50 Jeitos Brasileiros de Mudar o Mundo O Brasil rumo aos objetivos de desenvolvimento do milênio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "50 Jeitos Brasileiros de Mudar o Mundo O Brasil rumo aos objetivos de desenvolvimento do milênio"

Transcrição

1 50 Jeitos Brasileiros de Mudar o Mundo O Brasil rumo aos objetivos de desenvolvimento do milênio

2

3 50 Jeitos Brasileiros de Mudar o Mundo O Brasil rumo aos objetivos de desenvolvimento do milênio

4 2

5 3

6 4

7 5

8 6

9 7

10 1ACABAR COM A FOME E A MISÉRIA

11

12 APAEB Valente Desenvolvimento Sustentável da Região Sisaleira, Valente, Bahia 10 Idéia Chave Promover o desenvolvimento sócio-econômico solidário e sustentável da região sisaleira, através da organização e articulação da população que vive, tece e compõe o sertão. Contexto Os agricultores familiares da região do sisal no Estado da Bahia viviam sem alternativas de sobrevivência; o sisal, principal produto da região, tinha preços baixos no mercado. Não havia organização coletiva em torno da produção e da venda desse produto e nem alternativas de beneficiamento. Diante dessas condições, a população não tinha outra opção que a migração para outras regiões em busca de melhores condições de vida. Em 1980, no Município de Valente, os agricultores locais criaram sua Associação de Desenvolvimento Sustentável e Solidário da Região Sisaleira (APAEB), visando a melhoria da qualidade de vida da população da região sisaleira. Objetivos da Intervenção Estimular continuamente a organização dos produtores e da população em torno da re-significação do semi-árido e do povo sertanejo, com possibilidades de garantir as condições objetivas de sobrevivência; Estimular a produção e a comercialização da agricultura familiar, implantando unidades produtivas; Desenvolver ações pedagógicas voltadas para as crianças e jovens do campo. Plano de Ação/ Metodologia de Trabalho Posto de Vendas: A primeira atividade econômica da APAEB foi instalar uma mercearia para repassar ao mercado os produtos dos pequenos agricultores filiados a APAEB e revender produtos industrializados por preços baixos, para sócios e a população em geral; Cadeia Produtiva de Sisal: Construção de uma batedeira comunitária de sisal, principal produto agrícola da região, que compra a produção dos agricultores e processa a matéria-prima para possibilitar a industrialização da fibra, bem como sua exportação. Assim é garantido que o dinheiro que antes ficava na mão de atravessadores e intermediários, passe a circular no Município; Diversificação da produção: Implantação de curtume e fábricas de laticínios, produtos de couro e sisal, que atuam no mercado consumidor, dentro e fora da região, e criação de incentivos para o investimento na caprinovinocultura, ideal para as condições econômicas dos produtores e para o clima da região, pois as cabras e ovelhas consomem menos água e alimento do que os bovinos; Convivência com a seca: Capacitações e assistência técnica permanente aos agricultores ensinando técnicas em caprinocultura, silagem, fenação, alimentação alternativa, uso da água, cooperativismo, associativismo, entre outros, para deixarem velhos e equivocados hábitos transmitidos de geração a geração; Escola Família Agrícola: Criação de espaço numa fazenda para uma escola que acolhe em média 90 filhos de pequenos agricultores de 6 Municípios, para crescerem com uma nova mentalidade, sabendo que não é preciso sair do sertão para a cidade, mas sim adaptar-se às condições. A escola funciona segundo a pedagogia da alternância, ou seja, o aluno passa uma semana na escola e outra em casa, repassando o que aprendeu; Acesso a créditos: Criação de uma cooperativa de crédito (COOPERE) em 1993, que tem toda a estrutura de um banco, dando empréstimos aos pequenos agricultores para investirem na propriedade, de acordo com o projeto econômico elaborado pelos técnicos da APAEB e atua também como intermediária de programas de crédito do governo federal, repassados aos cooperados; Divulgação: Implantação de uma rádio comunitária, um provedor de internet e produção de um programa de TV, para garantir o compartilhamento das ações, subsidiar as iniciativas educativas e manter viva a cultural local. Mobilização dos Cidadãos - Voluntariado A atuação da APAEB é pautada na mobilização de toda a população do Município, especialmente dos pequenos agricultores, constituindo-se atualmente na estrutura que garante a sustentabilidade da região, reduzindo significativamente a emigração. Inovação A APAEB mostra a viabilidade de convivência com a seca no sertão, aproveitando um produto local, o sisal, na sua totalidade, entrando num nicho econômico que possibilita financiar outros projetos, tanto econômicos quanto educativos na região. Isso possibilitou frear o êxodo rural, estimulando o desenvolvimento local sustentável.

13 Resultados Hoje em dia, a APAEB emprega 900 pessoas diretamente na fábrica de tapetes e carpetes de sisal, na batedeira comunitária e nas batedeiras particulares que prestam serviço exclusivamente para a APAEB. A fábrica é responsável por 75% do faturamento da associação, financiando inclusivé projetosque ainda estão em fase de implantaæção ou consolidação; Até agora, famílias foram beneficiadas no campo com a valorização da fibra do sisal graças ao trabalho da APAEB que capacitou cerca de pessoas em cursos, oferecendo alternativas viáveis para uma vida digna no sertão; Implantação exitosa de cadeias produtivas: 1) A fábrica de tapetes garante o benefício oriundo do sisal, produzindo hoje em dia até metros quadrados de tapetes e carpetes por mês, exportando a maior parte para os Estados Unidos e Europa, respondendo assim à demanda por produtos naturais; 2) A fábrica de laticínios viabiliza o escoamento da produção de leite caprino, produzindo e comercializando doces, iogurtes, e queijo. Além disso, a pele dos caprinos e ovinos é aproveitada através de curtume e de uma fábrica de bolsas e calçados; Até agora, cerca de pessoas beneficiaram-se de créditos concedidos pela cooperativa de crédito implantada, investindo nas suas propriedades rurais; Implantação exitosa da rádio comunitária e produção de um programa na TV Cultura do Sertão, com veiculação diária e voltada para a educação rural; além de um provedor próprio de acesso a Internet, o Sertão Net, facilitando o compartilhamento de informações de forma gratuita através de um telecentro, que atende toda a população da região; A influência da APAEB na economia da região traz diversos benefícios para a população, freando assim a migração destas populações para os grandes centros urbanos, o que contribui significativamente com a sustentabilidade da região sisaleira. Lições Aprendidas A experiência demonstra que é possível realizar grandes processos de transformação através do incentivo à organização social sem a perda da identidade cultural; Observou-se a necessidade de sensibilizar e integrar os jovens como forma de dar continuidade ao processo de fortalecimento e valorização social e cultural. Voz do Campo Eu já produzia sisal havia muitos anos, bem antes da APAEB. Quando a APAEB começou, eu passei a vender sisal pra ela. Todo mundo vendia num preço muito barato, e depois da APAEB valorizou o produto. O sisal chegou a ser vendido por R$ 0,30 por quilo. Hoje [2005], a APAEB paga R$ 1,28. Compensa vender para a APAEB. Michel Pampunet Aluno da 7ª série da Escola Família Agrícola de Valente Aqui nessa escola, nós aprendemos a mexer com os animais e a lidar com o sertão e o semi-árido e até mesmo o que nós aprendemos aqui, passar pra comunidade e para os nossos pais. Parcerias - Patrocínio Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Caixa Econômica Federal (CAIXA), Volens/Itinerans, Ministério do Esporte, Banco do Nordeste do Brasil (BNB), Instituto de Cooperação Belgo-Brasileira para o Desenvolvimento Social (DISOP), The Schwab Foundation for Social Entrepreneurship, Sindicato dos Trabalhadores Rurais e Agricultores Familiares de Valente, W.K. Kellogg Foundation, Cooperativa Valentense de Credito Rural (SICOOBCOOPERE), Cooperativa Regional de Artesãs Fibras do Sertão (COOPERAFIS) Contato Associação de Desenvolvimento Sustentável e Solidário da Região Sisaleira - APAEB Misael Lopes da Cunha, Presidente Tel: (75) Site: 11

