INFLUÊNCIA DA ESCOLARIDADE NO DESEMPENHO COGNITIVO DE IDOSOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFLUÊNCIA DA ESCOLARIDADE NO DESEMPENHO COGNITIVO DE IDOSOS"

Transcrição

1 INFLUÊNCIA DA ESCOLARIDADE NO DESEMPENHO COGNITIVO DE IDOSOS Edivan Gonçalves da Silva Júnior 1 Rafael Pereira Nunes 2 Kalina de Lima Santos 3 Almira Lins de Medeiros 4 Maria do Carmo Eulálio 5 1, 2, 3, 4, 5. Universidade Estadual da Paraíba RESUMO: A baixa escolaridade dos idosos brasileiros é uma característica marcante do país, condição preocupante uma vez que a instrução escolar exerce influências sobre o seu desempenho cognitivo. Destarte, o trabalho objetiva avaliar a relação da educação com o desempenho cognitivo de idosos. Trata-se de uma pesquisa transversal, com abordagem quantitativa. Participaram 80 idosos, com idades a partir de 65 anos, residentes em Campina Grande-PB. Os instrumentos de coleta foram: questionário sociodemográfico; Mine-Exame do Estado Mental (MEEM); Escala de Avaliação de Demência (DRS). Realizaram-se análises descritivas e inferenciais a partir do software Statistical Package for the Social Sciences (SPSS). Os participantes apresentaram idade média de 77,50 anos (DP=5,46), distribuídos em 21 (36,3%) homens e 59 (73,8%) mulheres. Observou-se predominância de idosos com baixa escolaridade: 28,8% analfabetos e 40% as séries iniciais do ensino fundamental. Os resultados encontrados na aplicação do DRS apontaram uma relação do nível de escolaridade dos idosos com o seu desempenho nas diferentes subescalas de avaliação das funções cognitivas. As pontuações em todas as subescalas foram maiores para os idosos com escolaridade mais elevada. Ressalta-se a importância da inclusão do idoso em atividades educativas que estimulem o seu funcionamento cognitivo, refletindo em ganhos na participação social e promoção da saúde e qualidade de vida. Palavras-chave: Idosos Brasileiros. Educação. Desempenho Cognitivo. THE INFLUENCE OF SCHOOLING ON COGNITIVE PERFORMANCE IN THE ELDERLY

2 ABSTRACT: The low educational level of the elderly in Brazil is a striking feature of the country, a concerned condition since schooling exercises influence on their cognitive performance. Therefore, the study evaluates the relationship between education and cognitive performance of the elderly. This is a transversal study, with a quantitative approach. The study was attended by 80 seniors, aged from 65 years, residents in Campina Grande-PB. The data collection instruments were: a sociodemographic questionnaire; Mine-Mental State Examination (MMSE); Dementia Rating Scale (DRS). It was utilized the descrip tive and inferential analyzes from the software Statistical Package for Social Sciences (SPSS). Participants had a mean age of years (SD = 5.46), distributed in 21 (36.3%) men and 59 (73.8%) women. It was observed a predominance of elderly with low education: 28.8% illiterate and 40% of the early grades of elementary school. The results in the application of DRS showed a ratio of the level of schooling of the elderly with their performance in the different subscales assessing cognitive function. The scores on all subscales were higher for elderly with higher education. It is significant to emphasize the importance of inclusion of the elderly in educational activities which stimulate their cognitive functioning, reflecting gains in social participation and health promotion and quality of life. Keywords: Elderly Brazilians. Education. Cognitive Performance. Introdução Considera-se que o processo de envelhecimento traz consigo uma série de mudanças, entre elas: aumento de perdas afetivas, diminuição da participação social, agravamento de doenças crônicas e declínio das funções físicas e cognitivas (FORTES- BURGOS, NERI, CUPERTINO, 08). Abreu e Tamai (06) apontam que a função cognitiva envolve um conjunto de funções corticais que podem ser divididas em subfunções específicas. De acordo com Stella (04), as funções cognitivas compreendem um sistema de atividades mentais integradas e interdependentes. Entre elas encontram-se: memória, pensamento lógico, capacidade de aprendizagem, atenção, linguagem, gnosias, praxias, funções executivas. Segundo Neri (06), o processo de envelhecimento cognitivo é complexo e compreende grande variabilidade intra e interindividual de fatores. Argimon e Stein

3 (05) apontam alguns destes fatores, são eles: fatores genéticos, estilo de vida, nível de instrução e características de vida dos idosos. A escolaridade constitui uma importante variável a ser considerada na avaliação cognitiva de idosos. De acordo com Yassuda e Abreu (06), o grau de escolaridade pode afetar o padrão de desempenho normal em testes cognitivos. Rocha, Klei e Paschoalotti (14) ressaltam que o baixo nível de escolaridade pode estar associado com o declínio das funções cognitivas de forma mais acelerada na velhice. O déficit cognitivo em idosos caracteriza-se pela lentidão leve, generalizada e perda de precisão quando comparados a pessoas mais jovens e pode ser medido através de instrumentos de rastreio cognitivo, a exemplo do Mini-Exame do Estado Mental MEEM (GORMAN; CAMBELL, 1995; FOLSTEIN, FOLSTEIN, MCHUGH, 1975). O presente trabalho tem como objetivo avaliar a relação da educação com o desempenho cognitivo de idosos. Serão tratados nesse trabalho resultados importantes de uma população de idosos que tem como característica destacada a predominância de baixos níveis escolares. Metodologia Trata-se de um estudo transversal com abordagem quantitativa. Participaram 80 idosos de ambos os sexos, com idades a partir de 65 anos, residentes no município de Campina Grande-PB. Os idosos foram visitados em seus domicílios, e após terem assinado o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido foi feita a aplicação dos instrumentos de coleta de dados. Na caracterização inicial da amostra estudada foi utilizado um questionário sociodemográfico avaliando questões referentes ao sexo, idade, escolaridade, aposentadoria e renda mensal. Estas foram questões que foram autorrelatadas pelos participantes quando questionados.

4 Para avaliação do desempenho cognitivo dos idosos foi utilizado o Mini- Exame do Estado Mental (FOLS TEIN, FOLSTEIN, MCHUGH, 1975), instrumento validado para a população brasileira (BRUCKI, et al., 03), bastante utilizado no rastreio cognitivo de idosos. O instrumento é composto por 30 itens e avalia sete categorias de funções cognitivas. (FOLSTEIN, FOL STEIN, MCHUGH, 1975). Foram incluídos na pesquisa apenas os idosos que pontuaram acima dos pontos de corte preestabelecidos. Outro instrumento utilizado para avaliação do desempenho cognitivo dos participantes foi a Escala de Avaliação de Demência (DRS, do inglês Dementia Rating Scale). A escala proposta por Mattis é constituída por 36 atividades, dividas em 5 subescalas diferentes, avaliando: Atenção, Início/perseveração, Construção, Conceituação e Memória (MATTIS, 1998). No que diz respeito à realização das análises, os dados foram tabulados no pacote estatístico SPSS (Statistical Package for the Social Sciences), versão 18.0, onde foram realizadas estatísticas descritivas e análises inferenciais. Análise dos resultados Este estudo contou com 80 participantes com idade variando de 70 a 97 anos (M= 77,50; DP= 5,46), ocorrendo um predomínio do sexo feminino (73,5%; n = 59). Quanto à escolaridade, 28,8% (n = 23) afirmaram nunca terem frequentado a escola, declarando-se analfabetos; 40% (n = 32) alegaram ter cursado até o ensino fundamental I (2º ao 5º ano);,8% (n = 11) afirmaram ter cursado entre as séries do ensino fundamental II (6º ao 9º ano) e apenas 10% (n=8) cursaram o ensino médio (1º ao 3º ano). A renda mensal pessoal mais recorrente dos idosos esteve situada entre um salário mínimo (56,3%; n = 45) e 75% (n = 60) dos idosos declararam ser aposentados.

5 No que diz respeito à escolaridade, os resultados apontaram um elevado número de idosos com baixos níveis de escolaridade, concentrando-se predominantemente entre as séries iniciais de estudo e significativamente entre o número de analfabetos. Os resultados vão de acordo com os dados levantados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 10), o qual apresenta a elevada incidência de baixos níveis de instrução dos idosos brasileiros. Os resultados evidenciam que um percentual de 30,7% de idosos possui menos de um ano de instrução. Em um estudo multicêntrico intitulado Perfil de Fragilidade em Idosos Brasileiros (Estudo FIBRA), participaram idosos da cidade de Campina Grande. Entre as sete localidades que fizeram parte do polo Unicamp, Campina Grande foi, juntamente com Parnaíba, o reduto que apresentou maior frequência de idosos que se declararam analfabetos e sem escolaridade formal. Nesse estudo, 24,8% de um total de 3478 (três mil quatrocentos e setenta e oito) idosos pontuaram abaixo da nota de corte no MEEM. Campina Grande foi o município com o maior percentual de idosos que pontuaram para déficit cognitivo, com uma porcentagem igual a 38,1% de idosos com indícios de déficit cognitivo. Os dados apontam, portanto, indícios de uma relação entre ausência de escolaridade formal e déficit cognitivo (NERI et al., ). Observou-se neste estudo, apesar da baixa escolaridade, a predominância de idosos que relataram a experiência escolar. Os idosos foram interrogados quanto a sua capacidade de ler e escrever um bilhete simples, de modo que 70% (n = 56) dos participantes responderam afirmativamente a tal questão, confirmando a sua passagem pelas séries iniciais do antigo primário, atual ensino fundamental. Gamburgo e Monteiro (07) referem que as perdas cognitivas não advêm somente dos processos puramente biológicos, marcados pelas degradações progressivas do envelhecimento. Essas alterações, segundo os autores, guardam uma dependência também com as possibilidades de convívio social, e com as oportunidades que o idoso

6 teve ao longo de sua vida. A alfabetização, neste caso, desempenha um papel fundamental auxiliando os indivíduos a serem menos dependentes de terceiros para realizarem atividades básicas como: fazer leitura, redigir documentos, se locomover através de transportes, se localizar, ter acesso aos meios de comunicação e até mesmo aos cuidados prestados com a própria saúde (IBGE, 08). É preciso considerar que alguns estudos (COELHO et al., 12; LOURENÇO; VERAS, 06) têm demonstrado a inconsistência entre as possíveis conclusões que podem resultar da avaliação cognitiva em se considerando o número de anos de estudo de um indivíduo. Os estudiosos explicam que esta variável funciona tanto como um fator de proteção neuronal para o idoso, quanto como um elemento de confusão diagnóstica, uma vez que em muitos casos, os instrumentos que são utilizados na avaliação cognitiva sofrem a influência da escolaridade (COELHO et al., 12; LOURENÇO; VERAS, 06). No que diz respeito à avaliação cognitiva realizada através da Escala de Avaliação de Demência (DRS), foram seguidas as indicações quanto à avaliação de acordo com a escolaridade dos participantes. Os grupos foram, então, divididos quanto ao número de anos de escolaridade, quais sejam: 1 (0 anos); 2 (1 a 4); 3 (5 a 8); 4 (9 ou mais). Os resultados encontrados a partir de sua utilização podem ser visualizados conforme apresentados na tabela abaixo: Tabela 1: Estatísticas descritivas da DRS total e subescalas, de acordo com a escolaridade. Escolaridade Atenção Iniciativa e Perseveração Construção Conceituação Memória Total 0 anos Média Mediana D.P. N 26,15,00 5,102 28,90 29,50 4,424 3,80 4,50 2,353 24, 25,50 4,008 12,70 12,00 4,964 95,25 96,00 12,603 1 a 4 anos Média Mediana D.P. N 31,74 33,00 4,082 31,07 31,00 4,714 4,93 6,00 1,685 25,78 26,00 6,369 17,89 21,00 7,089 1,67 118,00,065

7 5 a 8 anos Média Mediana D.P. N 30,35 32,50 7,329 31,85 33,00 4,660 5,55 6,00 1,395 26,95 28,50 7,837 19,35,00 4, ,25 116,50 14,045 9 anos ou mais Média Mediana D.P. N 33,23 35,00 3,295 32,62 32,00 3,097 6,00 6,00,000 Fonte: Dados da pesquisa, Qualidade de Vida e Memória na Velhice, ,46 33,00 5,911 21,46 22,00 2, ,77 122,00 8,368 Os resultados apresentados na tabela 1 demonstram a influência do nível escolar dos participantes no valor das médias distribuídas em cada uma das subescalas da DRS. Percebe-se que na medida em que a quantidade de anos de escolaridade aumenta, aumentam também as médias em todas as subescalas. Em estudo realizado por Foss et al. (05 ), buscou-se estimar a influência da baixa escolaridade e do analfabetismo na avaliação das demências através da escala de Mattis de Avaliação de Demência (mesmo instrumento utilizado no presente estudo). Os autores verificaram a influência da baixa escolaridade e do analfabetismo na avaliação das demências em idosos, de forma a observar que o grupo de analfabetos apresentou diferenças significativas em relação aos demais grupos, diferenças essas que posicionaram a atuação deste grupo como inferior aos grupos de maior escolaridade. Estes resultados corroboram os dados encontrados na presente pesquisa, reafirmando a influência da escolaridade na pontuação da escala. Encontram-se na literatura referências que assinalam uma menor probabilidade de desenvolvimento de quadros demenciais, a exemplo do Alzheimer, em idosos com níveis maiores de escolaridade, diferentemente dos idosos com baixo nível escolar, que ao contrário, apresentavam maior predisposição a desenvolver demência (VALLE et al., 09; JÓIA; RUIZ; DONALÍSIO, 08). Em cada uma das subescalas avaliadas, pode-se observar a influência da escolaridade na determinação do desempenho dos participantes. A resolução destas

8 escalas reflete os modos de o idoso lidar com situações que exigem esforço cognitivo, precisando dispor de um repertório de ações (habilidades psicomotoras, repertório semântico diversificado, estimulação da memória através do exercício da leitura, entre outras habilidades) onde a escolaridade pode incidir de forma fundamental para sua resolução. Conclusão Mediante o processo de envelhecimento da população, a avaliação das condições de escolaridade dos idosos se faz necessária, uma vez que os efeitos desta variável oferecem grande influência na avaliação do estado cognitivo. Em se tratando de educação, ressaltamos, ainda, a necessidade de se considerar as diferenças socioculturais que se estabelecem entre os grupos com diferentes níveis escolares. A predominância de baixos níveis escolares na amostra estudada constitui um ponto de questionamento sobre as condições de acesso à educação, enfrentadas pelo grupo de idosos. Apesar da existência de estratégias de educação para a população idosa, estas parecem não alcançar um número significativo de participantes, visto pelos resultados de pesquisas realizadas anteriormente com idosos do mesmo município que apontam para o predomínio do analfabetismo. No que diz respeito aos resultados da cognição provenientes da Escala para Avaliação de Demência de Mattis (DRS), verificou-se que quanto maior a escolaridade melhor a capacidade cognitiva dos idosos, nas diferentes funções cognitivas avaliadas. Estes dados estabelecem pontos relevantes em se tratando da atenção que deve ser dada ao grupo de idosos, na inclusão destes em atividades educativas que possam dar conta de sua formação, da apropriação da leitura e escrita, atividades estas que resultarão numa maior autonomia do idoso frente a atividades do dia-a-dia que lhe exigem o domínio de determinadas capacidades. É preciso, portanto, avaliar as políticas de

9 inclusão do idoso nos sistemas educacionais, apoiando-se nos seus efeitos para a promoção de saúde e qualidade de vida desta população. Referências ABREU, V. P. S.; TAMAI, S. A. B. Reabilitação Cognitiva. In: FREITAS, E.V. et al. (Orgs). Tratado de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara, 06. p ARGIMON, I. I. L.; STEIN, L. M. Habilidades cognitivas em indivíduos muito idosos: um estudo longitudinal. Cad. Saúde Pública, v. 21, n. 1, 05. BRUCKI, S. M. et al. Sugestões para o Uso do Mini-Exame do Estado Mental no Brasil. Arq Neuropsiquiatr, v. 61, n. 3-B, 03. COELHO, F. G. et al. Desempenho Cognitivo em diferentes níveis de escolaridade de adultos e idosos ativos. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., v. 15, n. 1, p. 7-15, 12.. FOLSTEIN, M.F.; FOLSTEIN, S.E.; MCHUGH, P. R. Mini-mental state. A practical method for grading the cognitive state of patients for the clinician. Journal Psych. Research, v.12, n.1, p , FORTES-BURGOS, A. C. G.; NERI, A. L.; CUPERTINO, A. P. F. B. Eventos Estressantes, Estratégia de Enfrentamento, Auto-Eficácia e Sintomas Depressivos entre Idosos Residentes na Comunidade. Psicol. Reflex. Crit., v. 21, n. 1, p , 08. FOSS, M. P.; VALE, F. A. C.; SPECIALI, J. G. Influência da escolaridade na avaliação neuropsicológica de idosos: Aplicação e análise dos resultados da Escala de Mattis para Avaliação de Demência (Mattis Dementia Rating Scale MDRS). Arq Neuropsiquiatr, v. 1, n. 63, p , 05. GAMBURGO, L. J. L.; MONTEIRO, M. I. B. Envelhecimento e linguagem: algumas reflexões sobre aspectos cognitivos na velhice. Rev. Kairós, v. 10, n.1, p , 07. GORMAN, W. F.; CAMPBELL, C. D. Mental acuity of the normal elderly. J Okle State Med Assoc, v. 88, n.3, INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo

10 demográfico 10. Rio de Janeiro: IBGE, 11. Disponível em: (Acessado em 10 de Outubro de 14). INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira, 08. Estudos & Pesquisas: informação demográfica e socioeconômica, n. 23, 08. JÓIA, L. C.; RUIZ, T.; DONALÍSIO, M. R. Grau de satisfação com a saúde entre idosos do município de Botucatu. Epidemiol Serv Saúde, v. 17, n. 3, p , 08. LOURENÇO, R. A.; VERAS R. P. Mini-exame do estado mental: características psicométricas em idosos ambulatoriais. Rev. Saúde Públ., v. 40, n. 4, p , 06. MATTIS, S. Dementia Rating Scale. Professional Manual. Flórida: Psychological Assessment Resources, NERI, A. L. et al. Cognição e fragilidade. In:. (Org.). Fragilidade e qualidade de vida na velhice. São Paulo: Alínea,, p NERI, A. L. Envelhecimento cognitivo. In: FREITAS, E. V. et al. (Orgs). Tratado de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara, 06, p ROCHA, J. P.; KLEIN, O. S. Qualidade de vida, depressão e cognição a partir da educação gerontológica mediada por uma rádio-poste em instituições de longa permanência para idosos. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p , 14. STELLA, F. Funções cognitivas e envelhecimento. In: PY, L. et al. (Orgs.). Tempo de envelhecer: Percursos e dimensões psicossociais. Rio de Janeiro: NAU Editora, 04. p VALLE, R. A., et al. Estudo de base populacional dos fatores associados ao desempenho no mini-exame do estado mental entre idosos: Projeto Bambuí. Cad. Saúde Pública, v. 25, n. 4, p , 09. YASSUDA, M. S; ABREU, V. S. P. Avaliação cognitiva em gerontologia. In: FREITAS, et al. (Orgs.). Tratado de geriatria e gerontologia. São Paulo, SP: Guanabara Koogan, 06, p

TÍTULO: CORRELAÇÃO ENTRE COGNIÇÃO E FUNCIONALIDADE EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: CORRELAÇÃO ENTRE COGNIÇÃO E FUNCIONALIDADE EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: CORRELAÇÃO ENTRE COGNIÇÃO E FUNCIONALIDADE EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA AUTOR(ES):

Leia mais

AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA DE IDOSOS USUÁRIOS DE PSFs NA CIDADE DE RECIFE-PE*

AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA DE IDOSOS USUÁRIOS DE PSFs NA CIDADE DE RECIFE-PE* AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA DE IDOSOS USUÁRIOS DE PSFs NA CIDADE DE RECIFE-PE* AUTOR: CLÁUDIA DANIELE BARROS LEITE-SALGUEIRO UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/MESTRADO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE (EMAIL: daniele_leite_@hotmail.com)

Leia mais

CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE COM DEMÊNCIA DE ALZHEIMER

CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE COM DEMÊNCIA DE ALZHEIMER CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE COM DEMÊNCIA DE ALZHEIMER Clariany Soares Cardoso 1 ; Gustavo Christofoletti 2 ; Eberson da Silva Rodrigues do Nascimento 3 1 Bolsista PBIC/UEG, graduada

Leia mais

GRUPOS DE TERAPIA OCUPACIONAL NA ESTIMULAÇÃO COGNITIVA DE IDOSOS QUE RESIDEM EM INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA.

GRUPOS DE TERAPIA OCUPACIONAL NA ESTIMULAÇÃO COGNITIVA DE IDOSOS QUE RESIDEM EM INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA. GRUPOS DE TERAPIA OCUPACIONAL NA ESTIMULAÇÃO COGNITIVA DE IDOSOS QUE RESIDEM EM INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA. ANTUNES 1, Brenda; GOMES 2, Elaine; MORAES 3, Berla; SILVA 4, Daniele. RESUMO EM LÍNGUA

Leia mais

PERFIL COGNITIVO DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS EM FRANCISCO SÁ/MG E SÃO ROMÃO/MG

PERFIL COGNITIVO DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS EM FRANCISCO SÁ/MG E SÃO ROMÃO/MG Perfil cognitivo de idosos institucionalizados em Francisco Sá/MG e São Romão/MG 70 PERFIL COGNITIVO DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS EM FRANCISCO SÁ/MG E SÃO ROMÃO/MG COGNITIVE PROFILESOF INSTITUTIONALIZED

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

EFEITOS DA PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA MENTE ATIVA NO EQUILÍBRIO E COGNIÇÃO DE PARTICIPANTE COM DOENÇA DE ALZHEIMER

EFEITOS DA PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA MENTE ATIVA NO EQUILÍBRIO E COGNIÇÃO DE PARTICIPANTE COM DOENÇA DE ALZHEIMER EFEITOS DA PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA MENTE ATIVA NO EQUILÍBRIO E COGNIÇÃO DE PARTICIPANTE COM DOENÇA DE ALZHEIMER EFFECTS OF PARTICIPATION IN THE PROGRAM " MENTE ATIVO" IN BALANCE AND COGNITIVE FUNCTION

Leia mais

AVALIAÇÃO DA MEMÓRIA EM INTEGRANTES DE ATIVIDADES EM GRUPO

AVALIAÇÃO DA MEMÓRIA EM INTEGRANTES DE ATIVIDADES EM GRUPO AVALIAÇÃO DA MEMÓRIA EM INTEGRANTES DE ATIVIDADES EM GRUPO CASAROTTO, Veronica Jocasta 1, SILVA, Marília Gomes²; DIAS, Caliandra Letiere Coelho 3 ; ROSO, Clarice Zuquetto Viana 4 ; PICCININI, Aline Martinelli

Leia mais

SAÚDE PERCEBIDA E A ATIVIDADE FÍSICA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO

SAÚDE PERCEBIDA E A ATIVIDADE FÍSICA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO SAÚDE PERCEBIDA E A ATIVIDADE FÍSICA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO Profª Drª Maria do Carmo Eulálio (Orientadora) Kalina de Lima Santos* Renata Alessandra Oliveira Neves* Daniella Oliveira Pinheiro* Tarsila

Leia mais

A PRÁTICA DA TERAPIA OCUPACIONAL NA ESTIMULAÇÃO COGNITIVA DE IDOSOS QUE FREQUENTAM CENTRO DE CONVIVÊNCIA.

A PRÁTICA DA TERAPIA OCUPACIONAL NA ESTIMULAÇÃO COGNITIVA DE IDOSOS QUE FREQUENTAM CENTRO DE CONVIVÊNCIA. A PRÁTICA DA TERAPIA OCUPACIONAL NA ESTIMULAÇÃO COGNITIVA DE IDOSOS QUE FREQUENTAM CENTRO DE CONVIVÊNCIA. MEDEIROS 1, Halessandra; MORAES 2, Berla; PEDROSA 3, Mayra; RIBEIRO 4, Lys. RESUMO Este estudo

Leia mais

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL Ocilma Barros de Quental. Faculdade de Medicina do ABC(ocilmaquental2011@hotmail.com) Sheylla Nadjane Batista Lacerda.

Leia mais

TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA DANÇA DO VENTRE NOS SINTOMAS DEPRESSIVOS EM IDOSAS DA COMUNIDADE

TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA DANÇA DO VENTRE NOS SINTOMAS DEPRESSIVOS EM IDOSAS DA COMUNIDADE Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA DANÇA DO VENTRE NOS SINTOMAS DEPRESSIVOS EM IDOSAS DA COMUNIDADE CATEGORIA:

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO GERIÁTRICA DE IDOSOS INSERIDOS EM UM CENTRO ESPECIALIZADO DE CONVIVÊNCIA SOB A ÓTICA DA ATENÇÃO BÁSICA

TÍTULO: AVALIAÇÃO GERIÁTRICA DE IDOSOS INSERIDOS EM UM CENTRO ESPECIALIZADO DE CONVIVÊNCIA SOB A ÓTICA DA ATENÇÃO BÁSICA TÍTULO: AVALIAÇÃO GERIÁTRICA DE IDOSOS INSERIDOS EM UM CENTRO ESPECIALIZADO DE CONVIVÊNCIA SOB A ÓTICA DA ATENÇÃO BÁSICA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

UMA ANÁLISE DA REAÇÃO DE IDOSOS FRENTE À VIOLÊNCIA

UMA ANÁLISE DA REAÇÃO DE IDOSOS FRENTE À VIOLÊNCIA UMA ANÁLISE DA REAÇÃO DE IDOSOS FRENTE À VIOLÊNCIA Renata Alesandra Oliveira Neves* renataneves15@hotmail.com Antônio Guedes Rangel Júnior* rangeljunior@msn.com Kalina de Lima Santos* Kalinalimalima17@hotmail.com

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO Eliane de Sousa Leite/Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. E-mail: elianeleitesousa@yahoo.com.br Jeruzete Almeida de Menezes/ Universidade

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

3 Método. 3.1 Sujeitos

3 Método. 3.1 Sujeitos 30 3 Método 3.1 Sujeitos A amostra deste estudo foi composta de idosos atendidos no ambulatório de geriatria de um hospital público do estado do Rio de Janeiro. Foram investigados 51 idosos com diagnóstico

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE DEMÊNCIA EM POPULAÇÃO COM HETEROGENEIDADE EDUCACIONAL. Neurosur, Santa Cruz, 2004

DIAGNÓSTICO DE DEMÊNCIA EM POPULAÇÃO COM HETEROGENEIDADE EDUCACIONAL. Neurosur, Santa Cruz, 2004 DIAGNÓSTICO DE DEMÊNCIA EM POPULAÇÃO COM HETEROGENEIDADE EDUCACIONAL Neurosur, Santa Cruz, 2004 Diagnóstico de demência em população com heterogeneidade educacional Prevalência de demência em população

Leia mais

SINTOMAS DEPRESSIVOS, VARIÁVEIS SOCIODEMOGRÁFICAS E MORBIDADES AUTORREFERIDAS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

SINTOMAS DEPRESSIVOS, VARIÁVEIS SOCIODEMOGRÁFICAS E MORBIDADES AUTORREFERIDAS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS SINTOMAS DEPRESSIVOS, VARIÁVEIS SOCIODEMOGRÁFICAS E MORBIDADES AUTORREFERIDAS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS Karoline de Lima Alves UFPB/ e-mail: krol_lima_17@hotmail.com 1 Marcella Costa Souto Duarte UFPB/

Leia mais

Seminário Nacional Envelhecimento e Subjetividade Saúde e Envelhecimento: Prevenção e Promoção CRP Novembro 2008. Instituto de Psiquiatria FMUSP

Seminário Nacional Envelhecimento e Subjetividade Saúde e Envelhecimento: Prevenção e Promoção CRP Novembro 2008. Instituto de Psiquiatria FMUSP Seminário Nacional Envelhecimento e Subjetividade Saúde e Envelhecimento: Prevenção e Promoção CRP Novembro 2008 Mônica Yassuda Mônica Sanches Yassuda Gerontologia EACH USP EACH USP Ambulatório de Psicogeriatria

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA 1 AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA FEITOSA P. O. ; FELIPE D. M. Resumo: Entre os declínios fisiológicos relacionados ao envelhecimento

Leia mais

O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM

O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM Eliane de Sousa Leite. Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. Email: elianeleitesousa@yahoo.com.br. Jéssica Barreto Pereira. Universidade

Leia mais

Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011

Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Marina Guimarães Lima, Cristiane Olinda Coradi Departamento de Farmácia Social da Faculdade de Farmácia

Leia mais

TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos

TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos Samara Pereira Cabral - UFPB samarapcj@hotmail.com Monica Dias Palitot - UFPB monicadiaspt@yahoo.com.br Joseane da Silva Meireles - UFPB

Leia mais

Alterações de linguagem nos alcoolistas em atendimento nos Grupos dos Alcoólicos Anônimos (AA)

Alterações de linguagem nos alcoolistas em atendimento nos Grupos dos Alcoólicos Anônimos (AA) Alterações de linguagem nos alcoolistas em atendimento nos Grupos dos Alcoólicos Anônimos (AA) Introdução: O álcool é um depressor do sistema neuronal, e o seu uso pode acarretar alterações cognitivas,

Leia mais

Keywords: Aging. Diabetes Mellitus. Cognition.

Keywords: Aging. Diabetes Mellitus. Cognition. DÉFICIT COGNITIVO EM MULHERES IDOSAS PORTADORAS DE DIABETES MELLITUS Larissa Di Leo Nogueira Costa 1 Ana Helia de Lima Sardinha 2 Pabline Medeiros 3 Diogo Alencar de Carvalho 4 RESUMO Introdução: O envelhecimento,

Leia mais

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO SATO, Camila Massae 1 Palavras-chave: Idoso, AIDS, conhecimento Introdução A população idosa brasileira

Leia mais

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 660 ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Camila Rodrigues Costa 1, 2 Matheus

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL Nubia C. Freitas - UFV nubia.freitas@ufv.br Estela S. Fonseca UFV estela.fonseca@ufv.br Alessandra V. Almeida UFV

Leia mais

ENVELHECIMENTO, SUBJETIVIDADE E SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

ENVELHECIMENTO, SUBJETIVIDADE E SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA ENVELHECIMENTO, SUBJETIVIDADE E SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Hilma Khoury Psicóloga, Doutora em Psicologia, Professora na Universidade Federal do Pará

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

A eficácia do treinamento auditivo em idosos

A eficácia do treinamento auditivo em idosos A eficácia do treinamento auditivo em idosos Palavras chave: audição, testes auditivos, envelhecimento Atualmente o envelhecimento populacional é um acentuado fenômeno mundial. Muitas deficiências sensoriais

Leia mais

Professor Coordenador/Orientador: Adriana Ribeiro Lacerda

Professor Coordenador/Orientador: Adriana Ribeiro Lacerda Curso: Fisioterapia Equipe: Professor Coordenador/Orientador: Adriana Ribeiro Lacerda Pesquisadora: Jamila Viana Barbosa Silva Alunos: Dafne Imperiano Gomes Jaynara Talita Barbosa Silva Rafaela Oliveira

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO SOCIODEMOGRÁFICA DE IDOSOS COM DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEL

CARACTERIZAÇÃO SOCIODEMOGRÁFICA DE IDOSOS COM DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEL CARACTERIZAÇÃO SOCIODEMOGRÁFICA DE IDOSOS COM DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEL Silvana Helena Neves de Medeiros Jerônimo Universidade Federal do Rio Grande do Norte, silvanahmj@bol.com.br Hilderjane

Leia mais

Compreensão de escalas representadas em gráficos por alunos adultos pouco escolarizados

Compreensão de escalas representadas em gráficos por alunos adultos pouco escolarizados Compreensão de escalas representadas em gráficos por alunos adultos pouco escolarizados Bezerra, Lucicleide 1; Guimarães, Gilda 2 UFPE Resumo Este estudo investigou a compreensão de alunos da Educação

Leia mais

Escolaridade, idade e perdas cognitivas de idosas residentes em instituições de longa permanência

Escolaridade, idade e perdas cognitivas de idosas residentes em instituições de longa permanência doi: 10.4181/RNC.2014.22.03.971.7p Escolaridade, idade e perdas cognitivas de idosas residentes em instituições de longa permanência Education, age, and cognitive impairment of elderly residents in long-term

Leia mais

Perfil da mulher vítima de violência doméstica no Brasil, Rio Grande Sul e Caxias do Sul

Perfil da mulher vítima de violência doméstica no Brasil, Rio Grande Sul e Caxias do Sul Perfil da mulher vítima de violência doméstica no Brasil, Rio Grande Sul e Caxias do Sul Adalberto Ayjara Dornelles Filho Ramone Mincato Paula Cervelin Grazzi Resumo: Uma breve revisão de estudos sobre

Leia mais

HIV/AIDS, Envelhecimento e Transtornos Mentais Comuns: um estudo exploratório

HIV/AIDS, Envelhecimento e Transtornos Mentais Comuns: um estudo exploratório HIV/AIDS, Envelhecimento e Transtornos Mentais Comuns: um estudo exploratório Josevânia da Silva UNIPE josevaniasco@gmail.com Jéssica Oliveira Galvão UFPB Jessica92.og@hotmail.com Ana Alayde Werba Saldanha

Leia mais

Perfil cognitivo em idosas de dois serviços públicos em São Luís MA

Perfil cognitivo em idosas de dois serviços públicos em São Luís MA Artigo Original Perfil em idosas de dois serviços públicos em São Luís MA Socio-demographic factors affecting cognitive performance in older women Ma r c i u s Vinícius Go n ç a l v e s Co r r e i a 1,

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS RESUMO ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS Ana Paula Fleig Saidelles,

Leia mais

Pereira, Fernando a, Nunes, Berta b, Pereira, Conceição c, Azevedo, Ana d, Raimundo, Diogo e, Vieira, Armanda f

Pereira, Fernando a, Nunes, Berta b, Pereira, Conceição c, Azevedo, Ana d, Raimundo, Diogo e, Vieira, Armanda f ESTUDO DE AVALIAÇÃO MULTIDIMENSIONAL DOS IDOSOS A VIVER SOZINHOS NO CONCELHO DE ALFÂNDEGA DA FÉ 1 Autores: Pereira, Fernando a, Nunes, Berta b, Pereira, Conceição c, Azevedo, Ana d, Raimundo, Diogo e,

Leia mais

ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MÉDICA: UM ESTUDO NA CIDADE DE JOÃO PESSOA/PB.

ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MÉDICA: UM ESTUDO NA CIDADE DE JOÃO PESSOA/PB. ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MÉDICA: UM ESTUDO Introdução NA CIDADE DE JOÃO PESSOA/PB. MsC. Elídio Vanzella Professor da Estácio e Ensine Faculdades Email: evanzella@yahoo.com.br O crescimento da população

Leia mais

MAUS TRATOS NA TERCEIRA IDADE: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA.

MAUS TRATOS NA TERCEIRA IDADE: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA. MAUS TRATOS NA TERCEIRA IDADE: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA. 1. Larice Costa Lourenço. Faculdade Santa Maria/FSM. E-mail: laricecostal@gmail.com. 2.Francisca Emikaelle Leite Lopes. Faculdade Santa Maria/FSM.

Leia mais

PERFIL DE IDOSOS RESIDENTES EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA NA CIDADE DE MOSSORÓ

PERFIL DE IDOSOS RESIDENTES EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA NA CIDADE DE MOSSORÓ PERFIL DE IDOSOS RESIDENTES EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA NA CIDADE DE MOSSORÓ INTRODUÇÃO O envelhecimento populacional é hoje um fenômeno universal, observado tanto nos países desenvolvidos

Leia mais

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Fabiano Fialho Lôbo Universidade Federal de Pernambuco fabiano_lobo@yahoo.com.br Luciana Rufino de Alcântara Universidade

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste/Centro de Ciências da Saúde - Departamento de Enfermagem - Guarapuava PR

Universidade Estadual do Centro-Oeste/Centro de Ciências da Saúde - Departamento de Enfermagem - Guarapuava PR PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE IDOSOS INTERNADOS NA CLINICA MÉDICA E CLÍNICA CIRÚRGICA EM UM HOSPITAL DE GUARAPUAVA PARANÁ Michele Teixeira (CVI-UNICENTRO), Evani Marques Pereira (UNICENTRO), Evani Marques Pereira

Leia mais

RASTREIO DE DEMÊNCIA ATRAVÉS DO MINI EXAME DO ESTADO MENTAL E TESTE DO RELÓGIO EM IDOSOS

RASTREIO DE DEMÊNCIA ATRAVÉS DO MINI EXAME DO ESTADO MENTAL E TESTE DO RELÓGIO EM IDOSOS RASTREIO DE DEMÊNCIA ATRAVÉS DO MINI EXAME DO ESTADO MENTAL E TESTE DO RELÓGIO EM IDOSOS Krísthea Karyne Gonçalves Pereira 1 Lívia Pinheiro de Oliveira 2 Adriana Lira Rufino Lucena 3 Fabiana Ferraz Queiroga

Leia mais

ATUAÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NA ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM IDOSOS

ATUAÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NA ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM IDOSOS ATUAÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NA ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM IDOSOS Thayla Sayuri Suzuki Calderon, Elaine Aparecida Lozano da Silva, Vinicius Gustavo Gimenes Turato, Giovana Renata Parizi Silva, Laís

Leia mais

Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença.

Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença. Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença. Bruno Araújo da Silva Dantas¹ bruno_asd90@hotmail.com Luciane Alves Lopes² lucianesevla.l@gmail.com ¹ ²Acadêmico(a) do

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS Envolvimento parental e nível sociocultural das famílias: Estudo comparativo num agrupamento escolar Marco Sérgio Gorgulho Rodrigues Dissertação

Leia mais

PERCEPÇÃO DA INSATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL E AUTOESTIMA DE IDOSAS DE UM PROGRAMA DE PROMOÇÃO À SAÚDE

PERCEPÇÃO DA INSATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL E AUTOESTIMA DE IDOSAS DE UM PROGRAMA DE PROMOÇÃO À SAÚDE PERCEPÇÃO DA INSATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL E AUTOESTIMA DE IDOSAS DE UM PROGRAMA DE PROMOÇÃO À SAÚDE Jarlson Carneiro Amorim da Silva¹, Luciano Meireles de Pontes² ¹Programa Associado de Pós-graduação

Leia mais

Perfil do idoso residente em instituições filantrópicas de longa permanência em Juiz de Fora

Perfil do idoso residente em instituições filantrópicas de longa permanência em Juiz de Fora Perfil do idoso residente em instituições filantrópicas de longa permanência em Juiz de Fora Perfil do idoso residente em instituições filantrópicas de longa permanência em Juiz de Fora Gleice Mendonça

Leia mais

O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS

O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS Carlos Eduardo Rocha dos Santos, UNIBAN, carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO E FUNCIONAL DOS PACIENTES COM DOENÇA DE ALZHEIMER ATENDIDOS NA CASA UNIMED GOVERNADOR VALADARES/MG

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO E FUNCIONAL DOS PACIENTES COM DOENÇA DE ALZHEIMER ATENDIDOS NA CASA UNIMED GOVERNADOR VALADARES/MG 1 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO E FUNCIONAL DOS PACIENTES COM DOENÇA DE ALZHEIMER ATENDIDOS NA CASA UNIMED GOVERNADOR VALADARES/MG EPIDEMIOLOGICAL PROFILE AND FUNCTION OF PATIENTS WITH ALZHEIMER'S DISEASE TREATED

Leia mais

Metodologia e perfil sociodemográfico, cognitivo e de fragilidade de idosos comunitários de sete cidades brasileiras: Estudo FIBRA

Metodologia e perfil sociodemográfico, cognitivo e de fragilidade de idosos comunitários de sete cidades brasileiras: Estudo FIBRA 778 ARTIGO ARTICLE Metodologia e perfil sociodemográfico, cognitivo e de fragilidade de idosos comunitários de sete cidades brasileiras: Estudo FIBRA Methodology and social, demographic, cognitive, and

Leia mais

ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM IDOSOS: ASSOCIAÇÕES COM IDADE, SEXO E CAPACIDADE FUNCIONAL

ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM IDOSOS: ASSOCIAÇÕES COM IDADE, SEXO E CAPACIDADE FUNCIONAL ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM IDOSOS: ASSOCIAÇÕES COM IDADE, SEXO E CAPACIDADE FUNCIONAL Jessica de Medeiros Possatto; Laila Lorena Nogueira Batista da Silva; Ronaldo da Silva Lima Júnior; Doris Firmino Rabelo

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS

A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS Autor José André Ramos Gouveia; Orientadora: Isabella Dantas da Silva; Co-autores: Lorena Maria Brito Neves Pereira; Gabriela Brasileiro

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE E DOENÇA E ASPECTOS CLÍNICOS DE PESSOAS COM HIV/AIDS ABAIXO E ACIMA DE 50 ANOS

AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE E DOENÇA E ASPECTOS CLÍNICOS DE PESSOAS COM HIV/AIDS ABAIXO E ACIMA DE 50 ANOS AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE E DOENÇA E ASPECTOS CLÍNICOS DE PESSOAS COM HIV/AIDS ABAIXO E ACIMA DE 50 ANOS Regina Lígia Wanderlei de Azevedo FIP regina.azevedo@gmail.com Josevânia da Silva UNIPÊ josevaniasco@gmail.com

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE JOVENS E IDOSOS NOS TESTES DE INTELIGÊNCIA CRISTALIZADA E MEMÓRIA DA BATERIA WO- ODCOCK-JOHNSON III

COMPARAÇÃO ENTRE JOVENS E IDOSOS NOS TESTES DE INTELIGÊNCIA CRISTALIZADA E MEMÓRIA DA BATERIA WO- ODCOCK-JOHNSON III Anais do XVI Encontro de Iniciação Científica e I Encontro de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação da PUC-Campinas 27 e 28 de setembro de 2011 ISSN 1982-0178 COMPARAÇÃO ENTRE JOVENS E IDOSOS

Leia mais

AVALIAÇÃO SÓCIODEMOGRÁFICA, MNEMÔNICA E DAS ATIVIDADES BÁSICAS E INSTRUMENTAIS DE VIDA DIÁRIA EM IDOSOS: UM RELATO DO

AVALIAÇÃO SÓCIODEMOGRÁFICA, MNEMÔNICA E DAS ATIVIDADES BÁSICAS E INSTRUMENTAIS DE VIDA DIÁRIA EM IDOSOS: UM RELATO DO AVALIAÇÃO SÓCIODEMOGRÁFICA, MNEMÔNICA E DAS ATIVIDADES BÁSICAS E INSTRUMENTAIS DE VIDA DIÁRIA EM IDOSOS: UM RELATO DO USO DE ESCALAS PREDITIVAS NA COMUNIDADE Éricka Maria Cardoso Soares 1, Augusto Everton

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência

Censo Demográfico 2010. Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência Censo Demográfico 2010 Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência Rio de Janeiro, 29 de junho de 2012 A presente publicação dá continuidade à divulgação dos resultados do Censo

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO Rosângela Alves Almeida Bastos - Universidade Federal da Paraíba- email: rosalvesalmeida2008@hotmail.com Maria das Graças Melo Fernandes

Leia mais

O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010

O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010 O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010 Simone Caldas Tavares Mafra - Professora do Departamento de Economia Doméstica (UFV) sctmafra@ufv.br

Leia mais

VARIÁVEIS PREDITORAS DA AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS COM HIV/AIDS

VARIÁVEIS PREDITORAS DA AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS COM HIV/AIDS VARIÁVEIS PREDITORAS DA AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS COM HIV/AIDS Josevania da Silva UNIPÊ/UEPB josevaniasco@gmail.com Renata Pires Mendes da Nóbrega UNIPÊ - renata_pmn@hotmail.com

Leia mais

AUTOR(ES): CAMILA QUINTELLA GONÇALVES, RAFAEL MONTEIRO BORGES, VANESSA FURTADO REIS

AUTOR(ES): CAMILA QUINTELLA GONÇALVES, RAFAEL MONTEIRO BORGES, VANESSA FURTADO REIS TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA DE CUIDADORES DE IDOSOS COM DEMÊNCIA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU AUTOR(ES): CAMILA QUINTELLA

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO CORALISTAS

QUALIDADE DE VIDA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO CORALISTAS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 QUALIDADE DE VIDA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO CORALISTAS Raphaella Ortega Leite 1, Eveline Campaneruti Esteves¹; Siméia Gaspar Palácio 2

Leia mais

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S Marcos Henrique Pazini (Pós-Graduado da UNICENTRO), Sílvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

TÍTULO: GASTOS COM MEDICAMENTOS PELOS IDOSOS RESIDENTES EM MUNICÍPIO COM ALTA COBERTURA DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

TÍTULO: GASTOS COM MEDICAMENTOS PELOS IDOSOS RESIDENTES EM MUNICÍPIO COM ALTA COBERTURA DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA TÍTULO: GASTOS COM MEDICAMENTOS PELOS IDOSOS RESIDENTES EM MUNICÍPIO COM ALTA COBERTURA DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 DESENVOLVIMENTO DE AGUARDENTE DE GOIABA: TESTE DE CONCEITO LUCAS SILVEIRA TAVARES 1, JOSÉ GUILHERME LEMBI FERREIRA ALVES 2 AMANDA OLIVERI SOARES 3, JOÃO DE DEUS SOUZA CARNEIRO 4, RENATO SILVA LEAL 5, DANIEL

Leia mais

PERFIL DE IDOSOS USUÁRIOS DE ÁLCOOL ACOMPANHADOS EM UMA UNIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

PERFIL DE IDOSOS USUÁRIOS DE ÁLCOOL ACOMPANHADOS EM UMA UNIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA PERFIL DE IDOSOS USUÁRIOS DE ÁLCOOL ACOMPANHADOS EM UMA UNIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Iluska Pinto da Costa Universidade Federal de Campina Grande; email: lucosta.ufcg@gmail.com Janaíne Chiara

Leia mais

ANÁLISE DA ESPIRITUALIDADE DOS IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: UM OLHAR DO COPING RELIGIOSO ESPIRITUAL

ANÁLISE DA ESPIRITUALIDADE DOS IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: UM OLHAR DO COPING RELIGIOSO ESPIRITUAL ANÁLISE DA ESPIRITUALIDADE DOS IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: UM OLHAR DO COPING RELIGIOSO ESPIRITUAL Jéssica Cristina Guedes Pereira dos Santos Leal; Rachel Cavalcanti Fonseca; Henrique Cezar Coutinho Barsi

Leia mais

Restrições intrapessoais para o lazer em turismo

Restrições intrapessoais para o lazer em turismo Renato das Chagas Benevenuto Restrições intrapessoais para o lazer em turismo por idosos no Rio de Janeiro Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Administração

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

Instruções de Aplicação. Mini Exame do Estado Mental MEEM

Instruções de Aplicação. Mini Exame do Estado Mental MEEM Hospital de Clínicas de Porto Alegre Serviço de Neurologia Ambulatório de Neurologia Geriátrica e Demências Instruções de Aplicação Mini Exame do Estado Mental MEEM (Mini Mental State Exam Folstein et

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUIDADOS PREVENTIVOS PARA O ENVELHECER SAUDÁVEL E ATIVO

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUIDADOS PREVENTIVOS PARA O ENVELHECER SAUDÁVEL E ATIVO TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUIDADOS PREVENTIVOS PARA O ENVELHECER SAUDÁVEL E ATIVO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO SOCIAL INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS DE BOTUCATU

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE QUALITY OF LIFE AND SUBJECTIVE WELL-BEING IN THE THIRD AGE

QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE QUALITY OF LIFE AND SUBJECTIVE WELL-BEING IN THE THIRD AGE 624 QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE RACHEL SHIMBA CARNEIRO é Doutora em Psicologia Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ. E-mail: rachelshimba@yahoo.com.br

Leia mais

Avaliação do declínio cognitivo e sua relação com as características socioeconômicas dos idosos em Viçosa-MG

Avaliação do declínio cognitivo e sua relação com as características socioeconômicas dos idosos em Viçosa-MG Avaliação do declínio cognitivo e sua relação com as características socioeconômicas dos idosos em Viçosa-MG Evaluation of cognitive decline and its relationship with socioeconomic characteristics of the

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

COMPREENDENDO PROBLEMAS DE DIVISÃO DENTRO E FORA DE UM TEXTO INFORMATIVO

COMPREENDENDO PROBLEMAS DE DIVISÃO DENTRO E FORA DE UM TEXTO INFORMATIVO COMPREENDENDO PROBLEMAS DE DIVISÃO DENTRO E FORA DE UM TEXTO INFORMATIVO Karoline Maciel Sobreira Síntria Labres Lautert Marina Ferreira da Silva Costa Fernanda Augusta Lima das Chagas Universidade Federal

Leia mais

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Tatiane Paula de Oliveira 1, Adriana Leonidas de Oliveira (orientadora) 2 1 Universidade de Taubaté/ Departamento

Leia mais

Declínio cognitivo de idosos e sua associação com fatores epidemiológicos em Viçosa, Minas Gerais

Declínio cognitivo de idosos e sua associação com fatores epidemiológicos em Viçosa, Minas Gerais Idosos: declínio cognitivo e sua associação com fatores epidemiológicos 109 Declínio cognitivo de idosos e sua associação com fatores epidemiológicos em Viçosa, Minas Gerais Cognitive decline of aged and

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS Taís Lopes Saranholi Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: tais_saranholi@hotmail.com Cássia Marques da Rocha Hoelz E-mail: cassiarocha@bauru.sp.gov.br

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Censo Demográfico 2010 Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Rio de Janeiro, 10 de agosto de 2012 Identificação da população indígena nos Censos Demográficos do Brasil 1991 e 2000

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

Palavras-chave: Suplementos Alimentares, Musculação, Academia de Ginástica.

Palavras-chave: Suplementos Alimentares, Musculação, Academia de Ginástica. PERFIL DOS CONSUMIDORES DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO EM ACADEMIAS DE TERESINA. Conceição de Maria Aguiar Carvalho Francisco Evaldo Orsano RESUMO: O aumento da oferta de suplementos

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 RISCO DE QUEDAS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA/PR 2011

Mostra de Projetos 2011 RISCO DE QUEDAS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA/PR 2011 Mostra de Projetos 2011 RISCO DE QUEDAS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA/PR 2011 Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto Projetos em implantação, com resultados parciais.

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Sandra Fiorelli de Almeida Penteado Simeão e-mail: ssimeao@usc.br; Márcia Aparecida Nuevo Gatti e-mail:

Leia mais

ENVELHECIMENTO HUMANO E QUALIDADE DE VIDA NO CENÁRIO ACADÊMICO EM TERESINA PIAUÍ

ENVELHECIMENTO HUMANO E QUALIDADE DE VIDA NO CENÁRIO ACADÊMICO EM TERESINA PIAUÍ ENVELHECIMENTO HUMANO E QUALIDADE DE VIDA NO CENÁRIO ACADÊMICO EM TERESINA PIAUÍ Fabiana Soares de Almeida-FACID email-f.abby.almeida@hotmail.com INTRODUÇÃO O envelhecimento humano é um processo natural,

Leia mais

TÍTULO: IDOSO E LAZER: CONCEPÇÃO, BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DE MORADORES DE SÃO PAULO

TÍTULO: IDOSO E LAZER: CONCEPÇÃO, BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DE MORADORES DE SÃO PAULO TÍTULO: IDOSO E LAZER: CONCEPÇÃO, BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DE MORADORES DE SÃO PAULO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

Leia mais

EXPERIENCIA PET-SAÚDE E O ESTUDO SOBRE DEMANDAS SOCIAIS DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: VULNERABILIDADE E INCLUSÃO.

EXPERIENCIA PET-SAÚDE E O ESTUDO SOBRE DEMANDAS SOCIAIS DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: VULNERABILIDADE E INCLUSÃO. EXPERIENCIA PET-SAÚDE E O ESTUDO SOBRE DEMANDAS SOCIAIS DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: VULNERABILIDADE E INCLUSÃO. Autores: MARIA CECILIA BONINI TRENCHE, MARIA LAURA WEY MÄRTZ., ALTAIR CADROBBI PUPO (LILA),

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características Inquéritos Populacionais Informações em Saúde Dados de Inquéritos Populacionais Zilda Pereira da Silva Estudos de corte transversal, únicos ou periódicos, onde são coletadas informações das pessoas que

Leia mais

A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS

A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS Niedja Maria Coelho Alves* nimacoal@hotmail.com Isabelle Carolline Veríssimo de Farias* belleverissimo@hotmail.com

Leia mais

DEPRESSÃO E AVC NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO HUMANO: UM ESTUDO DE CASO-CONTROLE

DEPRESSÃO E AVC NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO HUMANO: UM ESTUDO DE CASO-CONTROLE DEPRESSÃO E AVC NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO HUMANO: UM ESTUDO DE CASO-CONTROLE Autores: Beatriz Mendes Pereira; Francisco Wilson Nogueira Holanda Júnior; Maria Emanuela Matos Leonardo; Maricélia Alves

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE RESUMO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE RESUMO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE Adna Nascimento Souza 1 Layne de Paiva Sousa 1 Francisca Aline Arrais Sampaio Santos 2 Maria Aparecida Alves de Oliveira Serra 2 Thamyres

Leia mais