ANÁLISE DE ADEQUAÇÃO DA ROTULAGEM DE PRODUTOS DE PANIFICAÇÃO EM RELAÇÃO A DESCRIÇÃO SOBRE ALERGÊNICOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE ADEQUAÇÃO DA ROTULAGEM DE PRODUTOS DE PANIFICAÇÃO EM RELAÇÃO A DESCRIÇÃO SOBRE ALERGÊNICOS"

Transcrição

1 CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: ANÁLISE DE ADEQUAÇÃO DA ROTULAGEM DE PRODUTOS DE PANIFICAÇÃO EM RELAÇÃO A DESCRIÇÃO SOBRE ALERGÊNICOS RESUMO Érika Paula Farias da Silva, Suzany Alves Lima, Aleine Araújo Barros, Jéfferson Malveira Cavalcante. NEPEGAN Núcleo de Estudo e Pesquisa em Gastronomia e Nutrição FAMETRO Faculdade Metropolitana da Grande Fortaleza Sessão Temática: Políticas Públicas e Direitos Sociais Alergias alimentares são reações adversas desencadeadas por uma resposta imunológica específica em indivíduos sensíveis após o consumo de determinado alimento. Devendo o indivíduo alérgico restringir os alimentosfonte, evitando assim os sintomas. Com a adesão dos brasileiros à produtos industrializados, prontos para o consumo a rotulagem torna-se importante ferramenta na triagem de alimentos que podem ser consumidos. Buscando atender à demanda de indivíduos alérgicos, a ANVISA publicou a RDC 26/2015, que traz a exigência da informação sobre ingredientes alergênicos nos rótulos visível e destacada. O objetivo deste trabalho foi verificar a adesão à resolução vigente, em relação à descrição de alérgenos nos rótulos de produtos alimentícios, por parte das empresas de produtos de panificação, especificamente pães, biscoitos e bolos. Foram visitados 07 supermercados da cidade de Fortaleza e utilizada a ferramenta check-list. Dos 195 produtos analisados, 61% apresentaram-se em desacordo com a nova legislação e 39% estão cumprindo a RDC. Palavras-chave: Alergia alimentar. Leite. Rótulos. Trigo. INTRODUÇÃO Quando se ingere algum alimento e ocorre algum tipo de reação inesperada, acredita-se que seja o organismo promovendo uma reação adversa ao alimento, ocorre uma alergia alimentar (SAMPSON, 2004; SOLÉ, 2007). Nestes casos ao haver o contato do trato gastrointestinal com algum tipo

2 de alérgeno, os indivíduos se tornam suscetíveis aos sintomas sistêmicos ocasionados pela hipersensibilidade alimentar (FERNÁNDEZ-RIVAS, 2003). Os principais alimentos considerados potentes alérgenos o leite de vaca, o amendoim, o ovo, o trigo, o milho, a soja, os frutos do mar e as nozes (LOPES et al., 2006). É importante que se identifique e conheça o alérgeno causador da hipersensibilidade alimentar, para que, assim, se faça a sua exclusão total da dieta (IBOCK & ATKINS, 1990; MOFIDI, 2003). Sendo esse o método mais eficaz no tratamento da alergia alimentar, a orientação é de não consumir o alimento causador, nem seus derivados e nem preparações que o contenha, mesmo que em pouca quantidade (CHAPMAN, 2006; AAP, 2000; KAPOOR et al., 2004). Alimentos industrializados com rótulos confusos causam diminuição na qualidade de vida de indivíduos alérgicos, levando a população ao erro sobre a qualidade do mesmo (TAYLOR & HEFLE, 2006). Portanto, deve ser feita uma leitura precisa nos rótulos antes do consumo do alimento, averiguando todos os ingredientes e observações contidas na embalagem, sendo essa a maior dificuldade dos indivíduos, pois, na maioria das vezes, acabam violando de uma forma não intencional sua dieta de exclusão ao alérgeno (ZEIGER et al., 1999). Segundo a Pesquisa de Orçamento Familiar POF, realizada pelo IBGE, , o consumo de pães, bolos e biscoitos representam em média 25% dieta total do brasileiro, tendo assim esses produtos grande importância na alimentação no Brasil. A legislação que aborda rotulagem alimentar no Brasil teve início em 1978 a Resolução Normativa nº 12/78, da Câmara Técnica de Alimentos (CTA) e desde então a rotulagem tornou-se um grande aliado da população (FERREIRA & LANFER-MARQUEZ, 2007). Após mobilização da população por meio da sociedade civil organizada, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA publicou a Resolução nº 26 de 2015, que fala sobre a obrigatoriedade de trazer no rótulo os principais alimentos alérgenos, listados pela agência, que fossem presentes no produtos ou que pudessem conter em forma de traços devido à contaminação cruzada, por uso da mesma linha de produção para produtos diversos, sendo o prazo de

3 adaptação até 03 de Julho de 2016, isentando ainda produtos fabricados até essa data (ANVISA, 2015). Ferreira e Lanfer-Marquez (2007) apontam a morosidade para que algumas empresas passem a cumprir a legislação, funcionando a ANVISA e suas ramificações como órgão fiscalizador da adesão à legislação alimentar. Este artigo tem por objetivo verificar a adesão das empresas à resolução vigente da ANVISA que exige a informação de produtos alergênicos de forma facilmente visível e destacada. DESENVOLVIMENTO / PERCURSO METODOLÓGICO Para revisão bibliográfica foi realizado levantamento bibliográfico nas bibliotecas virtuais SCIELO, LILACs e PUBMed, além do site da Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA. Para verificação da adequação dos produtos à nova legislação vigente de rotulagem alimentar, foi elaborado check-list com as seguintes variáveis associadas às orientações contidas na RDC 26/2015: Produto; Marca; Informação sobre presença de ingredientes alérgicos; Informação de fácil visualização e destacada?; Lista de ingredientes condizente com os alergênicos informados?; Data de Fabricação; e Observações. Foram visitados 07 supermercados e inspecionadas 86 produtos de 19 marcas de biscoitos, 62 produtos de 11 marcas de pães e 47 exemplares de 11 marcas de bolos diferentes, resultando em 195 produtos avaliados no período de 01 a 08 de setembro de A quantidade de amostras foi realizada de acordo com as marcas e tipos de produtos disponíveis no supermercado. Foi utilizado para exclusão das amostras os critérios previstos em legislação de não obrigatoriedade para: Alimentos embalados que sejam preparados ou fracionados em serviços de alimentação e comercializados no próprio estabelecimento; Alimentos embalados nos pontos de venda a pedido do consumidor; Alimentos comercializados sem embalagens; Alimentos que tenham sido fabricados até o dia 03 de julho de Devido à falta de informações sobre a fabricação dos produtos, foi utilizada a vida de prateleira média de 60 dias atribuída aos produtos de panificação: bolos e biscoitos (ZUNIGA et al., 2011). Após aplicação dos critérios de exclusão, as amostras resultantes

4 foram: 85 biscoitos; 47 bolos e lanchinhos e 62 pães. Após a coleta das informações os dados foram tabulados utilizando o programa Microsoft Excel (versão 2013) para geração de gráficos e análise dos resultados. No tratamento de dados as marcas foram enumeradas para que não haja exposição das mesmas. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS Após aplicação dos critérios de exclusão foi verificado que dos 195 produtos analisados 39% atendem à legislação e 61% não atende, conforme podemos verificar no gráfico abaixo (FIGURA 1). Figura 1. Adequação da rotulagem RDC 26/2015 ANVISA Figura 2. Produtos de panificação. Dentre os grupos de alimentos analisados, o biscoito foi o que

5 apresentou menor atendimento à legislação, representando 59% dos rótulos analisados em não atendimento a legislação vigente (FIGURA 2). Fato este preocupante, pois os principais consumidores, as crianças e adolescentes, em geral, não costumam lê rótulos de produtos alimentícios (OLIVEIRA, 2013). Os produtos com visualização ruim de ingredientes, principalmente alergênicos, ou que causem confusão no consumidor ao exibir a informação de ingredientes alergênicos, mesmo que em traços, em um produto e inibir a mesma informação em outro produto do mesmo tipo, podem causar sérios prejuízos ao consumidor desde alterações: na pele (urticária, inchaço, coceira, eczema); no sistema gastrointestinal (diarreia, dor abdominal, vômitos); no sistema respiratório (tosse, rouquidão e chiado no peito) à alterações mais graves, que podem acometer vários órgãos simultaneamente (choque anafilático). CONSIDERAÇÕES FINAIS A não necessidade legal das informações de ingredientes, alérgicos ou não, para produtos de fabricação própria prevê que as informações podem ser dadas por funcionários do local, no entanto na análise feita mostrou que os funcionários não foram treinados para prestar as informações necessárias aos clientes, precisando de uma fiscalização maior dos órgãos fiscalizadores, ou até mesmo uma alteração na legislação. A falta da informação da data de fabricação, permitido por lei, trouxe um fator preocupante para análise da adesão da indústria à legislação, no entanto o uso da validade e de uma média de tempo de prateleira mostrou-se eficaz para estipulação dessa data. Dentre os produtos analisados, alguns continham no seu rótulo o dizer pode conter traços de, o que pode levar dúvida ao o consumidor, principalmente os alérgicos, sobre o seu consumo. Sendo os traços devido principalmente o uso de uma mesma linha de produção para produtos diferentes, podendo deixar vestígios de ingredientes de um produto em outro que não possua o mesmo ingrediente. No entanto, mesmo em forma de traços, dependendo do grau de sensibilidade o indivíduo alérgico, o consumo pode causar reações, sendo obrigatória, segundo RDC Nº 26/2015, a apresentação

6 das informações pode conter traços de ou contém traços de nos rótulos de alimentos que entrem em contato com algum tipo de ingrediente considerado alergênico. O estudo apontou que as empresas do ramo de panificação, considerando pães, bolos e biscoitos, ainda não estão adequadas à nova legislação, mostrando a necessidade de maior fiscalização para garantia do direito e saúde dos consumidores. REFERÊNCIAS AAP - AMERICAN ACADEMY OF PEDIATRICS. Committee on Nutrition. Hypoallergenic infant formulas. Pediatrics, v. 106, p , BRASIL. Resolução RDC n.26 de 2 de julho de Disponível em: < Acesso em: 05 set Decreto-lei n.986 de 21 de outubro de Dispõe sobre normas básicas sobre alimentos dos Ministérios da Marinha da Guerra, do Exército e da Aeronáutica Militar. Diário Oficial da União. 1969, 21 out; Seção 1.. Resolução Normativa n.12/78, de 12 de janeiro de Câmara Técnica de Alimentos do Conselho Nacional de Saúde. Rotulagem. Diário Oficial da União jan; Parte I, 2 jan; Seção 1. CHAPMAN, J. A.; BERNSTEIN, I. L.; LEE, R. E. Food Allergy: a practice parameter. Ann Allergy Asthma Immunol, v. 96, p. 1-68, FERNÁNDEZ-RIVAS, M. Alergia a alimentos: patrones de respuesta clínica a los alergenos alimentarios. Alergologia e Inmunologia Clinica, v. 18, p , FERREIRA, A. B.; LANFER-MARQUEZ, U. M. Legislação brasileira referente à rotulagem nutricional de alimentos. Rev. Nutr., v. 20, p.83-93, IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICAS. Pesquisa de Orçamentos Familiares Brasil. Disponível em: < Acesso em: 13 set

7 IBOCK, S. A.; ATKINS, F. M. Patterns of food hipersensivity during sixteen years of double-blind placebo-controlled oral food challenges. J Pediatr, v. 117, p , KAPOOR, G; ROBERTS, Y; BYNOE, M.; GAUGHAN, M.; HABIBI, P.; LACK, G. Influence of a multidisciplinary pediatric allergy clinic on parental knowledge and rate of subsequent allergic reactions. Allergy, v. 59, p , LOPES, C.; RAVASQUEIRA, A.; SILVA, I.; CAIADO, J.; DUARTE, F.; DIDENKO, I.; SALGADO, M.; SILVA, S. P.; FERRÃO, A.; PITÉ, H.; PATRÍCIO, L.; BORREGO, L. M. Allergy School Hannover 2006: Allergy, from diagnosis to treatment. Rev Portuguesa de Imunoalergologia, v. 14, p , SAMPSON, H. A. Update on food allergy. J Allergy Clin Immunol, v. 113, p , OLIVEIRA, T. P. D. Bebidas artificiais não alcoólicas: adolescentes leem e compreendem seus rótulos?. Revista Urutágua, n. 29, p , SOLÉ, D.; SILVA, L. R.; ROSÁRIO, N. A. F.; SARNI, R. Consenso Brasileiro TAYLOR, S. L.; HEFLE, S. L. Food allergen labeling in the USA and Europe. Curr Opin Allergy Clin Immunol. v. 6, p , ZEIGER, R. S.; SAMPSON, H. A.; BOCK, S. A.; BURKS JR., A. W.; HARDEN, K.; NOONE, S.; MARTIN, D.; LEUNG, S.; WILSON, G. Soy allergy in infants and children with IgE-associated cow s milk allergy. J Pediatr, v. 134, p , ZUNIGA, A. D. G.; COELHO, A. F. S.; FERREIRA, E. M. S.; RESENDE, E. A.; ALMEIDA, K. N. Avaliação da vida de prateleira de biscoito de castanha de caju tipo integral. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, v. 13, p , 2011.

CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN:

CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 ROTULAGEM DE ALIMENTOS A BASE DE SOJA QUE CAUSAM ALERGIAS ALIMENTARES Stephane Karen de Sousa Saboya, Bruna Alves

Leia mais

XII SEMANA ACADÊMICA CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE ISSN: AVALIAÇÃO DA DESCRIÇÃO DE ALERGÊNICOS EM PRODUTOS LÁCTEOS

XII SEMANA ACADÊMICA CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE ISSN: AVALIAÇÃO DA DESCRIÇÃO DE ALERGÊNICOS EM PRODUTOS LÁCTEOS CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 AVALIAÇÃO DA DESCRIÇÃO DE ALERGÊNICOS EM PRODUTOS LÁCTEOS Aline Bezerra Moura, Carlos Humberto da Silva Araujo,

Leia mais

RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015

RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015 RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre os requisitos para rotulagem obrigatória dos principais alimentos que causam alergias alimentares. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

Rotulagem de alérgenos: uma questão de direito. Maria Cecília Cury Chaddad. Doutora em Direito Constitucional pela PUC/SP

Rotulagem de alérgenos: uma questão de direito. Maria Cecília Cury Chaddad. Doutora em Direito Constitucional pela PUC/SP Rotulagem de alérgenos: uma questão de direito Maria Cecília Cury Chaddad Doutora em Direito Constitucional pela PUC/SP Agenda O que veremos hoje 1. Considerações sobre a alergia alimentar 2. Diagnóstico

Leia mais

ALERGÊNICOS Novas regras para rotulagem de alergênicos passam a vigorar no país a partir de 03/07/2016

ALERGÊNICOS Novas regras para rotulagem de alergênicos passam a vigorar no país a partir de 03/07/2016 ALERGÊNICOS Novas regras para rotulagem de alergênicos passam a vigorar no país a partir de 03/07/2016 ATENÇÃO: Durante a fase de transição, você poderá encontrar rótulos ainda sem a frase de alergênicos

Leia mais

COMO LER RÓTULOS? DICAS E ORIENTAÇÕES SOBRE QUAIS CUIDADOS TOMAR COM ALIMENTOS E OUTROS PRODUTOS

COMO LER RÓTULOS? DICAS E ORIENTAÇÕES SOBRE QUAIS CUIDADOS TOMAR COM ALIMENTOS E OUTROS PRODUTOS COMO LER RÓTULOS? DICAS E ORIENTAÇÕES SOBRE QUAIS CUIDADOS TOMAR COM ALIMENTOS E OUTROS PRODUTOS LIANA MACEDO ALMEIDA Nutricionista CRN7-1770 Mestre em Ciências da Saúde 1. Aprendendo a ler rótulos. 2.

Leia mais

A Dieta do Paleolítico Alergias Alimentares vs. Intolerâncias Alimentares

A Dieta do Paleolítico Alergias Alimentares vs. Intolerâncias Alimentares Artigo de Opinião N.º 5 10 de julho de 2017 Rubrica Nutricional A Dieta do Paleolítico Alergias Alimentares vs. Intolerâncias Alimentares O que é uma alergia alimentar? A alergia alimentar é uma reação

Leia mais

Alergia. Risco de desenvolvimento de alergia em pacientes com parentes com antecedentes alérgicos. Nenhum membro da família com alergia 5 a 15 %

Alergia. Risco de desenvolvimento de alergia em pacientes com parentes com antecedentes alérgicos. Nenhum membro da família com alergia 5 a 15 % Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Alergia Doenças alérgicas representam um problema de saúde pública, atingindo mais de 20% da população.

Leia mais

Carta Aberta. Estimada professora do meu filho:

Carta Aberta. Estimada professora do meu filho: Carta Aberta Estimada professora do meu filho: Eu não sou paranóica! Juro que não sou Realmente, eu gostava, quando ele tem manchas na pele, tem tosse ou borbulhas, de pensar que é apenas e apenas isso.

Leia mais

Rotulagem de Alimentos Alergênicos. Regulamentação e informação ao consumidor

Rotulagem de Alimentos Alergênicos. Regulamentação e informação ao consumidor Rotulagem de Alimentos Alergênicos Regulamentação e informação ao consumidor O que são alergias alimentares Alergias alimentares são reações adversas desencadeadas por uma resposta imunológica específica

Leia mais

Estratégias para Redução do Sódio em Alimentos

Estratégias para Redução do Sódio em Alimentos Estratégias para Redução do Sódio em Alimentos Elisabete Gonçalves Dutra Gerência Geral de Alimentos ROTULAGEM NUTRICIONAL DE ALIMENTOS PROCESSADOS As informações de declaração obrigatória são: valor energético,

Leia mais

Informe Técnico n. 65, de 23 de fevereiro de Assunto: Esclarecimentos sobre o uso de enzimas em alimentos e bebidas.

Informe Técnico n. 65, de 23 de fevereiro de Assunto: Esclarecimentos sobre o uso de enzimas em alimentos e bebidas. Informe Técnico n. 65, de 23 de fevereiro de 2015. Assunto: Esclarecimentos sobre o uso de enzimas em alimentos e bebidas. I. Introdução. Recentemente, a ANVISA publicou a Resolução de Diretoria Colegiada

Leia mais

Especificação Técnica Fecomix 425 Integral Farinha de Milho Inteiro

Especificação Técnica Fecomix 425 Integral Farinha de Milho Inteiro 1.Objetivo Fixar as condições de aceitação o Fecomix 425 Integral e suas principais características físico-químicas, microbiológica, sensoriais, microscópica e macroscópica, granulometria, bem como outras

Leia mais

PARECER Nº, DE Relator: Senador DALIRIO BEBER I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE Relator: Senador DALIRIO BEBER I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2016 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, sobre o Substitutivo da Câmara dos Deputados nº 1, de 2016, ao Projeto de Lei do Senado nº 260, de 2013, que acrescenta art. 19-A ao Decreto-Lei nº

Leia mais

Especificação Técnica Sabmix Sabugo Moído

Especificação Técnica Sabmix Sabugo Moído 26/10/26 1.Objetivo Fixar as condições de aceitação o Sabmix e suas principais características físico-químicas, microbiológica, sensoriais, microscópica e macroscópica, granulometria, bem como outras propriedades

Leia mais

atos relacionados: Lei nº 6437, de 20 de agosto de 1977 revoga: Resolução RDC nº 15, de 21 de fevereiro de 2000

atos relacionados: Lei nº 6437, de 20 de agosto de 1977 revoga: Resolução RDC nº 15, de 21 de fevereiro de 2000 título: Resolução RDC nº 344, de 13 de dezembro de 2002 ementa não oficial: Aprova o Regulamento Técnico para a Fortificação das Farinhas de Trigo e das Farinhas de Milho com Ferro e Ácido Fólico, constante

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº 1, DE 1º DE ABRIL DE 2004

INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº 1, DE 1º DE ABRIL DE 2004 Título: Instrução Normativa nº 1, de 01 de abril de 2004 Ementa não oficial: Ficam definido os procedimentos complementares para aplicação do Decreto n o 4.680, de 24 de abril de 2003, que dispõe sobre

Leia mais

ROTULAGEM DE ALIMENTOS ALERGÊNICOS. Resolução RDC n. 26/2015

ROTULAGEM DE ALIMENTOS ALERGÊNICOS. Resolução RDC n. 26/2015 ROTULAGEM DE ALIMENTOS ALERGÊNICOS Resolução RDC n. 26/2015 Alergia alimentar x informação Como não existe cura, a principal forma de prevenção dos efeitos adversos é evitar o consumo dos alergênicos.

Leia mais

Não existe uma única resposta!!

Não existe uma única resposta!! Glauce Hiromi Yonamine Nutricionista Supervisora do ambulatório ICr-HCFMUSP Nutricionista das Unidades de Alergia e Imunologia e Gastroenterologia ICr-HCFMUSP Mestre em Ciências pelo Departamento de Pediatria

Leia mais

DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL

DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL 1 de 5 O trato gastrintestinal (TGI) tem a função principal de absorver os nutrientes necessários ao organismo e eliminar os dejetos. O TGI é também uma parte fundamental

Leia mais

2. PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA 2.1. Se houver contato significativo com o olho lavar com água corrente por 15 minutos e/ou procurar atendimento médico.

2. PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA 2.1. Se houver contato significativo com o olho lavar com água corrente por 15 minutos e/ou procurar atendimento médico. Regulatório Página 1 de 5 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Nome Fantasia: Fazenda da Toca. 1.2. Aparência: Avermelhada. 1.3. Aplicação: Pronto para consumo. 1.4. Certificações: Orgânica. 2. PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA

Leia mais

Padaria - elaboração de massas de pães salgados e doces, pães congelados atendendo à legislação vigente DANIELE LEAL

Padaria - elaboração de massas de pães salgados e doces, pães congelados atendendo à legislação vigente DANIELE LEAL Padaria - elaboração de massas de pães salgados e doces, pães congelados atendendo à legislação vigente DANIELE LEAL Nutricionista. Mestre em ciência dos alimentos e especialista em qualidade. Consultora

Leia mais

Provas. Diagnóstico. em Alergia

Provas. Diagnóstico. em Alergia Provas Diagnósticas em Alergia Autor: Dr. Fabiano Brito Médico Reumatologista Assessoria Científica As doenças alérgicas se manifestam como um espectro de sintomas que podem envolver respostas respiratórias

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO DA CIDADE DE DOURADOS-MS

BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO DA CIDADE DE DOURADOS-MS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO DA CIDADE DE DOURADOS-MS Mônica Barreto de Lima 1 ; Thaise Maria Tobal 2 UFGD/FCS Dourados MS, E-mail: monika.barreto@hotmail.com 1 Bolsista

Leia mais

FLUISOLVAN. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope Adulto 6mg/mL Infantil 3mg/mL

FLUISOLVAN. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope Adulto 6mg/mL Infantil 3mg/mL FLUISOLVAN Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope Adulto 6mg/mL Infantil 3mg/mL 3. QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO? Você não deve usar Fluisolvan se tiver alergia ao ambroxol (substância ativa)

Leia mais

I SIMPO SIO DE ROTULAGEM ALIMENTOS. Mesa Redonda Segurança de alimentos e rotulagem

I SIMPO SIO DE ROTULAGEM ALIMENTOS. Mesa Redonda Segurança de alimentos e rotulagem I SIMPO SIO DE ROTULAGEM ALIMENTOS Mesa Redonda Segurança de alimentos e rotulagem APOIO SISTEMAS DE GESTÃO INTEGRADOS AGREGANDO VALOR DA CADEIA DE ALIMENTOS À CADEIA DE ALIMENTOS AGRADECIMENTOS CRQ IV

Leia mais

Alergia alimentar na infância Allergy food in childhood ELAINE COSTA¹ ELIZABETE CRISTINA VARRENGEA² PRISCILA ALINE DE NARDO¹

Alergia alimentar na infância Allergy food in childhood ELAINE COSTA¹ ELIZABETE CRISTINA VARRENGEA² PRISCILA ALINE DE NARDO¹ ARTIGO ORIGINAL Alergia alimentar na infância Allergy food in childhood ELAINE COSTA¹ ELIZABETE CRISTINA VARRENGEA² PRISCILA ALINE DE NARDO¹ RESUMO: A alergia alimentar (AA) pode ser definida como uma

Leia mais

Avaliação da conformidade em rotulagens de queijos de coalho comercializados em estabelecimento varejista no mercado de Maceió-AL

Avaliação da conformidade em rotulagens de queijos de coalho comercializados em estabelecimento varejista no mercado de Maceió-AL Avaliação da conformidade em rotulagens de queijos de coalho comercializados em estabelecimento varejista no mercado de Maceió-AL Josicleide do Nascimento Oliveira Silvino 1, Maria Aparecida de Melo Alves

Leia mais

Industria Legal e Segurança Alimentar. DIVISA Diretoria de Vigilância Sanitária e Ambiental do Estado da Bahia

Industria Legal e Segurança Alimentar. DIVISA Diretoria de Vigilância Sanitária e Ambiental do Estado da Bahia Industria Legal e Segurança Alimentar DIVISA Diretoria de Vigilância Sanitária e Ambiental do Estado da Bahia Vigilância Sanitária Objetivo: prevenção e controle de RISCOS à saúde da população e proteção

Leia mais

Amor sem medida CORREIO POPULAR

Amor sem medida CORREIO POPULAR _ESPAÇO GOURMET: rondelle com ricota e nozes é um convite e tanto a, com a inspiração das mammas, reunir a família e praticar os dotes culinários _MOTORPREMIUM: segundo modelo produzido na fábrica da Land

Leia mais

Secretaria de Estado da Educação do Paraná Superintendência de Desenvolvimento da Educação DEFINIÇÃO DA DOENÇA

Secretaria de Estado da Educação do Paraná Superintendência de Desenvolvimento da Educação DEFINIÇÃO DA DOENÇA DEFINIÇÃO DA DOENÇA Doença celíaca é alergia ao glúten, proteína encontrada no trigo, aveia, centeio, cevada e derivados. Essa doença afeta a parede do intestino, fazendo com que a absorção de vários nutrientes

Leia mais

Imunologia Clínica e Esofagite Eosinofílica

Imunologia Clínica e Esofagite Eosinofílica Imunologia Clínica e Esofagite Eosinofílica Qual o mecanismo fisiopatológico da doença? A esofagite eosinofílica ( EE) está relacionada ao aumento da sensibilidade alérgica? Qual a conexão entre alergia

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC Nº 42, DE 25 DE OUTUBRO DE 2010

RESOLUÇÃO-RDC Nº 42, DE 25 DE OUTUBRO DE 2010 RESOLUÇÃO-RDC Nº 42, DE 25 DE OUTUBRO DE 2010 Dispõe sobre a obrigatoriedade de disponibilização de preparação alcoólica para fricção antisséptica das mãos, pelos serviços de saúde do País, e dá outras

Leia mais

Alergia à proteína do leite de vaca: abordagem bibliográfica de causas, fatores de risco e diagnóstico

Alergia à proteína do leite de vaca: abordagem bibliográfica de causas, fatores de risco e diagnóstico VII Simpósio de Tecnologia e Engenharia de Alimentos e VI Encontro Paranaense de Engenharia de Alimentos UTFPR, Campo Mourão, PR, Brasil 13 a 16 de setembro de 2016 Alergia à proteína do leite de vaca:

Leia mais

TAB AO LEITE COM CAST DE CAJU 100G

TAB AO LEITE COM CAST DE CAJU 100G TAB AO LEITE COM CAST DE CAJU 100G Tablete de chocolate ao leite com castanha de caju Peso Líquido 100g Porção de 25g (3 quadrados) Valor Energético 140kcal = 588kJ 7% Carboidratos 13g 4% Proteínas 1,9g

Leia mais

Leucogen. Aché Laboratórios Farmacêuticos. Xarope 20 mg/5 ml

Leucogen. Aché Laboratórios Farmacêuticos. Xarope 20 mg/5 ml Leucogen Aché Laboratórios Farmacêuticos Xarope 20 mg/5 ml Excipientes: ácido cítrico monoidratado, aroma de caramelo, benzoato de sódio, corante caramelo, sorbitol e água purificada. BULA PARA PACIENTE

Leia mais

Software Movelife Contextualização Legal. Canal Horeca & Indústria.

Software Movelife Contextualização Legal. Canal Horeca & Indústria. Software Movelife Contextualização Legal Canal Horeca & Indústria www.movelife.net O seu cliente pode fazer uma refeição descansado? Ver vídeo de apresentação Menu A segurança alimentar e a nutrição têm

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INTERPRETAÇÃO DE TABELAS NUTRICIONAIS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AVALIAÇÃO DA INTERPRETAÇÃO DE TABELAS NUTRICIONAIS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL AVALIAÇÃO DA INTERPRETAÇÃO DE TABELAS NUTRICIONAIS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Natália G. T. MAGALHÃES ; Clécia de P. ALVES ; Miller M. SANCHES ; Valdirene P. COSTA RESUMO A escola tem um importante

Leia mais

Glauce Hiromi Yonamine Nutricionista

Glauce Hiromi Yonamine Nutricionista Glauce Hiromi Yonamine Nutricionista Supervisora do ambulatório ICr-HCFMUSP Nutricionista das Unidades de Alergia e Imunologia e Gastroenterologia ICr-HCFMUSP Mestre em Ciências pelo Departamento de Pediatria

Leia mais

publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo, de 23 de setembro de 2005

publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo, de 23 de setembro de 2005 título: Resolução RDC nº 263, de 22 de setembro de 2005 ementa não oficial: Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS DE CEREAIS, AMIDOS, FARINHAS E FARELOS", constante do Anexo desta Resolução. publicação:

Leia mais

Regulamento sobre a embalagem, rotulagem e propaganda dos produtos destinados à alimentação animal

Regulamento sobre a embalagem, rotulagem e propaganda dos produtos destinados à alimentação animal Regulamento sobre a embalagem, rotulagem e propaganda dos produtos destinados à alimentação animal INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 22 de 02/06/2009 RODRIGO DI GIOVANNANTONIO GRAZIANI Auditor Fiscal Federal Agropecuário

Leia mais

Doenças da modernidade

Doenças da modernidade Agosto/2016 DESMITIFICANDO AS DIETAS DA MODA Pág. 6 Doenças da modernidade Pág. 3 Alergia x Intolerância Pág. 4 EDITORIAL Chegamos ao nosso terceiro número, e esperamos colaborar mais uma vez com a disseminação

Leia mais

SEMINÁRIO ANVISA 2016

SEMINÁRIO ANVISA 2016 SEMINÁRIO ANVISA 2016 Diretor Renato Alencar Porto RDC nº 26/2015 Rotulagem de Alimentos Alergênicos Complexidade e Abrangência da Atuação da Regulação Sanitária A regulação deve conciliar os objetivos

Leia mais

Informação sobre ingredientes. que provoquem alergias ou intolerâncias

Informação sobre ingredientes. que provoquem alergias ou intolerâncias Informação sobre ingredientes que provoquem alergias ou intolerâncias O Regulamento (UE) N.º 1169/2011, relativo à prestação de informação aos consumidores sobre os géneros alimentícios, entrou em vigor

Leia mais

REVISÃO: ROTULAGEM DE ALERGÊNICOS

REVISÃO: ROTULAGEM DE ALERGÊNICOS REVISÃO: ROTULAGEM DE ALERGÊNICOS AUTORES Paula Régio MARQUES Discente do curso de Engenharia de Alimentos UNILAGO Patricia de Carvalho DAMY-BENEDETTI Docente do curso de Engenharia de Alimentos UNILAGO

Leia mais

Regulamentação da Lei nº , de 2016

Regulamentação da Lei nº , de 2016 PROPOSTAS DE RESOLUÇÕES-RDC PARA REGULAMENTAÇÃO DA LEI Nº 13.305, DE 4 DE JULHO DE 2016. GERÊNCIA-GERAL DE ALIMENTOS 20 DE SETEMBRO DE 2016 INFORMAÇÕES GERAIS: Regulamentação da Lei nº 13.305, de 2016

Leia mais

Solução completa para o bem estar intestinal

Solução completa para o bem estar intestinal CLAUSII PRO Solução completa para o bem estar intestinal Clausii Pro é um probiótico bacilo gram positivo indicado para reestabelecer e manter o equilíbrio da flora intestinal. Ele possui a capacidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ROTULAGEM DE LEITE EM PÓ INTEGRAL COMERCIALIZADO EM MACEIÓ AL

AVALIAÇÃO DA ROTULAGEM DE LEITE EM PÓ INTEGRAL COMERCIALIZADO EM MACEIÓ AL AVALIAÇÃO DA ROTULAGEM DE LEITE EM PÓ INTEGRAL COMERCIALIZADO EM MACEIÓ AL Allana ALEXANDRE (1); Alana AQUINO (2); Elys OLIVEIRA (3); Ânela FROEHLICH (4) (1) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnoloia

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INFORMAÇÃO NUTRICIONAL CONTIDA NOS RÓTULOS DE BISCOITOS DO TIPO RECHEADO SABOR CHOCOLATE

AVALIAÇÃO DA INFORMAÇÃO NUTRICIONAL CONTIDA NOS RÓTULOS DE BISCOITOS DO TIPO RECHEADO SABOR CHOCOLATE AVALIAÇÃO DA INFORMAÇÃO NUTRICIONAL CONTIDA NOS RÓTULOS DE BISCOITOS DO TIPO RECHEADO SABOR CHOCOLATE Thays Muniz Barreto Magalhães (1); Mariana Souza Menezes (1); Maria Tereza Sarmento da Fonseca (2);

Leia mais

CONSUMO ALIMENTAR DE ESCOLARES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO NO MUNICÍPIO DE PALMAS TO

CONSUMO ALIMENTAR DE ESCOLARES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO NO MUNICÍPIO DE PALMAS TO CONSUMO ALIMENTAR DE ESCOLARES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO NO MUNICÍPIO DE PALMAS TO Natália Cunha Ferreira 1, Geyce da Silva Sales 2, Maylla Luanna Barbosa Martins 3 1 Aluna do curso de nutrição; Campus

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 2 DE JUNHO DE 2005.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 2 DE JUNHO DE 2005. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 2 DE JUNHO DE 2005. O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe

Leia mais

Queijos, hambúrgueres e empanados terão teor de sódio reduzido

Queijos, hambúrgueres e empanados terão teor de sódio reduzido Queijos, hambúrgueres e empanados terão teor de sódio reduzido Ministério da Saúde amplia acordo firmado há dois anos e meio com a indústria alimentícia para diminuir o sal das comidas industrializadas

Leia mais

Manual com Perguntas e Respostas sobre LACTOSE

Manual com Perguntas e Respostas sobre LACTOSE Manual com Perguntas e Respostas sobre LACTOSE Resolução RDC nº 135, de 8 de fevereiro de 2017 Resolução RDC nº 136, de 8 de fevereiro de 2017 www.tactafood.school www.alimentusconsultoria.com.br www.srainovadeira.com.br

Leia mais

APLICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO COMO REQUISITO DE SEGURANÇA ALIMENTAR EM UM SUPERMERCADO, NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA 1

APLICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO COMO REQUISITO DE SEGURANÇA ALIMENTAR EM UM SUPERMERCADO, NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA 1 193 APLICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO COMO REQUISITO DE SEGURANÇA ALIMENTAR EM UM SUPERMERCADO, NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA 1 Maria Aparecida Resende Marques 2, Viviane Gomes Lelis 3, Eliene da Silva

Leia mais

Curso de rotulagem geral de alimentos embalados. 3º Módulo.

Curso de rotulagem geral de alimentos embalados. 3º Módulo. Curso de rotulagem geral de alimentos embalados 3º Módulo Legislação Resolução RDC nº 259/2002 Anvisa Resolução RDC nº270/2005 Anvisa Portaria nº 372/1997 MAPA Decreto-Lei nº986/69 Instrução Normativa

Leia mais

CLORIDRATO DE BROMEXINA

CLORIDRATO DE BROMEXINA CLORIDRATO DE BROMEXINA Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope infantil 4mg/5mL Xarope adulto 8mg/5mL Você não deve usar o cloridrato de bromexina se tiver alergia a bromexina (substância ativa) ou

Leia mais

CHECK LIST PARA AVALIAÇÃO DE ROTULAGEM DE ALIMENTOS EMBALADOS Identificação da empresa: Designação do produto: Marca: Nome fantasia ou complemento de marca: INFORMAÇÕES GERAIS OBRIGATÓRIAS Conforme 1.1

Leia mais

Ana Lúcia de Freitas Saccol, Lize Stangarlin, Luisa Helena Hecktheuer, Neila Richards

Ana Lúcia de Freitas Saccol, Lize Stangarlin, Luisa Helena Hecktheuer, Neila Richards Ana Lúcia de Freitas Saccol, Lize Stangarlin, Luisa Helena Hecktheuer, Neila Richards Bento Gonçalves (RS), 22 de agosto de 2008 Sociedade Brasileira tem passado por mudanças Novos hábitos sociais (estilo

Leia mais

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra Reações Adversas a Alimentos Imunomediadas: Alergia alimentar IgE mediada

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011(*) Dispõe sobre limites máximos tolerados (LMT) para micotoxinas em alimentos.

RESOLUÇÃO Nº 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011(*) Dispõe sobre limites máximos tolerados (LMT) para micotoxinas em alimentos. RESOLUÇÃO Nº 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 11(*) Dispõe sobre limites máximos tolerados (LMT) para micotoxinas em alimentos. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição

Leia mais

Benerva (cloridrato de tiamina) Bayer S.A. Comprimido revestido 300 mg

Benerva (cloridrato de tiamina) Bayer S.A. Comprimido revestido 300 mg Benerva (cloridrato de tiamina) Bayer S.A. Comprimido revestido 300 mg BENERVA cloridrato de tiamina APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos contendo 300 mg de vitamina B1 (cloridrato de tiamina). Embalagem

Leia mais

QUALIDADE DOS ALIMENTOS E ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Alessandra Reis Nutricionista de Qualidade- IBRefeições

QUALIDADE DOS ALIMENTOS E ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Alessandra Reis Nutricionista de Qualidade- IBRefeições QUALIDADE DOS ALIMENTOS E ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Alessandra Reis Nutricionista de Qualidade- IBRefeições ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL, É AQUELA PREPARADA COM OS CUIDADOS DE HIGIENE E QUE

Leia mais

Caso clinico- Alergia Alimentar. Autora: Dra. Cristina Jacob. EK masculino, 1ano e 2m, branco, São Paulo

Caso clinico- Alergia Alimentar. Autora: Dra. Cristina Jacob. EK masculino, 1ano e 2m, branco, São Paulo Caso clinico- Alergia Alimentar Autora: Dra. Cristina Jacob EK masculino, 1ano e 2m, branco, São Paulo Queixa e HPMA- Mãe refere que aos 5 meses de idade, apresentou edema de lábios e urticária após ter

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Leite de Côco Desidratado

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Leite de Côco Desidratado na 1 de 5 1. DESCRIÇÃO Leite de côco Desidratado é um ingrediente alimentício que contém o leite do côco e maltodextrina, sem uso de outros aditivos ou conservantes. As matérias primas foram selecionadas

Leia mais

ALERGIA OU INTOLERÂNCIA ALIMENTAR NA ESCOLA

ALERGIA OU INTOLERÂNCIA ALIMENTAR NA ESCOLA É responsabilidade da família: Ensinar a criança a assumir progressivamente responsabilidades sobre o cuidado de si mesma. Informar ã escola sobre alergias e intolerâncias alimentares, o tipo de dieta

Leia mais

vacina febre tifóide (polissacarídica)

vacina febre tifóide (polissacarídica) Página 1 de 7 vacina febre tifóide (polissacarídica) Sanofi-Aventis Farmacêutica Ltda. Solução Injetável 0,025mg de polissacarídeo capsular Vi purificado de Salmonella typhi (cepa Ty2)/dose Página 2 de

Leia mais

Alergia alimentar em crianças numa consulta de imunoalergologia

Alergia alimentar em crianças numa consulta de imunoalergologia ARTIGO ORIGINAL Alergia alimentar em crianças numa consulta de imunoalergologia MÁRIO MORAIS DE ALMEIDA*, SARA PRATES**, ELSA PARGANA**, CRISTINA ARÊDE**, NILA GODINHO**, CÉU TAVARES**, PAULA MARTINS***,

Leia mais

TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS

TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada no DOU nº 37, de 22 de fevereiro de 2011)

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada no DOU nº 37, de 22 de fevereiro de 2011) RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011 (*) (Publicada no DOU nº 37, de 22 de fevereiro de 2011) (Republicada no DOU nº 46, de 9 de março de 2011) Dispõe sobre limites máximos

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 98, DE 1 DE AGOSTO DE 2016 Dispõe sobre os critérios e procedimentos para o enquadramento de medicamentos como isentos de prescrição e o reenquadramento como medicamentos

Leia mais

Valor Calórico, Carboidratos, Proteínas, Gorduras Totais, Gorduras Saturadas, Colesterol, Fibra Alimentar, Cálcio, Ferro e Sódio.

Valor Calórico, Carboidratos, Proteínas, Gorduras Totais, Gorduras Saturadas, Colesterol, Fibra Alimentar, Cálcio, Ferro e Sódio. No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) é o órgão responsável pela regulação da Rotulagem de Alimentos Industrializados. Muitas portarias regulam o que um rótulo deve ou não conter.

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM PANIFICADORA DO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE-PB

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM PANIFICADORA DO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE-PB AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM PANIFICADORA DO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE-PB Nayara Jessica Clementino da Silva; Suelma Ferreira do Oriente; Pedro Ivo Soares e Silva; Eugênia Telis de

Leia mais

A estigmatização de um paciente pediátrico como alérgico à penicilina implica em consequências importantes, como:

A estigmatização de um paciente pediátrico como alérgico à penicilina implica em consequências importantes, como: Compartilhe conhecimento: Estudo testa crianças com suposta alergia à penicilina comumente relatada pelos pais na prática pediátrica, porém rara na realidade. Será que há tantos casos assim de alergia?

Leia mais

Presença de alérgenos e aditivos alimentares em chocolate branco.

Presença de alérgenos e aditivos alimentares em chocolate branco. ARTIGO Presença de alérgenos e aditivos alimentares em chocolate branco. Márcia Keller Alves * Camila Feltrin Grace Kelly Silveira dos Santos Rosane Morbach Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentos e

Leia mais

CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN:

CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 PROMOVENDO O MELHOR APRENDIZADO DOS ALUNOS: ELABORAÇÃO DE APOSTILA DE CITOLOGIA Camilla Maria Campelo De Araújo

Leia mais

THIOCTACID 600 HR. ácido tióctico. Merck S/A. Comprimidos revestidos 600 mg

THIOCTACID 600 HR. ácido tióctico. Merck S/A. Comprimidos revestidos 600 mg THIOCTACID 600 HR ácido tióctico Merck S/A Comprimidos revestidos 600 mg APRESENTAÇÃO Embalagem contendo 30 revestidos. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido contém: ácido tióctico (ácido alfa-lipoico)...

Leia mais

Introdução. Graduando do Curso de Nutrição FACISA/UNIVIÇOSA. 3

Introdução. Graduando do Curso de Nutrição FACISA/UNIVIÇOSA.   3 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE PRESUNTOS FATIADOS COMERCIALIZADOS NA CIDADE DE VIÇOSA, MG Sofia Ferreira Macedo 1, Danielli Carvalho de Oliveira 2, Ana Paula Boroni Moreira 3, Cristiane Sampaio Fonseca 4, Érica

Leia mais

Faço saber que a Assembleia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembleia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte Lei: Lei nº 15.566 DE 02/09/2015 Norma Estadual - Pernambuco Publicado no DOE em 03 set 2015 Dispõe sobre as condições sanitárias relativas à fabricação, armazenamento, transporte, distribuição e comercialização

Leia mais

Se você tem qualquer dúvida sobre seu resultado ImuPro ou sobre alergias alimentares tipo III, favor entrar em contato conosco.

Se você tem qualquer dúvida sobre seu resultado ImuPro ou sobre alergias alimentares tipo III, favor entrar em contato conosco. Seu pessoal ImuPro Screen documentos Amostra de ID: 110085 Com esta carta, você receberá seu resultado ImuPro para seu próprio teste de alergia alimentar IgG. Esse relatório laboratorial contém seus resultados

Leia mais

Carbocisteína GERMED FARMACÊUTICA LTDA. Solução oral. 50 mg/ml

Carbocisteína GERMED FARMACÊUTICA LTDA. Solução oral. 50 mg/ml Carbocisteína GERMED FARMACÊUTICA LTDA. Solução oral 50 mg/ml IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Carbocisteína Medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999 Carbocisteína APRESENTAÇÕES Solução oral (gotas) 50 mg/ml.

Leia mais

Elaboração de POPs e Manual de Boas Práticas de Fabricação em um supermercado no município de Viçosa 1

Elaboração de POPs e Manual de Boas Práticas de Fabricação em um supermercado no município de Viçosa 1 375 Elaboração de POPs e Manual de Boas Práticas de Fabricação em um supermercado no município de Viçosa 1 Maria Aparecida Resende Marques 2, Viviane Gomes Lelis 3, Eliene da Silva Martins Viana 4 Resumo:

Leia mais

FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA EM AÇOUGUES E FIAMBRERIAS

FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA EM AÇOUGUES E FIAMBRERIAS Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria Estadual da Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA EM AÇOUGUES E FIAMBRERIAS Méd. Vet. Ayres

Leia mais

ANÁLISE DA ROTULAGEM DE PRODUTOS LÁCTEOS DE DIFERENTES MARCAS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO RDC Nº 26, DE 02 DE JULHO DE 2015

ANÁLISE DA ROTULAGEM DE PRODUTOS LÁCTEOS DE DIFERENTES MARCAS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO RDC Nº 26, DE 02 DE JULHO DE 2015 ANÁLISE DA ROTULAGEM DE PRODUTOS LÁCTEOS DE DIFERENTES MARCAS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO RDC Nº 26, DE 02 DE JULHO DE 2015 Alessandra Romiti Freitas 1 ; Raquel Piletti 2 RESUMO As alergias alimentares

Leia mais

THYLOM. Laboratórios Osório de Moraes Ltda COMPRIMIDOS 750 MG DE PARACETAMOL

THYLOM. Laboratórios Osório de Moraes Ltda COMPRIMIDOS 750 MG DE PARACETAMOL THYLOM Laboratórios Osório de Moraes Ltda COMPRIMIDOS 750 MG DE PARACETAMOL MODELO DE BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO THYLOM paracetamol

Leia mais

paracetamol Multilab Ind. e Com. de Produtos Farmacêuticos Ltda comprimido revestido 500 mg e 750 mg Bula Paciente REV.A Page 1

paracetamol Multilab Ind. e Com. de Produtos Farmacêuticos Ltda comprimido revestido 500 mg e 750 mg Bula Paciente REV.A Page 1 paracetamol Multilab Ind. e Com. de Produtos Farmacêuticos Ltda comprimido revestido 500 mg e 750 mg Bula Paciente REV.A Page 1 paracetamol Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 FORMA FARMACÊUTICA

Leia mais

MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE PREPARAÇÕES FRIAS DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO COMERCIAL DA CIDADE DE SANTA MARIA -RS 1 RESUMO

MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE PREPARAÇÕES FRIAS DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO COMERCIAL DA CIDADE DE SANTA MARIA -RS 1 RESUMO MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE PREPARAÇÕES FRIAS DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO COMERCIAL DA CIDADE DE SANTA MARIA -RS 1 Alves, M. 2 ; Mesquita. M. O de 2 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso

Leia mais

I Simpósio de Rotulagem de Alimentos CRQ-IV. Fiscalização e Monitoramento de Alimentos

I Simpósio de Rotulagem de Alimentos CRQ-IV. Fiscalização e Monitoramento de Alimentos I Simpósio de Rotulagem de Alimentos CRQ-IV Fiscalização e Monitoramento de Alimentos Deise Ap. Pinatti Marsiglia Centro de Alimentos Instituto Adolfo Lutz Laboratório Central de Saúde Pública do Estado

Leia mais

Compartilhe conhecimento: Entenda o que é a FPIES, sua importância, como diagnosticá-la e os métodos de tratamento mais indicados nesta revisão.

Compartilhe conhecimento: Entenda o que é a FPIES, sua importância, como diagnosticá-la e os métodos de tratamento mais indicados nesta revisão. Compartilhe conhecimento: Entenda o que é a FPIES, sua importância, como diagnosticá-la e os métodos de tratamento mais indicados nesta revisão. Reações alérgicas com acometimento gastrointestinal são

Leia mais

Avaliação de Alegações Propriedades Funcionais e ou de Saúde e Registro de Produtos com Alegações

Avaliação de Alegações Propriedades Funcionais e ou de Saúde e Registro de Produtos com Alegações WORKSHOP SOBRE ANTIOXIDANTES ILSI BRASIL Avaliação de Alegações Propriedades Funcionais e ou de Saúde e Registro de Produtos com Alegações Ana Paula de R. Peretti Giometti GPESP / GGALI / ANVISA São Paulo,

Leia mais

PERFIL DOS HOSPITAIS EM RELAÇÃO AO USO DE FÓRMULAS ENTERAIS NAS CIDADES DE UBERLÂNDIA, UBERABA E ARAGUARI- MG.

PERFIL DOS HOSPITAIS EM RELAÇÃO AO USO DE FÓRMULAS ENTERAIS NAS CIDADES DE UBERLÂNDIA, UBERABA E ARAGUARI- MG. PERFIL DOS HOSPITAIS EM RELAÇÃO AO USO DE FÓRMULAS ENTERAIS NAS CIDADES DE UBERLÂNDIA, UBERABA E ARAGUARI- MG. RESUMO Introdução:Nutrição enteral (NE) é definida como alimento para fins especiais, com

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada em DOU nº 37, de 22 de fevereiro de 2011)

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada em DOU nº 37, de 22 de fevereiro de 2011) RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 07, DE 18 DE FEVEREIRO DE 11 (*) (Publicada em DOU nº 37, de 22 de fevereiro de 11) (Republicada em DOU nº 46, de 09 de março de 11) Dispõe sobre limites máximos

Leia mais

Olá!! Meu nome é Carol Faria. Sou nutricionista Materno infantil, Esportiva e Coach. Trabalho com mudança de comportamento alimentar, qualidade de vid

Olá!! Meu nome é Carol Faria. Sou nutricionista Materno infantil, Esportiva e Coach. Trabalho com mudança de comportamento alimentar, qualidade de vid Olá!! Meu nome é Carol Faria. Sou nutricionista Materno infantil, Esportiva e Coach. Trabalho com mudança de comportamento alimentar, qualidade de vida, emagrecimento e estética. Meu papel é fazer a diferença

Leia mais

OPTI-BAR Sulfato de bário

OPTI-BAR Sulfato de bário Anexo A Folha de rosto para a bula OPTI-BAR Sulfato de bário Alko do Brasil Indústria e Comércio Ltda Suspensão e Pó para suspensão 66,7% P/V e 98%P/P OPTI-BAR sulfato de bário USP Forma Farmacêutica e

Leia mais

PARACETAMOL GENÉRICO

PARACETAMOL GENÉRICO PARACETAMOL GENÉRICO Laboratórios Osório de Moraes LTDA COMPRIMIDO 750,0 MG DE PARACETAMOL MODELO DE BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 paracetamol Medicamento Genérico, Lei

Leia mais

cloridrato de ambroxol Xarope Pediátrico 15mg/5mL Xarope Adulto 30mg/5mL

cloridrato de ambroxol Xarope Pediátrico 15mg/5mL Xarope Adulto 30mg/5mL cloridrato de ambroxol Xarope Pediátrico 15mg/5mL Xarope Adulto 30mg/5mL MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE cloridrato de ambroxol Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES Xarope

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INFORMAÇÃO NUTRICIONAL CONTIDA NOS RÓTULOS DE BISCOITOS DO TIPO CREAM CRACKER

AVALIAÇÃO DA INFORMAÇÃO NUTRICIONAL CONTIDA NOS RÓTULOS DE BISCOITOS DO TIPO CREAM CRACKER AVALIAÇÃO DA INFORMAÇÃO NUTRICIONAL CONTIDA NOS RÓTULOS DE BISCOITOS DO TIPO CREAM CRACKER Geórgia Maciel Dias de MORAES(1); Isabel Cristina MOURA(2); Indira CAVALCANTE(3); Bruna MORAIS (4). (1) Professora

Leia mais

Associação dos Produtores Feirantes de Formiga. Associação dos Produtores Feirantes de Formiga. Associação dos Produtores Feirantes de Formiga

Associação dos Produtores Feirantes de Formiga. Associação dos Produtores Feirantes de Formiga. Associação dos Produtores Feirantes de Formiga AQUISIÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS Data Abertura: 25/04/2016 Horário Abertura: 12:30 h Mapa de Apuração dos Vencedores ITEM PRODUTO PRODUTOR 1 Doce de goiaba mole, de ótima qualidade, íntegro, produzido

Leia mais

VÊNULA. Biolab Sanus Farmacêutica Ltda. hidrosmina. Cápsula 200mg

VÊNULA. Biolab Sanus Farmacêutica Ltda. hidrosmina. Cápsula 200mg VÊNULA Biolab Sanus Farmacêutica Ltda. hidrosmina Cápsula 200mg Biolab Sanus VÊNULA (Paciente) 07/2016 1 VÊNULA hidrosmina IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES: Cápsula de 200 mg em embalagem com

Leia mais