A GESTÃO DOS PEQUENOS EMPREENDIMENTOS RURAIS NUM AMBIENTE COMPETITIVO GLOBAL E DE GRANDES ESTRATÉGIAS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A GESTÃO DOS PEQUENOS EMPREENDIMENTOS RURAIS NUM AMBIENTE COMPETITIVO GLOBAL E DE GRANDES ESTRATÉGIAS."

Transcrição

1 A GESTÃO DOS PEQUENOS EMPREENDIMENTOS RURAIS NUM AMBIENTE COMPETITIVO GLOBAL E DE GRANDES ESTRATÉGIAS. Gelson Luiz Uecker CPF: Professor Titular da Universidade Paranaense UNIPAR Rua Belo Horizonte, 1381, Cascavel Pr. CEP Adriane Diemer Uecker CPF: Professora Titular da Universidade Paranaense UNIPAR Rua Belo Horizonte, 1381, Cascavel Pr. CEP Mirian Beatriz Schneider Braun Economista, Professora da Unioeste Campus de Toledo Doutora em História Econômica pela UNILEÓN/ES. Pesquisadora do GEPEC. Rua da Faculdade, 645. Jr La Salle, Toledo Paraná. CEP CPF Área temática Agricultura Familiar Forma de apresentação Sessão sem debatedor

2 A GESTÃO DOS PEQUENOS EMPREENDIMENTOS RURAIS NUM AMBIENTE COMPETITIVO GLOBAL E DE GRANDES ESTRATÉGIAS. RESUMO O bom desempenho das propriedades rurais hoje e no futuro depende da análise da complexidade da gestão deste segmento. A propriedade rural faz parte do sistema agroindustrial, localizando-se entre o mercado de insumos e o processamento, distribuição e comercialização. Todos os segmentos desta cadeia produtiva visam o consumidor final, que muda constantemente seus hábitos de consumo e aumenta sua exigência quanto à qualidade dos produtos adquiridos. Fatores econômicos, políticos, legais, sociais, naturais, competitivos e tecnológicos ajudam a aumentar esta complexidade. Diante disso, a transição da propriedade rural para uma empresa rural se faz necessário, assim como a utilização da gestão estratégica, que definirá ações para criar espaços para atuação neste mercado. O presente trabalho tem como objetivo geral analisar a gestão das pequenas propriedades rurais quanto às ações estratégicas. Relatar sobre a complexidade do gerenciamento rural, apresentar a nova administração rural e descrever a estratégia no ambiente das pequenas propriedades rurais são os objetivos específicos deste trabalho. Para tanto, realizou-se uma pesquisa descritiva, utilizando-se para a coleta de dados a técnica multi-casos, onde foram estudadas oito propriedades rurais do Oeste do Paraná. Palavras-chave: Propriedades Rurais, Gestão e Estratégia

3 A GESTÃO DOS PEQUENOS EMPREENDIMENTOS RURAIS NUM AMBIENTE COMPETITIVO GLOBAL E DE GRANDES ESTRATÉGIAS. INTRODUÇÃO No passado a agricultura se baseava na geração de capital e de mão-de-obra, mas à medida que o setor foi desenvolvendo, as propriedades rurais adotaram novas tecnologias de produção e de gestão administrativa, que permitiram uma nova postura diante das exigências do mercado. Estas transformações ocorreram principalmente nos países de primeiro mundo. No Brasil, essa situação é característica em regiões mais desenvolvidas e com propriedades de grande porte. NANTES (1997) discute essa situação, ressaltando que em tempos de crédito fácil, como o que ocorreu até meados da década de 80, o produtor rural não se via pressionado a desenvolver sua eficiência profissional. O domínio das técnicas agropecuárias era, em tempos passados, suficiente para manter a produtividade num nível aceitável, proporcionando uma lucratividade atraente ao produtor. Atualmente, com a abertura dos mercados e o acirramento da concorrência interna a realidade é bem diferente. Já não basta só produzir, é necessário saber o que, como e quando produzir e principalmente, como e quando vender. A implantação da mentalidade administrativa é necessária durante a transição da propriedade rural tradicional para empresa rural. Isto é, as transformações devem iniciar-se pela mudança de postura e mentalidade do produtor rural. Suas atitudes e comportamentos é que irão determinar a passagem de um sistema de produção tradicional para um sistema moderno, operando de forma estratégica. AZEVEDO (1997) relata que além dos aspectos de mercado, a produção agrícola está subordinada às restrições impostas pela natureza. Esta dependência em relação à natureza apresenta dois elementos relevantes à oferta agrícola: as condições climáticas e o período de maturação dos investimentos. Estas características são próprias da atividade agropecuária e a diferem da indústria e do comércio tradicional. Estes motivos reforçam a necessidade das atividades agrícolas terem uma gestão estratégica. Diante dessa realidade e das dificuldades na viabilização econômica dos pequenos empreendimentos rurais, o presente trabalho tem como objetivo geral analisar a gestão das pequenas propriedades rurais quanto às ações estratégicas. Como objetivos específicos constam: a) relatar sobre a complexidade do gerenciamento rural; b) apresentar a nova administração rural; c) descrever a estratégia no ambiente das pequenas propriedades rurais. Para tanto, realizou-se uma pesquisa descritiva...multi-casos... COMPLEXIDADE DO GERENCIAMENTO RURAL Até o início do século XX, o processo de produção das propriedades rurais era feito exclusivamente dentro delas. Para BATALHA (1997), o desenvolvimento tecnológico fez com que as atividades se desmembrassem, passando a serem encaradas como segmentos

