CONSUMO DE PRODUTOS LÁCTEOS E RENDA FAMILIAR DE GESTANTES E NUTRIZES DE FORTALEZA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSUMO DE PRODUTOS LÁCTEOS E RENDA FAMILIAR DE GESTANTES E NUTRIZES DE FORTALEZA"

Transcrição

1 CONSUMO DE PRODUTOS LÁCTEOS E RENDA FAMILIAR DE GESTANTES E NUTRIZES DE FORTALEZA Maria do Socorro Gomes de Oliveira Nadia Tavares Soares Emanuel Diego dos Santos Penha Marcelo Gurgel Carlos da Silva Universidade Estadual do Ceará - UECE

2 INTRODUÇÃO A década de 1990 marca processo de mudanças na economia brasileira. A desigualdade social diminuiu, aumentando a renda e o poder de compra da população, afetando potencialmente o consumo de alimentos, incluindo os produtos lácteos, principalmente nas classes de mais baixa de renda. Para a nutrição humana, o leite e seus derivados recebem destaque devido ao seu alto teor de cálcio biodisponível, níveis consideráveis de outros nutrientes essenciais e por ser um alimento de custo relativamente baixo. A ingestão de leite na gravidez está associada com maior peso por idade gestacional e menor risco para bebê pequeno ou grande por idade gestacional.

3 OBJETIVO Analisar a relação entre renda e o consumo de alimentos lácteos entre gestantes e nutrizes assistidas por um serviço público de saúde de Fortaleza.

4 METODOLOGIA Delineamento: transversal Local: Hospital Distrital Gonzaga Mota/Fortaleza/CE Amostra: 400 gestantes e nutrizes, incluídas por livre consentimento durante a busca por assistência no ambulatório de obstetrícia Período: novembro de 2009 a janeiro de 2010

5 METODOLOGIA Método: - inquérito sócio-econômico questionário elaborado - inquérito alimentar QFA adaptado de Henriques (2001) Variáveis analisadas: renda familiar, gastos com alimentação, inserção social produtiva e alimentação láctea Critério de análise do consumo de lácteos : Guia Alimentar para a População Brasileira (BRASIL, 2006), que define três porções para atender as necessidades de cálcio de um adulto saudável, que é de mg.

6 METODOLOGIA Cálculo da porção consumida por dia: 1º Transformação da medida caseira relatada em gramas e ml pela Tabela de Pinheiro et al ( 2002) 2º Divisão pela freqüência do período de consumo relatada (ano = 365 dias; mês = 30 dias; semana = 7 dias; dia = 1 dia) 3º Multiplicação o pelo número de vezes que eram consumidos, para obter quantidade diária de consumo de cada alimento. Cálculo de equivalência com Guia Alimentar: -Divisão do consumo em kcal dos alimentos lácteos por 125 kcal, que corresponde à média da porção de leite e derivados no Guia. Análise estatística: Os dados foram analisados por estatística descritiva e testadas associações (qui-quadrado, ANOVA, seguida do teste de Tukey).

7 RESULTADOS Tabela 1 Distribuição das gestantes e nutrizes, segundo faixa etária. Fortaleza-CE, No % Faixa etária < 19 anos 76 19,0 > 19 anos ,0 Total ,0

8 RESULTADOS Tabela 2 Distribuição das gestantes e nutrizes ocupadas, segundo setor ou tipo de atividade no mercado de trabalho. Fortaleza-CE,2010 Setor/tipo de atividade Nº % Setor privado Setor público Serviço doméstico Serviço temporário Empregador Autônomo Aprendiz ou estagiário Não remunerado Serviço de subsistência ,8 4,8 0,3 8,0 0,5 18,5 0,3 14,0 0,3 Total ,3

9 RESULTADOS Tabela 2 Distribuição das gestantes e nutrizes, segundo renda familiar. Fortaleza-CE,2010. Renda Total Nº % <=1 >1 e <=2 >2 e <=3 > ,8 34,0 31,4 20,8 Total ,0

10 RESULTADOS Gráfico 1 Frequencia de consumo de produtos lácteos e renda das gestantes e nutrizes, segundo renda familiar. Fortaleza-CE,2010.

11 RESULTADOS Tabela 2 Distribuição das gestantes e nutrizes, segundo adequação de consumo de porções de produtos lácteos, de acordo com o Guia Alimentar para a População Brasileira. Fortaleza-CE, Consumo por Dia Nº % Abaixo do recomendado (< 3 porções/dia) Dentro do recomendado (> 3 porções/dia) ,0 2,0 Total ,0

12 RESULTADOS Alimentos lácteos consumidos Média Faixa de renda em salário mínimo <=1 >1 e <=2 >2 e <=3 >3 Desvio Padrão Média Desvio Padrão Média Desvio Padrão Média Desvio Padrão coalhada 6,67 23,75 25,81 18,95 22,29 11,93 14,73 leite pó integral 12,24 8,21 15,20 8,81 15,53 8,68 15,81 8,91 leite desn/semid 82,25 81,82 82,26 89,14 8,86 5,23 leite fluído integral 244,12 157,93 235,43 147,17 227,93 138,60 295,51 177,00 requeijão,70 2,00 23,00 26,87 queijo coalho 7,21 11,09 2,41 2,13 5,13 5,63 5,31 5,95 queijo prato 2,14 queijo mussarela 2,79 2,01 4,95 5,55 6,91 5,67 11,86 12,78 bebida láctea 41,10 31,09 55,95 51,91 57,03 83,88 82,47 83,88 Iogurte 16,00 9,48 27,25 21,93 35,62 56,83 24,69 15,36 Desn/semidat = desnatado ou semidesnatado

13 CONCLUSÃO A renda certamente influencia positivamente o consumo de laticínios, mas não a ponto de este alcançar as metas oficiais estabelecidas para promoção da saúde e prevenção de doenças. Esta proposição não constitui característica única da amostra estudada, está de acordo com outras realidades nacionais e internacionais, em diferentes estágios da vida e situação econômica. O desenvolvimento de estudos críticos sobre as recomendações nutricionais e fatores determinantes do consumo alimentar merece ser aprofundado para melhor compreensão do aparente descompasso entre o que se espera e o que se pratica sobre o consumo de produtos lácteos

CONSUMO DE LEITE POR INDIVÍDUOS ADULTOS E IDOSOS DE UM MUNICÍPIO DA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1

CONSUMO DE LEITE POR INDIVÍDUOS ADULTOS E IDOSOS DE UM MUNICÍPIO DA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1 CONSUMO DE LEITE POR INDIVÍDUOS ADULTOS E IDOSOS DE UM MUNICÍPIO DA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1 Débora Adriana Knoll Wagner 2, Maria Cristina Roppa Garcia 3, Franciéli Aline Conte

Leia mais

REVISÃO DAS NOMENCLATURAS/DENOMINAÇÕES - SIGSIF. Brasília, 25/11/2011

REVISÃO DAS NOMENCLATURAS/DENOMINAÇÕES - SIGSIF. Brasília, 25/11/2011 REVISÃO DAS NOMENCLATURAS/DENOMINAÇÕES - SIGSIF Brasília, 25/11/2011 GRUPO DE TRABALHO - REVISÃO DAS NOMENCLATURAS/DENOMINAÇÕES - SIGSIF Integrantes: Carla Rodrigues (DILEI/DIPOA) Clovis Serafini (DILEI/DIPOA)

Leia mais

ETHANOL SUMMIT 2017 PAINEL. Açúcar: O Consumo Equilibrado Como Melhor Escolha. São Paulo junho/17

ETHANOL SUMMIT 2017 PAINEL. Açúcar: O Consumo Equilibrado Como Melhor Escolha. São Paulo junho/17 ETHANOL SUMMIT 2017 PAINEL Açúcar: O Consumo Equilibrado Como Melhor Escolha São Paulo junho/17 Estudo VIGITEL 2016* do Ministério da Saúde aponta: brasileiros trocam alimentos naturais por industrializados

Leia mais

Projeto de Lei nº, de 2006 (Do Sr. Leonardo Moura Vilela)

Projeto de Lei nº, de 2006 (Do Sr. Leonardo Moura Vilela) Projeto de Lei nº, de 2006 (Do Sr. Leonardo Moura Vilela) Altera a Lei nº 11.265, de 04 de janeiro de 2006, que Regulamenta a comercialização de alimentos para lactentes e crianças de primeira infância

Leia mais

QUANTO CUSTA PARA AS FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA OBTEREM UMA DIETA SAUDÁVEL NO BRASIL?

QUANTO CUSTA PARA AS FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA OBTEREM UMA DIETA SAUDÁVEL NO BRASIL? XIV Encontro Nacional da Rede de Alimentação e Nutrição do SUS Reunião do Programa Bolsa Família na Saúde QUANTO CUSTA PARA AS FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA OBTEREM UMA DIETA SAUDÁVEL NO BRASIL? Camila Borges

Leia mais

Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS. Unidade I:

Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS. Unidade I: Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS Unidade I: 0 Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS ESTUDO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS

Leia mais

TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS

TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

Estratégias para Redução do Sódio em Alimentos

Estratégias para Redução do Sódio em Alimentos Estratégias para Redução do Sódio em Alimentos Elisabete Gonçalves Dutra Gerência Geral de Alimentos ROTULAGEM NUTRICIONAL DE ALIMENTOS PROCESSADOS As informações de declaração obrigatória são: valor energético,

Leia mais

Incentivo à Alimentação Saudável. Julho de 2016

Incentivo à Alimentação Saudável. Julho de 2016 Incentivo à Alimentação Saudável Julho de 2016 Como é o hábito alimentar do brasileiro PERFIL ALIMENTAR DO ADULTO Apesar de incluir mais frutas e hortaliças na rotina, os brasileiros consomem doces e refrigerantes

Leia mais

II SIEPS. Promoção de saúde no contexto escolar: um relato de experiência

II SIEPS. Promoção de saúde no contexto escolar: um relato de experiência XX ENFERMAIO II SIEPS I MOSTRA DO INTERNATO EM ENFERMAGEM Fortaleza - CE 23 a 25 de Maio de 2016 Promoção de saúde no contexto escolar: um relato de experiência Jakeline Oliveira Botelho¹, Carla Siebra

Leia mais

SEGUNDO RELATÓRIO 2007 AICR/WCRF

SEGUNDO RELATÓRIO 2007 AICR/WCRF SEGUNDO RELATÓRIO 2007 AICR/WCRF Guia fundamental para futuras pesquisas científicas, programas de educação em prevenção de câncer e políticas de saúde no mundo. Fornece uma base sólida de evidências para

Leia mais

Estudo sobre o Consumo de leite na Cidade de Monte Carmelo

Estudo sobre o Consumo de leite na Cidade de Monte Carmelo Estudo sobre o Consumo de leite na Cidade de Monte Carmelo Vânia de Fátima Lemes de Miranda 1 Luciano Dias Cabral Neto 2 Luciano Mateus Luiz Rodrigues 3 Marcelo Rodrigues da Silva 4 Raynner Lage Cordeiro

Leia mais

ENTENDENDO O CARDÁPIO. Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE)

ENTENDENDO O CARDÁPIO. Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE) ENTENDENDO O CARDÁPIO Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE) O que é um cardápio? CARDÁPIO DO PNAE É a relação das preparações de alimentos a serem oferecidas em uma refeição.

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL E FREQUÊNCIA ALIMENTAR DE PACIENTES COM DIABETES MELLITUS

ESTADO NUTRICIONAL E FREQUÊNCIA ALIMENTAR DE PACIENTES COM DIABETES MELLITUS ESTADO NUTRICIONAL E FREQUÊNCIA ALIMENTAR DE PACIENTES COM DIABETES MELLITUS SOUZA, J. P.; MARIN, T. Resumo O diabetes vem sendo considerado um grave problema de saúde pública. O objetivo do estudo foi

Leia mais

ESCALA DE EXPOSITORES

ESCALA DE EXPOSITORES NÚCLEO HUMBERTO DE CAMPOS A SAÚDE DA MÃE E DO BEBÊ ESCALA DE ES - 2016 Emitido em: 28/10/2017 05:10:51 JAN - Aleitamento materno 09 09:20 Saúde Mãe e Bebê - Sábado Gravidez e Desconforto ELISANGELA 14

Leia mais

Relação entre a Ingestão de Café e a Saúde

Relação entre a Ingestão de Café e a Saúde Licenciatura em Ciências da Nutrição Relação entre a Ingestão de Café e a Saúde Volume II Anexos Elaborado por Gilda Maria Pimentel Brandão Aluna nº 201092225 Orientador Interno: Prof. Doutora Suzana Paz

Leia mais

3. Material e Métodos

3. Material e Métodos Avaliação do estado nutricional de escolares do ensino fundamental, composição química e aceitabilidade da merenda escolar ofertada por escolas públicas do município de Barbacena, MG. Natália Cristina

Leia mais

Catálogo de produtos

Catálogo de produtos Catálogo de produtos 1 Pioneirismo e inovação em produtos saudáveis! A Verde Campo é uma indústria de laticínios que possui foco em inovação e alto rigor técnico para garantir alimentos e estilo de vida

Leia mais

Alimentação saudável

Alimentação saudável Alimentação saudável Você mais saudável do que nunca! Quem nunca ouviu falar em antioxidantes e radicais livres? Agora, basta saber quem é o vilão e o herói dessa batalha. Os antioxidantes são substâncias

Leia mais

REDE PORTUGUESA SOBRE COMPOSIÇÃO DE ALIMENTOS

REDE PORTUGUESA SOBRE COMPOSIÇÃO DE ALIMENTOS REDE PORTUGUESA SOBRE COMPOSIÇÃO DE ALIMENTOS GRUPO TRABALHO DA AMOSTRAGEM Resultados 2012 Maria da Graça Dias, Roberto Brazão, Luísa Oliveira Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP 5ª Reunião

Leia mais

Queijo de leite de cabra: um empreendimento promissor e saudável

Queijo de leite de cabra: um empreendimento promissor e saudável Queijo de leite de cabra: um empreendimento promissor e saudável A proteína do leite de cabra é de alto valor biológico, ajudando no combate à desnutrição e no desenvolvimento normal em crianças e melhorando

Leia mais

IV Jornada de Alimentação Escolar

IV Jornada de Alimentação Escolar IV Jornada de Alimentação Escolar INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE CARDÁPIOS ESCOLARES: UMA PROPOSTA EM CONSTRUÇÃO Considerações Preliminares Trajetória da formação graduação em nutrição; Contexto profissional;

Leia mais

Avaliação da frequência do consumo do cálcio na alimentação de crianças do município de Colina (SP)

Avaliação da frequência do consumo do cálcio na alimentação de crianças do município de Colina (SP) 16 Avaliação da frequência do consumo do cálcio na alimentação de crianças do município de Colina (SP) (Frequency of evaluation of calcium consumption in infant feeding in Colina SP) Jessica Silva 1 ;

Leia mais

Dieta Hipercalórica e Hiperproteica

Dieta Hipercalórica e Hiperproteica Dieta Hipercalórica e Hiperproteica Orientações nutricionais Serviço de Nutrição e Dietética Este manual contou com a colaboração das nutricionistas: Tatiana Maraschin, Claudine Lacerda de Oliveira, Cristina

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E SAÚDE 1 - A RELAÇÃO ENTRE A ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

ALIMENTAÇÃO E SAÚDE 1 - A RELAÇÃO ENTRE A ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Alimentação e Saúde ALIMENTAÇÃO E SAÚDE 1 - A RELAÇÃO ENTRE A ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Todo ser vivo precisa se alimentar para viver. A semente, ao ser plantada, precisa ser adubada e molhada todos os dias

Leia mais

Mestranda: Marta Mª do Amaral dos Santos

Mestranda: Marta Mª do Amaral dos Santos Mestranda: Marta Mª do Amaral dos Santos Introdução Vitamina D é o nome comum dado a um grupo de compostos lipossolúveis, derivados de esteróis, responsáveis pela estabilidade do metabolismo mineral ósseo

Leia mais

Alimentação* Nova Roda dos Alimentos. As recomendações para a população portuguesa, em termos nutricionais, são as seguintes:

Alimentação* Nova Roda dos Alimentos. As recomendações para a população portuguesa, em termos nutricionais, são as seguintes: Alimentação* Nova Roda dos Alimentos A roda dos alimentos é um instrumento de educação alimentar largamente conhecido pela população portuguesa dada a sua utilização desde 1977 na campanha Saber comer

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR DE MULHERES QUE REALIZAM MASSAGENS COM FINALIDADE DE EMAGRECIMENTO

AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR DE MULHERES QUE REALIZAM MASSAGENS COM FINALIDADE DE EMAGRECIMENTO AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR DE MULHERES QUE REALIZAM MASSAGENS COM FINALIDADE DE EMAGRECIMENTO SOUZA, P. R.; LOURIVAL, N. B. S. Resumo: Procedimentos estéticos devem estar associados a uma alimentação

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ROTULAGEM DE LEITE EM PÓ INTEGRAL COMERCIALIZADO EM MACEIÓ AL

AVALIAÇÃO DA ROTULAGEM DE LEITE EM PÓ INTEGRAL COMERCIALIZADO EM MACEIÓ AL AVALIAÇÃO DA ROTULAGEM DE LEITE EM PÓ INTEGRAL COMERCIALIZADO EM MACEIÓ AL Allana ALEXANDRE (1); Alana AQUINO (2); Elys OLIVEIRA (3); Ânela FROEHLICH (4) (1) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnoloia

Leia mais

CATEGORIA/ ÁREA DE PESQUISA: Nível Superior (BIC) / Ciências biológicas e da saúde (b) OBJETIVOS

CATEGORIA/ ÁREA DE PESQUISA: Nível Superior (BIC) / Ciências biológicas e da saúde (b) OBJETIVOS Aleitamento Materno Exclusivo e Introdução Precoce da Alimentação Complementar em Crianças menores de seis meses de vida, na cidade de Senhora dos Remédios (Minas Gerais) INTRODUÇÃO Segundo o Ministério

Leia mais

I PLANO ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE SANTA CATARINA E A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR. Patrícia Maria de Oliveira Machado

I PLANO ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE SANTA CATARINA E A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR. Patrícia Maria de Oliveira Machado I PLANO ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE SANTA CATARINA E A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR Patrícia Maria de Oliveira Machado Florianópolis, 2015 Histórico do processo e marcos legais ESTADUAL 2011

Leia mais

Em 2011, o consumo per capita/ano cresceu discreto 1,4%, apenas acompanhando o crescimento da população. Quadro 3

Em 2011, o consumo per capita/ano cresceu discreto 1,4%, apenas acompanhando o crescimento da população. Quadro 3 Produção e disponibilidade de leite Em 2011, o consumo per capita/ano cresceu discreto 1,4%, apenas acompanhando o crescimento da população. Quadro 3 Brasil Balanço do Setor Lácteo 2010/2011 em milhões

Leia mais

Referencial de Educação para a Saúde

Referencial de Educação para a Saúde www.nutrimento.pt Referencial de Educação para a Saúde Para que serve? É uma ferramenta educativa que pode ser adaptada, desde a educação pré-escolar ao ensino secundário, por todas as instituições que

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO SOBRE ÍNDICE E CARGA GLICEMICA DOS ALIMENTOS

ELABORAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO SOBRE ÍNDICE E CARGA GLICEMICA DOS ALIMENTOS 1 ELABORAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO SOBRE ÍNDICE E CARGA GLICEMICA DOS ALIMENTOS Deborah Camila Ismael de Oliveira Costa 1 ; Joquebede Barbosa Massa 1 ; Fernanda Cristina de Lima Pinto Tavares 2 1 Bolsistas

Leia mais

CÓDIGO QUEIJOS FRESCAIS PEÇAS EMBALAGEM VALIDADE PREÇOS QUANT Cottage 250g 250g CX. C/12 PÇ 30 DIAS R$ 6,80 UN.

CÓDIGO QUEIJOS FRESCAIS PEÇAS EMBALAGEM VALIDADE PREÇOS QUANT Cottage 250g 250g CX. C/12 PÇ 30 DIAS R$ 6,80 UN. QUEIJOS FRESCAIS CÓDIGO QUEIJOS FRESCAIS PEÇAS EMBALAGEM VALIDADE PREÇOS QUANT. 001078 Cottage 250g 250g CX. C/12 PÇ 30 DIAS R$ 6,80 UN. 001036 Cottage 400g 400g CX. C/12 PÇ 30 DIAS R$ 10,10 UN. 001088

Leia mais

Alimentar-se bem, para um envelhecer mais saudável. Juliana Aquino

Alimentar-se bem, para um envelhecer mais saudável. Juliana Aquino Alimentar-se bem, para um envelhecer mais saudável. Juliana Aquino A dieta para idosos deve ser variada e equilibrada, de forma a proporcionar o bom estado nutricional e contribuir para a prevenção de

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina NUR320 Nutrição Materno-Infantil

Programa Analítico de Disciplina NUR320 Nutrição Materno-Infantil 0 Programa Analítico de Disciplina Campus Rio Paranaíba - Campus Rio Paranaíba Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 3 1 4 Períodos - oferecimento:

Leia mais

Movimento e alimento. Eliane Petean Arena Nutricionista

Movimento e alimento. Eliane Petean Arena Nutricionista Movimento e alimento Eliane Petean Arena Nutricionista Todos nós necessitamos de atividades físicas, o nosso corpo foi feito para se movimentar. O desenvolvimento da criança é um processo contínuo e dinâmico,

Leia mais

Risco de doenças crônicas e o consumo excessivo de... Sal e obesidade. Roseli Oselka Saccardo Sarni. Sal e risco de doenças

Risco de doenças crônicas e o consumo excessivo de... Sal e obesidade. Roseli Oselka Saccardo Sarni. Sal e risco de doenças Risco de doenças crônicas e o consumo excessivo de... Sal e obesidade Roseli Oselka Saccardo Sarni Sal e risco de doenças Consumo excessivo de sal (> 5g/dia, 1 g de sal=0.4 g sódio) relaciona-se com o

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES: INQUÉRITO ALIMENTAR DE ACADÊMICOS DE NUTRIÇÃO DA REGIÃO DO CARIRI

HÁBITOS ALIMENTARES: INQUÉRITO ALIMENTAR DE ACADÊMICOS DE NUTRIÇÃO DA REGIÃO DO CARIRI HÁBITOS ALIMENTARES: INQUÉRITO ALIMENTAR DE ACADÊMICOS DE NUTRIÇÃO DA REGIÃO DO CARIRI Ana Kelly Morais dos Santos kellymoraissantos@hotmail.com Anna Karllota Gomes Estevam annakarllota@hotmail.com Jaqueline

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE Objetivo do Programa OFERTA DE REFEIÇÕES SAUDÁVEIS EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL PNAE - Crescimento; - Aprendizagem; - Desenvolvimento biopsicossocial;

Leia mais

Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Alimentação Saudável L/O/G/O.

Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Alimentação Saudável L/O/G/O. Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco Alimentação Saudável L/O/G/O www.themegallery.com Maio 2014 Sumário: O que é uma Alimentação Saudável; Nova Roda dos Alimentos; Recomendações de uma

Leia mais

Projeto Nutricional Infantil

Projeto Nutricional Infantil Projeto Nutricional Infantil Agenda Objetivos Metas Benefícios do Consumo de Peixe Produto, Usos & Embalagem Objetivos Desenvolver um alimento a base de Músculo de Peixe com fortificação de micronutrientes

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INGESTÃO DE CÁLCIO DAS CRIANÇAS DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA 1

AVALIAÇÃO DA INGESTÃO DE CÁLCIO DAS CRIANÇAS DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA 1 221 AVALIAÇÃO DA INGESTÃO DE CÁLCIO DAS CRIANÇAS DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA 1 Jaqueline Miranda Lopes 2, Jacira Francisca Matias 2, Maria Aparecida Resende Marques 2, Vania Mayumi Nakajima

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 TEIXEIRA, Giselle 2 ; BOSI, Greice 2 ; FONTOURA, Ethiene 2 ; MUSSOI, Thiago 2 ; BLASI,

Leia mais

Participação da mulher no mercado de trabalho

Participação da mulher no mercado de trabalho e desigualdade da renda domiciliar per capita no Brasil: 1981-2002 PET-Economia UnB 29 de abril de 2015 Rodolfo Hoffmann Sobre os autores Sobre o Graduação em Agronomia (1965) Mestrado em Ciências Sociais

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN Ana Paula Araujo de Souza 1 ; Luciana Karla Miranda Lins 2 1 Secretaria Municipal do Trabalho e Assistência

Leia mais

tica da Tabela o de Alimentos Duarte Torres FCNAUP

tica da Tabela o de Alimentos Duarte Torres FCNAUP da o tica da Tabela o de Alimentos Duarte Torres FCNAUP dupamato@fcna.up.pt CONSÓRCIO Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (Carla Lopes, Milton Severo, Andreia Oliveira) Instituto de Saúde Publica

Leia mais

Alinhamento Visão Geral

Alinhamento Visão Geral Alinhamento Visão Geral O programa nacional Juntos Contamos inspira uma vida ativa e saudável. Escolas, membros da comunidade e empresas locais se uniram para promover hábitos saudáveis. Juntos, capacitam

Leia mais

Estudo do consumo de leites e derivados por idosas praticantes de atividade física em uma academia no município de São Paulo

Estudo do consumo de leites e derivados por idosas praticantes de atividade física em uma academia no município de São Paulo Estudo do consumo de leites e derivados por idosas praticantes de atividade física em uma academia no município de São Paulo * Acadêmicas do Curso de Nutrição do Centro Universitário São Camilo, São Paulo,

Leia mais

-PNAN - Portaria Estatuto da criança e do adolescente -PCNs

-PNAN - Portaria Estatuto da criança e do adolescente -PCNs -PNAN - Portaria 1.010 - Estatuto da criança e do adolescente -PCNs Alimentação Escolar Aline Guimarães Nutricionista - CECANE UnB PNAN Política Nacional de Alimentação e Nutrição Alimentação escolar PNAN

Leia mais

ÉRIKA SOCORRO BRASIL

ÉRIKA SOCORRO BRASIL ÉRIKA SOCORRO BRASIL Rua Carlos de Sabóia e Sá, Nº 14, Abolição II, Mossoró-RN Naturalidade: Garanhuns-PE Estado Civil: Casada - Idade: 34 anos Telefones: (84) 99635-6691 / (84) 98824-3163 /(84) 98717-2548/

Leia mais

USO DOS FORMULÁRIOS E REGISTRO DAS INFORMAÇÕES NO NOVO SISTEMA INFORMATIZADO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SISVAN WEB

USO DOS FORMULÁRIOS E REGISTRO DAS INFORMAÇÕES NO NOVO SISTEMA INFORMATIZADO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SISVAN WEB MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO SEPN 511- Bloco C Edifício Bittar IV 4º andar - Brasília/DF CEP:70750.543

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Morte Fetal. Indicadores de Saúde. Assistência Perinatal. Epidemiologia.

PALAVRAS-CHAVE Morte Fetal. Indicadores de Saúde. Assistência Perinatal. Epidemiologia. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

VARIEDADES DE SOBREMESAS DO MCDONALDS SEGUNDO SUAS CARACTERÍSTICAS NUTRICIONAIS: UMA APLICAÇÃO DE ANÁLISE DE AGRUPAMENTO

VARIEDADES DE SOBREMESAS DO MCDONALDS SEGUNDO SUAS CARACTERÍSTICAS NUTRICIONAIS: UMA APLICAÇÃO DE ANÁLISE DE AGRUPAMENTO VARIEDADES DE SOBREMESAS DO MCDONALDS SEGUNDO SUAS CARACTERÍSTICAS NUTRICIONAIS: UMA APLICAÇÃO DE ANÁLISE DE AGRUPAMENTO Luana Kelly de Souza Nóbrega 1 Dalila Camêlo Aguiar 2 Jaylanne Medeiros de Mendonça

Leia mais

Perfil socioeconômico e nutricional das crianças inscritas no programa de suplementação alimentar do Centro Municipal de Saúde Manoel José Ferreira

Perfil socioeconômico e nutricional das crianças inscritas no programa de suplementação alimentar do Centro Municipal de Saúde Manoel José Ferreira Perfil socioeconômico e nutricional das crianças inscritas no programa de suplementação alimentar do Centro Municipal de Saúde Manoel José Ferreira Juliana Mayo Helena Recht Pombo 1 Sandra M. M. Rodrigues

Leia mais

Nutrição Aplicada à Educação Física. Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas. Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci

Nutrição Aplicada à Educação Física. Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas. Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci Nutrição Aplicada à Educação Física Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci ARROZ 100 gramas CÁLCULO DE DIETA CH 25,1 PT 2,0 Lip 1,2 Consumo 300 gramas 100 gr

Leia mais

Hábitos alimentares na adolescência

Hábitos alimentares na adolescência Hábitos alimentares na adolescência Joana Araújo Vilamoura, 19 Novembro 29 Healthy Eating Index 8 76 8 7 6 6 5 4 3 2 1 36 17 12 4 7 8 Children 2-3 Children 4-6 Children 7-9 Good Diet Improve Poor www.cnpp.usda.gov

Leia mais

História CREDIBILIDADE

História CREDIBILIDADE História A ENTREMINAS iniciou suas atividades como distribuidora de laticínios no ano de 1990. Em 1992 inaugurou sua primeira unidade fabril no município de São Sebastião da Bela Vista - Sul de Minas Gerais,

Leia mais

Lanche Escolar Sem Erros...

Lanche Escolar Sem Erros... Lanche Escolar Sem Erros... O lanche escolar é de extrema importância, pois tem influências no Aprendizado, na Saúde e complementa as necessidades diárias da alimentação da criança. Qual o Lanche Indicado?

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL PESSOAL

PERFIL NUTRICIONAL PESSOAL PERFIL NUTRICIONAL PESSOAL Nº de Empresário Nome completo: Data: Telefone: e-mail: Data de nascimento: Idade: Sexo: Feminino Consome algum suplemento nutricional? Se sim, quantos? Sim Masculino Não Por

Leia mais

Unidade: AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR. Unidade I:

Unidade: AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR. Unidade I: Unidade: AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR Unidade I: 0 Unidade: AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR Introdução O consumo de alimentos é uma etapa importante da avaliação nutricional de indivíduos ou coletividades.

Leia mais

O CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS: a atuação da SNVS

O CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS: a atuação da SNVS AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANVISA O CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS: a atuação da SNVS João Tavares Neto Superintendente de Correlatos e Alimentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Leia mais

COMUNICADO DAAA Nº 18, DE 27 DE ABRIL DE 2017

COMUNICADO DAAA Nº 18, DE 27 DE ABRIL DE 2017 COMUNICADO DAAA Nº 18, DE 27 DE ABRIL DE 2017 Informar as Escolas Estaduais sobre o tema da Semana de Educação Alimentar 2017. O, à vista do que lhe apresentou o Centro de Supervisão e Controle do Programa

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 PMA PROGRAMA MUNDIAL DE ALIMENTOS

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 PMA PROGRAMA MUNDIAL DE ALIMENTOS COPATROCINADOR UNAIDS 2015 PMA PROGRAMA MUNDIAL DE ALIMENTOS COPATROCINADORES UNAIDS 2015 PMA O QUE É O PROGRAMA MUNDIAL DE ALIMENTOS? As pessoas que vivem com HIV têm direito à alimentação e boa nutrição.

Leia mais

NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE. Como ter uma vida mais saudável comendo bem.

NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE. Como ter uma vida mais saudável comendo bem. NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE Como ter uma vida mais saudável comendo bem. IDADE X NUTRIÇÃO Depois dos 65 anos, o processo de envelhecimento naturalmente acelera e afeta a saúde. Com isso, um dos cuidados

Leia mais

Roda de discussão Alimentação Saudável: O que isso tem a ver com Sustentabilidade?

Roda de discussão Alimentação Saudável: O que isso tem a ver com Sustentabilidade? Roda de discussão Alimentação Saudável: O que isso tem a ver com Sustentabilidade? Gabriela Rodrigues Bratkowski Nutricionista - Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE UFRGS) Porto

Leia mais

Como fazer uma ementa equilibrada e económica

Como fazer uma ementa equilibrada e económica Como fazer uma ementa equilibrada e económica Alexandra Bento alexandrabento@apn.org.pt Tendência de consumo alimentar Consumo alimentar fora de casa, Marktest 2006: Essencialmente Almoço 36,5% durante

Leia mais

Processamento artesanal do leite e seus derivados

Processamento artesanal do leite e seus derivados Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Engenharia Agronômica LINS/SP Processamento artesanal do leite e seus derivados Profa. MsC. Fernanda Paes de Oliveira Zootecnista e Médica Veterinária INTRODUÇÃO

Leia mais

A salada verde deveria fazer parte das refeições de todas as pessoas, pois as folhas,

A salada verde deveria fazer parte das refeições de todas as pessoas, pois as folhas, Alface, rúcula, agrião e acelga são aliados da dieta e ricos em nutrientes Essas folhas devem fazer parte da alimentação de todas as pessoas e fornecem vitaminas, minerais e outros componentes importantes

Leia mais

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos Valor Energético É a energia produzida pelo nosso corpo proveniente dos carboidratos, proteínas e gorduras totais. Na rotulagem

Leia mais

PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO DESTINADO À ELABORAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO ORIGINAL NO ÂMBITO DO CURSO DE MESTRADO EM EPIDEMIOLOGIA (1ª EDIÇÃO)

PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO DESTINADO À ELABORAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO ORIGINAL NO ÂMBITO DO CURSO DE MESTRADO EM EPIDEMIOLOGIA (1ª EDIÇÃO) PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO DESTINADO À ELABORAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO ORIGINAL NO ÂMBITO DO CURSO DE MESTRADO EM EPIDEMIOLOGIA (1ª EDIÇÃO) Prevalência e Factores de Sucesso do Aleitamento Materno no Hospital

Leia mais

Tabela População segundo a existência de plano de saúde - Ceilândia - Distrito Federal Plano de Saúde Nº %

Tabela População segundo a existência de plano de saúde - Ceilândia - Distrito Federal Plano de Saúde Nº % Quanto à existência de Plano de Saúde observa-se em Ceilândia que 80,9% não contam com este serviço, enquanto 11,0% possui plano empresarial, o que é previsível dado o expressivo percentual de domicílios

Leia mais

INFORMAÇÃO NUTRICIONAL INTEGRAIS

INFORMAÇÃO NUTRICIONAL INTEGRAIS INFORMAÇÃO NUTRICIONAL INTEGRAIS INTEGRAL CARNE / SOJA Valor calórico 253 kcal 12,7 Carboidratos 27 g 9,0 Proteínas 13 g 17,6 Gorduras Totais 8,7 g 15,8 Gordura Saturada 1,5 g 6,8 Fibra Alimentar 4,4 g

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. Melissa Walter / Adriana Michelotti EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. Melissa Walter / Adriana Michelotti EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA CURSO: Curso Técnico em Agroindústria FORMA/GRAU:( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( )

Leia mais

* Exemplos de Cardápios. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia Prates

* Exemplos de Cardápios. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia Prates * Exemplos de Cardápios Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia Prates Café da manhã típico de quatro brasileiros que consomem alimentos in natura ou minimamente processados Repare

Leia mais

Marco de Referência de Educação Alimentar e Nutricional para as Políticas Públicas

Marco de Referência de Educação Alimentar e Nutricional para as Políticas Públicas Congresso Internacional de Alimentação Escolar: Construindo caminhos para a educação alimentar e nutricional 04 de outubro de 2017 Marco de Referência de Educação Alimentar e Nutricional para as Políticas

Leia mais

2. Aquisição de Leite

2. Aquisição de Leite 2. Aquisição de Leite No 2º trimestre de 2017, a aquisição de leite cru feita pelos estabelecimentos que atuam sob algum tipo de inspeção sanitária (Federal, Estadual ou Municipal) foi de 5,64 bilhões

Leia mais

Erly Catarina de Moura NUPENS - USP

Erly Catarina de Moura NUPENS - USP Erly Catarina de Moura NUPENS - USP erlycm@usp.br Evolução do estado nutricional de homens, 1974-1975, 1989, 2002-2003, Brasil déficit de peso sobrepeso obesidade eutrofia 100% 80% 60% 40% 20% 0% 1974-75

Leia mais

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Avaliação Dados de 2013 Periodicidade: anual desde 2006 Público: maiores de 18 anos e residentes nas 26

Leia mais

Isabel Cardoso, Filipa Guerra, Ana Pinto, Violeta Alarcão, Milene Fernandes, Sofia Guiomar, Paulo Nicola, Evangelista Rocha

Isabel Cardoso, Filipa Guerra, Ana Pinto, Violeta Alarcão, Milene Fernandes, Sofia Guiomar, Paulo Nicola, Evangelista Rocha CONHECIMENTOS E HÁBITOS ALIMENTARES CONSIDERANDO AS RECOMENDAÇÕES PARA HIPERTENSOS MEDICADOS IMIGRANTES E NATIVOS SEGUIDOS NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DA REGIÃO DE LISBOA: DETERMINANTES DA ADESÃO ÀS

Leia mais

LISTA DE QUADROS E TABELAS. Delineamento experimental tipo simplex centroide para a otimização do uso de proteínas lácteas em iogurtes probióticos.

LISTA DE QUADROS E TABELAS. Delineamento experimental tipo simplex centroide para a otimização do uso de proteínas lácteas em iogurtes probióticos. iii LISTA DE QUADROS E TABELAS página Quadro 1. Definição dos probióticos com o passar dos anos. 10 Quadro 2. Modificações físico-químicas causadas pela homogeneização do leite utilizado na produção de

Leia mais

Rotulagem Nutricional

Rotulagem Nutricional III Workshop Rotulaem Nutricional 30 de Janeiro de 2017 Nutricionista: Dra. Mariana Santos Costa Apresentação Dra. Mariana Santos Costa Licenciada em Ciências da Nutrição Mestrado em Exercício e Bem-Estar

Leia mais

BASES DA NUTRIÇÃO E DIETÉTICA PIRÂMIDE GUIAS ALIMENTAR

BASES DA NUTRIÇÃO E DIETÉTICA PIRÂMIDE GUIAS ALIMENTAR BASES DA NUTRIÇÃO E DIETÉTICA PIRÂMIDE GUIAS ALIMENTAR PROFª.:ANA LAURA DIAS Conceitos ALIMENTO: toda substância que, ingerida por um ser vivo, o alimenta ou nutre. (Aurélio Buarque de Holanda Ferreira,

Leia mais

> as disponibilidades alimentares são agora. > os hábitos alimentares mudaram devido à. > os conhecimentos científicos evoluíram.

> as disponibilidades alimentares são agora. > os hábitos alimentares mudaram devido à. > os conhecimentos científicos evoluíram. A RODA DOS ALIMENTOS VARIAR OS PRAZERES Se não é completamente verdade que as cenouras fazem os olhos bonitos, também não é completamente mentira As cenouras contêm um tipo de (pró)-vitamina que faz muito

Leia mais

Análise da situação alimentar e nutricional no Brasil. Eduardo Nilson CGAN/DAB/MS

Análise da situação alimentar e nutricional no Brasil. Eduardo Nilson CGAN/DAB/MS Análise da situação alimentar e nutricional no Brasil. Eduardo Nilson CGAN/DAB/MS Grande redução da desnutrição em crianças menores de 5 anos de idade nas últimas décadas: alcance antecipado de meta do

Leia mais

Conselho da União Europeia Bruxelas, 3 de outubro de 2017 (OR. en)

Conselho da União Europeia Bruxelas, 3 de outubro de 2017 (OR. en) Conselho da União Europeia Bruxelas, 3 de outubro de 2017 (OR. en) 12781/17 SAN 336 STATIS 55 SOC 613 NOTA DE ENVIO de: Comissão Europeia data de receção: 2 de outubro de 2017 para: n. doc. Com.: D052679/02

Leia mais

IV ENCONTRO NACIONAL DAS LICENCIATURAS - III SEMINÁRIO NACIONAL DO PIBID Universidade Federal do Triângulo Mineiro

IV ENCONTRO NACIONAL DAS LICENCIATURAS - III SEMINÁRIO NACIONAL DO PIBID Universidade Federal do Triângulo Mineiro IV ENCONTRO NACIONAL DAS LICENCIATURAS - III SEMINÁRIO NACIONAL DO PIBID Universidade Federal do Triângulo Mineiro Balanço Energético Nutricional e Vida Saudável Lizia Siliprandi da Silva Ferreira PIBID

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA PERFIL DA GESTÃO DA UNIDADE DE SAÚDE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA PERFIL DA GESTÃO DA UNIDADE DE SAÚDE QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA PERFIL DA GESTÃO DA UNIDADE DE SAÚDE IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO (ID) [ ] ( ) Questionário [ ] ( ) Entrevistador (bolsista)

Leia mais

REEDUCAÇÃO ALIMENTAR NAS ESCOLAS URBANAS DO MUNICÍPIO DE LAGES, SC. Cristiane Pellizzaro Batalha, Mestre, CAV UDESC,

REEDUCAÇÃO ALIMENTAR NAS ESCOLAS URBANAS DO MUNICÍPIO DE LAGES, SC. Cristiane Pellizzaro Batalha, Mestre, CAV UDESC, REEDUCAÇÃO ALIMENTAR NAS ESCOLAS URBANAS DO MUNICÍPIO DE LAGES, SC Cristiane Pellizzaro Batalha, Mestre, CAV UDESC, a2cpb@cav.udesc.br Daiane de Souza Bueno, acadêmica de Agronomia, CAV UDESC, dayah_bueno@hotmail.com

Leia mais

ANÁLISE MULTICRITÉRIO APLICADA AO ESTUDO DE CONTROLE AMBIENTAL NO SETOR AGROINDUSTRIAL: PRODUÇÃO DO QUEIJO QUALHO

ANÁLISE MULTICRITÉRIO APLICADA AO ESTUDO DE CONTROLE AMBIENTAL NO SETOR AGROINDUSTRIAL: PRODUÇÃO DO QUEIJO QUALHO ANÁLISE MULTICRITÉRIO APLICADA AO ESTUDO DE CONTROLE AMBIENTAL NO SETOR AGROINDUSTRIAL: PRODUÇÃO DO QUEIJO QUALHO INTRODUÇÃO: A AGROINDÚSTRIA BRASILEIRA SETOR LÁCTEO P + L OBJETIVOS: OBJETIVO GERAL: IDENTIFICAR

Leia mais

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 24 a 26/7/2010 Produção Ascom Hoje em Dia 24/7/2010 Economia Tribuna de Minas 25/7/2010 Juiz de Fora Visita a Juiz de Fora Canadense

Leia mais

Coordenação Geral Equipe Técnica COMO CITAR:

Coordenação Geral Equipe Técnica COMO CITAR: Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Glauco Rodrigues Carvalho Equipe Técnica Kennya Beatriz Siqueira - Pesquisadora Embrapa Gado de Leite Alziro Vasconcelos Carneiro -

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO E ACEITABILIDADE DE UMA BEBIDA A BASE DE FRUTA ENRIQUECIDA COM FERRO QUELATO

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO E ACEITABILIDADE DE UMA BEBIDA A BASE DE FRUTA ENRIQUECIDA COM FERRO QUELATO TÍTULO: DESENVOLVIMENTO E ACEITABILIDADE DE UMA BEBIDA A BASE DE FRUTA ENRIQUECIDA COM FERRO QUELATO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

Alimentação Saudável: Publicidade e Rótulos de Alimentos

Alimentação Saudável: Publicidade e Rótulos de Alimentos Alimentação Saudável: Publicidade e Rótulos de Alimentos Objetivos do encontro: - Fomentar uma reflexão crítica acerca da publicidade de alimentos, através da proposição de atividades pedagógicas relacionadas

Leia mais

Passo 5 O questionário foi criado com 27 questões sendo 35 lacunas para serem preenchidas, utilizando-se uma linha temporal desde o diagnóstico da

Passo 5 O questionário foi criado com 27 questões sendo 35 lacunas para serem preenchidas, utilizando-se uma linha temporal desde o diagnóstico da 3 Método Este estudo realizou uma pesquisa do tipo descritivo tendo uma abordagem de pesquisa pré-planejada e estruturada. (MALHOTRA, 2006). A pesquisa buscou o conhecimento adquirido pela gestante analfabeta

Leia mais

A melhor maneira de perder peso é a sua.

A melhor maneira de perder peso é a sua. A melhor maneira de perder peso é a sua. Chegou o Programa BodyKey, by Nutrilite TM. CONHEÇA O PROGRAMA BODYKEY BY NUTRILITE A sua hora de emagrecer é agora. Chegou BodyKey, by Nutrilite, o único programa

Leia mais

- avaliar os hábitos alimentares e o consumo de energia e nutrientes de adultos e idosos; - analisar e adequar macro e micronutrientes de planos

- avaliar os hábitos alimentares e o consumo de energia e nutrientes de adultos e idosos; - analisar e adequar macro e micronutrientes de planos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO I - IDENTIFICAÇÃO: UNIDADE ACADÊMICA: FANUT CURSO: Nutrição DISCIPLINA: Nutrição e Dietética II GRADE: 2009

Leia mais

Agricultura familiar na atividade leiteira no Brasil: Pressupostos e proposta metodológica

Agricultura familiar na atividade leiteira no Brasil: Pressupostos e proposta metodológica Agricultura familiar na atividade leiteira no Brasil: Pressupostos e proposta metodológica Duarte Vilela Embrapa Gado de Leite vilela@cnpgl.embrapa.br O que é produção familiar (i) direção dos trabalhos

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS HÁBITOS ALIMENTARES E CUIDADO DA SAÚDE DE ESCOLARES DE UMA REDE PÚBLICA DE ENSINO EM RECIFE- PERNAMBUCO

AVALIAÇÃO DOS HÁBITOS ALIMENTARES E CUIDADO DA SAÚDE DE ESCOLARES DE UMA REDE PÚBLICA DE ENSINO EM RECIFE- PERNAMBUCO AVALIAÇÃO DOS HÁBITOS ALIMENTARES E CUIDADO DA SAÚDE DE ESCOLARES DE UMA REDE PÚBLICA DE ENSINO EM RECIFE- PERNAMBUCO Dayane de Melo Barros (1); Isla Ariadny Amaral de Souza Gonzaga (1); Liderlanio de

Leia mais