Relatório de Gestão dos NUPAs : 2012.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Gestão dos NUPAs : 2012."

Transcrição

1 Relatório de Gestão dos NUPAs : Desde 2007, os NUPAs trabalham os seus planos de ação de forma participativa com as colônias de pescadores e demais atores integrantes ; essa é uma diretriz norteadora da ações que conduzem essa política a atingir os menos favorecidos. Assim, os NUPAs são obrigados a encaminharem seus planos de ação todos os anos ao setor responsável que cuida desta política; outra diretriz é trabalhar em rede entre os NUPAs, bem como com os demais atores local, regional e nacional; essa cultura vem se firmando no cenário nacional e criando uma mentalidade de pesquisa aplicada, vocação dos institutos. m 2011, a Coordenação Nacional em Pesca, Aquicultura, Portos e Navegação, por solicitação da Diretora Simone Valdete apresentou seu plano de ação como sempre fez nos exercícios anteriores, aliás, foi a única que o fez, foi lido por todos, foi aprovado e tomada as providências cabíveis para o caso. m novembro de 2011 no III encontro dos NUPAS, em Búzios, o Secretário liezer, na palestra que fez aos coordenadores e subcoordenadores e demais participante anunciou a aprovação do orçamento para a política de pesca, aquicultura, portos e navegação. Só em março de 2012, por via indireta, ficamos sabendo que a política da pesca e afins não tinha orçamento para desenvolver suas atividades planejadas, consubstanciadas nos seus planos de ação de Isso foi um golpe mortal para essa política, na sua credibilidade perante a comunidade dos institutos e no cenário nacional. Como explicar para essa gente que acreditava firmemente nos bons propósitos da STC/MC construídos ao longo desses cinco anos? Os NUPAs se firmaram como uma rede forte, coesa, unida, uma família por todo o pais e até no exterior, daí sua reação por meio de dois documentos que expressam sua indignação e repúdio contra essa operação de desmonte. A consequência desta atitude foi, por exemplo, a não criação de mais dez novos (10) núcleos de pesquisa aplicada à pesca e aquicultura nos institutos; deixaram de serem criados mais de vinte (20) novos cursos técnicos em pesca e aquicultura, porque os institutos recuaram diante desta nova realidade por não quererem se comprometer. No ano passado foram criado, apenas dois cursos técnicos em aquicultura, em dois institutos, totalizando cento e dez vagas ou matrículas. Hoje temos em torno de mais de sete mil e quinhentas matrículas, nos oitenta e dois cursos técnicos em pesca e aquicultura no país, em cinco anos de existência desta política. A produção científica, em pouco tempo, nasceu forte e extensa, forjando uma mentalidade nos IFs de pesquisa aplicada na área de pesca e aquicultura. 1

2 Com o orçamento de 2011, celebramos um convênio com o LABOMAR- Instituto de Ciência do Mar da Universidade Federal do Ceará. Hoje temos 18 professores dos NUPAs fazendo doutorado e 6 cursando o mestrado. ssa é uma demanda desta diretoria e como tal tem que cuidar avançar nessa política. Acrescenta-se, ainda, que dia 04/02/2013 encerrou-se o primeiro período do ano letivo desse alunos, conforme informou me o diretor do referido instituto; solicitei relatório que está sendo preparado e serei convocado para fazer uma avaliação, juntamente, com o instituto desse período findo e o seguinte, uma vez que eu sou o link, o contato, o negociador, juntamente como coordenador da diretoria da rede, no construção desse convênio assinado por todas as partes e publicado para a segurança jurídica da sua execução. De acordo com a planilha orçamentária de 2012, distribuída pela diretoria de política, realmente se confirmou que a política da pesca, aquicultura, portos e navegação não foi contemplada com nenhum recurso orçamentário para desenvolver suas atividades planejadas constantes do seu plano de ação Mesmo assim, os NUPAs desenvolveram muitas atividades, conforme segue a tabela anexa. stá incompleta porque nem todos os NUPAs conseguiram encaminhar até a presente data a sua tabela, mas, há um grupo de trabalho que está organizando todo esse material, com vistas a futura publicação por meio de artigos científicos. Só no IV ncontro Nacional em Foz do Iguaçu foram apresentados 31 artigos expandidos que todos os participantes receberam em CD como resultado de pesquisa aplicada e os mesmos foram expostos em Banners durante o evento. O papel da STC, com presença marcante, como agente indutor, é fundamental neste processo, pois, a política de pesca, aquicultura, portos e navegação não se faz e nem pode,ser só de dentro de gabinete em Brasília, mas, como agente articulador forte e presencial, dialogando com todos os setores envolvidos diretamente nos cenários locais. ste foi o grande segredo do enorme desenvolvimento desta política que se valeu das estratégicas dimensões da educação profissional. Segue anexo : Plano de Ação executiva financeira de 2012, Plano de Ação xecutivo de Brasília, 05 de fevereiro de DMAR ALMIDA MORAS CHF DIVISÃO 2

3 RLATÓRIO ATIVIDAS DOS NÚCLOS APLICADA A PSCA AQUICULTURA - NUPAS / PARCIAL NUPA NORST - 4 XTNSÃO SCRIÇÃO DA CULTIVO FAMILIAR OSTRA NATIVA (CRASSOSTRA SP.) NO MUNICÍPIO RAPOSA MA IFMA/CAMP US MARACANÃ COORNAD OR/RSPONS ÁVL NORST - 4 A XTRNA 15 PSSOAS ATNDIDAS RSULTADOS ALCANÇADOS(SÍNTS) OPROJTOIMPLANTAÇ ÃOUMSISTMACULTI VOFAMILIARDAOSTRANATI VANOLITORALDOMUNICÍPI ORAPOSA MASMOSTROUVIÁVLC ONOMICAMNT.OPROC SSOCAPACITDOP RODUTORFOIUMATAPAF UNDAMNTALPARAOS NVOLVIMNTODOPROJT OPORGARANTIRAOSBN FICIADOSINPNDÊNCIA NOSNVOLVIMNTO ATIVIDASRLACIONADA SAOCULTIVO.NATAPAI MPLANTOSPRODUT ORSACOMPANHARAMUM CICLOCULTIVO,ONP URAMAPRNRNSS PRÍODOASTÉCNICAS MANJONCSSÁRIOPAR AOSNVOLVIMNTODA ATIVIDA. NORST - 4 AVALI DO CRSCIMNTO DA IFMA/CAMP US MARACANÃ IZABL FUNO DOIS BOLSISTA PIBIC/JR. 8 ATAXACRSCIMNTOO BTIDAPLABIOMTRIAMO STROUUMVALORCRSC 3

4 NORST - 4 SCRIÇÃO DA MORTALIDA DA OSTRA NATIVA (CRASSOSTRA SP) CULTIVADA M AMBINTS STUARINOS DO MUNICÍPIO RAPOSA-MA ASPCTOS HIGIÊNICO- SANITÁRIOS DA COMRCIALIZA ÇÃO DOPSCADO NAS FIRAS DO MUNICÍPIO SÃO LUÍS - MA IFMA/CAMP US MONT CASTLO COORNAD OR/RSPONS ÁVL CLARISSA LOBATO DA COSTA IFMA UMA BOLSISTA PIBIC/JR. FAPMA - ALUNOS DO CURSO TÉCNICO M AQUICUL TURA 1 BOLSISTA PIBIC/CNP Q - ALUNO DO CURSOS LICNCIA TURA M BIOLOGIA UM A PSQUIS ADORA VOLUNTÁ RIA DO CURSO LICNCIA TURA M PSSOAS ATNDIDAS 90 RSULTADOS ALCANÇADOS(SÍNTS) NTAOLONGODOXPRIM NTO,NTRTANTONOSD OISÚLTIMOSMSSSSV ALORFOIMNORQUNOSI NICIAISSTVASSOCIA DOÀSVARIÁVISABIÓTICA SSALINIDA,TRANSPARÊ NCIASÓLIDOSMSUSPN SÃO,ASSIMCOMOAOCORR ÊNCIAPRDADORS,PA RASITAS COMPTIDORS. LVANTAMNTODOSPADR ÕSHIGIÊNICO- SANITÁRIOSTRÊSFIRA SDOMUNICÍPIOSÃOLUÍS NOQUSRFRACOM RCILAIZDOPSCADO.ATÉOPRSNTMOMNT O,PO- SDIZRQUOSFIRANT SUTILIZAMPOUCOSUTNSÍ LIOSHIGIN,COMO,PO RXMPLO,LUVATOUCA. ALÉMDISSO,OASPCTOR LACIONADOAQUANTIDA BANHIROSADISPONI BILIDAÁGUA IXAM A SJAR. 4

