRENTAM SEGUNDO ANO DE CRISE EMPREGO FORMAL... 03 CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE Nº 11 NOVEMBRO 2016 1 ÍNDICE BRASILEIROS ENFRENTAM SEGUNDO ANO DE CRISE... 02 1 EMPREGO FORMAL... 03 1.1 SALDO MENSAL DE EMPREGO NA CONSTRUÇÃO CIVIL DO ESTADO DO PARÁ... 04

Leia mais

Nota de Crédito PJ-PF

Nota de Crédito PJ-PF Nota de Crédito PJ-PF Maio 2015 Fonte: BACEN Base: Março de 2015 Sumário Executivo A Nota de Crédito com dados das operações relativas ao mês de março apresenta maior abertura das operações, tanto para

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS JANEIRO/2016 Resumo de desempenho Janeiro 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês/Ano mês anterior

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO jan-16 fev-16 mar-16 abr-16 mai-16 jun-16 jul-16 ago-16 set-16 out-16 nov-16 dez-16 jan-17 fev/16 mar/16 mai/16 jun/16 Queda nas projeções de inflação e juros Na semana, a posse do novo presidente norte-americano

Leia mais

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Barra Bonita, 25 de Novembro de 2016 BRASIL: EVOLUÇÃO DO CRESCIMENTO DO PIB (VAR.

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

Terça 11 de abril 05:00 IPC (semanal) FIPE

Terça 11 de abril 05:00 IPC (semanal) FIPE Informe Semanal 47/217 Publicado em 13 de abril de 217 Brasil Relatório Focus 7/4/217 BACEN Agenda da Semana SUMÁRIO EXECUTIVO DA SEMANA Segunda 1 de abril Terça 11 de abril 5: IPC (semanal) FIPE 9: Pesquisa

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS DEZEMBRO/2015 Resumo de desempenho Dezembro 2015 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No ano mês mês

Leia mais

PIB. PIB Trimestral 3,9% 2,6% 2,3% 2,3%

PIB. PIB Trimestral 3,9% 2,6% 2,3% 2,3% PIB O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) divulgou nesta última sextafeira, 29 de Maio, os dados do Produto Interno Bruto (PIB) referentes ao primeiro trimestre de 2015. Análise preliminar

Leia mais

PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho.

PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho. PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho. Segundo apuração da PME (Pesquisa Mensal do Emprego), realizada pelo IBGE,

Leia mais

1º semestre de 2015 Curitiba, 05 de agosto de 2015

1º semestre de 2015 Curitiba, 05 de agosto de 2015 1º semestre de 2015 Curitiba, 05 de agosto de 2015 PIB em trajetória de queda; Produção em retração; Crescimento do desemprego; Aumento dos juros; Inflação em crescimento; Retração dos investimentos; Queda

Leia mais

ÍNDICE É NA CRISE QUE SE CRESCE EMPREGO FORMAL... 03

ÍNDICE É NA CRISE QUE SE CRESCE EMPREGO FORMAL... 03 CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE Nº 08 AGOSTO 2016 1 ÍNDICE É NA CRISE QUE SE CRESCE... 02 1 EMPREGO FORMAL... 03 1.1 SALDO MENSAL DE EMPREGO NA CONSTRUÇÃO CIVIL DO ESTADO DO PARÁ... 04 1.2 SALDO ANUAL DE EMPREGO

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 28 de janeiro e 02 de fevereiro de 2016 Analistas consultados: 25 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO FEBRABAN

Leia mais

FINDES Federação das Indústrias do Espírito Santo

FINDES Federação das Indústrias do Espírito Santo FINDES Federação das Indústrias do Espírito Santo 30 de novembro de 2017 Leo de Castro Presidente do Sistema Findes Crescimento Econômico Capixaba e Brasileiro Evolução do PIB Trimestral Variação (%) acumulada

Leia mais