14 Associação de Agroturismo Acolhida na Colônia AAAC, Santa Catarina Idéia Chave Valorizar a agricultura familiar através da inclusão do agroturismo em 5 Municípios catarinenses, contribuindo para a geração de emprego e para a melhoria da qualidade ambiental. Contexto Os municípios catarinenses que compõem as encostas da Serra Geral sofrem um grande isolamento devido a sua topografia, causando nos últimos anos a migração de jovens e mulheres para as cidades. Neste cenário, alguns agricultores trocaram o cultivo de fumo pela produção de alimentos orgânicos e fundaram em 1999 a Associação de Agroturismo Acolhida na Colônia (AAAC), quando passaram a organizar suas propriedades para receber turistas. Buscou-se diferenciar dos padrões da hotelaria convencional, enfatizando a valorização da simplicidade do campo e do saber dos agricultores. Para implementar esta proposta, a parceria e a integração à rede internacional de agroturismo da associação francesa Accueil Paysan foi fundamental, especialmente na elaboração de normas requeridas para cada serviço oferecido, visando garantir a qualidade e a segurança para visitantes e agricultores. Objetivos da Intervenção Gerar renda a partir do desenvolvimento de novas atividades na propriedade rural, como serviços de hospedagem e alimentação envolvendo especialmente mulheres e jovens; Incluir agricultores familiares nas atividades de agroturismo, e preservar o meio ambiente mediante saneamento básico e produção orgânica. Plano de Ação/ Metodologia de Trabalho Criação de grupos de empreendedores em cada Município, que, uma vez estabelecido, aceitaram construir fossas sépticas, proteger as nascentes, a produção orgânica e equipar minimamente suas propriedades de acordo com o caderno de normas - um documento elaborado na qual são definidas as regras mínimas para que o agricultor possa oferecer um dos serviços do agro-turismo. Uma vez por ano as propriedades rurais são vistoriadas por uma empresa terceirizada para ver se estão respeitando esse caderno; Repartição de serviços turísticos: Foi realizado um diagnóstico participativo, no qual cada agricultor conheceu a propriedade dos outros integrantes do grupo e contribuiu na decisão sobre o serviço, seja hospedagem, alimentação, venda de produtos, lazer ou turismo de conhecimento, agregando essas atividades sem abandonar as que o agricultor já desenvolvia; Um circuito turístico municipal, onde uma propriedade complementa a outra, foi definido com base nesta experiência. Assim, por exemplo, uma propriedade oferece hospedagem e café da manhã enquanto outra oferece almoço, complementando-se mutuamente, evitando o sentimento de concorrência e aumentando a integração do grupo; Formação agro-turística para os agricultores, apoiada pelo serviço Nacional de Aprendizagem Comercial. Foram realizados, entre outros, visitas técnicas e dias de campo, que serviram de apoio para os agricultores e cursos nas comunidades rurais, acerca de temas como saneamento básico, higiene e aparência pessoal e organização do ambiente interno; Estabelecimento de um centro de comunicação, equipado com os recursos necessários de comunicação, tendo em vista que boa parte dos agricultores não possui telefone. O centro organiza as visitas, de acordo com a demanda e agenda com os próprios agricultores visitas de consumidores e turistas. Mobilização dos Cidadãos - Voluntariado Vários turistas, após a visita da acolhida, resolveram se engajar de maneira voluntária na elaboração do projeto, seja como arquiteto, técnico ou médico. Encontra-se em implantação a associação Amigos da Acolhida, que propõe reunir e organizar os voluntários, turistas ou técnicos dispersos para buscar conjuntamente soluções para a colônia. Inovação Oferecer alternativas a agricultores familiares que se encontram num processo de marginalização através do agroturismo, melhorando ao mesmo tempo as condições ambientais desses Municípios. 12

15 Resultados 35 famílias, e cerca de 120 pessoas, participam diretamente da acolhida nos 5 Municípios piloto, sendo que a experiência está se expandindo para outros 26, trabalhando no resgate da auto-estima dos habitantes locais; O agroturismo tem-se mostrado de grande importância na complementação da renda das famílias, remunerando as mulheres e ocupando também em tempo parcial os filhos. No ano de 2000, por exemplo, devido à ocorrência de uma forte geada na região, os agricultores perderam toda a produção, sendo que o turismo sustentou as famílias neste período; Contribui-se para a preservação do meio ambiente e a valorização das terras por meio da Associação Acolhida na Colônia, cuja entidade conta com 2 agrônomas e uma bacharel em turismo; Em 2004, Santa Rosa de Lima que tem 2000 habitantes e não tem acesso asfáltico recebeu cerca de 1900 visitantes, graças a promoção do agroturismo nessa região. Lições Aprendidas É imprescindível a organização de uma central de comunicação, fundamental para desenvolver a troca de experiência com agricultores que já desenvolvem o agroturismo e o recebimento dos primeiros turistas; É necessário criar um fundo rotativo que financia pequenos projetos e buscar formas alternativas de financiamento, como turistas que financiam em troca de diárias/produtos da família, para poder possuir recursos e adquirir equipamentos. Voz do Campo Nome do beneficiário: Leonilda Boing Baumann Profissão: Agricultora e Coordenadora Geral da Acolhida na Colônia Idade: 38 anos Melhoria de renda; mais conhecimento, conversa com várias pessoas, troca de experiências; valorização do trabalho que a gente faz; dos produtos que a gente planta; mais saúde, colhe e vai direto para servir na mesa; valorização e embelezamento da propriedade; reconhecimento para o município, que é conhecido nacionalmente e foi uma iniciativa de poucas famílias. A comunidade não acreditava e hoje a Acolhida tem reconhecimento. Surgimento de projetos que beneficiam toda a comunidade, como a reforma da igrejinha e os computadores com internet; uma garantia de emprego para os filhos/jovens. Parcerias - Patrocínio Ministério do Turismo (Mtur), Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), Secretarias de Estado da Cultura, Turismo e Esporte, Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (EPAGRI), Instituto Superior e Centro Educacional BOM JESUS/IELUSC, Associação dos Agricultores Ecológicos das Encostas da Serra Geral (AGRECO), Associação de Preservação do Meio Ambiente do Alto Vale do Itajaí (APREVAMI), Associação dos Municípios do Alto Vale do Itajaí (AMAVI), Santa Catarina Turismo (SANTUR), Universidade do Alto Vale do Itajaí (UNIVALI) Contato Associação de Agroturismo Acolhida na Colônia Thaise Costa Guzzatti, Assessora Técnica Tel: (48) Site: 13

