A Construção Sustentável no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Construção Sustentável no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas"

Transcrição

1 CREA MG Seminário de Mudanças Climáticas e Regimes Ambientais Internacionais A Construção Sustentável no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas Weber Coutinho Gerente de Planejamento e Monitoramento Ambiental Secretaria Municipal de Meio Ambiente Maio / 2016

2 ODS 11 - CIDADES SUSTENTÁVEIS x EMISSÕES DE GEE As cidades ocupam 3% da superfície da Terra mas utilizam 75% dos recursos naturais e é responsável por 70% das emissões de GEEs. No Brasil, cerca de 90% da população reside nas cidades. Cerca 60 a 80% das emissões das cidades são oriundas do consumo de energia, especialmente de combustíveis fósseis.

3 Política Municipal de Mudanças Climáticas 2006: Decreto : Criação do Comitê Municipal de Mudanças Climáticas e Ecoeficiência - CMMCE 2008: Elaboração do primeiro Inventário Municipal de GEE ( ) 2009: DN COMAM 66: Programa de Certificação em Sustentabilidade Ambiental Selo BH Sustentável 2010: Plano Estratégico de Belo Horizonte para 2030 (Meta: Redução das emissões de GEE em 20%) 2011: Lei : Política Municipal de Mudança Climática 2012: Elaboração do Plano de Redução de Emissões de GEE PREGEE 2014: Atualização do Inventário Municipal de Emissões de GEE ( ) 2015: Elaboração do Estudo de Vulnerabilidade Ambiental

4 Comitê Municipal sobre Mudanças Climáticas e Ecoeficiência - CMMCE Criado em 2006 para articular as políticas públicas, estudos e programas ambientais, que visem a melhoria da qualidade de vida no município de Belo Horizonte. Representação do CREA-MG

5 Emissões Totais / Ano 2000 a 2013 Evolução das emissões totais em Belo Horizonte, (tco2e) 5,00 4,50 4,00 3,75 3,97 4,24 4,42 3,50 3,00 2,59 2,75 2,87 2,88 2,97 3,01 3,12 3,18 3,43 3,47 2,50 2,00 1,50 1,00 0,50 0, Emissões (tco2e) Aumento de 70% no período; Aumento de 18% entre Aumento de 18% entre ; Mantendo-se o ritmo de crescimento, as emissões duplicarão até 2030.

6 Indicadores: Emissões per capita Evolução da emissão per capita, (tco2e/hab) 2,00 1,80 1,60 1,40 1,20 1,16 1,21 1,25 1,24 1,27 1,27 1,31 1,33 1,46 1,47 1,58 1,65 1,74 1,79 1,00 0,80 0,60 0,40 0,20 0, Emissões (tco2e/hab) Meta para 2030:Redução de 20% sobre a curva de crescimento : aumento de 54% : aumento de 13%

7 Projeção das emissões (milhões tco 2 e/ano Ano base meta Projeção de emissões Meta de redução Atuais emissões

8 Comparação Emissões per capita

9 PREGEE Principais Ações

10 Programa de Certificação em Sustentabilidade Ambiental Água Resíduos Dimensões de Sustentabilidade Ambiental Energia Emissões Atmosféricas

11 PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL A certificação ambiental é destinada aos empreendimentos públicos e privados, residenciais, comerciais e/ou industriais, que adotarem medidas que contribuam para a redução do consumo de água, de energia, das emissões atmosféricas diretas e da geração de resíduos sólidos. ÍNDICES DE EFICIÊNCIA Água: 30% de Redução de Consumo Energia: 25% de Redução de Consumo Resíduos sólidos: 80% de reciclagem Emissões diretas GEE: - Fontes Fixas: 80% de redução - Fontes Móveis: 20% de redução

12 Fatores de Emissão ÁGUA: : 0,10 kg CO2e / m3 consumido Residência: 30 m3 /mês = 40 Kg CO2/ano ENERGIA: 0,15 Kg CO2e / kwh consumido Residência: 300kWh/mês = 500 Kg CO2/ano

13 DIMENSÕES DE SUSTENTABILIDADE Mecanismos ENERGIA ÁGUA Mecanismo 1: Práticas Ambientais Mecanismo 2: Arquitetura Bioclimática Mecanismo 3: Co-Geração Mecanismo 4: Geração por Fontes Renováveis Mecanismo 5: Tecnologias Economizadoras Mecanismo 1: Práticas Ambientais Mecanismo 2: Controle de Vazamentos Mecanismo 3: Fontes Alternativas Mecanismo 4: Recirculação/Reuso Mecanismo 5: Tecnologias Economizadoras

14 DIMENSÕES DE SUSTENTABILIDADE Mecanismos RESÍDUOS SÓLIDOS Mecanismo 1: Redução EMISSÕES DIRETAS DE GEE Mecanismo 2: Reutilização Mecanismo 1: Redução Mecanismo 3: Coleta seletiva (Resíduos secos) Mecanismo 2: Compensação / Neutralização Mecanismo 4: Coleta seletiva (Resíduos úmidos)

15 Consumo de Água

16 Fonte: HAFNER (2007). Distribuição de consumo de água residencial

17 DIMENSÃO ÁGUA Medição individualizada Consumo de água per capita /dia Média dos consumos em edifícios com medição individualizada (Redução ~ 40%) Fonte: SOUZA, Camila UDESC, 2012.

