Determinação do Risco Cardiovascular em População de Check-up Espontâneo através do Escore de Framingham

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Determinação do Risco Cardiovascular em População de Check-up Espontâneo através do Escore de Framingham"

Transcrição

1 Rev Bras Cardiol. 2013;26(5): Artigo Original 4 Galvão et al. Determinação do Risco Cardiovascular em População de Check-up Espontâneo através do Escore de Framingham Determination of Cardiovascular Risk in Spontaneous Check-up Population through the Framingham Score Nathalia Ishimaru Galvão 1, Regina de Fátima Jesus Távora Junqueira Vilela 1, Bianca Maria Maglia Orlandi 2, Raquel Franchin Ferraz 2, Fernando Augusto Alves da Costa 2, Djalma José Fagundes 3 Resumo Fundamentos: As doenças cardiovasculares (DCV) estão entre as principais causas de morte em todo o mundo. Muitos dos pacientes que sofrem morte súbita são previamente assintomáticos, o que torna relevante a preocupação com a triagem da doença cardiovascular. A probabilidade de doença coronariana na população em geral pode ser calculada com base nos resultados do Framingham Heart Study. Objetivo: Determinar o risco cardiovascular em população assintomática de check-up espontâneo, utilizando o escore de Framingham. Métodos: Foram coletadas através de estudo de coorte retrospectivo, informações do prontuário de 83, 50 homens e 33 mulheres, com idade entre anos, assintomáticos, que realizaram a primeira consulta nos últimos dois anos. Os dados de sedentarismo, tabagismo e presença de diabetes mellitus foram analisados de forma separada, utilizando-se o teste do qui-quadrado. As variáveis da escala de Framingham foram analisadas em escala numérica através do teste de Mann-Whitney. Resultados: Procuraram avaliação cardiológica 52,0 % dos homens quando estavam na faixa de risco moderado a alto e escore de Framingham médio de 9,8, com risco cardiovascular de 14,2 % para o desenvolvimento de doença cardiovascular em cinco anos; 72,7 % das mulheres procuraram avaliação cardiológica quando estavam na faixa de risco baixo, e escore de Framingham médio de 7,2 com risco cardiovascular de 8,3 % para o desenvolvimento de doença cardiovascular em cinco anos. Abstract Background: Cardiovascular diseases (CVD) are among the leading causes of death all over the world. Many sudden deaths occur among formerly asymptomatic patients, underscoring the importance of concern over screening for cardiovascular disease. The probability of coronary disease among the general population may be calculated on the basis of the Framingham Heart Study findings. Objective: To determine the cardiovascular risk in an asymptomatic spontaneous check-up population, using the Framingham score. Methods: Information was collected from the medical records of 83 asymptomatic individuals (50 men and 33 women) between 30 and 79 years old having their first consultation in the past two years. Data on sedentary lifestyles, smoking and diabetes mellitus were analyzed separately though the chi-square test. The Framingham scale variables were analyzed on a numerical scale through the Mann-Whitney test. Results: Cardiological evaluations were sought by 52 % of men in the moderate to high risk range with an average Framingham score of 9.8 and cardiovascular risk of 14.2 % for developing cardiovascular disease within five years, with 72.7 % of the women seeking cardiological evaluations when in the low risk range and an average Framingham score of 7.2 with a cardiovascular risk of 8.3 % for developing cardiovascular disease within five years. 1 Curso de graduação em Medicina - Universidade Anhembi Morumbi - São Paulo, SP - Brasil 2 Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo - São Paulo, SP - Brasil 3 Escola de Medicina - Universidade Anhembi Morumbi - São Paulo, SP - Brasil Correspondência: Nathalia Ishimaru Galvão Praça Amadeu Amaral, 47 Conj 12 - Bela Vista São Paulo, SP - Brasil Recebido em: 04/06/2013 Aceito em: 02/10/