5 NORST - 4 NORT-6 SCRIÇÃO DA CARACTRIZAÇ ÃO DAS ARTS PSCA A FROTA PSQUIRA NO MUNICIPIO PAÇO DO LUMIAR, MARANHÃ ANÁLIS DO CONSUMO PSCADO NO MUNICÍPIO AMAJARI - RR IFMA/CAMP US MONT CASTLO IFRR- AMAJARI COORNAD OR/RSPONS ÁVL CLARISSA LOBATO DA COSTA HUDSON DO VAL OLIVIRA BIOLOGIA - PARFOR 1 BOLSISTA PIBIC/IFM A- ALUNO DO CURSOS LICNCIA TURA M BIOLOGIA DOIS PSQUIS ADORS VOLUNTÁ RIOS DO CURSO LICNCIA TURA M BIOLOGIA - IFMA MONT CASTLO PSSOAS ATNDIDAS 100 RSULTADOS ALCANÇADOS(SÍNTS) FORAMNTRVISTADOSC RCA40PSCADORSA RTSANAIS,LSCOLOCA MQUAQUANTIDAPI XSPRMANCAMSMA NOMUNICÍPIOPAÇODOL UMIAR,MASQUAATIVIDAD VSRMAISORGANIZA DA,COMMAISATUDA COLONIAPSCADORS. NTRASARTSPSC AMAISUTILIZADASAPARC AROSPINHL.MR LAFROTA,APSCAR IAOCORRPRINCIPALMN TCOMPQUNASCANOA S BARCO PQUNO PORT. 5

6 NORT-6 SUST- 6 XTNSÃO XTNSÃO SCRIÇÃO DA LVANTAMNT O DA QUALIDA ÁGUA TANQUS PISCICULTURA DO MUNICÍPIO AMAJARI - RR PROJTO FORM M COOPRATIVIS MO,GSTÃO PRODUÇÃO PARA FAMÍLIAS PSCADORS( UH-BARRA DO BRAÚNA) PROJTO CAMBIRA IFRR- AMAJARI IFSUST MG/MURIAÉ COORNAD OR/RSPONS ÁVL DANIL SAYURI FUJITA CARLOS P A PRIRA JÚLIO MONRAT RODRIGO GOMS; ARTUR LIMA PRTO A XTRNA A XTRNA PSSOAS ATNDIDAS 40 FAMÍLIAS 100 RSULTADOS ALCANÇADOS(SÍNTS) RALIZATIVIDA SRFORÇOASOLIDADRI DANTRODACOMUNI DA,RFORÇO TÉCNICODOMPRNDIM NTOATRAVÉSVISITAS TÉCNICAS,MANJODAPRO DUÇAOMTANQUR,I NCLUINDOMÓDULOSVOLT ADOSPARACOOPRATIVIS MO,CONOMIA SOLIDÁRIAMANJODOP SCADO. FOIOPORTUNIZADOOAPR NDIZADOTÉCNICASP ROCSSAMNTOPSC ADOHIGINALIMNTAR, RSGATDACULTURALOC AL;IMPLANTUMAC OOPRATIVA PSCADORS. 6

7 XTNSÃO NSINO NSINO NSINO SCRIÇÃO DA PISCICULTURA NA A INDÍGNA /SC TÉCNICO M AQUICULTURA DISCIPLINA: MALACOCULTU RA CARCINICULTU RA MARINHA DISCIPLINA: PISCICULTURA ÁGUA DOC COORNAD OR/RSPONS ÁVL ARTUR LIMA PRTO ARTUR LIMA PRTO A XTRNA PSSOAS ATNDIDAS 300 ALUNOS 10 ALUNOS 20 ALUNOS 20 RSULTADOS ALCANÇADOS(SÍNTS) AAAPRNU ALGUMASNOCÕSSOBR APRODUÇÃOPIXS ÁGUADOCMTANQUS SCAVADOS. FORMPROFISSIO NAISMNÍVLTÉCNICOPA RAATUNASÁRAS PRODUÇÃOCRUSTÁC OS,MOLUSCOPIXS,PR OCSSAMNTOPSCA DO,CONSULTORIATÉCNIC AXTNSÃO RURAL. CAPACITMNÍVLSU PRIORSOBRACAIAPR ODUTIVAMOLUSCOSC AMARÕS,MORFOFISIOLO GIAMOLUSCOSCRUST ÁCOS,QUALIDAÁGU AASPCTOSSANITÁRIOS DAMALACOCULTURA CARCINICULTURA. CAPACITMNÍVLSU PRIORSOBRQUALIDA ÁGUA,CAIAPRODUTI VADAPISCICULTURAÁG UADOC,MORFOFISIOLOG IADOSPRINCIPAISGRUPOS PIXSÁGUADOC ASPCTOS SANITÁRIOS NA PISCICULTURA. 7

8 SCRIÇÃO DA ANÁLIS SUSTNTABILID A DOS DIFRNTS MOLOS CULTIVO CAMARÕS MARINHOS NO SUL DO BRASIL RPRODUÇÃO DO ACARÁ BANIRA M STUFA SU FITO PARASITOLÓGI CO NOS ALVINOS NGORDA ALVINOS ACARÁ BANIRA NGORDA LAMBARIS, DO RABO VRMLHO AMARLO, M DOIS DIFRNTS UFSC / COORNAD OR/RSPONS ÁVL UFSC: LUIS VINATA ARANA / : LANO DIAS SCHLR A INTRNA XTRNA A INTRNA XTRNA PSSOAS ATNDIDAS 60 7 ALUNOS 4 ALUNOS 4 RSULTADOS ALCANÇADOS(SÍNTS) PROJTOMANDAMNTO COMNVOLVIMNTO4IN STITUIÇÕSPÚBLICAS,S NDO3FRAIS(UFSC,FUR G )1STADUAL( PAGRI),16ALUNOSC URSOSPÓS- GRADU,NÍVLSUPR IOR TÉCNICO. PROJTOMANDAMNTO COMNVOLVIMNTO2IN STITUIÇÕSPÚBLICASFD RAIS(UFSC )3ALUNOSN ÍVLSUPRIOR;GROU4P UBLICAÇÕSMVNTOS CINTÍFICOS PROJTOMANDAMNTO COMNVOLVIMNTO2A LUNOSNÍVLTÉCNICO; GROU1PUBLICM VNTO CINTÍFICO. PROJTOMANDAMNTO COMNVOLVIMNTO2A LUNOSNÍVLTÉCNICO; GROU2PUBLICAÇÕSM VNTOS CINTÍFICOS. 8

9 9 NUPA SCRIÇÃO DA COORNAD OR/RSPONS ÁVL PSSOAS ATNDIDAS RSULTADOS ALCANÇADOS(SÍNTS) SISTMAS CULTIVO PRIMIROS STUDOS DO MANJO ALIMNTAR DO LAMBARI DO RABO VRMLHO A INTRNA XTRNA 6 PROJTOMANDAMNTO COMNVOLVIMNTO2IN STITUIÇÕSPÚBLICASFD RAIS(UFSC )2ALUNOSN ÍVLTÉCNICO SUSCTIBILIDA PARASITARIA DUAS SPÉCIS LAMBARI CULTIVADOS NO MSMO AMBINT A INTRNA XTRNA 6 PROJTOMANDAMNTO COMNVOLVIMNTO2IN STITUIÇÕSPÚBLICASFD RAIS(UFSC )2ALUNOSN ÍVLSUPRIOR;GROU1P UBLICMVNTO CINTÍFICO. INFLUÊNCIA DA ALIMNT NA MATUR SXUAL CAMARÕS ÁGUA DOC MACROBRACHI UM POTIUNA ARTUR LIMA PRTO ALUNOS 4 PROJTOMANDAMNTO COMNVOLVIMNTO2A LUNOSNÍVLTÉCNICO; GROU2PUBLICAÇÕSM VNTOSCINTÍFICOSOP RÊMIOMLHORTRABAL HONAÁRAAQUICULTU RANOVMOSTRANACIONAL INICICINTÍFICA TÉCNOLÓGICAINTRDISCI PLINARM2012.

