Versão A. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Versão A. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta"

Transcrição

1 Versão A Grupo I (10 x 3 = 30 Assinala a alternativa correta 1.A filosofia não é uma ciência: a) Porque a filosofia consiste na procura do conhecimento factual. b) Porque os problemas e métodos da filosofia são diferentes dos da ciência. c) Porque a filosofia baseia-se na razão e as ciências unicamente na experiência empírica. d) Porque a experiência é a única fonte de conhecimento. 2.O discurso filosófico é sobretudo um discurso: a) Demonstrativo b) Argumentativo c) Científico d) Racional 3 Ao colocarem em questão muitas das nossas principais convicções, os filósofos pretendem: a) Mostrar que eles é que têm a resposta. b) Que essas convicções sejam criticamente examinadas. c) Manifestar o seu desprezo pelo saber do senso comum. d) Separar a filosofia da religião. 4. Em filosofia ser autónomo significa: a) Não aceitar como verdadeiras quaisquer ideias que não as suas b) Assumir-se como sábio c) Guiar-se pelo próprio pensamento d) Dominar a arte de bem falar 5.A Axiologia estuda: a) O homem e a humanidade. b) Os valores e a experiência valorativa. c) A ação e a sua natureza. d) Os problemas relativos ao ser e à existência 6.Um problema é empírico quando: a) Basta o pensamento para o resolver. b) Não há experiência que o possa resolver. c) Basta a experiência para o resolver. d) A experiência é necessária para o resolver

2 7. Os três instrumentos lógicos do pensamento são: a) Raciocínios, argumentos e conceitos. b) Conceitos, argumentos e termos. c) Raciocínios, conceitos e juízos d) Nenhuma das opções anteriores 8. Declaramos aquilo que julgamos ser verdadeiro por meio de a) Argumentos b) Premissas c) Proposições d) Teorias 9. A negação da proposição Se Deus não existir, então a vida não tem sentido é: a) Deus não existe, mas a vida tem sentido b) Se Deus existir, então a vida não tem sentido c) A vida tem sentido, e Deus não existe d) As alíneas a) e c) são ambas negações da proposição 10. A negação da proposição Nem todos os homens são ricos é: a) Nenhum homem é rico. b) Alguns homens são ricos. c) Alguns homens não são ricos d) Todos os homens são ricos. Grupo II (70 1-questões filosóficas e não filosóficas (5 X 2 = 10 PONTOS) F NF Pontos 1 O que é agir bem? X 2 Será que podemos ter livre-arbítrio num mundo X determinado? 3 Quem foi Robespierre? X 4 Haverá algum sistema político justo? X 5 Em que ano foi o terramoto em Lisboa X TOTAL 2- Proposição e não proposição (5 X 2 = 10 PONTOS) P N P 1 Porquê? X 2 Compra-me, por favor, um cd X 3 Amanhã, está prometido, vou passear X 4 2+2=4 X 5 Ronaldo é espantoso! X TOTAL Pontos

3 3- Coloca as proposições na forma canónica e nega-as (5 X 4 = 20 PONTOS) Proposições Forma canónica Negação 1 As sereias não são reais Nenhuma sereia é real Algumas sereias são reais 2 Todos os homens morrem Todos os homens são mortais Alguns homens não são mortais 3 A virtude dignifica Toda a virtude é dignificante Alguma virtude não é dignificante 4 Existem milionários Algumas pessoas são milionárias Nenhuma pessoa é milionária 5 Nenhum poeta exerce Nenhum poeta é advogado Algum poeta é advogado advogacia 4- Caracteriza os problemas filosóficos (15 Forma: (1,5 Conteúdo: (13,5 São gerais e abstratos (1,5), isto é, são problemas englobantes que ultrapassam os limites espácio-temporais (2) (3,5 São conceptuais (1,5), isto é, são problemas teóricos acerca do sentido e do valor de determinadas realidades (conhecimento, ação, religião) (2) (3,5 São problemas quem, em princípio interessam a toda a humanidade (1), na medida em que dizem a respeito a questões existenciais (2) (questões sobre o sentido da existência) (3 Não podem ser respondidos pela observação ou experiência (1,5), isto é, só podem ser respondidos pelo pensamento, através da análise conceptual e da argumentação racional (2) (3,5 5- Se ninguém souber se uma proposição é verdadeira ou falsa, então ela não tem um valor de verdade. Mas então não é uma proposição. Concordas? Justifica a tua resposta (15 Forma: (1,5 Conteúdo: (13,5 Não concordo com a afirmação (1,5 porque:

4 O valor de verdade é uma propriedade das proposições resultante da sua adequação (ou não) a uma determinada realidade (física, conceptual, etc.). (6 Logo, o valor de verdade de uma proposição é independente de alguém saber qual é esse valor de verdade (6 Grupo III ( Analise o texto seguinte, explicitando o problema filosófico de que trata; a tese que o autor defende, e os argumentos apresentados (pelo menos dois) para defender a tese. (40 Tenho vindo a dizê-lo repetidas vezes: trata-se de uma mera vingança da sociedade, mas não traz qualquer solução para os problemas sociais e económicos que levam ao crime. Daí que considere que é inaceitável a pena de morte. De facto, uma tal penalização em nada repara o sofrimento da vida ou da família; em nada serve de castigo exemplar, pois, se o fosse, bastava ter havido um só executado; em nada segue o exemplo dos países civilizados em que tem sido transformado em prisão perpétua sem que isso represente um aumento das respectivas taxas de criminalidade; em nada reduz o direito da sociedade, pois se não foi ela que deu vida ao criminoso, também não é ela que tem o direito de lha tirar Manifesto anónimo Forma: (4 Conteúdo: (36 Problema filosófico: a pena de morte é moralmente aceitável? (5 Tese do autor: a pena de morte é moralmente inaceitável (5 Argumentos (bastava dois): 1- o Se a pena de morte é aceitável, é porque repara a vida e o sofrimento da família (4 o A pena de morte não repara a vida e o sofrimento da família, já que não pode restituir a situação anterior (6 A pena de morte não é aceitável (3