18 DIMENSÃO ÁGUA TECNOLOGIAS ECONOMIZADORAS Chuveiros com arejamento CHUVEIROS Adaptadores/reguladores de vazão

19 DIMENSÃO ÁGUA TECNOLOGIAS ECONOMIZADORAS CHUVEIROS Válvulas com redutor de vazão

20 DIMENSÃO ÁGUA TECNOLOGIAS ECONOMIZADORAS VASOS SANITÁRIOS Acionamento duplo: 3 e 6 litros/função Sistema Flushmate (descarga com pressão): 4 litros/função Sistema Eco Flush (integra caixa, vaso e sifão): 3 e 6 litros/função

21 Consumo de Energia

22 DIMENSÃO ENERGIA Energia Solar BH ~ 400 MG ~ 120 (m2 /1000 hab) Brasil ~ 40

23 Energia Solar Fotovoltaica Brasil Cidades brasileiras com maior número de sistemas instalados Número de sistemas Fonte: ANEEL Banco de Informações de Geração (2015)

24 DIMENSÃO ENERGIA OBJETIVO 1: EFICIÊNCIA ENERGÉTICA MECANISMO 1 : CLIMATIZAÇÃO Submecanismo Eficiência % 1 Condicionador de Ar - Split * * Procel 2 Condicionador de Ar - Janela 3 Condicionador de Ar - Central 4 Ventilador de Teto Desligamento Automático de 5 Energia

25 DIMENSÃO ENERGIA OBJETIVO 1: EFICIÊNCIA ENERGÉTICA MECANISMO 2: ILUMINAÇÃO Submecanismo Eficiência % 1 Vapor de Sódio e Alta Pressão 2 LED 3 Fluorescente Desligamento Automático de 4 Energia 5 Sensor de Presença

26 DIMENSÃO ENERGIA OBJETIVO 1 : EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Mecanismo 3: Chuveiro Submecanismo Eficiência % 1 Com Aquecedor Solar 2 Chuveiro Inteligente Aquecedor solar Recuperação da energia térmica Reciclagem do calor

27 Mecanismo 5: Aquecedores DIMENSÃO ENERGIA OBJETIVO 1: EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Submecanismo Eficiência % 1 Aquecedor Solar/Banheiro 2 Aquecedor Solar/Piscina

28 DIMENSÃO ENERGIA OBJETIVO 1: EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Mecanismo 7 - Elevador Submecanismo Eficiência % 1 Elevador Inteligente

29 INTERNET / SIMULADOR Site: cesa.pbh.gov.br Informações sobre o programa; Manual de Procedimentos; Simulação de propostas; Links relacionados; Cadastro dos empreendimentos;

30 INTERNET

31 SELO BH SUSTENTÁVEL BRONZE PRATA OURO

32 Laudo de Aprovação SMMA

33 Certificado Bureau Veritas

34 Centro de Distribuição Loja Elétrica Água: Eficiência: 57 % Energia: Eficiência: 80 % - Consumo de água (m³/mês) - Consumo de energia (kw/mês) Economia gerada 230 Economia gerada Resíduos sólidos: Reciclagem: 100%

35 Centro de Distribuição Loja Elétrica Energia Ar Condicionado: Sistema de painéis evaporativos Arquitetura Bioclimática: Iluminação natural

36 Centro de Distribuição Loja Elétrica Energia - Postes para iluminação externa Energia eólica e fotovoltaica / LED - Ar Condicionado Painel evaporativo

37 Edifício Parque Avenida Odebrecht Água: Eficiência de 33% Energia: Eficiência de 27% -Energia economizada:~ kwh/mês

38 HOTEL LAVRAS 150 Resultados: Água: Redução do consumo = 35% Energia: Redução do consumo = 41% Resíduos: Reciclagem = 70

39 Energia Iluminação Lâmpadas de LED Equipamentos com selo Procel A Aquecimento solar de água Unidade de recuperação de calor do sistema de ar-condicionado central Arquitetura Bioclimática Água Utilização de bacias sanitárias com duplo acionamento de 3 e 6 litros Misturadores para os lavatórios com menor vazão de água Hotel Lavras 150 MEDIDAS ADOTADAS Utilização de dispositivo redutor de vazão nos chuveiros Caixa de captação de águas pluviais

40 Hospital Mater Dei Contorno

41 Hospital Mater Dei Contorno Energia: Cogeração Aproveitamento de calor Aquecimento de água

42 Hospital Mater Dei Contorno Energia: Arquitetura Bioclimática Iluminação LED Água: Dispositivos Economizadores

43 Edifício Aureliano Chaves FORLUZ Energia Solar Usina Fotovoltaica(capacidade de 30 kwp) Fonte: Cemig

44 ESTÁDIO MINEIRÃO Resultados: Água: Redução do consumo = 40% Energia: Redução do consumo = 58% Resíduos: Reciclagem = 80%

45 MEDIDAS ADOTADAS Energia: - Projeto pioneiro / Geração de aproximadamente 0,5 MWh por energia solar

46 MEDIDAS ADOTADAS Água: Captação de Água de Chuva / Cap de litros de água

47 Edifício ALC 217 Nova Sede da SMMA Retrofit Resultados: Água: Redução do consumo = 48% Energia: Redução do consumo = 40% Resíduos: Reciclagem = 80%

48 Edifício ALC 217 Água - Captação Sistema de captação de agua pluvial, capaz de captar cerca de 200 mil litros/ ano

49 Edifício ALC 217 Água Reaproveitamento Recuperação da água gerada sistema de ar condicionado, com capacidade para produzir 180 mil litros/ano.

50 Edifício ALC 217 Energia Geração Solar Usina Fotovoltaica, cap az de gerar 2000 kwh/mês

51 Edifício ALC 217 Energia Eficiência Sistemas de refrigeração automatizado com tecnologia VRF. Redução de até 40% no consumo de energia.

52 INCENTIVOS (em estudo) Agilidade no processo de Licenciamento; Redução no valor da Compensação Ambiental; Redução do valor do metro quadrado do Potencial Construtivo superior ao do coefiente 1,0 (Novo Plano Diretor)

53 Obrigado!

Mauricio Cruz Lopes. Critérios de Sustentabilidade do Projeto Ilha Pura - Vila dos Atletas

Mauricio Cruz Lopes. Critérios de Sustentabilidade do Projeto Ilha Pura - Vila dos Atletas Mauricio Cruz Lopes Critérios de Sustentabilidade do Projeto Ilha Pura - Vila dos Atletas Impacto da Construção Civil 20 a 30% de produção de gases de Efeito Estufa 12 a 16% de consumo de água 30% a 40%

Leia mais

O Reuso da Água no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas

O Reuso da Água no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas O Reuso da Água no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas Weber Coutinho Gerente de Planejamento e Monitoramento Ambiental Secretaria Municipal de Meio Ambiente Junho / 2015 Mudanças

Leia mais

Proposta de métodos para avaliação da eficiência energética. Edificações residenciais

Proposta de métodos para avaliação da eficiência energética. Edificações residenciais Proposta de métodos para avaliação da eficiência energética Edificações residenciais MÉTODO PRESCRITIVO Checklist MÉTODO PRESCRITIVO VANTAGENS - Simplificação, agilidade e redução de custos do processo

Leia mais

Cooperação Brasil Alemanha Programa Energia

Cooperação Brasil Alemanha Programa Energia Cooperação Brasil Alemanha Programa Energia MAPEAMENTO PARA PUBLIC-PRIVATE-PARTNERSHIPS NOS SETORES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENTRE O BRASIL E A ALEMANHA Raymundo Aragão Anima Projetos

Leia mais

BELO HORIZONTE É PIONEIRA EM GERAÇÃO DE ENERGIA SOLAR E FOTOVOLTAICA

BELO HORIZONTE É PIONEIRA EM GERAÇÃO DE ENERGIA SOLAR E FOTOVOLTAICA BELO HORIZONTE É PIONEIRA EM GERAÇÃO DE ENERGIA SOLAR E FOTOVOLTAICA Enviado por ETC COMUNICAÇÃO 14Mai2015 PQN O Portal da Comunicação ETC COMUNICAÇÃO 14/05/2015 Belo Horizonte tem sido protagonista no

Leia mais

Inovação e Tecnologia na Gestão Sustentável na Construção de Edifícios. Prof. Dayana Bastos Costa (UFBA)

Inovação e Tecnologia na Gestão Sustentável na Construção de Edifícios. Prof. Dayana Bastos Costa (UFBA) Inovação e Tecnologia na Gestão Sustentável na Construção de Edifícios Prof. Dayana Bastos Costa (UFBA) Gestão Sustentável na Construção de Edifícios A gestão sustentável na construção de edifícios deve

Leia mais

Energia solar na habitação. Morenno de Macedo Gerente Executivo GN Sustentabilidade e RSA

Energia solar na habitação. Morenno de Macedo Gerente Executivo GN Sustentabilidade e RSA Energia solar na habitação Morenno de Macedo Gerente Executivo GN Sustentabilidade e RSA MCMV 1 + MCMV 2: 224.405 MCMV Fase 1 41.449 unidades habitacionais com SAS 136 empreendimentos 69 municípios - 10

Leia mais

ENVELOPE ESTRUTURAS SISTEMAS PREDIAIS

ENVELOPE ESTRUTURAS SISTEMAS PREDIAIS Disposição final Planejamento Uso e Operação ENVELOPE ESTRUTURAS Projeto SISTEMAS PREDIAIS Construção Implantação PPI Conceituação Planejamento Definição Módulo escopoi Documentação Estudos de Projeto

Leia mais

Incorporadora e Construtora. 38 anos no mercado. 121 empreendimentos lançados

Incorporadora e Construtora. 38 anos no mercado. 121 empreendimentos lançados Incorporadora e Construtora 38 anos no mercado 121 empreendimentos lançados 3,5 milhões de metros quadrados de área construída e em construção (24.475 unidades) EZ TOWERS certificação e diferenciais ambientais

Leia mais

Eficiência Energética No Hospital de Santa Maria. Carlos Duarte

Eficiência Energética No Hospital de Santa Maria. Carlos Duarte Eficiência Energética No Hospital de Santa Maria Carlos Duarte 8 Maio 2017 O Hospital de Santa Maria Inicialmente com o nome de Hospital Escolar de Lisboa, o Hospital de Santa Maria foi projetado em 1938

Leia mais

Fonte: KAWAKAMI (2009)

Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) 4 LEED s no Brasil

Leia mais

PROJETO DE EFICIENTIZAÇÃO E REDUÇÃO DE CUSTOS. Soluções em Empreendimentos e Edificações Sustentáveis

PROJETO DE EFICIENTIZAÇÃO E REDUÇÃO DE CUSTOS. Soluções em Empreendimentos e Edificações Sustentáveis PROJETO DE EFICIENTIZAÇÃO E REDUÇÃO DE CUSTOS O Problema: Atual Crise Hídrica e Elétrica 2003 A Crise Hídrica no Brasil O setor elétrico teve custos adicionais devido a problemas nos mananciais Em 2002

Leia mais

Otimize suas operações com Soluções Inteligentes em Eficiência Energética. São Paulo, 28 de outubro de 2016

Otimize suas operações com Soluções Inteligentes em Eficiência Energética. São Paulo, 28 de outubro de 2016 Otimize suas operações com Soluções Inteligentes em Eficiência Energética São Paulo, 28 de outubro de 2016 Combinamos os recursos de nossa organização global com as oportunidades de um mundo novo, aberto

Leia mais

Selo Procel Eletrobras 04 de Setembro de Rafael M. David

Selo Procel Eletrobras 04 de Setembro de Rafael M. David Selo Procel Eletrobras 04 de Setembro de 2012 Rafael M. David Ministério das Minas e Energia 39.453 MW É A CAPACIDADE GERADORA DAS EMPRESAS ELETROBRAS, O QUE EQUIVALE A CERCA DE TRANSMISSÃO GERAÇÃO 37%

Leia mais

Quem somos e no que acreditamos

Quem somos e no que acreditamos Quem somos Quem somos e no que acreditamos NOSSA ATUAÇÃO Somos uma empresa que propõe soluções em projetos e construções de edificações a partir de diretrizes de eficiência energética e sustentabilidade.

Leia mais

Energia e Ambiente. Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética;

Energia e Ambiente. Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética; Energia e Ambiente Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética; Investigação de formas novas e renováveis de energia; Potenciar as

Leia mais

Fórum sobre Sustentabilidade ABINEE

Fórum sobre Sustentabilidade ABINEE Fórum sobre Sustentabilidade ABINEE Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental São Paulo, 03/09/2012 Sustentabilidade Ambiental Econômica Social

Leia mais

Procel Selo. Inauguração oficial do Laboratório de Eficiência Energética em Hidráulica e Saneamento - Lenhs da UFMS e da UFRGS;

Procel Selo. Inauguração oficial do Laboratório de Eficiência Energética em Hidráulica e Saneamento - Lenhs da UFMS e da UFRGS; Inauguração oficial do Laboratório de Eficiência Energética em Hidráulica e Saneamento - Lenhs da UFMS e da UFRGS; Apoio técnico à elaboração do PNEf. Vista superior do Lenhs da UFRGS Procel Selo Instituído