10 SCRIÇÃO DA CULTIVO CAVALO MARINHO APLIC DA BIOTCNOLOGI A NO SISTMA CULTIVO INTNSIVO LITOPNAUS VANNAMI PARA O SNVOLVIM NTO SUSTNTÁVL DA AQUICULTURA FAMILIAR PROJTOCONCLUÍDO;CO MNVOLVIMNTO2ALU NOSNÍVLSUPRIOR;G ROU2APRSNTAÇÕS MVNTOSCINTÍFICOS OPRÊMIOSGUNDOCOL OCADONOIVNTOPS QUISAXTNSÃODO M PROJTOMANDAMNTO; GROUCONVÊNIOCOMA MPRSAMULTINACIONALD SNVOLVI MNTODAAQUICULTURAC ONCPTOAZUL,COLABOR INTRNACIONALATR AVÉSDAPARTICIP UMALUNOMSTRADOD OPROGRAMAMASTRMAN AGMNTSNTRPRIS SAQUACOLSDOINSTITU TNATIONALSSCINCS TTCHNIQUSLAMR( INTCHMR)DAFRANÇA, NVOLVU5ALUNOSNÍV LSUPRIORTÉCNICO,ALÉ MGRAR5PUBLICAÇÕ SMVNTOSCINTÍFICO SOPRÊMIOMLHORTR ABALHODOIVNTOP SQUISAXTNSÃODOIFC COORNAD OR/RSPONS ÁVL LANO DIAS SCHLR FRNANDA GUIMARÃS CARVALHO ALUNOS 3 A INTRNA XTRNA PSSOAS ATNDIDAS 20 RSULTADOS ALCANÇADOS(SÍNTS) 10

11 SCRIÇÃO DA BIODIVRSIDAD, GNÉTICA CONSRV DOS PIXS ÁGUA-DOC DA ILHA SÃO FRANCISCO DO SUL PROJTO PARATI: STRUTURA POPULACIONAL IMPORTÂNCIA PARA A PSCA SLÇÃO PROBIÓTICOS PARA LAMBARI SUA SPCIFICIDAD COM OS HOSPIROS FICIÊNCIA DA SXAGM COORNAD OR/RSPONS ÁVL DANIL MNGULL O LIMIRA DANIL MNGULL O LIMIRA A INTRNA XTRNA A INTRNA XTRNA ALUNOS 3 ALUNOS 4 PSSOAS ATNDIDAS RSULTADOS ALCANÇADOS(SÍNTS) - M2011ML HORTRABALHONAÁRA PRODUÇÃOANIMALDOIVM OSTRACINTÍFICATCNO LÓGICADO M PROJTOMANDAMNTO COMNVOLVIMNTO3IN STITUIÇÕSNSINO,2F RAIS(IFSC )1PARTICULAR (UNIVALI), 3 ALUNOS NÍVL SUPRIOR. PROJTOMANDAMNTO COMNVOLVIMNTO1A LUNONÍVLSUPRIOR, GROUUMAPUBLIC MVNTO CINTÍFICO. PROJTOMANDAMNTO COMONVOLVIMNTO2 INSTITUIÇÕSFRAISD NSINO(UFSC )1ALUNONÍ VLSUPRIOR. PROJTOMANDAMNTO COMNVOLVIMNTO2A LUNOSNÍVLTÉCNICO. 11

12 SCRIÇÃO DA MANUAL TILÁPIAS SAZONALIDA PARASITÁRIA M LAMBARIS NO IFCCA SLÇÃO BACTÉRIAS BNÉFICAS PRSNTS NO CULTIVO DO CAMARÃO MARINHO M SISTMA BIOFLOCOS AVALI DO MOLO PRODUÇÃO PIXS DO ALTO VAL DO SOB ANALIS CONÔMICA FINANCIRA QUORUM QUNCHING M BACTÉRIAS ÁCIDO- LÁCTICAS COM RIO DO SUL COORNAD OR/RSPONS ÁVL LANO DIAS SCHLR CÉSAR AMAR HRMS LANO DIAS SCHLR ALUNOS 3 ALUNOS 10 A INTRNA XTRNA ALUNOS 6 PSSOAS ATNDIDAS RSULTADOS ALCANÇADOS(SÍNTS) PROJTOMANDAMNTO COMONVOLVIMNTO2 INSTITUIÇÕSFRAISD NSINO(UFSC )1ALUNONÍ VLSUPRIOR. PROJTOMANDAMNTO MCOLABORCOMA MPRSAMULTINACIONALD SNVOLVI MNTODAAQUICULTURAC ONCPTOAZUL,COMNVO LVIMNTO2ALUNOS NÍVLSUPRIOR1 DOUTORADO. PROJTOMANDAMNTO COMNVOLVIMNTO1ALU NONÍVLTÉCNICO 1 NÍVL SUPRIOR. PROJTOMANDAMNTO MCOLABORCOMA MPRSAMULTINACIONALD SNVOLVI MNTODAAQUICULTURAC 12

13 NSINO SCRIÇÃO DA POTNCIAL PROBIÓTICO AVALI DO USO DA LACTOBACILLU S PLANTARUM, NA CONSRV DO ALIMNTO FRSCO (LULA MXILHÃO) DA MATUR DO CAMARÃO MARINHO LITOPNAUS VANNAMI, NO CONSUMO NA SATIV DO VÍRUS DA MANCHA BRANCA CURSO TÉCNICO M AQUICULTURA UFSC / COORNAD OR/RSPONS ÁVL UFSC: DMAR ROBRTO ANDRATTA / : LANO DIAS SCHLR RNATA COSTLLA ACAUAN A INTRNA XTRNA PSSOAS ATNDIDAS 7 ALUNOS 20 RSULTADOS ALCANÇADOS(SÍNTS) ONCPTOAZULCOMNV OLVIMNTO1ALUNO NÍVLTÉCNICO1NÍVL SUPRIOR. PROJTOMSTRADOD OPROGRAMAPÓS- GRADUMAQUICULT URADAUFSCSNVOLVI DOMCOLABOR COM O. FORMPROFISSIO NAISMNÍVLTÉCNICOPA RAATUNASÁRAS PRODUÇÃOCRUSTÁC OS,MOLUSCOPIXS,PR OCSSAMNTOPSCA 13

