DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR. Universidade do Minho Escola Superior de Enfermagem

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR. Universidade do Minho Escola Superior de Enfermagem"

Transcrição

1 Universidade do Minho Escola Superior de Enfermagem DOSSIER DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR BRAGA,

2 PEDIDO DO REGISTO DE CRIAÇÃO DO CURSO DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO (De acordo com Decreto-Lei n.º 353/99, de 3 de Setembro e a Portaria n.º 268/2002, de 13 de Março) 2

3 [A] Pedido, subscrito pelo órgão legalmente competente. Resolução SU-.../2007 Sob proposta da Escola Superior de Enfermagem; Ouvido o Conselho Académico nos termos do disposto da alínea g), nº 2, artigo 24º dos Estatutos da Universidade do Minho; Ao abrigo do disposto no nº 1 do artigo 7º da Lei nº 108/88, de 24 de Setembro, no nº 1 do artigo 1º do Decreto-Lei nº 155/89, de 11 de Maio, no Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, no Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março de 2006 e no nº 2 do artigo 20º dos Estatutos da Universidade do Minho, O Senado Universitário da Universidade do Minho, reunido em sessão plenária em XX de XXXXXX de 2007, determina: 1º (Criação de curso) A Universidade do Minho cria o Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Reabilitação, na Escola Superior de Enfermagem em conformidade com Decreto-Lei n.º 353/99, de 3 de Setembro e a Portaria n.º 268/2002, de 13 de Março, de acordo com a presente Resolução. 2º (Organização do curso) O Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Reabilitação, adiante simplesmente designado por curso, organiza-se pelo sistema de unidades de crédito europeus (ECTS). 3º (Estrutura curricular) A estrutura curricular do curso consta em anexo à presente Resolução. 4º (Plano de estudos) O plano de estudos do Curso será fixado por despacho do Reitor, sob proposta do Conselho Académico, a publicar na II Série do Diário da República. 3

4 5º (Habilitações de acesso) São admitidos à candidatura no Curso os enfermeiros que satisfaçam cumulativamente as seguintes condições: ser titular do grau de licenciado em Enfermagem, ou equivalente legal; ser detentor do título profissional de enfermeiro; e ter pelo menos dois anos de experiência profissional como enfermeiro. 6º (Condições de acesso) 1. A matrícula e inscrição no Curso estão sujeitas a limitações quantitativas a fixar anualmente pelo Reitor. 2. O despacho a que se refere o nº 1 deste artigo estabelecerá o número mínimo de inscrições indispensável ao funcionamento do Curso. 3. O número de vagas para ingresso em cada par estabelecimento/curso é, nos termos do n.º 2 do artigo 11.º do Decreto-Lei n.º 353/99, fixado por portaria do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, sob proposta do órgão legal e estatutariamente competente do estabelecimento de ensino. 7º (Certificado do Curso) 1. A aprovação em todas as unidades curriculares que integrem o plano de estudos de um curso confere o direito a um diploma de especialização em Enfermagem emitido nos termos do n.º 7 do artigo 13.º da Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei n.º 46/86, de 14 de Outubro, alterada pela Lei n.º 115/97, de 19 de Setembro). 2. O modelo do diploma é o que consta do anexo II da Portaria n.º 268/2002, de 13 de Março. 8º (Início do funcionamento) O curso terá início a partir do ano lectivo 2007/2008. Universidade do Minho, XX de XXXXXX de 2007 O Presidente do Senado Universitário, António Guimarães Rodrigues 4

5 ANEXO A RESOLUÇÃO SU-XX/ Área científica do Curso Enfermagem 2. Duração normal do Curso 2 semestres 3. Número de unidades de crédito necessários para a obtenção do grau 60 créditos (ECTS) 4. Áreas Científicas e distribuição das unidades de crédito Áreas científicas obrigatórias Enfermagem Ciências Sociais e Humanas Ciências Biológicas e Biomédicas 44 créditos (ECTS) 6 créditos (ECTS) 5 créditos (ECTS) Áreas Científicas Opcionais Enfermagem 5 créditos (ECTS) 5. Taxa de matrícula e propinas Estes montantes serão fixados pelo Conselho Académico nos termos dos Estatutos da Universidade do Minho. 5

6 FORMULÁRIO 1. Estabelecimento de ensino: UNIVERSIDADE DO MINHO 2. Unidade orgânica (faculdade, escola, instituto, etc.): ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM 3. Curso: 4. Grau ou diploma: PÓS-LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO Diploma de Especialização em Enfermagem na área de Especialização em Enfermagem de Reabilitação 5. Área científica predominante do curso: ENFERMAGEM 6. Número de créditos, segundo o sistema europeu de transferência de créditos, necessário à obtenção do grau ou diploma: 60 (sessenta) ECTS 7. Duração normal do curso: 2 semestres 8. Opção, ramos, ou outras formas de organização de percursos alternativos em que o curso se estruture (se aplicável): 6

7 9. Áreas científicas e créditos que devem ser reunidos para a obtenção do grau ou diploma: QUADRO N.º 1 ÁREA CIENTÍFICA SIGLA CRÉDITOS OBRIGATÓRIOS OPTATIVOS Enfermagem E 44 ECTS Ciências Sociais e Humanas CSH 6 ECTS Ciências Biológicas e Biomédicas CBB 5 ECTS Enfermagem E 5 ECTS TOTAL 60 5 (1) (1) Indicar o número de créditos das áreas científicas optativas, necessários para a obtenção do grau ou diploma. NOTA: O item 9. é repetido tantas vezes quantas as necessárias para a descrição dos diferentes percursos alternativos (opções, ramos, etc.), caso existam, colocando em título a denominação do percurso. 10. Observações: 7

