Técnicas de Animação Pedagógica. gica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Técnicas de Animação Pedagógica. gica"

Transcrição

1 Técnicas de Animação Pedagógica gica Educação SéniorS 1

2 A intervenção educativa com idosos deve incluir-se no quadro da educação de adultos. Idoso Adulto Segregação Categoria abrangente Áreas de Intervenção do adulto = Áreas de Intervenção do idoso Quais as áreas possíveis? Programas de desenvolvimento comunitário. Políticas educativas para adultos. Acções de solidariedade e cooperação social (voluntariado, grupos de auto-ajuda). Actividades educativas gerais ( participação cívica, recuperação de tradições populares). 2

3 Tal como nos outros níveis de ensino, todas as intervenções devem obedecer ao princípio da individualidade pois cada idoso tem as suas capacidades, interesses e necessidades próprias. Mesmo em grupo, necessita de uma atenção particularizada. Embora constituam um conjunto heterogéneo, os idosos partilham traços geracionais. Objectivos da intervenção educativa na velhice: 1. Prevenir declínios prematuros ( consequência do envelhecimento) 3

4 2. Proporcionar papéis significativos aos idosos, visando uma integração no seu contexto social. 3. Desenvolver e potenciar o desenvolvimento pessoal dos idosos. AUMENTAR A QUALIDADE E A FRUIÇÃO DA VIDA 4

5 1. Prevenir declínios prematuros Os estudos relacionam os níveis de educação com os de saúde. Porquê? O treino do raciocínio, da memória, a exposição a ambientes de estimulação e a utilização de recursos culturais e educativos ao longo da vida reduzem o declínio intelectual. (Isto aplica-se para a doença de Alzheimer). Conclusões: O nível de educação formal está positivamente relacionado com a qualidade de vida, até mais do que a classe social e os rendimentos. A educação é o elemento mais forte na previsão de um funcionamento mental sustentado e do envelhecimento bem sucedido. (a utilização das funções neurológicas efectua a sua manutenção e permite acentuar o potencial cognitivo). 5

6 Vantagens da estimulação no idoso: Proporcionar actividade intelectual ( leitura, escrita ou outras actividades discursivas e lógicas que exercitem o desenvolvimento da linguagem e do pensamento ) ajuda à manutenção dos níveis de activação cerebral ou a recuperar e/ou compensar a perda de estimulação ambiental que ocorre com a reforma. A intervenção socioeducativa na velhice contribui para que os idosos aumentem: Os níveis de auto-eficiência; A autoconfiança; A capacidade de resolução de problemas quotidianos; A racionalidade para enfrentar a realidade. 6

7 Importância do cenário da actividade O grupo é uma fonte de apoio social. O contacto com os outros constitui um apoio para a saúde e bemestar pessoais. Em suma: A intervenção socioeducativa na velhice : Propõe actividade relacional. Promove um estilo de vida activo. Amplia o repertório de acções e de relações afectivas. 7

8 As necessidades educativas dos idosos McClusky Teoria da margem de necessidades ( Power Load Margin Theory) Baseia-se em três aspectos: 1. Definir o conceito de necessidade educativa. 2. Valorizar as áreas de segurança (aptidões, capacidades, recursos económicos ) e de insegurança (pressão social, perda de autonomia ). 3. Identificar as actividades que possam satisfazer o tipo de necessidades. Actualmente definem-se outras necessidades, como por exemplo, o uso de novas tecnologias para enfrentar o quotidiano. 8

9 2. Facilitar papéis significativos aos idosos A intervenção no idoso visa propiciar: a) A adaptação a esta etapa da vida. b) A mudança de paradigma social. A ausência de preparação adequada para a reforma provoca desestruturação pessoal: -Interiorização de normas e expectativas negativas ligadas ao papel do reformado. -Visão da velhice como o início da ruptura com o resto da sociedade. - Percepção dos idosos como indivíduos desprovidos de função social. 9

10 A intervenção socioeducativa na velhice procura: - Aumentar o nível de autonomia pessoal. -Incrementar a pertença social. - Evitar a diminuição dos níveis de dependência familiar e social. Reconstrução da identidade social do sujeito. Como? Através de formas de participação que dêem significado ao tempo livre. (aumento da auto-imagem e da própria valorização) 10

11 A participação do idoso não pode ser pontual, mas um processo contínuo nuo e progressivo. Participação participação em qualquer âmbito da actividade humana realizada em contextos estruturados que possibilitem receber, contribuir, expressar, construir e desfrutar de relações sociais, encetar amizades e partilhar emoções e experiências. Reduzir a institucionalização É preciso que as formas de participação sejam valorizadas pela sociedade, adquiram um sentido de utilidade social, proporcionando um papel social significativo aos idosos. 11

12 3. Potenciar o crescimento pessoal e aumentar a qualidade e fruição da vida Proporcionar o desenvolvimento pessoal favorecendo os dotes criativos dos indivíduos. Como? Atitude lúdica & Formação (actividades expressivas : pintura, música, escultura, teatro, poesia, leitura, tertúlia, etc) 12