2 Galvão et al. Rev Bras Cardiol. 2013;26(5): Conclusão: Na população assintomática que fez check-up espontâneo, utilizando-se o escore de Framingham, os homens apresentaram risco moderado e alto de DCV, enquanto que esse risco foi muito reduzido entre as mulheres. Palavras-chave: Doenças cardiovasculares; Dislipidemias; Fatores de risco Conclusion: In an asymptomatic spontaneous check-up population, using the Framingham score, the men presented moderate to high cardiovascular risks, with these risks being far lower among the women. Keywords: Cardiovascular diseases; Dyslipidemias; Risk factors Introdução As doenças cardiovasculares (DCV) estão entre as principais causas de morte em todo o mundo. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) são 15 milhões de óbitos anuais devido a essas doenças 1. No Brasil, segundo a Síntese de Indicadores Sociais de 2002, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 2 (IBGE), as DCV se destacam como a principal causa de morte no país (28,8 % para homens e 36,9 % para mulheres), em todas as regiões e estados 2. A região sul e o estado do Rio Grande do Sul, em particular, registram as maiores proporções, sendo responsáveis por 40 % das mortes por doença cardiovascular 3,4. Atualmente, o conhecimento científico acumulado gradualmente na medicina permite diagnósticos mais individualizados e precisos, abrangendo dados que facilitam a prevenção, a detecção precoce e a evolução das doenças, assim como a indicação de procedimentos terapêuticos adequados. Cada vez mais as pessoas percebem que o check-up é uma ferramenta importantíssima para a manutenção da saúde. Homens e mulheres com mais de 35 anos são aconselhados a realizar esse procedimento pelo menos uma vez ao ano, e assim tomam ciência do que está acontecendo com o seu organismo 5. O infarto agudo do miocárdio (IAM) e o acidente vascular encefálico (AVE), duas das principais doenças cardiovasculares, não acontecem subitamente: é preciso uma evolução muito longa para que eles ocorram como um desfecho final. São eventos agudos que estão relacionados a fatores como hipertensão arterial sistêmica (HAS), dislipidemia (DLP), hábito de fumar e falta de exercícios físicos, além dos fatores ambientais e a propensão genética 6. O check-up preventivo inclui um conjunto de exames solicitados por médicos especializados, que oferecem um diagnóstico detalhado acerca das alterações fisiológicas do organismo. Geralmente constitui-se de exame clínico geral e exames complementares como hemograma, glicemia, dosagem de creatinina e ureia, colesterol total e frações, triglicérides, ácido úrico, urina I, exame de fezes (protoparasitológico), eletrocardiograma, teste ergométrico e radiografia de tórax. Os resultados dos exames auxiliarão o médico a determinar qual o tipo de conduta para cada caso, como orientar a mudança de hábitos relativos à alimentação, ao tabagismo, ao uso de medicamentos, à prática de exercícios físicos e, porventura, solicitar novos exames complementares a fim de fundamentar um diagnóstico preciso 7. Muitos dos pacientes que sofrem morte súbita são previamente assintomáticos, o que torna relevante a preocupação com a triagem da doença cardiovascular. O uso de escores de risco para prevenção dessas doenças pode subestimar a existência de doença em alguns grupos, especialmente em mulheres e jovens 7. A probabilidade de doença coronariana na população em geral pode ser calculada com base nos resultados do Framingham Heart Study. De acordo com faixa etária, sexo, valores de pressão arterial sistólica, valores da razão entre o colesterol total e a fração HDL, presença de tabagismo e diagnóstico de diabetes, é possível estabelecer a chance de infarto do miocárdio e angina do peito em 10 anos. Assim, a avaliação desses fatores ao mesmo tempo permite identificar pacientes com alta probabilidade e modular os esforços para a sua redução. A possibilidade de se estimar o risco absoluto em 10 anos permite ações preventivas 8. Nesse contexto pareceu relevante realizar investigação em um segmento da população do município de São Paulo, que tem um fator diferencial socioeconômico que possibilita realizar a avaliação com recursos próprios, sem a participação do sistema público de saúde. O objetivo do estudo foi determinar o risco cardiovascular em população assintomática de check-up espontâneo em clínica particular através de escore de Framingham. Métodos O estudo foi avaliado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Real e Benemérita Associação Portuguesa de Beneficência sob o nº e, após sua aprovação, realizou-se levantamento de prontuários da clínica FGM-Clínica Paulista de doenças cardiovasculares. 357

3 Rev Bras Cardiol. 2013;26(5): Galvão et al. Foram coletadas informações de 83, 50 homens e 33 mulheres, com idade entre anos, que realizaram a primeira consulta entre abril 2009 e janeiro meses. Foram excluídos aqueles pacientes encaminhados para a segunda avaliação e aqueles procedentes de hospitalização. Os dados de sexo, idade, peso, circunferência abdominal, perfil lipídico, glicemia, tabagismo, sedentarismo, níveis de pressão arterial sistêmica (PAS) foram colhidos em tabela específica. Após preenchimento desses dados calculou-se o valor do escore de Framingham e risco cardiovascular em cinco anos para cada paciente (Tabela 1). Tabela 1 Escore de Framingham para risco de doenças cardiovasculares 9 Idade (anos) Colesterol total (mg/dl) HDL (mg/dl) Pressão arterial sistólica (mmhg) Diabetes Tabagismo 358 Fatores de Risco Pontos (Homem) Pontos (Mulher) < < > < > < >160 Não 0 0 Sim 2 4 Não 0 0 Sim 2 2 Os dados de sedentarismo, tabagismo e presença de diabetes mellitus foram analisados de forma separada, utilizando-se o teste do qui-quadrado. As variáveis da escala de Framingham foram analisadas em escala numérica, utlizando-se o teste de Mann-Whitney. Foram consideradas diferenças estatisticamente relevantes as que resultaram em valor de p<0,05. Resultados A população estudada abrangeu 83 pacientes, sendo 50 (60,0 %) do sexo masculino e 33 (40,0 %) do feminino. A média de idade foi semelhante em ambos os sexos 50,7±11,0 anos para homens e 52,9±11,9 anos para mulheres. Houve diferença estatisticamente significativa entre os sexos em relação à cintura abdominal, peso e altura. Os indicadores laboratoriais foram comparados por meio do teste de Mann-Whitney e apresentaram diferença significativa para PAS e HDL. O escore de Framingham foi calculado em relação aos parâmetros apresentados, tendo apresentado diferença significativa no risco de DCV em 10 anos para homens e mulheres; no entanto, ao se considerarem os níveis baixo, moderado e alto risco, verificou-se que 57,8 % da amostra foi de baixo risco (<10 % do escore de Framingham), podendo estar associado com a probabilidade de o evento ser diferente em homens (p=0,0053; IC95 % 9,8 13,9), mas não maior (p=0,650; IC95 % 9,8 13,9) (Tabela 2). O objetivo do trabalho, entretanto, foi demonstrar as características da população que buscou a consulta de check-up e os parâmetros encontrados nessa primeira avaliação. Ao se analisar o risco cardiovascular observa-se que os homens apresentam maior risco na avaliação inicial. Assim, serão analisados separadamente os dados de risco cardiovascular entre homens e mulheres (Tabela 2). Tabela 2 Risco cardiovascular entre homens e mulheres estudados Homens n (%) Mulheres n (%) Risco Baixo 24 (48,0) 24 (72,7) Risco Moderado 10 (20,0) 6 (18,0) Risco Alto 16 (32,0) 3 (9,0) Total 50 (100,0) 33 (100,0)