Leia mais

Contexto Acordo de Paris Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDC) Brasil

Contexto Acordo de Paris Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDC) Brasil O acordo de mudanças climáticas: impactos na eficiência energética no Brasil Contexto Acordo de Paris Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDC) Brasil uma meta de redução absoluta de emissões aplicável

Leia mais

10 DICAS PARA A SUA EMPRESA SER SUSTENTÁVEL

10 DICAS PARA A SUA EMPRESA SER SUSTENTÁVEL EXCLUSIVO PARA EMPRESAS QUE REDUZIR SEUS CUSTOS DE FORMA SUSTENTÁVEL 10 DICAS PARA A SUA EMPRESA SER SUSTENTÁVEL Prezado Empresário, O Grupo Quality preparou esse manual para ajudá-lo a implantar ações

Leia mais

Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura. Prof a : Ana Cecília Estevão

Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura. Prof a : Ana Cecília Estevão Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura Prof a : Ana Cecília Estevão Desenvolvimento sustentável Aquele que busca um equilíbrio entre

Leia mais

Compras Sustentáveis

Compras Sustentáveis OBJETIVO ESTRATÉGICO DO SGAC Alcançar o Nível de Maturidade de uma Empresa de Classe Mundial Evento com Fornecedores dos Correios AÇÃO ESTRATÉGICA Implantar o modelo de gestão ambiental da empresa de acordo

Leia mais

Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar

Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar Marvão, 29 th May A ECOCHOICE é uma empresa de consultoria de referência na área da construção sustentável em Portugal, satisfazendo as necessidades

Leia mais

INTRODUÇÃO AO NOVO MÉTODO DE AVALIAÇÃO DO PBE EDIFICA

INTRODUÇÃO AO NOVO MÉTODO DE AVALIAÇÃO DO PBE EDIFICA INTRODUÇÃO AO NOVO MÉTODO DE AVALIAÇÃO DO PBE EDIFICA ENERGIA PRIMÁRIA CONCEITO Forma de energia disponível na natureza que não foi submetida a qualquer processo de conversão ou transformação. É a energia

Leia mais

EN-2416 Energia, meio ambiente e sociedade Necessidades humanas, estilos de vida e uso final da energia

EN-2416 Energia, meio ambiente e sociedade Necessidades humanas, estilos de vida e uso final da energia EN-2416 Energia, meio ambiente e sociedade Necessidades humanas, estilos de vida e uso final da energia João Moreira UFABC Necessidades humanas e energia Existência humana - nas residências Movimento,

Leia mais

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis Energia Dimensões da Energia Tecnológica Física Energia

Leia mais

1 Segurança energética e redução da dependência das importações; 4 Eficiência no fornecimento, distribuição e consumo

1 Segurança energética e redução da dependência das importações; 4 Eficiência no fornecimento, distribuição e consumo 1- POLÍTICA ENERGÉTICA DE CABO VERDE A política energética de Cabo Verde tem por objetivo construir um setor energético seguro, eficiente, sustentável e sem dependência de combustível fóssil. E está assente

Leia mais

2º ENCONTRO CAIXA/FORNECEDORES

2º ENCONTRO CAIXA/FORNECEDORES 2º ENCONTRO CAIXA/FORNECEDORES PIB Sustentabilidade na Prática Empresarial Jean Rodrigues Benevides GN de Meio Ambiente SN de Assistência Técnica e Desenvolvimento Sustentável Situação Atual Estratégia

Leia mais

I SIMPÓSIO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E SUSTENTABILIDADE EM SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO COMERCIAL Alto rendimento em sistemas de refrigeração

I SIMPÓSIO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E SUSTENTABILIDADE EM SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO COMERCIAL Alto rendimento em sistemas de refrigeração I SIMPÓSIO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E SUSTENTABILIDADE EM SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO COMERCIAL Alto rendimento em sistemas de refrigeração Consumo global de energia por tipo de combustível Em 1990 o consumo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA SOLAR PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E SOCIAL. LEANDRO KAZUAKI TSURUDA Coordenador e autor do Projeto

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA SOLAR PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E SOCIAL. LEANDRO KAZUAKI TSURUDA Coordenador e autor do Projeto A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA SOLAR PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E SOCIAL LEANDRO KAZUAKI TSURUDA Coordenador e autor do Projeto Realização Governador do Estado de Goiás MARCONI FERREIRA PERILLO JÚNIOR

Leia mais

IEC0001 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL

IEC0001 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL IEC0001 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL Profª Drª. Andreza Kalbusch Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Sustentabilidade na Engenharia

Leia mais

Energia Solar: como o Centro Sebrae de Sustentabilidade se tornou um Prédio Zero Energia

Energia Solar: como o Centro Sebrae de Sustentabilidade se tornou um Prédio Zero Energia Energia Solar: como o Centro Sebrae de Sustentabilidade se tornou um Prédio Zero Energia CENTRO SEBRAE DE SUSTENTABILIDADE MISSÃO Gerir e disseminar conhecimentos, soluções xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Leia mais

USO EFICIENTE DA ENERGIA

USO EFICIENTE DA ENERGIA Matriz Energética Cenário Atual Uso da Energia Elétrica com Eficiência Dicas de Uso Eficiente e Seguro da Energia MATRIZ ENERGÉTICA Matriz Energética Brasileira Eólica 3,8% 5,5% Biomassa Termoelétrica

Leia mais

Atividade: Combate ao desperdício de energia elétrica. https://pixabay.com/pt/prote%c3%a7%c3%a3o-ambiental-ambiente-natureza /

Atividade: Combate ao desperdício de energia elétrica. https://pixabay.com/pt/prote%c3%a7%c3%a3o-ambiental-ambiente-natureza / Atividade: Combate ao desperdício de energia elétrica https://pixabay.com/pt/prote%c3%a7%c3%a3o-ambiental-ambiente-natureza-544198/ I. Introdução A energia elétrica é um bem precioso, indispensável para

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE ITEM PONTOS I IMPLANTAÇÃO DO EDIFÍCIO MAX. 10 A) MOVIMENTAÇÃO DO SOLO Implantação do projeto adequada ao perfil natural do terreno, com

Leia mais

SEL-0437 Eficiência Energética PROCEL

SEL-0437 Eficiência Energética PROCEL SEL-0437 Eficiência Energética PROCEL 1 PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica Criado em 1985 pelo Ministério das Minas e Energia e da Indústria e Comércio Sua função é promover a