16 Centro de Atendimento ao Trabalhador CEAT, São Paulo Idéia Chave Combater a pobreza, promovendo a empregabilidade e inserção profissional a partir da valorização do individuo, do significado do trabalho e da produção. Contexto O crescente aumento do desemprego, das mazelas sociais e da pobreza diante de um mercado cada vez mais competitivo fez com que a Arquidiocese de São Paulo se voltasse para a busca de ações no Mundo do Trabalho. Em novembro de 2002, surgiu em vários locais da periferia de São Paulo o CEAT - Centro de Atendimento ao Trabalhador, cujo conselho é presidido por Dom Cláudio Cardeal Hummes, que tem como público alvo os trabalhadores em condição de desemprego, os excluídos e os jovens. É um projeto de caráter social, com um sistema que tem por objetivo realizar a captação de vagas de trabalho, capacitar o trabalhador em situação de desemprego e oferecer apoio social e psicológico, reinserindo essa pessoa sem nenhum custo ou ônus para ela ou para os empregadores. Objetivos da Intervenção Oferecer uma perspectiva laboral a pessoas desempregadas através da intermediação entre oferta e procura de trabalho e da qualificação profissional da pessoa, mediante um atendimento integral e integrado que agrega novos aprendizados, partindo dos valores e do saber da pessoa; Dar suporte à pessoa humana, sentido e significado para ser e viver individual e coletivamente, tornando-a empregável, através de apoio social e psicológico. Plano de Ação/ Metodologia de Trabalho Descentralização do atendimento do público alvo, estabelecendo unidades do CEAT na periferia de São Paulo para facilitar a empregabilidade, desenvolvendo territorialmente as atividades (captação de vagas, qualificação profissional, etc.) e indo ao encontro do público alvo; Comunicação social: A informação sobre o trabalho dos CEATs é divulgada pelas paróquias (após a missa), pelo rádio, pelo jornal (uma coluna semanal no Jornal São Paulo publicação da diocese), Internet (através de links e sites importantes, como o do Sebrae) e, principalmente pela propaganda boca-a-boca, meio pelo qual a maioria das pessoas conhecem o CEAT; Intermediação de Mão-de-Obra: Cotejamento entre oferta e procura de trabalho, cadastrando o trabalhador desempregado e as vagas disponíveis de empresas locais num banco de dados ligado ao Sistema Nacional de Emprego (SINE), que permite ao trabalhador o acesso de forma sistemática às vagas disponíveis, indicando as ocupações mais adequadas ao seu perfil, 14 e ainda apontar cursos de qualificação para adequá-lo às exigências do mercado; Sala de Talentos: Devido ao desconhecimento do seu próprio potencial e habilidades da maioria dos atendidos, foi desenvolvido um aprendizado realizado em encontros semanais visando o desenvolvimento de uma maior empregabilidade (definição de um itinerário vocacional, a partir de metas de desenvolvimento pessoal e profissional estabelecidas anteriormente, estruturação do curriculo, dicas de como se comportar em entrevistas, etc.); Qualificação Profissional: Cursos compostos para no máximo 30 pessoas, que objetivam um aperfeiçoamento profissional capaz de valorizar e preparar o trabalhador com baixa qualificação para a busca de emprego, trabalho e renda. Operador de telemarketing e web design estão sendo oferecidos desde 2006 para jovens, no entanto, desde sua inauguração, o CEAT já ofereceu cursos de panificação, confeitaria, marcenaria, informática, técnicas de vendas, dentre outros; Alfabetização para Adultos: Parceria com o Serviço Social da Indústria (SESI)-SP, que fornece a metodologia do curso de alfabetização (PAI Programa de Alfabetização Intensiva) e o professor capacitado, enquanto o CEAT fornece o local de realização e a turma, geralmente com idade entre 35 e 55 anos; Oficina de Negócios e Arranjos Produtivos Sociais: Parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) -SP que visa potencializar a capacidade empreendedora, e é composto de dois cursos a saber: Aprender a Empreender e Saber Empreender. Nos Arranjos Produtivos Sociais trata-se da formação de um empreendimento com base em uma ação cooperada, eleita e definida pelo grupo atendido; Ação Social: Caso sejam detectadas algumas carências relacionadas às necessidades básicas (tais como alimentação, vestuário, saúde, etc.) no momento da entrevista para preenchimento do cadastro, a pessoa é encaminhada para o atendimento na Ação Social que busca suprir estas carências; Inclusão Produtiva: Desde 2004, o CEAT implementa ações específicas, focadas nos excluídos, nos homens e mulheres de rua, albergados, pessoas tuteladas por programas de transferência de renda, visando sua inclusão sócio-produtiva, ou seja sua re-inserção no mundo do trabalho e, conseqüentemente, sua re-integração na sociedade.

17 Mobilização dos Cidadãos - Voluntariado A idéia do CEAT foi a de profissionalizar o atendimento e serviços, exceção feita ao atendimento pastoral que envolve a articulação da rede católica. Essa rede específica de voluntários está voltada para agregar serviços liberais como advocacia, medicina e psicologia, oferecidos de modo a agregar benefícios a uma população extremamente carente. Inovação A estrutura descentralizada dos CEATs, cujas unidades foram estabelecidas na periferia de São Paulo, permite um melhor atendimento das pessoas em condição de desemprego, dos excluídos e dos jovens. A abordagem integral da problemática parte da qualificação profissional e de um acompanhamento que resgata a auto-estima do indivíduo e pode ir de uma cesta básica a roupas para se apresentar ao trabalho, médicos, advogados, albergues, grupos de auto-ajuda etc. Resultados Até agora foram estabelecidas oito unidades em oito comunidades de periferia, espalhadas por várias regiões de São Paulo onde trabalham aproximadamente 10 a 15 pessoas por unidade nas diversas ações atendendo a mais de pessoas desde sua criação; Hoje em día, cerca de pessoas estão inseridas no mercado de trabalho em atividades empreendedoras, cooperativas, emprego formal, emprego sem carteira assinada etc., graças ao atendimento oferecido nos CEATs; 30 pessoas aprenderam a ler e escrever, aumentando assim sua qualificação profissional através do programa de alfabetização; Atualmente existe um Arranjo Produtivo Social (APS), em parceria com a UIL (Unione Italiana de Lavoro) e estão sendo implantandos, em parceria com a Fundação Banco do Brasil e Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, sete novas APS, uma delas, inclusive, voltada para jovens na área de Tecnologia. Lições Aprendidas A empregabilidade e a inclusão produtiva devem ser entendidas pela ótica da pessoa humana, desenvolvendo conhecimentos, habilidades, atitudes e competências de modo integrado e sistêmico. A intermediação de mãode-obra serve como porta de entrada para atividades mais abrangentes, visando o desenvolvimento local; Jovens devem ser tratados como jovens, alfabetizados e incluídos digitalmente para que sua qualificação profissional possa ser voltada para o mundo global, tecnológico e sócio-ambiental. Voz do Campo Nome do beneficiário: Dílson Eulálio Marques Filho Profissão: Vigilante Idade: 35 anos Nasci em Salvador BA e trabalhei muitos anos na Polícia Militar. Em 2001, resolvi realizar meu sonho, que era o de abrir minha empresa de vigilância. O negócio não deu certo e eu vim para São Paulo, tentar arrumar emprego. Os primeiros meses nessa cidade foram muito difíceis, eu não consegui emprego e acabei tendo que morar na Casa de Acolhida Arsenal da Esperança. Foi lá que ouvi, pela primeira vez, alguém falar do CEAT. No CEAT fui muito bem atendido e consegui trabalho. Voltei a ter planos e, no momento, estou economizando para poder voltar a ter minha casa. Quero, também, voltar a trabalhar no que gosto, que é vigilância, e conto com o CEAT para realizar mais este sonho. Hoje estou bem, me sinto amparado e, para aqueles que estão desempregados, aqui deixo o meu conselho: nunca deixem de sonhar, pois o sonho não deve morrer! Parcerias - Patrocínio Fundação Banco do Brasil (FBB), Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), Unione Italiana de Lavoro (UIL), Serviço Nacional de Apoio à Micro e Pequena Empresa (SEBRAE), Serviço Social da Industria (SESI), Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS), Secretaria Estadual de Relações do Trabalho (SERT) Contato Centro de Atendimento ao Trabalhador - CEAT Jorgette Maria de Oliveira, Presidente Diretoria Executiva Tel: (11) Site: 15