4 Galvão et al. Rev Bras Cardiol. 2013;26(5): Observa-se que os homens de alto risco (pontuação >20 % de risco global) são adultos jovens com sobrepeso, sedentários e dislipidêmicos (Tabela 3). A população masculina de risco moderado (pontuação entre % do risco global) caracteriza-se por acima de 50 anos, portadores de hipertensão leve e dislipidemia, contudo o perfil lipídico mostra valores menores em relação àqueles apresentados na população de alto risco (Tabela 4). A população masculina de baixo risco cardiovascular (pontuação <10 % do risco global) caracteriza-se por homens jovens, com idade <40 anos e idosos com idade >65 anos, hipertensos e dislipidêmicos, contudo cada indivíduo provavelmente apresenta um a dois fatores de risco (Tabela 5). Observa-se que 52,0 % dos homens que procuram avaliação cardiológica para check-up estão na faixa de risco alto a moderado para a ocorrência de eventos Tabela 3 Variáveis de risco cardiovascular em homens de alto risco Idade , Peso 16 87,2 20, Altura 16 1,61 0,20 1 1,83 Cintura abdominal ,2 13, Tabagismo 16 Sedentarismo 16 Pressão arterial sistólica Pressão arterial diastólica Colesterol total HDL 16 43,6 11, LDL ,12 34, Triglicerídeos ,43 87, Glicemia ,9 23, Tabela 4 Variáveis de risco cardiovascular em homens de risco moderado Idade 10 59, Peso 10 77,8 15, Altura 10 1,65 0,08 1,51 1,8 Cintura abdominal 10 98,2 12, Tabagismo 1 Sedentarismo 1 Pressão arterial sistólica Pressão arterial diastólica 10 81,5 6, Colesterol total ,7 53, HDL 10 49,9 15, LDL ,3 43, Triglicerídeos ,2 62, Glicemia 10 96,3 8,

5 Rev Bras Cardiol. 2013;26(5): Galvão et al. Tabela 5 Variáveis de risco cardiovascular em homens de baixo risco Idade 24 40,8 7, Peso 24 86,4 13, Altura 24 1,73 0,06 1,61 1,89 Cintura abdominal 24 98,6 10, Tabagismo 4 Sedentarismo 2 Pressão arterial sistólica Pressão arterial diastólica 24 80,8 8, Colesterol total , HDL 24 49,7 10, LDL ,2 38, Triglicerídeos ,5 66, Glicemia 24 92,8 7, cardiovasculares em 10 anos. Ainda se observa que são adultos jovens e os fatores de risco predominantes são dislipidemia e sobrepeso, embora alguns recebam diagnóstico de hipertensão leve. Quanto ao sedentarismo, pode-se observar que aproximadamente 30 % dos homens com alto risco cardiovascular são sedentários, enquanto que nas outras categorias há cerca de 10 % de sedentários. Em relação às mulheres, somente três pacientes de alto risco cardiovascular (risco global >20 %) foram avaliadas para check-up no período de dois anos. Eram pacientes >60 anos, tabagistas, sedentárias, obesas e dislipidêmicas. É possível que a maioria das mulheres com alto risco cardiovascular procure atendimento cardiológico somente quando exista doença cardiovascular manifesta, o que não foi objetivo do presente estudo (Tabela 6). Foram avaliadas seis mulheres com risco cardiovascular moderado (entre % do risco global). Eram adultas jovens (48-66 anos) não tabagistas, com sobrepeso e ao menos um dos fatores de risco: sedentarismo, hipertensão leve, dislipidemia ou resistência insulínica. Pode-se notar que o valor de colesterol fração HDL é de aproximadamente 45 mg/dl, semelhante às mulheres de alto risco e inferior ao valor apresentado por mulheres de baixo risco (Tabela 7). 360 Observa-se que 72,7 % das mulheres avaliadas estão na faixa de baixo risco cardiovascular (pontuação <10 % de risco global), apesar de ser uma população tabagista e sedentária em 100 % dos casos e ainda portadora de pelo menos um dos fatores de risco: dislipidemia, hipertensão leve e diabetes mellitus tipo II. Observa-se ainda que são mulheres predominantemente jovens e com valores de HDL aproximado de 60 mg/dl (Tabela 8). Ao se comparar a população masculina e feminina, nota-se que os homens procuram avaliação cardiológica quando estão predominantemente na faixa de risco moderado ou alto e apresentam maior probabilidade de desenvolver doença cardiovascular em 10 anos (14,2 % com escore médio de 9,8) em relação às mulheres (8,3 % com escore médio de 7,2), com valor de p<0,0053. Discussão Assiste-se a um crescente aumento da incidência de doença cardiovascular no mundo e uma expressiva taxa de mortalidade, em especial no Brasil, em torno de 32 % 10. O impacto dos fatores de risco no desenvolvimento fisiopatológico dessa doença é grande e o tempo para a ocorrência do primeiro desfecho como infarto agudo