4 particulares. Na moderna visão de cadeias de produção estas atividades permanecem interligadas. Uma cadeia agroindustrial pode ser segmentada em três macrossegmentos: a) Comercialização Representa as empresas que viabilizam o consumo e o comércio dos produtos finais. Ex: supermercados, mercearias, etc. b) Industrialização Representa as firmas responsáveis pela transformação das matérias-primas em produtos finais. Ex: agroindústrias. c) Produção de matérias-prima Representa as firmas que fornecem as matérias-primas iniciais. Ex: agricultura, pecuária, etc. Os limites desta divisão não são identificados com facilidade e podem variar conforme o produto e o objetivo da análise. Segundo REZENDE & ZYLBERSZTAJN (1999), a propriedade rural é parte integrante dos sistemas agroindustriais, localizando-se entre dois oligopólios. De um lado tem-se o mercado de insumos e do outro o de processamento, distribuição e comercialização. Todos os segmentos desta cadeia produtiva visam o consumidor final. Todavia, o produtor rural está distante deste consumidor. A relação da produção rural com o consumo depende de sinais transmitidos pelos demais agentes deste sistema (JANK, 1997). NEVES (1995), afirma que para se ter noção da complexidade das transações no meio agropecuário, basta imaginar que são inúmeros os insumos necessários, inúmeras são as formas de distribuição e para cada uma delas pode variar a forma mais eficiente de transação a ser estabelecida. WILLIAMSON (1975) acrescenta que a forma de governar varia em função das características da transação, cujas características básicas são freqüência, incerteza e especificidade dos ativos. A descrição dessas características são as seguintes: Freqüência de transação varia conforme a atividade. Os produtores de leite têm uma freqüência muito alta, tendo entrega diária. Já produtores de grãos tem freqüência baixa, fazendo transações somente na época da safra. Incertezas inclui-se neste item as incertezas climáticas e aquelas relacionadas à demanda por parte dos compradores em relação à preços, variedades e quantidades. Nesta última, supera-se o problema da incerteza com a venda por contratos futuros. Exemplo disso é a BM&F, que opera com os seguintes produtos: açúcar, algodão, boi gordo, café, milho e soja. Há também incertezas quanto ao preço e quantidade. Quanto a incertezas climáticas, sua intensidade varia conforme a produção. Como exemplo pode-se citar a produção de leite com incertezas mais baixas do que a produção de grãos. Especificidades dos ativos De acordo com ZYLBERSZTAJN (1995), a especificidade dos ativos representa o mais importante indutor da forma de governança, uma vez que os ativos mais específicos estão associados a formas de dependência bilateral que irá implicar na estruturação de formas organizacionais apropriadas. Um ativo é dito específico, quando seu valor é maior em um uso particular comparado com qualquer outra alternativa. Um investimento é específico quando cria um ativo específico. O grau de especificidade é dado pela perda de valor provocada pelo redirecionamento do ativo para outro uso. WILLIAMSON (1975) acrescenta que existem seis formas distintas de especificidade dos ativos: locacional, de ativo físico, de capital humano, marca, de ativos dedicados e

5 temporal. Nesta análise serão consideradas apenas 3 formas, apenas aquelas relacionadas às atividades agropecuárias: Especificidade temporal tem grande importância nos ativos do agronegócios, pois se refere à perecibilidade dos produtos. O leite, por exemplo, possui uma alta especificidade temporal, enquanto na produção extensiva de gado de corte a especificidade temporal é baixa. Depois do abate do boi, a especificidade temporal é a mesma do leite. Ocorre então a necessidade de coordenação da produção, da indústria e da cadeia do frio. Especificidade locacional refere-se a proximidade dos centros de distribuição e também de instalações mínimas para o seu desenvolvimento e de condições edafoclimáticas. Um exemplo é a produção de leite. Quando não há o tanque de resfriamento na propriedade, quanto maior o tempo gasto para o seu recolhimento, maior a perda de qualidade. Especificidade humana - refere-se à exigência de determinada atividade quanto a necessidade de um conhecimento específico e nível de controle gerencial. Como exemplo de atividade que exige assistência técnica especializada, está a produção de leite, onde o acompanhamento veterinário é imprescindível. Para analisar o grau de complexidade das propriedades, basta perceber as particularidades das diversas atividades no meio rural. Depende-se muito da natureza, onde estão vários dos seus recursos produtivos. O planejamento da produção é realizado com meses e até anos de antecedência em relação à entrega dos produtos, o que diminui a precisão entre o objetivo e o alcançado. O administrador rural não deve tomar decisões sem planejar o tipo de produto. A escolha correta evita problemas na comercialização, devido ao elevado grau de perecibilidade dos produtos. Há também problemas de formulação de planilhas e cálculo do custo real, em função da variedade da produção que compartilham os mesmos recursos produtivos, dificultando ratear os custos fixos. Vale ressaltar que na gestão da produção de uma commodity, há uma prática de discriminação de preços, ficando o produtor sujeito às oscilações dos mesmos. Nestas oscilações está contida a concorrência desleal por produtos importados, altamente subsidiados. ENFOQUE SISTÊMICO NA ADMINISTRAÇÃO Durante a evolução da administração, o processo administrativo foi bastante enfatizado. Entre os mais importantes destaca-se a ênfase nas tarefas, que posteriormente foi deslocada para a estrutura organizacional. Mais tarde vieram as ênfases nas pessoas, no ambiente e na tecnologia. Atualmente, ao se tratar à realidade das organizações e as cadeias produtivas, é necessário analisá-las por meio do enfoque sistêmico. Segundo MAXIMIANO (1997), os sistemas representam os elementos que interagem e se influenciam, geralmente agregados em conjuntos ou em complexos. Esta característica representa a essência do enfoque sistêmico. Este método oferece ao administrador uma visão integrada das organizações e do processo administrativo, além de ser uma ferramenta para organizar sistemas que produzem resultados.

6 Para KWASNICKA (1995), a abordagem sistêmica é integrativa. O sistema é um grupo de elementos inter-relacionados e integrados de forma a obter o resultado desejado. A empresa é uma organização criada pelo homem, que mantém uma interação dinâmica com seu meio ambiente: clientes, competidores, organizações de trabalho, fornecedores, etc. Estudar a unidade de produção como um sistema é, antes de tudo, estudá-la em seu conjunto, para depois analisá-la em suas partes. Os elementos que constituem uma unidade de produção, vista como sistema, são os insumos, os produtos, serviços e subprodutos consumidos, estocados, transformados ou vendidos; os meios de produção representados pelas glebas de terra, animais, instalações, máquinas e equipamentos, a força de trabalho física e intelectual e pelos recursos financeiros. LIMA (1992) destaca que um sistema é um objeto artificial elaborado pelo pensamento humano para representar objetos reais. Uma unidade de produção não é um sistema, mas pode ser representado por um sistema. Um modelo é uma imagem datada da realidade e considerada aceitável por um agricultor. Pela abordagem sistêmica, percebe-se que as empresas inter-relacionam-se em um contexto externo formado por empresas de todos os setores, pela sociedade onde está inserida e pelas organizações que influenciam o seu funcionamento. A NOVA ADMINISTRAÇÃO RURAL As propriedades rurais estão estabelecidas em um ambiente formado pelas demais propriedades rurais, empresas fornecedoras de insumos, empresas compradoras e demais empresas e instituições. SETTE (1999) adverte que os gestores deste processo devem conduzir o seu negócio dentro dessa dinâmica de interação, levando em consideração todas as mudanças que possam ocorrer dentro deste ambiente. O ambiente de negócios está em constante mutação. Isso requer a quebra da inércia e da comodidade das organizações, provocando um desconforto entre dirigentes e trabalhadores, exigindo mais interação, questionamento e desenvolvimento. Como resultado deste processo, pode ocorrer a falência das organizações que não se adaptarem ao novo ambiente ou o progresso das vencedoras. Neste contexto aparece a administração estratégica, que representa o estilo de gerência que se preocupa com a adequação da empresa ao seu ambiente e de que forma elas conseguirão agir de forma pró-ativa, construindo o futuro do setor. O planejamento das propriedades rurais representa uma etapa extremamente importante. Durante o planejamento, as perguntas mais freqüentes dos produtores rurais são: - O que produzir? - Que atividades são mais adequadas à empresa? - Quais são as mais lucrativas? - Qual é a combinação ideal destas atividades na propriedade? - Qual é a vocação da propriedade? Para o sucesso do empreendimento é fundamental entender o contexto no qual os produtores estão trabalhando, isto é, quais são os potenciais e os limites da infra-estrutura local, que são os agentes que interferem na produção agropecuária e como eles agem. Enfim, é recomendável identificar a tendência de evolução da região; verificando se ela aponta para um reforço da agricultura familiar ou, ao contrário, da agricultura patronal e

7 das grandes empresas. Também é importante considerar se os agricultores estão diversificando a produção e mudando suas técnicas e em que direção e como estão atuando os comerciantes e as agroindústrias. Entre os fatores que influenciam o desempenho econômico das empresas rurais, os mais significativos são os fatores externos ou incontroláveis. A agricultura pelas suas peculiaridades, sempre está exposta a influências fora do alcance da técnica. Neste aspecto, a administração estratégica assume importância significativa nos empreendimentos rurais. A administração estratégica está diretamente relacionada com o futuro da organização, definindo os rumos que a empresa deve seguir com todas as suas variações, limitações e conseqüências. O empresário precisa preocupar-se com o futuro, que se define pela ação conjunta das organizações, empresas e sociedade. É mais cômodo deixar as coisas acontecerem do que fazer acontecer. Omitir a definição do futuro pode significar deixar que outras instituições, como governo, bancos, fornecedores, compradores e outros, definam o futuro das empresas. Os empreendimentos rurais para poderem fazer parte do agronegócio precisam com urgência criar e consolidar uma estrutura produtiva moderna. Na cadeia do agronegócio, existem dois ambientes distintos: o geral e o operacional. O primeiro aborda os aspectos políticos, econômicos, sociais e tecnológicos do setor, enquanto o segundo, considera todas as organizações que fazem parte do setor agroindustrial, identificando a estrutura de fornecedores, produtores, distribuidores atacadistas e varejistas e os consumidores atuais e potenciais. O setor agroindustrial brasileiro é um dos mais antigos e tradicionais. As transformações que vêm ocorrendo em todo o mundo, estão sendo incorporadas por muitas empresas agroindustriais nacionais, abrindo excelentes perspectivas de negócios ao empreendimento rurais que se capacitarem a operar nestes mercados. Com as muitas mudanças sociais, políticas e financeiras que vêm acontecendo, estabelece-se um quadro de incertezas. O sucesso de um negócio está baseado na criação de valor e de riqueza para as pessoas, o que significa assumir riscos e inovar sempre. Esta é a tarefa a ser realizada pelo setor gerencial. Para HAMEL & PRAHALAD apud SETTE (1999), a qualidade não será mais um diferencial competitivo, mas o passaporte para entrar no mercado. Além de melhorar neste aspecto, as empresas terão que reinventar o seu setor. É preciso regenerar as estratégias e reinventar canais, processos de produção, clientes, critérios de promoção de gerentes e medidas para avaliar o sucesso. Será necessário fazer a reengenharia do setor no qual a empresa atua. Isto mostra que as empresas não competem apenas dentro das fronteiras dos setores existentes, mas trabalham para criar a estrutura dos setores futuros. Há a necessidade de transformação tanto da parte organizacional como também do setor como um todo. É necessária uma estrutura consistente para competir em um mercado em constante transformação. É necessário fazer uma previsão futura do setor, que auxiliará os gerentes a definirem quais benefícios que os clientes exigirão e assim modelar a empresa para oferecer tais benefícios. A previsão futura do setor precisa detalhar as tendências dos estilos de vida, tecnologia, demografia e geopolítica. Por este motivo, as empresas devem desenvolver uma estratégia coletiva, exigindo uma postura mais cooperativa e menos competitiva. A competição deverá acontecer mais entre setores e menos entre as organizações. A identificação da vocação do empreendimento rural e a sua posterior organização para o aproveitamento da mesma, além da sua condução conforme os princípios da administração, são condições necessárias para o sucesso de qualquer negócio.

