16/09/2015. M.O. usados como alimentos. leveduras. algas. bactérias

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "16/09/2015. M.O. usados como alimentos. leveduras. algas. bactérias"

Transcrição

1 1 2 leveduras algas bactérias 1

2 3 leveduras relevância no aumento de alimentos disponíveis boa fonte de proteínas e vitaminas crescem em diversos tipos de resíduos envólucros de cereais, maçarocas de milho, cascas de citrinos, papel, efluentes, 4 leveduras 1 kg de leveduras cultivadas produz 100 kg de proteína 1000 vezes mais que 1 kg soja vezes mais que 1 kg carne vaca levedura seca vendida como suplemento nutricional 2

3 5 leveduras início de produção requer equipamento caro difícil aceitação por consumidores difícil digestão em grandes quantidades necessário reduzir teores de ács. nucleicos podem agravar gota mais usadas em rações 6 3

4 7 8 algas relevância no aumento de alimentos disponíveis existem culturas de Scenedesmus e Chlorella também usadas como ingrediente em gelados 4

5 9 algas utilização como alimento encurta cadeia alimentar algas alimentam directamente mais pessoas que através dos peixes 100 t de algas necessário para produzir 1 kg de peixe 10 t de algas secas requerem 1 km 2 de lagoas 10 vezes mais produção de proteína que a soja 40 vezes mais que vacas 10 algas economicamente rentável apenas em áreas onde grandes quantidades de efluentes tratados estejam disponíveis para cultura efluentes podem causar problemas de saúde melhor aceitação por consumidores 5

6 11 bactérias Spirulina cianobactéria cultivada em lagos alcalinos e consumida desde há séculos África, México, Peru outras bactérias 12 bactérias Spirulina recolhidas, secas ao sol, lavadas e formadas após seca tem ~65 % proteína 1 ha de cultivo produz 100 vezes mais proteína que 1 ha de trigo e 1000 vezes mais que bovinos criados na mesma área 6

7

8 15 16 pão, vinho, cerveja, queijo, usados por antigas civilizações muito antes de m.o. serem conhecidos actualmente m.o. escolhidos especificamente para cada tipo de alimento Cervejaria dos faraós 8

9 17 pão levedura como agente levedante produz EtOH e CO 2 durante fermentação 18 9

10

11 21 produtos lácteos leitelho fermentado adição de Streptococcus cremoris a leite desnatado pasteurizado também usados S. lactis, S. diacetylactis, Leuconostoc citrovorum, L. cremoris, L. dextranicum 22 produtos lácteos nata ácida mesmos m.o. que leitelho nata como matéria-prima 11

12 23 produtos lácteos iogurte leite fermentado com S. thermophilus e L. bulgaricus 24 12

13 25 produtos lácteos leite acidófilo leite esterilizado fermentado com Lactobacillus acidophilus esterilização impede m.o. competitivos 26 produtos lácteos kefir leite de vaca, cabra ou ovelha fermentado com S. lactis, L. bulgaricus e leveduras produz ác. láctico, EtOH e outros produtos fermentação contínua 13

14 27 produtos lácteos koumiss leite de égua fermentado com S. lactis, L. bulgaricus e leveduras produz ác. láctico, EtOH e outros produtos fermentação contínua 28 produtos lácteos queijo leite acidificado e coagulado bactérias lácticas e enzimas separação de soro outros m.o. contribuem para cura 14

15 29 produtos lácteos queijo cura lactose hidrolisada a ác. láctico, álcoois, ács. voláteis proteínas hidrolisadas mais em queijos de pasta macia menos em queijos de pasta dura lipases produzem ács. gordos de cadeia curta butírico, capróico, caprílico e seus produtos de oxidação 30 15

16 31 vinagre acetificação (oxidação) de EtOH Acetobacter aceti 32 16

17

18 35 sauerkraut flora natural das couves fermentação anaeróbia, com teores elevados de sal Lactobacillus, Leuconostoc produção de ác. láctico, acético, CO 2, EtOH, 36 18

19 37 pickles fermentação anaeróbia, com teores elevados de sal Leuconostoc mesenteroides com menores teores de sal e Pediococcus em maiores teores produção de ác. láctico, acético, CO 2, EtOH, 38 azeitonas fermentação em solução salina Leuconostoc mesenteroides e Lactobacillus plantarum 19

20 39 40 poi raízes trituradas de taro fermentação por vários m.o. naturais Pseudomonas e coliformes no início Lactobacillus mais tarde leveduras produzem EtOH 20

21 41 molho de soja mistura salgada de soja e trigo primeiro fermentada com Aspergillus oryzae produz glucose a partir de amido koji koji misturado com solução de sal moromi moromi fermentado Pediococcus soyae, Saccharomyces rouxii, Torulopsis ác. láctico e outros ácidos, EtOH separa-se líquido molho de soja 42 21

22 43 miso tofu sufu 44 produtos cárneos salsichas, enchidos, bactérias lácticas dão flavour e ajudam conservação Lactobacillus plantarum, Pediococcus cerevisiae crescimento natural de bolores em presuntos Penicillium, Aspergillus 22

23 45 bebidas alcoólicas várias estirpes de Saccharomyces cerveja cereais maltados mosto fermentado produz EtOH, CO 2 e outras substâncias álcool amílico, álcool isoamílico, ács. acético e butírico, 46 bebidas alcoólicas vinho Saccharomyces fermenta mosto de uva EtOH e outros produtos que contribuem para flavour 23

24 47 bebidas alcoólicas destilados destilação após fermentação de diversas matérias-primas cevada whiskey centeio gin milho bourbon cana-de-açúcar - rum 24

OS MICROORGANISMOS E A PRODUÇÃO DE ALIMENTOS: Condições de Crescimento Microbiológico e Métodos de Conservação de Alimentos

OS MICROORGANISMOS E A PRODUÇÃO DE ALIMENTOS: Condições de Crescimento Microbiológico e Métodos de Conservação de Alimentos OS MICROORGANISMOS E A PRODUÇÃO DE ALIMENTOS: Condições de Crescimento Microbiológico e Métodos de Conservação de Alimentos Prof.: Alessandra Miranda Alimentos meio adequado para o crescimento microbiano

Leia mais

INTRODUÇÃO. Leites Fermentados LEITES FERMENTADOS. Leites Fermentados. Leites Fermentados 30/07/2014

INTRODUÇÃO. Leites Fermentados LEITES FERMENTADOS. Leites Fermentados. Leites Fermentados 30/07/2014 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS DISCIPLINA: Inspeção de Produtos de Origem Animal INTRODUÇÃO M.Sc. Carolina de Gouveia Mendes Leite qualidade Derivados Leites

Leia mais

FERMENTAÇÕES. Via metabólica de degradação da glicose

FERMENTAÇÕES. Via metabólica de degradação da glicose FERMENTAÇÕES A fermentação é um processo metabólico realizado por alguns microrganismos para a obtenção de energia a partir de nutrientes. Este processo é, por isso, um processo catabólico. Do ponto de

Leia mais

I. Definição: leite pasteurizado ou esterilizados por fermentos. láticos próprios. Quefir Iogurte. Leite Acidófilo leitelho coalhada

I. Definição: leite pasteurizado ou esterilizados por fermentos. láticos próprios. Quefir Iogurte. Leite Acidófilo leitelho coalhada Enzimologia I. Definição: Leite fermentado láticos próprios. leite pasteurizado ou esterilizados por fermentos Querfir Quefir Iogurte Leite Acidófilo leitelho coalhada 2 É a fermentação do leite pelos

Leia mais

Prof a. Ângela Maria Fiorentini

Prof a. Ângela Maria Fiorentini Prof a. Ângela Maria Fiorentini angefiore@gmail.com Homem Alimento consumo diário Produção sazonal Meios para preservar alimentos Salga, secagem, fermentação... Conservação de alimentos» Problemas: - Períodos

Leia mais

Conservação de alimentos pelo uso de processos fermentativos

Conservação de alimentos pelo uso de processos fermentativos Ciência e Tecnologia de Alimentos Conservação de alimentos pelo uso de processos fermentativos Prof. Angelita Leitão 1º semestre 2017 O que é fermentação? È um processo de transformação de uma substância

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Derivados lácteos Med. Vet. Karoline Mikaelle de Paiva Soares Leites Fermentados Padrões

Leia mais

PROCESSAMENTO DE SAKÊ

PROCESSAMENTO DE SAKÊ PROCESSAMENTO DE SAKÊ Índice História História História Introdução Origem chinesa: nas margens do Rio Yangtze por volta de 4800 AC. Origem Japonesa: kuchikami no sakê, ou sakê mastigado na boca já que

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS FERMENTATIVOS. Professora: Erika Liz

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS FERMENTATIVOS. Professora: Erika Liz INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS FERMENTATIVOS Professora: Erika Liz Características necessárias de microrganismos para aplicação industrial Apresentar elevada eficiência na conversão de nutrientes, de forma a

Leia mais

Processamento Tecnológico e Inspeção de Creme de Leite e Manteiga

Processamento Tecnológico e Inspeção de Creme de Leite e Manteiga Processamento Tecnológico e Inspeção de Creme de Leite e Manteiga 1. CREME DE LEITE 1.1 Conceito Produto lácteo relativamente rico em gordura retirada do leite por procedimento tecnologicamente adequado,

Leia mais

Ficha de Trabalho Nome: Nº Data: Escolhe as opções correctas! Lembra-te que em cada questão colocada só uma está correcta!

Ficha de Trabalho Nome: Nº Data: Escolhe as opções correctas! Lembra-te que em cada questão colocada só uma está correcta! Ficha de Trabalho Nome: Nº Data: Escolhe as opções correctas! Lembra-te que em cada questão colocada só uma está correcta! Revisão e Consolidação de Conhecimentos: Fermentação e Actividade Enzimática Nas

Leia mais

IARTL - Inquérito Anual à Recolha, Tratamento e Transformação de Leite

IARTL - Inquérito Anual à Recolha, Tratamento e Transformação de Leite INSTRUMENTO DE NOTAÇÃO DO SISTEMA ESTATÍSTICO NACIONAL (LEI Nº 22/2008 DE 13 DE MAIO) DE RESPOSTA CONFIDENCIAL E OBRIGATÓRIA, REGISTADO NO INE SOB O Nº 10046 VÁLIDO ATÉ 31-12-2017 IARTL - Inquérito Anual

Leia mais

Tecnologia de Leite e Produtos. Lácteos

Tecnologia de Leite e Produtos. Lácteos Tecnologia de Leite e Produtos Lácteos Composição do leite Principais componentes do leite Água Proteínas Lactose Gorduras Sais minerais Concentração dos constituintes variável Características organolépticas

Leia mais

ITEM DESCRIÇÃO NCM IVA-ST SP PRESENTE NOS ACORDOS

ITEM DESCRIÇÃO NCM IVA-ST SP PRESENTE NOS ACORDOS ITEM DESCRIÇÃO NCM IVA-ST SP PRESENTE NOS ACORDOS 1.1 Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1kg 1704.90.10 40,88% NÃO 1.2 Chocolates contendo cacau, em embalagens de conteúdo

Leia mais

Pode ser polimerizada, estocada, transportada e liberada rapidamente quando o organismo precisa de energia ou para compor estruturas especiais

Pode ser polimerizada, estocada, transportada e liberada rapidamente quando o organismo precisa de energia ou para compor estruturas especiais Pode ser polimerizada, estocada, transportada e liberada rapidamente quando o organismo precisa de energia ou para compor estruturas especiais Precursor de intermediários metabólicos em várias reações

Leia mais

Direcção da Qualidade e Ambiente Ficha de Especificação. Mimosa Iogurte batido meio gordo com polpa de fruta

Direcção da Qualidade e Ambiente Ficha de Especificação. Mimosa Iogurte batido meio gordo com polpa de fruta Pág. 1/ 5 1 - DESCRIÇÃO DO PRODUTO Denominação de venda: Iogurte batido meio gordo com (variedade) Variedades: Polpa de Morango Polpa de Manga Polpa de Banana e Morango Polpa de Pêra Polpa de Banana, sumo

Leia mais

30/10/2013 INTRODUÇÃO À MICROBIOLOGIA. Microrganismos -Seres vivos que só podem ser observados ao microscópio

30/10/2013 INTRODUÇÃO À MICROBIOLOGIA. Microrganismos -Seres vivos que só podem ser observados ao microscópio INTRODUÇÃO A MICROBIOLOGIA INTRODUÇÃO À MICROBIOLOGIA Mikros (= pequeno) + Bio (= vida) + logos (= ciência); A microbiologia envolve o estudo de organismos: procariotos (bactérias, archaeas), eucariotos

Leia mais

Processamento artesanal do leite e seus derivados

Processamento artesanal do leite e seus derivados Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Engenharia Agronômica LINS/SP Processamento artesanal do leite e seus derivados Profa. MsC. Fernanda Paes de Oliveira Zootecnista e Médica Veterinária INTRODUÇÃO

Leia mais

Capítulo Consideram-se leite o leite integral (completo) e o leite total ou parcialmente desnatado.

Capítulo Consideram-se leite o leite integral (completo) e o leite total ou parcialmente desnatado. Capítulo 4 Leite e laticínios; ovos de aves; mel natural; produtos comestíveis de origem animal, não especificados nem compreendidos em outros Capítulos Notas. 1. Consideram-se leite o leite integral (completo)

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE PROPENSÃO ALIMENTAR QPA1

QUESTIONÁRIO DE PROPENSÃO ALIMENTAR QPA1 QUESTIONÁRIO DE PROPENSÃO ALIMENTAR QPA1 Crianças 3-9 anos 1. Com base nas categorias que lhe apresento (mostrar cartão), vou perguntar em quantos dias do ou da ana a criança comeu ou bebeu os seguintes

Leia mais

REVISÃO DAS NOMENCLATURAS/DENOMINAÇÕES - SIGSIF. Brasília, 25/11/2011

REVISÃO DAS NOMENCLATURAS/DENOMINAÇÕES - SIGSIF. Brasília, 25/11/2011 REVISÃO DAS NOMENCLATURAS/DENOMINAÇÕES - SIGSIF Brasília, 25/11/2011 GRUPO DE TRABALHO - REVISÃO DAS NOMENCLATURAS/DENOMINAÇÕES - SIGSIF Integrantes: Carla Rodrigues (DILEI/DIPOA) Clovis Serafini (DILEI/DIPOA)

Leia mais

0,02 Mistura para o preparo de bolos, tortas, doces e massas de confeitaria com fermento químico, com ou sem recheio, com ou sem cobertura

0,02 Mistura para o preparo de bolos, tortas, doces e massas de confeitaria com fermento químico, com ou sem recheio, com ou sem cobertura INS 100i CÚRCUMA, CURCUMINA Função: Corante (g/100g IDA: 0-3 mg/ kg peso corpóreo (JECFA, 2006) ou g/100ml) Amargos e aperitivos Queijos (exclusivamente na crosta) Iogurtes aromatizados Leites aromatizados

Leia mais

CONSERVAÇÃO DOS ALIMENTOS

CONSERVAÇÃO DOS ALIMENTOS CONSERVAÇÃO DOS ALIMENTOS Crescimento e atividade de microrganismos; Insetos; DETERIORAÇÃO DOS ALIMENTOS Ação de enzimas autolíticas do próprio alimento; Reações químicas espontâneas não catalisadas por

Leia mais

Bioquímica do queijo e iogurte. Prof. Dr. Estevãn Martins de Oliveira

Bioquímica do queijo e iogurte. Prof. Dr. Estevãn Martins de Oliveira Bioquímica do queijo e iogurte Prof. Dr. Estevãn Martins de Oliveira Descrição O queijo é um concentrado lácteo constituído de proteínas, lipídios, carboidratos, sais minerais, cálcio, fósforo e vitaminas,

Leia mais

Direcção da Qualidade e Ambiente Ficha de especificação. Mimosa Iogurte Líquido Magro com polpa de fruta sem lactose

Direcção da Qualidade e Ambiente Ficha de especificação. Mimosa Iogurte Líquido Magro com polpa de fruta sem lactose Pág. 1/ 5 1 - DESCRIÇÃO DO PRODUTO Denominação de venda: Iogurte líquido magro com "variedade" Variedades: polpa de morango e sem polpa de papaia e sumo de limão, sem Marca: Quantidade líquida: (de acordo

Leia mais

Fontes de Microrganismos

Fontes de Microrganismos Fontes de Microrganismos Os microrganismos de Interesse Industrial pode ser obtidos: Isolamento de recursos naturais: (solo, água, plantas, etc); Compra em coleções de cultura: (Agricultural Research Service

Leia mais

PRODUTOS DERIVADOS DO LEITE. Ângela Maria Fiorentini

PRODUTOS DERIVADOS DO LEITE. Ângela Maria Fiorentini PRODUTOS DERIVADOS DO LEITE Ângela Maria Fiorentini MATÉRIA-PRIMA LEITE ASPECTO ALIMENTÍCIO DO LEITE íntegro inócuo LEITE E PRODUTOS Fonte : Rabobank, adaptado por Otavio A. C. De Farias LEITES FERMENTADOS

Leia mais

Direcção da Qualidade e Ambiente Ficha de Especificação. Adágio Momentos Frutíssimos Iogurte Líquido Meio Gordo com Polpa de Fruta

Direcção da Qualidade e Ambiente Ficha de Especificação. Adágio Momentos Frutíssimos Iogurte Líquido Meio Gordo com Polpa de Fruta Pág. 1/ 5 1 - DESCRIÇÃO DO PRODUTO Denominação de venda: Iogurte liquido meio-gordo com polpa de (variedade) Variedades: Morango Morango e Banana Marca: Adágio Quantidade líquida (de acordo com a Portaria

Leia mais

% MVA - INTERNA ALIQ. INTERNA

% MVA - INTERNA ALIQ. INTERNA ANEXO AO COMUNICADO: ACORDOS DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E AMAPÁ. Abrangência: operações interestaduais originadas do estado de São Paulo e destinadas ao estado do Amapá. Produto: alimentícios.

