Estudo do consumo de leites e derivados por idosas praticantes de atividade física em uma academia no município de São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo do consumo de leites e derivados por idosas praticantes de atividade física em uma academia no município de São Paulo"

Transcrição

1 Estudo do consumo de leites e derivados por idosas praticantes de atividade física em uma academia no município de São Paulo * Acadêmicas do Curso de Nutrição do Centro Universitário São Camilo, São Paulo, SP ** Nutricionista, Especialista em Nutrição Clínica Mestre em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Publica da USP Doutora em Medicina Preventiva pela Faculdade de Medicina da USP Docente dos Cursos de Nutrição do Centro Universitário São Camilo e da Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, SP Kamylle Fantinato Kurnik* Bruna Jacopetti Oliveira* Magda Rosa Carvalho Oliveira* Renata Furlan Viebig** (Brasil) Resumo Nas últimas décadas a população brasileira vem envelhecendo de forma rápida e estima-se que no ano de 2025 a população idosa no Brasil chegue a 32 milhões. O envelhecimento leva a alterações na composição corporal e estas modificações tornam-se mais evidentes com hábitos alimentares incorretos, falta de exercícios físicos e hereditariedade. A osteoporose é caracterizada como a diminuição da massa óssea, sendo comum em idade avançada. O consumo suficiente de cálcio e a prática adequada de atividades físicas durante a vida exercem fator de proteção contra a perda de massa óssea relacionada com o processo de envelhecimento. O presente estudo teve como objetivo verificar a ingestão de leites e derivados em idosos, levantando sua importância na prevenção e tratamento da osteoporose aliado a prática de atividade física. Foi realizado um estudo transversal, em uma academia localizada na Zona Norte de São Paulo. A amostra foi composta por 17 desportistas predominantemente do sexo feminino. Os dados foram coletados no mês de agosto de 2010, por meio de uma entrevista individualizada, aplicando-se um questionário sobre características pessoais (gênero, data de nascimento) e de estilo de vida das idosas (atividade física e presença de osteoporose). A hidroginástica foi a modalidade esportiva mais citada pelas participantes. A maioria das idosas apresentou consumo diário de pelo menos uma porção de leite (94,1%), mas houve baixo consumo de produtos lácteos. Mais da metade das entrevistadas (64,7%) relataram ter osteoporose ou osteopenia, semelhante a encontrado em estudos com a mesma população. Entretanto, somente 47,1% das idosas faziam a suplementação com cálcio. Constatou-se que há necessidade de orientação alimentar voltada para o consumo diário do número de porções adequado de leite e produtos lácteos. Unitermos: Cálcio. Idosos. Leite. Osteoporose. Atividade física. 1 / 1 Introdução O Brasil sempre teve o status de ser um país jovem, ou melhor, de ter uma população tipicamente jovem. Entretanto, nas últimas décadas a população brasileira vem envelhecendo de forma rápida. Pelas características da sociedade atual, estima-se que no ano de 2025 a população idosa no Brasil chegue a 32 milhões, levando a ser o país a ter a sexta população de idosos no mundo em números absolutos (ARAÚJO; FARIA; PEREIRA, 2007; MENDES et. al., 2005).

2 Envelhecer é um processo natural que caracteriza uma etapa da vida do homem e dá-se por mudanças físicas, psicológicas e sociais que acometem de forma particular cada indivíduo com sobrevida prolongada. O envelhecimento leva a alterações na composição corporal: o tecido muscular sofre uma diminuição relacionada com o metabolismo protéico, levando a maior probabilidade de lesões e comprometimento do sistema imunológico; a gordura corporal se eleva, aumentando o risco de desenvolvimento de doenças crônicas. Estas modificações tornam-se mais evidentes com hábitos alimentares incorretos, falta de exercícios físicos e hereditariedade (MENDES et. al., 2005; RIBEIRO et al, 2006). A atividade física e a alimentação equilibrada, além de colaborarem para a manutenção da massa magra e redução da gordura corporal de idosos, são importantes para prevenir doenças como osteoporose e pressão arterial (MENDES et. al., 2005; RIBEIRO et al, 2006). A osteoporose é caracterizada como a diminuição da massa óssea, pela deterioração estrutural do tecido ou também, como uma baixa densidade óssea, sendo comum em idade avançada. Tem se tornado fator primordial de pesquisas que tratam sobre as lesões ósseas em idosos (TARTARUGA, 2005). A prevenção da osteoporose deve ser iniciada com a devida importância ao estilo de vida e a dieta, ainda na infância, com quantidades suficientes de cálcio, vitaminas D e C, e proteínas, essencial para a construção de ossos saudáveis, com regular exposição ao sol, atividade física, precauções contra quedas e controle de reposição hormonal (medicamentos). Além de reduzir o consumo alto de café e álcool, uso de tabaco e alguns fármacos nas idades futuras (CUNHA, 2007). O consumo suficiente de cálcio e a prática adequada de atividades físicas durante a vida exercem fator de proteção contra a perda de massa óssea relacionada com o processo de envelhecimento, pois os ossos são moldados pelas forças aplicadas sobre eles, e respondem ao esforço, se tornando mais fortes. Sem o estresse ou a tensão da atividade física, eles tendem a perder cálcio e ficam menos densos (JUNIOR; RODRIGUES, 1997; TRINDADE, 2007). O tratamento da osteoporose pode ser farmacológico e não farmacológico, sendo que no tratamento farmacológico são utilizados reposições hormonais, biofosfatos, calcitonina e MSREs (moduladores seletivos de receptores de estrogênio) e, no tratamento não farmacológico, suplementos de cálcio e vitamina D. Atualmente, considera-se que a nutrição e atividade física são os meios mais corretos para combater a doença aliados ao tratamento dietético (TARTARUGA, 2005).

3 O presente estudo teve como objetivo de verificar a ingestão de leites e derivados em idosos, levantando sua importância na prevenção e tratamento da osteoporose aliado a prática de atividade física. Metodologia Foi realizado um estudo transversal, em uma academia localizada na Zona Norte de São Paulo. A amostra da presente pesquisa foi composta por 17 desportistas do sexo feminino, com idade a partir de 60 anos, todas voluntárias. Os dados foram coletados no mês de agosto de 2010, por meio de uma entrevista individualizada, aplicando-se um questionário sobre características pessoais (gênero, data de nascimento) e de estilo de vida das idosas (atividade física e presença de osteoporose). A freqüência de consumo de leites e produtos lácteos foi avaliada mediante a aplicação da seção correspondente a estes alimentos de um Questionário de Freqüência Alimentar desenvolvidos para a população adulta e idosa do município de São Paulo (Furaln-Viebig e Pastor-Valero, 2004). Após o preenchimento do questionário, os dados foram tabulados podendo assim caracterizar os hábitos do consumo de leite e derivados por meio da análise descritiva. As idosas foram convidadas a integrar o estudo, sendo informadas dos procedimentos a serem realizados, bem como de que poderiam deixar o estudo a qualquer momento, se assim desejassem. O presente estudo faz parte de um projeto maior, intitulado Avaliação nutricional de atletas e praticantes de atividade física da Região Metropolitana de São Paulo, aprovado pelo Comitê de Ética do Centro Universitário São Camilo, sob o n. 047/05. Resultados Foram avaliadas 17 idosas do sexo feminino e com mais de 60 anos, sendo a idade média de 68,1 anos (Dp= 6,0). Todas eram praticantes de atividade física, sendo a hidroginástica a modalidade mais citada (100%), seguida pela dança (35,3%) e pela musculação (29,4%) (Gráfico 1). A freqüência média da prática da atividade física foi de três vezes por semana, com duração média de 1 hora.

4 Mais da metade das entrevistadas (64,7%) relataram ter tido diagnóstico médico de osteoporose ou osteopenia, entretanto, somente 47,1% das idosas faziam a suplementação diária com cálcio. A maioria das desportistas entrevistadas (94,1%) relatou dar importância aos alimentos que fazem parte de sua dieta e que consomem diariamente. Com relação ao consumo de leites e derivados a refeição na qual houve o maior consumo destes alimentos foi o desjejum ou café da manhã (Gráfico 2). No Gráfico 3 é possível observar a freqüência do consumo de leite pelas idosas, sendo que, 94,1% destas relataram um consumo diário deste alimento, ao menos uma vez ao dia.

5 Quando questionadas sobre qual tipo de leite mais consumido, verificou-se que o tipo desnatado foi o mais apontado (70,6%) pelas idosas, seguido pelo semi-desnatado (23,6%) e integral (5,9%), como pode ser observado no Gráfico 4. A Figura 1 mostra a freqüência do consumo de derivados do leite, na qual se observa que 35,3% das desportistas tinham um consumo de creme de leite menor que uma vez por mês ou nunca. O consumo diário de iogurte foi relatado por 35,3%. Os consumos de queijo mussarela, prato e provolone se mostraram mais esporádicos dentre as mulheres, sendo que a maior parte delas (58,9%) consuma estes alimentos uma vez por semana.

6 Discussão No presente estudo foi realizada a investigação do consumo de leites e derivados de mulheres idosas praticantes de atividade física de uma academia do município de São Paulo, sendo observado que, embora mais da metade das participantes já tivessem tido diagnóstico de osteoporose ou osteopenia, a freqüência de consumo de leites e derivados, fontes de cálcio dietético, se mostrou baixa dentre este grupo. Além disso, 17,6% das participantes, embora tivessem a doença, não faziam uso da suplementação de cálcio. Da mesma forma que em outros estudos realizados em academias de ginástica (CARVALHO et al, 2004), a participação das mulheres idosas se mostrou muito maior do que a dos homens, sendo que em nosso estudo, nenhum homem com mais de 60 anos foi encontrado para participar da pesquisa. Este fato sugere a maior preocupação com a saúde pelas mulheres. De acordo com a questão referente à preocupação com a alimentação, a maioria das idosas relatou dar grande importância aos itens consumidos diariamente, divergindo dos dados obtidos em um estudo realizado em Campo Grande, no qual 47% das idosas fisicamente ativas entrevistadas referiram se preocupar com os alimentos consumidos diariamente. Já Cupertino (2007) relata que somente 36% dos idosos de seu estudo referiram se preocupar com a alimentação (FILHO et. al., 2009).

7 No que diz respeito ao consumo de leite e derivados, foi detectado um consumo diário (pelo menos 1 porção ao dia) de 94,1%, sendo muito acima do encontrado na literatura. Em um estudo com idosos de Viçosa, Minas Gerais, 70% disseram consumir leite e derivados diariamente, já em outro estudo realizado em Alfenas, também em Minas Gerais, somente 59,6% dos idosos relataram consumir leite e derivados todos os dias. Entretanto, quando se compara com as porções recomendadas na Pirâmide Alimentar, PHILIPPI et al (1999) sugere o consumo de 3 porções ao dia de leites e produtos lácteos (TINOCO et al, 2007; MARTINO, 2004). O consumo de leite do tipo desnatado foi o mais citado (70,6%) pelas participantes deste estudo, dado muito diferente do encontrado por Carvalho et al (2004), em estudo realizado com idosos em Teresina, Piauí, no qual o consumo maior era de leite integral (52%) seguido do desnatado (42%) e semi-desnatado (6%). Segundo a Pirâmide Alimentar Adaptada para a população brasileira (Phillipi et al, 1999), sugere-se o consumo diário de 3 porções de leites e produtos lácteos, visando atender as recomendações mínimas de cálcio. Embora a grande maioria das desportistas avaliadas consumissem ao menbos 1 porção de leite ao dia, o consumo dos demais produtos lácteos foi considerado baixo. Entretanto, não foram encontrados outros estudos que relatavam a freqüência do consumo dos derivados do leite por idosas fisicamente ativas. Entre as idosas entrevistadas, 64,7% relataram apresentar osteoporose e osteopenia, uma prevalência similar à observada por Carvalho et al (2004), em Teresina, que encontraram que 62,5% das idosas fisicamente ativas participantes tinham osteoporose. Por outro lado, Martino et al (2004), em estudo em Minas Gerais com 47 idosos, encontraram prevalência de osteoporose de 4,25%, muito inferior do que a observada em nosso estudo. Nossos achados relativos à osteoporose são superiores às estimativas para o país para mulheres idosas, que variam entre 15% e 50%, sendo que, pelo menos 10,0% da população acima de 50 anos sofrem da doença, mas de maneira grave o bastante para causar fratura vertebral, do quadril ou de ossos longos (ARAÚJO; FARIA; PEREIRA, 2007). Quanto à suplementação de cálcio, 47,1% das idosas estudadas relataram que faziam uso destes suplementos diariamente, sendo estes resultados semelhantes aos encontrados em idosas do Piauí (45,8%) (CARVALHO; FONSECA; PEDROSA, 2004). Conclusão Este estudo concluiu que mais da metade das idosas apresentaram osteoporose e osteopenia, porém, o consumo de produtos lácteos foi considerado baixo em comparação com

8 as recomendações atuais, mesmo que a maioria das participantes tenha referido dar importância aos alimentos que fazem parte de sua dieta. Além disso, nem todas as idosas que tinham osteoporose faziam o uso da suplementação de cálcio. Embora fossem fisicamente ativas, e se considerarem preocupadas com a alimentação e saúde, as idosas entrevistadas necessitam de maiores informações e orientações sobre a correta ingestão alimentar de fontes de cálcio. Segundo os escassos estudos encontrados, idosas fisicamente ativas de academias de ginástica de outros centros urbanos do país parecem apresentar situação semelhante ou pior à observada no presente estudo. Referências ARAÚJO, C.R.; FARIA, H.M.R.; PEREIRA, O.A.V. Análise do perfil nutricional de idosos do movimento da terceira idade praticantes de hidroginástica. Nutrir Gerais. Ipatinga: Minas Gerais, v., n.1, ago/dez, CARVALHO, C. M. R. G.; FONSECA, C. C. C., PEDROSA, J. I. Educação para a saúde em osteoporose com idosos de um programa universitário: repercussões. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, p , mai-jun, CUNHA, C.E.W et. al. Os exercícios resistidos e a osteoporose em idosos. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.1, n.1, p.18-28, jan./fev CUPERTINO, A.P.F.B.; et al. Definição do envelhecimento saudável na perspectiva de indivíduos idosos. Revista de psicologia reflexão e crítica. Porto Alegre, v.20, n.1, p.81-86, FILHO, D.O.L.; et al.comportamento alimentar do consumo idoso. Revista de negócios. Blumenau, v.13, n.4, p.27-39, out/dez, JUNIOR B.R.A.; RODRIGUES R.L. Influência da atividade física e da ingestão de Cálcio na osteoporose. São Paulo. MOTRIZ v. 3, n 1, p MARTINO, H.S.D.M.;et al. Avaliação e orientação nutricional de idosos cadastrados no programa EFOA aberta à terceira idade de Alfenas, MG. Anais 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária. Belo Horizonte, set., MENDES, M.R.S.S.B.,et al. A situação social do idoso no Brasil: uma breve consideração. Acta Paul Enferm. São Paulo, v.4, n.18, p , PHILIPPI, S. T. et al. Pirâmide alimentar adaptada: guia para escolha dos alimentos. Rev. Nutr, Campinas, v.12, n 1, p.65-80, jan. / abr RIBEIRO, et al. Estado nutricional de um grupo de idosas participantes de um programa de educação física: discussão de diferentes padrões de referência. R. bras. Ci e Mov. São Paulo, v.4, n.14, p , 2007.

9 TARTARUGA, M.P et al. Treinamento de força para idosos: uma perspectiva de trabalho multidisciplinar. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, v.10, n.82, mar TINÔCO, A.L.A.; et al.caracterização do padrão alimentar, da ingestão de energia e nutrientes da dieta de idosos de um município da Zona da Mata Mineira. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia.Rio de Janeiro,v.10, n.3, TRINDADE, R.B et al. Exercício de resistência muscular e osteoporose em idosos. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, v.6, n.3, p , VILARINO, M.A.M. Envelhecimento e saúde nas palavras de idosos de Porto Alegre. Estudo interdisciplinar envelhecimento. Porto Alegre, v.13, n.1, p.63-77, VIEBIG, R.F.; et al. Consumo de frutas e hortaliças por idosos de baixa renda na cidade de São Paulo. Revista de Saúde Pública, São Paulo, vol.43, n.5 São Paulo Out

CONSUMO DE LEITE POR INDIVÍDUOS ADULTOS E IDOSOS DE UM MUNICÍPIO DA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1

CONSUMO DE LEITE POR INDIVÍDUOS ADULTOS E IDOSOS DE UM MUNICÍPIO DA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1 CONSUMO DE LEITE POR INDIVÍDUOS ADULTOS E IDOSOS DE UM MUNICÍPIO DA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1 Débora Adriana Knoll Wagner 2, Maria Cristina Roppa Garcia 3, Franciéli Aline Conte

Leia mais

PIRÂMIDE ALIMENTAR DO IDOSO E PRINCIPAIS MICRONUTRIENTES NO ENVELHECIMENTO

PIRÂMIDE ALIMENTAR DO IDOSO E PRINCIPAIS MICRONUTRIENTES NO ENVELHECIMENTO PIRÂMIDE ALIMENTAR DO IDOSO E PRINCIPAIS MICRONUTRIENTES NO ENVELHECIMENTO Área Temática: Ciências da Saúde Autor(es): Karen Larissa Zene (PIBEX Fundação Araucária) 1, Dayane Kanarski (UNICENTRO) 2, Daniele

Leia mais

DISCUSSÃO DOS DADOS CAPÍTULO V

DISCUSSÃO DOS DADOS CAPÍTULO V CAPÍTULO V DISCUSSÃO DOS DADOS Neste capítulo, são discutidos os resultados, através da análise dos dados obtidos e da comparação dos estudos científicos apresentados na revisão da literatura. No que respeita

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DOS CONHECIMENTOS BÁSICOS SOBRE NUTRIÇÃO E O USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS POR PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO

TÍTULO: AVALIAÇÃO DOS CONHECIMENTOS BÁSICOS SOBRE NUTRIÇÃO E O USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS POR PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AVALIAÇÃO DOS CONHECIMENTOS BÁSICOS SOBRE NUTRIÇÃO E O USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS POR PRATICANTES

Leia mais

GUIA BÁSICO DE SUPLEMENTAÇÃO MAGVIT

GUIA BÁSICO DE SUPLEMENTAÇÃO MAGVIT GUIA BÁSICO DE SUPLEMENTAÇÃO MAGVIT SUPLEMENTAÇÃO ALIMENTAR O QUE É? Os suplementos vão muito além do mundo esportivo, sendo qualquer substância que venha a suprir necessidades de nutrientes no organismo,

Leia mais

EXCESSO DE PESO E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS ASSISTIDOS PELO NASF DO MUNICÍPIO DE PATOS-PB

EXCESSO DE PESO E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS ASSISTIDOS PELO NASF DO MUNICÍPIO DE PATOS-PB EXCESSO DE PESO E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS ASSISTIDOS PELO NASF DO MUNICÍPIO DE PATOS-PB Maria Rozimar Dias dos Santos Nóbrega José Maurício de Figueiredo Júnior Faculdades Integradas de Patos FIP

Leia mais

Nutrição Aplicada à Educação Física. Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas. Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci

Nutrição Aplicada à Educação Física. Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas. Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci Nutrição Aplicada à Educação Física Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci ARROZ 100 gramas CÁLCULO DE DIETA CH 25,1 PT 2,0 Lip 1,2 Consumo 300 gramas 100 gr

Leia mais

RESULTADO DE AVALIAÇÕES DAS REUNIÕES PLENÁRIAS DO CEP - CESUMAR ATÉ O DIA 14/12/2012

RESULTADO DE AVALIAÇÕES DAS REUNIÕES PLENÁRIAS DO CEP - CESUMAR ATÉ O DIA 14/12/2012 RESULTADO DE AVALIAÇÕES DAS REUNIÕES PLENÁRIAS DO CEP - CESUMAR ATÉ O DIA 14/12/2012 NÃO ACEITO Nº CAAE TÍTULO DO PROJETO SITUAÇÃO 01 07303612.0.0000.5539 PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS E DA ATIVIDADE ELETROMIOGRÁFICA

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL E FREQUÊNCIA ALIMENTAR DE PACIENTES COM DIABETES MELLITUS

ESTADO NUTRICIONAL E FREQUÊNCIA ALIMENTAR DE PACIENTES COM DIABETES MELLITUS ESTADO NUTRICIONAL E FREQUÊNCIA ALIMENTAR DE PACIENTES COM DIABETES MELLITUS SOUZA, J. P.; MARIN, T. Resumo O diabetes vem sendo considerado um grave problema de saúde pública. O objetivo do estudo foi

Leia mais

PERFIL CLÍNICO, ANTROPOMÉTRICO E AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR EM IDOSOS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ-RN

PERFIL CLÍNICO, ANTROPOMÉTRICO E AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR EM IDOSOS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ-RN PERFIL CLÍNICO, ANTROPOMÉTRICO E AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR EM IDOSOS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ-RN Muriele Marques Job Universidade Federal do Rio Grande do Norte - Faculdade

Leia mais

CONSUMO DE PRODUTOS LÁCTEOS E RENDA FAMILIAR DE GESTANTES E NUTRIZES DE FORTALEZA

CONSUMO DE PRODUTOS LÁCTEOS E RENDA FAMILIAR DE GESTANTES E NUTRIZES DE FORTALEZA CONSUMO DE PRODUTOS LÁCTEOS E RENDA FAMILIAR DE GESTANTES E NUTRIZES DE FORTALEZA Maria do Socorro Gomes de Oliveira Nadia Tavares Soares Emanuel Diego dos Santos Penha Marcelo Gurgel Carlos da Silva Universidade