8 11. Plano de estudos Universidade do Minho Escola Superior de Enfermagem Enfermagem Curso de Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Reabilitação Semestre 1 e 2 QUADRO N.º2 Unidades Curriculares Áreas Científicas Tipo Tempo de Trabalho (Horas) Total Contacto Créditos Observações (1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) Enfermagem Reabilitação: Função e adaptação E + CBB S = T:20; 9 TP:40; PL:24; S:10; OT:50 Enfermagem Reabilitação na Comunidade S = T:20; 5 E TP:5; S:20; OT:16 Saúde, Ambiente, Família e Pessoa com deficiência E + CSH S = T:38; 11 TP:73; S:34; OT:34 Investigação em Enfermagem de Reabilitação E S = T:10; 5 TP:9; S:16; OT:30 Estágio Enfermagem Reabilitação - intervenção na comunidade E S Estágio Enfermagem Reabilitação intervenção em contexto de E S cuidados diferenciados Estágio de Enfermagem de Reabilitação E S Opção Notas: (2) Indicando a sigla constante do item 9 do formulário. (3) De acordo com a alínea c) do n.º 3.4 das normas (S: Semestral). 8

9 [C] [C1] Objectivos visados pelo ciclo de estudos O Decreto-Lei n.º 353/99, de 3 de Setembro, regulamentado pela Portaria n.º 268/2002 de 13 de Março, estabelece os princípios genéricos para a criação, elaboração e aprovação dos planos de estudos dos cursos, a submeter a aprovação do Ministério da Ciência e do Ensino Superior, após o parecer da Ordem dos Enfermeiros, quanto à sua adequação para prestação de cuidados especializados. A escola propõe a criação do Curso de Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Reabilitação, o qual, tem como finalidade assegurar a formação científica, técnica, humana e cultural do futuro enfermeiro especialista em enfermagem de reabilitação para prestar, além de cuidados de enfermagem gerais, cuidados de enfermagem especializados na área da reabilitação. Assumindo as finalidades expressas, são objectivos do curso que o aluno seja capaz de demonstrar: 1. Conhecimento especializado que lhe permita actuar como conselheiro e perito no que se refere à reabilitação da pessoa com doença crónica, traumática, com deficiência, e em situação de imobilidade, ao longo do ciclo de vida. 2. Capacidade de aplicar os conhecimentos especializados, de compreensão e de resolução de problemas em situações complexas relacionadas com a área de especialidade de enfermagem de reabilitação, à pessoa, família e comunidade; 3. Integração dos conhecimentos para lidar com as situações complexas da área de especialidade de enfermagem de reabilitação, formulando juízos diagnósticos, terapêuticos e éticos; 4. Capacidade de reflexão sobre as implicações e responsabilidades que resultem das soluções e juízos formulados; 5. Capacidade de comunicar de forma clara as suas conclusões e os conhecimentos a elas subjacentes; 6. Competências que permitam aprendizagem ao longo da vida de um modo autónomo. A fim de permitir a consecução destes objectivos, o Curso tem a duração de um ano lectivo, com dois semestres, num total de 60 ECTS e 1680 horas. Desenvolve-se de forma articulada, com uma componente de ensino teórico e uma componente de prática clínica (estágios em contexto de trabalho), representando respectivamente, 40% e 60% da carga horária do curso. 1 As características multidisciplinares dos contextos em que os Enfermeiros Especialistas virão a intervir conduziram a uma estrutura curricular que, para além das necessárias componentes do âmbito da Enfermagem, inclui contributos de domínios das Ciências Sociais e Humanas e das Ciências Biológicas e Biomédicas. Procurou-se, assim, dar resposta às exigências profissionais com que os futuros especialistas se irão confrontar, proporcionando-lhes uma lógica de aprendizagem ao longo da vida e ficando habilitados ao exercício duma actividade profissional especializada, numa perspectiva transformadora, na área clínica de Enfermagem de Reabilitação. 1 Regime das Unidades de Crédito Europeu, Decreto-Lei n.º 42/2005 de 22 de Fevereiro; Portaria nº 268/2002, de 13 de Março; Matriz dos CPLEE - Ordem dos Enfermeiros,

10 [C2] Adequação dos Recursos Humanos O Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Reabilitação é assegurado pelos docentes da Escola Superior de Enfermagem, Especialistas em Enfermagem de Reabilitação e conta com a colaboração de diferentes departamentos da Universidade, nomeadamente nas áreas de Ciências Biológicas e Biomédicas, Psicologia e Sociologia; de docentes de outras Escolas de Enfermagem, detentores do grau de Doutor e de outros profissionais de saúde provenientes de Instituições de Saúde. [C3] Adequação dos Recursos Materiais A Escola dispõe de equipamento audiovisual de apoio ás aulas teóricas e teórico práticas, de laboratórios específicos de formação para demonstrações, simulações e treino; acesso aos laboratórios de anatomia da Escola de Ciências da Saúde; de biblioteca própria, para além, das restantes bibliotecas da Universidade do Minho. 10

11 [D] Fundamentação do numero de créditos a atribuídos a cada unidade curricular Tendo em consideração os objectivos deste Curso de Pós-Licenciatuira de Especialização em Enfermagem, a matriz estabelecida pela Ordem dos Enfermeiros para análise do Plano de Estudos do Curso e o Perfil de formação definido, foram atribuídos às unidades curriculares teóricas, teórico-práticas e de prática clínica de 5 a 20 créditos, atribuindo-se o número mais elevado às unidades curriculares estruturantes (Enfermagem de Reabilitação: Função e adaptação; Saúde, Ambiente, Família e Pessoa com deficiência e Estágio de Enfermagem de Reabilitação intervenção em contexto de cuidados diferenciados) As decisões tomadas no que se reporta aos créditos atribuídos, tiveram em consideração a conceptualização de cada unidade curricular e a experiência dos intervenientes na leccionação de cursos nesta área de especialização (Curso de Estudos Superiores Especializados em Enfermagem de Reabilitação). 11

12 [E] Fundamentação do número total de créditos O Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Reabilitação compreende 60 créditos, distribuídos por dois semestres curriculares, e dará lugar à obtenção do diploma de Especialização em Enfermagem de Reabilitação. Da conjugação dos objectivos do Curso e do perfil de formação definido, considera-se que a estrutura estabelecida é adequada, uma vez que garante uma formação ampla e sólida no domínio científico da Enfermagem de Reabilitação. Os 60 créditos encontram-se distribuídos por 3 áreas científicas a saber: Enfermagem 44 obrigatórios e 5 opcionais; Ciências Sociais e Humanas 6 obrigatórios; e Ciências Biológicas e Biomédicas - 5 obrigatórios. Dos 49 créditos na área científica de Enfermagem, 30 créditos correspondem unidades curriculares de estágio (Estágio de Enfermagem de Reabilitação intervenção em contexto de cuidados diferenciados 20 créditos, Estágio de Enfermagem de Reabilitação - intervenção na comunidade 5 créditos; e Estágio de Enfermagem de Reabilitação Opção -5 créditos). 12

13 [F] Demonstração da adequação da organização do curso e metodologias de ensino (a) em relação à aquisição de competências A organização curricular do plano de estudos do curso, com uma estrutura modular, assenta nos princípios da intra e interdisciplinaridade onde cada módulo se constitui como uma totalidade que contribui para o desenvolvimento de um conjunto de competências específicas do enfermeiro especialista em Enfermagem de Reabilitação. O plano de formação tem como referência: a matriz definida pela Ordem dos Enfermeiros; os pareceres dos Grupos nomeados pela Ministra da Ciência, Inovação e Ensino Superior e pelo Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos; e as funções do enfermeiro especialista definidas na Carreira de Enfermagem (DL 437/91 alterado pelo DL 412/98 e pelo DL 411/99). Para o efeito, o Curso privilegia a área científica de Enfermagem, a que, dado o carácter profissionalizante do Curso, acrescem as áreas científicas de Ciências Sociais e Humanas e Ciências Biológicas e Biomédicas, consideradas componentes indispensáveis para assegurar uma experiência especializada fundamentada em contextos profissionais relevantes para este Curso. b) aos objectivos fixados A necessidade de habilitar o enfermeiro especialista em Enfermagem de Reabilitação com um conjunto de competências instrumentais, interpessoais e sistémicas, que o tornam capaz do exercício de uma especialidade profissional, intervindo em situações complexas de forma autónoma, exige a utilização de metodologias de aprendizagem activas e a integração do aluno em contextos em que pode vir a intervir. Neste sentido, estão previstas unidades curriculares teóricas, teóricopráticas e de prática clínica, que prevêem o contacto dos alunos com processos e situações simuladas e reais, a resolução de problemas, bem como, outras formas de apropriação de saberes práticos. 13

14 [G] Análise comparativa entre a organização fixada para o curso a cursos de referência com objectivos similares ministrados no espaço europeu No âmbito do Curso de Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Reabilitação constata-se que não existem semelhanças estruturais entre o Curso que aqui se propõe e outros cursos congéneres no espaço europeu. 14

LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL

LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL NORMAS REGULAMENTARES Curso do 1º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo de Bolonha, constante

Leia mais

LICENCIATURA EM DESIGN DE COMUNICAÇÃO

LICENCIATURA EM DESIGN DE COMUNICAÇÃO LICENCIATURA EM DESIGN DE COMUNICAÇÃO NORMAS REGULAMENTARES Curso do 1º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo de Bolonha, constante

Leia mais

LICENCIATURA EM TEATRO INTERPRETAÇÃO E ENCENAÇÃO

LICENCIATURA EM TEATRO INTERPRETAÇÃO E ENCENAÇÃO LICENCIATURA EM TEATRO INTERPRETAÇÃO E ENCENAÇÃO NORMAS REGULAMENTARES Curso do do 1º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo

Leia mais

LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS FOTOGRAFIA

LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS FOTOGRAFIA LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS FOTOGRAFIA NORMAS REGULAMENTARES Curso do 1.º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo de Bolonha,

Leia mais

2. São igualmente fixados: Universidade do Minho, 5 de Setembro de O Reitor, A. Guimarães Rodrigues

2. São igualmente fixados: Universidade do Minho, 5 de Setembro de O Reitor, A. Guimarães Rodrigues Divisão Académica despacho RT/C-211/2006 A Resolução SU-3/06, de 13 de Março, aprovou a adequação do Curso de Licenciatura em Engenharia BIológica, agora designado por Mestrado em Engenharia Biológica.

Leia mais

Mestrado Integrado em Engenharia Física

Mestrado Integrado em Engenharia Física DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR 1 Mestrado Integrado em Engenharia Física Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa 1 DGES

Leia mais

LICENCIATURA EM ARTES PLÁSTICAS E INTERMÉDIA

LICENCIATURA EM ARTES PLÁSTICAS E INTERMÉDIA LICENCIATURA EM ARTES PLÁSTICAS E INTERMÉDIA NORMAS REGULAMENTARES Curso do 1.º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo de Bolonha,

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSO

REGULAMENTO DE CURSO REGULAMENTO DE CURSO LICENCIATURA EM SERVIÇO SOCIAL Artigo 1.º Enquadramento A Universidade de Coimbra, no âmbito da Unidade Orgânica Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, ministra o 1º Ciclo

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 64 1 de Abril de

Diário da República, 2.ª série N.º 64 1 de Abril de Diário da República, 2.ª série N.º 64 1 de Abril de 2009 12507 Ano-Sem. do novo plano de estudos do anterior plano de estudos 3.º-1.º(2.º ciclo) Planeamento e gestão em serviços de radiologia 4 Administração

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º de Novembro de

Diário da República, 2.ª série N.º de Novembro de Diário da República, 2.ª série N.º 211 3 de Novembro de 2011 43783 OT EST PROJ Saúde Mental Comunitária II....... 2 65 20 4,5 Introdução à Psicologia Comunitária 4 90 30 6 Empowerment: Teoria e Prática.....

