O orçamento da União Europeia num relance

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O orçamento da União Europeia num relance"

Transcrição

1 O orçamento da União Europeia num relance Em que é que se gasta o dinheiro? De onde provém o dinheiro? Como é que se decide o orçamento? Como é que o dinheiro é gasto e controlado? Como é que o dinheiro é contabilizado e perante quem? Comissão Europeia

2 Em que é que se gasta o dinheiro? O orçamento da União Europeia representa cerca de 1% da riqueza nacional da União, ou seja, cerca de 244 euros por cidadão. Este dinheiro é usado com vista a melhorar o dia-a-dia dos cidadãos. Para os estudantes, este apoio pode traduzir-se na oportunidade de estudar no estrangeiro. No caso das pequenas empresas, pode facilitar o acesso a mercados de maior dimensão e permitir um enquadramento empresarial mais justo. Para os investigadores, pode representar mais hipóteses de desenvolvimento das suas ideias para aqueles que procuram emprego, novas hipóteses de formação. Directa ou indirectamente, todos ganhamos com o financiamento de algumas actividades através do orçamento da União Europeia, seja sob a forma de praias mais limpas, alimentos mais saudáveis à nossa mesa, melhores estradas ou mesmo a garantia dos nossos direitos fundamentais. As acções e os projectos financiados pelo orçamento da União Europeia reflectem as prioridades estabelecidas pela União num dado momento, as quais são agrupadas segundo seis grandes categorias de despesas (conhecidas como «rubricas») e em 31 diferentes domínios de intervenção. O orçamento da União Europeia financia acções e projectos em domínios de intervenção onde todos os países da UE decidiram agir a nível da União. Uma conjugação de esforços nestas áreas pode render melhores resultados e revelar-se menos dispendiosa. Contudo, existem outras políticas em que os países da União Europeia decidiram não agir a nível da União. Por exemplo, a segurança social nacional, as pensões, os sistemas de saúde e de educação são todos pagos pelos governos nacionais, regionais ou locais. O «princípio da subsidiariedade» garante que a União só intervirá na medida em que os objectivos da acção proposta não podem ser atingidos de forma suficiente pelos Estados-Membros, tanto a nível central com regional e local, mas podem sê-lo de forma mais eficaz a nível da União, em razão da sua escala ou dos efeitos da acção proposta. 44,6% Competitividade e coesão 42,5% Recursos naturais: agricultura, desenvolvimento rural, ambiente e pesca 1,3% Cidadania, liberdade, segurança e justiça 5,7% A União Europeia como interveniente mundial 5,9% Outros encargos, incluindo despesas administrativas % de despesas da União Europeia ( )

3 cida por «coesão», requer especialmente a assistência às regiões mais desfavorecidas, por forma a transformarem a sua economia e, assim, fazerem frente à concorrência mundial. A economia da inovação e baseada no conhecimento proporciona uma oportunidade sem precedentes a favor do crescimento nestas regiões. Crescimento e emprego Para o período , os países da União Europeia decidiram dedicar uma parte considerável dos seus esforços conjuntos e do orçamento da União à necessidade de assegurar um maior crescimento económico e a criação de mais emprego. O crescimento sustentável tornou-se uma das principais prioridades da União. A economia da União Europeia tem de se tornar mais competitiva e as regiões menos prósperas precisam de alcançar o ritmo das restantes. Uma economia mais competitiva exige, em simultâneo, um maior investimento na investigação e na educação mas também vastas redes de transportes e energia e melhores condições de emprego. Consequentemente, uma ideia simples desenvolvida num laboratório poderá ser reproduzida por uma pequena empresa da União Europeia e comercializada em toda a União, com total protecção dos direitos dos consumidores. Neste caso, financiar uma ideia simples constitui uma oportunidade de emprego para o investigador, o empresário e o distribuidor, concedendo protecção ao consumidor. A obtenção de um crescimento a longo prazo depende também do aproveitamento e do aumento do potencial de crescimento da União Europeia. Esta prioridade, conhe- Os esforços da União no sentido de assegurar a coesão centram-se no desenvolvimento de infra-estruturas e no auxílio às regiões para que formem a sua mão-de-obra e adoptem tecnologia de ponta em matéria de produção. O orçamento da União Europeia também apoia a cooperação económica e social em fronteiras regionais e nacionais. A acção da União envolve frequentemente a partilha de experiências e de know-how, algo que pode ser muito mais proveitoso para as regiões menos prósperas. Os nossos recursos naturais Graças à sua diversidade geográfica e climática, os países da União produzem uma vasta gama de produtos agrícolas, que podem ser comprados pelos consumidores a preços razoáveis. Os esforços da União Europeia neste domínio têm em vista dois objectivos principais. Em primeiro lugar, os produtos devem coincidir com as expectativas dos consumidores, nomeadamente no que se refere a elevados padrões de segurança e qualidade dos produtos agrícolas. Por outro lado, da parte da produção, os agricultores devem ter a possibilidade de planificar e adaptar a sua produção à procura dos consumidores, respeitando sempre a legislação em matéria de ambiente e de bem-estar dos animais. Além disso, uma gestão e protecção eficazes dos nossos recursos naturais devem incluir igualmente medidas directas que visam a protecção do ambiente, a reestruturação e diversifi- 3

4 cação da economia rural, bem como a promoção da pesca sustentável. Afinal, as doenças animais, os derrames de petróleo e a poluição atmosférica não se detêm em fronteiras nacionais. Tais ameaças exigem uma acção coerente em várias frentes e em vários países. Liberdades fundamentais, segurança e justiça Da mesma forma, a luta contra o terrorismo, o crime organizado e a imigração clandestina revela-se bastante mais eficaz quando os países da União Europeia partilham a informação e actuam em conjunto. A União empenha- -se em melhorar a gestão dos fluxos migratórios para o seu território, em reforçar a cooperação no que se refere aos domínios penal e judicial, bem como em promover sociedades seguras baseadas no Estado de direito. Ser europeu: debate, diálogo e cultura A União Europeia conta com cerca de 500 milhões de habitantes. Falamos muitas línguas diferentes e temos contextos culturais diversos. Juntos, formamos a riqueza incalculável da União Europeia: diversidade cultural construída a partir de valores partilhados. O orçamento da União não só promove e protege este património cultural e a sua riqueza como ainda encoraja a participação activa nos debates sociais ao nosso redor. Visa igualmente a protecção da saúde pública e dos interesses dos consumidores. Desde a sua criação em 1987, o programa Erasmus deu a oportunidade de prosseguir os seus estudos superiores noutro país da União Europeia a mais de 2 milhões de estudantes. 4

5 Na Tailândia, o ECHO forneceu ajuda alimentar de base e infra-estruturas de saneamento a mais de refugiados provenientes da Mianmar. Interveniente global O impacto dos fundos da União Europeia não se circunscreve ao território da União. Para muitos, o orçamento da UE distribui uma ajuda de emergência de extrema necessidade no seguimento de uma catástrofe natural. Para outros, trata-se de uma ajuda a longo prazo em prol da prosperidade, da estabilidade e da segurança. Além da assistência a longo prazo da Comissão, 77 países em desenvolvimento de África, Caraíbas e Pacífico podem igualmente beneficiar do Fundo de Desenvolvimento Europeu (não financiado pelo orçamento da União Europeia). Durante o 10.º FED, que abrange o período , o fundo eleva-se a 22,7 mil milhões de euros. De entre os sectores abrangidos pelo financiamento do FED, podemos citar o apoio orçamental ou geral aos países ACP, os transportes, as infra-estruturas, a governação democrática, a agricultura e o desenvolvimento rural, bem com a saúde e a educação. Despesas administrativas Estas despesas referem-se aos encargos com o pessoal e os custos imobiliários de todas as instituições da União Europeia, nomeadamente o Parlamento Europeu, Conselho, Comissão Europeia, Tribunal de Justiça da União Europeia e Tribunal de Contas. Centenas de milhares de pessoas perderam a sua habitação na sequência da passagem do ciclone Sidr no Bangladeche. A União Europeia afectou um montante total de 6,5 milhões de euros ao apoio às populações para suprirem as suas necessidades vitais em termos de água, alimentação e habitação. 5

6 De onde provém o dinheiro? A União Europeia tem os seus «recursos próprios» para financiar as suas despesas. Legalmente, estes recursos pertencem-lhe. Os Estados-Membros cobram-nos em nome da União Europeia e transferem-nos para o orçamento da União. Os recursos próprios são de três tipos (os dados apresentados em seguida referem-se às previsões de receitas para 2010, sendo indicados a título de exemplo). De onde provém o dinheiro? «Recursos próprios tradicionais» (RPT) consistem principalmente em direitos que são cobrados nas importações de produtos provenientes de países terceiros; representam aproximadamente 12% das receitas totais. O recurso baseado no imposto sobre o valor acrescentado (IVA) é uma percentagem uniforme aplicável às receitas do IVA harmonizado de cada Estado-Membro. O recurso baseado no IVA representa 11% das receitas totais. (em % das receitas totais) % Recursos próprios tradicionais (previsão) 38% 12% 11% Recurso baseado no IVA 40% Recurso baseado no PNB 76% Recursos próprios do orçamento da UE 5% 1% Outras receitas O recurso com base no rendimento nacional bruto (RNB) decorre de uma percentagem uniforme aplicada ao RNB de cada Estado-Membro. Embora constitua um saldo, tornou-se a fonte de receitas mais importante e corresponde actualmente a cerca de 76% das receitas totais. O orçamento também recebe outras receitas, tais como impostos pagos pelo pessoal da União Europeia sobre os seus salários, contribuições de países terceiros para determinados programas da União e coimas sobre empresas que violam as regras da concorrência ou outras legislações. Estes recursos diversos correspondem a cerca de 1% do orçamento. As receitas totais da União Europeia previstas para 2010 ascendem a cerca de 122,9 mil milhões de euros. As contribuições para as receitas do orçamento reflectem de forma aproximadamente proporcional a prospe- 6

7 As receitas e despesas orçamentais da União Europeia estão limitadas pelos seguintes condicionalismos: Os Tratados: o orçamento da União não pode estar em situação de défice, o que significa que as receitas têm de cobrir as despesas na sua totalidade. ridade económica dos Estados-Membros. Contudo, a Alemanha, os Países Baixos, a Áustria, a Suécia e o Reino Unido, beneficiam de alguns ajustamentos («correcções») no cálculo das suas contribuições, a fim de reduzir as suas contribuições líquidas para o orçamento, consideradas excessivas. Por outro lado, os fundos da União Europeia são atribuídos aos beneficiários nos Estados-Membros e em países terceiros de acordo com as prioridades que a União identificou. Embora todos os Estados-Membros beneficiem do orçamento da União Europeia, os menos prósperos recebem proporcionalmente mais do que os mais ricos, graças á solidariedade subjacente aos programas da União Europeia, em especial no contexto da política de coesão. Um limite máximo de despesas acordado pelos governos e parlamentos dos Estados-Membros. Vulgarmente designado como «limite máximo dos recursos próprios», esta margem é frequentemente estabelecida em 1,24% do rendimento nacional bruto (RNB) da União e aplica-se aos pagamentos efectuados a partir do orçamento da União Europeia em média, o correspondente a aproximadamente 293 euros por cidadão da União Europeia. Um quadro financeiro plurianual acordado pelo Parlamento Europeu, Conselho e Comissão Europeia, que controla a evolução do orçamento da União Europeia por categoria de despesas durante determinado período de tempo. Um regulamento financeiro adoptado pelo Conselho e pelo Parlamento, que estabelece as regras em matéria de elaboração, execução, gestão e auditoria do orçamento. 7

8 Como é adoptado o orçamento? A Comissão, o Parlamento e o Conselho desempenham diferentes papéis e dispõem de diferentes poderes de decisão em matéria de orçamento. O processo orçamental anual, tal como estabelecido pelo Tratado de Lisboa, decorre entre 1 de Setembro e 31 de Dezembro. Numa primeira fase, o Conselho adopta o quadro financeiro plurianual, após aprovação do Parlamento Europeu, que se pronuncia por maioria dos seus membros. O quadro financeiro plurianual, cuja vigência mínima é de cinco anos, estabelece os limites máximos anuais por rubrica. Os orçamentos anuais devem respeitar estes limites. Assim, é possível garantir uma programação das despesas a longo prazo, permitindo em simultâneo flexibilidade orçamental. O quadro financeiro mais recente cobre o período de sete anos de 2007 a EM POUCAS PALAVRAS O orçamento da União Europeia é decidido democraticamente a todos os níveis O comissário Janusz Lewandowski enquanto debatia assuntos orçamentais numa conferência de imprensa. Além da aprovação do orçamento anual pelo Parlamento Europeu e pelo Conselho, quase todas as actividades exigem a adopção de um acto jurídico antes da sua execução. Este assume a forma de um acto de autorização ou base jurídica, proposto pela Comissão e aprovado pela autoridade legislativa o Conselho isoladamente, ou em muitos casos, em conjunto com o Parlamento. 8

9 ou para apresentar as suas alterações ao Conselho. O Conselho pode aceitar estas alterações num prazo de dez dias, decidindo então adoptar o orçamento. Comité de Conciliação Caso o Conselho não aceite as alterações propostas pelo Parlamento, será instituído um Comité de Conciliação, composto por membros do Conselho, ou representantes seus, e representantes do Parlamento Europeu, em igual número. Este Comité será encarregado de propor um projecto comum no prazo de 21 dias. Conselho dos Assuntos Económicos e Financeiros. O projecto de orçamento da Comissão Todas as instituições e organismos da União Europeia elaboram as suas estimativas para o projecto de orçamento, de acordo com os seus procedimentos internos, antes de 1 de Julho. A Comissão consolida estas estimativas e estabelece o «projecto de orçamento» anual, que é apresentado ao Conselho e ao Parlamento Europeu até 1 de Setembro. Na prática, a Comissão esforça-se por apresentar o projecto de orçamento antes do final de Abril/princípios de Maio. Uma vez que o Comité de Conciliação chegue a acordo sobre um projecto comum, no início de Novembro, o Conselho e o Parlamento dispõem de um prazo de 14 dias para o aprovar ou rejeitar. O Parlamento pode adoptar o orçamento, mesmo que o Conselho rejeite o projecto comum. No caso de o Conselho ou o Parlamento rejeitarem o projecto comum, sem que a outra instituição tome uma decisão, o orçamento é rejeitado, devendo a Comissão apresentar um novo projecto de orçamento. Leitura do orçamento pelo Conselho O Conselho adopta a sua posição sobre o projecto de orçamento, incluindo eventuais alterações, e transmite-a ao Parlamento Europeu antes de 1 de Outubro. O Conselho informa igualmente o Parlamento Europeu sobre as razões que o levaram a adoptar a sua posição. Leitura do Parlamento O Parlamento dispõe então de um prazo de 42 dias para adoptar o orçamento em primeira leitura em Outubro Jerzy Buzek, presidente do Parlamento Europeu ( ) 9

10 Se, aquando do início do exercício orçamental, o orçamento não tiver ainda sido adoptado definitivamente, pode ser despendido mensalmente, no máximo, um duodécimo das dotações inscritas no orçamento do exercício anterior. Aplicam-se procedimentos semelhantes à adopção de cartas rectificativas ao projecto de orçamento (apresentadas quando surgem novas informações antes da adopção do orçamento) e dos orçamentos rectificativos (no caso de circunstâncias inevitáveis, excepcionais ou imprevistas ocorrerem após a adopção do orçamento). O PROCESSO ORÇAMENTAL Comissão Conselho Parlamento SIM (maioria dos votos expressos) Projecto de orçamento (PO) Leitura do projecto de orçamento, alterações Leitura das alterações NÃO (maioria dos membros que o compõem) 1 de Setembro 1 de Outubro 13 de Novembro (42 dias) Calendário Orçamento adoptado O Conselho aceita as alterações propostas pelo Parlamento no prazo de 10 dias Conciliação (*) Isto é, o Parlamento aprova o projecto comum e decide (por maioria dos seus membros e por maioria de 3/5 dos votos expressos), num prazo de 14 dias a contar da data de rejeição pelo Conselho, pela confirmação da totalidade ou parte das alterações decorrentes da primeira leitura. Parlamento e Conselho SIM No prazo de 14 dias Aprovação pelo Parlamento e pelo Conselho (ou impossibilidade decidir) Rejeição pelo Conselho. O Parlamento tem a última palavra (*) Orçamento adoptado Projecto comum Aprovação pelo Conselho, rejeição pelo Parlamento Rejeição pelo Conselho e Parlamento NÃO No prazo de 14 dias Projecto de orçamento rejeitado A Comissão apresenta um novo PO De 13 de Novembro a 4 de Dezembro (21 dias) 18 de Dezembro (14 dias) 10

11 Como é que o dinheiro é gasto e controlado? Responsabilidade pela gestão do orçamento A responsabilidade final pela execução do orçamento incumbe à Comissão Europeia. Na prática, a parte de leão dos fundos da União Europeia (cerca de 76%) é gasta ao abrigo da chamada «gestão partilhada». No âmbito destes mecanismos, a gestão das despesas cabe mais às autoridades dos Estados-Membros do que à própria Comissão. É posto em prática um conjunto completo de controlos e equilíbrios, por forma a assegurar que os Quem gere os fundos da União Europeia? 100 Ideia-chave Os fundos da União Europeia devem ser utilizados de acordo com o princípio de boa gestão financeira, o que significa, simplificando, que os gestores de fundos devem fazer tudo para assegurar uma utilização óptima do dinheiro gasto. Este aspecto exige um respeito rigoroso de todas as regras e regulamentações, bem como avaliações regulares com vista a verificar se este é o caso. fundos em questão são devidamente geridos e de acordo com as regras em vigor. (% dos fundos UE) % Comissão 76% Comissão e Estados- -Membros 1% Países terceiros 1% Comissão em conjunto com parceiros internacionais e outras entidades A Comissão deve recuperar os montantes indevidamente pagos na sequência de erros e irregularidades ou de fraudes deliberadas. Os Estados-Membros são igualmente responsáveis pela protecção dos interesses financeiros da União Europeia. Para esse efeito, cooperam nos seus esforços com a Comissão e o Organismo Europeu de Luta contra a Fraude (OLAF), que leva a cabo investigações em casos potenciais de fraude e ajuda a criar uma legislação europeia à prova de fraude. Elaboração do orçamento com base em actividades Para uma maior transparência, isto é, para que cada um possa estar informado acerca das políticas postas em prática, das quantias gastas em cada uma delas e do 11

12 número de pessoas envolvidas nessas tarefas, o orçamento da União Europeia está dividido em 31 domínios de intervenção. Cada um destes domínios está subdividido para dar a conhecer as diferentes actividades financiadas no âmbito da política em questão e o seu custo total em termos de recursos financeiros e humanos (por exemplo, a actividade de protecção das florestas é financiada no âmbito da rubrica da política do ambiente). Esta forma de organização do orçamento é designada por elaboração do orçamento com base em actividades. Regras que regem as despesas As principais regras que regem as despesas efectivas dos fundos da União Europeia constam do Regulamento Financeiro. Um outro conjunto de normas (normas de execução) explica pormenorizadamente a aplicação do Regulamento Financeiro. Além disso, apenas com algumas excepções, todos os programas lançados devem estar cobertos por um acto de autorização específico ou base jurídica, antes de os fundos poderem ser utilizados. Estas bases jurídicas descrevem os objectivos e o custo da actividade em questão e, muitas vezes, impõem limites plurianuais de despesas. Gestão, auditoria e controlo interno Do lado da Comissão, os programas e as actividades da União Europeia são geridos pelo pessoal dos serviços da Comissão (chamados direcções-gerais) em colaboração com os seus homólogos nos Estados-Membros da União Europeia, quando seja necessário. Em cada serviço da Comissão, um membro do pessoal (habitualmente o director-geral) é nomeado «gestor orçamental» e tem de assumir a responsabilidade integral e final pelas operações no seu domínio de competência, embora todo o pessoal da União Europeia tenha naturalmente uma responsabilidade disciplinar e pecuniária pelas suas acções. Os controlos internos são apoiados por um conjunto de normas claras de controlo, por controlos «a priori» e «a posteriori» por parte da administração, por via de auditoria interna independente com base nas avaliações de 12

13 risco e mediante relatórios regulares sobre as actividades de cada comissário. Desde 2002, todos os serviços da Comissão emitem um relatório anual de actividades dirigido aos membros da Comissão, que descreve os seus resultados durante o exercício e apresenta sugestões para corrigir eventuais deficiências identificadas. Seguidamente, é enviado um relatório de síntese para o Parlamento e para o Conselho. Este relatório constitui actualmente um dos pilares em que o Tribunal de Contas baseia a sua declaração anual de fiabilidade sobre a forma como a União Europeia gere os seus recursos. Como é que a Comissão efectua pagamentos? A Comissão tem contas bancárias junto dos tesouros dos Estados-Membros, dos bancos centrais e dos bancos comerciais e participa na Sociedade para Telecomunicações Financeiras Interbancárias Mundiais (SWIFT). Todas as instruções de pagamento e outras mensagens conexas são enviadas electronicamente sob forma cifrada e com uma chave de identificação codificada. A Comissão trata com mais de terceiros, nomeadamente beneficiários de subvenções e fornecedores de bens e serviços. Para processar essas transacções, utiliza para cada terceiro (pessoa singular ou empresa) uma chamada ficha informatizada de entidade jurídica. Todas estas fichas de entidades jurídicas têm de ser autorizadas e validadas antes de poder ser efectuado qualquer pagamento. A União controla as actividades agrícolas que subsidia por teledetecção (Monitoring Agriculture through Remote Sensing projecto MARS) 13

14 Como é que o dinheiro é contabilizado e perante quem? A dupla natureza da contabilidade e obrigação de publicação da União Europeia O sistema de contabilidade da União Europeia compreende dois tipos de contabilidade: a) contabilidade orçamental (registo pormenorizado da execução orçamental); e b) contabilidade geral (que é utilizada para elaborar o balanço e a conta de resultados económicos). A contabilidade orçamental baseia-se no princípio de contabilidade de caixa modificada, o que significa que as transacções (despesas e receitas) são apenas registadas quando o dinheiro é pago ou recebido. Ideia-chave Todos os anos, as contas da União Europeia são publicadas e auditadas externamente pelo Tribunal de Contas. A avaliação final, chamada «quitação», é dada pelo Parlamento depois de ter em conta as recomendações do Conselho. A contabilidade geral (ou o razão geral) utiliza o método das partidas dobradas para registar todas as receitas e despesas ao longo do exercício financeiro. A contabilidade geral é utilizada para estabelecer a conta de resultados económicos e o activo e passivo do balanço, que é elaborado para reflectir a situação financeira da União Europeia em 31 de Dezembro de cada ano. Informações sobre a execução do orçamento Vítor Manuel da Silva Caldeira, presidente do Tribunal de Contas e José Manuel Barroso, presidente da Comissão Europeia. A Comissão publica todos os meses, no seu sítio web, informações sobre a evolução da execução orçamental. Estes relatórios mensais indicam a forma como o dinheiro está efectivamente a ser utilizado. Esta informação é dada para cada capítulo do orçamento e por domínio de intervenção. Os serviços competentes apuram igualmente dados semanais relativamente aos seus domínios de intervenção. A «análise da avaliação anual» permite uma visão global dos resultados das avaliações efectuadas durante o ano e do acompanhamento programado. A Comissão publica igualmente as contas anuais da União Europeia, designadamente os relatórios consolidados 14

15 sobre a execução do orçamento e o balanço. Preparadas de acordo com as normas internacionais de contabilidade do sector público (IPSAS), consolidam as contas de todas as instituições e organismos da UE, bem como as contas da maior parte das agências. Depois de uma auditoria prévia das contas provisórias realizada pelo Tribunal de Contas, a Comissão aprova as contas finais, as quais são enviadas posteriormente às autoridades de quitação: o Parlamento Europeu e o Conselho. A 1 de Janeiro de 2005, a Comissão tomou um passo crucial na modernização da sua contabilidade, passando de uma contabilidade de caixa para uma contabilidade de exercício. A contabilidade de exercício reconhece transacções no momento em que ocorrem (e não apenas quando o dinheiro é pago), permitindo obter uma panorâmica completa do activo e passivo da União Europeia. Consequentemente, é agora possível aos responsáveis políticos, às autoridades que controlam o orçamento, aos gestores dos fundos da União Europeia e aos cidadãos da União aceder a informações financeiras mais precisas, algo essencial para uma gestão eficaz e para o controlo dos fundos públicos. Auditoria externa Além de auditorias e controlos regulares internos, as contas anuais da União Europeia e a gestão dos recursos estão sujeitas a uma auditoria externa e independente, realizada pelo Tribunal de Contas. Todos os anos, o Tribunal de Contas elabora um relatório dirigido ao Parlamento e ao Conselho. Juntamente com este relatório, emite um parecer designado «declaração de fiabilidade» relativo: à fiabilidade das contas (isto é, se as contas estão correctas); e à legalidade e regularidade das transacções subjacentes (isto é, das receitas cobradas e dos pagamentos efectuados). O Parlamento Europeu concede a quitação ao orçamento da União Europeia. Responsabilização perante o Parlamento Europeu Na sequência da publicação do relatório anual do Tribunal de Contas e da finalização das contas anuais, o Conselho apresenta as suas recomendações ao Parlamento. Com base nisto, o Parlamento Europeu pronuncia-se sobre a gestão da Comissão relativamente ao exercício em questão. Caso o Parlamento considere que a Comissão geriu o orçamento da UE de forma apropriada, concede a «quitação» à Comissão. Ao conceder a quitação, o Parlamento recomenda frequentemente a adopção de medidas de seguimento, a serem tomadas pela Comissão. Em resposta, a Comissão identifica as medidas que pode tomar e informa o Parlamento e o Conselho. 15

16 Para mais informações sobre o orçamento da União Europeia e a programação financeira: Orçamento da União Europeia: (disponível em alemão, francês e inglês) KV PT-C Direcção-Geral do Orçamento da Comissão Europeia: Janusz Lewandowski, comissário responsável pelo Orçamento e Programação Financeira: Dê-nos a sua opinião sobre esta brochura: Europe Direct é um serviço que responde às suas perguntas sobre a União Europeia Linha telefónica gratuita (*): (*) Alguns operadores de telefonia móvel não permitem o acesso aos números iniciados por , ou cobram estas chamadas Fotografias Corbis, capa e páginas 3 e 9; Ingram publishing, página 3; European Union, páginas 4, 5 (ECHO/Antoine Lemasson, ECHO/Claire Barrault), 8, 10, 12, 13, 14 e 15; GettyImage, página 7; ESA/J. Huart, página 9. Encontram-se disponíveis outras informações sobre a União Europeia na Internet (http://europa.eu) Luxemburgo: Serviço das Publicações da União Europeia, 2010 ISBN doi: /4319 União Europeia, 2010 Reprodução autorizada mediante indicação da fonte Printed in Luxembourg Impresso em papel branqueado sem cloro

O que é o Banco Europeu de Investimento?

O que é o Banco Europeu de Investimento? O que é o Banco Europeu de Investimento? O BEI é o banco da União Europeia. Como primeiro mutuário e mutuante multilateral, proporciona financiamento e conhecimentos especializados a projectos de investimento

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Comissão Europeia O que é a Estratégia Europeia para o Emprego? Toda a gente precisa de um emprego. Todos temos necessidade de

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Proposta da Comissão Europeia de quadro financeiro plurianual para 2014-2020

Proposta da Comissão Europeia de quadro financeiro plurianual para 2014-2020 Proposta da Comissão Europeia de quadro financeiro plurianual para 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA 1 Europe Direct é um serviço que responde às suas perguntas sobre a União Europeia. Linha telefónica gratuita

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU CONSELHO COMISSÃO

PARLAMENTO EUROPEU CONSELHO COMISSÃO 14.6.2006 C 139/1 I (Comunicações) PARLAMENTO EUROPEU CONSELHO COMISSÃO ACORDO INTERINSTITUCIONAL Entre o Parlamento Europeu, o Conselho e a Comissão, sobre a disciplina orçamental e a boa gestão financeira

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ECA/09/69 DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ******* APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO ANUAL RELATIVO AO EXERCÍCIO DE 2008 À COMISSÃO DO

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE)

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) Comissão Europeia Direcção-Geral da Justiça, da Liberdade e da Segurança Unidade B/4 Fundo Europeu para os Refugiados B-1049 Bruxelas Estado-Membro: PORTUGAL

Leia mais

DECISÕES. DECISÃO DO CONSELHO de 26 de maio de 2014 relativa ao sistema de recursos próprios da União Europeia. (2014/335/UE, Euratom)

DECISÕES. DECISÃO DO CONSELHO de 26 de maio de 2014 relativa ao sistema de recursos próprios da União Europeia. (2014/335/UE, Euratom) 271 der Beilagen XXV. GP - Beschluss NR - 17 Beschluss Portugiesisch (Normativer Teil) 1 von 7 L 168/105 DECISÕES DECISÃO DO CONSELHO de 26 de maio de 2014 relativa ao sistema de recursos próprios da União

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos PARLAMENTO EUROPEU 1999 Comissão dos Orçamentos 2004 PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003 PROJECTO DE PARECER da Comissão dos Orçamentos destinado à Comissão da Indústria, do Comércio Externo,

Leia mais

Freguesia de Tabuadelo e São Faustino. Concelho de Guimarães

Freguesia de Tabuadelo e São Faustino. Concelho de Guimarães Freguesia de Tabuadelo e São Faustino Concelho de Guimarães Relatório de Gerência de Contas e Relatório de Actividades Ano de 2013 Índice: Introdução:... 3 Analise Económica e Financeira... 5 Execução

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário;

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário; ACORDO EUROPEU SOBRE UM CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO SOBRE AS INFORMAÇÕES A PRESTAR ANTES DA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE EMPRÉSTIMO À HABITAÇÃO ( ACORDO ) O presente Acordo foi negociado e adoptado pelas

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020

Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020 Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020 Fundos 2 Objetivos 2 Etapas formais de programação 2 Abordagem estratégica 2 Âmbito Geográfico 3 Concentração Temática 4 Condicionalidades Ex ante 5 Adicionalidade

Leia mais

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu Os Tribunais de Contas e os desafios do futuro Vítor Caldeira Presidente do Tribunal de Contas Europeu Sessão solene comemorativa dos 160 anos do Tribunal de Contas Lisboa, 13 de Julho de 2009 ECA/09/46

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

Modernização da contabilidade da UE

Modernização da contabilidade da UE Modernização da contabilidade da UE Melhor informação de gestão e maior transparência O guia do novo sistema de informação financeira da UE COMISSÃO EUROPEIA Melhor gestão dos fundos públicos Dispor de

Leia mais

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu.

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título Opções de financiamento para a CPLP não é meu. FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu. Poderia dar ideia que há opções de financiamento específicas para a CPLP em si mesma e para os Estados

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Projecto de

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Projecto de PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 27.6.2008 SEC(2008) 2109 final Projecto de DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU, DO CONSELHO, DA COMISSÃO, DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA, DO TRIBUNAL DE CONTAS,

Leia mais

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 1259/2010 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 2010 que cria uma cooperação reforçada no domínio da lei aplicável em matéria de divórcio

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 13.2.2007 SEC(2007) 190 final Recomendação de PARECER DO CONSELHO em conformidade com o n.º 3 do artigo 9º do Regulamento (CE) n.º 1466/97 do Conselho, de 7

Leia mais

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 Projecto DECISÃO N. o / DO CONSELHO DE ASSOCIAÇÃO instituído pelo Acordo Euro-Mediterrânico que cria uma associação entre as Comunidades Europeias e

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 09.03.2001 COM(2001) 128 final 2001/0067 (ACC) VOLUME IV Proposta de DECISÃO DO CONSELHO Relativa à posição da Comunidade no Conselho de Associação sobre a

Leia mais

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO 13.3.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 68/3 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 11 de Março de 2009 que altera a Directiva 94/19/CE relativa aos sistemas de garantia

Leia mais

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL A última reforma da política agrícola comum (PAC) manteve a estrutura em dois pilares desta política, continuando o desenvolvimento rural a representar

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

'(&,6 (6$3529$'$6325352&(',0(172(6&5,72

'(&,6 (6$3529$'$6325352&(',0(172(6&5,72 & Bruxelas, 26 de Março de 2001 7362/01 (Presse 120) (OR. en) '(&,6 (6$3529$'$6325352&(',0(172(6&5,72 O Conselho aprovou em 23 de Março de 2001, por procedimento escrito, as suas posições comuns tendo

Leia mais

Parlamento Europeu 2015/0000(BUD) PROJETO DE PARECER

Parlamento Europeu 2015/0000(BUD) PROJETO DE PARECER Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão das Pescas 2015/0000(BUD) 23.6.2015 PROJETO DE PARECER da Comissão das Pescas dirigido à Comissão dos Orçamentos sobre o orçamento geral da UE para 2016 Secção III

Leia mais

República de Moçambique. Ministério Das Finanças

República de Moçambique. Ministério Das Finanças República de Moçambique Ministério Das Finanças CEDSIF Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O OBJECTO 1 E/OU OBJECTO 2 MAPUTO, Setembro de 2012 2 Introdução

Leia mais

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA ACQUALIVEEXPO Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA Lisboa, 22 de Março de 2012 1 1. Introdução A diplomacia económica é um

Leia mais

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.6.2010 COM(2010) 315 final PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 MAPA DE RECEITAS E DE DESPESAS POR SECÇÃO Secção II Conselho Europeu e Conselho

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

(18) Capitalização de bonificações de juros, contribuições para prémios de garantias (se for caso disso)

(18) Capitalização de bonificações de juros, contribuições para prémios de garantias (se for caso disso) L 271/20 ANEXO I Índice anotado de um acordo de financiamento entre uma autoridade de gestão e um intermediário financeiro Índice: (1) Preâmbulo (2) Definições (3) Âmbito e objeto (4) Objetivos políticos

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I Das disposições gerais ARTIGO 1 (Denominação, natureza jurídica e finalidade) O Centro de Biotecnologia,

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º, REGULAMENTO (CE) Nº 1082/2006 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 5 de Julho de 2006 relativo aos agrupamentos europeus de cooperação territorial (AECT) O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.10.2007 COM(2007) 619 final 2007/0216 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n. 2252/2004 do Conselho

Leia mais

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O Banco Europeu de Investimento (BEI) promove os objetivos da União Europeia ao prestar financiamento a longo prazo, garantias e aconselhamento a projetos. Apoia projetos,

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 18.3.2004 L 80/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 491/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 10 de Março de 2004 que estabelece um programa de assistência

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20.12.2010 COM(2010) 774 final Anexo A/Capítulo 08 ANEXO A à Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo ao Sistema europeu de contas nacionais

Leia mais

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS DE SEGURANÇA SOCIAL Estatutos da Comissão Administrativa para a Coordenação dos Sistemas de Segurança

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

Código de Conduta Voluntário

Código de Conduta Voluntário O Banif, SA, ao formalizar a sua adesão ao Código de Conduta Voluntário do crédito à habitação, no âmbito da Federação Hipotecária Europeia, e de acordo com as recomendações da Comissão Europeia e do Banco

Leia mais

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA 1 A regulação e a supervisão prudencial são um dos pilares essenciais para a criação de um clima

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS

DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIO DE 2014 1 POR QUE RAZÃO O BCE COBRA UMA TAXA DE SUPERVISÃO? Ao abrigo do Regulamento (UE) n.º 1024/2013,

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado Janeiro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006)

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) PREÂMBULO O presente regulamento define as normas relacionadas com a actividade financeira a observar

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS Parecer COM(2013)462 Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo a fundos europeus de investimento a longo prazo 1 PARTE I - NOTA INTRODUTÓRIA Nos termos do artigo 7.º da Lei n.º

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa A UGT saúda o debate em curso na Comissão dos Assuntos Europeus sobre o Futuro da Europa e, particularmente, sobre o futuro do Tratado Constitucional. O

Leia mais

SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA)

SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 1 / SAMA/ 2009 SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) PROJECTOS-PILOTO SUSTENTADOS EM REDES DE NOVA GERAÇÃO OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS NA POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 A Comissão Europeia aprovou propostas legislativas no âmbito da política de coesão para 2014-2020 em outubro de 2011

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS u ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS PARECER COM(201 2)782 Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que estabelece um programa da União Europeia de apoio a atividades

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Francisco Cordovil Director do GPP Conselho Nacional da Água Ponto 4 da ordem de trabalhos Lisboa 3 de Dezembro de 2010 Política agrícola e protecção

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 PROCEDIMENTOS DE ENCERRAMENTO DE PROJECTOS 1. ENQUADRAMENTO No âmbito do acompanhamento dos projectos apoiados pelo POFC, importa estabelecer o conjunto de procedimentos

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Assembleia Nacional. Lei 17/92

Assembleia Nacional. Lei 17/92 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Assembleia Nacional Lei 17/92 A Assembleia Nacional, no uso das faculdades que lhe são conferidas pela alínea g) do artigo 86.º da Constituição Política, para

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático O acesso à informação, a participação do público no processo de tomada de decisão

Leia mais

Assembleia Popular Nacional

Assembleia Popular Nacional REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Assembleia Popular Nacional Lei n.º 2/88 Manda executar o Orçamento para o ano de 1988 A Assembleia Popular Nacional, usando da faculdade conferida pela alínea

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 580 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 580 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 580 DECLARAÇÃO DO ORGÃO DE GESTÃO Dezembro de 1998 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-5 Objectivos 6 Requisitos da declaração 7-11 Conteúdo da declaração 12-15 Posição do revisor/auditor

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO PROCEDIMENTOS DE COBRANÇA E ENTREGA AOS MUNICÍPIOS DA TMDP (TAXA MUNICIPAL DE DIREITOS DE PASSAGEM)

PROJECTO DE REGULAMENTO PROCEDIMENTOS DE COBRANÇA E ENTREGA AOS MUNICÍPIOS DA TMDP (TAXA MUNICIPAL DE DIREITOS DE PASSAGEM) http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=110699 PROJECTO DE REGULAMENTO PROCEDIMENTOS DE COBRANÇA E ENTREGA AOS MUNICÍPIOS DA TMDP (TAXA MUNICIPAL DE DIREITOS DE PASSAGEM) A Lei das Comunicações

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n.º 562/2006 para estabelecer regras comuns sobre a reintrodução temporária

Leia mais

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho O Governo, cumprido o disposto nos artigos 4.º e seguintes da Lei n.º 16/79, de

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

113 milhões de euros para o programa a favor das pessoas mais necessitadas em 2012

113 milhões de euros para o programa a favor das pessoas mais necessitadas em 2012 COMISSÃO EUROPEIA - COMUNICADO DE IMPRENSA 113 milhões de euros para o programa a favor das pessoas mais necessitadas em 2012 Bruxelas, 20 de Junho de 2011 O montante global da dotação para 2012 do programa

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

ESPECIAL PMEs. Volume III Fundos europeus 2ª parte. um Guia de O Portal de Negócios. www.oportaldenegocios.com. Março / Abril de 2011

ESPECIAL PMEs. Volume III Fundos europeus 2ª parte. um Guia de O Portal de Negócios. www.oportaldenegocios.com. Março / Abril de 2011 ESPECIAL PMEs Volume III Fundos europeus 2ª parte O Portal de Negócios Rua Campos Júnior, 11 A 1070-138 Lisboa Tel. 213 822 110 Fax.213 822 218 geral@oportaldenegocios.com Copyright O Portal de Negócios,

Leia mais

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE III. 1 - Definições FASE DE ENTRADA Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção de subvenção as

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Orçamentos 15.9.2010 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre o mandato externo do BEI Comissão dos Orçamentos Relator: Ivailo Kalfin DT\830408.doc PE448.826v01-00 Unida na

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS Destina-se a apoiar. nas explorações agrícolas para a produção primária de produtos agrícolas - Componente 1. na transformação e/ou comercialização de produtos agrícolas

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

relatório final do projecto.../pt/16/c/ /

relatório final do projecto.../pt/16/c/ / Relatório Final Estrutura 1. INTRODUÇÃO 1.1 Caracterização da Situação Antes da Intervenção 1.2 Objectivos da Intervenção 2. IDENTIFICAÇÃO DA DECISÃO 2.1 Elementos Básicos da Decisão Inicial 2.2 Alterações

Leia mais

DIRECTIVA N 01/2009/CM/UEMOA Sobre o Código de Transparência na Gestão das Finanças Públicas NO SEIO DA UEMOA

DIRECTIVA N 01/2009/CM/UEMOA Sobre o Código de Transparência na Gestão das Finanças Públicas NO SEIO DA UEMOA UNIÃO ECONÓMICA E MONETÁRIA OESTE AFRICANA O Conselho de Ministros DIRECTIVA N 01/2009/CM/UEMOA Sobre o Código de Transparência na Gestão das Finanças Públicas NO SEIO DA UEMOA O CONSELHO DE MINISTROS

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU. Parecer n. 1

TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU. Parecer n. 1 TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU Parecer n. 1 2010 Melhorar a gestão financeira do orçamento da União Europeia: riscos e desafios PT 1 ÍNDICE PONTOS 2 Introdução 3-4 3 4-5 Continuar a diminuir o nível de irregularidade

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

RELATO FINANCEIRO DOS MEDIADORES DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS

RELATO FINANCEIRO DOS MEDIADORES DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR RELATO FINANCEIRO DOS MEDIADORES DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS Nos termos da alínea f) do artigo 58.º do Decreto-lei n.º 144/2006, de 31 de Julho, alterado pelo Decreto-Lei

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção IP/03/716 Bruxelas, 21 de Maio de 2003 Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção O reforço dos direitos dos accionistas e da protecção dos trabalhadores e

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

Comissão apresenta estratégia europeia para a energia

Comissão apresenta estratégia europeia para a energia Comissão apresenta estratégia europeia para a energia Numa época em que se assiste a importantes reestruturações empresariais no sector energético a nível europeu, a Comissão Europeia estabeleceu as bases

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais