Relatório de Avaliação de Programa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Avaliação de Programa"

Transcrição

1 Relatório de Avaliação de Programa Programa Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes 1

2 Tribunal de Contas da União Negócio Controle Externo da Administração Pública e da gestão dos recursos públicos federais. Missão Assegurar a efetiva e regular gestão dos recursos públicos, em benefício da sociedade. Visão Ser instituição de excelência no controle e contribuir para o aperfeiçoamento da Administração Pública

3 Relatório de Avaliação de Programa Programa Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes Ministro-Relator Lincoln Magalhães da Rocha Brasília 2004

4 Copyright 2004,Tribunal de Contas da União Impresso no Brasil / Printed in Brazil Para leitura completa do Relatório,Voto e Acórdão nº 137/2004 -TCU-Plenário, acesse a página do TCU na Internet, no seguinte endereço: Brasil. Tribunal de Contas da União. Relatório de avaliação de programa : Programa Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes / Tribunal de Contas da União ; Ministro-Relator Lincoln Magalhães da Rocha. - Brasília : TCU, Secretaria de Fiscalização e Avaliação de Programas de Governo, p. 1. Prostituição, Brasil 2. Criança, exploração, Brasil 3. Adolescente, exploração, Brasil 4. Abuso sexual, Brasil 5. Programa de governo, avaliação I. Programa Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes (Brasil). II. Programa Sentinela (Brasil). III. Título. Catalogação na fonte: Biblioteca Ministro Ruben Rosa

5 Tribunal de Contas da União Ministros Valmir Campelo, Presidente Adylson Motta, Vice-Presidente Marcos Vilaça Walton Alencar Rodrigues Guilherme Palmeira Ubiratan Aguiar Benjamin Zymler Auditores Lincoln Magalhães da Rocha Augusto Sherman Cavalcanti Marcos Bemquerer Costa Ministério Público Lucas Rocha Furtado, Procurador-Geral Paulo Soares Bugarin, Subprocurador-Geral Maria Alzira Ferreira, Subprocuradora-Geral Marinus Eduardo de Vries Marsico, Procurador Cristina Machado da Costa e Silva, Procuradora Júlio Marcelo de Oliveira, Procurador Sérgio Ricardo Costa Caribé, Procurador

6

7 Apresentação Nos últimos anos, vem crescendo a exigência social por um Estado eficiente na solução de problemas e no atendimento às demandas da sociedade. Para tanto, cabe ao controle externo contribuir de forma efetiva para garantir à sociedade a correta e regular aplicação dos recursos públicos, segundo os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência. O Tribunal de Contas da União, em resposta às exigências sociais por resultados efetivos e eficientes da ação do governo e em atenção às tendências internacionais, foi pioneiro quando, na década de 80, adotou a prática da auditoria de natureza operacional, também chamada de auditoria de desempenho, da qual a avaliação de programas é uma modalidade. Desde então, é o instrumento por intermédio do qual o Controle Externo forma juízo sobre o alcance dos resultados das ações governamentais, contribuindo para a promoção da eficiência operacional e alocativa do gasto público e para a responsabilização dos gestores pelo desempenho da ação de governo. Essa modalidade de auditoria baseia-se no princípio de que ao gestor público cabe o dever de prestar contas de suas atividades à sociedade, não somente agindo com integridade, mas atendendo a critérios de economicidade, eficiência, eficácia e efetividade dos atos praticados. O TCU entende que, para responsabilizar os gestores por desempenho, é essencial que sejam prestadas informações fidedignas sobre os programas de governo aos diversos atores sociais interessados. O objetivo desta série de publicações é o de divulgar a atuação do Tribunal, informando aos parlamentares, aos órgãos governamentais e à sociedade civil sobre aspectos relevantes do desempenho dos programas auditados, inclusive sobre questões relacionadas à redução da pobreza e da desigualdade social, que são objetivos constitucionais da República brasileira. Este número, além do relatório de avaliação do Programa Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, de responsabilidade da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República, contém o Voto do Ministro-Relator, Sua Excelência o Ministro Lincoln Magalhães da Rocha, e o Acórdão do TCU, prolatado em Sessão Plenária de 03/11/2004. VALMIR CAMPELO Ministro-Presidente

8 Agradecimentos da Equipe de Auditoria Osucesso das auditorias de natureza operacional, sem dúvida, está relacionado à parceria que se estabelece entre a equipe de auditoria e os dirigentes e técnicos do Programa auditado. Há que se ressaltar a boa recepção patrocinada por parte da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República, desde a fase do estudo de viabilidade da auditoria. Contou-se, ainda, com a colaboração da Gerência do Programa Sentinela, do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome para o desenvolvimento das técnicas de diagnóstico, bem como com a prestação de informações e apresentação de documentos necessários ao desenvolvimento dos trabalhos. Nesse sentido, agradece-se à Srª Elizabeth Engert Milward de Almeida Leitão da SEDH, pelo apoio, colaboração e fornecimento de informações preciosas; ao Sr. Joseleno Vieira dos Santos, Gerente da Ação Serviço de Proteção Socioassistencial às Crianças e Adolescentes Vítimas de Violência, Abuso e Exploração Sexual - Programa Sentinela, pelas informações prestadas, bem como pelo apoio ao longo do trabalho; e à equipe do Centro de Referência, Estudos e Ações Sobre Crianças e Adolescentes - CECRIA, de Brasília - DF. Por fim, agradece-se a cooperação e apoio às Coordenações do Programa Sentinela nos Estados de: Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Rio de Janeiro, Ceará, Pará, Alagoas, Bahia e Pernambuco, como também, às Secretarias Municipais de Assistência Social de Florianópolis - SC, Itajaí - SC, Campo Grande - MS, Corumbá - MS, Porto Velho - RO, Salvador - BA, Feira de Santana - BA, Maceió - AL, São Miguel dos Campos - AL, Recife - PE e Cabo de Santo Agostinho - PE.

9 Sumário Resumo Introdução Antecedentes Objeto do trabalho de auditoria Metodologia Forma de Organização do Relatório Visão geral do programa Objetivos Responsáveis e competências Histórico e caracterização da Ação Serviço de Proteção Socioassistencial às Crianças e Adolescentes Vítimas de Violência, Abuso e Exploração Sexual - Programa Sentinela Legislação Beneficiários Relevância Indicadores de desempenho e metas Características orçamentárias e financeiras Critérios para seleção dos municípios Sistemas de Controle Financiamento, eqüidade e articulação do Programa Sentinela Limitada abrangência do Programa Sentinela Falta de critérios eqüitativos para a definição do tamanho e número das equipes Dificuldade de articulação Atendimento, encaminhamento e acompanhamento Insuficiência de estrutura e instrumentos para a realização de busca ativa Alta rotatividade de pessoal Capacitação pontual, não sistemática e genérica Falta de comunicação entre as equipes do Programa Ausência de advogados nas equipes de atendimento Execução de atividades de prevenção sem a devida contrapartida Falta de uniformidade dos conceitos do Programa Não encaminhamento das informações dos municípios aos estados Especialização do atendimento Limitações ao encaminhamento dos beneficiários à rede de atendimento Insuficiência de estrutura e instrumentos para a realização de busca ativa Funcionamento diurno com recursos para diuturno Acompanhamento deficiente Ênfase do atendimento em casos de outros tipos de violência Efetividade do Programa Sentinela Aumento do número de denúncias Fortalecimento social e emocional dos beneficiários

10 6. Outros achados Dificuldade de acesso das vítimas aos locais de atendimento Monitoramento e indicadores de desempenho Análise dos comentários dos gestores Conclusão Proposta de encaminhamento Apêndices Lista de siglas Referências Glossário Resumo Executivo do PAIR VOTO ACÓRDÃO

11

12

13 Resumo 1. O objeto da auditoria é o Programa Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, que se encontra sob a responsabilidade da Secretaria Especial de Direitos Humanos. Seu objetivo é prevenir e combater a violência, o abuso e a exploração sexual comercial de crianças e adolescentes. Seu público-alvo são crianças, adolescentes e famílias envolvidas com a violência sexual. 2. A partir das informações levantadas, definiu-se como escopo a Ação Serviço de Proteção Socioassistencial às Crianças e aos Adolescentes Vítimas de Violência, Abuso e Exploração Sexual - Programa Sentinela. Sua execução está sob a responsabilidade do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Seu objetivo é a implantação de Centros de Referência nos quais devem ser prestados atendimento, apoio psicossocial, e proteção imediata em casos de violência e abuso sexual sofridos por crianças e adolescentes. O Sentinela prevê também, a garantia de acesso das crianças e adolescentes, bem como de suas famílias, aos serviços de saúde, educação, justiça, segurança, esporte, lazer e cultura desenvolvidos nas comunidades. 3. O principal objetivo deste trabalho é verificar se a Ação Serviço de Proteção Socioassistencial às Crianças e aos Adolescentes Vítimas de Violência, Abuso e Exploração Sexual - Programa Sentinela assegura a prestação de serviços, integrados com outras políticas públicas e a inserção dos beneficiários na rede de serviços, promovendo a proteção das vítimas e o fortalecimento da auto-estima e convivência familiar. 4. As estratégias metodológicas utilizadas foram visitas de estudo e pesquisa postal. Visitou-se dezoito municípios nos estados de Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Rio de Janeiro, Ceará, Pará, Bahia, Alagoas e Pernambuco. Em cada estado, além da capital visitou-se um município, entrevistando-se os gestores das secretarias municipais e estaduais responsáveis pelo Programa. Foram visitados vinte centros de referência e aplicadas entrevistas com os coordenadores, equipe técnica e mães de beneficiários. Foi realizado ainda, em cada município, grupo focal com profissionais de diferentes organizações participantes da rede de atendimento do Município. A pesquisa postal abrangeu todos os 331 municípios que possuem convênio com o Programa, todos os centros de referência e serviços do Programa Sentinela e todas as secretarias estaduais de assistência social ou congênere. 5. Identificaram-se oportunidades de melhoria de desempenho na área de articulação da gestão do Programa Sentinela nos três níveis de governo, assim como com outras áreas, e ainda com organizações governamentais e não-governamentais. Também sua operacionalização apresenta ensejo de melhoria quanto ao aspecto de avaliação e acompanhamento dos resultados alcançados. Vislumbra-se, ainda, a integração com outros programas federais, ou mesmo estaduais e municipais, nas áreas de saúde, habitação, geração de renda, educação, cultura, entre outras, como forma de potencializar os benefícios advindos do Programa. 6. O trabalho identificou algumas deficiências no Programa. Atualmente, os recursos orçamentários não são suficientes para a inclusão da demanda de municípios. As equipes dos centros não possuem técnicos suficientes para o Programa Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes 13