Leia mais

Sistema muculoesquelético. Prof. Dra. Bruna Oneda

Sistema muculoesquelético. Prof. Dra. Bruna Oneda Sistema muculoesquelético Prof. Dra. Bruna Oneda Sarcopenia Osteoporose A osteoporose é definida como uma desordem esquelética que compromete a força dos ossos acarretando em aumento no risco de quedas.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS ERGOGÊNICOS POR PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA EM UMA LOJA DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS EM APUCARANA, PR

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS ERGOGÊNICOS POR PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA EM UMA LOJA DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS EM APUCARANA, PR UTILIZAÇÃO DE RECURSOS ERGOGÊNICOS POR PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA EM UMA LOJA DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS EM APUCARANA, PR Autores: ASEVEDO, F. M.; MARIN, T. Resumo: O presente estudo teve como objetivo

Leia mais

Movimento e alimento. Eliane Petean Arena Nutricionista

Movimento e alimento. Eliane Petean Arena Nutricionista Movimento e alimento Eliane Petean Arena Nutricionista Todos nós necessitamos de atividades físicas, o nosso corpo foi feito para se movimentar. O desenvolvimento da criança é um processo contínuo e dinâmico,

Leia mais

Estudo sobre o Consumo de leite na Cidade de Monte Carmelo

Estudo sobre o Consumo de leite na Cidade de Monte Carmelo Estudo sobre o Consumo de leite na Cidade de Monte Carmelo Vânia de Fátima Lemes de Miranda 1 Luciano Dias Cabral Neto 2 Luciano Mateus Luiz Rodrigues 3 Marcelo Rodrigues da Silva 4 Raynner Lage Cordeiro

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 TEIXEIRA, Giselle 2 ; BOSI, Greice 2 ; FONTOURA, Ethiene 2 ; MUSSOI, Thiago 2 ; BLASI,

Leia mais

INFLUÊNCIA DA CAMINHADA ORIENTADA EM PARÂMETROS FISIOLÓGICOS E PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS 1

INFLUÊNCIA DA CAMINHADA ORIENTADA EM PARÂMETROS FISIOLÓGICOS E PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS 1 INFLUÊNCIA DA CAMINHADA ORIENTADA EM PARÂMETROS FISIOLÓGICOS E PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS 1 CHAVES, Ricardo - Lemes 2 TEIXEIRA, Bruno Costa 3 Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN Victor Henrique dos Santos Silva 1 ; Adriana Moura de Lima 2 Resumo: Perante a abordagem da

Leia mais

OSTEOPOROSE: PREVENIR É POSSÍVEL!

OSTEOPOROSE: PREVENIR É POSSÍVEL! OSTEOPOROSE: PREVENIR É POSSÍVEL! 17 de Outubro a 2 de Novembro Exposição promovida pelo Serviço de Ginecologia do HNSR EPE OSTEOPOROSE: O QUE É? Osteoporose significa "osso poroso". É uma doença que se

Leia mais

Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS. Unidade I:

Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS. Unidade I: Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS Unidade I: 0 Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS ESTUDO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Manhã - 9:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 17:00

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Manhã - 9:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 17:00 NUTRIçãO E SUPLEMENTAçãO NO DESPORTO (OUT 2015) PORTO A nutrição é um dos fatores com maior peso na saúde e, aliada à atividade física, contribui para a manutenção de um peso e composição corporal adequados,

Leia mais

NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE. Como ter uma vida mais saudável comendo bem.

NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE. Como ter uma vida mais saudável comendo bem. NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE Como ter uma vida mais saudável comendo bem. IDADE X NUTRIÇÃO Depois dos 65 anos, o processo de envelhecimento naturalmente acelera e afeta a saúde. Com isso, um dos cuidados

Leia mais

Prática Clínica Nutrição Esportiva

Prática Clínica Nutrição Esportiva Estratégias nutricionais para perda, manutenção e ganho de peso Profa. Raquel Simões Prática Clínica Nutrição Esportiva Manutenção do peso Saúde Desempenho esportivo Perda de peso (mais comum) Estética

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Manhã - 9:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 17:00

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Manhã - 9:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 17:00 NUTRIçãO E SUPLEMENTAçãO NO DESPORTO (SET 2016) LISBOA A nutrição é um dos fatores com maior peso na saúde e, aliada à atividade física, contribui para a manutenção de um peso e composição corporal adequados,

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL PESSOAL

PERFIL NUTRICIONAL PESSOAL PERFIL NUTRICIONAL PESSOAL Nº de Empresário Nome completo: Data: Telefone: e-mail: Data de nascimento: Idade: Sexo: Feminino Consome algum suplemento nutricional? Se sim, quantos? Sim Masculino Não Por

Leia mais

TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS

TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA DIETA DO ADOLESCENTE D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E D I E T É T I C A II P R O F : S H E Y L A N E A N D R A D E

CARACTERÍSTICAS DA DIETA DO ADOLESCENTE D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E D I E T É T I C A II P R O F : S H E Y L A N E A N D R A D E CARACTERÍSTICAS DA DIETA DO ADOLESCENTE D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E D I E T É T I C A II P R O F : S H E Y L A N E A N D R A D E ADOLESCÊNCIA OMS: 10 a 19 anos Estatuto da criança e do adolescente:

Leia mais

O pão engorda. Mitos Alimentares

O pão engorda. Mitos Alimentares Apesar do acesso facilitado e quase imediato à informação em todos os momentos, nem todas as afirmações feitas sobre a comida são baseadas em factos científicos, pelo que alguns mitos alimentares ainda

Leia mais

Alterações no sistema músculo esquelético com o envelhecimento. Prof. Dra. Bruna Oneda

Alterações no sistema músculo esquelético com o envelhecimento. Prof. Dra. Bruna Oneda Alterações no sistema músculo esquelético com o envelhecimento Prof. Dra. Bruna Oneda Sistema músculo esquelético Compreende: Força muscular; Resistência muscular e Flexibilidade Sistema músculo esquelético

Leia mais

A nutrição esportiva visa aplicar os conhecimentos de nutrição, bioquímica e fisiologia na atividade física e no esporte. A otimização da recuperação

A nutrição esportiva visa aplicar os conhecimentos de nutrição, bioquímica e fisiologia na atividade física e no esporte. A otimização da recuperação NUTRIÇÃO ESPORTIVA A nutrição esportiva visa aplicar os conhecimentos de nutrição, bioquímica e fisiologia na atividade física e no esporte. A otimização da recuperação pós-treino, melhora do desempenho

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA GORDURA CORPORAL DOS PARTICIPANTES DO PIBEX INTERVALO ATIVO 1

A INFLUÊNCIA DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA GORDURA CORPORAL DOS PARTICIPANTES DO PIBEX INTERVALO ATIVO 1 A INFLUÊNCIA DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA GORDURA CORPORAL DOS PARTICIPANTES DO PIBEX INTERVALO ATIVO 1 CARDOSO, Eduardo Rangel 2 ; PANDA, Maria Denise de Justo 3 ; FIGUEIRÓ, Michele Ferraz

Leia mais

PERFIL DO USO DE SUPLEMENTO PROTEICO DO TIPO WHEY PROTEIN POR PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO

PERFIL DO USO DE SUPLEMENTO PROTEICO DO TIPO WHEY PROTEIN POR PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO PERFIL DO USO DE SUPLEMENTO PROTEICO DO TIPO WHEY PROTEIN POR PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO AUTORES Vivian Breglia Rosa VIEIRA Docente do curso de Nutrição UNILAGO Carine Mello ZANUZZO Heloisa Moratelli SANDRINI

Leia mais

Erly Catarina de Moura NUPENS - USP

Erly Catarina de Moura NUPENS - USP Erly Catarina de Moura NUPENS - USP erlycm@usp.br Evolução do estado nutricional de homens, 1974-1975, 1989, 2002-2003, Brasil déficit de peso sobrepeso obesidade eutrofia 100% 80% 60% 40% 20% 0% 1974-75

Leia mais

AVALIAÇÃO IMC E DE CONSUMO DE ALIMENTOS FONTE DE PROTEÍNA, VITAMINA C E MAGNÉSIO POR ESCOLARES

AVALIAÇÃO IMC E DE CONSUMO DE ALIMENTOS FONTE DE PROTEÍNA, VITAMINA C E MAGNÉSIO POR ESCOLARES AVALIAÇÃO IMC E DE CONSUMO DE ALIMENTOS FONTE DE PROTEÍNA, VITAMINA C E MAGNÉSIO POR ESCOLARES RODRIGUES, Fernanda Nunes (UNITRI) nanda-nutricao@hotmail.com ARAÚJO, Ana Cristina Tomaz (UNITRI) anacrisnutricao@yahoo.com.br

Leia mais

COMO CHEGAR De metro: estação Saldanha (linha amarela ou vermelha), ou estação S. Sebastião (linha Azul ou vermelha)

COMO CHEGAR De metro: estação Saldanha (linha amarela ou vermelha), ou estação S. Sebastião (linha Azul ou vermelha) NUTRIçãO E SUPLEMENTAçãO NO DESPORTO (MAR 2016) LISBOA A nutrição é um dos fatores com maior peso na saúde e, aliada à atividade física, contribui para a manutenção de um peso e composição corporal adequados,

Leia mais

3. Material e Métodos

3. Material e Métodos Avaliação do estado nutricional de escolares do ensino fundamental, composição química e aceitabilidade da merenda escolar ofertada por escolas públicas do município de Barbacena, MG. Natália Cristina

Leia mais

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Avaliação Dados de 2013 Periodicidade: anual desde 2006 Público: maiores de 18 anos e residentes nas 26

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DE UMA OFICINA DE CULINÁRIA SAUDÁVEL COM IDOSOS

RELATO DE EXPERIÊNCIA DE UMA OFICINA DE CULINÁRIA SAUDÁVEL COM IDOSOS CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE 1 XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 RELATO DE EXPERIÊNCIA DE UMA OFICINA DE CULINÁRIA SAUDÁVEL COM IDOSOS Raiane Costa Lima Danielle Maria Freitas

Leia mais

PERCEPÇÃO CORPORAL E BIOIMPEDÂNCIA TETRAPOLAR DE ESTUDANTES DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICALO

PERCEPÇÃO CORPORAL E BIOIMPEDÂNCIA TETRAPOLAR DE ESTUDANTES DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICALO PERCEPÇÃO CORPORAL E BIOIMPEDÂNCIA TETRAPOLAR DE ESTUDANTES DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICALO *BONAMIGO, Daniela bonamigodaniela@hotmail.com *BERTOLLO, Daiana daigba@hotmail.com *SEIBEL, Patricia patyseibel@hotmail.com

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO NA TERCEIRA IDADE: NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA DOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE ABERTA A MATURIDADE EM LAGOA SÊCA/PB

EXERCÍCIO FÍSICO NA TERCEIRA IDADE: NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA DOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE ABERTA A MATURIDADE EM LAGOA SÊCA/PB EXERCÍCIO FÍSICO NA TERCEIRA IDADE: NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA DOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE ABERTA A MATURIDADE EM LAGOA SÊCA/PB Alfredo Rosas de Lima Júnior (1); Kátia Ramalho Bento Souza

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS COSTA, Yago da 1 ; ALVES, Beatriz Rodrigues 2 ; FELIX, Jefferson Ferreira 3 ; PACHECO, Lílian Fernanda

Leia mais

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva ISSN versão eletrônica 470 CONSUMO DE ERGOGÊNICOS NUTRICIONAIS POR PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DE DIVERSAS ACADEMIAS DE GINÁSTICA DE RESENDE-RJ Renata Kelly da Silva 1, Daniel Alves Ferreira Junior 2, Alden dos Santos Neves 3

Leia mais

NUT-A80 -NUTRIÇÃO ESPORTIVA

NUT-A80 -NUTRIÇÃO ESPORTIVA NUT-A80 -NUTRIÇÃO ESPORTIVA Ementa Nutrição na atividade física: A atividade física na promoção da saúde e na prevenção e recuperação da doença. Bases da fisiologia do exercício e do metabolismo energético

Leia mais

Desnutrição na Adolescência

Desnutrição na Adolescência Desnutrição na Adolescência Adolescência CRIANÇA Desnutrição Anorexia/Bulimia Obesidade / Diabetes ADULTO Dietas não convencionais e restritivas Deficiência de ferro Cálcio, vitamina A, zinco, Vitamina

Leia mais

TÍTULO: PREVALÊNCIA DE LESÕES EM CORREDORES DOS 10 KM TRIBUNA FM-UNILUS

TÍTULO: PREVALÊNCIA DE LESÕES EM CORREDORES DOS 10 KM TRIBUNA FM-UNILUS TÍTULO: PREVALÊNCIA DE LESÕES EM CORREDORES DOS 10 KM TRIBUNA FM-UNILUS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA AUTOR(ES):

Leia mais

Alimentação saudável para o sobrevivente de câncer. Nutr. Maria Emilia de S. Fabre

Alimentação saudável para o sobrevivente de câncer. Nutr. Maria Emilia de S. Fabre Alimentação saudável para o sobrevivente de câncer Nutr. Maria Emilia de S. Fabre Novlene Williams-Mills Foi medalha de bronze nas Olimpíadas de 2012 após ter sido diagnosticada com câncer de mama Irá

Leia mais

CONSUMO ALIMENTAR DE ESCOLARES DURANTE O CAFÉ DA MANHÃ 1 FOOD CONSUMPTION OF SCHOOLS DURING BREAKFAST

CONSUMO ALIMENTAR DE ESCOLARES DURANTE O CAFÉ DA MANHÃ 1 FOOD CONSUMPTION OF SCHOOLS DURING BREAKFAST CONSUMO ALIMENTAR DE ESCOLARES DURANTE O CAFÉ DA MANHÃ 1 FOOD CONSUMPTION OF SCHOOLS DURING BREAKFAST Mariângela De Moraes Inocencio 2, Ligia Beatriz Bento Franz 3, Maristela Borin Busnello 4 1 Trabalho

Leia mais

CUIDADOS COM A MOBILIDADE Da infância à terceira idade

CUIDADOS COM A MOBILIDADE Da infância à terceira idade CUIDADOS COM A MOBILIDADE Da infância à terceira idade Christina DCM Faria, P.T., Ph.D. Professora do Departamento de Fisioterapia Universidade Federal de Minas Gerais CUIDADOS COM A MOBILIDADE O que é

Leia mais

Osteoporose. Paula Prilip ( ); Thaina Brumatti ( ); Vinicius Almeida ( )

Osteoporose. Paula Prilip ( ); Thaina Brumatti ( ); Vinicius Almeida ( ) Osteoporose Paula Prilip (8971930); Thaina Brumatti (8972076); Vinicius Almeida (8566225) Osteoporose - - A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a osteoporose como uma condição em que a densidade

Leia mais

Análise da importância atribuída aos nutricionistas desportivos pelos administradores de academias de ginástica do distrito federal

Análise da importância atribuída aos nutricionistas desportivos pelos administradores de academias de ginástica do distrito federal Análise da importância atribuída aos nutricionistas desportivos pelos administradores de academias de ginástica do distrito federal Amanda Mota e Silva* Adriana Giavoni** Gislane Ferreira de Melo*** gmelo@pos.ucb.br

Leia mais

A Nutrição e a Idade

A Nutrição e a Idade A Nutrição e a Idade ACTIS Universidade da Terceira Idade de Sintra Apresentação Licenciado em Ciências da Nutrição ISCSEM Mestre e Doutorando em Nutrição Clínica FCNAUP Docente na Licenciatura em Nutrição

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ALIMENTOS PROCESSADOS E ULTRAPROCESSADOS POR ESCOLARES DO IFAL CAMPUS MURICI

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ALIMENTOS PROCESSADOS E ULTRAPROCESSADOS POR ESCOLARES DO IFAL CAMPUS MURICI AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ALIMENTOS PROCESSADOS E ULTRAPROCESSADOS POR ESCOLARES DO IFAL CAMPUS MURICI João Victor Laurindo dos Santos (1); Clara Andrezza Crisóstomo Bezerra Costa (1); Ingrid Sofia Vieira

Leia mais

Avaliação da glicemia e pressão arterial dos idosos da UNATI da UEG-GO

Avaliação da glicemia e pressão arterial dos idosos da UNATI da UEG-GO Avaliação da glicemia e pressão arterial dos idosos da UNATI da UEG-GO Maira Ayumi Matsuoka 1 * (IC), Deborah Cunha da Silva 2 Freitas 3 (PQ) (IC), Jaqueline Gleice Aparecida de 1 Graduação, bolsista da

Leia mais

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Cadimiel Gomes¹; Raíla Dornelas Toledo²; Rosimar Regina da Silva Araujo³ ¹ Acadêmico do Curso

Leia mais

Situação profissional dos egressos do curso técnico em nutrição e dietética do Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais Câmpus Barbacena

Situação profissional dos egressos do curso técnico em nutrição e dietética do Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais Câmpus Barbacena Situação profissional dos egressos do curso técnico em nutrição e dietética do Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais Câmpus Barbacena Natália Cristina da Silva 1 ; Júnia Maria Geraldo Gomes 2 ;

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE SÃO PAULO

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE SÃO PAULO TÍTULO: AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE GORDURA SATURADA E DA SUA ASSOCIAÇÃO COM OS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DE MULHERES ATENDIDAS NA CLÍNICA DE NUTRIÇÃO DA UNIBAN CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

ALMEIDA, Vanilda de Fátima Oliveira 1.

ALMEIDA, Vanilda de Fátima Oliveira 1. TCC em Re-vista 2012 71 ALMEIDA, Vanilda de Fátima Oliveira 1. Avaliação do comportamento alimentar e do estado nutricional em pacientes com transtornos alimentares que frequentam o grupo de orientação

Leia mais

IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA

IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA Cristina Marques de Almeida Holanda 1, Michele Alexandre da Silva 2 cristinamahd@gmail.com 1, michelebr@live.com 2 Universidade Federal

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUANTIDADE DE MICRONUTRIENTES CONTIDOS EM RECEITA DE PANQUECA INTEGRAL DE PROTEÍNA TEXTURIZADA DE SOJA

AVALIAÇÃO DA QUANTIDADE DE MICRONUTRIENTES CONTIDOS EM RECEITA DE PANQUECA INTEGRAL DE PROTEÍNA TEXTURIZADA DE SOJA 93 AVALIAÇÃO DA QUANTIDADE DE MICRONUTRIENTES CONTIDOS EM RECEITA DE PANQUECA INTEGRAL DE PROTEÍNA TEXTURIZADA DE SOJA Gabriela de Souza Oliveira¹,Vânia Mayumi Nakajima² Resumo: Considerando a importância

Leia mais

UP! A-Z Force Homme. Informação Nutricional. Suplemento vitamínico e mineral de A a Z 60 cápsulas de 500mg

UP! A-Z Force Homme. Informação Nutricional. Suplemento vitamínico e mineral de A a Z 60 cápsulas de 500mg UP! A-Z Force Homme Suplemento vitamínico e mineral de A a Z Suplemento vitamínico e mineral em cápsulas desenvolvido para atender as particularidades nutricionais do homem, a fim de potencializar a fisiologia

Leia mais

Pare. na primeira. primeira fratura seja a sua última. Faça acom que a sua.

Pare. na primeira. primeira fratura seja a sua última. Faça acom que a sua. Pare na primeira Faça acom que a sua primeira fratura seja a sua última www.iofbonehealth.org O QUE É A OSTEOPOROSE? A osteoporose é uma doença na qual os ossos ficam mais frágeis e fracos, levando a um

Leia mais

DEPTO. DE ALIMENTOS E NUTRIÇÃO EXPERIMENTAL B14 Célia Colli. intervenções preventivas no início da vida trazem benefícios para a vida inteira

DEPTO. DE ALIMENTOS E NUTRIÇÃO EXPERIMENTAL B14 Célia Colli. intervenções preventivas no início da vida trazem benefícios para a vida inteira 1 NUTRIÇÃO E SAÚDE DEPTO. DE ALIMENTOS E NUTRIÇÃO EXPERIMENTAL B14 Célia Colli 2 GRUPO DE NUTRIÇÃO ALIMENTOS E NUTRIÇÃO II/ FBA 417 Célia Colli Minerais em nutrição Fernando Salvador Moreno Dieta, nutrição

Leia mais

ACONSELHAMENTO SOBRE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA: PRÁTICA E ADESÃO EM USUÁRIOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE.

ACONSELHAMENTO SOBRE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA: PRÁTICA E ADESÃO EM USUÁRIOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE. ACONSELHAMENTO SOBRE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA: PRÁTICA E ADESÃO EM USUÁRIOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE. Camila Silva Souza graduanda, milasspsi@gmail.com Cristiane Aparecida dos Santos- graduanda, cristyanne17@yahoo.com.br

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E SAÚDE 1 - A RELAÇÃO ENTRE A ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

ALIMENTAÇÃO E SAÚDE 1 - A RELAÇÃO ENTRE A ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Alimentação e Saúde ALIMENTAÇÃO E SAÚDE 1 - A RELAÇÃO ENTRE A ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Todo ser vivo precisa se alimentar para viver. A semente, ao ser plantada, precisa ser adubada e molhada todos os dias

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Atividades Motoras para a Promoção da Saúde e Qualidade de Vida/ 2002/2003 Nome Aluno(a)

Leia mais

O COMPORTAMENTO ALIMENTAR DO IDOSO ATIVO

O COMPORTAMENTO ALIMENTAR DO IDOSO ATIVO O COMPORTAMENTO ALIMENTAR DO IDOSO ATIVO Tainara Cavalcante Silva¹; Marilia Carolina dos Santos Silva ²; Saulo Victor e Silva³ Universidade Potiguar (UnP), Avenida Senador Salgado Filho, nº 1610, Lagoa

Leia mais

Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin

Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin NUTRIÇÃO??? A nutrição é a ciência que estuda a composição dos alimentos e as necessidades nutricionais do indivíduo,

Leia mais

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB Silmery da Silva Brito- UFPB- silmery_ce@hotmail.com Regiane Fixina de Lucena UEPB regi.rfl@bol.com.br Joyce Lane Braz Virgolino- UFPB- joyce.lane@hotmail.com

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INGESTÃO DE CÁLCIO DAS CRIANÇAS DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA 1

AVALIAÇÃO DA INGESTÃO DE CÁLCIO DAS CRIANÇAS DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA 1 221 AVALIAÇÃO DA INGESTÃO DE CÁLCIO DAS CRIANÇAS DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA 1 Jaqueline Miranda Lopes 2, Jacira Francisca Matias 2, Maria Aparecida Resende Marques 2, Vania Mayumi Nakajima

Leia mais

17. NUTRIÇÃO ALIMENTAR

17. NUTRIÇÃO ALIMENTAR 17. NUTRIÇÃO ALIMENTAR 1 Nutrição Esportiva 17.1 CONSUMO PROTEICO DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO DE NUTRIÇÃO DA UNESC Trespach, S.S.¹; Silva, C.M.¹; Honorato, M.O.¹; Leffa, P.S.¹;

Leia mais

Izabela Alves Gomes Nutricionista UERJ Mestranda em Alimentos e Nutrição - UNIRIO

Izabela Alves Gomes Nutricionista UERJ Mestranda em Alimentos e Nutrição - UNIRIO Izabela Alves Gomes izabela.nut@gmail.com Nutricionista UERJ Mestranda em Alimentos e Nutrição - UNIRIO Rio de Janeiro - 2016 É considerado vegetariano todo aquele que exclui de sua alimentação todos os

Leia mais

CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ

CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ Praça Frei Aurélio 1397,Centro-Canindé-Ce CEP:62.700-000 Fone:(85)3343-1826 Fax:(85)3343-1838 E-mail:cnccaninde@yahoo.com.br RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO

Leia mais

Graduanda do Curso de Nutrição FACISA/UNIVIÇOSA. 2

Graduanda do Curso de Nutrição FACISA/UNIVIÇOSA.   2 EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA MÃES E CRIANÇAS EM VIÇOSA, MG Tânia Simone Gama Barros 1, Danielli Carvalho de Oliveira 2, Elisangela Vitoriano Pereira 3, Eliene da Silva Martins 4 Resumo: O objetivo deste estudo

Leia mais

PERFIL DOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS DA ACADEMIA DA PRAÇA DO MUNICÍPIO DE MACAPÁ

PERFIL DOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS DA ACADEMIA DA PRAÇA DO MUNICÍPIO DE MACAPÁ PERFIL DOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS DA ACADEMIA DA PRAÇA DO MUNICÍPIO DE MACAPÁ RENAN NEGRÃO DA SILVA; DEMILTO YAMAGUCHI DA PUREZA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ (UNIFAP) MACAPÁ AP BRASIL renan-negrao@hotmail.com

Leia mais

Alimentação saudável

Alimentação saudável Alimentação saudável Você mais saudável do que nunca! Quem nunca ouviu falar em antioxidantes e radicais livres? Agora, basta saber quem é o vilão e o herói dessa batalha. Os antioxidantes são substâncias

Leia mais

ANÁLISE DO CONHECIMENTO DO CONSUMIDOR DIANTE O USO DE ADOÇANTES. Introdução

ANÁLISE DO CONHECIMENTO DO CONSUMIDOR DIANTE O USO DE ADOÇANTES. Introdução 61 ANÁLISE DO CONHECIMENTO DO CONSUMIDOR DIANTE O USO DE ADOÇANTES Maria Aparecida Resende Marques 1, Jacira Francisca Matias 1, Érika Cristina Ramos 1, Cristiane Sampaio Fonseca 2 Resumo: Esta pesquisa

Leia mais

CONSUMO DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES EM ACADEMIAS DE MONTES CLAROS/MG

CONSUMO DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES EM ACADEMIAS DE MONTES CLAROS/MG CONSUMO DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES EM ACADEMIAS DE MONTES CLAROS/MG BORGES, Nágylla Rodrigues¹; SILVA, Váflia Salleth Figueiredo 1 ; RODRIGUES, Vinícius Dias 2 ¹Graduada em Nutrição pela Faculdade de Saúde

Leia mais

A ATIVIDADE FÍSICA COMO UMA PRÁTICA NORTEADORA DA LONGEVIDADE NA TERCEIRA IDADE.

A ATIVIDADE FÍSICA COMO UMA PRÁTICA NORTEADORA DA LONGEVIDADE NA TERCEIRA IDADE. A ATIVIDADE FÍSICA COMO UMA PRÁTICA NORTEADORA DA LONGEVIDADE NA TERCEIRA IDADE. RESUMO O envelhecimento é um processo biológico que acarreta alterações e mudanças estruturais no corpo. Por ser um processo

Leia mais

Hipertensão Arterial. Educação em saúde. Profa Telma L. Souza

Hipertensão Arterial. Educação em saúde. Profa Telma L. Souza Hipertensão Arterial Educação em saúde Profa Telma L. Souza Introdução Conceito Importância HAS DHEG Metas Estratégica Classificação de pressão Fatores de risco Tratamento Introdução Conceito Pressão arterial

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: avaliação nutricional; hábito alimentar; interprofissional.

PALAVRAS-CHAVE: avaliação nutricional; hábito alimentar; interprofissional. ASSISTÊNCIA NUTRICIONAL DOMICILIAR PARA FAMILIAS DE HIPERTENSOS E/OU DIABÉTICO: ATIVIDADE EXTENSIONISTA Área Temática: Saúde. Autor(es): Mayra Lopes de Oliveira (PIAE/UNICENTRO) 1, Alexssandra Palczuk

Leia mais

BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO PARA AUTONOMIA FUNCIONAL DO IDOSO

BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO PARA AUTONOMIA FUNCIONAL DO IDOSO BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO PARA AUTONOMIA FUNCIONAL DO IDOSO Manoel Rogério Freire da Silva roger12edufisi@hotmail.com Centro Universitário Internacional 1. INTRODUÇÃO O envelhecimento quase sempre é marcado

Leia mais

Maio, Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Hipertensão Arterial

Maio, Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Hipertensão Arterial Maio, 2014 Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco Hipertensão Arterial Sumário: O que é a Hipertensão Arterial (HTA)?; Causas da HTA; Fatores de Risco; Como prevenir a HTA; Sintomas; Problemas

Leia mais

NÚCLEO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO ADOLESCENTE NASAD

NÚCLEO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO ADOLESCENTE NASAD O Estatuto da Criança e do Adolescente, Lei n.º 8.069/90 (BRASIL, 1990), circunscreve a adolescência como o período de vida que vai dos 12 aos 18 anos de idade e a Organização Mundial da Saúde (OMS) delimita

Leia mais

VARIÁVEIS ANTROPOMÉTRICAS E DENSIDADE MINERAL ÓSSEA EM IDOSOS: UM ESTUDO DE ASSOCIAÇÃO PRIMEIRO LUGAR MODALIDADE PÔSTER

VARIÁVEIS ANTROPOMÉTRICAS E DENSIDADE MINERAL ÓSSEA EM IDOSOS: UM ESTUDO DE ASSOCIAÇÃO PRIMEIRO LUGAR MODALIDADE PÔSTER VARIÁVEIS ANTROPOMÉTRICAS E DENSIDADE MINERAL ÓSSEA EM IDOSOS: UM ESTUDO DE ASSOCIAÇÃO Janaína da Silva Nascimento 1, Jayanne Mayara Magalhaes de Melo 2, Natália Mendes de Melo 3, Marcos Vicente Pinheiro

Leia mais

Palavras-chave: Suplemento Nutricional; atividade física, Whey Protein; branch chain amino Acids (BCAA)

Palavras-chave: Suplemento Nutricional; atividade física, Whey Protein; branch chain amino Acids (BCAA) CONSUMO DE SUPLEMENTOS NUTRICIONAIS DE ALUNOS DOS CURSOS DE NUTRIÇÃO E EDUCAÇÃO FÍSICA DE UM CENTRO UNIVERSITÁRIO DO TRIÂNGULO MINEIRO, UBERLÂNDIA, MINAS GERAIS FRANCO, Ana Carolina Santos (Nutrição UNITRI,

Leia mais

O comportamento alimentar e as rejeições e aversões alimentares de estudantes adolescentes de escolas públicas e privadas de Teresina-PI.

O comportamento alimentar e as rejeições e aversões alimentares de estudantes adolescentes de escolas públicas e privadas de Teresina-PI. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA GERAL DE PESQUISA Iniciação Científica Voluntária - ICV Campus Universitário Ministro Petrônio

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUPLEMENTAÇÃO NO ESPORTE

NUTRIÇÃO E SUPLEMENTAÇÃO NO ESPORTE NUTRIÇÃO E SUPLEMENTAÇÃO NO ESPORTE Prof. Dr. Thiago Onofre Freire Nutricionista (UFBA) Especialista em Nutrição Esportiva (ASBRAN) Mestre em Biologia Funcional e Molecular (UNICAMP) Doutor em Medicina

Leia mais

Omelete de Claras. Opção proteica

Omelete de Claras. Opção proteica Omelete de Claras Opção proteica INTRODUÇÃO O omelete trata-se de uma opção proteica com 22g de proteína na porção. Uma excelente alternativa para ser utilizada no pós treino, ou até mesmo como uma refeição

Leia mais

FIEP BULLETIN - Volume 82 - Special Edition - ARTICLE I (http://www.fiepbulletin.net)

FIEP BULLETIN - Volume 82 - Special Edition - ARTICLE I (http://www.fiepbulletin.net) CORRELAÇÃO ENTRE O ÍNDICE DE ADIPOSIDADE CORPORAL, ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E ESTIMATIVA DE ADIPOSIDADE CORPORAL POR MEIO DE DE DOBRAS CUTÂNEAS EM DIFERENTES FAIXAS ETÁRIAS RAFAEL MACEDO SULINO HENRIQUE

Leia mais

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL?

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? Profa. Dra. Rosália Morais Torres VI Diretrizes Brasileiras de hipertensão arterial Arq Bras Cardiol 2010; 95 (1 supl.1): 1-51 HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS)

Leia mais

ALBUMINA. Proteína do ovo como suplemento

ALBUMINA. Proteína do ovo como suplemento ALBUMINA Proteína do ovo como suplemento INTRODUÇÃO Composto 100% natural, obtido da pasteurização e da secagem instantânea da clara de ovo, sem qualquer tipo de conservantes. A proteína é o elemento fundamental

Leia mais

GAMA 1xDIA. Maio 2016

GAMA 1xDIA. Maio 2016 GAMA 1xDIA Maio 2016 GAMA 1xDIA MULTI Fórmula tudo-em-um. Contém nutrientes que contribuem para a redução do cansaço e da fadiga. Contém 40 nutrientes essenciais. Sem glúten. Adequado para vegetarianos.

Leia mais

VIGITEL Periodicidade: anual 2006 a 2011

VIGITEL Periodicidade: anual 2006 a 2011 VIGITEL 11 Sistema de Monitoramento de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas Não Transmissíveis por meio de Inquérito Telefônico Objetivos: Medir a prevalência de fatores de risco e proteção

Leia mais

TRABALHANDO A BOA ALIMENTAÇÃO NAS FASES INICIAIS DA VIDA RESUMO

TRABALHANDO A BOA ALIMENTAÇÃO NAS FASES INICIAIS DA VIDA RESUMO TRABALHANDO A BOA ALIMENTAÇÃO NAS FASES INICIAIS DA VIDA Ana Paula Scherer de Brum* Valéria Grifante** RESUMO Este projeto buscou acompanhar o estado nutricional das crianças e contribuir para o planejamento

Leia mais

Tomografia Computadorizada Quantitativa Diagnóstico da Osteoporose

Tomografia Computadorizada Quantitativa Diagnóstico da Osteoporose 1 Universidade do Minho Departamento de Eletrónica Industrial Tomografia Computadorizada Quantitativa Diagnóstico da Osteoporose Marino Maciel Nº52557 Orientador: Prof. Higino Correia 2011/2012 Mestrado

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO E ACEITABILIDADE DE UMA BEBIDA A BASE DE FRUTA ENRIQUECIDA COM FERRO QUELATO

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO E ACEITABILIDADE DE UMA BEBIDA A BASE DE FRUTA ENRIQUECIDA COM FERRO QUELATO TÍTULO: DESENVOLVIMENTO E ACEITABILIDADE DE UMA BEBIDA A BASE DE FRUTA ENRIQUECIDA COM FERRO QUELATO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

Todos os Direitos Reservados. Página 1

Todos os Direitos Reservados.  Página 1 http://treinoparamulheres.com.br Página 1 Conteúdo Introdução... 4 Melhores Fontes de Proteína... 5 1º Ovo de Galinha... 5 2º Peixes ( Tilápia, Atum, Salmão)... 6 3º Peito de Frango... 8 4º Leite e seus

Leia mais

DESEMPENHO MOTOR DE ADOLESCENTES OBESOS E NÃO OBESOS: O EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO REGULAR

DESEMPENHO MOTOR DE ADOLESCENTES OBESOS E NÃO OBESOS: O EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO REGULAR DESEMPENHO MOTOR DE ADOLESCENTES OBESOS E NÃO OBESOS: O EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO REGULAR Juliana Ewelin dos Santos 1 ; Sérgio Roberto Adriano Prati 2 ; Marina Santin¹. RESUMO: Essa pesquisa quase experimental

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN Ana Paula Araujo de Souza 1 ; Luciana Karla Miranda Lins 2 1 Secretaria Municipal do Trabalho e Assistência

Leia mais

PERFIL SOCIAL E DA APTIDÃO FUNCIONAL DE IDOSOS RESIDÊNTES NO MUNICÍPIO DE TRIUNFO - PE

PERFIL SOCIAL E DA APTIDÃO FUNCIONAL DE IDOSOS RESIDÊNTES NO MUNICÍPIO DE TRIUNFO - PE PERFIL SOCIAL E DA APTIDÃO FUNCIONAL DE IDOSOS RESIDÊNTES NO MUNICÍPIO DE TRIUNFO - PE INTRODUÇÃO JOSÉ MORAIS SOUTO FILHO SESC, Triunfo,Pernambuco, Brasil jmfilho@sescpe.com.br O Brasil vem sofrendo nas

Leia mais