A p r e s e n t a ç ã o

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A p r e s e n t a ç ã o"

Transcrição

1

2 A p r e s e n t a ç ã o Dando continuidade à coleção "Panorama Logístico" - conjunto de relatórios que trazem resultados detalhados de pesquisas desenvolvidas pelo Centro de Estudos em Logística - apresentamos neste volume o tema "". O estudo teve como objetivo atualizar algumas informações importantes sobre custos logísticos no país, substituindo o relatório com o mesmo tema anteriormente lançado pelo CEL/COPPEAD. A metodologia utilizada englobou tanto uma abordagem macroeconômica, onde foram identificados os custos do Brasil como um todo, quanto uma abordagem microeconômica, retratando a perspectiva das empresas. A análise macroeconômica foi realizada utilizando-se mais de 30 fontes diferentes, entre elas: ANP, ANTT, ANTAQ, BNDES, CNT, ANAC, INFRAERO, FIPE, IPEA, NTC & Logística, SINDICOM, ABCR, empresas aéreas e de navegação e empresas distribuidoras de combustíveis. Por sua vez, o estudo microeconômico foi conduzido com uma amostra de 41 indústrias brasileiras, todas elas pertencentes ao grupo das 500 maiores empresas do país. Estas grandes companhias consultadas, escolhidas por serem provavelmente mais bem estruturadas em relação à disponibilidade de informações de custos, responderam um questionário desenvolvido pelo Centro de Estudos em Logística a respeito dos custos logísticos e das decisões gerenciais adotadas. Todo o relatório está focado na análise das operações domésticas no país, incluindo, no caso das exportações e importações, as atividades nos portos e aeroportos brasileiros. Os resultados finais geraram um mapeamento detalhado dos custos logísticos no país. As análises incluem os custos de transporte de carga (que proporcionaram a atualização da matriz nacional de transporte de cargas no país), além dos custos de estoque e armazenagem. Os resultados encontrados para o Brasil foram comparados com dados dos Estados Unidos, obtidos através de fontes como o Council of Supply Chain Management Professionals (CSCMP). Esperamos que este relatório possa contribuir com informações relevantes tanto para as empresas quanto para o desenvolvimento da logística nacional. IAtenção: TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - É proibida a reprodução total ou parcial, de qualquer forma ou por qualquer meio. A violação dos direitos do autor é crime Apresentação

3 Í n d i c e / Análise Macroeconômica - Sumário Executivo - Parte 1 Custos de Transporte de Carga Transporte Rodoviário Transporte Ferroviário Transporte Aquaviário Transporte Dutoviário Transporte Aéreo Custos de Estoque Custos de Armazenagem Custos Administrativos da Logística Sumário Executivo - Parte 2 PRINCIPAIS OBSERVAÇÕES Maior Nível Hierárquico do profissional que utiliza informações sobre Custos Logísticos na Tomada de Decisão 97 Importância das informações sobre Custos Logísticos no Planejamento Estratégico das empresas Segmentação por maior nível hierárquico do profissional que utiliza as informações sobre custos logísticos Segmentação em relação ao percentual dos Custos Logísticos sobre a Receita Líquida Prioridade nas decisões logísticas: Redução de Custos x Melhoria de Serviço

4 Í n d i c e /2006 Prioridade nas decisões logísticas: Redução de Custos x Melhoria de Serviço Distribuição em 100 pontos Grau de priorização das empresas na Redução de Custos Logísticos (Média) - Setor de Alimentos, Farmácia, Higiene e Fumo - Setor Automotivo - Setor Químico, Petroquímico, Papel e Celulose - Setor Siderurgia, Metalurgia e Mineração - Setor Tecnologia, Computação e Eletroeletrônicos - Produtos de Consumo Duráveis e Semi Duráveis - Produtos de Consumo Não Duráveis - Insumos Industriais e Produtos Intermediários Grau de priorização das empresas na Redução de Custos Logísticos (% de empresas) - Produtos de Consumo Duráveis e Semi Duráveis - Produtos de Consumo Não Duráveis - Insumos Industriais e Produtos Intermediários Os Custos Logísticos Totais, incluindo custos de transporte, estoque e armazenagem, são analisados de forma integrada para a Tomada de Decisão? Profissionais da área de Logística envolvidos na Análise de Custos Logísticos Profissionais da área de Logística que Utilizam informações sobre Custos Logísticos Existe um Sistema Gerencial que aborde os Custos Logísticos na sua empresa? Ferramentas utilizadas no gerenciamento dos custos logísticos das empresas: Excel X Software Gerencial de Custos

5 Í n d i c e /2006 Ferramentas utilizadas no gerenciamento dos custos logísticos das empresas Periodicidade de monitoramento dos Custos Logísticos - Produtos de Consumo Duráveis e Semi Duráveis - Produtos de Consumo Não Duráveis - Insumos Industriais e Produtos Intermediários Quantidade de Indicadores de Desempenho de Custos Logísticos monitorados Acurácia das informações sobre Custos Logísticos disponíveis nas empresas Dificuldade de Obtenção de Informações sobre Custos Logísticos Tabela de respostas das empresas: INFORMAÇÕES GERENCIAIS 156 Análise das respostas das empresas: INFORMAÇÕES GERENCIAIS ANÁLISE COMPARATIVA DOS CUSTOS LOGÍSTICOS Distribuição dos Custos Logísticos entre as atividades nas empresas Custos Logísticos em relação à Receita Líquida das empresas Segmentação por Faixas de Receita Segmentação por Atividades Segmentação entre empresas que avaliam ou não avaliam os custos logísticos de forma integrada Segmentação por maior nível hierárquico do profissional que utiliza as informações sobre custos logísticos Segmentação por grau de importância dado às informações de custos logísticos no planejamento estratégico Segmentação por empresas que priorizam Redução de Custos X Melhoria de Serviço

6 Í n d i c e /2006 Tabela de respostas das empresas: ANÁLISE COMPARATIVA DOS CUSTOS LOGÍSTICOS 171 Análise das respostas das empresas: ANÁLISE COMPARATIVA DOS CUSTOS LOGÍSTICOS TRANSPORTE Custos com Transporte em relação à Receita Líquida das empresas Distribuição dos Custos com Transporte Nacional e Internacional Custos com Transporte de Suprimento, Transferência e Distribuição Custos com Transportadoras e Operadores de Transporte e Gerenciamento de Risco 183 Utilização de Gerenciamento de Risco no Transporte Tipos de Gerenciamento de Risco Utilizados Profissionais da área de Logística envolvidos na Análise de Custos com Transporte Profissionais da área de Logística que Utilizam informações sobre Custos com Transporte Frota Própria nas empresas 196 Grau de priorização da empresa na Redução de Custos com Transporte Segmentação por Grupos de Setores

7 Í n d i c e /2006 Tabela de respostas das empresas: TRANSPORTE 200 Análise das respostas das empresas: TRANSPORTE ESTOQUE Custos com Estoque em relação à Receita Líquida das empresas Valor dos Produtos em Estoque em relação à Receita Líquida das empresas Valor dos Produtos em Estoque X Receita Líquida das empresas Cobertura e Giro dos Produtos em Estoque Custo de Capital (Taxa de Oportunidade) Giro de Estoque x Custo de Capital Perda de Estoque (roubo, obsolescência e danos) Profissionais da área de Logística envolvidos na Análise de Custos com Estoque Profissionais da área de Logística que Utilizam informações sobre Custos com Estoque

8 Í n d i c e /2006 Grau de priorização da empresa na Redução de Custos com Estoque Segmentação por Grupos de Setores Tabela de respostas das empresas: ESTOQUE 233 Análise das respostas das empresas: ESTOQUE ARMAZENAGEM Custos com Armazenagem em relação à Receita Líquida das empresas Profissionais da área de Logística envolvidos na Análise de Custos com Armazenagem Profissionais da área de Logística que Utilizam informações sobre Custos com Armazenagem Número de Armazéns e CDs utilizados: Total Número de Armazéns e CDs utilizados: Próprios Número de Armazéns e CDs utilizados: Terceirizados Número de Armazéns e CDs utilizados: Próprios x Terceirizados

9 Í n d i c e /2006 Percentual de Armazéns e CDs utilizados: Próprios x Terceirizados Área de Armazenagem: Total Área de Armazenagem: Própria Área de Armazenagem: Terceirizada Área de Armazenagem: Própria x Terceirizada Valor pago a Prestadores de Serviço de Armazenagem Valor pago a Prestadores de Serviço de Armazenagem em relação à Receita Líquida Itens incluídos nos gastos com Prestadores de Serviço de Armazenagem 277 Valor gasto com Sistemas de Gerenciamento de Armazenagem 278 Valor gasto com Sistemas de Gerenciamento de Armazenagem em relação à Receita Líquida 279 Valor Imobilizado nas Instalações Próprias de Armazenagem Valor Imobilizado em Equipamentos Próprios de Armazenagem

10 Í n d i c e /2006 Valor Imobilizado em Instalações e Equipamentos Próprios de Armazenagem em relação à Receita Líquida Grau de Priorização da empresa na Redução de Custos com Armazenagem Segmentação por Grupos de Setores Tabela de respostas das empresas: ARMAZENAGEM 292 Análise das respostas das empresas: ARMAZENAGEM DETALHAMENTO DA AMOSTRA Setores das Empresas Entrevistadas 295 Grupo de Setores das Empresas Entrevistadas 296 Receita Líquida em 2004 das empresas entrevistadas Distribuição da Receita Líquida obtida nas vendas ao mercado interno e externo Cargo dos Entrevistados 303

11 - 2008/2006 Por que adquirir este Panorama? Os custos logísticos correspondem a 11,7% do PIB brasileiro. Para as empresas brasileiras seus custos logísticos equivalem em média a 7,5% da receita líquida, considerando custos com transporte, estoque e armazenagem. Este relatório traz informações de extrema importância para os gestores que buscam entender os custos logísticos do Brasil e das empresas que atuam no país. As análises permitem a comparação dos custos nos diferentes modais de transporte, além dos custos com estoque e armazenagem. O que contém este Panorama? Este relatório lançado em 2008 atualizou algumas informações macroeconômicas anteriormente divulgadas no Panorama Logístico de mesmo nome lançado pelo CEL/COPPEAD em O Panorama está dividido em duas partes, a primeira contempla uma análise macroeconômica onde é analisado os custos logísticos de transporte, estoque, armazenagem e administrativo referentes ao Brasil. A segunda parte apresenta um estudo microeconômico resultado da pesquisa junto a grandes empresas, onde é possível identificar entre outros pontos os custos logísticos detalhados por setor da economia e alguns indicadores de desempenho.

12 % dos custos em relação ao PIB /2006 Que exemplos de análises vou encontrar? 14% 12% 10% 8% 6% 4% 2% 0% % de Custos Logísticos em relação ao PIB - BRASIL - 0,4% 0,5% 0,6% 0,6% 3,9% 3,7% 11,9% 11,7% 7,0% 6,9% Administrativo Armazenagem Estoque Transporte Fonte Brasil: Pesquisa CEL/COPPEAD Matriz de Transportes e Matriz de Custos Brasil X Estados Unidos Matriz de Transporte e Custo Modal Brasil (2006) Ferroviário % TKU 1 % US$ TKU/ Mil TKU 25,4% 19 Estados Unidos (2006) % TKU 1 US$ / Mil TKU 38,5% 19 Rodoviário 55,8% ,6% 284 Aquaviário 13,9% 29 11,5% 6 Dutos 4,7% 32 20,1% 7 oleodutos gasodutos nd* Aéreo 0,1% 721 0,4% 833 * Os dados dos EUA consideram somente a movimentação de oleodutos Dados referentes a 2006; considera 1 US$ = R$ 2,17

13 - 2008/2006 Percentual Percentual dos Custos dos com Custos Transporte com em Transporte relação à em relação à Receita Líquida Líquida das empresas Químico, Petroquímico, Papel e Celulose 5,0% Alimentos, Farmácia, Higiene e Fumo 4,7% Automotivo 4,2% Siderurgia, Metalurgia e Mineração 3,8% Tecnologia, Computação e Eletroeletrônicos 3,2% 0% 2% 4% 6% 8% 10% % médio dos custos com transporte Prioridade: Redução Prioridade de Custos nas empresas x Melhoria de Serviço Redução de Custos X Melhoria de Serviços Brasil Estados Unidos Prioridade Igual 23% 22,5% Prioridade Igual 26% Maior Prioridade para Redução de Custos 35% Maior Prioridadepara Prioridade para ços Melhoria 23% de Serviço 22,5% Maior Prioridade Reduç para Redução de Custos 55% 55% Maior Prioridade para Melhoria de Serviço 39%

14 - 2008/2006 Quem respondeu a pesquisa? (Empresas e setores) de 41 indústrias brasileiras, todas elas pertencentes ao grupo das 500 maiores empresas do país. Setor Alimentos, Higiene, Farmácia e Fumo Automotivo Confecções e Têxteis Construção e Material de Construção Plástico e Borrachas Químico, Petroquímico, Papel e Celulose Siderurgia, Metalurgia e Mineração Tecnologia, Computação e Eletroeletrônicos Geral % de Empresas entrevistadas 15% 12% 2% 2% 5% 37% 15% 12% 100% Quantidade de Empresas entrevistadas Quanto custa e qual o formato deste Panorama? PANORAMA LOGÍSTICO: 2008/2006 Relatório ELETRÔNICO (arquivo formato pdf) Relatório IMPRESSO (303 páginas, Colorido, Formato A4, Capa dura) PACOTE (Relatório ELETRÔNICO + IMPRESSO) Preço R$ 2.950,00 R$ 3.600,00 R$ 3.900,00 Onde Comprar? Este relatório é vendido exclusivamente pelo. Maiores informações: ou pelo

15

PANORAMA. Custos Logísticos no Brasil

PANORAMA. Custos Logísticos no Brasil PANORAMA ILOS Custos Logísticos no Brasil 2014 APRESENTAÇÃO O tema custos é uma preocupação recorrente dos executivos de logística no Brasil. Por isso, de dois em dois anos, o ILOS vai a campo para trazer

Leia mais

Apresentação. Atenção:

Apresentação. Atenção: 100 95 75 25 5 0 capa_azul2009 Tuesday, December 02, 2008 11:50:46 AM Apresentação Este Panorama Logístico tem como tema a, e traz análises sobre as experiências e expectativas das empresas com relação

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS Condomínios Logísticos no Brasil A visão dos operadores logísticos

Brochura - Panorama ILOS Condomínios Logísticos no Brasil A visão dos operadores logísticos Brochura - Panorama ILOS Condomínios Logísticos no Brasil A visão dos operadores logísticos - 2013 - Apresentação Impulsionado pelo aumento do consumo e pela necessidade das empresas em investirem na atividade

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS Customer Service Avaliação do Serviço de Distribuição das Indústrias de ALIMENTOS PERECÍVEIS - 2015 - Apresentação A pesquisa "Customer Service: Avaliação do Serviço de Distribuição

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS c Custos Logísticos no Brasil - 2014 - Apresentação O tema custos é uma preocupação recorrente dos executivos de logística no Brasil. Por isso, de dois em dois anos, o ILOS vai

Leia mais

Custos Logísticos na Economia Brasileira

Custos Logísticos na Economia Brasileira Custos Logísticos na Economia Brasileira MAURICIO PIMENTA LIMA Introdução A carência de informações sobre custos logísticos no Brasil torna freqüente a utilização de dados defasados. O grande problema

Leia mais

Carga Aérea Crescimento e Estratégias. Por: Marcus Gentil

Carga Aérea Crescimento e Estratégias. Por: Marcus Gentil Carga Aérea Crescimento e Estratégias Por: Marcus Gentil Vídeo de Abertura Agenda Representatividade e Missão Tipos de Cargas e suas Principais Características Participação Comparativa dos Modais Evolução

Leia mais

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Enaex Agosto, 2013 Luciano Coutinho Presidente 1 Brasil apresenta fundamentos compatíveis com o crescimento sustentável de Longo Prazo País possui

Leia mais

Logística. Prof a Marta Monteiro da Costa Cruz Profª Patrícia Alcântara Cardoso

Logística. Prof a Marta Monteiro da Costa Cruz Profª Patrícia Alcântara Cardoso Logística Prof a Marta Monteiro da Costa Cruz mcruz@npd.ufes.br Profª Patrícia Alcântara Cardoso profa.patriciacardoso@gmail.com 1 LOGÍSTICA É a processo sistêmico de planejamento, implementação, controle

Leia mais

Importância e Oportunidades para o Desenvolvimento da Indústria de Serviços

Importância e Oportunidades para o Desenvolvimento da Indústria de Serviços Importância e Oportunidades para o Desenvolvimento da Indústria de Serviços Modais de Transporte no Brasil Características dos Modais Modal Ferroviário Maior concentração das ferrovias no Brasil As ferrovias

Leia mais

O BRASIL VIROU GENTE GRANDE E AGORA?

O BRASIL VIROU GENTE GRANDE E AGORA? O BRASIL VIROU GENTE GRANDE E AGORA? A Evolução da Movimentação de Carga no Brasil e no Mundo BRASIL Virando Gente Grande Movimentação do Comércio Exterior no Brasil 1990 = 50 bi 2000 = 110 bi 2004 = 160

Leia mais

Administração do Transporte 2008

Administração do Transporte 2008 Administração do Transporte 2008 A cadeia de suprimento começa com o cliente e sua necessidade de obter o produto. O próximo estágio dessa cadeia de suprimento é uma loja que o cliente procura. Por exemplo:

Leia mais

Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial. Brasília, julho de 2016

Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial. Brasília, julho de 2016 Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial Brasília, julho de 2016 Coeficientes de abertura comercial Estrutura 1. O que são os coeficientes de exportação e penetração de importações?

Leia mais

Sumário. PARTE 1 Gestão logística da cadeia de suprimentos. Capítulo 2. Capítulo 1

Sumário. PARTE 1 Gestão logística da cadeia de suprimentos. Capítulo 2. Capítulo 1 Sumário PARTE 1 Gestão logística da cadeia de suprimentos Capítulo 1 Cadeias de suprimentos no século xxi... 2 A revolução da cadeia de suprimentos... 4 Integração gera valor... 6 Modelo geral de cadeia

Leia mais

Alguns casos de avanços tecnológicos...28 PERSPECTIVAS...30

Alguns casos de avanços tecnológicos...28 PERSPECTIVAS...30 APRESENTAÇÃO...11 INTRODUÇÃO...13 Definições de operadores...13 A evolução do segmento...13 O PAPEL ESTRATÉGICO DA LOGÍSTICA...15 Uma ampla cadeia de negócio.. 15 As atividades da logística...15 Importância

Leia mais

Jornal do Commercio

Jornal do Commercio Jornal do Commercio http://goo.gl/ajf8bz Revista Logweb http://goo.gl/nbbsr8 Revista Logística Site da Abralog http://goo.gl/0ikh6i Site da revista Tecnologística http://goo.gl/4toa2r Newsletter Tecnologística

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Administração Graduação Executiva- Campus Mossoró) 6ª SÉRIE

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Administração Graduação Executiva- Campus Mossoró) 6ª SÉRIE DISCIPLINAS DA SÉRIE DISCIPLINAS DAS SÉRIES ANTERIORES ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.2 Administração Graduação Executiva- Campus Mossoró) 6ª SÉRIE GESTÃO ESTRATEGICA GESTÃO FINANCEIRA AVANÇADA LOGISTICA

Leia mais

INTRODUÇÃO À LOGISTICA

INTRODUÇÃO À LOGISTICA INTRODUÇÃO À LOGISTICA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc VAMOS NOS CONHECER Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção e Logística, SENAI

Leia mais

Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário

Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 ApresentAção A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 apresenta a visão do empresário do transporte rodoviário

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS Planejamento no Supply Chain - 2015 - Apresentação As empresas devem garantir que suas cadeias de suprimento estejam preparadas para um mercado em constante modificação. Planejar

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS Portos Brasileiros Inclui capítulo sobre Cabotagem

Brochura - Panorama ILOS Portos Brasileiros Inclui capítulo sobre Cabotagem Brochura - Panorama ILOS Portos Brasileiros Inclui capítulo sobre Cabotagem - 2015 - Pré-Venda Pré-Venda Ao garantir o Panorama ILOS Portos Brasileiros Avaliação dos Usuários e Análise de Desempenho 2015

Leia mais

Figura 5: Evolução do setor de Petróleo em relação ao PIB no Brasil (Fonte: ANP)

Figura 5: Evolução do setor de Petróleo em relação ao PIB no Brasil (Fonte: ANP) 1 Introdução Como principal fonte energética, o petróleo desempenha papel estratégico na economia do Brasil e dos principais países industrializados do mundo. O setor de petróleo representa quase 10% do

Leia mais

Inteligência Empresarial

Inteligência Empresarial SOLUÇÕES WK Inteligência Empresarial A Solução para da WK Sistemas contempla um conjunto de ferramentas que permitem integrar através de Dashboards e Relatórios personalizados informações das diversas

Leia mais

Núcleo de Apoio ao Planejamento e Gestão da Inovação. Junho de 2006

Núcleo de Apoio ao Planejamento e Gestão da Inovação. Junho de 2006 Núcleo de Apoio ao Planejamento e Gestão da Inovação Junho de 2006 NUGIN: Núcleo de Gestão da Inovação Missão Promover a geração de ambientes inovadores, fomentando e apoiando as empresas na gestão da

Leia mais

P24 Criar Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação 2011/2012 Líder: Maria Cecília Badauy

P24 Criar Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação 2011/2012 Líder: Maria Cecília Badauy P24 Criar Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação 2011/2012 Líder: Maria Cecília Badauy Brasília, 13 de Julho de 2011 Perspectiva: Aprendizado e Crescimento Planejamento Estratégico Objetivo

Leia mais

ano XVI, n 6, junho de 2012

ano XVI, n 6, junho de 2012 ,, junho de 2012 EM FOCO O índice de preços das exportações apresentou alta de 0,3% em maio na comparação com abril, causada pela evolução positiva em produtos básicos e manufaturados (0,4%). Contudo,

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Dezembro/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Out16/Set16 (%) dessaz. Out16/Out15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG Vale do Rio Grande Julho/2016 Objetivo Prover informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria no Estado de Minas Gerais e nas Regionais

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTAS º PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTAS º PERÍODO CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE FÍSICA DISCIPLINA: REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DISCIPLINA:

Leia mais

ATENÇÃO. Apresentação

ATENÇÃO. Apresentação Apresentação O tema logística reversa vem crescendo em importância entre as empresas desde a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com as novas exigências, as empresas precisam buscar

Leia mais

Pesquisa de Remuneração. Presidentes e Diretores Executivos Brasil 2016/2017

Pesquisa de Remuneração. Presidentes e Diretores Executivos Brasil 2016/2017 Pesquisa de Remuneração Presidentes e Diretores Executivos Brasil 2016/2017 Índice Apresentação... 3 Metodologia... 5 Destaques... 7 Benefícios... 8 Outros Benefícios... 9 Formas de contratação... 10 Seguro

Leia mais

Panorama da Indústria Brasileira de Eletro-Eletrônica e Software. Eugênio E. Staub Abril de 2004

Panorama da Indústria Brasileira de Eletro-Eletrônica e Software. Eugênio E. Staub Abril de 2004 Panorama da Indústria Brasileira de Eletro-Eletrônica e Software Eugênio E. Staub Abril de 2004 Sumário Indústria Eletro-Eletrônica Indústria de Software Conclusão 2 Indústria Eletro-Eletrônica Principais

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Prof. Marcelo Mello Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Gerenciamento de serviços Nas aulas anteriores estudamos: 1) Importância dos serviços; 2) Diferença entre produtos x serviços; 3) Composto de Marketing

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS. Transporte Rodoviário de Cargas no Brasil A percepção das empresas contratantes de transporte

Brochura - Panorama ILOS. Transporte Rodoviário de Cargas no Brasil A percepção das empresas contratantes de transporte Brochura - Panorama ILOS Transporte Rodoviário de Cargas no Brasil A percepção das empresas contratantes de transporte 2016 Apresentação A atividade de transporte representa mais da metade dos gastos das

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

INTEGRAÇÃO FINANCEIRA NA CADEIA DE SUPRIMENTOS SUPPLY CHAIN FINANCE. Vanessa Saavedra

INTEGRAÇÃO FINANCEIRA NA CADEIA DE SUPRIMENTOS SUPPLY CHAIN FINANCE. Vanessa Saavedra INTEGRAÇÃO FINANCEIRA NA CADEIA DE SUPRIMENTOS SUPPLY CHAIN FINANCE Vanessa Saavedra Este artigo é parte do resultado alcançado por meio da pesquisa de Supply Chain Finance (SCF), que tem como tema Integração

Leia mais

3 Metodologia de pesquisa

3 Metodologia de pesquisa 3 Metodologia de pesquisa Esta pesquisa foi concebida com o intuito de identificar como a interação entre o gerenciamento de projetos e o planejamento estratégico estava ocorrendo nas empresas do grupo

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS. Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 -

Brochura - Panorama ILOS. Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 - Brochura - Panorama ILOS Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 - Por que adquirir este Panorama ILOS? O Supply Chain Finance é a forma

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são palestras

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Administração - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Administração - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.2 Administração - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE DISCIPLINAS DA SÉRIE GESTÃO DA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA GESTÃO DE PESSOAS DIREITO EMPRESARIAL E TRABALHISTA CONTABILIDADE Os recursos

Leia mais

ZPE CEARÁ. A primeira a operar no Brasil. Mário Lima Junior Presidente ZPE Ceará. zpeceara.ce.gov.br facebook.com/zpeceara twitter.

ZPE CEARÁ. A primeira a operar no Brasil. Mário Lima Junior Presidente ZPE Ceará. zpeceara.ce.gov.br facebook.com/zpeceara twitter. ZPE CEARÁ A primeira a operar no Brasil Mário Lima Junior Presidente ZPE Ceará zpeceara.ce.gov.br facebook.com/zpeceara twitter.com/zpeceara CONCEITO A ZPE Zona de Processamento de Exportação é uma área

Leia mais

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Brasil: uma vocação natural para a indústria química País rico em petróleo, gás, biodiversidade, minerais e terras raras Objetivo Desenvolver

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada de Consultoria para Planejamento da Estrutura Funcional e Organizacional

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS Transporte Rodoviário de Cargas no Brasil A percepção das empresas contratantes de transporte 2ª Edição Revisada e Ampliada em 2014 Apresentação O Panorama ILOS Transporte Rodoviário

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

55º Fórum Nacional de Secretários de Planejamento INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA

55º Fórum Nacional de Secretários de Planejamento INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA 55º Fórum Nacional de Secretários de Planejamento INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA Salvador/BA, 06 de Setembro de 2013 PREMISSA BÁSICA O setor de Transportes como catalisador do desenvolvimento nacional Estruturando

Leia mais

FAMEBLU Engenharia Civil

FAMEBLU Engenharia Civil Disciplina LOGÍSTICA EMPRESARIAL FAMEBLU Engenharia Civil Aula 6: Cadeia de Abastecimento Logística Interna na Construção Civil Supply Chain Management Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Cadeia de Suprimentos. Aula 1. Contextualização. O que é Supply Chain Management? Prof. Luciano José Pires

Cadeia de Suprimentos. Aula 1. Contextualização. O que é Supply Chain Management? Prof. Luciano José Pires Cadeia de Suprimentos Aula 1 Contextualização Prof. Luciano José Pires O que é Supply Chain Management? Atual e futuro A Logística é uma das atividades econômicas mais antigas e também um dos conceitos

Leia mais

Anuário Valor Além de fonte de consulta e referência entre executivos, líderes e leitores, Valor 1000 é garantia de grandes negócios.

Anuário Valor Além de fonte de consulta e referência entre executivos, líderes e leitores, Valor 1000 é garantia de grandes negócios. Anuário Valor 1000 Além de fonte de consulta e referência entre executivos, líderes e leitores, Valor 1000 é garantia de grandes negócios. O único que publica análises detalhadas sobre as 1000 maiores

Leia mais

Gestão de Riscos Transporte e Armazenamento de Petróleo, Derivados e Gás Natural

Gestão de Riscos Transporte e Armazenamento de Petróleo, Derivados e Gás Natural Aon Risk Solutions Gestão de Riscos Transporte e Armazenamento de Petróleo, Derivados e Gás Natural Risk. Reinsurance. Human Resources. Integração de riscos de processo, projetos, governança e seguros

Leia mais

MegaPolo2013 O Aumento da Competitividade do Polo Industrial de Cubatão

MegaPolo2013 O Aumento da Competitividade do Polo Industrial de Cubatão MegaPolo2013 O Aumento da Competitividade do Polo Industrial de Cubatão Dezembro 2013 Fábrica: Cubatão Início das operações: 1964 3º maior produtor de cloro, soda e derivados do país Linha de Produção:

Leia mais

Capítulo 3 O Produto Logístico

Capítulo 3 O Produto Logístico Logística Capítulo 3 O Produto Logístico O Produto Logístico O Produto Logístico é um conjunto de características que podem ser manipulados pelo profissional de logística, que, quando bem manipulados,

Leia mais

Data de Ingresso 01/12/ /08/ /11/ /03/2015

Data de Ingresso 01/12/ /08/ /11/ /03/2015 SETOR 1. Serviços de Tecnologia da Informação (TI) e de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) Análise e desenvolvimento de sistemas Data de Ingresso Alíquotas Programação Análise e desenvolvimento

Leia mais

Mercado de Aviação Brasileiro Momento Atual

Mercado de Aviação Brasileiro Momento Atual Mercado de Aviação Brasileiro Momento Atual Momento Atual da Indústria Nacional 1 2 3 4 O setor de aviação nacional que hoje transporta mais passageiros do que ônibus atravessa um momento desfavorável

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 001308 - TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior Area Profissional: GESTAO DA ADMINISTRACAO Area de Atuacao: LOGISTICA/GESTAO Planejar,

Leia mais

Departamento Nacional do SENAI

Departamento Nacional do SENAI do SENAI Rede SENAI de Serviços Técnicos e Tecnológicos Sérgio Motta 16 de Agosto de 2011 O que é o SENAI - Criado em 1942 por iniciativa do empresariado do setor industrial; - Maior complexo de educação

Leia mais

Treinamentos EMENTA GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 20 Horas

Treinamentos EMENTA GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 20 Horas EMENTA GERENCIAMENTO DE PROJETOS 20 Horas OBJETIVO O treinamento tem como objetivo capacitar os envolvidos em gerenciamento de projetos a aplicar, de forma prática e imediata, os conceitos e boas práticas

Leia mais

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria Rede Setorial da Indústria Os desafios setoriais à competitividade da indústria brasileira Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria São Paulo, 10 de setembro de 2013 ROTEIRO

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO NORTE INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Versão 1.0 Vigência Agosto / 2016 Classificação das Informações [ X ] Uso Interno [ ] Uso Público Conteúdo

Leia mais

Perfil País. Moçambique

Perfil País. Moçambique Perfil País Moçambique Elaborado pela: Unidade de - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55 613426.0202 Fax: +55 613426.0332 www.apexbrasil.com.br 1 Moçambique Indicadores Econômicos Crescimento do PIB

Leia mais

enfrentarem os desafios 2016

enfrentarem os desafios 2016 Contribuição do BNDES para as empresas Economia enfrentarem os desafios 2016 Fevereiro de 2016 1 A racionalidade da contribuição do BNDES aos desafios de 2016 Apoiar necessidades das empresas; atender

Leia mais

Residentes: Alda Maria Grüdtner de Almeida (Administradora) Ana Djéssika Vidal (Economista) Eduany W. S. Callegaro (Economista)

Residentes: Alda Maria Grüdtner de Almeida (Administradora) Ana Djéssika Vidal (Economista) Eduany W. S. Callegaro (Economista) Residentes: Alda Maria Grüdtner de Almeida (Administradora) Ana Djéssika Vidal (Economista) Bruna Ferreira (Administradora) Eduany W. S. Callegaro (Economista) Franciane Silva Coutinho (Administradora)

Leia mais

O GRUPO SOLPANAMBY TEM SUAS RAÍZES FINCADAS NA CIDADE DE CAMPINAS, EM SÃO PAULO.

O GRUPO SOLPANAMBY TEM SUAS RAÍZES FINCADAS NA CIDADE DE CAMPINAS, EM SÃO PAULO. Institucional O GRUPO SOLPANAMBY TEM SUAS RAÍZES FINCADAS NA CIDADE DE CAMPINAS, EM SÃO PAULO. O DNA empreendedor do grupo pode ser visto na habilidade dessa família empresária, que busca resultados sustentáveis

Leia mais

Capacitação da Indústria. Nacional e Perspectivas de. Ampliação do Fornecimento. Local de Bens e Serviços para o. Setor de Óleo e Gás

Capacitação da Indústria. Nacional e Perspectivas de. Ampliação do Fornecimento. Local de Bens e Serviços para o. Setor de Óleo e Gás Capacitação da Indústria Nacional e Perspectivas de Ampliação do Fornecimento Local de Bens e Serviços para o Setor de Óleo e Gás 1 Agentes Governamentais Indústria Nacional Operadoras de P&G Missão Maximizar

Leia mais

Administração de Serviços. Prof. Marcos Cesar

Administração de Serviços. Prof. Marcos Cesar Administração de Serviços Prof. Marcos Cesar A importância dos Serviços na Economia: Grécia Clássica - Importância a educação dos jovens. Serviços deixado de lado, sociedade agrícola e escravocrata. Idade

Leia mais

Catálogo de Requisitos de Titulação. Habilitação: Portos. (Extensão EE Padre Bartolomeu de Gusmão)

Catálogo de Requisitos de Titulação. Habilitação: Portos. (Extensão EE Padre Bartolomeu de Gusmão) Habilitação: Portos (Extensão EE Padre Bartolomeu de Gusmão) Aviso: Este catálogo pode ter sofrido alterações. A versão oficial encontra-se para consulta na Unidade Escolar. Gerado em 24/06/2016 Pág. 2/7

Leia mais

LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS

LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS Jean Carlos Pejo J C PEJO CONSUTORES ASSOCIADOS S/C LTDA Mapa da Produção de Soja no Brasil Projeção da Produção de Soja no Brasil Safra Produção Exportação 2009/2010

Leia mais

18 de agosto de 2011 Leonardo Salgado Renato Luzzi

18 de agosto de 2011 Leonardo Salgado Renato Luzzi Top Executive Compensation 2011 18 de agosto de 2011 Leonardo Salgado Renato Luzzi Agenda 1 2 3 Top Executive Compensation Brasil 2011 2010 / 2011 Um Ciclo de Expansão Principais Movimentações 4 O Perfil

Leia mais

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Marcelo De Nardi Porto Alegre, 04 de julho de 2011. CONTEXTUALIZAÇÃO Poder Judiciário no Contexto da Gestão Pública Nacional Processos

Leia mais

SEGMENTO DE CERVEJARIA ARTESANAL_ APRESENTAÇÃO DE SOFTWARE

SEGMENTO DE CERVEJARIA ARTESANAL_ APRESENTAÇÃO DE SOFTWARE SEGMENTO DE CERVEJARIA ARTESANAL_ APRESENTAÇÃO DE SOFTWARE DESEMPENHO E QUALIDADE_ O Open Manager é um sistema de gestão empresarial dinâmico e intuitivo, aplicado a gerenciar e operacionalizar processos

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 2º Trimestre de 2013 Coordenação de Contas Nacionais 30 de agosto de 2013 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014

ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014 ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014 EM FOCO O índice de preços das exportações encerrou o ano de 2013 com queda de 3,2% em relação ao ano anterior. A redução dos preços de exportação foi generalizada, afetando

Leia mais

TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS

TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS MAIO DE 2016 1 PRODUTOS 2 O objetivo do transporte aéreo é fornecer o serviço de transporte de cargas e passageiros.

Leia mais

TDI CEMEC 11. Análise CHAID das Emissões de Debêntures (2005 a 2012) SETEMBRO

TDI CEMEC 11. Análise CHAID das Emissões de Debêntures (2005 a 2012) SETEMBRO TDI CEMEC 11 Análise CHAID das Emissões de Debêntures (2005 a 2012) SETEMBRO 2012 As informações deste relatório são resultantes de informações preliminares e portanto estão circunscritas às informações

Leia mais

Introdução. à Macroeconomia. Mensuração do PIB

Introdução. à Macroeconomia. Mensuração do PIB Introdução à Macroeconomia Mensuração do PIB Microeconomia vs. Macroeconomia Microeconomia: O estudo de como famílias e empresas tomam decisões e de como interagem nos mercados. Macroeconomia: O estudo

Leia mais

APENDICE A INSTRUMENTO DE COLETA DE DADOS PESQUISA SOBRE INOVAÇÕES GERENCIAIS EM INSTITUIÇÕES HOSPITALARES PRIVADAS DE SALVADOR

APENDICE A INSTRUMENTO DE COLETA DE DADOS PESQUISA SOBRE INOVAÇÕES GERENCIAIS EM INSTITUIÇÕES HOSPITALARES PRIVADAS DE SALVADOR APENDICE A INSTRUMENTO DE COLETA DE DADOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Data da entrevista.../.../... PESQUISA SOBRE INOVAÇÕES GERENCIAIS

Leia mais

Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira

Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O

Leia mais

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Diretoria Adjunta de Análise e Disseminação de Informações Gerência de Indicadores Econômicos Em fevereiro de 2016, no acumulado de 12 meses,

Leia mais

Apoio à Inovação. Novembro 2009

Apoio à Inovação. Novembro 2009 Apoio à Inovação Novembro 2009 Agenda O BNDES Inovação Política de Inovação do BNDES Instrumentos de Apoio à Inovação Linhas Programas Fundos Produtos Prioridades 1950 1960 1970 1980 1990 Infra-estrutura

Leia mais

COMUNICADO. 1. Ambiente de Negócios 1.2 Contexto dos Pequenos Negócios no Brasil 1.3 Políticas públicas de apoio aos Pequenos Negócios

COMUNICADO. 1. Ambiente de Negócios 1.2 Contexto dos Pequenos Negócios no Brasil 1.3 Políticas públicas de apoio aos Pequenos Negócios COMUNICADO O SEBRAE NACIONAL Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, por meio da Universidade Corporativa SEBRAE, comunica que, na prova, serão avaliados conhecimentos conforme as áreas descritas

Leia mais

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS 1T10

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS 1T10 DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS 1T10 TELECONFERÊNCIAS 12/05/2010 (quarta-feira) AGENDA 2010 Uma só empresa, melhor e mais forte SUMÁRIO EXECUTIVO 1 PRESENÇA NACIONAL 2 2 1 720 escolas associadas no Ensino Básico

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Junho de 2011 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Agosto de 2014 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS Terceirização Logística no Brasil - 2014 -

Brochura - Panorama ILOS Terceirização Logística no Brasil - 2014 - Brochura - Panorama ILOS Terceirização Logística no Brasil - 2014 - Apresentação A terceirização de atividades logísticas no Brasil tem sido motivada pela redução de custos e melhoria nas operações logísticas.

Leia mais

5 Apresentação de Resultados

5 Apresentação de Resultados 5 Apresentação de Resultados O presente capítulo apresenta os resultados obtidos na otimização e a análise desses com os valores realizados pela empresa, bem como os resultados da investigação de alguns

Leia mais

4º Trimestre 2010 Apresentação de Resultados Março 2011

4º Trimestre 2010 Apresentação de Resultados Março 2011 4º Trimestre 2010 Apresentação de Resultados Março 2011 Disclaimer Este documento pode conter considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA BRASKEM

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA BRASKEM ANEXO À PD.CA/BAK-37/2010 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA BRASKEM Aprovada pelo Conselho de Administração da Braskem S.A. em 29 de Novembro de 2010 1 XX/XX/10 RAE Inventimentos LE Braskem Revisão Data da

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Setembro de 2013 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

Cadeia de suprimentos

Cadeia de suprimentos Cadeia de suprimentos Administração de Logística e da Cadeia de Suprimento Profa. Dra. Márcia Mazzeo Grande Programação de Aula Semana 1 1. Conceito de cadeia e suprimentos 2. Conceito de gestão da cadeia

Leia mais

Apresentação de Fernando Varella Economista e Diretor da Protec

Apresentação de Fernando Varella Economista e Diretor da Protec Comprometimento dos Recursos Financeiros do Governo com os Juros da Dívida Pública X Insuficientes Recursos para Inovação e Desenvolvimento Tecnológico Apresentação de Fernando Varella Economista e Diretor

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE EM 2009

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE EM 2009 DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE EM 20 Em 20 a indústria catarinense enfrentou um ambiente econômico adverso, marcado por restrições de liquidez no mercado internacional e incertezas quanto ao futuro

Leia mais

Cielo Day. CFO Clovis Poggetti Jr

Cielo Day. CFO Clovis Poggetti Jr Cielo Day CFO Clovis Poggetti Jr Aviso Legal A companhia faz declarações sobre eventos futuros que estão sujeitas a riscos e incertezas Tais declarações têm como base crenças e suposições de nossa Administração

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO CONCEITO NO CONTEXTO DA LEI /2011

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO CONCEITO NO CONTEXTO DA LEI /2011 DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO CONCEITO NO CONTEXTO DA LEI 12.546/2011 COMÉRCIO VAJERISTA / CRITÉRIO DE APLICAÇÃO POR CNAE Os segmentos de comércio varejista, ficam sob a alíquota de 1%, cujas atividades

Leia mais

Gestão da Produção e Logística

Gestão da Produção e Logística Gestão da Produção e Logística Prof. Ms. Francisco Carlos Merlo Introdução à Logística Introdução à Logística 1. Introdução Não há nada mais difícil de controlar, mais perigoso de conduzir, ou mais incerto

Leia mais

COMPRAS NA ÁREA DE SAÚDE

COMPRAS NA ÁREA DE SAÚDE DEBATES GVsaúde SEMESTRE DE CADEIA DE VALOR DA SAÚDE COORDENADORA: DRA. ANA MARIA MALIK GESTÃO ESTRATÉGICA DA CADEIA DE SUPRIMENTOS MODELOS E TENDÊNCIAS CLAUDE MACHLINE EAESP-FGV SÃO PAULO, 14 AGOSTO SUMÁRIO

Leia mais

ReuniãoAPIMEC. São Paulo, 8 de dezembro, 2010

ReuniãoAPIMEC. São Paulo, 8 de dezembro, 2010 ReuniãoAPIMEC São Paulo, 8 de dezembro, 2010 Visão geral da Companhia QUEM SOMOS Líder mundial na fabricação de produtos têxteis de cama e banho para o lar Fundada em 1967 Líder no mercado brasileiro de

Leia mais

AULA 6 MODELAGEM DE PROCESSOS

AULA 6 MODELAGEM DE PROCESSOS AULA 6 MODELAGEM DE PROCESSOS Decompondo processos Para podermos modelar processos, é necessário que entendamos como se aplicam alguns conceitos importantes. Por definição, cada processo possui entradas,

Leia mais

Intenção de Compras para o período de volta às aulas 2015

Intenção de Compras para o período de volta às aulas 2015 Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas de Intenção de Compras para o período de volta às aulas 2015 O perfil do consumidor e resultado de intenção

Leia mais

TECNÓLOGO EM AGROINDÚSTRIA ITINERÁRIO FORMATIVO

TECNÓLOGO EM AGROINDÚSTRIA ITINERÁRIO FORMATIVO TECNÓLOGO EM AGROINDÚSTRIA Módulo Básico I 3 Módulo Específico II 365 h Beneficiamento e Industrialização de Grãos Toxicologia dos Alimentos Sistemas Agroindustriais Alimentares Sistemas de Armazenamento

Leia mais