OO ALUNO DA EJA NUM MUNDO LETRADO E GLOBALIZADO 39 INTERFACE AUTORES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OO ALUNO DA EJA NUM MUNDO LETRADO E GLOBALIZADO 39 INTERFACE AUTORES"

Transcrição

1 OO ALUNO DA EJA NUM MUNDO LETRADO E GLOBALIZADO AUTORES Cássio E. R. Serafim Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem/Universidade Federal do Rio Grande do Norte Endereço: Rua Getúlio Lopes de Araújo, 353 Condomínio Residencial Monte Verde Apto. 404, bloco B Ponta Negra Natal/RN CEP Telefone: (84) Marluce Pereira da Silva Professora Doutora do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem/Universidade Federal do Rio Grande do Norte Endereço: Rua dos Pinheiros, 150 Bancários Natal/RN CEP Telefone: (84)

2 RESUMO Neste artigo, situamos o aluno da Educação de Jovens e Adultos (EJA) num mundo onde, constantemente, as identidades coletivas e individuais estão sendo fragmentadas, com o propósito de serem reconstituídas sob a influência de aspectos culturais, sociais, políticos, econômicos e históricos. Ponderamos sobre a decisão desse sujeito social de retomar a sua trajetória escolar. Indagamonos se esse retorno pode ser justificado com base na necessidade de elevar a escolaridade, na tentativa de inserir-se e/ou manter-se no mercado de trabalho, e/ou se pode ser justificado pelo processo de constituição identitária, já que este indivíduo tenta (re)assumir a sua identidade estudantil. Na busca de possíveis respostas para os nossos questionamentos, observamos depoimentos de sujeitos de pesquisas já realizadas no âmbito da EJA. Além disto, dialogamos com estudiosos da questão da EJA, da globalização, do letramento e da identidade, a saber, G. Santos (2003), Almeida (2003), Hall (2000), Escosteguy (2001), Mey (2001), Kleiman (1995; 1998), M. Soares (2003a; 2003b; 2003c; 2003d), Ribeiro (2003). Em termos de conclusão parcial, inferimos que a retomada da trajetória escolar e a obtenção de um certificado de conclusão do Ensino Fundamental podem isentar esse sujeito de certos constrangimentos sociais e podem contribuir para a ressignificação da sua imagem social e, conseqüentemente, para a (re)constituição da sua identidade cultural. PALAVRAS-CHAVES Globalização. Letramento. Identidades culturais. ABSTRACT The subjects of youth and adult education programs in a integrated and globalized world 40 This article situates issues related to the students that participate in a Youth and Adult Education programs. These subjects are part of a world where collective identities are being fragmented, so that they can be reconstituted under the influence of cultural, social, political, economical and historical aspects. Thus this work ponders on the decision that this social subject should reestablish his or her scholar trajectory. It is questioned if this return can be justified based on the need to elevate scholar level, in an attempt to be inserted and maintain itself in the work market, this can be justified by the identity construction process, once this individual tries to (re) assume its student identity. Aiming possible answers for these questions, the research observed depositions of people who were subjects in prior researches in the Youth and Adult Education programs. Issues related to Youth and Adult Education programs, Globalization, literacy and identity, were discussed, through theories, G. Santos (2003), Almeida (2003), Hall (2000), Escosteguy (2001), Mey (2001), Kleiman (1995; 1998), M. Soares (2003a; 2003b; 2003c; 2003d), Ribeiro (2003) In terms of partial conclusions, it is inferred that this scholar retake and the idea to obtain a scholar certificate that registers the conclusion of the Fundamental Cycle can prevent certain social constraints and can contribute to the a new significance of a social image, consequently, for the (re)constitution of a cultural identity. KEYWORDS Globalization. Literacy. Cultural Identity. - Natal/RN - v.2 - n.2 - jul/dez 2005

3 O ALUNO DA EJA NUM MUNDO LETRADO E GLOBALIZADO Num mundo letrado e globalizado, o fluxo de informações, as possibilidades de acesso a estas, as reconfigurações do espaço e do tempo marcam a vida dos grupos sociais, coletivamente, e dos seus membros, individualmente. Diante desse contexto, o conhecimento de habilidades de leitura e de escrita surge como um passo inicial para o acesso à informação e para a participação em conexões interativas, intergrupais e interpessoais, constituídas sob o impacto da globalização. Neste fenômeno, a informação pode agir como elemento central de uma rede de significações sociais, ressignificando práticas sociais comuns, como o ato de ler e de escrever, à medida que os canais e suportes usados para a circulação dessas informações entre os sujeitos sociais são os mais diversos. Esta concepção do papel e da relevância da informação em nossa sociedade, endossamo-la com as palavras de Mey (2001a, p.55-56): Mais do que ser aquilo que dá forma ao nosso conhecimento amorfo, implícito (significado original da palavra informação ), a informação é usada como uma expressão metafórica que cobre toda ou grande parte da necessidade que as pessoas modernas têm de segurança e confiança nelas mesmas e no mundo que as cerca. As doses diárias de informação ajudam as pessoas a continuar em suas atividades diárias, independentemente de quão triviais ou entediantes possam ser. O fluxo contínuo de informação ajuda, pois, a assegurar a suave operação do estado moderno; ele assegura o tecido social entretecendo seus fios no tear de nossos negócios. Sob esse ângulo, parece apropriado que uma dentre as outras metáforas que usamos para a sociedade de informação seja aquela da rede, que alude à atividade de amarrar ou entretecer linhas e fios em algum tecido. Na sociedade de informação atual, o caráter todo-poderoso da informação e a estrutura que ele impõe à sociedade cria um tecido societal interpenetrado por todo tipo de informações. Estamos efetivamente falando de um tipo de sociedade paralela : o tecido universal fabricado a nossa volta pela moderna tecnologia computacional, conhecida também por rede mundial de computadores [www world wide web] ou internet. 41 Não deter conhecimentos desse domínio e não saber utilizá-los implica submeter-se a estigmas sociais desfavoráveis ao exercício da cidadania por parte desses indivíduos, uma vez que nem sempre essa sociedade tecnológica se encontra paralela, mostrando-se, às vezes,

4 42 intrínseca à sociedade não-tecnológica. Fios desse tecido universal fabricado a nossa volta pela moderna tecnologia computacional fazemse presentes na estrutura de tecidos locais fabricados e fabricando-se pelas tecnologias do tradicional e do moderno. Isto é afirmar que os códigos do passado e do presente entram em processo de negociação para a construção do próprio presente tanto o global quanto o local, possivelmente lançando as bases para o futuro. Logo, essa negociação afeta o quotidiano não só dos grupos, como também dos indivíduos que formam esses grupos sociais. Os códigos culturais de sociedades modernas entremeiam-se aos códigos de sociedades tradicionais, fabricando um novo tecido social através da comunhão de aspectos culturais distintos, mas não através do silenciamento destas ou do apagamento da sua cultura, em detrimento da absorção da cultura daquelas, como prescreve a teoria da modernização. Esse encontro de mundos culturais diferentes viabiliza o processo permanente de constituição identitária de grupos e indivíduos, de acordo com a noção de que o sujeito contemporâneo é composto não de uma única, mas de várias identidades, algumas vezes contraditórias ou não-resolvidas (HALL, 2000, p.12). Neste sentido, acreditamos que identidade é um espaço onde um conjunto de novos discursos teóricos se interseccionam e onde um novo grupo de práticas culturais emerge (ESCOSTEGUY, 2001, p.150). Portanto, neste artigo, propomo-nos situar o aluno da EJA num mundo letrado e globalizado, onde, constantemente, as identidades coletivas e individuais estão sendo fragmentadas, com o propósito de serem reconstituídas, sob a influência de aspectos culturais, sociais, políticos, econômicos e históricos. Ponderamos acerca da decisão desse sujeito social de retomar a sua trajetória escolar. Especificamente, interpelamo-nos se esse retorno à vida escolar pode ser justificado com base na necessidade de elevar a escolaridade na tentativa de inserir-se e/ou manter-se no mercado de trabalho e/ou se pode ser justificado pelo processo de constituição identitária, já que este indivíduo tenta (re)assumir a sua identidade estudantil. Para tanto, na busca de possíveis respostas para o nosso problema, dialogamos com estudiosos da questão da EJA, da globalização, do letramento e, principalmente, da identidade. UM COMPLEXO DE PROCESSOS E FORÇAS DE MUDANÇA EM SOCIEDADES MODERNAS As sociedades complexas, capitalistas e industrializadas passam por inúmeras modificações de ordem cultural, social, política, econômica e histórica. Nelas, as informações surgem cada vez mais rápidas, uma vez que, atualmente, as possibilidades de comunicação - Natal/RN - v.2 - n.2 - jul/dez 2005

5 são diversas em decorrência dos avanços tecnológicos. Com a constante introdução de novas tecnologias no contexto da vida diária, doméstica e do trabalho, o ser humano é obrigado a aprender a aprender, ou seja, é obrigado a transformar informações em conhecimentos, a aprender e apreender cada vez mais informações e conhecimentos, a adaptar-se a alterações em sua situação profissional como novos empregos ou desempregos, bem como a adequar-se a novo conteúdo ou novos conteúdos em seu mesmo emprego, em sua casa, em sua cotidianidade. Muitas das tais mudanças a que o ser humano vem submetendo-se penetram o interior do seu lar e são protagonizadas pelos meios de comunicação, os quais atuam como aparelhos poderosos no processo de (re)constituição e divulgação de identidades culturais, segundo Martín-Barbero (1995 apud ESCOSTEGUY, 2001, p.157). Assim, em situações experimentadas na vida em sociedades capitalistas e industrializadas, o indivíduo está exposto a situações que lhe exigem novas atitudes, o que obriga o seu autodesenvolvimento em múltiplas dimensões, como defendem alguns autores, sob o argumento de que, somente assim, se consegue viver harmoniosamente nesses espaços. Esse autodesenvolvimento multidimensional do ser humano tão comentado por pesquisadores e difundido e cobrado pelos meios de comunicação surge como uma resposta a demandas de dois fenômenos sociais da modernidade: a globalização e o letramento. Através desses dois, referimo-nos a um complexo de processos e forças de mudança e às suas conseqüências para a humanidade, sob o título de globalização, e às práticas sociais de leitura e de escrita e às suas conseqüências, sob o título de letramento. Os efeitos da globalização imprimem novas significações a práticas já conhecidas pela humanidade, a saber, o ato de ler e de escrever, o contato entre os seres humanos, a participação na vida citadina, etc. Em decorrência dessas novas significações, os grupos sociais têm as suas identidades deslocadas, descentralizadas e fragmentadas, gerando um novo sujeito social. É interessante observarmos a indagação e a resposta de Hall (2000) a respeito desse processo de constituição identitária que sucede desde o século passado. Estamos no século XXI e a sua resposta não só continua atual, como assim permanecerá acreditamos por certo tempo. 43 O que, então, está tão poderosamente deslocando as identidades culturais nacionais, agora, no fim do século XX? A resposta é: um complexo de processos e forças de mudança, que, por conveniência, pode ser sintetizado sob o termo globalização. Como argumenta Anthony McGrew (1992), a globalização se refere àqueles processos, atuantes numa escala global, que atravessam fronteiras nacionais, integrando e conectando comunidades e organizações em

