NECESSIDADE ENERGÉTICA DAS MATRIZES SUÍNAS NA FASE DE GESTAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NECESSIDADE ENERGÉTICA DAS MATRIZES SUÍNAS NA FASE DE GESTAÇÃO"

Transcrição

1 NECESSIDADE ENERGÉTICA DAS MATRIZES SUÍNAS NA FASE DE GESTAÇÃO Autores : Oliveira, Aline Tomasia 1 ; Onofre, Ana Paula, Bianchi, Ivan 2 ; Bako, Érica Marson 2 ; Twardowski, Cristiano 3 Oliveira Jr, Juahil 4 Identificação autores: 1 Alunos do Instituto Federal Catarinense - Campus Araquari, Curso técnico em Agropecuária; 2 Professores do Instituto Federal Catarinense - Campus Araquari; 3 Técnico em Agropecuária do Instituto Federal Catarinense Campus Araquari; 4 Professor Orientador do Instituto Federal Catarinense Campus Araquari. Introdução Devido a fatores como, a alta prolificidade e a produção de leitões em um espaço relativamente curto de tempo, a suinocultura tem condições de responder ao desafio de produzir proteína animal de alta qualidade, atendendo a demanda do crescimento populacional (SOBESTIANSKY et al. 1998). Geralmente o manejo nutricional das matrizes durante toda a fase de gestação é baseado nas condições de escore corporal dos animais (YOUNG E AHERNE, 2005). Como a gestação é dividida em três etapas, a primeira representa um período crítico para a sobrevivência embrionária e pequeno crescimento fetal (BIANCHI et al. 2009). Nesse primeiro terço podemos ter grandes perdas embrionárias, se forem fornecidos nutrientes em excessos. Segundo o mesmo autor, a segunda etapa é chamada de fase da correção corporal (que é quando adequamos a matriz ao escore ideal que é o (3 a 3,5), além de termos também o inicio do desenvolvimento das glândulas mamárias. Já finalmente no terço final da gestação, as exigências nutricionais da fêmea aumentam consideravelmente, pelo fato de estar ocorrendo o crescimento fetal que pode atingir níveis de até 70% nesses períodos (BIANCHI et al. 2009). Durante toda a gestação da matriz, a nutrição deve ser direcionada para um bom desenvolvimento embrionário e fetal (SOBESTIANSKY et al. 1998). Em geral, as matrizes durante toda a fase de gestação recebem uma quantidade de ração considerando-se apenas as condições corporais (escore corporal) individuais (YOUNG E AHERNE, 2005). Entretanto, as necessidades energéticas de matrizes em gestação dependem do peso vivo, estado nutricional, período de gestação, estação do ano e linhagem da porca (FERREIRA et al. 2006). Além disso, a necessidade das fêmeas gestantes também depende do gasto energético e esta interligado com variáveis ambientais como a temperatura (NOBLET et al. 2007) e a atividade física de cada porca (NOBLET et al. 1993).

2 Neste contexto, este trabalho tem como objetivo adequar o escore corporal e estimar a necessidade energética das matrizes suínas. Material e Métodos O projeto foi realizado no período de 12 de fevereiro de 2015 até o período de 24 de agosto de 2015,na Unidade de Ensino Aprendizagem Suinocultura- IFC Campus Araquari. As fêmeas são provenientes das linhagens comerciais(ld X LW),utilizada pela UEA para produção de suínos para abate. As avaliações por serem realizadas de maneira subjetiva foram efetuadas por três pessoas, sendo utilizada a avaliação visual, por meio de registros fotográfico e comparados posteriormente com o modelo de escore corporal conforme a imagem a seguir: Neste projeto foi realizado as avaliações entre 15 e 20 dias em 10 matrizes na fase de gestação e os resultados expressos em porcentagens. A partir das primeiras avaliações para adequar ao escore corporal desejado foram realizadas mudanças na quantidade de ração fornecida aos animais em Kg/Animal/Dia conforme o exemplo a baixo:adequação da Quantidade de Ração Conforme a Fase e o Escore corporal Kg/Animal/Dia Fase Condição Corporal da Matriz (EC) 1,0 1 Terço de Gestação Normal 1,8 1 Terço de Gestação Muito Magra (1ou 2) 1,5 2 Terço de Gestação Muito Gorda (5) Terço de Gestação Normal(3 ou 4 2,5 2 Terço de Gestação Muito Magra (1 ou 2)

3 Resultados e discussão Os resultados estão apresentados nos gráficos, de acordo com o período gestacional de cada matriz e seu escore corporal. A avaliação esta relacionada aos índices de produtividade da matriz, sendo que ao ajustarmos seu escore corporal de acordo com a fase a matriz é possível obter uma boa leitegada e um bom desenvolvimento nas próximas fases. Para obter bom índice produtivo a fase gestacional até 85º dia é uma das melhores para realizar adequações. Este trabalho foi realizado ao longo do ano de 2015 e foi constatando uma melhora dos índices de escore corporal nas matrizes, sendo a maioria em escore 3 no mês de junho, teve ajustes no decorrer do projeto, conforme a tabela descrita no material e métodos. Em primeiro momento tivemos algumas dificuldades, pois estávamos sem ração adequada para a fase e passamos por reformas, que gerou em algumas matrizes estarem em baias coletivas. Após a reforma e a volta da ração adequada para as matrizes foi possível melhor adequação do escore corporal de acordo com sua fase, mas ainda sim havia matrizes em baias coletivas que onde o arraçoamento era fornecido simultaneamente em lugares opostos. Nos índices avaliados no ano passado (2014) as matrizes possuíam um escore corporal 3 adequado para fase, com uma média de 62,5%, com a otimização do manejo realizado conseguimos alcançar um melhoramento de 70% das matrizes em escore corporal 3,nenhuma matriz em 1 ou 5,apresentado assim uma melhora de 7,5%. 1 Avaliação do escore corporal

4 5 Avaliação do escore corporal Por conta da falta de ração e início do ciclo gestacional, um período de transição onde a matriz é submetida a se habituar a uma nova alimentação e condicionamento do local, por ser um fase delicada ambas as matrizes obtiveram escore 2. Após este período de transição que a matriz sofre, passa a ter uma reeducação alimentar, sendo realizadas pelos funcionários e alunos que ali permanecem. Para que os mesmos se orientem da quantidade exata a ser fornecida foram realizadas placas individuais e planilhas das matrizes. Com placas e planilhas o manejo torna se fácil e prático de ser efetuado, temos também uma melhora na condição corporal das matrizes. Conforme NOBLET et al. (1993), as necessidades de energia metabolizável (EM) de matrizes suínas pode ser estimada em relação ao peso metabólico pela equação EM=105kcal/kg PV 0,75 /dia. Dessa forma, matrizes com média de 240 kg de peso vivo tem uma necessidade diária de energia metabolizável para manutenção próxima a 6402 Kcal/dia. Neste contexto, como a ração formulada continham 3210 kcal/kg, o fornecimento para fêmeas em manutenção ficou próximo a 2,0 kg/dia (mesmo valor utilizado para as fêmeas em condição adequada de EC). Já as fêmeas consideradas excessivamente magras tiveram um aporte nutricional de mais 1605kcal/dia, e fêmeas acima do escore desejado receberam menos 1605kcal/dia em relação as fêmeas em condição corporal adequada. Conclusão Com a adequação do escore corporal e ajustamento da necessidade diária por matriz é possível melhorar o desempenho e suprir as necessidades de cada animal em diferentes fases da gestação.

5 Referências BIANCHI, I. et al. Manual PIGPEL de Suinocultura Intensiva. Ed Universitária, PREC/UFPEL, 2009, 264 p. FERREIRA A.S.; LOPES T.H.C., DONZELE J.L.; COSTA E.P., KIEFER C.; LIMA K.R.S. Níveis de proteína bruta na ração para porcas pluríparas em gestação. Revista Brasileira de Zootecnia. v. 35, p , NOBLET, J.; SHI, X. S.; DUBOIS, S. Energy cost of standing activity is sows. Livestock Production Science, Wageningen, v. 34, p , NOBLET J.; DOURMAD J.Y.; ETIENNE M.; LE DIVIDICH J. Energy metabolism in pregnant sows and newborn pigs. Journal of Animal Science. v.75, p , SOBESTIANSKY, J. et al. Suinocultura Intensiva: Produção, Manejo e Saúde do Rebanho. Brasília, DF: EMBRAPA, SPI, p. ISBN YOUNG, M.; AHERNE, F. Monitoring and maintaining sowcondition. Advances in Pork Production, Edmonton. v. 16, p , 2005.

ESCORE CORPORAL DE MATRIZES SUINAS NA FASE DE GESTAÇÃO

ESCORE CORPORAL DE MATRIZES SUINAS NA FASE DE GESTAÇÃO ESCORE CORPORAL DE MATRIZES SUINAS NA FASE DE GESTAÇÃO Alves, Bruna 1 ; Fischer, Janaina 1 ; Fritz, Osman 1 ; Bako, Erica, Perez Marson 2 ; Bianchi, Ivan 2 ; Ferreira, Vagner 3 ; Oliveira Jr, Juahil 4.

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA E MERCADOLÓGICA DA PRODUÇÃO DE SUÍNOS NOS MOLDES DO IFC CÂMPUS ARAQUARI

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA E MERCADOLÓGICA DA PRODUÇÃO DE SUÍNOS NOS MOLDES DO IFC CÂMPUS ARAQUARI VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA E MERCADOLÓGICA DA PRODUÇÃO DE SUÍNOS NOS MOLDES DO IFC CÂMPUS ARAQUARI Autores : Marcus Vinícius de SOUZA 1 ; Luan Vidal PETERS 2 ; Sérgio Gomes DELITSCH 3 ; Ana Claudia

Leia mais

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO. Recria - Gestação Lactação. Cachaço 08/06/2014. Levar em consideração: Exigências nutricionais de fêmeas suínas

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO. Recria - Gestação Lactação. Cachaço 08/06/2014. Levar em consideração: Exigências nutricionais de fêmeas suínas NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO Recria - Gestação Lactação Cachaço Msc. Daniela Junqueira Rodrigues Exigências nutricionais de fêmeas suínas 1. Linhagem 2. Estágio de desenvolvimento do animal 3. Consumo de ração

Leia mais

Desempenho de leitões em fase de creche alimentados com soro de leite.

Desempenho de leitões em fase de creche alimentados com soro de leite. VII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, VII Jornada Científica ou I Mostra de Extensão, 21 a 23 de outubro de 2014. Desempenho de leitões em fase de creche alimentados com soro de leite.

Leia mais

Energia: medidas e. necessidade

Energia: medidas e. necessidade Energia: medidas e necessidade Bioenergética Energia é quantitativamente o item mais importante da dieta do animal. Todos os padrões alimentares se baseiam nas necessidades energéticas. Definição => energia

Leia mais

Curva de crescimento e consumo alimentar em suínos em crescimento e terminação. Estratégia para atingir a melhor conversão alimentar

Curva de crescimento e consumo alimentar em suínos em crescimento e terminação. Estratégia para atingir a melhor conversão alimentar 1 Curva de crescimento e consumo alimentar em suínos em crescimento e terminação. Estratégia para atingir a melhor conversão alimentar É difícil determinar uma estratégia ou gestão alimentar ideal para

Leia mais

Bem-estar, comportamento e desempenho de porcas lactantes por 28 dias alojadas em diferentes tipos de maternidades no verão

Bem-estar, comportamento e desempenho de porcas lactantes por 28 dias alojadas em diferentes tipos de maternidades no verão Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 7., 2010, Belo Horizonte Bem-estar, comportamento e desempenho de porcas lactantes por 28 dias alojadas em diferentes tipos de maternidades no verão Igor

Leia mais

Nutrição de Poedeiras

Nutrição de Poedeiras Nutrição de Poedeiras Edney Silva Zootecnista Nutrição de Poedeiras Breve introdução Modelos utilizados na tabela brasileira Utilização de software Objetivo Programa Alimentar 0-6 semanas 7-12 e 13 a 18

Leia mais

Criação de Novilhas Leiteiras

Criação de Novilhas Leiteiras Criação de Novilhas Leiteiras Introdução Tópicos Objetivos da criação de novilhas Estimativa do número de novilhas no rebanho Manejo da Novilha Considerações Econômicas (Criar ou Terceirizar?) Salvador,

Leia mais

Exterior do Suíno. Exterior do Suíno

Exterior do Suíno. Exterior do Suíno Exterior do Suíno Cabeça tamanho médio, bem implantada e com boa conformação; Pescoço bem implantado em relação à cabeça e à paleta; Paletas bem cobertas de carne e lisas; Arqueamento médio do dorso; Lombo

Leia mais

16/3/2010 FISIOLOGIA DO CRESCIMENTO E CRESCIMENTO COMPENSATÓRIO EM BOVINOS DE CORTE. 1. Introdução. 1. Introdução. Crescimento. Raça do pai e da mãe

16/3/2010 FISIOLOGIA DO CRESCIMENTO E CRESCIMENTO COMPENSATÓRIO EM BOVINOS DE CORTE. 1. Introdução. 1. Introdução. Crescimento. Raça do pai e da mãe UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MEDICINA VETERINARIA BOVINOCULTURA DE CORTE 1. Introdução Por que estudar a fisiologia do Crescimento corporal? FISIOLOGIA DO CRESCIMENTO E CRESCIMENTO EM

Leia mais

CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA A NUTRIÇÃO DE CÃES E GATOS

CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA A NUTRIÇÃO DE CÃES E GATOS CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA A NUTRIÇÃO DE CÃES E GATOS Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo, Brasil.

Leia mais

Manejo reprodutivo I. Fernando Miranda de Vargas Junior Zootecnista, DSc.

Manejo reprodutivo I. Fernando Miranda de Vargas Junior Zootecnista, DSc. Manejo reprodutivo I Fernando Miranda de Vargas Junior Zootecnista, DSc. MNEJO REPRODUTIVO Escolha do macho Escolha da fêmea Flushing Efeito macho Seleção Melhoramento MNEJO REPRODUTIVO Exame andrológicos

Leia mais

Valor das vendas dos principais produtos Agropecuários em 2008

Valor das vendas dos principais produtos Agropecuários em 2008 MANEJO E EVOLUÇÃO DE REBANHO DE BOVINOS DE CORTE Prof. Dr. Cássio C. Brauner Prof. Dr. Marcelo A. Pimentel Departamento de Zootecnia FAEM -UFPel Valor das vendas dos principais produtos Agropecuários em

Leia mais

Flushing. Flushing 07/04/2014. Aspectos reprodutivos dos suínos. Aspectos reprodutivos dos suínos

Flushing. Flushing 07/04/2014. Aspectos reprodutivos dos suínos. Aspectos reprodutivos dos suínos DIESTRO 14 dias Corposlúteosmaduros prod.progesterona Útero recebe óvulos fertilizados embriões Fêmeanão-prenhe luteóliseerecomeçodo ciclo Flushing > aportede energiaparaa fêmea10 diasantes dadata prevista

Leia mais

Classificação de Suplementos. Bruno Marson Zootecnista MSc.

Classificação de Suplementos. Bruno Marson Zootecnista MSc. Classificação de Suplementos Bruno Marson Zootecnista MSc. CLASSIFICAÇÕES DOS PRODUTOS DESTINADOS A NUTRIÇÃO ANIMAL (IN Nº 12 2004 / IN Nº 15 2009) Suplementos Suplemento Mineral Suplemento Mineral Com

Leia mais

Introdução. Seleção de Reprodutores. Importância das Fêmeas. Importância dos Machos. O que selecionar. Como selecionar

Introdução. Seleção de Reprodutores. Importância das Fêmeas. Importância dos Machos. O que selecionar. Como selecionar Disciplina AZ044 - Suinocultura Seleção de Reprodutores Prof. Marson Bruck Warpechowski Introdução Reposição de plantel Substituição de descartes Melhoramento dos produtos Produção: reprodutores x leitões

Leia mais

PROGRAMAS DE ALIMENTAÇÃO COM 5 FASES PARA FRANGOS DE CORTE

PROGRAMAS DE ALIMENTAÇÃO COM 5 FASES PARA FRANGOS DE CORTE Data: Setembro/2002 PROGRAMAS DE ALIMENTAÇÃO COM 5 FASES PARA FRANGOS DE CORTE A evolução genética que vem ocorrendo nos Frangos de Corte trás como conseqüência, além da natural melhoria nos parâmetros

Leia mais

ENGORDA DE LAMBARIS, DO RABO VERMELHO E AMARELO, EM DOIS DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO 1

ENGORDA DE LAMBARIS, DO RABO VERMELHO E AMARELO, EM DOIS DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO 1 ENGORDA DE LAMBARIS, DO RABO VERMELHO E AMARELO, EM DOIS DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO 1 Meliza Mercedes Uller Antunes 2 ; Karen da Cruz Hartman 3 ; Luis Sérgio Moreira 4 ; Adolfo Jatobá 5 INTRODUÇÃO

Leia mais

CALCULEITE - GUIA DO USUÁRIO

CALCULEITE - GUIA DO USUÁRIO CALCULEITE - GUIA DO USUÁRIO Embrapa Gado de Leite, 2015. Sumário Conteúdo 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REQUISITOS DO SISTEMA... 3 3. ACESSO AO SISTEMA... 3 4. ESCOLHA DOS ALIMENTOS... 4 4.1.CADASTRO DE NOVOS

Leia mais

MELHORANDO A PRODUTIVIDADE DAS MATRIZES SUÍNAS PARTE I

MELHORANDO A PRODUTIVIDADE DAS MATRIZES SUÍNAS PARTE I Data: Julho/2001 MELHORANDO A PRODUTIVIDADE DAS MATRIZES SUÍNAS PARTE I Introdução Na base da lucratividade de uma empresa de produção de suínos, entre outros fatores, está a equação : Lucro / Prejuízo

Leia mais

RACTOPAMINA UMA TECNOLOGIA SUTENTÁVEL

RACTOPAMINA UMA TECNOLOGIA SUTENTÁVEL RACTOPAMINA UMA TECNOLOGIA SUTENTÁVEL Sustentabilidade? Economia Meio Ambiente Social SUSTENTABILIDADE = COMPETITIVIDADE POR QUE A RACTOPAMINA É SUSTENTÁVEL? 12% 12% 15% 5% GPD CA Carne R$ Água Efluente

Leia mais

TERMINAÇÃO. Sistemas de produção de carne no Brasil Sistema de 2010 (x 1000) 2010 (%) Sistemas de Produção 11/03/2015

TERMINAÇÃO. Sistemas de produção de carne no Brasil Sistema de 2010 (x 1000) 2010 (%) Sistemas de Produção 11/03/2015 TERMINAÇÃO Sistemas de produção de carne no Brasil Sistema de 2010 (x 1000) 2010 (%) produção Confinamento 3.047 7,39 Semiconfinamento Pastagens inverno 2.583 6,27 822 1,99 Pastagem sem 34.748 84,35 definição

Leia mais

Nova Estratégia para a Melhoria do Desenvolvimento de. Frangos de Corte.

Nova Estratégia para a Melhoria do Desenvolvimento de. Frangos de Corte. Data: Junho /2007 Nova Estratégia para a Melhoria do Desenvolvimento de Frangos de Corte. Nas últimas décadas, o desenvolvimento corporal de frangos de corte tem sido acelerado, visando atender a demanda

Leia mais

ZOOTECNIA I (Suínos) 30/03/2016. Denominações. Denominações. Denominações. Denominações. Plano da aula

ZOOTECNIA I (Suínos) 30/03/2016. Denominações. Denominações. Denominações. Denominações. Plano da aula UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Jaboticabal Faculdade de ciências Agrárias e Veterinárias 1 ZOOTECNIA I (Suínos) Denominações Plano da aula Característica do suíno doméstico

Leia mais

DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE

DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE Rayleiane Cunha Lima¹; Rubens Fausto da Silva² ¹ Aluna do curso de zootecnia

Leia mais

MÉTODOS MANUAIS PARA FORMULAÇÃO DE RAÇÕES

MÉTODOS MANUAIS PARA FORMULAÇÃO DE RAÇÕES MÉTODOS MANUAIS PARA FORMULAÇÃO DE RAÇÕES Victor Hugo Pedraça Dias 1 1 Engº Agrônomo - Esp. Geografia e Gestão Ambiental Prof. Substituto de Zootecnia e Nutrição Animal - IFRN CONCEITO Formular rações

Leia mais

Nome: Paulo Fortes Função: Gerente de Território Regional: Sudeste. Prova de Resultado Lactance Terneira

Nome: Paulo Fortes Função: Gerente de Território Regional: Sudeste. Prova de Resultado Lactance Terneira Nome: Paulo Fortes Função: Gerente de Território Regional: Sudeste Prova de Resultado Lactance Terneira Desempenho de bezerros alimentados à base de ração peletizada x farelada Desempenho de bezerros alimentados

Leia mais

High Definition [Alta definição] High Development [Alto desempenho] High Digestibility [Alta digestibilidade]

High Definition [Alta definição] High Development [Alto desempenho] High Digestibility [Alta digestibilidade] High Definition [Alta definição] High Development [Alto desempenho] High Digestibility [Alta digestibilidade] 1 PROGRAMA NUTRICIONAL A VACCINAR disponibiliza ao mercado a linha QualiSUI HD para suínos,

Leia mais

PROTEÍNA BRUTA, LISINA E ENERGIA METABOLIZÁVEL PARA MATRIZES SUÍNAS EM REPRODUÇÃO

PROTEÍNA BRUTA, LISINA E ENERGIA METABOLIZÁVEL PARA MATRIZES SUÍNAS EM REPRODUÇÃO ROSA et al. 191 PROTEÍNA BRUTA, LISINA E ENERGIA METABOLIZÁVEL PARA MATRIZES SUÍNAS EM REPRODUÇÃO Lorena Silva da Rosa 1 Luiz Carlos Cesar da Costa Filho 2 Vanessa Lopes Dias Queiroz 1 Maria Inês Lenz

Leia mais

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) 01/04/2016. Resíduos de origem animal. Produção Animal vs Impacto Ambiental. Dejetos. Problemas.

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) 01/04/2016. Resíduos de origem animal. Produção Animal vs Impacto Ambiental. Dejetos. Problemas. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Jaboticabal Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias 1 Plano de aula ZOOTECNIA I (Suínos) Resíduos Dejetos Msc. Fabrício Faleiros de

Leia mais

Qualidade do soro de leite integral na alimentação de suínos em fase de creche.

Qualidade do soro de leite integral na alimentação de suínos em fase de creche. VII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, VII Jornada Científica ou I Mostra de Extensão, 21 a 23 de outubro de 2014. Qualidade do soro de leite integral na alimentação de suínos em fase

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE CRIADOS POR ACADÊMICOS DO CURSO DE ZOOTECNIA DURANTE O 1º SEMESTRE LETIVO DE 2004

RELATÓRIO SOBRE DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE CRIADOS POR ACADÊMICOS DO CURSO DE ZOOTECNIA DURANTE O 1º SEMESTRE LETIVO DE 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS - CCR DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA DZ LABORATÓRIO DE AVICULTURA - LAVIC DISCIPLINA DE AVICULTURA RELATÓRIO SOBRE DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE

Leia mais

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS Autor(es): LEIVAS, Vanessa Isquierdo; GONÇALVES, Juliana Macedo;

Leia mais

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo Título da Pesquisa: Comparativo entre suínos castrados pelo método tradicional (castração cirúrgica ) e o método imunocastração. Palavras-chave: suínos imunocastrados, vacina anti-gnrh, castração cirúrgica.

Leia mais

TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO

TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO Juntamente com a Fiagril e o Summit Agricultural Group, a F&S Agri Solutions foi criada para produzir etanol de milho e coprodutos na cidade de Lucas do Rio Verde, MT. A Fiagril e o Summit Agricultural

Leia mais

Suplementação de gordura para vacas leiteiras em pasto

Suplementação de gordura para vacas leiteiras em pasto Suplementação de gordura para vacas leiteiras em pasto A produção de leite no Brasil está baseada principalmente em sistemas que exploram pastagens tropicais ao longo da maior parte do ano. Quando essas

Leia mais

Alimentos Alternativos disponíveis no Nordeste para Alimentação de Aves Tipo Caipira

Alimentos Alternativos disponíveis no Nordeste para Alimentação de Aves Tipo Caipira Alimentos Alternativos disponíveis no Nordeste para Alimentação de Aves Tipo Caipira Professor Carlos Bôa-Viagem Rabello Departamento de Zootecnia Universidade Federal Rural de Pernambuco Recife Pernambuco

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO DE SUÍNOS

MELHORAMENTO GENÉTICO DE SUÍNOS MELHORAMENTO GENÉTICO DE SUÍNOS INTRODUÇÃO A carne de suínos é a mais produzida no mundo. 91,0 milhões de toneladas. Brasil ocupa o quarto lugar no ranking mundial. População suína estimada em 30 milhões

Leia mais

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Data: Junho/2001 SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Estamos iniciando a colheita de uma safra de Sorgo, que segundo estimativas deve girar ao redor de 1,350 a 1,500 milhões

Leia mais

Centro de Educação Superior do Oeste - CEO

Centro de Educação Superior do Oeste - CEO CURSO: Zootecnia ANO/SEMESTRE: 2012 / 2 DISCIPLINA: Produção Zootécnica de Monogástricos; PZDM FASE: 7ª Fase CARGA HORÁRIA: 75 h TURNO: MATUTINO PROFESSOR (A): Diovani Paiano; Marcel M. Boiago CRÉDITOS:

Leia mais

CAPÍTULO 9 Mitigação das condições ambientais visando o conforto, o bem-estar e a saúde de suínos nas fases de creche, crescimento e terminação

CAPÍTULO 9 Mitigação das condições ambientais visando o conforto, o bem-estar e a saúde de suínos nas fases de creche, crescimento e terminação CAPÍTULO 9 Mitigação das condições ambientais visando o conforto, o bem-estar e a saúde de suínos nas fases de creche, crescimento e terminação Paulo Giovanni de Abreu Mitigação das condições ambientais

Leia mais

PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATOLICA DE GOIAS Curso de Zootecnia Plano de Ensino Suinocultura

PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATOLICA DE GOIAS Curso de Zootecnia Plano de Ensino Suinocultura 1 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina: SUINOCULTURA Curso: ZOOTECNIA Período: 8º Código: ZOO 4260 Matriz: 2010/2 Pré-Requisito: ZOO 1440 Carga Horária: 60 horas Créditos 04 Prel. 02 Prát.

Leia mais

Avaliação nutricional do paciente

Avaliação nutricional do paciente Avaliação nutricional do paciente Muito gordo ou muito magro? O que fazer com esta informação? Avaliação nutricional do paciente 1) Anamnese (inquérito alimentar) 2) Exame físico 3) Exames laboratoriais

Leia mais

AULA 03 SISTEMA E REGIME DE CRIAÇÃO

AULA 03 SISTEMA E REGIME DE CRIAÇÃO AULA 03 SISTEMA E REGIME DE CRIAÇÃO III.1 - SISTEMA EXTENSIVO DE CRIAÇÃO DE SUÍNOS 1. Não há preocupação com a produtividade, os animais não são identificados; 2. Não existe controle reprodutivo; 3. Suínos

Leia mais

BENEFÍCIOS E recomendações nutricionais

BENEFÍCIOS E recomendações nutricionais BENEFÍCIOS E recomendações nutricionais Alimentando Vacas Leiteiras com hidropônico verde de forragem (FVH). Deve fornecer de 12 a 18 kg de forragem hidropônica Verde (FVH), divididos em duas partes, geralmente

Leia mais

Estimacão de pesos na experimentacão com Aves

Estimacão de pesos na experimentacão com Aves ISSN 0101 6245 ~ ~ Empresa Brasileira d squisa Ag,ope,uá,i EMeRAPA ~ Vinculada ao Ministério da Agricultura ~ Centro Nacional de Pesquisa de Su ínos e Aves CNPSA ~~~~~. Estimacão de pesos na experimentacão

Leia mais

Análise estatística do ganho de peso de suínos alojados em ambiente de alta temperatura

Análise estatística do ganho de peso de suínos alojados em ambiente de alta temperatura Análise estatística do ganho de peso de suínos alojados em ambiente de alta temperatura Wederson Leandro Ferreira 1 3 Naje Clécio Nunes da Silva 1 3 Augusto Ramalho de Morais 2 3 1 Introdução Segundo Wolp

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Terço final da gestação suína: utilizar ou não uma dieta diferenciada

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Terço final da gestação suína: utilizar ou não uma dieta diferenciada PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Terço final da gestação suína: utilizar ou não uma dieta diferenciada Leandro Ferreira Domiciano 1, Janio Correa Leite Junior 2, Túlio Medeiros

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: PRODUÇÃO DE AVES NA MEDICINA VETERINÁRIA Código da Disciplina: VET246

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: PRODUÇÃO DE AVES NA MEDICINA VETERINÁRIA Código da Disciplina: VET246 PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: PRODUÇÃO DE AVES NA MEDICINA VETERINÁRIA Código da Disciplina: VET246 Curso: MEDICINA VETERINÁRIA Semestre de oferta da disciplina: 7 período Faculdade responsável: MEDICINA

Leia mais

MELHORANDO A PRODUTIVIDADE DAS MATRIZES SUÍNAS PARTE II. Nutrição da matriz gestante

MELHORANDO A PRODUTIVIDADE DAS MATRIZES SUÍNAS PARTE II. Nutrição da matriz gestante Data: Agosto/2001 MELHORANDO A PRODUTIVIDADE DAS MATRIZES SUÍNAS PARTE II Nutrição da matriz gestante O princípio geral para um programa nutricional de matrizes suínas bem sucedido, basea-se na premissa

Leia mais

Inovações nutricionais para incremento da produtividade na cria: A Suplementação Tecnológica

Inovações nutricionais para incremento da produtividade na cria: A Suplementação Tecnológica Beef Expo 15 de junho de 2016 São Paulo, SP Inovações nutricionais para incremento da produtividade na cria: A Suplementação Tecnológica João Marcos Beltrame Benatti Supervisor de Treinamento Técnico Trouw

Leia mais

RESTROPECTIVA DO BRASIL AGROPECUÁRIO: CINQUENTA ANOS DE DESENVOLVIMENTO CONTÍNUO. Antonio Gilberto Bertechini Professor Titular UFLA

RESTROPECTIVA DO BRASIL AGROPECUÁRIO: CINQUENTA ANOS DE DESENVOLVIMENTO CONTÍNUO. Antonio Gilberto Bertechini Professor Titular UFLA RESTROPECTIVA DO BRASIL AGROPECUÁRIO: CINQUENTA ANOS DE DESENVOLVIMENTO CONTÍNUO Antonio Gilberto Bertechini Professor Titular UFLA PIB AGRONEGÓCIO BRASILEIRO 1965 2015 97 bilhões USD PIB 17% PIB 23% 1,45

Leia mais

Qual a importância da Glutamina e do Ácido Glutâmico para o leitão?

Qual a importância da Glutamina e do Ácido Glutâmico para o leitão? Folder Ajinomoto.indd 2 13/10/2009 16:46:22 Folder Ajinomoto.indd 3 13/10/2009 16:46:30 O que é AminoGut? O AminoGut é composto pelos aminoácidos L-Glutamina e L-Ácido Glutâmico livres, nutrientes que

Leia mais

MANEJO DA NOVILHA EM GADO DE CRIA

MANEJO DA NOVILHA EM GADO DE CRIA MANEJO DA NOVILHA EM GADO DE CRIA Prof. Júlio O. J. Barcellos, Med.Vet., Dep. Zootecnia Fac. Agronomia e- mail: julio.barcellos@ufrgs.br http://www.ufrgs.br 1 ESTRUTURA DO TEMA A novilha e o sistema de

Leia mais

III SEMINÁRIO CRUZAMENTO ANGUS

III SEMINÁRIO CRUZAMENTO ANGUS III SEMINÁRIO CRUZAMENTO ANGUS Fazenda Ponte Queimada Proprietário: Eduardo Musa de Freitas Guimarães 08 DE AGOSTO DE 2014 Dados da Propriedade: Localização: Barra do Garças MT; Área total: 2379 hectares;

Leia mais

Atualização em manejos e nutrição de cachaços. Izabel Regina Muniz Médica Veterinária Gerente Nacional de Suinocultura Poli Nutri Alimentos

Atualização em manejos e nutrição de cachaços. Izabel Regina Muniz Médica Veterinária Gerente Nacional de Suinocultura Poli Nutri Alimentos Atualização em manejos e nutrição de cachaços Izabel Regina Muniz Médica Veterinária Gerente Nacional de Suinocultura Poli Nutri Alimentos Introdução Otimizar a qualidade do ejaculado e a possibilidade

Leia mais

ANÁLISE DA COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DE RAÇÃO PARA FRANGOS DE CORTE MACHOS DE UMA EMPRESA DO SUL DE SANTA CATARINA.

ANÁLISE DA COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DE RAÇÃO PARA FRANGOS DE CORTE MACHOS DE UMA EMPRESA DO SUL DE SANTA CATARINA. ANÁLISE DA COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DE RAÇÃO PARA FRANGOS DE CORTE MACHOS DE UMA EMPRESA DO SUL DE SANTA CATARINA. Felipe ALANO MILANEZ UNESC- Universidade do Extremo Sul Catarinense. Nova Veneza Santa Catarina

Leia mais

Correlação entre os parâmetros de peso vivo, idade e espessura de toucinho em suínos. Verde.

Correlação entre os parâmetros de peso vivo, idade e espessura de toucinho em suínos. Verde. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Correlação entre os parâmetros de peso vivo, idade e espessura de toucinho em suínos Frederico Aparecido Duarte Sousa 1 ; Marco Antônio Pereira

Leia mais

PLANO DE PRODUÇÃO PARA UMA EXPLORAÇÃO DE SUINICULTURA PERTENCENTE A QUERIDO TINTA SILVA E VICENTE PAÇOS DO CONCELHO COIMBRÃO MARCA PTRB3G1.

PLANO DE PRODUÇÃO PARA UMA EXPLORAÇÃO DE SUINICULTURA PERTENCENTE A QUERIDO TINTA SILVA E VICENTE PAÇOS DO CONCELHO COIMBRÃO MARCA PTRB3G1. Pedro Miguel Silvério Lopes Médico Veterinário CP nº 1785 Rua Amadeu R F Matias Nº 2, 5º Dto 2560-253 Torres Vedras Tel: 917557815 pmslopes@sapo.pt PLANO DE PRODUÇÃO PARA UMA EXPLORAÇÃO DE SUINICULTURA

Leia mais

MANUAL TOPIGS PARA ALIMENTAÇÃO DE FÊMEAS

MANUAL TOPIGS PARA ALIMENTAÇÃO DE FÊMEAS MANUAL TOPIGS MANUAL TOPIGS 1. Introdução 2. Objetivos do manual 3. Características das linhagens maternas TOPIGS 4. Requerimentos nutricionais 5. Rações Milho / Soja 5.1. Gestação 5.1.1. Introdução 5.1.2.

Leia mais

MANEJO DE MATRIZES DE CORTE. Alexandre Pires Rosa

MANEJO DE MATRIZES DE CORTE. Alexandre Pires Rosa MANEJO DE MATRIZES DE CORTE Alexandre Pires Rosa MATRIZ DE CORTE O QUE É UMA MATRIZ DE CORTE? PQ A MATRIZ NÃO PODE SER GORDA? O QUE É UNIFORMIDADE DE LOTE? PQ UM LOTE DE MATRIZES DEVE SER UNIFORME? O QUE

Leia mais

Relação bezerro boi.

Relação bezerro boi. Relação troca @ bezerro X @ boi. MODELOS DE PRODUÇÃO MAIS COMUNS NO BRASIL Peso Corporal (kg) 550 500 450 400 350 300 250 200 150-4 meses de terminação em Confinamento; - 8 meses do nascimento ao desmame.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PRODUTIVO DE TOURINHOS NELORE, ALIMENTADOS COM FARINHA AMILÁCEA DE BABAÇU, NA REGIÃO NORTE DO BRASIL

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PRODUTIVO DE TOURINHOS NELORE, ALIMENTADOS COM FARINHA AMILÁCEA DE BABAÇU, NA REGIÃO NORTE DO BRASIL AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PRODUTIVO DE TOURINHOS NELORE, ALIMENTADOS COM FARINHA AMILÁCEA DE BABAÇU, NA REGIÃO NORTE DO BRASIL Leide Karla Ribeiro Loureiro 1 ; Glauco Mora Ribeiro 2 ; 1 Aluno do Curso de

Leia mais

Herdabilidade. Heterose = vigor híbrido. Cruzamentos em suinocultura. Herdabilidade: Efeito Aditivo. Introdução/revisão. Heterose: Dominância Completa

Herdabilidade. Heterose = vigor híbrido. Cruzamentos em suinocultura. Herdabilidade: Efeito Aditivo. Introdução/revisão. Heterose: Dominância Completa Disciplina Z044 - Suinocultura ruzamentos em suinocultura Prof. Marson ruck Warpechowski Introdução/revisão Herdabilidade: Porção da variação fenotípica de uma população causada por efeito aditivo dos

Leia mais

Nutrição e Eficiência Reprodutiva de Vacas Leiteiras. Profa. Ricarda Maria dos Santos FAMEV Universidade Federal de Uberlândia

Nutrição e Eficiência Reprodutiva de Vacas Leiteiras. Profa. Ricarda Maria dos Santos FAMEV Universidade Federal de Uberlândia Nutrição e Eficiência Reprodutiva de Vacas Leiteiras Profa. Ricarda Maria dos Santos FAMEV Universidade Federal de Uberlândia Por que devemos nos preocupar com Eficiência Reprodutiva? Eficiência Reprodutiva

Leia mais

Suplemento: Desempenho e Nutrição para frangos de corte

Suplemento: Desempenho e Nutrição para frangos de corte Suplemento: Desempenho e Nutrição para Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Introdução Este suplemento apresenta metas de desempenho e rendimento para os seus frangos de corte Cobb500, juntamente

Leia mais

EFEITO DA FORMA FÍSICA DA RAÇÃO NO DESEMPENHO DE LEITÕES NA FASE DE CRECHE

EFEITO DA FORMA FÍSICA DA RAÇÃO NO DESEMPENHO DE LEITÕES NA FASE DE CRECHE EFEITO DA FORMA FÍSICA DA RAÇÃO NO DESEMPENHO DE LEITÕES NA FASE DE CRECHE Autores : Enio Tonon de SOUZA; Erica Bako MARSON; Jonas Cunha ESPÍNDOLA; Juahil OLIVEIRA; Ivan BIANCHI. (Bolsista PIBIC-AF/CNPq;

Leia mais

Manejo de pastagens Consumo de forragem

Manejo de pastagens Consumo de forragem Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Zootecnia Manejo de pastagens Consumo de forragem Magno José Duarte Cândido magno@ufc.br Núcleo de Ensino e Estudos em Forragicultura-

Leia mais

Importância Reprodutiva em Gado de Leiteiro

Importância Reprodutiva em Gado de Leiteiro Importância Reprodutiva em Gado de Leiteiro Prof. Me.: Whelerson Luiz Vitro vitro@fea.br Disciplina de Bovinocultura FEA Andradina 2015 Introdução O desempenho adequado de qualquer sistema de produção

Leia mais

ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS ZOOTÉCNICOS NA CUNICULTURA DO IFC- CÂMPUS ARAQUARI

ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS ZOOTÉCNICOS NA CUNICULTURA DO IFC- CÂMPUS ARAQUARI ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS ZOOTÉCNICOS NA CUNICULTURA DO IFC- CÂMPUS ARAQUARI Rafael Zanghelini¹; Deolinda Maria Vieira Filha Carneiro; Thiago Neves Batista; Stelamaris Dezen; Marlise Pompeo

Leia mais

Projeto Brasil / União Europeia - Gestação coletiva de matrizes suínas. Cleandro Pazinato Dias

Projeto Brasil / União Europeia - Gestação coletiva de matrizes suínas. Cleandro Pazinato Dias Projeto Brasil / União Europeia - Gestação coletiva de matrizes suínas Cleandro Pazinato Dias Os Diálogos Setoriais são uma dinâmica de cooperação. Atualmente, há cerca de 30 diálogos sobre os mais diversos

Leia mais

RELAÇÃO DO QUANTITATIVO DE BOVINOS E SUÍNOS NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SANTA CATARINA: VII MICTI ARAQUARI/2014

RELAÇÃO DO QUANTITATIVO DE BOVINOS E SUÍNOS NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SANTA CATARINA: VII MICTI ARAQUARI/2014 RELAÇÃO DO QUANTITATIVO DE BOVINOS E SUÍNOS NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SANTA CATARINA: VII MICTI ARAQUARI/2014 Freitas, Bárbara 1 ; Espindola, Jonas 2; Lenoch, Robert 2 ; Marquezi, Alex 4 ; Meneguel,

Leia mais

PROBLEMAS NUTRICIONAIS EM CÃES E GATOS OBESIDADE VISÃO GERAL

PROBLEMAS NUTRICIONAIS EM CÃES E GATOS OBESIDADE VISÃO GERAL PROBLEMAS NUTRICIONAIS EM CÃES E GATOS OBESIDADE VISÃO GERAL Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo,

Leia mais

5 o Seminário Internacional de Suinocultura 27 e 28 de setembro de 2000 Expo Center Norte, SP SISTEMA DE PRODUÇÃO. Mário Faccin

5 o Seminário Internacional de Suinocultura 27 e 28 de setembro de 2000 Expo Center Norte, SP SISTEMA DE PRODUÇÃO. Mário Faccin SISTEMA DE PRODUÇÃO Mário Faccin Médico Veterinário Consultor Produtor de Suínos Master Agropecuária Ltda Videira SC Passado Presente Futuro Definição Sistema de Produção é um conjunto de fatores ou elementos,

Leia mais

METANO PRODUZIDO EM BIODIGESTOR ANAERÓBICO A PARTIR DE DEJETOS SUÍNOS: FONTE DE ENERGIA PARA A PRODUÇÃO

METANO PRODUZIDO EM BIODIGESTOR ANAERÓBICO A PARTIR DE DEJETOS SUÍNOS: FONTE DE ENERGIA PARA A PRODUÇÃO METANO PRODUZIDO EM BIODIGESTOR ANAERÓBICO A PARTIR DE DEJETOS SUÍNOS: FONTE DE ENERGIA PARA A PRODUÇÃO Arndt, B. E. 1 ; Hartmann, C. R. 1 ; Arndt, F. R. 1 ; da Cruz, Jhuliane A. K. 1 ; Volstein, M. 1

Leia mais

AULA 06 MANEJO REPRODUTIVO DOS SUÍNOS

AULA 06 MANEJO REPRODUTIVO DOS SUÍNOS AULA 06 MANEJO REPRODUTIVO DOS SUÍNOS O Processo Reprodutivo Característica importantes dos seres vivos, determinante para sua capacidade em reproduzir. A Eficiência Reprodutiva Medida pelo número de leitões

Leia mais

Milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho 05/05/2008. Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal

Milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho 05/05/2008. Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal Alunos: Juliana Pinto Ferreira Vitor Augusto Oliveira Milho O principal componente das rações de aves e suínos é o milho, cujo custo tem sido

Leia mais

Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00012/2012 (SRP)

Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00012/2012 (SRP) 1 de 51 12/07/2012 19:35 Pregão Eletrônico 158459.122012.33493.4851.23029312.604 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento Instituto Federal de Educação, Ciencia

Leia mais

Porto Alegre 22 e 23 de setembro de 2011

Porto Alegre 22 e 23 de setembro de 2011 Porto Alegre 22 e 23 de setembro de 2011 Ing.Agr. MBA Catalina Boetto Universidad Católica de Córdoba MBG División Ganadería SAGRA SA Sumário 1. Introdução 2. Intensificação da pecuária bovina: pasto ou

Leia mais

Uso de modelagem para a racionalização do manejo nutricional de fêmeas suínas gestantes e lactantes

Uso de modelagem para a racionalização do manejo nutricional de fêmeas suínas gestantes e lactantes Acta Scientiae Veterinariae. 38(Supl 1): s211-s220, 2010. ISSN 1678-0345 (Print) ISSN 1679-9216 (Online) Uso de modelagem para a racionalização do manejo nutricional de fêmeas suínas gestantes e lactantes

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES

NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Educação Física NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES Disciplina Nutrição aplicada à Educação Física e ao Esporte Prof. Dr. Ismael Forte Freitas Júnior HISTÓRICO

Leia mais

ANALISE DE DESPERDÍCIO DE RAÇÃO DE UMA CRECHE DE SUÍNOS DO EXTREMO OESTE DE SANTA CATARINA. Cristine SCHNEIDER¹, Raquel PILETTI ²

ANALISE DE DESPERDÍCIO DE RAÇÃO DE UMA CRECHE DE SUÍNOS DO EXTREMO OESTE DE SANTA CATARINA. Cristine SCHNEIDER¹, Raquel PILETTI ² ANALISE DE DESPERDÍCIO DE RAÇÃO DE UMA CRECHE DE SUÍNOS DO EXTREMO OESTE DE SANTA CATARINA Cristine SCHNEIDER¹, Raquel PILETTI ² Palavras chaves: Eficiência, lucratividade de produção, conversão, comedouro.

Leia mais

SUINOCULTURA EM TRANSFORMAÇÃO: NA EUROPA DIEGO ALKMIN

SUINOCULTURA EM TRANSFORMAÇÃO: NA EUROPA DIEGO ALKMIN SUINOCULTURA EM TRANSFORMAÇÃO: NA EUROPA DIEGO ALKMIN XVII Congresso ABRAVES 2015 Suinocultura em Transformação 20 a 23/10 - CAMPINAS - SP MERCADO DE SUÍNOS NA EUROPA: A UE é o segundo maior produtor mundial

Leia mais

Níveis de vitamina E em dietas para suínos dos 85 aos 120 kg suplementadas com ractopamina no desempenho e nas características de carcaça

Níveis de vitamina E em dietas para suínos dos 85 aos 120 kg suplementadas com ractopamina no desempenho e nas características de carcaça Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013. Belo Horizonte Níveis de vitamina E em dietas para suínos dos 85 aos 120 kg suplementadas com ractopamina no desempenho e nas características

Leia mais

CONTROLE ZOOTÉCNICO - TÉCNICA EFICIENTE E NECESSÁRIA

CONTROLE ZOOTÉCNICO - TÉCNICA EFICIENTE E NECESSÁRIA 1 CONTROLE ZOOTÉCNICO - TÉCNICA EFICIENTE E NECESSÁRIA O mercado de leite no Brasil é historicamente conhecido por apresentar tendências instáveis e impondo, principalmente, estreitas margens ao produtor.

Leia mais

EFEITO DA SUPLEMENTAÇÃO COM FONTE DE ÔMEGA-3 EM DIETAS DE LEITOAS DESMAMADAS SOBRE O GANHO DE PESO E CONVERSÃO ALIMENTAR

EFEITO DA SUPLEMENTAÇÃO COM FONTE DE ÔMEGA-3 EM DIETAS DE LEITOAS DESMAMADAS SOBRE O GANHO DE PESO E CONVERSÃO ALIMENTAR EFEITO DA SUPLEMENTAÇÃO COM FONTE DE ÔMEGA-3 EM DIETAS DE LEITOAS DESMAMADAS SOBRE O GANHO DE PESO E CONVERSÃO ALIMENTAR Modalidade: ( ) Ensino ( X ) Pesquisa ( ) Extensão Nível: ( ) Médio ( X ) Superior

Leia mais

Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves

Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves O Brasil é o décimo maior produtor mundial de arroz e fora do continente Asiático o Brasil é o maior produtor de arroz. O volume de produção na safra

Leia mais

Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP

Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP 1 Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP RELATÓRIO DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FORMULÁRIO VII do Edital n o 01/2009 - CIC/UENP 1. IDENTIFICAÇÃO: 1.1 RELATÓRIO: SEMESTRAL/PARCIAL ( ) FINAL/CONCLUSÃO

Leia mais

José Ribeiro da SILVA (1); Manoel Santos da SILVA (2); Diogo de Barros Mota MELLO (3)

José Ribeiro da SILVA (1); Manoel Santos da SILVA (2); Diogo de Barros Mota MELLO (3) PRODUÇÃO INTENSIVA DE SUÍNOS E IMPACTOS AMBIENTAIS: O CASO DA UNIDADE EDUCATIVA DE PRODUÇÃO (UEP) DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALAGOAS (IFAL) CAMPUS SATUBA José Ribeiro da

Leia mais

Nutrição e Formulação de Rações para Bovinos de Corte com Microcomputador

Nutrição e Formulação de Rações para Bovinos de Corte com Microcomputador Gado de Corte Nutrição e Formulação de Rações para Bovinos de Corte com Microcomputador Aprenda os princípios e também os programas NutriMax e BeefMax Antonio Ferriani Branco C A P Í T U L O 5 Princípios

Leia mais

Manejo Reprodutivo em Suínos. Rafael Ulguim

Manejo Reprodutivo em Suínos. Rafael Ulguim Manejo Reprodutivo em Suínos Rafael Ulguim Reposição Oportunistas Creche Recria / Terminação Abate Parto Desmame Estro Parto Ciclo produtivo da porca Lactação IDE Gestação 18-25 dias 3-7 dias 114 dias

Leia mais

MANEJO REPRODUTIVO EM SUÍNOS - RECOMENDAÇÕES BASICAS

MANEJO REPRODUTIVO EM SUÍNOS - RECOMENDAÇÕES BASICAS 1 MANEJO REPRODUTIVO EM SUÍNOS - RECOMENDAÇÕES BASICAS 2 Procedimentos para a detecção do cio É importante estabelecer um procedimento padrão para a atividade de diagnóstico de cio, obedecendo uma rotina

Leia mais

Alto grão,dieta que vai bem,

Alto grão,dieta que vai bem, Alto grão,dieta que vai bem, sendo uma alternativa para o confinamento. Engorda de bovinos sem o uso de volumoso, uma dieta de oportunidade e democrática, podendo ser utilizada desde pequenos a grandes

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RACTOPAMINA NA DIETA DE SUÍNOS¹. Introdução

UTILIZAÇÃO DE RACTOPAMINA NA DIETA DE SUÍNOS¹. Introdução 601 UTILIZAÇÃO DE RACTOPAMINA NA DIETA DE SUÍNOS¹ Camila Oliveira Silveira 2, Ronaldo Oliveira Silveira³, Cíntia da Cunha Abreu 3, Mariana Costa Fausto 4 Resumo: Destacando-se no mercado internacional

Leia mais

Menor custo de Produção de Bezzeras Mais leite para a indústria

Menor custo de Produção de Bezzeras Mais leite para a indústria Menor custo de Produção de Bezzeras Mais leite para a indústria Os Produtos Neolac é uma linha de sucedâneos de leite para bezerras lactantes. São produtos completos, com 20% de proteína bruta e alta energia,

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Bovinocultura de Corte e Leite Código da Disciplina: AGR 361 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: 7 p Faculdade responsável: Agronomia Programa em vigência

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas Avaliações de parâmetros hematológicos e bioquímicos do sangue de frango de corte na fase de 22 a 42 dias alimentados com diferentes níveis de farinha do mesocarpo do babaçu Ariane de Sousa Rodrigues 1

Leia mais

Especificações Nutricionais para Frangos de Corte. Junho 2007

Especificações Nutricionais para Frangos de Corte. Junho 2007 Especificações Nutricionais para Frangos de Corte Junho 2007 Introdução Nas tabelas seguintes são apresentadas as especificações nutricionais para frangos de corte, considerando situações diversas de produção

Leia mais

POSTERS PROJECTO PRODUÇÃO DE SUÍNOS AO AR LIVRE UNIDADE DE DEMONSTRAÇÃO PROGRAMA AGRO; MEDIDA 8.1

POSTERS PROJECTO PRODUÇÃO DE SUÍNOS AO AR LIVRE UNIDADE DE DEMONSTRAÇÃO PROGRAMA AGRO; MEDIDA 8.1 POSTERS PROJECTO 254 - PRODUÇÃO DE SUÍNOS AO AR LIVRE UNIDADE DE DEMOTRAÇÃO PROGRAMA AGRO; MEDIDA 8.1 M. C. Marinho, S. Duarte, J. P. Várzea Rodrigues Escola Superior Agrária de Castelo Branco, Quinta

Leia mais