Finis mundi Laura Gallego García

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Finis mundi Laura Gallego García"

Transcrição

1 Tradução Célia Regina R. de Lima Temas História medieval; Companheirismo; Aventura; Diferenças religiosas e culturais Guia de leitura para o professor Série Vermelha nº páginas O livro Uma antiga profecia conta que na passagem do ano 999 para o ano 1000 o mundo iria acabar. No entanto, somente o monge Michel tem condições de impedir que isso aconteça. Ele tem o livro de um sábio ermitão que diz que, se alguém reunir três talismãs os Olhos do Passado, do Presente e do Futuro, o mundo estará salvo. Acompanhado de Mattius, um jogral ambulante, de memória prodigiosa e profundo conhecedor da geografia européia, e da jovem Lucía, Michel parte em busca dos talismãs. Mas os três não estão sozinhos nessa empreitada. García, membro de uma confraria de adoradores do Satã, é capaz de tudo para se apoderar dos três Olhos, a fim de que o Demônio instaure seu poder na Terra. A autora nasceu em Valência, na Espanha, em Ela faz parte da nova geração de escritores espanhóis. Estreou na literatura com a publicação de Finis mundi, aos 21 anos. Formada em filologia hispânica pela Universidade de Valência, a autora já publicou outros livros para o público infantil e juvenil. Além da literatura, ela trabalha com direção de desenhos animados para a televisão.

2 Mergulhando na temática stonehenge é considerado o mais importante monumento pré-histórico do Reino Unido. Estima-se que foi construído há 5 mil anos e até hoje não se tem certeza da sua finalidade. Muitos estudiosos acreditam que ele servia como um altar para cerimônias em homenagem ao sol e para rituais Druidas. Alguns relatos históricos contam que os Druidas, sacerdotes celtas que habitaram a região da Inglaterra durante o período do Império Romano, faziam seus rituais em Stonehenge. Porém, o mais provável é que não foram eles quem construíram o altar de pedras e apenas herdaram a tradição e os costumes dos primeiros moradores do lugar. Diversas pedras de Stonehenge têm desenhos ou inscrições feitas por antigas civilizações. Bibliografia sugerida: PILETTI, Nelson. Toda a história. São Paulo, Ática, BÉDIER, Jean. O romance de Tristão e Isolda. São Paulo, Martins Fontes, PATATIVA DO ASSARÉ. Cordel Patativa do Assaré. Introdução e seleção de Sylvie Debs. São Paulo, Hedra, Sugestão de sites na internet: witcombe.sbc.edu/earthmysteries/ Interpretando o texto Caminhando com Michel Ano 997, vésperas do milênio: a Europa vive sob o domínio do Sacro Império Romano-Germânico, com sede em Aix-la- Chapelle, Germânia. O mosteiro de Saint-Paul, na Normandia, França, onde vive o monge Michel, de 16 anos, é destruído por húngaros. Único sobrevivente, ele foge com um precioso manuscrito, que contém as profecias de um ermitão sobre o fim do mundo na passagem do milênio. A maneira de impedir essa destruição é invocar o Espírito do Tempo com a ajuda de três amuletos desaparecidos: o Olho do Presente, o Olho do Passado e o Olho do Futuro. O monge decide seguir as pistas deixadas pelo ermitão e salvar a humanidade. Nessa missão de três anos, tem a ajuda de Mattius e de Lucía. Mattius é um jogral, cantor e músico ambulante. Michel, educado dentro dos princípios monásticos, sente um certo preconceito contra ele, pois lhe fora ensinado que jograis eram pessoas que não mereciam confiança. Aos poucos, tornam-se amigos e companheiros de viagem: Michel convence o cético Mattius a acompanhá-lo, pois este domina a geografia da Europa Medieval e lhe servirá de guia. Saem da Normandia e atravessam o norte da França em direção à Germânia. O relacionamento entre os dois é, no início, de protetor e protegido; Mattius é mais velho, experiente, conhece os perigos e as incertezas da vida secular, acostumado a percorrer a Europa, imersa em guerras internas, miséria e opressão. Michel, culto e letrado, tendo sempre vivido entre as paredes do mosteiro, é frágil e inexperiente. Aos poucos essa relação se consolida e amadurece. Michel torna-se mais maduro e menos inseguro, apto a acompanhar o jogral em suas andanças pelos povoados e seus perigos. Michel é o mentor da missão e Mattius, o estrategista. Com base na profecia, localizam o Olho do Presente no túmulo de Carlos Magno em Aix-la-Chapelle. Da Germânia vão até a Ocitânia (sul da França); cruzam os Pirineus e seguem o caminho das estrelas até Santiago de Compostela, local ancestral de peregrinação, no oeste da Espanha, onde, segundo os pergaminhos, encontrariam o Olho do Futuro. São perseguidos por García, membro de uma confraria de adoradores de Satã, que também quer apoderar-se dos três Olhos para invocar o Demônio e instaurar seu poder na Terra. Nesse

3 ponto da narrativa, inicia-se o confronto entre o Bem e o Mal, o que confere tensão à trama. Em Santiago, conhecem Lucía, que os ajudará a localizar o segundo Olho. O suspense cresce, pois García continua a ameaçar a missão e tenta roubar-lhes os dois amuletos. Mattius é ferido, mas os três conseguem fugir. A narrativa prossegue e, depois dos muitos perigos que na época uma viagem poderia trazer, os personagens cruzam o Canal da Mancha até a Britânia (Inglaterra), em busca do terceiro Olho, o do Passado. Na travessia, conhecem uma misteriosa dama normanda. Michel instrui Lucía a fugir para Stonehenge, o Círculo dos Druidas, onde está o terceiro Olho. Ela chega no último dia do milênio, predito último dia do mundo, e o encontra. Nesse momento, chega a dama normanda, a grande vilã da história, que quer apoderar-se dos amuletos para obter a imortalidade e a onisciência. García aparece e a mata. Mattius e Michel chegam e enfrentam García, que também morre na luta. O monge invoca o Espírito do Tempo. Através dos Olhos, Lucía vê o Passado, Mattius, o Presente e Michel, o Futuro. Só se vê a destruição do homem pelo homem em todos os tempos; segundo o Espírito, o mundo não tem salvação e precisa ser destruído. Michel manifesta sua esperança no ser humano e oferece sua vida em troca de uma nova chance para a humanidade. O Espírito concorda, mas cobra seu preço: o monge morre e Lucía e Mattius ficam juntos, pois descobrem que se amam. Caminhando por entre os temas O tema central da obra é o esforço para a superação de obstáculos de concretização de um ideal ou missão. O tempo e o espaço são elementos fundamentais para se compreender a natureza e a dimensão dos conflitos que os personagens têm de enfrentar. Dentro dessas duas linhas condutoras, abrem-se várias questões significativas a serem analisadas. A superação de obstáculos e a solidariedade. A força narrativa de Finis mundi baseia-se no conflito do personagem principal: Michel assume a missão de salvar o mundo e, em benefício dele, entregar a própria vida. Há muitas histórias de heróis e homens idealistas que perderam suas vidas em favor de um ideal ou sonho. Pode-se começar a pensar em Jesus, continuar com Ghandi, na Índia, Tiradentes, no Brasil, e Martin Luther King, nos EUA. Sugere-se discutir as seguintes questões: por que Michel tem tanta determinação? O que leva uma pessoa a crer em seus ideais a ponto de defendê-los com a própria vida? Ainda há pessoas assim?

4 Mattius, a princípio cético em relação às profecias, passa a crer nelas e a ajudar Michel, sofrendo as conseqüências dessa escolha. Como dois seres humanos tão diferentes podem se tornar amigos? O que os leva a serem solidários um com o outro? Podese discutir com os alunos: como as pessoas enfrentam ou deixam de enfrentar dificuldades e medos por causa dos amigos? Até que ponto a amizade pode ou deve conduzir as pessoas? Também pode-se pôr em debate a questão: é importante para as pessoas desenvolver o princípio da força espiritual, a crença e a defesa de ideais, os valores da amizade, perseverança e solidariedade? Vivendo na Idade Média. As noções históricas de tempo no cenário da Idade Média, centrais na estrutura narrativa, são fundamentais para a compreensão da sustentação da trama. As invasões na Península Ibérica. Após o século III, ocorre a fragmentação do Império Romano, com a chegada de tribos dos chamados povos bárbaros, aqueles que viviam fora dos limites do Império e não tinham a cultura romana: eram os vikings, vindos da Dinamarca, os germanos e, mais tarde, os húngaros, da Europa Oriental, entre outros. Após 476, data da queda oficial do Império Romano, inicia-se a Idade Média (século V a século XV). Levantar hipóteses sobre a vida nesse ambiente, entender como vivia o povo é sempre uma boa estratégia para fomentar o interesse dos alunos. Como seria a vida dos humildes dependentes dos poderosos? Quais seriam as melhores e piores profissões da época? Os mosteiros. Pode-se investigar como era a vida nos mosteiros. Qual sua importância cultural para a época? Os monges levavam vida em comum, faziam votos de pobreza, castidade e obediência. Eram o único grupo letrado da sociedade, com acesso a livros. Por isso, os mosteiros tornaram-se centros culturais. Um dos mais famosos foi o Mosteiro de Cluny, fundado em 910, ordem religiosa a que pertence o personagem Michel. Um projeto intertextual poderia ser desenvolvido com o filme O Nome da Rosa, que retrata muito bem esse aspecto da Idade Média e também mescla história e ficção. A difusão da cultura oral. Muito antes da invenção da imprensa, os livros eram reproduzidos nos scriptorium, pelo processo da cópia manuscrita em folhas de pergaminho, trabalho que Michel fazia no mosteiro. A partir dessa realidade da época, pode-se comentar: como então se propagavam as manifestações literárias, as façanhas de heróis e os fatos históricos entre o povo? Deve-se lembrar que a cultura oral foi

5 de grande importância e seus agentes de difusão eram os jograis, como Mattius, cantores e recitadores nômades e músicos ambulantes que divulgavam nos povoados e castelos um repertório musical e literário nas línguas locais. Será que a profissão de jogral encontraria lugar ainda nos dias de hoje? É interessante lembrar repentistas e poetas da literatura de cordel que, também em determinadas regiões do Brasil, cantam histórias de amor e grandes façanhas. Eles poderiam ser considerados herdeiros dessa cultura oral? Para esse trabalho de intertextualidade e permanência de valores, a leitura da obra do poeta Patativa do Assaré é um caminho fértil, com a possibilidade de comparação entre textos de narrativas antigas oralizadas (Tristão e Isolda, trechos da Canção de Roland) com poemas de cordel de Assaré (O Padre Henrique contra o Dragão da Maldade). As línguas na Idade Média e a formação do português. A profissão de Mattius lhe confere mobilidade existencial e conhecimento. Ele domina e veicula centenas de cantares, poemas e contos orais nos dialetos e línguas da época: occitano, provençal, castelhano, galego, catalão, grego, toscano. O latim era a língua oficial do Império mas, a essa época, só era usado nos mosteiros e na corte, e se modificava na boca dos variados povos da Europa Ocidental, gerando novos dialetos que, mais tarde, dariam origem às línguas neolatinas, entre elas o português. Ao conjunto desses dialetos, deu-se o nome de romances ou romanços, termo mencionado por Mattius, que não falava o latim, só romanços. Solicitar um levantamento das línguas neolatinas (quais e quantas são) e das origens do português, com o panorama das condições histórico-culturais da Península Ibérica, pode ser um projeto instigante e produtivo. As grandes religiões. Michel é um monge católico, seguidor do Cristianismo, mas tem seus próprios preconceitos. Com a invasão dos árabes, o Islamismo chega à Península e é temido por todos; a narrativa menciona também o Judaísmo e o preconceito sofrido por judeus, como ocorreu com o personagem Isaac. Sugere-se um debate sobre a intolerância religiosa que leva a conflitos e que pode conduzir ao fanatismo. O fato de se ter determinada religião dá a alguém o direito de considerar as outras menos verdadeiras? Até onde radicalismos de qualquer espécie podem prejudicar as relações entre pessoas e povos? Como vencer preconceitos em relação às religiões, culturas e etnias? Uma possibilidade de enriquecimento seria entrevistar o professor de História e os colegas sobre o assunto.

6 Mergulhando na temática Navegando pelo tempo / História e ficção 300 Início das invasões bárbaras 467 Data convencional do início da Idade Média (Alta Idade Média) 800 Coroação de Carlos Magno como imperador romano 814 Morte de Carlos Magno em Aix-la-Chapelle 890 Invasões dos húngaros na Europa Ocidental 910 Fundação da Ordem de Cluny na Borgonha, região da França atual, movimento reformista contra a intervenção dos senhores feudais na escolha e nomeação dos abades 962 Coroação de Óton I, o Grande, como imperador, dando início ao Sacro Império Romano-Germânico, com sede em Aix-la-Chapelle (Aachen, em alemão), Germânia, atual Alemanha 973 Óton II torna-se imperador 983 Óton III torna-se imperador aos 3 anos de idade 991 Invasão dinamarquesa na Britânia (Inglaterra) 997 Michel abandona o mosteiro destruído e com Mattius, vai até Aix-la-Chapelle em busca do primeiro amuleto 998 Já de posse do Olho do Presente, os dois amigos percorrem o caminho de Santiago de Compostela e chegam até Finisterra, na Galícia 999 Junho de 999 De posse do Olho do Futuro, partem para a Britânia Dezembro de 999 Lucía chega a Stonehenge 31 de dezembro de 999 invocação do Espírito do Tempo 1000 A Ordem de Cluny propõe a Trégua de Deus, movimento que procurava combater a verdadeira mania de guerrear existente na época Mattius e Lucía voltam para a Normandia

7 dialogando com os alunos Antes da leitura Sugerem-se as atividades: Explorar o título: expressão latina que significa o fim do mundo. Encaminhar uma discussão sobre a existência de profecias em torno do Apocalipse, mencionando, por exemplo, Nostradamus, o mais famoso profeta do futuro. Cartomantes, videntes, horóscopos e mapas astrológicos na previsão do futuro têm alguma valia? Existem profecias que se cumprem? É possível crer nelas? Levantamento de experiências pessoais. Combinar uma leitura por capítulos. Antes de iniciar cada capítulo, desenhar para os alunos o panorama da Idade Média em que se insere a narrativa, apresentando-lhes uma linha do tempo e um mapa, contextualizando os principais fatos que influenciam a narrativa: as invasões bárbaras, os mosteiros, a limitação de acesso à leitura, a difusão oral da cultura etc. A partir desses dados, fazer a leitura das duas páginas iniciais, nas quais esses dados já são apontados concretamente. Durante a leitura Sugerem-se as seguintes atividades: Após a leitura do Livro I, retomar linha do tempo e mapa e comentar alguns aspectos: 3 As condições de vida na Idade Média: as muralhas das cidades, as invasões e as pilhagens, as doenças, as festas populares, o comércio e os artesãos, as dificuldades de locomoção etc. 3 O amadurecimento do personagem: Michel passa a respeitar Mattius e a perceber que as coisas no mundo não eram como tinham-lhe contado no mosteiro (pp. 38 e 53). Quanto e como podemos crescer com nossas próprias experiências? 3 Santiago de Compostela: já na Idade Média, milhares de cristãos iam em peregrinação ao santuário, em Santiago de Compostela, na Galícia, Espanha. O nome Compostela, acredita-se, originou-se da expressão latina campus stellae (campo de estrelas). Até hoje, peregrinos anônimos ou famosos refazem esse caminho. Quais seriam as motivações que levam pessoas de diferentes lugares do mundo a convergirem para essa rota ancestral: espírito religioso-cristão, misticismo, busca interior, superação de limites pessoais ou uma grande aventura?

8 Após a leitura do Livro II, é possível comentar: 3 O preconceito que Lucía sofre por ser mulher e querer ser jogralesa (p. 66). Preconceitos contra as mulheres em determinadas profissões ainda existem? 3 A importância do ponto de vista na narrativa. Há um narrador onisciente que conhece tudo sobre todos. Como seria a história contada do ponto de vista de Lucía? Quais seriam as conseqüências desse enfoque para a estrutura da narrativa? Depois da leitura Sugerem-se as seguintes atividades: A estrutura narrativa: 3 Como se processa o arranjo dos fatos na dinâmica de construção da trama? 3 Como é construído o suspense? Como o escritor consegue criar expectativas, captar e manter a atenção do leitor? 3 A divisão em capítulos é importante na estruturação da história? 3 O final é previsível ou imprevisto? 3 O que há de ficção e o que há de verdade histórica na trama? Como a autora equilibrou essas duas forças? Uma sobreviveria sem a outra? Da Idade Média à vida contemporânea: 3 Michel leva três anos para cumprir sua missão. Como seria hoje? O que mudou de 997 a 2004? Quais as invenções que transformaram o mundo desde então? 3 O homem é o lobo do homem (Thomas Hobbes 1588/1679). O sacrifício de Michel, que lembra outro ocorrido no começo do mesmo milênio (o de Jesus Cristo), valeu a pena? Mudou alguma coisa desde então, ou o homem continua a destruir seu semelhante? 3 Como vivemos hoje? De um lado, guerras, intolerância, violência, radicalismos; de outro, famílias unidas pelo amor, pessoas idealistas, ONGs. Será que a humanidade tem salvação? O que seria salvar a humanidade? Elaboração do guia Laiz Barbosa Carvalho; coordenação Ivone Daré Rabello; revisão pedagógica e preparação Miró Editorial

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

#101r. (Continuação) Apocalipse 13:1~10; a besta que subiu do mar.

#101r. (Continuação) Apocalipse 13:1~10; a besta que subiu do mar. (Continuação) Apocalipse 13:1~10; a besta que subiu do mar. #101r Na aula passada, iniciamos o estudo do cap13 de Apocalipse, onde, como falamos de certa forma descreve o personagem mais importante da

Leia mais

História da Música Ocidental

História da Música Ocidental História da Música Ocidental A Música na Idade Média e no Renascimento Música medieval é o nome dado à música típica do período da Idade Média. Essas práticas musicais aconteceram há quase 1500 anos atrás.

Leia mais

HISTÓRIA REVISÃO 1. Unidade II Civilização Greco Romana e seu legado. Aula 9 Revisão e avaliação da unidade II

HISTÓRIA REVISÃO 1. Unidade II Civilização Greco Romana e seu legado. Aula 9 Revisão e avaliação da unidade II HISTÓRIA REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 Unidade II Civilização Greco Romana e seu legado. Aula 9 Revisão e avaliação da unidade II HISTÓRIA REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 Expansionismo Romano - Etapas 1ª.

Leia mais

DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO 6ª 3 P2 REVISÃO

DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO 6ª 3 P2 REVISÃO DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO História CONTEÚDO: CAP 3 - Islã CAP 4 Francos e Carolíngios 6ª 3 P2 REVISÃO 1. Na Arábia pré-islâmica, uma cidade em especial se transformou num ponto de encontro,

Leia mais

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 6 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Observe a imagem e responda às questões 1 e 2. REPRODUÇÃO 1. Cite dois elementos presentes na imagem que representam a Igreja católica.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 6 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP UNIDADE DE ESTUDO 06 OBJETIVOS - Localizar, na História, a Idade Média;

Leia mais

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 1

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 1 Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 1 Nome: Data: Unidade 1 Recomendação ao aluno: Utilizar lápis de cor. 1. A fixação dos germânicos nas terras do Império Romano ocorreu em duas fases. Ligue

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

Filme: O Lobisomem e o Coronel

Filme: O Lobisomem e o Coronel Filme: O Lobisomem e o Coronel Gênero: Animação Diretor: Elvis K. Figueiredo, Ítalo Cajueiro Ano: 2002 Duração: 10 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível no Porta Curtas: www.portacurtas.com.br/curtanaescola/filme.asp?cod=1518

Leia mais

- Trecho da Carta de Pero Vaz de Caminha sobre o Descobrimento do Brasil. - Fotografias da posse do presidente do Brasil

- Trecho da Carta de Pero Vaz de Caminha sobre o Descobrimento do Brasil. - Fotografias da posse do presidente do Brasil MATERIAL DE REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL 6 ANO 1) Classifique as fontes listadas abaixo em primarias e secundárias: - Vídeo do atentado terrorista ao World Trade Center em 2001 - Trecho da Carta de Pero

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 5 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início:15-21 de setembro 2015 *Fim:17 dezembro 2015 *Início:4

Leia mais

Crise no Império Romano. Capítulo 6

Crise no Império Romano. Capítulo 6 Crise no Império Romano Capítulo 6 A falta de escravos leva ao aparecimento do sistema do colonato. Corte nas verbas do exército, gera revolta e briga entre os generais. Os generais passam a não obedecer

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de Disciplina: Shannon Botelho 7º ano. TURMA: NOME: nº ARTE PÁLEO-CRISTÃ OU DAS CATACUMBAS Surgiu com os primeiros

Leia mais

GRUPOS NO JUDAISMO NA ÉPOCA DE JESUS

GRUPOS NO JUDAISMO NA ÉPOCA DE JESUS Jörg Garbers GRUPOS NO JUDAISMO NA ÉPOCA DE JESUS ORIGEM CARACTERÍSTICAS CONCEITOS RELIGIOSOS 1 FARISEUS 1.1 O NOME O nome fariseu provavelmente significa, os que se separam, os separados. O nome já expressa

Leia mais

Projeto dia dos Pais 2015 Comemoração dia 15/08/15

Projeto dia dos Pais 2015 Comemoração dia 15/08/15 Projeto dia dos Pais 2015 Comemoração dia 15/08/15 Objetivo:Promover a interação entre pais e filhos, de maneira divertida, prazerosa e colaborativa, dentro do contexto escolar de convivência e socialização.

Leia mais

PESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO

PESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO PESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / 6º ANO Sois meu refúgio e minha cidadela, meu Deus, em que eu confio (Sl 90,2) OS

Leia mais

Todos Batizados em um Espírito

Todos Batizados em um Espírito 1 Todos Batizados em um Espírito Leandro Antonio de Lima Podemos ver os ensinos normativos a respeito do batismo com o Espírito Santo nos escritos do apóstolo Paulo, pois em muitas passagens ele trata

Leia mais

III Domingo da Quaresma de 2015. Ano A

III Domingo da Quaresma de 2015. Ano A III Domingo da Quaresma de 2015. Ano A Caríssimos Irmãos e Irmãs: Neste ano, em nosso M osteiro, estamos celebrando o Tempo da Quaresma do Ano A, porque na Noite Santa da Páscoa, vamos ministrar os Sacramentos

Leia mais

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram GPS Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram ferramentas importantes para nos localizarmos com mais facilidade. Agora imagine que você pudesse ter um GPS que, além de lhe fornecer

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

Roma Antiga. O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império;

Roma Antiga. O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império; ROMA Roma Antiga O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império; Sua queda, em 476, marca o início da Idade Média. O mito

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann 1 DELIMITAÇÃO Ao abordarmos sobre as razões para ser um professor numa escola e falar sobre o amor de Deus, encontramos algumas respostas

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Claudia S. N. Vieira Disciplina: LPO Série: 1ª Tema da aula: O Trovadorismo Objetivo da aula: Trabalhar as principais características do estilo

Leia mais

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro?

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro? ...as religiões? Sim, eu creio que sim, pois não importa a qual religião pertença. O importante é apoiar a que tem e saber levá-la. Todas conduzem a Deus. Eu tenho minha religião e você tem a sua, e assim

Leia mais

Distribuição Gratuita Venda Proibida

Distribuição Gratuita Venda Proibida O Atalaia de Israel Um Estudo do Livro de Ezequiel Dennis Allan 2009 www.estudosdabiblia.net Distribuição Gratuita Venda Proibida O Atalaia de Israel Um Estudo do Livro de Ezequiel Dennis Allan Introdução

Leia mais

Carta de Paulo aos romanos:

Carta de Paulo aos romanos: Carta de Paulo aos romanos: Paulo está se preparando para fazer uma visita à comunidade dos cristãos de Roma. Ele ainda não conhece essa comunidade, mas sabe que dentro dela existe uma grande tensão. A

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO Primeiro voto: o papel do jovem eleitor em relação ao combate à corrupção ROTEIRO

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa da disciplina e metas curriculares 3º CICLO HISTÓRIA 7º ANO TEMAS/DOMÍNIOS CONTEÚDOS

Leia mais

Carta de Paulo aos romanos:

Carta de Paulo aos romanos: Carta de Paulo aos romanos: Paulo está se preparando para fazer uma visita à comunidade dos cristãos de Roma. Ele ainda não conhece essa comunidade, mas sabe que dentro dela existe uma grande tensão. A

Leia mais

As narrativas de fronteira e a construção de identidades

As narrativas de fronteira e a construção de identidades As narrativas de fronteira e a construção de identidades Diogo da Silva Roiz * Recebida em agosto e qprovada em outubro de HARTOG, François. Memória de Ulisses: narrativas sobre a fronteira na Grécia Antiga.

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula IV - Introdução ao Novo Testamento e o caráter Literário dos evangelhos A ORIGEM DO NOME A expressão traduzida

Leia mais

AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4.

AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4. AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4.1-42 INTRODUÇÃO A narrativa da Mulher Samaritana se desenvolve

Leia mais

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza O MUNDO MEDIEVAL Prof a. Maria Fernanda Scelza Antecedentes Crises políticas no Império Romano desgaste; Colapso do sistema escravista; Problemas econômicos: aumento de impostos, inflação, descontentamento;

Leia mais

Nº 8 - Mar/15. PRESTA atenção RELIGIÃO BÍBLIA SAGRADA

Nº 8 - Mar/15. PRESTA atenção RELIGIÃO BÍBLIA SAGRADA SAGRADA Nº 8 - Mar/15 PRESTA atenção RELIGIÃO! BÍBLIA Apresentação Esta nova edição da Coleção Presta Atenção! vai tratar de um assunto muito importante: Religião. A fé é uma questão muito pessoal e cada

Leia mais

Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus.

Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus. Profeta Daniel Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus. O livro de Daniel liga-se ao livro do Apocalipse do Novo Testamento, ambos contêm

Leia mais

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana.

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. 30.2 Conteúdo: Intertextualidade no texto literário. Habilidade: Estabelecer, em textos de diferentes gêneros, relações entre recursos verbais e não

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 1 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. Leia o texto e responda. A formação da sociedade medieval foi um processo longo e complexo, que reuniu durante séculos características

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho

Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Planificação do 7º Ano - Educação Moral e Religiosa Católica Unidades Temáticas Conteúdos Competências Específicas Instrumentos de Avaliação UL1- AS ORIGENS

Leia mais

Liderança e ministérios de mulheres em Atos dos Apóstolos *

Liderança e ministérios de mulheres em Atos dos Apóstolos * 1 Liderança e ministérios de mulheres em Atos dos Apóstolos * Ivoni Richter Reimer Atos dos Apóstolos faz parte da obra de Lucas e foi escrito por volta do ano 90 (século I). Este livro testemunha sobre

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO

ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / MEU SENHOR E MEU DEUS, EU CONFIO EM TI! OS TEXTOS SAGRADOS NAS TRADIÇÕES RELIGIOSAS

Leia mais

Um domingo além da razão

Um domingo além da razão Um domingo além da razão Leon Tolstói Confissão Minha pergunta - aquela que aos 50 anos quase me levou ao suicídio - era a mais simples das perguntas que habitam a alma de qualquer ser humano... uma pergunta

Leia mais

LIÇÃO 2 Jesus, o Messias Prometido

LIÇÃO 2 Jesus, o Messias Prometido Nesta Lição Estudará... A Natureza da Profecia Bíblica A Importância das Profecias O Desenvolvimento da Profecia Messiânica O Ritual Profético As Profecias Sobre o Messias Humano e Divino Sacrifício e

Leia mais

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO SERIEDADE NA PALAVRA CURSO BÁSICO DE TEOLOGIA MÓDULO I 1º SEMESTRE DE 2015 INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO PR. ROGÉRIO DE ANDRADE CHAGAS Introdução ao Novo Testamento. A nossa aula introduzirá a parte histórica

Leia mais

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 UNIDADE DIDÁTICA: TEMA A: DOS PRIMEIROS POVOS À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL.

Leia mais

Estes capítulos introduzem a última série de visões de Ezequiel, nas quais ele vê

Estes capítulos introduzem a última série de visões de Ezequiel, nas quais ele vê Lição 14 Ezequiel Mede o Templo Restaurado (Ezequiel 40:1-42:20) Estes capítulos introduzem a última série de visões de Ezequiel, nas quais ele vê o templo restaurado. Nesta lição, vamos considerar alguns

Leia mais

SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO

SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO ANA ELIZABETH CAVALCANTI DA COSTA 3 ÍNDICE Introdução... 13 1ª Parte - O Universo Mágico Os Ciclos

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS PRODUÇÃO E RECEPÇÃO DE TEXTOS Lingüística Textual : Recepção e Produção de Textos Visão Sistemática e Particular. Gêneros e Estruturas

Leia mais

Educação Moral e Religiosa Católica. O Islamismo. Colégio do Amor de Deus

Educação Moral e Religiosa Católica. O Islamismo. Colégio do Amor de Deus Educação Moral e Religiosa Católica O Colégio do Amor de Deus Educação moral e Religiosa Católica 00 estrutura Colégio do Amor de Deus 00 estrutura 00 estrutura 01 definição 02 génese 03 estudo história

Leia mais

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C CONTEÚDOS DO EXAME Líderes religiosos, Motivação e Liderança Convivência com o grupo; Amizade e sentido de grupo Os projetos Solidários; O que é um projeto? Olhares sobre

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS Infância/Adolescencia MISSÃO MISSÃO. Palavra muito usada entre nós É encargo, incumbência Missão é todo apostolado da Igreja. Tudo o que a Igreja faz e qualquer campo.

Leia mais

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção?

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção? MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Espiritualidade e profecia são duas palavras inseparáveis. Só os que se deixam possuir pelo espírito de Deus são capazes de plantar sementes do amanhã e renovar a face da terra. Todo

Leia mais

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.:

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.: PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Como o relevo

Leia mais

PARÓQUIA NOSSA SENHORA APARECIDA e SÃO LOURENÇO Em obediência à vossa palavra, lançarei as redes (Lc 5,5b)

PARÓQUIA NOSSA SENHORA APARECIDA e SÃO LOURENÇO Em obediência à vossa palavra, lançarei as redes (Lc 5,5b) Evangelho A palavra Evangelho significa: Boas Novas. Portando, não temos quatro evangelhos, mas quatro evangelistas que escreveram, cada um, conforme sua visão, as boas-novas de salvação, acerca do Senhor

Leia mais

A Aliança de Yahweh com Abraão

A Aliança de Yahweh com Abraão A Aliança de Yahweh com Abraão Ora, disse o Senhor a Abrão: Sai da tua terra, da tua parentela, e vai para a terra que te mostrarei; de ti farei uma grande nação, te abençoarei, e te engrandecerei o nome.

Leia mais

Carta dos Povos da Terra

Carta dos Povos da Terra Carta dos Povos da Terra Primeira Proposta Janeiro 2011 Para contribuir no debate e enriquecer esta proposta de Carta, pode se inscrever enviando um e-mail para carta@forums.rio20.net www.rio20.net Um

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros.

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. A Torá é o texto mais importante para o Judaísmo. Nele se encontram os Mandamentos, dados diretamente

Leia mais

A Antiguidade Oriental Hebreus

A Antiguidade Oriental Hebreus A Antiguidade Oriental Hebreus (Monoteísmo e judaísmo) Mar Mediterrâneo Delta do Nilo Egito NASA Photo EBibleTeacher.com Península nsula do Sinai Mt. Sinai Mar Vermelho Canaã Tradicional Rota do Êxodo

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

Conteúdos/conceitos Metas curriculares Atividades Calendarização

Conteúdos/conceitos Metas curriculares Atividades Calendarização (200) Programa de História e Geografia de Portugal - 2º ciclo Conteúdos/conceitos - Metas curriculares - Atividades a dinamizar na escola com os alunos Conteúdos/conceitos Metas curriculares Atividades

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Planificação Anual ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS TEMA(S) / CONTEÚDOS AVALIAÇÃO CALENDARIZAÇÃO

Planificação Anual ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS TEMA(S) / CONTEÚDOS AVALIAÇÃO CALENDARIZAÇÃO ANO LECTIVO - 010/ 011 ÁREA DISCIPLINAR DE HISTÓRIA HISTÓRIA 7º ANO COMPETÊNCIAS GERAIS 1. Tratamento de informação; utilização de fontes;. Compreensão histórica:.1. Temporalidade.. Espacialidade.3. Contextualização

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

Porque Deus mandou construir o tabernáculo?

Porque Deus mandou construir o tabernáculo? Aula 39 Área da Adoração Êxodo 19:5~6 Qual o significado de: vós me sereis reino sacerdotal? Significa que toda a nação, não parte, me sereis reino sacerdotal, povo santo, nação santa. Israel era uma nação

Leia mais

Religiões Principio do bem Principio do mal Zoroastrismo Ahura Mazda ou Angra Mainyu ou Arimã

Religiões Principio do bem Principio do mal Zoroastrismo Ahura Mazda ou Angra Mainyu ou Arimã 1 Zoroastrismo As idéias religiosas dos persas foram consolidadas no zoroastrismo. Zoroastrismo é uma religião fundado por Zoroastro (ou Zaratustra para os gregos) que viveu entre 1750 a 1500 ac ou 1400

Leia mais

A Fé que nos gloriamos de professar (continuação)

A Fé que nos gloriamos de professar (continuação) A Fé que nos gloriamos de professar (continuação) Fé cristã: Costume ou Decisão Pessoal É uma decisão livre, da consciência de cada um! As raízes da fé cristã A fé cristã não começou connosco. A fé que

Leia mais

O PLANO CONTRA LÁZARO

O PLANO CONTRA LÁZARO João 12 Nesta Lição Estudará... Jesus em Betânia O Plano Contra Lázaro Jesus Entra em Jerusalém Alguns Gregos Vão Ver Jesus Anuncia a Sua Morte Os Judeus Não Crêem As Palavras de Jesus Como Juiz JESUS

Leia mais

História/15 6º ano Turma: 2º trimestre Nome: Data: / / RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 6º ano

História/15 6º ano Turma: 2º trimestre Nome: Data: / / RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 6º ano História/15 6º ano Turma: 2º trimestre Nome: Data: / / 6ºhis302r RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 6º ano Aluno(a), Seguem os conteúdos trabalhados no 2º trimestre. Como base neles você deverá iniciar seus

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

A CIDADE-ESTADO ESTADO GREGA ORIGEM DAS PÓLIS GREGAS Causas geomorfológicas A Grécia apresenta as seguintes características: - Território muito montanhoso; na Antiguidade, as montanhas estavam cobertas

Leia mais

A aproximação intercultural entre os romances de formação "Doidinho" e "Die Verwirrung des Zöglings Törless.

A aproximação intercultural entre os romances de formação Doidinho e Die Verwirrung des Zöglings Törless. Cristiane Maria Bindewald Universidade Federal do Paraná A aproximação intercultural entre os romances de formação "Doidinho" e "Die Verwirrung des Zöglings Törless. Este trabalho é resultado do nosso

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

MESOPOTÂMIA ORIENTE MÉDIO FENÍCIA ISRAEL EGITO PÉRSIA. ORIENTE MÉDIO origem das primeiras civilizações

MESOPOTÂMIA ORIENTE MÉDIO FENÍCIA ISRAEL EGITO PÉRSIA. ORIENTE MÉDIO origem das primeiras civilizações MESOPOTÂMIA FENÍCIA ISRAEL EGITO ORIENTE MÉDIO PÉRSIA ORIENTE MÉDIO origem das primeiras civilizações CIVILIZAÇÕES DA ANTIGUIDADE ORIENTAL Mesopotâmia - Iraque Egito Hebreus Israel Fenícios Líbano Pérsia

Leia mais

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER INTRODUÇÃO: Qualquer que seja meu objetivo, ler é a atividade básica do aprendizado. Alguém já disse: Quem sabe ler, pode aprender qualquer coisa. Se quisermos estudar a Bíblia,

Leia mais

LIÇÃO 1 A SUPERIORIDADE DE CRISTO Cristo é superior a tudo e a todos, portanto, reina sobre tudo e todos Hebreus 1.1-2.18; 5.1-10

LIÇÃO 1 A SUPERIORIDADE DE CRISTO Cristo é superior a tudo e a todos, portanto, reina sobre tudo e todos Hebreus 1.1-2.18; 5.1-10 LIÇÃO 1 A SUPERIORIDADE DE CRISTO Cristo é superior a tudo e a todos, portanto, reina sobre tudo e todos Hebreus 1.1-2.18; 5.1-10 1. Pesquise cinco passagens no Antigo Testamento que anunciem o Messias,

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

Considerações sobre o Evangelho de João

Considerações sobre o Evangelho de João 1 Considerações sobre o Evangelho de João. O Evangelho de João nasceu do anúncio vivo, da memória de homens e mulheres que guardavam e transmitiam os ensinamentos transmitidos por Jesus.. O chão = vida

Leia mais