Leia mais

Normas regulamentares do Mestrado em Cultura e Comunicação

Normas regulamentares do Mestrado em Cultura e Comunicação Normas regulamentares do Mestrado em Cultura e Comunicação a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos I. Regulamento 1. Condições de natureza académica e curricular Podem candidatar se a este ciclo

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010 Reitoria RT-21/2010 Por proposta do Conselho Académico da Universidade do Minho, é homologado o Regulamento do Mestrado Integrado em Psicologia, anexo a este despacho. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro

Leia mais

(Preâmbulo) Artigo 1.º Objecto e âmbito

(Preâmbulo) Artigo 1.º Objecto e âmbito Instituto Politécnico de Bragança Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e de reingresso no ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado (Preâmbulo) A legislação decorrente da

Leia mais

Regulamento do Curso Pós-Graduado de Especialização em Endodontia

Regulamento do Curso Pós-Graduado de Especialização em Endodontia Regulamento do Curso Pós-Graduado de Especialização em Endodontia Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se ao Curso Pós-Graduado de Especialização em Endodontia, curso não conferente

Leia mais

Universidade do Minho Escola Superior de Enfermagem. Proposta de criação do Curso de Pós Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Reabilitação

Universidade do Minho Escola Superior de Enfermagem. Proposta de criação do Curso de Pós Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Reabilitação Universidade do Minho Escola Superior de Enfermagem Proposta de criação do Curso de Pós Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Reabilitação BRAGA, 2006 Índice Geral 0. Nota Introdutória. 3 1.

Leia mais

Escola Superior de Saúde de Santa Maria Curso de Licenciatura em Fisioterapia (a aguardar publicação em Diário da República)

Escola Superior de Saúde de Santa Maria Curso de Licenciatura em Fisioterapia (a aguardar publicação em Diário da República) Caracterização, Estrutura Curricular e Plano de Estudos: Escola Superior de Saúde de Santa Maria Curso de Licenciatura em Fisioterapia (a aguardar publicação em Diário da República) 1 - Estabelecimento

Leia mais

Normas Regulamentares da Licenciatura em Educação Social

Normas Regulamentares da Licenciatura em Educação Social Normas Regulamentares da Licenciatura em Educação Social Artigo 1.º Condições específicas de ingresso 1. O Conselho Técnico-científico pronuncia-se sobre o regime de ingresso no curso, ouvido o Conselho

Leia mais

Regulamento do 1º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 1º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 1º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 20 de Novembro de O Reitor, A. Guimarães Rodrigues

Reitoria. Universidade do Minho, 20 de Novembro de O Reitor, A. Guimarães Rodrigues Reitoria despacho RT-100/2007 Por proposta do Conselho Académico da Universidade do Minho, é homologado o Regulamento do Ciclo de Estudos Integrado Conducente à Obtenção do Grau de Mestre em Engenharia

Leia mais

Normas regulamentares do Mestrado em Filosofia

Normas regulamentares do Mestrado em Filosofia a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos Normas regulamentares do Mestrado em Filosofia I. Regulamento 1. Condições de natureza académica e curricular Podem candidatar se a este ciclo de estudos:

Leia mais

Normas regulamentares do Mestrado em Estudos Clássicos

Normas regulamentares do Mestrado em Estudos Clássicos a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos Normas regulamentares do Mestrado em Estudos Clássicos I. Regulamento 1. Condições de natureza académica e curricular Podem candidatar se a este ciclo de

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. Regulamento do ciclo de estudos conducentes ao grau de mestre em Engenharia Química

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. Regulamento do ciclo de estudos conducentes ao grau de mestre em Engenharia Química Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento do ciclo de estudos conducentes ao grau de mestre em Engenharia Química Artigo 1º - Âmbito --------------------------------------- 1) O presente Regulamento

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º de Setembro de (77)

Diário da República, 2.ª série N.º de Setembro de (77) Diário da República, 2.ª série N.º 173 7 de Setembro de 2007 26 192-(77) 1.º ano/2.º semestre curricular QUADRO N.º 2 IS Bases de Eng. biomédica, incluindo o seguinte elenco EBMb Semestral (com disci-

Leia mais

Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências

Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM Tecnologia, Ciência e Segurança Alimentar Artigo 1º Concessão

Leia mais

Universidade de Évora Instituto Politécnico de Beja - Escola Superior de

Universidade de Évora Instituto Politécnico de Beja - Escola Superior de Universidade de Évora Instituto Politécnico de Beja - Escola Superior de Saúde Instituto Politécnico de Castelo Branco - Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias Instituto Politécnico de Portalegre - Escola

Leia mais

DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE

DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE Faculdade de Economia Despacho n.º xxxxxx A Universidade Nova de Lisboa (UNL), através da Faculdade de Economia da UNL Nova School of Business and Economics, abreviadamente designada por Nova SBE, nos

Leia mais

IDIRETORI Despacho D-23/ Âmbito de aplicação

IDIRETORI Despacho D-23/ Âmbito de aplicação U LISBOA / -- IDIRETORI Despacho D-23/2015 Por decisão do Conselho Científico da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de, na sua reunião de 1 de julho de 2015, deliberou, por unanimidade, alterar

Leia mais

Estrutura curricular e plano de estudos

Estrutura curricular e plano de estudos Estrutura curricular e plano de estudos 1. Estabelecimento de ensino: Universidade de Coimbra 2. Unidade orgânica (faculdade, escola, instituto, etc.): Faculdade de Ciências e Tecnologia 3. Curso: Arquitectura

Leia mais

Normas regulamentares do Mestrado em Tradução

Normas regulamentares do Mestrado em Tradução a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos Normas regulamentares do Mestrado em Tradução I. Regulamento 1. Condições de natureza académica e curricular Podem candidatar se a este ciclo de estudos:

Leia mais

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DO. Curso de Formação Especializada. em Gestão de Custos

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DO. Curso de Formação Especializada. em Gestão de Custos Campus de Gualtar 4710-229 Braga P Conselho Académico PROPOSTA DE CRIAÇÃO DO Curso de Formação Especializada em Gestão de Custos Dossier Interno Dossier elaborado com base nos Despachos RT-41/2005 de 14

Leia mais

DESPACHO N.º GR.01/04/2014. Aprova o Regulamento de Aplicação do Estatuto de Estudante Internacional da Universidade do Porto

DESPACHO N.º GR.01/04/2014. Aprova o Regulamento de Aplicação do Estatuto de Estudante Internacional da Universidade do Porto DESPACHO N.º GR.01/04/2014 Aprova o Regulamento de Aplicação do Estatuto de Estudante Internacional da Universidade do Porto No uso da competência que me é consagrada na alínea o), do n.º 1, do artigo

Leia mais

NCE/11/01336 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01336 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01336 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Setúbal A.1.a.

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESIGN GRÁFICO E PROJECTOS EDITORIAIS

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESIGN GRÁFICO E PROJECTOS EDITORIAIS REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESIGN GRÁFICO E PROJECTOS EDITORIAIS Artigo 1º Criação 1- A Universidade do Porto (UP), através da Faculdade de Belas Artes (FBAUP), confere

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM - LICENCIATURA

CURSO DE ENFERMAGEM - LICENCIATURA DE APOIO À CANDIDATURA AO CURSO DE ENFERMAGEM - LICENCIATURA 1º Ciclo do Curso de Enfermagem adequado a Bolonha CURSO DE ENFERMAGEM LICENCIATURA 1º CICLO Calendarização: ANO LECTIVO 2011/2012 Apresentação

Leia mais

Normas regulamentares do Mestrado em Português como Língua Estrangeira/Língua Segunda

Normas regulamentares do Mestrado em Português como Língua Estrangeira/Língua Segunda Normas regulamentares do Mestrado em Português como Língua Estrangeira/Língua Segunda a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos I. Regulamento 1. Condições de natureza académica e curricular Podem

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Cláusula 1ª. Área de especialização

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Cláusula 1ª. Área de especialização REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Cláusula 1ª Área de especialização A Universidade do Porto, através da Faculdade de Engenharia,

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. (Edição )

EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. (Edição ) EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE (Edição 2010-2012) Nos termos dos Decretos-Lei nº /2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/200, de 24 de Março, com as alterações

Leia mais

Instituto Politécnico de Bragança Regulamento dos concursos especiais de acesso e ingresso no ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado

Instituto Politécnico de Bragança Regulamento dos concursos especiais de acesso e ingresso no ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado Instituto Politécnico de Bragança Regulamento dos concursos especiais de acesso e ingresso no ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado Artigo 1.º Objecto e âmbito O presente regulamento estabelece

Leia mais

NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Minho A.1.a.

Leia mais

MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO EDITAL Apresentação O Mestrado em Ensino de Educação Musical no Ensino Básico é um curso de 2º Ciclo de estudos com um total de 120 ECTS, duração

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM 1º CICLO (LICENCIATURA)

CURSO DE ENFERMAGEM 1º CICLO (LICENCIATURA) DE APOIO À CANDIDATURA AO CURSO DE ENFERMAGEM 1º CICLO (LICENCIATURA) 1º Ciclo do Curso de Enfermagem adequado a Bolonha Número de vagas: CURSO DE ENFERMAGEM 1º CICLO - Ingresso - 30 - Transferência (1)

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Educação 1

Regulamento do Curso de Mestrado em Educação 1 Regulamento do Curso de Mestrado em Educação 1 A. Condições de matrícula e inscrição Os candidatos à frequência do curso de mestrado que tenham sido seleccionados deverão formalizar a matrícula e a inscrição,

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de

Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de Diário da República, 2.ª série N.º 241 15 de dezembro de 2014 31529 208283306 INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR Despacho n.º 15198/2014 Ao abrigo do disposto nos artigos 75.º a 80.º, do Decreto -Lei pelos

Leia mais

Artigo 1.º Objeto. Artigo 2.º Âmbito

Artigo 1.º Objeto. Artigo 2.º Âmbito Artigo 1.º Objeto O presente diploma procede à criação e regulamentação de um ciclo de estudos superior não conferente de grau académico, em desenvolvimento do n.º 1 do artigo 15.º da Lei n.º 46/86, de

Leia mais

do Ciclo de Estudos conducentes ao Grau de Mestre em Engenharia Informática e Sistemas de Informação. Ano lectivo de 2011/2012

do Ciclo de Estudos conducentes ao Grau de Mestre em Engenharia Informática e Sistemas de Informação. Ano lectivo de 2011/2012 REGULAMENTO do Ciclo de Estudos conducentes ao Grau de Mestre em Engenharia Informática e Sistemas de Informação. Ano lectivo de 2011/2012 De acordo com o disposto no Decreto-Lei n.º 274/2006, de 24 de

Leia mais

AOS NOVOS. b. Os outros casos enquadram-se no novo regime de acesso ao ensino superior para os maiores de 23 anos.

AOS NOVOS. b. Os outros casos enquadram-se no novo regime de acesso ao ensino superior para os maiores de 23 anos. PEDIDOS DE EQUIPARAÇÃO OU EQUIVALÊNCIA AOS NOVOS PLANOS DE ESTUDO E TÍTULOS ACADÉMICOS EM TEOLOGIA E CIÊNCIAS RELIGIOSAS 1. Cursos Básicos de Teologia O Mapa em anexo ao Despacho Normativo n.º 6-A/90,

Leia mais

Regulamento Geral de Exames

Regulamento Geral de Exames Versão: 01 Data: 14/07/2009 Elaborado: Verificado: Aprovado: RG-PR12-07 Vice-Presidente do IPB Presidentes dos Conselhos Científicos das Escolas do IPB GPGQ Vice-Presidente do IPB Presidentes dos Conselhos

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais 14 15 Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Leia mais

Universidade de Évora. Instituto Politécnico de Beja - Escola Superior de Saúde

Universidade de Évora. Instituto Politécnico de Beja - Escola Superior de Saúde Universidade de Évora Instituto Politécnico de Beja - Escola Superior de Saúde Instituto Politécnico de Castelo Branco - Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias Instituto Politécnico de Portalegre - Escola

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DOUTORAL EM MATEMÁTICA E APLICAÇÕES DAS UNIVERSIDADES DE AVEIRO E MINHO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DOUTORAL EM MATEMÁTICA E APLICAÇÕES DAS UNIVERSIDADES DE AVEIRO E MINHO REGULAMENTO DO PROGRAMA DOUTORAL EM MATEMÁTICA E APLICAÇÕES DAS UNIVERSIDADES DE AVEIRO E MINHO Artigo 1º Criação do Programa As Universidades do Aveiro e Minho, designadas por Universidades, instituem

Leia mais

Diploma DRE. Capítulo I. Objecto e âmbito. Artigo 1.º. Objecto

Diploma DRE. Capítulo I. Objecto e âmbito. Artigo 1.º. Objecto Diploma Regulamenta as provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do ensino superior dos maiores de 23 anos, previstas no n.º 5 do artigo 12.º da Lei n.º 46/86,

Leia mais

Justificação alteração 2.º ciclo de estudos em Literatura Portuguesa (Investigação e Ensino)

Justificação alteração 2.º ciclo de estudos em Literatura Portuguesa (Investigação e Ensino) Justificação alteração 2.º ciclo de estudos em Literatura Portuguesa (Investigação e Ensino) A adequação do 2º ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre em Literatura Portuguesa (Investigação e Ensino),

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM ENGENHARIA DE MATERIAIS Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao estabelecido no

Leia mais

4928-(9) às exigências científicas e pedagógicas e à qualidade do ensino.

4928-(9) às exigências científicas e pedagógicas e à qualidade do ensino. N.º 65 31 de Março de 2006 DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE 4928-(9) c) Capacidade para conceber, projectar, adaptar e realizar uma investigação significativa respeitando as exigências impostas pelos padrões

Leia mais

ANTEPROJECTO DE DECRETO-LEI Graus académicos e diplomas do ensino superior

ANTEPROJECTO DE DECRETO-LEI Graus académicos e diplomas do ensino superior ANTEPROJECTO DE DECRETO-LEI Graus académicos e diplomas do ensino superior O Programa do XVII Governo estabeleceu como um dos objectivos essenciais da política para o ensino superior, no período 2005-2009,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS SEGUNDOS CICLOS DE ESTUDO DO ISCIA

REGULAMENTO GERAL DOS SEGUNDOS CICLOS DE ESTUDO DO ISCIA REGULAMENTO GERAL DOS SEGUNDOS CICLOS DE ESTUDO DO ISCIA Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento desenvolve e complementa o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º 74/2006, de

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO,

REGULAMENTO DO MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO, Considerando o disposto da alínea f), do n.º 1, do art. 62.º, dos Estatutos do Instituto Politécnico de Leiria; Com vista a dar cumprimento ao estabelecido no artigo 26º do Decreto-Lei n.º 74/2006, de

Leia mais

EDITAL. MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO (Edição 2012/2014)

EDITAL. MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO (Edição 2012/2014) 1/9 EDITAL MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO (Edição 2012/2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de março, com as alterações

Leia mais

PARECER N.º 267 / 2010

PARECER N.º 267 / 2010 PARECER N.º 267 / 2010 ASSUNTO: ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENFERMEIRO ESPECIALISTA, NO MOMENTO ACTUAL A atribuição do título enfermeiro especialista certifica um profissional com um conhecimento aprofundado

Leia mais

Normas regulamentares do Mestrado em Arte, Património e Teoria do Restauro

Normas regulamentares do Mestrado em Arte, Património e Teoria do Restauro Normas regulamentares do Mestrado em Arte, Património e Teoria do Restauro a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos I. Regulamento 1. Condições de natureza académica e curricular Podem candidatar

Leia mais

MESTRADO EM MARKETING ESTRUTURA CURRICULAR E PLANO DE ESTUDOS

MESTRADO EM MARKETING ESTRUTURA CURRICULAR E PLANO DE ESTUDOS MESTRADO EM MARKETING ESTRUTURA CURRICULAR E PLANO DE ESTUDOS 1. Estabelecimento de ensino: Universidade de Coimbra 2. Unidades orgânicas (faculdade, escola, instituto, etc.): Faculdade de Economia da

Leia mais

REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso Artigo 2.º Objectivos Artigo 3.º Condições de acesso Artigo 4.º Critérios de selecção

REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso Artigo 2.º Objectivos Artigo 3.º Condições de acesso Artigo 4.º Critérios de selecção REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso A Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC) e a Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho (EEGUM), através do seu Departamento de Economia,

Leia mais

PEDIDOS DE VAGAS E FUNCIONAMENTO DOS CICLOS DE ESTUDOS ANO LECTIVO 2015/2016

PEDIDOS DE VAGAS E FUNCIONAMENTO DOS CICLOS DE ESTUDOS ANO LECTIVO 2015/2016 PEDIDOS DE VAGAS E FUNCIONAMENTO DOS CICLOS DE ESTUDOS ANO LECTIVO 2015/2016 Sendo a transparência dos processos de candidatura e recrutamento de estudantes um dos elementos constituintes do sistema interno

Leia mais

Artigo Primeiro. Artigo Segundo OBJECTIVOS DO CURSO O Mestrado em Matemática (MM) e o Curso Pós-Graduado em Matemática e suas Aplicações

Artigo Primeiro. Artigo Segundo OBJECTIVOS DO CURSO O Mestrado em Matemática (MM) e o Curso Pós-Graduado em Matemática e suas Aplicações UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Reitoria Desp.R/Sac/xx/2003 - Na sequência da aprovação pelo Senado desta Universidade e sob proposta do Conselho Científico da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade

Leia mais

PROPOSTA DE CRIAÇA O DE UM CURSO DE FORMAÇA O NA A REA DE EDUCAÇA O CONTI NUA DIPLOMA DE FORMAÇA O AVANÇADA

PROPOSTA DE CRIAÇA O DE UM CURSO DE FORMAÇA O NA A REA DE EDUCAÇA O CONTI NUA DIPLOMA DE FORMAÇA O AVANÇADA PROPOSTA DE CRIAÇA O DE UM CURSO DE FORMAÇA O NA A REA DE EDUCAÇA O CONTI NUA DIPLOMA DE FORMAÇA O AVANÇADA NOME DO CURSO Português: Formação Avançada em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química

Leia mais

Normas regulamentares do Mestrado em Ciências da Documentação e Informação

Normas regulamentares do Mestrado em Ciências da Documentação e Informação Normas regulamentares do Mestrado em Ciências da Documentação e Informação a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos I. Regulamento 1. Condições de natureza académica e curricular Podem candidatar-se

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM CIÊNCIAS DO DESPORTO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior,

Leia mais

1. Designação do Curso: 2. Unidade proponente: [clique para introduzir]

1. Designação do Curso: 2. Unidade proponente: [clique para introduzir] 1. Designação do Curso: 2. Unidade proponente: 3. Tipo de curso: Curso de Pós-Graduação Curso de Pós-Licenciatura Curso de Especialização Curso de Estudos Avançados Curso de Especialização Tecnológica

Leia mais

MESTRADO EM ECOTURISMO Edição

MESTRADO EM ECOTURISMO Edição INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL (EDIÇÃO 2016-2018) Nos termos do Decreto-Lei nº42/2005, de 22 de fevereiro e do Decreto-Lei nº74/2006, de 24 de março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

Artigo 2º Área científica Os 1º Ciclos de Estudos ministrados na ESSEM enquadram-se na área científica das Ciências da Saúde.

Artigo 2º Área científica Os 1º Ciclos de Estudos ministrados na ESSEM enquadram-se na área científica das Ciências da Saúde. A entrada em vigor de nova legislação e procedimentos, expressa nos Decreto-Lei nº 74/2006, sujeita a nova redação decorrente do Decreto-Lei nº 107/2008, implica a necessária adequação da regulamentação

Leia mais

Diploma DRE. Capítulo I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Objeto

Diploma DRE. Capítulo I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Objeto Diploma Regula os concursos especiais para acesso e ingresso no ensino superior e procede à primeira alteração ao Decreto-Lei n.º 64/2006, de 21 de março, e ao Decreto-Lei n.º 36/2014, de 10 de março Decreto-Lei

Leia mais

DESPACHO Nº 60/VR/DC/2016

DESPACHO Nº 60/VR/DC/2016 DESPACHO Nº 60/VR/DC/2016 MESTRADO EM GESTÃO / MBA Sob proposta do Conselho Científico e ao abrigo do disposto nos Decretos-Leis n.º 42/2005 de 22 de fevereiro e n.º 74/2006 de 24 de março, alterado pelos

Leia mais

Regulamento do Concurso Especial de Acesso e Ingresso do Estudante Internacional no Instituto Superior de Ciências Educativas do Douro

Regulamento do Concurso Especial de Acesso e Ingresso do Estudante Internacional no Instituto Superior de Ciências Educativas do Douro Regulamento do Concurso Especial de Acesso e Ingresso do Estudante Internacional no Instituto Superior de Ciências Educativas do Douro Artigo 1.º Objeto O presente regulamento visa regular o concurso especial

Leia mais

DOCUMENTO DE ADEQUAÇÃO MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA PEÇA B

DOCUMENTO DE ADEQUAÇÃO MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA PEÇA B DOCUMENTO DE ADEQUAÇÃO DO MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA (ESTRUTURA CURRICULAR E PLANO DE ESTUDOS) B2 FORMULÁRIO 1. Estabelecimento de

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES LICENCIATURA EM ARTES PLÁSTICAS E MULTIMÉDIA

NORMAS REGULAMENTARES LICENCIATURA EM ARTES PLÁSTICAS E MULTIMÉDIA PREÂMBULO As presentes Normas visam dar cumprimento ao artigo n.º 14º do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março. Distinta informação relativa a matérias mencionadas nas presentes Normas integram os Estatutos

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Direito

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Direito UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Direito Regulamento dos regimes de reingresso e de mudança par instituição/curso da Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa Nos termos do disposto no

Leia mais

QUADRO N.º 9.1. Urbanismo Urb 9 0 Tecnologias de Apoio e Acessibilidade TAA. Reabilitação Reab 18 0 Medicina Med 6 0 Gestão Gest 0 6

QUADRO N.º 9.1. Urbanismo Urb 9 0 Tecnologias de Apoio e Acessibilidade TAA. Reabilitação Reab 18 0 Medicina Med 6 0 Gestão Gest 0 6 ANEXO Formulário de Caracterização e Apresentação da Estrutura Curricular e Plano de Estudos do Curso de 1º Ciclo de Estudos (Licenciatura) em Tecnologias de Apoio e Acessibilidade 1 Estabelecimento de

Leia mais

(Preâmbulo) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º (Objeto e âmbito)

(Preâmbulo) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º (Objeto e âmbito) (Preâmbulo) Conforme disposto no Decreto-Lei nº 113/2014 de 16 de julho, aprova-se o Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior a aplicar no Instituto Superior de Ciências

Leia mais

Curso de Mestrado em Ensino de Matemática no 3.º Ciclo do Ensino Básico e no Secundário da Universidade da Madeira. Edital

Curso de Mestrado em Ensino de Matemática no 3.º Ciclo do Ensino Básico e no Secundário da Universidade da Madeira. Edital Curso de Mestrado em Ensino de Matemática no 3.º Ciclo do Ensino Básico e no Secundário da Universidade da Madeira Edital 5 de Setembro de 2008 Curso de Mestrado em Ensino de Matemática no 3.º Ciclo do

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO E NEGÓCIOS. Artigo 1.º (Enquadramento jurídico) Artigo 2.

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO E NEGÓCIOS. Artigo 1.º (Enquadramento jurídico) Artigo 2. REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO E NEGÓCIOS Artigo 1.º (Enquadramento jurídico) 1. O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído

Leia mais

Creditação de formação académica e de competências profissionais

Creditação de formação académica e de competências profissionais Creditação de formação académica e de competências profissionais (Aprovado em reunião CTC de 28 de junho de 2012) Preâmbulo A Lei nº 49/2005, de 30 de Agosto, que alterou a Lei de Bases do Sistema Educativo,

Leia mais

Despacho n.º /2015. Regulamento de Avaliação e Frequência dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do Instituto Politécnico de Leiria

Despacho n.º /2015. Regulamento de Avaliação e Frequência dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do Instituto Politécnico de Leiria Despacho n.º /2015 Regulamento de Avaliação e Frequência dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do Instituto Politécnico de Leiria O Decreto-Lei n.º 43/2014, de 18 de março, procedeu à criação e