6 novas combinações de espaço-tempo, tornando o mundo, em realidade e em experiência, mais interconectado. A globalização implica um movimento de distanciamento da idéia sociológica clássica da sociedade como um sistema bem delimitado e sua substituição por uma perspectiva que se concentra na forma como a vida social está ordenada ao longo do tempo e do espaço (Giddens, 1990, p.64). Essas novas características temporais e espaciais, que resultam na compressão de distâncias e de escalas temporais, estão entre os aspectos mais importantes da globalização a ter efeito sobre as identidades culturais. (HALL, 2000, p.67-68). 44 Essas compressões temporais e espaciais podem ser exemplificadas com a internet e com as ações realizadas através dela. Um exemplo é o de um estudante universitário que necessita enviar o seu trabalho acadêmico para a participação em um congresso científico. Caso as regras do evento permitam, ele pode fazer isso através do seu . Sem considerar possíveis problemas com o envio do seu texto, claramente percebemos a compressão das escalas temporais e espaciais, conseqüência da globalização, e ainda observamos novas práticas de leitura e de escrita exigidas, quando as habilidades básicas de codificação e decodificação do código escrito não satisfariam às necessidades da situação dada. Assim, as reconfigurações do tempo e do espaço não apenas contribuem para reconfigurações das fronteiras simbólicas das identidades culturais de uma nação, mas também promovem alterações das fronteiras simbólicas das identidades culturais dos indivíduos. Assim como outras conseqüências sofridas pelas identidades, a supracitada exigência de autodesenvolvimento multidimensional presente no e disseminada e também construída pelo discurso da mídia, que reflete o discurso do consumismo ocidental global constitui parte do esforço de homogeneização cultural imposto pelas grandes forças imperialistas do Ocidente, cujo representante maior, atualmente, é o império estadunidense (HALL, 2000; ESCOSTEGUY, 2001). Contudo, devido à variedade de realidades socioculturais existentes, a unanimidade desse autodesenvolvimento é impossível. Não podemos julgar que as nossas necessidades sejam superiores às de pessoas que detêm experiências distintas das nossas, que vivem em realidades socioculturais também distintas. Não podemos exigir que essas pessoas busquem igualar-se a nós, nem vice-versa. Do contrário, estaríamos regressando à escala de civilização estado selvagem, barbárie e civilização sugerida por Edward Tylor, na segunda metade do século XIX (LARAIA, 2000). Naquela época, Tylor aludia à pretensão de que todas as sociedades ditas selvagens absorvessem a cultura das sociedades ditas civilizadas, no caso as nações européias. Para ele, esta seria a evolução natural de - Natal/RN - v.2 - n.2 - jul/dez 2005

7 toda a humanidade. Hoje, quanto ao advento da globalização e à sua proposta de homogeneização cultural, ocorre uma mudança de nomenclatura: os selvagens são chamados de subdesenvolvidos; os civilizados, de desenvolvidos. Todavia, do mesmo modo como as colônias européias absorveram aspectos da cultura das suas metrópoles sem abdicarem das suas próprias culturas, os países ditos subdesenvolvidos não esquecem as suas respectivas identidades culturais em virtude de estarem submissos, política e economicamente, aos Estados Unidos da América. Logo, analisando o modelo de homogeneização cultural imposto pela teoria da modernização, endossamos a nossa reflexão com a de Featherstone (1997, p.124): O pressuposto de que todas as particularidades e culturas locais acabariam cedendo à incansável força modernizadora do imperialismo cultural americano implicava a interligação de todas as particularidades, constituindo uma hierarquia simbólica. A teoria da modernização pôs esse modelo em movimento, partindo da suposição de que, à medida que cada nação não-ocidental se modernizasse, ela subiria na hierarquia e reproduziria ou absorveria a cultura americana, a ponto de cada localidade acabar manifestando os ideais culturais, as imagens e os artefatos materiais do estilo americano de vida. De acordo com Hall (1991 apud ESCOSTEGUY, 2001, p ), essa homogeneização cultural estadunidense nunca é absolutamente completa, porque ocorre aquilo identificado como a natureza negociadora da formação histórica da identidade cultural, gerando, concomitantemente, absorções e recusas culturais, através das formas locais de oposição e resistência. Por este motivo, esse esforço de homogeneização reconhece e tenta absorver as diferenças, não as elimina, mas funciona através delas. Sahlins (1997) registra essa negociação de sentidos, observando que os povos colonizados recebem os símbolos da cultura estrangeira, ressignificando-os através das suas concepções, já que o sistema cultural local fornece as estruturas necessárias para a definição, categorização e discriminação daquilo que é novo para a sociedade que, simbolicamente, está sendo colonizada. Nessa tarefa, as instituições sociais entre elas, a escola passam a desempenhar um papel fundamental: integrar a comunidade e a nova ordem social, reconstituindo, coletivamente, a sua identidade cultural. Em circunstâncias comuns em sociedades ocidentais e ditas modernas, esse processo de negociação de sentidos é evidente, ou seja, tornam-se claras as ressignificações de determinadas práticas sociais, muitas delas em virtude de, cada vez mais, o tempo e o espaço tornarem-se categorias simbólicas. E esses novos sentidos atribuídos a atos como o de ler e o de escrever favorecem alterações no coletivo 45

8 e no individual, reorganizando as identidades culturais. Nesta perspectiva, com base em estudos já realizados (ALMEIDA, 2003; SANTOS, G., 2003), observamos que, geralmente, as origens do aluno da EJA remetem a comunidades onde o uso da escrita se mostra parco e onde, embora ele demonstre pouco ou nenhum conhecimento da escrita, não sofre tantas dificuldades de interação com os concidadãos, de participação nas práticas sociais, conforme enfrenta, ao engajarse no quotidiano de uma cidade bem maior do que a sua de origem, caracterizada pelo fluxo de informação, para usar uma expressão de Mey (2001). Portanto, é diante dessa mudança de cenário, inserindose e deslocando-se em contextos urbanos letrados e globalizados, sob a justificativa de busca de oportunidades melhores, que refletimos a retomada da trajetória escolar pelo aluno da EJA, como uma possível reconstituição identitária, em resposta a novas situações experimentadas em sua vida. O ALUNO DA EJA E NOVAS DEMANDAS DE PRÁTICAS SOCIAIS DE LEITURA E DE ESCRITA 46 Os métodos de coleta de dados das pesquisas acerca do (an)alfabetismo são modificados à medida que novas habilidades de leitura e de escrita são exigidas nas e para as relações instituídas no âmbito social. Até 1940, no Brasil, os índices de alfabetização registravam o número de alfabetizados a partir do fato de saber assinar o próprio nome. Na década seguinte, o critério adotado para considerar alguém alfabetizado era que esse alguém soubesse ler e escrever um bilhete simples. Um agravante dessas pesquisas era que bastava declarar oralmente ao pesquisador e este anotava a resposta do entrevistado, não exigindo a sua comprovação. Conseqüentemente, esses índices divulgados até então tanto podem abrigar, na lista dos alfabetizados, analfabetos, como também podem ter alfabetizados na lista dos analfabetos. Por exemplo, algum entrevistado, por encontrar-se diante do pesquisador, que ele julga detentor de mais conhecimentos do que ele, embora não soubesse correlacionar os grafemas aos seus respectivos fonemas e vice-versa, pode ter declarado que era capaz de realizar aquela tarefa assinar o seu nome ou ler e escrever um bilhete simples. Duas décadas seguintes, a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) sugeriu a avaliação da alfabetização funcional, ou seja, a avaliação da aquisição de habilidades de leitura e de escrita que proporcionassem o funcionamento adequado de um dado sujeito em um dado contexto social. (SOARES, M., 2003b). Todavia, embora se observem evoluções gradativas no modo de avaliar e quantificar alfabetizados e analfabetos, M. Soares (2003b, - Natal/RN - v.2 - n.2 - jul/dez 2005