6 Galvão et al. Rev Bras Cardiol. 2013;26(5): Tabela 6 Variáveis de risco cardiovascular em mulheres de alto risco Idade 3 70,3 9, Peso 3 77,3 6, Altura 3 1,53 0,05 1,48 1,58 Cintura abdominal 3 99,6 4, Tabagismo 3 Sedentarismo 3 Pressão arterial sistólica 3 136,6 20, Pressão arterial diastólica 3 86, Colesterol total , HDL , LDL Triglicerídeos Glicemia Tabela 7 Variáveis de risco cardiovascular em mulheres de risco moderado Idade , Peso 6 70,8 11, Altura 6 1,57 0,07 1,45 1,66 Cintura abdominal 6 90,3 6, Tabagismo 0 Sedentarismo 2 Pressão arterial sistólica 6 131,6 13, Pressão arterial diastólica 6 85,8 6, Colesterol total 6 234,5 24, HDL 6 45,5 10, LDL 6 152,33 23, Triglicerídeos 6 196,8 58, Glicemia 6 103,3 17, do miocárdio e acidente isquêmico cerebral varia de forma interpessoal. Assim, o conhecimento precoce da presença dos fatores de risco e o seu devido tratamento farmacológico e não farmacológico contribuirá sobremaneira para a redução dessa taxa significativa de mortes 11. A procura espontânea de pacientes, principalmente jovens para check-up cardiológico ainda não é uma prática comum. Existem restrições da própria população, ora por não associar os fatores de risco à doença cardiovascular ora pelo medo de receber a notícia da presença da doença. 361

7 Rev Bras Cardiol. 2013;26(5): Galvão et al. Tabela 8 Variáveis de risco cardiovascular em mulheres de baixo risco Idade 24 50,04 11, Peso 24 69,6 12, Altura 24 1,56 0,05 1,46 1,65 Cintura abdominal 24 86,5 11, Tabagismo 24 Sedentarismo 24 Pressão arterial sistólica , Pressão arterial diastólica , Colesterol total ,3 41, HDL 24 63,6 29, LDL ,5 42, Triglicerídeos ,5 64, Glicemia 24 95,3 14, A amostra estudada indica que a procura inicial para check-up espontâneo é feita tardiamente, entre os homens aos 50,7 anos e entre as mulheres aos 52,9 anos. A ocorrência da presença de fatores de risco nessa faixa etária já contribuiu para a longa evolução da doença aterosclerótica em expressiva parte desses pacientes 10,11. A população masculina apresenta maior chance para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares porque existe a presença de fatores de risco de forma mais intensa (Tabela 2). Dado surpreendente e preocupante na presente amostra é que 52,0 % dos homens que procuraram consulta médica de forma espontânea para check-up foram considerados de risco moderado e alto. Sabe-se da crescente incidência das doenças cardiovasculares no Brasil, e também das limitações do escore de Framingham para melhor definição da possibilidade de se ter um evento cardiovascular em 10 anos. A pesquisa de fatores adicionais como presença de doença cardiovascular em parentes de primeiro grau com idade <55 anos, presença de proteína-c ultrassensível, relação médio intimal de carótidas, microalbuminúria, declínio da função renal dentre outros, poderão estratificar melhor a população 12. A importância atual está em verificar a presença do fator de risco ou dos fatores de risco diagnosticados e encorajar os pacientes a tratá-los, incentivando a atividade física, perda de peso e 362 melhora na qualidade de vida. Essa atuação, mesmo na presença de um único fator de risco alterado, é fundamental uma vez que a exposição poderá ter desfechos inesperados. Faz-se necessária a mudança da percepção da população em relação aos fatores de risco para doença cardiovascular. Apesar de suas limitações o escore mostrou-se efetivo para avaliação de risco de doenças cardiovasculares. Dessa forma deve-se enfatizar a presença de fatores de risco e encorajar seu tratamento. Conclusão Na população assintomática que fez check-up espontâneo, utilizando-se o escore de Framingham, os homens apresentaram risco moderado e alto de DCV, enquanto que esse risco é muito reduzido entre as mulheres. Potencial Conflito de Interesses Declaro não haver conflitos de interesses pertinentes. Fontes de Financiamento O presente estudo não teve fontes de financiamento externas. Vinculação Acadêmica O presente estudo não está vinculado a qualquer programa de pós-graduação.

8 Galvão et al. Rev Bras Cardiol. 2013;26(5): Referências 1. Correia BR, Cavalcante E, Santos E. A prevalência de fatores de risco para doenças cardiovasculares em estudantes universitários. Rev Bras Clin Med. 2010; 8: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. [Internet]. Síntese de indicadores sociais Síntese de Indicadores Sociais confirma as desigualdades da sociedade brasileira. [acesso em 2006 abr. 10]. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br> 3. Pinho RA, Araujo MC, Ghisi GLM, Benetti M. Doença arterial coronariana, exercício físico e estresse oxidativo. Arq Bras Cardiol. 2010;94(4): Ministério da Saúde. [Internet]. Datasus. Informações de Saúde. Estatísticas vitais: mortalidade e nascidos vivos. Mortalidade geral desde [acesso em 2012 maio 30]. Disponível em: <http://www.datasus.gov.br> 5. Lotufo PA. Stroke in Brazil: a neglected disease. São Paulo Med J. 2005;123(1): Lima WA, Glaner MF. Principais fatores de risco relacionados às doenças cardiovasculares. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2006;8(1): Martins MA. Check-up do check-up. [Editorial]. Rev Assoc Med Bras. 2005;51(3): Rodrigues TFF, Phillipi ST. Avaliação nutricional e risco cardiovascular em executivos submetidos a check-up. Rev Assoc Med Bras. 2008;54(4): Lotufo PA. O escore de risco de Framingham para doenças cardiovasculares. Rev Med (São Paulo). 2008;87(4): Godoy MF, Lucena JM, Miquelin AR, Paiva FF Oliveira DLQ, Augustin JL Jr, et al. Mortalidade por doenças cardiovasculares e níveis socioeconômicos na população de São José do Rio Preto, estado de São Paulo, Brasil. Arq Bras Cardiol. 2007;88(2): Santos MG, Pegoraro M, Sandrini F, Macuco EC. Fatores de risco no desenvolvimento da aterosclerose na infância e adolescência. Arq Bras Cardiol. 2008;90(4): Sposito AC, Caramelli B, Fonseca FAH, Bertolami MC, Afiune Neto A, Souza AD, et al; Sociedade Brasileira de Cardiologia. IV Diretriz brasileira sobre dislipidemias e prevenção da aterosclerose. Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq Bras Cardiol. 2007;88(supl.1):

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE REDES DE ATENÇÃO A SAÚDE DIRETORIA DE REDES ASSISTÊNCIAIS COORDENADORIA DA REDE DE HIPERTENSÃO E DIABETES ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

Leia mais

O que é O que é. colesterol?

O que é O que é. colesterol? O que é O que é colesterol? 1. O que é colesterol alto e por que ele é ruim? Apesar de a dislipidemia (colesterol alto) ser considerada uma doença extremamente prevalente no Brasil e no mundo, não existem

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

"ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA"

ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA "ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA" SHOSSLER ¹, T.S.; FREITAS ¹, G.; LOPES ², E.; FRASNELLI ¹,

Leia mais

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Dra. Carla Romagnolli JNC 8 Revisão das evidências Ensaios clínicos randomizados controlados; Pacientes hipertensos com > 18 anos de idade;

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES)

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ID: 103 A IMPORTÂNCIA DA CONSULTA DE ENFERMAGEM NO PRÉ-NATAL, NA PERSPECTIVA DO ENFERMEIRO Enfa. Aryhadne Michelle Chimicoviacki Machado

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 Dislipidemias Raul D. Santos Unidade Clínica de Lípides InCor-HCFMUSP Faculdade de Medicina da USP Metabolismo do colesterol,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica.

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica. 12. CONEX Pôster / Produto/ Resumo 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTO EXPO&FLOR: ATUAÇÃO

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO Michael Jaickson de Jesus Chaves* NOVAFAPI Gilderlene Alves Fernandes** NOVAFAPI INTRODUÇÃO O coração é um

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS Michele Muller 1 Gabriele Bester Hermes 2 Liziane Maahs Flores 3 1 Apresentadora, Acadêmica do Curso

Leia mais

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 FGV GV Saúde Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 A Revisão Continuada de Saúde Revisão Continuada de Saúde (RCS)

Leia mais

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012)

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para uso e divulgação sem

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora Estudo do Controle da HA Hipertensão Arterial e Perfil Farmacológico pacientes cadastrados no PRC Programa Remédio em Casa UBS Jd. Aurora Subprefeitura de Guaianases

Leia mais

A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS

A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS Niedja Maria Coelho Alves* nimacoal@hotmail.com Isabelle Carolline Veríssimo de Farias* belleverissimo@hotmail.com

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros);

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros); ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PLANO DE AÇÃO REGIONAL DAS LINHAS DE CUIDADO DAS PESSOAS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, COM DIABETES MELLITUS E/OU EXCESSO DE PESO NO CONTEXTO DA REDE DE ATENÇÃO

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

A prevalência de fatores de risco para doenças cardiovasculares em estudantes universitários*