5 2- o Se a pena de morte é aceitável, é porque constitui um castigo exemplar em que, basta uma execução para prevenir mais crimes (4 o Mas já ocorreu mais do que uma execução, pelo que a pena de morte não tem sido um castigo exemplar na prevenção de crimes (6 3- A pena de morte não é aceitável (3 o Se a anulação da pena de morte não retirar nenhum direito à sociedade, então é aceitável (4 o A anulação da pena de morte não retira nenhum direito à sociedade porque a sociedade não tem nenhum direito sobre a vida porque não foi ela que deu a vida (6 A anulação da pena de morte é aceitável ( Discute a posição do autor através de um argumento que se lhe oponha. (20 Forma: Conteúdo: (18 A fazer pelos alunos o Se a anulação da pena de morte não retirar nenhum direito à sociedade, então é aceitável (4 o A anulação da pena de morte retira direitos à sociedade porque a sociedade tem um direito sobre a vida das pessoas, porque é na sociedade que as pessoas são concebidas, nascem crescem e são educadas. Devendo-lhe tudo (11 A anulação da pena de morte não é aceitável (3 2. Há quem diga que se a filosofia não serve para nada então não tem valor. Discuta esta posição argumentando acerca do possível valor da filosofia para quem a pratica (40

6 Forma: (4 Conteúdo: (36 o A filosofia promove uma atitude crítica, isto é, de não-aceitação passiva das ideias/crenças. Qualquer ideia/crença tem de ser sempre avaliada nos seus fundamentos (razões) para verificar se é verdadeira ou falsa. (9 o A filosofia promove a nossa autonomia/independência mental, isto é, exige que ao criticarmos as ideias exige que pensemos por nós mesmos sobre os assuntos, e que tomemos uma posição fundamentada (apoiada em razões) sobre os mesmos. (9 o A filosofia promove nossa autoconfiança/responsabilidade, na medida em que após o exame crítico e autónomo das ideias/crenças estaremos mais confiantes em que as ideias, as nossas ou as alheias, são verdadeiras ou falsas e que merecem ser aceites ou não. (9 o Por último a filosofia desenvolve as capacidades argumentativas e comunicativas: em filosofia aprende-se a avaliar e a discutir com rigor e coerência os problemas e argumentos, e a formular os nossos próprios argumentos e a comunicá-los (9 Nome Nº Turma

Versão B. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta

Versão B. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta Versão B Grupo I (10 x 3 = 30 Assinala a alternativa correta 1.Dizer que a filosofia é uma atividade reflexiva é afirmar que: a) A filosofia é um saber puramente racional. b) A filosofia é um método puramente

Leia mais

Objetividade e diálogo de culturas. A professora M. Clara Gomes

Objetividade e diálogo de culturas. A professora M. Clara Gomes Objetividade e diálogo de culturas A professora M. Clara Gomes A questão dos critérios valorativos levanta o problema da natureza dos juízos morais. O Subjetivismo moral é teoria que defende que os juízos

Leia mais

Curso Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias Filosofia - 11º A

Curso Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias Filosofia - 11º A Curso Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias 2011-2012 Filosofia - 11º A Silogismo 12/10/11 Silogismo categórico Premissa maior Todo o gato é mamífero Premissa menor Os siameses são gatos Conclusão

Leia mais

Resumo de Filosofia. Preposição frase declarativa com um certo valor de verdade

Resumo de Filosofia. Preposição frase declarativa com um certo valor de verdade Resumo de Filosofia Capítulo I Argumentação e Lógica Formal Validade e Verdade O que é um argumento? Um argumento é um conjunto de proposições em que se pretende justificar ou defender uma delas, a conclusão,

Leia mais

Lógica Proposicional. 1- O que é o Modus Ponens?

Lógica Proposicional. 1- O que é o Modus Ponens? 1- O que é o Modus Ponens? Lógica Proposicional R: é uma forma de inferência válida a partir de duas premissas, na qual se se afirma o antecedente do condicional da 1ª premissa, pode-se concluir o seu

Leia mais

Autor: Francisco Cubal Disponibilizado apenas para Resumos.tk

Autor: Francisco Cubal Disponibilizado apenas para Resumos.tk Conceito e Finalidade da Lógica Existem variados conceitos do que é a Lógica. Conceitos: A lógica é o estudo das inferências ou argumentos válidos. A lógica é o estudo do que conta como uma boa razão para

Leia mais

Filosofia 10º Ano Ano letivo de 2015/2016 PLANIFICAÇÃO

Filosofia 10º Ano Ano letivo de 2015/2016 PLANIFICAÇÃO I Iniciação à Atividade Filosófica 1. Abordagem introdutória à filosofia e ao filosofar PERCURSOS 10.º ANO Competências a desenvolver/objectivos a concretizar Recursos Estratégias Gestão 1.1. O que é a

Leia mais

Como se desenvolve o trabalho filosófico? Como constrói o filósofo esses argumentos?

Como se desenvolve o trabalho filosófico? Como constrói o filósofo esses argumentos? O que é filosofia? A filosofia é uma atividade interrogativa (dimensão teórica) que tenta responder a problemas e questões que nos são comuns, discutindo-os e analisando-os. Questões como O que é o conhecimento?,

Leia mais

Construindo uma tese científica: pesquisa e argumentação

Construindo uma tese científica: pesquisa e argumentação 1 1. Artigo Tema: Ensino de argumentação filosófica Construindo uma tese científica: pesquisa e argumentação Gabriel Goldmeier Conhecimento: crença verdadeira corretamente justificada A Teoria do Conhecimento

Leia mais

O que é o conhecimento?

O que é o conhecimento? Disciplina: Filosofia Ano: 11º Ano letivo: 2012/2013 O que é o conhecimento? Texto de Apoio 1. Tipos de Conhecimento No quotidiano falamos de conhecimento, de crenças que estão fortemente apoiadas por

Leia mais

Unidade II LÓGICA. Profa. Adriane Paulieli Colossetti

Unidade II LÓGICA. Profa. Adriane Paulieli Colossetti Unidade II LÓGICA Profa. Adriane Paulieli Colossetti Relações de implicação e equivalência Implicação lógica Dadas as proposições compostas p e q, diz-se que ocorre uma implicação lógica entre p e q quando

Leia mais

Filosofia e Ética. Professor Ronaldo Coture

Filosofia e Ética. Professor Ronaldo Coture Filosofia e Ética Professor Ronaldo Coture Quais os conceitos da Disciplina de Filosofia e Ética? Compreender os períodos históricos do pensamento humano. Conceituar a teoria axiológica dos valores. Conceituar

Leia mais

ÍNDICE. Bibliografia CRES-FIL11 Ideias de Ler

ÍNDICE. Bibliografia CRES-FIL11 Ideias de Ler ÍNDICE 1. Introdução... 5 2. Competências essenciais do aluno... 6 3. Como ler um texto... 7 4. Como ler uma pergunta... 8 5. Como fazer um trabalho... 9 6. Conteúdos/Temas 11.º Ano... 11 III Racionalidade

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Não é permitido o uso de corretor. Deve riscar aquilo que pretende que não seja classificado.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Não é permitido o uso de corretor. Deve riscar aquilo que pretende que não seja classificado. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 714/2.ª Fase 7 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Não é permitido o uso de corretor. Deve riscar aquilo que pretende que não seja classificado.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Não é permitido o uso de corretor. Deve riscar aquilo que pretende que não seja classificado. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 714/2.ª Fase 7 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Escola Secundária 2-3 de Clara de Resende COD COD

Escola Secundária 2-3 de Clara de Resende COD COD CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 27 de outubro de 2015) No caso específico da disciplina de FILOSOFIA, do 10º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ao nível do

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA DISCIPLINAS DE PESQUISA PROF. DR. LUÍS EDUARDO ALMEIDA

REFLEXÕES SOBRE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA DISCIPLINAS DE PESQUISA PROF. DR. LUÍS EDUARDO ALMEIDA REFLEXÕES SOBRE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA DISCIPLINAS DE PESQUISA 2016-2 PROF. DR. LUÍS EDUARDO ALMEIDA CIÊNCIA Etimologia: Ciência vem da palavra latina scientia, que significa conhecimento;

Leia mais

MURCHO, Desidério A natureza da filosofia e o seu ensino. Lisboa: Plátano, 2002, (Coleção Aula Prática), 102 p.

MURCHO, Desidério A natureza da filosofia e o seu ensino. Lisboa: Plátano, 2002, (Coleção Aula Prática), 102 p. MURCHO, Desidério A natureza da filosofia e o seu ensino. Lisboa: Plátano, 2002, (Coleção Aula Prática), 102 p. O autor. Licenciou-se em filosofia pela Universidade de Lisboa. É um dos diretores da Sociedade

Leia mais

As ferramentas da razão 1

As ferramentas da razão 1 As ferramentas da razão 1 A filosofia pode ser uma atividade extremamente técnica e complexa, cujos conceitos e terminologia chegam muitas vezes a intimidar aqueles que iniciam seus estudos filosóficos.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE RIO DE MOURO EXERCÍCIOS DE LÓGICA - INSTRUÇÕES GERAIS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE RIO DE MOURO EXERCÍCIOS DE LÓGICA - INSTRUÇÕES GERAIS EXERCÍCIOS DE LÓGICA - INSTRUÇÕES GERAIS Caro aluno, Vai encontrar aqui um conjunto de exercícios de lógica cujo objetivo é facilitar-lhe o estudo autónomo. Estes exercícios irão estar disponíveis num

Leia mais

Raciocínio Lógico Matemático Professora Elionora Azevedo. TRF 1ª região

Raciocínio Lógico Matemático Professora Elionora Azevedo. TRF 1ª região Raciocínio Lógico Matemático Professora Elionora Azevedo TRF 1ª região RACIOCÍNIO ANALÍTICO: 1 Raciocínio analítico e a argumentação. 1.1 O uso do senso crítico na argumentação. 1.2 Tipos de argumentos:

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FILOSOFIA MAIO 2017 Prova: 161

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FILOSOFIA MAIO 2017 Prova: 161 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FILOSOFIA MAIO 2017 Prova: 161 Escrita 10.º e 11.º de Escolaridade (Portaria n.º 207/2008, de 25 de Fevereiro - Cursos Tecnológicos de informática; Contabilidade

Leia mais

ILUMINISMO, ILUSTRAÇÃO OU FILOSOFIA

ILUMINISMO, ILUSTRAÇÃO OU FILOSOFIA O ILUMINISMO ILUMINISMO, ILUSTRAÇÃO OU FILOSOFIA DAS LUZES Começou na Inglaterra e se estendeu para França, principal produtor e irradiador das ideias iluministas. Expandiu-se pela Europa, especialmente

Leia mais

Hume e o empirismo radical

Hume e o empirismo radical Hume e o empirismo radical Premissas empiristas de David Hume (que partilha com os outros empiristas) Não há ideias inatas A mente é uma tábula rasa/folha em branco Todo o conhecimento deriva da experiência

Leia mais

Anais do Evento PIBID/PR. Foz do Iguaçu 23 e 24 Outubro 2014 ISSN:

Anais do Evento PIBID/PR. Foz do Iguaçu 23 e 24 Outubro 2014 ISSN: II SEMINÁRIO ESTADUAL PIBID DO PARANÁ Anais do Evento PIBID/PR Foz do Iguaçu 23 e 24 Outubro 2014 ISSN: 2316-8285 unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO Universidade

Leia mais

Exemplos de frases e expressões que não são proposições:

Exemplos de frases e expressões que não são proposições: Matemática Discreta ESTiG\IPB Lógica: Argumentos pg 1 Lógica: ramo da Filosofia que nos permite distinguir bons de maus argumentos, com o objectivo de produzirmos conclusões verdadeiras a partir de crenças

Leia mais

III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA

III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA 1. Argumentação e Lóg gica Formal 1.1. Distinção validade - verdade 1.2. Formas de Inferên ncia Válida. 1.3. Principais Falácias A Lógica: objecto de estudo

Leia mais

Elementos de Lógica Matemática p. 1/2

Elementos de Lógica Matemática p. 1/2 Elementos de Lógica Matemática Uma Breve Iniciação Gláucio Terra glaucio@ime.usp.br Departamento de Matemática IME - USP Elementos de Lógica Matemática p. 1/2 Vamos aprender a falar aramaico? ǫ > 0 ( δ

Leia mais

Roteiro para a leitura do texto

Roteiro para a leitura do texto WEBER, Max - A "objetividade" do conhecimento nas Ciências Sociais In: Max Weber: A objetividade do conhecimento nas ciências sociais São Paulo: Ática, 2006 (: 13-107) Roteiro para a leitura do texto Data

Leia mais

Escola Secundária Manuel Teixeira Gomes PROVA GLOBAL DE INTRODUÇÃO À FILOSOFIA 10º ANO ANO LECTIVO 2001/2002

Escola Secundária Manuel Teixeira Gomes PROVA GLOBAL DE INTRODUÇÃO À FILOSOFIA 10º ANO ANO LECTIVO 2001/2002 Escola Secundária Manuel Teixeira Gomes PROVA GLOBAL DE INTRODUÇÃO À FILOSOFIA 10º ANO ANO LECTIVO 2001/2002 Grupo I 1. Afirmar que a autonomia é uma das características da filosofia significa que A. A

Leia mais

ANEXOS. Pedro André Pinho Gomes Impacto da Cultura sob os Valores Sociais: Estudo Comparativo com Portugueses a Residir em Macau e em Portugal

ANEXOS. Pedro André Pinho Gomes Impacto da Cultura sob os Valores Sociais: Estudo Comparativo com Portugueses a Residir em Macau e em Portugal ANEXOS i ANEXO 1: Medida de Valores Sociais: versão reduzida do PVQ (Portrait Values Questionaire; Schwartz, 2001 in Ramos, 2006) O presente questionário faz parte de um estudo empírico que está a ser

Leia mais

O que é Linguagem? PROF. RONALDO PINHO

O que é Linguagem? PROF. RONALDO PINHO O que é Linguagem? PROF. RONALDO PINHO Linguagem Sistema de signos que da nome as coisas do mundo. Organiza o pensamento. Possibilita a comunicação. Reflete sentimentos, valores, paixões e pensamentos.

Leia mais

José António Pereira Julho de 2004

José António Pereira Julho de 2004 CENTRO DE FORMAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS BRAGA/SUL Acção de formação Lógica e Filosofia nos Programas de 10.º e 11.º Anos Formador Desidério Murcho José António Pereira Julho de 2004 1 A LÓGICA FORMAL

Leia mais

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Governo da República Portuguesa Descrição e interpretação da atividade cognoscitiva 1.1 Estrutura do ato de conhecer 1.2 Análise

Leia mais

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor Ética e Moral Conceito de Moral Normas Morais e normas jurídicas Conceito de Ética Macroética e Ética aplicada Vídeo: Direitos e responsabilidades Teoria Exercícios Conceito de Moral A palavra Moral deriva

Leia mais

MORAL E ÉTICA. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto.

MORAL E ÉTICA. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto. MORAL E ÉTICA O homem é um ser dotado de senso moral. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto. Senso moral se manifesta em sentimentos, atitudes, juízos de valor Moral vem

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E.S.A.B. ESCOLA SECUNDÁRIA DE AVELAR BROTERO Filosofia 11º Ano Duração: 135m Ano letivo: 2015/2016 Matriz da Prova de Avaliação Sumativa Interna na Modalidade de Frequência não Presencial

Leia mais

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES GRÉCIA, SÉC. V a.c. Reflexões éticas, com um viés político (da pólis) _ > como deve agir o cidadão? Nem todas as pessoas eram consideradas como cidadãos Reflexão metafísica: o que é a virtude? O que é

Leia mais

DATA DE ENTREGA 19/12/2016 VALOR: 20,0 NOTA:

DATA DE ENTREGA 19/12/2016 VALOR: 20,0 NOTA: DISCIPLINA: FILOSOFIA PROFESSOR: ENRIQUE MARCATTO DATA DE ENTREGA 19/12/2016 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 3ª SÉRIE/EM TURMA: Nº: 01. RELAÇÃO DO CONTEÚDO

Leia mais

COLÉGIO SHALOM ENSINO MEDIO 1 ANO - filosofia. Profº: TONHÃO Disciplina: FILOSOFIA Aluno (a):. No.

COLÉGIO SHALOM ENSINO MEDIO 1 ANO - filosofia. Profº: TONHÃO Disciplina: FILOSOFIA Aluno (a):. No. COLÉGIO SHALOM ENSINO MEDIO 1 ANO - filosofia 65 Profº: TONHÃO Disciplina: FILOSOFIA Aluno (a):. No. ROTEIRO DE RECUERAÇÃO ANUAL 2016 Data: / / FILOSOFIA 1º Ano do Ensino Médio 1º. O recuperando deverá

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA - FILOSOFIA - Grupo L

PADRÃO DE RESPOSTA - FILOSOFIA - Grupo L PADRÃO DE RESPOSTA - FILOSOFIA - Grupo L 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor No diálogo Fédon, escrito por Platão, seu personagem Sócrates afirma que a dedicação à Filosofia implica que a alma

Leia mais

GRATUITO RACIOCÍNIO LÓGICO - EBSERH. Professor Paulo Henrique PH Aula /

GRATUITO RACIOCÍNIO LÓGICO - EBSERH. Professor Paulo Henrique PH Aula / 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO RACIOCÍNIO LÓGICO - EBSERH Professor Paulo Henrique PH Aula 02 R A C I O C Í N I O L Ó G I C O E B S E R H a u l a 0 2 Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 4 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

Parece ter premissas verdadeiras mas não tem. Parece ter premissas mais plausíveis do que a conclusão mas não tem.

Parece ter premissas verdadeiras mas não tem. Parece ter premissas mais plausíveis do que a conclusão mas não tem. Uma falácia é um argumento que parece cogente mas não é. Pode ser falacioso por três razões: Parece válido mas não é. Parece ter premissas verdadeiras mas não tem. Parece ter premissas mais plausíveis

Leia mais

Lógica dos Conectivos: validade de argumentos

Lógica dos Conectivos: validade de argumentos Lógica dos Conectivos: validade de argumentos Renata de Freitas e Petrucio Viana IME, UFF 16 de setembro de 2014 Sumário Razões e opiniões. Argumentos. Argumentos bons e ruins. Validade. Opiniões A maior

Leia mais

Projeto de texto: a organização da argumentação

Projeto de texto: a organização da argumentação Projeto de texto: a organização da argumentação O que é um projeto de texto? É uma espécie de mapa, no qual estabelecemos os principais pontos pelos quais deve passar a exposição a ser feita. Nele, também

Leia mais

SOMOS LIVRES AO DECIDIR

SOMOS LIVRES AO DECIDIR FILOSOFIA 2º ano Partindo do principio de que liberdade é LIBERDADE DE ESCOLHER Afinal, até onde alcança o poder da nossa liberdade? Nossas escolhas estão ligadas aos princípios morais da nossa sociedade;

Leia mais

CAPÍTULO 2 A ECONOMIA COMO CIÊNCIA SOCIAL. Introdução

CAPÍTULO 2 A ECONOMIA COMO CIÊNCIA SOCIAL. Introdução CAPÍTULO 2 A ECONOMIA COMO CIÊNCIA SOCIAL Introdução A economia é tida como uma ciência social. Ou seja, o estudo das actividades económicas do ponto de vista social. Contudo, muitos economistas sustentam

Leia mais

Filosofia COTAÇÕES GRUPO I GRUPO II GRUPO III. Teste Intermédio de Filosofia. Teste Intermédio. Duração do Teste: 90 minutos

Filosofia COTAÇÕES GRUPO I GRUPO II GRUPO III. Teste Intermédio de Filosofia. Teste Intermédio. Duração do Teste: 90 minutos Teste Intermédio de Filosofia Teste Intermédio Filosofia Duração do Teste: 90 minutos 20.04.2012 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março 1. 2. COTAÇÕES GRUPO I 1.1.... 10 pontos

Leia mais

Lógica Proposicional Parte 2

Lógica Proposicional Parte 2 Lógica Proposicional Parte 2 Como vimos na aula passada, podemos usar os operadores lógicos para combinar afirmações criando, assim, novas afirmações. Com o que vimos, já podemos combinar afirmações conhecidas

Leia mais

Informação-Exame Final Nível de Escola para N.E.E. Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro Prova de Filosofia 10º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 225 2015 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

GABARITO PRINCÍPIOS PENAIS COMENTADO

GABARITO PRINCÍPIOS PENAIS COMENTADO GABARITO PRINCÍPIOS PENAIS COMENTADO 1 Qual das afirmações abaixo define corretamente o conceito do princípio da reserva legal? a) Não há crime sem lei que o defina; não há pena sem cominação legal. b)

Leia mais

FILOSOFIA Objeto de avaliação. Análise e interpretação. Problematização e conceptualização

FILOSOFIA Objeto de avaliação. Análise e interpretação. Problematização e conceptualização Informação-prova FILOSOFIA 2018 Prova 714 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova de exame final nacional do ensino secundário

Leia mais

Para provar uma implicação se p, então q, é suficiente fazer o seguinte:

Para provar uma implicação se p, então q, é suficiente fazer o seguinte: Prova de Implicações Uma implicação é verdadeira quando a verdade do seu antecedente acarreta a verdade do seu consequente. Ex.: Considere a implicação: Se chove, então a rua está molhada. Observe que

Leia mais

Ficha de filosofia. A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas. Fundamento e critérios da moralidade

Ficha de filosofia. A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas. Fundamento e critérios da moralidade Ficha de filosofia A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas Fundamento e critérios da moralidade Ética deontológica Ética consequencialista Respeito

Leia mais

ÉTICA E MORAL. O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1

ÉTICA E MORAL. O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1 ÉTICA E MORAL O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1 Ética e Moral são indiferenciáveis No dia-a-dia quando falamos tanto usamos o termo ética ou moral, sem os distinguirmos. Também

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Não é permitido o uso de corretor. Risque aquilo que pretende que não seja classificado.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Não é permitido o uso de corretor. Risque aquilo que pretende que não seja classificado. Exame Final Nacional de Filosofia Prova 714 Época Especial Ensino Secundário 2017 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Leia mais

Assinala a única opção correta Éticos Estéticos Religiosos Lógicos Úteis Vitais X X X X X X X

Assinala a única opção correta Éticos Estéticos Religiosos Lógicos Úteis Vitais X X X X X X X O pão é um alimento sagrado. Há harmonia e elegância na arquitetura da antiguidade Todos os seres humanos nascem livre s e iguais A beleza dos lugares religiosos é inigualável Todos os espaços religiosos

Leia mais

Filosofia 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

Filosofia 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Filosofia 2016 Prova 161 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

MÉTODOS DE PESQUISA. O conhecimento científico, Senso Comum e os tipos de conhecimentos. Prof. Dr. Evandro Prestes Guerreiro.

MÉTODOS DE PESQUISA. O conhecimento científico, Senso Comum e os tipos de conhecimentos. Prof. Dr. Evandro Prestes Guerreiro. MÉTODOS DE PESQUISA O conhecimento científico, Senso Comum e os tipos de conhecimentos Prof. Dr. Evandro Prestes Guerreiro Santos-SP, 2012 Evandro Prestes Guerreiro O Conhecimento Científico, Senso Comum

Leia mais

Sobre Kant. Kant nasceu em Konigsberg, no ano de 1724 e morreu em 1804 sem nunca ter saído da sua cidade natal.

Sobre Kant. Kant nasceu em Konigsberg, no ano de 1724 e morreu em 1804 sem nunca ter saído da sua cidade natal. Sobre Kant Kant nasceu em Konigsberg, no ano de 1724 e morreu em 1804 sem nunca ter saído da sua cidade natal. Foi um dos últimos europeus a dominar toda a ciência do seu tempo, incluindo a física, a geografia,

Leia mais

A LINGUAGEM DO DISCURSO MATEMÁTICO E SUA LÓGICA

A LINGUAGEM DO DISCURSO MATEMÁTICO E SUA LÓGICA MAT1513 - Laboratório de Matemática - Diurno Professor David Pires Dias - 2017 Texto sobre Lógica (de autoria da Professora Iole de Freitas Druck) A LINGUAGEM DO DISCURSO MATEMÁTICO E SUA LÓGICA Iniciemos

Leia mais

Indiscernibilidade de Idênticos. Atitudes Proposicionais e indiscernibilidade de idênticos

Indiscernibilidade de Idênticos. Atitudes Proposicionais e indiscernibilidade de idênticos Indiscernibilidade de Idênticos Atitudes Proposicionais e indiscernibilidade de Consideremos agora o caso das atitudes proposicionais, das construções epistémicas e psicológicas, e perguntemo-nos se é

Leia mais

Alex Lira. Olá, pessoal!!!

Alex Lira. Olá, pessoal!!! Olá, pessoal!!! Seguem abaixo os meus comentários das questões de Lógica que foram cobradas na prova para o cargo de Agente da Polícia Federal, elaborada pelo Cespe, realizada no último final de semana.

Leia mais

TEMA-PROBLEMA A comunicação e a construção do indivíduo

TEMA-PROBLEMA A comunicação e a construção do indivíduo TEMA-PROBLEMA 1.3. A comunicação e a construção do indivíduo Comunicação communicare pôr em comum, estar em relação com os outros, conviver. Tal implica que os indivíduos em comunicação possuam a mesma

Leia mais

Afirmação verdadeira: frase, falada ou escrita, que declara um facto que é aceite no momento em que é ouvido ou lido.

Afirmação verdadeira: frase, falada ou escrita, que declara um facto que é aceite no momento em que é ouvido ou lido. Matemática Discreta ESTiG\IPB 2011.12 Cap1 Lógica pg 1 I- Lógica Informal Afirmação verdadeira: frase, falada ou escrita, que declara um facto que é aceite no momento em que é ouvido ou lido. Afirmação

Leia mais

No arquivo Exames e Provas podem ser consultados itens e critérios de classificação de provas desta disciplina.

No arquivo Exames e Provas podem ser consultados itens e critérios de classificação de provas desta disciplina. INFORMAÇÃO-PROVA FILOSOFIA 2017 Prova 714 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova de exame final nacional do ensino secundário

Leia mais

Argumentação e filosofia

Argumentação e filosofia Argumentação e filosofia 1- Compreender a origem histórica da rivalidade existente entre Filosofia e Retórica. O pensamento racional teve origem na Grécia antiga, na necessidade do desenvolvimento da Polis

Leia mais

Avaliação em filosofia: conteúdos e competências

Avaliação em filosofia: conteúdos e competências Avaliação em filosofia: conteúdos e competências Desidério Murcho Universidade Federal de Ouro Preto desiderio@ifac.ufop.br 1 Immanuel Kant O jovem que completou a sua instrução escolar habituou- se a

Leia mais

LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia

LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL - 2015 Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia 7º Ano Filósofos Clássicos. A filosofia clássica. Sócrates de Atenas: o poder das perguntas

Leia mais

CJEB - Curso Jurídico Prof.ª Elaine Borges Prática Penal

CJEB - Curso Jurídico Prof.ª Elaine Borges Prática Penal MEMORIAL DEFENSÓRIO DICA: O problema vai falar que trata-se de caso complexo ou com vários réus e o juiz deferiu os memoriais; Ou o problema vai falar que o Promotor de Justiça já apresentou a acusação;

Leia mais

CURSO: MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

CURSO: MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA CURSO: MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Prof. Dra. Renata Cristina da Penha França E-mail: renataagropec@yahoo.com.br -Recife- 2015 MÉTODO Método, palavra que vem do

Leia mais

INFORMAÇÃO-EXAME A NÍVEL DE ESCOLA FILOSOFIA 2017

INFORMAÇÃO-EXAME A NÍVEL DE ESCOLA FILOSOFIA 2017 INFORMAÇÃO-EXAME A NÍVEL DE ESCOLA FILOSOFIA 2017 PROVA 225 Cursos Científicos Humanísticos Artigo 20.º do Decreto- Lei n.º 3 / 2008, de 7 de janeiro 11.º Ano de Escolaridade Duração da Prova: 120 minutos

Leia mais

O conceito ética. O conceito ética. Curso de Filosofia. Prof. Daniel Pansarelli. Ética filosófica: conceito e origem Estudo a partir de Aristóteles

O conceito ética. O conceito ética. Curso de Filosofia. Prof. Daniel Pansarelli. Ética filosófica: conceito e origem Estudo a partir de Aristóteles Curso de Filosofia Prof. Daniel Pansarelli Ética filosófica: conceito e origem Estudo a partir de Aristóteles O conceito ética Originado do termo grego Ethos, em suas duas expressões Êthos (com inicial

Leia mais

Clóvis de Barros Filho

Clóvis de Barros Filho Clóvis de Barros Filho Sugestão Formação: Doutor em Ciências da Comunicação pela USP (2002) Site: http://www.espacoetica.com.br/ Vídeos Produção acadêmica ÉTICA - Princípio Conjunto de conhecimentos (filosofia)

Leia mais

Roteiro 16. Livre-arbítrio. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas

Roteiro 16. Livre-arbítrio. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Roteiro 16 Livre-arbítrio FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Correlacionar o conceito de livre-arbítrio ao de ética, moral, vontade,

Leia mais

O QUE É CRISTIANISMO? (CITAÇÕES DE: EVIDÊNCIA QUE EXIGE UM VEREDITO - J. MC DOWELL) Revisão, diagramação, comentários e versos acrescentados por:

O QUE É CRISTIANISMO? (CITAÇÕES DE: EVIDÊNCIA QUE EXIGE UM VEREDITO - J. MC DOWELL) Revisão, diagramação, comentários e versos acrescentados por: O QUE É CRISTIANISMO? (CITAÇÕES DE: EVIDÊNCIA QUE EXIGE UM VEREDITO - J. MC DOWELL) Revisão, diagramação, comentários e versos acrescentados por: Helio Clemente O cristianismo é visto hoje, mais que nunca,

Leia mais

PARECER NR. 33/PP/2009-P CONCLUSÃO:

PARECER NR. 33/PP/2009-P CONCLUSÃO: PARECER NR. 33/PP/2009-P CONCLUSÃO: A Para o advogado, a matéria de conflito de interesses é uma questão de consciência, competindo-lhe ajuizar se a relação de confiança que estabeleceu com um seu antigo

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 714/2.ª Fase 7 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/81 1 - LÓGICA E MÉTODOS DE PROVA 1.1) Lógica Proposicional

Leia mais

DATA: VALOR: 20 pontos NOTA: NOME COMPLETO:

DATA: VALOR: 20 pontos NOTA: NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FILOSOFIA PROFESSOR: ENRIQUE MARCATTO DATA: VALOR: 20 pontos NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 3ª EM TURMA: Nº: I N S T R U Ç Õ E S 1. Esta atividade contém

Leia mais

Prova Escrita de Filosofia

Prova Escrita de Filosofia Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Filosofia.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 9/0, de 5 de julho Prova 74/.ª Fase Critérios de Classificação 4 Páginas 04 Prova 74/.ª F. CC

Leia mais

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE MÉTODOS QUANTITATIVOS

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE MÉTODOS QUANTITATIVOS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PROCESSO SELETIVO MESTRADO - TURMA 2012 PROVA

Leia mais

KANT: A DISTINÇÃO ENTRE METAFÍSICA E CIÊNCIA. Marcos Vinicio Guimarães Giusti Instituto Federal Fluminense

KANT: A DISTINÇÃO ENTRE METAFÍSICA E CIÊNCIA. Marcos Vinicio Guimarães Giusti Instituto Federal Fluminense KANT: A DISTINÇÃO ENTRE METAFÍSICA E CIÊNCIA Marcos Vinicio Guimarães Giusti Instituto Federal Fluminense marcos_giusti@uol.com.br Resumo: A crítica kantiana à metafísica, diferentemente do que exprimem

Leia mais

O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel

O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel 1 O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel ELINE LUQUE TEIXEIRA 1 eline.lt@hotmail.com Sumário:Introdução; 1. A dialética hegeliana; 2. A concepção

Leia mais

GRUPO I Escolha múltipla (6 x 10 pontos) (circunda a letra correspondente à afirmação correcta)

GRUPO I Escolha múltipla (6 x 10 pontos) (circunda a letra correspondente à afirmação correcta) Colégio Paulo VI Ano lectivo 2011/2012 10º Ano - Teste de Filosofia Tema: O que é a filosofia? / O discurso filosófico Teste n.º 1 90 min.# Nome Número Turma Professor Encarregado de Educação Classificação

Leia mais

1ª AVALIAÇÃO DE LÓGICA BACHARELADO E LICENCIATURA EM FILOSOFIA (Prof. Rodolfo Petrônio) SOLUÇÃO DAS QUESTÕES DA PROVA

1ª AVALIAÇÃO DE LÓGICA BACHARELADO E LICENCIATURA EM FILOSOFIA (Prof. Rodolfo Petrônio) SOLUÇÃO DAS QUESTÕES DA PROVA 1ª AVALIAÇÃO DE LÓGICA BACHARELADO E LICENCIATURA EM FILOSOFIA 2016.2 (Prof. Rodolfo Petrônio) SOLUÇÃO DAS QUESTÕES DA PROVA 1. (1.0) Responda à seguinte pergunta, recorrendo às regras do silogismo. Você

Leia mais

EXAME NACIONAL PROVA DE INGRESSO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL PROVA DE INGRESSO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL PROVA DE INGRESSO 10.º/11.º anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 714/11 Págs. Duração da prova: 120 minutos 2007 2.ª FASE PROVA ESCRITA DE FILOSOFIA VERSÃO

Leia mais

EXAME NACIONAL PROVA DE INGRESSO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL PROVA DE INGRESSO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL PROVA DE INGRESSO 10.º/11.º anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 714/11 Págs. Duração da prova: 120 minutos 2007 2.ª FASE PROVA ESCRITA DE FILOSOFIA VERSÃO

Leia mais

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Atividade extra Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Questão 1 A ideia de que, pela Ciência e pela técnica, o homem se converterá em senhor e possuidor da natureza está presente no pensamento do filósofo

Leia mais

1. Verificar a Validade de silogismos: - Em cada caso identifique os termos, as figuras e os modos.

1. Verificar a Validade de silogismos: - Em cada caso identifique os termos, as figuras e os modos. 1 Exercícios de Lógica: 1. Verificar a Validade de silogismos: - Em cada caso identifique os termos, as figuras e os modos. 1.a Nenhum palhaço é feliz Alguns comediantes não são felizes Alguns comediantes

Leia mais

INTRODUÇÃO AO O QUE É A FILOSOFIA? PENSAMENTO FILOSÓFICO: Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior

INTRODUÇÃO AO O QUE É A FILOSOFIA? PENSAMENTO FILOSÓFICO: Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior INTRODUÇÃO AO PENSAMENTO FILOSÓFICO: O QUE É A FILOSOFIA? Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior INTRODUÇÃO FILOSOFIA THEORIA - ONTOS - LOGOS VER - SER - DIZER - A Filosofia é ver e dizer aquilo que

Leia mais

Capítulo O objeto deste livro

Capítulo O objeto deste livro Capítulo 1 Introdução 1.1 O objeto deste livro Podemos dizer que a Geometria, como ciência abstrata, surgiu na Antiguidade a partir das intuições acerca do espaço, principalmente do estudo da Astronomia.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE GONDOMAR ANO LETIVO de 2014 / 2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE GONDOMAR ANO LETIVO de 2014 / 2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE GONDOMAR ANO LETIVO de 014 / 015 PLANIFICAÇÃO de Filosofia 10º ANO Gestão Temporal do Programa UNIDADE CONTEÚDO LETIVOS I Módulo inicial II A acção humana e os valores 1.

Leia mais

Valores e critérios valorativos

Valores e critérios valorativos Valores e critérios valorativos 1.O que é um critério valorativo Princípio, critério ou condição que serve de base à atribuição de valor ao permitir distinguir as coisas valiosas das que o não são 2.Qual

Leia mais

Prova Qualis. Orientações Gerais:

Prova Qualis. Orientações Gerais: Prova Qualis Orientações Gerais: Horário; Duração da prova: 2h30; Composição: questões objetivas e discursivas; Conteúdo: as provas abrangem conteúdos de formação geral e específicos; Orientações. Oficina:

Leia mais

Breve Resumo das Regras do Silogismo Aristotélico. Paulo Margutti FAJE

Breve Resumo das Regras do Silogismo Aristotélico. Paulo Margutti FAJE Breve Resumo das Regras do Silogismo Aristotélico Paulo Margutti FAJE Para que um argumento em forma silogística seja válido, ele deve obedecer a um conjunto de regras mais ou menos intuitivas, que são

Leia mais

Indução e filosofia da ciência 1

Indução e filosofia da ciência 1 O equilíbrio dos indícios Indução e filosofia da ciência 1 Stephen Law Algumas das questões mais centrais e importantes colocadas por filósofos da ciência dizem respeito ao problema da confirmação. Os

Leia mais

CONHECIMENTO, REALIDADE E VERDADE

CONHECIMENTO, REALIDADE E VERDADE CONHECIMENTO, REALIDADE E VERDADE SERÁ QUE TUDO QUE VEJO É REAL e VERDADEIRO? Realidade Realismo A primeira opção, chamada provisoriamente de realismo : supõe que a realidade é uma dimensão objetiva,

Leia mais

2. Comte, precursor da sociologia ou sociólogo? 3. A contribuição e limitações do POSITIVISMO. 4. Estrutura de análise das correntes teóricas

2. Comte, precursor da sociologia ou sociólogo? 3. A contribuição e limitações do POSITIVISMO. 4. Estrutura de análise das correntes teóricas 1. Breve história da ciência 2. Comte, precursor da sociologia ou sociólogo? 3. A contribuição e limitações do POSITIVISMO 4. Estrutura de análise das correntes teóricas 5. Primeira atividade do trabalho

Leia mais