14 atendimento dos casos de abuso e exploração, além de terem capacitação não sistemática e genérica. Existe a dificuldade de construção de um trabalho articulado entre as diversas áreas afetas ao Programa e os dados existentes não são uniformes. Observou-se, também, divergência de entendimento de conceitos, inclusive sobre os limites do atendimento psicossocial e psicoterapêutico. Os centros de atendimento não possuem infra-estrutura adequada e os beneficiários do Sentinela não estão sendo priorizados para a inclusão em programas na rede de serviços. 7. Mesmo considerando as dificuldades, problemas e desafios para o enfrentamento do fenômeno da violência sexual contra crianças e adolescentes, o Programa tem demonstrado êxito. Nos municípios beneficiados, após a implantação do Sentinela, houve um sensível aumento no número de denúncias, o que demonstra uma maior conscientização da população de seus direitos em decorrência das ações de sensibilização e prevenção executadas. Observou-se que as crianças e adolescentes atendidos experimentam um aumento na sua auto-estima e o convívio familiar também é favorecido. 8. Identificaram-se boas práticas que podem contribuir para o melhor desempenho do Programa, a saber: veículo que circula 24hs com equipe do Sentinela identificando casos de abuso e exploração (Município de Niterói - RJ); código de conduta de hotéis quanto à exploração sexual (Estado do Ceará); reuniões técnicas semanais nos centros de referência (Municípios de Salvador - BA, Feira de Santana - BA, Recife - PE, Cabo de Santo Agostinho - PE, Belém - PA, Caucaia - CE); capacitação de policiais e delegados feita pelos técnicos do Sentinela (Município de Caucia - CE); projeto de capacitação continuada e monitoramento do Programa Sentinela (Estado do Mato Grosso do Sul); reunião de reflexão e capacitação mensal de todos os municípios (Estado do Pará); criação do núcleo de enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes (Estado do Ceará). 9. Com o intuito de contribuir para a melhoria do desempenho do Programa Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, foram propostas recomendações à Secretaria Especial de Direitos Humanos - SEDH e ao Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome - MDS, entre as quais destacamse: adoção de critérios eqüitativos para a definição do tamanho das equipes de atendimento; elaboração de plano de capacitação para os técnicos e educadores do Programa Sentinela; elaboração e divulgação para estados e municípios de documento que contenha a definição clara das atribuições do Programa e dos técnicos e educadores; instituição, nos programas do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, de percentual de quotas para a inclusão dos beneficiários do Programa Sentinela; e estabelecimento dos padrões mínimos dos centros e serviços de referência para a realização do atendimento. 10. Espera-se que a adoção das medidas propostas contribua para a obtenção dos seguintes benefícios: tratamento eqüitativo dos municípios quanto à definição do tamanho das equipes; diminuição do isolamento e aumento da comunicação e troca de experiências entre as equipes do Sentinela; definição clara e objetiva das atribuições do Programa e dos técnicos; dotar os centros e serviços de condições mínimas de qualidade para a efetivação do atendimento; potencialização e otimização do atendimento das vítimas; incremento do acompanhamento dos atendimentos e das vítimas; obtenção de insumos para a avaliação dos resultados e das estratégias a serem adotadas. 14 TCU Relatório de Avaliação de Programa

15

16

17 1. Introdução Antecedentes 1.1. O Plano Estratégico do Tribunal de Contas da União - TCU para o período de 2003 a 2007, aprovado pela Portaria TCU n.º 59, de 20/01/2003, define como um de seus objetivos estratégicos contribuir para a melhoria da prestação dos serviços públicos (objetivo n.º 4) e como uma de suas estratégias, fortalecer as ações de controle voltadas para melhoria do desempenho da gestão pública (estratégia n.º 4) Nos termos do inciso III, do art. 238, do Regimento Interno do TCU, a Secretaria de Fiscalização e Avaliação de Programas de Governo - Seprog realizou, de 21/01 a 06/02 do corrente exercício, estudo de viabilidade em diversos programas de governo com a finalidade de escolher aqueles a ser avaliados no primeiro semestre de O Programa Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de crianças e Adolescentes foi selecionado como conseqüência da avaliação de sua relevância, risco e materialidade A Auditoria é decorrente do Acórdão nº 188/ Plenário, item 9.3 (TC nº /2003-1) e tem como relator o Ministro Lincoln Magalhães da Rocha. O trabalho está registrado no Plano de Fiscalizações do Tribunal sob o número 341/2004. Objeto do trabalho de auditoria 1.4. O objeto do presente trabalho é o Programa Combate ao Abuso e à Exploração de Crianças e Adolescentes, que é composto por oito ações, relacionadas a seguir : Apoio Educacional a Crianças e Adolescentes em Situação de Discriminação e Vulnerabilidade Social Apoio a Comitês Estaduais de Combate à Exploração Sexual Infanto-Juvenil Apoio à Capacitação dos Participantes do Sistema de Garantia de Direitos no Combate ao Abuso, Violência e Exploração Sexual Infanto-Juvenil Apoio a Projetos de Prevenção do Abuso e da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes Gestão e Administração do Programa Serviço de Proteção Socioassistencial às Crianças e Adolescentes Vítimas de Violência, Abuso e Exploração Sexual Rede Nacional de Informações para Prevenção e Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes Publicidade de Utilidade Pública O foco da auditoria é a Ação Serviço de Proteção Socioassistencial às Crianças e aos Adolescentes Vítimas de Violência, Abuso e Exploração Sexual - Programa Sentinela. A escolha deu-se em razão da sua elevada materialidade, que corresponde a cerca de 75% dos recursos do Programa. Ademais, as outras ações começaram a ser executadas a partir de 2004, sendo ainda incipientes para uma avaliação de natureza operacional. Por último, foram identificadas oportunidades de melhoria de desempenho, considerada a relevância e a repercussão social do tema Os levantamentos preliminares de informações apontaram fraquezas na integração com outras políticas públi- Programa Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes 17