A prevalência de fatores de risco para doenças cardiovasculares em estudantes universitários* Rev Bras Clin Med, 2010;8:25-29 ARTIGO ORIGINAL A prevalência de fatores de risco para doenças cardiovasculares em estudantes universitários* Prevalence of risk factors for cardiovascular disease in students

Leia mais

Ácido nicotínico 250 mg, comprimido de liberação Atorvastatina 20 mg, comprimido; Bezafibrato 400 mg, comprimido; Pravastatina 20 mg, comprimido;

Ácido nicotínico 250 mg, comprimido de liberação Atorvastatina 20 mg, comprimido; Bezafibrato 400 mg, comprimido; Pravastatina 20 mg, comprimido; DISLIPIDEMIA PARA A PREVENÇÃO DE EVENTOS CARDIOVASCULARES E PANCREATITE (CID 10: E78.0; E78.1; E78.2; E78.3; E78.4; E78.5; E78.6; E78.8) 1. Medicamentos Hipolipemiantes 1.1. Estatinas 1.2. Fibratos Atorvastatina

Leia mais

em mulheres no climatério: estudo piloto

em mulheres no climatério: estudo piloto ARTIGO ORIGINAL Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa São Paulo 2011;56(3):117-21. Conhecimento dos fatores de risco para doença cardiovascular em mulheres no climatério: estudo piloto Knowledge of risk

Leia mais

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa.

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Coração saudável Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Qual a importância da doença cardiovascular? Milhões de Mortes* Mortalidade por doenças cardiovasculares em 1990 e 2020 Países desenvolvidos

Leia mais

Tabagismo e Câncer de Pulmão

Tabagismo e Câncer de Pulmão F A C U L D A D E D E S A Ú D E P Ú B L I C A D E P A R TA M E N T O D E E P I D E M I O L O G I A U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O Série Vigilância em Saúde Pública E X E R C Í C I O N º 3

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

X FÓRUM PRESENÇA ANAMT 2011 SEMINÁRIO ANAMT/ABMT 2011 Rio de Janeiro, 12 a 14 de novembro de 2011

X FÓRUM PRESENÇA ANAMT 2011 SEMINÁRIO ANAMT/ABMT 2011 Rio de Janeiro, 12 a 14 de novembro de 2011 X FÓRUM PRESENÇA ANAMT 2011 SEMINÁRIO ANAMT/ABMT 2011 Rio de Janeiro, 12 a 14 de novembro de 2011 AVALIAÇÃO DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PETROLEIROS Julizar Dantas DECLARAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE Declaro

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2

AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 MARINA SOUSA PINHEIRO MOTA ALUÍSIO DE MOURA FERREIRA MARIA DE FÁTIMA RAMOS DE QUEIROZ MARIA DO SOCORRO RAMOS DE QUEIROZ DANIELE IDALINO

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO COLESTEROL TOTAL EM SANGUE CAPILAR E ORIENTAÇÃO SOBRE HIPERCOLESTEROLEMIA

DETERMINAÇÃO DO COLESTEROL TOTAL EM SANGUE CAPILAR E ORIENTAÇÃO SOBRE HIPERCOLESTEROLEMIA 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DETERMINAÇÃO DO COLESTEROL TOTAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO Universidade Federal do Maranhão - UFMA Hospital Universitário Presidente Dutra - HUPD Liga Acadêmica de Hipertensão Arterial Sistêmica - LAHAS ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO São Luís

Leia mais

PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA LIGA DE OFTALMOLOGIA EM CIDADE DO INTERIOR GOIANO

PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA LIGA DE OFTALMOLOGIA EM CIDADE DO INTERIOR GOIANO PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA LIGA DE OFTALMOLOGIA EM CIDADE DO INTERIOR GOIANO CREPALDI JÚNIOR, Luís Carlos 1 ; BARBOSA, Camila Caetano de Almeida 1 ; BERNARDES, Guilherme Falcão 1 ; GODOY NETO, Ubiratan

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013)

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) TEMA 4: SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

Leia mais

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Gerência do Programa de Hipertensão CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

Leia mais

A ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO PARA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, DIABETES MELLITUS E DOENCA RENAL CRÔNICA

A ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO PARA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, DIABETES MELLITUS E DOENCA RENAL CRÔNICA A ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO PARA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, DIABETES MELLITUS E DOENCA RENAL CRÔNICA CONTEÚDO EXTRAÍDO DA LINHA-GUIA DE HIPERTENSÃO ARTERIAL, DIABETES MELLITUS E DOENÇA RENAL CRÔNICA

Leia mais

Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio

Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio A doença arterial coronária (DAC) é a causa mais freqüentes de mortalidade na América do Norte, Europa, Austrália e Nova Zelândia. Desde 1980, no entanto,

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO *

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * 1 05/06 TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * OBJETIVOS Este exercício utiliza o estudo clássico de Doll e Hill que demonstrou a relação entre tabagismo e câncer de pulmão. Depois de completar este exercício,

Leia mais

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Siomara F. M. de Araújo; Dyego F. Facundes; Erika M. Costa; Lauane L. Inês; Raphael Cunha. siomarafma@hotmail.com

Leia mais

A importância da qualidade de vida Prevenção da doença cardiovascular em mulheres. Professor Dr. Roberto Kalil Filho

A importância da qualidade de vida Prevenção da doença cardiovascular em mulheres. Professor Dr. Roberto Kalil Filho A importância da qualidade de vida Prevenção da doença cardiovascular em mulheres Professor Dr. Roberto Kalil Filho Professor Titular da Disciplina de Cardiologia FMUSP Diretor do Centro de Cardiologia

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal.