18 Comunidade dos Pequenos Profetas CPP, Projeto Clarion, Recife, Pernambuco Idéia Chave Melhorar a qualidade de vida e combater a violência contra a criança em situação de rua, abordando em especial a agressão sexual. Contexto A Região Metropolitana do Recife tem aproximadamente 3 milhões de habitantes e cerca de 600 favelas. A situação de pobreza e ociosidade leva muitas crianças e adolescentes a fugirem das suas casas ou serem abandonados, levandoos a morar nas ruas. A partir de uma convivência intensiva com crianças e adolescente, meninos e meninas de rua, foi fundada a Comunidade dos Pequenos Profetas (CPP) - Projeto Clarion, em 1982 no centro do Recife. Como conseqüência dessa experiência de rua, ao passar dos anos, a CPP firmou-se como uma entidade que tem o compromisso de resgatar crianças e adolescentes de rua oferecendo-lhes atendimento básico, educação, profissionalização e socialização, integrando-os no contexto de participação social ao exercício pleno da cidadania. Objetivos da Intervenção Resgatar as crianças e adolescentes de rua, retirando-os da marginalidade, propiciando-lhes uma nova opção de vida, através de atividades educativas, profissionalização e socialização; Ajudar as meninas e meninos, vítimas de violência corporal e sexual, a diminuir os seus sofrimentos de violência e refletir suas experiências traumáticas por meio de um atendimento psico-social; Interferir nas políticas públicas através de denúncias contra agressões, a fim de garantir melhoria na qualidade do atendimento e das condições de vida das crianças. Plano de Ação/ Metodologia de Trabalho Contato direto e atendimento básico: O primeiro passo é formar vínculos com os meninos e meninas e propiciar um ambiente acolhedor, com um atendimento básico e refeições; Programas educativos, cursos e discussões: A casa do projeto oferece cursos de alfabetização, culinária, dança, artesanato, capoeira, percussão e RAP, como também promove discussão de temas como drogas, violência, prostituição e cidadania, estimulando assim a auto-estima e a criatividade; Formação de cooperativas para escoar os produtos confeccionados de materiais recicláveis pelas crianças e adolescentes nas oficinas de arte e oferecer assim uma fonte de renda e retorno financeiro aos atendidos(as). Para receber o rendimento por meio do programa os jovens têm que assistir com regularidade aos cursos e serem atendidos pelo centro; Atendimento psicológico: As violentas e traumáticas experiências vividas nas ruas pelos meninos e meninas precisam de atenção psicológica, que é oferecida por profissionais do programa, para o aumento de sua autoestima, ao mesmo tempo em que são informados sobre os seus direitos; Denúncias públicas contra violência: Todos os tipos de atrocidades praticados contra os meninos e as meninas são documentados e denunciados, em união com diferentes grupos locais, nacionais e internacionais, lutando assim contra a impunidade; Restaurar vínculos/laços familiares: Profissionais do programa visitam a família dos beneficiários do programa, acompanhados pelo atendido(a), diagnosticando o motivo do abandono e facilitando através do diálogo uma nova forma de se acolherem; Informar e sensibilizar os poderes públicos e a sociedade sobre a problemática da violência e exploração sexual de crianças e adolescentes de rua através da elaboração e distribuição anual de boletins, cartazes e postais. Mobilização dos Cidadãos - Voluntariado 198 Voluntários já doaram seu tempo de trabalho e talento em prol desta causa assumida pela CPP. Atualmente, são 15 voluntários, estrangeiros e brasileiros. Também trabalham no CPP meninos que já conseguiram sair da rua graças ao programa. 16 Inovação A CPP diferencia-se pela sua abordagem integral da problemática, que inclui o atendimento básico, mas também educativo e psicológico de crianças e adolescentes em situação de rua, além de contribuir na luta política contra os maus tratos cometidos contra este grupo vulnerável.

19 Resultados Atualmente, são atingidas diretamente 264 crianças e adolescentes em situação de risco social e pessoal engajados em programas educativos dentro do projeto da CPP onde trabalham 13 profissionais, 10 estagiários universitários e 15 voluntários engajados diretamente; 600 integrantes das famílias dos atendidos e cerca de 10 mil pessoas nas comunidades onde as crianças e jovens se inserem, são beneficiadas indiretamente; Aproximadamente 21 mil pessoas são envolvidas através dos quatro Boletins Anuais com uma tiragem impressa de exemplares por número. O boletim Fala de Menina é um instrumento de denúncia que objetiva combater a violação dos direitos sexuais de meninas de classes empobrecidas da Região Metropolitana do Recife; São distribuídos em espaços públicos um cartaz anual (1.000 exemplares) e um postal anual (5.000 exemplares), para integrar a sociedade numa campanha de combate à violência contra a criança em situação de rua. Lições Aprendidas É importante a criação de um ambiente favorável à aprendizagem onde os participantes são colocados em situações em que estejam mais próximos dos problemas do seu contexto de vida; É indispensável difundir informação referente ao alto índice de violência e de assassinatos praticados por grupos de extermínios locais contra meninos e meninas de rua, para trabalhar contra a omissão da população e do poder público. Parcerias - Patrocínio Programa de Voluntários das Nações Unidas (UNV), Faculdade Frassinete do Recife (Fafire), Conselho Municipal dos Direitos e Defesa da Criança e do Adolescente da Cidade do Recife (COMDICA), Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH), EIRENE Stiftung (Alemanha), Kinderhilfe Brasilien (Berlim Alemanha); Freckenhorterkreis (Münster-Alemanha), Lês Enfants de la Rue (ASBL)- (Turnai Bélgica), Aktionskreis Pater Beda (Alemanha), Consulado Geral da Alemanha no Recife; Welt Haus (Bielefeld Alemanha). Voz do Campo Nome do beneficiário: Leandro Barbosa Profissão: Estudante Idade: 19 anos Percebi o que é estar em situação de risco social, depois que me conscientizei sobre a minha situação como cidadão. A primeira vez que fui para as ruas da cidade do Recife tinha 8 anos de idade, o maior motivo foi o abuso sexual que sofri. Desde pequeno conheci a rua como única alternativa para sair da situação de pobreza e opressão dentro da minha família, pois vivia sendo abusado sexualmente pelo meu irmão. Na rua aprendi a roubar para sobreviver e a me drogar para agüentar toda a pressão de ter chegado no último estágio da minha vida. Quando tinha 10 anos de idade comecei a me prostituir, como uma forma de ganhar dinheiro sem necessariamente ter que roubar. Já fui abrigado várias vezes passando inclusive pelo projeto, nas idas e vindas ao projeto da CPP, comecei a perceber que eu era capaz de mudar a minha vida; mas as drogas e as aventuras na rua ainda eram fortes dentro de mim. Hoje não me encontro mais na marginalização, fiquei consciente dos meus direitos como cidadão e consegui o que muitos ainda não conseguiram: Falar com o presidente Lula, com o governador de Pernambuco e o Prefeito do Recife, no sentido de sensibilizá-los para a situação das crianças e adolescentes de rua. E todo este meu engajamento, eu dedico ao Projeto da CPP, que me mostrou uma nova forma de lutar não só pela minha vida e sim pela vida de todos, embasado em tudo o que eu estudo sobre as leis de proteção ao cidadão. Contato Comunidade dos Pequenos Profetas (CPP) Demetrius Demetrio, Coordenador Geral Tel: (81) Site: 17

