29 DE ABRIL DE 2008 LAUDO DE AVALIAÇÃO. Petroflex Indústria e Comércio S.A. CONFIDENCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "29 DE ABRIL DE 2008 LAUDO DE AVALIAÇÃO. Petroflex Indústria e Comércio S.A. CONFIDENCIAL"

Transcrição

1 29 DE ABRIL DE 2008 LAUDO DE AVALIAÇÃO Petroflex Indústria e Comércio S.A. CONFIDENCIAL

2 Comunicado Importante LAUDO DE AVALIAÇÃO O Banco J.P. Morgan S.A., diretamente ou por meio sua corretora J.P. Morgan CCVM S.A. ( JPMorgan ) foi contratado pela Lanxess Participações Ltda. ( Ofertante ) para efetuar a avaliação econômico-financeira ( Laudo Avaliação ) da Petroflex Indústria e Comércio S.A. ( Petroflex ou Companhia ), no âmbito da oferta pública unificada por aquisição controle e fechamento capital proposta pela Ofertante para aquisição da totalida das ações tidas pelos outros acionistas da Companhia ( OPA ). Nosso Laudo Avaliação foi elaborada para uso exclusivo da Ofertante e para os fins previstos nos artigos 8º e 16 da Instrução CVM nº 361/02, conforme alterada, ( Instrução 361 ) e do Art. 4º, 4º, da Lei Feral 6.404/76, conforme alterada, ( Lei das Sociedas por Ações ). As informações contidas neste Laudo Avaliação foram obtidas junto a Petroflex e a outras fontes públicas, e incluem, as monstrações financeiras auditadas e disponíveis publicamente da Petroflex para os exercícios findos em 31 zembro 2007, 2006 e Qualquer estimativa ou projeção aqui contida foi elaborada ou adotada pelas diretorias da Petroflex ou obtida fontes públicas, ou têm como base as próprias estimativas e projeções, e envolvem inúmeras e significativas variáveis, hipóteses e terminações subjetivas, não havendo qualquer garantia que tais estimativas e projeções se concretizarão. O JPMorgan não assume qualquer responsabilida em relação às referidas estimativas e projeções, tampouco em relação à forma em que foram elaboradas. Nenhuma claração ou garantia, expressa ou implícita, será feita no que se refere à exatidão e integralida qualquer informação, não havendo nenhuma disposição aqui contida que va ser interpretada como uma claração com relação ao passado, ao presente ou ao futuro. Amais, conduzimos discussões com os membros da administração da Petroflex com relação às suas contribuições passadas, nos negócios e em operações atuais, condições financeiras e perspectivas da Petroflex. O Ofertante, a Petroflex e seus administradores não (i) limitaram, restringiram, dirigiram ou dificultaram, qualquer forma, nosso acesso e nossa capacida obter e utilizar as informações necessárias para produzir o Laudo Avaliação; (ii) terminaram as metodologias por nós utilizadas para a elaboração da avaliação da Petroflex; ou (iii) restringiram, qualquer forma, nossa capacida atingir, forma inpennte, as conclusões apresentadas nesse Laudo Avaliação. Avaliações como as contidas neste material envolvem consirações e julgamentos complexos em relação às características financeiras e operacionais e outros fatores que poriam afetar a aquisição, a negociação pública ou outros valores da empresa, dos segmentos negócios ou das transações analisadas, os métodos apropriados e relevantes análise financeira e a aplicação sses métodos a circunstâncias específicas. As análises aqui apresentadas vem ser consiradas como um todo já que o exame parte stas, sem levar em conta o conjunto, poria criar uma visão incompleta dos processos subjacentes a essas análises. As estimativas contidas nas análises e as variações avaliação resultantes qualquer análise em particular não são indicativas valores reais ou prognósticos futuros resultados ou valores, que pom ser modo significante, mais ou menos favoráveis, do que os sugeridos pelas referidas análises. Além disso, as análises referentes a valores negócios ou a valores mobiliários não constituem avaliações ou refletem os preços pelos quais os negócios foram fato adquiridos ou vendidos, o valor real valores mobiliários no momento da emissão em uma transação ou os preços pelos quais os valores mobiliários possam ser negociados em qualquer momento. O Laudo Avaliação é exclusivamente enreçado ao Ofertante e não se stinam à cisão comercial do Ofertante realizar a OPA, e não constituem uma recomendação para os titulares das ações da Petroflex. Cada acionista ve chegar a suas próprias conclusões sobre a conveniência e aceitação ofertas. O Laudo Avaliação não abrange o tratamento atribuído às diferentes classes ações da Companhia, forma que sconsira quaisquer ajustes stinados a compensar por, ou que venham a refletir, direitos específicos associados a qualquer classe específica ações da Companhia. Não expressamos, assim, e o Laudo Avaliação não contém, qualquer juízo com relação à distribuição do valor econômico entre as diversas classes ações cada uma da Companhia. 1

3 Comunicado Importante O JPMorgan e suas afiliadas, como parte seus negócios banco investimento, estão continuamente envolvidos na realização análises financeiras com relação aos negócios e seus valores mobiliários relativos a fusões e aquisições, subscrições negociadas, licitações públicas, distribuições secundárias valores mobiliários listados e não listados em bolsa, colocações privadas, e outras operações. Fomos contratados pelo Ofertante e receberemos uma remuneração no valor R$ (equivalente a convertidos pela taxa câmbio R$2,6572/ no dia 29 abril 2008) pelos serviços prestados com relação à atuação como instituição financeira intermediária da OPA e R$ (equivalente a convertidos pela taxa câmbio R$2,6572/ no dia 29 abril 2008) pela emissão do presente laudo. Além disso, o Ofertante concordou em reembolsar nossas spesas e nos innizar por conta terminadas responsabilidas que possam surgir em corrência nossa contratação. Poremos prestar serviços banco investimento ao Ofertante e a Petroflex no futuro. Em relação aos serviços acima scritos, recebemos e poremos receber remuneração. O JPMorgan Chase & Co., controlador do JPMorgan, é uma empresa serviços financeiros lír que se dica, tanto diretamente quanto por meio suas controladas, a negociações valores mobiliários, administração investimentos, planejamento financeiro, administração riscos, operações hedge, atividas financeiras e corretagem para pessoas físicas e jurídicas. No curso normal ssas atividas, o JPMorgan Chase & Co. e suas afiliadas pom prestar tais serviços para o Ofertante, a Petroflex e suas respectivas afiliadas, pom negociar ativamente valores mobiliários dívida e capital (ou títulos rivativos correlatos) por sua própria conta e por orm seus clientes. Além disso, os profissionais nossos partamentos análise ações pom basear suas análises e publicações em diferentes premissas operacionais e mercado e em diferentes metodologias análise quando comparadas com aquelas empregadas na preparação ste Laudo Avaliação, resultando que os relatórios pesquisa e outras publicações pom conter resultados e conclusões diferentes quando comparados àqueles aqui apresentados. Nós adotamos políticas e procedimentos para preservar a inpendência dos nossos analistas ações, os quais pom ter visões diferentes daquelas do nosso partamento banco investimento. O presente Laudo Avaliação foi preparado originalmente em inglês e em caso conflito entre a presente e a versão em inglês, a última verá prevalever. Os cálculos financeiros contidos no Laudo Avaliação pom não resultar sempre em um valor preciso vido a arredondamentos. São Paulo, 29 abril 2008 LAUDO DE AVALIAÇÃO Assinatura dos Responsáveis Ricardo Stern Altamir Silva 2

4 Agenda Página Sumário executivo 3 Informações sobre o JPMorgan 5 Informações sobre a Petroflex 9 Sumário das análises avaliação 15 Apêndice 29 LAUDO DE AVALIAÇÃO 3

5 Sumário executivo SUMÁRIO EXECUTIVO O JPMorgan apresenta neste documento a avaliação das operações existentes da Petroflex Indústria e Comércio S.A. ( Petroflex ou Companhia ) consolidadas, acordo com as exigências da Instrução n.º361/02 da Comissão Valores Mobiliários ( CVM ) A elaboração do Laudo Avaliação baseou-se nas seguintes metodologias e critérios Preço médio ponrado cotação das ações Patrimônio líquido das ações Análise por fluxo caixa scontado ( FDC ) Entenmos que para terminar o intervalo indicativo valor das ações da Companhia é necessário utilizar uma metodologia que possibilite a análise das operações da Petroflex. Para tanto, acreditamos que a metodologia do fluxo caixa scontado representa a alternativa mais propícia. Tal metodologia levou em consiração: As projeções para o período entre 2008 e 2015 foram senvolvidas e revisadas pela administração da Petroflex Taxa sconto 9,7% Taxa crescimento na perpetuida entre 2,75% e 3,25% Ao preparar o presente laudo, o JPMorgan não assumiu qualquer diferenciação valor econômico entre as ações ordinárias e preferenciais da Petroflex O referido intervalo indicativo valor das ações apresentado neste Laudo Avaliação não ve ser entendido como recomendação do preço da oferta, o qual ve ser terminado pelo Ofertante Os resultados dos preços indicativos por ação sob as diferentes metodologias são: Preço médio ponrado cotação das ações Patrimônio Fluxo 02 abril abril abril abril 2008 líquido caixa Ordinária (PEFX3) Preferencial (PEFX5) Ordinária (PEFX3) Preferencial (PEFX5) por ação scontado Máximo 17,67 15,17 17,19 16,99 13,12 17,45 Mínimo 15,79 4

6 Agenda Página Sumário executivo 3 Informações sobre o JPMorgan 5 Informações sobre a Petroflex 9 Sumário das análises avaliação 15 Apêndice 29 LAUDO DE AVALIAÇÃO 5

7 Qualificação do JPMorgan O JPMorgan é um dos bancos investimento líres globalmente que oferece uma gama completa serviços financeiros a uma diversificada base clientes, incluindo corporações, instituições financeiras, governos e indivíduos com elevado patromônio O JPMorgan é lír em operações fusões e aquisições nos últimos anos na América Latina e possui uma equipe profissionais qualificados baseados em Nova Iorque, São Paulo, Cida do México, Buenos Aires, Santiago, Lima e Bogotá O JPMorgan atuou como assessor em importantes transações ao longo dos últimos anos: Ano Data Empresa Transação 2008 Março Grupo JBS Assessor na aquisição da National Beef Packing Company Março Grupo JBS Assessor na aquisição das operações bovinas da Smithfield Janeiro Masisa Assessor na aquisição 37% da Tafisa 2007 Dezembro Lanxess Assessor na aquisição do controle da Petroflex Dezembro Telecom Italia Assessor na venda 38% na Solpart para fundos pensão brasileiros Novembro Santista Têxtil Assessor no fechamento capital da Tavex INFORMAÇÕES SOBRE O JPMORGAN Setembro Gerdau Assessor na aquisição da Chaparral Steel Julho Louis Dreyfus Commodities Assessor na venda participação minoritária Junho CMS Energy Assessor na venda da CMS Energy Brasil para a CPFL Energia Abril McDonald s Assessor na venda das suas operações no Brasil e outrios países na América Latina Março Grupo Amanco Assessor na venda do Grupo Amanco para a Mexichem Outubro Abril Assessor na venda parte da TVA para a Telefonica Maio Abril Assessor na venda 30% da Abril para a Naspers Maio Mitsui Assessor na aquisição da Gás Participações Janeiro Molson Coors Assessor na venda da Cervejaria Kaiser para Femsa Novembro Votorantim Metais Assessor na aquisição 25% da Milpo Julho Tokio Marine Nichido Assessor na aquisição da Real Seguros Junho Telecom Italia Assessor na aquisição da participção do Opportunity na Brasil Telecom Maio Masisa Assessor na fusão com a Terranova 6

8 Equipe responsável pelo Laudo Avaliação Na elaboração do presente Laudo Avaliação, o JPMorgan seguiu suas políticas internas aplicáveis na emissão laudos avaliação incluindo a revisão por parte um comitê interno avaliação O comitê avaliação do JPMorgan é composto por altos executivos do banco, inpenntes da equipe que elaborou o Laudo Avaliação O processo avaliação do comitê consiste na revisão das premissas, metodologias e valores apurados pelas metodologias utilizadas Os profissionais responsáveis pela elaboração do Laudo Avaliação estão listados abaixo INFORMAÇÕES SOBRE O JPMORGAN Nome Posição Experiência Ricardo Stern Presinte O Sr. Stern é responsável pela área Investment Banking e é o Presinte do JPMorgan no Brasil. Antes voltar ao JPMorgan em 2005 para a atual posição, ele foi o Diretor Executivo responsável pela área Investment Banking no Unibanco. O Sr. Stern também trabalhou como Vice Presinte no grupo Fusões e Aquisições da América Latina do JPMorgan Chase, e entre 1997 e 1999, foi diretor Fusões e Aquisições do Banco Patrimônio Investimento, um banco investimentos Brasileiro associado, na época, ao Salomon Smith Barney. Entre 1989 e 1997, o Sr. Stern trabalhou para o Unibanco como diretor Fusões e Aquisições e em diversas outras funções nas áreas mercados capitais e finanças estruturadas. O Sr. Stern está envolvido na assessoria transações Fusões e Aquisições e mercado capitais nos últimos 15 anos com clientes diversos segmentos da indústria incluindo papel e celulose, mineração, aço, telecom, produtos consumo, instituições financeiras e petroquímica. O Sr. Stern é formado em Administração Empresas pela Fundação Getulio Vargas, São Paulo. Altamir Silva Superintennte O Sr. Altamir Silva ingressou no JPMorgan em 1997 e atualmente é Superintennte responsável pelo relacionamento com clientes do setor industrial no Brasil. Antes assumir a atual posição, o Sr. Silva trabalhou nas áreas crédito e Equity Capital Markets no Brasil, e Debt Capital Markets e Investment Banking em Nova Iorque. Experiência em transações relevantes inclui: Atuou como joint lead manager na emissão bônus da Usiminas Assessorou a Lanxess AG na aquisição do controle da Petroflex Atuou como joint lead arranger na emissão unsecured notes da Gerdau Assessorou a Gerdau/Gerdau Ameristeel na aquisição da Chaparral Steel Atuou como joint lead arranger na emissão senior term loan da Gerdau Atuou como joint bookrunner da oferta pública inicial ações da Springs Global Assessorou a Votorantim Metais na aquisição 25% da Milpo Assessorou a Suzano na aquisição 21% do capital da Bahia Sul Celulose Assessorou a Suzano no spin-off do seus ativos petroquímicos O Sr. Silva é formado em Administração Empresas pela Fundação Getulio Vargas, São Paulo. 7

9 Declarações do JPMorgan INFORMAÇÕES SOBRE O JPMORGAN De acordo com o exigido pela instrução CVM n.º361/02, o JPMorgan clara que JPMorgan está sendo remunerado no valor R$ (equivalente a convertidos pela taxa câmbio R$2,6572/ no dia 29 abril 2008) pelos serviços prestados com relação à atuação como instituição financeira intermediária da OPA e R$ (equivalente a convertidos pela taxa câmbio R$2,6572/ no dia 29 abril 2008) pela emissão do presente laudo O JPMorgan não prestou qualquer outro serviço consultoria, avaliação e similares à Petroflex nos últimos 12 meses O JPMorgan clara não ter conhecimento ter qualquer conflito interesse que lhe diminua a inpendência necessária ao sempenho suas funções O JPMorgan não possui informações comerciais ou creditícias sobre a Companhia que possa impactar esse laudo O JPMorgan e empresas seu conglomerado financeiro, além dos serviços prestados como instituição financeira intermediária na presente Oferta Pública, já prestaram outros serviços à Ofertante no passado. Nesse sentido, o J.P. Morgan plc auxiliou a Lanxess Deutschland GmbH (controladora da Ofertante) na aquisição ações representativas do controle societário da Petroflex 8

10 Agenda Sumário executivo Página 3 Informações sobre o JPMorgan 5 Informações sobre a Petroflex Visão geral do setor Descrição da Petroflex Premissas macroeconômicas 9 Sumário das análises avaliação 15 Apêndice 29 LAUDO DE AVALIAÇÃO 9

11 A indústria borrachas no mundo Comentários Comentários Produção Produção e consumo consumo borrachas borrachas no no mundo mundo ( 000 ( 000 ton) ton) Espera-se que a manda global borracha cresca em linha com a expectativa crescimento global do PIB Com base no International Rubber Study Group, o consumo mundial borrachas verá crescer a uma média 4.7% entre 2007 e 2009 O crescimento esperado borrachas sintéticas é aproximadamente 4.1% 1 entre 2007 e 2009, impulsionado pela crescente manda dos países asiáticos e China A produção pneus (principal uso borrachas) é um dos principais vetores da indústria borrachas Produção relativamente igual entre os hemisféstios ocintal e oriental Em 2008, espera-se crescimento 4% e 7% da indústria pneus no mundo e na América Latina, respectivamente 140% Prod. bor. nat. Prod. bor. sint. 120% 100% 80% 60% 40% 20% 0% 20,643 20,475 Cons. bor. nat. Cons. bor. sint. 21,047 20,977 22,442 21,662 22,496 22,005 58% 58% 58% 57% 57% 57% 58% 58% 42% 42% 42% 43% 43% 43% 42% 42% LTM 3T07 Fonte: International Rubber Study Group INFORMAÇÕES SOBRE A Produção Produção e consumo consumo borracha borracha sintética sintética no no mundo LTM mundo LTM 3T07 3T07 Produção Produção ( 000 ( 000 ton) ton) América Latina 5,1% Europa outros 10,2% U.E. 21,0% América do Norte 21,0% África 0,5% Total = Ásia/ Oceania 42,2% Fonte: International Rubber Study Group 1 Fonte: International Rubber Study Group Consumo Consumo ( 000 ( 000 ton) ton) América Latina 6,5% Europa outros 7,7% América do Norte 17,6% U.E. 20,0% África 0,8% Total = Ásia/ Oceania 46,5% Distribuição Distribuição geográfica geográfica da da produção produção pneus 2007 pneus 2007 América Latina 5% Coréia do Sul 6% Ásia-Pacífico 10% Europa Central 10% Japão 12% Fonte: LMC World Tire Forecast 2007 Oriente Médio & África 4% Total = 1,4bn units NAFTA 16% China 20% Europa Oriental 17% 10

12 A indústria borrachas no Brasil Comentários Comentários Distribuição Distribuição setorial setorial dos dos consumidores consumidores borrachas 2007 borrachas 2007 INFORMAÇÕES SOBRE A A indústria petroquímica brasileira é a maior da América Latina, contudo é consirada pequena quando comparada ao setor no mundo (aproximadamente 3% da produção total) Em 2007, as vendas borrachas sintéticas foram impactadas pelos seguintes fatores Crescimento doméstico da indústria automobilística Altos preços da borracha natural, o que incentivou a substituição por produtos sintéticos Aumento nos custos das matérias-primas, resultantes do aumento do preço do petróleo e da apreciação do real, que foram repassados aos clientes Limitação mundial no suprimento butadieno, o qual tem restrito volume produção no Brasil No futuro, a medida que a manda por pneus na América do Norte é crescentemente suprida por importações da Ásia, o resultante excesso oferta borracha sintética na América do Norte ocasionará maior pressão nas importações para a América Latina e, em especial, o Brasil Espera-se que o mercado doméstico va enfrentar maior competição importações da Ásia-Pacífico e China Saú 3% Entretenimento 4% Elétrico e utilitários domésticos 6% Calçadista 6% Outros 15% Minerção & Aço 8% Fonte: Associação Brasileira da Indústria Artefatos Borracha (ABIARB) Evolução Evolução das das vendas vendas pneus pneus (milhões (milhões unidas) unidas) Produção Vendas locais Exportação Fonte: Associação Nacional da Indústria Pneumáticos (ANIP) Automobílistica 58% 63 11

13 Descrição da Petroflex Comentários Comentários Posição Posição geográfica geográfica das das fábricas fábricas e respectivas respectivas capacidas capacidas A Petroflex está entre os 15 principais produtores mundiais borrachas (BR/SBR) em um setor gloabalmente fragmentado Principal produtor borrachas sintéticas na América Latina Fundada em 1976, atualmente produz cerca 70 diferentes tipos elastômeros por ano Opera três fábricas no Brasil com capacida total toneladas Possui escritórios no Rio Janeiro, Uruguai, Newark (EUA) e Roterdam (Holanda) Emprega aproximadamente colaboradores, dos quais 607 são empregados diretos Total Cap.: tons Triunfo Cap.: tons Fonte: Petroflex Cabo Cap.: tons Duque Caxias Cap.: tons INFORMAÇÕES SOBRE A Evolução Evolução da da produção produção e utilização utilização da da capacida capacida ( 000 ( 000 ton) ton) 91% 94% Fonte: Petroflex 81% 81% 85% principais principais produtores produtores BR/SSBR 2007 BR/SSBR 2007 (capacida (capacida ktons) ktons) Lanxess Sinopec Goodyear Michelin BSFS Korea Kumho Petrochina Sibur Group Polimeri Petroflex Efremov Ube Industries LG Daesan India JSR Corporation Fonte: International Institute of Synthetic Rubber Producers, Inc (IISRP) 12

14 Descrição da Petroflex (cont.) Receita Receita líquida líquida (R$ (R$ milhões) milhões) Receita Receita por por mercado 2007 mercado 2007 ( 000 ( 000 tons tons e R$ R$ milhões) milhões) Exportação 30% Exportação 32% Fonte: Petroflex Doméstico 70% Total = 349ktons Fonte: Petroflex Total = R$1.417mm Doméstico 68% INFORMAÇÕES SOBRE A EBITDA EBITDA (R$ (R$ milhões) milhões) 107 Fonte: Petroflex Comentários Comentários Em 2004 e 2005, o aumento no nível do EBITDA foi resultado da diminuição da oferta no mercado Em 2003, a Plymouth Rubber cretou a sua falência e a Good-Year alterou sua estratégia ao consumir internamente sua produção elastômeros e não informar o mercado a respeito Em 2007, a favorável dinâmica da indústria se beneficiou pela substituição por produtos sintéticos impulsionada pelos crescentes preços da borracha natural, que levaram a aumento nos preços e na lucrativida da Companhia 13

15 Premissas macroeconômicas Premissas Premissas macroeconômicas macroeconômicas 1,2 1,2 Brasil Inflação P 2009P 2010P 2011P 2012P 2013P 2014P 2015P IPCA (%, a.a.) 3,1% 4,5% 4,7% 4,4% 4,4% 4,4% 4,4% 4,4% 4,4% 4,4% Taxa câmbio R$/US$ (final do ano) 2,14 1,78 1,75 1,82 1,85 1,89 1,92 1,96 2,00 2,03 R$/US$ (média no ano) 2,18 1,94 1,74 1,80 1,84 1,87 1,91 1,94 1,98 2,01 Produto Interno Bruto Crescimento real do PIB (%, a.a) 2,7% 5,4% 4,6% 4,0% 4,0% 4,0% 4,0% 4,0% 4,0% 4,0% INFORMAÇÕES SOBRE A Estados Unidos Inflação CPI 3 (%, a.a) 3,2% 2,3% 2,4% 2,5% 2,5% 2,5% 2,5% 2,5% 2,5% 2,5% Fonte: Banco Central do Brasil e JPMorgan 1 Premissas macroeconômicas brasileiras baseadas no relatório Focus do Banco Central do Brasil em 18 abril Assume-se premissas constantes para os anos nos quais não há projeções disponíveis 3 Fonte: área pesquisa macroeconômica do JPMorgan 14

16 Agenda Página Sumário executivo 3 Informações sobre o JPMorgan 5 Informações sobre a Petroflex 9 Sumário das análises avaliação 15 Sumário da avaliação Preço médio ponrado cotação das ações Patrimônio líquido das ações Análise por fluxo caixa scontado LAUDO DE AVALIAÇÃO Apêndice 29 15

17 Metodologias avaliação Preço médio ponrado cotação das ações Preço das ações da Petroflex ponradas pelo volume diário negociado na Bovespa entre: 2 abril 2007 e 1 abril 2008 Últimos 12 meses precentes à publicação do fato relevante relacionado ao anúncio da troca controle da Petroflex e da intenção lançar a oferta pública para fechamento capital da Companhia 2 abril 2008 e 29 abril 2008 Período entre a publicação do fato relevante relacionado ao anúncio da troca controle da Petroflex e da intenção lançar a oferta pública para fechamento capital da Companhia e o dia anterior ao arquivamento na CVM O critério não é o mais aquado uma vez que as ações da Petroflex não apresentam liquiz satisfatória SUMÁRIO DAS ANÁLISES DE AVALIAÇÃO Patrimônio líquido das ações Fluxo caixa scontado Evolução trimestral do patrimônio líquido por ação para o período compreendido entre 31 março 2006 e 31 zembro 2007 O critério não indica necessariamente forma aquada o potencial resultados da empresa Valor presente dos fluxos caixa salavancados (antes do efeito resultados financeiros) da Petroflex, baseadas em projeções senvolvidas e revisadas pela administração da Petroflex scontadas utilizando-se uma taxa sconto (custo médio ponrado capital WACC) nominal em dólares americanos 9,7% e assumindo uma taxa crescimento nominal na perpertuida 3,00% Entenmos que para terminar o intervalo indicativo valor das ações da Petroflex é necessário utilizar uma metodologia que possibilite a análise das operações da Companhia. Para tanto, utilizamos a metodologia fluxo caixa scontado e assumimos um cenário macroeconômico estável para o Brasil 16

18 Sumário da avaliação da Petroflex Sumário Sumário da da avaliação avaliação da da Petroflex Petroflex Valor patrimonial (R$ milhões) Preço por ação (R$) Preço médio ponrado Ação ordinária (PEFX3) 2 abril abril ,67 Preço médio ponrado Ação preferencial (PEFX5) 2 abril abril ,17 SUMÁRIO DAS ANÁLISES DE AVALIAÇÃO Preço médio ponrado Ação ordinária (PEFX3) 2 abril abril 2008 Preço médio ponrado Ação preferencial (PEFX5) 2 abril abril 2008 Patrimônio líquido por ação Fluxo caixa scontado Fonte: Petroflex e FactSet ,19 16,99 13,12 16,62 15,79 17,

19 Agenda Página Sumário executivo 3 Informações sobre o JPMorgan 5 Informações sobre a Petroflex 9 Sumário das análises avaliação 18 Sumário da avaliação Preço médio ponrado cotação das ações Patrimônio líquido das ações Análise por fluxo caixa scontado LAUDO DE AVALIAÇÃO Apêndice 29 18

20 Preço médio ponrado cotação das ações Evolução Evolução do do preço preço cotação cotação das das ações ações ordinárias ordinárias (PEFX3) (PEFX3) Evolução Evolução do do preço preço cotação cotação das das ações ações preferencias preferencias (PEFX5) (PEFX5) R$ Volume (PEFX3) PEFX3 n o ações R$ Preço médio ponrado , Volume (PEFX5) PEFX5 Preço médio ponrado n o ações 250, , , , ,000 SUMÁRIO DAS ANÁLISES DE AVALIAÇÃO abr-07 jun-07 set-07 z-07 mar-08 abr-08 Fonte: FactSet Preço médio ponrado: R$17,67 100,000 50,000 Preço médio ponrado cotação na Bovespa nos 12 meses precentes à publicação do fato relevante no dia 2 abril abr-07 jun-07 set-07 z-07 mar-08 abr-08 Fonte: FactSet Preço médio ponrado: R$15,17 100,000 50,000 Preço médio ponrado cotação na Bovespa nos 12 meses precentes à publicação do fato relevante no dia 2 abril

21 Preço médio ponrado cotação das ações (cont.) Evolução Evolução do do preço preço cotação cotação das das ações ações ordinárias ordinárias (PEFX3) (PEFX3) Evolução Evolução do do preço preço cotação cotação das das ações ações preferencias preferencias (PEFX5) (PEFX5) R$ Volume (PEFX3) PEFX3 n o ações R$ Volume (PEFX5) PEFX5 n o ações 20.0 Preço médio ponrado 15, Preço médio ponrado 15, , , , , , ,000 SUMÁRIO DAS ANÁLISES DE AVALIAÇÃO Fonte: FactSet 2/4 8/4 14/4 18/4 24/4 Preço médio ponrado: R$17,19 3,000 Preço médio ponrado cotação na Bovespa entre a publicação do fato relevante no dia 2 abril 2008 e o dia anterior (29 abril 2008) e o dia anterior ao arquivamento na CVM /4 2/4 8/4 14/4 18/4 24/4 29/4 Fonte: FactSet Preço médio ponrado: R$16,99 3,000 Preço médio ponrado cotação na Bovespa entre a publicação do fato relevante no dia 2 abril 2008 e o dia anterior (29 abril 2008) e o dia anterior ao arquivamento na CVM 0 20

22 Agenda Página Sumário executivo 3 Informações sobre o JPMorgan 5 Informações sobre a Petroflex 9 Sumário das análises avaliação 21 Sumário da avaliação Preço médio ponrado cotação das ações Patrimônio líquido das ações Análise por fluxo caixa scontado LAUDO DE AVALIAÇÃO Apêndice 29 21

23 Patrimônio líquido das ações Valor Valor do do patrimônio patrimônio líquido líquido R$ milhões ,67 13,18 R$/ação 13,12 14 R$ milhões, exceto on indicado 31 zembro 2007 Ativos totais SUMÁRIO DAS ANÁLISES DE AVALIAÇÃO ,13 9, Fonte: Petroflex 9, , , T06 2T06 3T06 4T06 1T07 2T07 3T07 4T Passivos totais 678 Patrimônio líquido 462 Número total ações (milhões) 35,2 Patrimônio líquido por ação (R$) 13,12 Fonte: Petroflex 22

24 Agenda Página Sumário executivo 3 Informações sobre o JPMorgan 5 Informações sobre a Petroflex 9 Sumário das análises avaliação 23 Sumário da avaliação Preço médio ponrado cotação das ações Patrimônio líquido das ações Análise por fluxo caixa scontado LAUDO DE AVALIAÇÃO Apêndice 29 23

25 Sumário das projeções operacionais e financeiras Comentários Comentários Volumes Volumes ( 000 ( 000 tons) tons) SUMÁRIO DAS ANÁLISES DE AVALIAÇÃO Volume Os volumes projetados para o ano 2008 baseam-se no Budget da Companhia As futuras taxas crescimento baseam-se na esperada dinâmica da indústria borrachas sintéticas Espera-se forte competição importações da América do Norte e Ásia no médio e longo prazos que limitariam o crescimento do volume Estima-se que o mercado doméstico representará aproximadamente 2/3 do volume total A atual estratégia prioriza o mercado doméstico com base na manda por borrachas sintéticas no Brasil e um estável cenário macroeconômico Preços venda Preços estimados para borrachas polibutadieno e borrachas estireno-butadieno baseam-se no Budget 2008 da Companhia e crescem com base na inflação norte americana 2009 em diante Os preços dos produtos da Petroflex são nominados em dólares norte americanos Doméstico Exportação P 2009P 2010P 2011P 2012P 2013P 2014P 2015P Fonte: Petroflex Receita Receita líquida líquida (R$ (R$ milhões) milhões) ,047 1,115 1,180 1,240 1,297 1,357 Fonte: Petroflex Doméstico Exportação Utilitidas P 2009P 2010P 2011P 2012P 2013P 2014P 2015P 24

26 Sumário das projeções operacionais e financeiras (cont.) Comentários Comentários Custos Custos do do produto produto vendido exclui vendido exclui preciação preciação (R$ (R$ milhões) milhões) Custos do produto vendido Variável Fixo Utilitidas Os preços das matérias-primas são o principal fator na tendência dos custos variáveis e são nomindos em dólares norte americanos Baseam-se no Budget 2008 da Companhia e crescem com base na inflação norte americana 2009 em diante (Companhia projeta repasse qualquer aumento no custo das principais matérias primas para o consumidor) SUMÁRIO DAS ANÁLISES DE AVALIAÇÃO Custos fixos (nominadas em R$) como mão--obra, serviços terceiros, energia elétrica e materiais baseam-se no Budget 2008 da Companhia e crescem com base na inflação brasileira projetada 2009 em diante Despesas vendas Despesas vendas (nominadas em R$) baseam-se no Budget 2008 da Companhia e crescem com base no volume projetado e na inflação brasileira esperada 2009 em diante Despesas gerais e administrativas Despesas gerais e administrativas (nominadas em R$) baseam-se no Budget 2008 da Companhia e crescem com base na inflação brasileira projetada 2009 em diante P 2009P 2010P 2011P 2012P 2013P 2014P 2015P Fonte: Petroflex Despesas Despesas vendas vendas e gerais gerais & administrativas administrativas (R$ (R$ mihões) mihões) G&A Vendas P 2009P 2010P 2011P 2012P 2013P 2014P 2015P Fonte: Petroflex 25

Resultados 1T15. 08 de maio de 2015

Resultados 1T15. 08 de maio de 2015 Resultados 1T15 08 de maio de 2015 2 Principais destaques do 1T15 Crescimento da receita líquida de 23%, sendo de 2 dígitos em todas unidades de negócio no comparativo ano vs. ano, favorecidas por 83%

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

Resultados 2T12 FLRY 3. Agosto / 2012

Resultados 2T12 FLRY 3. Agosto / 2012 Resultados 2T12 FLRY 3 Agosto / 2012 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS 2012 Aviso Legal Esta apresentação pode conter informações sobre eventos futuros. Tais informações não seriam apenas fatos históricos,

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

Demonstrativo de Preço

Demonstrativo de Preço 11:24 1/13 Demonstrativo de Preço 1. Sumário das Análises Apresentadas Nas análises apresentadas nesse documento demonstramos: (i) Como foi atingido o valor implícito da Telemig Celular (Operadora) (ii)

Leia mais

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda 19/02/2010 CETIP S.A BALCÃO ORGANIZADO DE ATIVOS E DERIVATIVOS A Companhia A CETIP S.A. - Balcão Organizado de Ativos e Derivativos ( Companhia ou CETIP ) opera o maior Mercado Organizado para Ativos de

Leia mais

Reestruturação Societária Grupo Telesp. Criando Valor

Reestruturação Societária Grupo Telesp. Criando Valor Reestruturação Societária Grupo Criando Valor Novembro, 1999 Índice 8 Visão Geral da Reestruturação 2 8 Passos da Reestruturação 3 8 Benefícios da Reestruturação 4 8 Bases da Reestruturação 5 8 As Relações

Leia mais

Roteiro para elaboração de laudo de avaliação de empresa

Roteiro para elaboração de laudo de avaliação de empresa Roteiro de Laudo de Avaliação A elaboração de um Laudo de Avaliação de qualquer companhia é realizada em no mínimo 5 etapas, descritas sumariamente a seguir: 1ª. Etapa - Conhecimento inicial do negócio

Leia mais

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09 Visão Ser uma empresa siderúrgica global, entre as mais rentáveis do setor. Missão A Gerdau é uma empresa com foco em siderurgia, que busca satisfazer as necessidades dos clientes e criar valor para os

Leia mais

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas CICLO APIMEC 2010 Índice RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas 3 RS no Brasil DADOS DEMOGRÁFICOS RS BRASIL População

Leia mais

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1T15

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1T15 Relações com Investidores DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1T15 Apresentação: José Rubens de la Rosa CEO José Antonio Valiati CFO & Diretor de Relações com Investidores Thiago Deiro Gerente Financeiro & de

Leia mais

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 30 DE SETEMBRO

Leia mais

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Apresentação da Teleconferência 06 de agosto de 2015 Para informações adicionais, favor ler cuidadosamente o aviso ao final desta apresentação. Divulgação

Leia mais

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 Desempenho Em ambiente de queda da atividade na indústria automobilística, a Iochpe-Maxion apresentou um crescimento de 8,4% nas vendas no terceiro

Leia mais

Resultados do 1T14 09 de Maio de 2014

Resultados do 1T14 09 de Maio de 2014 Resultados do T4 09 de Maio de 204 Destaques do T4 x T3 FINANCEIROS Receita Bruta: R$ 287,6 milhões 7,6% Lucro Líquido Ajustado (cash earnings): R$ 33,3 milhões 4,7% Unidade de Títulos e Valores Mobiliários:

Leia mais

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa Análise XP Fundamentos Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa A Empresa A Senior Solution está presente, há mais de 17 anos, no segmento de Tecnologia da Informação no mercado brasileiro, sendo uma

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

OI S.A. (Atual denominação de Brasil Telecom S.A.) 8ª Emissão Pública de Debêntures

OI S.A. (Atual denominação de Brasil Telecom S.A.) 8ª Emissão Pública de Debêntures OI S.A. (Atual denominação de Brasil Telecom S.A.) 8ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 Oi S.A. (atual denominação de BRASIL TELECOM S.A.) 8ª Emissão

Leia mais

Teleconferência Resultados 3T10

Teleconferência Resultados 3T10 Teleconferência Resultados 3T10 Sexta-feira, 5 de Novembro de 2010 Horário: 14:00 (horário de Brasília) 12:00 (horário US EDT) Tel: + 55 (11) 4688-6361 Código: LASA Replay: + 55 (11) 4688-6312 Código:

Leia mais

RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015

RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015 RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015 AVISO Nesta apresentação nós fazemos declarações prospectivas que estão sujeitas a riscos e incertezas. Tais declarações têm como base crenças e suposições

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 1T15

TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 1T15 TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 1T15 RESULTADOS FINANCEIROS CONSOLIDADOS RECEITA LÍQUIDA 300,1 361,1 20,3% EBITDA AJUSTADO 56,5 68,7 21,6% MARGEM EBITDA AJUSTADO 1 17,9% 18,4% 0,5 p.p. LUCRO LÍQUIDO AJUSTADO

Leia mais

www.estacioparticipacoes.com/ri Global Services Conference Phoenix-AZ, 27 de fevereiro de 2008

www.estacioparticipacoes.com/ri Global Services Conference Phoenix-AZ, 27 de fevereiro de 2008 www.estacioparticipacoes.com/ri Global Services Conference Phoenix-AZ, 27 de fevereiro de 2008 0 1. Visão Geral Setor de Ensino Superior no Brasil Visão Geral Estratégia Empresarial Destaques Financeiros

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

BEMATECH S.A. EXERCÍCIO DE 2014

BEMATECH S.A. EXERCÍCIO DE 2014 BEMATECH S.A. 1ª. EMISSÃO (PÚBLICA) DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade de Agente Fiduciário

Leia mais

Preço Médio Ponderado das Ações 39. Fluxo de Caixa Descontado 42. Valor do Patrimônio Líquido Contábil 56

Preço Médio Ponderado das Ações 39. Fluxo de Caixa Descontado 42. Valor do Patrimônio Líquido Contábil 56 Preço Médio Ponderado das Ações 39 Fluxo de Caixa Descontado 42 Valor do Patrimônio Líquido Contábil 56 1. A Ceres Inteligência Financeira Ltda. Participações em Ativos de Energia Elétrica - 2. A CERES

Leia mais

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014 Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta Novembro de 2014 OFERTA VOLUNTÁRIA DE PERMUTA DE AÇÕES No dia 30 de outubro realizamos o leilão da oferta voluntária. A adesão dos minoritários do Santander

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

Embratel Participações S.A. (Embratel Participações ou Embrapar ) detém 99,0 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ).

Embratel Participações S.A. (Embratel Participações ou Embrapar ) detém 99,0 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ). Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 25 de Outubro de 2005. Embratel Participações S.A. (Embratel Participações ou Embrapar ) detém 99,0 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ). (Os

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/1999 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira APIMEC RIO Resultados do 1T12 Diretoria Econômico-Financeira e de Relações com Investidores Aviso Esta apresentação pode conter considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS

Leia mais

SUL AMÉRICA S.A. EXERCÍCIO DE 2014

SUL AMÉRICA S.A. EXERCÍCIO DE 2014 SUL AMÉRICA S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade de Agente Fiduciário

Leia mais

1T09 Divulgação de Resultados

1T09 Divulgação de Resultados Divulgação de Resultados Relações com Investidores: Frederico Dan Shigenawa Diretor de RI ir@tig.bm Sobre a TIG: A TIG Holding Ltd. (nova denominação da Tarpon Investment Group Ltd.) investe em companhias

Leia mais

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 54 RELATÓRIO ANUAL GERDAU 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMIDAS Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 GERDAU S.A. e empresas controladas BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS

Leia mais

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão Kinea Rendimentos Imobiliários - FII Relatório de Gestão Maio de 2013 Palavra do Gestor Prezado investidor, O Kinea Rendimentos Imobiliários FII ( Fundo ) é dedicado ao investimento em Ativos de renda

Leia mais

ANDRADE GUTIERREZ CONCESSÕES S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014

ANDRADE GUTIERREZ CONCESSÕES S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 ANDRADE GUTIERREZ CONCESSÕES S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade

Leia mais

Apresentação para Investidores. Março, 2009

Apresentação para Investidores. Março, 2009 Apresentação para Investidores Março, 2009 1 Filosofia Gerdau VISÃO Ser uma empresa siderúrgica global, entre as mais rentáveis do setor. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma empresa com foco em siderurgia, que

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

COMO DETERMINAR O PREÇO DE LANÇAMENTO DE UMA AÇÃO NA ADMISSÃO DE NOVOS SÓCIOS

COMO DETERMINAR O PREÇO DE LANÇAMENTO DE UMA AÇÃO NA ADMISSÃO DE NOVOS SÓCIOS COMO DETERMINAR O PREÇO DE LANÇAMENTO DE UMA AÇÃO NA ADMISSÃO DE NOVOS SÓCIOS! Qual o preço de lançamento de cada nova ação?! Qual a participação do novo investidor no capital social?! Por que o mercado

Leia mais

Teleconferência de Resultados do 3T09

Teleconferência de Resultados do 3T09 Teleconferência de Resultados do 3T09 2 Destaques do trimestre O forte resultado do 3T09 demonstrou nossa confortável posição competitiva na indústria de proteínas e confirmou os resultados esperados de

Leia mais

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013 Apimec Florianópolis Dezembro 2013 Exoneração de Responsabilidades Esta apresentação não constitui uma oferta, convite ou pedido de qualquer forma, para a subscrição ou compra de ações ou qualquer outro

Leia mais

DESTAQUES DO PERÍODO (2T11)

DESTAQUES DO PERÍODO (2T11) QUALICORP REGISTRA CRESCIMENTO DO TRIMESTRE NO NÚMERO DE BENEFICIÁRIOS DE 18,5%, RECEITA LÍQUIDA DE 43,9%, EBITDA AJUSTADO DE 36,6% EM RELAÇÃO AO 2T10 1 São Paulo, 12 de agosto de 2011. A QUALICORP S.A.

Leia mais

Análise. Arcelor Brasil S.A. Goldman Sachs International Goldman Sachs Representações Ltda 25 de Outubro de 2006

Análise. Arcelor Brasil S.A. Goldman Sachs International Goldman Sachs Representações Ltda 25 de Outubro de 2006 mittallacs\mandatory Tender Offer\Valuation Report\Portuguese\20 Laudo de Avaliacao (Portugues).doc pdanilovic 26 Oct 2006 17:07 1/41 Análise Arcelor Brasil S.A. Goldman Sachs International Goldman Sachs

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

ATIVAS DATA CENTER S.A. EXERCÍCIO DE 2013

ATIVAS DATA CENTER S.A. EXERCÍCIO DE 2013 ATIVAS DATA CENTER S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2014. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade de Agente

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO Este texto não é uma recomendação de investimento. Para mais esclarecimentos, sugerimos a leitura de outros folhetos editados pela BOVESPA. Procure sua Corretora.

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

Romi registra lucro líquido de R$ 83 milhões em 2006, o maior resultado de sua história

Romi registra lucro líquido de R$ 83 milhões em 2006, o maior resultado de sua história Resultados do 4 o Trimestre de 2006 Cotações (28/12/06) ROMI3 - R$ 158,00 ROMI4 - R$ 146,50 Valor de Mercado R$ 999,0 milhões Quantidade de Ações Ordinárias: 3.452.589 Preferenciais.: 3.092.882 Total:

Leia mais

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Demonstrações Financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

USINAS SIDERÚRGICAS DE MINAS GERAIS S.A. USIMINAS 6ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014

USINAS SIDERÚRGICAS DE MINAS GERAIS S.A. USIMINAS 6ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 USINAS SIDERÚRGICAS DE MINAS GERAIS S.A. USIMINAS 6ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas,

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Relatório Analítico 19 de abril de 2012

Relatório Analítico 19 de abril de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa AM BV4 Segmento de Atuação Principal Alimentos Categoria segundo a Liquidez 1 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 80,99 Valor Econômico por Ação (R$) 81,05 Potencial

Leia mais

Laudo de Avaliação da Ferronorte. Data Base: Novembro de 2004

Laudo de Avaliação da Ferronorte. Data Base: Novembro de 2004 Laudo de Avaliação da Ferronorte Data Base: Novembro de 2004 Contexto Os administradores da Brasil Ferrovias nos solicitam a avaliação do preço das ações da Ferronorte a serem emitidas no aumento de capital

Leia mais

O desafio da competitividade. Maio 2012

O desafio da competitividade. Maio 2012 O desafio da competitividade Maio 2012 ECONOMY RESEARCH Roberto Padovani Economista-Chefe (55 11) 5171.5623 roberto.padovani@votorantimcorretora.com.br Rafael Espinoso Estrategista CNPI-T (55 11) 5171.5723

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

APIMEC 3T10 Novembro de 2010

APIMEC 3T10 Novembro de 2010 APIMEC Novembro de 2010 Aviso Importante Esse material pode conter previsões de eventos futuros.tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia, e envolve riscos ou incertezas

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T11. 16 de fevereiro de 2012

Teleconferência de Resultados 4T11. 16 de fevereiro de 2012 Teleconferência de Resultados 4T11 Exoneração de Responsabilidade Teleconferência de Resultados 4T11 Página 2 As eventuais declarações que possam ser feitas durante essa teleconferência relativas à perspectiva

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic III Mercado Financeiro e de Capitais Taxas de juros reais e expectativas de mercado A meta para a taxa Selic foi mantida durante o primeiro trimestre de 21 em 8,75% a.a. Em resposta a pressões inflacionárias

Leia mais

Laudo de Avaliação para Oferta Pública de Aquisição de Ações Ordinárias e Preferenciais de Emissão da Seara Alimentos S.A.

Laudo de Avaliação para Oferta Pública de Aquisição de Ações Ordinárias e Preferenciais de Emissão da Seara Alimentos S.A. Laudo de Avaliação para Oferta Pública de Aquisição de Ações Ordinárias e Preferenciais de Emissão da Seara Alimentos S.A. Avaliação Elaborada pelo Banco Pactual S.A. São Paulo, 05 de novembro de 2004

Leia mais

Apresentação de Resultados 1T14

Apresentação de Resultados 1T14 Apresentação de Resultados 1T14 15 de Maio de 2014 Destaques do 1T14 O aluguel nas mesmas lojas (SSR) continuou a reportar crescimento de dois dígitos no 1T14, aumento de 10,1% comparado ao 1T13 As vendas

Leia mais

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008 Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção 17 de setembro de 2008 Presença Global do Unibanco O Unibanco é um dos maiores conglomerados financeiros do Brasil, presente nos principais centros

Leia mais

Macro Local 17 de maio de 2013

Macro Local 17 de maio de 2013 Macro Local 17 de maio de 2013 Mercados Retorno Jan/12 a Mai/13 70,0% 67,7% 50,0% 30,0% 10,0% 25,5% 20,1% 15,3% 12,2% -10,0% -30,0% -13,5% -3,3% Fonte: Bloomberg / AE Broadcast 2 A bolsa brasileira apresenta

Leia mais

Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A.

Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A. BRF RESULTADOS 2T14 Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A. As declarações contidas neste relatório relativas à perspectiva dos negócios da Empresa,

Leia mais

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas HTL

Leia mais

Relatório de Resultados 2T 2015

Relatório de Resultados 2T 2015 MMX - Resultados Referentes ao 2º trimestre de 2015 Rio de Janeiro, 14 de agosto de 2015 A MMX Mineração e Metálicos S.A. ( Companhia ou MMX ) (Bovespa: MMXM3) anuncia seus resultados referentes ao 2º

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

ENERGISA S.A. EXERCÍCIO DE 2013

ENERGISA S.A. EXERCÍCIO DE 2013 ENERGISA S.A. 3ª. EMISSÃO sendo a 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2014. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

MILLS ESTRUTURAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA S.A. 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013

MILLS ESTRUTURAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA S.A. 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 MILLS ESTRUTURAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA S.A. 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2014. Prezados Senhores Debenturistas,

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

Sessão Especial de Asset Allocation. Vital Menezes

Sessão Especial de Asset Allocation. Vital Menezes Sessão Especial de Asset Allocation Vital Menezes Introdução ao Investimento no Exterior Os 3 Pilares do Investimento no Exterior Por que investir no exterior? 1 COMPOSIÇÃO DO BENCHMARK 2 CORRELAÇÃO E

Leia mais

RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 1T10 156.512.000,00

RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 1T10 156.512.000,00 RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 156.512.000,00 Resultados do RESULTADOS São Paulo, 14 de maio de 2010 A BRADESPAR [BM&FBOVESPA: BRAP3 (ON), BRAP4 (PN); LATIBEX: XBRPO (ON), XBRPP (PN)]

Leia mais

Empresa de Locação. Apresentação de avaliação financeira. São Paulo, Novembro de 2011 Confidencial

Empresa de Locação. Apresentação de avaliação financeira. São Paulo, Novembro de 2011 Confidencial Empresa de Locação Apresentação de avaliação financeira São Paulo, Novembro de 2011 Confidencial A IGC Partners Sobre a empresa Líder em operações de Estrutura local e internacional Fusões e Aquisições

Leia mais

CEO Conference Março 2009

CEO Conference Março 2009 CEO Conference Março 2009 Informações e Projeções Algumas das afirmações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração da Companhia que poderiam ocasionar variações materiais

Leia mais

NUTRIPLANT ON (NUTR3M)

NUTRIPLANT ON (NUTR3M) NUTRIPLANT ON (NUTR3M) Cotação: R$ 1,79 (18/06/2014) Preço-Alvo (12m): R$ 2,10 Potencial de Valorização: 18% 4º. Relatório de Análise de Resultados (1T14) Recomendação: COMPRA P/L 14: 8,0 Min-Máx 52s:

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

ATIVAS DATA CENTER S.A. EXERCÍCIO DE 2014

ATIVAS DATA CENTER S.A. EXERCÍCIO DE 2014 ATIVAS DATA CENTER S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade de Agente

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

BTG Fundo de Fundos. 5ª Emissão. Janeiro, 2013. Para informações adicionais, leia atentamente os Avisos Adicionais no final da apresentação.

BTG Fundo de Fundos. 5ª Emissão. Janeiro, 2013. Para informações adicionais, leia atentamente os Avisos Adicionais no final da apresentação. 5ª Emissão Janeiro, 2013 Para informações adicionais, leia atentamente os Avisos Adicionais no final da apresentação. SEÇÃO 1 Características Características Fundo Carteira Remuneração FUNDO FII fechado

Leia mais

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO L2 0 0 6 R E L AT Ó R I O A N U A EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO Prêmio de Seguros Participação no Mercado (em %) Mercado 74,2% Fonte: Susep e ANS Base: Nov/2006 Bradesco 25,8%

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

Divulgação de Resultados 2014

Divulgação de Resultados 2014 São Paulo - SP, 10 de Fevereiro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity

Leia mais

Divulgação de Resultados do 2T10. 4 de agosto de 2010

Divulgação de Resultados do 2T10. 4 de agosto de 2010 Divulgação de Resultados do 4 de agosto de 2010 Aviso Importante Esse material pode conter previsões de eventos futuros.tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia, e envolve

Leia mais

Suzano Papel e Celulose anuncia os resultados consolidados do 2º trimestre de 2006

Suzano Papel e Celulose anuncia os resultados consolidados do 2º trimestre de 2006 Suzano Papel e Celulose anuncia os resultados consolidados do 2º trimestre de 2006 Ebitda consolidado pro-forma com Ripasa atinge US$125 milhões São Paulo, 19 de julho de 2006. Suzano Papel e Celulose

Leia mais

Política de Suitability

Política de Suitability Política de Suitability Outubro 2015 1. OBJETIVO O objetivo da Política de Suitability ( Política ) é estabelecer procedimentos formais que possibilitem verificar a adequação do investimento realizado

Leia mais

Contato analítico adicional: Marcelo Schwarz, CFA, São Paulo, 55 (11) 3039?7782, marcelo.schwarz@standardandpoors.com

Contato analítico adicional: Marcelo Schwarz, CFA, São Paulo, 55 (11) 3039?7782, marcelo.schwarz@standardandpoors.com Data de Publicação: 26 de junho de 2014 Comunicado à Imprensa Standard & Poor's reafirma ratings 'BB+' na escala global e 'braa' na Escala Nacional Brasil atribuídos à Ampla Energia e Serviços; Rating

Leia mais

Divulgação de Resultados 3T11

Divulgação de Resultados 3T11 Divulgação de Resultados 3T11 15 de Novembro de 2011 Palestrantes Luis Eduardo Fischman Diretor Financeiro e de RI José Ricardo Brun Fausto Diretor Operacional 2 Disclaimer Esta apresentação não constitui

Leia mais

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital 34 CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS 1. Custo de Capital Custo de capital é a taxa de retorno que a empresa precisa obter sobre os seus projetos de investimentos, para manter o valor de

Leia mais

Apresentação da Companhia. Setembro de 2010

Apresentação da Companhia. Setembro de 2010 Apresentação da Companhia Setembro de 2010 Comprovada capacidade de execução Visão geral da Inpar Empreendimentos por segmento (1) Modelo de negócios integrado (incorporação, construção e venda) Comercial

Leia mais