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA 1 ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PET-Saúde

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

COMPLICAÇÕES DECORRENTES DA DIABETES: RELATO DE CASO

COMPLICAÇÕES DECORRENTES DA DIABETES: RELATO DE CASO COMPLICAÇÕES DECORRENTES DA DIABETES: RELATO DE CASO Adelita Iatskiu (UNICENTRO), Amanda Constantini (UNICENTRO), Carolina G. de Sá (UNICENTRO), Caroline M. Roth ((UNICENTRO), Cíntia C. S. Martignago (UNICENTRO),

Leia mais

EFEITO DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NO RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS HIPERTENSOS E/OU DIABÉTICOS: UMA ANÁLISE A PARTIR DO PERFIL LIPÍDICO.

EFEITO DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NO RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS HIPERTENSOS E/OU DIABÉTICOS: UMA ANÁLISE A PARTIR DO PERFIL LIPÍDICO. EFEITO DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NO RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS HIPERTENSOS E/OU DIABÉTICOS: UMA ANÁLISE A PARTIR DO PERFIL LIPÍDICO. Bruna Pereira da Silva¹ bruna.silva00@hotmail.com Layla

Leia mais

PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA

PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA Gisele Escudeiro 1 ; Willian Augusto de Melo 2 RESUMO: A angioplastia

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

Avaliações Pós Periódicos Ferramenta utilizada como melhoria da saúde dos empregados da Coelba

Avaliações Pós Periódicos Ferramenta utilizada como melhoria da saúde dos empregados da Coelba Avaliações Pós Periódicos Ferramenta utilizada como melhoria da saúde dos empregados da Coelba Autores Litza Márcia da Cunha Porto Sandra Magelli Moreira Silva Coelba- Companhia de Eletricidade do Estado

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

Fatores de risco para síndrome coronariana aguda em pacientes internados na terapia intensiva de um hospital em Contagem, MG

Fatores de risco para síndrome coronariana aguda em pacientes internados na terapia intensiva de um hospital em Contagem, MG ARTIGO ORIGINAL Fatores de risco para síndrome coronariana aguda em pacientes internados na terapia intensiva Risk factors for acute coronary syndrome in patients hospitalized in intensive care at a hospital

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Ciências da Vida - Nutrição AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Fernanda Cristina Guevara 1 Camila Maria Melo 2 Tatiane Vanessa

Leia mais

Doenças Desencadeadas ou Agravadas pela Obesidade

Doenças Desencadeadas ou Agravadas pela Obesidade Doenças Desencadeadas ou Agravadas pela Obesidade Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica ABESO Dra. Maria Edna de Melo CREMESP 106.455 Responsável Científica pelo site

Leia mais

7º Congresso Unidas de

7º Congresso Unidas de 7º Congresso Unidas de Gestão o de Assistência à Saúde Dra. Rozana Ciconelli Centro Paulista de Economia da Saúde Escola Paulista de Medicina A epidemia da obesidade Como as doenças crônicas afetam a gestão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Prevenção Cardio vascular Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Principal causa de morte em todo o mundo Considerada uma EPIDEMIA pela OMS em 2009 Alta mortalidade Alta morbidade = Muitas

Leia mais

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde Saúde e Desporto Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra Relação do Desporto com a Saúde Dum modo geral aceita-se que o desporto dá saúde Contudo, o desporto também comporta malefícios

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia História

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais

Este capítulo tem como objetivo, tecer algumas considerações. Epidemiologia, Atividade Física e Saúde INTRODUÇÃO

Este capítulo tem como objetivo, tecer algumas considerações. Epidemiologia, Atividade Física e Saúde INTRODUÇÃO 1 Epidemiologia, Atividade Física e Saúde Efi gênia Passarelli Mantovani Especialista em Atividade Física e Qualidade de Vida Unicamp Vera Aparecida Madruga Forti Profa. Dra. do Departamento de Estudos

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO EM PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO EM PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO EM PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA Gisele Escudeiro 1 ; Willian Augusto de Melo 2 RESUMO: As doenças cardiovasculares

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM HOSPITAL DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DO MUNICÍPIO DE TRINDADE

PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM HOSPITAL DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DO MUNICÍPIO DE TRINDADE Artigo apresentado no II Seminário de Pesquisas e TCC da FUG no semestre 2011-2 Coordenação, organização e formatação final: Prof. Dr. Rodrigo Irani Medeiros PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE DOENÇA RENAL CRÔNICA Nome da Liga: LIGA DE PREVENÇÃO DA DOENÇA RENAL Tutores: ELIZABETH DE FRANCESCO DAHER SÔNIA MARIA HOLANDA

Leia mais

Doenças Crônicas. uma nova transição. Paulo A. Lotufo. FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP

Doenças Crônicas. uma nova transição. Paulo A. Lotufo. FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP Doenças Crônicas uma nova transição Paulo A. Lotufo Professor Titular de Clínica Médica FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP esclarecimentos O termo doença crônica pode

Leia mais

CAMPANHA DE DIABETES E HIPERTENSÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO. Secretaria da Área da Saúde

CAMPANHA DE DIABETES E HIPERTENSÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO. Secretaria da Área da Saúde CAMPANHA DE DIABETES E HIPERTENSÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Secretaria da Área da Saúde Anita Salvadori Randi Mestre em Enfermagem Maria Socorro Feitosa Borsio Mestre em Enfermagem Ana Rita

Leia mais

Editor. Coordenador de Normatizações e Diretrizes da SBC. Editores. Membros do Comitê. Coordenação Geral. Esta diretriz deverá ser citada como:

Editor. Coordenador de Normatizações e Diretrizes da SBC. Editores. Membros do Comitê. Coordenação Geral. Esta diretriz deverá ser citada como: Diretriz sobre o Consumo de Gorduras e Saúde Cardiovascular 137 Coordenador de Normatizações e Diretrizes da SC Harry Correa Filho Editores Guilherme Fenelon e Silvana. D. Nishioka Coordenação Geral na

Leia mais

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini Caso Clínico 1 Módulo: DAC Métodos Diagnósticos Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico Costantini Caso 01 IFV, 59 anos, feminino Assintomática Fatores de Risco: história familiar Pressão arterial

Leia mais

Cadernos UniFOA. Palavras-chaves: Resumo

Cadernos UniFOA. Palavras-chaves: Resumo 76 Estudo comparativo entre hipertensos que utilizam e os que não utilizam medicamentos fornecidos pelo SUS na unidade de saúde Três Poços Geraldo Assis Cardoso 1 Ana Paula Ferreira Vilarinho 2 Douglas

Leia mais

RISCO CORONARIANO E FATORES ASSOCIADOS EM

RISCO CORONARIANO E FATORES ASSOCIADOS EM Artigo de Pesquisa SIlva VR, Cade NV, Molina MCB RISCO CORONARIANO E FATORES ASSOCIADOS EM HIPERTENSOS DE UMA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA CORONARY RISK AND ASSOCIATED FACTORS IN HYPERTENSIVE PATIENTS AT

Leia mais

o desafio em criar coorte de adultos brasileiros para estudar doenças cardiovasculares e diabetes

o desafio em criar coorte de adultos brasileiros para estudar doenças cardiovasculares e diabetes o desafio em criar coorte de adultos brasileiros para estudar doenças cardiovasculares e diabetes Paulo A. Lotufo Professor Titular de Clínica Médica Faculdade de Medicina da USP palotufo@usp.br doenças

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul 29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul BUSCA ATIVA DOS SERVIDORES HIPERTENSOS E DIABÉTICOS DA UEM: ORIENTAÇÃO, PREVENÇÃO, TRIAGEM E ENCAMINHAMENTO MÉDICO DE TRABALHADORES DE UMA INSTITUIÇÃO

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL. Resumo

ARTIGO ORIGINAL. Resumo 12 Arquivos 0004-2773/09/38 Catarinenses de Medicina - 03/12 Vol. 38, n o. 3, de 2009 Arquivos Catarinenses de Medicina ARTIGO ORIGINAL Estado nutricional e prevalência de dislipidemias em idosos Tathiely

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1 PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1 Valéria Baccarin Ianiski 2, Lígia Beatriz Bento Franz 3, Eliane Roseli Winkelmann 4, Juliana Schneider 5. 1 Atividade relacionada ao Projeto de Iniciação

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM PACIENTES DA REDE SUS DA UBS PROGRESSO DA CIDADE DE ERECHIM

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM PACIENTES DA REDE SUS DA UBS PROGRESSO DA CIDADE DE ERECHIM PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM PACIENTES DA REDE SUS DA UBS PROGRESSO DA CIDADE DE ERECHIM PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM PACIENTES

Leia mais

DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM. Paula Bogalho. S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo

DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM. Paula Bogalho. S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM Paula Bogalho S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo Hosp. Curry Cabral, Lisboa, 20.2.2010 Diabetes Crescimento nos países em desenvolvimento Diabetes

Leia mais

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Pressão controlada apresentação Chamada popularmente de pressão alta, a hipertensão é grave por dois motivos: não apresenta sintomas, ou seja,

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL.

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. Paulo Sergio Lemke (Apresentador) 1, Marcos Augusto Moraes Arcoverde (Orientado) 2 Curso de Enfermagem

Leia mais

USO DO HIPERDIA NA ATENÇÃO BÁSICA. Dr. EDSON AGUILAR PEREZ

USO DO HIPERDIA NA ATENÇÃO BÁSICA. Dr. EDSON AGUILAR PEREZ Dr. EDSON AGUILAR PEREZ QUADRO ATUAL HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO-TRANSMISSÍVEIS APRESENTANDO A MAIOR MAGNITUDE ELEVADO NÚMERO DE CONSULTAS DE ROTINA, DE EMERGÊNCIA E URGÊNCIA

Leia mais