14 NSINO NSINO XTNSÃO SCRIÇÃO DA CURSO TÉCNICO PSCA M CURSO FIC PRODUTOR PIXS ORNAMNTAIS (160H) PROJTO APRNNDO COM O MAR IFSC/ COORNAD OR/RSPONS ÁVL RNATA COSTLLA ACAUAN BNJAMIM TIXIRA RNATA ACAUAN ALUNOS 25 ALUNOS 6 A XTRNA PSSOAS ATNDIDAS 75 RSULTADOS ALCANÇADOS(SÍNTS) DO,CONSULTORIATÉCNIC AXTNSÃO RURAL. FORMPROFISSIO NAISMNÍVLTÉCNICOPA RAATUNASÁRAS XTPSCADOS,P ROCSSAMNTOPSC ADO,CONSULTORIATÉCNI CAXTNSÃOPSQUIR A. QUALIFICPROFISSIO NALPARAASD ARGIÃO-SC. RALIZATIVIDA SSNSIBILIZAMBI NTAL,ABORDANDOINFOR MAÇÕSSOBROSCOSSI STMASCOSTIROSDAR GIÃO,STIMULANDOOSAL UNOSADIALOGARMSOBR ASPCTOSRLACIONAD OSAOMIOAMBINTAM NTALIDAMARÍTIMA;CRI MULTIPLICADOR SDOSCONHCIMNTOSAD QUIRIDOS ATRAVÉS DAS OFICINAS. 14

15 15 NUPA SCRIÇÃO DA COORNAD OR/RSPONS ÁVL PSSOAS ATNDIDAS RSULTADOS ALCANÇADOS(SÍNTS) XTNSÃO PSCA: DUC SPORT BNJAMIM TIXIRA ALUNOS, SRVIDO RS A XTRNA 80 RALIZDOIITORNIO PSCADOIFSC,OOBJTI VOSTVNTOÉADIVUL GDOIFSC,PRINCIPAL MNTAÁRARCURS OSNATURAIS,PARAACOMU NIDAXTRNA(FAMILIA RSSRVIDORSALU NOS),BMCOMOPROPORC IONARUMAMAIORINTRAÇ ÃONTRSRVIDORS,AL UNOSAXT RNA. XTNSÃO VLJANDO PLO SPORT: DUC CIDADANIA PAULO FONSCA ALUNOS, SRVIDO RS A XTRNA 150 RALIZDAIIRGATAD OIFSC,OOBJTIVOST VNTOÉADIVULGDOI FSCPARAAA XTRNA,BMCOMOPROPO CIONARMMOMNTOINT RNTRALUNOS,S RVIDORSAD XTRNA.OVNTOAIND ACONTRIBUIPARACONSOL IDARACULTURANAÚTICAN OIFSCNARGIÃO. XTNSÃO APROVITAMN TO INTGRAL PSCADO. RODRIGO OTÁVIO MACDO GOMS A XTRNA 50 MINISTRAROFICINASPARA AAXTRNA NSINADO- OSUTILIZARATOTALIDA DASPARTSDOSPSCADO

16 SCRIÇÃO DA CULTIVO PIXS ORNAMNTAIS MARINHOS DO GÊNRO AMPHIPRION. RL NTR O PSO TOTAL DO HPATO- PÂNCRAS MOLUSCOS BIVALVS CULTIVADOS NO LITORAL SANTA CATARINA INTRODUÇÃO DO MONITORAMN TO AVALI DAS INTRAÇÕS COLÓGICAS NTR SPÉCIS COORNAD OR/RSPONS ÁVL BNJAMIM TIXIRA THIAGO PRIRA ALVS LAURA PIOLI KRMR ALUNOS 12 ALUNOS 1 SRVIDO RS PSSOAS ATNDIDAS 1 RSULTADOS ALCANÇADOS(SÍNTS) S,ALÉMDALABORD PARTOSABASPIX( QUIB,COXINHA,FISHBUR GR,FILÉPIX,TC). OPROJTOCONTACOMAP ARTICIP1ALUNOB OLSISTA,ALÉMCONTRIB UIRNASATIVIDASPRÁTI CASDIVRSASDISCIPLI NASDOCURSOTÉCNICO AQUICULTURA. OPROJTOCONTACOMAP ARTICIP1ALUNOB OLSISTADOCURSOTÉCNIC O AQUICULTURA. MONITORAMNTODASINT RAÇÕSCOLÓGICASN TRSPÉCISXÓTICASIN CRUSTANTSMÁRAS MARICULTURANOSTADO SANTACATARINA 16

17 OUTROS SCRIÇÃO DA XÓTICAS INCRUSTANTS M ÁRAS RISCO NO STADO SANTA CATARINA CRI DO CNTRO RFRÊNCIA M NAVG PSCA MARÍTIMA - CNPMAR COORNAD OR/RSPONS ÁVL RODRIGO OTÁVIO MACDO GOMS SRVIDO RS PSSOAS ATNDIDAS RSULTADOS ALCANÇADOS(SÍNTS) INSTITUCIONALIZDO CNTRORFRÊNCIA MNAVGPSCAMA RÍTIMA- CNPMAR,CRICO ORNPARAOMSM O, M, SC. 17

ANEXO II VAGAS 1.1 VAGAS PARA PROFESSORES DE CURSOS FIC PRONATEC MULHERES MIL CAMPUS URUAÇU RUA FORMOSA, SN QD. 28/29 - SETOR SANTANA;

ANEXO II VAGAS 1.1 VAGAS PARA PROFESSORES DE CURSOS FIC PRONATEC MULHERES MIL CAMPUS URUAÇU RUA FORMOSA, SN QD. 28/29 - SETOR SANTANA; APLICADOR DE REVESTIMENTO CERÂMICO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL

Leia mais

PROJETO SOED. Relatório do primeiro ano de formação na UFSC. Genyess R.A.S.Vieira. (Março - Dezembro de 2011)

PROJETO SOED. Relatório do primeiro ano de formação na UFSC. Genyess R.A.S.Vieira. (Março - Dezembro de 2011) PROJETO SOED Relatório do primeiro ano de formação na UFSC Genyess R.A.S.Vieira (Março - Dezembro de 2011) Florianópolis, 2012 A cidade de Florianópolis, é a cidade capital do estado Santa Catarina, localizado

Leia mais

ATUALMENTE, a UFSC oferta 13 cursos de graduação na modalidade a distância:

ATUALMENTE, a UFSC oferta 13 cursos de graduação na modalidade a distância: ATUALMENTE, a UFSC oferta 13 cursos de graduação na modalidade a distância: 7 do Programa UAB - Administração, Biológicas, Contábeis, Econômicas, Filosofia, Letras- Espanhol e Letras-Português 2 LIBRAS

Leia mais

Núcleo de estudo e extensão em aquacultura NUEEAQUA

Núcleo de estudo e extensão em aquacultura NUEEAQUA INSTITUTO MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR DE BEBEDOURO VICTÓRIO CARDASSI PROJETO DE GRUPO DE ESTUDO E EXTENSÃO Núcleo de estudo e extensão em aquacultura NUEEAQUA Proponente: Prof. Dr. Eduardo Pahor Filho

Leia mais

Melhoria contínua da qualidade do ensino

Melhoria contínua da qualidade do ensino 1. OBJETIVO Est procdimnto visa normalizar as ativis snvolvis no âmbito mlhoria contínua quali do nsino dos cursos ministrados na Escola Naval (EN). 2. CAMPO DE APLICAÇÃO O prsnt procdimnto é aplicávl

Leia mais

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 O País é banhado por uma costa marítima de 8,5 mil quilômetros e possui 12% da água doce do planeta; O pescado é a proteína animal mais saudável e consumida

Leia mais

APROVADOS REGIÃO NORTE

APROVADOS REGIÃO NORTE Crdnciamnto d Pssoas Jurídicas para Prstação d Srviços d Instrutoria - Divulgação da Lista Prliminar 3 Etapa Crtificação d Capacidad Técnica Modalidad APROVADOS REGIÃO NORTE EMPRESA PROFISSIONAL INDICADO

Leia mais

Lourisvaldo Valentim da Silva Presidente do CONSU

Lourisvaldo Valentim da Silva Presidente do CONSU RESOLUÇÃO Nº 928/2012 - Aprova o Regulamento do Programa de Bolsas de Extensão (PROBEX). Pró-Reitoria de Extensão (PROEX). O CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), no

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA 2015

CHAMADA PÚBLICA 2015 EDITAL N º 13 /PRPPGI/2015 CHAMADA PÚBLICA 2015 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS COM FINALIDADE DIDÁTICO- PEDAGÓGICA EM CURSOS REGULARES NO EXECUÇÃO: MAIO A NOVEMBRO DE 2015. A Reitora

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR GERÊNCIA DE FORMAÇÃO PERMANENTE TÓPICOS - LETRAS / INGLÊS. Formação.

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR GERÊNCIA DE FORMAÇÃO PERMANENTE TÓPICOS - LETRAS / INGLÊS. Formação. TÓPICOS - LETRAS / INGLÊS Projtos Projtos /contraturno /contraturno para para crianças crianças 0 0 a a 5 5 anos anos TÓPICOS - OCEANOGRAFIA / / Projtos Projtos Planjamnto Planjamnto / / TÓPICIOS - ANTROPOLOGIA

Leia mais

LEI N.º 3.587. Assegura ajuda financeira a estudantes de cursos superiores, à guisa de bolsas de estudo, dando outras providências.

LEI N.º 3.587. Assegura ajuda financeira a estudantes de cursos superiores, à guisa de bolsas de estudo, dando outras providências. 1 LEI N.º 3.587 Assegura ajuda financeira a estudantes de cursos superiores, à guisa de bolsas de estudo, dando outras providências. A Câmara Municipal de Araguari, Estado de Minas Gerais, aprova e eu,

Leia mais

Relatório de Divulgação de Resultados

Relatório de Divulgação de Resultados Ministério da ducação Coordenação de Aperfeiçoamento de essoal de Nível Superior - CAS eríodo de Avaliação: 2004 a 2006 tapa: Avaliação Trienal 2007 Grande Área: CIÊNCIAS AGRÁRIAS Área de Avaliação: CIÊNCIA

Leia mais

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br NO CAMPO: UMA FAMÍLIA DE SOLUÇÕES EDUCACIONAIS PARA PRODUTORES RURAIS. TODA MINHA FAMÍLIA VIVE DA PRODUÇÃO RURAL. E MAIS DE CINCO MILHÕES

Leia mais

Plano de Ação. Plano de Ação - 2013. Plano de Ação para o Ano de 2013: Finalidades Estatutárias. Objetivos. Origem dos Recursos.

Plano de Ação. Plano de Ação - 2013. Plano de Ação para o Ano de 2013: Finalidades Estatutárias. Objetivos. Origem dos Recursos. Plano de Ação 2013 Plano de Ação para o Ano de 2013: Finalidades Estatutárias Objetivos Origem dos Recursos Infraestrutura Público Alvo Capacidade de Atendimento Recursos Financeiros Utilizados Recursos

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSUNI

CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSUNI CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSUNI PROCESSO Nº 011/2012 ASSUNTO: Proposta de adequação das diretrizes para a parceria FURB-UFSC. INTERESSADO: Administração Superior. PROCEDÊNCIA: Reitoria. I - HISTÓRICO: Em

Leia mais

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA SOUZA, Weysser Felipe Cândido de 1 MAGALHÃES, Jeysiane Alves 2 SILVA, José Elenilson Ferreira 2 FILHO, Pedro Brito

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES QUADRO SÍNTESE DA PORTARIA N.º 08/CCEF/2010 DE 12/06/2010, ABAIXO.

ATIVIDADES COMPLEMENTARES QUADRO SÍNTESE DA PORTARIA N.º 08/CCEF/2010 DE 12/06/2010, ABAIXO. ATIVIDADES COMPLEMENTARES QUADRO SÍNTESE DA PORTARIA N.º 08/CCEF/2010 DE 12/06/2010, ABAIXO. Horas/a A) Programa de Iniciação Científica, Projetos de Pesquisa, Publicações... Sem limites a I) Participação

Leia mais

A Universidade Aberta do Brasil e o modelo de gestão da EaD-UFSC. Profª Drª Eleonora Milano Falcão Vieira

A Universidade Aberta do Brasil e o modelo de gestão da EaD-UFSC. Profª Drª Eleonora Milano Falcão Vieira A Universidade Aberta do Brasil e o modelo de gestão da EaD-UFSC Profª Drª Eleonora Milano Falcão Vieira O Sistema UAB Denominação representativa genérica para a rede nacional voltada para a pesquisa e

Leia mais

Aquicultura Desenvolvimento Sustentável

Aquicultura Desenvolvimento Sustentável Aquicultura Desenvolvimento Sustentável Cenário Brasileiro Adalmyr Morais Borges Ministério da Pesca e Aquicultura Potencial Mundial Produção Mundial de Proteína Animal (em milhão t) 120 Suínos 100 Pesca

Leia mais

MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO-GERAL - CAMPUS JOÃO PESSOA EDITAL N 07/2015

MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO-GERAL - CAMPUS JOÃO PESSOA EDITAL N 07/2015 MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO-GERAL - CAMPUS JOÃO PESSOA EDITAL N 07/2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DO IFPB CAMPUS JOÃO PESSOA EDITAL

Leia mais

MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO-GERAL - CAMPUS JOÃO PESSOA EDITAL N 09/2015

MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO-GERAL - CAMPUS JOÃO PESSOA EDITAL N 09/2015 MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO-GERAL - CAMPUS JOÃO PESSOA EDITAL N 09/2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DO IFPB CAMPUS JOÃO PESSOA EDITAL

Leia mais

1. OBJETIVO 2. PÚBLICO ALVO E CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO

1. OBJETIVO 2. PÚBLICO ALVO E CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO NÚCLEO DE FOMENTO E APOIO FINANCEIRO EDITAL PRPGI Nº 17, de 10 de junho de 2014 CONCESSÃO

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, RESOLUÇÃO Nº 07/2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

Laboratório Embrapa Agropecuária Oeste

Laboratório Embrapa Agropecuária Oeste Laboratório Embrapa Agropecuária Oeste Mecanismos para apoio à C&T em pesca e aquicultura Celebração de convênios (2003 a 2009) Investimentos 199 projetos com componentes de pesquisa apoiados Investimento

Leia mais

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos.

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. Q A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. É uma alusão à essência e ao compromisso da Secretaria

Leia mais

Assunto: Subvenção Econômica ao Preço do Óleo Diesel para Embarcações Pesqueiras

Assunto: Subvenção Econômica ao Preço do Óleo Diesel para Embarcações Pesqueiras Assunto: Subvenção Econômica ao Preço do Óleo Diesel para Embarcações Pesqueiras Subsídio elaborado pela Diretoria de Desenvolvimento da Pesca da Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca da Presidência

Leia mais

EDITAL Nº 10/2016/PROPPI CHAMADA BRAFITEC 2016

EDITAL Nº 10/2016/PROPPI CHAMADA BRAFITEC 2016 EDITAL Nº 10/2016/PROPPI CHAMADA BRAFITEC 2016 CHAMADA PÚBLICA INTERNA PARA ALUNOS DOS CURSOS DE ENGENHARIA DO IFSC PROGRAMA CAPES BRAFITEC 2016 BRASIL-FRANÇA RETIFICADO EXECUÇÃO: MARÇO 2016 A JULHO DE

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC DE MANEJO DE PASTAGENS EM BOVINOCULTURA DE LEITE. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC DE MANEJO DE PASTAGENS EM BOVINOCULTURA DE LEITE. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

dias úteis, excluindo-se os sábados, no horário das 09h00min às 11h00min e 14h00min às 16h00min, entre os dias 16-01-2012 a 13-04-2012. 2.2.

dias úteis, excluindo-se os sábados, no horário das 09h00min às 11h00min e 14h00min às 16h00min, entre os dias 16-01-2012 a 13-04-2012. 2.2. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DO MAR - LABOMAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MARINHAS TROPICAIS EDITAL ESPECIAL MEC-SETEC Nº 001/2012 SELEÇÃO PARA MESTRADO E DOUTORADO A Coordenação

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE APRESENTAÇÃO Este documento é uma Proposta de realização da Oficina Pedagógica Educação Ambiental, Meio Ambiente e Sustentabilidade. Para quê? Como e com o quê? para

Leia mais

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus PERSPECTIVA OBJETIVO INDICADOR META RESULTADOS INSTITUCIONAIS 1 Nº de cursos técnicos e superiores, articulados com os arranjos produtivos locais por Campus; 2 Oferta de cursos técnicos e superiores por

Leia mais

Relatório contendo as ações desenvolvidas para o apoio ao fortalecimento das unidades integrantes da cadeia produtiva da carcinicultura.

Relatório contendo as ações desenvolvidas para o apoio ao fortalecimento das unidades integrantes da cadeia produtiva da carcinicultura. Unidade: Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca da Presidência da Republica SEAP/PR Plano de trabalho com as atividades a serem desenvolvidas. Relatório sobre atividades relacionadas à elaboração de

Leia mais

Alunos dos 1 anos participam de concurso de exposições sobre Inovação e Sustentabilidade na Agropecuária

Alunos dos 1 anos participam de concurso de exposições sobre Inovação e Sustentabilidade na Agropecuária Alunos dos 1 anos participam concurso xposiçõs sobr Inovação Sustntabilida na Agropcuária Na última trçafira, 23 junho, as turmas Curso 1 anos Técnico do m Agropcuária participaram do concurso xposiçõs

Leia mais

A ATA DE CRIAÇÃO DO NUCLEO DE PESQUISA APLICADA A PESCA E AQUICULTURA NORTE 5 DO IF-TOCANTINS 24 a 25 de março de 2009

A ATA DE CRIAÇÃO DO NUCLEO DE PESQUISA APLICADA A PESCA E AQUICULTURA NORTE 5 DO IF-TOCANTINS 24 a 25 de março de 2009 A ATA DE CRIAÇÃO DO NUCLEO DE PESQUISA APLICADA A PESCA E AQUICULTURA NORTE 5 DO IF-TOCANTINS 24 a 25 de março de 2009 Às nove horas do dia vinte e quatro de março de dois mil e nove, no auditório do Instituto

Leia mais

Curso de Nutrição MANUAL DO ACADÊMICO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Curso de Nutrição MANUAL DO ACADÊMICO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Curso de Nutrição MANUAL DO ACADÊMICO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Caxias do Sul 2014 Escola de Educação e Saúde Curso de Nutrição Esp. Nelson Felipe de Vargas Diretor da Da. Delzimar da Costa Lima Coordenadora

Leia mais

Estágio, Pesquisa e Extensão. na Rede Municipal de Ensino. 21 e 22 de agosto de 2012

Estágio, Pesquisa e Extensão. na Rede Municipal de Ensino. 21 e 22 de agosto de 2012 I Seminário Práticas Estágio, Pesquisa e Extensão na Re Municipal Ensino 21 e 22 agosto 2012 Intida da GEPE A Secretaria Municipal Educação Florianópolis tem tem por por missão missão Promover educação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS Regulamento Específico do Curso de Especialização em Auditoria e Controle Gerencial

Leia mais

equipe; V elucidar as dúvidas relativas às normas de trabalho e ao desenvolvimento das atividades programada;

equipe; V elucidar as dúvidas relativas às normas de trabalho e ao desenvolvimento das atividades programada; LEI COMPLEMENTAR Nº 207 DE 1º DE FEVEREIRO DE 2013. Altera a Lei Complementar nº 71, de 18 de dezembro de 2003, que institui a Lei Orgânica da - Geral do Estado de Roraima, nos dispositivos que menciona

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES PESQUISA. Definição do Programa de Pesquisa oferecido pelo IFSC: Principais dúvidas referentes PIPCIT-IFSC:

PERGUNTAS FREQUENTES PESQUISA. Definição do Programa de Pesquisa oferecido pelo IFSC: Principais dúvidas referentes PIPCIT-IFSC: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PERGUNTAS

Leia mais

Programa Município Verde Azul 2011

Programa Município Verde Azul 2011 Programa Município Verde Azul 2011 OBJETIVOS DO PMVA PARA O CICLO 2011 FORTALECER o planejamento ambiental no cotidiano do Município INCENTIVAR a participação da Sociedade Civil na agenda ambiental local

Leia mais

Comissão de Ensino Médio, Modalidades e Normas Gerais Indicação nº 010/2015

Comissão de Ensino Médio, Modalidades e Normas Gerais Indicação nº 010/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Comissão de Ensino Médio, Modalidades e Normas Gerais Indicação nº 010/2015 Define critérios para oferta

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE PRODUÇÃO DA UERJ PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DISCENTE EDITAL 2015/01 - APOIO A EVENTOS DISCENTES

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE PRODUÇÃO DA UERJ PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DISCENTE EDITAL 2015/01 - APOIO A EVENTOS DISCENTES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE PRODUÇÃO DA UERJ PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DISCENTE EDITAL 2015/01 - APOIO A EVENTOS DISCENTES O Reitor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO Consórcio muda d ndrço Corrio Lagano - 20/01/2016 5 - Colunista - Olivt Salmória Mídia Imprssa Co m d n 1 Içara prd vantagm comptitiva 9/01) Diário d Notícias/Criciúma - 20/01/2016 7 - Gral Mídia Imprssa

Leia mais

EDITAL N.º 04/2015 De 05 de Maio de 2015.

EDITAL N.º 04/2015 De 05 de Maio de 2015. EDITAL N.º 04/2015 De 05 de Maio de 2015. O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, no uso de suas atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Federal n.º 8.069, nos arts. 88, IV,

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015.

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO Ji-Paraná RO, 15. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES

Leia mais

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA APRESENTAÇÃO 1. CARGA HORÁRIA DE ESTÁGIO 2. A COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS 2.1. SUPERVISÃO GERAL DE ESTÁGIOS 2.2. COORDENADORES DE CURSO 2.3. PROFESSORES

Leia mais

Programação dos Trabalhos e Estratégia de Mobilização Social. Programação dos Trabalhos e Estratégia de Mobilização Social

Programação dos Trabalhos e Estratégia de Mobilização Social. Programação dos Trabalhos e Estratégia de Mobilização Social Programação dos Trabalhos e Retomada dos Trabalhos Elaboração do Plano Estadual de Recursos Hídricos do Rio Grande do Sul - Conclusão da ETAPA B e Elaboração das ETAPAS C e D PERH-RS Histórico e Contexto

Leia mais

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades de propriedade intelectual

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 11.620 DE 14 DE MAIO DE 2001. (publicada no DOE nº 91, de 15 de maio de 2001) Institui o Programa de Garantia

Leia mais

SELEÇÃO DE ALUNOS PARA INTERCÂMBIO INTERNACIONAL DE GRADUAÇÃO REITORIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA EDITAL 01/2015

SELEÇÃO DE ALUNOS PARA INTERCÂMBIO INTERNACIONAL DE GRADUAÇÃO REITORIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA EDITAL 01/2015 SELEÇÃO DE ALUNOS PARA INTERCÂMBIO INTERNACIONAL DE GRADUAÇÃO REITORIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA EDITAL 01/2015 O Reitor do Centro Universitário UNA, Prof. Átila Simões da Cunha, no uso de suas atribuições,

Leia mais

ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO

ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO 9 de abril de 2014 Dinâmica dos usos e atividades da Economia do Mar Pesca e Aquicultura, 2005 a 2012 A atividade aquícola é uma prioridade

Leia mais

e n e e A SIPAT Integrada 2012 Teófilo Otoni 07 a 11-05-2012

e n e e A SIPAT Integrada 2012 Teófilo Otoni 07 a 11-05-2012 In a n a m t a rn d Prv n çã o d A SIPAT Intgrada 2012 Tófilo Otoni 07 a 11-05-2012 ci d nt S Fnord Cmig Tófilo Otoni Projcl Engnharia Ltda. Rdl Eltrificaçõs Fundação Educacional Nordst Miniro s Gast tmpo

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 030/2013.

PROJETO DE LEI N.º 030/2013. PROJETO DE LEI N.º 030/2013. Institui o Programa Menor Aprendiz no âmbito do Município de Bela Vista de Minas e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Bela Vista de Minas, Estado de Minas Gerais,

Leia mais

NORMAS REGULADORAS DO PROCESSO SELETIVO Edital Nº 17/2014-SEDIS

NORMAS REGULADORAS DO PROCESSO SELETIVO Edital Nº 17/2014-SEDIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTOS DOS CONSELHOS ESCOLARES PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

DECISÃO Nº 085/2015 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, como segue:

DECISÃO Nº 085/2015 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, como segue: CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 085/2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 27/02/2015, tendo em vista o constante no processo nº 23078.034121/2014-61, de acordo com o Parecer nº 006/2015

Leia mais

EDITAL Nº 17, DE 15 DE OUTUBRO DE 2014

EDITAL Nº 17, DE 15 DE OUTUBRO DE 2014 EDITAL Nº 17, DE 15 DE OUTUBRO DE 2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFISSIONAIS QUE ATUARÃO NO PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO - PRONATEC/MEC DA ESCOLA AGRÍCOLA

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO A SEGUINTE LEI: TÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO A SEGUINTE LEI: TÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS LEI N o 1.633 DE 14 DE JANEIRO DE 2013. DEFINE A NOVA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO MUNICÍPIO DE CAIAPÔNIA E DETERMINA OUTRAS PROVIDÊNCIAS A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO

Leia mais

Circular CAIXA nº 684, de 07 de agosto de 2015

Circular CAIXA nº 684, de 07 de agosto de 2015 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Vice-Presidência de Fundos de Governo e Loterias Diretoria Executiva de Fundos de Governo Superintendência Nacional de Fundo de Garantia Gerência Nacional do Ativo do FGTS Circular

Leia mais

EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP

EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP Seleção de propostas de extensão universitária de Unidades Auxiliares no âmbito da PROEX/UNESP para

Leia mais

CRA/SP CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO CNPJ: 43.060.078/0001-04

CRA/SP CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO CNPJ: 43.060.078/0001-04 CONSLHO RGIONAL D ADMINISTRAÇÃO D SÃO PAULO CNPJ: 43.00.078/0001-04 Relação de Pagamentos Período: 01/05/201 a 15/05/201 N. mp. N. Baixa Processo Data Pgto Favorecido Valor Valor Liq. Documento Número

Leia mais

MANUAL: Transportes escolares

MANUAL: Transportes escolares MUNICÍPIO DE OEIRAS DECPC Divisão de Educação MANUAL: Transportes escolares Conforme o Plano de Atribuição de Auxílios Económicos no Âmbito da Ação Social Escolar, aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

Apresentação Institucional e Estratégia. Março de 2015

Apresentação Institucional e Estratégia. Março de 2015 Aprsntação Institucional Estratégia Março 2015 História História A Dot.Lib é uma mprsa brasilira dicada à dissminação da informação cintífica através do acsso onlin a livros digitais, priódicos ltrônicos

Leia mais

18/5/2008 DEDICATÓRIA. Carmen Helena Moscoso Lobato CEFET-MA carmenlobato@superig.com.br A QUEM VIVE DA E NA PESCA,

18/5/2008 DEDICATÓRIA. Carmen Helena Moscoso Lobato CEFET-MA carmenlobato@superig.com.br A QUEM VIVE DA E NA PESCA, DEDICATÓRIA A QUEM VIVE DA E NA PESCA, QUE ME LEVA A SONHAR QUE, TALVEZ, UM DIA, COM ESTA MINHA ANDANÇA, EU POSSA DIZER QUE PESQUEI PELO MENOS UM SONHO, PARA ALIMENTAR OS TANTOS SONHOS, SEJA DE UM PESCADOR.

Leia mais

Nota Orientadora Pronatec-Tec e Idiomas/RS nº 01/2014

Nota Orientadora Pronatec-Tec e Idiomas/RS nº 01/2014 Nota Orientadora Pronatec-Tec e Idiomas/RS nº 01/2014 Assunto: - Apresentação do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego PRONATEC - Coordenação / Gestão / Execução - Processo de Ingresso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA EDITAL Nº 01/2012

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA EDITAL Nº 01/2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA EDITAL Nº 01/2012 Edital de Seleção de Bolsistas de Extensão para o Projeto de Extensão "Ações de extensão para a inclusão digital da juventude

Leia mais

NUCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO - NUPE PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIC REGULAMENTO/2015

NUCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO - NUPE PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIC REGULAMENTO/2015 NUCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO - NUPE PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIC REGULAMENTO/2015 Este Regulamento tem por objetivo organizar e regulamentar as propostas, atividades, projetos e/ou programas

Leia mais

F.A.Q. - OUTGOING. 3. Quais instituições estrangeiras possuem acordo com a UFSC?

F.A.Q. - OUTGOING. 3. Quais instituições estrangeiras possuem acordo com a UFSC? SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS AVENIDA DESEMBARGADOR VITOR LIMA, N.º 222 TRINDADE CEP: 88.040-400 - FLORIANÓPOLIS

Leia mais

EDITAL INSTITUCIONAL N 10, DE 30 DE JANEIRO DE 2013.

EDITAL INSTITUCIONAL N 10, DE 30 DE JANEIRO DE 2013. EDITAL INSTITUCIONAL N 10, DE 30 DE JANEIRO DE 2013. SELEÇÃO SIMPLIFICADA DE SERVIDORES ATIVOS E INATIVOS DO IFMA PARA ATUAREM COMO PROFESSORES NOS CURSOS DO PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO

Leia mais

ASSUNTO: PARTICIPAÇÃO DE GESTORES DO IFPR- 4º FORUM NACIONAL DE ESTRATÉGIA & GOVERNANÇA PÚBLICA.

ASSUNTO: PARTICIPAÇÃO DE GESTORES DO IFPR- 4º FORUM NACIONAL DE ESTRATÉGIA & GOVERNANÇA PÚBLICA. Memorando Circular 26/2013 PROGEPE/DIDEP/CCA Aos Senhores: Chefe de Gabinetes, Diretores-Gerais, Pró-Reitores e Chefias de Diretorias Sistêmicas. Com cópia para GT Pessoas ASSUNTO: PARTICIPAÇÃO DE GESTORES

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSA DE ESTUDO SOCIAL 2015

REGULAMENTO DE BOLSA DE ESTUDO SOCIAL 2015 REGULAMENTO DE BOLSA DE ESTUDO SOCIAL 2015 I DO CONCEITO Art. 1º. Entende-se como Bolsa de Estudo Social, a concessão de descontos, em virtude da situação financeira momentânea do aluno, de até 40% (quarenta

Leia mais

ERRATA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO NO 01/2013 PROJOVEM URBANO

ERRATA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO NO 01/2013 PROJOVEM URBANO PREFEITURA MUNICIPAL DE MARABÁ SEMED SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ERRATA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO NO 01/2013 PROJOVEM URBANO 1. DISPOSIÇÕES GERAIS 1.1. O processo seletivo simplificado

Leia mais

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2 ] Univrsidad Fdral da Paraíba Cntro d Ciências Exatas da Naturza Dpartamnto d Matmática Univrsidad Fdral d Campina Grand Cntro d Ciências Tcnologia Unidad Acadêmica d Matmática Programa Associado d Pós-Graduação

Leia mais

LEI Nº 7.543, DE 20 DE JULHO DE 2011

LEI Nº 7.543, DE 20 DE JULHO DE 2011 LEI Nº 7.543, DE 20 DE JULHO DE 2011 Publicada no DOE(Pa) de 21.07.11. Alterada pela Lei 8.096/15. Vide extinção, criação e alterações de denominação de órgãos e entidades do Poder Executivo Estadual na

Leia mais

Oficina de Roteiro - Onda Cidadã

Oficina de Roteiro - Onda Cidadã Oficina de Roteiro - Onda Cidadã ---Pesquisa Todo vídeo necessita de pesquisa para ser produzido. Isto ajuda a organizar as ideias e facilita a produção. Faça a sua própria pesquisa (...) você deve fazer

Leia mais

Projeto Gestão Pesqueira

Projeto Gestão Pesqueira Projeto Gestão Pesqueira Quando todos querem a mesma coisa... Litoral Sul - SP...Ela vira realidade! ATIVIDADE PESQUEIRA NO COMPLEXO ESTUARINO-LAGUNAR DE CANANÉIA, IGUAPE E ILHA COMPRIDA ORDENAMENTO, PLANO

Leia mais

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Ao anunciar o título de "Sítio Ramsar" ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos, o ministro do Meio Ambiente

Leia mais

DIREÇÃO ACADÊMICA PROGRAMA DE PROJETOS DE EXTENSÃO - EDITAL 2015-2016

DIREÇÃO ACADÊMICA PROGRAMA DE PROJETOS DE EXTENSÃO - EDITAL 2015-2016 1 DIREÇÃO ACADÊMICA PROGRAMA DE PROJETOS DE EXTENSÃO - EDITAL 2015-2016 1 INTRODUÇÃO O Programa de Projetos de Extensão tem o objetivo de contribuir para a formação acadêmica, profissional e cidadã, fruto

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ CENTRO DE APOIO OPERACIONAL ÀS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E DA EDUCAÇÃO (Área da Educação) PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE PROTEÇÃO À EDUCAÇÃO NO

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA /FCSES EDITAL Nº002/2013 EDITAL DE SELEÇÃO DO PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA PARA O 1º SEMESTRE DE 2013 A Secretária Geral da Faculdade Católica

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

EDITAL PRPGI Nº 057, de 11 de Junho de 2015

EDITAL PRPGI Nº 057, de 11 de Junho de 2015 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA NÚCLEO DE FOMENTO E APOIO FINANCEIRO EDITAL PRPGI Nº 057, de 11

Leia mais

Art. 1º - Criar o Estatuto dos Núcleos de Pesquisa Aplicada a Pesca e Aqüicultura.

Art. 1º - Criar o Estatuto dos Núcleos de Pesquisa Aplicada a Pesca e Aqüicultura. PORTARIA Nº DE DE NOVEMBRO DE 2010 O SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, nomeado pela Portaria nº 824, de 29 de agosto de 2005, publicada no Diário Oficial da União

Leia mais

O título do projeto deve refletir a natureza do problema enfocado e ter um impacto significativo em seu leitor. Não deve ser muito extenso.

O título do projeto deve refletir a natureza do problema enfocado e ter um impacto significativo em seu leitor. Não deve ser muito extenso. P R O G R A M A D E R E S P O N S A B I L I D A D E S O C I A L C E N T R O U N I V E R S I T Á R I O E S T Á C I O D O C E A R Á E S T Á C I O - F I C CURSO: COORDENADOR: DADOS DO PROFESSOR RESPONSÁVEL

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins - IFTO

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins - IFTO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins - IFTO Núcleo de Pesquisa Aplicada a Pesca e Aquicultura do Tocantins Núcleo Norte 5 Origem da criação do Núcleo de Pesquisa Termo de Cooperação

Leia mais

PROJETO CHICO MENDES: Ciclos da vida: ambiente, saúde e cidadania

PROJETO CHICO MENDES: Ciclos da vida: ambiente, saúde e cidadania 2010 PROJETO CHICO MENDES: Ciclos da vida: ambiente, saúde e cidadania Mogi Guaçu/SP PROJETO CHICO MENDES CICLOS DA VIDA: AMBIENTE, SAÚDE E CIDADANIA Equipe FMPFM Prof. Ms. Glauco Rogério Ferreira Desenvolvimento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.180, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005. Institui o Projeto Escola de Fábrica, autoriza a concessão de bolsas de permanência a estudantes

Leia mais

carcinicultura brasileira

carcinicultura brasileira Dimensão da cadeia produtiva da carcinicultura brasileira ITAMAR DE PAIVA ROCHA O leitor interessado em conhecer a dimensão da cadeia produtiva da carcinicultura brasileira, seus números e suas principais

Leia mais

Atividades desenvolvidas pela secretaria da Agricultura Fomento Agropecuário e Meio Ambiente durante o ano de 2009.

Atividades desenvolvidas pela secretaria da Agricultura Fomento Agropecuário e Meio Ambiente durante o ano de 2009. Ativis snvolvis pla scrtaria Agricultura Fomnto Agropcuário Mio Ambint durant o ano 2009. Locação um imóvl: Com a locação do novo spaço para funcionamnto Scrtaria Agricultura, EPAGRI microbacia, o spaço

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 281, de 20 de janeiro de 2005. (DOE de 20.1.2005)

LEI COMPLEMENTAR Nº 281, de 20 de janeiro de 2005. (DOE de 20.1.2005) LEI COMPLEMENTAR Nº 281, de 20 de janeiro de 2005. (DOE de 20.1.2005) Regulamenta o art. 170, os arts. 46 a 49 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, da Constituição Estadual e estabelece

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DE SÃO FRANCISCO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Norma N.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DE SÃO FRANCISCO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Norma N. UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DE SÃO FRANCISCO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Norma N.º 01/2012 O Colegiado de Ciências Farmacêuticas (CFARM) da Universidade

Leia mais

Gestão de Comunicação Assessoria de Promoção e Inteligência Competitiva. Cerimônia marca abertura dos Jogos Escolares em São José Jornal Mídia Live

Gestão de Comunicação Assessoria de Promoção e Inteligência Competitiva. Cerimônia marca abertura dos Jogos Escolares em São José Jornal Mídia Live Gestão de Comunicação Assessoria de Promoção e Inteligência Competitiva Monitoramento das Notícias da UNISUL Dia 31 de Julho de 2014 JORNAIS Palhoça precisa ser feliz Notícias do dia Ensino superior com

Leia mais

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO ID:862 PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA AMPLIANDO AS AÇÕES DE PREVENÇÃO EM DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS JUNTO À POPULAÇÃO ESCOLAR: UM ESPAÇO PARA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E PROMOÇÃO DA SAÚDE Carvalho Goretti

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE POLÍTICA INDIGENISTA DELIBERAÇÕES, ENCAMINHAMENTOS E PENDÊNCIAS

COMISSÃO NACIONAL DE POLÍTICA INDIGENISTA DELIBERAÇÕES, ENCAMINHAMENTOS E PENDÊNCIAS COMISSÃO NACIONAL DE POLÍTICA INDIGENISTA DELIBERAÇÕES, ENCAMINHAMENTOS E PENDÊNCIAS Siglas utilizadas CNPI SC SE-CNPI Comissão Nacional de Política Indigenista Subcomissão Secretaria Executiva da CNPI

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014.

LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014. LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014. DISPÕE SOBRE O SERVIÇO VOLUNTÁRIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE IRAMAIA, ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO. PARÁGRAFO PRIMEIRO: A partir do ano de 2007 permanecerão na Escola apenas crianças até 5 anos e 9 meses.

TERMO DE CONVÊNIO. PARÁGRAFO PRIMEIRO: A partir do ano de 2007 permanecerão na Escola apenas crianças até 5 anos e 9 meses. TERMO DE CONVÊNIO CONVÊNIO para prestação, de mútua colaboração que fazem entre si, de um lado o MUNICÍPIO DE TAQUARI (RS), Pessoa Jurídica de Direito Público, inscrito no CNPJ sob o n 88.067.780/0001-38,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente instrumento regulamenta

Leia mais