ANÁLISE DE TENDENCIAS EM DADOS DIÁRIOS DE TEMPERATURAS MÁXIMAS E MÍNIMAS EM ESTAÇOES METEOROLÓGICAS DO ESTADO DA PARAÍBA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE TENDENCIAS EM DADOS DIÁRIOS DE TEMPERATURAS MÁXIMAS E MÍNIMAS EM ESTAÇOES METEOROLÓGICAS DO ESTADO DA PARAÍBA"

Transcrição

1 ANÁLISE DE TENDENCIAS EM DADOS DIÁRIOS DE TEMPERATURAS MÁXIMAS E MÍNIMAS EM ESTAÇOES METEOROLÓGICAS DO ESTADO DA PARAÍBA Fabrício D. S. Silva 1, Rafaela L. Costa 2, Naurinete Barreto 3, George U. Pedra 4 1 Instituto Nacional de Meteorologia - INMET - 2 Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN RESUMO: A técnica MICE (do inglês Multivariate Imputation by Chained Equations ) foi usada neste trabalho para imputação de dados diários de temperaturas máximas e mínimas em séries com falhas, usando como fonte de informação para o preenchimento dados de pontos de grade próximos à estação selecionada. A técnica se mostrou eficaz apresentando elevados valores de correlações a níveis diário e mensal. Das séries preenchidas foi possível avaliar o comportamento de índices de extremos climáticos para as variáveis. Para as seis estações da Paraíba analisadas, constatou-se que, para todas elas, as tendências mais significativas remetem a um aumento dos valores diários observados das temperaturas máximas e mínimas. Palavras-Chave: séries temporais, métodos de imputação, índices climáticos. ABSTRACT: The technique MICE (English "Multivariate imputation by Chained Equations") was used in this work for daily temperatures data imputation in series with gaps, using as a source of information for filling data from grid points near the selected station. The technique was effective correlations showing high values of the daily and monthly levels. With the series was possible to evaluate the behavior of indices of climate extremes for the variables. For six seasons analyzed of Paraiba, it was found that, for all of them, the most significant trends relate to an increase of observed daily values of maximum and minimum temperatures. Keywords: temporal series, imputation methods, climate indices. 1 - INTRODUÇÃO O quarto relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) mostra um aumento da temperatura média global de cerca de 0,74⁰C durante o último século. Em um contexto de aquecimento global, as variações e as tendências em eventos climáticos extremos tem sido recentemente alvo de muita atenção, porque eventos climáticos extremos são mais sensíveis às mudanças climáticas do que os seus valores médios (Katz e Brown, 1992). Diversos estudos foram realizados analisando índices de extremos climáticos de temperaturas, para muitas partes do mundo (You et al, 2008). Tais estudos necessitam de séries diárias de temperaturas sem, ou com o mínimo de falhas possível. Neste estudo, a intenção inicial seria avaliar índices de mudanças climáticas de temperaturas para seis séries históricas, entre 1961 e 2011, do INMET, para o Estado da Paraíba. Em um primeiro momento foi detectado que seria impossível trabalhar as séries sem antes buscar alguma

2 técnica de preenchimento de dados faltantes. Desta forma, a primeira parte do trabalho trata da técnica e procedimentos para preenchimento de falhas que foi adotada, e em seguida, buscou-se o objetivo principal do trabalho, que foi investigar as mudanças climáticas nos extremos de temperaturas máximas e mínimas diárias para o período acima mencionado. 2 DADOS E MÉTODOS DE ANÁLISE Para o preenchimento de falhas de dados diários de temperaturas máximas e mínimas, foi aplicada a técnica MICE (Van Buuren, 2011), sendo usada para séries termométricas de seis estações do INMET no Estado da Paraíba, entre 1961 e Como variáveis preditoras, usou-se séries das análises gradeada fornecidas pelo NCEP/NCAR (Sheffield et al. 2006), com resolução de 1º. Os dados faltantes que se deseja completar são caracterizados por NA, e foi usado o número de imputações múltiplas padrão do pacote MICE versão 2.12 (m=5 iterações) do software estatístico livre R, para versões As imputações são geradas de acordo com o método padrão, que é, para dados numéricos, o método PMM-Predictive Mean Matching. Após a imputação dos dados faltantes, foram identificadas nas séries originais ao menos 05 anos com dados medidos sem falhas na série original, e então falhas foram geradas artificialmente para estes anos e o método foi novamente empregado, afim de comparar dados realmente observados com a imputação gerada, afim de avaliar a habilidade do método. Vencida esta etapa e de posse das séries diárias de temperaturas sem falhas para este período de 51 anos, foram analisados os índices propostos pelo Grupo de Especialistas em Índices de Detecção de Mudanças Climáticas ( Para a geração dos resultados foi utilizado o software BR-Climdex, uma adaptação do software livre original R-Climdex as condições brasileiras, descritos na Tabela 1. Tabela 1: Descrição dos índices climáticos utilizados. 3 - RESULTADOS A Tabela 2 mostra as correlações entre observações e valores imputados para uma quantidade de anos escolhidos para cada estação, a níveis diário e mensal. No mínimo 05 anos de dados observados foram

3 comparados a dados imputados afim de validação da metodologia. Pode-se observar que houve maior habilidade do método de imputação para dados diários de temperaturas máximas, com correlações superiores a 0.5 cinco das seis estações. Para temperatura mínima, a nível diário, três estações tiveram correlações acima de 0.5 e 3 abaixo, mas superiores a 0.3. A nível mensal, para máximas e mínimas, as correlações entre as médias mensais observadas e imputadas foram bastante elevadas, em muitos casos próximas a 1.0. A Figura 1 mostra a comparação da Normal Climatológica do período de 1961 a 1990, com dados observados do INMET e com os valores mensais derivados do preenchimento das séries, para as estações de campina Grande, João Pessoa, Monteiro e São Gonçalo. Tais resultados corroboram a eficácia da técnica de preenchimento de falhas empregada, permitindo usar as séries para as demais análises, objetivo deste trabalho. Tabela2: Correlações entre dados observados e imputados, a níveis diário e mensal. Figura 1: Comparação das Normais Climatológicas de temperaturas máximas e mínimas com médias obtidas de dados imputados para as estações (Campina Grande), (João Pessoa), (c) e (d).

4 A Figura 2 mostra as tendências positivas do índice climático SU25(a) e TR20(b). Para as estações de Areia, Campina Grande, Monteiro e João Pessoa, a tendência do número de dias no ano com temperaturas máximas acima de 25ºC é positiva e crescente, enquanto que a tendência, também positiva e crescente de número de dias ao ano com temperaturas mínimas superiores a 20ºC foi observada para as estações de Areia, Monteiro e João Pessoa. (a) (b) Figura 2: Comportamento dos índices climáticos SU25 e TR20. A cor azul representa tendências positivas, estatisticamente significantes, com o p-valor < 0,05. Na sequencia da Figura 3 (a, b, c e d), apenas tendências positivas foram observadas. Existe uma tendência positiva, estatisticamente significante, de que ocorram valores mais elevados a cada ano das maiores e menores temperaturas máximas observadas, no caso de São Gonçalo, Patos e Campina Grande para as máximas temperaturas máximas anuais e de Monteiro, Campina Grande e João Pessoa, para as mínimas temperaturas máximas observadas ao ano. Para as temperaturas mínimas, existe uma tendência também positiva, estatisticamente significante, de que ocorram valores mais elevados a cada ano das maiores e menores temperaturas mínimas observadas, no caso de Monteiro, Campina Grande e João Pessoa, para as máximas temperaturas mínimas anuais e de Monteiro, Campina Grande, Areia e João Pessoa, para as mínimas temperaturas mínimas observadas ao ano. Com relação aos índices TX10P e TX90P (figuras não mostradas), com exceção de São Gonçalo, houve tendência de diminuição da frequência de dias com temperaturas máximas abaixo do percentil de 10% do período de referência relativo a Para o índice TX90P, com exceção de Patos que apresentou tendência de diminuição de dias com temperaturas máximas acima do percentil de 90% em relação ao período de referencia , as estações de São Gonçalo, Monteiro, Campina Grande e João Pessoa mostram tendências positivas, indicando ser mais comum as temperaturas máximas diárias excederem o valor estipulado pelo percentil 90% do período

5 Para os índices TN10P e TN90P (figuras não mostradas), houve tendências negativas para as estações de Areia, Campina Grande, João Pessoa e Monteiro, e positivas Campina Grande, João Pessoa, Monteiro, Patos e São Gonçalo. Tais resultados evidenciam ser cada vez mais comum as temperaturas mínimas estarem acima do percentil de 10 e 90%. Em relação a amplitude térmica diária (Figura 4), as tendências observadas não foram estatisticamente significativas para as estações de Areia, Campina Grande e São Gonçalo, o que sugere que tanto as temperaturas máximas e mínimas variaram conjuntamente durante o período, não amplificando ou diminuindo consideravelmente a amplitude média climatológica. Em Patos, foi observada tendência de aumento das amplitudes térmicas diárias e em João Pessoa e Monteiro, tendências de diminuição, estatisticamente significantes. (a) (b) (c) (d) Figura 3: Comportamento dos índices climáticos TXX, TXN, TNX e TNN. A cor azul representa tendências positivas, estatisticamente significantes, com o p-valor < 0,05.

6 Figura 4: Comportamento dos índices climáticos TXX, TXN, TNX e TNN. A cor azul representa tendência positiva e vermelha negativa, estatisticamente significante, com o p-valor < 0,05. 4 CONCLUSÕES Os resultados da imputação de dados faltantes diários, de temperaturas máximas e mínimas, foram bastante satisfatórios. Na técnica de imputação múltipla, que utiliza o pacote estatístico MICE, foram usados como preditores (variáveis explicativas) para a temperatura, dados de precipitação provenientes de análise gradeada do NCEP/NCAR. Os valores de correlações foram de moderadas a altas entres dados diários observados e imputados, e muito altos quando comparados os acumulados mensais. Com as séries sem falhas, foi possível analisar índices de extremos climáticos para temperaturas entre 1961 e A maior parte dos resultados mostrou um incremento nas tendências positivas de aumento das temperaturas máximas e mínimas diárias. A maioria das estações mostrou tendências de aumento nos máximos e mínimos valores diários observados a cada ano, assim como a diminuição da frequência de casos de temperaturas abaixo do percentil de 10% e aumento dos casos de temperaturas acima do percentil de 90%. 5- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Sheffield, J., G. Goteti, and E.F. Wood, 2006: Development of a 50-yr high-resolution global dataset of meteorological forcings for land surface modeling. J. Climate, 19(13), Van Buuren, S., Groothuis-Oudshoorn, K. (2011). MICE: Multivariate Imputation by Chained Equations in R. Journal of Statistical Software, 45(3), You, Q.-L., S. Kang, N. Pepin, and Y. Yan (2008), Relationship between trends in temperature extremes and elevation in the eastern and central Tibetan Plateau, , Geophys. Res. Lett., 35, L04704, doi: /2007gl

ANÁLISE DE ÍNDICES CLIMÁTICOS EXTREMOS PARA AS CAPITAIS DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL. PARTE II: TENDÊNCIAS DE TEMPERATURA

ANÁLISE DE ÍNDICES CLIMÁTICOS EXTREMOS PARA AS CAPITAIS DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL. PARTE II: TENDÊNCIAS DE TEMPERATURA ANÁLISE DE ÍNDICES CLIMÁTICOS EXTREMOS PARA AS CAPITAIS DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL. PARTE II: TENDÊNCIAS DE TEMPERATURA Wagner de Aragão Bezerra¹, Fabrício Daniel dos Santos Silva², Josefa Morgana Viturino

Leia mais

Tendências Observadas nos Índices Extremos Diários de Temperatura e Precipitação na Cidade do Rio de Janeiro

Tendências Observadas nos Índices Extremos Diários de Temperatura e Precipitação na Cidade do Rio de Janeiro Tendências Observadas nos Índices Extremos Diários de Temperatura e Precipitação na Cidade do Rio de Janeiro Wanderson Luiz Silva 1, Claudine Dereczynski 1 1 Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro

Leia mais

ANÁLISE DE ÍNDICES CLIMÁTICOS EXTREMOS PARA AS CAPITAIS DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL. PARTE I: TENDÊNCIAS DE PRECIPITAÇÃO

ANÁLISE DE ÍNDICES CLIMÁTICOS EXTREMOS PARA AS CAPITAIS DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL. PARTE I: TENDÊNCIAS DE PRECIPITAÇÃO ANÁLISE DE ÍNDICES CLIMÁTICOS EXTREMOS PARA AS CAPITAIS DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL. PARTE I: TENDÊNCIAS DE PRECIPITAÇÃO Josefa Morgana Viturino de Almeida ¹, Fabrício Daniel dos Santos Silva 2, Wagner

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS TEMPERATURAS MÁXIMAS E MÍNIMAS ABSOLUTAS DO AR NO ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTIMATIVAS DAS TEMPERATURAS MÁXIMAS E MÍNIMAS ABSOLUTAS DO AR NO ESTADO DE SANTA CATARINA ESTIMATIVAS DAS TEMPERATURAS MÁXIMAS E MÍNIMAS ABSOLUTAS DO AR NO ESTADO DE SANTA CATARINA Angelo Mendes Massignam 1 ; Fábio Lopes ; Hugo José Braga 3 ; Cristina Pandolfo 3 1 Eng. Agrônomo, PhD, Epagri/Ciram

Leia mais

ASPECTOS SINÓTICOS, TÉRMICOS E PLUVIOMÉTRICOS NO IX CONGRESSO BRASILEIRO DE METEOROLOGIA

ASPECTOS SINÓTICOS, TÉRMICOS E PLUVIOMÉTRICOS NO IX CONGRESSO BRASILEIRO DE METEOROLOGIA ASPECTOS SINÓTICOS, TÉRMICOS E PLUVIOMÉTRICOS NO IX CONGRESSO BRASILEIRO DE METEOROLOGIA Marcos Anderson Duffles Andrade Escola Paulista de Medicina - Disciplina de Genética e-mail: mduffles@wmservice.com.br

Leia mais

IGOT. SIG & DR Sistemas de Informação Geográfica e Detecção Remota

IGOT. SIG & DR Sistemas de Informação Geográfica e Detecção Remota SIG & DR Sistemas de Informação Geográfica e Detecção Remota http://www.worldclim.org/ http://www.worldclim.org/download Current conditions (normal 1950-2000) Future conditions (IPCC 4) Past conditions

Leia mais

Desempenho de Métodos de Preenchimento de Falhas para Velocidade do Vento sobre o Estado do Rio Grande do Norte

Desempenho de Métodos de Preenchimento de Falhas para Velocidade do Vento sobre o Estado do Rio Grande do Norte BWP 2016 Desempenho de Métodos de Preenchimento de Falhas para Velocidade do Vento sobre o Estado do Rio Grande do Norte ALEXANDRE TORRES SILVA DOS SANTOS - Centro De Tecnologias Do Gás & Energias Renováveis

Leia mais

EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DIÁRIA EM BOA VISTA (RR) COM BASE NA TEMPERATURA DO AR

EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DIÁRIA EM BOA VISTA (RR) COM BASE NA TEMPERATURA DO AR EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DIÁRIA EM BOA VISTA (RR) COM BASE NA TEMPERATURA DO AR W. F. Araújo 1 ; M. A. F. Conceição 2 ; J. B.Venâncio 3 RESUMO: O método padrão de estimativa da evapotranspiração

Leia mais

REPRESENTAÇÃO ESPACIAL DAS TEMPERATURAS MÉDIAS DAS MÉDIAS, MÉDIAS DAS MÍNIMAS E MÉDIAS DAS MÁXIMAS MENSAIS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1

REPRESENTAÇÃO ESPACIAL DAS TEMPERATURAS MÉDIAS DAS MÉDIAS, MÉDIAS DAS MÍNIMAS E MÉDIAS DAS MÁXIMAS MENSAIS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1 REPRESENTAÇÃO ESPACIAL DAS TEMPERATURAS MÉDIAS DAS MÉDIAS, MÉDIAS DAS MÍNIMAS E MÉDIAS DAS MÁXIMAS MENSAIS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1 Galileo Adeli Buriol 2, Valduino Estefanel 3 e Rosa Elaine Iensen

Leia mais

Correlações entre índices extremos de temperatura e índices de grande escala climáticos e oceânicos para a região do baixo rio Colorado

Correlações entre índices extremos de temperatura e índices de grande escala climáticos e oceânicos para a região do baixo rio Colorado Artigo Original DOI:10.5902/2179460X11235 Ciência e Natura, Santa Maria, v. 36 n. 3 set-dez. 2014, p. 450 458 Revista do Centro de Ciências Naturais e Exatas - UFSM ISSN impressa: 0100-8307 ISSN on-line:

Leia mais

PREENCHIMENTO DE FALHAS DE DADOS MENSAIS DE PRECIPITAÇÃO: COMPARAÇÃO BÁSICA PONTUAL PARA PELOTAS-RS

PREENCHIMENTO DE FALHAS DE DADOS MENSAIS DE PRECIPITAÇÃO: COMPARAÇÃO BÁSICA PONTUAL PARA PELOTAS-RS PREENCHIMENTO DE FALHAS DE DADOS MENSAIS DE PRECIPITAÇÃO: COMPARAÇÃO BÁSICA PONTUAL PARA PELOTAS-RS Mônica Vaz LIMA 1,2, André Becker NUNES 1 1 Faculdade de Meteorologia UFPel Pelotas-RS 2 limamon@gmail.com

Leia mais

Lucas de Assis Soares, Luisa Nunes Ramaldes, Taciana Toledo de Almeida Albuquerque, Neyval Costa Reis Junior. São Paulo, 2013

Lucas de Assis Soares, Luisa Nunes Ramaldes, Taciana Toledo de Almeida Albuquerque, Neyval Costa Reis Junior. São Paulo, 2013 COMPARATIVE STUDY OF THE ATMOSPHERIC DISPERSION MODELS AND THROUGH THE ANALYSIS OF AIR QUALITY IN THE METROPOLITAN REGION OF GRANDE VITÓRIA Lucas de Assis Soares, Luisa Nunes Ramaldes, Taciana Toledo de

Leia mais

Relação entre a precipitação pluvial no Rio Grande do Sul e a Temperatura da Superfície do Mar do Oceano Atlântico

Relação entre a precipitação pluvial no Rio Grande do Sul e a Temperatura da Superfície do Mar do Oceano Atlântico Relação entre a precipitação pluvial no Rio Grande do Sul e a Temperatura da Superfície do Mar do Oceano Atlântico Eliane Barbosa Santos 1 e Gilberto Barbosa Diniz 1 Universidade Federal de Pelotas Curso

Leia mais

AVALIAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA O CÁLCULO DA TEMPERATURA MÉDIA MENSAL DO AR EM DIAMANTINA MINAS GERAIS

AVALIAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA O CÁLCULO DA TEMPERATURA MÉDIA MENSAL DO AR EM DIAMANTINA MINAS GERAIS AVALIAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA O CÁLCULO DA TEMPERATURA MÉDIA MENSAL DO AR EM DIAMANTINA MINAS GERAIS RODRIGO MARQUES NASCIMENTO 1 ; MARIA JOSÉ HATEM DE SOUZA 2 ; GUSTAVO AUGUSTO MARTINS 3 ; BÁRBARA GOMES

Leia mais

O FENÔMENO ENOS E A TEMPERATURA NO BRASIL

O FENÔMENO ENOS E A TEMPERATURA NO BRASIL O FENÔMENO ENOS E A TEMPERATURA NO BRASIL Daniel P. GUIMARÃES 1,2, Ruibran J. dos REIS 3 1 Embrapa Milho e Sorgo Sete Lagoas Minas Gerais 2 daniel@cnpms.embrapa.br RESUMO: A variabilidade das temperaturas

Leia mais

Normal Climatológica da Precipitação Acumulada Mensal do Distrito Federal para o Período

Normal Climatológica da Precipitação Acumulada Mensal do Distrito Federal para o Período Normal Climatológica da Precipitação Acumulada Mensal do Distrito Federal para o Período 1971-2000 Fábio C. Conde 1,2, Andrea M. Ramos 1,2, Luiz A. R. Santos 1, Danielle B. Ferreira 1 1 Coordenação de

Leia mais

A VARIABILIDADE ANUAL DA TEMPERATURA NO ESTADO DE SÃO PAULO 1971/1998: UMA CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO MUNDO TROPICAL

A VARIABILIDADE ANUAL DA TEMPERATURA NO ESTADO DE SÃO PAULO 1971/1998: UMA CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO MUNDO TROPICAL A VARIABILIDADE ANUAL DA TEMPERATURA NO ESTADO DE SÃO PAULO 71/98: UMA CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO MUNDO TROPICAL João Lima Sant`anna Neto (*) RESUMO: Este trabalho de pesquisa, ainda

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DO IMPACTO DO RESERVATÓRIO DE ITÁ NO CLIMA LOCAL. Maria Laura G. Rodrigues 1 Elaine Canônica 1,2

ANÁLISE PRELIMINAR DO IMPACTO DO RESERVATÓRIO DE ITÁ NO CLIMA LOCAL. Maria Laura G. Rodrigues 1 Elaine Canônica 1,2 ANÁLISE PRELIMINAR DO IMPACTO DO RESERVATÓRIO DE ITÁ NO CLIMA LOCAL Maria Laura G. Rodrigues 1 Elaine Canônica 1,2 RESUMO O presente trabalho investiga as possíveis alterações de precipitação e temperatura

Leia mais

ANÁLISE CLIMATÓLOGICA PRELIMINAR DE EVENTOS EXTREMOS DE FRIO NO PARQUE ESTADUAL DAS FONTES DO IPIRANGA-IAG/USP

ANÁLISE CLIMATÓLOGICA PRELIMINAR DE EVENTOS EXTREMOS DE FRIO NO PARQUE ESTADUAL DAS FONTES DO IPIRANGA-IAG/USP ANÁLISE CLIMATÓLOGICA PRELIMINAR DE EVENTOS EXTREMOS DE FRIO NO PARQUE ESTADUAL DAS FONTES DO IPIRANGA-IAG/USP ABSTRACT Gilca Palma Araújo (1); Fábio Luiz Teixeira Gonçalves (1) Departamento de Ciências

Leia mais

INFLUÊNCIA DE LA NIÑA SOBRE A CHUVA NO NORDESTE BRASILEIRO. Alice M. Grimm (1); Simone E. T. Ferraz; Andrea de O. Cardoso

INFLUÊNCIA DE LA NIÑA SOBRE A CHUVA NO NORDESTE BRASILEIRO. Alice M. Grimm (1); Simone E. T. Ferraz; Andrea de O. Cardoso INFLUÊNCIA DE LA NIÑA SOBRE A CHUVA NO NORDESTE BRASILEIRO Alice M. Grimm (1); Simone E. T. Ferraz; Andrea de O. Cardoso (1) Grupo de Meteorologia - Universidade Federal do Paraná Depto de Física Caixa

Leia mais

RELAÇÃO DA TEMPERATURA DA SUPERFÍCIE DOS OCEANOS PACÍFICO E ATLANTICO TROPICAIS E A PRECIPITAÇÃO NA MICRORREGIÃO DE PETROLINA (SERTÃO PERNAMBUCANO)

RELAÇÃO DA TEMPERATURA DA SUPERFÍCIE DOS OCEANOS PACÍFICO E ATLANTICO TROPICAIS E A PRECIPITAÇÃO NA MICRORREGIÃO DE PETROLINA (SERTÃO PERNAMBUCANO) RELAÇÃO DA TEMPERATURA DA SUPERFÍCIE DOS OCEANOS PACÍFICO E ATLANTICO TROPICAIS E A PRECIPITAÇÃO NA MICRORREGIÃO DE PETROLINA (SERTÃO PERNAMBUCANO) FLAVIANO FERNANDES FERREIRA (1), PATRICE ROLAND DA SILVA

Leia mais

RELAÇÃO DA TEMPERATURA DA SUPERFÍCIE DOS OCEANOS PACÍFICO E ATLANTICO TROPICAIS E A PRECIPITAÇÃO NA MICRORREGIÃO DE ARARIPINA (SERTÃO PERNAMBUCANO)

RELAÇÃO DA TEMPERATURA DA SUPERFÍCIE DOS OCEANOS PACÍFICO E ATLANTICO TROPICAIS E A PRECIPITAÇÃO NA MICRORREGIÃO DE ARARIPINA (SERTÃO PERNAMBUCANO) RELAÇÃO DA TEMPERATURA DA SUPERFÍCIE DOS OCEANOS PACÍFICO E ATLANTICO TROPICAIS E A PRECIPITAÇÃO NA MICRORREGIÃO DE ARARIPINA (SERTÃO PERNAMBUCANO) FLAVIANO FERNANDES FERREIRA (1), PATRICE ROLAND DA SILVA

Leia mais

AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO CONFORTO TÉRMICO DE UMA CIDADE EM ÁREA DE TRANSIÇÃO CLIMÁTICA: ARAPIRACA, ALAGOAS, BRASIL.

AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO CONFORTO TÉRMICO DE UMA CIDADE EM ÁREA DE TRANSIÇÃO CLIMÁTICA: ARAPIRACA, ALAGOAS, BRASIL. AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO CONFORTO TÉRMICO DE UMA CIDADE EM ÁREA DE TRANSIÇÃO CLIMÁTICA: ARAPIRACA, ALAGOAS, BRASIL. Juliete Baraúna dos Santos 1, Manoel da Rocha Toledo Filho 2, Roberto Fernando da Fonseca

Leia mais

Método de elaboração de mapas dos cenários climáticos futuros para o Brasil. Emília Hamada 1 Renata Ribeiro do Valle Gonçalves 2 Raquel Ghini 1

Método de elaboração de mapas dos cenários climáticos futuros para o Brasil. Emília Hamada 1 Renata Ribeiro do Valle Gonçalves 2 Raquel Ghini 1 Método de elaboração de mapas dos cenários climáticos futuros para o Brasil Emília Hamada 1 Renata Ribeiro do Valle Gonçalves 2 Raquel Ghini 1 1 Embrapa Meio Ambiente Caixa Postal 69-13820-000 - Jaguariúna

Leia mais

Comparação de Variáveis Meteorológicas Entre Duas Cidades Litorâneas

Comparação de Variáveis Meteorológicas Entre Duas Cidades Litorâneas Comparação de Variáveis Meteorológicas Entre Duas Cidades Litorâneas F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C. J. de Oliveira 5

Leia mais

Cobertura do solo e a variabilidade da temperatura e da umidade relativa do ar em Porto Velho (RO) entre

Cobertura do solo e a variabilidade da temperatura e da umidade relativa do ar em Porto Velho (RO) entre Cobertura do solo e a variabilidade da temperatura e da umidade relativa do ar em Porto Velho (RO) entre 1971-2005 Marcelo José Gama da Silva 1 Rafael Rodrigues da Franca 2 Julio Sancho Teixeira Militão

Leia mais

ANÁLISE DE HOMOGENEIDADE EM SÉRIES DE TEMPERATURA DO AR EM VIÇOSA - MG

ANÁLISE DE HOMOGENEIDADE EM SÉRIES DE TEMPERATURA DO AR EM VIÇOSA - MG ANÁLISE DE HOMOGENEIDADE EM SÉRIES DE TEMPERATURA DO AR EM VIÇOSA - MG ROZIANE S. DOS SANTOS, ROBSON A. DE OLIVEIRA 2, GILBERTO C. SEDIYAMA 3 Estatística, Profª Assistente, Departamento de Matemática e

Leia mais

EFEITOS LOCAIS E DE LARGA ESCALA NA DINÂMICA CLIMÁTICA DO MUNICÍPIO DE. Local and large scale effects on climate dynamics in Viçosa - Minas Gerais

EFEITOS LOCAIS E DE LARGA ESCALA NA DINÂMICA CLIMÁTICA DO MUNICÍPIO DE. Local and large scale effects on climate dynamics in Viçosa - Minas Gerais EFEITOS LOCAIS E DE LARGA ESCALA NA DINÂMICA CLIMÁTICA DO MUNICÍPIO DE Local and large scale effects on climate dynamics in Viçosa - Minas Gerais Jackson Martins Rodrigues Rafael de Ávila Rodrigues Flávio

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS PARA O CULTIVO DO MILHO, NA CIDADE DE PASSO FUNDO-RS.

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS PARA O CULTIVO DO MILHO, NA CIDADE DE PASSO FUNDO-RS. ANÁLISE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS PARA O CULTIVO DO MILHO, NA CIDADE DE PASSO FUNDO-RS. Claudia Guimarães CAMARGO Bolsista do grupo PET do curso de Meteorologia/ FacMet/UFPel e-mail: camargo@ufpel.tche.br

Leia mais

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002 INFLUÊNCIA DA LA NIÑA NAS TEMPERATURAS MÁXIMAS E MÍNIMAS MENSAIS PARA VIÇOSA-MG

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002 INFLUÊNCIA DA LA NIÑA NAS TEMPERATURAS MÁXIMAS E MÍNIMAS MENSAIS PARA VIÇOSA-MG INFLUÊNCIA DA LA NIÑA NAS TEMPERATURAS MÁXIMAS E MÍNIMAS MENSAIS PARA VIÇOSA-MG Rosandro Boligon Minuzzi Universidade Federal de Viçosa Dep. de Engenharia Agrícola Av. P.H. Rolfs, s/n Campus Universitário

Leia mais

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO DIARIA NA CIDADE DE SÃO PAULO

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO DIARIA NA CIDADE DE SÃO PAULO ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO DIARIA NA CIDADE DE SÃO PAULO Neide Oliveira INMET-7 Disme/SP neide.oliveira@inmet.gov.br Resumo Este trabalho analisou chuvas intensas ocorridas

Leia mais

EFEITOS DE FRENTES FRIAS NO COMPORTAMENTO CLIMÁTICO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES)

EFEITOS DE FRENTES FRIAS NO COMPORTAMENTO CLIMÁTICO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES) EFEITOS DE FRENTES FRIAS NO COMPORTAMENTO CLIMÁTICO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES) ANDERSON DA SILVA. SIMÕES 1, WESLEY SOUZA CAMPOS CORREA 2, EBERVAL MARCHIORO 3. 1 Graduando de Geografia, Universidade Federal

Leia mais

MODOS DE VARIABILIDADE NA PRECIPITAÇÃO PARA A REGIÃO SUL DO BRASIL NO CLIMA PRESENTE E FUTURO

MODOS DE VARIABILIDADE NA PRECIPITAÇÃO PARA A REGIÃO SUL DO BRASIL NO CLIMA PRESENTE E FUTURO MODOS DE VARIABILIDADE NA PRECIPITAÇÃO PARA A REGIÃO SUL DO BRASIL NO CLIMA PRESENTE E FUTURO Jossana Ceolin Cera¹, Simone Erotildes Teleginski Ferraz ², Gustavo Frasson Verardo ³, Rosmeri Porfirio da

Leia mais

[DataSet11] D:\Fmh\Doutoramento\Tese\Dados\Quantitativos\Questionário Prof essores.sav

[DataSet11] D:\Fmh\Doutoramento\Tese\Dados\Quantitativos\Questionário Prof essores.sav USE ALL. FILTER BY filter_$. EXECUTE. CLUSTER CondRelativa ImpRelativa IntegRelativa /METHOD SINGLE /MEASURE=SEUCLID /ID=Id.Prof /PRINT SCHEDULE /PRINT DISTANCE /PLOT DENDROGRAM. [DataSet] D:\Fmh\Doutoramento\Tese\Dados\Quantitativos\Questionário

Leia mais

Analysis of the Rainfall Interception Model used in SWAT

Analysis of the Rainfall Interception Model used in SWAT UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC CENTRO TECNOLÓGICO CTC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL - PPGEA Analysis of the Rainfall Interception Model used in SWAT João Henrique Macedo

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS DE MONITORAMENTO CLIMÁTICO MENSAL E TRIMESTRAL DAS CHUVAS NO BRASIL NA PÁGINA DO CPTEC/INPE

INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS DE MONITORAMENTO CLIMÁTICO MENSAL E TRIMESTRAL DAS CHUVAS NO BRASIL NA PÁGINA DO CPTEC/INPE Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos - CPTEC Rodovia Pres. Dutra, km 40, Cachoeira Paulista, SP, CEP: 12630-000 www.cptec.inpe.br INFORMAÇÕES

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAMPO DE TEMPERATURA DO AR SOBRE O OCEANO ATLÂNTICO ADJACENTE À COSTA SUDESTE DO BRASIL

DISTRIBUIÇÃO DO CAMPO DE TEMPERATURA DO AR SOBRE O OCEANO ATLÂNTICO ADJACENTE À COSTA SUDESTE DO BRASIL DISTRIBUIÇÃO DO CAMPO DE TEMPERATURA DO AR SOBRE O OCEANO ATLÂNTICO ADJACENTE À COSTA SUDESTE DO BRASIL Márcia Cristina dos Santos Abreu Aline Inocêncio Santana Tânia Ocimoto Oda Gustavo Vaz de Melo Instituto

Leia mais

VARIABILIDADE CLIMÁTICA INTERDECADAL DA PRECIPITAÇÃO NA AMÉRICA DO SUL EM SIMULAÇÕES DO PROJETO CMIP5

VARIABILIDADE CLIMÁTICA INTERDECADAL DA PRECIPITAÇÃO NA AMÉRICA DO SUL EM SIMULAÇÕES DO PROJETO CMIP5 VARIABILIDADE CLIMÁTICA INTERDECADAL DA PRECIPITAÇÃO NA AMÉRICA DO SUL EM SIMULAÇÕES DO PROJETO CMIP5 Paola F. A. COSTA, Alice M. GRIMM UFPR- Grupo de Meteorologia - Curitiba Paraná - grimm@fisica.ufpr.br

Leia mais

TENDÊNCIAS ANUAIS E SAZONAIS NOS EXTREMOS DE TEMPERATURA DO AR E PRECIPITAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PB

TENDÊNCIAS ANUAIS E SAZONAIS NOS EXTREMOS DE TEMPERATURA DO AR E PRECIPITAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PB Revista Brasileira de Meteorologia, v. 30, n. 4, 423-434, 2015 http://dx.doi.org/10.1590/0102-778620130088 TENDÊNCIAS ANUAIS E SAZONAIS NOS EXTREMOS DE TEMPERATURA DO AR E PRECIPITAÇÃO EM CAMPINA GRANDE

Leia mais

USO DE REDES NEURAIS PARA A PROJEÇÃO CLIMÁTICA NO BRASIL: TEMPERATURA MÍNIMA

USO DE REDES NEURAIS PARA A PROJEÇÃO CLIMÁTICA NO BRASIL: TEMPERATURA MÍNIMA USO DE REDES NEURAIS PARA A PROJEÇÃO CLIMÁTICA NO BRASIL: TEMPERATURA MÍNIMA Daniel Pereira Guimarães', Eduardo Delgado Assad", Elena Charlotte Landau', r---~ e Castro da Costa Thomaz Correa 'Pesquisador,

Leia mais

CÁLCULO DE UN ÍNDICE DE HUMIDADE RELATIVA DO AR, CONSIDERANDO A RESILIENCIA TÉRMICA HORÁRIA DA TEMPERATURA LST, OBTIDA POR IMAGENS DE SATÉLITE

CÁLCULO DE UN ÍNDICE DE HUMIDADE RELATIVA DO AR, CONSIDERANDO A RESILIENCIA TÉRMICA HORÁRIA DA TEMPERATURA LST, OBTIDA POR IMAGENS DE SATÉLITE CÁLCULO DE UN ÍNDICE DE HUMIDADE RELATIVA DO AR, CONSIDERANDO A RESILIENCIA TÉRMICA HORÁRIA DA TEMPERATURA LST, OBTIDA POR IMAGENS DE SATÉLITE CALCULATING A AIR RELATIVE HUMIDITY INDEX, CONSIDERING THE

Leia mais

Correção do fenômeno NODATA na transformação de 16 para 8 bits em imagens QuickBird.

Correção do fenômeno NODATA na transformação de 16 para 8 bits em imagens QuickBird. Correção do fenômeno NODATA na transformação de 16 para 8 bits em imagens QuickBird. Rodrigo Aparecido Domingues Melquiades 1 Camila Souza dos Anjos 1 Luciana Arantes dos Santos 1 1 Imagem Soluções de

Leia mais

ANÁLISE CLIMÁTICA DOS EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO EM PORTO ALEGRE-RS

ANÁLISE CLIMÁTICA DOS EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO EM PORTO ALEGRE-RS ANÁLISE CLIMÁTICA DOS EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO EM PORTO ALEGRE-RS Bruno M. FERNANDES¹, André B. NUNES² ¹Faculdade de Meteorologia UFPel, Bolsista do Programa de Educação Tutorial (PET/MEC/SESu),

Leia mais

O USO DAS IMAGENS DO SATÉLITE ASTER GDEM PARA ESTIMATIVA DA TEMPERATURA DO AR EM SUPERFÍCIE

O USO DAS IMAGENS DO SATÉLITE ASTER GDEM PARA ESTIMATIVA DA TEMPERATURA DO AR EM SUPERFÍCIE O USO DAS IMAGENS DO SATÉLITE ASTER GDEM PARA ESTIMATIVA DA TEMPERATURA DO AR EM SUPERFÍCIE Alexandre Silva dos Santos 1, Gilmar Bristot 2, José Ueliton Pinheiro 3 1 Meteorologista, Empresa de Pesquisa

Leia mais

Lesson 23: How. Lição 23: Como. Reading (Leituras) How are your parents? How are you? How was the interview? How is your work?

Lesson 23: How. Lição 23: Como. Reading (Leituras) How are your parents? How are you? How was the interview? How is your work? Lesson 23: How Lição 23: Como Reading (Leituras) How are you? (Como você está?) How are your parents? (Como estão seus pais?) How was the interview? (Como foi a entrevista?) How is your work? (Como está

Leia mais

O EFEITO DA AMPLITUDE DIÁRIA DA TEMPERATURA DO AR EXTERIOR E DO RESFRIAMENTO NOTURNO NA INÉRCIA TÉRMICA DE HABITAÇÃO

O EFEITO DA AMPLITUDE DIÁRIA DA TEMPERATURA DO AR EXTERIOR E DO RESFRIAMENTO NOTURNO NA INÉRCIA TÉRMICA DE HABITAÇÃO O EFEITO DA AMPLITUDE DIÁRIA DA TEMPERATURA DO AR EXTERIOR E DO RESFRIAMENTO NOTURNO NA INÉRCIA TÉRMICA DE HABITAÇÃO CASTRO, Guilherme Molnar (1); BRITO, Adriana Camargo de (2); AKUTSU, Maria (3); VITTORINO,

Leia mais

A VARIABILIDADE DOS ELEMENTOS METEOROLÓGICOS ASSOCIADOS AO FENÔMENO EL NIÑO NA CIDADE DE MACAPÁ-AP

A VARIABILIDADE DOS ELEMENTOS METEOROLÓGICOS ASSOCIADOS AO FENÔMENO EL NIÑO NA CIDADE DE MACAPÁ-AP A VARIABILIDADE DOS ELEMENTOS METEOROLÓGICOS ASSOCIADOS AO FENÔMENO EL NIÑO NA CIDADE DE MACAPÁ-AP Edmir dos Santos Jesus Tv. Mulato Florindo Qd300 Cs07 Vl dos Cabanos cep: 68447-000 Barcarena-PA edjesus@ufpa.br

Leia mais

UMA ANÁLISE ESTATÍSTICA DA UMIDADE RELATIVA EM PELOTAS, RIO GRANDE DO SUL

UMA ANÁLISE ESTATÍSTICA DA UMIDADE RELATIVA EM PELOTAS, RIO GRANDE DO SUL UMA ANÁLISE ESTATÍSTICA DA UMIDADE RELATIVA EM PELOTAS, RIO GRANDE DO SUL João Baptista da Silva Departamento de Matemática, Estatística e Computação - UFPel R. Prof. Paulo Marcant, 462, Três Vendas, Pelotas-RS,

Leia mais

INFLUÊNCIA DE EL NIÑO SOBRE A CHUVA NO NORDESTE BRASILEIRO. Alice M. Grimm (1); Simone E. T. Ferraz; Andrea de O. Cardoso

INFLUÊNCIA DE EL NIÑO SOBRE A CHUVA NO NORDESTE BRASILEIRO. Alice M. Grimm (1); Simone E. T. Ferraz; Andrea de O. Cardoso INFLUÊNCIA DE EL NIÑO SOBRE A CHUVA NO NORDESTE BRASILEIRO Alice M. Grimm (1); Simone E. T. Ferraz; Andrea de O. Cardoso (1) Grupo de Meteorologia - Universidade Federal do Paraná Depto de Física Caixa

Leia mais

Novidades da Plataforma de suporte remoto 3.0

Novidades da Plataforma de suporte remoto 3.0 Novidades Plataforma de suporte remoto do SAP Business One Versão do documento: 1.0 08.10.2012 PÚBLICO Novidades da Plataforma de suporte remoto 3.0 Todos os países Convenções tipográficas Estilo de letra

Leia mais

UNIDADE DE CONSERVAÇÃO E ZONA DE AMORTECIMENTO

UNIDADE DE CONSERVAÇÃO E ZONA DE AMORTECIMENTO ANEXO 5.2 - CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DO PNSB E DA ZONA DE AMORTECIMENTO A 5.2.1 REGIME PLUVIOMÉTRICO O regime pluviométrico das áreas do PNSB e de sua Zona de Amortecimento foi avaliado com base nos dados

Leia mais

MONITORAMENTO DA ZONA DE CONVERGÊNCIA INTERTROPICAL (ZCIT) ATRAVÉS DE DADOS DE TEMPERATURA DE BRILHO (TB) E RADIAÇÃO DE ONDA LONGA (ROL)

MONITORAMENTO DA ZONA DE CONVERGÊNCIA INTERTROPICAL (ZCIT) ATRAVÉS DE DADOS DE TEMPERATURA DE BRILHO (TB) E RADIAÇÃO DE ONDA LONGA (ROL) MONITORAMENTO DA ZONA DE CONVERGÊNCIA INTERTROPICAL (ZCIT) ATRAVÉS DE DADOS DE TEMPERATURA DE BRILHO (TB) E RADIAÇÃO DE ONDA LONGA (ROL) David Mendes, Cristopher A. C. Castro, Hélio Camargo Jr., Marcos

Leia mais

Produção de biocombustíveis líquidos por pirólise seguida de hidrogenação de óleos alimentares usados

Produção de biocombustíveis líquidos por pirólise seguida de hidrogenação de óleos alimentares usados UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA GEOGRÁFICA, GEOFÍSICA E ENERGIA Produção de biocombustíveis líquidos por pirólise seguida de hidrogenação de óleos alimentares usados

Leia mais

Mil-Spec Numbering System Defined

Mil-Spec Numbering System Defined Mil-Spec Numbering System Defined Non-Wirewound RJ s MIL-RF-22097 RJ24 F W 103 Temperature Coefficient Max. ±100 ppm/ c Contact Resistance Variation Max. 1 % Thermal Shock 1 % Humidity 1 % Shock 1 % Vibration

Leia mais

SÉRIES TEMPORAIS COM INTERVALOS-ALVO DIFERENTES EM TAREFAS DE TAPPING COM CRIANÇAS: O PARADIGMA DE STEVENS REVISITADO

SÉRIES TEMPORAIS COM INTERVALOS-ALVO DIFERENTES EM TAREFAS DE TAPPING COM CRIANÇAS: O PARADIGMA DE STEVENS REVISITADO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA SÉRIES TEMPORAIS COM INTERVALOS-ALVO DIFERENTES EM TAREFAS DE TAPPING COM CRIANÇAS: O PARADIGMA DE STEVENS REVISITADO Dissertação elaborada

Leia mais

ESTUDO DA ANÁLISE HARMÔNICA DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM REGIÕES HOMOGÊNEAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL.

ESTUDO DA ANÁLISE HARMÔNICA DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM REGIÕES HOMOGÊNEAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. ESTUDO DA ANÁLISE HARMÔNICA DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM REGIÕES HOMOGÊNEAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Naile Nunes Vaghetti, 1 4 Gilberto Barbosa Diniz², João Baptista da Silva 3 1 Universidade Federal

Leia mais

Luís Miguel Pereira Freitas. Mudança Conceptual no Tema Terra no Espaço com base na Interdisciplinaridade em Ciências Físicas e Naturais no 3º Ciclo

Luís Miguel Pereira Freitas. Mudança Conceptual no Tema Terra no Espaço com base na Interdisciplinaridade em Ciências Físicas e Naturais no 3º Ciclo Universidade do Minho Instituto de Educação e Psicologia Luís Miguel Pereira Freitas Mudança Conceptual no Tema Terra no Espaço com base na Interdisciplinaridade em Ciências Físicas e Naturais no 3º Ciclo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO VENTO EM MACAPÁ-AP NO PERÍODO DE 2003 A 2005 RESUMO

CARACTERIZAÇÃO DO VENTO EM MACAPÁ-AP NO PERÍODO DE 2003 A 2005 RESUMO CARACTERIZAÇÃO DO VENTO EM MACAPÁ-AP NO PERÍODO DE 2003 A 2005 Edmir dos Santos Jesus 1, Daniel Gonçalves das Neves 2 RESUMO O objetivo desse trabalho foi de analisar a distribuição da freqüência do vento

Leia mais

Variabilidade na velocidade do vento na região próxima a Alta da Bolívia e sua relação com a temperatura máxima e mínima no Sul do Brasil

Variabilidade na velocidade do vento na região próxima a Alta da Bolívia e sua relação com a temperatura máxima e mínima no Sul do Brasil Variabilidade na velocidade do vento na região próxima a Alta da Bolívia e sua relação com a temperatura máxima e mínima no Sul do Brasil Luiz Carlos Salgueiro Donato Bacelar¹; Júlio Renato Marques ² ¹Aluno

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CURSO DE DOUTORADO

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CURSO DE DOUTORADO 1 UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CURSO DE DOUTORADO PPGA ANTECEDENTES DA INTENÇÃO DE RECOMPRA DOS CONSUMIDORES NO CONTEXTO DE COMPRAS ON-LINE ALEX ECKERT Caxias

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS PREVISÃO DE TEMPO DO GRUPO DE MODELAGEM ATMOSFÉRICA DA UFSM: IMPLEMENTAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE Vivian Bauce, Everson Dal Piva, Vagner Anabor, Leandro Almeida, Pablo Oliveira, Otávio Acevedo, Osvaldo

Leia mais

Mapeamento de temperaturas absolutas usado regressão múltipla e dados orbitais

Mapeamento de temperaturas absolutas usado regressão múltipla e dados orbitais Mapeamento de temperaturas absolutas usado regressão múltipla e dados orbitais Pabrício Marcos Oliveira Lopes 1 Marcos Adami 1 Enio Bueno Pereira 1 Maurício Alves Moreira 1 1 Instituto Nacional de Pesquisas

Leia mais

AVALIAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO ADICIONADO DE FARINHA DE LINHAÇA

AVALIAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO ADICIONADO DE FARINHA DE LINHAÇA AVALIAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO ADICIONADO DE FARINHA DE LINHAÇA Leidiana Elias XAVIER 1 ; Yaroslávia Ferreira PAIVA 1 ; Moisés Sesion de Medeiros NETO 1 ; Anderson Florentino de LIMA 1 ;

Leia mais

1 Mestranda (CNPq) do Programa de Pós-graduação em Meteorologia/Universidade Federal de

1 Mestranda (CNPq) do Programa de Pós-graduação em Meteorologia/Universidade Federal de Análise dos Eventos Extremos de Chuva ocorridos em Maio de 06 em Salvador Fernanda Gonçalves Rocha 1, Maria Regina da Silva Aragão 2, Magaly de Fátima Correia 3, Heráclio Alves de Araújo 4 1 Mestranda

Leia mais

DISTRIBUIÇÕES DE EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO DIÁRIA, TEMPERATURA MÁXIMA E MÍNIMA E VELOCIDADE DO VENTO EM PIRACICABA, SP ( )

DISTRIBUIÇÕES DE EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO DIÁRIA, TEMPERATURA MÁXIMA E MÍNIMA E VELOCIDADE DO VENTO EM PIRACICABA, SP ( ) Revista Brasileira de Meteorologia, v.23, n.3, 341-346, 2008 DISTRIBUIÇÕES DE EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO DIÁRIA, TEMPERATURA MÁXIMA E MÍNIMA E VELOCIDADE DO VENTO EM PIRACICABA, SP (1917-2006) CLÓVIS ANGELI

Leia mais

Comparação de dados meteorológicos obtidos em estações convencional e automática no Distrito de Irrigação do Platô de Neópolis

Comparação de dados meteorológicos obtidos em estações convencional e automática no Distrito de Irrigação do Platô de Neópolis Comparação de dados meteorológicos obtidos em estações convencional e automática no Distrito de Irrigação do Platô de Neópolis SOUSA, I.F. 1 ; NOGUEIRA, L.C. 2 ; BASTOS, D.B 3 ; MÉLO, D.L.F.M. 4 ; BARRETO,

Leia mais

Comparação de dados meteorológicos obtidos através das estações meteorológicas convencional e automática em Mossoró - RN

Comparação de dados meteorológicos obtidos através das estações meteorológicas convencional e automática em Mossoró - RN Comparação de dados meteorológicos obtidos através das estações meteorológicas convencional e automática em Mossoró - RN Ramon Yogo M. Vieira 1, Alexsandra D. de Oliveira 2 José Espínola Sobrinho 2, Vágna

Leia mais

SEMIDESERTIFICAÇÃO NO NORDESTE DO BRASIL. (1) Professor DCA/CCT/UFPB,

SEMIDESERTIFICAÇÃO NO NORDESTE DO BRASIL. (1) Professor DCA/CCT/UFPB, SEMIDESERTIFICAÇÃO NO NORDESTE DO BRASIL Vicente de Paulo Rodrigues da Silva (1); Renilson Targino Dantas; Adelmo Antonio Correia; Micheline de Sousa Coelho; Maria Joseane Felipe Guedes (1) Professor DCA/CCT/UFPB,

Leia mais

TRANSMISSIVIDADE E ATENUAÇÃO ATMOSFÉRICA: UM ESTUDO COMPARATIVO

TRANSMISSIVIDADE E ATENUAÇÃO ATMOSFÉRICA: UM ESTUDO COMPARATIVO TRANSMISSIVIDADE E ATENUAÇÃO ATMOSFÉRICA: UM ESTUDO COMPARATIVO Hudson Ellen Alencar Menezes 1, Renan de Oliveira Alves 2, Lindenberg Lucena da Silva 3, Morgana Lígia de Farias Freire 4 RESUMO Utilizando

Leia mais

VARIABILIDADE CLIMÁTICA DA TEMPERATURA DO AR NA REGIÃO DE NATAL/RN

VARIABILIDADE CLIMÁTICA DA TEMPERATURA DO AR NA REGIÃO DE NATAL/RN VARIABILIDADE CLIMÁTICA DA TEMPERATURA DO AR NA REGIÃO DE NATAL/RN Cati Elisa de Avila Valadão Meteorologista, Aluna de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Ciências Climáticas, Universidade Federal

Leia mais

Vanda Pires. Divisão de Clima e Alterações Climáticas Agradecimentos: Fátima E. Santo e Álvaro Silva

Vanda Pires. Divisão de Clima e Alterações Climáticas Agradecimentos: Fátima E. Santo e Álvaro Silva Aplicações Estatísticas em Climatologia Statistical Applications in Climatology Vanda Pires Agradecimentos: Fátima E. Santo e Álvaro Silva Divisão de Clima e Alterações Climáticas vanda.cabrinha@ipma.pt

Leia mais

Felipe Beltrán Rodríguez 1, Eng., Master Student Prof. Erlon Cristian Finardi 1, D. Eng., Advisor Welington de Oliveira 2, D.Sc.

Felipe Beltrán Rodríguez 1, Eng., Master Student Prof. Erlon Cristian Finardi 1, D. Eng., Advisor Welington de Oliveira 2, D.Sc. Felipe Beltrán Rodríguez 1, Eng., Master Student Prof. Erlon Cristian Finardi 1, D. Eng., Advisor Welington de Oliveira 2, D.Sc., Co-Advisor 1-UFSC 2-IMPA (Dec. 2013) N NE 90 Demand of Electricity (GW)

Leia mais

Revista Brasileira de Geografia Física

Revista Brasileira de Geografia Física ISSN:1984-2295 Revista Brasileira de Geografia Física v.6, n.5 (2013) 1100-1114 Revista Brasileira de Geografia Física Homepage: www.ufpe.br/rbgfe Oscilações decadal e sazonal das temperaturas do ar no

Leia mais

PREVISÃO DE TEMPERATURAS MÁXIMAS PARA PELOTAS

PREVISÃO DE TEMPERATURAS MÁXIMAS PARA PELOTAS PREVISÃO DE TEMPERATURAS MÁXIMAS PARA PELOTAS Natalia Fedorova; Maria Helena de Carvalho; André M. Gonçalves; Eliane P. Alves; Elizabeth Signorini; Gilsane M. C. Pinheiro; Júlio R. Q. Marques; Vladair

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE EVENTOS EXTREMOS SECOS SOBRE O SUDESTE DO BRASIL E A TSM DO ATLÂNTICO SUL

RELAÇÃO ENTRE EVENTOS EXTREMOS SECOS SOBRE O SUDESTE DO BRASIL E A TSM DO ATLÂNTICO SUL RELAÇÃO ENTRE EVENTOS EXTREMOS SECOS SOBRE O SUDESTE DO BRASIL E A TSM DO ATLÂNTICO SUL Luana Albertani Pampuch, Tércio Ambrizzi Departamento de Ciências Atmosféricas, Instituto de Astronomia, Geofísica

Leia mais

ABSTRACT INTRODUÇÃO METODOLOGIA

ABSTRACT INTRODUÇÃO METODOLOGIA ESTIMATIVA DE EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL DE REFERÊNCIA COM DADOS DAS NORMAIS CLIMATOLÓGICAS, PARA 10 ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FELIPE LEONARDO BARBOSA PALMEIRA ALUNO DEPTO METEOROLOGIA/UFRJ

Leia mais

ESTUDO DA VARIABILIDADE CLIMÁTICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, ATRAVÉS DAS REPETIÇÕES DE ANOMALIAS DE TEMPERATURAS MÍNIMAS DIÁRIAS

ESTUDO DA VARIABILIDADE CLIMÁTICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, ATRAVÉS DAS REPETIÇÕES DE ANOMALIAS DE TEMPERATURAS MÍNIMAS DIÁRIAS ESTUDO DA VARIABILIDADE CLIMÁTICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, ATRAVÉS DAS REPETIÇÕES DE ANOMALIAS DE TEMPERATURAS MÍNIMAS DIÁRIAS André Moura Gonçalves Centro de Pesquisas Meteorológicas - UFPel Av.

Leia mais

Temperatura do nordeste brasileiro via análise de lacunaridade

Temperatura do nordeste brasileiro via análise de lacunaridade Temperatura do nordeste brasileiro via análise de lacunaridade 1 Introdução Leandro Ricardo Rodrigues de Lucena 1 Tatijana Stosic¹ A região Nordeste é caracterizada pela seca, provocada por diversos fatores,

Leia mais

Service quality in restaurants: an experimental analysis performed in Brazil

Service quality in restaurants: an experimental analysis performed in Brazil . XIII INTERNATIONAL CONFERENCE ON INDUSTRIAL ENGINEERING AND OPERATIONS MANAGEMENT Energy that moves production: a dialogue among integration, project and sustainability 09-11 October 2007 Service quality

Leia mais

SHOW. [DataSet1] C:\Documents and Settings\Tito\Ambiente de trabalho\almas\dadostodoscomresiduos.sav

SHOW. [DataSet1] C:\Documents and Settings\Tito\Ambiente de trabalho\almas\dadostodoscomresiduos.sav GET FILE=' '. DATASET NAME Set1 WINDOW=FRONT. PRESERVE. SET RNG=MT MTINDEX=2000000. SHOW RNG. SHOW Output Created 21-DEC-2013 23:23:56 Active set Set1 SHOW RNG. Processor Time 00:00:00,00 Elapsed Time

Leia mais

COMPORTAMENTO TEMPORAL DE SÉRIES CLIMÁTICAS. PARTE I: CLIMATOLOGIA DE BELO HORIZONTE MG (BRASIL).

COMPORTAMENTO TEMPORAL DE SÉRIES CLIMÁTICAS. PARTE I: CLIMATOLOGIA DE BELO HORIZONTE MG (BRASIL). COMPORTAMENTO TEMPORAL DE SÉRIES CLIMÁTICAS. PARTE I: CLIMATOLOGIA DE BELO HORIZONTE MG (BRASIL). M. L. de Abreu (1); A. A. M., Moreira; P. S. Lucio; E. M. M. de Toscano (1) Departamento de Geografia IGC

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE DE VEGETAÇÃO ATRAVÉS DE IMAGENS METEOSAT-8

DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE DE VEGETAÇÃO ATRAVÉS DE IMAGENS METEOSAT-8 DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE DE VEGETAÇÃO ATRAVÉS DE IMAGENS METEOSAT-8 BARBOSA, H. A. 1 ; ACCIOLY FILHO, J. B. P. 2 ; MELCÍADES, W. L. B. 3 ; MELLO, N. G. S. 4 ; SOUZA, J. M. DE 5 RESUMO: Neste trabalho, o

Leia mais

Guia das Ondas em Cordas Trabalho laboratorial sobre Ondas estacionárias em fios.

Guia das Ondas em Cordas Trabalho laboratorial sobre Ondas estacionárias em fios. Mecânica e Ondas Guia das Ondas em Trabalho laboratorial sobre Ondas estacionárias em fios. Introdução, Objectivos e Equipamento Pretende-se com este trabalho laboratorial levar os estudantes ao contacto

Leia mais

ESTUDO DA TEMPERATURA DO AR NA ANTÁRTICA ATRAVÉS DE DADOS DE REANÁLISE E DE ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS

ESTUDO DA TEMPERATURA DO AR NA ANTÁRTICA ATRAVÉS DE DADOS DE REANÁLISE E DE ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS ESTUDO DA TEMPERATURA DO AR NA ANTÁRTICA ATRAVÉS DE DADOS DE REANÁLISE E DE ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS Bianca Souza¹, Marco Munhoz¹, André Padilha¹ e Rodrigo Farias¹ e-mail: bianca.ifsc@gmail.com, marcoarm@live.de,

Leia mais

ANÁLISE DA VARIABILIDADE TEMPORAL DA PRECIPITAÇÃO NO SERTÃO SERGIPANO: UMA AVALIAÇÃO DAS PERDAS NAS SAFRAS DE

ANÁLISE DA VARIABILIDADE TEMPORAL DA PRECIPITAÇÃO NO SERTÃO SERGIPANO: UMA AVALIAÇÃO DAS PERDAS NAS SAFRAS DE ANÁLISE DA VARIABILIDADE TEMPORAL DA PRECIPITAÇÃO NO SERTÃO SERGIPANO: UMA AVALIAÇÃO DAS PERDAS NAS SAFRAS DE 2002-2007 EDMUNDO WALLACE MONTEIRO LUCAS 1, FABRICIO DANIEL DOS SANTOS 1 SILVA 1, ANDREA MALHEIROS

Leia mais

PROJEÇÕES DE EXTREMOS CLIMÁTICOS NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE SÃO PAULO E RIO DE JANEIRO PARA O FINAL DO SÉCULO XXI

PROJEÇÕES DE EXTREMOS CLIMÁTICOS NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE SÃO PAULO E RIO DE JANEIRO PARA O FINAL DO SÉCULO XXI PROJEÇÕES DE EXTREMOS CLIMÁTICOS NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE SÃO PAULO E RIO DE JANEIRO PARA O FINAL DO SÉCULO XXI Roger Rodrigues Torres 1, Jose Antônio Marengo 2, Maria Cleofe Valverde 2 1 Centro de

Leia mais

Avaliação do Índice Apoptótico em Adenomas Pleomórficos de Glândulas Salivares

Avaliação do Índice Apoptótico em Adenomas Pleomórficos de Glândulas Salivares PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Faculdade de Odontologia Avaliação do Índice Apoptótico em Adenomas Pleomórficos de Glândulas Salivares Paulo César de Lacerda Dantas Belo Horizonte- MG

Leia mais

PREVISÃO DAS TEMPERATURAS MÍNIMAS PARA O CENTRO-SUL DO BRASIL UTILIZANDO A PREVISÃO DE TEMPO POR ENSEMBLE DO CPTEC

PREVISÃO DAS TEMPERATURAS MÍNIMAS PARA O CENTRO-SUL DO BRASIL UTILIZANDO A PREVISÃO DE TEMPO POR ENSEMBLE DO CPTEC PREVISÃO DAS TEMPERATURAS MÍNIMAS PARA O CENTRO-SUL DO BRASIL UTILIZANDO A PREVISÃO DE TEMPO POR ENSEMBLE DO CPTEC Maria Cristina Lemos da Silva 1, Antônio Marcos Mendonça 2, José Paulo Bonatti 3 e Maria

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS PÓS-GRADUAÇÃO EM METEOROLOGIA DISSERTAÇÃO ÍNDICES DE MONITORAMENTO E DETECÇÃO

Leia mais

CLIMA DE PORTUGAL CONTINENTAL - TENDÊNCIAS

CLIMA DE PORTUGAL CONTINENTAL - TENDÊNCIAS CLIMA DE PORTUGAL CONTINENTAL - TENDÊNCIAS Vanda Pires (1), Jorge Marques (2), Luís Filipe Nunes (3), Tânia Cota (4), Luísa Mendes (5) Instituto de Meteorologia, Rua C do Aeroporto, 1749-077 Lisboa, Portugal,

Leia mais

Balanço Hídrico Seriado de Petrolina, Pernambuco

Balanço Hídrico Seriado de Petrolina, Pernambuco Balanço Hídrico Seriado de Petrolina, Pernambuco Antônio Heriberto de Castro Teixeira, Bernardo Barbosa da Silva (Professo) Pesquisador, Embrapa Semi-Árido, CP 23 CEP 56300-000 Petrolina-PE, Brazil Fone:

Leia mais

PERFIL TRIMESTRAL, MENSAL E HORÁRIO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO AS MARGENS DA BAIA DE CAXIUANÃ, MELGAÇO, PA: ESTUDO DE CASO.

PERFIL TRIMESTRAL, MENSAL E HORÁRIO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO AS MARGENS DA BAIA DE CAXIUANÃ, MELGAÇO, PA: ESTUDO DE CASO. PERFIL TRIMESTRAL, MENSAL E HORÁRIO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO AS MARGENS DA BAIA DE CAXIUANÃ, MELGAÇO, PA: ESTUDO DE CASO. GUILHERME FRANCISCO CAMARINHA NETO¹, ANTONIO CARLOS LÔLA DA COSTA², ALEX

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA DO REGIME PLUVIOMÉTRICO E DE SUA TENDÊNCIA PARA OS MUNICÍPIOS DE PORTO DE PEDRAS, PALMEIRA DOS ÍNDIOS E ÁGUA BRANCA

ANÁLISE ESTATÍSTICA DO REGIME PLUVIOMÉTRICO E DE SUA TENDÊNCIA PARA OS MUNICÍPIOS DE PORTO DE PEDRAS, PALMEIRA DOS ÍNDIOS E ÁGUA BRANCA ANÁLISE ESTATÍSTICA DO REGIME PLUVIOMÉTRICO E DE SUA TENDÊNCIA PARA OS MUNICÍPIOS DE PORTO DE PEDRAS, PALMEIRA DOS ÍNDIOS E ÁGUA BRANCA Alaerte da Silva Germano 1, Rosiberto Salustino da Silva Júnior,

Leia mais

Harvest Year Municipality-State Cultivar Region Elevation. SCLmax (g ha -1 ) Montividiu-GO

Harvest Year Municipality-State Cultivar Region Elevation. SCLmax (g ha -1 ) Montividiu-GO Table 1S Field-specific information for 35 uniform fungicide trials conducted in Brazil during four seasons (2009 to 2012 harvest years) and summaries of the mean white mold incidence (INCchk) in non-treated

Leia mais

O DESAFIO DOS SENSORES REMOTOS NO INVENTÁRIO DE BIOMASSA SÓLIDA. José Rafael M. Silva; Adélia Sousa; e Paulo Mesquita

O DESAFIO DOS SENSORES REMOTOS NO INVENTÁRIO DE BIOMASSA SÓLIDA. José Rafael M. Silva; Adélia Sousa; e Paulo Mesquita O DESAFIO DOS SENSORES REMOTOS NO INVENTÁRIO DE BIOMASSA SÓLIDA José Rafael M. Silva; Adélia Sousa; e Paulo Mesquita 1 A Detecção Remota e uma técnica que nos permite obter informação sobre um objecto

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS: CENÁRIO FUTURO PARA NATAL-RN ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS: CENÁRIO FUTURO PARA NATAL-RN ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO MUDANÇAS CLIMÁTICAS: CENÁRIO FUTURO PARA NATAL-RN ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO Nivaldo Patrício da Costa Junior ¹², Adalfran Herbert de Melo Silveira ¹, Fernando Moreira da Silva ³ ¹ Graduando

Leia mais

SAZONALIDADE DO CONFORTO TÉRMICO NA ILHA DO MARAJÓ PA

SAZONALIDADE DO CONFORTO TÉRMICO NA ILHA DO MARAJÓ PA SAZONALIDADE DO CONFORTO TÉRMICO NA ILHA DO MARAJÓ PA Priscilla Nascimento Barreto¹; Antonio Carlos Lôla da Costa¹;Selma Maria Castro de Menezes¹;Hildo Jiuseppe Garcia Caldas Nunes¹;Heloisa Márcia dos

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS DADOS HISTÓRICOS para os RESULTADOS do IPCC 2007: O caso do Brasil

IMPORTÂNCIA DOS DADOS HISTÓRICOS para os RESULTADOS do IPCC 2007: O caso do Brasil IMPORTÂNCIA DOS DADOS HISTÓRICOS para os RESULTADOS do IPCC 2007: O caso do Brasil 1. Disponibilidade de dados (brutos e digitais) 2. Modernização da rede de superfície 3. Política nacional de dados: Papel

Leia mais

Temperaturas Mínimas no Rio Grande do Sul. Parte II: Previsibilidade Através de um Modelo Numérico de Mesoescala

Temperaturas Mínimas no Rio Grande do Sul. Parte II: Previsibilidade Através de um Modelo Numérico de Mesoescala Temperaturas Mínimas no Rio Grande do Sul. Parte II: Previsibilidade Através de um Modelo Numérico de Mesoescala Bruno Vidaletti Brum, Adriano Battisti, Otávio Costa Acevedo, Vagner Anabor, Marco Aurélio

Leia mais

PRIMARY HEALTHCARE EVALUATION

PRIMARY HEALTHCARE EVALUATION Universidade Federal da Bahia Instituto de Saúde Coletiva Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva PRIMARY HEALTHCARE EVALUATION Rosana Aquino Salvador, Bahia Julho de 2011 Memórias da Saúde da Família

Leia mais