Leia mais

Exemplos Práticos de Aplicação da Energia Fotovoltaica no meio Rural Curso Energias Renováveis 02 a 06 de outubro de 2017 Concórdia/SC

Exemplos Práticos de Aplicação da Energia Fotovoltaica no meio Rural Curso Energias Renováveis 02 a 06 de outubro de 2017 Concórdia/SC Exemplos Práticos de Aplicação da Energia Fotovoltaica no meio Rural Curso Energias Renováveis 02 a 06 de outubro de 2017 Concórdia/SC Matias Felipe E. Kraemer Eng. Agrônomo - Me. Desenvolvimento Rural

Leia mais

Resultados da Pesquisa Virtual: Consulta aos Profissionais do Setor

Resultados da Pesquisa Virtual: Consulta aos Profissionais do Setor Resultados da Pesquisa Virtual: Consulta aos Profissionais do Setor Anexo Gráficos de resultados Perfil entrevistado Perfil por Região do Brasil Qual setor representa 30,0% 28,5% 26,6% 25,9% 25,0% 20,0%

Leia mais

ANÁLISE DO CONSUMO ENERGÉTICO E DA EMISSÃO CO 2 e DA VALLOUREC TUBOS DO BRASIL S.A NO PERÍODO DE 2008 À 2013

ANÁLISE DO CONSUMO ENERGÉTICO E DA EMISSÃO CO 2 e DA VALLOUREC TUBOS DO BRASIL S.A NO PERÍODO DE 2008 À 2013 ANÁLISE DO CONSUMO ENERGÉTICO E DA EMISSÃO CO 2 e DA VALLOUREC TUBOS DO BRASIL S.A NO PERÍODO DE 2008 À 2013 Autoras: Camila Quintão Moreira Fabiana Alves Thaíse de Oliveira Souza Porto Alegre 2016 INTRODUÇÃO

Leia mais

ENEM 2002 QUESTÕES DE FÍSICA

ENEM 2002 QUESTÕES DE FÍSICA ENEM 2002 QUESTÕES DE FÍSICA 01) Na comparação entre diferentes processos de geração de energia, devem ser considerados aspectos econômicos, sociais e ambientais. Um fator economicamente relevante nessa

Leia mais

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Fundação Estadual do Meio Ambiente

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Fundação Estadual do Meio Ambiente Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Fundação Estadual do Meio Ambiente Estrutura da apresentação Contexto Brasileiro Plano de Energia e Mudanças Climáticas Plataforma Clima Gerais Índice

Leia mais

Potencial de eficiência energética em edifícios

Potencial de eficiência energética em edifícios Potencial de eficiência energética em edifícios PORTUGAL EM CONFERÊNCIA PARA UMA ECONOMIA ENERGETICAMENTE EFICIENTE Coimbra, 22 de Junho de 2012 Potencial de eficiência energética em edifícios Enquadramento

Leia mais

Resultados dos Projetos Concluídos no PEE 2016

Resultados dos Projetos Concluídos no PEE 2016 Tipo: Residencial Nome do Projeto: Doação Residencial 2015 Situação: Concluído Relatório Final Fechado aguardando liberação da ANEEL para envio. Promover a troca de lâmpadas e refrigeradores usados por

Leia mais

Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente

Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente Ambiente diferenciado do meio empresarial Campus Santo Amaro - Centro Universitário rio SENAC 120 mil m2 de terreno 21 cursos de graduação e 7

Leia mais

Arquitectura e Sustentabilidade: O caso do Centro de Educação Ambiental de Torres Vedras. Centro de Educação Ambiental. Área de Projecto CMTV

Arquitectura e Sustentabilidade: O caso do Centro de Educação Ambiental de Torres Vedras. Centro de Educação Ambiental. Área de Projecto CMTV Arquitectura e Sustentabilidade: O caso do Centro de Educação Ambiental de Torres Vedras Centro de Educação Ambiental. Área de Projecto CMTV Da construção sustentável e da ideia de projecto responsável

Leia mais

Residência: Local de trabalho/estudo: Habilitações académicas: Profissão:

Residência: Local de trabalho/estudo: Habilitações académicas: Profissão: Inquérito O Plano de Ação para a Energia Sustentável do Concelho de Setúbal (PAESS) é um instrumento fundamental para assegurar o cumprimento, a nível local, do compromisso de atingir e ultrapassar o objetivo

Leia mais

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Roteiro 1. A EMPRESA EFFICIENTIA 2. CAMPOS DE ATUAÇÃO 3. PROJETOS TÍPICOS E CASOS DE SUCESSO A Efficientia na Holding CEMIG Empresa especializada em eficiência e Soluções

Leia mais

REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA CONFERÊNCIA O FUTURO ENERGÉTICO EM PORTUGAL REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS Joaquim Borges Gouveia bgouveia@ua.pt DEGEI UAVEIRO 21 de Abril de 2009 Consumo de Energia

Leia mais

3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS

3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL E NO MUNDO 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS 5. O PAPEL DE PORTUGAL NAS ENERGIAS

Leia mais

RECIFE. Brasil. Nordeste do Brasil. Recife

RECIFE. Brasil. Nordeste do Brasil. Recife RECIFE Brasil Nordeste do Brasil Recife RECIFE Emissões de GEE - 70% gerados nas cidades do mundo Brasil - 85% de pessoas moram em cidades Recife - 1.65 milhões de habitantes Área Metropolitana do Recife

Leia mais

Avaliação de Ciclo de Vida

Avaliação de Ciclo de Vida Avaliação de Ciclo de Vida Comitê de Meio Ambiente e Sustentabiliade SWISSCAM 3 de abril 2009 André Camargo Futuro para o meio ambiente Images: Araquém Alcântara Organização do Grupo ECOGEO Áreas de Atuação

Leia mais

DOMINGO SEGUNDA-FEIRA TERÇA-FEIRA QUARTA-FEIRA QUINTA-FEIRA SEXTA-FEIRA SÁBADO Inscrição Inscrição Inscrição Inscrição Inscrição

DOMINGO SEGUNDA-FEIRA TERÇA-FEIRA QUARTA-FEIRA QUINTA-FEIRA SEXTA-FEIRA SÁBADO Inscrição Inscrição Inscrição Inscrição Inscrição junho 2017 28 29 30 31 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 Divulgação do Edital 18 19 20 21 22 23 24 Inscrição Inscrição Inscrição Inscrição Inscrição 25 26 27 28 29 30 1 Inscrição Inscrição Inscrição

Leia mais

BASES DE DADOS EM ENERGIA

BASES DE DADOS EM ENERGIA BASES DE DADOS EM ENERGIA Ministério de Minas e Energia João Antonio Moreira Patusco Seminário sobre Bases de Dados de Energia Associação de Reguladores Iberoamericanos de Energia ARIAE RJ 17 e 18 de junho

Leia mais

Elevadores sustentáveis. Novas tecnologias e sistemas inteligentes que economizam energia

Elevadores sustentáveis. Novas tecnologias e sistemas inteligentes que economizam energia Elevadores sustentáveis. Novas tecnologias e sistemas inteligentes que economizam energia Há alguns anos essas realidade parecia impossível, mas hoje o subir e descer de um elevador passou a significar

Leia mais

Sustentabilidade GPA Thatiana Zukas

Sustentabilidade GPA Thatiana Zukas Sustentabilidade GPA Thatiana Zukas O GPA em números - Eleito uma das 10 empresas mais admiradas do Brasil e vencedor no setor Varejo Supermercados em estudo da revista Carta Capital. - Listada no ranking

Leia mais

O Grupo CPFL Energia e a Eficiência Energética

O Grupo CPFL Energia e a Eficiência Energética O Grupo CPFL Energia e a Eficiência Energética Setembro/2010 AGENDA 1. Quem somos 2. Direcionadores Estratégicos do Grupo CPFL Energia 3. Eficiência Energética no Grupo CPFL Energia 2 O Grupo CPFL Energia

Leia mais

EXERCÍCIO DE SIMULAÇÃO Guia para Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa em Organizações de Saúde

EXERCÍCIO DE SIMULAÇÃO Guia para Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa em Organizações de Saúde Introdução Hospital Portas Abertas é uma instituição destinada a diagnóstico, atendimento ambulatorial e pequenas cirurgias, localizado em São Paulo, SP. Este Hospital é conhecido pelas ações de sustentabilidade

Leia mais

Painel 1 Considerando o ciclo de vida na avaliação da sustentabilidade de edificações

Painel 1 Considerando o ciclo de vida na avaliação da sustentabilidade de edificações Painel 1 Considerando o ciclo de vida na avaliação da sustentabilidade de edificações Emissões de Carbono e a análise de ciclo de vida de produto Programa Brasileiro GHG PROTOCOL Centro de Estudos em Sustentabilidade

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO

PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO QUANTO CUSTA UM BANHO? Área Total = 170 mil m² Área Construída = 105 mil m² FREQUENCIA MÉDIA DE ASSOCIADOS (2015) Média Diária = 6.708 entradas Média Mensal = 201.251 entradas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E FONTES RENOVÁVEIS: UMA DISCUSSÃO SOBRE A MATRIZ ELÉTRICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E FONTES RENOVÁVEIS: UMA DISCUSSÃO SOBRE A MATRIZ ELÉTRICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E FONTES RENOVÁVEIS: UMA DISCUSSÃO SOBRE A MATRIZ ELÉTRICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS VI Congresso Brasileiro de energia Solar - UFMG BH Wilson Pereira Barbosa Filho Fundação

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE DE 2015.

PROJETO DE LEI Nº DE DE 2015. PROJETO DE LEI Nº DE DE 2015. Autoriza o Poder Executivo a instalar painéis de captação de energia solar nos projetos arquitetônicos dos próprios públicos do Estado de Goiás. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO

Leia mais

PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS

PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS HISTÓRICO Agenda 21 (Rio de Janeiro, 1992): A maior causa da deterioração continuada do meio ambiente global são os padrões insustentáveis de consumo e produção. Plano de

Leia mais

OPORTUNIDADES. Apresentamos nova(s) oportunidade(s) na sua Área de atuação. BNDES Fundo Clima - Energias Renováveis 2017.

OPORTUNIDADES. Apresentamos nova(s) oportunidade(s) na sua Área de atuação. BNDES Fundo Clima - Energias Renováveis 2017. Apresentamos nova(s) oportunidade(s) na sua Área de atuação. BNDES Fundo Clima - Energias Renováveis 2017 O BNDES Fundo Clima - Energias Renováveis tem como objetivo apoiar investimentos em geração e distribuição

Leia mais

A Importância da Energia Solar Para o Desenvolvimento Sustentável e Social

A Importância da Energia Solar Para o Desenvolvimento Sustentável e Social A Importância da Energia Solar Para o Desenvolvimento Sustentável e Social TSURUDA, L. K. a,b, MENDES, T. A. a,b, VITOR, L. R. b, SILVEIRA, M. B. b a. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente POLÍCIA Curso Internacional de Recuperação Energética de Resíduos Sólidos Urbanos em Aterros Sanitários Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento Fundação Estadual

Leia mais

Uso Racional da Água Gestão da Demanda Evolução e Tendências. Eng. MSc. Osvaldo Oliveira Jr

Uso Racional da Água Gestão da Demanda Evolução e Tendências. Eng. MSc. Osvaldo Oliveira Jr Uso Racional da Água Gestão da Demanda Evolução e Tendências Eng. MSc. Osvaldo Oliveira Jr AGENDA - AMBIENTE E CONSTRUÇÃO CIVIL; - DEFINIÇÕES; - CONTEXTUALIZAÇÃO Gestão da Demanda; - OLHAR PARA O PASSADO;

Leia mais

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ATENDIMENTO A COMUNIDADES DE BAIXO PODER AQUISITIVO

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ATENDIMENTO A COMUNIDADES DE BAIXO PODER AQUISITIVO PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ATENDIMENTO A COMUNIDADES DE BAIXO PODER AQUISITIVO SUMÁRIO EXECUTIVO Tipo de projeto: Atendimento a Comunidade de Baixo Poder Aquisitivo. Objetivo: Promover a eficientização

Leia mais

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM RESIDENCIAIS Roberto Lamberts, PhD. Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações Conselho Brasileiro de Construção

Leia mais

VIII SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS ENERGIA EM SERVIÇOS DE SAUDE RACIONALIZAÇÃO DO CONSUMO E FONTES ALTERNATIVAS MAIS LIMPAS E SEGURAS

VIII SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS ENERGIA EM SERVIÇOS DE SAUDE RACIONALIZAÇÃO DO CONSUMO E FONTES ALTERNATIVAS MAIS LIMPAS E SEGURAS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Grupo Técnico de Edificações -GTE VIII SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS ENERGIA EM SERVIÇOS DE SAUDE RACIONALIZAÇÃO DO CONSUMO E FONTES ALTERNATIVAS MAIS LIMPAS E SEGURAS Arquiteto

Leia mais

a IAEA, e instituições que possuem conjuntos de EISDs próprios

a IAEA, e instituições que possuem conjuntos de EISDs próprios 3 4 5 a IAEA, e instituições que possuem conjuntos de EISDs próprios Fonte: Almeida (2016). 6 econômica (ECO), ambiental (AMB) e social (SOC) 7 8 9 10 ORDEM ORIGEM SIGLA INDICADOR COMPONENTES / PARÂMETROS

Leia mais

No caminho da Sustentabilidade. Óbidos Carbono Social

No caminho da Sustentabilidade. Óbidos Carbono Social No caminho da Sustentabilidade Óbidos Carbono Social Objectivos Implementação de medidas que visam a redução das emissões de CO 2 Execução de soluções de sequestração de CO 2 no Concelho Projectos de Mitigação

Leia mais

Programa Carbono Zero da Acumuladores e Baterias Moura

Programa Carbono Zero da Acumuladores e Baterias Moura Programa Carbono Zero da Acumuladores e Baterias Moura A Ecofinance Fundado em novembro de 2007 na cidade de Porto Alegre RS Mais de 2,5 milhões de créditos de carbono emitidos; Registro do maior projeto

Leia mais

CONTEÚDO ABORDADO. O Programa. Vertentes. Rede de Eficiência Energética. Regulamentos

CONTEÚDO ABORDADO. O Programa. Vertentes. Rede de Eficiência Energética. Regulamentos 2012 CONTEÚDO ABORDADO O Programa Vertentes Rede de Eficiência Energética Regulamentos Avaliação dos Sistemas Individuais Envoltória, Iluminação e Ar condicionado Processo de Etiquetagem Treinamento e

Leia mais

Sustentabilidade: A Contribuição da Eficiência Energética

Sustentabilidade: A Contribuição da Eficiência Energética 18ª Audiência de Inovação Sustentabilidade: A Contribuição da Eficiência Energética Marco Antonio Saidel saidel@usp.br Grupo de Energia do Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas da

Leia mais

Dia 28 de Maio Renovar com Sustentabilidade. Arq.º Miguel Nery OASRN

Dia 28 de Maio Renovar com Sustentabilidade. Arq.º Miguel Nery OASRN 04-06-2009 Dia 28 de Maio Renovar com Sustentabilidade Arq.º Miguel Nery OASRN 1 oasrn edifício sede porto criatividade sustentabilidade O Conceito _ a oasrn estableceu um compromisso para a promoção da

Leia mais

Custos Padrão por Tecnologias aplicáveis: Sim, para a(s) tipologia(s) de intervenção previstas no Anexo II do Aviso: Envolvente opaca

Custos Padrão por Tecnologias aplicáveis: Sim, para a(s) tipologia(s) de intervenção previstas no Anexo II do Aviso: Envolvente opaca Anexo I (alterado a 14 de dezembro de 2017) Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação Requisitos das medidas Despesas Elegíveis

Leia mais

Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi

Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi Aula 5 Conservação de Energia: Aspectos técnicos e econômicos slide 1 / 19 ATÉ ONDE SE SABE A ENERGIA PODE

Leia mais

Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação

Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação Requisitos das medidas Despesas Elegíveis a) Intervenções que visem o aumento

Leia mais

Reabilitação do Edificado: Oportunidades para a reabilitação Energética nas Cidades

Reabilitação do Edificado: Oportunidades para a reabilitação Energética nas Cidades Reabilitação do Edificado: Oportunidades para a reabilitação Energética nas Cidades Armando Pinto, LNEC CONFERÊNCIA Reabilitação Urbana das Cidades em direção a um sistema energético sustentável LNEG,

Leia mais

A Visão da Indústria sobre os Movimentos de Eficiência Energética e Conformidade. Fórum de Eficiência Energética

A Visão da Indústria sobre os Movimentos de Eficiência Energética e Conformidade. Fórum de Eficiência Energética A Visão da Indústria sobre os Movimentos de Eficiência Energética e Conformidade Fórum de Eficiência Energética Agenda Conceito de Esco; Conceito de Contrato de Performance; Potencial Nacional da Indústria

Leia mais

As prioridades nacionais para a Eficiência Energética. Cristina Cardoso, DGEG

As prioridades nacionais para a Eficiência Energética. Cristina Cardoso, DGEG As prioridades nacionais para a Eficiência Energética Cristina Cardoso, DGEG Lisboa, Ordem dos Engenheiros - Infoday da Eficiência Energética 4 de abril de 2017 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: O QUE É? Energy efficiency

Leia mais

Dados para Audiência Pública Energisa Tocantins

Dados para Audiência Pública Energisa Tocantins Palmas, 04 de Março de 2017. Dados para Audiência Pública Energisa Tocantins 1. Informações sobre os Projetos já realizados/em realização. 1.1. Nossa Energia 2015/2016 O projeto Nossa Energia tem como

Leia mais

Tecnologias inovadoras em projetos e construção sustentável: panorama brasileiro. Palestrante:

Tecnologias inovadoras em projetos e construção sustentável: panorama brasileiro. Palestrante: Tecnologias inovadoras em projetos e construção sustentável: panorama brasileiro Palestrante: Olivia Bazzetti Marques Coordenadora de Obras Sustentáveis CTE MSc, Eng. Civil e Ambiental, LEED AP, PMP CONSULTORIA

Leia mais

Inventário de emissões de gases de efeito estufa

Inventário de emissões de gases de efeito estufa Inventário de emissões de gases de efeito estufa Ano inventariado: 2015 Caixa Econômica Federal Nome fantasia: CAIXA CNPJ: 00.360.305/2660-58 Setor econômico: Atividades financeiras, de seguros e serviços

Leia mais

SEUMA Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente

SEUMA Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente SEUMA Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente SOBRE FORTALEZA Cerca 50% vive em condição de extrema pobreza (renda familiar per capita mensal igual ou inferior a R$70,00) ou em condição de pobreza

Leia mais

DEMANDAS POR FONTES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS

DEMANDAS POR FONTES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS DEMANDAS POR FONTES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS 02 de outubro de Rafael González Diretor-Desenvolvimento Tecnológico AGRONEGÓCIO Brasil 25% do PIB do Brasil 46% das exportações DESAFIO 35% Segurança Alimentar

Leia mais

Projeto de Atendimento ao Segmento Residencial e Pequenos Comércios de Belo Horizonte

Projeto de Atendimento ao Segmento Residencial e Pequenos Comércios de Belo Horizonte Projeto de Atendimento ao Segmento Residencial e Pequenos Comércios de Belo Horizonte SINDUSCON-MG COMAT 20 de agosto de 2012 1986: Criação da Gasmig pela Cemig 1993: Obtenção da Concessão A Gasmig 2004:

Leia mais

Principais fontes e combustíveis utilizados na geração de energia elétrica

Principais fontes e combustíveis utilizados na geração de energia elétrica Principais fontes e combustíveis utilizados na geração de energia elétrica Wildson W de Aragão Físico Professor de Física de Escolas de Ensino Médio e Cursos Pré Vestibular da rede particular de Ensino

Leia mais

Projeto Paraná Smart Grid. Integração com Cidades Inteligentes. Julio Shigeaki Omori

Projeto Paraná Smart Grid. Integração com Cidades Inteligentes. Julio Shigeaki Omori Projeto Paraná Smart Grid Integração com Cidades Inteligentes Julio Shigeaki Omori Agenda 1) Aspectos Introdutórios de Redes Inteligentes (Smart Grid) 2) Convergência Entre Redes e Cidades Inteligentes

Leia mais

Eficiência Energética Etiqueta PBE Edifica - Edifícios Públicos

Eficiência Energética Etiqueta PBE Edifica - Edifícios Públicos Eficiência Energética Etiqueta PBE Edifica - Edifícios Públicos Ma. Juliana Al-Alam Pouey LINSE Laboratório de Eficiência Energética em Edificações UFPel Universidade Federal de Pelotas Florianópolis,

Leia mais

Impacto da Eficiência Energética na demanda Brasileira nas próximas décadas

Impacto da Eficiência Energética na demanda Brasileira nas próximas décadas Impacto da Eficiência Energética na demanda Brasileira nas próximas décadas 5º Seminário Nacional de Energias Renováveis e Eficiência Energética Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA www.jupitersolar.com.br 3 MOTIVOS PARA INVESTIR É UM EXCELENTE NEGÓCIO COM RETORNO GARANTIDO. É FÁCIL E RÁPIDO DE INSTALAR PROTEGE O MEIO AMBIENTE E MELHORA AS CONDIÇÕES DE VIDA

Leia mais

Diretrizes de projeto para o uso racional da água em edificações

Diretrizes de projeto para o uso racional da água em edificações Seminário HIS Sustentável Diretrizes de projeto para o uso racional da água em edificações Orestes M. Gonçalves Escola Politécnica da Universidade de São Paulo CBCS - Conselho Brasileiro da Construção

Leia mais

Departamento de Alterações Climáticas (DCLIMA)

Departamento de Alterações Climáticas (DCLIMA) Departamento de Alterações Climáticas (DCLIMA) Inventário Nacional de Emissões Atmosféricas (NIR 217 emissões 215) Memorando sobre emissões de CO2e elaborado com base na submissão para a CE (Dec. 525/213/CE)

Leia mais

Dados de Betim. Setores econômicos. Consumo de Energia. Evolução da População

Dados de Betim. Setores econômicos. Consumo de Energia. Evolução da População OS GANHOS ECONÔMICOS E SOCIAS DO USO DE ENERGIA SOLAR EM CONJUNTOS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE BETIM Geraldo Antunes Secretário de Meio Ambiente de Betim Dados de Betim Setores econômicos Localização:

Leia mais

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA A Espírito Santo Centrais Elétricas SA, em conformidade com seu Contrato de Concessão de Distribuição, n 001/05 ANEEL e o que dispõe a Lei nº 9.991 de

Leia mais

Belo Horizonte 17 de abril de 2014 Ruy de Goes Leite de Barros

Belo Horizonte 17 de abril de 2014 Ruy de Goes Leite de Barros Belo Horizonte 17 de abril de 2014 Ruy de Goes Leite de Barros LARCI/ICAL Latin American Regional Climate Initiative Alguns aspectos sobre a reciclagem de orgânicos no Brasil 1- Porque reciclar orgânicos

Leia mais

2º Seminário de Produção e Consumo Sustentável Boas Práticas Ambientais da Indústria FIEMG/2009

2º Seminário de Produção e Consumo Sustentável Boas Práticas Ambientais da Indústria FIEMG/2009 2º Seminário de Produção e Consumo Sustentável Boas Práticas Ambientais da Indústria FIEMG/2009 Energia é Vida Use com Consciência Leonardo Resende Rivetti Rocha Atuação da Cemig no PEE /ANEEL Lei N 9.991

Leia mais

Sessão Pública Apresentação da Agenda Regional para a Energia. Resíduos do Nordeste, EIM

Sessão Pública Apresentação da Agenda Regional para a Energia. Resíduos do Nordeste, EIM Sessão Pública Apresentação da Agenda Regional para a Energia Resíduos do Nordeste, EIM 17.03.2010 Resíduos do Nordeste, EIM A actividade da empresa engloba a recolha e deposição de resíduos indiferenciados

Leia mais

Eficiência Energética nos edifícios e adaptação às Alterações Climáticas

Eficiência Energética nos edifícios e adaptação às Alterações Climáticas Eficiência Energética nos edifícios e adaptação às Alterações Climáticas AdaPT AC:T Método para integração da adaptação às Alterações Climáticas no Setor do Turismo LNEC 4 de junho 2015 CATARINA GONÇALVES

Leia mais