8 Para identificar a competência deve-se analisar a empresa, os recursos de produção, os recursos financeiros, o potencial da sua força de trabalho, o sistema de informação do empreendimento e seus recursos mercadológicos. Deve-se também analisar o ambiente nos seus aspectos econômicos, tecnológicos, sociais e políticos, legais e ambientais. É importante conhecer a história do estabelecimento e da família, sua trajetória de acumulação ou de descapitalização e sua evolução recente. É também importante ter uma noção dos recursos do empreendimento: - A quantidade de mão-de-obra disponível, sua origem (familiar ou assalariada) e seus conhecimentos. - As áreas cultivadas, as formas de ocupação dessas áreas (propriedade, posse, arrendamento) suas características (relevo, solos, disponibilidade de água) seu uso atual (cultivos, pastagens, mata, plantações perenes). - Outros meios de produção disponíveis, particularmente o capital fixo imobilizado como instalações, equipamentos e rebanhos, identificando as formas de acesso ou aquisição dos bens (alugados, coletivos, próprios), seu estado de uso e seu preço. CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES RURAIS DO PARANÁ No Estado do Paraná houve uma tipificação e caracterização dos produtores rurais visando a participação no Programa Paraná 12 meses, com o apoio do Banco Mundial. A base foi um estudo desenvolvido pelo IAPAR que identificou os grupos de estabelecimentos agrícolas em classes simples, distintas e claramente reconhecíveis, com o propósito de caracterizar cada uma destas para conhecer e entender sua lógica. O resultado deste trabalho foi a definição de quatro grandes categorias: a) Produtor de subsistência área menor que 10 ha, onde os produtos são para consumo familiar. Uso do capital baixo. Produtividades abaixo das médias locais. A receita mensal inferior a um salário mínimo. A sua relação com o mercado resumese a venda de eventuais excedentes de produção. b) Produtores simples de mercadorias área inferior a 50 ha, com produção de produtos alimentícios e pequenos animais. Capital é baixo. As produtividades são inferiores à média regional. Pelo menos um produto visa o mercado local ou regional. A receita bruta mensal é inferior a 5 salários mínimos. c) Empresário familiar área variando de 25 ha a 120 ha. Os sistemas de produção baseiam-se em produtos agroindustriais, como soja e algodão, ou na criação de animais, como aves, suínos e bovinos de leite. O uso de capital concentra-se em equipamentos, máquinas e insumos agroindustriais. Tem produtividade igual ou superior às médias regionais. Têm intensa relação com o mercado. d) Empresário rural área média alta, maior que 250 ha. Apresentam sistema de produção baseado em animais de grande porte, como bovinos, ou produtos agroindustriais, como soja e trigo. O uso de capital é elevado e centrado em máquinas e insumos agroindustriais. Todas as atividades estão voltadas para o mercado e a mão-de-obra é exclusivamente contratada. CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES RURAIS DE PATO BRAGADO

9 Metodologia da Pesquisa Embora o trabalho apresente dados quantitativos, a abordagem da pesquisa é essencialmente qualitativa. STRAUSS & CORBIN (1990) definiram a pesquisa qualitativa como aquela que não utiliza procedimentos estatísticos ou outra forma de quantificação para a obtenção de resultados. O presente estudo foi desenvolvido baseado em dados primários, colhidos através do estudo de multi-casos. O critério para a escolha foi não estatístico, induzido, composto por oito propriedades rurais diferenciados pelos quatro grupos tipificados e caracterizados pelo IAPAR-Pr, como parte integrante do Projeto Paraná 12 Meses, situados no município paranaense de Pato Bragado. Pato Bragado está localizado no extremo oeste do Estado do Paraná, distante 570 quilômetros da capital Curitiba, 135 de Cascavel e 145 quilômetros de Foz do Iguaçu. Foi colonizado na década de 70 por desbravadores vindos do Rio Grande do Sul, em sua maioria de origem germânica. Juntamente com todo o oeste do Estado, foi responsável no início da década de 80 por uma das maiores produtividades no cultivo da soja, quando era chamada de capital nacional da soja. Dentro do estudo realizado pelo IAPAR, os agricultores do município de Pato Bragado estão caracterizados e tipificados na Tabela 1: Tabela 1 Caracterização dos produtores rurais de Pato Bragado e participação de cada grupo. Participação Caracterização dos produtores número % 1. Subsistência 2. Simples de mercadorias 3. Empresários familiares 4. Empresários rurais TOTAL A síntese dos resultados das atividades produtivas desenvolvidas pelas 8 propriedades rurais pesquisadas, encontram-se no Quadro 1. Quadro 1 Principais atividades de produção de 8 propriedades rurais do oeste do Paraná Propriedade Principais atividades de produção Soja Milho Leite Suínos Outras 1 Sim Sim Sim Sim Sim 2 Sim Sim Sim Não Não 3 Não Sim Sim Não Sim 4 Não Sim Sim Não Sim 5 Sim Sim Sim Sim Não

