Terapêutica hormonal de 2ª linha?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Terapêutica hormonal de 2ª linha?"

Transcrição

1 Terapêutica hormonal de 2ª linha? FRANCISCO BOTELHO H O S P I TA L D E B R A G A CURSO CARCINOMA DA PRÓSTATA RESISTENTE A CASTRAÇÃO de DE Setembro MAIO DE de

2 Tópicos Introdução Terapêutica hormonal de 2ª linha Necessidade de manter castração clássica com novos fármacos Não irei falar dos novos fármacos para tratamento hormonal 2

3 3 Introdução

4 Incidência do Cancro da Próstata 4 Globocan 2012

5 Mortalidade do Cancro da Próstata 5 Globocan 2012

6 6 Cancro da Próstata em Portugal

7 Evolução do Cancro da Próstata Cancro da Próstata Localizado Cancro da Próstata localizado com recidiva bioquímica Cancro da próstata Metastizado Cancro da Próstata localizado com resistência à castração Cancro da Próstata metastizado Resistente Castração Morte 7

8 8 Terapêutica hormonal de 2ª linha

9 É necessário realizar manipulação hormonal para ser considerado resistente à castração? EAU Guidelines 2013 Progressão apesar da manipulação hormonal standard Remoção e eventual substituição do anti-androgénio se BHC Pelo menos 4 semanas para flutamida e 6 semanas para bicalutamida BHC se iniciou só com análogo LHRH 9 EAU2014/AUA/PCWG2 - Guidelines Não é necessário manipulação hormonal

10 Formas de Terapêutica hormonal de 2ª linha Manipulação do anti-androgénio Remover Acrescentar Aumentar dose Substituir Substituir por antagonista LHRH Estrogénios Cetoconazol 10

11 Remover doentes com CPCR tratados com BHC suspenderam antiandrogénio Redução PSA superior a 50%: 15-35% Duração da resposta: 6 meses J Urol Sep;180(3):921-7 J Urol Feb;171(2 Pt 1):

12 Acrescentar 44 doentes com CPRC tratados com LHRH foi-lhes acrescentada bicalutamida 80mg: Diminuição de PSA superior a 50%: 66% Tempo de resposta:10 meses Maior resposta nos com Gleason mais baixo e velocidade de crescimento do PSA mais lenta Os que responderam tiveram melhor prognóstico incluindo sob hormonoterapia 12 BJU Int Jun;97(6):

13 Aumento de dose Ensaio Fase II - Em 59 doentes (70% M0) com CPRC tratados com Goserelina + 50mg de Bicalutamida foi aumentada dose de bicalutamida para 150mg: 13 (22%) patients had a >50% PSA decline 5 (8%) had a decline between 10 and 50% 4 (7%) had stabilization 37 (63%) had PSA progression median duration was 3.7 months (95% confidence interval of months) 13 Klotz L, et l. Prostate Cancer Prostatic Dis (in press)

14 Substituir anti-androgénio 55 doentes com CPRC medicados com bicalutamida + castração médica ou cirúrgica: bicalutamida substituída por flutamida Redução do PSA: 55-69%; Redução do PSA em 50%: 39% Duração média e resposta: 6-11 meses Melhores resultados naqueles com maior duração do tratamento hormonal primário Pode ser usada após suspensão do anti-androgénio 14 BJU Int Oct;96(6):791-5 Int J Urol Mar;14(3):264-7.

15 Substituir por antagonista LHRH Estudo retrospective de 17 doentes com CPRC Após 3 meses: 4 doentes (23%) não aumentaram o valor de PSA mais de 10% 41% dos doentes diminuiu niveis de testosterona 15 World J. Urol Apr;31(2):

16 Estrogénios Dietilestilbestrol 1mg/d Mecanismo acção: Feedback negativo sobre hipotálamo Impedem a produção de androgéneos da suprarrenal Actuam directamente na célula de Leydig Efeito citotóxico directo sobre a célula prostática 16 Morbilidade cardiovascular importante após 1ª passagem hepática e formação de metabólitos trombogénicos Uso concomitante antiagregantes plaquetários/hipocoagulação?? Administração parental ou transdérmica

17 Estrogénios Eficácia 17 Benefícios Não estão associados a desmineralização óssea ou alterações cognitivas ou fugachos Baratos BJU Int Dec;110(11 Pt C):E826-

18 Estrogénios Efeitos Laterais Trombo-embólicos 18 BJU Int Dec;110(11 Pt C):E826-

19 Estrogénios Ensaio Clínico fase III: SPCG nº5: 910 doentes em tratamento 1ª linha Fosfato de estradiol (PEP) 240 mg I.M. flutamida + triptorelina/ orquidectomia bilateral Sem diferenças em termos de progressão ou sobrevida Sem diferenças de mortalidade cardiovascular mas mais eventos cardíacos não fatais no PEP (EAM e ICC descompensada) 18 eventos esqueléticos no BHC e nenhum com PEP 19 Scand J Urol Nephrol 2008;42(3):220-9

20 Estrogénios Ensaio Clínico fase III: PATCH: 254 doentes em tratamento 1ª linha Adesivos estrogénio vs Agonista LHRH Follow-up of 19 months Supressão testosterona similar Eventos cardiacos 10,1% vs 7,1% NS Estudo extendido e já recrutou mais de 700 doentes 20 Lancet Oncol. 2013;14:

21 Cetoconazol Mecanismo acção: Inibição enzimática citocromo P450 Doses de 200 mg 3x/d Efeitos colaterais importantes Náuseas, vómitos, fadiga Toxicidade hepática; edemas Necessidade corticoterapia concomitante 21

22 Cetoconazol doentes com CPRC tratados com cetoconazol mg 3x/dia Redução superior a 50% do PSA: 38-55% Duração média de resposta: 5-7 meses 22 Ann Acad Med Singapore Oct;36(10):811-4 J Urol Aug;168(2):542-5 Eur Urol May;45(5):581-4

23 Formas de Terapêutica hormonal de 2ª linha Manipulação do anti-androgénio Remover Acrescentar Aumentar dose Substituir Substituir por antagonista LHRH? Estrogénios? Cetoconazol 23

24 Indicações para Terapêutica hormonal de 2ª linha 24

25 Indicações para Terapêutica hormonal de 2ª linha CPRC sem evidência de metastização ou metastizado em doentes assintomáticos com PS 2 Observação também é opção Se novos fármacos não disponíveis CPRC metastizado assintomático Docetaxel e observação também são opção CPRC metastizado sintomáticos sem condições para QT Tratamento paliativo (incluindo RT e radiofármacos) apenas também é opção 25

26 Necessidade de manter castração clássica com novos fármacos 26

27 Necessidade de manter castração clássica com novos fármacos Taylor et al 1 : análise multivariada retrospectiva de 341 doentes: modest advantage in survival duration Hussain et al 2 : análise retrospectiva multivariada de 205 doentes: marginally significant longer median time Os novos fármacos só foram estudados com uso concomitante de castração O cancro da próstata resistente à castração continua a ser hormono-sensivel mesmo após progressão com os novos fármacos As células neoplásicas têm receptores de LH que se estimulados levam a um aumento de concentração de androgénios intracelulares J Clin Oncol Nov;11(11): J Clin Oncol Sep;12(9): Prostate 2011; 71:

Cancro da Próstata Quimioterapia: uma etapa adiada??? Dr.ª Gabriela Sousa IPO COIMBRA

Cancro da Próstata Quimioterapia: uma etapa adiada??? Dr.ª Gabriela Sousa IPO COIMBRA Cancro da Próstata Quimioterapia: uma etapa adiada??? Dr.ª Gabriela Sousa IPO COIMBRA 8 Março 2014 Cancro da Próstata - Androgénios Doença hormonossensível Controle da doença: supressão de androgénios

Leia mais

A.S.O D.N DEZ 2006 RASTREIO DE DOENÇAS PROSTÁTICAS

A.S.O D.N DEZ 2006 RASTREIO DE DOENÇAS PROSTÁTICAS A.S.O D.N. 06-01-1954 DEZ 2006 RASTREIO DE DOENÇAS PROSTÁTICAS 52 anos IPSS 1 /QoL 2 Diminuição do volume do ejaculado AP irrelevantes / Medicação 0 / Alergias -0 AF 0 TR próstata pequena 30 cc nódulo

Leia mais

CURSO CARCINOMA DA PROSTATA RESISTENTE À CASTRAÇÃO. Terapêutica pré-quimioterapia. Jorge Oliveira Director Serviço Urologia

CURSO CARCINOMA DA PROSTATA RESISTENTE À CASTRAÇÃO. Terapêutica pré-quimioterapia. Jorge Oliveira Director Serviço Urologia CURSO CARCINOMA DA PROSTATA RESISTENTE À CASTRAÇÃO Terapêutica pré-quimioterapia Jorge Oliveira Director Serviço Urologia Perspectiva Histórica HORMONORRESISTÊNCIA Manipulações hormonais Estrogenios Cetoconazol

Leia mais

Câncer de próstata avançado

Câncer de próstata avançado Câncer de próstata avançado Renato Panhoca Centro de Estudos Urológicos do HSPE - CEU Serviço de Urologia - HSPE Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo Centro de Estudos Urológicos do HSPE

Leia mais

FATORES PREDITIVOS PARA FALHA BIOQUÍMICA APÓS RADIOTERAPIA DE RESGATE EM CÂNCER DE PRÓSTATA, PÓS- PROSTATECTOMIA RADICAL

FATORES PREDITIVOS PARA FALHA BIOQUÍMICA APÓS RADIOTERAPIA DE RESGATE EM CÂNCER DE PRÓSTATA, PÓS- PROSTATECTOMIA RADICAL FATORES PREDITIVOS PARA FALHA BIOQUÍMICA APÓS RADIOTERAPIA DE RESGATE EM CÂNCER DE PRÓSTATA, PÓS- PROSTATECTOMIA RADICAL Marco Antonio Costa Campos de SANTANA 1,2 ; Carlos Bo ChurHONG 1,2 ; Mariana Vilela

Leia mais

CÂNCER DE PRÓSTATA CASTRAÇÃO RESISTENTE: OPÇÕES DISPONÍVEIS E MELHOR SEQUENCIAMENTO DANIEL DE CASTRO MONTEIRO ONCOLOGISTA CLÍNICO

CÂNCER DE PRÓSTATA CASTRAÇÃO RESISTENTE: OPÇÕES DISPONÍVEIS E MELHOR SEQUENCIAMENTO DANIEL DE CASTRO MONTEIRO ONCOLOGISTA CLÍNICO CÂNCER DE PRÓSTATA CASTRAÇÃO RESISTENTE: OPÇÕES DISPONÍVEIS E MELHOR SEQUENCIAMENTO DANIEL DE CASTRO MONTEIRO ONCOLOGISTA CLÍNICO Declaração sobre conflito de interesses De acordo com a Resolução 1595/2000

Leia mais

CÂNCER DE PRÓSTATA AVANÇADO. Riscos e Toxicidades da Hormonioterapia. Dra. Elisa de O. Campana R3 Instituto Nacional de Câncer 22/06/2011

CÂNCER DE PRÓSTATA AVANÇADO. Riscos e Toxicidades da Hormonioterapia. Dra. Elisa de O. Campana R3 Instituto Nacional de Câncer 22/06/2011 CÂNCER DE PRÓSTATA AVANÇADO Riscos e Toxicidades da Hormonioterapia Dra. Elisa de O. Campana R3 Instituto Nacional de Câncer 22/06/2011 Introdução Agonista GnRH Antagonista GnRH Estrogênios Bloqueadores

Leia mais

DOU de 22/08/2007 seção 1. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 467, DE 20 DE AGOSTO DE 2007

DOU de 22/08/2007 seção 1. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 467, DE 20 DE AGOSTO DE 2007 DOU de 22/08/2007 seção 1 Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 467, DE 20 DE AGOSTO DE 2007 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, considerando a constante

Leia mais

Tratamento adjuvante sistêmico (como decidir)

Tratamento adjuvante sistêmico (como decidir) Tópicos atuais em câncer de mama Tratamento adjuvante sistêmico (como decidir) Dr. André Sasse Oncologista Clínico sasse@cevon.com.br Centro de Evidências em Oncologia HC UNICAMP Centro de Evidências em

Leia mais

QUIMIOTERAPIA DE SEGUNDA LINHA NO CÂNCER DE PRÓSTATA REFRATÁRIO À CASTRAÇÃO (CPRC): QUANDO INDICAR? Igor A. Protzner Morbeck, MD, MSc

QUIMIOTERAPIA DE SEGUNDA LINHA NO CÂNCER DE PRÓSTATA REFRATÁRIO À CASTRAÇÃO (CPRC): QUANDO INDICAR? Igor A. Protzner Morbeck, MD, MSc QUIMIOTERAPIA DE SEGUNDA LINHA NO CÂNCER DE PRÓSTATA REFRATÁRIO À CASTRAÇÃO (CPRC): QUANDO INDICAR? Igor A. Protzner Morbeck, MD, MSc Onco-Vida Brasília Prof. Depto. Medicina Interna da PUC - Brasília

Leia mais

Audiência Pública Castração química

Audiência Pública Castração química Audiência Pública Castração química Data: 06/07/2016 Rodolfo Costa Souza Consultor Legislativo da Câmara dos Deputados Área XVI Saúde Pública e Sanitarismo Introdução O comportamento sexual complexidade

Leia mais

câncer de esôfago e estômago Quais os melhores esquemas?

câncer de esôfago e estômago Quais os melhores esquemas? Tratamento combinado em câncer de esôfago e estômago Quais os melhores esquemas? Dr. André Sasse Oncologista Clínico sasse@cevon.com.br Centro de Evidências em Oncologia HC UNICAMP Centro de Evidências

Leia mais

Tratamento de Resgate após. Eu prefiro HIFU ou Crioterapia GUSTAVO CARDOSO CHEFE DO SERVIÇO DE UROLOGIA

Tratamento de Resgate após. Eu prefiro HIFU ou Crioterapia GUSTAVO CARDOSO CHEFE DO SERVIÇO DE UROLOGIA Tratamento de Resgate após Falha da Radioterapia Eu prefiro HIFU ou Crioterapia i GUSTAVO CARDOSO GUIMARÃES CHEFE DO SERVIÇO DE UROLOGIA Câncer da Próstata Estados Unidos Siegel R, CA CANCER J CLIN 2014

Leia mais

Efeitos cardiovasculares da privação androgênica no tratamento do câncerde próstata: O quepodemosfazernareduçãodos riscos?

Efeitos cardiovasculares da privação androgênica no tratamento do câncerde próstata: O quepodemosfazernareduçãodos riscos? Efeitos cardiovasculares da privação androgênica no tratamento do câncerde próstata: O quepodemosfazernareduçãodos riscos? Ariane Vieira Scarlatelli Macedo Cardio-oncologia GECO Câncer de Próstata SEER

Leia mais

Leuprorrelina: 7,5mg IM a cada 28 dias ou 22,5 mg IM a cada 12 semanas Ref. (01) Gosserrelina: 10,8 mg SC a cada 12 semanas Ref.

Leuprorrelina: 7,5mg IM a cada 28 dias ou 22,5 mg IM a cada 12 semanas Ref. (01) Gosserrelina: 10,8 mg SC a cada 12 semanas Ref. Câncer de Próstata Flutamida + Leuprorrelina Flutamida: 250mg VO TID Leuprorrelina: 7,5mg IM a cada 28 dias ou 22,5 mg IM a cada 12 semanas Ref. (01) Flutamida + Gosserrelina Flutamida: 250 mg VO TID Gosserrelina:

Leia mais

Wladimir Alfer Jr. Núcleo de Urologia -Centro de Oncologia do Hospital. Israelita Albert Einstein São Paulo

Wladimir Alfer Jr. Núcleo de Urologia -Centro de Oncologia do Hospital. Israelita Albert Einstein São Paulo Wladimir Alfer Jr Núcleo de Urologia -Centro de Oncologia do Hospital Israelita Albert Einstein São Paulo PR Deve ser oferecida pacientes com > 10 anos de expectativa de vida Linfadenenão indicada em

Leia mais

Tratamento quimioterápico de primeira-linha na doença resistente à castração Fábio A. B. Schütz

Tratamento quimioterápico de primeira-linha na doença resistente à castração Fábio A. B. Schütz Tratamento quimioterápico de primeira-linha na doença resistente à castração Fábio A. B. Schütz Hospital São José; São Paulo, SP Introdução Câncer de próstata castração-resistente (CRPC) A maioria dos

Leia mais

Qual o melhor tratamento para o Câncer de Próstata de risco baixo ou intermediário?

Qual o melhor tratamento para o Câncer de Próstata de risco baixo ou intermediário? Qual o melhor tratamento para o Câncer de Próstata de risco baixo ou intermediário? Radioterapia (externa/braquiterapia) Erlon Gil Radioterapia Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo Randomized

Leia mais

QuímioRadioterapia nos tumores de cabeça e pescoço. Guy Pedro Vieira

QuímioRadioterapia nos tumores de cabeça e pescoço. Guy Pedro Vieira diagnóstico: lesões na maioria das vezes, são facilmente: observáveis. avaliadas. palpáveis. biópsiadas. história natural da doença: quase sempre seguem um padrão escalonado bem definido de crescimento:

Leia mais

Metástases ósseas em Câncer de Próstata Há algo além dos bisfosfonatos?

Metástases ósseas em Câncer de Próstata Há algo além dos bisfosfonatos? Metástases ósseas em Câncer de Próstata Há algo além dos bisfosfonatos? Dr. João Paulo Solar Vasconcelos Oncologista Clínico Conflito de Interesses De acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de

Leia mais

- Papel da Quimioterapia Neo e

- Papel da Quimioterapia Neo e Carcinoma Urotelial de Bexiga: Tratamento Sistêmico na Doença Músculo-Invasiva - Papel da Quimioterapia Neo e Adjuvante Igor A. Protzner Morbeck, MD, MSc Prof. Medicina Interna Univ. Católica de Brasília

Leia mais

Radioterapia de SNC no Câncer de Pulmão: Update Robson Ferrigno

Radioterapia de SNC no Câncer de Pulmão: Update Robson Ferrigno Situações especiais Radioterapia de SNC no Câncer de Pulmão: Update 2014 Robson Ferrigno Esta apresentação não tem qualquer Esta apresentação não tem qualquer conflito de interesse Metástases Cerebrais

Leia mais

Da Administração Oral. Ao Efeito Terapêutico

Da Administração Oral. Ao Efeito Terapêutico Medicamento Da Administração Oral Administração Ao Efeito Terapêutico Desintegração Desagregação Dissolução ETAPA BIOFARMACÊUTICA Fármaco em solução Absorção Distribuição Eliminação FARMACOCINÉTICA Fármaco

Leia mais

Câncer de Próstata Metastático: Tratamento e Complicações

Câncer de Próstata Metastático: Tratamento e Complicações Câncer de Próstata Metastático: Tratamento e Complicações Autoria: Aguinaldo C. Nardi Antonio Carlos Lima Pompeo Eliney Ferreira Faria Gustavo Cardoso Guimarães José Ribamar Calixto José Ricardo Tuma da

Leia mais

Radioterapia e SBRT para doença oligometastática. Rodrigo Hanriot Radio-oncologista Hospital Alemão Oswaldo Cruz

Radioterapia e SBRT para doença oligometastática. Rodrigo Hanriot Radio-oncologista Hospital Alemão Oswaldo Cruz Radioterapia e SBRT para doença oligometastática Rodrigo Hanriot Radio-oncologista Hospital Alemão Oswaldo Cruz Ca Cancer J Clin 2016;66(1)7 30 Incidência de câncer por sexo Ca Cancer J Clin 2016;66(1)7

Leia mais

Módulo: Câncer de Próstata Localizado de Risco Baixo e Intermediário

Módulo: Câncer de Próstata Localizado de Risco Baixo e Intermediário Módulo: Câncer de Próstata Localizado de Risco Baixo e Intermediário Caso 1 AAC, 68 anos, masculino Hipertenso, corrida 3x/semana, TR: nódulo não pétreo em base E (volume próstatico 30 cc) 22/10/09: PSA

Leia mais

Os cinco trabalhos mais relevantes dos anos de na área de câncer de pulmão:radioterapia

Os cinco trabalhos mais relevantes dos anos de na área de câncer de pulmão:radioterapia Os cinco trabalhos mais relevantes dos anos de 2009-2011 na área de câncer de pulmão:radioterapia Rodrigo de Morais Hanriot Radioterapeuta HIAE e HAOC Índice Carcinoma de pulmão não pequenas células Carcinoma

Leia mais

Teleterapia Indicações e Resultados na Doença Localizada. Câncer de Próstata. XIII Congresso da Sociedade Brasileira de Radioterapia Rio de Janeiro

Teleterapia Indicações e Resultados na Doença Localizada. Câncer de Próstata. XIII Congresso da Sociedade Brasileira de Radioterapia Rio de Janeiro Teleterapia Indicações e Resultados na Doença Localizada Câncer de Próstata Luiz Gustavo Guimarães de Oliveira Residente/R3 HOSPITAL ARAÚJO JORGE - GOIÂNIA - GO CÂNCER DE PRÓSTATA Radioterapia Cirurgia

Leia mais

Rastreamento do Câncer de Próstata Evidência Atual e Seleção de Pacientes. Há Papel para Marcadores Moleculares e/ou Genômicos?

Rastreamento do Câncer de Próstata Evidência Atual e Seleção de Pacientes. Há Papel para Marcadores Moleculares e/ou Genômicos? Rastreamento do Câncer de Próstata Evidência Atual e Seleção de Pacientes. Há Papel para Marcadores Moleculares e/ou Genômicos? Guilherme Godoy TiSBU SP Professor Assistente Divisão de Uro-Oncologia Scott

Leia mais

O CANCRO DA PRÓSTATA NO IDOSO

O CANCRO DA PRÓSTATA NO IDOSO FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA TRABALHO FINAL DO 6º ANO MÉDICO COM VISTA À ATRIBUIÇÃO DO GRAU DE MESTRE NO ÂMBITO DO CICLO DE ESTUDOS DE MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA CATARINA PINTO

Leia mais

Qual é a sequência ideal da

Qual é a sequência ideal da Qual é a sequência ideal da terapia sistêmica i no mcrpc? Fábio A. B. Schütz Centro Oncológico Antônio Ermírio de Moraes São Paulo, SP Declaração sobre Conflito de Interesses De acordo com a Resolução

Leia mais

O estado da arte da Radioterapia na abordagem de Tumores de Bexiga. Dr. Baltasar Melo Neto R3 - UNIFESP

O estado da arte da Radioterapia na abordagem de Tumores de Bexiga. Dr. Baltasar Melo Neto R3 - UNIFESP O estado da arte da Radioterapia na abordagem de Tumores de Bexiga Dr. Baltasar Melo Neto R3 - UNIFESP Introdução EUA (2014): 6º mais comum 75.000 casos novos; 15.600 mortes. Brasil (2014): 9940 casos

Leia mais

Terapêutica hormonal imediata versus diferida

Terapêutica hormonal imediata versus diferida Carcinoma avançado da próstata Terapêutica hormonal imediata versus diferida Artur Gomes de Oliveira Introdução O carcinoma da próstata (ca. da próstata) é o tumor maligno mais frequente entre os americanos,

Leia mais

Rastreio de cancro do pâncreas em famílias de cancro da mama hereditário: sim ou não?

Rastreio de cancro do pâncreas em famílias de cancro da mama hereditário: sim ou não? Clínica de Risco Familiar Instituto Português de Oncologia de Lisboa Rastreio de cancro do pâncreas em famílias de cancro da mama hereditário: sim ou não? Hugo Nunes 1, Ana Clara 1,2, Ana Luis 1,2, Ana

Leia mais

Qual a melhor sequência de tratamento no câncer da próstata resistente à castração CPRC

Qual a melhor sequência de tratamento no câncer da próstata resistente à castração CPRC Qual a melhor sequência de tratamento no câncer da próstata resistente à castração CPRC Marcus V Sadi Disciplina de Urologia Escola Paulista de Medicina - Unifesp Câncer da próstata resistente à castração

Leia mais

Franciele Kipper e Andrew Silva III Curso de Sinalização Celular no Câncer

Franciele Kipper e Andrew Silva III Curso de Sinalização Celular no Câncer Franciele Kipper e Andrew Silva III Curso de Sinalização Celular no Câncer É possível que um deles correlacione com a resposta clínica? Qual deles mimetiza melhor os efeitos encontrados na clínica? Quanto

Leia mais

reposição de testosterona em pacientes com diagnóstico de CAP?

reposição de testosterona em pacientes com diagnóstico de CAP? Devemos recomendar a reposição de testosterona em pacientes com diagnóstico de CAP? EMINÊNCIAS x EVIDÊNCIAS Eliney Ferreira Faria Hospital de Câncer de Barretos Por que fazer TRT? DAEM / Hipogonadismo

Leia mais

Tratamento da Hiperprolactinemia

Tratamento da Hiperprolactinemia 46º Congresso de Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal Tratamento da Hiperprolactinemia Quando, Como e até Quando? Érica Correia Garcia Érica Correia Garcia Eixo Hipotálamo Hipófise PRL Introdução

Leia mais

CURSO CARCINOMA DA PRÓSTATA O PAPEL DA PET: PET COM COLINA E PET COM PSMA

CURSO CARCINOMA DA PRÓSTATA O PAPEL DA PET: PET COM COLINA E PET COM PSMA CURSO CARCINOMA DA PRÓSTATA O PAPEL DA PET: PET COM COLINA E PET COM PSMA Paula Lapa Serviço de Medicina Nuclear Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra 14 de Novembro de 2015 IMAGEM MOLECULAR Tomografia

Leia mais

Acetato de abiraterona. no tratamento do cancro da próstata

Acetato de abiraterona. no tratamento do cancro da próstata Acetato de abiraterona no tratamento do cancro da próstata Incidência e mortalidade Neoplasia mais frequente no homem, correspondendo a 32% de todas as neoplasias diagnosticadas 3ª causa de morte oncológica:responsável

Leia mais

Prevenção do Cancro do Ovário

Prevenção do Cancro do Ovário Área de Ginecologia/ Obstetrícia Serviço de Ginecologia Director de Área: Dr. Ricardo Mira Journal Club 15 de Maio 2015 Prevenção do Cancro do Ovário Raquel Lopes 7 de Abril de 2015 Cancro do Ovário 5ª

Leia mais

O que é e para que serve a Próstata

O que é e para que serve a Próstata O que é e para que serve a Próstata A próstata é uma glândula que faz parte do aparelho genital masculino. Está localizada abaixo da bexiga, atravessada pela uretra. Seu tamanho e forma correspondem a

Leia mais

Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata

Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata N o 145 Março/2015 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que

Leia mais

Módulo: Câncer de Próstata Metastático

Módulo: Câncer de Próstata Metastático Módulo: Câncer de Próstata Metastático Caso 1 WGB, 57 anos, masculino Paciente sem comorbidades 1997: PSA elevado em exame de rotina (sic) 1997: Prostatectomia: adenocarcinoma de próstata comprometendo

Leia mais

Artigo de Revisão Bibliográfica Mestrado Integrado em Medicina INFLUÊNCIA DOS NÍVEIS DE TESTOSTERONA NO CANCRO DA PRÓSTATA AVANÇADO

Artigo de Revisão Bibliográfica Mestrado Integrado em Medicina INFLUÊNCIA DOS NÍVEIS DE TESTOSTERONA NO CANCRO DA PRÓSTATA AVANÇADO Artigo de Revisão Bibliográfica Mestrado Integrado em Medicina INFLUÊNCIA DOS NÍVEIS DE TESTOSTERONA NO CANCRO DA PRÓSTATA AVANÇADO Tânia Sofia Mendonça Madureira Orientador: Prof. Doutor José Maria Ferreira

Leia mais

RESENHA: Avanços no tratamento do Câncer de Próstata Metastático Resistente à Castração, com base no artigo:

RESENHA: Avanços no tratamento do Câncer de Próstata Metastático Resistente à Castração, com base no artigo: RESENHA: Avanços no tratamento do Câncer de Próstata Metastático Resistente à Castração, com base no artigo: Abiraterone acetate for treatment of metastatic castration-resistant prostate cancer: final

Leia mais

Terapêutica de Reposição Hormonal e Risco Cardiovascular

Terapêutica de Reposição Hormonal e Risco Cardiovascular Uberlândia. Minas Gerais. De 2 a 4 de julho de 2009 Terapêutica de Reposição Hormonal e Risco Cardiovascular Elizabeth Caetano bcaetano@cardiol.br Belém - Pará Terapêutica de Reposição Hormonal e Risco

Leia mais

Atualização em Farmacoterapia 1. Câncer de próstata

Atualização em Farmacoterapia 1. Câncer de próstata Atualização em Farmacoterapia 1 Câncer de próstata Evidências epidemiológicas apresentam os efeitos benéficos das estatinas em reduzir a mortalidade de pacientes com câncer de próstata 1. O tratamento

Leia mais

Câncer de próstata. Câncer de próstata localmente avançado Resultados do tratamento com radioterapia e supressão hormonal.

Câncer de próstata. Câncer de próstata localmente avançado Resultados do tratamento com radioterapia e supressão hormonal. Câncer de próstata Câncer de próstata localmente avançado Resultados do tratamento com radioterapia e supressão hormonal Robson Ferrigno RT + HT Bloqueio hormonal isolado: sem intuito curativo Associado

Leia mais

SUPLEMENTOS DE CÁLCIO

SUPLEMENTOS DE CÁLCIO VI JORNADAS DE ENDOCRINOLOGIA, DIABETES E NUTRIÇÃO DE AVEIRO SUPLEMENTOS DE CÁLCIO BENEFÍCIOS OU RISCO SOFIA TEIXEIRA Assistente Hospitalar de Endocrinologia Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo

Leia mais

O estado da arte da radioterapia em pacientes idosas com tumores de mama iniciais

O estado da arte da radioterapia em pacientes idosas com tumores de mama iniciais XVII CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE RADIOTERAPIA Encontro de Residentes em Radioterapia da SBRT O estado da arte da radioterapia em pacientes idosas com tumores de mama iniciais Arthur Bom Queiroz

Leia mais

Câncer de Bexiga Musculo Invasivo. Guilherme de Almeida Prado Costa Médico Assistente do Serviço de Urologia Hospital Amaral Carvalho Jaú/ São Paulo

Câncer de Bexiga Musculo Invasivo. Guilherme de Almeida Prado Costa Médico Assistente do Serviço de Urologia Hospital Amaral Carvalho Jaú/ São Paulo Câncer de Bexiga Musculo Invasivo Guilherme de Almeida Prado Costa Médico Assistente do Serviço de Urologia Hospital Amaral Carvalho Jaú/ São Paulo Epidemiologia 9º câncer mais comum no mundo Média de

Leia mais

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa XXIII Jornadas ROR-SUL 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa SUDCAN Sobrevivência de Cancro em Países Europeus de Língua Latina Luísa Glória SUDCAN Sobrevivência indicador global de avaliação de qualidade

Leia mais

Indicações e passo-a-passo para realização de SBRT

Indicações e passo-a-passo para realização de SBRT Indicações e passo-a-passo para realização de SBRT Heloisa de Andrade Carvalho heloisa.carvalho@hc.fm.usp.br heloisa.carvalho@hsl.org.br SBRT O que é? Porquê? Para quê? Passo-a-passo SBRT O que é? Stereotactic

Leia mais

TUMOR DO TESTÍCULO E INFERTILIDADE. Rui Amorim Serviço Urologia - CHVN Gaia/Espinho

TUMOR DO TESTÍCULO E INFERTILIDADE. Rui Amorim Serviço Urologia - CHVN Gaia/Espinho Rui Amorim Serviço Urologia - CHVN Gaia/Espinho TUMOR DO TESTÍCULO 10 / 100 000 homens entre os 20 e os 54 anos aumento da incidência nas últimas décadas Neoplasia sólida mais comum nos homens entre os

Leia mais

Gota e pseudo-gota: Ricardo Fuller HCFMUSP H C F MUS P

Gota e pseudo-gota: Ricardo Fuller HCFMUSP H C F MUS P Gota e pseudo-gota: Conduta nos quadros agudos H C UMATOLOG REU OGI A F MUS P Ricardo Fuller HCFMUSP Artropatias microcristalinas Gota Pirofosfato de Cálcio Pseudo gota Fosfato básico de Cálcio - Hidroxiapatita

Leia mais

Manejo da Ascite no Cirrótico

Manejo da Ascite no Cirrótico XVIII WORKSHOP INTERNACIONAL DE HEPATITES VIRAIS DE PERNAMBUCO VII SIMPÓSIO DE TRANSPLANTE HEPÁTICO E HIPERTENSÃO PORTA BRASIL/ INGLATERRA Manejo da Ascite no Cirrótico Gustavo Pereira Serviço de Gastroenterologia

Leia mais

Terapia de Reposição Hormonal e Ca de Próstata

Terapia de Reposição Hormonal e Ca de Próstata Terapia de Reposição Hormonal e Ca de Próstata Archimedes Nardozza Jr Professor Afiliado da Disciplina de Urologia da Escola Paulista de Medicina UNIFESP Presidente da Sociedade Brasileira de Urologia

Leia mais

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático O tratamento de pacientes com câncer de mama metastático

Leia mais

Coração Outono/Inverno: casos clínicos. O que posso fazer pelo meu doente idoso com: Fibrilhação auricular

Coração Outono/Inverno: casos clínicos. O que posso fazer pelo meu doente idoso com: Fibrilhação auricular Coração Outono/Inverno: casos clínicos. O que posso fazer pelo meu doente idoso com: Fibrilhação auricular Homem; 79 anos FRCV: Antecedentes: 1. HTA 1. Úlcera duodenal 2. Diabetes mellitus Medicação habitual:

Leia mais

ESTERÓIDES ANABOLIZANTES: INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS E DOPING

ESTERÓIDES ANABOLIZANTES: INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS E DOPING ESTERÓIDES ANABOLIZANTES: INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS E DOPING USO CLÍNICO (TERAPÊUTICO) 1. Reposição hormonal Hipogonadismo masculino (doença hipofisária ou testicular) Hipossexualidade feminina (após ovariectomia)

Leia mais

Indicações de tratamento paliativo em pacientes oncológicos

Indicações de tratamento paliativo em pacientes oncológicos Indicações de tratamento paliativo em pacientes oncológicos Dra Ana Paula de O Ramos Setor de Cuidados Paliativos Disciplina de Clínica Médica UNIFESP/EPM 2009 O que é câncer??? Definição - câncer É uma

Leia mais

A insulinoterapia ao alcance de todos Curso Prático Televoter

A insulinoterapia ao alcance de todos Curso Prático Televoter 2012 Norte 16 de Novembro 6ª feira A insulinoterapia ao alcance de todos Curso Prático Televoter António Pedro Machado Simões-Pereira Indicações para insulinoterapia na Diabetes tipo 2 Hiperglicémias em

Leia mais

Câncer de Pulmão de Não Pequenas Células

Câncer de Pulmão de Não Pequenas Células Tratamento Sistêmico de Resgate no Câncer de Pulmão de Não Pequenas Células Dr. Marcelo Rocha S. Cruz Oncologia Clínica Hospital São José São Paulo Índice Terapia de Manutenção: Quimioterapia Terapia de

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Jônatas Catunda de Freitas Fortaleza 2010 Lesões raras, acometendo principalmente mandíbula e maxila Quadro clínico

Leia mais

Módulo: Câncer de Rim Metastático

Módulo: Câncer de Rim Metastático Módulo: Câncer de Rim Metastático Caso 1 RKG, 54 anos, masculino Assintomático Hipertensão arterial e Diabetes controlados Lesão observada em USG de rotina Nov/2009: RM de abdômen a seguir... RKG, 54 anos,

Leia mais

DAEM e Terapia de Reposição de Testosterona: mitos e verdades

DAEM e Terapia de Reposição de Testosterona: mitos e verdades DAEM e Terapia de Reposição de Testosterona: mitos e verdades Luiz Otávio Torres Secretário Geral da International Society of Sexual Medicine Diretor de Relações Internacionais da SBU Professor da disciplina

Leia mais

Podemos considerar RT hipofracionada da mama para todas as pacientes como padrão? SIM. Erlon Gil 21/06/13

Podemos considerar RT hipofracionada da mama para todas as pacientes como padrão? SIM. Erlon Gil 21/06/13 Podemos considerar RT hipofracionada da mama para todas as pacientes como padrão? SIM Erlon Gil 21/06/13 RT adjuvante EBCTCG Lancet 2005;366: 2087-2106 Contextualização 20-30% das mulheres não recebem

Leia mais

Atividade dos Inibidores de Checkpoints Imunológicos nas Metástases Cerebrais

Atividade dos Inibidores de Checkpoints Imunológicos nas Metástases Cerebrais II Simpósio Internacional de Imuno-Oncologia Atividade dos Inibidores de Checkpoints Imunológicos nas Metástases Cerebrais Carolina Kawamura Haddad Oncologista Clínica Declaração de conflitos de interesse

Leia mais

CÂNCER DE COLO DE ÚTERO OPERADO RADIOTERAPIA COMPLEMENTAR: INDICAÇÕES E RESULTADOS

CÂNCER DE COLO DE ÚTERO OPERADO RADIOTERAPIA COMPLEMENTAR: INDICAÇÕES E RESULTADOS CÂNCER DE COLO DE ÚTERO OPERADO RADIOTERAPIA COMPLEMENTAR: INDICAÇÕES E RESULTADOS Hospital Erasto Gaertner Serviço de Radioterapia Sílvia Pecoits Câncer de Colo Uterino 500.000 casos novos no mundo com

Leia mais

CARCINOMA DE CÉLULAS RENAIS DESAFIO TERAPÊUTICO

CARCINOMA DE CÉLULAS RENAIS DESAFIO TERAPÊUTICO CARCINOMA DE CÉLULAS RENAIS DESAFIO TERAPÊUTICO Curso de RIM 20 de Setembro de 2014 Gabriela Sousa Identificação Doente Data nascimento: 1949(58 anos à data do diagnóstico) Casada,aviverapenascomomarido

Leia mais

Guidelines da Infecção por Candida. IDSA 2009 vs ESCMID 2012 Joana Estilita Junho 2012

Guidelines da Infecção por Candida. IDSA 2009 vs ESCMID 2012 Joana Estilita Junho 2012 Guidelines da Infecção por Candida IDSA 2009 vs ESCMID 2012 Joana Estilita Junho 2012 Candida Causa mais frequente de infecção fúngica invasiva Candidémia: 4ª causa de septicémia nosocomial Doença dos

Leia mais

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia.

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia. NTRR 158/2014 Solicitante: Juíz: Dra. Solange Maria de Lima Oliveira Juiza da 1ª Vara Cível de Itaúna. Data: 04/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0338.14.006.873-9

Leia mais

Anexo III Resumo das características do medicamento, rotulagem e folheto informativo

Anexo III Resumo das características do medicamento, rotulagem e folheto informativo Anexo III Resumo das características do medicamento, rotulagem e folheto informativo Nota: Estas alterações ao Resumo das Características do Medicamento e ao Folheto Informativo são válidas no momento

Leia mais

DOR PROTOCOLO DO TRATAMENTO CLÍNICO PARA O NEUROLOGISTA. Laura Sousa Castro Peixoto

DOR PROTOCOLO DO TRATAMENTO CLÍNICO PARA O NEUROLOGISTA. Laura Sousa Castro Peixoto DOR PROTOCOLO DO TRATAMENTO CLÍNICO PARA O NEUROLOGISTA Laura Sousa Castro Peixoto DOR Dor é uma sensação ou experiência emocional desagradável, associada com dano tecidual real ou potencial. IASP Tratamento

Leia mais

Classificação. Diuréticos Tiazídicos Hidroclorotiazida Diuréticos de Alça Furosemida Diuréticos Poupadores de Potássio Espironolactona e Amilorida

Classificação. Diuréticos Tiazídicos Hidroclorotiazida Diuréticos de Alça Furosemida Diuréticos Poupadores de Potássio Espironolactona e Amilorida Diuréticos Classificação Diuréticos Tiazídicos Hidroclorotiazida Diuréticos de Alça Furosemida Diuréticos Poupadores de Potássio Espironolactona e Amilorida Diuréticos Tiazídicos Hidroclorotiazida Hidroclorotiazida:

Leia mais

PLANEJAMENTO DE AULA ANUAL 2016 Série: 8º Ano A e B. Matéria (Arte Plástica e Teatro) 1-Feb 2-Feb 3-Feb 4-Feb 5-Feb

PLANEJAMENTO DE AULA ANUAL 2016 Série: 8º Ano A e B. Matéria (Arte Plástica e Teatro) 1-Feb 2-Feb 3-Feb 4-Feb 5-Feb 1-Feb 2-Feb 3-Feb 4-Feb 5-Feb 8-Feb 9-Feb 10-Feb 11-Feb 12-Feb CARNAVAL 15-Feb 16-Feb 17-Feb 18-Feb 19-Feb 22-Feb 23-Feb 24-Feb 25-Feb 26-Feb 29-Feb 1-Mar 2-Mar 3-Mar 4-Mar 7-Mar 8-Mar 9-Mar 10-Mar 11-Mar

Leia mais

RADIOTERAPIA EXTERNA CONFORMACIONAL 3D NO TRATAMENTO DE CARCINOMAS DA NASOFARINGE: EXPERIÊNCIA DE UM SERVIÇO

RADIOTERAPIA EXTERNA CONFORMACIONAL 3D NO TRATAMENTO DE CARCINOMAS DA NASOFARINGE: EXPERIÊNCIA DE UM SERVIÇO RADIOTERAPIA EXTERNA CONFORMACIONAL 3D NO TRATAMENTO DE CARCINOMAS DA NASOFARINGE: EXPERIÊNCIA DE UM SERVIÇO Centro Hospitalar Lisboa Norte Serviço de Radioterapia SUMÁRIO Introdução Objetivos Material

Leia mais

Curso Avançado em Gestão Pré-Hospitalar e Intra-Hospitalar Precoce do Enfarte Agudo de Miocárdio com Supradesnivelamento do Segmento ST

Curso Avançado em Gestão Pré-Hospitalar e Intra-Hospitalar Precoce do Enfarte Agudo de Miocárdio com Supradesnivelamento do Segmento ST Curso Avançado em Gestão Pré-Hospitalar e Intra-Hospitalar Precoce do Enfarte Agudo de Miocárdio com Supradesnivelamento do Segmento ST Perante a suspeita clínica de Síndrome coronária aguda (SCA) é crucial

Leia mais

bicalutamida Accord Farmacêutica Ltda Comprimido revestido 50 mg

bicalutamida Accord Farmacêutica Ltda Comprimido revestido 50 mg bicalutamida Accord Farmacêutica Ltda Comprimido revestido 50 mg Bicalutamida_VP_07.2016 1 I. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO bicalutamida Medicamento Genérico Lei nº. 9.787, de 1999 bicalutamida 50mg APRESENTAÇÃO

Leia mais

XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril ú ç

XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril ú ç XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril 2014 é í é A Diabetes em Portugal Prevalência elevada - 39,2% (20-79 anos) Diabetes ou Pré-Diabetes Aumento de 80% na incidência na última década Uma das principais

Leia mais

Bromocriptina mesilato

Bromocriptina mesilato Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: C 32 H 40 BrN 5 O 5.CH 4 O 3 S Peso molecular: 750.72 DCB/ DCI: 01466 - mesilato de bromocriptina / 3365 CAS: 22260-51-1 INCI: não aplicável Sinonímia:

Leia mais

Anexo III. Alterações às secções relevantes do resumo das características do medicamento e folheto informativo

Anexo III. Alterações às secções relevantes do resumo das características do medicamento e folheto informativo Anexo III Alterações às secções relevantes do resumo das características do medicamento e folheto informativo Nota: Este Resumo das Características do Medicamento, rotulagem e folheto informativo é o resultado

Leia mais

XXII WORSHOP UROLOGIA ONCOLÓGICA Março 2017 Hotel Solverde, Espinho

XXII WORSHOP UROLOGIA ONCOLÓGICA Março 2017 Hotel Solverde, Espinho 09h00 10h00 POSTERS Sexta-Feira,Friday, 10 Março 10h00 10h15 coffee-break ANDROLOGIA - ANDROLOGY 10h15 10h30 Como optimizar a terapêutica médica na disfunção eréctil? How to optimize the medical treatment

Leia mais

Qual a melhor combinação de quimioterapia quando associada à radioterapia para tumores localmente avançados (pulmão)?

Qual a melhor combinação de quimioterapia quando associada à radioterapia para tumores localmente avançados (pulmão)? Qual a melhor combinação de quimioterapia quando associada à radioterapia para tumores localmente avançados (pulmão)? Dr. Ormando Campos Jr. Oncologista Clínico Conflito de Interesses Quimioterapia + Radioterapia.

Leia mais

Terapia anti-her2 em pacientes com CA de mama

Terapia anti-her2 em pacientes com CA de mama Terapia anti-her2 em pacientes com CA de mama metastático HER2+ Ingrid A. Mayer, M.D., M.S.C.I. Professora Assistente Diretora, Pesquisa Clínica Programa de Câncer de Mama Vanderbilt-Ingram Cancer Center

Leia mais

Como eu faço. Aspectos práticos da braquiterapia de próstata com baixa taxa de dose. HSL - Jun/98 a Março/ casos. Paula P. Rodrigues Ferreira

Como eu faço. Aspectos práticos da braquiterapia de próstata com baixa taxa de dose. HSL - Jun/98 a Março/ casos. Paula P. Rodrigues Ferreira Como eu faço Aspectos práticos da braquiterapia de próstata com baixa taxa de dose HSL - Jun/98 a Março/14 985 casos Paula P. Rodrigues Ferreira R3 Hospital Sírio-Libanês paulapratti@hotmail.com Por que

Leia mais

RECIDIVA BIOQUÍMICA PÓS-PR DEFINIÇÃO IMAGEM CONDUTA

RECIDIVA BIOQUÍMICA PÓS-PR DEFINIÇÃO IMAGEM CONDUTA RECIDIVA BIOQUÍMICA PÓS-PR PR DEFINIÇÃO IMAGEM CONDUTA PAULO CESAR VIÉGAS MARTINS HC UFMG / H. MÁRIO PENNA / BIOCOR CONGRESSO MINEIRO DE UROLOGIA TIRADENTES - 2016 DEFINIÇÃO Passado: PSA > 0,4 ng/ml e

Leia mais

Resposta pandémica: serviços de atendimento da gripe LÚCIO MENESES DE ALMEIDA

Resposta pandémica: serviços de atendimento da gripe LÚCIO MENESES DE ALMEIDA www.arscentro.min-saude.pt Resposta pandémica: estratégias de mitigação e serviços de atendimento da gripe LÚCIO MENESES DE ALMEIDA PLANO DE CONTINGÊNCIA DA REGIÃO CENTRO PARA A PANDEMIA DE GRIPE GRUPO

Leia mais

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa XXIII Jornadas ROR-SUL 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa Estudo de Alta Resolução Linfomas Maria Gomes da Silva Objetivos 1. Descrever a epidemiologia dos diferentes tipos de linfomas na região do ROR

Leia mais

DOENÇA DE GRAVES EM IDADE PEDIÁTRICA: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DOS ANTITIROIDEUS

DOENÇA DE GRAVES EM IDADE PEDIÁTRICA: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DOS ANTITIROIDEUS DOENÇA DE GRAVES EM IDADE PEDIÁTRICA: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DOS ANTITIROIDEUS Resultados do Hospital de Braga 1 Serviço de Endocrinologia; 2 Serviço de Pediatria; C.Grupo Endocrinológico Pediátrico, Hospital

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Isto irá permitir a rápida identificação de nova informação de segurança. Pede-se aos profissionais

Leia mais

Porto Alegre/RS

Porto Alegre/RS UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Carlos Isaia Filho LTDA. A Pesquisa Clinica e suas Fases Carlos Isaia Filho Unidade de Pesquisa Clínica CMR Da Molécula ao Mercado. Aproximadamente

Leia mais

Glanulectomia total no Cancro do Pénis Controlo oncológico e qualidade de vida

Glanulectomia total no Cancro do Pénis Controlo oncológico e qualidade de vida Acta Urológica 2008, 25; : 49-53 Artigos Originais 49 Glanulectomia total no Cancro do Pénis Controlo oncológico e qualidade de vida Bruno Graça, Eduardo Carrasquinho, Pedro Bargão, Manuel Ferreira Coelho,

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 107/2013

RESPOSTA RÁPIDA 107/2013 RESPOSTA RÁPIDA 107/2013 SOLICITANTE Emerson de Oliveira Corrêa Juiz de Direito Município de Candeias - MG NÚMERO DO PROCESSO 0120.13.000607-1 DATA 15/06/2013 SOLICITAÇÃO O autor, pessoa de poucos recursos

Leia mais

Doença Localizada. Radioterapia exclusiva em estádios iniciais: quando indicar? Robson Ferrigno

Doença Localizada. Radioterapia exclusiva em estádios iniciais: quando indicar? Robson Ferrigno Doença Localizada Radioterapia exclusiva em estádios iniciais: quando indicar? Robson Ferrigno Esta apresentação não tem qualquer conflito Esta apresentação não tem qualquer conflito de interesse Câncer

Leia mais

R1CM HC UFPR Dra. Elisa D. Gaio Prof. CM HC UFPR Dr. Mauricio Carvalho

R1CM HC UFPR Dra. Elisa D. Gaio Prof. CM HC UFPR Dr. Mauricio Carvalho R1CM HC UFPR Dra. Elisa D. Gaio Prof. CM HC UFPR Dr. Mauricio Carvalho CASO CLÍNICO Homem, 45 anos, com cirrose por HCV foi admitido com queixa de fraqueza e icterícia de início recente. O paciente possuía

Leia mais

Enfa Loriane Konkewicz Comissão de Controle de Infecção Hospital de Clínicas de Porto Alegre

Enfa Loriane Konkewicz Comissão de Controle de Infecção Hospital de Clínicas de Porto Alegre Enfa Loriane Konkewicz POLÍTICA DE HIGIENE DE MÃOS NO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Enfa Loriane Konkewicz EVIDÊNCIAS: HIGIENE X MORTALIDADE Allison E. AJIC. 2008 EVIDÊNCIAS: HIGIENE X MORTALIDADE

Leia mais

10. Congresso Unimed de AUDITORIA EM SAÚDE. Curso Pré-Congresso Oncologia e MBE Bevacizumab no câncer de pulmão NPC

10. Congresso Unimed de AUDITORIA EM SAÚDE. Curso Pré-Congresso Oncologia e MBE Bevacizumab no câncer de pulmão NPC 10. Congresso Unimed de AUDITORIA EM SAÚDE Curso Pré-Congresso Oncologia e MBE Bevacizumab no câncer de pulmão NPC Declaração de Conflitos de interesse Oncologista Clínico sócio de Serviço de Oncologia

Leia mais

Curso Técnico em Zootecnia

Curso Técnico em Zootecnia Curso Técnico em Zootecnia Aula: 01/01 SUB TEMA: INTRODUÇÃO À Professor: Vitor Hugo SUB TEMA: HISTÓRIA DA HÁ MUITO TEMPO MAIS DE 5 MIL ANOS PROCURAM-SE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS COM O OBJETIVO DE CURAR AS MAIS

Leia mais