Leia mais

Probióticos Definição e critérios de seleção

Probióticos Definição e critérios de seleção Probióticos Definição e critérios de seleção Prof. Flaviano dos Santos Martins Laboratório de Agentes Bioterapêuticos Departamento de Microbiologia ICB-UFMG Definição FAO/WHO micro-organismos vivos que

Leia mais

VODKA. Ac. Lucas Miguel Altarugio Ac. Kim Fohlz Ac. Jadiel Aguiar Ac. Orlando Lucato Neto

VODKA. Ac. Lucas Miguel Altarugio Ac. Kim Fohlz Ac. Jadiel Aguiar Ac. Orlando Lucato Neto VODKA Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz VODKA Ac. Lucas Miguel Altarugio Ac. Kim Fohlz Ac. Jadiel Aguiar Ac. Orlando Lucato Neto SUMÁRIO 1. Introdução: a. O que é

Leia mais

MICRORGANISMOS E MEIOS DE CULTURA DE

MICRORGANISMOS E MEIOS DE CULTURA DE MICRORGANISMOS E MEIOS DE CULTURA DE INTERESSE INDUSTRIAL MICRORGANISMOS - Muitos produtos químicos, alimentos e fármacos devem sua produção e suas características às atividades dos microrganismos; - Produtos

Leia mais

PROCESSOS INDUSTRIAIS DE CONDUÇÃO DA FERMENTAÇÃO

PROCESSOS INDUSTRIAIS DE CONDUÇÃO DA FERMENTAÇÃO PROCESSOS INDUSTRIAIS DE CONDUÇÃO DA FERMENTAÇÃO Prof. Dra Sandra H da Cruz ESALQ/USP 1 A. Bioquímica da fermentação alcoólica produtos primários: etanol e CO 2 produtos secundários: aldeídos, ésteres,

Leia mais

FATORES QUE INFLUENCIAM O DESENVOLVIMENTO MICROBIANO NOS ALIMENTOS

FATORES QUE INFLUENCIAM O DESENVOLVIMENTO MICROBIANO NOS ALIMENTOS Conceito: Alimentos in natura possuem uma microbiota própria. 1 esta localizada na sua superfície Ovo esta relacionada com a sua origem Atum Conceito: Alimentos in natura possuem uma microbiota própria.

Leia mais

Funções dos Ingredientes na Panificação

Funções dos Ingredientes na Panificação UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE AGROINDUSTRIAL DISCIPLINA DE TECNOLOGIA DE PANIFICAÇÃO E PRODUÇÃO DE AMIDO Funções dos Ingredientes na Panificação Prof. ª Elessandra

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E DISTRITO FEDERAL. Produtos Alimentícios. Vigência a partir de ANEXO ÚNICO

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E DISTRITO FEDERAL. Produtos Alimentícios. Vigência a partir de ANEXO ÚNICO SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E DISTRITO FEDERAL Produtos Alimentícios Vigência a partir de 01-11-2015 ANEXO ÚNICO I - CHOCOLATES 1 1704.90.10 2 3 1806.31.10 1806.31.20 1806.32.10 1806.32.20 4 1806.90

Leia mais

Adágio Iogurte Líquido Magro com fruta

Adágio Iogurte Líquido Magro com fruta Pág. 1/ 5 1 - DESCRIÇÃO DO PRODUTO Denominação de venda: Iogurte Liquido magro com fibra (variedade) Contém edulcorantes. Variedades: Morango Laranja e limão Pêssego e sabor a maracujá Marca: Quantidade

Leia mais

I - CHOCOLATES MVA AJUSTADO % - 12% MVA Original % ITEM DESCRIÇÃO ,29 50,56 52,41 64,24 66,27 1.2

I - CHOCOLATES MVA AJUSTADO % - 12% MVA Original % ITEM DESCRIÇÃO ,29 50,56 52,41 64,24 66,27 1.2 ANEXO AO COMUNICADO: ACORDOS DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E RIO DE JANEIRO - ALTERAÇÃO Abrangência: operações interestaduais realizadas entre os estados de São Paulo e Rio de Janeiro. Produto:

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina TAL453 Tecnologia de Produtos Lácteos Fermentados

Programa Analítico de Disciplina TAL453 Tecnologia de Produtos Lácteos Fermentados Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina TAL45 Tecnologia de Produtos Lácteos Fermentados Departamento de Tecnologia de Alimentos - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Número

Leia mais

INTRODUÇÃO À MICROBIOLOGIA

INTRODUÇÃO À MICROBIOLOGIA INTRODUÇÃO A MICROBIOLOGIA UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: MICROBIOLOGIA BIOQUÍMICA DO SOLO PROFESSORA: Adriana Silva Lima INTRODUÇÃO À MICROBIOLOGIA

Leia mais

Receitas Para Suplementa

Receitas Para Suplementa Receitas Para Suplementa Os melhores suplementos para ganhar massa não são exóticos, novos ou caros. Eles já existem há anos para quem quer ganhar massa, e são vendidos como milagrosos, únicos, cada um

Leia mais

ANEXO 1 AO COMUNICADO: SÃO PAULO E SANTA CATARINA ALTERAÇÃO DE ACORDO DE ST.

ANEXO 1 AO COMUNICADO: SÃO PAULO E SANTA CATARINA ALTERAÇÃO DE ACORDO DE ST. ANEXO 1 AO COMUNICADO: SÃO PAULO E SANTA CATARINA ALTERAÇÃO DE ACORDO DE ST. Abrangência: operações interestaduais originadas do Estado de São Paulo e destinadas ao Estado de Santa Catarina. Produto: alimentícios.

Leia mais

Saiba como escolher o melhor tipo de iogurte

Saiba como escolher o melhor tipo de iogurte Saiba como escolher o melhor tipo de iogurte O alimento é saudável e pode ser aliado da dieta Por: Bruna Vargas 20/06/2016 03h01min Atualizada em 20/06/2016 03h01min Sua Compartilhar Foto: Andréa Graiz

Leia mais

LOTE 01 V.TOTAL MARC A Nº GÊNERO PERECÍVEL E NÃO PERECÍVEIS UNID. TOTAL

LOTE 01 V.TOTAL MARC A Nº GÊNERO PERECÍVEL E NÃO PERECÍVEIS UNID. TOTAL LOTE 0 Nº GÊNERO PERECÍVEL E NÃO PERECÍVEIS UNID. TOTAL 9 MARC A V. UNIT. Charque bovino embalado à vácuo com composição nutricional e SIF, embalagem de 00g, acondicionados em caixa de papelão produtos

Leia mais

Microbiologia da Ensilagem

Microbiologia da Ensilagem Microbiologia da Ensilagem Prof. Ary Fernandes Junior Departamento de Microbiologia e Imunologia Instituto de Biociências - UNESP Distrito de Rubião Júnior s/n CEP 18618-000/ Botucatu/ SP /Brasil Tel.

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS PROCESSOS FERMENTATIVOS DA POLPA DE COCO VERDE E DO LEITE POR BACTÉRIAS LÁCTICAS. Karina Fernandes Pimentel 1 ; Eliana Paula Ribeiro 2

COMPARAÇÃO DOS PROCESSOS FERMENTATIVOS DA POLPA DE COCO VERDE E DO LEITE POR BACTÉRIAS LÁCTICAS. Karina Fernandes Pimentel 1 ; Eliana Paula Ribeiro 2 COMPARAÇÃO DOS PROCESSOS FERMENTATIVOS DA POLPA DE COCO VERDE E DO LEITE POR BACTÉRIAS LÁCTICAS Karina Fernandes Pimentel 1 ; Eliana Paula Ribeiro 2 1 Aluna de Iniciação Científica da Escola de Engenharia

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO

METABOLISMO ENERGÉTICO CURSO TÉCNICO INTEGRADO DE INFORMÁTICA E ELETROMECÂNICA - 2º ANO DICIPLINA: BIOLOGIA METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO E FERMENTAÇÃO Prof.ª Carla Pereira Nascimento METABOLISMO ENERGÉTICO Todo ser vivo

Leia mais

DECRETO Nº 1.812, DE 8 DE FEVEREIRO DE 1996

DECRETO Nº 1.812, DE 8 DE FEVEREIRO DE 1996 DECRETO Nº 1.812, DE 8 DE FEVEREIRO DE 1996 Altera dispositivos do Decreto n 30.691, de 29 de março de 1952, que aprovou o Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal, alterado

Leia mais

MVA-ST COM DESTINO A SP E RJ (%)

MVA-ST COM DESTINO A SP E RJ (%) Abrangência: operações interestaduais, entre contribuintes dos estados de S.Paulo e Rio de Janeiro. Produto: alimentícios. Conteúdo: exclusão de itens do campo de incidência de ST. Vigência: 30-07-2013.

Leia mais

Fermentação. Profa. Dra. Enny Fernandes Silva

Fermentação. Profa. Dra. Enny Fernandes Silva Fermentação Profa. Dra. Enny Fernandes Silva Fluxograma Meio de cultura (fonte de N2, C, PO4) Natural: caldo de cana, melaço, água de maceração de milho Artificial Esterilização ph Diluição Com ou sem

Leia mais

MOLHOS FRIOS O SUCESSO NA COMBINAÇÃO E A ESCOLHA DE MOLHOS DENOTAM A HABILIDADE DO

MOLHOS FRIOS O SUCESSO NA COMBINAÇÃO E A ESCOLHA DE MOLHOS DENOTAM A HABILIDADE DO MOLHOS FRIOS O SUCESSO NA COMBINAÇÃO E A ESCOLHA DE MOLHOS DENOTAM A HABILIDADE DO PROFISSIONAL DE COZINHA E SUA CAPACIDADE DE AVALIAR BEM OS SABORES, TEXTURAS E CORES DOS PRATOS. NO GARDE MANGER, OS MOLHOS

Leia mais

INSPEÇÃO DE LEITE E DERIVADOS PROFª ME. TATIANE DA SILVA POLÓ

INSPEÇÃO DE LEITE E DERIVADOS PROFª ME. TATIANE DA SILVA POLÓ INSPEÇÃO DE LEITE E DERIVADOS PROFª ME. TATIANE DA SILVA POLÓ Processamento do leite Seleção e recepção Pré-beneficiamento: forma isolada ou combinada filtração sob pressão Clarificação Bactofugação Microfiltração

Leia mais

ISENÇÃO E DIFERIMENTO

ISENÇÃO E DIFERIMENTO ISENÇÃO E DIFERIMENTO No Estado do Paraná a um incentivo fiscal para as empresas onde, toda venda efetuada para uma outra empresa revendedora, a o diferimento na alíquota do ICMS conforme os Art. Nº96

Leia mais

FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA

FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA Departamento de Ciências Biológicas LCB 0208 - Bioquímica FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA Professora: Helaine Carrer Alunos: Deborah Bueno da Silva Gabriel Fernando da Silva Lucas Maniero Rodrigues Matheus Freire

Leia mais

BENEFÍCIOS DO KEFIR DE LEITE

BENEFÍCIOS DO KEFIR DE LEITE BENEFÍCIOS DO KEFIR DE LEITE Ele é rico em nutrientes e probióticos, é extremamente benéfico para a digestão e saúde do intestino, e muitas pessoas consideram ser uma versão mais poderosa do iogurte: 1.

Leia mais

BOURBON WHISKEY. Gabriel R Anastácio Silva João C Ferreira Junior Julia Savieto Lucas Agostinho Pellarin

BOURBON WHISKEY. Gabriel R Anastácio Silva João C Ferreira Junior Julia Savieto Lucas Agostinho Pellarin UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE AGROINDÚSTRIA, ALIMENTOS E NUTRIÇÃO LAN 1616 TECNOLOGIA DE BEBIDAS BOURBON WHISKEY Gabriel R Anastácio Silva João

Leia mais

ESQUEMA GERAL DE UM PROCESSO FERMENTATIVO

ESQUEMA GERAL DE UM PROCESSO FERMENTATIVO ESQUEMA GERAL DE UM PROCESSO FERMENTATIVO microrganismo Matérias-primas Meio de cultura Esterilização Inóculo Laboratório Inóculo Industrial Ar Biorreator Industrial Células Separação das células Caldo

Leia mais

Regimes aplicáveis à importação pela União Europeia (UE) de produtos agrícolas sensíveis originários do Reino de Marrocos

Regimes aplicáveis à importação pela União Europeia (UE) de produtos agrícolas sensíveis originários do Reino de Marrocos Regimes aplicáveis à importação pela União Europeia (UE) de produtos agrícolas sensíveis originários do Reino de Marrocos Preços de entrada no mercado comunitário Código NC Período Preço de entrada convencional

Leia mais

IREKS aroma, sabor e cor: massas madre e produtos de malte

IREKS aroma, sabor e cor: massas madre e produtos de malte IREKS aroma, sabor e cor: massas e produtos de malte IREKS O seu parceiro em aroma, sabor e cor Massas Massas IREKS: o acréscimo de qualidade decisivo Durante décadas, a IREKS acumulou uma ampla experiência

Leia mais

O que são as duas reações abaixo?

O que são as duas reações abaixo? O que são as duas reações abaixo? 6 CO 2 + 6 H 2 O Glicose + 6 O 2 Glicose + 6 O 2 6 CO 2 + 6 H 2 O Pode ser polimerizada, estocada, transportada e liberada rapidamente quando o organismo precisa de energia

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROCESSAMENTO DE LEITE E DERIVADOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROCESSAMENTO DE LEITE E DERIVADOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROCESSAMENTO DE LEITE E DERIVADOS 21. A composição do leite varia em termos de qualidade e quantidade. Em relação a isso, marque a opção correta: A) Varia conforme a raça e a

Leia mais

Cerveja sem Glúten Um mercado promissor

Cerveja sem Glúten Um mercado promissor Cerveja sem Glúten Um mercado promissor DANIEL LOPES Sebrae Minas / Feira do Empreendedor 2017 empatia Daniel Lopes Músico e Designer de Interação Aprendiz de Mestre Cervejeiro, autor do blog cervejasemgluten.net

Leia mais

CREME DE LEITE, MANTEIGA E REQUEIJÃO

CREME DE LEITE, MANTEIGA E REQUEIJÃO CREME DE LEITE, MANTEIGA E REQUEIJÃO Produto lácteo Produto obtido mediante qualquer elaboração do leite que pode conter aditivos alimentícios e ingredientes funcionalmente necessários para sua elaboração

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Respiração celular Prof. Enrico blota

Matéria: Biologia Assunto: Respiração celular Prof. Enrico blota Matéria: Biologia Assunto: Respiração celular Prof. Enrico blota Biologia 1. Moléculas, células e tecidos - Fotossíntese e respiração - Respiração celular Fermentação Organismos que só vivem na presença

Leia mais

LAN1616 TECNOLOGIA DE BEBIDAS.

LAN1616 TECNOLOGIA DE BEBIDAS. LAN1616 TECNOLOGIA DE BEBIDAS giovanni.silvello@usp.br História Resquícios arqueológicos apontam para domínio da fabricação em 6.000 a.c.; Origem no Oriente Médio ou no Egito (?); Processo semelhante à

Leia mais

Esquema simplificado da fermentação láctica

Esquema simplificado da fermentação láctica BIOLOGIA 12º ANO ANO LECTIVO 2008/2009 NOME DO ALUNO PROFESSORA: Isabel Dias N.º Classificação: Teste 4 1. Analise os documentos 1 e 2, que se referem ao processo de fermentação utilizado na produção de

Leia mais

Cardápio. Outubro. Dica do Mês Outubro

Cardápio. Outubro. Dica do Mês Outubro Dica do Mês Outubro Kefir e seus benefícios O Kefir é um probiótico natural, produzido através da fermentação do leite. O kefir pode ser feito a partir de qualquer tipo de leite (vaca integral e desnatado,

Leia mais

METABOLISMO CELULAR PROCESSOS E MOLÉCULAS ESPECÍFICAS 06/08/2015. Oxidação: ocorre a saída de um átomo H; Redução: envolve o ganho de um átomo H.

METABOLISMO CELULAR PROCESSOS E MOLÉCULAS ESPECÍFICAS 06/08/2015. Oxidação: ocorre a saída de um átomo H; Redução: envolve o ganho de um átomo H. METABOLISMO CELULAR É o conjunto de reações químicas que ocorrem na célula para que ela possa desempenhar suas atividades. + Pi + Energia As moléculas de não podem ser estocadas, desse modo, as células

Leia mais

Bacteriologia 2º/ /08/2017

Bacteriologia 2º/ /08/2017 CULTIVO DE MICRORGANISMOS IN VITRO Para cultivar microrganismos em sistemas artificiais, deve-se obedecer a requisitos básicos, como a utilização de um meio com aporte nutritivo adequado para aquele microrganismo,

Leia mais

ESCOLA C/ PE 1º CICLO REFEITÓRIO Semana de 3 a 6 de janeiro de 2017 Lanche

ESCOLA C/ PE 1º CICLO REFEITÓRIO Semana de 3 a 6 de janeiro de 2017 Lanche Semana de 3 a 6 de janeiro de 2017 2 Pão com banana 1 659 157 0,8 0,2 33,2 4,2 0,5 12,6 1 Cereais com leite 1,7,8 375 89 1,5 0,8 15,2 3,7 0,4 4,3 2 Pão com queijo e leite 1,3,7 448 107 3,7 0,7 12,5 5,9

Leia mais

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AÇÚCAR E BEBIDAS

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AÇÚCAR E BEBIDAS Bacharelado em Ciência e Tecnologia de Alimentos CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AÇÚCAR E BEBIDAS Profª ANGELITA MACHADO LEITÃO 2º/2017 O QUE É BEBIDA? Todo o alimento que naturalmente tem a forma líquida BEBIDA

Leia mais

SALVAGUARDAS AGRÍCOLAS. Os produtos agrícolas e as respetivas quantidades de referência referidas no artigo 35.º são indicados no quadro seguinte:

SALVAGUARDAS AGRÍCOLAS. Os produtos agrícolas e as respetivas quantidades de referência referidas no artigo 35.º são indicados no quadro seguinte: ANEXO IV SALVAGUARDAS AGRÍCOLAS Os produtos agrícolas e as respetivas quantidades de referência referidas no artigo 35.º são indicados no quadro seguinte: Quantidades de referência (toneladas métricas)

Leia mais

Biologia. Respiração Celular. Professor Enrico Blota.

Biologia. Respiração Celular. Professor Enrico Blota. Biologia Respiração Celular Professor Enrico Blota www.acasadoconcurseiro.com.br Biologia RESPIRAÇÃO CELULAR A bioenergética é o estudo dos processos do metabolismo celular de produção e quebra de energia

Leia mais

PROTOCOLO ICMS 216, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009

PROTOCOLO ICMS 216, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009 PROTOCOLO ICMS 216, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009 Altera o Protocolo ICMS 28/09, que dispõe sobre a substituição tributária nas operações com produtos alimentícios Os Estados de Minas Gerais e de São Paulo,

Leia mais

Respiração Celular. Para quê fazer respiração?

Respiração Celular. Para quê fazer respiração? Respiração Celular Para quê fazer respiração? Nos alimentamos diariamente de diversos compostos orgânicos: carboidratos, lipídios, proteínas, todos estes compostos podem servir de fonte de energia para

Leia mais

Capítulo V. Biotecnologia Microbiana

Capítulo V. Biotecnologia Microbiana Capítulo V Biotecnologia Microbiana 1 Histórico Utilização ancestral da actividade microbiana (vinho, cerveja, pão, vinagre, lacticínios) Meados sec. XIX: Pasteur Época de grande desenvolvimento científico

Leia mais

PROTOCOLO ICMS 02, DE 20 DE JANEIRO DE 2010

PROTOCOLO ICMS 02, DE 20 DE JANEIRO DE 2010 PROTOCOLO ICMS 02, DE 20 DE JANEIRO DE 2010 Altera o Protocolo ICMS 188/09, que dispõe sobre a substituição tributária nas operações com produtos alimentícios. Os Estados de Minas Gerais e de Santa Catarina,

Leia mais

% MVA - ALIQ. INTERNA INTERNA 40 17% 37 17% 39 17% 44 17% 25 17% 24 17% 54 17% 63 17% 47 17% 60 17%

% MVA - ALIQ. INTERNA INTERNA 40 17% 37 17% 39 17% 44 17% 25 17% 24 17% 54 17% 63 17% 47 17% 60 17% Abrangência: operações interestaduais entre contribuintes situados em São Paulo e contribuintes situados no Amapá. Produto: alimentícios. Conteúdo: relação de Margem de Valor Agregado. Base Legal: Protocolo

Leia mais

QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA DE IOGURTES COMERCIALIZADOS EM VIÇOSA (MG) 1. Introdução

QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA DE IOGURTES COMERCIALIZADOS EM VIÇOSA (MG) 1. Introdução 519 QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA DE IOGURTES COMERCIALIZADOS EM VIÇOSA (MG) 1 Eduardo Nogueira Fernandes 2, Cíntia da Cunha Abreu 2, Isabela de Castro Oliveira 2, Jéssica Pires Ávila Rasmini 2, Adriano França

Leia mais

1- Microrganismos e indústria alimentar 1.1 Fermentação e actividade enzimática

1- Microrganismos e indústria alimentar 1.1 Fermentação e actividade enzimática Unidade 4 Produção de alimentos e sustentabilidade 1- Microrganismos e indústria alimentar 1.1 1 Qual é a importância dos microrganismos na indústria alimentar? Queijo Os microrganismos são essenciais

Leia mais

CABAZ FORTALEZA DE SAGRES

CABAZ FORTALEZA DE SAGRES CABAZ FORTALEZA DE SAGRES Vinho Tinto Alentejano Pacato Herdade Monte da Cal Vale de Paredes Novo 7460-100 São Saturnino - Consumir a: 16-18 C Teor Alcoólico: 13% Contém Sulfitos Não aconselhável a grávidas

Leia mais

Rede de Bufetes Escolares Saudáveis. Fichas de trabalho

Rede de Bufetes Escolares Saudáveis. Fichas de trabalho Rede de Bufetes Escolares Saudáveis Fichas de trabalho Atividade 1 Faz a correspondência entre os números e as respetivas frases: 1.LACTOSE 2- IOGURTE NATURAL 3- LEITE 4-CÁLCIO Frases Nº É essencial numa

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS Todas os alimentos deverão seguir o critério geral de: 1) Características microscópicas: Isento de substâncias estranhas de qualquer natureza. 2) Rotulagem:

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO MATÉRIAS-PRIMAS UTILIZADAS EM ALIMENTAÇÃO ANIMAL

CLASSIFICAÇÃO MATÉRIAS-PRIMAS UTILIZADAS EM ALIMENTAÇÃO ANIMAL I - INGREDIENTES DE ORIGEM VEGETAL ALFAFA Feno moído de alfafa 1214.10.00 8 Folhas desidratadas de alfafa 1214.90.00 8 ALGODÃO Farelo de algodão (solvente) 2306.10.00 6 Torta de algodão 2306.10.00 6 Casca

Leia mais

Volumosos. Volumosos. Volumosos. Volumosos. Alimentos utilizados na alimentação Animal. Marinaldo Divino Ribeiro

Volumosos. Volumosos. Volumosos. Volumosos. Alimentos utilizados na alimentação Animal. Marinaldo Divino Ribeiro Alimentos utilizados na alimentação Animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Alimentos Volumosos (pelo menos 25% de de FDN na na MS) MS) Concentrados Outros Forragens secas

Leia mais

SABES O QUE ESTÁS A COMER?

