O SISTEMA DE PROTECÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA OAPI Por: J. António NOSOLINY O.A.P.I.- Yaoundé

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O SISTEMA DE PROTECÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA OAPI Por: J. António NOSOLINY O.A.P.I.- Yaoundé"

Transcrição

1

2 O SISTEMA DE PROTECÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA OAPI Por: J. António NOSOLINY O.A.P.I.- Yaoundé

3 SUMÁRIO BASE LEGAL ESTADOS MEMBROS MISSÕES CARACTERISTICAS DO SISTEMA OBJECTOS PROTEGIDOS ESPECIFICIDADE DO SISTEMA ORGÃOS ORGANIGRAMA FINANCIAMENTO COOPERAÇÃO

4 BASE LEGAL Ł ACORDO DE LIBREVILLE DE 13 DE SETEMBRO DE 1962 Ł ACORDO DE BANGUI DE 2 DE MARÇO DE 1977 Ł ACORDO DE BANGUI DE 24 DE FEVEREIRO DE 1999

5 ESTADOS MEMBROS À DATA PRESENTE Ł BENIN Ł BURKINA FASO Ł CAMARÕES Ł CENTROAFRICA Ł CONGO Ł COSTA DE MARFIM Ł GABÃO Ł GUINÉ Ł GUINÉ BISSAU Ł GUINÉ EQUATORIAL Ł MALI Ł MAURITÂNEA Ł NIGER Ł SENEGAL Ł CHADE Ł TOGO

6 MISSÕES ŁCONCESSÃO DOS TÍTULOS DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL ŁDOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO ŁIMPLICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO ŁFORMAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL

7 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA Ł LEGISLAÇÃO UNIFORME: ACORD DE BANGUI Ł ORGANIZAÇÃO COMUM: L OAPI Ł PROCESSO CENTRALIZADO Ł TÍTULO CONCEDIDO Ł DIREITO VÁLIDO NOS 16 ESTADOS MEMBROS Ł NÃO EXISTE SISTEMAS NACIONAIS DE CONCESSÃO DOS TÍTULOS QUE COEXISTEM COM O SISTEMA REGIONAL Ł SISTEMA ESTABELECIDO EM CONFORMIDADE COM : A CONVENÇÃO DE PARIS PARA A PROTECÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL; A CONVENÇÃO DE BERNA PARA A PROTECÇÃO DAS OBRAS LITERÁRIAS E ARTÍSTICAS; A CONVENÇÃO DE ROMA PARA A PROTECÇÃO DOS ARTISTAS INTÉRPRETES OU EXECUTANTES, DOS PRODUTORES DE FONOGRAMAS;

8 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA ŁSISTEMA EM CONFORMIDADE COM: A CONVENÇÃO UPOV; O ACORDO SOBRE OS ADPIC. ŁOS ESTRANGEIROS OBTÊM OS TÍTULOS DE PROTECÇÃO NAS MESMAS CONDIÇÕES QUE OS NACIONAIS DOS ESTADOS MEMBROS. ŁAS ACÇÕES RELATIVAS AOS TÍTULOS CONCEDIDOS SÃO SUBMETIDOS ÀS JURISDIÇÕES DOS ESTADOS MEMBROS. ŁA GESTÃO COLECTIVA DOS DIREITOS DOS AUTORES E DIREITOS CONEXOS SÃO CONFIADAS A UM ORGANISMO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO COLECTIVA DE CADA ESTADO MEMBRO.

9 OBJECTOS PROTEGIDOS PELO ACORDO ŁPATENTES DE INVENÇÃO ŁMODELOS DE UTILIDADE ŁMARCAS DE PRODUTOS OU DE SERVIÇOS ŁDESENHOS E MODELOS INDUSTRIAIS ŁNOMES COMERCIAIS ŁINDICAÇÕES GEOGRÁFICAS ŁESQUEMAS DE CONFIGURAÇÃO (TOPOGRAFIAS ) DOS CIRCUITOS INTEGRADOS ŁOBTENÇÕES VEGETAIS ŁPROPRIEDADE LITERÁRIA E ARTÍSTICA

10 ESPECIFICIDADE DO SISTEMA

11 NO DOMÍNIO DAS PATENTES DE INVENÇÃO Ł PODEM OBTER-SE PATENTES PARA QUAISQUER INVENÇÕES, QUER SE TRATE DE PRODUTOS OU PROCESSOS, EM TODO O DOMÍNIO DA TECNOLOGIA. Ł A PATENTE EXPIRA NO FIM DO 20 ANO CIVIL A CONTAR DA DATA DO DEPÓSITO DO PEDIDO. Ł OBJECTOS EXCLUIDOS DA PATENTEABILIDADE SÃO: AS VARIEDADES VEGETAIS; OS PROCESSOS ESSENCIALMENTE BIOLÓGICOS DE OBTENÇÃO DE VEGETAIS OU DE ANIMAIS, QUE NÃO SEJAM PROCESSOS MICROBIOLÓGICOS E PRODUTOS OBTIDOS POR ESTES PROCESSOS; OS MÉTODOS DE TRATAMENTO; OS MÉTODOS DE DIAGNÓSTICO.

12 NO DOMÍNIO DAS MARCAS Ł SÃO ADMITIDOS COMO MARCA, QUALQUER SINAL VISIVEL QUE PERMITA DISTINGUIR OS PRODUTOS OU OS SERVIÇOS DE UMA EMPRESA QUALQUER, EXCEPTO OS SINAIS SONOROS OU OLFACTIVOS. Ł A MARCA É PROPRIEDADE DE QUEM TIVER SIDO O PRIMEIRO A EFECTUAR O SEU DEPÓSITO. Ł A MARCA PODE SER REGISTADA PARA UMA OU VÁRIAS CLASSES DE PRODUTOS OU PARA UMA OU VÁRIAS CLASSES DE SERVIÇOS. ŁA PROPRIEDADE DA MARCA É REIVINDICADA JUNTO À ORGANISAÇÃO.

13 NO DOMÍNIO DE DESENHOS E MODELOS INDUSTRIAIS ŁOS DESENHOS E MODELOS BENEFICIEM DA DUPLA PROTECÇÃO: PROPRIEDADE INDUSTRIAL; DIREITO DO AUTOR.

14 NO DOMÍNIO DAS INDICAÇÕES GEOGRÁFICAS Ł O TITULAR DE UMA MARCA ANTERIOR IDÊNTICA OU SEMELHANTE A UMA INDICAÇÃO GEOGRÁFICA, PODE CONTINUAR A UTILIZAR A SUA MARCA, EXCEPTO RELATIVAMENTE A VINHOS OU A BEBIDAS ESPERITUOSAS.

15 NO DOMÍNIO DAS OBTENÇÕES VEGETAIS ŁSÃO PROTEGIDAS AS VARIEDADES DE TODOS OS TAXONS BOTÂNICOS, A CONDIÇÕES QUE SEJAM NOVAS, DISTINTAS, HOMOGÉNEAS E ESTÁVEIS. ŁAS ESPÉCIES SELVAGENS NÃO SÃO PROTEGIDAS. ŁA PROTECÇÃO É DE 25 ANOS. ŁANTES DA CONCESSÃO DO CERTIFICADO DE OBTENÇÃO VEGETAL, O DEPOSITANTE BENEFICIA DA PROTECÇÃO PROVISÓRIA. ŁO CERTIFICADO DE OBTENÇÃO VEGETAL É CONCEDIDO PARA UMA SÓ VARIEDADE.

16 NO DOMÍNIO DA PROPRIEDADE LITERÁRIA E ARTÍSTICA Ł A ADMINISTRAÇÃO DOS DIREITOS DOS AUTORES DE OBRAS E DOS DIREITOS DOS TITULARES DE DIREITOS VIZINHOS, ASSIM COMO A DEFESA DOS INTERESSES MORAIS, SÃO CONFIADAS A UM ORGANISMO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO COLECTIVA DE DIREITOS, CUJA ESTRUTURA, CARGOS E MODO DE FUNCIONAMENTO SÃO DETERMINADOS PELA AUTORIDADE NACIONAL COMPETENTE DE CADA ESTADO MEMBRO.

17 ÓRGÃOS DA ORGANIZAÇÃO Ł O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Ł A COMISSÃO SUPERIOR DE RECURSO Ł A DIRECÇÃO GERAL

18 COMPOSIÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Ł REPRESENTANTES DOS ESTADOS MEMBROS Ł UM REPRESENTANTE POR ESTADO

19 COMPETÊNCIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Ł DETERMINA A POLÍTICA GERAL DA ORGANIZAÇÃO, REGULAMENTA E FISCALIZA A SUA ACTIVIDADE; ŁAPROVA O PROGRAMA E VOTA ANUALMENTE O ORÇAMENTO; Ł VERIFICA E APROVA AS CONTAS ANUAIS DA ORGANIZAÇÃO; Ł CONTROLA A ACTIVIDADE DA ORGANIZAÇÃO.

20 COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO SUPERIOR DE RECURSO Ł TRÊS MAGISTRADOS TITULARES E TRÊS SUPLENTES ESCOLHIDOS POR SORTEIO A PARTIR DE UMA LISTA DE REPRESENTANTES DESIGNADOS PELOS ESTADOS MEMBROS, NA BASE DE UM REPRESENTANTE POR ESTADO.

21 COMPETÊNCIA DA COMISSÃO SUPERIOR DE RECURSO ŁESTATUIR SOBRE RECURSOS RESULTANTES: ŁDA REJEIÇÃO DE PEDIDOS DE TÍTULO DE PROTECÇÃO EM MATÉRIA DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL; ŁDA REJEIÇÃO DE PEDIDOS DE MANUTENÇÃO OU DE PRORROGAÇÃO DO PRAZO DE PROTECÇÃO; ŁDA REJEIÇÃO DE PEDIDOS DE REVALIDAÇÃO; ŁDE DECISÕES RELATIVAS A OPOSIÇÕES.

22 COPOSIÇÃO DA DIRECÇÃO GERAL Ł DIRECTOR GERAL Ł DIRECTOR GERAL ADJUNTO Ł COTROLADOR FINANCEIRO

23 COPETÊNCIA DA DIRECÇÃO GERAL Ł SOB A AUTORIDADE DO DIRECTOR GERAL, A DIRECÇÃO GERAL ESTÁ ENCARREGADA DAS TAREFAS EXECUTIVAS DA ORGANIZAÇÃO. Ł O DIRECTOR GERAL É RESPONSÁVEL PELA GESTÃO E OPERAÇÕES QUOTIDIANAS. Ł RECRUTA, NOMEIA E DEMITE O PESSOAL. Ł É O MAIS ALTO FUNCIONÁRIO DA ORGANIZAÇÃO.

24 ORGANIGRAMA Ł DEPARTAMENTO DA PROTECÇÃO E GESTÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL ŁDEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO, DOCUMENTAÇÃO E FORMAÇÃO ŁDEPARTAMENTO DA ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS ŁSERVIÇOS LIGADOS AO DIRECTOR GERAL ADJUNTO: SCAJ, SIS, SAE

25 PESSOAL Ł 29 QUADROS Ł 57 AGENTES ( SG ) Ł TOTAL : 86

26 LÍNGUA DE TRABALHO Ł FRANCÊS Ł INGLÊS

27 ENDEREÇO ELECTRÓNICO DA OAPI Ł

28 SUMÁRIO DO ENDEREÇO ELECTRÓNICO DA OAPI ACTUALIDADE HISTORIAL MISSÕES OBJECTIVOS ORGÃOS ORGANIGRAMA ACORDO DE BANGUI SISTEMA DE TAXE ESTRUTURAS NACIONAIS DE LIGAÇÕES (SNL) LISTA DE MANDATÁRIOS

29 FINANCIAMENTO Ł NÃO EXISTE CONTRIBUIÇÕES DOS ESTADOS MEMBROS. Ł AUTOFINANCIAMENTO : RECEITAS RESULTANTES DA RENUMERAÇÃO DE SERVIÇOS PRESTADOS.

30 COOPERAÇÃO Ł A OAPI COOPERA COM VARIAS ORGANIZAÇÕES E INTITUIÇÕES: Ł OMPI Ł INPI Ł OEB Ł ARIPO Ł OHMI Ł CRAT Ł INTA Ł ERSUMA Ł INPI-PT Ł OCVV Ł UPOV Ł OEPM Ł OHADA Ł ONUDI Ł FAGACE Ł OMS Ł UNESCO Ł UEMOA

31 OBJECTIVOS NO DOMÍNIO DA COOPERAÇÃO ŁMOBILIZAÇÃO DO APOIO TÉCNICO, MATERIAL E FINANCEIRO NOS SEGUINTES DOMÍNIOS: ŁPROMOÇÃO DA PROTECÇÃO DOS D.P.I. ŁFORMAÇÃO EM MATERIA DA P.I. ŁDIFUSÃO DA INFORMAÇÃO TÉCNICA E CIENTÍFICA ŁPROMOÇÃO DA INVENÇÃO E INOVAÇÃO ŁFINANCIAMENTO ŁDAS ACTIVIDADES INVENTIVAS ET ŁDAS TECNOLOGIAS EXISTENTES

32 OBRIGADO PELA VOSSA ATENÇÃO!

ECOSISTEMA DA EXPORTAÇÃO

ECOSISTEMA DA EXPORTAÇÃO ECOSISTEMA DA EXPORTAÇÃO Protecção da Propriedade Industrial a nível internacional Cuidados a ter e riscos a evitar Gonçalo Moreira Rato Quem somos? A SRS é uma sociedade de advogados

Leia mais

PATENTE: COMO PROTEGER

PATENTE: COMO PROTEGER PATENTE: COMO PROTEGER UMA INVENÇÃO Camila Raposo 08 de março de 2017 Agenda Introdução; Propriedade Industrial; de Invenção e Modelo de Utilidade; Como proteger uma invenção; como fonte de informação.

Leia mais

Ponto de Situação da Execução da Carta de Qualidade da DSE 2012

Ponto de Situação da Execução da Carta de Qualidade da DSE 2012 Ponto de Situação da Execução da Carta de Qualidade da DSE 2012 Serviços Prestados Indicadores de Qualidade dos Serviços Previsibilidade de Cumprimento Taxa de Cumprimento 2012 1 Extensão de Patente de

Leia mais

TEMA: SITUAÇÃO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL E OBJECTIVOS DO SISTEMA DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL

TEMA: SITUAÇÃO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL E OBJECTIVOS DO SISTEMA DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL GOVERNO DA GUINÉ-BISSAU SEMINÁRIO ITINERANTE SOBRE A PROPRIEDADE INDUSTRIAL NA GUINÉ-BISSAU DE 21 E 22/12/06 TEMA: SITUAÇÃO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL E OBJECTIVOS DO SISTEMA DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL ALAGOAS PROPRIEDADE INTELECTUAL

INSTITUTO FEDERAL ALAGOAS PROPRIEDADE INTELECTUAL INSTITUTO FEDERAL ALAGOAS PROPRIEDADE INTELECTUAL INSTITUTO FEDERA DE ALAGOAS. Núcleo de Inovação Tecnológica. Propriedade Intelectual. Maceió. 2014. 11 p. 03 O QUE É PROPRIEDADE INTELECTUAL A propriedade

Leia mais

OTIC. Programa de Promoção do 18:00. Empreendedorismo no Politécnico do Porto 2.ª EDIÇÃO 13 DE DEZEMBRO DE 2016 POLITÉCNICO DO PORTO

OTIC. Programa de Promoção do 18:00. Empreendedorismo no Politécnico do Porto 2.ª EDIÇÃO 13 DE DEZEMBRO DE 2016 POLITÉCNICO DO PORTO Programa de Promoção do 18:00 Empreendedorismo no Politécnico do Porto 2.ª EDIÇÃO 13 DE DEZEMBRO DE 2016 Propriedade Industrial Politécnico do Porto Rafael Pedrosa OTIC P.PORTO 2 Propriedade Intelectual

Leia mais

A Importância da Propriedade Intelectual nas atividades de pesquisa e inovação. Agência de Inovação INOVA UNICAMP

A Importância da Propriedade Intelectual nas atividades de pesquisa e inovação. Agência de Inovação INOVA UNICAMP A Importância da Propriedade Intelectual nas atividades de pesquisa e inovação Agência de Inovação INOVA UNICAMP Campinas, 2009 Reflexão inicial??? Considere a seguinte situação: Um pesquisador da Unicamp

Leia mais

A Propriedade Intelectual

A Propriedade Intelectual Maria do Rosário Dias Camelo A Propriedade Intelectual REFERE-SE ÀS CRIAÇÕES DO ESPÍRITO HUMANO CONCEBIDAS PELA IMAGINAÇÃO E PELA CAPACIDADE CRIATIVA DO HOMEM, APOIADA NO CONHECIMENTO E NOS INVESTIMENTOS

Leia mais

CICLO DE WORKSHOPS PROPRIEDADE INTELECTUAL. Realização: Apoio:

CICLO DE WORKSHOPS PROPRIEDADE INTELECTUAL. Realização: Apoio: CICLO DE WORKSHOPS Realização: Apoio: WORKSHOP # 1 (23 DE SETEMBRO) Público-alvo: Este módulo destina-se a utilizadores sem quaisquer conhecimentos de Propriedade Intelectual ou com conhecimentos básicos.

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. 62ª Sessão do Comité Executivo da União Parlamentar Africana RELATÓRIO

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. 62ª Sessão do Comité Executivo da União Parlamentar Africana RELATÓRIO REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL 62ª Sessão do Comité Executivo da União Parlamentar Africana RELATÓRIO INTRODUÇÃO Em obediência ao despacho de missão número 0164/03/GPAN/2013, exarado por Sua Excelência

Leia mais

Registo de Marcas e Patentes em Angola

Registo de Marcas e Patentes em Angola Registo de Marcas e Patentes em Angola BEYOND OUR CLIENTS EXPECTATIONS Sabia que a proteção da Propriedade Industrial é um dos ativos mais valiosos da sua empresa? Através do registo de marcas, desenhos,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL ALAGOAS DESENHO INDUSTRIAL

INSTITUTO FEDERAL ALAGOAS DESENHO INDUSTRIAL INSTITUTO FEDERAL ALAGOAS DESENHO INDUSTRIAL INSTITUTO FEDERA DE ALAGOAS. Núcleo de Inovação Tecnológica. Desenho Industrial. Maceió. 2014. 11 p. 03 O QUE É UM DESENHO INDUSTRIAL É o aspecto ornamental

Leia mais

ASSOCIAÇÃO. (Documento complementar elaborado nos termos do nº 2 do artigo 64º do Código do Notariado)

ASSOCIAÇÃO. (Documento complementar elaborado nos termos do nº 2 do artigo 64º do Código do Notariado) ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS (Documento complementar elaborado nos termos do nº 2 do artigo 64º do Código do Notariado) SOCIEDADE PORTUGUESA DE VIDA SELVAGEM CAPÍTULO PRIMEIRO Denominação, Duração, Sede e Objecto

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA PEDIDO DE INTERVENÇÃO

UNIÃO EUROPEIA PEDIDO DE INTERVENÇÃO UNIÃO EUROPEIA PEDIDO DE INTERVENÇÃO 1 EXEMPLAR DESTINADO AO SERVIÇO ADUANEIRO COMPTENTE 1 1. Requerente Para uso administrativo N.º EORI: Número de identificação fiscal: Número de registo nacional: Telefone:

Leia mais

As suas questões. sobre o Tribunal de Justiça da União Europeia

As suas questões. sobre o Tribunal de Justiça da União Europeia As suas questões sobre o Tribunal de Justiça da União Europeia PORQUÊ UM TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA UNIÃO EUROPEIA (TJUE)? Para construir a Europa, os Estados (actualmente 27) celebraram entre si Tratados

Leia mais

Propriedade Industrial: Fator de Proteção

Propriedade Industrial: Fator de Proteção Concurso de Ideias Propriedade Industrial: Fator de Proteção Sofia Vairinho GAPI Gabinete de Apoio à Promoção da Propriedade Industrial 2017 PROPRIEDADE INTELECTUAL PROPRIEDADE INDUSTRIAL INPI DIREITOS

Leia mais

LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL

LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL A VIDA ASSOCIATIVA É UM INSTRUMENTO DE EXERCÍCIO DA SOCIABILIDADE. POR MEIO DELA CONQUISTA SE NOVOS AMIGOS, EXPANDE SE CONHECIMENTOS,

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES EMPRESARIAIS E COMUNITARIAS. Edital 01/2014 DIREC/DIRGRAD

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES EMPRESARIAIS E COMUNITARIAS. Edital 01/2014 DIREC/DIRGRAD UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES EMPRESARIAIS E COMUNITARIAS Edital 01/2014 DIREC/DIRGRAD Apoio à execução de Trabalhos de Conclusão de Cursos TCC Área temática INOVAÇÃO

Leia mais

ASPECTOS RELEVANTES DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADA

ASPECTOS RELEVANTES DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADA INOVAÇÃO NA ÁREA FARMACÊUTICA ASPECTOS RELEVANTES DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADA Empresa Universidade Governo @Neide Bueno Consultora em gestão de Propriedade Intelectual neidebueno09@gmail.com

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS

PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS CAPÍTULO I GENERALIDADES ARTIGO 1º (DEFINIÇÕES ) O presente Regulamento, disciplina a concessão de apoios a prestar, pelas

Leia mais

REGIME GERAL DAS TAXAS DAS AUTARQUIAS LOCAIS. CAPÍTULO I Princípios gerais

REGIME GERAL DAS TAXAS DAS AUTARQUIAS LOCAIS. CAPÍTULO I Princípios gerais REGIME GERAL DAS TAXAS DAS AUTARQUIAS LOCAIS CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Âmbito 1 A presente lei regula as relações jurídico-tributárias geradoras da obrigação de pagamento de taxas às autarquias

Leia mais

Propriedade Intelectual no Campo

Propriedade Intelectual no Campo Propriedade Intelectual no Campo Departamento de Propriedade Intelectual e Tecnologia da Agropecuária /DEPTA/ SDC/MAPA Roberto Lorena B. Santos Grãos Produção Se o Brasil mantivesse a mesma tecnologia

Leia mais

Universidade do Minho PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE

Universidade do Minho PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE Universidade do Minho PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM ENGENHARIA ELECTRÓNICA INDUSTRIAL E COMPUTADORES 1 Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação)

Leia mais

Fundamentos de Propriedade Industrial - Direitos Tecnológicos

Fundamentos de Propriedade Industrial - Direitos Tecnológicos Dia da PI Universidade de Aveiro Fundamentos de Propriedade Industrial - Direitos Tecnológicos - Susana Armário rio Tiago Leitão Examinadores de Patentes 02.Mar.2009 INPI Instituto Nacional da Propriedade

Leia mais

Registos e Notariado. Ficha Técnica. Código do Notariado. TÍTULO I - Da organização dos serviços notariais. CAPÍTULO I - Disposições gerais

Registos e Notariado. Ficha Técnica. Código do Notariado. TÍTULO I - Da organização dos serviços notariais. CAPÍTULO I - Disposições gerais Registos e Notariado Ficha Técnica Código do Notariado TÍTULO I - Da organização dos serviços notariais CAPÍTULO I - Disposições gerais CAPÍTULO II - Competência funcional SECÇÃO I - Atribuições dos notários

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL: Uma porta para o futuro IFB. Março 2016

PROPRIEDADE INDUSTRIAL: Uma porta para o futuro IFB. Março 2016 PROPRIEDADE INDUSTRIAL: Uma porta para o futuro IFB Março 2016 É o órgão responsável pelo Sistema Brasileiro de Propriedade Industrial: Concessão e garantia de direitos; Aperfeiçoamento; Disseminação;

Leia mais

AVISO N.º 07/2013 de 22 de Abril ASSUNTO: CONSTITUIÇÃO, FUNCIONAMENTO E EXTINÇÃO DE CASAS DE CÂMBIO

AVISO N.º 07/2013 de 22 de Abril ASSUNTO: CONSTITUIÇÃO, FUNCIONAMENTO E EXTINÇÃO DE CASAS DE CÂMBIO Publicado no Diário da República, I série, nº 74, de 22 de Abril AVISO N.º 07/2013 de 22 de Abril ASSUNTO: CONSTITUIÇÃO, FUNCIONAMENTO E EXTINÇÃO DE CASAS DE CÂMBIO Havendo necessidade de adequar as regras

Leia mais

REGISTRO PROGRAMA DE COMPUTADOR

REGISTRO PROGRAMA DE COMPUTADOR REGISTRO PROGRAMA DE COMPUTADOR INTRODUÇÃO A Agência de Inovação Tecnológica da UEL (Aintec) possui entre suas atribuições, disseminar e estimular a cultura da Propriedade Intelectual. O Escritório de

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL

ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO JESUS MAIATO Director Nacional de Segurança Social do MAPTSS Benguela. 22. Maio 2014 INSTALAÇÃO DOS NOVOS DEPARTAMENTOS

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Formadora - Magda Sousa MÓDULO 1 NORMATIVOS LEGAIS OBJECTIVO Interpretar e aplicar a legislação, regulamentos

Leia mais

PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE

PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE PATENTE dúvidas e respostas O que é uma patente? Patente é um título (carta patente), concedido pelo Estado, que confere ao autor do invento a exclusividade de uso e exploração de sua invenção durante certo período

Leia mais

LISTA DE ANEXOS E PROTOCOLOS

LISTA DE ANEXOS E PROTOCOLOS LISTA DE ANEXOS E PROTOCOLOS Anexo I: Lista de produtos agrícolas e de produtos agrícolas transformados dos capítulos 25 a 97 do Sistema Harmonizado previstos nos artigos 7.º e 12.º Anexo II: Lista dos

Leia mais

Solicitação de Proteção de Cultivares

Solicitação de Proteção de Cultivares Solicitação de Proteção de Cultivares DENOMINAÇÃO Relevante para identificação e comercialização. Análise inicial : busca por sinonímia. Denominações protegidas, ou em processo de proteção em outro país,

Leia mais

A.F.P.L.P. PAINEL: Evolução da farmácia e do medicamento. 1. Situação actual 2. Vantagens do sistema 3. Fragilidades 4. Perspectivas.

A.F.P.L.P. PAINEL: Evolução da farmácia e do medicamento. 1. Situação actual 2. Vantagens do sistema 3. Fragilidades 4. Perspectivas. A.F.P.L.P. Dr. Carlos Bubacar Baldé Guiné-Bissau PAINEL: Evolução da farmácia e do medicamento 1. Situação actual 2. Vantagens do sistema 3. Fragilidades 4. Perspectivas 1 A participação comunitária no

Leia mais

Propriedade Industrial

Propriedade Industrial Propriedade Industrial Pedido de Marca Internacional disponível nos serviços online do INPI Já é possível efectuar pedidos internacionais de marca através dos serviços online deste Portal. Desta forma,

Leia mais

Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo

Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças Fernando Teixeira dos Santos - 16 de Janeiro de 2008 - Senhores

Leia mais

A fiscalização legislativa orçamental e consequências na qualidade da democracia e governação actores objectivos e percepções

A fiscalização legislativa orçamental e consequências na qualidade da democracia e governação actores objectivos e percepções A fiscalização legislativa orçamental e consequências na qualidade da democracia e governação actores objectivos e percepções Elisabete Azevedo-Harman (PhD) Especialista Parlamentar Senior/ Pro PALOP TL

Leia mais

Criação de estruturas de acolhimento dos centros de informação da rede de informação EUROPE DIRECT CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS GESTÃO DIRECTA

Criação de estruturas de acolhimento dos centros de informação da rede de informação EUROPE DIRECT CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS GESTÃO DIRECTA COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DA COMUNICAÇÃO Criação de estruturas de acolhimento dos centros de informação da rede de informação EUROPE DIRECT CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS GESTÃO DIRECTA A Comissão

Leia mais

1 P. Descarregue gratuitamente actualizações online em Fiscal Col. Legislação ( ).

1 P. Descarregue gratuitamente actualizações online em  Fiscal Col. Legislação ( ). Porquê as actualizações aos livros da COLECÇÃO LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas actualizações, a PORTO

Leia mais

AVISO Nº 03/2009 de 18 de Maio

AVISO Nº 03/2009 de 18 de Maio AVISO Nº 03/2009 de 18 de Maio Havendo necessidade de se definirem os termos e condições em que as entidades residentes e não residentes cambiais podem ser titulares de contas em moeda estrangeira e em

Leia mais

1. A CMVM O QUE É A CMVM?

1. A CMVM O QUE É A CMVM? 1.. A CMVM 1. A CMVM O QUE É A CMVM? A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários - também conhecida pelas iniciais CMVM - foi criada em Abril de 1991 com a missão de supervisionar e regular os mercados

Leia mais

O TRIPS ainda é relevante? A OMC ainda é relevante? Qual o futuro do comércio internacional dos bens incorpóreos?

O TRIPS ainda é relevante? A OMC ainda é relevante? Qual o futuro do comércio internacional dos bens incorpóreos? O TRIPS ainda é relevante? A OMC ainda é relevante? Qual o futuro do comércio internacional dos bens incorpóreos? Questões Para Debate O Projeto Piloto Patent Prosecution Highway e seu potencial conflito

Leia mais

TABELA DE RETRIBUIÇÕES DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELO INPI (valores em Reais) SERVIÇOS RELATIVOS A PATENTES Diretoria de Patentes DIRPA

TABELA DE RETRIBUIÇÕES DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELO INPI (valores em Reais) SERVIÇOS RELATIVOS A PATENTES Diretoria de Patentes DIRPA 204 TABELA DE RETRIBUIÇÕES DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELO INPI (valores em Reais) (I) Pedido e Concessão 200 202 203 Pedido nacional de invenção; Pedido nacional de modelo de utilidade; Pedido nacional de

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS PARLAMENTO EUROPEU

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS PARLAMENTO EUROPEU C 190/26 Jornal Oficial da União Europeia 30.6.2011 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS PARLAMENTO EUROPEU Convite à apresentação de propostas IX-2012/01 «Concessão de subvenções a partidos políticos

Leia mais

PARTE I Disposições gerais e institucionais

PARTE I Disposições gerais e institucionais CONVENÇÃO SOBRE A CONCESSÃO DE PATENTES EUROPEIAS (CONVENÇÃO SOBRE A PATENTE EUROPEIA) de 5 de Outubro de 1973 (Texto actualizado a Julho de 2002) ÍNDICE Preâmbulo PARTE I Disposições gerais e institucionais

Leia mais

Decreto n.º 19/88 de 26 de Agosto Convenção Relativa à Distribuição de Sinais Portadores de Programas Transmitidos por Satélite

Decreto n.º 19/88 de 26 de Agosto Convenção Relativa à Distribuição de Sinais Portadores de Programas Transmitidos por Satélite Decreto n.º 19/88 de 26 de Agosto Convenção Relativa à Distribuição de Sinais Portadores de Programas Transmitidos por Satélite Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo

Leia mais

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Angola e Moçambique Arial Bold (Orador) Alinhado esquerda 17 pt Arial (Data) Alinhado esquerda 14 pt Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Sofia Vivas 20

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO Identificação do avaliado Nome Categoria profissional actual Anos de serviço no ensino superior Anos de serviço na Unidade

Leia mais

Linha MPME Inovadora para empresas de TIC de Santa Catarina. André Medrado Florianópolis 04/08/2014

Linha MPME Inovadora para empresas de TIC de Santa Catarina. André Medrado Florianópolis 04/08/2014 Linha MPME Inovadora para empresas de TIC de Santa Catarina André Medrado Florianópolis 04/08/2014 Condições do Programa Porte: MPME s Beneficiárias Controle do Capital: Nacional ou Estrangeiro Financiamento

Leia mais

INSCRIÇÃO DE ADVOGADO INSCRITO NA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL

INSCRIÇÃO DE ADVOGADO INSCRITO NA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL INSCRIÇÃO DE ADVOGADO INSCRITO NA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL 1 - Por força do disposto no EOA, os cidadãos de nacionalidade brasileira diplomados por qualquer faculdade de Direito do Brasil ou de Portugal,

Leia mais

MINISTÉRIO DA GEOLOGIA E MINAS

MINISTÉRIO DA GEOLOGIA E MINAS MINISTÉRIO DA GEOLOGIA E MINAS Órgão da Administração central do Estado que licencia, orienta, coordena e assegura a execução da política nacional definida pelo Governo no domínio das actividades geológicas

Leia mais

CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC)

CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC) CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC) 1. Missão A RCRC tem por missão facilitar o acesso a informação estratégica, em vários suportes, aproximar e criar interfaces entre

Leia mais

Concursos 2016 ANEXO X

Concursos 2016 ANEXO X ANEXO X PROGRAMA DE APOIO AO CINEMA SUBPROGRAMA DE APOIO À PRODUÇÃO, NA MODALIDADE DE APOIO AUTOMÁTICO 1. Candidatos e beneficiários Podem candidatar-se e beneficiar de apoio os produtores independentes

Leia mais

London Landing. Para empresas e particulares a iniciar atividade no Reino Unido.

London Landing. Para empresas e particulares a iniciar atividade no Reino Unido. London Landing Para empresas e particulares a iniciar atividade no Reino Unido. A sua porta para crescer Enquanto porta para a Europa, o Reino Unido é uma base atraente para empresas estrangeiras. Se a

Leia mais

O Requisito da Informação da Origem do Recurso Genético e/ou Conhecimento Tradicional Associado

O Requisito da Informação da Origem do Recurso Genético e/ou Conhecimento Tradicional Associado O Requisito da Informação da Origem do Recurso Genético e/ou Conhecimento Tradicional Associado Edson Souza 30 de agosto de 2016 A Origem do Requisito Com a CDB, tentou-se estimular a melhor proteção dos

Leia mais

República de Moçambique PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial nº4/2000 de 17 de Março

República de Moçambique PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial nº4/2000 de 17 de Março República de Moçambique PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Decreto Presidencial nº4/2000 de 17 de Março No âmbito da reforma do sistema aduaneiro, visando disciplinar o correcto funcionamento dos orgãos do Aparelho

Leia mais

Resolução n.º 39/141, de Dezembro de 1984, da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas; CAPÍTULO I Definições e campo de aplicação

Resolução n.º 39/141, de Dezembro de 1984, da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas; CAPÍTULO I Definições e campo de aplicação Decreto n.º 12/88 Convenção sobre Assistência Mútua Administrativa entre Estados de Língua Oficial Portuguesa em Matéria de Luta contra o Tráfico Ilícito de Estupefacientes e de Substâncias Psicotrópicas

Leia mais

ONU ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS

ONU ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS 1. A Antecessora da ONU Sociedade das Nações A Sociedade das Nações era também conhecida como Liga das Nações Foi idealizada a partir dos 14 Pontos de Wilson Foi criada na

Leia mais

Regulamento de Inscrição Municipal de Associação Cultural de Sintra IMACS

Regulamento de Inscrição Municipal de Associação Cultural de Sintra IMACS Regulamento de Inscrição Municipal de Associação Cultural de Sintra IMACS ( Com a alteração constante do Parecer da Comissão Permanente de Assuntos Sociais da Assembleia Municipal de Sintra ) 23 DE NOVEMBRO

Leia mais

Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto UM COMPROMISSO NACIONAL Medida 1 Saúde e Segurança nas Instalações Desportivas

Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto UM COMPROMISSO NACIONAL Medida 1 Saúde e Segurança nas Instalações Desportivas UM COMPROMISSO NACIONAL Medida 1 Saúde e Segurança nas Instalações Desportivas A, no contexto do compromisso de responsabilidade partilhada estabelecido no Congresso do Desporto, com o movimento associativo

Leia mais

CONVENÇÃO INTERNACIONAL PARA PROTEÇÃO AOS ARTISTAS INTÉRPRETES OU EXECUTANTES, AOS PRODUTORES DE FONOGRAMAS E AOS ORGANISMOS DE RADIODIFUSÃO

CONVENÇÃO INTERNACIONAL PARA PROTEÇÃO AOS ARTISTAS INTÉRPRETES OU EXECUTANTES, AOS PRODUTORES DE FONOGRAMAS E AOS ORGANISMOS DE RADIODIFUSÃO CONVENÇÃO INTERNACIONAL PARA PROTEÇÃO AOS ARTISTAS INTÉRPRETES OU EXECUTANTES, AOS PRODUTORES DE FONOGRAMAS E AOS ORGANISMOS DE RADIODIFUSÃO Os Estados contratantes, animados do desejo de proteger os direitos

Leia mais

PASSATEMPOS Caça Palavras:

PASSATEMPOS Caça Palavras: Série 3: Propriedade Intelectual Volume 5: Topografia de Circuitos Integrados Colocar o passatempo logo no final da historinha e antes da bibliografia PASSATEMPOS Caça Palavras: Os principais componentes

Leia mais

Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente

Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente Uma avaliação dos professores justa, séria e credível, que seja realmente capaz de distinguir o mérito e de estimular e premiar o bom desempenho,

Leia mais

Saldos, promoções e liquidações

Saldos, promoções e liquidações Saldos, promoções e liquidações Os saldos, promoções, liquidações e vendas de bens com defeito permitem escoar produtos a preços mais baixos. No entanto, estas modalidades de venda têm de cumprir determinadas

Leia mais

CONTRATAÇÃO PÚBLICA. 27 de Outubro RAUL MOTA CERVEIRA

CONTRATAÇÃO PÚBLICA. 27 de Outubro RAUL MOTA CERVEIRA Auditório SIBS CONTRATAÇÃO PÚBLICA 27 de Outubro RAUL MOTA CERVEIRA PASSAPORTE PARA MOÇAMBIQUE Enquadramento Legal Regulamento da Contratação de Empreitadas de Obras Públicas, Fornecimento de Bens e Prestação

Leia mais

(Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

(Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 14.11.2003 L 296/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 1992/2003 DO CONSELHO de 27 de Outubro de 2003 que altera o Regulamento (CE) n. o 40/94 sobre a marca

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO MAIS ENERGIA PROMOVIDO PELA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FÍSICA E PELA FUNDAÇÃO GALP ENERGIA

REGULAMENTO DO CONCURSO MAIS ENERGIA PROMOVIDO PELA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FÍSICA E PELA FUNDAÇÃO GALP ENERGIA REGULAMENTO DO CONCURSO MAIS ENERGIA PROMOVIDO PELA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FÍSICA E PELA FUNDAÇÃO GALP ENERGIA 1 OBJECTIVO O concurso MAIS ENERGIA promovido pela SOCIEDADE PORTUGUESA DE FÍSICA (SPF) E

Leia mais

Título I Disposições Gerais

Título I Disposições Gerais 1 REGULAMENTO DE DESIGNAÇÃO, CONSTITUIÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS JÚRIS DOS CONCURSOS DE CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO PROMOVIDOS PELO ICA Título I Disposições Gerais Artigo 1.º Âmbito de Aplicação O presente

Leia mais

Artigo 2.º - Compensação devida pela reprodução ou gravação de

Artigo 2.º - Compensação devida pela reprodução ou gravação de Lei n.º 62/98, de 1 de Setembro Regula o disposto no artigo 82.º do Código do Direito de Autor e dos Direitos Conexos (Primeira Alteração introduzida pela Lei nº 50/2004 de 24 de Agosto) Artigo 1.º - Objecto...

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL. Introdução

REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL. Introdução REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL Introdução A Lei nº 159/99, de 14 de Setembro e a Lei nº 169/99, de 18 de Setembro, com a nova redacção conferida pela Lei nº 5-A/2002 de 11 de Janeiro,

Leia mais

Relações de Cooperação de Portugal com os países da CPLP em matéria de protecção civil. Cooperação a nível bilateral

Relações de Cooperação de Portugal com os países da CPLP em matéria de protecção civil. Cooperação a nível bilateral Relações de Cooperação de Portugal com os países da CPLP em matéria de protecção civil A cooperação em matéria de protecção civil no quadro da CPLP tem vindo a ser desenvolvida a 2 níveis: no plano bilateral,

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Ana Pinelas Pinto 17 e 18 de Fevereiro 2011 17 e 18 de Fevereiro 2011 Imposto Predial Urbano Sisa Imposto de Consumo Imposto do Selo Imposto Predial Urbano Incidência objectiva Rendimentos

Leia mais

It is better to fail in originality than to succeed in imitation. Herman Melville (1819-1891)

It is better to fail in originality than to succeed in imitation. Herman Melville (1819-1891) It is better to fail in originality than to succeed in imitation. Herman Melville (1819-1891) Imaginação Imagine uma equipa de especialistas que partilha a sua paixão por aquilo que faz, que compreende

Leia mais

A PORTWAY, HANDLING DE PORTUGAL, S.A. e a RECOMENDAÇÂO N.º 1/2009 DO CONSELHO PARA A PREVENÇÃO DA CORRUPÇÃO

A PORTWAY, HANDLING DE PORTUGAL, S.A. e a RECOMENDAÇÂO N.º 1/2009 DO CONSELHO PARA A PREVENÇÃO DA CORRUPÇÃO A PORTWAY, HANDLING DE PORTUGAL, S.A. e a RECOMENDAÇÂO N.º 1/2009 DO CONSELHO PARA A PREVENÇÃO DA CORRUPÇÃO INTRODUÇÃO A Lei n.º 54/2008, de 4 de Setembro, procedeu à criação do Conselho de Prevenção da

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL ALAGOAS INDICAÇÃO GEOGRAFICA

INSTITUTO FEDERAL ALAGOAS INDICAÇÃO GEOGRAFICA INSTITUTO FEDERAL ALAGOAS INDICAÇÃO GEOGRAFICA INSTITUTO FEDERA DE ALAGOAS. Núcleo de Inovação Tecnológica. Indicação Geografica. Maceió. 2014. 11 p. 03 O QUE É INDICAÇÃO GEOGRÁFICA Indicação Geográfica

Leia mais

Inovação e Propriedade Intelectual no mercado de biotecnologia

Inovação e Propriedade Intelectual no mercado de biotecnologia Inovação e Propriedade Intelectual no mercado de biotecnologia Ana Claudia Dias de Oliveira Gerente de PI e Biodiversidade (ABIFINA) Consultora de Inovação e Propriedade Intelectual O profissional de biotecnologia

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. Fevereiro 2012 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO EDP Energias de Portugal, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito)

Leia mais

REGULAMENTO ASSISTÊNCIA MÉDICA DO SINDICATO DOS FUNCIONÁRIOS JUDICIAIS

REGULAMENTO ASSISTÊNCIA MÉDICA DO SINDICATO DOS FUNCIONÁRIOS JUDICIAIS REGULAMENTO DA ASSISTÊNCIA MÉDICA DO SINDICATO DOS FUNCIONÁRIOS JUDICIAIS I ASSISTÊNCIA MÉDICA DO SFJ Missão: Facultar aos seus beneficiários o acesso, em condições vantajosas, a um conjunto de serviços

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL Síntese do Workshop Nacional sobre o Projecto de Centros de Excelência do Ensino Superior para África

Leia mais

Inovação, Propriedade Intelectual & Informações Tecnológicas O que todo mundo deveria saber

Inovação, Propriedade Intelectual & Informações Tecnológicas O que todo mundo deveria saber Inovação, Propriedade Intelectual & Informações Tecnológicas O que todo mundo deveria saber Henry Suzuki Axonal Consultoria Tecnológica Evento: Biodiversidade e Empreendedorismo FAPESP - São Paulo, SP

Leia mais

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1º Constituição e denominação É constituída uma associação civil sem fins lucrativos denominada Academia

Leia mais

Apresentador: Jorge Correia

Apresentador: Jorge Correia SÃO TOME E PRINCIPE CENTRO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA OS PAÍSES DA SUB-REGIÃO AFRICANA E DA CPLP Apresentador: Jorge Correia Presidente da Câmara de Comércio, Indústria, Agricultura e Serviços de São

Leia mais

El Salvador Atualizado em:

El Salvador Atualizado em: SEGURANÇA SOCIAL El Salvador Atualizado em: 12-11-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Pessoas que estejam ou tenham estado sujeitas à legislação de Portugal ou de El Salvador, referida no separador

Leia mais

ARTIGO 1. O artigo 4 do decreto n 23/01, de 12 de Abril passa a ter a seguinte redacção: Artigo 4. (Direcção dos Serviços de Auditoria e Fiscalização)

ARTIGO 1. O artigo 4 do decreto n 23/01, de 12 de Abril passa a ter a seguinte redacção: Artigo 4. (Direcção dos Serviços de Auditoria e Fiscalização) ARTIGO 1 O artigo 4 do decreto n 23/01, de 12 de Abril passa a ter a seguinte redacção: Artigo 4 (Direcção dos Serviços de Auditoria e Fiscalização) 1. A direcção dos serviços de Auditoria e Fiscalização

Leia mais

Excelência Eduardo dos Santos, Presidente da República de Angola e Presidente em exercício da Comissão do Golfo da Guiné,

Excelência Eduardo dos Santos, Presidente da República de Angola e Presidente em exercício da Comissão do Golfo da Guiné, DISCURSO PROFERIDO POR SUA EXCELÊNCIA, O PRESIDENTE TEODORO OBIANG NGUEMA MBASOGO, DA REPÚBLICA DA GUINÉ EQUATORIAL, NA ABERTURA DA III CIMEIRA ORDINÁRIA DE CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMISSÃO DO

Leia mais

Propriedade Industrial em Portugal

Propriedade Industrial em Portugal Propriedade Industrial em Portugal PORTUGAL Saiba onde e como proteger as suas criações... Organismo Nacional Como proteger as Invenções Como proteger o Design Como registar Marcas Outros Registos Produtos

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

PATENTES - CURSO BÁSICO

PATENTES - CURSO BÁSICO PATENTES - CURSO BÁSICO Maria Fernanda Paresqui Corrêa 1 Juliana Manasfi Figueiredo 2 Pesquisadoras em Propriedade Industrial 1 DIALP - Divisão de Alimentos, Plantas e Correlatos 2 DIMOL - Divisão de Biologia

Leia mais

A Regulamentação do Mercado de Valores Mobiliários Uma Perspectiva Geral (Parte III)

A Regulamentação do Mercado de Valores Mobiliários Uma Perspectiva Geral (Parte III) A Bolsa de Valores Na parte final do artigo anterior caracterizámos o mercado secundário de valores e, neste âmbito, apresentámos a definição basilar da bolsa de valores, como uma entidade que tem por

Leia mais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Escola Básica 2/3 Martim de Freitas. Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Escola Básica 2/3 Martim de Freitas. Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Escola Básica 2/3 Martim de Freitas Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais 2009/2013 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS REGIMENTO

Leia mais

Módulo 10: Proteção de novas variedades de plantas

Módulo 10: Proteção de novas variedades de plantas Nota: Este módulo requer cerca de 2 horas de estudo. Módulo 10: Proteção de novas variedades de plantas Objetivos Ao final deste módulo você será capaz de: 1. Explicar o papel da União Internacional para

Leia mais

Convite para apresentação de proposta ao abrigo do Acordo Quadro ANCP

Convite para apresentação de proposta ao abrigo do Acordo Quadro ANCP «Empresa» «Morada1» «Cod_Postal» «Localidade» Nossa referência Assunto: Convite para apresentação de proposta ao abrigo do Acordo Quadro ANCP Aquisição de serviços de dados acesso à internet e conectividade

Leia mais

FREGUESIA DE QUIAIOS NIPC 510 833 535

FREGUESIA DE QUIAIOS NIPC 510 833 535 PROGRAMA DE HASTA PÚBLICA Para atribuição do direito de ocupação efetiva de natureza precária da loja n.º 4 no Mercado de Quiaios Artigo 1.º Identificação A loja objeto de hasta pública localiza-se no

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia

Jornal Oficial da União Europeia 16.1.2004 L 10/5 REGULAMENTO (CE) N. o 65/2004 DA COMISSÃO de 14 de Janeiro de 2004 que estabelece um sistema para criação e atribuição de identificadores únicos aos organismos geneticamente modificados

Leia mais

Decreto-Lei n.º 188/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 188/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 188/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BCN CAPÍTULO I. Princípios Gerais

REGULAMENTO INTERNO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BCN CAPÍTULO I. Princípios Gerais REGULAMENTO INTERNO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BCN CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1.º Funções 1. O Provedor do Cliente do BCN tem por função principal a defesa e promoção dos direitos, garantias e

Leia mais

Decreto-Lei n.º 38/92 de 28 de Março. Regula a actividade de transporte de doentes

Decreto-Lei n.º 38/92 de 28 de Março. Regula a actividade de transporte de doentes Decreto-Lei n.º 38/92 de 28 de Março Regula a actividade de transporte de doentes A actividade de transporte de doentes não está no nosso país devidamente regulamentada, do que resultam graves inconvenientes

Leia mais

Diploma legal. Convindo regulamentar tais procedimentos; 1 / 7

Diploma legal. Convindo regulamentar tais procedimentos; 1 / 7 O Decreto n.º 13/10, de 10 de Fevereiro faz a regulamentação ao Decreto-Lei n.º 17/09, de 26 de Junho (que regula a Formação do Pessoal Angolano no Sector Petrolífero) nomeadamente do recrutamento, integração,

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL

PROPRIEDADE INDUSTRIAL DIA DA PI Teresa Montez PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRINCIPAIS ERROS DO INVENTOR Examinadora de Patentes ESALD-IPCB 18.05.2016 AGENDA Divulgar a invenção antes de fazer o pedido Comercializar a invenção antes

Leia mais