20 Associação Dançando Para Não Dançar, Rio de Janeiro Idéia Chave Trabalhar para que crianças e adolescentes não dancem na vida, no trabalho, na marginalidade, e na prostituição infanto-juvenil; ou que sejam vítimas da violência e da ação do tráfico de drogas em suas comunidades, por meio do ensino do balé clássico. Contexto No Brasil, crianças e jovens de classe social baixa enfrentam dificuldades para inserir-se no mercado de trabalho. Muitas vezes se dá através da exploração de mão-de-obra frágil e imatura, outras vezes através do ingresso na marginalidade, que vem por sua vez somada à discriminação racial e social. Frente a esse contexto político e social nasceu em 1995 a Associação Dançando para não Dançar no Rio de Janeiro, comprometida com o combate à exclusão social e com a disseminação da cultura de paz e cidadania, proporcionando às crianças, moradoras de áreas populares cariocas, acesso à educação, à cultura, à saúde, e, especialmente, à profissionalização, através do ensino do balé clássico, uma profissão que tradicionalmente pertencia às classes sociais de maior poder aquisitivo. Objetivos da Intervenção Contribuir à inserção de jovens de classe social baixa no mercado de trabalho através da preparação daqueles com maiores possibilidades técnico artísticas, que poderão se especializar na área; Promover a permanência dos jovens atendidos no ensino básico e superior, prestando apoio, inclusive para que consigam bolsas de estudo para educação superior em faculdade de dança; Contribuir para a formação e desenvolvimento de habilidades que permitam aos familiares dos alunos continuarem seus estudos e a buscarem mecanismos de geração de renda. Plano de Ação/ Metodologia de Trabalho Parcerias com as comunidades: As associações de moradores nas comunidades onde atua o Dançando para não Dançar atuam como parceiras, adaptando salas para as aulas de balé clássico e aulas de teoria e prática musical, ministradas 6 dias por semana, inclusive durante as férias escolares, por bailarinos profissionais da associação; Recrutamento dos alunos: Os jovens devem morar dentro da comunidade alvo e estar matriculados na escola normal para poder participar do teste de seleção que avalia a habilidade física e a musicalidade; Profissionalização dos jovens: Os alunos são encaminhados para especialização em escolas e companhias de balé no Brasil e no exterior, tendo sido previamente preparados para o ingresso através de cursos de especialização e aulas de informática e língua estrangeira; Acompanhamento sócio-educativo: Apoio ao desenvolvimento pessoal e escolar dos alunos atendidos através de aulas de reforço, do trabalho de uma fonoaudióloga, de uma psicóloga e de uma professora que atendem uma vez por semana os jovens com dificuldades de leitura e fala. Uma assistente social realiza encontros quinzenais com as famílias e as crianças atendidas nas próprias comunidades; Atendimento médico e dentário: Um médico e um dentista que formam parte da equipe Dançando para não Dançar promovem a saúde integral dos alunos através de um atendimento regular; Dançando em Família : Este programa começou em 2001, propiciando um envolvimento maior dos familiares dos alunos, que são encaminhados para complementação do ensino fundamental e para a realização de cursos profissionalizantes (ascensorista, camareira, confeiteira, etc.). Além disso, oferece assistência médica, psicológica e odontológica e apoio material, com cestas básicas, vale-transporte, medicamentos e filtros de água; Dançando na Cultura : Sensibilizar a comunidade pela cultura, levando-a a eventos culturais na cidade como espetáculos de dança, teatro, shows e cinemas, bem como a exposições, palestras, dentre outros. Para isso, o projeto recebe ingressos através de parcerias com alguns teatros e escolhe eventos com ingressos gratuitos ou a preços populares que são pagos pelo projeto. Uma vez por ano realiza um grande espetáculo que reúne todos os alunos das comunidades assistidas e bailarinos convidados. Mobilização dos Cidadãos - Voluntariado As parcerias diretas com as associações de moradores, a sensibilização dos membros da comunidade para o balé e a conseqüente mobilização deles para contribuírem na realização dos espetáculos e atividades propostas pelo projeto são os eixos do sucesso da iniciativa. São envolvidas as mães, que costuram figurinos para espetáculos ou tecem redes para os cabelos. 18

ACABAR COM A FOME E A MISÉRIA

ACABAR COM A FOME E A MISÉRIA 1ACABAR COM A FOME E A MISÉRIA APAEB Valente Desenvolvimento Sustentável da Região Sisaleira, Valente, Bahia 10 Idéia Chave Promover o desenvolvimento sócio-econômico solidário e sustentável da região

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Despacho 2007 Nº PROJETO DE LEI Nº 1099/2007 Considera de utilidade pública o Grupo de Formadores de Educadores Populares GEFEP. Autor: Vereador Eliomar Coelho. DECRETA: A Câmara Municipal do Rio de Janeiro

Leia mais

Projeto CIRCO-ESCOLA NA BAHIA

Projeto CIRCO-ESCOLA NA BAHIA Projeto CIRCO-ESCOLA NA BAHIA Objetivo geral do projeto O objetivo do projeto Circo-Escola na Bahia é oferecer às crianças e jovens de Serra Grande um espaço privilegiado para que possam desenvolver atividades

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010 Palestras informativas Promover ações educativas para a promoção do voluntariado transformador. Mobilizar voluntários. Toda a comunidade de Curitiba e Região Metropolitana

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO BAIRRO PEDREGAL PROJETO OFICINA ESCOLA

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO BAIRRO PEDREGAL PROJETO OFICINA ESCOLA Relatório das Ações Desenvolvidas pelo Projeto Oficina Escola 1. Apresentação Companheiros (as) da Associação Tremembé estamos concluindo mais um ano missão e com isso somos convidados (as) a socializar

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Lista de Projetos Contemplados no Programa Integração Petrobras Comunidade

Lista de Projetos Contemplados no Programa Integração Petrobras Comunidade Lista de Projetos Contemplados no Programa Integração Petrobras Comunidade ITABORAÍ Projeto: Fábrica de Sonhos Nome da instituição: Liga Independente das Escolas de Samba e Blocos Carnavalescos de Itaboraí

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Espírita. ENDEREÇO: Rua Joaquim Pires de Miranda SN Vila Grimpas Hidrolândia-GO. CEP: 75340-000.

IDENTIFICAÇÃO. Espírita. ENDEREÇO: Rua Joaquim Pires de Miranda SN Vila Grimpas Hidrolândia-GO. CEP: 75340-000. IDENTIFICAÇÃO INSTITUIÇÃO PROPONENTE: PROJETO CRESCER CHICO XAVIER - Obra Social do Centro Espírita Eurípedes Barsanulfo CNPJ: 26 943 563/0001-07 ENDEREÇO: Rua Joaquim Pires de Miranda SN Vila Grimpas

Leia mais

Projeto Voz do Batuque

Projeto Voz do Batuque Mostra Local de: Maringá PR Projeto Voz do Batuque Categoria do projeto: I Projetos em Andamento Nome da Instituição/Empresa: Instituto Morena Rosa de Responsabilidade Sócio Ambiental, Cultural e Desenvolvimento

Leia mais

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual Somando forças até o fim da pobreza CARE Brasil Relatório Anual 2012 CARE Internacional Em 2012, a CARE apoiou 997 projetos de combate à pobreza em 84 países, beneficiando estimadamente 84 milhões de pessoas.

Leia mais

Relatório Anual. CADI Centro de Assistência e Desenvolvimento Integral de SC

Relatório Anual. CADI Centro de Assistência e Desenvolvimento Integral de SC Resumo da ONG O CADI Palhoça é uma instituição não governamental cujo objetivo é executar, articular e fomentar ações e projetos que facilitem o desenvolvimento de comunidades. Desenvolve projetos em 6

Leia mais

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo:

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo: Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade Entrevista cedida à FGR em Revista por Gustavo de Faria Dias Corrêa, Secretário de Estado de Esportes e da Juventude de Minas Gerais. FGR: A Secretaria

Leia mais

Núcleo Regional de Rio Branco do Sul

Núcleo Regional de Rio Branco do Sul Núcleo Regional de Rio Branco do Sul Municípios participantes Adrianópolis Bocaiúva do Sul Cerro Azul Doutor Ulysses Rio Branco do Sul Tunas do Paraná Itaperuçu Campo Magro Colombo Almirante Tamandaré

Leia mais

UACEP UNIÃO DE AMPARO À COMUNIDADE DE ESCOLAS PÚBLICAS

UACEP UNIÃO DE AMPARO À COMUNIDADE DE ESCOLAS PÚBLICAS UACEP UNIÃO DE AMPARO À COMUNIDADE DE ESCOLAS PÚBLICAS Missão Priorizar o atendimento às crianças, adolescentes, idosos e a família em situação de vulnerabilidade social através do esporte educacional,

Leia mais

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE EDUCACAO INFANTIL INCLUSIVA EM CURITIBA VEJA COMO SUA EMPRESA PODE TRANSFORMAR ESTA IDEIA EM REALIDADE { Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

P r o j e t o PREPARANDO A TRANSFORMAÇÃO DE FAMÍLIAS GERANDO RENDA E DIGNIDADE

P r o j e t o PREPARANDO A TRANSFORMAÇÃO DE FAMÍLIAS GERANDO RENDA E DIGNIDADE P r o j e t o PREPARANDO A TRANSFORMAÇÃO DE FAMÍLIAS GERANDO RENDA E DIGNIDADE Melhor do que dar é ensinar a fazer, este é o sentido da Cidadania HISTÓRICO A Diocese de Abaetetuba, localizada na região

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

Projeto ViraVida oferece alternativas para jovens e adolescentes em situação de exploração sexual

Projeto ViraVida oferece alternativas para jovens e adolescentes em situação de exploração sexual Projeto ViraVida oferece alternativas para jovens e adolescentes em situação de exploração sexual Desde 2008, o Conselho Nacional do SESI, em parceria com o empresariado, promove a inserção desse público

Leia mais

NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar. Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP

NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar. Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP Mestre em Serviço Social pela Faculdade de História, Direito e Serviço Social/UNESP

Leia mais

História. ADAV: Associação para o Desenvolvimento e a Assistência de Talentos e Vocações

História. ADAV: Associação para o Desenvolvimento e a Assistência de Talentos e Vocações História ADAV: Associação para o Desenvolvimento e a Assistência de Talentos e Vocações Em 1929, convidada a dirigir um dos primeiros laboratórios de psicologia de Minas Gerais, ligado à Escola de Aperfeiçoamento

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programas Espaço de Convivência da Melhor Idade e LBV Criança: Futuro no Presente!

Mostra de Projetos 2011. Programas Espaço de Convivência da Melhor Idade e LBV Criança: Futuro no Presente! Mostra de Projetos 2011 Programas Espaço de Convivência da Melhor Idade e LBV Criança: Futuro no Presente! Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais.

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

Sua empresa é CIDADÃ?

Sua empresa é CIDADÃ? Sua empresa é CIDADÃ? A Câmara de Comércio e Indústria do Estado do Rio de Janeiro (CAERJ) em uma iniciativa inédita está compilando informações corporativas de todos os segmentos: indústria, comércio

Leia mais

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1 Mensagens aos jovens Nós, jovens, devemos nos organizar para a construção de projetos, em que possamos, juntos com a população e os órgãos responsáveis, nos responsabilizar pelo bem-estar do nosso patrimônio.

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

OI NOVOS BRASIS SELECIONADOS 2012

OI NOVOS BRASIS SELECIONADOS 2012 OI NOVOS BRASIS SELECIONADOS 2012 ACRE Organização: Associação SOS Amazônia Projeto: Extrativismo e Cultivo de fibras para gerar renda e conservar o meio ambiente Objetivo: Capacitar as famílias das comunidades

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO PROJETO DE EXTENSÃO EDITAL N.º 05/2010 PROJETO RONDON- JULHO 2011 A Universidade Metodista de São Paulo concorrerá a quatro operações nacionais no mês de Julho de 2011.

Leia mais

IX Jornada de Estágio de Serviço Social

IX Jornada de Estágio de Serviço Social INSTITUTO MUNDO MELHOR LIMA, Angélica P.F 1. MATOS, Fernanda Edi 2. PREUSS, Lislei T. 3. Apresentador: Angélica Perlin Ferreira de Lima (Estágio II) Resumo: No Instituto Mundo Melhor (IMM), o Serviço Social

Leia mais

Entenda o Programa Fome Zero

Entenda o Programa Fome Zero Entenda o Programa Fome Zero 1. O que é o Programa Fome Zero? O Programa Fome Zero é um conjunto de ações que estão sendo implantadas gradativamente pelo Governo Federal. O objetivo é promover ações para

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

INTERESSE PELA COMUNIDADE SEMEAMOS ESTA IDÉIA COOPERATIVISTA!

INTERESSE PELA COMUNIDADE SEMEAMOS ESTA IDÉIA COOPERATIVISTA! INTERESSE PELA COMUNIDADE SEMEAMOS ESTA IDÉIA COOPERATIVISTA! Apresentação O Instituto Sicoob PR foi criado para cumprir o 7º princípio cooperativista Interesse pela comunidade. Com o suporte das Cooperativas

Leia mais

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Programa Viver é Melhor Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Legião da Boa Vontade (LBV) Cidade: Londrina/PR

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 LINHAS DE AÇÃO... 4 AÇÕES ESPECÍFICAS... 5 CAMPANHAS... 6

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

C M D C A CONSELHO MUNICIPAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

C M D C A CONSELHO MUNICIPAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE C M D C A CONSELHO MUNICIPAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE RUA CONSELHEIRO ZACARIAS N 58 CENTRO TELEFONE 075 3641-8630 PROJETO ESCOLINHA DE FUTEBOL E KARATÈ ESPORTE CIDADÃO JUVENIL IDENTIFICAÇÃO: DENOMINAÇÃO

Leia mais

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 MARCO DE AÇÃO A Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil

Leia mais

Tipo OCA. Subação. 1-Ações de Infraestrutura da Gestão Superior NEX. 2-Participação da Fundação em Eventos Locais, Nacionais e Internacionais NEX

Tipo OCA. Subação. 1-Ações de Infraestrutura da Gestão Superior NEX. 2-Participação da Fundação em Eventos Locais, Nacionais e Internacionais NEX Relatório do Criança e Adolescente ( ) Página 1 de 42 EIXO: ACESSO À EDUCAÇÃO DE QUALIDADE SUB-EIXO: CULTURA (b) (c) 13-Cultura 122-Administração Geral 146-Gestão da Política Cultural 2338-Gestão Superior

Leia mais

Programa Lixo e Cidadania

Programa Lixo e Cidadania Programa Lixo e Cidadania São Bernardo do Campo (SP) Elisabeth Grimberg e Sonia Lima in Segurança Alimentar e Nutricional: a contribuição das empresas para a sustentabilidade das iniciativas locais Fechar

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Instituto Lojas Renner Instituto Lojas Renner Promover a inserção de mulheres no mercado de trabalho por meio de projetos de geração de renda é o objetivo do Instituto Lojas

Leia mais

ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO

ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO I- DA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA. II- DA PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL. III- DO CO-FINANCIAMENTO E DOS REQUISITOS, PARA O

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

PROJETO BOQUINHA ALEGRE

PROJETO BOQUINHA ALEGRE PROJETO BOQUINHA ALEGRE IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A instituição Casas Lares Humberto de Campos é uma entidade, na modalidade de associação, sem fins lucrativos, mantida pelo Grupo Educacional e Assistencial

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projovem em Ação

Mostra de Projetos 2011. Projovem em Ação Mostra de Projetos 2011 Projovem em Ação Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal Santa Cecilia

Leia mais

Agenda dos Adolescentes Brasileiros 1

Agenda dos Adolescentes Brasileiros 1 DECLARAÇÃO NACIONAL DO PARLAMENTO JUVENIL DO MERCOSUL Brasília, Brasil 14-16 setembro de 2010 Grupos 1 e 2 Tema: Inclusão Educativa Agenda dos Adolescentes Brasileiros 1 Exclusão de estudantes com deficiência

Leia mais

consulta participativa de opinião

consulta participativa de opinião consulta participativa de opinião Interesses e perspectivas dos jovens da Brasilândia, Cachoeirinha e Freguesia do Ó CONSULTA PARTICIPATIVA DE OPINIÃO: INTERESSES E PERSPECTIVAS DOS JOVENS DA BRASILÂNDIA,

Leia mais

Nossos Valores Quem Somos? Nossa Missão Nossa Visão Nossa Atuação Nossos Resultados Modelos de Ecovilas e Projetos Sustentáveis.

Nossos Valores Quem Somos? Nossa Missão Nossa Visão Nossa Atuação Nossos Resultados Modelos de Ecovilas e Projetos Sustentáveis. Nossos Valores Quem Somos? Nossa Missão Nossa Visão Nossa Atuação Nossos Resultados Modelos de Ecovilas e Projetos Sustentáveis Localização Missão, Valores e Visão Os 5 Pilares Objetivos e estratégias

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132 PROGRAMA Nº - 132 Benefícios Eventuais SUB-FUNÇÃO: 244 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA Implantar e implementar serviços de Benefícios Eventuais. Operacionalização para concessão dos Benefícios Eventuais - Art.

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional O Serviço Social do Transporte (SEST) e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (SENAT) são entidades civis sem fins lucrativos criadas em 14 de setembro de 1993, pela

Leia mais

Deixe-me ser feliz CAPI - Casa de Amparo e Proteção à Infância

Deixe-me ser feliz CAPI - Casa de Amparo e Proteção à Infância Deixe-me ser feliz CAPI - Casa de Amparo e Proteção à Infância Objetivo: Como previsto pelo estatuto da entidade, Art 2º, tem por finalidade a proteção e o amparo à crianças na faixa etária de 0 (zero)

Leia mais

LAMSA (Recurso Direto)

LAMSA (Recurso Direto) O Instituto Invepar e as empresas do grupo - Linha Amarela S/A - LAMSA (RJ), Concessionária Litoral Norte - CLN (BA), Concessionária Auto Raposo Tavares - CART (SP), MetrôRio (RJ) e Concessionária Bahia

Leia mais

PLANO DE GOVERNO (2013-2016)

PLANO DE GOVERNO (2013-2016) PLANO DE GOVERNO (2013-2016) COLIGAÇÃO TRABALHO E JUSTIÇA SOCIAL (PMDB, PDT, PTB, PV) SALTO DA DIVISA/MG SUMÁRIO 1. FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS, QUALIFICADOS, BEM REMUNERADOS, E FELIZES 2. AGRICULTURA FORTE

Leia mais

EDUCAR PARA CAPACITAR -2

EDUCAR PARA CAPACITAR -2 EDUCAR PARA CAPACITAR -2 Mostra Local de: Mandirituba PR Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Fundação Educ. MMR. Profeta Elias Cidade:

Leia mais

PROJETO: ATITUDE POSITIVA ITAPIRAPUÃ GOIÁS

PROJETO: ATITUDE POSITIVA ITAPIRAPUÃ GOIÁS PROJETO: ATITUDE POSITIVA ITAPIRAPUÃ GOIÁS Itapirapuã Goiás, 23 de março de 2010 1 INTRODUÇÃO 2 JUSTIFICATIVA 3 OBJETIVO 3.1 OBJETIVOS GERAIS 3.2 OBJETIVOS ESPECIFICOS 4 AÇÕES 5 RESULTADOS ESPERADOS 6

Leia mais

Oficina de Voluntariado

Oficina de Voluntariado ++++++++++++++++++++++ +++++++++++++++++++++ ++++++++++++++++++++++ Oficina de Voluntariado Fevereiro/2016 2 25/02/2016 Voluntariado Transformador ++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++ +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO Ações de Inclusão Social e de Combate à Pobreza Modelo Próprio de Desenvolvimento Infra-estrutura para o Desenvolvimento Descentralizado Transparência na Gestão

Leia mais

Primeiro escritório de inclusão social da América Latina

Primeiro escritório de inclusão social da América Latina Primeiro escritório de inclusão social da América Latina 18 de setembro Nós do Centro: mais uma ação para a comunidade do Grupo Orsa O Grupo Orsa, por meio da Fundação Orsa, inaugura um espaço inovador

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL O Instituto Guma é uma organização sem fins lucrativos, qualificada como OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público), formada por pessoas com sensibilidade social

Leia mais

Categoria Negócios Sustentáveis. Artesanato - Plano de Negócio DRS. Nome do Projeto: Artesanato da Taboa. Agência Responsável: 2440 Piaçabuçu AL

Categoria Negócios Sustentáveis. Artesanato - Plano de Negócio DRS. Nome do Projeto: Artesanato da Taboa. Agência Responsável: 2440 Piaçabuçu AL Categoria Negócios Sustentáveis Artesanato - Plano de Negócio DRS Nome do Projeto: Artesanato da Taboa Agência Responsável: 2440 Piaçabuçu AL Localização: Feliz Deserto Alagoas Feliz Deserto é um município

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

Centro Comunitário Vila Gaúcha. Projeto Experimental II

Centro Comunitário Vila Gaúcha. Projeto Experimental II Centro Comunitário Vila Gaúcha Projeto Experimental II Apresentação da Empresa O Centro Comunitário Vila Gaúcha presta atendimento regular em Educação Infantil, Serviço de Apoio Sócio Educativo, Trabalho

Leia mais

Qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público OSCIP em 2009.

Qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público OSCIP em 2009. MISSÃO O Instituto LOCUS é uma associação civil sem fins lucrativos, fundada em 2005 por um grupo de arquitetos, urbanistas, educadores e assistentes sociais. Qualificada como Organização da Sociedade

Leia mais

HORTOTERAPIA PARA A MELHOR IDADE

HORTOTERAPIA PARA A MELHOR IDADE Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais do Distrito Federal HORTOTERAPIA PARA A MELHOR IDADE PROPOSTA DE PARCERIA Brasília, junho de 2011 1 1. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO BENEFICIÁRIA Nome da instituição:

Leia mais

Movimento Republica de Emaus- Por uma solidariedade que Transforme

Movimento Republica de Emaus- Por uma solidariedade que Transforme Movimento Republica de Emaus Por uma solidariedade que Transforme A logomarca: Os discípulos no caminho de Emaús reconhecem Cristo Ressuscitado na partilha do pão. (Lc. 24,13 33). Frentes de Trabalho República

Leia mais

Informações sobre a Organização. Nome: MOC - Movimento de Organização Comunitária

Informações sobre a Organização. Nome: MOC - Movimento de Organização Comunitária Centro Brasileiro de Referência em Tecnologia Social Instituto de Tecnologia Social Curso: Tecnologia Social: Desenvolvimento Local, Participativo e Sustentável nos Municípios Resumo a partir de fontes

Leia mais

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a participação juvenil na elaboração e acompanhamento das políticas públicas na área de cidadania, em nível municipal, estadual e nacional, promovendo

Leia mais

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 O conceito de sustentabilidade Em 1987, o Relatório Brundtland, elaborado pela Comissão Mundial do Ambiente e Desenvolvimento,

Leia mais

Projetos Sociais da Faculdade Campo Real CIDADANIA REAL 1. O que é o projeto? 2. Em que consistem as atividades do projeto?

Projetos Sociais da Faculdade Campo Real CIDADANIA REAL 1. O que é o projeto? 2. Em que consistem as atividades do projeto? Projetos Sociais da Faculdade Campo Real A promoção da cidadania é qualidade de toda instituição de ensino consciente de sua relevância e capacidade de atuação social. Considerando a importância da Faculdade

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E POBREZA: UM ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE LAVRAS - MINAS GERAIS DIEGO CÉSAR TERRA DE ANDRADE 1 ; ELIAS RODRIGUES DE OLIVEIRA 2 ; MICHELLE FONSECA JACOME 3 ; CATARINA FURTADO DOS

Leia mais

9, 16 e 23 de outubro. www.mackenzievoluntario.com.br. No Mackenzie, o bem faz bem há 140 anos 1

9, 16 e 23 de outubro. www.mackenzievoluntario.com.br. No Mackenzie, o bem faz bem há 140 anos 1 9, 16 e 23 de outubro www.mackenzievoluntario.com.br No Mackenzie, o bem faz bem há 140 anos 1 O Projeto O Mackenzie Voluntário é um projeto de voluntariado que visa à prática da cidadania por meio do

Leia mais

A participação nessas atividades será comprovada através de um formulário denominada Relatório de Atividades Complementares (RAC).

A participação nessas atividades será comprovada através de um formulário denominada Relatório de Atividades Complementares (RAC). Manual do Aluno OBJETIVO A Faculdade do Pará implantou o Programa de Treinamento Profissional (PTP) para que você possa realizar ações práticas, desde o primeiro período do curso, ligado a profissão que

Leia mais

PROMOVENDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL INCENTIVANDO A CIDADANIA

PROMOVENDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL INCENTIVANDO A CIDADANIA CRIANDO OPORTUNIDADES PROMOVENDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL INCENTIVANDO A CIDADANIA Caros parceiros É com muito orgulho que olhamos para os 11 anos da existência da GERAR e temos a certeza de que oferecemos

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 700m 2

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 700m 2 MINISTÉRIO DA CULTURA Diretoria de Infraestrutura Cultural Secretaria Executiva Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 700m 2 1. Objetivos A Praça do PAC é de

Leia mais

PROJETO POR UMA VIDA MAIS DOCE INCLUSÃO SOCIAL POR MEIO DA GASTRONOMIA

PROJETO POR UMA VIDA MAIS DOCE INCLUSÃO SOCIAL POR MEIO DA GASTRONOMIA PROJETO POR UMA VIDA MAIS DOCE INCLUSÃO SOCIAL POR MEIO DA GASTRONOMIA Thiago Henrique Nunes dos Santos Setembro de 2015 IDENTIFICAÇA O DO PROJETO NOME DO PROJETO: POR UMA VIDA MAIS DOCE INCLUSÃO SOCIAL

Leia mais

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO Este documento é resultado do chamado do Ministério da Educação à sociedade para um trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria

Leia mais

Estratégia do Projeto Cyberela

Estratégia do Projeto Cyberela Estratégia do Projeto Cyberela 1. Situação antes do começo da iniciativa Apenas 32 milhões dos 180 milhões de brasileiros tem acesso à internet. Neste contexto de exclusão digital, as mulheres se encontram

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. "PROJEÇÃO - Projeto Jovens em Ação"

Mostra de Projetos 2011. PROJEÇÃO - Projeto Jovens em Ação Mostra de Projetos 2011 "PROJEÇÃO - Projeto Jovens em Ação" Mostra Local de: Guarapuava Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Associação Beneficente das Senhoras de Entre

Leia mais

O que é o Ação Integrada?

O que é o Ação Integrada? O que é o Ação Integrada? Resultado de uma articulação entre a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE/MT), o Ministério Público do Trabalho (MPT/MT), a Fundação Uniselva da Universidade

Leia mais

Projeto Pequenas Damas

Projeto Pequenas Damas Mostra Local de: Arapongas Projeto Pequenas Damas Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Associação das Damas de Caridade de Arapongas

Leia mais

ações de cidadania Educação Integral O Espaço Criança Esperança promove o desenvolvimento das dimensões humana e do pensamento Revista Linha Direta

ações de cidadania Educação Integral O Espaço Criança Esperança promove o desenvolvimento das dimensões humana e do pensamento Revista Linha Direta ações de cidadania Educação Integral O Espaço Criança Esperança promove o desenvolvimento das dimensões humana e do pensamento Como publicado em setembro na Linha Direta, esta seção é destinada à divulgação

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

TRABALHO DIGNO COM A ECONOMIA SOLIDÁRIA NAS PRÁTICAS DE EJA

TRABALHO DIGNO COM A ECONOMIA SOLIDÁRIA NAS PRÁTICAS DE EJA TRABALHO DIGNO COM A ECONOMIA SOLIDÁRIA NAS PRÁTICAS DE EJA Francisco Negrini Romero Universidade Metodista de Piracicaba UNIMEP Resumo A experiência de Economia Solidária em EJA é relatada, na cidade

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais 37,6 milhões de benefícios regulares para os mais pobres Ao lado dos programas sociais que se destinam a toda a sociedade, o Governo Federal

Leia mais

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Elizabeth Leitão Secretária Municipal Adjunta de Assistência Social Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Março de 2012 Conceito

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Centro Educativo Passionista Maria José

Mostra de Projetos 2011. Centro Educativo Passionista Maria José Mostra de Projetos 2011 Centro Educativo Passionista Maria José Mostra Local de: Piraquara Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Associação

Leia mais

CDC. De olho. no Futuro. em foco. Edição VII Ano III Agosto de 2013

CDC. De olho. no Futuro. em foco. Edição VII Ano III Agosto de 2013 CDC em foco Edição VII Ano III Agosto de 2013 De olho no Futuro 1 editorial A segunda edição do boletim CDC em Foco deste ano traz novidades e relembra ações que contribuíram para a melhoria da qualidade

Leia mais

Departamento de Assistência Social DAS Unidade Brasília

Departamento de Assistência Social DAS Unidade Brasília Departamento de Assistência Social DAS Unidade Brasília Programas e Serviços de Atenção à População em Situação de Vulnerabilidade Social, Econômica e Pessoal Brasília, Maio de 2013. Apresentação A Federação

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

GAZETA DO POVO Vida e Cidadania

GAZETA DO POVO Vida e Cidadania GAZETA DO POVO Vida e Cidadania MISÉRIA frente da Catedral: pastoral tenta tirar moradores do isolamento AO RELENTO Encontro de oração das terças à noite na A Curitiba do sereno Curitiba tem cerca de 2,7

Leia mais

Construindo uma cultura de paz. Tornando-se política pública

Construindo uma cultura de paz. Tornando-se política pública Construindo uma cultura de paz Em 2000, no marco do Ano Internacional para uma cultura de paz, a Representação da UNESCO no Brasil lançou o Programa Abrindo Espaços: educação e cultura para a paz, uma

Leia mais