Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Dezembro/2013.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Dezembro/2013."

Transcrição

1 Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Dezembro/2013. At.: Gerência de Sustentabilidade FCTY Dezembro de 2013

2 1 APRESENTAÇÃO OBJETIVO METODOLOGIA RESULTADO EQUIPE TÉCNICA ENVOLVIDA BIBLIOGRAFIA ANEXO I º Relatório Técnico. Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. FCTY-RTC-RSO Dezembro/2013

3 1 APRESENTAÇÃO O Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil (PGRSCC) estabelece procedimentos para segregação, acondicionamento, transporte e destinação dos resíduos gerados no empreendimento. A política do PGRSCC é baseada nas resoluções nº 307 de 05/07/2002 e nº 431 de 24/05/2011, ambas do CONAMA. O programa contempla a não geração de resíduos, a reutilização e a reciclagem. Antecedendo a destinação final dos resíduos, o programa prevê coleta seletiva no canteiro de obra e nos escritórios. Assim cumpre-se a correta segregação e garante-se o reaproveitamento do material. Não sendo possível a reutilização e reciclagem, investe-se na destinação adequada para os resíduos perigosos e na destinação dos resíduos orgânicos para aterro. Este Terceiro Relatório Técnico apresenta informações referentes ao mês de dezembro de º Relatório Técnico. Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. FCTY-RTC-RSO Dezembro/2013, Pág. 1

4 2 OBJETIVO O objetivo deste relatório é apresentar os resultados do Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos, aferidos durante o mês de novembro de O programa, por sua vez, possui o objetivo de cumprir a Condicionante Ambiental nº 01 da Licença de Instalação referente ao processo Nº 15892/2012/001/2013, que diz: Executar o Programa de Automonitoramento, conforme definido no Anexo II. Programa de Controle de Resíduos Sólidos. 3 METODOLOGIA A metodologia do programa consiste na adoção das premissas referidas no Anexo II, que indica um modelo para o preenchimento de um quadro quali-quantativo que considera o disposto na NBR , como mostrado a seguir: Resíduo Transportador Disposição Final (**) Denominação Origem Classe NBR Taxa de Geração Kg/mês Razão Social Endereço Completo Forma (*) Social Completo (*) Conforme NBR ou a que sucedê-la. (**) Tabela de códigos para formas de disposição final de resíduos de origem industrial. 1- Reutilização; 2 - Reciclagem; 3 - Aterro sanitário; 4 - Aterro industrial; 5 - Incineração; 6 - Co-processamento; 7 - Aplicação no solo; 8 - Estocagem temporária (informar quantidade estocada); 9 - Outras (especificar). (*) Empresa Responsável Razão Endereço Além desta metodologia, ainda são inseridas outras recomendações pela SPRAM-CM, que deverão ser atendidas, como descrito a seguir: Em caso de alterações na forma de disposição final de resíduos, a empresa deverá comunicar previamente à Supram CM, para verificação da necessidade de licenciamento específico. As doações de resíduos deverão ser devidamente identificadas e documentadas pelo empreendedor. Fica proibida a destinação dos resíduos Classe I, considerados como Resíduos Perigosos segundo a NBR /04, em lixões, bota-fora e/ou aterros sanitários, devendo o empreendedor cumprir as diretrizes fixadas pela legislação vigente. Ainda deverá ser comprovada a destinação adequada dos resíduos sólidos de construção civil, a serem gerenciados em conformidade com as Resoluções Conama n.º 307/2002 e 348/2004. As notas fiscais de vendas e/ou movimentação e os documentos identificando as doações de resíduos, que poderão ser solicitadas a qualquer momento para fins de fiscalização, deverão ser mantidos disponíveis pelo empreendedor. 3º Relatório Técnico. Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. FCTY-RTC-RSO Dezembro/2013, Pág. 2

5 4 RESULTADO A tabela a seguir (Tabela 4.1) apresenta informações relativas ao tipo, quantidade, transporte e destinação dos resíduos sólidos gerados. Resíduo Transportador Disposição Final Denominação Origem Classe NBR (*) Taxa de Geração Kg/mês Razão Social Endereço Completo Forma (*) Razão Social Empresa Responsável Endereço Completo (**) Argamassa/Concret o Canteiro de Obras II B 0 Madeira Canteiro de Obras II A 0 Canteiro de Obras II A 0 Metal Áreas de Convivência e Escritório II A 106 Prefeitura Municipal de Pedro Leopoldo Rua Cristiano Otoni, 555, Pedro Leopoldo - MG, Aterro Sanitário Prefeitura Municipal de Pedro Leopoldo Rua Cristiano Otoni, 555, Pedro Leopoldo - MG, Canteiro de Obras II A 0 Papel/Papelão Áreas de Convivência e Escritório II A 676 Prefeitura Municipal de Pedro Leopoldo Rua Cristiano Otoni, 555, Pedro Leopoldo - MG, Aterro Sanitário Prefeitura Municipal de Pedro Leopoldo Rua Cristiano Otoni, 555, Pedro Leopoldo - MG, Canteiro de Obras II B 0 Plástico Áreas de Vivência e Escritório II B 67,5 Resíduos Orgânicos Refeitório II A 2426 Óleos e graxas Canteiro de Obras I 305,7 Prefeitura Municipal de Pedro Leopoldo Prefeitura Municipal de Pedro Leopoldo SERQUIP- Tratamentos de Resíduos MG Ltda TABELA 4.1RESÍDUOS GERADOS Rua Cristiano Otoni, 555, Pedro Leopoldo - MG, Rua Cristiano Otoni, 555, Pedro Leopoldo - MG, R Agenério de Araújo, Camargos Belo Horizonte, MG, CEP: Aterro Sanitário Aterro Sanitário Prefeitura Municipal de Pedro Leopoldo Prefeitura Municipal de Pedro Leopoldo SERQUIP- Tratamentos de Resíduos MG Ltda Rua Cristiano Otoni, 555, Pedro Leopoldo - MG, Rua Cristiano Otoni, 555, Pedro Leopoldo - MG, R Agenério de Araújo, Camargos Belo Horizonte, MG, CEP: º Relatório Técnico. Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. FCTY-RTC-RSO Dezembro/2013, Pág. 3

6 A mensuração dos resíduos em obra foi realizada em volume e para conversão em massa foram utilizadas as densidades apresentadas por Silva e Santos (2010). O resíduo perigoso gerado foi transportado e destinado pela SERQUIP-Tratamentos de Resíduos MG Ltda. O certificado de tratamento e a licença ambiental desta empresa estão no Anexo I deste documento. Óleos e graxas foram originários do maquinário utilizado na movimentação de terra e na compactação do solo. O volume total gerado neste mês de dezembro foi de aproximadamente 6,4 m 3 encaminhados para o Aterro Sanitário de Macaúbas pela Prefeitura Municipal de Pedro Leopoldo. Estes resíduos foram provenientes das áreas de vivência e dos escritórios, e, devido à fase inicial das obras, ainda há poucos funcionários, justificando assim a baixa produção de resíduos. No canteiro de obras não foi gerado volume significativo porque o empreendimento encontra-se na fase de terraplanagem. Acrescenta-se que o solo resultante do corte é destinado ao aterro na própria construção. 5 EQUIPE TÉCNICA ENVOLVIDA Equipe Técnica Formação Responsabilidade Empresa Maria Clara Eng. Civil/Arquiteta Gerente de Engenharia H&H Neil Henriques Pereira Eng. Civil Engenheiro Responsável pela Obra H&H Mauro Ceschiatti Graduando em Eng. Civil Estagiário H&H Daniel Duarte Engenheiro Agrônomo Gerente de Sustentabiliodade FCTY Tayra Graduando em Eng. Civil Estagiária FCTY 6 BIBLIOGRAFIA SILVA, M. C., SANTOS, G. O.. Densidade aparente de resíduos sólidos recém coletados. In: V Congresso de Pesquisa e Inovação da Rede Norte Nordeste de Educação Tecnológica, Maceió, nov., º Relatório Técnico. Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. FCTY-RTC-RSO Dezembro/2013, Pág. 4

7 7 ANEXO I FIGURA 7.1CERTIFICADO DE TRATAMENTO SERQUIP 3º Relatório Técnico. Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. FCTY-RTC-RSO Dezembro/2013, Pág. 5

8 FIGURA 7.2 LICENÇA AMBIENTAL 3º Relatório Técnico. Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. FCTY-RTC-RSO Dezembro/2013, Pág. 6

Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO-005-05-14. Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Fevereiro/2014.

Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO-005-05-14. Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Fevereiro/2014. Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO-005-05-14 Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Fevereiro/2014. At.: Gerência de Sustentabilidade FCTY Fevereiro de 2014 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO-006-01-14. Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Março/2014.

Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO-006-01-14. Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Março/2014. Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO-006-01-14 Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Março/2014. At.: Gerência de Sustentabilidade FCTY Março de 2014 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Tratamento e Descarte de Resíduos de Obras

Tratamento e Descarte de Resíduos de Obras PROCEDIMENTO DO SMS Tratamento e Descarte de de Obras PR-99-992-CPG-003 Revisão: 02 Página: 1/6 1. OBJETIVO Definir padrões para o manuseio e descarte de resíduos produzidos pelas empresas contratadas

Leia mais

Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil.

Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil. Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de 2002. Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. O CONSELHO

Leia mais

Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO-007-01-14. Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Abril/2014.

Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO-007-01-14. Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Abril/2014. Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO-007-01-14 Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Abril/2014. At.: Gerência de Sustentabilidade FCTY Abril de 2014 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vila Velha Estado do Espírito Santo Secretaria de Desenvolvimento Sustentável

Prefeitura Municipal de Vila Velha Estado do Espírito Santo Secretaria de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 OBJETIVO Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os geradores de resíduos sólidos provenientes

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Marisa Brasil Engenheira de Alimentos MBA em Qualidade, Segurança, Meio Ambiente, Saúde e Responsabilidade Social Especialista em Engenharia Ambiental e Saneamento Básico

Leia mais

Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil.

Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

VESTA IND. E COM. DE ARTIGOS DE PVC LTDA. VESTA IND. E COM. DE ARTIGOS DE PVC LTDA.

VESTA IND. E COM. DE ARTIGOS DE PVC LTDA. VESTA IND. E COM. DE ARTIGOS DE PVC LTDA. Pág. 1 de 9 PARECER ÚNICO Nº 85524/2013(SIAM) INDEXADO AO PROCESSO: PA COPAM: SITUAÇÃO: Licenciamento Ambiental 28833/2011/002/2012 Sugestão pelo Deferimento FASE DO LICENCIAMENTO: Licença de Operação

Leia mais

Canteiro e Locação de obra. Tecnologia das Construções Engª e Profª Bárbara Silvéria

Canteiro e Locação de obra. Tecnologia das Construções Engª e Profª Bárbara Silvéria Canteiro e Locação de obra Tecnologia das Construções Engª e Profª Bárbara Silvéria Canteiro de Obras Canteiro de obras (Definição segundo a NBR 12264) Conjunto de áreas destinadas à execução e apoio dos

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária

22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE OBRA METROVIÁRIA Katia Harue Kamimura Fabíola Pagliarani Lucas Campaner Alves Flavia Rodrigues 22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária

Leia mais

PARECER ÚNICO PROTOCOLO Nº /2010 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 03251/2008/001/2008 Prorrogação de LP + LI

PARECER ÚNICO PROTOCOLO Nº /2010 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 03251/2008/001/2008 Prorrogação de LP + LI PARECER ÚNICO PROTOCOLO Nº 187459/2010 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 03251/2008/001/2008 Prorrogação de LP + LI Deferimento Empreendimento: Centro Operacional de Desenvolvimento

Leia mais

Gestão de Resíduos de Construção Civil. Plano de Gerenciamento de RCD. Profa. Ma. Tatiana Vilela Carvalho

Gestão de Resíduos de Construção Civil. Plano de Gerenciamento de RCD. Profa. Ma. Tatiana Vilela Carvalho Gestão de Resíduos de Construção Civil Plano de Gerenciamento de RCD Profa. Ma. Tatiana Vilela Carvalho Construção Civil do ponto de vista ambiental LELA CARVALHO Reflexão: De onde vêm os recursos naturais

Leia mais

Resíduos da Construção Civil, Volumosos e Inertes

Resíduos da Construção Civil, Volumosos e Inertes PROPOSTAS INICIAIS PARA DIRETRIZES DE LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE MANEJO Resíduos da Construção Civil, Volumosos e Inertes INEXISTÊNCIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS PRIORIDADE COLETA CORRETIVA Geradores Empresas

Leia mais

PROCEDIMENTOS CO-PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS NO ESTADO DO PARANÁ. São Paulo, 04 de novembro de 2004

PROCEDIMENTOS CO-PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS NO ESTADO DO PARANÁ. São Paulo, 04 de novembro de 2004 PROCEDIMENTOS CO-PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS NO ESTADO DO PARANÁ São Paulo, 04 de novembro de 2004 LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Resolução CONAMA Nº 264/99, dispõe sobre o co-processamento de resíduos sólidos; Resolução

Leia mais

Produção e caracterização de resíduos da construção civil

Produção e caracterização de resíduos da construção civil 1 Produção e caracterização de resíduos da construção civil 2 Geração de resíduos RCC Brasil 230 a 760 kg/hab.ano RCC Europa 600 a 918 kg/hab.ano Resíduos domiciliares Europa 390 kg/hab.ano 3 Geração de

Leia mais

Decreto de Regulamentação da Lei: DECRETO ESTADUAL n DE 03/12/02.

Decreto de Regulamentação da Lei: DECRETO ESTADUAL n DE 03/12/02. LEGISLAÇÃO VIGENTE PGRS LEI FEDERAL n o 9.795, de 27/04/99. A definição oficial de Educação Ambiental no Brasil. LEI ESTADUAL n o 12.493, de 22/01/99. Estabelece princípios, procedimentos, normas e critérios

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 - Justificativa: Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os Geradores para a elaboração

Leia mais

DADOS: RODOVIA BR 235

DADOS: RODOVIA BR 235 DADOS: RODOVIA BR 235 CONSTRUTORA CONSÓRCIO EMPA/CCM/CCL SUPERVISÃO ETEL ESTUDOS TÉCNICOS LTDA Rodovia : BR 235/BA Trecho : Div. SE/BA Entr. BR 122/407/423/BA (Div. BA/PE) (Juazeiro/Petrolina Subtrecho

Leia mais

Engenheiro Mecânico Pedro Teixeira de Carvalho CREA/MG 26976/D

Engenheiro Mecânico Pedro Teixeira de Carvalho CREA/MG 26976/D Pág. 1 de 11 PARECER ÚNICO Nº INDEXADO AO PROCESSO: PA COPAM: SITUAÇÃO: Licenciamento Ambiental 25178/2011/002/2013 Sugestão pelo Deferimento FASE DO LICENCIAMENTO: Licença de Operação - LO VALIDADE DA

Leia mais

Exigências Básicas em Meio Ambiente. Sustentabilidade Socioeconômica Ambiental

Exigências Básicas em Meio Ambiente. Sustentabilidade Socioeconômica Ambiental Exigências Básicas em Meio Bernardo R. Souto Advogado Engenheiro Ambiental Ambiente Ligia Macedo de Paula Advogada Mestre em Sustentabilidade Socioeconômica Ambiental O QUE UM POSTO PRECISA TER... LICENÇA

Leia mais

REGULAMENTA O PLANO INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

REGULAMENTA O PLANO INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. DECRETO Nº 6277, DE 01º DE DEZEMBRO DE 2009. REGULAMENTA O PLANO INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE

Leia mais

RESÍDUOS TECNOLÓGICOS ELETROELETRÔNICOS: IMPORTÂNCIA DO CORRETO DESCARTE

RESÍDUOS TECNOLÓGICOS ELETROELETRÔNICOS: IMPORTÂNCIA DO CORRETO DESCARTE 283 RESÍDUOS TECNOLÓGICOS ELETROELETRÔNICOS: IMPORTÂNCIA DO CORRETO DESCARTE Sandro Patrício S. Pereira¹, Fernando Filho¹, André Bitencourt¹, Marcelo Libaneo² Resumo: Este trabalho teve como objetivo avaliar

Leia mais

Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos 1. COMPETÊNCIAS E RESPONSABILIDADES 1.1 COMPANHIA DOCAS DO PARÁ Cabe a CDP, enquanto Autoridade Portuária, a implantação, o gerenciamento e a fiscalização de

Leia mais

Programa de Capacitação de Agentes Fiscais SANTA MARIA: 14/08/2013

Programa de Capacitação de Agentes Fiscais SANTA MARIA: 14/08/2013 Programa de Capacitação de Agentes Fiscais SANTA MARIA: 14/08/2013 CONCEITOS RESÍDUO: Resíduos nos estados sólido, semi-sólido ou líquido resultantes de atividades industriais, domésticas, hospitalar,

Leia mais

1. Identificação do Empreendimento Razão Social: Endereço completo: Áreas: Terreno (m²): Construída (m²):

1. Identificação do Empreendimento Razão Social: Endereço completo: Áreas: Terreno (m²): Construída (m²): PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS PGRI Página 1/5 1. Identificação do Empreendimento Razão Social: Endereço completo: Classificação Fiscal: 2. Caracterização do Empreendimento Contato (Fone

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE. Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE. Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde 2008 ANTECEDENTES LEGAIS RES. CONAMA 05/1993 RES. CONAMA 283/2001 RDC ANVISA 306/2004

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE MATADOUROS, ABATEDOUROS, FRIGORÍFICOS, CHARQUEADOS E DERIVADOS DE ORIGEM ANIMAL Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO

Leia mais

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE Parecer Técnico GEDIN 83/2007 Processo COPAM: 353/1997/005/2007 PARECER TÉCNICO Empreendedor: RECMIX DO BRASIL S.A. Empreendimento: DN Código Classe Porte Atividade:

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. Hewerton Bartoli Presidente

LOGÍSTICA REVERSA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. Hewerton Bartoli Presidente LOGÍSTICA REVERSA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO Hewerton Bartoli Presidente hewerton@abrecon.org.br Panorama da apresentação O que é RCC Legislação e normas evolução Cenário atual

Leia mais

Separação de Resíduos

Separação de Resíduos Separação de Resíduos Tipos de Resíduos Orgânicos Rejeitos Papéis Recicláveis Plásticos Metais Isopor Plástico Existem 7 tipos de resinas plásticas: - PET: polietileno tereftalato: Frascos de refrigerantes

Leia mais

A experiência do Estado de São Paulo e a visão da Câmara dos Deputados. Deputado Federal Arnaldo Jardim

A experiência do Estado de São Paulo e a visão da Câmara dos Deputados. Deputado Federal Arnaldo Jardim ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 2º Seminário Regional Sudeste sobre Resíduos Sólidos Desafios das Políticas para uma Gestão Integrada de Resíduos Sólidos A experiência do

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental. Gestão de Resíduos. Vídeo. Contextualização. Soluções. Instrumentalização. Aula 5. Prof. Esp.

Sistemas de Gestão Ambiental. Gestão de Resíduos. Vídeo. Contextualização. Soluções. Instrumentalização. Aula 5. Prof. Esp. Sistemas de Gestão Ambiental Aula 5 Gestão de Resíduos Prof. Esp. Felipe Luiz Vídeo Contextualização Lixão no Oceano Pacífico. Disponível em:

Leia mais

PARECER ÚNICO SUPRAM TM/AP PROTOCOLO Nº /2011 Indexado aos Processos Licenciamento Ambiental nº 00031/2009/001/2011

PARECER ÚNICO SUPRAM TM/AP PROTOCOLO Nº /2011 Indexado aos Processos Licenciamento Ambiental nº 00031/2009/001/2011 PARECER ÚNICO SUPRAM TM/AP PROTOCOLO Nº 0344615/2011 Indexado aos Processos Licenciamento Ambiental nº 00031/2009/001/2011 LICENÇA DE OPERAÇÃO CORRETIVA DEFERIMENTO Atividades objeto do licenciamento:

Leia mais

Agradecimentos... Prefácio...

Agradecimentos... Prefácio... Sumário Agradecimentos........................ Prefácio................................ Apresentação..... CAPÍTULO I O GERENCIAMENTO INTEGRADO DO LIXO MUNICIPAL loque é gerenciar o lixo municipal de forma

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS PRODUZIDOS POR UM ESTABELECIMENTO COMERCIAL EM TERESINA-PI

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS PRODUZIDOS POR UM ESTABELECIMENTO COMERCIAL EM TERESINA-PI GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS PRODUZIDOS POR UM ESTABELECIMENTO COMERCIAL EM TERESINA-PI Amanda Alves Feitosa (*), Dinael David Ferreira Lima * Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia

Leia mais

SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA

SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA Conteúdo 9: Gerenciamento de Resíduos Sólidos Não Perigosos: Classificação dos Resíduos Sólidos (perigosos e não perigosos). Função do gerenciamento dos resíduos

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto aprovado pelo Decreto

Leia mais

Referência: Licença de Operação (Transporte de Resíduos) Atividade objeto do licenciamento: Código DN 74/04 Descrição

Referência: Licença de Operação (Transporte de Resíduos) Atividade objeto do licenciamento: Código DN 74/04 Descrição PARECER ÚNICO nº 176 /2008 PROTOCOLO Nº 556469/2008 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº LO DEFERIMENTO Outorga Nº: (Não Aplicável) xxx xxx APEF Nº: (Não Aplicável) xxx xxx Reserva legal

Leia mais

LICENÇA DE OPERAÇÃO L.O 43/2015

LICENÇA DE OPERAÇÃO L.O 43/2015 A Secretaria Municipal do Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal Nº 88/06 e Certificado de Qualificação junto ao conselho Estadual do Meio Ambiente através da Resolução do CONSEMA Nº229/2009, com base

Leia mais

x y INTEGRAL ZONA DE AMORTECIMENTO USO SUSTENTÁVEL X NÃO BACIA FEDERAL: Rio Paraná UPGRH: PN2

x y INTEGRAL ZONA DE AMORTECIMENTO USO SUSTENTÁVEL X NÃO BACIA FEDERAL: Rio Paraná UPGRH: PN2 Pág. 1 de 17 PARECER ÚNICO Nº 153766/2014 (SIAM) INDEXADO AO PROCESSO: PA COPAM: SITUAÇÃO: Licenciamento Ambiental 8535/2013/003/2014 Sugestão pelo Deferimento FASE DO LICENCIAMENTO: Licença de Operação

Leia mais

PARECER ÚNICO: 179/2010 PROTOCOLO Nº /2010. Município: Prudente de Morais. Sub Bacia: Rio das Velhas

PARECER ÚNICO: 179/2010 PROTOCOLO Nº /2010. Município: Prudente de Morais. Sub Bacia: Rio das Velhas PARECER ÚNICO: 179/2010 PROTOCOLO Nº 329892/2010 PA COPAM nº 14370/2005/002/2008 Solicitação de inclusão e de alteração de de condicionante Empreendedor: INCA - Incineração e Controle Ambiental Ltda Empreendimento:

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL DOS RESÍDUOS GERADOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ, CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO

DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL DOS RESÍDUOS GERADOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ, CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL DOS RESÍDUOS GERADOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ, CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO Juliana Biluca (*), Karen Meridiana Rodrigues de Conto, Douglas Alcindo da Roza,

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) ODONTOLOGIA O gerenciamento dos RSS constitui-se em um conjunto de procedimentos de gestão, planejados e implementados a partir de bases

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PROFESSORA: KAREN WROBEL STRAUB

CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PROFESSORA: KAREN WROBEL STRAUB CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PROFESSORA: KAREN WROBEL STRAUB INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL A Construção Civil é reconhecida como uma das mais importantes atividades para o desenvolvimento

Leia mais

ECO PRIMOS COMÉRCIO DE RESÍDUOS LTDA

ECO PRIMOS COMÉRCIO DE RESÍDUOS LTDA ECO PRIMOS COMÉRCIO DE RESÍDUOS LTDA Á EMPRESA A ECOPRIMOS COMÉRCIO DE RESÍDUOS LTDA é uma empresa prestadora de serviços ambientais, formulada em 2004, atuando com ênfase na Gestão, Coleta, Transporte,

Leia mais

Reciclagem Resíduos da Construção Civil

Reciclagem Resíduos da Construção Civil Reciclagem Resíduos da Construção Civil Reciclagem Resíduos da Construção Civil Objetivos Aumenta a vida útil dos aterros redução de exploração de jazidas diminuição da degradação ambiental economia de

Leia mais

Em 2010, o Brasil produziu 60,8 milhões de toneladas de lixo sólido. Destes, quase 31 milhões vieram de resíduos de novas construções e de demolições.

Em 2010, o Brasil produziu 60,8 milhões de toneladas de lixo sólido. Destes, quase 31 milhões vieram de resíduos de novas construções e de demolições. Em 2010, o Brasil produziu 60,8 milhões de toneladas de lixo sólido. Destes, quase 31 milhões vieram de resíduos de novas construções e de demolições. (Fonte: Panorama de Resíduos Sólidos no Brasil, 2011/Abrelpe-

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos Sólidos CENIBRA

Gerenciamento de Resíduos Sólidos CENIBRA Gerenciamento de Resíduos Sólidos CENIBRA Alexandre Brandão Landim Dpt. Gestão Ambiental, Qualidade e Segurança Celulose Nipo-Brasileira S/A - CENIBRA UNIVERSIDADE FEDERAL VIÇOSA, Viçosa- MG. 02 de Setembro

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PARECER ÚNICO

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PARECER ÚNICO Nº 001812/2007 SUPRAM-ASF Indexado ao(s) Processo(s) Nº: 00133/2004/002/2005 Tipo de processo: Licença de Operação Corretiva Licenciamento Ambiental ( X ) Auto de Infração ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO Empreendimento:

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras CAPA 2.3 - Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes

Leia mais

DISCIPLINA a apresentação de Planos de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil PGRCC.

DISCIPLINA a apresentação de Planos de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil PGRCC. RESOLUÇÃO SMAC N.º 512, DE 11 DE MAIO DE 2012. DISCIPLINA a apresentação de Planos de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil PGRCC. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE, no uso das atribuições

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PARECER ÚNICO SUPRAM-TM/AP PROTOCOLO 283740/2009 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 01626/2006/001/2009 LOC DEFERIMENTO Empreendimento: Nacional Gás Butano Ltda. CNPJ: 086 531 456 /0001-01

Leia mais

Engª Quím. Alessandra Pires

Engª Quím. Alessandra Pires Ciclo de palestras ABES - SENGE Resíduos da Construção Civil: Responsabilidades e Alternativas Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil Desafios da Gestão Pública Engª Quím. Alessandra Pires Secretaria

Leia mais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Análise SWOT Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Implantação de associação de catadores, melhorando a coleta seletiva. Disponibilização de quantidade maior de lixeiras na cidade. Geração de empregos

Leia mais

Os Resíduos Sólidos da Construção Civil em Novo Hamburgo

Os Resíduos Sólidos da Construção Civil em Novo Hamburgo Os Resíduos Sólidos da Construção Civil em Novo Hamburgo Luciane Maria Diretora de Licenciamento Ambiental Secretaria Municipal de Meio Ambiente SEMAM Prefeitura Municipal de Novo Hamburgo Resolução CONAMA

Leia mais

Diretrizes de Gestão Ambiental

Diretrizes de Gestão Ambiental Atendimento a Requisitos Legais e Condicionantes de Licenças Ambientais Para Página 1 de 13 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Definições... 3 3. Legislações pertinentes... 3 4. Atribuições e responsabilidades...

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA- CODEBA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA- CODEBA 1 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA- CODEBA SALVADOR BA JULHO - 2016 1. INTRODUÇÃO 2 O presente Programa de Coleta Seletiva Solidária trata dos resíduos gerados pela Companhia, tendo sua elaboração

Leia mais

Planeamento e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RCD)

Planeamento e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RCD) Planeamento e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RCD) Rita Teixeira d Azevedo O planeamento e a gestão de resíduos de construção e demolição pretende identificar e implementar os elementos necessários

Leia mais

NOSSA POLÍTICA AMBIENTAL

NOSSA POLÍTICA AMBIENTAL A PUMA TAMBORES, com o objetivo de divulgar a sua política ambiental e conscientizar seus fornecedores e prestadores de serviços quanto aos aspectos ambientais, elaborou este Manual de Requisitos Ambientais

Leia mais

Fórum Setorial RCD Plataforma Ituiutaba Lixo Zero. Auditório da OAB Alice Drummond

Fórum Setorial RCD Plataforma Ituiutaba Lixo Zero. Auditório da OAB Alice Drummond Fórum Setorial RCD Plataforma Ituiutaba Lixo Zero Auditório da OAB - 29.05.2014 Alice Drummond RESOLUÇÃO CONAMA Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão

Leia mais

PARECER ÚNICO SUPRAM TMAP PROTOCOLO Nº /2010 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 02353/2002/004/2010 REVLO DEFERIMENTO

PARECER ÚNICO SUPRAM TMAP PROTOCOLO Nº /2010 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 02353/2002/004/2010 REVLO DEFERIMENTO PARECER ÚNICO SUPRAM TMAP PROTOCOLO Nº 791791/2010 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 02353/2002/004/2010 REVLO DEFERIMENTO Empreendimento: COPAGAZ DISTRIBUIDORA DE GÁS LTDA CNPJ: 03.237.583/0005-90

Leia mais

FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO

FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE DELIBERAÇÃO INEA Nº 15 DE 27 DE SETEMBRO DE 2010

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE DELIBERAÇÃO INEA Nº 15 DE 27 DE SETEMBRO DE 2010 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE DELIBERAÇÃO INEA Nº 15 DE 27 DE SETEMBRO DE 2010 ESTABELECE O GERENCIAMENTO DE EMBALAGENS USADAS DE ÓLEO

Leia mais

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos GERAÇÃO DE RESÍDUOS Planejamento e Gestão de Resíduos FONTES GERADORAS ORIGEM DE ACORDO COM A CLASSIFICAÇÃO Domiciliar Comercial Institucional Serviços Públicos (limpeza pública) Serviços de saúde Indústria

Leia mais

GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE SANANDUVA/RS

GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE SANANDUVA/RS Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE SANANDUVA/RS Roger Marx Dalepiane¹, Marília Fracasso¹, Marcia Regina Maboni Hoppen Porsch², Oberdan Teles da Silva²,

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE Página 1 de 5 SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE A Secretaria Municipal da Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente, através do Departamento de

Leia mais

Núcleo Proecco Em parceria com as empresas. Centro de Referências para Triagem e Tratamento de Resíduos Orgânicos e Inorgânicos.

Núcleo Proecco Em parceria com as empresas. Centro de Referências para Triagem e Tratamento de Resíduos Orgânicos e Inorgânicos. Núcleo Proecco Em parceria com as empresas. Centro de Referências para Triagem e Tratamento de Resíduos Orgânicos e Inorgânicos. 12/08/2015 1 12/08/2015 2 Profissionais envolvidos no projeto Biologia ;Geografia

Leia mais

Relação das Diretrizes Jurídicas que Regem os Resíduos da Construção e Demolição - Alemanha, Brasil e Espanha

Relação das Diretrizes Jurídicas que Regem os Resíduos da Construção e Demolição - Alemanha, Brasil e Espanha Relação das Diretrizes Jurídicas que Regem os Resíduos da Construção e Demolição -, e Cristiane Ferreira Pimenta ( ¹ ), Henrique Ferreira Ribeiro ( ² ), Ricardo de Lima Silva ( ³ ), Prof. Neimar Freitas

Leia mais

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-202 - RESOLUÇÃO CONAMA N o 307/2002: ESTUDO DE CASO DA IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS GERADOS EM CANTEIROS DE OBRA DE PEQUENO PORTE Márcio Santos Klauczek (1) Engenheiro Civil pela

Leia mais

Dr NEILA CRISTINA FREITAS MAIA HOSPITAL E CLÍNICA VETERINÁRIA ZOOVET

Dr NEILA CRISTINA FREITAS MAIA HOSPITAL E CLÍNICA VETERINÁRIA ZOOVET Dr NEILA CRISTINA FREITAS MAIA HOSPITAL E CLÍNICA VETERINÁRIA ZOOVET Conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE (2000), nos últimos 10 anos a população brasileira cresceu 16,8%, enquanto

Leia mais

Falta de vontade política, de capacidade técnica e de recursos financeiros impede a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Falta de vontade política, de capacidade técnica e de recursos financeiros impede a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos ABES- Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental Falta de vontade política, de capacidade técnica e de recursos financeiros impede a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE LICENCIAMENTO DA SERQUIP TRATAMENTO DE RESÍDUOS MG LTDA.

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE LICENCIAMENTO DA SERQUIP TRATAMENTO DE RESÍDUOS MG LTDA. N.º 01/2009 RT 1/7 I - INTRODUÇÃO Na reunião da Unidade Regional Colegiada do Norte de Minas (URC Norte) realizada no dia 21/07/2009 em Montes Claros/MG foi solicitada vista do Processo Administrativo

Leia mais

A REGULAÇÃO DE ATERROS SANITÁRIOS E O APROVEITAMENTO DO BIOGÁS Estado do Rio de Janeiro. Agosto

A REGULAÇÃO DE ATERROS SANITÁRIOS E O APROVEITAMENTO DO BIOGÁS Estado do Rio de Janeiro. Agosto A REGULAÇÃO DE ATERROS SANITÁRIOS E O APROVEITAMENTO DO BIOGÁS Estado do Rio de Janeiro ~ 16 milhões de habitantes - 92 municípios ~ 16 mil toneladas diárias SITUAÇÃO DO PROGRAMA LIXÃO ZERO MUNICÍPIOS

Leia mais

Curso de Engenharia Ambiental. Relatório Visita Técnica 2012

Curso de Engenharia Ambiental. Relatório Visita Técnica 2012 Curso de Engenharia Ambiental Relatório Visita Técnica 2012 Visita técnica a empresa Estre Ambiental em Paulínia-SP, e reconhecimento do funcionamento da disposição final de resíduos sólidos classe IIA

Leia mais

Movidos por um mundo mais sustentável GERENCIAMENTO TOTAL DE RESÍDUOS

Movidos por um mundo mais sustentável GERENCIAMENTO TOTAL DE RESÍDUOS Movidos por um mundo mais sustentável GERENCIAMENTO TOTAL DE RESÍDUOS TWM Soluções Ambientais Ltda A TWM AMBIENTAL nasceu com o compromisso de atender, com responsabilidade e respeito, às necessidades

Leia mais

Atividades objeto do licenciamento: Código DN 74/04 Descrição Classe C USINA DE PRODUÇÃO DE CONCRETO ASFÁLTICO 3

Atividades objeto do licenciamento: Código DN 74/04 Descrição Classe C USINA DE PRODUÇÃO DE CONCRETO ASFÁLTICO 3 PARECER ÚNICO SUPRAM TM/AP PROTOCOLO Nº 520293/2009 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 00270/1998/002/2008 REVALIDAÇÃO LO DEFERIMENTO Empreendimento: Dreste Construtora Ltda CNPJ: 23.138.373/0002-00

Leia mais

Atividades objeto do licenciamento: Código DN 74/04 Descrição Classe B

Atividades objeto do licenciamento: Código DN 74/04 Descrição Classe B PARECER ÚNICO Nº. 239/2011 PROTOCOLO Nº 0339751/2011 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº. 0096/1997/010/2011 LOC Deferimento Outorga Não Aplica APEF Nº - Não Aplica Reserva legal Nº -

Leia mais

2ª Oficina de Esclarecimento sobre a Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS. São Paulo, 23 de Setembro de 2010

2ª Oficina de Esclarecimento sobre a Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS. São Paulo, 23 de Setembro de 2010 2ª Oficina de Esclarecimento sobre a Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS São Paulo, 23 de Setembro de 2010 Art... Acordos setoriais voluntários: parceria entre Poder Público e fabricantes, importadores,

Leia mais

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE Parecer Técnico GEDIN Nº 200/2007 Processo COPAM Nº 00183/1997/016/2007 PARECER TÉCNICO Empreendedor: ALCICLA INDUSTRIA E COMERCIO LTDA. Empreendimento: ALCICLA INDUSTRIA

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 LEI:

LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 LEI: LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE FIGUEIREDO-AM. O PREFEITO MUNICIPAL DE PRESIDENTE FIGUEIREDO,

Leia mais

Equipe EcoSpohr

Equipe EcoSpohr www.ecospohr.com.br Equipe EcoSpohr O Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos PGRS tem como objetivo apresentar, não somente o atual gerenciamento dos resíduos de uma empresa, mas também os pontos a

Leia mais

Plano de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos do Consórcio 4 Ambiental: Consórcio Intermunicipal para o Desenvolvimento Ambiental Sustentável

Plano de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos do Consórcio 4 Ambiental: Consórcio Intermunicipal para o Desenvolvimento Ambiental Sustentável para o Desenvolvimento Ambiental Sustentável PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CONSORCIO INTERMUNICIPAL PARA O DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SUSTENTAVEL - 4AMBIENTAL, COMPOSTO PELOS MUNICÍPIOS

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS GLOSSÁRIO Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011 Glossário

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE Página 1 de 5 SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE A Secretaria Municipal da Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente, através do Departamento de

Leia mais

Atividades objeto do licenciamento: Código DN 74/04 Descrição Classe Fabricação de produtos alimentares, não especificados ou não classificados.

Atividades objeto do licenciamento: Código DN 74/04 Descrição Classe Fabricação de produtos alimentares, não especificados ou não classificados. PARECER ÚNICO PROTOCOLO Nº / Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 0336/2000/006/2007 LOC DEFERIMENTO Outorgas: Portaria n 158/2006 APEF Nº / Reserva legal Nº Empreendimento: PEPSICO DO

Leia mais

Considerando as diretrizes do Código Municipal de Meio Ambiente aprovado através da Lei Complementar nº 138, de 28 de dezembro de 2011 e alterações;

Considerando as diretrizes do Código Municipal de Meio Ambiente aprovado através da Lei Complementar nº 138, de 28 de dezembro de 2011 e alterações; Portaria Conjunta SEMUSB Nº 30 DE 17/05/2016 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil na cidade de Porto Velho e disciplinando as ações mínimas necessárias

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE DESCARTE DE EQUIPAMENTOS CONDICIONADORES DE AR

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE DESCARTE DE EQUIPAMENTOS CONDICIONADORES DE AR DIRETORIA DE ENGENHARIA - DE SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS E CONSTRUÇÃO DA GERAÇÃO - SPG DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA E DESENVOLVIMENTO DE ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO - DTG ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA CONTRATAÇÃO

Leia mais

ATERRO SANITÁRIO CONSORCIADO DO CARIRI Ceará Brasil

ATERRO SANITÁRIO CONSORCIADO DO CARIRI Ceará Brasil GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DAS CIDADES ATERRO SANITÁRIO CONSORCIADO DO CARIRI Ceará Brasil Camilo Sobreira de Santana Secretário das Cidades do Estado do Ceará www.cidades.ce.gov.br 1 EMBASAMENTO

Leia mais

EQUIPE DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL (DQGA)

EQUIPE DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL (DQGA) EQUIPE DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL (DQGA) - DIRETORIA DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL (DQGA) - FEAM - QUADRO DE INDICADORES E METAS DA DIRETORIA DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL (DQGA) FEAM CÓD OBJETIVO

Leia mais

Fabricação de máquinas, aparelhos, peças e acessórios com tratamento térmico e/ou tratamento superficial

Fabricação de máquinas, aparelhos, peças e acessórios com tratamento térmico e/ou tratamento superficial Pág. 1 de 9 PARECER ÚNICO Nº (SIAM) INDEXADO AO PROCESSO: PA COPAM: SITUAÇÃO: Licenciamento Ambiental 28273/2011/003/2014 Sugestão pelo Deferimento FASE DO LICENCIAMENTO: Licença de Operação LO VALIDADE

Leia mais

WORKSHOP RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFiOS PARA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SAÚDE E LIMPEZA PÚBLICA

WORKSHOP RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFiOS PARA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SAÚDE E LIMPEZA PÚBLICA WORKSHOP RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFiOS PARA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SAÚDE E LIMPEZA PÚBLICA 2 CONDICIONANTES E DETERMINANTES DE SAÚDE: Conceito de Saúde para a Organização Mundial de Saúde, a OMS: Saúde é

Leia mais

PARECER ÚNICO SUPRAM CM Nº 228/2009 PROTOCOLO Nº /2009

PARECER ÚNICO SUPRAM CM Nº 228/2009 PROTOCOLO Nº /2009 PARECER ÚNICO CM Nº 228/2009 PROTOCOLO Nº 423616/2009 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 1881/2004/001/2004 LO DEFERIMENTO Outorga Nº: (Não Aplicável) XXX XXX APEF Nº: (Não Aplicável)

Leia mais

inea MANIFESTO DE RESÍDUOS Nº

inea MANIFESTO DE RESÍDUOS Nº 1 RESÍDUO N. RESÍDUO 2 QUANTIDADE * ( X ) Processo ( ) ETDI ( ) ETE ( ) ETA ( ) Cx. Gordura ( ) Outros, especificar:. 5 ACONDICIONAMENTO 6 PROCEDÊNCIA 7 TRATAMENTO / DISPOSIÇÃO ( ) Tambor de 200 lts. (

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS Setembro/2014 Você conhece a Política Ambiental Sirtec? Disponível nos murais e no site da empresa PRINCÍPIOS DA POLÍTICA AMBIENTAL - SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade

Leia mais

Sustentabilidade Construção e Resíduos Sólidos da Construção Civil

Sustentabilidade Construção e Resíduos Sólidos da Construção Civil Sustentabilidade Construção e Resíduos Sólidos da Construção Civil CIDADES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS Biodiversidade Efeito estufa Emissões de gás Consumo de energia Gerenciamento de Recursos Poluição

Leia mais

FACULDADE SENAI DE TECNOLOGIA AMBIENTAL - SBC

FACULDADE SENAI DE TECNOLOGIA AMBIENTAL - SBC PROPOSTA DE DESTINAÇÃO SUSTENTÁVEL PARA LATAS DE PICHE PROVENIENTES DA CONSTRUÇÃO CIVIL RESUMO Vinícius de Souza Silva / Orientador: Dr. Fernando Codelo Nascimento / Coorientador: MSc. Antonio Donizetti

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Responsabilidade Compartilhada. Seguro Ambiental. José Valverde Machado Filho

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Responsabilidade Compartilhada. Seguro Ambiental. José Valverde Machado Filho Política Nacional de Resíduos Sólidos. Responsabilidade Compartilhada. Seguro Ambiental. José Valverde Machado Filho 27.05.2013 Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos, com foco em: I -

Leia mais

Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo

Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo A Lei nº 15.374 de 2011 proíbe a disponibilização de sacolas plásticas descartáveis nos estabelecimentos comerciais do município de São Paulo.

Leia mais