Leia mais

EDITAL. (Edição )

EDITAL. (Edição ) EDITAL MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL ESPECIALIZAÇÃO EM PROBLEMAS DO DOMÍNIO COGNITIVO E MOTOR (Edição 2017-2019) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de

Leia mais

} Diário da República, 2.ª série N.º 47 9 de Março de 2010

} Diário da República, 2.ª série N.º 47 9 de Março de 2010 10560 Diário da República, 2.ª série N.º 47 9 de Março de 2010 Regulamento n.º 208/2010 A Universidade Nova de Lisboa (UNL), através da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH), ao abrigo dos artigos

Leia mais

Regulamento de criação, acreditação interna e creditação dos cursos de formação na área da educação contínua da UPorto

Regulamento de criação, acreditação interna e creditação dos cursos de formação na área da educação contínua da UPorto Regulamentos Regulamento de criação, acreditação interna e creditação dos cursos de formação na área da educação contínua da UPorto Secção Permanente do Senado de 07 de Abril de 2004 Alterado pela Secção

Leia mais

Reitoria. Despacho RT/C-25/2016 Alteração ao Mestrado em Direito dos Contratos e da Empresa.

Reitoria. Despacho RT/C-25/2016 Alteração ao Mestrado em Direito dos Contratos e da Empresa. Reitoria Despacho RT/C-25/2016 Alteração ao Mestrado em Direito dos Contratos e da Empresa. O Mestrado em Direito dos Contratos e da Empresa foi criado pela Resolução SU-55/2008, de 27 de outubro; o respetivo

Leia mais

2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO

2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E SERIAÇÃO, ANO LETIVO 2017/2018 Fator A (pa 0,20) Natureza

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Educação Especial

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Educação Especial Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Educação Especial Artigo 1.º Regras sobre a admissão no ciclo de estudos, em especial as condições de natureza académica

Leia mais

NCE/10/01956 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01956 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01956 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico Do Porto A.1.a.

Leia mais

CEUDISEG. Direção de Segurança. Regulamento

CEUDISEG. Direção de Segurança. Regulamento CEUDISEG Direção de Segurança Curso de Extensão Universitária Regulamento Artigo 1.º Criação 1. É criado, na Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa (FDUNL), através do CEDIS Centro de Investigação

Leia mais

Diploma DRE. A organização do ensino superior em três ciclos, tal como já ficou consagrado pela Lei de Bases do Sistema Educativo;

Diploma DRE. A organização do ensino superior em três ciclos, tal como já ficou consagrado pela Lei de Bases do Sistema Educativo; Diploma Aprova o regime jurídico dos graus e diplomas do ensino superior, em desenvolvimento do disposto nos artigos 13.º a 15.º da Lei n.º 46/86, de 14 de Outubro (Lei de Bases do Sistema Educativo),

Leia mais

Ciclo de Estudos de Mestrado em Bioquímica Estrutural e Funcional

Ciclo de Estudos de Mestrado em Bioquímica Estrutural e Funcional Ciclo de Estudos de Mestrado em Bioquímica Estrutural e Funcional Normas Regulamentares Artigo 1º Criação A Universidade Nova de Lisboa, através da Faculdade de Ciências e Tecnologia confere o grau de

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º de novembro de CAPÍTULO III Disposições finais. Faculdade de Ciências e Tecnologia

Diário da República, 2.ª série N.º de novembro de CAPÍTULO III Disposições finais. Faculdade de Ciências e Tecnologia Diário da República, 2.ª série N.º 234 30 de novembro de 2015 34775 CAPÍTULO III Disposições finais Artigo 20.º Aplicabilidade As remissões do presente Regulamento para a Legislação em vigor nesta data

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Saúde Pública. Artigo 1.º. Criação do curso

Regulamento do Curso de Mestrado em Saúde Pública. Artigo 1.º. Criação do curso Regulamento do Curso de Mestrado em Saúde Pública Artigo 1.º Criação do curso A Universidade Nova de Lisboa, através da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), concede o grau de mestre em Saúde Pública.

Leia mais

DE APOIO À CANDIDATURA AO CURSO DE LICENCIATURA EM ENFERMAGEM

DE APOIO À CANDIDATURA AO CURSO DE LICENCIATURA EM ENFERMAGEM DE APOIO À CANDIDATURA AO CURSO DE LICENCIATURA EM ENFERMAGEM 2 CANDIDATURA AO CURSO DE LICENCIATURA EM ENFERMAGEM ANO LECTIVO 2016/2017 Número de vagas: Ingresso 30 Transferência 1 01 Mudança de Curso

Leia mais

Regulamento Geral dos Regimes de Reingresso e de Mudança de Par Instituição / Curso no Ensino Superior e do Concurso Especial de Acesso para

Regulamento Geral dos Regimes de Reingresso e de Mudança de Par Instituição / Curso no Ensino Superior e do Concurso Especial de Acesso para Regulamento Geral dos Regimes de Reingresso e de Mudança de Par Instituição / Curso no Ensino Superior e do Concurso Especial de Acesso para Titulares de Cursos Superiores 2017 20 de março de 2017 ÍNDICE

Leia mais

REGULAMENTO PARA CREDITAÇÃO DE FORMAÇÕES ANTERIORMENTE OBTIDAS INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA

REGULAMENTO PARA CREDITAÇÃO DE FORMAÇÕES ANTERIORMENTE OBTIDAS INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA REGULAMENTO PARA CREDITAÇÃO DE FORMAÇÕES ANTERIORMENTE OBTIDAS INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA Artigo 1.º Âmbito 1. O presente regulamento define os princípios e estabelece as normas a seguir no Instituto

Leia mais

DESPACHO N.º 13/2016 CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA ESTUDANTES INTERNACIONAIS

DESPACHO N.º 13/2016 CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA ESTUDANTES INTERNACIONAIS DESPACHO N.º 13/2016 CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA ESTUDANTES INTERNACIONAIS Ao abrigo do disposto no Decreto-Lei n.º 36/2014, de 10 de março, que aprovou o Estatuto do

Leia mais