13 Participação dos idosos É um acto volitivo porquanto está sujeito à vontade de quem o pratica. Implica: Um processo de reflexão Incerteza Compromisso individual e de grupo O sujeito compreende que a participação é útil e conveniente. A decisão de participar está relacionada com aspectos como os interesses cognitivos ou a procura do contacto social, entre outros. 13

14 Aprendizagem do idoso As preferências de aprendizagem num indivíduo são diferentes ao longo da vida. Educação intergeracional Pretende optimizar a relação entre as gerações. A falta de contacto entre as gerações explica as percepções negativas em relação aos idosos. É necessário aumentar a quantidade de contacto com os idosos para os mais jovens compreenderem o que é e o que significa a velhice. 14

1.1. Creche Objectivos gerais

1.1. Creche Objectivos gerais 1.1. Creche 1.1.1. Objectivos gerais Os processos de ensino e aprendizagem deverão contribuir nesta primeira etapa da Educação para a Infância, para que as crianças alcancem os seguintes objectivos: -

Leia mais

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa Nome da prova: Autor(es): Versão: Tipo de aplicação: População: Tempo de aplicação: Objectivos: Materiais incluídos no jogo (kit) completo: Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Portuguesa

Leia mais

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida;

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida; São nossos objectivos: 1ª fase: Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Alargar e consolidar a rede de parcerias de forma a fomentar e a criar novos recursos, propiciando condições

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: ERPI

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: ERPI 2015 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Atividades Resposta Social: ERPI Porto, 2015 Introdução O presente Plano de Atividades tem como objetivo principal implementar um conjunto de ações

Leia mais

Plano de Actividades do STSEDP Do Ano 2007

Plano de Actividades do STSEDP Do Ano 2007 Plano de Actividades do STSEDP Do Ano 2007 I Nota Introdutória e II Objectivos e Estratégias Com a elaboração do presente plano de actividades do Serviço Técnico Sócio Educativo de Deficientes Profundos

Leia mais

ACADEMIA DE MÚSICA DE SANTA CECÍLIA IDEÁRIO EDUCATIVO

ACADEMIA DE MÚSICA DE SANTA CECÍLIA IDEÁRIO EDUCATIVO ACADEMIA DE MÚSICA DE SANTA CECÍLIA IDEÁRIO EDUCATIVO Ideário Educativo da Academia de Música de Santa Cecília ESCOLA DE ENSINO INTEGRADO A AMSC define-se como uma Escola de Ensino Integrado que garante,

Leia mais

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA EB1/PE DE ÁGUA DE PENA 2010 2014 1.Introdução 2.Enquadramento legal 3.Diagnóstico avaliação do projecto anterior 4.Identificação de prioridades de intervenção 5.Disposições finais 6.Avaliação 1.Introdução

Leia mais

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico 1º Ciclo Ao longo do 1º ciclo do Ensino Básico, todos os alunos devem desenvolver as competências gerais do Ensino Básico. Competências Gerais do Ensino Básico 1. Mobilizar saberes culturais, científicos

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Mês Atividade/Tarefa Objetivos Intervenientes

Plano Anual de Atividades. Mês Atividade/Tarefa Objetivos Intervenientes Mês Atividade/Tarefa Objetivos Intervenientes Setembro Integração e adaptação das Crianças Reunião de pais - Promover a (re)integração e adaptação das crianças à creche; - Proporcionar um ambiente que

Leia mais

REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL

REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL Código e Designação da Qualificação 761174 - Acompanhante de Crianças Nível de qualificação do QNQ: 2 Nível de qualificação do QEQ: 2 Unidades de Competencia (UC) Designação

Leia mais

Ser capaz de planificar e desenvolver um projecto de Expressão Dramática.

Ser capaz de planificar e desenvolver um projecto de Expressão Dramática. Curso Animação Sociocultural Ano letivo 2015/2016 Unidade Curricular Ateliê de Expressão Dramática ECTS 6 Regime Obrigatório Ano 3.º Semestre 2.º semestre Horas de trabalho globais Docente (s) Marisa Filipa

Leia mais

Plano de Actividades Centro de Dia e Lar 2012

Plano de Actividades Centro de Dia e Lar 2012 de Reis Campeonato Regional de Boccia Sénior na Zona Centro Comemoração do Carnaval Cantar os reis pelas ruas da povoação de Aguim e pelos restaurantes que se encontram perto da Instituição. Realização

Leia mais

Projecto Curricular de Escola Ano Lectivo 2009/2010 ANEXO VI

Projecto Curricular de Escola Ano Lectivo 2009/2010 ANEXO VI Projecto Curricular de Escola Ano Lectivo 2009/2010 ANEXO VI Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos Dr. Horácio Bento de Gouveia Ano Lectivo 20 /20 PLANO DE RECUPERAÇÃO Despacho Normativo nº50/2005 Aluno: Nº

Leia mais

Programa Prevenção de Quedas. Educação e reabilitação pelo Movimento

Programa Prevenção de Quedas. Educação e reabilitação pelo Movimento Programa Prevenção de Quedas. Educação e reabilitação pelo Movimento (*) Maria Teresa Ramilo. Grupo Desporto APP (**) Programa Piloto (1.ª Edição), Parcerias: Lisboa Ginásio Clube; UFS da Sétima Colina;

Leia mais

Plano Estratégico para a Terceira Idade do Concelho de Santa Maria da Feira ( ) Programa

Plano Estratégico para a Terceira Idade do Concelho de Santa Maria da Feira ( ) Programa Seminário: Os desafios do Envelhecimento Activo Inovar no presente e planear o futuro Plano Estratégico para a Terceira Idade do Concelho de Santa Maria da Feira (2008-2011) Programa e-mili@ Cristina Ribeiro

Leia mais

Pretende-se com esta comunicação apresentar o Projecto Ideia/O Nosso Sonho na sua dimensão mais criativa.

Pretende-se com esta comunicação apresentar o Projecto Ideia/O Nosso Sonho na sua dimensão mais criativa. Pretende-se com esta comunicação apresentar o Projecto Ideia/O Nosso Sonho na sua dimensão mais criativa. A Cooperativa de Ensino O Nosso Sonho e a Ideia são duas Instituições associadas, sediadas na Freguesia

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DA ATALAIA - RESPOSTAS SOCIAIS DE CENTRO DE DIA E SAD RECURSOS HUMANOS

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DA ATALAIA - RESPOSTAS SOCIAIS DE CENTRO DE DIA E SAD RECURSOS HUMANOS PLANO DE ATIVIDADES 2017 CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DA ATALAIA - RESPOSTAS SOCIAIS DE CENTRO DE DIA E SAD Janeiro Elaboração do Baú dos sonhos Dia de Reis Cantar as Janeiras Lanche Convívio aberto à comunidade

Leia mais

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho. CP: Cidadania e Profissionalidade. Formadora: Ana Gonçalves

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho. CP: Cidadania e Profissionalidade. Formadora: Ana Gonçalves Descrição: Direitos e deveres adquiridos em cada fase da vida - criança, adulto e na velhice Objectivo: Cidadão/ Estado Critérios de Evidência; Reconhecer as responsabilidades inerentes à liberdade pessoal

Leia mais

Forum AMP Empreendedorismo Social 2020

Forum AMP Empreendedorismo Social 2020 Forum AMP Empreendedorismo Social 2020 Porto 29 junho 2016 www.akdn.org 1 AGA KHAN DEVELOPMENT NETWORK AKDN geographic presence: 30 countries in 7 regions Fundação Aga Khan - Portugal A misão em Portugal

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

ESCOLINHAS E ESCOLAS DE DESPORTO

ESCOLINHAS E ESCOLAS DE DESPORTO Crianças e jovens dos 8 aos 15 anos Clubes Desportivos do Município ESCOLINHAS E ESCOLAS DE DESPORTO Projecto de formação desportiva no tempo livre das crianças. Dr. Carlos Rabaçal (Divisão de Desporto

Leia mais

A participação social dos seniores e a redução da institucionalização

A participação social dos seniores e a redução da institucionalização A participação social dos seniores e a redução da institucionalização Alice Mendonça Universidade da Madeira A MAIORIA DOS IDOSOS NÃO VIVE, EXISTE. E EXISTIR SEM SER VISTO, É UMA ESPÉCIE DE MORTE. JOSIAS

Leia mais

Oficinas de Prática Criativa

Oficinas de Prática Criativa de Prática Um PROJECTO de promoção da criação artística através da realização de oficinas itinerantes nas freguesias rurais do Concelho. Funcionando, principalmente, em horário pós-laboral, permite a participação

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA ARTE E EXPRESSIVIDADE Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA ARTE E EXPRESSIVIDADE Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA ARTE E EXPRESSIVIDADE Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

Centro Social Monsenhor Júlio Martins

Centro Social Monsenhor Júlio Martins Centro Social Monsenhor Júlio Martins Plano Anual de Atividades 2014/2015 Tema do Projeto Educativo: Brincar a Aprender Tema do Projeto Curricular de Turma: Descobrir com as emoções Sala dos 3,4 e 5 anos

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE VENDAS

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE VENDAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE VENDAS Turma, J Planificação anual de: VENDER Ano Letivo 2014/2015 Professor: Jaime Murta 11.ºAno 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Vender integra

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA PEDAGOGIA NA PROMOÇÃO DE SAÚDE EM UM PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA VOLTADO AO ATENDIMENTO DE ADULTOS E IDOSOS

A CONTRIBUIÇÃO DA PEDAGOGIA NA PROMOÇÃO DE SAÚDE EM UM PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA VOLTADO AO ATENDIMENTO DE ADULTOS E IDOSOS A CONTRIBUIÇÃO DA PEDAGOGIA NA PROMOÇÃO DE SAÚDE EM UM PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA VOLTADO AO ATENDIMENTO DE ADULTOS E IDOSOS Eixo-temático: Inclusão, Direitos Humanos e Interculturalidade Autora

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO DO ATL DE CHOUSELAS 2011/2012 OS 4 ELEMENTOS

PROJECTO EDUCATIVO DO ATL DE CHOUSELAS 2011/2012 OS 4 ELEMENTOS PROJECTO EDUCATIVO DO ATL DE CHOUSELAS 2011/2012 OS 4 ELEMENTOS Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OS 4 ELEMENTOS... 4 3. ESCOLHA DO TEMA... 4 4. OBJECTIVOS... 5 4.1 Objectivos gerais... 5 4.2 Objectivos específicos...

Leia mais

A ASSUS Associação de Solidariedade Social da Urbanização do Seixo iniciou a sua atividade em 28 de Novembro de Possui licença de utilização

A ASSUS Associação de Solidariedade Social da Urbanização do Seixo iniciou a sua atividade em 28 de Novembro de Possui licença de utilização A ASSUS Associação de Solidariedade Social da Urbanização do Seixo iniciou a sua atividade em 28 de Novembro de 1991. Possui licença de utilização nº. 102, emitida pela DGEstE DSRN e encontra-se licenciado

Leia mais

Associação de Solidariedade Social Arca

Associação de Solidariedade Social Arca Introdução O Plano Anual de Atividades tem como objetivo principal dinamizar os idosos do centro de dia e Apoio Domiciliário, sob a forma de diversas atividades durante um ano e direcionadas a diferentes

Leia mais

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Iª JORNADAS IGOT DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Maria Helena Esteves 7 de Setembro de 2013 Apresentação O que é a Educação para a Cidadania Educação

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA Artigo 1º Definição 1. O Centro Social Paroquial de Oeiras com sede na Igreja Matriz de Oeiras, é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO

PROJETO DE REGULAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO PROJETO DE REGULAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO PROJETO DE REGULAMENTO 1.INTRODUÇÃO A prática regular e sistemática de atividades de animação gera significativas melhorias quer

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO Manual de GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia

Leia mais

Plano de atividades 3ª Idade - Janeiro a Agosto de 2017

Plano de atividades 3ª Idade - Janeiro a Agosto de 2017 Plano de atividades 3ª Idade - Janeiro a Agosto de 2017 Atividades Descrição Periodicidade Local Objetivos Recursos Humanos Comemoração dos aniversários dos utentes Realização de um lanche convivio, com

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS ESTRUTURA PROGRAMÁTICA DO CURSO MÓDULOS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Acolhimento dos formandos e Apresentação do Curso A entidade formadora;

Leia mais

Competências gerais. Princípios e valores orientadores do currículo. Competências gerais

Competências gerais. Princípios e valores orientadores do currículo. Competências gerais Currículo Nacional do Ensino Básico Competências Essenciais Competências gerais Princípios e valores orientadores do currículo A clarificação das competências a alcançar no final da educação básica toma

Leia mais

APÊNDICE A Plano Político Pedagógico da Escola de Pais

APÊNDICE A Plano Político Pedagógico da Escola de Pais APÊNDICE A Plano Político Pedagógico da Escola de Pais Apresentação e Justificativa A exclusão é parte do convencional na coletividade humana. A discriminação tem origem em preconceitos antigos gerados

Leia mais

Plano Anual Actividades Sócio Culturais 2013 Valências de Lar, Centro de Dia e Serviço Apoio Domiciliário

Plano Anual Actividades Sócio Culturais 2013 Valências de Lar, Centro de Dia e Serviço Apoio Domiciliário Valências de, Centro de Dia e Serviço Apoio Domiciliário Dia Mês Janeiro 04 (6ªfeira) Janeiro 28 (2ªfeira) Fevereiro 01 (6ªfeira) Fevereiro 08 (6ªfeira) Fevereiro 25 (2ªfeira) Março 01 (6ªfeira) Março

Leia mais

Plano de Atividades 2017

Plano de Atividades 2017 Plano de Atividades 2017 www.santomamede-ipss.org santomamede@sapo.pt "Definimos a animação de idosos como a maneira de atuar em todos os campos de desenvolvimento da qualidade de vida dos mais velhos,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCANENA PEQUENOS GRANDES FILÓSOFOSS. 3º Ciclo do Ensino Básico

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCANENA PEQUENOS GRANDES FILÓSOFOSS. 3º Ciclo do Ensino Básico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCANENA PEQUENOS GRANDES FILÓSOFOSS Projecto de Filosofia para Pré Escolar, 1º, 2º e 3º Ciclo do Ensino Básico «já que pensar é, até certo ponto, assimilar a linguagem dos outros

Leia mais

A TECNOLOGIA COMO PROPULSORA DE APRENDIZAGENS SIGNIFICATIVAS. Aline Reis de Camargo Universidade Federal de Pelotas - UFPEL

A TECNOLOGIA COMO PROPULSORA DE APRENDIZAGENS SIGNIFICATIVAS. Aline Reis de Camargo Universidade Federal de Pelotas - UFPEL A TECNOLOGIA COMO PROPULSORA DE APRENDIZAGENS SIGNIFICATIVAS Aline Reis de Camargo Universidade Federal de Pelotas - UFPEL Município: São Francisco de Paula COOPESERRA - Colégio Expressão INTRODUÇÃO O

Leia mais

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 ÁREAS COMPONENTES OBJETIVOS ATIVIDADES/ESTRATÉGIAS ÁREA DA FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIA Construção da identidade e da auto estima

Leia mais

Regulamento da Academia de Judo de Avenidas Novas

Regulamento da Academia de Judo de Avenidas Novas Regulamento da Academia de Judo de Avenidas Novas Nota justificativa Considerando que a atividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a saúde e bemestar da população; Considerando que a

Leia mais

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO:

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PIBID- Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência ESCOLA MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: Ensino Fundamental I- TURMA: 3º

Leia mais

PLANO DE AÇÃO TUTORIAL

PLANO DE AÇÃO TUTORIAL PLANO DE AÇÃO TUTORIAL 2013/ 2014 agrupamentodeescolasdagafanhadaencarnação Índice ÍNDICE... 2 I. INTRODUÇÃO... 3 II. OBJECTIVOS GERAIS... 4 III. PÚBLICO-ALVO... 4 IV. PLANO DE TUTORIA... 4 V. PERFIL DO

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

Programa Nacional de Juventude

Programa Nacional de Juventude Programa Nacional de Juventude O Programa Nacional de Juventude, que hoje se apresenta, tem o seu enquadramento no Programa do XVII Governo Constitucional e nas Grandes Opções do Plano, e acolhe as prioridades

Leia mais

Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007

Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007 Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007 25 de Novembro de 2009 A publicação Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007, apresenta,

Leia mais

PROMOÇÃO DO BEM-ESTAR GLOBAL NA POPULAÇÃO SÉNIOR práticas de intervenção e desenvolvimento de actividades físicas.

PROMOÇÃO DO BEM-ESTAR GLOBAL NA POPULAÇÃO SÉNIOR práticas de intervenção e desenvolvimento de actividades físicas. CONCLUSÃO Em conformidade como a problemática em estudo A prática de actividades físicas pode ser um importante recurso para promover o bem-estar global na população sénior? o nosso propósito era identificar

Leia mais

Plano anual de atividades 2016 / 2017

Plano anual de atividades 2016 / 2017 Atividades Valências dinamizadoras Calendarização Objetivos Recursos humanos Recursos materiais Adaptação das crianças happy day setembro 2016 Fomentar o desenvolvimento da autonomia quer em relação ao

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Pombal

Santa Casa da Misericórdia de Pombal Manual de Políticas Santa Casa da Misericórdia de Pombal Índice 1. Política da Qualidade 2. Politica de Apoio Social 3. Politica de Recursos Humanos 4. Politica de Ética 5. Politica de Envolvimento Ativo

Leia mais

FASTRACKIDS. Abrir as portas do enriquecimento

FASTRACKIDS. Abrir as portas do enriquecimento FASTRACKIDS Abrir as portas do enriquecimento FasTracKids é: Um programa de enriquecimento que abrirá mais ou menos 50-70 portas do enriquecimento às crianças. FasTracKids é: Uma aprendizagem acelerada

Leia mais

Regulamento Programa AnimaSénior

Regulamento Programa AnimaSénior Nota Justificativa O Município de Vouzela, ao longo dos anos, tem vindo a implementar programas e atividades destinados à população sénior residente no concelho, no âmbito do programa AnimaSénior, tendo

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DA CRECHE

PLANO DE ATIVIDADES DA CRECHE 01 Início do Ano Letivo Atividades de escolha livre. Atividades de exploração do espaço exterior. - Promover a integração / (re) adaptação das crianças; - Integração da criança no meio envolvente. Materiais

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2014/2015 CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE SÃO PEDRO DE LOUSA

Plano Anual de Atividades 2014/2015 CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE SÃO PEDRO DE LOUSA CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE SÃO PEDRO DE LOUSA Mês Temas/conteúdos Atividades Objetivos gerais Intervenientes Espaço -Início do Ano Escolar; -Recepção dos Alunos. - Atividades de grupo; -Acolhimento e receção

Leia mais

Modelo Curricular High/Scope

Modelo Curricular High/Scope Modelo Curricular High/Scope Origem e Evolução Década de 60: David Weikart inicia Perry Preschool Project Combate ao Insucesso Escolar Intervenção precoce Escolha do modelo curricular Investigação Década

Leia mais

PREVENÇÃO NAS ESCOLAS

PREVENÇÃO NAS ESCOLAS PREVENÇÃO NAS ESCOLAS PREVENÇÃO NAS ESCOLAS Diga Sim à Vida a Turma da Mônica na Prevenção do Uso de Drogas Parceria: SENAD/MEC/FIOCRUZ 2º ao 5º ano Ensino Fundamental Escolas da Rede Pública Público-Alvo:

Leia mais

1. Animar Sénior 2 2. Refrescar Sénior 3 3. Movimentar Sénior 4. PROJECTOS SUPRAMUNICIPAIS Cuidar de Quem Cuida e cidades Amigas das Pessoas Idosas 9

1. Animar Sénior 2 2. Refrescar Sénior 3 3. Movimentar Sénior 4. PROJECTOS SUPRAMUNICIPAIS Cuidar de Quem Cuida e cidades Amigas das Pessoas Idosas 9 PLANO DE ACÇÃO DE GERONTOLOGIA 2011 1 ÍNDICE PROJECTOS CONCELHIOS Lazer, Cultura e Desporto 2 1. Animar Sénior 2 2. Refrescar Sénior 3 3. Movimentar Sénior 4 Intergeracionalidade 5 4. Troca de Saberes

Leia mais

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE.

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. 1. Teorias que consideram que a sociedade é uma instância que se impõe aos indivíduos sendo estes produto dessa

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA OS IDOSOS. Prof. Dr. Helio Furtado

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA OS IDOSOS. Prof. Dr. Helio Furtado POLÍTICAS PÚBLICAS PARA OS IDOSOS Prof. Dr. Helio Furtado POLÍTICAS PÚBLICAS O aumento da longevidade e o rápido crescimento do peso relativo da população idosa, aliados às deficiências no sistema público

Leia mais

INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação

INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação INDICE 1. OBJECTIVO 2. PORQUÊ A INICIATIVA? 3. PARA OS JOVENS: UMA OPORTUNIDADE NOVA 4. PARA OS ADULTOS:

Leia mais

Campanha de sensibilização do pnase

Campanha de sensibilização do pnase São Tomé, 28 de Fevereiro de 2017. Campanha de sensibilização do pnase Em alusão a 1 de Março, Dia Africano da Alimentação Escolar, o Ministério da Educação Cultura de São Tomé e Príncipe dá início à campanha

Leia mais

A procura social da educação

A procura social da educação Alice Mendonça / Universidade da Madeira A procura social da educação Aumento da população escolarizada : massificação escolar. Aumento da esperança de vida escolar; Valorização dos diplomas; Necessidade

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE: O ANO TODO E AGORA EM ESPECIAL NO FINAL DO ANO LETIVO

CONSELHO DE CLASSE: O ANO TODO E AGORA EM ESPECIAL NO FINAL DO ANO LETIVO TEXTO 2 http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/2310-6.pdf acesso em http://pt.wikipedia.org/wiki/conselho_de_classe 09 de outubro de 2014 CONSELHO DE CLASSE: O ANO TODO E AGORA EM ESPECIAL

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE FRANCÊS Componente de Formação Complementar Curso Vocacional de Informática e Multimédia Ano letivo 2015/2016

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE FRANCÊS Componente de Formação Complementar Curso Vocacional de Informática e Multimédia Ano letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL DE FRANCÊS Componente de Formação Complementar Curso Vocacional de Informática e Multimédia Ano letivo 2015/2016 Competências Transversais Promoção da educação para a cidadania A língua

Leia mais

Oferta Formativa da UDIPSS Aveiro

Oferta Formativa da UDIPSS Aveiro Oferta Formativa da UDIPSS Aveiro Cursos: Formação Pedagógica Inicial de Formadores em Gerontologia homologado pelo IEFP Licenciados Destinatários: Legislação Laboral Contrato Colectivo de Trabalho Direcção

Leia mais

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente Agrupamento de Escolas de Auto-Regulação e Melhoria das Escolas Auto-avaliação - uma PRIORIDADE Equipa de Avaliação Interna 2009/2010 1 Agrupamento de Escolas de Enquadramento legal Justificação Novo Paradigma

Leia mais

OBJECTIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS DA EDUCAÇÃO AFECTIVO- SEXUAL

OBJECTIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS DA EDUCAÇÃO AFECTIVO- SEXUAL OBJECTIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS DA EDUCAÇÃO AFECTIVO- SEXUAL Numa perspectiva global pretende-se que no 2º ciclo os alunos Adquiram e aumentem conhecimentos: Sobre o conceito de sexualidade e as suas diferentes

Leia mais

Aprendizagem comparticipada no MEM

Aprendizagem comparticipada no MEM Aprendizagem comparticipada no MEM Sérgio Niza ISPA 22/5/2010 «Poderíamos dizer que nos desenvolvemos através dos outros [ ]. O indivíduo desenvolve-se como tal por meio do que produz para os outros. É

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2013 Resposta Social Serviço de Apoio ao Domicílio

PLANO DE ACTIVIDADES 2013 Resposta Social Serviço de Apoio ao Domicílio PLANO DE ACTIVIDADES 2013 Resposta Social Serviço de Apoio ao Domicílio DATA ATIVIDADE OBJETIVOS INTERVENIENTES RECURSOS Fevereiro Dia 12 Carnaval - Baile de Carnaval - - Participação em Festa de Carnaval

Leia mais

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de Plano de Ação Rede Social Mafra Eixo I - DEMOGRAFIA E EQUIPAMENTOS (INFRA-ESTRUTURAS DE APOIO) Objectivo geral 1. Reforçar as estruturas de apoio ao idoso Objectivo Específico 1. Aumentar a capacidade

Leia mais

Grau I. Perfil Profissional. Grau I

Grau I. Perfil Profissional. Grau I Perfil Profissional O corresponde à base hierárquica de qualificação profissional do treinador de desporto. No âmbito das suas atribuições profissionais, compete ao Treinador de a orientação, sob supervisão,

Leia mais

Psicoestimulação Cognitiva

Psicoestimulação Cognitiva A tendência demográfica actual aponta para o progressivo aumento da percentagem da população idosa, em detrimento da população de faixas etárias mais jovens. De todas as patologias associadas ao envelhecimento,

Leia mais

Prevenção de comportamentos aditivos e dependências em meio escolar

Prevenção de comportamentos aditivos e dependências em meio escolar SESSÃO PARALELA VI Contextos e Tipos de Intervenção II CONGRESSO DO SICAD 6 de abril de 2016 Finalidades do Programa de Apoio à Promoção e Educação para a Saúde (PAPES) CONTEXTUALIZAÇÃO O PAPES visa incentivar

Leia mais

PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO

PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO MOTIVAR PARA O SUCESSO PRESSUPÕE INTERESSE, INVESTIMENTO, DISPONIBILIDADE, VONTADE, COMPETÊNCIA E ENVOLVIMENTO DE TODOS OS INTERVENIENTES NO PROCESSO EDUCATIVO!

Leia mais

PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DO CAP FUNCHAL

PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DO CAP FUNCHAL PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DO CAP FUNCHAL 1. INTRODUÇÃO O Projecto de Intervenção Precoce do Centro de Apoio Psicopedagógico do Funchal pretende dar resposta a um grupo de crianças em risco biológico,

Leia mais

Escola Básica Sande S. Martinho Relatório de avaliação de Atividade

Escola Básica Sande S. Martinho Relatório de avaliação de Atividade Escola Básica Sande S. Martinho Relatório de avaliação de Atividade Tema: Histórias tradicionais Data: 23, 26 e 27 de Maio de 2014 Esta atividade foi realizada no âmbito do projeto Todos juntos podemos

Leia mais

1. Princípios e Normas Gerais. As Escolas Academia AROUND THE FUTURE orientam-se pelos seguintes princípios gerais:

1. Princípios e Normas Gerais. As Escolas Academia AROUND THE FUTURE orientam-se pelos seguintes princípios gerais: Regulamento Interno Escolas I. INTRODUÇÃO O regulamento interno das Escolas Academia de Futebol AROUND THE FUTURE é o documento que define o seu regime de funcionamento bem como os direitos e os deveres

Leia mais

1 ª sessão. Sessão com o treinador. Participantes. Treinador. Psicólogo. Motivação para o programa

1 ª sessão. Sessão com o treinador. Participantes. Treinador. Psicólogo. Motivação para o programa 1 ª sessão Sessão com o treinador Treinador Motivação para o programa Discussão sobre a importância das competências psicológicas Descrição do programa Importância do reforço Importância da colaboração

Leia mais

TEORIA GERAL DO TREINO DESPORTIVO

TEORIA GERAL DO TREINO DESPORTIVO TEORIA GERAL DO TREINO DESPORTIVO AULA 1 LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA ACTIVIDADE FÍSICA HUMANA Organização da Disciplina Repartição Lectiva Carga Horária Semestral (S2) Aulas Teórica- Práticas 4ª Feira

Leia mais

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO Apresentação do Projecto Escola E.B 2,3 Passos José OBJECTIVOS GERAIS Fomentar a integração dos alunos no contexto escolar, promovendo o sucesso educativo Agir preventiva

Leia mais

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida O EXEMPLO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VALONGO EUNICE NEVES OBJECTIVOS Igualdade Direitos Humanos Cidadania Activa e Inclusiva Conciliação Novas

Leia mais

ENQUADRAMENTO CLIENTES

ENQUADRAMENTO CLIENTES ENQUADRAMENTO A promoção da integração na sociedade do cidadão com deficiência mental assim como a defesa dos seus direitos, são valores considerados como fundamentais pela APPACDM, no respeito pelos princípios

Leia mais

NORMAS DE APOIO ÀS FAMÍLIAS PARA FREQUÊNCIA DOS CENTROS DE ATIVIDADES DE TEMPOS LIVRES, NO ÂMBITO DA AÇÃO SOCIAL

NORMAS DE APOIO ÀS FAMÍLIAS PARA FREQUÊNCIA DOS CENTROS DE ATIVIDADES DE TEMPOS LIVRES, NO ÂMBITO DA AÇÃO SOCIAL NORMAS DE APOIO ÀS FAMÍLIAS PARA FREQUÊNCIA DOS CENTROS DE ATIVIDADES DE TEMPOS LIVRES, NO ÂMBITO DA AÇÃO SOCIAL A Câmara Municipal de Sesimbra apoia famílias de contexto socioeconómico fragilizado, através

Leia mais

Integridade Familiar na velhice: o caso de ex-emigrantes Portugueses

Integridade Familiar na velhice: o caso de ex-emigrantes Portugueses Integridade Familiar na velhice: o caso de ex-emigrantes Portugueses Filipa Marques e Liliana Sousa Secção Autónoma de Ciências da Saúde - Universidade de Aveiro II Congresso Internacional A voz dos avós:

Leia mais

Fases no processamento da informação Esquemas. Social

Fases no processamento da informação Esquemas. Social Cognição Social e pensamento social Cognição social Fases no processamento da informação Esquemas Copyright, 2005 José Farinha Cognição Social Definição: Processamento da informação social - pensamento

Leia mais

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO 402679 PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE 2010-2011 Desp.n.º 16034-2010, ME (20 Out.) VERTENTE PROFISSIONAL, SOCIAL E ÉTICA Compromisso com a construção e o uso do conhecimento

Leia mais

O que foi ontem uma utopia, pode ser hoje e amanhã uma realidade e, quando o for, deve-se sonhar novas utopias. João Miranda

O que foi ontem uma utopia, pode ser hoje e amanhã uma realidade e, quando o for, deve-se sonhar novas utopias. João Miranda O que foi ontem uma utopia, pode ser hoje e amanhã uma realidade e, quando o for, deve-se sonhar novas utopias João Miranda Perspectivamos uma escola onde se cultive a paixão de ensinar e o verdadeiro

Leia mais

3.1 Problemas de comportamento na criança e no adolescente

3.1 Problemas de comportamento na criança e no adolescente Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.1 Problemas de comportamento na criança e no adolescente Introdução A criança manifesta os sentimentos face ao mundo que a rodeia através do seu

Leia mais

CIDADANIA ACTIVA. Uma exigência! Perspectiva e Actividades

CIDADANIA ACTIVA. Uma exigência! Perspectiva e Actividades Uma exigência! Perspectiva e Actividades Um ponto de partida O Passeio Marítimo é um bom espaço mediador para o espírito de Cidadania Activa. A contemplação, o olhar atento, artístico e criativo como facilitador

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas)

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) DESTINATÁRIOS: O curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores da SALSUS destina-se a 14 formandos por grupo, sendo que deverá cumprir as seguintes

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS n.º 1 de GONDOMAR

AGRUPAMENTO de ESCOLAS n.º 1 de GONDOMAR AGRUPAMENTO de ESCOLAS n.º 1 de GONDOMAR PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014/2015 PSICOLOGIA B 12.º ANO COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS Desenvolve a consciência, o respeito e a valorização da

Leia mais

De acordo com o lema A variedade dá sabor à vida, elaboramos a seguinte planificação anual, tendo em conta a articulação horizontal.

De acordo com o lema A variedade dá sabor à vida, elaboramos a seguinte planificação anual, tendo em conta a articulação horizontal. PRIMEIRO PERÍODO PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DO 1.º CICLO ANO LETIVO 2011-2012 De acordo com o lema A variedade dá sabor à vida, elaboramos a seguinte planificação anual, tendo em conta a articulação horizontal.

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS. Educação infantil Creche e pré escolas

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS. Educação infantil Creche e pré escolas PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS Educação infantil Creche e pré escolas O QUE É? Os Parâmetros Curriculares Nacionais - PCN - são referências de qualidade para os Ensinos Fundamental e Médio do país,

Leia mais

Tema do Painel: Um novo paradigma de desenvolvimento profissional: Valorização de percursos e competências. Tema da Comunicação:

Tema do Painel: Um novo paradigma de desenvolvimento profissional: Valorização de percursos e competências. Tema da Comunicação: Tema do Painel: Um novo paradigma de desenvolvimento profissional: Valorização de percursos e competências Tema da Comunicação: O envolvimento das organizações e dos enfermeiros no desenvolvimento e reconhecimento

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2010/2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2010/2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2010/2011 O Plano Anual de Actividades deve ser entendido como o instrumento da planificação das actividades es, para um ano lectivo, no qual estão plasmadas as decisões sobre os objectivos

Leia mais

A classe da Terceira Idade

A classe da Terceira Idade CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CRISTÃ IGREJA PRESBITERIANA DO BRASIL CONSELHO DE EDUCAÇÃO CRISTÃ E PUBLICAÇÕES Oficina A classe da Terceira Idade 22/04/16 10h30 e 14h20 Universidade Presbiteriana Mackenzie

Leia mais

Programa Educativo Individual

Programa Educativo Individual Programa Educativo Individual Ano Lectivo 2007/2008 Estabelecimento de Ensino: Escola Básica do 1º ciclo Agrupamento de Escolas: Agrupamento de Escolas Pedro Eanes Lobato Nome: Data de Nascimento: Morada:

Leia mais