9 p.96) considera que os critérios adotados no Brasil ainda se faziam muito elementares, visto que buscavam atestar mais a posse do código escrito do que o uso das habilidades desse código. Em decorrência das novas demandas pelo uso da leitura e da escrita nas sociedades ocidentais, essas alterações nos recenseamentos foram surgindo, bem como novos termos para designar os fenômenos e os sujeitos das pesquisas, senão os termos antigos sofreram alguma perda ou algum acréscimo semântico. Quando a exigência maior era a de assinar o próprio nome e escrever um bilhete simples, aqueles que conseguissem eram chamados de alfabetizados e aqueles que não conseguissem, de analfabetos. Porém, com o aparecimento de inúmeras tecnologias, especialmente de tecnologias da informação, somente a posse da tecnologia da escrita não se fez suficiente para a maioria das pessoas participar, com eficiência, de eventos que envolvessem a leitura e a escrita. Diferente de escrever um simples bilhete para o recenseador é escrever um bilhete para o chefe de trabalho ou para o namorado. Mais diferente ainda é escrever um e- mail para um amigo virtual. O parco saber a respeito da escrita restringe a participação daqueles que o detêm nos bens culturais socialmente produzidos. Nos países industrializados, entre eles, o Brasil, os problemas associados à educação dos seus cidadãos estão bem menos atrelados às capacidades individuais destes do que à desigual distribuição dos bens socioculturais, às posições ocupadas e papéis exercidos pelos sujeitos na sociedade. Aludindo a esses bens socioculturais, ressaltamos, em primeiro plano, a tecnologia da escrita, porque a sua posse e o domínio do seu uso social refletem a estrutura de sociedades contemporâneas, em que, de um lado, ficam os detentores do poder através do saber que a escrita lhes oferece e, de outro lado, ficam os excluídos, os dominados. Embora, dependendo da situação vivenciada, concebamos uma certa mobilidade talvez, tímida dos papéis sociais, nas palavras de Foucambert (1989, p.121), A defasagem entre leitores e não-leitores reproduz a divisão social entre o poder e a exclusão, entre as classes dominantes e os que são apenas executores. O homem e a mulher escolarizados e com bom nível intelectual, inseridos nessa realidade, sentem-se obrigados a atualizar-se intelectual e profissionalmente, pois logo lhes atinge o medo de serem totalmente ultrapassados pela avalanche de informações ou, até mesmo, a avalanche tecnológica que surgem em seu quotidiano, obrigando-os a buscarem uma capacitação contínua. Por sua vez, a situação do homem e da mulher pouco ou não-escolarizados, já adultos e trabalhadores é bem mais delicada, principalmente quando ainda lhes faltam as competências básicas para que enfrentem as exigências da vida diária, diante de tantos avanços tecnológicos presentes na vida doméstica e no trabalho, em especial. É difícil, então, tornar-se 47

10 um(a) trabalhador(a) apto(a) a adequar-se a mudanças profissionais quando não se dominam as técnicas básicas de leitura e escrita, cuja aquisição, já que inseridos numa sociedade letrada, poderia encetar o início da aquisição de novas competências e contribuir para o exercício pleno da cidadania, como acreditam alguns lingüistas aplicados (HOFFNAGEL, 1999) e defensores do letramento numa perspectiva funcional (SOARES, M., 2003c). A retomada da trajetória escolar por parte dos alunos da EJA pode conjecturar a tentativa de ressignificar-se na situação social de que participam. Através do contato mantido com quatro sujeitos advindos da zona rural para Belo Horizonte (MG), onde participavam de um curso de alfabetização de adultos, Almeida (2003) tenta apreender os significados atribuídos por eles ao processo de alfabetização e, assim, explicar essa volta aos bancos escolares. Em relação à procedência dos sujeitos da sua pesquisa e às necessidades de uso da escrita nos contextos de origem, Almeida (2003, p.40-41) comenta que Todos os sujeitos da pesquisa são oriundos da zona rural. Os relatos mostraram que tiveram participação restrita aos bens culturais produzidos socialmente. A experiência escolar de todos eles também mostrou um aprendizado bastante rudimentar no que se refere à aquisição da escrita. [...]. Em uma comunidade onde se faz pouca utilização da escrita nesse caso, as cidades de origem as demandas apontadas estavam prioritariamente ligadas às raras práticas sociais de escrita. As demandas se restringiam à leitura e à escrita de cartas, o que podia ser resolvido com a ajuda das poucas pessoas que, nesses contextos, sabiam ler e escrever. Esses eram momentos de solidariedade e de cooperação entre amigos, parentes, vizinhos. Em raros casos, a leitura era utilizada para o lazer (apenas um dos sujeitos comenta que seu pai fazia leitura de poemas para a família). 48 No caso dos sujeitos da pesquisa de Almeida (2003), todos se dirigiram a Belo Horizonte. Três deles saíram do interior de Minas Gerais; um, do interior da Bahia. No caso dos alunos da EJA, de uma escola de um bairro periférico da cidade de Natal, no Rio Grande do Norte, onde ainda estamos coletando dados, parcela do corpo discente veio também do interior para a capital do Estado. Diante das mudanças sucedidas em suas vidas, atualmente esses sujeitos se encontram inseridos em contextos urbanos letrados e globalizados, expressão que engloba inúmeros contextos construídos no dia-a-dia da cidade e que propõe práticas de leitura e de escrita bastante diversificadas, não se reduzindo à leitura e à escrita de cartas, freqüentemente não se contando com o auxílio de outrem. Nessas situações, o simples conhecimento do alfabeto não atende às reais necessidades do uso da escrita. Apesar de não serem analfabetas, pois detêm o código escrito, a ponto de conseguirem codificar e - Natal/RN - v.2 - n.2 - jul/dez 2005

11 decodificar, certas pessoas não asseguram a sua participação em práticas de leitura e de escrita detentoras de grande valor em sua sociedade. Assim, a alfabetização, enquanto processo de aquisição do código escrito, não abarca mais essas variadas demandas da tecnologia da escrita, principalmente em contextos urbanos letrados e globalizados. Desse modo, buscou-se outro termo para denominar essa nova conjuntura em torno da leitura e da escrita: letramento. Em concordância com Kleiman (1995, p.19), designamos este fenômeno como um conjunto de práticas sociais que usam a escrita, enquanto sistema simbólico e enquanto tecnologia, em contextos específicos, para objetivos específicos. Como afirma Ribeiro (2003, p.15-16), Podemos dizer que certos níveis de habilidade de leitura e escrita não são suficientes (ou não são funcionais), por exemplo, para que se possa identificar o letreiro de um ônibus, ou para preencher uma ficha de controle de produção numa fábrica, ler um jornal, estudar genética ou elaborar um trabalho de filosofia. A situação de analfabetismo funcional, então, está referida sempre a algum contexto ou demanda específica da prática social. Mas, apesar de não ser suficiente para muitas das demandas colocadas pela vida moderna, especialmente em contextos urbanos, habilidades de leitura e escrita, mesmo que limitadas, certamente têm alguma serventia para quem as possui, nem que seja apenas um valor simbólico. Tomemos um exemplo limite, o daquela pessoa que só sabe assinar o nome desenhando as letras sem poder decodificá-las; essa habilidade, que em outros momentos da história foi considerada suficiente para identificar uma pessoa como alfabetizada, hoje é reconhecida e de fato o é como insuficiente frente a um amplo espectro de demandas sociais. Mesmo assim, para quem só sabe assinar o próprio nome, esse saber ainda hoje pode ser valioso, no mínimo, para livrálo da vergonha de ter que marcar seus documentos com uma impressão digital; é um saber limitado, mas que pode ter funções bem práticas no dia-a-dia. Atitudes consideradas simplórias em sociedades tecnológicas, na verdade, não o são. Antes de julgarmos determinados sujeitos e as suas práticas, temos de observar a posição social em que eles se encontram. Referimo-nos, especificamente, ao aluno da EJA. Tomando como fonte de reflexão os quatro sujeitos da pesquisa de Almeida (2003) e os alunos daquela escola natalense, onde coletamos dados, é pertinente afirmar que 49 As necessidades de leitura e escrita apresentadas por eles têm estreitas relações com o cotidiano e ainda apresentam grande influência do meio sociocultural em que o indivíduo atua e atuou. Essas necessidades terão maior ou menor relevância em função das atividades em que os sujeitos

12 estiveram e possam estar envolvidos. Isso nos leva a pressupor que o valor da escrita na sociedade e a participação em práticas de letramento interferem nos significados que os sujeitos adultos atribuem ao processo de alfabetização. (ALMEIDA, 2003, p.41). É, portanto, relevante salientar que os usos do código escrito, por simples ou complexos que pareçam ser, não são neutros, porque são construídos socialmente e, assim, submetidos ao tempo e ao espaço, contemplam significações sobre os seus participantes e sobre os próprios eventos em que se inserem, pois variam histórica e espacialmente. É inquestionável que o valor da escrita e dos impressos em uma sociedade industrial complexa é diferente do valor imprimido a esses objetos por uma comunidade rural. São valores distintos, mas não menos importantes. CONSIDERAÇÕES FINAIS 50 Uma parcela daqueles que migram das suas cidades de origem para centros urbanos maiores justificam o seu deslocamento geográfico com o argumento de que, no espaço urbano, podem ter melhores oportunidades de vida, melhores oportunidades de trabalho. Entretanto, como conseguir adentrar num mercado de trabalho tão competitivo, em que se exigem diversas competências do indivíduo? Uma das respostas disseminadas é que se consegue através da escolarização e da educação ou capacitação permanente, pois acreditam que estas possam fornecer os meios para alcançar aquele autodesenvolvimento tão desejado, comentado anteriormente. Na verdade, parece complicado atribuir ao processo de escolarização a responsabilidade pela admissão de um sujeito pelo mercado de trabalho. Primeiro, porque, através desta atribuição, percebemos uma confusão conceitual entre escolarização, letramento e alfabetização. Segundo, porque este substantivo abstrato alude à aprendizagem escolar, que, por sua vez, tanto pode absorver o ser humano quanto conteúdos, informações do mundo que passam a ser aprendidas no ambiente escolar (SOARES, M., 2003b). No entanto, embora pareçam comuns os vínculos entre os termos supracitados, há distinções evidentes entre os mesmos. Bem mais do que a relação entre letramento e escolarização, alfabetização e escolarização, tanto para leigos quanto para profissionais da área educacional, surgem como sinônimos, quando não o são. Pensa-se que à escola se comparece com o propósito de aprender a ler e a escrever. Porém, a função da escola não se limita ao ensino da leitura e da escrita, seja em qualquer etapa de ensino. Além de este não ser o limite da escola, aprende-se a ler e a escrever em ambientes que nada tem a ver - Natal/RN - v.2 - n.2 - jul/dez 2005

13 com um estabelecimento de ensino, com um processo de escolarização. Todavia, estas crenças de que só se apreende a escrita no colégio e de que lá se vai para aprender a ler e a escrever estão tão arraigadas à nossa cultura, que interferem nos vários modos de aprendizagem de tais conhecimentos e práticas (BRITTO, 2003). Por sua vez, parece ser mais aceitável a ligação entre alfabetização e letramento do que letramento e escolarização. Como expomos no item anterior, entendemos letramento como um conjunto de práticas de leitura e de escrita, que não se reduzem à codificação e decodificação, mas que podem variar de acordo com o espaço e o tempo em que o uso ocorre, dependendo também da intencionalidade do seu uso, do seu objetivo específico. Entretanto, os sujeitos crêem que, estando alfabetizados, isto é, de posse do código escrito, o seu uso efetivo, eficiente e eficaz em práticas sociais é uma decorrência, quando não o é. O letramento não é conseqüência natural da alfabetização nem da escolarização. Existe, sim, a possibilidade de estes favorecerem aquele, mas não é um caminho natural, certo, seguro. Se assim pensamos, estamos ignorando a diversidade de práticas sociais de leitura e de escrita no mundo, principalmente em contextos urbanos letrados e globalizados, e estamos supondo que todas essas práticas são transformadas em objeto de aprendizagem em ambiente escolar. Logo, cientes de que a escola não é o fulcro de todas as alterações que sucedem em nossa vida, torna-se menos difícil afirmar que ela nem sempre é o caminho para adentrar no mercado de trabalho, visto que as habilidades de leitura e de escrita ensinadas e aprendidas na escola nem sempre correspondem àquelas exigidas no ambiente profissional de cada um dos sujeitos. O conhecimento da tecnologia da escrita é apenas uma das competências solicitadas por esse mercado de trabalho, que corresponde às novas compressões da escala tempo-espaço da globalização (ESCOSTEGUY, 2001) e que também corresponde às reconfigurações da sociedade da informação (MEY, 2001). É importante salientar que a codificação e a decodificação, enquanto habilidades básicas da tecnologia da escrita, não se mostram mais suficientes para satisfazer as variadas exigências de contextos urbanos letrados e globalizados. À guisa de exemplificação, lembramos das situações mencionadas no item anterior, referentes à realização de uma viagem e ao envio de um trabalho acadêmico através da internet. Somando-se a estes exemplos, citamos outros que se associam a questões quotidianas de um trabalhador: quando, na sua cidade de origem, José, um dos sujeitos da pesquisa de Almeida (2003), recebia o seu salário direto com o seu patrão ou no caixa do banco, em Belo Horizonte ele até poderia agir da mesma maneira, mas é comum os trabalhadores de uma capital sacarem a sua remuneração em um caixa automático, um meio da compressão temporal e espacial. No cenário profissional, evidencia-se cada vez mais a necessidade do desenvolvimento de competências que favoreçam a construção contínua 51

14 52 de novos e múltiplos conhecimentos. Não mais se enfatizam conhecimentos específicos, mas, sim, uma base geral sólida de conhecimentos. Espera-se que, a partir desta base, cada sujeito se desenvolva em múltiplas dimensões ou naquela que o contexto exigir ou que ele preferir. Para tanto, além de criatividade e adaptabilidade, o indivíduo precisa possuir intimidade com as habilidades sociais e funcionais da leitura, da escrita e da matemática, com conhecimentos técnicos demandados por ocupações profissionais específicas, bem como a capacidade de trabalhar em equipe, o que exige as capacidades de comunicação e de autonomia/autogestão do sujeito e do grupo (INFANTE, 2003; SANTOS, M., 1998). A aquisição de todas essas competências depende não apenas de esforço individual, mas, sobretudo, coletivo, quando se consideram as situações de aprendizagem a que o sujeito se expõe e/ou é exposto (INFANTE, 2003, p.117). Todavia, frente ao fato de que o Brasil ainda é um país cuja parcela da população adulta apresenta baixa escolaridade média, Infante considera difícil implementar uma capacitação permanente para o trabalhador brasileiro inserido nesse contingente, visto que os níveis de escolaridade alcançados e as habilidades de letramento adquiridas são fatores relevantes para a obtenção de bons resultados nos cursos dos quais participa e, até mesmo, para a sua inserção nesses cursos. Para Infante (2003, p.117), [...] a população com baixa escolaridade não participa de oportunidades de capacitação e, se participa, [...] é em temas muito específicos, relacionados a ofícios que, provavelmente, não serão suficientes para tirá-los de seus níveis de pobreza. Portanto, no sentido de que haja a promoção da empregabilidade entendida como a possibilidade de conquista do emprego e de permanência no mesmo, ou no mercado de trabalho para esses indivíduos, M. Santos (1998) pensa na educação profissional como a complementação da educação básica, ou seja, a complementação dos níveis de Ensino Fundamental e Médio. Isto justifica a nossa preocupação com a educação de adultos e jovens com defasagem em seus níveis de escolaridade. Se quem não possui escolaridade defasada enfrenta obstáculos para a sua permanência e, quando não, para a sua entrada no mercado profissional, mais obstáculos enfrentam aqueles que, com idade avançada, ainda estão sendo alfabetizados ou cursando as séries equivalentes ao Ensino Fundamental. Diante dessa conjuntura social, econômica e política em que se encontra o sistema educacional, contemplando uma perspectiva social de letramento, inquietamo-nos acerca da implementação dos programas de educação básica de adultos no Brasil. Predomina nessa instância educacional uma clientela que apresenta uma defasagem de escolaridade, que, por sua vez, impede ainda mais o acesso ao mercado de trabalho. Embora a elevação do seu nível de escolaridade possa não - Natal/RN - v.2 - n.2 - jul/dez 2005

15 asseverar a sua inserção e permanência em contextos profissionais (SOARES, S., 2000), a obtenção de um certificado de conclusão do Ensino Fundamental isenta-o de constrangimentos sociais que lhe imprimam o estigma de sujeito menor, marca presente nas interlocuções entre aqueles considerados letrados e aqueles considerados não-letrados (RATTO, 1995; SANTOS, G., 2003; ALMEIDA, 2003). Portanto, a obtenção desse certificado, além de evitar-lhe a exposição a certos estigmas, contribui para a ressignificação da sua imagem social e, conseqüentemente, para a (re)constituição da sua identidade cultural. REFERÊNCIAS ALMEIDA, Maria Lúcia Silva. Sujeitos não-alfabetizados: sujeitos de direitos, necessidades e desejos. In: SOARES, Leôncio (Org.). Aprendendo com a diferença: estudos e pesquisas em educação de jovens e adultos. Belo Horizonte: Autêntica, BRITTO, Luiz Percival Leme. Sociedade de cultura escrita, alfabetismo e participação. In: RIBEIRO, Vera Masagão (Org.). Letramento no Brasil: reflexões a partir do INAF São Paulo: Global, ESCOSTEGUY, Ana Carolina D. Identidades culturais: uma discussão em andamento. In:. Cartografias dos estudos culturais: Uma versão latino-americana. Belo Horizonte: Autêntica, FEATHERSTONE, Mike. Culturas globais e culturas locais. In:. O desmanche da cultura. São Paulo: Studio Nobel, FOUCAMBERT, Jean. A leitura em questão. Tradução de Bruno Charles Magne. Porto Alegre: Artes Médicas, HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva, Guacira Lopes Louro. 4. ed. Rio de Janeiro: DP&A, HOFFNAGEL, Judith Chambliss. Linguagem e a construção da identidade de gênero. In: BARROS, Kazue Saito Monteiro de (Org.) Produção Textual: interação, processamento, variação. Natal (RN): EDUFRN, INFANTE, Isabel. Educação e capacitação permanente. In: RIBEIRO, Vera Masagão (Org.). Letramento no Brasil: reflexões a partir do INAF Op. cit KLEIMAN, Angela B. A construção de identidades em sala de aula: um enfoque interacional. In: SIGNORINI, Inês (Org.). Língua(gem) e identidade: elementos para uma discussão no campo aplicado. Campinas, SP: Mercado de Letras; São Paulo: Fapesp, 1998.

16 . Modelos de letramento e as práticas de alfabetização na escola. In: (Org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas, SP: Mercado de Letras, LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. 13. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., MEY, Jacob L. Quem (se) comunica? A pragmática da interação. In:. As vozes da sociedade: seminários de pragmática. Tradução de Ana Cristina de Aguiar. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2001a.. As vozes da sociedade: letramento, consciência e poder. In:. As vozes da sociedade: seminários de pragmática. Op. cit. 2001a. RATTO, Ivani. Ação política: fator de constituição do letramento do analfabeto adulto. In: KLEIMAN, Angela B. (Org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Op. cit RIBEIRO, Vera Masagão. Por mais e melhores leitores: uma introdução. In: (Org.). Letramento no Brasil: reflexões a partir do INAF Op. cit SAHLINS, Marshall. O pessimismo sentimental e a experiência etnográfica: por que a cultura não é um objeto em via de extinção (Parte I). Rio de Janeiro: PPGAS/Museu Nacional, SANTOS, Geovania Lúcia dos. Quando adultos voltam para a escola: o delicado equilíbrio para obter êxito na tentativa de elevação da escolaridade. In: SOARES, Leôncio (Org.). Aprendendo com a diferença: estudos e pesquisas em educação de jovens e adultos. Op. cit SANTOS, Martha Maria Ramos Rocha dos. Escolaridade e trabalho industrial: até onde as mulheres podem chegar? In: PASSOS, Elizete; ALVES, Ívia; MACÊDO, Márcia (Orgs.). Metamorfoses: gênero nas perspectivas interdisciplinares. Salvador: UFBA, Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher, SOARES, Leôncio. Apresentação. In: (Org.). Aprendendo com a diferença: estudos e pesquisas em educação de jovens e adultos. Op. cit. 2003a.. A formação do educador de jovens e adultos. In: (Org.). Aprendendo com a diferença: estudos e pesquisas em educação de jovens e adultos. Op. cit. 2003b. SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2003a.. Letramento e escolarização. In: RIBEIRO, Vera Masagão (Org.). Letramento no Brasil: reflexões a partir do INAF Op. cit. 2003b. - Natal/RN - v.2 - n.2 - jul/dez 2005

17 . Alfabetização e letramento. São Paulo: Contexto, 2003c.. A reinvenção da alfabetização. Presença Pedagógica, [s.l.], v. 9, n. 52, p , jul./ago. 2003d. SOARES, Suely Galli. Formação e integração social do trabalhador EJA. In:. Arquitetura da identidade: sobre educação, ensino e aprendizagem. São Paulo: Cortez, TRAMITAÇÃO Recebido em: 31/03/2005 Aprovado em: 23/11/

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

HIPERATIVIDADE E INDISCIPLINA: SEMELHANÇAS E DESSEMELHANÇAS - UMA ESCUTA DO PROFESSOR

HIPERATIVIDADE E INDISCIPLINA: SEMELHANÇAS E DESSEMELHANÇAS - UMA ESCUTA DO PROFESSOR HIPERATIVIDADE E INDISCIPLINA: SEMELHANÇAS E DESSEMELHANÇAS - UMA ESCUTA DO PROFESSOR Maria Célia Malheiros Knopp 1 Resumo Partindo do princípio que a indisciplina e a hiperatividade é um fato da realidade

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXTENSÃO DE

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Adriana M. das Virgens Chagas (adrianachagas3@hotmail.com) Aluna de graduação do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas de Aracruz Luciana C.

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB

UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB 01. RESUMO Karla Rodrigues de Almeida Graduada em Letras pela UFCG e-mail: karlaalmeida.1@hotmail.com Izanete

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos da Educação de Jovens e Adultos Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º 1 - Ementa (sumário, resumo) Abordagens

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS 01. JUSTIFICATIVA: Entendemos que a Educação de Jovens e Adultos foi concebida para resgatar aqueles que por vários motivos tenham

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

TIC S: INCLUSÃO E/OU EXCLUSÃO

TIC S: INCLUSÃO E/OU EXCLUSÃO TIC S: INCLUSÃO E/OU EXCLUSÃO Raquel Monteiro Alberto Moraes - Graduanda do curso de Pedagogia (UERJ) Renata Oliveira de Sousa- Graduanda do curso de Pedagogia (UERJ) A sociedade atual se encontra imersa

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA Karin Comerlatto da Rosa kcomerlattodarosa@yahoo.com.br Resumo: A história da Lapa está presente

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. Resumo INCLUSÃO DIGITAL Leandro Durães 1 A inclusão digital que vem sendo praticada no país tem abordado, em sua

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª. Msc. Clara Maria Furtado claramaria@terra.com.br clara@unifebe.edu.br PLANEJAMENTO Representa uma organização de ações em direção a objetivos bem definidos, dos recursos

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 1 CONCEPÇÕES DE CURRÍCULO e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 2 CONVERSANDO SOBRE CURRÍCULO Diferentes concepções Conteúdos e competências Sobre aprendizagens Projetos alternativos

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA)

INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) LOURENÇO, Érica Simone 1 PELOZO, Rita de Cassia Borguetti 2 VIEIRA, Kátia Solange Borges 3 VIEIRA, Rosimeire Garcia 4 RESUMO Este artigo tem como

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ALFABETIZAR LETRANDO

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ALFABETIZAR LETRANDO 123 EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ALFABETIZAR LETRANDO João Fábio Davi Xavier 1 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo abordar a perspectiva de alfabetizar letrando, os alunos da Educação de Jovens

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Gestão Pública. Ética e cidadania. Tema: Ética e Cidadania

Gestão Pública. Ética e cidadania. Tema: Ética e Cidadania Gestão Pública Profa. Márcia Velasques Ética e cidadania Seminário de políticas locais/regionais: as dimensões da ética, da cultura e dos serviços prestados ao público Tema: Ética e Cidadania Núcleo de

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

Entrevista com Magda Becker Soares Prof. Universidade Federal de Minas Gerais

Entrevista com Magda Becker Soares Prof. Universidade Federal de Minas Gerais "LETRAR É MAIS QUE ALFABETIZAR" Entrevista com Magda Becker Soares Prof. Universidade Federal de Minas Gerais Nos dias de hoje, em que as sociedades do mundo inteiro estão cada vez mais centradas na escrita,

Leia mais

DISCUSSÕES A RESPEITO DA IMPORTÂNCIA DA CULTURA E DA IDENTIDADE NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS.

DISCUSSÕES A RESPEITO DA IMPORTÂNCIA DA CULTURA E DA IDENTIDADE NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Ambientes Não Formais de Aprendizagem

Ambientes Não Formais de Aprendizagem Ambientes Não Formais de Aprendizagem Os Ambientes formais de aprendizagem desenvolvem-se em espaços próprios (escolas) com conteúdos e avaliação previamente determinados; Os Ambientes não formais de aprendizagem

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Introdução USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho EEEFM Agenor Clemente dos Santos paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA Avaliação Da Prática Docente A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA PRÁTICA DOCENTE Autora: Maria Peregrina de Fátima Rotta Furlanetti Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Estadual

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Datas: 11 e 18 de Setembro Horário: 14:00h às 17:40h Carga Horária: 8 horas Vagas: O número mínimo de inscritos será: 20 pessoas

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL José Euriques de Vasconcelos Neto (UFCG); Dennis Cláudio Ferreira (UFCG) Resumo O atual sistema educacional tem buscado

Leia mais

ENSINO COLABORATIVO: POSSIBILIDADES PARA INCLUSÃO ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL

ENSINO COLABORATIVO: POSSIBILIDADES PARA INCLUSÃO ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL 1003 ENSINO COLABORATIVO: POSSIBILIDADES PARA INCLUSÃO ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL Cristina Angélica Aquino de Carvalho Mascaro Carla Fernanda Siqueira Vanessa Cabral Amanda Carlou Andrade Santos Fundação

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA

MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA José Roberto da silva Almeida, Arno Bayer jrsa12@hotmail.com,

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Palavras-chave: Letramento. Alfabetização. Ensino-aprendizagem.

Palavras-chave: Letramento. Alfabetização. Ensino-aprendizagem. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DA LEITURA E ESCRITA NAS SERIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL RESUMO: BARBOSA, Maria Julia de Araújo. Pedagogia - UEPB/Campus

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FORMANDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA O ACESSO A INTERNET: O CURSO DE WEB DESIGN E A

Leia mais

OS SENTIDOS DO LER E ESCREVER NA SOCIEDADE E NA ESCOLA

OS SENTIDOS DO LER E ESCREVER NA SOCIEDADE E NA ESCOLA OS SENTIDOS DO LER E ESCREVER NA SOCIEDADE E NA ESCOLA JOSE MABEL PEREIRA LOPES DAS NEVES (UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS). Resumo A pesquisa tem como objetivo conhecer quais os saberes que as ingressantes

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME.

ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME. ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME. Adriane Abrantes Lazarotti 1 Gisele Rogelin Prass ¹ Pedrinho Roman 2 RESUMO A educação está buscando soluções para problemas

Leia mais

A INTERNET COMO INSTRUMENTO DE EDUCOMUNICAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR: UMA QUESTÃO ÉTICA. Palavras-Chave: Educomunicação. Terceiro setor. Internet.

A INTERNET COMO INSTRUMENTO DE EDUCOMUNICAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR: UMA QUESTÃO ÉTICA. Palavras-Chave: Educomunicação. Terceiro setor. Internet. A INTERNET COMO INSTRUMENTO DE EDUCOMUNICAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR: UMA QUESTÃO ÉTICA Beatriz Jucá Universidade Federal do Ceará Resumo Esse artigo apresenta uma reflexão sobre a inclusão digital para

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais