INTRODUÇÃO À METODOLOGIA GRUPOSER PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO À METODOLOGIA GRUPOSER PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL"

Transcrição

1 INTRODUÇÃO À METODOLOGIA GRUPOSER PARA PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL

2 O que é Clima mesmo? Clima é a percepção coletiva que as pessoas têm da empresa, através da vivência de práticas, políticas, estrutura, processos e sistemas e a conseqüente reação a esta percepção O que é uma Pesquisa de Clima Organizacional? Um instrumento para análise do ambiente interno a partir do levantamento de suas necessidades

3 Cultura Organizacional A cultura é um sistema de crenças (como as coisas funcionam), e valores (o que é importante), compartilhados (vivenciado por todos) e que interagem para produzir (efeitos) nas normas de comportamento características daquela organização (como fazemos as coisas por aqui).

4 Necessidades Expectativas Mercado Clientes Acionistas Sobreviver e Crescer No ambiente Econômico Empresa Resultados Organizacionais Colaboradores Sociedade Organizacionais Contribui para... Stackholders Contribui para... Resultados Pessoais Indivíduo Realizar-se no Ambiente de Trabalho

5 Desempenho = Competências X Motivação Saber fazer é uma questão de conhecimentos, habilidades ou atitudes. Logo, uma questão de Treinamento. Poder fazer é uma questão de ter e poder usar os recursos necessários. Querer fazer é uma questão volitiva que depende do estado de espírito, do ânimo, da satisfação das pessoas quando realizam o seu trabalho. Querer fazer está associado ao clima organizacional

6 Estratégias de avaliação do Clima Organizacional 1.Contato direto dos gestores com os seus subordinados 2.Entrevista de desligamento 3.Entrevistas do Serviço Social com os funcionários 4.Ombudsman 5.Programa de sugestões 6.Sistema de atendimento às queixas e reclamações 7.Reuniões da equipe de Relações Trabalhistas com os funcionários 8.Linha direta com o presidente 9.Café da manhã com presidente/diretores/gerentes 10.Pesquisa de clima organizacional

7 Etapas PESQUISA PLANO AÇÃO Relatório Quantitativos Qualitativos Análise Plano de Ação por Dimensão Recomendações Acompanhamento das Ações Pesquisas Pontuais

8 Questões e Escalas 1) O meu superior discute e permite que eu opine em relação ao meu plano de carreira. Discordo totalmente Concordo totalmente 2) O seu superior permite que você opine em relação ao seu plano de carreira? Em muito baixo grau Em muito alto grau 3) O seu superior permite que você opine em relação ao seu plano de carreira? Nunca Sempre 4) Na sua opinião, seu superior permite que você opine em relação ao seu plano de carreira? Muito raramente Muito frequentemente

9 2ª Etapa: Tabulação e Análise dos Resultados da Pesquisa Pesquisa de Clima Organizacional Na escala de 5 pontos as notas finais serão assim consideradas: Favorável Neutro Desfavorável Sendo somente as notas 4 e 5, para o índice de favorabilidade

10 Indicadores Estatísticos Percentual de Respostas Favoráveis. Corresponde ao número de respostas que expressam opiniões positivas em relação a cada Assunto/Questão pesquisado, comparado com o número total de respostas. Percentual de Respostas Neutras. Corresponde ao número de respostas que expressam opiniões indiferentes em relação a cada Assunto/Questão pesquisado, comparado com o número total de respostas. Percentual de Respostas Desfavoráveis. Corresponde ao número de respostas que expressam opiniões negativas em relação a cada Assunto/Questão pesquisado, comparado com o número total de respostas.

11 3ª Etapa:- Análise Estatística

12 Análise Fatorial Matriz de correlação Avaliar: % da variação explicada e adequabilidade dos resultados P1 P2 P3 P4 P5 P6 P7 P8 P9 P1 1,00 0,38 0,38 0,24 0,37 0,33 0,34 0,27 0,43 P2 0,38 1,00 0,40 0,13 0,59 0,23 0,30 0,27 0,48 P3 0,38 0,40 1,00 0,15 0,42 0,32 0,62 0,32 0,60 P4 0,24 0,13 0,15 1,00 0,16 0,19 0,15 0,16 0,17 P5 0,37 0,59 0,42 0,16 1,00 0,30 0,33 0,38 0,53 P6 0,33 0,23 0,32 0,19 0,30 1,00 0,33 0,28 0,34 P7 0,34 0,30 0,62 0,15 0,33 0,33 1,00 0,29 0,49 P8 0,27 0,27 0,32 0,16 0,38 0,28 0,29 1,00 0,42 P9 0,43 0,48 0,60 0,17 0,53 0,34 0,49 0,42 1,00

13 4ª Etapa: Divulgação dos Resultados da Pesquisa Recomendável que o prazo transcorrido entre a conclusão da tabulação da pesquisa e a divulgação dos resultados seja o menor possível A área de RH deve preparar um relatório geral da pesquisa para entregar à diretoria da empresa Alguns resultados podem ter sua divulgação censurada pela direção da empresa, em função de sua gravidade

14 Divulgação total ou parcial dos resultados da pesquisa para todos os funcionários, explorando todos os canais de comunicação.

15 Divulgação através de Publicação Específica. Quanto mais ilustrada for a comunicação da pesquisa, mais bem entendida ela será. Divulgação através de Jornal Interno É aconselhável publicar uma edição especial do jornal interno, fornecendo flashes dos resultados das principais variáveis pesquisadas Divulgação através da Intranet. Divulgação através de Apresentações.

16 Apresentação para Gerências Uma ou mais apresentações para o corpo gerencial da Empresa, com duração aproximada de 60 minutos, agendada especificamente para esta finalidade. É de bom-tom que a área de RH organize, preliminarmente, uma reunião com os gestores da empresa para anunciar os resultados gerais da pesquisa, antes que eles sejam divulgados para os demais funcionários A área de RH deve reunir-se, separadamente, com cada gerente, para apresentar os resultados específicos de suas gerências

17 Relatórios de Favorabilidade Detalhados

18 10 Questões de maior Favorabilidade Questões 36 Gostaria de trabalhar em outra área da empresa. 19 Meu trabalho requer utilizar minhas habilidades e conhecimentos. 37 Meu superior imediato se preocupa em saber se está realizando as atividades dentro dos padrões necessários. 66 Se eu recebesse 10% a mais de salário eu deixaria de trabalhar na Empresa. 48 Estou satisfeito com os serviços que me são prestados pelo Recursos Humanos. 51 O progresso profissional dos funcionários se dá com base no mérito de cada um deles. 12 Eu indicaria minha empresa para um amigo trabalhar. 45 Meu superior imediato manisfesta-se positivamente quando demonstro um desempenho acima do esperado. 62 Os problemas existentes do setor são tratados por toda a equipe. 25 Na área, as pessoas de esforçam para desenvolver um trabalho de qualidade.

19 10 Questões de menor Favorabilidade Questões Meu superior imediato demonstra preocupação evidente em procurar os melhores caminhos para atingirmos nossos indicadores. 24 A comunicação verbal usada por quem nos fala é bem compreendida por todos de nossa área. 55 Tenho a oportunidade de propor sugestões para melhorar nossa atuação perante as demais equipes. 26 Estou informado dos objetivos da minha equipe. 23 O ambiente que há em meu grupo é satisfatório. 27 Tenho as ferramentas e meios necessários para fazer meu trabalho adequadamente. 60 O treinamento que recebo me capacita a fazer bem o meu trabalho. 61 A empresa demonstra reconhecimento pelo bom trabalho e esforço extra Os treinamentos que a empresa costuma oferecer atendem às necessidades prioritárias do meu setor. Existe uma preocupação da empresa em oferecer condições ergonômicas adequadas para o cuidado de nossa saúde.

20 Relatórios Fatoriais Detalhados

21 5ª ETAPA:- APROFUNDAMENTO DAS CAUSAS DOS PROBLEMAS DIAGNOSTICADOS E COLETA DE SUGESTÕES Importante lembrar que as mesmas respostas a determinadas questões, em áreas diferentes, podem ter - causas também diferentes e, portanto, - sugerir ações distintas Importante que os colaboradores também participem na identificação de sugestões para eliminar ou atenuar essas causas

22 6ª ETAPA:- ANÁLISE DE VIABILIDADE DAS ALTERNATIVAS Nem todos os pontos fracos apontados devem ou podem estar contemplados com ações: Alguns pontos fracos apresentam causas de origem externa Podem apresentar restrições de ordem legal Há casos de problemas cuja solução é extremamente onerosa Há situações cuja solução requer providências anteriores

23 7ª ETAPA:- DEFININDO O PLANO DE AÇÃO Uma empresa poderá definir que considera critico qualquer resultado que apresente menos de 40% de satisfação Plano de Melhoria do Clima Organizacional deve contemplar e diferenciar claramente ações que são de âmbito geral ou corporativo e ações de âmbito específico ou local.

24 Para Fazermos o Plano de Ação Precisamos trabalhar: Pessoas Sistemas Estrutura Resposta de curto prazo Resposta de médio prazo Resposta de longo prazo

25 Como vamos Priorizar?

26 Impacto x Favorabilidade

27 Plano de Ação Recomenda-se que se criem equipes responsáveis pela implantação dos planos de ação Elas devem ter uma planilha guia para tornar efetivos seus esforços, e deixar claras as responsabilidades.

28 Equipes de Implantação do Plano de Ação Objeto da Ação Abrangência Patrocinador Resultados Esperados Metodologia de Trabalho Cronogramas Previsão de Recursos Equipe Impacto no Clima

29 Exemplo de Planilha de Acompanhamento das Equipes de Plano de Ação Objeto da Ação Percepção de desadequação do sistema de progressão salarial. Abrangência Áreas que serão alcançadas diretamente pela ação projetada. Patrocinador Diretor / Gerente de alto nível comprometido com o processo da empreitada. 1. Adequação do sistema de progressão salarial; Resultados Esperados 2. Melhoria de 100% dos níveis de satisfação com o sistema ( atual 29,5% meta 60%) 1. Análise das sugestões recebidas; Metodologia de Trabalho 2. Solicitação de 3 propostas de trabalho para processo de adequação; 3. Análise das propostas e apresentação de alternativas para o patrocinador; 4. Aprovação do plano de ação.

30 Exemplo de Planilha de Acompanhamento das Equipes de Plano de Ação 1. Da elaboração do plano; Cronogramas 2. Da aprovação do plano; 3. Da comunicação da implementação; 4. Da implementação. 1. Coeficiente D=I/F; Previsão de Recursos 2. Provisão de recursos para elaboração do plano; 3. Provisão de recursos para implementação do plano. 1. Componentes da equipe; Equipe 2. Justificativa; 3. Responsabilidades individuais. Impacto no Clima 1. Posicionamento de D= I/F ; 2. Rapidez de implantação.

31 8ª ETAPA REAVALIAÇÃO DO CLIMA ORGANIZACIONAL Objetivo:- Tornar contínuo o processo de Gerenciamento do Clima Condições Normais: Recomenda-se aplicar as Pesquisas de Clima Organizacional a cada ano admitindo que haja tempo para se implementar boa parte dos planos de ação - Salvo se os resultados da primeira pesquisa mostrarem uma situação muito desfavorável quando deve-se tomar atitudes emergenciais, e logo avaliar sua repercussão através de pesquisas pontuais.

32 IMPLANTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DAS AÇÕES - Avaliações constantes da execução do Plano de Melhoria - Medidas corretivas

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL I. INTRODUÇÃO: O Risco Operacional pode ser entendido como a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falhas, deficiência ou inadequação de processos

Leia mais

Desenvolvimento Organizacional. Cultura e Clima Organizacional

Desenvolvimento Organizacional. Cultura e Clima Organizacional Cultura e Clima Organizacional Atualizado em 01/03/2016 OBJETIVO: Compreender as implicações das novas configurações e alternativas que permeiam o trabalho no mundo contemporâneo; Compreender e analisar

Leia mais

Pesquisa de Satisfação. Uso Estratégico na Entidade

Pesquisa de Satisfação. Uso Estratégico na Entidade Pesquisa de Satisfação Uso Estratégico na Entidade RESPOSTAS São cruciais para o crescimento e sustentabilidade de qualquer negócio. Como saber o que quer e o que pensa o Participante? Como saber se está

Leia mais

Integrando Gestão de Pessoas à Gestão de Negócios

Integrando Gestão de Pessoas à Gestão de Negócios Nossa história Integrando Gestão de Pessoas 31 anos de existência Atua em 07 Estados + Distrito Federal 3355 colaboradores diretos Matriz RAO e 15 filiais 140 unidades de negócios 1300 colaboradores indiretos

Leia mais

Clima Organizacional

Clima Organizacional slide 1 Clima Organizacional Maria Cristina Bohnenberger cristin@feevale.br Conceitos de Clima organizacional É a qualidade ou propriedade do ambiente organizacional que é percebida ou experimentada pelos

Leia mais

Pesquisa de Clima Organizacional

Pesquisa de Clima Organizacional Pesquisa de Clima Organizacional Não é necessário imprimir este documento. O objetivo é apenas para você tomar conhecimento do conteúdo de pesquisa, poder refletir e estimar o tempo de resposta antes de

Leia mais

Pesquisa de Clima Organizacional

Pesquisa de Clima Organizacional Pesquisa de Clima Organizacional As pessoas representam alto investimento para as organizações. É evidente que o sucesso de um empreendimento não depende somente da competência dos gestores em reconhecer

Leia mais

Responsabilidade da Direção

Responsabilidade da Direção 5 Responsabilidade da Direção A gestão da qualidade na realização do produto depende da liderança da alta direção para o estabelecimento de uma cultura da qualidade, provisão de recursos e análise crítica

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

Business Case (Caso de Negócio)

Business Case (Caso de Negócio) Terceiro Módulo: Parte 5 Business Case (Caso de Negócio) AN V 3.0 [54] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com 1 Business Case: Duas

Leia mais

Gestão de Pessoas para

Gestão de Pessoas para III SEMINÁRIO DE GESTÃO DE PESSOAS: O DESAFIO DE LIDERAR E MOTIVAR EQUIPES DE SUCESSO Gestão de Pessoas para Resultados Luciano Lima 30/05/2012 MOTIVAÇÃO = MOTIVO PARA... As pessoas podem ter motivos diferentes

Leia mais

Edital APS Santa Marcelina Curso Terapia Familiar Promoção: APS Santa Marcelina

Edital APS Santa Marcelina Curso Terapia Familiar Promoção: APS Santa Marcelina Descrição do curso: Edital APS Santa Marcelina Curso Terapia Familiar Promoção: APS Santa Marcelina Objetivo do curso contribuir para a criação de um conhecimento comum do trabalho focado em relações e

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2015

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2015 PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2015 COOPERATIVA GERAL Quantidade de colaboradores: 1146 Quantidade de Respondentes: 835 Percentual de participação: 73% Dr. João Damasceno Porto Diretor Administrativo

Leia mais

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Certificate in Business and People Management - CBPM. Nome completo

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Certificate in Business and People Management - CBPM. Nome completo Certificate in Business and People Management - CBPM Nome completo PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE EQUIPE: TÍTULO DO PROJETO São Paulo 2016 Nome do Autor(a) PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE EQUIPE: TÍTULO DO PROJETO

Leia mais

Clientes fidelizados e satisfeitos

Clientes fidelizados e satisfeitos GESTÃO DE PESSOAS NAS EMPRESAS CONTÁBEIS Uma abordagem prática O QUE TODO EMPRESÁRIO SONHA... Pessoas qualificadas, motivadas e produtivas Baixa rotatividade Clientes fidelizados e satisfeitos PLANEJAMENTO

Leia mais

Unidade IV. Avaliação de Desempenho. Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli

Unidade IV. Avaliação de Desempenho. Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli Unidade IV Avaliação de Desempenho Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli A implantação do planejamento para a avaliação Estudo do processo de trabalho Aperfeiçoamento dos quadros gerenciais (conhecimentos,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Matriz Curricular do Curso Superior de Tecnologia em

Leia mais

Apresentação Processo Seletivo

Apresentação Processo Seletivo Apresentação A SofTeam Empresa Júnior de Computação, uma organização constituída e gerida pelos alunos do Departamento de Computação da Universidade Federal de Sergipe, tem a enorme satisfação de anunciar

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE CRÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

RELATÓRIO DE ANÁLISE CRÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA 1/ 22 LOCAL: Sala de Reunião Presidência HORÁRIO: 14:00 H Assuntos tratados: 1. Resultados das auditorias internas e das avaliações do atendimento aos requisitos legais e outros subscritos pela organização

Leia mais

Planejamento e Controle de Projetos 5 TADS FSR. Prof. Esp. André Luís Belini

Planejamento e Controle de Projetos 5 TADS FSR. Prof. Esp. André Luís Belini Planejamento e Controle de Projetos 5 TADS FSR Prof. Esp. André Luís Belini Seja a mudança que você quer ver no mundo Mahatma Ghandi 2 Principais variáveis de um projeto 3 Características e benefícios

Leia mais

BSC. deve contar a história da estratégia, começando. relacionando-se depois à seqüência de ações que precisam ser tomadas em relação aos

BSC. deve contar a história da estratégia, começando. relacionando-se depois à seqüência de ações que precisam ser tomadas em relação aos BSC Para KAPLAN & NORTON (1997), o Scorecard deve contar a história da estratégia, começando pelos objetivos financeiros a longo prazo e relacionando-se depois à seqüência de ações que precisam ser tomadas

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Doutor em Engenharia de Computação Poli USP Mestre em Ciência da Informação PUCCAMP

BALANCED SCORECARD. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Doutor em Engenharia de Computação Poli USP Mestre em Ciência da Informação PUCCAMP BALANCED SCORECARD Prof. Dr. Adilson de Oliveira Doutor em Engenharia de Computação Poli USP Mestre em Ciência da Informação PUCCAMP Gestão Estratégica e BSC Balanced Scoredcard GESTÃO ESTRATÉGICA GESTÃO

Leia mais

RELATÓRIO GERAL PESQUISA SAPES SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO DOS EGRESSOS DO

RELATÓRIO GERAL PESQUISA SAPES SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO DOS EGRESSOS DO RELATÓRIO GERAL PESQUISA SAPES SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO DOS EGRESSOS DO SENAI - 1ª ETAPA Alunos Concluintes 2009 Faculdade de Tecnologia Senai Ítalo Bologna SENAI Departamento Regional de Goiás Avaliação

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho UNIMED CAMPINA GRANDE. Registro funcional: Diretoria / Gerencia: Data da Avaliação:

Formulário de Avaliação de Desempenho UNIMED CAMPINA GRANDE. Registro funcional: Diretoria / Gerencia: Data da Avaliação: Formulário de Avaliação de Desempenho UNIMED CAMPINA GRANDE Nota Final: Para uso do RH Nome do Avaliado: Cargo: Registro funcional: Diretoria / Gerencia: Data da Avaliação: Nome do Avaliador: Cargo: ASSIDUIDADE

Leia mais

Plano de Cargos, Carreiras e Salários CONTROLE DE REVISÕES

Plano de Cargos, Carreiras e Salários CONTROLE DE REVISÕES Plano de Cargos, Carreiras e Salários Abril de 2013 CONTROLE DE REVISÕES Versão Data Responsável Descrição 0 15/04/2013 Tríade RH Desenvolvimento e Implantação do Plano 1 26/06/2013 Tríade RH Revisão do

Leia mais

Relatório Semestral de Ouvidoria 1º. semestre de 2016

Relatório Semestral de Ouvidoria 1º. semestre de 2016 - 1 - RELATÓRIO SEMESTRAL DE OUVIDORIA 1º. semestre de 2016. - 2 - APRESENTAÇÃO Este Relatório, desenvolvido em atendimento à Resolução nº 4.433 do Banco Central do Brasil, tem o objetivo de tornar mais

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Clima Organizacional Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Clima Organizacional Funcionário Feliz = Lucro maior Mais qualidade de vida no

Leia mais

Capítulo 8 Avaliação e Gerenciamento do Desempenho

Capítulo 8 Avaliação e Gerenciamento do Desempenho Capítulo 8 Avaliação e Gerenciamento do Desempenho slide 1 Objetivos de aprendizagem 1. Explicar o propósito da avaliação de desempenho. 2. Responder à pergunta: Quem deve fazer a avaliação?. 3. Discutir

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada de Consultoria para Planejamento da Estrutura Funcional e Organizacional

Leia mais

Gestão de Desempenho: a experiência do Grupo Águas do Brasil

Gestão de Desempenho: a experiência do Grupo Águas do Brasil Gestão de Desempenho: a experiência do Grupo Águas do Brasil Agenda Objetivos da G. Desempenho Conceitos estruturantes O Modelo concebido para o grupo Águas do Brasil Relato da Experiência e dos Resultados

Leia mais

Profa. Cláudia Palladino. Unidade IV SUPRIMENTO DE MÃO DE OBRA

Profa. Cláudia Palladino. Unidade IV SUPRIMENTO DE MÃO DE OBRA Profa. Cláudia Palladino Unidade IV SUPRIMENTO DE MÃO DE OBRA Seleção, admissão e avaliação Nesta unidade vamos estudar: Seleção por competências; Processo Admissional; Avaliação do processo de recrutamento

Leia mais

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Prof. Saravalli OBJETIVOS 08/03/2016

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Prof. Saravalli OBJETIVOS 08/03/2016 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Prof. Saravalli ademir_saravalli@yahoo.com.br O comportamento organizacional é um campo de estudos que investiga o impacto que indivíduos, grupos e a estrutura têm sobre o

Leia mais

Análise da Pesquisa de Satisfação dos Clientes ano base 2014

Análise da Pesquisa de Satisfação dos Clientes ano base 2014 Análise da Pesquisa de Satisfação dos Clientes ano base 2014 Pesquisa de Satisfação dos Clientes - 2014 Pontos fortes do escritório apontados pelos clientes Pesquisa de Satisfação dos Clientes - 2014 Pontos

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CST EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Missão A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Universidade Estácio de Sá consiste em formar profissionais

Leia mais

Objetivos. Pilares de Engajamento Seguros Unimed

Objetivos. Pilares de Engajamento Seguros Unimed Pilares de Engajamento Seguros Unimed Objetivos Cuidar de pessoas é o valor mais importante da Seguros Unimed e isso começa dentro de casa. Gestão de Pessoas é um dos pilares estratégicos da Seguradora,

Leia mais

AULA 13 GESTÃO DE PESSOAS III PROF. PROCÓPIO

AULA 13 GESTÃO DE PESSOAS III PROF. PROCÓPIO AULA 13 GESTÃO DE PESSOAS III PROF. PROCÓPIO ETEC SÃO MATEUS - 13-05-2016 Não fique sem o conteúdo, acesse: www.professorprocopio.com OTreinamento É um processo que promove a aquisição de habilidades,

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação PROPOSTA DE QUALIFICAÇÃO DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO BRASIL Brasília, Junho/2004

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS Informação Pública 13/5/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 PRINCÍPIOS... 3 4 REFERÊNCIAS... 4 5 CONCEITOS... 4 6 PRERROGATIVAS... 4 7 DIRETRIZES... 5 8 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para identificação de não-conformidades, assim como a implantação de ação corretiva e ação preventiva, a fim de eliminar as causas das não-conformidades

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde DESENVOLVIMENTO DA GESTÃO DO TRABALHO E SAÚDE DO TRABALHADOR DA SAÚDE Adryanna Saulnier Bacelar Moreira Márcia Cuenca

Leia mais

SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR. Renato Marchetti,, Dr.

SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR. Renato Marchetti,, Dr. SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR Renato Marchetti,, Dr. 1 Modelos de Avaliação da Satisfação do Consumidor 2 Modelos de Avaliação Medidas Subjetivas Baseados no Paradigma da Desconformidade Exemplo: Escala SERVQUAL

Leia mais

Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.) Este é o capítulo 13 do PMBoK e é uma área muito importante para o PMI, pois antes de levar em consideração o cumprimento dos prazos, orçamento e qualidade,

Leia mais

Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto. Introdução. Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco.

Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto. Introdução. Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco. Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto 1 Introdução Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco. 2 Introdução 3 Introdução 4 Introdução 5 Introdução O projeto se inicia com a definição de quais objetivos

Leia mais

Processo e Agentes da Gestão da Qualidade

Processo e Agentes da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Processo e Agentes da Gestão da Qualidade Fernanda Villar Corrêa Vídeos - Empresa como Sistema - Gestão da Qualidade como Subsistema - Envolvem métodos de produção, avaliação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS Atualizado em 27/10/2015 CONCEITOS BÁSICOS Administração, em seu conceito tradicional, é definida como um conjunto de atividades, princípios, regras, normas que têm

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO UNIVERSITÁRIO BARREIRO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO UNIVERSITÁRIO BARREIRO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO UNIVERSITÁRIO BARREIRO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS: Estruturação e proposta de implantação de uma metodologia

Leia mais

PERFIL DO DIRETOR ESCOLAR. Realização: Ibope

PERFIL DO DIRETOR ESCOLAR. Realização: Ibope PERFIL DO DIRETOR ESCOLAR Realização: Ibope A Fundação Victor Civita, que tem por missão contribuir para a melhoria da qualidade da Educação Básica no Brasil, produzindo publicações, sites, material pedagógico,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE SOFTWARE. Rosana Braga ICMC/USP

GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE SOFTWARE. Rosana Braga ICMC/USP GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE SOFTWARE Rosana Braga ICMC/USP Processo de Software DEFINIÇÃO CONSTRUÇÃO PRODUTO DE SOFTWARE MANUTENÇÃO Análise Planejamento Eng. Requisitos Projeto Codificação Teste Entendimento

Leia mais

processo contínuo, dinâmico;

processo contínuo, dinâmico; Avaliação de Desempenho/Performance é a avaliação do desempenho atual ou passado do funcionário em relação a padrões de desempenho. O Processo envolve: a) Estabelecer padrões de desempenho; b) Avaliar

Leia mais

Gestão de Pessoas Natura

Gestão de Pessoas Natura Seminário Internacional Em Busca da Excelência 2004 Gestão de Pessoas Natura Flavio Pesiguelo Natura 24/03/2004 Natura Maior empresa brasileira de cosméticos Nascida em 1969 Países em que atua: Brasil,

Leia mais

OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Identificar 80% do quadro de pessoal técnico-administrativo da UERJ em 6 meses.

OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Identificar 80% do quadro de pessoal técnico-administrativo da UERJ em 6 meses. SRH - SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS MISSÃO DA UNIDADE: Promover as políticas de recursos humanos contribuindo para o funcionamento e aprimoramento das atividades desenvolvidas pela Universidade.

Leia mais

Índice METODOLOGIA DA PESQUISA... 2 UTILIZANDO OS DADOS DA PESQUISA... 4 COMPONDO A ESTRATIFICAÇÃO PARA CARGOS COM COMPLEXIDADE NÍVEL TÉCNICO...

Índice METODOLOGIA DA PESQUISA... 2 UTILIZANDO OS DADOS DA PESQUISA... 4 COMPONDO A ESTRATIFICAÇÃO PARA CARGOS COM COMPLEXIDADE NÍVEL TÉCNICO... Índice METODOLOGIA DA PESQUISA... 2 UTILIZANDO OS DADOS DA PESQUISA... 4 COMPONDO A ESTRATIFICAÇÃO PARA CARGOS COM COMPLEXIDADE NÍVEL TÉCNICO... 5 METODOLOGIA DA PESQUISA A pesquisa salarial é um instrumento

Leia mais

Além disso, saber onde seus funcionários precisam melhorar vai ajudar e muito na criação de planos de desenvolvimento.

Além disso, saber onde seus funcionários precisam melhorar vai ajudar e muito na criação de planos de desenvolvimento. Este conteúdo faz parte da série: Avaliação de Desempenho Ver 3 posts dessa série O que é Quando o assunto é gestão de pessoas um dos tópicos mais importantes e falados é a avaliação de desempenho. Esse

Leia mais

Política de Recrutamento e Seleção. Estabelecer critérios para o recrutamento e seleção de profissionais para a empresa.

Política de Recrutamento e Seleção. Estabelecer critérios para o recrutamento e seleção de profissionais para a empresa. Política de Recrutamento e Seleção 1. OBJETIVO: Estabelecer critérios para o recrutamento e seleção de profissionais para a empresa. 2. ABRANGÊNCIA: Abrange todas as contratações de profissionais da empresa.

Leia mais

OBJETIVO PÚBLICO-ALVO PROGRAMA

OBJETIVO PÚBLICO-ALVO PROGRAMA Curso de Auditoria Interna, Controle Interno e Gestão de Riscos carga-horária: 16 horas OBJETIVO Fornecer aos participantes o conhecimento básico e bases técnicas e práticas fundamentais para que possam

Leia mais

Six Sigma / Lean Six Sigma

Six Sigma / Lean Six Sigma Six Sigma / Lean Six Sigma Six Sigma / Lean Six Sigma Yellow Belt Six Sigma / Lean Six Sigma Green Belt Six Sigma / Lean Six Sigma Black Belt Six Sigma / Lean Six Sigma Master Black Belt 1 Qualificações

Leia mais

RECURSOS HUMANOS POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

RECURSOS HUMANOS POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Jan.205. OBJETIVO Este documento tem como objetivo definir conceitos, critérios e responsabilidades para os seguintes Programas de Desenvolvimento da Ipsos: Treinamentos Técnicos, Treinamentos Comportamentais,

Leia mais

P-58 T&D E O ALINHAMENTO DE DISCURSOS E PRÁTICAS GUSTAVO G. BOOG E MARCELO BOOG

P-58 T&D E O ALINHAMENTO DE DISCURSOS E PRÁTICAS GUSTAVO G. BOOG E MARCELO BOOG P-58 T&D E O ALINHAMENTO DE DISCURSOS E PRÁTICAS GUSTAVO G. BOOG E MARCELO BOOG www.boog.com.br Estejam prontos, vamos ficar em pé, já vamos começar Fonte: Primeast e Autodescoberta Divertida 2 Diga seu

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI 1.1. A PREVI, para o cumprimento adequado de sua missão administrar planos de benefícios, com gerenciamento eficaz dos recursos aportados, buscando melhores soluções para assegurar os benefícios previdenciários,

Leia mais

Nesse artigo falaremos sobre:

Nesse artigo falaremos sobre: Este conteúdo faz parte da série: Consultores Ver 5 posts dessa série Nesse artigo falaremos sobre: O mundo da consultoria em Recursos Humanos 1. Planilha de Avaliação de Desempenho (por Competências)

Leia mais

Treinamento e Desenvolvimento

Treinamento e Desenvolvimento Aula 8 Treinamento e Desenvolvimento Agenda 1 2 Seminário T&D e Estratégia de RH 3 4 Treinamento & Desenvolvimento Desenvolvimento de Lideranças 1 Seminário 3 The Young and the Clueless Bunker, K. A.;

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL Informação Pública 13/5/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES... 7 7 INFORMAÇÕES DE CONTROLE... 10 13/5/2016 Informação

Leia mais

Planejamento estratégico. de pessoas

Planejamento estratégico. de pessoas Planejamento estratégico de pessoas PLANEJAMENTO ORGANIZACIONAL X PLANEJAMENTO DE RH O QUE É GESTÃO POR RESULTADOS? A cada nível hierárquico, o líder reúne-se com os líderes que lhe são imediatamente subordinados

Leia mais

e-book 6 PASSOS PARA IMPLANTAR GESTÃO POR RESULTADOS E COMPROMETER SUA EQUIPE www.smartleader.com.br

e-book 6 PASSOS PARA IMPLANTAR GESTÃO POR RESULTADOS E COMPROMETER SUA EQUIPE www.smartleader.com.br e-book ÍNDICE SEU CONTEÚDO PRIMEIRO PASSO SENSIBILIZAR As principais técnicas para sensibilizar sua equipe 03 SEGUNDO PASSO CRIAR OBJETIVOS A importância de definir objetivos para a empresa 06 TERCEIRO

Leia mais

Procedimento Geral. Denominação: Procedimento Geral de Comunicação Interna e Externa. Emissão: 29/10/2014 Revisão : 14/11/2016.

Procedimento Geral. Denominação: Procedimento Geral de Comunicação Interna e Externa. Emissão: 29/10/2014 Revisão : 14/11/2016. Denominação: Procedimento de Comunicação Interna e Externa Dono do Processo: Tipo do Doc. Emissão: 29/10/2014 Revisão : 14/11/2016 Empresa Área Numero Rev: 01 Controle de alterações Revisão Data Local

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL PRSA 2ª 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 3.1 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 2 3.1.1 DIRETOR RESPONSÁVEL - RESOLUÇÃO 4.327/14... 2 3.1.2 COORDENADOR ESPONSÁVEL PRSA

Leia mais

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Marcelo De Nardi Porto Alegre, 04 de julho de 2011. CONTEXTUALIZAÇÃO Poder Judiciário no Contexto da Gestão Pública Nacional Processos

Leia mais

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A Junho /2010 PI.034.00000001 Rev. A SUMÁRIO 1. SUSTENTABILIDADE : ESSÊNCIA DA CAB AMBIENTAL 2. MISSÃO 3.VISÃO 4. OBEJTIVO 5. SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA 6. COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO CHAVES PARA O SUCESSO

Leia mais

Processos Organizacionais, Operacionais e Motivacionais

Processos Organizacionais, Operacionais e Motivacionais Processos Organizacionais, Operacionais e Motivacionais CURSO: Gestão de Pessoas nas Organizações UNIDADE: Marte PROF.: Hélio Senna TÓPICOS: Retenção de Potenciais - Remuneração - Benefícios Auditoria

Leia mais

GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO PROF. BARBARA TALAMINI VILLAS BÔAS

GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO PROF. BARBARA TALAMINI VILLAS BÔAS GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO PROF. BARBARA TALAMINI VILLAS BÔAS 9 ÁREAS DE CONHECIMENTO DE GP / PMBOK / PMI DEFINIÇÃO O Gerenciamento de Integração do Projeto envolve os processos necessários para assegurar

Leia mais

Gestão Negócios OBJETIVO NESTA AULA. Gestão eficaz - Aula 18

Gestão Negócios OBJETIVO NESTA AULA. Gestão eficaz - Aula 18 eficaz - Aula 18 Utilizar os diferentes conhecimentos adquiridos até aqui em de para planejar e implantar um modelo de gestão eficaz. OBJETIVO NESTA AULA Conhecimento científico A universidade que queremos

Leia mais

Soluções para Estruturação de Plano de Cargos

Soluções para Estruturação de Plano de Cargos Towers Watson Soluções para Estruturação de Plano de Cargos Global Grading System (GGS) e Mapas de Carreira A abordagem para estruturação de plano de cargos da Towers Watson ajuda as organizações a gerenciar

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO Capítulo I - Objeto Art. 1º O presente Regimento Interno disciplina o funcionamento do Comitê de Remuneração, observadas as disposições do Estatuto Social, as

Leia mais

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 029

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 029 1/ 5 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão geral do documento Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável Rubrica Diretoria de Engenharia

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROFISSIONAIS FAEPU

ORIENTAÇÕES PARA O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROFISSIONAIS FAEPU 0 ORIENTAÇÕES PARA O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROFISSIONAIS FAEPU APRESENTAÇÃO Este manual busca orientar os funcionários do quadro da FAEPU sobre a Avaliação de Desempenho que será realizada.

Leia mais

Ofício nº 003/2003 DGP Cáceres-MT., 31 de janeiro de Prezada Superintendente

Ofício nº 003/2003 DGP Cáceres-MT., 31 de janeiro de Prezada Superintendente Ofício nº 003/2003 DGP Cáceres-MT., 31 de janeiro de 2003. Prezada Superintendente Em atenção ao ofício circ. N 003/ESP/SAD, datado de 24 de janeiro do presente ano, estamos enviando em anexo, as necessidades

Leia mais

.:. Aula 6.:. Levantamento de Necessidades de Treinamento. Profª Daniela Cartoni

.:. Aula 6.:. Levantamento de Necessidades de Treinamento. Profª Daniela Cartoni .:. Aula 6.:. Levantamento de Necessidades de Treinamento Profª Daniela Cartoni daniela_cartoni@yahoo.com.br T,D&D Antes: somente conceito de treinamento Hoje: ampliação para desenvolvimento e educação

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Novembro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Finalizar o conteúdo da Disciplina Governança de

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso n.º 206 aprovado pela portaria Cetec nº 733 de 10/09/2015 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Atualizado em 22/10/2015 GESTÃO POR COMPETÊNCIAS As competências não são estáticas, tendo em vista a necessidade de adquirir agregar novas competências individuais

Leia mais

Resultados da Pesquisa de Clima Organizacional 2010

Resultados da Pesquisa de Clima Organizacional 2010 Resultados da Pesquisa de Clima Organizacional 2010 População e amostra da pesquisa 350 300 População Amostra 294 250 219 200 150 100 50 75 52 100 152 0 Técnicoadministrativos (69%) Docentes (46%) Geral

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos MBA em EXCELÊNCIA EM GESTÃO DE PROJETOS E PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Gerenciamento de s Planejamento e Gestão de s Prof. Msc. Maria C Lage Prof. Newman Serrano, PMP Gerenciamento de Recursos Humanos Introdução

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO EMPREENDER Nº 002/2013

EDITAL PROCESSO SELETIVO EMPREENDER Nº 002/2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAMPUS VARGINHA EMPREENDER JÚNIOR EMPRESA JÚNIOR DO BACHARELADO INTERDISCIPLINAR EM CIÊNCIA E ECONOMIA Av. Celina Ferreira Ottoni, 4000, Padre Vítor - Varginha EDITAL PROCESSO

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE: O ANO TODO E AGORA EM ESPECIAL NO FINAL DO ANO LETIVO

CONSELHO DE CLASSE: O ANO TODO E AGORA EM ESPECIAL NO FINAL DO ANO LETIVO TEXTO 2 http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/2310-6.pdf acesso em http://pt.wikipedia.org/wiki/conselho_de_classe 09 de outubro de 2014 CONSELHO DE CLASSE: O ANO TODO E AGORA EM ESPECIAL

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso n.º 206 aprovado pela portaria Cetec nº 733 de 10/09/2015 Etec PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS APROVADO EM RCA DE 27/07/2016 CAPÍTULO I DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS Art. 1º. O Comitê de Gestão de Pessoas ( Comitê ) é um órgão não estatutário, subordinado

Leia mais

Planejamento Estratégico Aula 1

Planejamento Estratégico Aula 1 ORGANIZAÇÃO Estratégico Aula 1 Prof. Dr. James Luiz Venturi Administração UNIFEBE 2008/II MODERNA TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES Organização éum Sistema Aberto ORGANIZAÇÃO MEIO AMBIENTE 2 ORGANIZAÇÃO Conceito

Leia mais

O profissional que sua empresa procura está na Avanti RH.

O profissional que sua empresa procura está na Avanti RH. O profissional que sua empresa procura está na Avanti RH. Apresentação Experiência e juventude se unem na Avanti Humanas, afinal, somos uma empresa dedicada à atração, recrutamento, seleção e desenvolvimento

Leia mais

PROC. 04 ANÁLISE CRÍTICA

PROC. 04 ANÁLISE CRÍTICA 1 de 7 ANÁLISE CRÍTICA MACROPROCESSO GESTÃO DE PROCESSOS PROCESSO ANÁLISE CRÍTICA ANÁLISE CRÍTICA 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 DEFINIÇÕES...

Leia mais

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS 4 Técnicas de Apoio à Melhoria de processo: As Sete Ferramentas

Leia mais

Gestão de pessoas e desempenho organizacional

Gestão de pessoas e desempenho organizacional Aula 12 Gestão de pessoas e desempenho organizacional Agenda 1 Seminário 2 Medindo a performance do RH 1 Seminário 5 Competing on talent analytics. Davenport, Harris & Shapiro. Harvard Business Review,

Leia mais

NAGEH Pessoas. Eixo: Capacitação e Desenvolvimento de Pessoal 28/09/2015. Compromisso com a Qualidade Hospitalar

NAGEH Pessoas. Eixo: Capacitação e Desenvolvimento de Pessoal 28/09/2015. Compromisso com a Qualidade Hospitalar Eixo: Capacitação e Desenvolvimento de Pessoal 28/09/2015 Agenda: 28/09/2015 8:30 as 9:00 h Recepção dos participantes 9:00 as 11:00 h Eixo: Capacitação e Desenvolvimento 11:00 as 11:30 h Análise de Indicadores

Leia mais

Tribunais Exercícios Gestão de Pessoas Gestão Por Estratégia Por Competência Keyvila Menezes

Tribunais Exercícios Gestão de Pessoas Gestão Por Estratégia Por Competência Keyvila Menezes Tribunais Exercícios Gestão de Pessoas Gestão Por Estratégia Por Competência Keyvila Menezes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. GESTÃO ESTRATÉGICA POR COMPETÊNCIA

Leia mais

Resultados da Pesquisa do Programa Internacional

Resultados da Pesquisa do Programa Internacional Resultados da Pesquisa do Programa Internacional Ano Acadêmico de / Conclusões Finais O resultado geral da pesquisa foi muito favorável, com apenas algumas áreas de melhoria. Porém, a equipe de liderança

Leia mais

Gestão por Competências na Polícia Federal. Brasília, 17 de Junho de 2010.

Gestão por Competências na Polícia Federal. Brasília, 17 de Junho de 2010. Gestão por Competências na Polícia Federal Brasília, 17 de Junho de 2010. Planejamento Estratégico Competências Organizacionais Fatores Críticos de Sucesso Corporativo Políticas Corporativas Competências

Leia mais

09 a 12 de novembro de 2016

09 a 12 de novembro de 2016 COMO ELABORAR PESQUISA DE MERCADO 08 a 11 de outubro de 2014 09 a 12 de novembro de 2016 Missão do Sebrae Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orientar na implantação e no desenvolvimento

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08)

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) Oficina 07 Política de Meio Ambiente, Segurança e Saúde no Trabalho Objetivos, Metas e Programas 4.2 Política de SSTMA A Alta Administração

Leia mais

Brasília, 12 de março de 2009

Brasília, 12 de março de 2009 Avaliação dos Cursos de Ciências Contábeis pelo ENADE 2009 Prof. Dr. Valcemiro Nossa Brasília, 12 de março de 2009 ENADE Exame Nacional de Desempenho de Estudantes integra o Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais