ASPECTOS JURÍDICOS DA FRAUDE DE ENERGIA ELÉTRICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASPECTOS JURÍDICOS DA FRAUDE DE ENERGIA ELÉTRICA"

Transcrição

1 ASPECTOS JURÍDICOS DA FRAUDE DE ENERGIA ELÉTRICA Érika Wilza Brito de Assis 1 RESUMO A evasão de tributos, o comprometimento do resultado e indicadores das concessionárias, o impacto na tarifa, tudo isso faz com que as perdas de energia elétrica sejam uma preocupação nacional. Diante disso, o presente artigo busca abordar os diversos aspectos jurídicos que envolvem a fraude de energia elétrica, desde as formas de combate, até sua resolução no âmbito do Judiciário, passando por questões controversas que envolvem o tema. Também serão pontuadas as correlações existentes entre os diversos ramos do direito e o tema em estudo. Levantar esse debate fazer com que essa matéria seja difundida no meio jurídico é também uma das vigas mestras do presente estudo. A pesquisa desenvolve-se basicamente pela análise de diplomas legislativos e jurisprudências, com apoio na escassa doutrina existente sobre o tema. Palavras-Chaves: Concessão. Energia Elétrica. Irregularidade 1 INTRODUÇÃO As perdas não-técnicas de energia elétrica são um dos maiores desafios das empresas distribuidoras de energia elétrica do Brasil e do mundo. Estas perdas, que também são denominadas de perdas comerciais, repercutem sob os usuários de duas maneiras principais: uma quando é realizada a revisão tarifária 2, na qual a ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica permite que um percentual das perdas das concessionárias seja remunerado na tarifa seguinte 3 ; a outra quando a concessionária deve suportar o percentual não incluído na tarifa, o que provoca inevitável reflexo no serviço, uma vez que a concessionária terá que deixar de aplicar recursos na melhoria das atividades para direcioná-los ao combate as perdas. Dentre as várias origens de perdas não-técnicas destacaremos aqui o furto/fraude de energia elétrica. Nem sempre as variáveis que colaboram ou interferem na elevação do furto/fraude de energia elétrica estão associadas a fatores diretamente vinculados às concessionárias, muitas vezes eles são externos às organizações, tais como: baixo nível de renda da população, situação econômica do país, elevação da carga tributária, ocupação desordenada das cidades, taxa de 1 Concludente do Curso de Bacharelado em Direito do CEUT, Turma Trabalho apresentado para a obtenção do título de Bacharel em Direito. 2 As revisões tarifárias são feitas ordinariamente a cada 05 (cinco) anos e têm por objetivo restabelecer o equilíbrio econômico-financeiro da concessão. As revisões também podem ser solicitadas extraordinariamente pelas Concessionárias sempre que algum evento provoque significativo desequilíbrio financeiro na concessão. Nesse caso, o Contrato de Concessão deve ser revisto e auditado para assegurar a justa remuneração. O objetivo é manter intacto o equilíbrio entre a prestação do serviço e a remuneração. 3 Conforme Resolução 456/2000 da ANEEL.

2 desemprego, elevação dos índices de criminalidade, inércia na ação policial, falta de agilidade da justiça, cultura da impunidade e percepção generalizada da população de que o furto/fraude de energia elétrica não é crime (cultura da fraude). Essa cultura, que existe em relação ao furto/fraude de energia elétrica, resulta do pouco conhecimento que a sociedade tem acerca dos prejuízos decorrentes dessas práticas, como: I- Risco de acidentes. Uma vez que, na maioria das vezes, o fraudador não possui conhecimento técnico e nem tampouco obedece aos procedimentos de segurança. II- Evasão de tributos, tais como: ICMS, COFINS, PIS, IRPJ, CSSL. O que acentua a falta de recursos para aplicação em educação, saúde, segurança pública, transporte, etc. A título de exemplo, durante o ano de 2006, somente no Estado do Maranhão, a União deixou de arrecadar R$ ,95 (cinqüenta e oito milhões, oitocentos e vinte e nove mil, setecentos e oito reais e noventa e cinco centavos); em 2007 esses valores foram de R$ ,57 (sessenta e três milhões, trezentos e vinte e um mil, oitocentos e trinta e cinco reais e cinqüenta e sete centavos) 4 ; III- Concorrência desleal no mercado, na medida em que o fraudador pode vender seu produto mais barato; IV- Elevação da tarifa, provocada pelo descompromisso do fraudador com a conservação e uso racional da energia elétrica, o que implica em perda de competitividade econômica do Estado, uma vez que os grandes empreendimentos migram para os locais onde seus insumos sejam mias baratos; V- Redução do faturamento das concessionárias, e conseqüentemente da arrecadação; o que implica em diminuição de recursos a serem investidos na manutenção e melhoria do parque elétrico. VI- Comprometimento dos indicadores de continuidade 5 das concessionárias, considerando que as ligações clandestinas, pela sua precariedade, provocam interrupções no fornecimento de energia elétrica; VII- Comprometimento do resultado das concessionárias de energia elétrica. Diante dessa realidade, faz-se necessário o desenvolvimento de ações de combate ao furto/fraude de energia, tais como: desenvolvimento de novas tecnologias de combate às perdas; desenvolvimento de ações de inteligência no combate ao furto/fraude de energia, através do diagnóstico das perdas e de melhores estratégias de detecção e combate; troca das melhores práticas de combate entre as empresas, buscando sempre constantes inovações; elaboração de campanhas 4 Dados estipulados em estudo realizado pela Gerência de Recuperação de Energia da Companhia Energética do Maranhão - CEMAR, no ano de Parâmetros que representam o desempenho de um sistema elétrico. São utilizados para mensuração da continuidade apurada e análise comparativa com os padrões estabelecidos através dos índices indicados pela ANEEL.

3 educativas de prevenção; desenvolvimento de programas de eficiência para comunidades de baixa renda; ação em conjunto com a Polícia; ação em conjunto com o Judiciário; entre outras. Nesse diapasão, podemos dividir as ações de combate ao furto/fraude de energia elétrica em três grupos: I- Solução social; II- Solução técnica; e III- Solução legal. Em face de tudo o que foi acima exposto, este trabalho busca abordar os aspectos jurídicos da fraude de energia elétrica, desde as soluções propostas para sua erradicação, sobretudo as soluções legais, passando por sua descoberta, através das inspeções/fiscalizações, até sua resolução no âmbito do judiciário, envolvendo ainda questões ainda não pacíficas sobre o tema. 1.1 Conceitos Para uma melhor compreensão do presente trabalho faz-se mister elencarmos alguns conceitos que são de fundamental importância para o tema em apreço. Perdas não técnicas - São aquelas que ocorrem no repasse aos usuários. Furto de energia elétrica - Ocorre o furto de energia elétrica quando há conexões clandestinas, auto-reconexões (ligado direto - LD) e desvios antes da medição 6. Fraude de energia elétrica - A fraude de energia elétrica é caracterizada pela manipulação dos equipamentos de medição, alterando o valor correto da sua precisão para valores inferiores aos reais 7. Inspeção - Chama-se inspeção a vistoria técnica realizada no padrão de entrada 8 da unidade consumidora visando detectar a precisão e possíveis defeitos dos equipamentos de medição, detectar fraudes e/ou desvios de energia e verificar erros de ligação. Consumo não registrado - Consumo que não foi faturado e, conseqüentemente, não foi pago, em razão de ter sido camuflado pelo consumidor. Tarifa - Preço público pago pelo usuário pela prestação do serviço. É fixada pelo valor da proposta vencedora da licitação e preservada pelas regras de revisão, previstas na lei, no edital e no contrato, que garantem o equilíbrio econômico-financeiro 9 da concessionária. As tarifas poderão 6 Tipificados no artigo 155, III do Código Penal. 7 Cumpre ressaltar que a fraude de energia elétrica também é um tipo de furto de energia. 8 Conjunto de instalações composto por caixa de medição, sistema de aterramento, condutores e outros acessórios. O mesmo deve obedecer a normas técnicas e de segurança. 9 É o direito à equivalência entre vantagens e encargos estabelecidos entre o Poder Concedente e a Concessionária, assegurando-se uma justa remuneração pela atividade desenvolvida. Trata-se de garantia dada pelo Poder Concedente

4 ser diferenciadas em função das características técnicas e dos custos específicos provenientes do atendimento aos distintos segmentos de usuários, sendo os critérios de preços correspondentes aos serviços prestados supervisionados e normatizados pela ANEEL. A concessão de qualquer benefício tarifário poderá ser atribuída a uma classe ou coletividade de usuários dos serviços, vedado, sob qualquer pretexto, o benefício singular. Matéria contida nos artigos 9 e 13 da lei 8.987/95 e parágrafo único do artigo 35 da lei 9.074/95. Unidade consumidora - Conjunto de instalações e equipamentos elétricos caracterizado pelo recebimento de energia elétrica em um só ponto de entrega, com medição individualizada e correspondente a um único consumidor. 2 DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS A princípio, realce salientarmos algumas disposições constitucionais que dizem respeito à competência para a exploração dos serviços de energia elétrica e a possibilidade de sua atribuição a terceiros, mediante concessão. A atividade econômica do Estado, só é admitida excepcionalmente, conforme art. 173 da Constituição Federal, reservando-se o exercício estatal para os imperativos da segurança nacional ou de relevante interesse coletivo, quando a administração atua diretamente, por reconhecer a essencialidade e necessidade para a coletividade e para o próprio Estado. Nesse contexto, dispõe o art. 20, inciso VIII da nossa Carta Magna, que os potenciais de energia hidráulica são bens da União. Logo em seguida, autoriza a delegação de serviços. É o que dispõe o art. 21, inciso XII, alínea b da Constituição Federal. In verbis: Art Compete à União: XII - explorar diretamente ou mediante autorização, concessão ou permissão: b) os serviços e instalações de energia elétrica e o aproveitamento energético dos cursos de água, em articulação com os Estados onde se situam os potenciais hidroenergéticos. Cumpre observarmos que a exploração da energia elétrica envolve não apenas a sua produção, como também sua distribuição. Com a desverticalização 10, os serviços de energia elétrica foram divididos em três atividades distintas: geração, transmissão e distribuição, todas como atividades independentes e, por determinação legal, impedidas de serem prestadas pela mesma de que a concessão não sofrerá, por algum evento, o desequilíbrio na equação econômico-financeira, a ponto de ter a concessão abalada. Os reajustes tarifários oferecem à concessionária a perspectiva de que, no período entre as revisões tarifárias, o seu equilíbrio econômico-financeiro não sofrerá corrosão por processo inflacionário. 10 Conceito desenvolvido pelo RESEB (Projeto de Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro), em prática pelo Órgão Regulador ANEEL. Rege a matéria o 5 do artigo 4, da Lei 9.074/95, modificado pelo artigo 8 da Medida Provisória 144, de 10 de dezembro de 2003.

5 pessoa jurídica. Dessa forma, podemos concluir que a distribuição da energia elétrica é serviço delegado pela União mediante concessão. Ainda sobre as concessionárias de serviços públicos e suas características, assim estabelece o artigo 175 da Constituição Federal. In verbis: Art Incube ao Poder Público, na forma da lei, diretamente ou sob regime de concessão ou permissão, sempre através de licitação, a prestação de serviços públicos. Parágrafo único: A lei disporá sobre: I- o regime das empresas concessionárias e permissionárias de serviços públicos, o caráter especial de seu contrato e da sua prorrogação, bem como as condições de caducidade, fiscalização e rescisão da concessão ou permissão; II- os direitos dos usuários; III- política tarifária; IV- a obrigação de manter o serviço adequado. Conforme podemos deduzir do citado artigo, lei infraconstitucional irá dispor sobre o regime das empresas concessionárias e permissionárias de serviços públicos, caráter especial de seu contrato, condições de caducidade e fiscalização, direitos dos usuários, política tarifária, entre outros. É o que veremos mais adiante. 2.1 Princípios Constitucionais x Fraude de Energia Sabemos que muitos são os princípios insculpidos em nossa Constituição Federal de 1988, todavia destacaremos aqui apenas os que mais apresentam relevância para o tema em estudo. I- Princípio do acesso à justiça - art. 5, inciso XXXV da Constituição Federal. Dispõe que a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito. De um modo geral, poucos comentários temos a tecer sobre o referido princípio. Além de auto-explicativo, não há grandes controvérsias envolvendo o tema. Sempre que o consumidor de energia elétrica busca a Justiça por considerar que seu direito foi lesionado ou ameaçado, ainda que seja comprovadamente um fraudador terá o acesso à justiça garantido. II- Princípio da ampla defesa e do contraditório - art. 5ª, inciso LV da Constituição Federal. Estabelece que aos litigantes em processo judicial ou administrativo serão assegurados o contraditório e a ampla defesa. Nesse sentido, a ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica, delegatária da União na competência normativa técnica sobre o setor de energia elétrica, regulou o uso das inspeções pelas Concessionárias de Energia Elétrica, reconhecendo-lhes o direito de combater a maléfica prática de fraude, mas impondo-lhes uma série critérios a serem observados para a validade da inspeção. A inspeção realizada pela concessionária permite ao consumidor a ampla defesa e o contraditório. Destacaremos aqui alguns exemplos práticos, disponibilizados ao consumidor durante

6 o procedimento das fiscalizações e na formatação dos processos administrativos de consumo não registrado. Durante a inspeção, o consumidor poderá solicitar o acompanhamento de um técnico em eletricidade particular. Dessa maneira, o mesmo terá o respaldo de um técnico com conhecimentos específicos em energia elétrica, que irá acompanhar os inspetores da concessionária na realização da fiscalização. Apesar de não ser este um procedimento necessário, uma vez que os inspetores da concessionária realizarão todos os procedimentos conforme determina a ANEEL, independente do acompanhamento ou não, de um técnico particular, representa mais uma garantia para o consumidor. Após a formatação do processo administrativo de consumo não registrado - CNR, o consumidor é informado acerca da existência do referido processo, dessa forma, o mesmo tem a possibilidade de apresentar defesa administrativa (recurso) junto à concessionária, além de ainda poder recorrer à própria ANEEL, conforme artigo 78, parágrafos 1º, 2º e 3º da Resolução 456 da ANEEL. Ainda nesse sentido, caso não concorde com aferição realizada pela concessionária em seu medidor, poderá solicitar aferição 11 em Órgão Metrológico Oficial. É o que dispõe o 3º, do artigo 38 da Resolução 456 da ANEEL, in verbis: Art. 38- O consumidor poderá exigir a aferição dos medidores, a qualquer tempo, sendo que as eventuais variações não poderão exceder os limites percentuais admissíveis. (...) 3º- Persistindo dúvida o consumidor poderá, no prazo de 10 (dez) dias, contados a partir do recebimento da comunicação do resultado, solicitar a aferição do medidor por órgão metrológico oficial, devendo ser observado o seguinte: I- quando não for possível a aferição no local da unidade consumidora, a concessionária deverá acondicionar o medidor em invólucro específico, a ser lacrado no ato de retirada, e encaminhá-lo ao órgão competente, mediante entrega de comprovante desse procedimento ao consumidor; II- os custos de frete e de aferição devem ser previamente informados ao consumidor; e III- quando os limites de variação tiverem sido excedidos os custos serão assumidos pela concessionária, e, caso contrário, pelo consumidor. Em síntese, o contraditório é constituído por dois elementos: informação e reação. Sua configuração é que permite a ampla defesa. Dessa forma, atendidas as premissas estabelecidas pela regulação, não há que se falar que os procedimentos de inspeção realizados pelas concessionárias são unilaterais. Os direitos e garantias individuais são limitadores da atuação administrativa, uma vez que são automaticamente inconstitucionais todos os atos que atentem contra qualquer princípio previsto no art. 5 da Constituição Federal. Conclui-se, portanto, que o combate à fraude de energia não pode implicar em ofensa aos princípios do acesso à justiça e da ampla defesa e do contraditório, 11 Procedimento técnico realizado com a finalidade de verificar a precisão do equipamento de medição de energia elétrica, observando se o mesmo está em conformidade com os padrões definidos pela ANEEL.

7 assegurados constitucionalmente. Em sentido contrário, não pode o consumidor socorrer-se destes princípios para agir de forma não compatível com a adequada utilização do serviço. 2.2 Da Inviolabilidade do Domicílio Exposta no artigo 5, inciso XI da Constituição Federal, informa que a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento do morador, salvo em caso de flagrante delito ou desastre, ou para prestar socorro, ou, durante o dia, por determinação judicial. A referida garantia constitucional traz à baila alguns questionamentos quando analisamos os procedimentos realizados durante as fiscalizações promovidas pelas concessionárias de energia elétrica nas unidades consumidoras. Em uma primeira análise, parece haver notória violação ao referido direito fundamental, quando da realização das inspeções, todavia, para que possamos melhor compreender as dúvidas que comumente são apresentadas, faz-se mister detalhar o funcionamento das mesmas. Após a seleção dos alvos, que, em síntese, podem ser aleatórios, automáticos ou determinados por um sistema de inteligência, os inspetores da concessionária se deslocam até a unidade consumidora 12 e lá realizam uma vistoria técnica no padrão de entrada, visando detectar a precisão e possíveis defeitos dos equipamentos de medição, fraudes e/ou desvios de energia e verificar erros de ligação. Não obstante a vistoria realizada no padrão de entrada, após a autorização do consumidor mediante assinatura na ficha de inspeção técnica, os inspetores podem ainda fazer verificações internas no imóvel, visando detectar possíveis problemas nas instalações internas e/ou desvios embutidos 13. Nesse diapasão, o artigo 37 da Resolução 456 da ANEEL informa que o consumidor deve assegurar o livre acesso dos inspetores aos locais em que os equipamentos de medição estejam instalados. In verbis: Art. 37- A verificação periódica dos medidores de energia elétrica instalados na unidade consumidora deverá ser efetuada segundo critérios estabelecidos na legislação metrológica, devendo o consumidor assegurar o livre acesso dos inspetores credenciados aos locais em que os equipamentos estejam instalados. Dessa forma, quando a vistoria está sendo realizada no padrão de entrada, não há que se falar em violação do direito fundamental da inviolabilidade do domicílio, posto que expressamente 12 Unidade consumidora é o conjunto de instalações e equipamentos elétricos caracterizado pelo recebimento de energia elétrica em um só ponto de entrega, com medição individualizada e correspondente a um único consumidor. 13 Desvios embutidos são aqueles não facilmente detectáveis, instalados antes da medição. São cabos que normalmente se encontram incrustados em paredes, teto ou solo. Os mesmos criam caminhos mais curtos para a passagem da energia elétrica, que desvia de seu percurso normal; dessa forma a mesma será consumida, mas não será efetivamente registrada pelos equipamentos de medição.

8 autorizado por legislação normativa do setor. Importante ressaltar que para chegar a essa conclusão foi considerado que os equipamentos de medição (padrão de entrada) estejam instalados na área externa da residência (externalização da medição), o que é recomendado pela ANEEL e que veremos com maior detalhe mais adiante. Por outro lado, o próprio dispositivo constitucional ressalva que ninguém poderá adentrar o domicílio do indivíduo, se, e somente se, não houver o consentimento do mesmo. Conforme anteriormente visto, os inspetores somente realizam verificações internas, quando há expressa autorização do consumidor. Conclui-se, portanto, que apesar de alguns poucos questionamento no sentido de colocar em xeque a atuação dos inspetores das concessionárias durante a realização das fiscalizações, desde que respeitado o direito de inviolabilidade do lar, não há qualquer irregularidade nas mesmas. 3 IMPLICAÇÕES NO DIREITO ADMINISTRATIVO Inicialmente, faremos algumas considerações sobre serviços públicos, serviços de utilidade pública, e sua possibilidade de delegação. Segundo a tradicional doutrina, serviços públicos, propriamente ditos, são os que a Administração presta diretamente à comunidade, por reconhecer a sua essencialidade e necessidade para a sobrevivência do grupo social, e do próprio Estado. Serviços de utilidade pública são os que a Administração, reconhecendo a sua conveniência para os membros da coletividade, presta-os diretamente ou aquiesce que sejam prestados por terceiros, podendo ainda se dividir em serviços uti singuli e uti universi. Os primeiros são aqueles prestados a usuários determinados, onde é possível dimensionar quem são os indivíduos que recebem os serviços e cada prestação, são os que têm por finalidade a satisfação individual e direta das necessidades dos cidadãos. Os segundos são aqueles onde não há possibilidade de individualização dos seus beneficiários, são os serviços públicos com caráter de generalidade. Os mesmos são prestados à coletividade, mas usufruídos apenas indiretamente pelos indivíduos. Dessa forma, em decorrência de sua própria natureza, os serviços uti universi são impassíveis de serem delegados. Nesse sentido, podemos concluir que a distribuição de energia elétrica é serviço de utilidade pública uti singuli delegado pela União mediante concessão. Neste sentido, cumpre salientarmos algumas características das concessões. Segundo doutrina majoritária, a concessão corresponde ao contrato administrativo pelo qual poder público concedente confere ao concessionário (particular ou outro ente público) os poderes e deveres que legalmente lhe cabem, para que estes os exerçam em seu lugar, como a

9 execução remunerada de serviço público, devendo fazê-lo pelo prazo e nas condições regulamentares e contratuais. A concessão de serviço público, em sua forma tradicional, é disciplinada pela lei 8.987/95 (lei de concessões) e sua remuneração básica, decorre de tarifa paga pelo usuário. Sua natureza jurídica é de contrato administrativo, sujeito a regime jurídico de direito público. Diante disso, e em decorrência da própria natureza jurídica das concessões, as concessionárias possuem prerrogativas e sujeições próprias do poder público, concernentes à finalidade, procedimento, forma, cláusulas exorbitantes, mutabilidade, etc.. Nesse sentido, possuem normas próprias, adequadas à situação específica, buscando sempre o equilíbrio dos contratos (art. 37, inciso XXI da Constituição Federal c/c arts. 5º e 29, inciso V da Lei 8.987/95). Cumpre observar que as prerrogativas da concessionária sub-rogam nas prerrogativas da Administração. Sob esta perspectiva, os atos da concessionária possuem presunção de legitimidade juris tantum (presunção relativa), uma vez que emanados de um ente que, embora não pertença à administração, está sob seu comando direto. A idoneidade é característica indispensável do prestador dos serviços públicos. Além disso, o fato da atividade está sendo exercida por um particular não a desvirtua de seu caráter público/administrativo, uma vez que está sendo regulada pela própria Administração, que continua como titular da atividade, pois o poder concedente só transfere ao concessionário a execução do serviço, continuando titular do mesmo. Corroborando esse entendimento, temos as jurisprudências que seguem abaixo: Apelação Cível n Apelante: Espírito Santo Centrais Elétricas S/A Apelados: Delson Luiz Barcelos e outra Relator: Arnaldo Santos Sousa Tribunal de Justiça do Espírito Santo PROCESSO CIVIL. APELAÇÃO CÍVEL. ENERGIA ELÉTRICA. FISCALIZAÇÃO. INDÍCIOS DE FRAUDE. PRESUNÇÃO DE LEGITIMIDADE DO ATO ADMINISTRATIVO. DANO MORAL NÃO CARACTERIZADO. SENTENÇA REFORMADA. RECURSO PROVIDO. 1. A atuação regular da concessionária/recorrente no sentido de fiscalizar e notificar possíveis indícios de fraude no consumo de energia não caracteriza dano moral, já que tal atividade encontra respaldo na lei. 2. Uma vez que não constam dos autos provas efetivas das irregularidades alegadas pelos autores/recorridos, não há como desqualificar a presunção de legitimidade que reveste o ato administrativo. 3. Recurso conhecido e provido para reformar a sentença atacada, julgando improcedente o pedido constante da exordial e invertendo os ônus das sucumbências. Conclusão: À unanimidade, dar provimento ao recurso, nos termos do voto do relator. Apelação com Revisão n Relator: Des. Fábio Rogério Bojo Pellegrino 31ª Câmara de Direito Privado Tribunal de Justiça de São Paulo Pub. DJ em: 14/08/2008 ENERGIA ELÉTRICA - SERVIÇO PÚBLICO DELEGADO - CONCESSIONÁRIA DE SERVIÇO PÚBLICO - AUTUAÇÃO ADMINISTRATIVA- PODER DE POLÍCIA - PRESUNÇÃO DE LEGALIDADE E LEGITIMIDADE

10 ADMINISTRATIVAS - INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR - INAPLICABILIDADE - PERICÍA JUDICIAL, ADEMAIS, QUE COMPROVA FRAUDE 1. Os atos fiscalizatórios de concessionária de serviço público delegado gozam de presunção de legalidade e legitimidade administrativas. Tal presunção afasta a inversão do ônus da prova do Código de Defesa do Consumidor, por falta de verossimilhança. 2. A presunção de legalidade e regularidade das autuações administrativas no exercício do serviço público delegado à concessionária apenas é afastada com prova inequívoca, a cargo do autuado, de abuso de poder ou irregularidade da concessionária, até porque ao autuado é atribuída a prática de ilícito com lesão a interesse da coletividade. 3. Prova pericial judicial reforçou a presunção, tornando-a certeza, na medida em que comprovou a adulteração do medidor de energia, na forma do já constatado administrativamente pela concessionária. Não obstante essas prerrogativas, a concessionária possui algumas limitações, tais como: preço, condições de prestação, sujeição à fiscalização do Poder Concedente, sujeição a sanções e alteração unilateral dos contratos. Nesse sentido, cumpre observar que a ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica é o ente competente para fiscalizar as concessionárias de energia elétrica de todo o território nacional. 3.1 Relação Jurídica Concessionária x Concedente Trata-se de relação regida por um contrato administrativo, que goza de prerrogativas e sujeições (limitações), possuindo previsão expressa do direito de fiscalizar e aplicar sanções, sempre após aviso prévio. Nesse contexto, torna-se interessante a discussão acerca da prerrogativa do particular de exercer o poder de polícia visando à defesa do patrimônio concedido. Segundo a tradicional doutrina, o poder de polícia é a atividade da Administração consistente em limitar o exercício dos direitos individuais em benefício do interesse público, dessa forma, pressupõe o uso da autoridade estatal para impedir ações anti-sociais e garantir a manutenção do interesse coletivo. Segundo Mello 14 : A atividade conhecida entre nós como polícia administrativa - hoje estudada, preferentemente sob a designação de Limitações Administrativas à Liberdade e à Propriedade - corresponde à ação administrativa de efetuar os condicionamentos legalmente previstos ao exercício da liberdade e da propriedade das pessoas, a fim de compatibilizá-lo com o bem estar social. Compreende-se, então, no bojo de tal atividade, a prática de atos preventivos (como autorizações, licenças), fiscalizadores (como inspeções, vistorias, exames) e repressivos (multas, embargos, interdição de atividade, apreensões). O Art. 31 das leis das concessões (lei 8.987/95) informa que é encargo da concessionária cumprir e fazer cumprir as normas do serviço e cláusulas contratuais da concessão, bem como zelar pela integridade dos bens vinculados à prestação do serviço e segurá-los 14 MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Serviço Público e Poder de Polícia: Concessão e Delegação. In: Revista Trimestral de Direito Público, n 20. São Paulo: Malheiros, p. 23.

11 adequadamente. Dessa forma, não seria possível a execução dos serviços concedidos se não houvesse a possibilidade fática da concessionária de zelar pelos bens que lhe foram delegados. Conclui-se, portanto, que os atos de poder de polícia que podem ser exercidos pelo particular delegatário de serviço público devem estar legalmente autorizados e necessariamente vincular-se ao serviço que lhe foi concedido, sob pena de evidente inconstitucionalidade. Em contrapartida, são responsabilidades que o Poder Concedente tem perante suas Concessionárias, objetivando a adequação dos serviços concedidos: regulamentar o serviço concedido e fiscalizar permanentemente sua prestação; aplicar as penalidades cabíveis; intervir na prestação dos serviços; extinguir as concessões; homologar reajustes e proceder à revisão tarifária; cumprir e fazer cumprir as disposições regulamentares do serviço e as cláusulas contratuais da concessão; zelar pela boa qualidade do serviço; receber, apurar e solucionar reclamações e queixas dos usuários; estimular o atendimento da qualidade e produtividade; preservar e conservar o meio ambiente; incentivar a competitividade e estimular a formação de associações de usuários para defesa dos interesses relativos aos serviços. Tudo conforme disposição do artigo 29 da lei 8.987/95. Em face do que foi acima exposto, podemos concluir que ao poder concedente cabe legislar e fiscalizar a concessão, aplicando, quando necessário, as penalidades em que a delegatária incorrer. Por equivalência, à Concessionária cabe a prestação do serviço adequado e a estreita observância à regulação do setor. 3.2 Relação Jurídica Concessionária x Usuário O contrato que rege a relação jurídica entre concessionária e usuário não goza de prerrogativas que lhe revista a condição de instrumento administrativo. Tal contrato é regido pelo direito privado, uma vez que se trata de uma relação especial de venda de energia. Dessa forma, algumas características são peculiares a este contrato: embora de adesão, é também sinalagmático, uma vez que impõe obrigações recíprocas. A concessionária deve prestar um serviço adequado, disponibilizar informações aos usuários e responsabilizar-se por possíveis danos causados, por sua vez, aos usuários dos serviços públicos delegados cumpre a utilização adequada dos serviços, o pagamento da contraprestação tarifária, bem como a repressão ao uso irregular. Também deve o usuário ser responsabilizado civil e penalmente pela utilização indevida da energia elétrica. No que tange aos deveres dos usuários, a lei de concessões públicas acabou por incumbir os usuários no dever de cooperar com a fiscalização da atividade concedida, impondo-lhe

12 obrigações como a de observância às normas do poder concedente e a de contribuir para a preservação dos bens delegados. É o que dispõe o art. 7 da lei de concessões, in verbis: Art. 7 - Sem prejuízo do disposto na Lei n 8.078, de 11 de setembro de 1990, são direitos e obrigações dos usuários: (...) IV- levar ao conhecimento do poder público e da concessionária as irregularidades de que tenham conhecimento, referentes ao serviço prestado; VI- contribuir para a permanência das boas condições dos bens públicos através dos quais lhes são prestados os serviços. É bem interessante quando a própria lei de concessões estabelece como uma das obrigações do usuário cientificar o poder público e a concessionária, de irregularidades que tenha conhecimento. Quando estamos lidando com consumidores que fraudam ou furtam energia elétrica, é mais comum observamos no cotidiano a indiferença dos demais usuários. Estes costumam considerar que o problema do furto/fraude de energia é única e exclusivamente das concessionárias, sobretudo porque não têm conhecimento dos diversos prejuízos decorrentes dessas práticas. Acharmos, enquanto consumidores, que nada temos a ver com o vizinho que furta ou frauda a energia elétrica, é pensamento demasiadamente individualista, uma vez que, se o fraudador não paga pelo que consome, alguém paga. E esse alguém somos nós: eu, você e toda a coletividade. ANEEL, in verbis: Ainda sobre o dever dos usuários, assim estabelece o artigo 3 da Resolução 456 da Art. 3 - Efetivado o pedido de fornecimento à concessionária, esta cientificará ao interessado quanto à: I- obrigatoriedade de: (...) b) instalação, pelo interessado, quando exigido pela concessionária, em locais apropriados de livre e fácil acesso, de caixas, quadros, painéis ou cubículos destinados à instalação de medidores, transformadores de medição e outros aparelhos da concessionária, necessários à medição de consumos de energia elétrica e de demandas de potência, quando houver, e à proteção destas instalações. (...) Conclui-se, portanto, que é dever do consumidor de energia elétrica proteger as instalações (padrão de entrada) constantes em sua unidade consumidora, bem como manter as mesmas em locais apropriados e de livre e fácil acesso. Cumpre observar que a preferência por locais de livre e fácil acesso, também denominada de externalização da medição 15, faz parte de uma série de medidas adotadas com a finalidade de facilitar o processo de leitura e faturamento dos consumidores, além de possibilitar uma melhor fiscalização dos aparelhos de medição. 4 ASPECTOS REGULATÓRIOS 15 Vide Resolução 258/2003 ANEEL que trata especificamente do assunto.

13 O serviço de fornecimento de energia elétrica é regulamentado por algumas leis e resoluções, que, conforme anteriormente visto, irão dispor sobre o regime das empresas concessionárias de serviços públicos, caráter especial de seu contrato, condições de caducidade e fiscalização, direitos dos usuários, política tarifária, entre outros. Nesse sentido, é importante destacar que as agências reguladoras são instituições criadas por lei, normalmente sob a forma de autarquia em regime especial, que têm como objetivo regular e fiscalizar serviços concedidos pelo Poder Público, visando sempre à defesa dos interesses do consumidor para que receba serviços adequados, eficazes e com preço justo. Destacaremos aqui os dispositivos legais que são de maior relevância para o presente estudo. 4.1 Lei de Concessões - Lei 8.987/1995 A lei 8.987/95, que regulou o artigo 175 da Constituição Federal, trouxe em suas disposições um conjunto de preceitos que devem ser respeitados pelo particular executor do serviço público. A principal premissa estabelecida na lei de concessões é o conceito de que toda concessão ou permissão pressupõe a prestação de serviço adequado, em conformidade com o que rege o art. 6, in verbis: Art. 6 - Toda concessão ou permissão pressupõe a prestação de serviço adequado ao pleno atendimento dos usuários, conforme estabelecido nesta Lei, nas normas pertinentes e no respectivo contrato. 1 - Serviço adequado é o que satisfaz as condições de regularidade, continuidade, eficiência, segurança, atualidade, generalidade, cortesia na sua prestação e modicidade das tarifas. 2 - A atualidade compreende a modernidade das técnicas, do equipamento e das instalações e a sua conservação, bem como a melhoria e expansão do serviço. (...) Cumpre observar que o citado dispositivo encontra-se em perfeita harmonia com o Código de Defesa do Consumidor, o que nos leva a crer que, quando da redação do mesmo, tenha o legislador se voltado quase que exclusivamente ao consumidor. Não obstante isso, eles são de grande importância para o presente estudo, uma vez que revelam alguns dos limites a que está submetido o ente privado delegatário do serviço público: segurança, generalidade, cortesia, eficiência, etc.. Nesse sentido, será ilegal qualquer ato praticado pelo concessionário que não se coadune com as condições de prestação de serviço adequado ao pleno atendimento dos usuários. De modo contrário, cabe ao usuário respeitar as normas do poder concedente e contribuir para a permanência das boas condições dos bens públicos através dos quais lhes são

14 prestados os serviços, obrigações que, conforme anteriormente visto, lhe foram impostas também pela Lei 8.987/95, em seu artigo 7. Ainda nesse contexto, vale à pena ressaltar que a modicidade tarifária é que enseja a efetiva possibilidade de acesso e utilização do serviço público de energia elétrica pela população, concorrendo para a universalização do serviço público de energia elétrica. 4.2 Resolução 456/2000 ANEEL A ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica tem natureza jurídica de autarquia sob regime especial, vinculada ao Ministério de Minas e Energia, criada pela lei de 26 de dezembro de 1996, que tem, entre outras, as atribuições de regular e fiscalizar a geração, transmissão, distribuição e a comercialização de energia elétrica, defendendo o interesse do consumidor; mediar os conflitos de interesses entre os agentes do setor elétrico e entre estes e os consumidores; conceder, permitir e autorizar instalações e serviços de energia; garantir tarifas adequadas e justas; zelar pela qualidade dos serviços; adequar os investimentos necessários ao setor; assegurar a universalização dos serviços. A ANEEL substituiu o Departamento Nacional de Águas e Energia Elétrica - DNAEE, extinto pela lei 9.427/96. A lei 9.427/96, que instituiu a Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL, em seu artigo 2º assim estabeleceu: Art. 2º - A Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL, tem por finalidade regular e fiscalizar a produção, transmissão, distribuição e comercialização de energia elétrica, em conformidade com as políticas e diretrizes do Governo Federal. Aí está fixada a competência da ANEEL, como único órgão governamental com atribuições para definir as condições gerais de fornecimento de energia elétrica. Diante dessa missão, a ANEEL editou algumas Resoluções com a finalidade de regulamentar o setor elétrico, dentre elas, a que mais se destaca é a Resolução 456 de 29 de novembro de Nesse sentido, destacaremos aqui os artigos da Resolução 456/2000 que representam maior relevância para o presente estudo e que ainda não foram comentados neste trabalho. Assim dispõe o artigo 36, in verbis: Art. 36- Os lacres instalados nos medidores, caixas e cubículos, somente poderão ser rompidos por representante legal da concessionária. Parágrafo único. Constatado o rompimento ou violação de selos e/ou lacres instalados pela concessionária, com alterações nas características da instalação de entrada de energia originariamente aprovadas, mesmo não provocando redução no faturamento, poderá ser cobrado o custo administrativo adicional correspondente a 10% (dez por cento) do valor líquido da primeira fatura emitida após a constatação da irregularidade. Extrai-se do citado dispositivo legal, que somente a concessionária está autorizada a violar os lacres constantes nos medidores, quando o particular assim o faz, age de forma não

15 compatível com a adequada utilização do serviço, uma vez que deixa de observar determinações expressas na legislação competente. Nesse sentido, podemos caracterizar essa inobservância por parte do consumidor como procedimento irregular (de um modo geral, são procedimentos irregulares todos aqueles realizados em descumprimento de norma relativa ao setor). Cumpre observar que as obrigações pertinentes ao consumidor previstas na Resolução 456/2000 da ANEEL são transpostas ao contrato de adesão enviado ao usuário 16. Quando os lacres dos medidores, caixas e cubículos são rompidos por pessoa que não seja representante legal da concessionária, ainda que este procedimento não provoque redução no faturamento do consumidor, a concessionária esta autorizada a cobrar custo administrativo adicional na fatura emitida após a constatação da irregularidade. Não obstante isso, se o citado procedimento irregular ocasionar redução no faturamento, será gerado um processo administrativo de consumo não registrado. Aduz o artigo 72, in verbis: Art Constatada a ocorrência de qualquer procedimento irregular cuja responsabilidade não lhe seja atribuível e que tenha provocado faturamento inferior ao correto, ou no caso de não ter havido qualquer faturamento, a concessionária adotará as seguintes providências: I- emitir o Termo de Ocorrência de Irregularidade, em formulário próprio, contemplando as informações necessárias ao registro da irregularidade, tais como: a) identificação completa do consumidor; b) endereço da unidade consumidora; c) código de identificação da unidade consumidora; d) atividade desenvolvida; e) tipo e tensão de fornecimento; f) tipo de medição; g) identificação e leitura(s) do(s) medidor(es) e demais equipamentos auxiliares de medição; h) selos e/ou lacres encontrados e deixados; i) descrição detalhada do tipo de irregularidade; j) relação da carga instalada; l) identificação e assinatura do inspetor da concessionária; e m) outras informações julgadas necessárias; II- solicitar os serviços de perícia técnica do órgão competente vinculado à segurança pública e/ou do órgão metrológico oficial, este quando se fizer necessária a verificação do medidor e/ou demais equipamentos de medição; III- implementar outros procedimentos necessários à fiel caracterização da irregularidade; IV- proceder à revisão do faturamento com base nas diferenças entre os valores efetivamente faturados e os apurados por meio de um dos critérios descritos nas alíneas abaixo, sem prejuízo do disposto nos arts. 73, 74 e 90: (...) 2º Comprovado, pela concessionária ou consumidor, na forma do art. 78 e seus parágrafos, que o início da irregularidade ocorreu em período não atribuível ao atual responsável, a este somente serão faturadas as diferenças apuradas no período sob responsabilidade do mesmo, sem aplicação do disposto nos arts. 73, 74 e 90, exceto nos casos de sucessão comercial. 3º Cópia do termo referido no inciso I deverá ser entregue ao consumidor no ato da sua emissão, preferencialmente mediante recibo do mesmo, ou, enviada pelo serviço postal com aviso de recebimento (AR). 4º No caso referido no inciso II, quando não for possível a verificação no local da unidade consumidora, a concessionária deverá acondicionar o medidor e/ou demais equipamentos 16 Nos postos de atendimento da CEMAR, se encontra disponível ao consumidor, a Resolução 4456/2000 da ANEEL.

16 de medição em invólucro específico, a ser lacrado no ato da retirada, e encaminhar ao órgão responsável pela perícia. O retrotranscrito dispositivo estabelece os critérios e requisitos que devem ser obedecidos pelas concessionárias para a validade das inspeções, além de critérios que devem ser observados durante a revisão do faturamento, para o cálculo do consumo não registrado 17. Daí a extensão do artigo. Cumpre destacarmos o inciso III do citado artigo. Como exemplo prático de outros procedimentos adotados pelas concessionárias visando à fiel caracterização da irregularidade, temos a utilização de fotografias das irregularidades 18. Durante a inspeção técnica, ao ser constatado algum procedimento irregular, este é registrado através de fotografias, o que contribui para comprovação material do ilícito. Estas fotografias irão compor o processo administrativo e mais adiante, conforme seja o caso, servir como prova em processo judicial. Outro aspecto importante para destacarmos no presente estudo é referente à denominação que comumente é dada à cobrança de consumo não registrado, qual seja multa. Conforme estabelece o artigo 73 da resolução 456/2000, apenas um percentual de no máximo 30% poderia assim ser classificado. Uma vez que, como conceitua o próprio dispositivo legal, o mesmo é referente a custo administrativo 19. Art. 73- Nos casos de revisão do faturamento, motivada por uma das hipóteses previstas no artigo anterior, a concessionária poderá cobrar o custo administrativo adicional correspondente a, no máximo, 30 % (trinta por cento) do valor líquido da fatura relativa à diferença entre os valores apurados e os efetivamente faturados. Ainda sobre a cobrança de consumo não registrado realizada pelas concessionárias, cumpre destacarmos o período de cobrança retroativa. O mesmo poderá ser de, no máximo, cinco anos, conforme Ofício n 502/ DR/ANEEL (Ref. fls. 19 do Parecer nº 158/ PF/ANEEL), que informa que nas Condições Gerais de Fornecimento de Energia Elétrica constam rotinas, critérios e providências, no âmbito administrativo, conforme art. 72 da Resolução 456 de 2000, para a análise e caracterização da ocorrência de qualquer procedimento irregular cuja responsabilidade não lhe seja atribuível, ou seja, procedimento do consumidor (ação), mediante fraude, artifício, ardil (irregular), que tenha provocado (dano) e conseqüentemente faturamento inferior ao correto; ou não ter havido qualquer faturamento. Neste caso, o prazo máximo de cobrança retroativa será limitado a 05 (cinco) anos. 17 Vide anexo contendo exemplo de alguns documentos que compõem os processos administrativos de CNR das concessionárias de energia elétrica. Anexo A: Modelo de documentos utilizados pela CEMAR. 18 Vide anexo contendo exemplo de Processo de CNR. Anexo B: Modelo de Processo de CNR utilizado pela LIGHT. 19 Segundo a procuradoria jurídica da ANEEL, a natureza jurídica do custo administrativo é de cláusula penal, por trata-se de descumprimento das obrigações contratualmente assumidas pelo consumidor. No Judiciário, prevalece o entendimento de que o custo administrativo é multa e, por isso, necessita obedecer ao princípio do contraditório e ampla defesa.

17 O referido ofício é aplicado em analogia com o estipulado no artigo 76, inciso II da Resolução 456, que determina prazo prescricional de cinco anos conforme estabelecido no artigo 27 da lei 8.078/90 (Código de Defesa do Consumidor). Esse limitante também é utilizado em consonância com o Código Civil Brasileiro, que ao tratar da prescrição, limita em 05 anos o período de cobrança. Nesse sentido, recentemente a ANEEL sumulou o entendimento de que sempre que não for possível determinar o momento exato em que começou a irregularidade, o período de cobrança deve se limitar a seis meses IMPLICAÇÕES PENAIS Em conformidade com o Código Penal Brasileiro temos como qualificar duas formas de subtração de energia: furto simples e furto qualificado, também chamado de furto mediante fraude. Incorre no delito todo aquele que subtrair para si ou para outrem coisa alheia móvel, equiparando-se a energia elétrica a essa condição. O furto simples está previsto no art. 155, 3 do código Penal e ocorre quando há ausência de contrato e conexão direta. Tomemos com exemplo quando é detectada uma ligação direta sem passar pelo medidor de energia, a qual pode ser visualizada sem dificuldades. O furto qualificado ou furto mediante fraude está previsto no art. 155, 3 c/c 4, inciso II do Código Penal. Na prática, ele ocorre quando há uma infração contratual, quando o usuário frauda a concessionária. Utilizemos como exemplo quando é detectado um desvio embutido na parede, que não pode ser detectado com facilidade, sendo necessários exames detalhados por parte dos inspetores. Nesse contexto, cumpre observar que o furto/fraude de energia elétrica, não é apenas um delito penal, constitui também uma infração contratual e afronta os deveres impostos ao usuário, uma vez que implica na utilização inadequada do serviço e na falta de pagamento da contraprestação devida por ele. O indivíduo que furta energia elétrica não está lesando apenas a concessionária, ele está prejudicando toda a sociedade. Corroborando esse entendimento, temos as seguintes jurisprudências do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais: Apelação Criminal nº /001 Apelante: Roque Nunes Apelado: Ministério Público do Estado de Minas Gerais Relator: Des. Eduardo Brum 20 Súmula 09/2009 da ANEEL. Publicada no D.O. em

18 APELAÇÃO CRIMINAL. FURTO DE ENERGIA ELÉTRICA. CRIME CONFIGURADO. CONDENAÇÃO MANTIDA. RECURSO DESPROVIDO. O furto consiste na subtração de coisa móvel para si ou para outrem, com o fim de apoderar-se dela de modo definitivo. Toda energia economicamente utilizável e suscetível de incidir no poder de disposição material e exclusiva de um indivíduo pode ser incluída, mesmo do ponto de vista técnico, entre as coisas móveis. (...) Uma vez comprovada a alteração do relógio-medidor e a subtração, mostram-se despiciendas as comparações feitas pelo apelante referentes ao consumo de energia antes e depois da denúncia. (...) Vistos etc., acorda, em Turma, a 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais, incorporando neste o relatório de fls., na conformidade da ata dos julgamentos e das notas taquigráficas, em negar provimento, à unanimidade. Apelação Criminal nº /001 Apelante: Henrique Viana de Araújo Apelado: Ministério Público do Estado de Minas Gerais Relator: Des. Eli Lucas de Mendonça PROCESSO PENAL. FURTO DE ENERGIA. AUTORIA E MATERIALIDADE COMPROVADAS. CONDENAÇÃO MANTIDA. O consumo de energia elétrica desviada do medidor é subtração tipificada como ilícito penal nos termos do 3º do art. 155 do CP. (...) Ao que se vê, o apelante praticou o crime descrito no 3º do art. 155 do CP. Isto porque consumiu energia elétrica sem registro no medidor, em prejuízo da companhia energética. Assim procedendo, subtraiu a energia fornecida pela concessionária em proveito próprio e em prejuízo para a CEMIG. Tal conclusão se extrai da prova técnica, indispensável para o reconhecimento do delito de furto de energia elétrica - art. 155, 3º, do CP, f. 10/11, que constatou ausência dos selos/lacres externos da tampa da caixa, bem como a adulteração dos selos/lacres de aferição do aparelho medidor de KWh. Ainda que assim não fosse, in casu, a prova pericial estaria suficientemente suprida pela prova oral colhida, especialmente as declarações do funcionário da CEMIG. (...) Vistos etc., acorda, em Turma, a 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais, na conformidade da ata dos julgamentos e das notas taquigráficas, em rejeitar preliminar e dar provimento parcial. Apelação Criminal nº /001 Apelante: José Miguel Apelado: Ministério Público do Estado de Minas Gerais Relator: Desª. Beatriz Pinheiro Caires APELAÇÃO CRIMINAL. FURTO DE ENERGIA ELÉTRICA ("GATO"). AUTORIA E MATERIALIDADE COMPROVADAS. CONFISSÃO. (...) O consumo de energia elétrica desviada do medidor é subtração tipificada como ilícito penal, nos termos do 3º do art. 155, do CP. (...) Vistos etc., acorda, em Turma, a 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais, incorporando neste o relatório de fls., na conformidade da ata dos julgamentos e das notas taquigráficas, à unanimidade de votos, em negar provimento. Diante de tais fatos, policiais de alguns estados já estão recebendo treinamento contra o furto de energia. O curso de capacitação integra o Programa Nacional de Combate ao Furto de Energia Elétrica, desenvolvido pela ANEEL. O Rio de Janeiro foi o primeiro Estado a participar do Programa e terá o treinamento ministrado pelo Instituto de Segurança Pública do Estado e pela Secretaria de Energia, Indústria Naval e Petróleo, em convênio com a ANEEL e as concessionárias Light e Ampla, que operam no Estado. Esperamos que em breve, policiais de todos os Estados do território nacional possam contar com esse treinamento, o que garantiria uma melhor estrutura na fiscalização e combate ao furto/fraude de energia elétrica.

19 5.1 Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados - DDSD Criada em no Estado do Rio de Janeiro, a Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados tem como objetivo planejar ações contra adulteração de combustíveis e fraudes de energia e de telecomunicações. A Delegacia é pioneira no país e os profissionais trabalham em conjunto com laboratórios técnicos e órgãos fiscalizadores. Apesar da criação da especializada, as Delegacias Distritais continuam com a competência concorrente para atuar e proceder nos casos de registros de furto ou fraude de energia. Esperamos que a criação de Delegacias como essa seja disseminada por todo o país, o que possibilitará uma melhor fiscalização e conseqüente melhora dos serviços prestados ao consumidor. 5.2 Departamento de Investigações Sobre o Crime Organizado - DEIC Situado no Estado de São Paulo, o Departamento possui uma Delegacia especializada em investigar e combater crimes contra o patrimônio; trata-se da Terceira Delegacia da Divisão de Investigações sobre Crimes Contra o Patrimônio. Dentre suas atribuições podemos pontuar o combate ao furto de fios elétricos; combate ao furto de energia e outros que tenham como vítimas empresas concessionárias de serviço público; combate a outras fraudes relacionadas à prestação de serviços públicos concedidos. Sua estrutura é formada por delegados, escrivães e investigadores de polícia, com apoio policial do GARRA, helicópteros da Polícia Civil, Distritos Policiais, Polícia Militar e demais unidades da Divisão de Investigações sobre Crimes contra o Patrimônio. O Departamento possui uma metodologia de trabalho que busca inserir as empresas vítimas no processo de combate aos ilícitos, criando, junto com as mesmas, um grupo estável de combate às irregularidades. Procura, ainda, inserir outros órgãos públicos no processo, além de direcionar esforços para os ilícitos que causam maior impacto social e oferecer treinamentos específicos de policiais especializados junto às empresas afetadas. O ideal seria a existência do DEIC, especializado no combate a crimes contra o patrimônio, sobretudo no combate ao furto/fraude de energia elétrica, em cada um dos estados brasileiros, todavia apenas o Estado de São Paulo trabalha com essa estrutura. Nesse sentido, cumpre ressaltar que em decorrência da política de organização judiciária e policial ser feita em

20 nível estadual, de forma que cada Estado possui autonomia para organizar sua estrutura judiciária e investigativa, podemos encontrar em outros estados brasileiros órgãos com a sigla DEIC, tais como Rio Grande do Sul e Maranhão, todavia estes não possuem as mesmas atribuições e composição do Departamento de São Paulo. 6 CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR - CDC Criado em 1990, o Código de Defesa do Consumidor surgiu, basicamente, da necessidade de obtenção de igualdade entre aqueles que eram naturalmente desiguais: consumidor e fornecedor. Com a Constituição Federal de 1988, que incluiu a defesa do consumidor no plano da política constitucional, aparecendo no texto maior, entre os direitos e garantias fundamentais (art. 5, inciso XXXII da Constituição Federal), ficou evidente a preocupação do legislador constituinte com as atuais relações de consumo e com a necessidade de tutelar o hipossuficiente (mais fraco). Sendo um dispositivo recheado de valores constitucionais, o Código de Defesa do Consumidor é considerado uma das leis mais democráticas editadas até os dias atuais no ordenamento jurídico brasileiro. A imperatividade de suas normas tem por escopo proteger o consumidor, na tentativa de alcançar uma realidade social mais justa, em conformidade com o princípio constitucional da dignidade da pessoa humana, uma das vigas mestras do Código de Defesa do Consumidor. Nesse contexto, passaremos a analisar as relações e implicações do Código de Defesa do Consumidor e a fraude de energia elétrica, sobretudo no que diz respeito aos direitos e deveres do consumidor de energia. Inicialmente cumpre-nos ressaltar que o codex consumerista somente se aplica àqueles que se enquadram no artigo 2º do referido dispositivo legal. Dessa forma, apenas as pessoas físicas ou jurídicas que adquirem ou utilizam produtos ou serviços como destinatários finais estarão amparadas pelo Código de Defesa do Consumidor. É importante observarmos que o conceito de consumidor 21 adotado pelo Código foi exclusivamente de caráter econômico, ou seja, levando-se em consideração tão-somente o personagem que no mercado de consumo adquire bens ou então contrata a prestação de serviços, como destinatário final, pressupondo-se que assim age com vistas 21 Segundo disposição da ANEEL, em seu artigo 2º, inciso III, consumidor é toda pessoa física ou jurídica, ou comunhão de fato ou de direito, legalmente representada, que solicitar a concessionária o fornecimento de energia elétrica e assumir a responsabilidade pelo pagamento das faturas e pelas demais obrigações fixadas em normas e regulamentos da ANEEL, assim vinculando-se aos contratos de fornecimento, de uso e de conexão ou de adesão, conforme cada caso.

Vitória, 22 de abril de 2008. Mensagem n º 84 / 2008. Senhor Presidente:

Vitória, 22 de abril de 2008. Mensagem n º 84 / 2008. Senhor Presidente: Vitória, 22 de abril de 2008. Mensagem n º 84 / 2008 Senhor Presidente: Comunico a V. Exa. que, amparado nos artigos 66, 2 e 9, IV da Constituição Estadual, decidi vetar totalmente por inconstitucionalidade

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Formulário de Telecom

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Formulário de Telecom 1. IDENTIFICAÇÃO TC n : Órgão concedente: Objeto da outorga: Local: 2. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL a Constituição Federal, art. 21, XI; b - Lei n.º 9.472/97; c - Resolução ANATEL n.º 65/98 e 73/98; d - Lei n.º

Leia mais

Capítulo X. Competência e atribuições das concessionárias de distribuição de energia elétrica Por Marcelo Machado Gastaldo e Pablo Berger*

Capítulo X. Competência e atribuições das concessionárias de distribuição de energia elétrica Por Marcelo Machado Gastaldo e Pablo Berger* 22 Capítulo X Competência e atribuições das concessionárias de distribuição de energia elétrica Por Marcelo Machado Gastaldo e Pablo Berger* Por intermédio da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel),

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO. QUESTÕES SOBRE SERVIÇOS PÚBLICOS Profa. Iana Almeida I - ESTILO FCC

DIREITO ADMINISTRATIVO. QUESTÕES SOBRE SERVIÇOS PÚBLICOS Profa. Iana Almeida I - ESTILO FCC QUESTÕES SOBRE SERVIÇOS PÚBLICOS Profa. Iana Almeida I - ESTILO FCC 1 - Q444474 (Prova: FCC - 2014 - TRT - 13ª Região (PB) - Técnico Judiciário - Tecnologia da Informação / Direito Classificação;) O conceito

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N o 615, DE 6 NOVEMBRO DE 2002 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Aprova o modelo do Contrato de Prestação de Serviço Público de Energia

Leia mais

á Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

á Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos á Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.465, DE 8 DE JUNHO DE 2015 Regulamenta o 1º do art. 62 da Lei nº 12.815, de 5 de junho de 2013, para dispor sobre os

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, de 2010. (Do Sr. Dr. Marcelo Itagiba)

PROJETO DE LEI Nº, de 2010. (Do Sr. Dr. Marcelo Itagiba) PROJETO DE LEI Nº, de 2010. (Do Sr. Dr. Marcelo Itagiba) Regulamenta a profissão de taxista transformando os motoristas auxiliares de veículos de aluguel a taxímetro em empregados ou em permissionários

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL DA REPÚBLICA - 3ª REGIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL DA REPÚBLICA - 3ª REGIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL DA REPÚBLICA - 3ª REGIÃO APELAÇÃO CÍVEL nº 0007033-40.2009.4.03.6100/SP APELANTE: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL APELADO: UNIÃO FEDERAL RELATORA: Desembargadora

Leia mais

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas.

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. O Povo de Minas Gerais, por seus representantes, decretou e eu, em seu nome, sanciono a seguinte

Leia mais

Procuradoria Federal junto à ANEEL

Procuradoria Federal junto à ANEEL Procuradoria Federal junto à ANEEL Jurisprudência dos Tribunais De setembro a dezembro de 2012 Apresentamos os julgados dos Tribunais Federais que constam de uma pesquisa feita pela PF/ANEEL com os termos

Leia mais

A TRIBUTAÇÃO PELO ICMS DAS PERDAS NÃO-TÉCNICAS/COMERCIAIS DE ENERGIA ELÉTRICA

A TRIBUTAÇÃO PELO ICMS DAS PERDAS NÃO-TÉCNICAS/COMERCIAIS DE ENERGIA ELÉTRICA A TRIBUTAÇÃO PELO ICMS DAS PERDAS NÃO-TÉCNICAS/COMERCIAIS DE ENERGIA ELÉTRICA Luiz Gustavo A. S. Bichara Sócio de Bichara, Barata & Costa Advogados, Diretor da Associação Brasileira de Direito Financeiro

Leia mais

Direito Administrativo

Direito Administrativo Olá, pessoal! Trago hoje uma pequena aula sobre a prestação de serviços públicos, abordando diversos aspectos que podem ser cobrados sobre o assunto. Espero que gostem. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS O

Leia mais

I. Da natureza jurídica da assinatura telefônica.

I. Da natureza jurídica da assinatura telefônica. DA COMPETÊNCIA, NAS AÇÕES CONTRA A COBRANÇA DE ASSINATURA TELEFÔNICA. I. Da natureza jurídica da assinatura telefônica. A cobrança da tarifa de assinatura telefônica surgiu em 1966, em plena época da ditadura

Leia mais

Vistos, Embora dispensado (art. 38, Lei nº 9.099/95), é o relato do necessário.

Vistos, Embora dispensado (art. 38, Lei nº 9.099/95), é o relato do necessário. Vistos, Como já ressaltado em decisum anterior, a presente demanda foi proposta por MARIA APARECIDA MARQUES AMORIN NUNES em face de UNIMED ARAGUAIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO, objetivando a revisão

Leia mais

Lei Nº 10.294, de 20 de abril de 1999

Lei Nº 10.294, de 20 de abril de 1999 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO CORREGEDORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO Lei Nº 10.294, de 20 de abril de 1999 Dispõe sobre proteção e defesa do usuário do serviço público do Estado de São Paulo e dá outras

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. JOÃO DADO) Altera a Lei nº 9.472, de 16 de julho de 1997, dispondo sobre a fiscalização remota das redes e serviços de telecomunicações de interesse coletivo. O Congresso

Leia mais

AUTO DE INFRAÇÃO. NULIDADE

AUTO DE INFRAÇÃO. NULIDADE A C Ó R D Ã O (2ª Turma) GDCVF/AM/mrm AGRAVO DE INSTRUMENTO. AUTO DE INFRAÇÃO. NULIDADE. A Corte Regional, com base no conjunto fático-probatório, concluiu que não estavam presentes os requisitos configuradores

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 Estabelece as condições para atendimento com redes de energia elétrica nos lotes situados em loteamentos

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL Nº 0008220-49.2010.4.03.6100/SP EMENTA

APELAÇÃO CÍVEL Nº 0008220-49.2010.4.03.6100/SP EMENTA APELAÇÃO CÍVEL Nº 0008220-49.2010.4.03.6100/SP. EMENTA AÇÃO ORDINÁRIA. PIS/COFINS. RECOLHIMENTO NA FORMA DAS LEIS Nº 10.637/02 E 10.833/03. EXCEÇÃO ÀS PESSOAS JURÍDICAS REFERIDAS NA LEI Nº 7.102/83. SITUAÇÃO

Leia mais

LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR

LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR LEI Nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998 Dispõe sobre a proteção de propriedade intelectual de programa de computador, sua comercialização no País, e dá outras providências.

Leia mais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais e dá outras providências O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007

DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007 SENADO FEDERAL SUBSECRETARIA DE INFORMAÇÕES DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007 Institui Sistema de Gestão da Ética do Poder Executivo Federal, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências.

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. DESPACHO 2009 N O Projeto de Lei nº 2/2009 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. Autor do Projeto: Poder Executivo SUBSTITUTIVO Nº 1 /2009 Estabelece

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS Atualizado em 03/11/2015 4. Competência Material Ratione Materiae: Divide-se em competência da Justiça Estadual, Federal, Eleitoral e Militar (não falamos da Justiça

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2012.0000122121 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9074862-42.2007.8.26.0000, da Comarca de São José do Rio Preto, em que são apelantes PREFEITURA MUNICIPAL DE

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO PARTE A ADV/PROC PARTE R REPTE ORIGEM RELATOR : JORGEVALDO ROBINSTON DE MOURA : FÁBIO CORREA RIBEIRO E OUTROS : INSS INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE : JUÍZO

Leia mais

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS:

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: PARECER Nº 02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: DIVERSOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS. ASSUNTOS: BASE DE CÁLCULO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS. DA CONSULTA: Trata-se de consulta

Leia mais

Dispositivos da Constituição

Dispositivos da Constituição Dispositivos da Constituição DISPOSITIVOS DA CONSTITUIÇÃO ESTADUAL PERTINENTES AO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO Art. 19... 1º o controle externo da Câmara Municipal será exercido com o auxílio do Tribunal

Leia mais

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição Contratos 245 Conceito A A Lei de Licitações considera contrato todo e qualquer ajuste celebrado entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, por meio do qual se estabelece acordo

Leia mais

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2012.0000382774 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0001561-08.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é apelante PLANO DE SAÚDE ANA COSTA LTDA, é apelado

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.598, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2007. Estabelece diretrizes e procedimentos para a simplificação e integração do processo de registro

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br 86º ENIC: 2014 Comissão de Obras Públicas - COP Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 330, DE 1º DE JULHO DE 2014. TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO AERÓDROMO CIVIL PÚBLICO [NOME]

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 330, DE 1º DE JULHO DE 2014. TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO AERÓDROMO CIVIL PÚBLICO [NOME] ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 330, DE 1º DE JULHO DE 2014. TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO AERÓDROMO CIVIL PÚBLICO [NOME] TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO AERÓDROMO CIVIL PÚBLICO [NOME] LOCALIZADO

Leia mais

MÓDULO ESPECIAL DE CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO Disciplina: DIREITO ADMINISTRATIVO Tema: Serviços Públicos Prof.: Flávia Cristina Data: 09/05/07

MÓDULO ESPECIAL DE CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO Disciplina: DIREITO ADMINISTRATIVO Tema: Serviços Públicos Prof.: Flávia Cristina Data: 09/05/07 MATERIAL DE APOIO 1.Serviço público 1.1 Definição: Maria Silvia di Pietro: toda atividade material que a lei atribui ao estado para que exerça diretamente ou por meios de seus delegados com o objetivo

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL A Secretaria de Administração do Estado X publicou edital de licitação, na modalidade concorrência, para a elaboração dos projetos básico e executivo e para a realização

Leia mais

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. Autor: Poder Executivo O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU LEI Nº 4035, DE 11 DE MARÇO DE 1996 P. 4261/96 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Transporte Público, autoriza delegação do serviço de transporte coletivo e dá outras providências e promulga a seguinte

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS DA CEG 1.º PARTES a) CEG: COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CONTRATO Nº 29/2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONTRATO N.º 29/2010 QUE ENTRE SI FAZEM O INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS E A EMPRESA COMPANHIA ENERGÉTICA DE GOIÁS - CELG PARA FORNECIMENTO

Leia mais

unidades consumidoras com o mesmo CGC, independentemente de sua localização, desde que integrante do SIN

unidades consumidoras com o mesmo CGC, independentemente de sua localização, desde que integrante do SIN Campinas/SP, 08 de abril de 2004 Ao senhor José Mario Miranda Abdo M.D. Diretor Geral da Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL Ref.: Aviso de Audiência Pública nº 011/2004 Senhor Diretor Geral,

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DA COMARCA DE LIMEIRA SP.

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DA COMARCA DE LIMEIRA SP. EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DA COMARCA DE LIMEIRA SP. A AÇÃO CIVIL PÚBLICA COMO VIA PROCESSUAL ADEQUADA A IMPEDIR E REPRIMIR DANOS AO CONSUMIDOR A ação civil pública, disciplinada pela

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. RESOLUÇÃO Nº 3.535, DE 10 DE JUNHO DE 2010 DOU de 21 DE JUNHO DE 2010

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. RESOLUÇÃO Nº 3.535, DE 10 DE JUNHO DE 2010 DOU de 21 DE JUNHO DE 2010 AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RESOLUÇÃO Nº 3.535, DE 10 DE JUNHO DE 2010 DOU de 21 DE JUNHO DE 2010 Fixa normas gerais sobre o Serviço de Atendimento ao Consumidor SAC nos serviços de transporte

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE PROGRAMAS ESPECIAIS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE PROGRAMAS ESPECIAIS São Paulo, 28 de agosto de 2012 Considerações da Fundação Procon SP à Consulta Pública nº 48, da Agência Nacional de Saúde ANS, que dispõe sobre a regulamentação do agrupamento de contratos coletivos de

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM RORAIMA RECOMENDAÇÃO Nº 07/2015/MPF/RR

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM RORAIMA RECOMENDAÇÃO Nº 07/2015/MPF/RR MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM RORAIMA RECOMENDAÇÃO Nº 07/2015/MPF/RR Referência: inquéritos civis nº 1.32.000.000518/2013-15 e 1.32.000.000013/2013-42 RECOMENDANTE: MINISTÉRIO

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE Atualizado em 12/11/2015 CLASSIFICAÇÕES E SISTEMAS DE CONTROLE CLASSIFICAÇÕES DO CONTROLE Quanto ao posicionamento do órgão controlador: Externo: exercido por um ente que

Leia mais

Luiz Eduardo de Almeida

Luiz Eduardo de Almeida Luiz Eduardo de Almeida Apresentação elaborada para o curso de atualização do Instituo Brasileiro de Direito Tributário IBDT Maio de 2011 Atividade da Administração Pública: ato administrativo Em regra

Leia mais

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma Multa de 40% do FGTS A multa em questão apenas é devida, nos termos da Constituição e da Lei nº 8.036/90, no caso de dispensa imotivada, e não em qualquer outro caso de extinção do contrato de trabalho,

Leia mais

ConJur - Município pode mitigar riscos de lesão ao assumir Ativos de Iluminação

ConJur - Município pode mitigar riscos de lesão ao assumir Ativos de Iluminação Página 1 de 6 PROCESSO DE TRANSFERÊNCIA Município pode mitigar riscos de lesão ao assumir Ativos de Iluminação 9 de dezembro de 2014, 6h01 Por Alfredo Gioielli As recentes mudanças na legislação do setor

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS RELACIONADOS COM A IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DAS REDES DE ENERGIA ELÉTRICA EMPREENDIMENTOS HABITACIONAIS

Leia mais

CONDICIONAR A EXPEDIÇÃO DO CRLV AO PAGAMENTO DE MULTAS É LEGAL?

CONDICIONAR A EXPEDIÇÃO DO CRLV AO PAGAMENTO DE MULTAS É LEGAL? CONDICIONAR A EXPEDIÇÃO DO CRLV AO PAGAMENTO DE MULTAS É LEGAL? A matéria que pretendemos colocar em discussão neste breve estudo concerne na legalidade do condicionamento da expedição do CRLV Certificado

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art.5º Todos são iguais perante a lei.. XI a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA 414/2010

RESOLUÇÃO NORMATIVA 414/2010 RESOLUÇÃO NORMATIVA 414/2010 Condições Gerais de Fornecimento de Energia Elétrica Transferência dos Ativos de Iluminação Pública P aos Municípios Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização

Leia mais

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Dispõe sobre a organização e a atuação do Sistema de Controle Interno no Município e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

Ficha informativa LEI COMPLEMENTAR Nº 1.257, DE 06 DE JANEIRO DE 2015

Ficha informativa LEI COMPLEMENTAR Nº 1.257, DE 06 DE JANEIRO DE 2015 Assem 27/04/2015 Lei Complementar nº 1.257, de 06 de janeiro de 2015 Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo Ficha informativa LEI COMPLEMENTAR Nº 1.257, DE 06 DE JANEIRO DE 2015 Institui o Código

Leia mais

Contrato nº XXX/2015 Chamada Pública nº XXX/2015 CONTRATO DE ADESÃO DE GERAÇÃO PRÓPRIA N.º 000/2015 QUE ENTRE SI FAZEM A E, NA FORMA ABAIXO:

Contrato nº XXX/2015 Chamada Pública nº XXX/2015 CONTRATO DE ADESÃO DE GERAÇÃO PRÓPRIA N.º 000/2015 QUE ENTRE SI FAZEM A E, NA FORMA ABAIXO: A CONTRATO DE ADESÃO DE GERAÇÃO PRÓPRIA N.º 000/2015 QUE ENTRE SI FAZEM A E, NA FORMA ABAIXO:, com sede na cidade de, Endereço, inscrita no CNPJ/MF sob o n., doravante denominada DISTRIBUIDORA, neste ato

Leia mais

Honorários advocatícios

Honorários advocatícios Honorários advocatícios Os honorários advocatícios são balizados pelo Código de Processo Civil brasileiro (Lei de n. 5.869/73) em seu artigo 20, que assim dispõe: Art. 20. A sentença condenará o vencido

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 Dispõe sobre a relação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 13/2005

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 13/2005 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 13/2005 O, com sede na Av. Martin Luther King, s/n.º, Cais do Apolo, Recife, PE, inscrito no CNPJ/MF sob o nº 24.130.072/0001-11, neste ato representado pelo Diretor da Secretaria

Leia mais

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS Objeto da Lei n.º12.846, de 2013 A Lei Anticorrupção dispõe sobre: a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas. pela

Leia mais

1. Critério de alocação

1. Critério de alocação 1. Critério de alocação 1.1. A Equatorial Energia apresenta abaixo sua análise sobre a proposta dessa D.ANEEL descrita na Nota Técnica nº 375/2014-SRE/ANEEL em relação ao critério transitório a ser utilizado

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 8 O sistema de transmissão destina-se ao transporte de blocos. 9 O arranjo do tipo barra em anel requer o uso de apenas um

PROVA OBJETIVA. 8 O sistema de transmissão destina-se ao transporte de blocos. 9 O arranjo do tipo barra em anel requer o uso de apenas um De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com o

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 6.469, DE 16/12/2003 - Pub. BM nº 1.591, de 19/12/2003

LEI MUNICIPAL Nº 6.469, DE 16/12/2003 - Pub. BM nº 1.591, de 19/12/2003 Art. 1º LEI MUNICIPAL Nº 6.469, DE 16/12/2003 - Pub. BM nº 1.591, de 19/12/2003 O Prefeito Municipal de São José dos Campos faz saber que a Câmara Municipal aprova e ele sanciona e promulga a seguinte

Leia mais

ASSOCIACAO DE RADIO COMUNITARIA AMIGOS DO CASSINO ADVOGADO : Humberto da Silva Alves e outro REMETENTE : JUÍZO SUBSTITUTO DA 02A VF DE PORTO ALEGRE

ASSOCIACAO DE RADIO COMUNITARIA AMIGOS DO CASSINO ADVOGADO : Humberto da Silva Alves e outro REMETENTE : JUÍZO SUBSTITUTO DA 02A VF DE PORTO ALEGRE APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 2004.71.00.045184-6/RS RELATORA Juíza VÂNIA HACK DE ALMEIDA APELANTE AGENCIA NACIONAL DE TELECOMUNICACOES - ANATEL ADVOGADO Guilherme Andrade Lucci APELADO ASSOCIACAO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão VOTO Nº 220 /2008 - WG PROCESSO MPF Nº 1.00.000.006569/2008-99 ORIGEM: 1ª VARA FEDERAL DE CAMPINAS/SP RELATOR: WAGNER GONÇALVES EMENTA PEÇAS

Leia mais

ASPECTOS LEGAIS E CONSTITUCIONAIS ACERCA DAS CONCESSÕES DE ENERGIA ELÉTRICA A VENCER EM 2015

ASPECTOS LEGAIS E CONSTITUCIONAIS ACERCA DAS CONCESSÕES DE ENERGIA ELÉTRICA A VENCER EM 2015 ESTUDO ASPECTOS LEGAIS E CONSTITUCIONAIS ACERCA DAS CONCESSÕES DE ENERGIA ELÉTRICA A VENCER EM 2015 Wagner Marques Tavares Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos ESTUDO

Leia mais

O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres:

O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres: O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres: Murillo José Digiácomo 1 Uma questão que sempre surge quando se discute o papel do Conselho Tutelar no Sistema de Garantias idealizado

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito administrativo

Maratona Fiscal ISS Direito administrativo Maratona Fiscal ISS Direito administrativo 1. É adequada a invocação do poder de polícia para justificar que um agente administrativo (A) prenda em flagrante um criminoso. (B) aplique uma sanção disciplinar

Leia mais

Ilegalidade da retenção pela Administração Pública dos pagamentos devidos a contratada com irregularidade fiscal

Ilegalidade da retenção pela Administração Pública dos pagamentos devidos a contratada com irregularidade fiscal Ilegalidade da retenção pela Administração Pública dos pagamentos devidos a contratada com irregularidade fiscal Leone Coelho Bagagi Mestrando em Administração Pública pela Universidade Federal da Bahia

Leia mais

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica Encontro do Conselho de Consumidores da AES Eletropaulo (Conselpa) e Conselho Coordenador das Associações Amigos de Bairros, Vilas e Cidades de SP (Consabesp). Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais

Leia mais

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito:

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: 1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: (A) desapropriação de terras improdutivas. (B) penhora de bens em execução

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

autorização ou em desconformidade com autorização do legítimo titular da rede de computadores, dispositivo de comunicação

autorização ou em desconformidade com autorização do legítimo titular da rede de computadores, dispositivo de comunicação PROJETO DE LEI Nº 84/1999 CRIMES INFORMÁTICOS COMPARATIVO ENTRE A VERSÃO APROVADA NO SENADO E APRESENTADA NO PLENÁRIO DA CÂMARA EM 18/07/2008, E O SUBSTITUTIVO DO RELATOR NA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA

Leia mais

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE,

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE, LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 Autoriza o Poder Executivo a criar a Administração Estadual do Meio Ambiente, sob a forma de autarquia estadual, e dá outras providências. O GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

Estado de Mato Grosso Poder Judiciário Comarca de Várzea Grande Juízo da 2ª Vara Cível. Vistos etc.,

Estado de Mato Grosso Poder Judiciário Comarca de Várzea Grande Juízo da 2ª Vara Cível. Vistos etc., Processo Nº. 20271-27.2012 - Código 299671 Vistos etc., 1. DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE MATO GROSSO promove AÇÃO CIVIL PÚBLICA CONSUMERISTA C/C LIMINAR em desfavor de SKY BRASIL SERVIÇOS LTDA. ( SKY

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT 4ª Região Membro Oficiante: Dr. Fabiano Holz Beserra Interessado 1: TRT 4ª Região Interessado 2: Prefeitura Municipal de Porto Alegre Assunto: Fraudes Trabalhistas 03.01.09 - Trabalho na Administração

Leia mais

Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs)

Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs) Curso de Atualização de Direito Tributário 2010 Módulo II 21 de agosto de 2010 Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs) Ricardo Maitto ricardomaitto@gmail.com Visão geral Base Constitucional

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO PLANO SUPER LIGAÇÃO 15 TARIFA ÚNICA TODO DIA TODA HORA

CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO PLANO SUPER LIGAÇÃO 15 TARIFA ÚNICA TODO DIA TODA HORA CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO PLANO SUPER LIGAÇÃO 15 TARIFA ÚNICA TODO DIA TODA HORA Por este instrumento, em que são partes: de um lado a TELEFÔNICA BRASIL S.A., concessionária do Serviço Telefônico

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 3.931, DE 19 DE SETEMBRO DE 2001. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

Legislação não transfere à Administração Pública a responsabilidade por seu pagamento

Legislação não transfere à Administração Pública a responsabilidade por seu pagamento Legislação Fiscal Lei nº 8.666/1993 Art. 67. A execução do contrato deverá ser acompanhada e fiscalizada por um representante da Administração especialmente designado, permitida a contratação de terceiros

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E:

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E: ESTADO DO PARANÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 O Desembargador Fernando Wolff Bodziak, 2º Vice-Presidente e Supervisor-Geral dos Juizados Especiais, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO o

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008 1 Disciplina a forma, os prazos e os meios de preservação e transferência de dados informáticos mantidos por fornecedores de serviço a autoridades públicas, para fins de investigação de crimes praticados

Leia mais

1.2 Os serviços objeto desta licitação, devido à sua natureza, dependem da execução dos serviços constantes dos Processos Administrativos nºs

1.2 Os serviços objeto desta licitação, devido à sua natureza, dependem da execução dos serviços constantes dos Processos Administrativos nºs PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 277/2014 CONTRATO Nº 06/2014 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE FISCALIZAÇÃO DA OBRA DA NOVA SEDE DO CFF, QUE CELEBRAM ENTRE SI O CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA - CFF E A EMPRESA

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2011.0000018579 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0142773-50.2009.8.26.0100, da Comarca de, em que é apelante MARITIMA SAUDE SEGUROS S/A sendo apelado LIDIA ZAHARIC.

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

Audiência Pública sobre o artigo 218 da Resolução Normativa ANEEL 414/2010

Audiência Pública sobre o artigo 218 da Resolução Normativa ANEEL 414/2010 Audiência Pública sobre o artigo 218 da Resolução Normativa ANEEL 414/2010 (transferência de ativos de iluminação pública aos municípios) Associação Brasileira de Empresas de Serviços de Iluminação - Ramon

Leia mais

As distribuidoras de energia elétrica e o ISS

As distribuidoras de energia elétrica e o ISS As distribuidoras de energia elétrica e o ISS Introdução Como se sabe, a produção, a importação, a circulação, a distribuição ou o consumo de energia elétrica podem provocar a incidência do ICMS, exceto

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 REGULAMENTO PARA ARRECADAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO DAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA O FUNDO DE UNIVERSALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

MANUAL GESTOR CONTRATUAL

MANUAL GESTOR CONTRATUAL Marcelo José Michell Fabrício Cleuton Nunes U N I V E R S I D A D E E S T A D U A L D E A L A G O A S C O M I S S Ã O P E R M A N E N T E D E L I C I T A Ç Õ E S MANUAL GESTOR CONTRATUAL ARAPIRACA, ABRIL/2013

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 2 0002156-94.2010.8.26.0297, da Comarca de Jales, em que é apelante LÚCIA ALVES SANT ANA

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 2 0002156-94.2010.8.26.0297, da Comarca de Jales, em que é apelante LÚCIA ALVES SANT ANA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 382 ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N "03520294* Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação

Leia mais

LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal. Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União

LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal. Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União São Paulo, 07 de maio de 2015 LEI Nº 12.846/2013 Esta Lei dispõe sobre a responsabilização

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.815, DE 29 DE OUTUBRO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.815, DE 29 DE OUTUBRO DE 2014 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.815, DE 29 DE OUTUBRO DE 2014 Voto Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2014 e fixa as Tarifas de Energia TEs e as Tarifas

Leia mais

Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998.

Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998. Lei de Software Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre a proteção da propriedade intelectual de programa de computador, sua comercialização no País, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição,

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição, DECRETO 3.100, de 30 de Junho de 1999. Regulamenta a Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999, que dispõe sobre a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, como Organizações

Leia mais