18 cas e nos procedimentos de coordenação e acompanhamento da execução da Ação nos três níveis de governo. Identificou-se, também, deficiências quanto à adequação das atividades com vistas ao alcance dos objetivos do Programa, bem como a mensuração dos resultados atingidos, o ganho social e o desempenho dos projetos Avaliou-se a adequação dos procedimentos relativos à coordenação e à integração entre as diversas áreas envolvidas no processo, bem como entre os níveis de governo, o atendimento das crianças e adolescentes no centro de referência e os seus resultados. Por fim buscou-se identificar o impacto da Ação no que concerne ao fortalecimento da auto-estima dos beneficiários e o favorecimento do convívio familiar. Metodologia 1.8. Foi encaminhada pesquisa postal para todas as coordenações estaduais e municipais do Programa e para todos os centros e serviços de referência. O índice de resposta foi de aproximadamente 30%. Além disso, foram visitados dez estados: Goiás (teste-piloto), Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Rio de Janeiro, Ceará, Pará, Alagoas, Bahia e Pernambuco. A escolha dos estados foi feita de forma a abranger todas as regiões e contemplar estados com maior número de centros de referência Em cada estado, os trabalhos foram realizados em um município, além da capital, escolhido com base nos seguintes critérios: facilidade de acesso em relação à capital e boas práticas identificadas no Programa Sentinela. Os municípios visitados foram: Bahia - Feira de Santana e Salvador; Goiás - Goiânia; Santa Catarina - Itajaí e Florianópolis; Mato Grosso do Sul - Corumbá e Campo Grande; Rondônia - Porto Velho; Alagoas - São Miguel dos Campos e Maceió; Pernambuco - Cabo de Santo Agostinho e Recife; Pará - Abaetetuba e Belém; Ceará - Caucaia e Fortaleza Foram visitadas as secretarias de assistência ou congênere, e os centros de referência. Entrevistaram-se os responsáveis pela execução do Programa nos governos locais, pelos centros e serviços de referência, técnicos e educadores do Programa e pais das vítimas. Também, foram realizados grupos focais em cada município com os responsáveis pelos órgãos e entidades integrantes da rede de enfrentamento. Forma de Organização do Relatório O relatório inicia-se apresentando uma visão geral do Programa auditado, compreendendo seu histórico, objetivo, público-alvo, forma de implementação e volume de recursos alocados Os três capítulos seguintes relatam os resultados da avaliação do Programa, onde são descritos aspectos relativos ao financiamento, à eqüidade e à articulação do Sentinela com outras áreas e entre os níveis de governo (capítulo 3); encaminhamento e acompanhamento das vítimas atendidas (capítulo 4); efetividade do Sentinela (capítulo 5); e outros achados de auditoria (capítulo 6) Os capítulos 7 a 9 tratam, respectivamente, do monitoramento do Programa e proposta de indicadores de desempenho, como também da análise dos comentários dos gestores e das considerações finais do trabalho. Neste último, são apresentados os aspectos mais relevantes que foram levantados pela auditoria, assim como os possíveis benefícios esperados com a implementação das recomendações propostas Por fim, no capítulo dez, constam as recomendações e determinações a serem submetidas ao Ministro-Relator da matéria, com vistas à melhoria do desempenho do objeto da auditoria. 18 TCU Relatório de Avaliação de Programa

19

20

21 2. Visão geral do programa Objetivos 2.1. O Programa Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes tem por objetivo prevenir e combater a violência, o abuso e a exploração sexual comercial de crianças e adolescentes. Atua nos eixos de prevenção e atendimento da Política de Garantia e Defesa dos Direitos das Crianças e Adolescentes, conforme previsto na Lei nº 8.069, de 1990, o Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA. O primeiro prevê a realização de campanhas de esclarecimento e capacitação de profissionais. O segundo, a intervenção direta, mediante implementação de programas e projetos de assistência social especializados e da articulação da rede de serviços governamentais e não-governamentais O Serviço de Proteção Socioassistencial às Crianças e Adolescentes Vítimas de Violência, Abuso e Exploração Sexual - Programa Sentinela, foco do presente trabalho de auditoria, tem por objetivo o atendimento, por meio de um conjunto de ações articuladas, de crianças e adolescentes vitimados pela violência com ênfase no abuso e na exploração sexual. Visa garantir às vítimas e suas famílias o acesso a serviços de assistência social, saúde, educação, justiça, segurança, esporte, lazer e cultura. Responsáveis e competências 2.3. O Programa Combate ao Abuso e à Exploração de Crianças e Adolescentes está sob a responsabilidade da Secretaria Especial de Direitos Humanos - SEDH, órgão ligado à Presidência da República. A Ação Serviço de Proteção Socioassistencial às Crianças e aos Adolescentes Vítimas de Violência, Abuso e Exploração Sexual - Programa Sentinela, tem sua gerência no Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - MDS Cabe à SEDH articular a implementação das políticas públicas ligadas ao combate da violência sexual infantojuvenil. O papel do MDS é deliberar sobre o desenho e a implementação do Programa Sentinela; coordenar sua operacionalização, principalmente no que diz respeito às funções de monitoramento e avaliação; e atuar na coordenação política e na articulação com estados e municípios Aos governos estaduais, cabe, principalmente: apoiar a implementação do Sentinela no estado; promover a articulação das ações para assegurar o caráter intersetorial do Programa; viabilizar a oferta de serviços e de ações complementares; apoiar os municípios e os conselhos estaduais e municipais de assistência social e de defesa dos direitos das crianças e adolescentes De acordo com o modelo de gestão descentralizada, os governos municipais são os principais gestores do Programa. As principais atribuições dos municípios são: articular os diversos órgãos e entidades locais afetos ao Programa; assegurar a oferta de serviços essenciais de saúde e educação; viabilizar a oferta de ações complementares ao Programa; e informar periodicamente aos estados e ao MDS os dados sobre a execução do Programa Sentinela. Programa Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes 21

22 Tabela 1 Valores repassados mensalmente de acordo com as modalidades de atendimento Histórico e caracterização da Ação Serviço de Proteção Socioassistencial às Crianças e Adolescentes Vítimas de Violência, Abuso e Exploração Sexual - Programa Sentinela 2.7. O Programa Sentinela começou a ser executado em 2001, sob a responsabilidade da extinta Secretaria de Estado de Assistência Social - SEAS, do Ministério da Previdência e Assistência Social Com o PPA 2004/2007, foi instituído o Programa Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, ligado à SEDH, que abarcou o Sentinela como uma de suas ações. A criação do Programa atendeu, entre outras, a determinações constantes na Constituição Federal, no Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA, na Lei Orgânica da Assistência Social - LOAS e no Plano Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes De forma específica, são objetivos do Programa Sentinela (Portaria nº 878, de 03 de dezembro de 2001): a) desenvolver ações sociais especializadas de atendimento às crianças e adolescentes vitimados pela violência; b) proporcionar a inclusão da clientela atendida pelo Programa e seus familiares em serviços prestados por instituições sociais presentes no município; c) inserir as famílias das crianças e dos adolescentes vitimados pela violência em programas de geração de trabalho e renda, como também em cursos de formação e qualificação profissional; d) contribuir para as ações coletivas de enfrentamento; e) contribuir para um sistema municipal de informações (banco de dados); f) garantir a qualificação continuada dos profissionais envolvidos no atendimento social à população vitimada Ademais, deve contribuir para o fortalecimento de ações coletivas de enfrentamento à violência infanto-juvenil, na compreensão de que uma rede articulada de serviços potencializa recursos, garantindo a continuidade do Programa, como também proceder a estudos e análises permanentes sobre a situação de crianças e adolescentes em situação de risco pessoal e social. Tem como atividade, ainda, reunir-se periodicamente com os Conselhos Tutelares, a fim de que as suas atividades tenham caráter vinculante e complementar O financiamento do Programa Sentinela é feito com a participação das três esferas de governo, federal, estadual e municipal. O valor mensal repassado para a manutenção nos serviços e centros de referência é realizado de acordo com as modalidades de atendimento descritas na Tabela Os Centros de Referência devem fazer parte de uma rede de proteção social. CAPACIDADE 50 ATENDIMENTOS 80 ATENDIMENTOS DIURNO R$ 6.900,00 R$ 9.800,00 DIUTURNO R$ ,00 R$ ,00 22 TCU Relatório de Avaliação de Programa

23 Atualmente, existem no País cerca de 17 mil crianças sendo atendidas em 331 centros. Neles são desenvolvidos a abordagem educativa, o atendimento multiprofissional especializado, o apoio psicossocial e jurídico, o acompanhamento permanente e o abrigamento por 24hs, quando necessário As ações empreendidas nos centros e serviços de referência com os recursos do Programa são as seguintes: recebimento de casos, encaminhamento à rede de atendimento e defesa dos direitos da criança e do adolescente; acompanhamento permanente dos casos atendidos junto a rede de serviços, família e comunidade; atendimento multiprofissional; serviços de abordagem educativa às crianças e aos adolescentes explorados sexualmente nas ruas ou pelas redes organizadas; serviço de apoio psicossocial a grupos de famílias e aos vitimados; abrigamento por 24 horas; desenvolvimento de ações de articulação e mobilização das instituições e da sociedade em geral O Sentinela deverá contar, para tanto, com coordenação e equipe técnica multidisciplinar composta por assistentes sociais, psicólogos, educadores, advogados (financiados pelo município) e outros profissionais lotados nos centros, com dedicação exclusiva às atividades do Programa. É imprescindível que no nível municipal haja a articulação do Programa Sentinela com outras políticas governamentais das áreas de educação, turismo, geração de emprego e renda, saúde, trabalho, entre outras O monitoramento da execução do Programa Sentinela é feito por meio de relatórios semestrais encaminhados pelos municípios aos estados, que os consolidam e encaminham para o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Legislação As leis e normas existentes certamente representam uma conquista para a efetivação do combate ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. A Constituição Federal e o Estatuto da Criança e do Adolescente forneceram embasamento para a instituição, em 2002, do Plano Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual Infanto- Juvenil, documento que atualmente norteia a política de governo que trata da questão. O objetivo do referido Plano é o de buscar estabelecer um conjunto de ações políticas e financeiras articuladas com a finalidade de combater a violência sexual infanto-juvenil Nesse sentido, no PPA 2004/2007 foram instituídas ações em diversas áreas do Governo a fim de se atingir o objetivo almejado. A partir do exercício de 2004 coube à Secretaria Especial de Direitos Humanos, ligada à Presidência da República, a coordenação estratégica e articulação das áreas de governo envolvidas. A área de Educação e de Turismo passaram a contar com orçamento específico para o desenvolvimento de ações correlatas e complementares à da Assistência Social, desenvolvida já desde 2001, por meio do Programa Sentinela. Esse conjunto de ações compõem o Programa Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes A Constituição Federal preconiza a proteção integral às crianças e adolescentes, doutrina regulamentada pelo Estatuto das Crianças e Adolescentes. O art. 227 da CF dispõe que "é dever da Família, da Sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade, à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão." A política de promoção e defesa de direitos da criança e do adolescente tem Programa Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes 23

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Mostrando que a proteção de nossas crianças e adolescentes também está em fase de crescimento Subsecretaria de Promoção

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Avaliação do Programa Nacional Biblioteca da Escola - PNBE

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Avaliação do Programa Nacional Biblioteca da Escola - PNBE TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Secretaria de Fiscalização e Avaliação de Programas de Governo - SEPROG Sumários Executivos Avaliação do Programa Nacional Biblioteca da Escola - PNBE Brasília 2002 RESPONSABILIDADE

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial dos Direitos Humanos Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial dos Direitos Humanos Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial dos Direitos Humanos Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Programa de Ações Integradas e Referenciais de Enfrentamento à Violência

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Avaliação do TCU sobre as ações de atendimento à pessoa idosa

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Avaliação do TCU sobre as ações de atendimento à pessoa idosa TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Secretaria de Fiscalização e Avaliação de Programas de Governo - SEPROG Sumários Executivos Avaliação do TCU sobre as ações de atendimento à pessoa idosa Brasília 2002 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 Disciplina a Política Municipal de Enfrentamento à Violência Sexual e dá outras providências. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas Gerais, por seus representantes

Leia mais

como Política Pública de Estado

como Política Pública de Estado como Política Pública de Estado Brasil 27 estados 5.565 municipios 190 milhoes ha 60 milhoes de 0 a 18 anos. Constituicao Federal de 1988 Art. 227. É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento

Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento Brasília, 06/03/2014 Contextualização Em 2008, a Pesquisa Nacional sobre a População em Situação de Rua apontou que 76,15% da população

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*)

RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*) RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*) Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente Dispõe sobre os Procedimentos e critérios para a aprovação de projetos a serem financiados com recursos

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Erradicação do Trabalho Infantil. Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Fiscalização do Trabalho

Erradicação do Trabalho Infantil. Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Fiscalização do Trabalho Erradicação do Trabalho Infantil Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Fiscalização do Trabalho Estrutura do MTE para o Combate ao Trabalho Infantil a Serviço da Rede de Proteção à Infância.

Leia mais

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência Programa Momento do Programa: Momento LOA+Créditos Tipo de Programa: Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Direitos da Cidadania e Movimentos Sociais R$ 50.000.000 Notas de usuário para Programa

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Caracterização da entidade e supervisão A Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos - PEAS, realizada em 2006, levantou informações sobre 16 089 entidades,

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS O seguinte edital tem por objetivo convidar organizações da sociedade civil a participarem do processo de seleção de projetos para obtenção de apoio

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Avaliação do Programa Irrigação e Drenagem

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Avaliação do Programa Irrigação e Drenagem TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Secretaria de Fiscalização e Avaliação de Programas de Governo - SEPROG Sumários Executivos Avaliação do Programa Irrigação e Drenagem Brasília 2002 RESPONSABILIDADE EDITORIAL

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL MEDIDAS CONCRETAS PARA O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ÂMBITO DOMÉSTICO/FAMILIAR A presente Matriz insere-se no

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes. Disque Denúncia Nacional: DDN 100

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes. Disque Denúncia Nacional: DDN 100 Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças

Leia mais

ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES

ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES I ÁREAS DE INTERESSE Criança e Adolescente Apoio aos Fóruns, Comitês, Associações

Leia mais

Outubro de 2012. Proposta para:

Outubro de 2012. Proposta para: Outubro de 2012 - Proposta para: Desafios da Primeira Infância: Proposta na Agenda Municipal_2 _Argumento Existe consenso entre especialistas de que os primeiros anos de vida são um período crucial nas

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2016 - Política para as Mulheres: Promoção da Autonomia e Enfrentamento à Violência 20O0 - Políticas Culturais de Incentivo à Igualdade de Gênero Número de Ações 13 Esfera: 10 - Orçamento Fiscal

Leia mais

Uma Nova Agenda para a Reforma do

Uma Nova Agenda para a Reforma do Uma Nova Agenda para a Reforma do Setor Saúde: Fortalecimento das Funções Essenciais da Saúde Pública e dos Sistemas de Saúde FORO REGIONAL ANTIGUA/GUATEMALA 19-22 DE JULHO DE 2004 PERSPECTIVAS NACIONAIS

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011

Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 1 Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 2 Planejamento Estratégico Nacional do

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

Exploração Sexual Comercial de Crianças as e Adolescentes

Exploração Sexual Comercial de Crianças as e Adolescentes Exploração Sexual Comercial de Crianças as e Adolescentes Gorete Vasconcelos go_vasconcelos@yahoo.com.br Marcos Históricos e Políticos Código de Menores /1927 Doutrina da Situação Irregular; Declaração

Leia mais

MINISTÉRIO DO TURISMO

MINISTÉRIO DO TURISMO MINISTÉRIO DO TURISMO TURISMO SUSTENTÁVEL & INFÂNCIA-TSI Presidente da República Luís Inácio Lula da Silva Ministra de Estado Marta Suplicy Coordenadora Elisabeth Bahia MINISTÉRIO DO TURISMO A missão do

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO Repasse financeiro do Fundo Nacional de Saúde aos Fundos de Saúde Estaduais, Municipais e do Distrito Federal, por meio do Piso Variável

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

Psicólogo: o seu fazer nos interessa!

Psicólogo: o seu fazer nos interessa! Serviço de Enfrentamento à Violência, Abuso e Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes Pesquisa Online Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas Psicólogo: o seu fazer nos

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO SOCIAL NA ÁREA DA INFÂNCIA

POLÍTICA DE INVESTIMENTO SOCIAL NA ÁREA DA INFÂNCIA POLÍTICA DE INVESTIMENTO SOCIAL NA ÁREA DA INFÂNCIA NOVOS PARÂMETROS DO CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (CONANDA) Carlos Nicodemos DOUTRINA DA INDIFERENÇA Até 1899: Ausência

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação da Rede de Proteção Social de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação da Rede de Proteção Social de Araucária Mostra de Projetos 2011 Projeto de Implantação da Rede de Proteção Social de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa:

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei: LEI N.º 1135/13, DE 01 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Queimados e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA Sistema Único de Assistência Social- SUAS Política de Assistência Social Caracterização: - Definida constitucionalmente (CF/1988): - política pública: direito

Leia mais

EDITAL MDS/PNUD. Qualificação de Parceiros para Implementação de Projetos de Inclusão Produtiva

EDITAL MDS/PNUD. Qualificação de Parceiros para Implementação de Projetos de Inclusão Produtiva EDITAL MDS/PNUD De 31/08/2005 (DOU) Qualificação de Parceiros para Implementação de Projetos de Inclusão Produtiva O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - MDS e o Programa das Nações

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Rede de Proteção. Criança e adolescente. Direitos Humanos. Violência

PALAVRAS-CHAVE Rede de Proteção. Criança e adolescente. Direitos Humanos. Violência 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA (X) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes

Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes 1 Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO ÀS VIOLÊNCIAS CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Ponta Grossa Paraná 2013

Leia mais

Histórico Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) agosto de 2010 no Recife Transformando a sociedade a partir da igreja local

Histórico Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) agosto de 2010 no Recife Transformando a sociedade a partir da igreja local Histórico Esta campanha tem sua origem no contexto do V Encontro Nacional da Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) em agosto de 2010 no Recife PE. Nessa ocasião, o enfoque do evento foi: Transformando

Leia mais

Breve Cronologia das Ações

Breve Cronologia das Ações A ECPAT nasce como campanha de mobilização contra o turismo sexual nos países asiáticos e, a partir de 1995, torna-se referência mundial no combate à exploração sexual comercial, à pornografia e ao tráfico

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Aos 21 de março de 2014, dia em que o mundo comemora o Dia Internacional contra a Discriminação Racial instituído pela ONU em 1966, adotamos o presente Pacto

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Pesquisa sobre Tráfico de Mulheres, Crianças e Adolescentes para Fins de Exploração Sexual Comercial no Brasil (Pestraf)

Pesquisa sobre Tráfico de Mulheres, Crianças e Adolescentes para Fins de Exploração Sexual Comercial no Brasil (Pestraf) Pesquisa sobre Tráfico de Mulheres, Crianças e Adolescentes para Fins de Exploração Sexual Comercial no Brasil (Pestraf) Uma das principais pesquisas já realizadas no Brasil sobre o assunto Exploração

Leia mais

Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde

Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde Falar dos direitos da criança implica necessariamente um resgate do maior avanço em âmbito jurídico e político-ideológico relacionado

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

RELATÓRIO DA REDE DE ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS

RELATÓRIO DA REDE DE ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS RELATÓRIO DA REDE DE ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS Nome do Responsável: Ivone Antunes Cargo do Responsável: Coordenadora PAAHM Contatos do Responsável: (11) 2445-4719 Estado ou Município ou Distrito

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI O Processo de Construção do SNC Teresina-PI 04/Dez/2012 A Importância Estratégica do SNC Após os inúmeros avanços ocorridos nos últimos anos no campo da cultura

Leia mais

MDS: principais resultados e perspectivas

MDS: principais resultados e perspectivas MDS: principais resultados e perspectivas Patrus Ananias de Sousa Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal Brasília-DF, 22 de abril de

Leia mais

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília,12 de Dezembro de 2012. O Comitê Brasileiro de Defensoras/es

Leia mais

Implantação de Rede de Identificação e Localização de Crianças e Adolescentes Desaparecidos

Implantação de Rede de Identificação e Localização de Crianças e Adolescentes Desaparecidos Programa úmero de Ações 12 0153 Promoção e Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente Objetivo Indicador(es) Promover a ampla defesa jurídico-social de crianças e adolescentes Taxa de Municípios com

Leia mais

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A Assistência Social como política de proteção social configura uma nova situação para o Brasil: garantir proteção a todos, que

Leia mais

PORTARIA Nº. 224 DE 25 DE JUNHO DE 2007 PUBLICADA NO DOU EM 27 DE JUNHO DE 2007

PORTARIA Nº. 224 DE 25 DE JUNHO DE 2007 PUBLICADA NO DOU EM 27 DE JUNHO DE 2007 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº. 224 DE 25 DE JUNHO DE 2007 PUBLICADA NO DOU

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais PROGRAMA Brasil, Gênero e Raça Orientações Gerais Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Luiz Marinho Secretário-Executivo Marco Antonio de Oliveira Secretário

Leia mais

Projeto de Desenvolvimento de Capacidade de Governança no Brasil 2008-2011

Projeto de Desenvolvimento de Capacidade de Governança no Brasil 2008-2011 Projeto de Desenvolvimento de Capacidade de Governança no Brasil 2008-2011 Plano de Implementação do Projeto Maio de 2008 Março de 2011 Índice Plano de Implementação do Projeto (PIP): i. Sumário Executivo

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ DUCHEIKO, Angelina do Rocio 1 RODRIGUES, Camila Moreira

Leia mais

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua. Título da experiência: Políticas públicas de apoio à população de rua Uma experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

Leia mais

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social OFICINAS DO XIV ENCONTRO NACIONAL DO CONGEMAS ENFRENTAMENTO AO TRABALHO INFANTIL NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Nivia Maria

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social INGRID CATARINA SOLEDADE CALASANS ingridcalasans@gmail.com ARYADNE MARTINS SOARES BOHRER aryadneadv@gmail.com

Leia mais

EFICIÊNCIA DO CONTROLE EXTERNO EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS

EFICIÊNCIA DO CONTROLE EXTERNO EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS AYRES DE ALMEIDA SILVA FILHO EFICIÊNCIA DO CONTROLE EXTERNO EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

Histórico 2006/ 2010

Histórico 2006/ 2010 Histórico 2006/ 2010 Programa Na Mão Certa O Programa Na Mão Certa, uma iniciativa da Childhood Brasil, que tem como objetivo reunir esforços para mobilizar governos, empresas e organizações da sociedade

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social IX Conferência Nacional de Assistência Social Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social Programação da conferência poderá incluir: 1. Momento de Abertura, que contará

Leia mais

ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente

ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO I ÁREAS DE INTERESSE Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente a) Capacitação para implantação dos planos estaduais

Leia mais

Política Nacional de Saúde Integral da População Negra Plano Operativo

Política Nacional de Saúde Integral da População Negra Plano Operativo MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA DEPARTAMENTO DE APOIO À GESTÃO PARTICPATIVA Política Nacional de Saúde Integral da População Negra Plano Operativo Brasília - DF Abril

Leia mais

20RG - Expansão e Reestruturação de Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica

20RG - Expansão e Reestruturação de Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica Programa 2031 - Educação Profissional e Tecnológica Número de Ações 200 Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 20RG - Expansão e Reestruturação de Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica

Leia mais

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS Deliberação da IV Conferência Nacional; Garantia de acesso aos direitos socioassistenciais; Modelo democrático e descentralizado

Leia mais

ASSISTENTE SOCIAL. C européia e da Igreja Católica. D política, através do governo Getúlio Vargas e da Igreja Católica.

ASSISTENTE SOCIAL. C européia e da Igreja Católica. D política, através do governo Getúlio Vargas e da Igreja Católica. ASSISTENTE SOCIAL 01. Considerando que o Serviço Social foi introduzido no Brasil nos anos 30, é correto afirmar que a primeira escola de Serviço Social, criada em 1963, no seu inicio sofreu forte influência:

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida profissionais

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Departamento de Políticas Temáticas dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária

Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária Manaus/AM 29 de Abril de 2014 Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança

Leia mais