ESTUDO DA INFLUÊNCIA DE EMULSIFICANTES SOBRE OS PARÂMETROS DE TEXTURA DA MASSA CONGELADA DE PÃO FRANCÊS ATRAVÉS DE UM PROJETO DE MISTURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DA INFLUÊNCIA DE EMULSIFICANTES SOBRE OS PARÂMETROS DE TEXTURA DA MASSA CONGELADA DE PÃO FRANCÊS ATRAVÉS DE UM PROJETO DE MISTURA"

Transcrição

1 ESTUDO DA INFLUÊNCIA DE EMULSIFICANTES SOBRE OS PARÂMETROS DE TEXTURA DA MASSA CONGELADA DE PÃO FRANCÊS ATRAVÉS DE UM PROJETO DE MISTURA MATUDA, T. G.*; ROMEU, C. C.; TAVARES, D. T.; TADINI, C. C. Universidade de São Paulo, Escola Politécnica, Dep. de Eng. Química, Lab. de Eng. de Alimentos, C.P , São Paulo-SP, CEP RESUMO Foi verificada a influência dos emulsificantes CSL, DATEM e PS80 sobre a resistência à extensão e a extensibilidade da massa, ao longo do tempo de armazenamento congelado, através de um projeto de mistura - modelo cúbico especial. Os modelos obtidos para resistência à extensão foram significativos e o R 2 aj variou de 76 a 89%. A otimização realizada para este parâmetro indicou um ponto de máximo localizado no eixo entre o PS80 e o DATEM. Porém em relação à extensibilidade não foram encontrados modelos significativos. ABSTRACT The effects of emulsifiers CSL, DATEM and PS80 on textural parameters of French bread dough, during frozen storage, were verified through mixture design special cubic model. The models obtained to resistance to extension were significantly and the R 2 aj varied from 76 to 89%. Optimization was realized on this parameter and indicated that the maximum point was located between PS80 and DATEM. However for extensibility, no significantly models were found. INTRODUÇÃO O pão francês de massa congelada apresenta-se como uma crescente alternativa em relação ao processo convencional de panificação e tem sido aprimorado devido aos avanços tecnológicos e às formulações, porém ainda apresenta problemas como fermentação prolongada, baixo volume, textura e desempenho variados. O efeito do congelamento pode ser minimizado através do uso de aditivos e ingredientes adequados para a elaboração da massa, como por exemplo o CSL (estearoil-2-lactilato de cálcio), que melhora a retenção de gás em massas e a vida de prateleira do produto, devido à capacidade de se ligar a amilose; o DATEM (ésteres de ácido diacetil tartárico de mono e diglicerídio), que fortalece a massa, atuando na fermentação, manuseio e no crescimento no princípio do assamento, resultando maiores volumes

2 do pão; e o PS80 (polisorbato 80) que atua na interação de proteínas, melhorando a retenção de gás, a textura e o volume [2, 6]. O projeto de mistura permite combinar diferentes componentes e é indicado para estudar a interação de aditivos sobre os parâmetros de textura da massa congelada de pão francês e através dele é possível otimizar a sua utilização. O projeto de mistura tem como característica a soma de todos os componentes ser igual a 100% [3]. O objetivo deste trabalho foi verificar a influência dos emulsificantes CSL, DATEM e PS80 sobre os parâmetros de textura da massa congelada de pão francês durante o período de armazenamento congelado através de um projeto de mistura. MATERIAIS E MÉTODOS Para a fabricação dos pães foram utilizados farinha de trigo, água destilada, gordura vegetal sal e os aditivos: PS80, CSL e DATEM, nas proporções indicadas na Tabela 1: Tabela 1: Projeto de mistura com os componentes CSL, PS80 e DATEM. Mistura CSL PS80 DATEM (*) %(**) (*) %(**) (*) %(**) 1 1 0, , ,5 4 0,5 0,25 0,5 0, ,5 0, ,5 0, ,5 0,25 0,5 0,25 7 (***) 0,333 0,167 0,333 0,167 0,33 0,167 (*) variáveis codificadas do projeto de mistura (**) variáveis originais, quantidades baseadas em 100% de farinha de trigo (***) mistura realizada em triplicata As massas foram produzidas pelo método direto [4], congeladas em freezer plasma ou em câmara climática a -30ºC e armazenadas pelo período de até 22 dias em freezer doméstico a -18ºC, sendo que o congelamento em freezer apresentou velocidade de resfriamento de -0,84ºC/min e o realizado em câmara de -1,36ºC/min.

3 O conteúdo de água foi determinado através do método AACC [1] e a análise de textura através do analisador de textura TA-XT2i com acessório A/KIE, conforme descrito no método DOU1/KIE [5]. As análises de textura foram realizadas em amostras de massa fresca e congeladas ao longo do tempo 1, 7, 14, 18 e 22 dias. A preparação da amostra para esse teste consistiu em descongelar a massa por 60 min a 30ºC e depois comprimi-la por 40 min à mesma temperatura em fôrma de Teflon apropriada para separá-la em tiras. RESULTADOS E DISCUSSÃO Análise de regressão foi aplicada para ajustar os dados ao modelo cúbico especial utilizando o programa Statgraphics Plus 4.0 for Windows. Para o conteúdo de água não foram encontrados modelos significativos no intervalo de confiança de 95%. As análises de regressão, ajustadas para o modelo cúbico especial, da resistência à extensão apresentaram R 2 aj entre 76,08% e 89,78% enquanto que a da extensibilidade, R 2 aj < 63,50%. Considerando os valores obtidos de R 2 aj do modelo para a resistência à extensão da massa foi realizada uma otimização ao longo do tempo de armazenamento congelado, cujos resultados estão apresentados na Tabela 2. A Figura 1 ilustra as linhas de contorno para a resistência à extensão da massa fresca e da congelada por 14 dias. Em ambos os casos, o ponto de máximo da resposta está localizado no eixo entre PS80 e DATEM indicando que o CSL não interfere este parâmetro. Tabela 2: Formulações para os valores máximos de resistência à extensão (R máxima ) para cada dia de armazenamento congelado obtidas pela otimização. Tempo (dia) Variáveis originais* R máxima (N) CSL PS80 DATEM 0 0,00 0,30 0,20 0, ,00 0,42 0,08 0, ,20 0,30 0,00 0, ,00 0,37 0,13 0, ,09 0,00 0,41 0, ,00 0,50 0,00 0,436 *variáveis originais em relação a 100% de farinha de trigo

4 Também foi verificada a influência da velocidade de resfriamento (-0,83 e -1,36ºC/min) na resistência à extensão da massa congelada através da ANOVA com intervalo de 95% nos tempos 1, 7 e 22 dias de armazenamento congelado. A diferença encontrada pode ser devido a uma mudança estrutural na massa pela migração de água. DATEM=0,0 Força (N) Massa Fresca CSL=1,0 PS80=0,0 F (N) 0,28 0,29 0,3 0,31 0,32 0,33 0,34 0,35 0,36 0,37 0,38 0,39 Força (N) 14 dias de congelamento CSL=1,0 DATEM=0,0 PS80=0,0 F (N) 0,28 0,295 0,31 0,325 0,34 0,355 0,37 0,385 0,4 0,415 0,43 PS80=1,0 CSL=0,0 DATEM=1,0 PS80=1,0 CSL=0,0 DATEM=1,0 Figura 1: Curvas de contorno para resistência à extensão (Força em N) do projeto de mistura dos emulsificantes CSL, PS80 e DATEM para massa fresca e com 14 dias de armazenamento congelado. CONCLUSÕES Verificou-se que a resistência à extensão da massa congelada de pão francês foi influenciada principalmente por PS80, DATEM e pelo tempo de armazenamento congelado. A velocidade de resfriamento influenciou a resistência à extensão nos tempos 1, 7 e 22 dias de armazenamento congelado. Agradecimentos À Capes, à Fapesp e ao CNPq pelos auxílios concedidos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] AACC, Approved methods of the American association of cereal chemists, 9ª ed. Saint Paul: American Association of Cereal Chemists, [2] BRANDT, L. Emulsifiers in Baked Goods Applications, Fev Disponível em <http://www.foodproductdesign.com/archive/1996/0296ap.html>. Acesso em dez [3] GORMAN, J. W.; HINMAN, J. E. Simplex lattice designs for multicomponent systems. Technometrics, v.4, p , [4] MATUDA, T. G. Análise térmica da massa de pão francês durante os processos de congelamento e descongelamento. São Paulo, p. Dissertação de mestrado em Engenharia Química. EPUSP. [5] SMS, STABLE MICRO SYSTEMS. Extensibility of Dough and measure of gluten quality (TA-XT2 application study REF: DOU1/KIE), 1995.

5 [6] STAMPFLI, L.; NERSTEN, B. Emulsifiers in bread making, Review. Food Chemistry, v.52, n. 4, p , 1995.

INFLUÊNCIA DO ÁCIDO ASCÓRBICO SOBRE OS PARÂMETROS FÍSICOS E DE TEXTURA DO PÃO FRANCÊS PRODUZIDO DE MASSA CONGELADA

INFLUÊNCIA DO ÁCIDO ASCÓRBICO SOBRE OS PARÂMETROS FÍSICOS E DE TEXTURA DO PÃO FRANCÊS PRODUZIDO DE MASSA CONGELADA INFLUÊNCIA DO ÁCIDO ASCÓRBICO SOBRE OS PARÂMETROS FÍSICOS E DE TEXTURA DO PÃO FRANCÊS PRODUZIDO DE MASSA CONGELADA MATUDA, T. G.; ROMEU, C. C.; TAVARES, D. T.; TADINI, C. C. Universidade de São Paulo,

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CONGELAMENTO NA ESTRUTURA DA MASSA DO PÃO FRANCÊS

INFLUÊNCIA DO CONGELAMENTO NA ESTRUTURA DA MASSA DO PÃO FRANCÊS INFLUÊNCIA DO CONGELAMENTO NA ESTRUTURA DA MASSA DO PÃO FRANCÊS Resumo Clarissa Capelas Romeu 1 Carmen Cecíia Tadini 2 Tatiana Guinoza Matuda 3 O pão produzido de massa congelada tem sido aprimorado devido

Leia mais

ABSTRACT 1. INTRODUÇÃO

ABSTRACT 1. INTRODUÇÃO INFLUÊNCIA DA QUANTIDADE DE LEVEDURA E GORDURA VEGETAL SOBRE OS PARÂMETROS FÍSICOS E DE TEXTURA NO PÃO TIPO FRANCÊS PRÉ ASSADO CONGELADO. 1 Laura G. CARR 1, Carmen C. TADINI 1* ABSTRACT French bread represents

Leia mais

Funções dos Ingredientes na Panificação

Funções dos Ingredientes na Panificação UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE AGROINDUSTRIAL DISCIPLINA DE TECNOLOGIA DE PANIFICAÇÃO E PRODUÇÃO DE AMIDO Funções dos Ingredientes na Panificação Prof. ª Elessandra

Leia mais

EFEITOS DA APLICAÇÃO DE AMIDO RESISTENTE NA FABRICAÇÃO DE PÃO DE FORMA

EFEITOS DA APLICAÇÃO DE AMIDO RESISTENTE NA FABRICAÇÃO DE PÃO DE FORMA EFEITOS DA APLICAÇÃO DE AMIDO RESISTENTE NA FABRICAÇÃO DE PÃO DE FORMA Henrique Ortuño Moreno 1 ; Karla Dellanoce Pereira 2 ; Elisena Aparecida Guastaferro Seravalli 3 1 Aluno de Iniciação Científica da

Leia mais

EFEITOS DA APLICAÇÃO DE POLPA DE COCO VERDE NA FABRICAÇÃO DE PÃO DE FORMA

EFEITOS DA APLICAÇÃO DE POLPA DE COCO VERDE NA FABRICAÇÃO DE PÃO DE FORMA EFEITOS DA APLICAÇÃO DE POLPA DE COCO VERDE NA FABRICAÇÃO DE PÃO DE FORMA Bruna Godinho Masini 1 ; Antonia Miwa Iguti 2 ; Inês Aparecida Santanta 3 ; Elisena Aparecida Guastaferro Seravalli 2 1 Aluna de

Leia mais

EFEITO DA ADIÇÃO DE HIDROCOLÓIDES NAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO- QUÍMICAS DE BOLOS SEM GLÚTEN

EFEITO DA ADIÇÃO DE HIDROCOLÓIDES NAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO- QUÍMICAS DE BOLOS SEM GLÚTEN EFEITO DA ADIÇÃO DE HIDROCOLÓIDES NAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO- QUÍMICAS DE BOLOS SEM GLÚTEN Luciane Hitomi Tanaka 1 ; Elisena Aparecida Gustaferro Seravalli 2 1 Aluna de Iniciação Científica da Escola de

Leia mais

ESTUDO DA VIDA DE PRATELEIRA DO PÃO DE FORMA ADICIONADO DE POLPA DE COCO VERDE

ESTUDO DA VIDA DE PRATELEIRA DO PÃO DE FORMA ADICIONADO DE POLPA DE COCO VERDE ESTUDO DA VIDA DE PRATELEIRA DO PÃO DE FORMA ADICIONADO DE POLPA DE COCO VERDE Larissa Barbieri 1 ; Elisena Aparecida Guastaferro Seravalli 2 ; Antonia Miwa Iguti 2 1 Aluna de Iniciação Científica da Escola

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PÃO DE FORMA LIVRE DE GLÚTEN. Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT); 2

DESENVOLVIMENTO DE PÃO DE FORMA LIVRE DE GLÚTEN. Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT); 2 DESENVOLVIMENTO DE PÃO DE FORMA LIVRE DE GLÚTEN Barbara Pastore Mesquita 1 ; Elisena Aparecida Guastaferro Seravalli 2 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT); 2 Professor

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE PÃO DE FORMA LIVRE DE GLÚTEN CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE PÃO DE FORMA LIVRE DE GLÚTEN CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE PÃO DE FORMA LIVRE DE GLÚTEN CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO MAUÁ DE TECNOLOGIA AUTOR(ES):

Leia mais

Planejamento de Misturas

Planejamento de Misturas Na maioria dos planejamentos os níveis dos fatores são independentes. As propriedades de uma mistura são determinadas pelas proporções de seus ingredientes, e não por valores absolutos. Planejamento de

Leia mais

APLICAÇÃO DO MIXOLAB NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE REOLÓGICA DE FARINHAS REFINADAS E INTEGRAIS DE TRIGO

APLICAÇÃO DO MIXOLAB NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE REOLÓGICA DE FARINHAS REFINADAS E INTEGRAIS DE TRIGO APLICAÇÃO DO MIXOLAB NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE REOLÓGICA DE FARINHAS REFINADAS E INTEGRAIS DE TRIGO Tatiana Oro¹, Martha Zavariz de Miranda²,*, Alicia De Francisco¹, Manoel Carlos Bassói³, Luiz Eichelberger²,

Leia mais

O óleo de girassol como agente de glazeamento em massas para a produção de pães tipo forma

O óleo de girassol como agente de glazeamento em massas para a produção de pães tipo forma O óleo de girassol como agente de glazeamento em massas para a produção de pães tipo forma R. A. ZAMBELLI¹, L. F. L. HERCULANO¹, D. L. BRASIL¹, S. C. P. MELO¹, E. R. PONTES¹, L. I. F. PINTO¹ e D. F. PONTES¹.

Leia mais

Otimização das condições fermentativas de massas para a produção de pães tipo forma utilizando a medotologia de superfície de resposta

Otimização das condições fermentativas de massas para a produção de pães tipo forma utilizando a medotologia de superfície de resposta Otimização das condições fermentativas de massas para a produção de pães tipo forma utilizando a medotologia de superfície de resposta R. A. ZAMBELLI¹, S. C. P. de MELO¹, L. I. F. PINTO¹, D. L. BRASIL¹,

Leia mais

TECNOLOGIAS TRADICIONAIS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO

TECNOLOGIAS TRADICIONAIS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO TECNOLOGIAS TRADICIONAIS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO O valor agregado em produtos de pescado não deve necessariamente estar vinculado à elaboração de produtos sofisticados

Leia mais

AMIDO DANIFICADO E CAPACIDADE DE RETENÇÃO DE SOLVENTES DE FARINHAS OBTIDAS EM MOINHOS EXPERIMENTAIS

AMIDO DANIFICADO E CAPACIDADE DE RETENÇÃO DE SOLVENTES DE FARINHAS OBTIDAS EM MOINHOS EXPERIMENTAIS AMIDO DANIFICADO E CAPACIDADE DE RETENÇÃO DE SOLVENTES DE FARINHAS OBTIDAS EM MOINHOS EXPERIMENTAIS José Renato Bordignon 1, Maria Brígida S. Scholz 2, Martha Z. de Miranda 3, Valquíria Cecílio da Silva

Leia mais

ANÁLISE DO CONGELAMENTO E INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE FARINHA DE TARO NA PRODUÇÃO DE PÃO PRÉ-ASSADO CONGELADO

ANÁLISE DO CONGELAMENTO E INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE FARINHA DE TARO NA PRODUÇÃO DE PÃO PRÉ-ASSADO CONGELADO ANÁLISE DO CONGELAMENTO E INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE FARINHA DE TARO NA PRODUÇÃO DE PÃO PRÉ-ASSADO CONGELADO S.H. Franco 1, J.C. da Cruz 2, T.A. Alflen 3, E.M. Bainy 4 1-Graduação em Engenharia de Alimentos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA SEMENTE DO MELÃO COMO CATALISADOR NA REAÇÃO DE ESTERIFICAÇÃO DO ÁCIDO OLÉICO

UTILIZAÇÃO DA SEMENTE DO MELÃO COMO CATALISADOR NA REAÇÃO DE ESTERIFICAÇÃO DO ÁCIDO OLÉICO UTILIZAÇÃO DA SEMENTE DO MELÃO COMO CATALISADOR NA REAÇÃO DE ESTERIFICAÇÃO DO ÁCIDO OLÉICO A. L. FREIRE 1, B. J. P. COSTA 1, Z. M. SANTOS 2, A. D. T. PINHEIRO 2 e I. L. LUCENA 2 1 Universidade Federal

Leia mais

Catálogo Padaria. Gama Pequeno Almoço

Catálogo Padaria. Gama Pequeno Almoço Catálogo Padaria Gama Pequeno Almoço Padaria Gama Pequeno Almoço Baguete Baguete Tradicional de 40g, 120g e 250g (produto fresco e pré cozido) Produto semi-completo para produção de baguete [farinha de

Leia mais

INFLUÊNCIA NA TEXTURA DE PÃES DE FORMA SEM GLÚTEN ADICIONADOS DE FIBRA DE BAMBU

INFLUÊNCIA NA TEXTURA DE PÃES DE FORMA SEM GLÚTEN ADICIONADOS DE FIBRA DE BAMBU INFLUÊNCIA NA TEXTURA DE PÃES DE FORMA SEM GLÚTEN ADICIONADOS DE FIBRA DE BAMBU ZARDO, F. 1 ; TRÊS, M. 2, TELES, C. D. 3 RESUMO Considerando a demanda do mercado por produtos sem glúten, em virtude das

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICA E SENSORIAL DE EMPANADO DE CMS DE PINTADO (Pseudoplatystoma sp) ELABORADA COM PRODUTOS FUNCIONAIS

AVALIAÇÃO FÍSICA E SENSORIAL DE EMPANADO DE CMS DE PINTADO (Pseudoplatystoma sp) ELABORADA COM PRODUTOS FUNCIONAIS AVALIAÇÃO FÍSICA E SENSORIAL DE EMPANADO DE CMS DE PINTADO (Pseudoplatystoma sp) ELABORADA COM PRODUTOS FUNCIONAIS Andressa Piccoli Chaves¹; Adriane Macedo 2 ; Janderson de Souza Leal 2 ; Maycon Roberto

Leia mais

não podem ser aplicados em experimentos que envolvem

não podem ser aplicados em experimentos que envolvem 1 - INTRODUÇÃO A adição de produtos químicos aos alimentos, para a sua conservação, não é um processo novo. O homem préhistórico, com a descoberta do fogo, criou o processo de defumação. Depois, aprendeu

Leia mais

MEDEIROS 1. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Engenharia Química para contato:

MEDEIROS 1. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Engenharia Química  para contato: Secagem de polpas de frutas em leite de jorro. Efeitos da adição de leites vegetal e animal e da proteína isolada de leite no desempenho do processo e qualidade do produto em pó produzido S. M. de PONTES

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA FARINHA DE CASCA DE MARACUJÁ (Passiflora edulis F. Flapicarpa) NA FABRICAÇÃO DE PÃO DE FORMA

UTILIZAÇÃO DA FARINHA DE CASCA DE MARACUJÁ (Passiflora edulis F. Flapicarpa) NA FABRICAÇÃO DE PÃO DE FORMA UTILIZAÇÃO DA FARINHA DE CASCA DE MARACUJÁ (Passiflora edulis F. Flapicarpa) NA FABRICAÇÃO DE PÃO DE FORMA Fernanda Faria de Moraes ; Elisena Aparecida Gustaferro Seravalli 2 Aluno de Iniciação Científica

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO PARA ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO PARA ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO PARA ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS Doutoranda Alessandra Lorenzetti de Castro alcastro@sc.usp.br Prof. Dr. Jefferson B. L. Liborio liborioj@sc.usp.br

Leia mais

ANÁLISE TÉRMICA DA MASSA DE PÃO FRANCÊS DURANTE OS PROCESSOS DE CONGELAMENTO E DESCONGELAMENTO: OTIMIZAÇÃO DO USO DE ADITIVOS

ANÁLISE TÉRMICA DA MASSA DE PÃO FRANCÊS DURANTE OS PROCESSOS DE CONGELAMENTO E DESCONGELAMENTO: OTIMIZAÇÃO DO USO DE ADITIVOS TATIANA GUINOZA MATUDA ANÁLISE TÉRMICA DA MASSA DE PÃO FRANCÊS DURANTE OS PROCESSOS DE CONGELAMENTO E DESCONGELAMENTO: OTIMIZAÇÃO DO USO DE ADITIVOS Dissertação apresentada à Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DO SUB-MÉDIO SÃO FRANCISCO EM EVENTOS CLIMÁTICOS DE EL NIÑO E LA NIÑA

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DO SUB-MÉDIO SÃO FRANCISCO EM EVENTOS CLIMÁTICOS DE EL NIÑO E LA NIÑA ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DO SUB-MÉDIO SÃO FRANCISCO EM EVENTOS CLIMÁTICOS DE EL NIÑO E LA NIÑA. Ana Paula Lima Marques da Silva 1 ; Otto Corrêa Rotunno Filho 2 ; Isimar de Azevedo Santos 3, Cláudio

Leia mais

10 - Técnicas de Congelamento transformam panificação

10 - Técnicas de Congelamento transformam panificação 10 - Técnicas de Congelamento transformam panificação O desenvolvimento tecnológico moderno é intenso. Vivemos um período de inovações constantes e isso tem impactado toda a economia global. A cada feira

Leia mais

APLICAÇÃO DE QUITOSANA MODIFICADA COMO CATALISADOR HETEROGÊNEO NA PRODUÇÃO DE BIODIESEL POR ESTERIFICAÇÃO

APLICAÇÃO DE QUITOSANA MODIFICADA COMO CATALISADOR HETEROGÊNEO NA PRODUÇÃO DE BIODIESEL POR ESTERIFICAÇÃO APLICAÇÃO DE QUITOSANA MODIFICADA COMO CATALISADOR HETEROGÊNEO NA PRODUÇÃO DE BIODIESEL POR ESTERIFICAÇÃO D. GURGEL 1, A. L. FREIRE 1, B. J. P. COSTA 1, I. L. LUCENA 1 e Z. M. dos SANTOS 1 1 Universidade

Leia mais

BOLO INGLÊS SEM GLÚTEN COM FARINHA DE LINHAÇA DOURADA. Fernanda Bordini Rossato¹; Elisena Aparecida Guastaferro Seravalli 2

BOLO INGLÊS SEM GLÚTEN COM FARINHA DE LINHAÇA DOURADA. Fernanda Bordini Rossato¹; Elisena Aparecida Guastaferro Seravalli 2 BOLO INGLÊS SEM GLÚTEN COM FARINHA DE LINHAÇA DOURADA Fernanda Bordini Rossato¹; Elisena Aparecida Guastaferro Seravalli 2 1 Aluna de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT); 2

Leia mais

Avaliação da reologia da farinha de trigo aditivada com acerola em pó (0,5 e 1 %)

Avaliação da reologia da farinha de trigo aditivada com acerola em pó (0,5 e 1 %) Avaliação da reologia da farinha de trigo aditivada com acerola em pó (0,5 e 1 %) Rayssa Cristine Simoni [PIBIC/Colaborador] 1, Manuel Plata-Oviedo [Orientador] 2, Ana Gabriela da Silva Anthero [PIBIC/

Leia mais

Relação Entre Índice De Elasticidade (Ie) E Força Da Farinha (W)

Relação Entre Índice De Elasticidade (Ie) E Força Da Farinha (W) Relação Entre Índice De Elasticidade (Ie) E Força Da Farinha (W) Amauri Anzolin. Viecili 1, Fernanda Jaqueline. Menegusso 1, Tatiane Pauly 2, Dermânio Tadeu Lima Ferreira 3 Resumo: O trigo é de grande

Leia mais

EFEITO DOS GRÃOS GESSADOS NOS TEORES DE AMILOSE E PROPRIEDADES DE PASTA DO ARROZ INTRODUÇÃO

EFEITO DOS GRÃOS GESSADOS NOS TEORES DE AMILOSE E PROPRIEDADES DE PASTA DO ARROZ INTRODUÇÃO EFEITO DOS GRÃOS GESSADOS NOS TEORES DE AMILOSE E PROPRIEDADES DE PASTA DO ARROZ Talita Pereira Baêta SANTOS 1 ; Márcio CALIARI 2 ; Eduardo da Costa EIFERT 3 ; Priscila Zaczuk BASSINELLO 4 1 Escola de

Leia mais

ELABORAÇÃO DE BISCOITOS TIPO COOKIES UTILIZANDO FARINHA MISTA EXTRUSADA DE GRÃOS QUEBRADOS DE ARROZ E BANDINHA DE FEIJÃO

ELABORAÇÃO DE BISCOITOS TIPO COOKIES UTILIZANDO FARINHA MISTA EXTRUSADA DE GRÃOS QUEBRADOS DE ARROZ E BANDINHA DE FEIJÃO ELABORAÇÃO DE BISCOITOS TIPO COOKIES UTILIZANDO FARINHA MISTA EXTRUSADA DE GRÃOS QUEBRADOS DE ARROZ E BANDINHA DE FEIJÃO Vitória Maria Machado da COSTA 1, Priscila Zaczuk BASSINELLO 2, Eduardo da Costa

Leia mais

O USO DE MASSA CONGELADA NA PRODUÇÃO DE PÃO

O USO DE MASSA CONGELADA NA PRODUÇÃO DE PÃO O USO DE MASSA CONGELADA NA PRODUÇÃO DE PÃO EDSON WATANABE * VERA TOLEDO BENASSI * O artigo apresenta revisão de literatura sobre o uso de massa congelada na produção de pão. São abordados os diferentes

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE BOLO TIPO INGLÊS, COM ADIÇÃO DE FARINHA DE LINHAÇA DOURADA

DESENVOLVIMENTO DE BOLO TIPO INGLÊS, COM ADIÇÃO DE FARINHA DE LINHAÇA DOURADA DESENVOLVIMENTO DE BOLO TIPO INGLÊS, COM ADIÇÃO DE FARINHA DE LINHAÇA DOURADA Daniela Correia Macarini 1 ; Elisena Aparecida Guastaferro Seravalli 2 1 Aluna de iniciação Científica da Escola de Engenharia

Leia mais

EFEITO DA EMBALAGEM NA QUALIDADE DE FARINHAS DE MANDIOCA TEMPERADAS DURANTE O ARMAZENAMENTO

EFEITO DA EMBALAGEM NA QUALIDADE DE FARINHAS DE MANDIOCA TEMPERADAS DURANTE O ARMAZENAMENTO EFEITO DA EMBALAGEM NA QUALIDADE DE FARINHAS DE MANDIOCA TEMPERADAS DURANTE O ARMAZENAMENTO Virgínia de Souza ÁLVARES 1 ; Joana Maria Leite de SOUZA 1 ; Jacson Rondinelli da Silva NEGREIROS 1 ; Lauro Saraiva

Leia mais

ESTUDO DA SOLUBILIDADE DO PARACETAMOL EM ALGUNS SOLVENTES UTILIZANDO O MODELO NRTL

ESTUDO DA SOLUBILIDADE DO PARACETAMOL EM ALGUNS SOLVENTES UTILIZANDO O MODELO NRTL ESTUDO DA SOLUBILIDADE DO PARACETAMOL EM ALGUNS SOLVENTES UTILIZANDO O MODELO NRTL H. A. R. GOMES 1, A. B. N. BRITO 1 1 Universidade Federal do Espírito Santo, Centro Universitário Norte do Espírito Santo,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO PÃO FRANCÊS COMERCIALIZADO EM PEQUENAS PANIFICADORAS DE JOÃO PESSOA - PB.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO PÃO FRANCÊS COMERCIALIZADO EM PEQUENAS PANIFICADORAS DE JOÃO PESSOA - PB. AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO PÃO FRANCÊS COMERCIALIZADO EM PEQUENAS PANIFICADORAS DE JOÃO PESSOA - PB. RESUMO BEHAR 1, Mariana Correia Rodrigues FARIAS 2, Larissa Raphaela Gonçalves de MACIEL 3, Janeeyre

Leia mais

ACEITAÇÃO SENSORIAL DE CHIPS DE BATATA-DOCE (IPOMOEA BATATAS) E INHAME (DIOSCOREA SPP) FRITOS EM OLEÍNA E ESTEARINA DE PALMA

ACEITAÇÃO SENSORIAL DE CHIPS DE BATATA-DOCE (IPOMOEA BATATAS) E INHAME (DIOSCOREA SPP) FRITOS EM OLEÍNA E ESTEARINA DE PALMA XII Congresso Latino-Americano de Óleos e Gorduras Centro de Convenções Centro Sul Florianópolis - SC ACEITAÇÃO SENSORIAL DE CHIPS DE BATATA-DOCE (IPOMOEA BATATAS) E INHAME (DIOSCOREA SPP) FRITOS EM OLEÍNA

Leia mais

BALANÇO DE MASSA NA PRODUÇÃO DE PÃO DE QUEIJO CONGELADO NA INDÚSTRIA FRUTPRES. Camila Mendes Correa (1) ; Raquel Clasen Pich (2).

BALANÇO DE MASSA NA PRODUÇÃO DE PÃO DE QUEIJO CONGELADO NA INDÚSTRIA FRUTPRES. Camila Mendes Correa (1) ; Raquel Clasen Pich (2). BALANÇO DE MASSA NA PRODUÇÃO DE PÃO DE QUEIJO CONGELADO NA INDÚSTRIA FRUTPRES Camila Mendes Correa (1) ; Raquel Clasen Pich (2). (1) Graduando em Engenharia Química Centro Universitário de Patos de Minas

Leia mais

Aplicação de lipase e monoglicerídeo em pão de forma enriquecido com fibras

Aplicação de lipase e monoglicerídeo em pão de forma enriquecido com fibras ISSN 0101-2061 Ciência e Tecnologia de Alimentos Aplicação de lipase e monoglicerídeo em pão de forma enriquecido com fibras Application of lipase and monoglyceride in fiber enriched pan bread Kelly Moreira

Leia mais

VIABILIDADE DA PRODUÇÃO DE PÃO, UTILIZANDO FARINHA MISTA DE TRIGO E MANDIOCA EM DIFERENTES PROPORÇÕES

VIABILIDADE DA PRODUÇÃO DE PÃO, UTILIZANDO FARINHA MISTA DE TRIGO E MANDIOCA EM DIFERENTES PROPORÇÕES VIABILIDADE DA PRODUÇÃO DE PÃO, UTILIZANDO FARINHA MISTA DE TRIGO E MANDIOCA EM DIFERENTES PROPORÇÕES RENATA ERNLUND DE FREITAS * SÔNIA CACHOEIRA STERTZ * NINA WASZCZYNSKYJ ** Realizou-se teste de panificação

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ESPUMA DE POLIURETANO COMO MATERIAL SORVENTE PARA REMEDIAÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS

AVALIAÇÃO DA ESPUMA DE POLIURETANO COMO MATERIAL SORVENTE PARA REMEDIAÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS AVALIAÇÃO DA ESPUMA DE POLIURETANO COMO MATERIAL SORVENTE PARA REMEDIAÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS Modalidade: ( ) Ensino (X) Pesquisa ( ) Extensão Nível: (X) Médio ( ) Superior ( ) Pós-graduação Área: (X) Química

Leia mais

Composição química do café submetido ao processo de descafeinação.

Composição química do café submetido ao processo de descafeinação. Composição química do café submetido ao processo de descafeinação. AUTORES: E. M. Oliveira 1, (MESTRADO) S. T. Alvarenga 2, (DOUTORADO) L.M. C. Gomes 3, (MESTRADO) L. A. Vale 4, (MESTRADO) R. G. F. A.

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Às 14:32 horas do dia 06 de junho de 2012, o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Esteio, designado pela portaria 0185/2012 após analise da documentação do Pregão Eletrônico

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PÃES TIPO FORMA ADICIONADO DE FARINHA DE BERINJELA

DESENVOLVIMENTO DE PÃES TIPO FORMA ADICIONADO DE FARINHA DE BERINJELA DESENVOLVIMENTO DE PÃES TIPO FORMA ADICIONADO DE FARINHA DE BERINJELA D. L. BRASIL 1, T. A. R. BELO 1, R. A. ZAMBELLI 1, D. F. PONTES 1, M. L. SILVA 1. 1 Universidade Federal do Ceará / Departamento de

Leia mais

PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTA RESISTÊNCIA (CAR) A PARTIR DE SEIXO DE RIO, COMO AGREGADO GRAÚDO, E A ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA

PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTA RESISTÊNCIA (CAR) A PARTIR DE SEIXO DE RIO, COMO AGREGADO GRAÚDO, E A ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTA RESISTÊNCIA (CAR) A PARTIR DE SEIXO DE RIO, COMO AGREGADO GRAÚDO, E A ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA INTRODUÇÃO Laerte Melo Barros 1, Carlos Benedito Santana da Silva Soares 2 Thiago

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS DE PÃES ISENTOS DE GLÚTEN EFEITO DA ADIÇÃO DE PROTEÍNAS

PROPRIEDADES MECÂNICAS DE PÃES ISENTOS DE GLÚTEN EFEITO DA ADIÇÃO DE PROTEÍNAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE PÃES ISENTOS DE GLÚTEN EFEITO DA ADIÇÃO DE PROTEÍNAS C.Y. Hiramoto 1, H.H. Fukushima 1, F.A. Perrechil 1 1-Departamento de Ciências Exatas e da Terra Universidade Federal de São

Leia mais

ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR. Resumo: Introdução

ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR. Resumo: Introdução ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR Patrick Antonio Morelo (UNICENTRO), Luiz Fernando Cótica,Fabio Luiz Melquíades e Ricardo Yoshimitsu Miyahara (Orientador), e-mail: rmiyahara@unicentro.br.

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina TAL459 Refrigeração e Congelamento de Alimentos

Programa Analítico de Disciplina TAL459 Refrigeração e Congelamento de Alimentos 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Tecnologia de Alimentos - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária

Leia mais

CONCENTRAÇÃO DE AMIDO RESISTENTE EM PÃO FRANCÊS PRÉ-ASSADO CONGELADO: ASPECTOS TECNOLÓGICOS

CONCENTRAÇÃO DE AMIDO RESISTENTE EM PÃO FRANCÊS PRÉ-ASSADO CONGELADO: ASPECTOS TECNOLÓGICOS LUCIANA YUMI MATSUDA CONCENTRAÇÃO DE AMIDO RESISTENTE EM PÃO FRANCÊS PRÉ-ASSADO CONGELADO: ASPECTOS TECNOLÓGICOS São Paulo 2007 LUCIANA YUMI MATSUDA CONCENTRAÇÃO DE AMIDO RESISTENTE EM PÃO FRANCÊS PRÉ-ASSADO

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NOS PARÂMETROS DE MODELOS BI- PARAMÉTRICOS QUE PREDIZEM ISOTERMAS DE ADSORÇÃO DE UMIDADE DO GUARANÁ

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NOS PARÂMETROS DE MODELOS BI- PARAMÉTRICOS QUE PREDIZEM ISOTERMAS DE ADSORÇÃO DE UMIDADE DO GUARANÁ INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NOS PARÂMETROS DE MODELOS BI- PARAMÉTRICOS QUE PREDIZEM ISOTERMAS DE ADSORÇÃO DE UMIDADE DO GUARANÁ (Paullinia cupana) EM PÓ 1 PENA 2, Rosinelson S.; RIBEIRO 2, Claudio C. & GRANDI

Leia mais

Caracterização química e rendimento de extração de amido de arroz com diferentes teores de amilose

Caracterização química e rendimento de extração de amido de arroz com diferentes teores de amilose Universidade Federal de Pelotas Programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia Agroindustrial Laboratório de Pós-colheita, Industrialização e Controle de Qualidade de Grãos Caracterização química e

Leia mais

Sobre Chocolate. Manteiga de cacau. Outros ingredientes. Massa de cacau. Chocolate

Sobre Chocolate. Manteiga de cacau. Outros ingredientes. Massa de cacau. Chocolate Sobre Chocolate De acordo com a ANVISA*, chocolate é o produto obtido a partir da mistura de derivados de cacau, contendo, no mínimo, 25% de sólidos totais de cacau: * ANVISA, RDC n 227, de 28/08/2003.

Leia mais

Qualidade do trigo brasileiro: realidade versus necessidade. Eliana Maria Guarienti Pesquisadora da Embrapa Trigo

Qualidade do trigo brasileiro: realidade versus necessidade. Eliana Maria Guarienti Pesquisadora da Embrapa Trigo Qualidade do trigo brasileiro: realidade versus necessidade Eliana Maria Guarienti Pesquisadora da Embrapa Trigo 84 anos 15 anos Linha do tempo 1999 19 anos 1994 1992 1990 1977 1925 1 cruzamento artificial

Leia mais

AVALIAÇÃO DO TEOR PROTÉICO E ACEITAÇÃO GLOBAL DE BARRAS ALIMENTÍCIAS PRODUZIDAS COM VEGETAIS DESIDRATADOS E RESÍDUO DO EXTRATO DE SOJA

AVALIAÇÃO DO TEOR PROTÉICO E ACEITAÇÃO GLOBAL DE BARRAS ALIMENTÍCIAS PRODUZIDAS COM VEGETAIS DESIDRATADOS E RESÍDUO DO EXTRATO DE SOJA AVALIAÇÃO DO TEOR PROTÉICO E ACEITAÇÃO GLOBAL DE BARRAS ALIMENTÍCIAS PRODUZIDAS COM VEGETAIS DESIDRATADOS E RESÍDUO DO EXTRATO DE SOJA PEREIRA, L.A. 1 ; MACEDO, D.C. 2 ; CIABOTTI, S. 3 FARIA, N.V. 4 1

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS DO AUTOMÓVEL ANÁLISE NUMÉRICA DO CICLO TERMODINÂMICO DE UM MOTOR DE 170kW OPERANDO A GÁS NATURAL

IMPACTOS AMBIENTAIS DO AUTOMÓVEL ANÁLISE NUMÉRICA DO CICLO TERMODINÂMICO DE UM MOTOR DE 170kW OPERANDO A GÁS NATURAL JOSÉ AUGUSTO MARINHO SILVA IMPACTOS AMBIENTAIS DO AUTOMÓVEL ANÁLISE NUMÉRICA DO CICLO TERMODINÂMICO DE UM MOTOR DE 170kW OPERANDO A GÁS NATURAL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Escola Politécnica

Leia mais

AVALIAÇÃO SENSORIAL DE SORVETE COM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DA FARINHA DE MACAÚBA

AVALIAÇÃO SENSORIAL DE SORVETE COM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DA FARINHA DE MACAÚBA AVALIAÇÃO SENSORIAL DE SORVETE COM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DA FARINHA DE MACAÚBA Mônica Rocha de Sousa 1 ; Thayane Sabino Nogueira 1 ; Adryze Gabrielle Dorasio de Souza 2 ; Sônia de Oliveira Duque Paciulli

Leia mais

Análise da relação entre W e % de Proteína em Quartzo

Análise da relação entre W e % de Proteína em Quartzo Análise da relação entre W e % de Proteína em Quartzo Baseado em dados de Ulfried Arns, Bom Jesus,RS - 2009 Lorenzo Mattioni Viecili Gerente Comercial Biotrigo Genética Ltda. lorenzo@biotrigo.com.br Introdução

Leia mais

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil 1 Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, 05508-901, São Paulo, SP, Brazil. 2 Centro Universitário do Norte Paulista - UNORP, 15020-040, São José do Rio Preto, SP, Brazil. 3 São Paulo State University,

Leia mais

1.2. Situação da Cultura do Trigo no Brasil e no Mundo

1.2. Situação da Cultura do Trigo no Brasil e no Mundo 1.2. Situação da Cultura do Trigo no Brasil e no Mundo TRIGO BALANÇO MUNDIAL Ano Área Produção Consumo Consumo Estoque final (mil ha) (mil t) (mil t) per capta (mil t) (kg/hab/ano) 2007/08 217.102 612.708

Leia mais

Relatório da colheita alemã de cereais Outubro 2016

Relatório da colheita alemã de cereais Outubro 2016 Relatório da colheita alemã de cereais 216 Outubro 216 Condições meteorológicas da colheita de cereais 216 Evolução heterogénea da colheita Este ano, a ausência de chuvas, o calor e uma maturação rápida

Leia mais

Ciência e Tecnologia de Alimentos ISSN: Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos.

Ciência e Tecnologia de Alimentos ISSN: Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos. Ciência e Tecnologia de Alimentos ISSN: 0101-2061 revista@sbcta.org.br Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos Brasil Gutkoski, Luiz C.; Brehm, Cibele M.; dos Santos, Elisa; Mezzomo,

Leia mais

Estudo da secagem do bagaço de malte para aplicação em formulação de pré-mistura para pão cervejeiro

Estudo da secagem do bagaço de malte para aplicação em formulação de pré-mistura para pão cervejeiro Estudo da secagem do bagaço de malte para aplicação em formulação de pré-mistura para pão cervejeiro L. F. G. de Souza 1 ; C. B. Hidalgo 1 ; I. C. Ferraz 1 ; T. C. G. Lima 1 e V. C. Zonho 1 1 Instituto

Leia mais

Preparados para PÃES ADITIVOS E SEMENTES PARA DECORAÇÃO

Preparados para PÃES ADITIVOS E SEMENTES PARA DECORAÇÃO Preparados para PÃES ADITIVOS E SEMENTES PARA DECORAÇÃO DESIGN BY ZENI WWW.ZENI.PT A Lusocake é uma empresa jovem, sediada em Chaves, que se dedica à produção de mixes e bases em pó para sobremesas para

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 18

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 18 Página 18 AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE OXIDATIVA DE BIODIESEL METÍLICO DE GIRASSOL COM ADIÇÃO DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE BHT PELO MÉTODO RANCIMAT E PDSC Mariana Helena de O. Albuquerque 1 ; Amanda Duarte

Leia mais

Descritivo de produto. Fornecedor.

Descritivo de produto. Fornecedor. Descritivo de produto Fornecedor www.unityscientific.com Analisador NIR de Farinha e Trigo DESCRIÇÃO O analisador de Farinha, trigo e co-produtos determina a umidade, proteína, cinzas, Amido danificado,

Leia mais

USO DE PLANEJAMENTO COMPOSTO CENTRAL NA AVALIAÇÃO DAS VARIÁVEIS TEMPERAURA E CONCENTRAÇÃO DE SOLVENTES NO ESTUDO DA SOLUBILIDADE DA UREIA

USO DE PLANEJAMENTO COMPOSTO CENTRAL NA AVALIAÇÃO DAS VARIÁVEIS TEMPERAURA E CONCENTRAÇÃO DE SOLVENTES NO ESTUDO DA SOLUBILIDADE DA UREIA USO DE PLANEJAMENTO COMPOSTO CENTRAL NA AVALIAÇÃO DAS VARIÁVEIS TEMPERAURA E CONCENTRAÇÃO DE SOLVENTES NO ESTUDO DA SOLUBILIDADE DA UREIA F. M. A. S. COSTA 1, A. P. SILVA 1, M. R. FRANCO JÚNIOR 1 e R.

Leia mais

Por que confiar em nós?

Por que confiar em nós? Catálogo A NOSSA EMPRESA Pagnifique é uma empresa uruguaia de reconhecida trajetória internacional, equipada com tecnologia de última geração para a produção de panificados ultra-congelados de alta qualidade.

Leia mais

1.0 INTRODUÇÃO. R. A. ZAMBELLI¹, S. C. P. de MELO ¹, E. C. SANTOS-JUNIOR¹, L. I. F. PINTO¹, P. E. F. MELO¹ e D. F. PONTES¹.

1.0 INTRODUÇÃO. R. A. ZAMBELLI¹, S. C. P. de MELO ¹, E. C. SANTOS-JUNIOR¹, L. I. F. PINTO¹, P. E. F. MELO¹ e D. F. PONTES¹. Efeito da redução do ponto de congelamento das massas para a produção de pães tipo forma contendo ingredientes funcionais sobre a viabilidade de células de levedura R. A. ZAMBELLI¹, S. C. P. de MELO ¹,

Leia mais

1. Introdução teórica. Materiais de construção. Concreto. Pega. Cura. Resistência final.

1. Introdução teórica. Materiais de construção. Concreto. Pega. Cura. Resistência final. Questão 19 Questão 19. 19 O concreto deve ser protegido durante o processo de endurecimento (ganho de resistência) contra secagem rápida, mudanças bruscas de temperatura, excesso de água, incidência de

Leia mais

Influência de hidrocolóides na cor de estruturado de maracujá-do-mato

Influência de hidrocolóides na cor de estruturado de maracujá-do-mato Influência de hidrocolóides na cor de estruturado de maracujá-do-mato Influence of hydrocolloids in the color of structured Passiflora cincinnata Ana Júlia de Brito Araújo 1 ; Patrícia Moreira Azoubel

Leia mais

EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR DE SISTEMA AQUOSO COM MONOETILENOGLICO À 650 mbar

EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR DE SISTEMA AQUOSO COM MONOETILENOGLICO À 650 mbar EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR DE SISTEMA AQUOSO COM MONOETILENOGLICO À 650 mbar A. K. FERNANDES 1, D. J. SILVA 1, M. P. HENRIQUE 1 e O. CHIAVONE-FILHO 1 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento

Leia mais

Congelamento de frutas, legumes e verduras preserva a qualidade dos alimentos e evita o desperdício

Congelamento de frutas, legumes e verduras preserva a qualidade dos alimentos e evita o desperdício Congelamento de frutas, legumes e verduras preserva a qualidade dos alimentos e evita o desperdício Enviado por DA REDAÇÃO 09-Jan-207 No verão, as frutas, legumes e verduras sofrem mais com as altas temperaturas,

Leia mais

Universidade Regional de Blumenau, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química. para contato: daniane

Universidade Regional de Blumenau, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química.  para contato: daniane ESTUDO DO COMPORTAMENTO MICROBIOLÓGICO E FÍSICO- QUÍMICO DA LINGUIÇA BLUMENAU ENQRIQUECIDA COM FARINHA DE PUPUNHA ARMAZENADA EM DIFERENTES TEMPERATUTAS D. A. LEMOS 1, I. A. PAULO 2, L. F. CARVALHO 1, S.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL

AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL Autores: ANDERSON RENATO VOBORNIK WOLENSKI - Universidade

Leia mais

Pesquisa Operacional 1. Aula 5- Modelagem de problemas. Profa. Milena Estanislau Diniz 2º Semestre/2011

Pesquisa Operacional 1. Aula 5- Modelagem de problemas. Profa. Milena Estanislau Diniz 2º Semestre/2011 Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Engenharia de Produção- DEENP Pesquisa Operacional 1 Aula 5- Modelagem de problemas Profa. Milena Estanislau Diniz 2º Semestre/2011 Tema da aula de hoje

Leia mais

REPRESENTAÇÃO ESPACIAL DAS TEMPERATURAS MÉDIAS DAS MÉDIAS, MÉDIAS DAS MÍNIMAS E MÉDIAS DAS MÁXIMAS MENSAIS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1

REPRESENTAÇÃO ESPACIAL DAS TEMPERATURAS MÉDIAS DAS MÉDIAS, MÉDIAS DAS MÍNIMAS E MÉDIAS DAS MÁXIMAS MENSAIS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1 REPRESENTAÇÃO ESPACIAL DAS TEMPERATURAS MÉDIAS DAS MÉDIAS, MÉDIAS DAS MÍNIMAS E MÉDIAS DAS MÁXIMAS MENSAIS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1 Galileo Adeli Buriol 2, Valduino Estefanel 3 e Rosa Elaine Iensen

Leia mais

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra Fibra alimentar - definição No Brasil, o Ministério da Saúde, pela portaria 41 de 14 de janeiro de 1998, da Agência Nacional

Leia mais

VALORIZAÇÃO DA CINZA DE CALDEIRA DE INDÚSTRIA DE TINGIMENTO TÊXTIL PARA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS SUSTENTÁVEIS

VALORIZAÇÃO DA CINZA DE CALDEIRA DE INDÚSTRIA DE TINGIMENTO TÊXTIL PARA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS SUSTENTÁVEIS VALORIZAÇÃO DA CINZA DE CALDEIRA DE INDÚSTRIA DE TINGIMENTO TÊXTIL PARA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS SUSTENTÁVEIS A. Reis ¹, E. P. Manfroi 2 Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE, Departamento de Engenharia

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina EAF433 Tecnologia de Panificação e Massas

Programa Analítico de Disciplina EAF433 Tecnologia de Panificação e Massas 0 Programa Analítico de Disciplina EAF33 Tecnologia de Panificação e Massas Campus de Florestal - Campus de Florestal Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

MOQ-14 PROJETO e ANÁLISE de EXPERIMENTOS. Professor: Rodrigo A. Scarpel

MOQ-14 PROJETO e ANÁLISE de EXPERIMENTOS. Professor: Rodrigo A. Scarpel MOQ-14 PROJETO e ANÁLISE de EXPERIMENTOS Professor: Rodrigo A. Scarpel rodrigo@ita.br www.mec.ita.br/~rodrigo Programa do curso: Semana Conteúdo 1 Apresentação da disciplina. Princípios de modelos lineares

Leia mais

Estudo e Simulação do Processo de Adoçamento de Gás Natural

Estudo e Simulação do Processo de Adoçamento de Gás Natural Estudo e Simulação do Processo de Adoçamento de Gás Natural A. F. B. Ferreira 1 e N. S. Amorim 2 1 Universidade do Estado do Amapá, Colegiado de Engenharia Química 2 Universidade Federal do Pará, Colegiado

Leia mais

Congelamento Rápido. Panificação

Congelamento Rápido. Panificação Congelamento Rápido Panificação Nos últimos anos, o setor de panificação no Brasil sofreu mudanças substanciais com o aumento da concorrência direta dos supermercados na venda de produtos congelados e

Leia mais

Modelos Atômicos. Niels Bohr propôs um modelo baseado em postulados:

Modelos Atômicos. Niels Bohr propôs um modelo baseado em postulados: Modelos Atômicos Niels Bohr propôs um modelo baseado em postulados: Os elétrons giram, ao redor do núcleo, somente em determinadas órbitas permitidas e com energia quantizada. ONDAS ELETROMAGNÉTICAS Os

Leia mais

ESTUDO FISICO-QUIMICO DA FARINHA DE MANDIOCA POR ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS

ESTUDO FISICO-QUIMICO DA FARINHA DE MANDIOCA POR ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS ESTUDO FISICO-QUIMICO DA FARINHA DE MANDIOCA POR ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS Daniela Popim Miqueloni 1 ; Virgínia de Souza Álvares 2 ; Silvana Fraga da Silva 3 ; Francisco Álvaro Viana Felisberto

Leia mais

Efeito do Processo de Calcinação na Atividade Pozolânica da Argila Calcinada

Efeito do Processo de Calcinação na Atividade Pozolânica da Argila Calcinada Realização 20 a 22 de Junho de 2016 - São Paulo/SP Efeito do Processo de Calcinação na Atividade Pozolânica da Argila Calcinada Gabriel Alves Vasconcelos Engenheiro Civil João Henrique da Silva Rêgo Professor

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA

EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA Qualificação Profissional, inclusive formação inicial e continuada de trabalhadores Qualificação Profissional Cursos voltados às pessoas que buscam desenvolver competências

Leia mais

Análise da distribuição da velocidade dos ventos em Piracicaba/SP

Análise da distribuição da velocidade dos ventos em Piracicaba/SP Análise da distribuição da velocidade dos ventos em Piracicaba/SP Lêda Valéria Ramos Santana Prof. Dra. Cláudia Helena Dezotti Prof. Dra. Tatijana Stosic Evelyn Souza Chagas Hérica Santos da Silva Introdução

Leia mais

Pintura de Acabamento PVC-Alquídica para revestimentos intumescentes

Pintura de Acabamento PVC-Alquídica para revestimentos intumescentes Ficha do Produto Edição 24/03/2014 Identificação 02 06 04 00 001 0 000015 Sika Unitherm - Top S Pintura de Acabamento PVC-Alquídica para revestimentos intumescentes Descrição do Produto Sika Unitherm -Top

Leia mais

Conservação dos Alimentos

Conservação dos Alimentos Conservação dos Alimentos Temperatura Local Adequado Higiene Data de validade Como conservar os alimentos Para que os alimentos sejam conservados da melhor maneira e não estraguem: Atenção- Temperatura

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL. DESCONGELAMENTO DE HEMOCOMPONENTES Pagina 1 de 5

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL. DESCONGELAMENTO DE HEMOCOMPONENTES Pagina 1 de 5 DESCONGELAMENTO DE HEMOCOMPONENTES Pagina 1 de 5 1. OBJETIVO Realizar o descongelamento dos hemocomponentes criopreservados, de forma a preservar os seus constituintes, garantindo assim eficácia e a qualidade

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS ÍNDICE 05 09 11 15 21 Pão Tradição Baguetes Pão Especial Pão de Cereais Pão Infantil LEGENDA Unid/Caixa (pequena) Unid/Caixa (grande) Peso Tempo de Descongelação Temperatura da 2ª

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: Bacharelado em Nutrição DEPARTAMENTO: Tecnologia dos Alimentos

Leia mais

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal ÍNDICE DE FRAGMENTAÇÃO MIOFRIBILAR Daniela Cristina Morales Zootecnista

Leia mais

AUTOR(ES): TAMIRIS LIMA DOS SANTOS, MÁYRA DE CÁSSIA DAINEZI, RAFAELA DELVECHIO

AUTOR(ES): TAMIRIS LIMA DOS SANTOS, MÁYRA DE CÁSSIA DAINEZI, RAFAELA DELVECHIO TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE PASTA DE GRÃO-DE-BICO (HUMMUS) CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): TAMIRIS LIMA DOS SANTOS,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA ESTE DOCUMENTO NÃO SUBSTITUI O ORIGINAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA ESTE DOCUMENTO NÃO SUBSTITUI O ORIGINAL 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Tecnologia de Alimentos - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 5 Carga horária semanal

Leia mais

OBTENÇÃO E UTILIZAÇÃO DE FARINHA DE FEIJÕES-CAUPI DE GRÃOS BRANCOS NA ELABORAÇÃO DE PASTEL DE FORNO

OBTENÇÃO E UTILIZAÇÃO DE FARINHA DE FEIJÕES-CAUPI DE GRÃOS BRANCOS NA ELABORAÇÃO DE PASTEL DE FORNO Área :Biofortificação e processamento OBTENÇÃO E UTILIZAÇÃO DE FARINHA DE FEIJÕES-CAUPI DE GRÃOS BRANCOS NA ELABORAÇÃO DE PASTEL DE FORNO Eliza Dorotea Pozzobon de Albuquerque Lima 1, Paloma Cyntia da

Leia mais

FICHA TÉCNICA TP.PLO.FT.02/REV.00/

FICHA TÉCNICA TP.PLO.FT.02/REV.00/ DESCRIÇÃO DO PRODUTO Pão de Ló Original - Pequeno Peso líquido 500 gr Cor Castanho claro Formato Redondo Textura Fofa Dimensões ø20cm/a:4,5cm Cheiro e Sabor Característicos Prazo de Validade 12 dias INGREDIENTES

Leia mais