SABES O QUE ESTÁS A COMER? SABES O QUE ESTÁS A COMER? Interpretar RÓTULOS de produtos alimentares Conhecer os INGREDIENTES dos PRODUTOS ALIMENTARES Descobrir o significado de DDR Saber a diferença entre produto alimentar MAGRO e

Leia mais

Módulo 4. Princípios de nutrição

Módulo 4. Princípios de nutrição Módulo 4 Princípios de nutrição O que é a nutrição? Nutrição é um acto involuntário e inconsciente e abrange toda uma série de processos que se realizam independentemente da vontade do indivíduo. É um

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ALEGRE ES CNPJ / RELATÓRIO -

PREFEITURA MUNICIPAL DE ALEGRE ES CNPJ / RELATÓRIO - 1 - RELATÓRIO - Modalidade de Licitação: Pregão Presencial para Registro de Preço (PPRP) n 004/2014 Processo n : 7187/2013 de 27/11/2013 Objeto: AQUISIÇÃO DE GENEROS ALIMENTICIOS DO TIPO NÃO PERECÍVEIS,

Leia mais

RELAÇÃO MENSAL DAS COMPRAS

RELAÇÃO MENSAL DAS COMPRAS Folha: 1/5 RELAÇÃO MENSAL DAS COMPRAS De acordo com o Artigo 16 da Lei Nr. 8.666, de 21 de Junho de 1993, alterada pela Lei Nr. 8.883, de 08 de Junho de 1994, esta é a relação de todas as compras realizadas

Leia mais

Leite e derivados. UHT, HTST, fermentos, maturação, coalho, flor de cardo.

Leite e derivados. UHT, HTST, fermentos, maturação, coalho, flor de cardo. Leite e derivados Objectivos: Conhecer a composição química e estrutura física do leite. Descrever leite inteiro, meio gordo magro e enriquecido. Descrever manteiga. Descrever natas. Descrever requeijão,

Leia mais

Vinhos brancos. - Agentes de transformação da uva - Maturação - Vinificação

Vinhos brancos. - Agentes de transformação da uva - Maturação - Vinificação Vinhos brancos - Agentes de transformação da uva - Maturação - Vinificação XIV Curso de Prova de Vinhos Vinhos Brancos António Luís Cerdeira Vinhos Verdes Vinificação em branco Recepção Desengace Esmagamento

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Às 10:01 horas do dia 13 de fevereiro de 2012, o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Capinzal, designado pela portaria 13/2011 após analise da documentação do Pregão Eletrônico

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS E MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO

PRINCÍPIOS BÁSICOS E MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS E MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO Conservação e Rotulagem de Alimentos 3º Módulo Profª Vivian Pupo de Oliveira Machado ASSEPSIA Recipiente de transporte e de manipulação sujos, falta de cuidado

Leia mais

SECTOR PRODUTO OBSERVAÇÃO

SECTOR PRODUTO OBSERVAÇÃO GELATINA PACOTE / 2 KG. GELATINA IOGURTE DE AROMA MOUSSE DE CHOCOLATE PACOTE / 2 KG. MOUSSE DE CHOCOLATE (SOBREMESA) ALHEIRAS BIFE DE PERÚ CHOURIÇO CORRENTE COELHO COSTELETAS ENTRECOSTO ENTREMEDADA FÊVERA

Leia mais

[notificada com o número C(2016) 1423] (Apenas faz fé o texto em língua dinamarquesa)

[notificada com o número C(2016) 1423] (Apenas faz fé o texto em língua dinamarquesa) 16.3.2016 L 70/27 DECISÃO DE EXECUÇÃO (UE) 2016/376 DA COMISSÃO de 11 de março de 2016 que autoriza a colocação no mercado de 2 -O-fucosil-lactose como novo ingrediente alimentar, nos termos do Regulamento

Leia mais

MICROBIOLOGIA APLICADA À NUTRIÇÃO. Microbiologia e alimentos 28/08/2009

MICROBIOLOGIA APLICADA À NUTRIÇÃO. Microbiologia e alimentos 28/08/2009 MICROBIOLOGIA APLICADA À NUTRIÇÃO Microbiologia e alimentos O período de produção de alimentos data de 8 a 10 mil anos atrás, antes disso os seres humanos buscavam incessantemente fontes de alimentos.

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO MATÉRIAS-PRIMAS UTILIZADAS EM ALIMENTAÇÃO ANIMAL

CLASSIFICAÇÃO MATÉRIAS-PRIMAS UTILIZADAS EM ALIMENTAÇÃO ANIMAL I - INGREDIENTES DE ORIGEM VEGETAL Nome Comum Nome Científico NCM USUAL II² (%) DINON Observações ALFAFA Feno moído de alfafa 1214.10.00 8 Folhas desidratadas de alfafa 1214.90.00 8 ALGODÃO Farelo de algodão

Leia mais

Tabela de Nutrientes do Centro Vegetariano

Tabela de Nutrientes do Centro Vegetariano Tabela de Nutrientes do Centro Vegetariano Composição média dos alimentos por 100 g de parte edível PRINCÍPIOS ENERGÉTICOS VITAMINAS MINERAIS Nutrientes Parte edível Calorias Proteínas Lípidos Glícidos

Leia mais