10 6 Sim Sim Sim Sim Sim 7 Sim Sim Sim Não Sim 8 Sim Sim Sim Sim Não Além destas atividades, as propriedades rurais também produzem aveia, mandioca e peixe. Na região estão sendo desenvolvidas campanhas pela prefeitura municipal para novas atividades. Todavia, estes incentivos não estão tendo boa aceitação por parte dos produtores, que preferem não apostar em algo desconhecido. A dificuldade em alterar a cultura do produtor rural é muito grande. O Quadro 2, apresenta o destino dos principais produtos comercializados pelas 8 propriedades. Quadro 2 Destino dos principais produtos comercializados pelas propriedades rurais Propriedade Soja Milho Suínos Leite 1 Cooperativa Propriedade Cooperativa Consumidor / cooperativa 2 Cooperativa Propriedade - Cooperativa 3 - Propriedade - Outras empresas 4 - Propriedade - Outras empresas 5 Cooperativa Propriedade Cooperativa Cooperativa 6 Cooperativa e Propriedade Suinocultores de Outras empresas outras empresas engorda 7 Cooperativa Propriedade e - Cooperativa cooperativa 8 Cooperativa Propriedade e cooperativa Outras empresas Cooperativa Sobre a qualificação, nenhuma das propriedades estudadas dispõe de mão-de-obra com formação técnica. A maioria busca capacitação em cursos oferecidos pela Emater, Prefeitura municipal e principalmente pela cooperativa. Somente as propriedades 3 e 4 não buscam aperfeiçoamento. Estas propriedades não utilizam assistência técnica, enquanto as outras utilizam este benefício. As informações relativas à qualificação da mão-de-obra e utilização de assistência técnica encontram-se no Quadro 3. Quadro 3 Qualificação da mão-de-obra nas propriedades rurais Propriedade Participação em Assistência técnica Assistência contábil cursos 1 Sim Sim Não 2 Sim Sim Sim 3 Não Não Não 4 Não Não Não 5 Sim Sim Não 6 Sim Sim Não 7 Sim Sim Não

11 8 Sim Sim Não A ESTRATÉGIA NO AMBIENTE DAS PEQUENAS PROPRIEADES QUINN (2001) conceitua estratégia como o padrão ou plano que integra as principais metas, políticas e seqüências de ações de uma organização em um todo coerente. Acrescenta que a estratégia objetiva ordenar e alocar recursos para uma ação viável, baseada em competências e deficiências da organização perante as mudanças ambientais e a ação de concorrentes inteligentes. Segundo SILVA E BATALHA (1997), o termo estratégia tem origem no grego strategos, que significava a arte do general, ou, um conjunto de características psicológicas ou de comportamento associado às tarefas desempenhadas por um comandante militar. O termo torna-se totalmente aplicável, pois, diante dos quadros atuais de competitividade, as organizações travam batalhas diárias em busca de manter e aumentar suas parcelas de mercado. A lógica da estratégia militar era de colocar suas tropas em marcha, avaliando seus pontes fortes e fracos e comparando com os inimigos, além de tentar prever quais seriam as manobras dos mesmos e descobrir seus fatores chaves de sucesso. Confrontando esta conceituação com o perfil dos pequenos produtores rurais, temos a estratégia muito distante de sua aplicabilidade. O homem do campo, como é chamado, é uma pessoa pacata, simples, humildade, que dificilmente consegue ver o seu negócio participando de um campo de batalha. FERRAZ et. all. (1995) definem estratégia como o conjunto de gastos em gestão, recursos humanos, produção e inovação, que visam ampliar e renovar a capacitação das empresas nas dimensões exigidas pelos padrões de concorrência vigentes nos mercados. Aqui se verificam pontos críticos quando se trata de pequenos produtores rurais. Os mesmos não efetuam gastos com gestão, recursos humanos e inovação, havendo uma concentração de gastos com a produção, seguindo orientação dos engenheiros agrônomos, para atender os padrões de concorrência do mercado. Estes profissionais, em sua maioria, são funcionários da cooperativa local, de agroindústrias regionais ou de empresas nacionais e multinacionais de sementes. Isto significa que os mesmos prestam serviços gratuitos aos produtores, atendendo às necessidades das organizações às quais representam. Neste ponto o estudo pôde explicar a grande concentração das propriedades no cultivo de soja. A formação das cooperativas agrícolas aconteceu na década de 70, sendo dimensionadas para atender as necessidades provenientes do cultivo da soja, grande destaque da época. Toda essa estrutura precisa continuar sendo útil, motivo pelo qual tanto se fomenta a soja, chamando a atenção de grandes organizações para atuar na região. O cultivo da soja, uma commodity, significa seguir padrões de concorrência internacionais. Segundo AZEVEDO (1997), para que uma mercadoria seja commodity, precisa atender a pelo menos três requisitos mínimos: a) padronização em um contexto de comércio internacional, b) possibilidade de entrega nas datas acordadas entre comprador e vendedor e c) possibilidade de armazenagem ou de venda em unidades padronizadas. Em outras palavras, o pequeno produtor rurais brasileiro, quando do cultivo e comercialização da soja, terá que concorrer com os grandes produtores brasileiros e produtores norteamericanos. Estes últimos, dominadores de tecnologias, estarão ditando o preço do mercado internacional e os padrões de concorrência a serem seguidos. Ao pequeno produtor resta seguir os padrões de qualidade do produto e diminuir as margens de lucro ou manter as margens de lucro e diminuir a qualidade do produto. Em qualquer uma das opções o

12 pequeno produtor acaba por prejudicar seu empreendimento, já que o cultivo de soja requer grande escala. Segundo estimativas da ABIOVE, a cotação FOB/porto da tonelada de soja no Brasil, Estados Unidos e Argentina é de U$ 300,00. O que difere entre elas são as despesas. O frete médio até o porto no Brasil chega a U$ 35,00, enquanto que nos Estados Unidos é de U$ 15,00 e na Argentina é de U$ 17,00. As despesas portuárias no Brasil chegam a ser 3 vezes mais caras. Enquanto que nos Estados Unidos e Argentina as despesas portuárias são de U$ 3,00, no Brasil chegam a U$ 9,00. Estas estimativas mostram que o Brasil é o país que tem a menor receita líquida, sendo que isto reflete diretamente sobre o produtor. Best (1990) define ação estratégica como a capacidade que as empresas demonstram, individualmente ou em conjunto, de alterar, a seu favor, características do ambiente competitivo tais como a estrutura do mercado e os padrões de concorrência. Poderia se ter nesta definição uma alternativa viável para os pequenos produtores rurais. Individualmente representam muito pouco, ou quase nada. Juntos, através de suas cooperativas, representam um volume significativo, mas não o suficiente para alterar a seu favor, as características do ambiente competitivo de uma commodity. O crescimento do plantio da soja em outras regiões do Brasil, caracterizadas por grandes áreas, vem diminuindo ainda mais o poder dos pequenos produtores. Deste modo, a atuação estratégica do pequeno produtor rural fica restrita a cadeia produtiva, como fornecedor de matéria-prima ou por meio de integração vertical. As empresas (agroindústrias ou cooperativas) desenvolvem suas estratégias e os pequenos produtores ficam responsáveis pela produção de matérias primas com especificações necessárias para a competitividade destas empresas no mercado. Farina (1999) ao ressaltar sobre a competitividade, trata da participação de mercado como indicador de resultado, obtido por meio de custos e produtividade ou inovação em produto e processo. Neste ponto verifica-se uma opção de escolha ao produtor rural. Ao analisar a atual atividade produtiva, o mesmo pode perceber a baixa participação de mercado e verificar sua ineficiência aos custos e produtividade motivados pela pequena área de terra. A inovação em produto ou processo pode ser uma alternativa interessante, deixando as pressões internacionais de uma commodity e optando por cultivar produtos que melhor se encaixam no perfil da propriedade. CONCLUSÃO A abertura de mercado e o acirramento da concorrência interna mudaram a realidade do setor agrícola no Brasil. No passado, somente uma produção razoável garantia uma lucratividade atraente ao produtor. Atualmente, não basta somente produzir, sendo necessário também saber o que, como e quando produzir, além de como e quando vender. Estas questões apresentam difícil resolução, mas ficam mais fáceis de serem equacionadas com a utilização de técnicas administrativas, incrementadas com o uso de estratégias. No desenvolvimento do trabalho ressaltou-se a importância da administração. Abordou-se a sua necessidade de sua aplicação em âmbito estratégico de modo a integrar a propriedade rural nas respectivas cadeias produtivas e poder participar efetivamente no mercado. Na pesquisa diagnosticou-se que a gestão do setor rural continua na realidade dos anos 80, focada principalmente na produção. A visão da maioria dos produtores é restrita à produção, fomentada pela assistência fornecida de forma gratuita pelas cooperativas e por

13 empresas do setor. As orientações passadas aos produtores atendem aos objetivos das organizações, as quais seguem os padrões de concorrência. Constatou-se que a região estudada é essencialmente composta por pequenas propriedades rurais e que para estas não é mais indicada o cultivo da soja. Além da soja tratar-se de uma commodity, com padrões mundiais de concorrência, essas pequenas propriedades não dispõem de recursos financeiros e tecnológicos para produzir com qualidade e índices de lucratividade aceitáveis, que proporcionem desenvolvimento para as mesmas. A situação dos pequenos produtores rurais do Oeste do Paraná é delicada. Participar da cadeia produtiva como fornecedores de matérias primas deveria ser apenas uma opção de atuação e não uma imposição, mesmo que esta seja de maneira indireta. Até mesmo a cooperativa, que deveria ser uma defensora dos seus associados, acaba por ajudar a construir um ambiente de poucas opções. O presente quadro apresentado gera um grande descontentamento no meio rural nas pequenas propriedades, que vivem de esperanças entre uma e outra variação do dólar. Sem visualizar novas oportunidades, acabam por jogar a culpa dos insucessos no caos do mundo moderno. Com isso, os filhos destas famílias deixam suas casas em busca de trabalho mais rentável nas cidades, criando um grande problema social. O crescimento descontrolado das cidades e o conseqüente desemprego tendem a aumentar se nada for feito. Para que o pequeno produtor rural crie um produto ou processo novo, ele precisa de informações que possibilitem uma visão promissora apta para criar, desenvolver a criatividade. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDRADE, J. G. Introdução em Administração Rural. Lavras: Esal Gráfica universitária, s.d. ANTUNES, L. M., ENGEL, A. Manual de Administração rural: custos de produção. Guaíba (RS): Livraria e Editora Agropecuária, AZEVEDO, Paulo Furquim de. Comercialização de produtos agroindustriais. In: BATALHA, Mário O. (coord.) Gestão Agroindustrial. 1. Ed. São Paulo: Atlas, p BASTIANI, I.C.R. O produtor rural na condição de empreendedor. In: 3 Congresso Brasileiro de Administração Rural: Administração rural & agronegócios no 3 milênio, 1999, Anais, p BATALHA, Mário O. Sistemas Agroindustriais: Definições e correntes metodológicas. In: BATALHA, Mário O. (coord.) Gestão Agroindustrial. 1. Ed. São Paulo: Atlas, p BIALOSKORSKI, S., NEVES, E.M. Planejamento e controle da produção. Um sistema simplificado para pequenas e médias propriedades rurais. Campinas: CATI-SAA, CALZAVARA, O. Comportamento administrativo de produtores rurais associado aos resultado econômico. Lavras, ESA, (dissertação de mestrado) CHIAVENATO, I. Teoria Geral da Administração. 5 ed. São Paulo: Makron Books, DIAS, L. H. A. A estrutura administrativa das unidades produtoras de borracha natural (seringais de cultivo) e a eficiência da produção um estudo no

14 Estado da Bahia. Lavras, ESAL, (dissertação de mestrado) DRUCKER, P. Administração empresarial. Rio de Janeiro, Fundo de Cultura, DRUCKER, P. Introdução à Administração. 3 ed. São Paulo: Pioneira, DRUCKER, P. Como definir a Administração e os Administradores. In:. Introdução à Administração. 2.ed. São Paulo: Pioneira, p INCRA/FAO Análise diagnóstico de Sistemas agrários. Guia metodológico. Brasília, p. 65, (Relatório Técnico) JANK, F. S. Discutindo a importância da administração profissional na produção agropecuária: uma visão empresarial. In: Seminário Os Novos Desafios e Oportunidades do Agribusiness no Brasil, São Paulo, KWASNICKA, E.L. Introdução à administração. São Paulo: Atlas, LIMA,A. J. P. A natureza da prática administrativa na produção familiar: um estudo na comunidade de Santana, município de Tapejara (RS). ESAL Lavras / MG, 1992, p (Dissertação de mestrado) LIMA, A. J. P. O objeto da administração rural. Fundação JP. Análise e conjuntura, São Paulo, MARION, J.C., SANTOS, G.J. Administração de custos na agropecuária. São Paulo:Atlas, 1996, p. MARTINS, R.A. Metodologia científica: um caso de aplicação em Engenharia de Produção. São Paulo: DEP/UFSCAR, (Apostila) MAXIMIANO, A. C. A. Introdução à Administração. 5 ed. São Paulo: Atlas, MAXIMIANO, A. C. A. Teoria Geral da Administração. São Paulo: Atlas, MOLINA FILHO, José. Classificação e caracterização sócio-econômica das unidades de produção agrícola no Brasil. In: Anais do I Seminário de Modernização da empresa rural. SUPLAN/FGV, NANTES, J. F. D. Gerenciamento da Empresa Rural. In: BATALHA, Mário O. (cord.). Gestão Agroindustrial. 1. Ed. São Paulo:Atlas, p NEVES, M.F. Sistema Agroindustrial citrícola: um exemplo de quase integração no agribusiness brasileiro. São Paulo, SP. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia Administração e Contabilidade, 1995, 116p. (Dissertação mestrado) REA, L. M., PARKER, R. A. Metodologia de pesquisa: Do planejamento à execução. São Paulo: Pioneira, REZENDE, C.L., ZYLBERSZTAJN, D. Uma análise da complexidade do gerenciamento rural. In: IV SEMEAD, outubro de SANTOS, G. J. dos.; MARION, J. C. Administração de custos na agropecuária. 2. Ed. São Paulo: Atlas, 1996 SETTE, R. de S. Administração estratégica na empresa rural. In: 3 Congresso Brasileiro de Administração Rural: Administração rural & agronegócio no 3 milênio, 1999, Anais, p SOUZA, R. de. et al. A administração da fazenda. São Paulo : Globo, STRAUSS, A., CORBIN, J. Basics of qualitative research. Graundech Theory Procedures and Techniques. USA: Sage Publications, TUNG, N.H. Planejamento e controle financeiro das empresas agropecuárias. São Paulo: Universidade Empresa, 1990, 369p. WALDO, D. O estudo da administração pública. Rio de Janeiro; FGV, p. 10.

15 WILLIANSOM, O. E. Markets and Hierarchies: analysis and antitrust implications. New York: The Free Press, ZYLBERSZTAJN, D. Estruturas de governança e coordenação do agribusiness: Uma aplicação da nova economia das instituições. São Paulo, SP. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidad4e, p. Tese (livre- Docência)

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Segmentos dentro da porteira: Produção agrícola Produção pecuária Segmentos depois da porteira: Agroindústria Canais

Leia mais

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL.

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL. Material Didático Disciplina: Comercialização Agroindustrial # Vendas Prof. responsável: José Matheus Yalenti Perosa Vendas Objeto Produtos Necessidade dos consumidores Atividade humana ou processo social,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Etec Dr. José Luiz Viana Coutinho Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec ETEC Dr. José Luiz Viana Coutinho Município: Jales Município: Jales Eixo Tecnológico: Recursos Naturais Componente Curricular:

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR.

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. Gelson Hein Médico Veterinário Unidade Local de Toledo NOVEMBRO

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais A Importância do Entendimento na elaboração das diretrizes Estratégicas do Negócio Autores Frederico Fonseca Lopes (fflopes@markestrat.org):

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS 1º MÓDULO: SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS Economia e Sociedade do Conhecimento: Conceitos básicos: economia da informação e conhecimento. Investimentos tangíveis e intangíveis. Gestão do Conhecimento e

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS AGROPECUÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO

IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS AGROPECUÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO Excelentíssimo Senhor GILBERTO JOSÉ SPIER VARGAS MINISTRO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA Esplanada dos Ministérios Bloco A, 8º Andar Brasília - DF Assunto: Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes

Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes 1 Conceito de Agronegócio As propriedades rurais tradicionais eram muito diversificadas, com várias culturas e criações

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

5 Análise dos resultados

5 Análise dos resultados 5 Análise dos resultados Neste capitulo será feita a análise dos resultados coletados pelos questionários que foram apresentados no Capítulo 4. Isso ocorrerá através de análises global e específica. A

Leia mais

BENCHMARKING NO AGRONEGÓCIO: O PROJETO DA APROSOJA

BENCHMARKING NO AGRONEGÓCIO: O PROJETO DA APROSOJA BENCHMARKING NO AGRONEGÓCIO: O PROJETO DA APROSOJA VII SEMINÁRIO TÉCNICO DA FMT 15/06/2007 Dr. Airton Spies spies@epagri epagri.sc..sc.gov.br Nova Zelândia e Austrália: Lições de eficiência Estamos no

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 39-CEPE/UNICENTRO, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova o Curso de Especialização em MBA em Cooperativismo e Desenvolvimento de Agronegócios, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO *

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * CENTRO DE INFORMÁTICA APLICADA PROGRAMA DE EXCELÊNCIA DE NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL PESQUISA FGV COMÉRCIO ELETRÔNICO NO MERCADO BRASILEIRO www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * COORDENADOR:

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques "O plano de negócios é o cartão de visitas do empreendedor em busca de financiamento". (DORNELAS, 2005) A partir

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

negócios agroindustriais

negócios agroindustriais graduação administração linha de formação específica negócios agroindustriais Características gerais A Linha de Formação Específica de Negócios Agroindustriais da Univates visa ao desenvolvimento de competências

Leia mais

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem www.bettercotton.org Orientação Text to go here O documento Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem da BCI proporciona uma estrutura para medir as mudanças

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE S (ÁREA: GESTÃO) TECNÓLOGO SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização:A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: "PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 03 O objetivo da Empresa e as Finanças Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO O objetivo da Empresa e as Finanças... 3 1. A relação dos objetivos da Empresa e as

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

Aplicação dos princípios de Administração da Produção em uma indústria química

Aplicação dos princípios de Administração da Produção em uma indústria química Aplicação dos princípios de Administração da Produção em uma indústria química 1 Laureilton José Almeida BORGES; 1 Fádua Maria do Amaral SAMPAIO; 1 Luciana MENDONÇA; 2 Wemerton Luís EVANGELISTA. 1 Estudante

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Sistema Agroindustrial

Sistema Agroindustrial Sistema Agroindustrial......... Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES- Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Para o entendimento das

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST -

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - (4 e 5 de outubro de 2011) PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Administrador de Empresas com Pós Graduação em Business Administration pela New York University

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Edital 03.2014 TERMO DE REFERÊNCIA 01

Edital 03.2014 TERMO DE REFERÊNCIA 01 Edital 03.2014 TERMO DE REFERÊNCIA 01 ELABORAÇÃO DE PLANOS DE SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA PARA EMPREENDIMENTOS ECONÔMICOS SOLIDÁRIOS ORGANIZADOS EM REDES DE COOPERAÇÃO NOS TERRITÓRIOS DA MATA SUL/PE, MATA

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO. O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que:

PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO. O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que: PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que: Tenham competência técnica e tecnológica em sua área de atuação; Sejam capazes de se inserir no

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

As melhores oportunidades de negócios a partir de análises das novas demandas do país

As melhores oportunidades de negócios a partir de análises das novas demandas do país A nova unidade de negócios da Urban Systems Brasil APRESENTAÇÃO 5 de maio de 2009 As melhores oportunidades de negócios a partir de análises das novas demandas do país Thomaz Assumpção Marco Versiani Modelo

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso 1. Muitas organizações estão utilizando tecnologia da informação para desenvolver sistemas

Leia mais

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR)

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR) ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE

Leia mais

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de um projeto (técnico, científico, empresarial). Tem

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi MARÇO/2010

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Administração Financeira PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 1 12/08/2015 Administração Financeira Prof.

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios Orientações para elaborar um Plano de Negócios Maio de 2010 www.nascente.cefetmg.br Página 1 Apresentação Este documento contém um roteiro básico de Plano de Negócios. O objetivo é permitir que o futuro

Leia mais

DESAFIO PORTUGAL 2020

DESAFIO PORTUGAL 2020 DESAFIO PORTUGAL 2020 Estratégia Europa 2020: oportunidades para os sectores da economia portuguesa Olinda Sequeira 1. Estratégia Europa 2020 2. Portugal 2020 3. Oportunidades e desafios para a economia

Leia mais

CURITIBA, FEVEREIRO DE

CURITIBA, FEVEREIRO DE PLANO DE NEGÓCIO CURITIBA, FEVEREIRO DE 2004 2 PLANO DE NEGÓCIO Odilio Sepulcri 1. Introdução: Antes de implementar novas atividades ou alternativas econômicas no sistema de produção, seja para a sua mudança

Leia mais

Gestão da Qualidade em Projetos

Gestão da Qualidade em Projetos Gestão da Qualidade em Projetos Você vai aprender: Introdução ao Gerenciamento de Projetos; Gerenciamento da Integração; Gerenciamento de Escopo- Declaração de Escopo e EAP; Gerenciamento de Tempo; Gerenciamento

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Orçamento Empresarial Definição Instrumento que traz a definição quantitativa dos objetivos e o detalhamento dos fatores necessários para atingi -los, assim como o controle do desempenho. Permite acompanhar

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais