A NATUREZA MODIFICADA DO AGIR HUMANO E A RESPONSABILIDADE PELO FUTURO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A NATUREZA MODIFICADA DO AGIR HUMANO E A RESPONSABILIDADE PELO FUTURO"

Transcrição

1 A NATUREZA MODIFICADA DO AGIR HUMANO E A RESPONSABILIDADE PELO FUTURO Anderson Graboski de Almeida Faculdade de Filosofia Centro de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas Renato Kirchner Ética e epistemologia Centro de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas Resumo: O presente trabalho visa indagar as questões relacionadas à ética pelo futuro que diz respeito ao filósofo Hans Jonas, tal como nos mostra a preocupação que se desenvolve atualmente com relação ao poderio do agir humano. Esse agir é compreendido como a modificação que intervêm a natureza exterior (o cosmos) para os avanços na tecnologia. Sendo essas modificações nocivas para a humanidade, Jonas propõe uma nova ética para o mundo tecnológico co moderno, cuja pretensão é reformular as questões éticas tradicionais propostas até então, para assim, iniciar uma indagação de respeito pelo futuro. Vendo isso, podemos perceber que o homem se define pela responsabilidade que assume em prol das gerações futuras. Palavras-chave: Hans Jonas. Responsabilidade, Tecnologia, Área do Conhecimento: Grande Área do Conhecimento: Ciências Humanas Sub-Área do Conhecimento: Filosofia 1. INTRODUÇÃO O presente trabalho visa indagar as questões relacionadas ao primeiro capítulo de umas das principais obras relacionadas à ética do filósofo Hans Jonas, tal obra O princípio responsabilidade: ensaio de uma ética para a civilização tecnológica nos mostra a preocupação que se desenvolve atualmente com relação ao poderio do agir humano. Esse agir é compreendido como a modificação sofrida ao longo da história do progresso científico e que intervêm a natureza exterior (o cosmos) para os avanços na tecnologia. Sendo essas modificações nocivas para a humanidade, Jonas propõe uma nova ética para o mundo tecnológico moderno, cuja pretensão é reformular as questões éticas tradicionais propostas até então. A capacidade humana de intervir e modificar a natureza, dado as proporções dos avanços na tecnologia, deve ser objeto de estudo e reflexão ética enquanto diz respeito às condições naturais. Também é objeto de reflexão crítica toda ação correspondente a fatos que vão contra a dignidade humana, esta por sua vez, está relacionado aos avanços da chamada Biomedicina e seus experimentos. Questões como o prolongamento da vida humana, controle do comportamento e as manipulações genéticas formam o corpo de uma reflexão que transforma o homem em um objeto da técnica. A isso corresponde um estudo que pode ser observado nos dias atuais, tendo em vista o que aconteceu na história, como por exemplo, os experimentos feitos com humanos na segunda guerra mundial, a bomba atômica, dentre outros. Com os avanços da técnica moderna ao longo da história, surge a necessidade de alterações das éticas tradicionais ais (éticas antropocêntricas) tendo a preocupação ética que voltar seu olhar para um horizonte de caráter extra-humano 1, e assim usar como intuito uma vida digna para o futuro. Deste 1 Hans Jonas entende por natureza extra-humana o cosmo em que vivemos, isto é, a natureza em si, que é modificada pela exploração humana e extração de recursos. Não entendamos extra-humano como um extramundano ou algo não físico.

2 modo, a questão ética deverá conter os exageros da tecnociência que podem, por ventura, prejudicar a natureza e o verdadeiro sentido de Ser das coisas, tendo em vista a permanência da existência no futuro. Esse produto e separação entre avanço científico e ético faz com que Jonas proponha uma dimensão de responsabilidade que as éticas tradicionais não podem conter. Sendo assim, quando o resultado científico-tecnológico, tecnológico, que antes era tratado como um meio para fazer algo, passa a se tornar um fim em si, merece uma atenção especial da ética e que Jonas trabalha. 2. A NATUREZA MODIFICADA DO AGIR HUMANO E A RESPONSABILIDADE PELO FUTURO A contemporaneidade é marcada por uma questão global que envolve todos os seres viventes no planeta Terra. A questão da responsabilidade, que demarca o caráter de um ser humano e envolve uma das principais reflexões éticas, é trabalhada com relação aos conteúdos de respeito à dignidade humana e o respeito aos fatores extra-humanos. Hans Jonas produz uma reflexão crítica com relação à técnica moderna, que vem cada vez mais sendo reforçada com a ação do homem sobre a natureza, pois podemos ver que o progresso civilizatório humano e a intervenção na natureza caminham juntas desde sempre. No passado a característica do agir humano sobre a natureza não implicava uma consideração sobre a responsabilidade de dano futuro. Na concepção jonasiana existiam dois aspectos com relação ao agir humano, um é o ponto de vista do objeto, que segundo Jonas afetava superficialmente a natureza das coisas, que se preservava como tal, de modo que não se colocava em absoluto a questão de um dano duradouro à integridade do objeto e à ordem natural em seu conjunto (JONAS, 2006, p. 35). Já do ponto de visto do sujeito, a techne,, como atividade compreendia-se a si mesma como um tributo determinado pela necessidade e não como um progresso que se autojustifica como fim recíproco da humanidade, em cuja perseguição engajam-se o máximo esforço e a participação humanos (JONAS, 2006, p. 35). Jonas procura reflexões que não são respondidas pelas éticas tradicionais, pois, as quais compõe um conteúdo somente voltado para a relação do homem com o homem. Na antiguidade, a ética tinha a ver com o aqui e agora, como as ocasiões se apresentavam aos homens, com as situações recorrentes e típicas da vida privada e pública (JONAS, 2006, p. 35). O agir bem no modelo da ética tradicional se voltava para o estar bem em sociedade, desenvolvendo a virtude e a sabedoria. Com relação à natureza extra-humana a ética tradicional era intacta, pois a natureza era considerada eticamente neutra para os antigos. De relevância ética era somente analisada toda questão envolvendo os homens entre si, em seu determinado contexto social. O agir bem ou mal na antiguidade não tinha a ver com um planejamento a longo prazo, ou seja, a ação era imediata, tinha a ver com o outro próximo a mim e só isso. A ação correta tinha seu valor no exato momento ou a curto prazo. O longo curso dos efeitos da ação ficava ao critério do acaso, da providência ou do destino. Jonas aponta como as máximas e prescrições da ética tradicional, a despeito das diferenças de conteúdo, têm como características ser fechadas no círculo imediato do agir: Ama teu próximo como a ti mesmo ; Nunca trate teu semelhante como simples meio, mas como fins em si ; submeta teu bem pessoal ao bem comum. Estes são alguns exemplos apontados que possuem essa característica fechada do agir humano. Claro que a forma tradicional da ética do próximo, os valores da justiça, honradez, etc., ainda são válidas em uma esfera quotidiana, porém, essas ações não remetem a uma preocupação com o futuro. Desse modo, o novo papel do saber na moral deve considerar que nenhuma ética anterior era obrigada a levar em conta as condições de vida futura em sua essência de Ser e existir. Somos instigados então a refletir o problema kantiano, em que no seu imperativo categórico ele

3 nos diz: Aja de tal modo que tua máxima possas se tornar lei geral. Analisando um pouco a ética kantiana, devemos levar em conta que ele se insere no contexto do Iluminismo, aonde a razão é elevada. Ou seja, para Kant a ação moral pode se dar a priori e somente assim é que o sujeito se torna autônomo na ação. Isto quer dizer que não podemos levar em conta o que está fora da razão, ou seja, no mundo empírico, para que nossa ação possa ser moralmente boa e autônoma, se levarmos em conta o que é extra-humano seremos, na visão de Kant, heterônomos e não agiremos moralmente bem. Aí que entra a crítica de Jonas, pois na ética da responsabilidade devemos principalmente levar em conta os fatores da natureza, e mais, as gerações futuras, pois, sem um ambiente favorável para a vida humana na Terra, tal vida se extinguirá. Com isso, o fundamento da crítica jonasiana sobre ética do dever kantiano se dá ao modo que para falar da lei moral em Kant deve-se ter claro de que se trata de pura formalidade, nada material. Ou seja, o agir bem segundo Kant deve partir de princípios somente a priori, sendo a concepção de Hans Jonas totalmente contrária, já que ele preza as coisas extra-humanas: Neste princípio [kantiano] encontra-se um elevadíssimo conceito do ser humano ; todavia, os seres extra-humanos não participam de tal privilégio, permanecem na condição de meio (FONSÊCA, 2007, p. 44). Sendo assim, o novo papel do saber na moral deve considerar que nenhuma ética anterior era obrigada a levar em conta as condições de vida futura. Com o advento da modernidade e foi demarcado algo totalmente novo relacionado à técnica. O descobrimento científico foi cada vez mais se destacando até que nos dias de hoje atinge proporções antes totalmente inimagináveis. O avanço da ciência moderna deu-se início por volta do século XVII, o progresso tecnológico inicia um processo de dominação da natureza e conhecimento de suas leis, isto é, aumenta o poder humano de conhecê-la e dominá-la. A ciência moderna não passa a ser mais contemplativa como era na antiguidade grega, mas sim, a moderna ciência utiliza da natureza como objeto prático para a engenhosidade tecnológica humana. O avanço da ciência foi ficando muito grande. Descobertas nas áreas de química, física e matemática foram propiciando a criação das máquinas, e, no século XIX, acarretando a revolução industrial. Foi a Substituição do trabalho muscular pela máquina, que tomava cada vez mais espaço, construindo paulatinamente seu reinado. Juntamente com o crescimento industrial, surgem os problemas com o impacto ambiental, ou seja, poluição, exploração das fontes energéticas, dentre outras questões, alimentam o ponto da responsabilidade no quesito ambiental. Não somente as pesquisas científicas contribuíram para o avanço tecnológico na questão do maquinário, mas ao caminharmos para o século XX, notamos as grandes maravilhas que a ciência proporcionou com suas descobertas, juntamente com as invenções tecnológicas, que cada vez mais, anunciam um grande processo inventivo de progresso. Todas as maravilhas tecnológicas que começaram a ganhar espaço a partir do século XX acarretaram em uma preocupação constante com relação às técnicas, pois o que era para ser uma maravilha para a humanidade pode se tornar um mal, por causa das agressões ambientais e até mesmo agressões ao humano. Ocasionando assim, incertezas e temores na humanidade por causa das consequências tecnológicas, ocorrendo uma das teses centrais da obra de Jonas chamada de heurística do medo. A heurística do medo consiste em uma precaução do pior, pois a moderna técnica, em alguns casos, se reverteu em dano para o ser humano. O que era para ser uma melhoria ou conforto se reverte em ameaça. Por isso, uma certa precaução é necessária, sendo a responsabilidade vinculada a tal precaução, pois devemos nos ter uma preocupação com a existência futura em nosso planeta, e ter uma vontade de evitar o pior: A tese linear [...] é que a promessa da técnica moderna se

4 inverteu em ameaça, ou então que esta se voltou indissoluvelmente àquela. O medo fornece a representação do mal do qual a teoria ética não poderia escapar. Segundo essa tese, é do medo que deriva a atitude ética fundamental, o respeito repensado a partir da vontade de evitar o pior (ZUBEM, 2006, p. 228). Segundo a tese de Jonas, é sobre o medo que o ser humano poderá agir e refletir conforme uma precaução quanto a existência futura da humanidade. O sacrifício do futuro em prol do presente não é logicamente mais refutável do que o sacrifício do presente a favor do futuro. A diferença está apenas em que, em um caso, a série segue adiante e, no outro, não (JONAS, 2006, p. 47). A técnica moderna não passa mais a se tornar um meio para o ser humano, mas um fim em si, o que torna um problema perigoso e delicado. O risco da substituição do humano, a danificação da essência humana, a supremacia do homo faber sobre o homo sapiens e até o risco de uma não vida digna sobre a Terra são fatores relacionados à tecnociência contemporânea que vem cada vez mais substituindo as formas de pensar. Levando o homem a querer se voltar somente para um progresso não humano, mas sim tecnológico. Hoje, na forma da moderna técnica, a techne transformou-se se em um infinito impulso da espécie para adiante, seu empreendimento mais significativo. Somos tentados a crer que a vocação dos homens se encontra no contínuo progresso desse empreendimento, superando se sempre a si mesmo, rumo a feitos cada vez maiores. A conquista de um domínio total sobre o próprio homem surgiria como a realização do seu destino (JONAS, 2006, p. 43). É inegável que os avanços da tecnologia são de grande importância para a sociedade, mas o problema é a agressão que tais avanços podem causar aos seres humanos e ao meio em que vivem. Por isso a preocupação fundamental com relação à crítica jonasiana diz respeito a uma vida futura autêntica na Terra: Aja de modo a que os efeitos da tua ação sejam compatíveis com a permanência de uma autêntica vida humana sobre a Terra. A visão de Jonas sobre a moral kantiana consiste em uma alteração que significa não somente encontrar um fim em si no humano, mas também no extra-humano e nunca nos objetos tecnológicos. Tornando o princípio responsabilidade seu imperativo ético, Jonas se preocupa tanto no perigo da morte física da humanidade quanto na morte essencial da mesma, indagando sobre as vantagens de se manipular tecnologicamente o ser humano e a natureza. O exemplo típico foi a segunda grande guerra, com os episódios da bomba atômica e os experimentos médicos com humanos, que resultaram em pressupostos para desenvolver uma responsabilidade pelo futuro e uma ética responsável do agir humano. Aperfeiçoamentos na área da física com as pesquisas e descobertas do átomo, que proporcionaram a energia nuclear e a bomba atômica, causaram em Jonas uma necessidade de teorizar uma questão de responsabilidade com o humano, tomando em consideração o que foi visto no episódio de Hiroshima e Nagasaki. Nas áreas biológicas com o aparecimento da chamada biomedicina moderna, apresentando ao mundo as possibilidades da manipulação genética, controle de comportamento e a ambição de busca da eternidade da vida do homem, submetendo assim o ser humano a um objeto da técnica. Podemos perceber que Hans Jonas aponta esse perigo em que vivemos na contemporaneidade tecnológica de transformação do ser humano e se preocupa com uma metafísica enquanto ontologia, dizendo que é preferível o ser do que o não-ser. De certa forma Jonas retoma uma velha questão de Leibniz: Por que há alguma coisa e não apenas o nada? Afirmando-se assim o ser e negando o nãoser. A questão metafísica de Hans Jonas remete a um cuidado com relação à integridade do ser, tendo a preocupação ética que se voltar para um futuro digno, pois isso tudo nos permite a indagação do por que os homens existirem no mundo. Por isso, a preocupação dada pela teoria de Jonas aborda

5 uma responsabilidade pelas gerações presentes e futuras, com relação a uma nova ética do agir humano. Devem ser levados em conta as pessoas que podem ser afetadas por nossas ações e que não podem responder nem optar pelas mesmas. Sendo assim, vemos que nossas decisões cotidianas e nosso agir no mundo correspondem a consequências remotas, futuras e globais. Portanto, cabe a essa nova ética direcionar o agir humano para evitar possíveis consequências causadas pela técnica, ca, sendo que o princípio fundamental para esse agir corresponde principalmente à responsabilidade. Hans Jonas coloca a responsabilidade como o cume para a ética contemporânea e ressalta que a questão do poder humano sobre a natureza requer que tenhamos como primeiro plano uma responsabilidade de natureza cosmocêntrica. No âmbito das tecnologias em que o homem domina cada vez mais e que estão por dominar o mundo, as ações do ser humano terão que ser a cada dia analisadas criticamente, de modo que necessitamos de uma ética para um bem estar da natureza, como também o bem estar do ser. Não podemos prejudicar o humano somente para obter grande ênfase na tecnologia, o mesmo se diz sobre a natureza, temos que analisar eticamente o que é bom ou ruim para a humanidade, ade, sem deixar de pensar a longo prazo. Desse modo, podemos concluir que o homem define-se pela responsabilidade que assume em prol das gerações futuras. 3. AGRADECIMENTOS Manifesto aqui minha enorme gratidão ao Prof. Dr. Renato Kirchner pelo trabalho de orientação, cuja generosidade de e compreensão foram fundamentais para a conclusão clusão desta experiência de Iniciação Científica em Filosofia e a quem serei sempre agradecido. Agradeço também aos meus colegas do grupo de pesquisa: Anauene, Diogo, Marly e Paulo César pelas reuniões e discussões e por sempre proporcionarem muito conhecimento. Agradeço a FAPIC/Reitoria e a PUC pela oportunidade de participação nesse grupo de pesquisa em filosofia por proporcionar aprendizados e trocas tão enriquecedoras nesse ofício. 4. REFERÊNCIAS [1] FONSÊCA, F. O. Hans Jonas: (bio)ética e crítica à tecnociência. Recife: Ed. Universitária, [2] GIACÓIA JUNIOR, Oswaldo. Hans Jonas: O Princípio Responsabilidade. Ensaio de uma ética para a civilização tecnológica. In: OLIVEIRA, Manfredo A. de (org). Correntes fundamentais da ética contemporânea. Petrópolis: Vozes, [3] GIACÓIA JUNIOR, Oswaldo. Hans Jonas: Por que a técnica moderna é um objeto para a ética, em Natureza Humana,, São Paulo, PUC-SP, vol. 1, n. 2, 1999, p [4] JONAS, Hans. Ética, medicina e técnica. Lisboa: Passagens, 1994 [5] JONAS, Hans. O princípio responsabilidade: ensaio de uma ética para a civilização tecnológica. Rio de Janeiro: Contraponto; PUC-Rio, [6] JONAS, Hans. O princípio vida: fundamentos para uma biologia filosófica. 2. ed. Petrópolis: Vozes, [7] ZUBEN, Newton Aquiles von. Bioética e Tecnociência: A saga de Prometeu e a esperança paradoxal. Bauru: Edusc, 2006.

O IMPERATIVO ÉTICO KANTIANO E O IMPERATIVO DE RESPONSABILIDADE DE HANS JONAS COMO PRINCÍPIO

O IMPERATIVO ÉTICO KANTIANO E O IMPERATIVO DE RESPONSABILIDADE DE HANS JONAS COMO PRINCÍPIO O IMPERATIVO ÉTICO KANTIANO E O IMPERATIVO DE RESPONSABILIDADE DE HANS JONAS COMO PRINCÍPIO Anauene Dias Soares Faculdade Direito CCHSA anauene@yahoo.com.br Prof. Dr. Renato Kirchner Ética e Tecnologia

Leia mais

A Ciência, o Poder e e os os Riscos

A Ciência, o Poder e e os os Riscos A Ciência, o Poder e e os os Riscos Diana Sofia Nº 12 11ºC - 2006/07 Prof. Idália Carrasqueiras Sabemos muita coisa (Vídeo com informação científica) Chegámos muito longe (Vídeo com os momentos da chegada

Leia mais

RESPONSABILIDADE E FUTURO

RESPONSABILIDADE E FUTURO RESPONSABILIDADE E FUTURO Responsibility and Future Agemir de Carvalho Dias. 1 JONAS, Hans. O princípio responsabilidade. Ensaio de uma ética para a civilização tecnológica. Rio de Janeiro: Contraponto:

Leia mais

O Desenvolvimento Sustentável como proposta para a formação de uma Ética da Responsabilidade. Erica Costa Sousa 1

O Desenvolvimento Sustentável como proposta para a formação de uma Ética da Responsabilidade. Erica Costa Sousa 1 O Desenvolvimento Sustentável como proposta para a formação de uma Ética da Responsabilidade. Erica Costa Sousa 1 RESUMO: O presente artigo intitulado O desenvolvimento sustentável como proposta para a

Leia mais

Mudanças Climáticas: Um (Grande) Desafio Para A Ética!

Mudanças Climáticas: Um (Grande) Desafio Para A Ética! Mudanças Climáticas: Um (Grande) Desafio Para A Ética! Mariana Marques * A comunidade científica concorda, por consenso esmagador, que as mudanças climáticas são reais. Os gases do efeito estufa aumentaram

Leia mais

Ecoética e o Princípio da Responsabilidade de Hans Jonas - Aplicação à Saúde Pública -

Ecoética e o Princípio da Responsabilidade de Hans Jonas - Aplicação à Saúde Pública - Ecoética e o Princípio da Responsabilidade de Hans Jonas - Aplicação à Saúde Pública - Ana Catarina Meireles UCP, 25 de Maio de 2007 PRÉ-MODERNIDADE Natureza ------ duradoira e permanente Ética ------

Leia mais

E CIDADANIA, UMA VISÃO SOBRE A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA

E CIDADANIA, UMA VISÃO SOBRE A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA E CIDADANIA, UMA VISÃO SOBRE A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA Quando se aborda a ética é importante mencionarmos sua gênese. Ética provém do grego ethhos (hábitos). Assinala costumes, comportamentos e regras produzidas

Leia mais

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT Celso de Moraes Pinheiro* Resumo: Através de uma análise das principais idéias de Kant sobre o conceito de disciplina, sobretudo os apresentados em seu texto, intitulado

Leia mais

O Inventor. - Devido à extensão desse Projeto, ficarão a cargo de cada professor adequar as sugestões dadas à sua realidade escolar.

O Inventor. - Devido à extensão desse Projeto, ficarão a cargo de cada professor adequar as sugestões dadas à sua realidade escolar. O Inventor 1) Introdução Quem é um inventor? Aquela pessoa que cria ou descobre fórmulas diferentes ou objetos novos para a solução de problemas? Ou pessoas comuns, como eu e você, que conseguem viver

Leia mais

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste HEIDEGGER: A REDUÇÃO FENOMENOLÓGICA E A PERGUNTA PELO SER 269 - Caderno de texto IV Congresso de Fenomenologia da Região Cenro-Oeste. Resumo: Maria Clara CESCATO - UFPB, Campus IV cescato@voila.fr Eixo

Leia mais

Bioética e Direitos Humanos

Bioética e Direitos Humanos FONTE: Revista Brasileira de Bioética, V.1 Nº 3, 2005, 241 247. http://www.sbbioetica.org.br Bioética e Direitos Humanos Pierre Sane Gostaria de discutir como os Direitos Humanos se relacionam ou como

Leia mais

Carta da Responsabilidades Humanas Novos desafios: novas dimensões da responsabilidade

Carta da Responsabilidades Humanas Novos desafios: novas dimensões da responsabilidade Version 13 11 2007 Carta da Responsabilidades Humanas Novos desafios: novas dimensões da responsabilidade A inegável evolução das relações internacionais pode ser atribuída principalmente ao reconhecimento

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

9 DE JANEIRO DE 2010 DEFINIÇÃO DE GÊNERO, GENÉTICA E ESPIRITISMO

9 DE JANEIRO DE 2010 DEFINIÇÃO DE GÊNERO, GENÉTICA E ESPIRITISMO 9 DE JANEIRO DE 2010 DEFINIÇÃO DE GÊNERO, GENÉTICA E ESPIRITISMO Durante toda a vida física, o corpo humano é palco de duríssima batalha interna. Os brigões são os genes do sexo masculino e feminino, que

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil

CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil I TRODUÇÃO Vivemos um tempo muito importante e é nossa responsabilidade preservar a Terra. Todos os povos e todas as culturas do mundo formam uma única e grande família.

Leia mais

Guia de livros didáticos PNLD 2012

Guia de livros didáticos PNLD 2012 Guia de livros didáticos PNLD 2012 Veja nas páginas a seguir um excerto do documento publicado pela FNDE contendo uma resenha da coleção Quanta Física recentemente aprovada como uma das obras didáticas

Leia mais

Poderemos viver juntos? Éticas e filosofias da convivência ambiental Manuel Muñoz

Poderemos viver juntos? Éticas e filosofias da convivência ambiental Manuel Muñoz Poderemos viver juntos? Éticas e filosofias da convivência ambiental Manuel Muñoz 1. Ecoética: do paradigma antropocêntrico ao paradigma biocêntrico. A pergunta que inicia o presente texto também faz parte

Leia mais

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT Fernanda Martins de Oliveira Bueno Prof. Dr. Arlei de Espíndola (Coordenador) RESUMO Nesta comunicação ocupar-me-ei do

Leia mais

Desenvolvimento moral da criança: semelhanças e distinções entre o pensamento de Kant e Piaget. Pôster

Desenvolvimento moral da criança: semelhanças e distinções entre o pensamento de Kant e Piaget. Pôster Desenvolvimento moral da criança: semelhanças e distinções entre o pensamento de Kant e Piaget Camila Costa Soufen Universidade Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: camilasoufen@gmail.com Cleiton José Senem

Leia mais

ÉTICA DA RESPONSABILIDADE EM HANS JONAS

ÉTICA DA RESPONSABILIDADE EM HANS JONAS 1 ÉTICA DA RESPONSABILIDADE EM HANS JONAS Paulo César Nodari* Resumo: Esta pesquisa, norteada pela abordagem metodológica analítica, tem como horizonte de investigação a responsabilidade solidária na época

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Immanuel Kant (1724 1804) A Ética de Kant

Immanuel Kant (1724 1804) A Ética de Kant Immanuel Kant (1724 1804) A Ética de Kant Nota Biográfica Immanuel Kant nasceu em 1724 Na cidade de Konisberg na Prússia. A sua palavra de ordem: tem a coragem de te servires do teu próprio entendimento!

Leia mais

O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO. Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda

O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO. Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda RESUMO: este texto tem por objetivo compreender a importância da

Leia mais

PROVA DE SOCIOLOGIA 1 o BIIMESTRE 2012

PROVA DE SOCIOLOGIA 1 o BIIMESTRE 2012 PROVA DE SOCIOLOGIA 1 o BIIMESTRE 2012 PROF. PAULO NOME N o 1 a SÉRIE A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

FORMAÇÃO DO HOMEM EM PAULO FREIRE DIÁLOGOS COM A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA

FORMAÇÃO DO HOMEM EM PAULO FREIRE DIÁLOGOS COM A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA FORMAÇÃO DO HOMEM EM PAULO FREIRE DIÁLOGOS COM A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Adriano José da Silva, Patrícia Hetti Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Licenciatura em geografia adriano_hist@hotmail.com.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO Primeiro voto: o papel do jovem eleitor em relação ao combate à corrupção ROTEIRO

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Udo Middelmann The Francis A. Schaeffer Foundation

Udo Middelmann The Francis A. Schaeffer Foundation Gênesis no espaço-tempo repassa os primeiros onze capítulos de Gênesis e neles descobre um registro de dimensão histórica. Esses são registros preabrâmicos, mas não prehistóricos. Descrevem os seres humanos

Leia mais

ÉTICA E TÉCNICA NA FORMAÇÃO DO PSICÓLOGO

ÉTICA E TÉCNICA NA FORMAÇÃO DO PSICÓLOGO 1 ÉTICA E TÉCNICA NA FORMAÇÃO DO PSICÓLOGO Publicado em CD, ISSN N 1982-2944 - XI Colóquio Internacional de Psicossociologia e Sociologia clínica. FAFICH UFMG, 2007. Autor: Jorge Franca de Oliveira. Professor

Leia mais

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO Ao longo da história da humanidade, crer na existência de Deus sempre esteve na preocupação do ser pensante, e foi no campo da metafísica

Leia mais

Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20

Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20 Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20 Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com 2. Direito como objeto de conhecimento. Conforme pudemos observar nas aulas iniciais

Leia mais

A RESPONSABILIDADE COMO O SUBSTRATO ÉTICO DA SUSTENTABILIDADE: CONSIDERAÇÕES A PARTIR DA OBRA DE HANS JONAS

A RESPONSABILIDADE COMO O SUBSTRATO ÉTICO DA SUSTENTABILIDADE: CONSIDERAÇÕES A PARTIR DA OBRA DE HANS JONAS A RESPONSABILIDADE COMO O SUBSTRATO ÉTICO DA SUSTENTABILIDADE: CONSIDERAÇÕES A PARTIR DA OBRA DE HANS JONAS Mario Sergio Cunha Alencastro 1 Ademar Heemann 2 RESUMO O objetivo principal deste pequeno ensaio

Leia mais

Aristóteles e o iluminismo na História das Ciências: relação possível?

Aristóteles e o iluminismo na História das Ciências: relação possível? Aristóteles e o iluminismo na História das Ciências: relação possível? Adílio Jorge Marques* * Doutor em História e Epistemologia das Ciências (UFRJ/HCTE). Professor Substituto do Departamento de História

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SILVA, IVANNA SILIANA DO NASCIMENTO 1, ALVES, MARIA GERALDA 2, SILVA, IRBIA SONALY DO NASCIMENTO 3, NASCIMENTO, MARIA ANAZUILA 4, LEANDRO, DARLANIA

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores.

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. 2. Como acontecia a aprendizagem nas escolas no período medieval? Quem era apto

Leia mais

EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL. Giovani Cammarota

EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL. Giovani Cammarota UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PRÁTICA DE ENSINO DE MATEMÁTICA III EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL Giovani Cammarota

Leia mais

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes > Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), inicialmente, tinha como objetivo avaliar o desempenho

Leia mais

O advento das tecnologias da era pósindustrial

O advento das tecnologias da era pósindustrial 3.2 AS CRISES DO CENÁRIO O advento das tecnologias da era pósindustrial As tecnologias que ordenaram a era industrial foram ultrapassadas pelas novas tecnologias surgidas a partir do século XX, especialmente

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE O CURRÍCULO NA FORMAÇÃO EM LICENCIATURA EM MATEMÁTICA NO ESTADO DO MARANHÃO Mauro Guterres Barbosa Universidade Estadual do Maranhão - UEMA

Leia mais

Kant Uma Filosofia de Educação Atual?

Kant Uma Filosofia de Educação Atual? juliana_bel@hotmail.com O presente trabalho retoma as principais ideias sobre a pedagogia do filósofo Immanuel Kant dentro de sua Filosofia da Educação, através dos olhos de Robert B. Louden, professor

Leia mais

A PEDAGOGIA DA FRATERNIDADE ECOLÓGICA: ENSINAR A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO

A PEDAGOGIA DA FRATERNIDADE ECOLÓGICA: ENSINAR A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO 0 A PEDAGOGIA DA FRATERNIDADE ECOLÓGICA: ENSINAR A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO (1)Prof. Dr. Samir Cristino de Souza (IFRN) (2) Prof a. Dr a. Maria da Conceição Xavier de Almeida (UFRN) RESUMO A Pedagogia da

Leia mais

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com.

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com. Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil bbbrothers@bbbrothers.com.br O equilíbrio necessário para se tornar um excelente gerente

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LOGOTERAPIA ANÁLISE EXISTENCIAL

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LOGOTERAPIA ANÁLISE EXISTENCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LOGOTERAPIA ANÁLISE EXISTENCIAL Disciplina: A ética descritiva sob a Perspectiva Interdisciplinar 1 e 2 A ética descritiva, Logoterapia e as esferas

Leia mais

Jorge Dantas Amorim É POSSÍVEL CONHECER A VERDADE?

Jorge Dantas Amorim É POSSÍVEL CONHECER A VERDADE? Jorge Dantas Amorim É POSSÍVEL CONHECER A VERDADE? É importante deixar claro que este texto tratará do problema da verdade a partir de uma abordagem filosófica, mais especificamente esta problemática será

Leia mais

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa 1. Sensibilização e Investigação textual Primeiramente, serão apresentados os excertos dos textos sem

Leia mais

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM.

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. RESUMO Karyn Albrecht SIQUEIRA, 1. Aline MASSAROLI, 2. Ana Paula LICHESKI, 2. Maria Denise Mesadri GIORGI, 3. Introdução: Com os diversos avanços

Leia mais

Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática

Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática John A. Fossa As presentes linhas pretendem ser uma espécie de propedêutica para a discussão do grupo temático sobre

Leia mais

UM JEITO DE AMAR A VIDA

UM JEITO DE AMAR A VIDA UM JEITO DE AMAR A VIDA Maria do Carmo Chaves CONSCIÊNCIA DO MUNDO FICHA TÉCNICA EDIÇÃO: Vírgula (Chancela Sítio do Livro) TÍTULO: Um jeito de amar a vida AUTORA: Maria do Carmo Chaves (escreve de acordo

Leia mais

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Ética e felicidade Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Introdução: Ética e Felicidade são dois temas que possuem grande relação e comparação ao longo da história da filosofia.

Leia mais

ENSINO E PESQUISA: EDUCAÇÃO, TRABALHO E CIDADANIA 1

ENSINO E PESQUISA: EDUCAÇÃO, TRABALHO E CIDADANIA 1 1 ENSINO E PESQUISA: EDUCAÇÃO, TRABALHO E CIDADANIA 1 Cristiano Pinheiro Corra 2 Lorena Carolina Fabri 3 Lucas Garcia 4 Cibélia Aparecida Pereira 5 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo suscitar

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

ENSINO DA QUÍMICA NUCLEAR PARA ALUNOS DO 3º ANO MÉDIO

ENSINO DA QUÍMICA NUCLEAR PARA ALUNOS DO 3º ANO MÉDIO ENSINO DA QUÍMICA NUCLEAR PARA ALUNOS DO 3º ANO MÉDIO Andeson Lisboa de Oliveira AZEVEDO 1, Kleyfton Soares da SILVA 2 1 Departamento de Química, Instituto Federal da Paraíba-IFPB, João Pessoa-PB. E-mail:

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno* * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós- Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: ensino do Cálculo, software Maple. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chave: ensino do Cálculo, software Maple. INTRODUÇÃO O USO DO SOFTWARE MAPLE NO ENSINO DO CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Carmen Teresa Kaiber, Sandra Pacheco Renz Universidade Luterana do Brasil Brasil kaiber@ulbra.br, sp_renz@yahoo.com.br Campo de Investigación:

Leia mais

Categoria Racionalidades Médicas: 20 anos. Marilene Nascimento Madel Luz Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense

Categoria Racionalidades Médicas: 20 anos. Marilene Nascimento Madel Luz Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense Categoria Racionalidades Médicas: 20 anos Marilene Nascimento Madel Luz Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense A herança renascentista: controle da natureza Deslocamento do teocentrismo

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência.

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência. QUESTÃO 01 Em Platão, as questões metafísicas mais importantes e a possibilidade de serem solucionadas estão vinculadas aos grandes problemas da geração, da corrupção e do ser das coisas. Para Platão,

Leia mais

A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais.

A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais. 1 A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais. Introdução Amanda Da Fonseca Cavalcanti &Isabely Fernandes Leão Nunes O ensino superior, incluso numa

Leia mais

O filme 2012, a ética da responsabilidade e a narrativa acerca do fim do mundo: entre desvios e silenciamentos 1

O filme 2012, a ética da responsabilidade e a narrativa acerca do fim do mundo: entre desvios e silenciamentos 1 O filme 2012, a ética da responsabilidade e a narrativa acerca do fim do mundo: entre desvios e silenciamentos 1 Edson Fernando Dalmonte 2 Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA Resumo: Tomando por

Leia mais

SESCOOP / PR TEMA: ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES: DESAFIOS À FRENTE

SESCOOP / PR TEMA: ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES: DESAFIOS À FRENTE SESCOOP / PR TEMA: ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES: DESAFIOS À FRENTE Apresentação: LÉLIO LAURETTI (lauretti@osite.com.br) 1 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO I) INTRODUÇÃO AO TEMA II) SOBRE O TERCEIRO NÍVEL III) CONCEITOS

Leia mais

Sociologia e Espiritismo

Sociologia e Espiritismo Sociologia e Espiritismo Sérgio Biagi Gregório SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Conceito: 2.1. Etimologia; 2.2. Objeto da Sociologia; 2.3. Natureza da Sociologia. 3. Histórico. 4. O Positivismo de Augusto Comte.

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA

A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA Almeida S. S. (1) ; Pereira, M. C. B. (1) savio_eco@hotmail.com (1) Universidade Federal de Pernambuco UFPE, Recife PE, Brasil.

Leia mais

Os outros do futuro e a ética da responsabilidade ambiental.

Os outros do futuro e a ética da responsabilidade ambiental. 220 Os outros do futuro e a ética da responsabilidade ambiental. The other of the future and the ethics of environmental responsibility. Telma Maria Santos Machado 1 RESUMO Somos responsáveis, na lição

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO Elias da Silva Maia Doutorando HCTE esmaia@ig.com.br UMA VISÃO DE CIÊNCIA Podemos considerar e definir ciência como as atividades, as instituições e os métodos ligados

Leia mais

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA 1 DEUS, Josiani Camargo & 1 AMARAL, Anelize Queiroz 1 Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste RESUMO Nos

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS 1 EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima UEG e UFG Juliana Guimarães Faria UFG SABER VI Ensinar a compreensão 5. Educação para uma cidadania planetária

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

METODOLOGIA DA PESQUISA. Característica: Obrigatória. Créditos: 2 (30 h)

METODOLOGIA DA PESQUISA. Característica: Obrigatória. Créditos: 2 (30 h) METODOLOGIA DA PESQUISA Ementa: Pesquisa qualitativa e quantitativa. As técnicas de observação e o trabalho de campo: componentes do trabalho de campo: componentes do trabalho de campo. O método cientifico.

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

Pensar por si mesmo 1. Monica Aiub

Pensar por si mesmo 1. Monica Aiub Pensar por si mesmo 1 Monica Aiub Esclarecimento [Aufklärung] é a saída do homem de sua menoridade, da qual ele próprio é culpado. A menoridade é a incapacidade de fazer uso de seu entendimento sem a direção

Leia mais

AS RELAÇOES ÉTICAS DO HOMEM COM A NATUREZA

AS RELAÇOES ÉTICAS DO HOMEM COM A NATUREZA AS RELAÇOES ÉTICAS DO HOMEM COM A NATUREZA Claudia Battestin Claudete da Cruz Cardoso Elizete m. Tomazetti 1 Resumo Neste artigo, temos por finalidade abrir o diálogo sobre as questões relacionadas à temática

Leia mais

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática Por Prof. Manoel Ricardo Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática A sociedade do século XXI é cada vez mais caracterizada pelo uso intensivo do conhecimento, seja para trabalhar, conviver ou exercer

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS: ANÁLISE PRELIMINAR DE EXPECTATIVAS REVELADAS

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS: ANÁLISE PRELIMINAR DE EXPECTATIVAS REVELADAS FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS: ANÁLISE PRELIMINAR DE EXPECTATIVAS REVELADAS Resumo Diante do conhecimento de condições propiciadas no período de formação inicial de professores, faz-se

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

O Sentido das Coisas

O Sentido das Coisas O Sentido das Coisas Meu objetivo nesse livro, foi o de desenvolver uma estrutura conceitual que integre as dimensões biológica, cognitiva e social da vida; uma estrutura que nos habilite a resolver de

Leia mais

EDUCAÇÃO COMO OPORTUNIDADE AO ÊXITO: outros tempos, outros desafios Mario Sergio Cortella *

EDUCAÇÃO COMO OPORTUNIDADE AO ÊXITO: outros tempos, outros desafios Mario Sergio Cortella * EDUCAÇÃO COMO OPORTUNIDADE AO ÊXITO: outros tempos, outros desafios Mario Sergio Cortella * 1. Antes de mais nada é preciso lembrar: a educação precisa ser contínua, isto é, é necessário que tenha perenidade

Leia mais

A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL

A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL 1 A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL JÉSSICA OLIVEIRA MUNIZ 1 NATÁLIA AYRES DA SILVA 2 Resumo: O presente trabalho trata-se de um estudo teórico-bibliográfico

Leia mais

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin Francisco Alambert 1 Resumen: A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer formulou-se uma chave dialética

Leia mais

Tipos de Conhecimento

Tipos de Conhecimento Conhecer = incorporação de um conceito novo ou original sobre algo (fato ou fenômeno) CONHECIMENTO surge: de experiências acumuladas na vida cotidiana; de relacionamento interpessoais; de outros instrumentos

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE.

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. Juliana de Castro Chaves 1 ; Zuzy dos Reis Pereira 2 1 Professora Doutora da UnUCSEH-UEG

Leia mais

KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS

KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS Gustavo Leal - Toledo 1 RESUMO Pretende-se mostrar, neste trabalho, que a Exposição Metafísica não depende da Exposição Transcendental nem da geometria euclidiana.

Leia mais

DESAFIOS PARA FORMAÇÃO DE UM DOCENTE DE DESENHO INDUSTRIAL Sandra Lúcia de Oliveira Martins

DESAFIOS PARA FORMAÇÃO DE UM DOCENTE DE DESENHO INDUSTRIAL Sandra Lúcia de Oliveira Martins DESAFIOS PARA FORMAÇÃO DE UM DOCENTE DE DESENHO INDUSTRIAL Sandra Lúcia de Oliveira Martins INTRODUÇÃO A permanente a preocupação com a formação docente e a falta de prática em sala de aula, que não conduz

Leia mais

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

FILOSOFIA 12º ANO 3ª UNIDADE: UMA OBRA DA ÉPOCA CONTEMPORÂNEA: A ORIGEM DA TRAGÉDIA, DE NIETZSCHE

FILOSOFIA 12º ANO 3ª UNIDADE: UMA OBRA DA ÉPOCA CONTEMPORÂNEA: A ORIGEM DA TRAGÉDIA, DE NIETZSCHE FILOSOFIA 12º ANO 3ª UNIDADE: UMA OBRA DA ÉPOCA CONTEMPORÂNEA: A ORIGEM DA TRAGÉDIA, DE NIETZSCHE SUBUNIDADE 1: Introdução CONTEÚDOS OBJECTIVOS / COMPETÊNCIAS ESTRATÉGIAS / RECURSOS T.L. AVALIAÇÃO Os objectivos

Leia mais

CONFERÊNCIA FILOSOFIA, TECNOLOGIA E RESPONSABILIDADE

CONFERÊNCIA FILOSOFIA, TECNOLOGIA E RESPONSABILIDADE CONFERÊNCIA FILOSOFIA, TECNOLOGIA E RESPONSABILIDADE Elton Vitoriano Ribeiro 1 1. Introdução As relações e interações entre filosofia, tecnologia e responsabilidade são temas desta minha conferência. Eu

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

A EPISTEMOLOGIA DA PRÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA

A EPISTEMOLOGIA DA PRÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA A EPISTEMOLOGIA DA PRÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA Amarildo Luiz Trevisan Eliana Regina Fritzen Pedroso - UFSM Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais